Referencial de Qualificação para as Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Referencial de Qualificação para as Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa"

Transcrição

1 Portal ECVET para a Promoção e o Reconhecimento Mútuo das Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa MaecVET LLP DE-Leonardo-LMP Referencial de Qualificação para as Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa Massagista Desportivo - Portugal Relatório realizado por: GHD Ana Sofia Manzoni Dezembro 2013

2 Índice 1 Introdução Objectivos Metodologia e Fontes Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia em Portugal... 4 Projecto financiado com o apoio da Comissão Europeia. A informação contida nesta publicação vincula exclusivamente o autor, não sendo a Comissão responsável pela utilização que dela possa ser feita. MaecVET Referencial de Qualificação para as Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa 2 de 7

3 1 Introdução Este Referencial de Qualificações foi desenvolvido no âmbito do Projecto MaecVET ( LLP DE- Leonardo-LMP). Este Projecto teve início em Outubro de 2012 e foi realizado ao longo de 24 meses. Os objectivos do Projecto MaecVET são: Compilar dados relevantes de oito países Europeus (Alemanha, Áustria, Finlândia, Hungria, Itália, Portugal, Bulgária e Reino Unido) sobre o enquadramento e os conteúdos da formação profissional/ensino superior nos domínios da massagem e da fisioterapia, e realizar a sua correspondência com o enquadramento e legislação a nível Europeu, tornando esta sinergia visível para o público em geral, Desenvolver um Referencial de Qualificações ECVET para o reconhecimento das profissões nos domínios da massagem e da fisioterapia na Europa: Uma ferramenta online que forneça o acesso rápido a informação e dados relevantes relacionados com os tópico acima mencionados e que confira visibilidade à formação profissional/ensino superior e às ofertas de trabalho disponíveis no domínio da massagem e da fisioterapia, Fornecer feedback aos potenciais envolvidos e decisores políticos sobre o contexto actual ao nível da formação profissional/ensino superior e do Mercado e trabalho na Europa e de que forma as suas exigências podem ser correspondidas através de futuras decisões estratégicas e políticas, Criar uma consciencialização geral sobre a temática do projecto. Este referencial de qualificações descreve as profissões nos domínios da massagem e da fisioterapia seleccionadas pelos países parceiros durante a primeira reunião de projecto. 2 Objectivos O objectivo deste referencial de qualificações é descrever os resultados das unidades de aprendizagem para profissões seleccionadas nos domínios da massagem e da fisioterapia em cada um dos países participantes. Esta descrição irá permitir a comparação transnacional das diferentes profissões tendo em vista a promoção do reconhecimento mútuo das qualificações nestes domínios nos países europeus. 3 Metodologia e Fontes O título de massagista desportivo é uma certificação profissional, mas não existe um programa curricular oficial para o acesso a esta formação. Cada entidade formativa pode propor o seu próprio plano de estudos/formação. A metodologia para elaboração deste referencial incluiu a análise da legislação nacional aplicável (aplicável ao ensino e à formação profissional), a oferta formativa existente e os planos curriculares em vigor. MaecVET Referencial de Qualificação para as Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa 3 de 7

4 4 Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia em Portugal Título da profissão (no idioma nacional) Massagista Desportivo (Técnico Auxiliar de Fisioterapia - Massagem Terapêutica e Desportiva) Título da qualificação / grau (no idioma nacional) Certificação Profissional Massagista Desportivo (Certificação Profissional) País Portugal Nível QEQ Nível 4 classificação oficial proposta do autor Total créditos ECVET ou ECTS pontos ECVET: 60 pontos ECTS: ND classificação oficial proposta do autor Certificação qualificação profissional bacharelado mestrado Duração 6 meses 390 hours (240 horas teóricas 150 horas de formação prática) Enquadramento legal O título de massagista desportivo é uma certificação profissional, mas não existe um programa curricular oficial para o acesso a esta formação. Cada entidade formativa pode propor o seu próprio plano de estudos/formação. Requisitos de acesso Qualificação mínima: Certificado conclusão ensino secundário; Idade mínima de acesso: 16 anos; Testes de acesso: não aplicáveis. Avaliação Escrita Oral Prática Exame final Avaliação contínua Entidade Examinadora Entidade que confere a qualificação Autoridade para o reconhecimento de qualificações internacionais Entidades formadoras certificadas e inseridas no sistema de ensino Instituto Nacional do Emprego e Formação Profissional DGERT Ministério da Educação Instituto Nacional do Emprego e Formação Profissional Sector de Actividade Sector do Bem-estar Sector da Saúde Descrição geral da qualificação Ele/ela desenvolve as suas actividades de forma segura e independente relacionada com a reabilitação física e o apoio a atletas das várias modalidades desportivas. Ele/ela actua no domínio desportivo com a qualificação de base teórica que lhe permite compreender o fenómeno desportivo e o exercício físico promovendo a sua integração em equipas multidisciplinares (de desporto). O acesso do massagista desportivo ao Mercado de trabalho é muito vasto devido à lacuna de profissionais qualificados nas várias vertentes da actividade: traumatologia e reabilitação, manutenção e cuidados de saúde, medicina desportiva, actividades físicas, estética e beleza, medicina do trabalho e assistência a idosos. O/a massagista desportiva pode desempenhar as suas actividades em centros de reabilitação, hospitais, clínicas e centros de medicina natural, estética e centros de beleza, MaecVET Referencial de Qualificação para as Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa 4 de 7

5 centros desportivos, clínicas privadas e empresas que prestem serviços de medicina do trabalho e centros de apoio a pessoas idosas, entre outros. Ele/ela possui conhecimentos teóricos e práticos sólidos que permitem a execução das actividades de massagista desportivo de forma segura e independente. Ele/ela avalia e selecciona as aptidões técnicas que serão necessárias para o cumprimento integral das actividades e tarefas relacionadas com o perfil do massagista desportivo. Ele/ela planifica, desenvolve e avalia as tarefas e actividades relacionadas com o seu perfil profissional, garantido a reabilitação física e o apoio aos atletas das várias modalidades desportivas e outros grupos específicos. Descrição dos resultados das unidades de aprendizagem Nº Título da unidade Descrição da unidade 1 Anatomia e Fisiologia em Massagem Desportiva Horas seman ais Pontos ECVET Pontos ECTS Ele/ela domina a anatomia e a fisiologia em massagem desportiva Ele/ela descreve os principais conceitos, definições e tipos de anatomia e fisiologia em massagem desportiva. Ele/ela possui bons conhecimentos de anatomia e fisiologia em massagem desportiva. Ele/ela selecciona e aplica o conhecimento de anatomia necessário para a sua prática profissional. Nível QEQ 2 Técnicas de Massagem Desportiva e Reabilitação Física 3 Dietética e Nutrição Funcional na Actividade Desportiva Ele/ela executa técnicas de massagem desportiva e reabilitação física Ele/ela possui bons conhecimentos em massagem desportiva e reabilitação física. Ele/ela avalia e define a necessidade de execução de técnicas de massagem desportiva nos seus pacientes. Ele/ela aplica técnicas de massagem desportiva nos seus pacientes, de forma autónoma. Ele/ela aplica os fundamentos de dietética e nutrição desportiva no seu trabalho diário MaecVET Referencial de Qualificação para as Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa 5 de 7

6 Ele/ela avalia e define um regime alimentar aplicável a cada um dos seus pacientes e/ou grupos específicos. Ele/ela possui conhecimento teórico sobre os princípios nutricionais e os diferentes tipos de regime que podem ser usados no desporto. Ele/ela implementa e avalia as lacunas em termos nutricionais dos indivíduos de forma a lidar com problemas relacionados com a saúde, tais como obesidade, perturbações alimentares e infecções gastrointestinais. 4 Avaliação da Condição do Paciente e Reabilitação 5 Fundamentos de Electroterapia e Drenagem Linfática Ele/ela avalia o estado de saúde do paciente e o seu processo de reabilitação Ele/ela avalia e define um plano de reabilitação para um paciente tendo por base a avaliação prévia da sua condição física. Ele/ela possui bom conhecimento sobre a avaliação dos pacientes no que concerne à sua reabilitação. Ele/ela executa e avalia a implementação de um plano de reabilitação individual para determinado paciente e/ou grupo alvo. Ele/ela domina os conceitos de electroterapia e drenagem linfática Ele/ela avalia e define a necessidade para a realização de electroterapia e drenagem linfática. Ele/ela possui conhecimentos sólidos sobre electroterapia e drenagem linfática. Ele/ela realiza os procedimentos de electroterapia e drenagem linfática nos seus pacientes de forma independente. 6 Psicologia do Desporto Ele/ela aplica os conceitos relacionados com a psicologia do desporto Ele/ela avalia as teorias de psicologia mais aplicáveis à sua prática profissional. Ele/ela possui bons conhecimentos sobre os conceitos e as teorias de psicologia que são aplicáveis Ele/ela efectua uma abordagem relacional com o paciente fazendo uso da informação e dados MaecVET Referencial de Qualificação para as Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa 6 de 7

7 no seu contexto profissional. disponíveis. 7 Primeiros Socorros Ele/ela assegura os primeiros socorros à vítima até à chegada da equipa médica Ele/ela selecciona e implementa os primeiros socorros à vítima até à chegada da equipa médica. Ele/ela possui conhecimentos sólidos sobre primeiros socorros relevantes para as suas actividades profissionais. Ele/ela assegura os procedimentos de primeiros socorros, de forma autónoma, em caso de emergência e até à chegada em segurança da equipa médica. 8 Ética e Deontologia no Desporto Ele/ela compreende e age em conformidade com os princípios de ética e deontologia no desporto Ele/ela reflecte sobre as situações que podem penalizar os princípios éticos e deontológicos da profissão. Ele/ela possui conhecimentos sólidos sobre a ética e os princípios deontológicos aplicáveis à prática desportiva. Ele/ela desenvolve a sua actividade profissional, de acordo com os princípios éticos e deontológicos que gerem a profissão. 9 Estágio em Contexto de Trabalho Ele/ela implementa os conhecimentos teóricos e práticos da massagem desportiva em contexto de trabalho Ele/ela selecciona e avalia as actividades e tarefas que devem ser implementadas num ambiente de trabalho (real) e com pacientes específicos. Ele/ela possui conhecimento sólido sobre a aplicação teórica e prática da massagem desportiva em contexto de trabalho. Ele/ela executa tarefas e actividades relacionadas com a prática profissional do massagista desportivo. MaecVET Referencial de Qualificação para as Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa 7 de 7

Referencial de Qualificação para as Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa

Referencial de Qualificação para as Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa Portal ECVET para a Promoção e o Reconhecimento Mútuo das Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa MaecVET 527 330-LLP-1-2012 1 DE-Leonardo-LMP Referencial de Qualificação para as

Leia mais

Referencial de Qualificação para as Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa

Referencial de Qualificação para as Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa Portal ECVET para a Promoção e o Reconhecimento Mútuo das Profissões nos Domínios da Massagem e da Fisioterapia na Europa MaecVET 527 330-LLP-1-2012 1 DE-Leonardo-LMP Referencial de Qualificação para as

Leia mais

UNIDADE CURRICULAR TIPO UNIDADE CURRICULAR TIPO ECTS TEÓRICAS. Anatomia Humana I Semestral 4,5 26 26. Anatomia Humana II Semestral 4,5 26 26

UNIDADE CURRICULAR TIPO UNIDADE CURRICULAR TIPO ECTS TEÓRICAS. Anatomia Humana I Semestral 4,5 26 26. Anatomia Humana II Semestral 4,5 26 26 1º ANO 1º ANO TEÓRICO- SEMINÁRIOS ESTÁGIOS OT Estudos do Movimento Humano Fisiologia Humana I 4,5 26 26 II 4,5 26 26 Estudos do Movimento Humano I 3 26 26 Estudos do Movimento Humano II 6 26 26 Fisiologia

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

A Direcção, Dora Dias Susana Silva

A Direcção, Dora Dias Susana Silva A Mais Família é uma empresa recente, sediada no centro de Matosinhos. Somos uma empresa de APOIO DOMICILIÁRIO, tutelada pelo Instituto da Segurança Social, com o alvará nº 23/2011, prestando assistência

Leia mais

5.5.2.1. MESTRADO EM DESPORTO, ESPECIALIZAÇÕES EM TREINO DESPORTIVO, CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE, DESPORTO DE NATUREZA, EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

5.5.2.1. MESTRADO EM DESPORTO, ESPECIALIZAÇÕES EM TREINO DESPORTIVO, CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE, DESPORTO DE NATUREZA, EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR 5.5.2. CURSOS DE FORMAÇÃO AVANÇADA (2.º CICLO MESTRADOS) E PÓS-GRADUAÇÃO 5.5.2.1. MESTRADO EM DESPORTO, ESPECIALIZAÇÕES EM TREINO DESPORTIVO, CONDIÇÃO FÍSICA E SAÚDE, DESPORTO DE NATUREZA, EDUCAÇÃO FÍSICA

Leia mais

CURSO NATUROPATIA NATUROLOGIA

CURSO NATUROPATIA NATUROLOGIA 1. Área de formação Saúde (729) 2. Itinerário de Qualificação Naturopata - Naturologista 3. Modalidade da formação Qualificação Inicial e Profissional 4. Saída profissional Naturopata - Naturologista 5.

Leia mais

Terapias Complementares e Não Medicamentosas

Terapias Complementares e Não Medicamentosas Curso de Pós-graduação Terapias Complementares e Não Medicamentosas Organização Colaboração ESCOLA NACIONAL DE EQUITAÇÃO INDICE INDICE 2 1. DESIGNAÇÃO DO CURSO E ENTIDADES QUE O PROMOVEM 3 2. ENQUADRAMENTO

Leia mais

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário

Universidade de Coimbra. Grupo de Missão. para o. Espaço Europeu do Ensino Superior. Glossário Universidade de Coimbra Grupo de Missão para o Espaço Europeu do Ensino Superior Glossário ACÇÃO CENTRALIZADA Procedimentos de candidatura em que a selecção e contratação são geridas pela Comissão. Regra

Leia mais

TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia

TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia TRANSPORT LEARNING Cursos de formação para municípios e agências de energia istockphoto Conteúdo Caro leitor, Sobre o projecto... 2 Criando uma base de conhecimento para as regiões de convergência da Europa...

Leia mais

Mestrado em Ensino da Física e da Química

Mestrado em Ensino da Física e da Química Mestrado em Ensino da Física e da Química Mestrado em Ensino da Física e da Química - Faculdade de Ciências da Universidade do Porto 1 5. Estrutura curricular e plano de estudos FORMULÁRIO 1. Estabelecimento

Leia mais

3. Destinatários Licenciados em Fisioterapia (ou equivalente legal à licenciatura) 4. Duração e ECTS 2 semestres - 540 horas - 60 ECTS

3. Destinatários Licenciados em Fisioterapia (ou equivalente legal à licenciatura) 4. Duração e ECTS 2 semestres - 540 horas - 60 ECTS EDITAL Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa do Instituto Politécnico de Lisboa Curso de Pós-Graduação em Terapia Manipulativa e Osteopatia 2.ª Edição 2014/2015 A Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR BACHARELADO EM NUTRIÇÃO

MATRIZ CURRICULAR BACHARELADO EM NUTRIÇÃO MATRIZ CURRICULAR BACHARELADO EM PRIMEIRO PERÍODO / 1 O ANO CIÊNCIAS SOCIAIS, HUMANAS E CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Sociologia, Antropologia e Filosofia 2-40 Iniciação à Pesquisa em Nutrição 2-40 Leitura

Leia mais

Organização Promotora: braga@nova- acropole.pt www.acropolis.org Telm.: 912637687

Organização Promotora: braga@nova- acropole.pt www.acropolis.org Telm.: 912637687 Organização Promotora: braga@nova- acropole.pt www.acropolis.org Telm.: 912637687 1 O Voluntariado é uma resposta necessária à realidade das nossas sociedades e um reconhecido veículo de desenvolvimento

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE MATRIZ CURRICULAR NUTRIÇÃO. Período Eixo Temático Módulo Semanas. Atuação e responsabilidade social do nutricionista

FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE MATRIZ CURRICULAR NUTRIÇÃO. Período Eixo Temático Módulo Semanas. Atuação e responsabilidade social do nutricionista FACULDADE PERNAMBUCANA DE SAÚDE MATRIZ CURRICULAR NUTRIÇÃO Período Eixo Temático Módulo Semanas Atuação e responsabilidade social do nutricionista Saúde direito de todos Nutrição: base da vida 8 sem 10

Leia mais

Fisioterapia Descrição

Fisioterapia Descrição Licenciatura Fisioterapia Descrição Centra-se na análise e avaliação do movimento e da postura, baseadas na estrutura e função do corpo, utilizando modalidades educativas e terapêuticas específicas, com

Leia mais

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS

REGULAMENTO DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO DE CUIDADOS GERAIS ÍNDICE Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais Preâmbulo...05 Artigo 1.º - Objecto...07 Artigo 2.º - Finalidades...07 Artigo 3.º - Conceitos...08 Artigo 4.º - Domínios das

Leia mais

beneficiando da localização privilegiada do equipamento. Número de utentes: Lar 30 utentes Número de postos de trabalho a criar: 22

beneficiando da localização privilegiada do equipamento. Número de utentes: Lar 30 utentes Número de postos de trabalho a criar: 22 CASA DE SARRAZOLA Caracterização do imóvel: Edificação datada dos anos sessenta do séc. XIX, com cerca de 313 m2 de área coberta e 1638 m2 de quintal, doada a esta Misericórdia pela senhora drª Glória

Leia mais

3. Destinatários Licenciados em Fisioterapia, Terapia Ocupacional e Medicina. 4. Duração e ECTS 2 semestres - 540 horas - 60 ECTS. 4.

3. Destinatários Licenciados em Fisioterapia, Terapia Ocupacional e Medicina. 4. Duração e ECTS 2 semestres - 540 horas - 60 ECTS. 4. EDITAL Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa do Instituto Politécnico de Lisboa Curso de Pós-Graduação em Terapia Manipulativa e Osteopatia 1.ª Edição 2013/2014 A Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 EDUCAÇÃO ESPECIAL Lisboa, 8 de Janeiro de 2008 DL 3/2008, de 7 de Janeiro: Sumário Define os apoios especializados a prestar na educação pré-escolar e nos ensinos básico e secundário dos sectores público,

Leia mais

FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS INVESTIR HOJE NA FORMAÇÃO PARA ESTAR MAIS PREPARADO AMANHÃ. Associação para o Desenvolvimento de Peniche

FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS INVESTIR HOJE NA FORMAÇÃO PARA ESTAR MAIS PREPARADO AMANHÃ. Associação para o Desenvolvimento de Peniche FORMAÇÕES MODULARES CERTIFICADAS INVESTIR HOJE NA FORMAÇÃO PARA ESTAR MAIS PREPARADO AMANHÃ Associação para o Desenvolvimento de Peniche O que são as Formações Modulares Certificadas As Formações Modulares

Leia mais

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior

A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior A difícil concretização do processo de Bolonha no Ensino Superior O SNESup e o Núcleo de Estudantes de Sociologia da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra realizaram mais um debate integrado

Leia mais

RECINTOS DESPORTIVOS - ASSISTENTE DE RECINTO DESPORTIVO

RECINTOS DESPORTIVOS - ASSISTENTE DE RECINTO DESPORTIVO RECINTOS DESPORTIVOS - ASSISTENTE DE RECINTO DESPORTIVO Portaria n.º 1522-B/2002 de 20 de Dezembro Assistente de recinto desportivo...3 Definições...3 Funções...3 Deveres...4 Formação...4 Módulos de formação

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE. PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A AUXILIAR DE SAÚDE PERFIL PROFISSIONAL Técnico/a Auxiliar de Saúde Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/9 ÁREA DE ACTIVIDADE - SAÚDE OBJECTIVO GLOBAL SAÍDA(S) PROFISSIONAL(IS)

Leia mais

Anatomia Humana I N/H 72 4. Biofísica N/H 72 4. Biologia Celular e Molecular N/H 72 2. Fundamentos de Fisioterapia N/H 36 2

Anatomia Humana I N/H 72 4. Biofísica N/H 72 4. Biologia Celular e Molecular N/H 72 2. Fundamentos de Fisioterapia N/H 36 2 Faculdades Integradas do Extremo Sul da Bahia Portaria MEC n º 1.77, de 13 de junho de 00 CURSO DE FISIOTERAPIA Estrutura Curricular 1º PERÍODO Anatomia Humana I N/H 7 Biofísica N/H 7 Biologia Celular

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

De Outubro de 2008 até a actualidade

De Outubro de 2008 até a actualidade CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Nome PAULA SUSANA MOREIRA DIAS DOS REIS Telefone 966 479 736; 936 855 646 Correio electrónico paulareis1@gmail.com Nacionalidade Portuguesa Data de nascimento 26-09-1980

Leia mais

Residência Médica. Equivalência da Residência Médica com Curso de Especialização e Título de Especialista

Residência Médica. Equivalência da Residência Médica com Curso de Especialização e Título de Especialista Residência Médica A Residência Médica foi instituída no Brasil pela Lei nº. 6.932 de 07 de julho de 1981 e regulamentada pelo Decreto nº. 80.281, de 05 de setembro de 1977. Equivalência da Residência Médica

Leia mais

LISTAGEM DAS UNIDADES DE ENSINO OFERTADAS POR CURSO EM 2010/1 EM REGIME DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO

LISTAGEM DAS UNIDADES DE ENSINO OFERTADAS POR CURSO EM 2010/1 EM REGIME DE DEPENDÊNCIA/ADAPTAÇÃO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO Administração de Recursos Humanos II Administração de Sistemas de Informações Contabilidade Básica I Contabilidade Básica II Contabilidade Geral Economia Brasileira e Contemporânea

Leia mais

Suplemento ao Diploma

Suplemento ao Diploma Suplemento ao Diploma 1. Informação sobre o titular da qualificação 1.1 Apelido(s): Fotografia 1.2 Nome(s) próprio(s): 1.3 Data Nascimento: dd/mm/aaaa 1.4 Número de identificação do estudante: XXXXXXXXXXXXXXXX

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau4 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU IV A formação de Grau IV consubstancia o topo da hierarquia profissional da actividade de

Leia mais

Regulamento Geral de Especialidades da Ordem dos Médicos Veterinários Título de especialista atribuído pela Ordem dos Médicos Veterinários

Regulamento Geral de Especialidades da Ordem dos Médicos Veterinários Título de especialista atribuído pela Ordem dos Médicos Veterinários Regulamento Geral de Especialidades da Ordem dos Médicos Veterinários Título de especialista atribuído pela Ordem dos Médicos Veterinários O desenvolvimento da medicina veterinária nas últimas décadas

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica

Prémio Inovação em Intervenção Psicológica Prémio Inovação em Intervenção Psicológica ABRIL 2015 Índice 03 05 11 1. Programa OPP Inovação em Intervenção Psicológica 1.1. Prémio Inovação em Intervenção Psicológica 1.2. Summer Camp - Inovação em

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA

UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA UNIVERSIDADE DO PORTO GLOSSÁRIO DA ÁREA DA EDUCAÇÃO CONTÍNUA Acção de formação Módulo, curso, curso livre, curso multidisciplinar ou seminário realizado no âmbito da Educação Contínua ou da Aprendizagem

Leia mais

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria

Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Curso de Técnico Auxiliar de Geriatria Área de Formação: 762. Trabalho Social e Orientação O Técnico Auxiliar de Geriatria é o profissional com múltiplas competências para poder desempenhar as suas funções

Leia mais

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos

Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos Transição da escola para o emprego: Princípios-chave e Recomendações para Responsáveis Políticos No final do ano de 1999 a Agência Europeia iniciou um projecto de investigação, a nível Europeu, sobre o

Leia mais

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES

CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES CURSO GESTÃO DA MOBILIDADE E DESLOCAÇÕES NAS EMPRESAS PLANEAR PARA A REDUÇÃO DE CUSTOS E OPTIMIZAÇÃO DE SOLUÇÕES 19 e 20 Fevereiro 2013 Auditório dos CTT- Correios de Portugal Lisboa Horário Laboral: 09h30

Leia mais

Boas práticas. Vias de Conclusão e Certificação do Ensino Secundário

Boas práticas. Vias de Conclusão e Certificação do Ensino Secundário Jornadas de Formação Profissional Boas práticas Região Autónoma da Madeira Vias de Conclusão e Certificação do Ensino Secundário (Decreto lei nº 357/2007 de 29 de Outubro) Os melhores RUMOS para os Cidadãos

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS

O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS O Processo de Bolonha na ESTBarreiro/IPS João Vinagre Santos A ESTBarreiro/IPS Criação em Julho de 1999, pelo Ministro da Educação Prof. Marçal Grilo 4ª Escola do IPS, 2ª Escola de Tecnologia, 1ª Escola

Leia mais

COMO VALIDAR AS COMPETÊNCIAS DOS VOLUNTÁRIOS? Orientação prática

COMO VALIDAR AS COMPETÊNCIAS DOS VOLUNTÁRIOS? Orientação prática COMO VALIDAR AS COMPETÊNCIAS DOS VOLUNTÁRIOS? Orientação prática PROJECT TITLE: VOLUNTEERING VALIDATION HIGHWAY GRANT AGREEMENT: 2013-1-FI1-GRU06-12792 2013-2015 Este projeto foi financiado com o apoio

Leia mais

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações

CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações CICLO CERTIFICADO ACTIVISION CIEO Coaching Indivíduos, Equipas & Organizações Representado por: 1 OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS! Adquirir as 11 competências do coach de acordo com o referencial da ICF! Beneficiar

Leia mais

Quadro Europeu de Qualificações para a aprendizagem ao longo da vida (QEQ)

Quadro Europeu de Qualificações para a aprendizagem ao longo da vida (QEQ) Quadro Europeu de Qualificações Quadro Europeu de Qualificações para a aprendizagem ao longo da vida (QEQ) Europe direct é um serviço que o ajuda a encontrar respostas às suas perguntas sobre a União Europeia

Leia mais

Matriz 2008... 02. Matriz 2010... 05. Matriz 2013... 08

Matriz 2008... 02. Matriz 2010... 05. Matriz 2013... 08 Página 1 Matriz Curricular Sumário Matriz 2008... 02 Matriz 2010... 05 Matriz 2013... 08 Página 2 MATRIZ CURRICULAR 2008 1º Período 2º Período 3 º Período 4º Período Anatomia do Aparelho Locomotor 72 Biologia

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA

Universidade Nova de Lisboa ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO O Regulamento do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho (CEMT) visa enquadrar, do ponto de vista normativo, o desenvolvimento das actividades inerentes ao funcionamento do curso, tendo

Leia mais

CARGA CURSO DISCIPLINA

CARGA CURSO DISCIPLINA CARGA CURSO DISCIPLINA HORARIA Administração AD ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS II 40 AD CONTABILIDADE E CUSTOS II 40 AD CONTABILIDADE GERENCIAL 40 AD ECONOMIA INDUSTRIAL 40 AD ESTATÍSTICA

Leia mais

Psicologia Aplicada em Portugal

Psicologia Aplicada em Portugal Psicologia Aplicada em Portugal Áreas Técnicos de Saúde Mental Psicologia Educacional Psicologia do Trabalho Psicologia Profissional Psicologia Clínica Psicologia Criminal Psicologia Desportiva Psicólogo

Leia mais

Segurança Alimentar. Pós-Graduação. 45 ECTS // www.esb.ucp.pt

Segurança Alimentar. Pós-Graduação. 45 ECTS // www.esb.ucp.pt Pós-Graduação Segurança Alimentar 45 ECTS // www.esb.ucp.pt Nesta pós-graduação estudam-se os perigos, riscos, metodologias e legislação com que a segurança alimentar é confrontada na atualidade, numa

Leia mais

BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO

BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO Administração de Produção Administração Financeira Administração Mercadológica II Análise das Demonstrações Financeiras Auditoria Comércio Exterior e Economia Internacional

Leia mais

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE

M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE M ODELO EUROPEU DE CURRICULUM VITAE INFORMAÇÃO PESSOAL Formador Profissional / Coordenador Pedagógico / Consultor de Formação Nome POEIRAS, VITOR JOAQUIM GALRITO Naturalidade Sumbe, Quanza Sul, Angola

Leia mais

Avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas;

Avaliar, sistematizar e decidir as condutas mais adequadas, baseadas em evidências científicas; CURSO: FISIOTERAPIA Missão O curso de Fisioterapia da Universidade Estácio de Sá, através de uma estrutura embasada em princípios contemporâneos, tem por missão a formação de um fisioterapeuta generalista,

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

3-7 Novembro 2014, Lisboa

3-7 Novembro 2014, Lisboa Curso Instrutor de Reabilitação Cardíaca fase 4 British Association for Cardiovascular Prevention and Rehabilitation (BACPR) 3-7 Novembro 2014, Lisboa Área(s) de Formação: 726- Terapia e Reabilitação Unidades

Leia mais

Curso de Técnico Auxiliar de Saúde (Auxiliar de Ação Médica)

Curso de Técnico Auxiliar de Saúde (Auxiliar de Ação Médica) Curso de Técnico Auxiliar de Saúde (Auxiliar de Ação Médica) Área de Formação: 729. Serviços de Saúde O Técnico Auxiliar de Saúde, vulgarmente designado por Auxiliar de Ação Médica, é o profissional capacitado

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE RUGBY

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE RUGBY Edital N 88/2013 São Paulo, 12 de junho de 2013 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DESTINADAS À CONTRATAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE RUGBY (CBRu), de acordo

Leia mais

4ª Edição-Gestão de enfermagem em unidades de saúde

4ª Edição-Gestão de enfermagem em unidades de saúde 4ª Edição-Gestão de enfermagem em unidades de saúde 00. Fundamentação do curso A gestão é uma área de intervenção da enfermagem com uma grande importância estratégica e primordial para a qualidade dos

Leia mais

HOSPITAL PELÓPIDAS SILVEIRA PROGRAMA DE ESTÁGIOS E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL. RODÍZIO EM NEUROINTENSIVISMO PARA RESIDENTES (160h)

HOSPITAL PELÓPIDAS SILVEIRA PROGRAMA DE ESTÁGIOS E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL. RODÍZIO EM NEUROINTENSIVISMO PARA RESIDENTES (160h) HOSPITAL PELÓPIDAS SILVEIRA PROGRAMA DE ESTÁGIOS E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PRECEPTOR RESPONSÁVEL Dra. Maria Goreth Pereira: goreth_pereira@hotmail.com PRECEPTORES ENVOLVIDOS Edna Lucia Freitas Daiana

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Carga Horária: Especificação DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Nº de Horas Carga Horária da Grade Curricular 3.060 204 Carga Horária de s 900 60 Carga Horária de Disciplinas Eletivas Obrigatórias 90 06 CARGA

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

A Câmara Superior de Ensino da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2012 Aprova a estrutura curricular contida no Projeto

Leia mais

Avaliação e testemunhos das acções de formação

Avaliação e testemunhos das acções de formação Conteúdo Avaliação e testemunhos das acções de formação Caro leitor, Material de formação em 9 línguas, disponível gratuitamente! Experiências das formações: O método... 2 Avaliação da formação... 3 Factos

Leia mais

Turismo Médico Reactivo. Turismo Médico Proactivo. Turismo de Bem-Estar

Turismo Médico Reactivo. Turismo Médico Proactivo. Turismo de Bem-Estar Turismo desaúde O que procurámos? O workshop Definição da estratégia colectiva para o sector do Turismo de Saúde e Bem- Estar Português realizado pela Accenture identificou áreas claras de desenvolvimento

Leia mais

PROJECTO MAiE. Agricultura Multifuncional na Europa

PROJECTO MAiE. Agricultura Multifuncional na Europa PROJECTO MAiE Agricultura Multifuncional na Europa O Projecto MAiE Projecto internacional Multifunctional Agriculture in Europe (MAIE) Impactos Sociais e Ecológicos em Explorações de Agricultura Biológica

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG

NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG NORMAS REGULAMENTARES DOS MESTRADOS DO ISEG Nos termos do artigo 26.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março e do Regulamento de Mestrados da Universidade Técnica de Lisboa (Deliberação do Senado da

Leia mais

EDITAL DE MONITORIA DOS CURSOS DA SAÚDE 2015.1. Período de inscrição para monitoria: 10 a 13 de fevereiro de 2015.

EDITAL DE MONITORIA DOS CURSOS DA SAÚDE 2015.1. Período de inscrição para monitoria: 10 a 13 de fevereiro de 2015. EDITAL DE MONITORIA DOS CURSOS DA SAÚDE 25.1. Período de inscrição para monitoria: 10 a 13 de fevereiro de 25. Local: SALA 20/BLOCO E/CAMPUS II (DIREÇÃO DA SAÚDE) Horário: de segunda à sexta-feira das

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS. B) TEMPO ÚTIL (Carga Horária) = 3.840 H/AULA CURRÍCULO PLENO 1.

MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS. B) TEMPO ÚTIL (Carga Horária) = 3.840 H/AULA CURRÍCULO PLENO 1. MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: NUTRIÇÃO BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁIMO = 7 (SETE)

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE SÃO JOSÉ DE CLUNY RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE SÃO JOSÉ DE CLUNY RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DE SÃO JOSÉ DE CLUNY RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 CURSO DE ENFERMAGEM 1º CICLO FUNCHAL 1 0 Introdução O Relatório de concretização

Leia mais

PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A

PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A PARECER DO CCISP SOBRE O DOCUMENTO PROVENIENTE DA SECRETARIA DE ESTADO DO ENSINO SUPERIOR RELATIVO A Processo de Bolonha: Sistema de Graus do Ensino Superior 1- Introdução O designado por Processo de Bolonha

Leia mais

2º e 3º Ciclos Ensino Profissional

2º e 3º Ciclos Ensino Profissional 2º e 3º Ciclos Ensino Profissional Índice 1. A União Europeia O caminho da UE 2. Os Anos Europeus 3. 2010 Ano Europeu do Combate à Pobreza e Exclusão Social (AECPES) 4. 2010 AECPES. Pobreza e Exclusão

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE MEDICINA REGULAMENTO DAS ESTRUTURAS PEDAGÓGICAS DA FACULDADE DE MEDICINA

REPÚBLICA DE ANGOLA UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE MEDICINA REGULAMENTO DAS ESTRUTURAS PEDAGÓGICAS DA FACULDADE DE MEDICINA REPÚBLICA DE ANGOLA UNIVERSIDADE AGOSTINHO NETO FACULDADE DE MEDICINA REGULAMENTO DAS ESTRUTURAS PEDAGÓGICAS DA FACULDADE DE MEDICINA CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1.º (Âmbito) Sem prejuízo do disposto

Leia mais

Curso Pós-graduado de Aperfeiçoamento B-LEARNING EM ENDODONTIA

Curso Pós-graduado de Aperfeiçoamento B-LEARNING EM ENDODONTIA UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA Curso Pós-graduado de Aperfeiçoamento B-LEARNING EM ENDODONTIA (2013-2015) 1. FINALIDADE O Curso Pós-graduado de Aperfeiçoamento B-LEARNING EM ENDODONTIA

Leia mais

A Cardiopneumologia é a Ciência que estuda a função (fisiologia) e estrutura sistemas cardíaco, vascular e respiratório.

A Cardiopneumologia é a Ciência que estuda a função (fisiologia) e estrutura sistemas cardíaco, vascular e respiratório. Licenciatura Cardiopneumologia Descrição A Cardiopneumologia é a Ciência que estuda a função (fisiologia) e estrutura sistemas cardíaco, vascular e respiratório. O Cardiopneumologista é o profissional

Leia mais

EDIÇÃO ESPECIAL 2009

EDIÇÃO ESPECIAL 2009 EDIÇÃO ESPECIAL 2009 LIFE COACHING Curso Profissional de Formação de Coach Certificação Internacional em Coaching MORE E ECA (Para Reconhecimento pela ICI contactar-nos.) Entidade: MORE Institut, Ltd Actualmente

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA-FORMAÇÃO FISIOTERAPEUTA

CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA-FORMAÇÃO FISIOTERAPEUTA CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA-FORMAÇÃO FISIOTERAPEUTA Coordenaçăo: Profª. Esp. Lidiane Alves Dias E-mail: fisioterapia@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 219 Conceito É uma ciência da Saúde

Leia mais

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08)

Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) 20.12.2011 Jornal Oficial da União Europeia C 372/31 Conclusões do Conselho sobre o critério de referência da mobilidade para a aprendizagem (2011/C 372/08) O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, TENDO EM CONTA

Leia mais

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências

Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências Regulamento de Creditação e Avaliação das Competências O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos do

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 08/2011 Aprova a estrutura curricular do Curso de Enfermagem, modalidade bacharelado,

Leia mais

Matriz 2008... 02. Matriz 2010... 04. Matriz 2013... 06

Matriz 2008... 02. Matriz 2010... 04. Matriz 2013... 06 Página 1 EMENTAS Sumário Matriz 2008... 02 Matriz 2010... 04 Matriz 2013... 06 Página 2 MATRIZ CURRICULAR 2008 1º Período Anatomia do Aparelho Locomotor 72 72 Coletivas I Bases Teórico-Metodológicas da

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 02/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO Aprova a estrutura curricular do Curso de Nutrição, na modalidade bacharelado,

Leia mais

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00116 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Descrição

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE FISIOTERAPIA Este manual tem por finalidade orientar os alunos do curso de fisioterapia, sobre a sistemática e os procedimentos para a execução do Estagio Supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010 REGULAMENTO

Leia mais

Freguesia de Portimão, Concelho de Portimão, Distrito de Faro

Freguesia de Portimão, Concelho de Portimão, Distrito de Faro Curriculum Vitae Informação Pessoal Apelido(s) Nome(s) próprio(s) Morada Telemóvel Endereços de correio electrónico Silva Rosalino Ana Isabel Cartão de Cidadão Naturalidade Nacionalidade Estado Civil Freguesia

Leia mais

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA

REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA REDE TEMÁTICA DE ACTIVIDADE FÍSICA ADAPTADA Patrocinada e reconhecida pela Comissão Europeia no âmbito dos programas Sócrates. Integração social e educacional de pessoas com deficiência através da actividade

Leia mais

Eleva-te a um Nível Superior

Eleva-te a um Nível Superior Eleva-te a um Nível Superior Curso b-learning de Medicina Oriental, Shiatsu e Fitoterapia Introdução O CT.Doriente ou Escola Nacional de Shiatsu e Disciplinas Associadas, desenvolveu tecnicamente o curso

Leia mais

Escola Superior de Educação João de Deus. Curso de Responsável Técnico em Gestão Empresarial Funerária

Escola Superior de Educação João de Deus. Curso de Responsável Técnico em Gestão Empresarial Funerária Curso de Responsável Técnico (com base no n.º 3 do Artigo n.º 25 do Decreto de Lei n.º 109/2010 de 14 de Outubro) Curso de Especialização/ Pós-Graduação (como adaptação para as exigências no n.º 1 do artigo

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados ÁREA A DESENVOLVER Formação Comercial Gratuita para Desempregados Índice 8. Sobre nós 7. Como pode apoiar-nos 6. Datas de realização e inscrição 5. Conteúdos Programáticos 4. Objectivos 3. O Workshop de

Leia mais

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26931 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Centro

Leia mais

QUADRO DE VAGAS PARA MONITORIA 2015.1 - ESCOLA DA SAÚDE - CAMPUS NATAL

QUADRO DE VAGAS PARA MONITORIA 2015.1 - ESCOLA DA SAÚDE - CAMPUS NATAL Educação Educação Educação Educação Sistema Ósteo Mio Articular Noturno 1 2 Sistema Ósteo Mio Articular Medidas e Avaliação do Desempenho Humano Noturno 1 3 Medidas e Avaliação do Desempenho Humano Biodinâmica

Leia mais

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições;

A Câmara Superior de Ensino do Conselho Universitário da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº /2010 Altera a estrutura curricular do Curso de Graduação em Medicina, do Centro

Leia mais