1. Anexo 1. Quadro 1 Local de trabalho dos especialistas que possuem um conhecimento escasso dos temas de cenarização (Nº e %)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Anexo 1. Quadro 1 Local de trabalho dos especialistas que possuem um conhecimento escasso dos temas de cenarização (Nº e %)"

Transcrição

1 . Anexo Quadro Local de trabalho dos especialistas que possuem um conhecimento escasso dos temas de cenarização (Nº e %) Temas de Cenarização Q Utilização prática de aplicações lógicas de tradução de língua estrangeira em processos empresariais como o EDI: Q Uso generalizado de tecnologias de informação integradas em todos os equipamentos básicos de operadores, permitindo aprendizagem, para além de dispôr na máquina de informação sobre o produto e gravação automática de informação. Q Por cada trabalhador na banca portuguesa vão existir clientes de telepagamento (pagamento por telefone, PC dedicado ou internet), o que representa cerca de % de facturas pagas através de ATM. Q Profissões médicas (técnicos de diagnóstico, de apoio cirúrgico, terapeutas, reparadores de equipamento de electromedicina e biomedicina, etc.) e profissões legais (técnicos de bases de dados de direitos, controladores de direito de autor, ciber-criminologistas, etc.) têm crescimento no volume de emprego na ordem dos % anuais. Q % das vendas por PME são transaccionadas directamente com os clientes através de redes electrónicas. Q Utilização prática de equipamento automatizado de montagem para a fabricação de produtos com componentes mecânicos e electromecânicos complexos. Q Utilização generalizada de sistemas de supervisão baseados em tecnologias de informação que monitorizam todas as transacções de processos empresariais e fornecem aconselhamento para melhorias. Q Em % das empresa existem instalações e equipamentos específicos de apoio a trabalhadores idosos e deficientes. Q As funções de programação de controlo numérico, de processo e de ferramentas aumenta na mesma proporção da automatização industrial. Q % das aquisições realizadas pela Administração Pública são efectuadas por meios proporcionados pelo comércio electrónico. Q % do pessoal do sector de publicidade está dedicado exclusivamente ao comércio electrónico. Q Com a possibilidade técnica de processos de produção contínua fiável, o trabalho por turnos afectará % da população activa empregada em todos os sectores de actividade económica. Tecido empresarial,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,% Univ s e I & D,%,%,%,%,%,%,%,% Local de Trabalho Org. Público %,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,% % %,%,% Org. Parceria Social %,%,%,% Total,%,%,% %,%,%,%,% Q O mercado de trabalho no domínio da programação

2 e aplicações informáticas representa metade da população activa da indústria de conteúdos. Q Em cada localidade com, pelo menos, mil habitantes existe um Centro de Recursos Local com infraestruturas acessíveis nas áreas das tecnologias de informação e das comunicações, para apoio a teletrabalho e auto-formação. Q % das empresas contratam serviços a empresas especializadas de análise de sistemas e programação de equipamento. Q % dos trabalhadores portugueses utilizarão dispositivos electrónicos pessoais tais como distintivos e cartões inteligentes (para autenticação, autorização, localização e ambientes de encaminhamento. Q A concertação social de aspectos associados à Sociedade da Informação será estabelecida através de Conselhos Económicos e Sociais sectoriais. Q O emprego no sector de serviços informáticos e tratamento de dados aumenta % num período de anos, tendo por base a referência de. Q Video-conferências serão utilizadas em % das reuniões empresariais com pessoas em diferentes locais. Q Os sectores de informação representam em Portugal % da população activa (em eram,%, e no mesmo ano na Alemanha e França,% e Reino Unido,%). Q Os horários normais de trabalho de horas afectarão % da população activa empregada no sector dos serviços. Q % das empresa portuguesas têm sítios/páginas na WWW. Q % da população portuguesa utiliza computadores/comunicadores pessoais integrados e portáteis. Q Os horários normais de trabalho de horas afectarão % da população activa empregada no sector transformador. Q % da compra de livros junto de livreiros e de editores é realizada através de formas de comércio electrónico. Q % das empresa portuguesas recorrem a formas de teletrabalho. Q As necessidades de emprego de quadros médios (nível III) serão asseguradas em % dos casos. Q % das equipas flexíveis de trabalho organizadas com trabalhadores polivalentes recorrem a bases de dados e a formas de comunicação electrónica. Q Para cerca de % das PME portuguesas é possível a sua integração em redes internacionais de empresas (subcontratação, franchising, etc). Q Cerca de % das PME portuguesas incluem nos seus quadros especialistas em tecnologias de informação, que desenvolvem novos programas, ou os adaptam, e os integram com outros componentes em sistemas coerentes. Q % das empresa portuguesas utilizam correio electrónico. Q % da população portuguesa utiliza correio electrónico tão frequentemente como o telefone. Q Em % dos postos de trabalho de todos os sectores será possível aos seus titulares poder tomar iniciativas amplas não contidas nas instruções.,%,%,%,%,%,% %,%,%,%,%,% %,%,%,%,%,%,%,% %,%,%,%,%,%,%,% %,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,% %,%,%,% %,%,%,% %,%,%,%,%,%,%,%,% %,%,% % % %,%,%,% % %,% %,%,% % % % %,%,%,%

3 Q % da correspondência de rotina do Governo com os cidadão (pagamento de impostos, informação laboral, censos, etc,) é transaccionada por meios electrónicos.,%,%,%,% Quadro Funções desempenhadas pelos especialistas que possuem um conhecimento escasso dos temas de cenarização (Nº e %) Temas de Cenarização Direcção Geral Gestão ou Direcção Técnica,% Função Investigação e Desenvolvimento Q Utilização prática de aplicações lógicas de tradução de língua estrangeira em processos empresariais como o EDI: %,% Q Por cada trabalhador na banca portuguesa vão existir clientes de telepagamento (pagamento por telefone, PC dedicado ou internet), o que representa cerca de % de facturas pagas através de ATM.,%,% % Q Uso generalizado de tecnologias de informação integradas em todos os equipamentos básicos de operadores, permitindo aprendizagem, para além de dispôr na máquina de informação sobre o produto e gravação,%,%,% automática de informação. Q Profissões médicas (técnicos de diagnóstico, de apoio cirúrgico, terapeutas, reparadores de equipamento de electromedicina e biomedicina, etc.) e profissões legais (técnicos de bases de dados de direitos, controladores de direito de autor, ciber-criminologistas, etc.) têm,%,% % crescimento no volume de emprego na ordem dos % anuais. Q % das vendas por PME são transaccionadas directamente com os clientes através de redes electrónicas.,%,%,% Q Utilização generalizada de sistemas de supervisão baseados em tecnologias de informação que monitorizam todas as transacções de processos empresariais e fornecem aconselhamento para melhorias.,%,%,% Q Em % das empresa existem instalações e equipamentos específicos de apoio a trabalhadores idosos e deficientes. %,%,% Q Utilização prática de equipamento automatizado de montagem para a fabricação de produtos com componentes mecânicos e electromecânicos % % % complexos. Q % do pessoal do sector de publicidade está dedicado exclusivamente ao comércio electrónico.,%,%,% Q % das aquisições realizadas pela Administração Pública são efectuadas por meios proporcionados pelo comércio electrónico.,%,% % Q As funções de programação de controlo numérico, de processo e de ferramentas aumenta na mesma proporção da automatização industrial.,%,%,% Q Com a possibilidade técnica de processos de produção contínua fiável, o trabalho por turnos afectará % da população activa empregada em todos os sectores de actividade económica.,%,%,% Q O mercado de trabalho no domínio da programação e aplicações informáticas representa metade da população activa da indústria de %,%,% conteúdos. Q Em cada localidade com, pelo menos, mil habitantes existe um Centro de Recursos Local com infraestruturas acessíveis nas áreas das tecnologias de informação e das comunicações, para apoio a teletrabalho e % % % auto-formação. Q % das empresas contratam serviços a empresas especializadas de Total

4 análise de sistemas e programação de equipamento.,%,%,% Q % dos trabalhadores portugueses utilizarão dispositivos electrónicos pessoais tais como distintivos e cartões inteligentes (para autenticação, autorização, localização e ambientes de encaminhamento.,%,%,% Q A concertação social de aspectos associados à Sociedade da Informação será estabelecida através de Conselhos Económicos e Sociais sectoriais.,% %,% Q O emprego no sector de serviços informáticos e tratamento de dados aumenta % num período de anos, tendo por base a referência de. Q Os horários normais de trabalho de horas afectarão % da população activa empregada no sector dos serviços.,%,% Q Video-conferências serão utilizadas em % das reuniões empresariais com pessoas em diferentes locais.,% Q Os sectores de informação representam em Portugal % da população activa (em eram,%, e no mesmo ano na Alemanha e França,% e Reino Unido,%).,% Q Os horários normais de trabalho de horas afectarão % da população activa empregada no sector transformador.,% Q % da população portuguesa utiliza computadores/comunicadores pessoais integrados e portáteis.,% Q % da compra de livros junto de livreiros e de editores é realizada através de formas de comércio electrónico.,% Q % das empresa portuguesas têm sítios/páginas na Q As necessidades de emprego de quadros médios (nível III) serão asseguradas em % dos casos.,% Q % das empresa portuguesas recorrem a formas de teletrabalho.,% Q Cerca de % das PME portuguesas incluem nos seus quadros especialistas em tecnologias de informação, que desenvolvem novos programas, ou os adaptam, e os integram com outros componentes em,% sistemas coerentes. Q Para cerca de % das PME portuguesas é possível a sua integração em redes internacionais de empresas (sub-contratação, franchising, etc).,% Q % da população portuguesa utiliza correio electrónico tão frequentemente como o telefone. Q Em % dos postos de trabalho de todos os sectores será possível aos seus titulares poder tomar iniciativas amplas não contidas nas instruções. Q % das equipas flexíveis de trabalho organizadas com trabalhadores polivalentes recorrem a bases de dados e a formas de comunicação electrónica.,%,%,% Q % das empresa portuguesas utilizam correio electrónico.,% Q % da correspondência de rotina do Governo com os cidadão (pagamento de impostos, informação laboral, censos, etc,) é transaccionada,% por meios electrónicos.,%,%,%,%,%,%,%,%,% %,% % %,%,%,%,%,%,%,% %,%,%,%,%,%,%,%,%,% %,%,%,% Quadro Temas de cenarização ocorrerão no Futuro Próximo - até (Nº e %) Temas de cenarização Frequências Relativas (%) Frequências Absolutas (n)

5 Q % das empresa portuguesas utilizam correio electrónico. Q Os sistemas de Tecnologias de Informação Domésticos e de uso generalizado em rotinas de trabalho não necessitam de formação para % dos utilizadores. Q % da população portuguesa tem acesso a um computador pessoal (% em,%,%,%,%,.% em ),% Q % da população portuguesa tem acesso a internet (% em, % em ).,% Q % das empresa portuguesas têm sítios/páginas na Q % das vendas por PME são transaccionadas directamente com os % clientes através de redes electrónicas.,% Q % das aquisições realizadas pela Administração Pública são efectuadas,% por meios proporcionados pelo comércio electrónico.,% Q % da população portuguesa utiliza computadores/comunicadores,% pessoais integrados e portáteis.,% Q Metade da população portuguesa procura frequentemente informação a,% partir de fontes electrónicas. % Q % da população portuguesa utiliza correio electrónico tão,% frequentemente como o telefone.,% Q Video-conferências serão utilizadas em % das reuniões empresariais,% com pessoas em diferentes locais.,% Q Por cada trabalhador na banca portuguesa vão existir clientes de,% telepagamento (pagamento por telefone, PC dedicado ou internet), o que representa cerca de % de facturas pagas através de ATM.,% Q % da compra de livros junto de livreiros e de editores é realizada,% através de formas de comércio electrónico.,% Q Uso generalizado de tecnologias de informação integradas em todos os equipamentos básicos de operadores, permitindo aprendizagem, para além de dispôr na máquina de informação sobre o produto e gravação automática de informação.,%,% Q Utilização prática de equipamento automatizado de montagem para a fabricação de produtos com componentes mecânicos e electromecânicos complexos. Q Utilização generalizada de sistemas de supervisão baseados em tecnologias de informação que monitorizam todas as transacções de processos empresariais e fornecem aconselhamento para melhorias.,%,%,%,% Q Utilização prática de aplicações lógicas de tradução de língua estrangeira % em processos empresariais como o EDI:,% Q Com o aumento da actividade científica e tecnológica nas empresas, o,% volume de emprego de técnicos de nível IV (técnicos de laboratório, bacharéis, técnicos de gestão), terá um crescimento anual na ordem dos.,% Q As necessidades de emprego de quadros superiores intermédios (nível IV) % serão asseguradas em % dos casos.,% Q As necessidades de emprego de quadros médios (nível III) serão % asseguradas em % dos casos.,% Q Em % dos postos de trabalho de todos os sectores será possível aos,% seus titulares poder tomar iniciativas amplas não contidas nas instruções.,% Q % dos cursos básicos de educação (até o º ano de escolaridade) incluem,% pelo menos um módulo baseado em aprendizagem à distância.,% Q Cerca de % dos cursos de formação profissional têm qualidade prática.,% %

6 Q Os alunos de cursos de formação profissional dispendem em média % do,% seu tempo de aprendizagem utilizando sistemas de ensino à distância.,% Q Adopção generalizada de sistemas de aprendizagem e formação assistidos,% por computador no local de trabalho para aumentar continuamente as qualificações dos trabalhadores.,% Q Cerca de % das PME portuguesas incluem nos seus quadros,% especialistas em tecnologias de informação, que desenvolvem novos programas, ou os adaptam, e os integram com outros componentes em sistemas coerentes.,% Q % das empresas contratam serviços a empresas especializadas de,% análise de sistemas e programação de equipamento.,% Q As funções de programação de controlo numérico, de processo e de,% ferramentas aumenta na mesma proporção da automatização industrial.,% Q O emprego no sector de serviços informáticos e tratamento de dados,% aumenta % num período de anos, tendo por base a referência de.,% Q % do pessoal do sector de publicidade está dedicado exclusivamente,% ao comércio electrónico.,% Q O mercado de trabalho no domínio da programação e aplicações,% informáticas representa metade da população activa da indústria de conteúdos. % Q Os sectores de informação representam em Portugal % da população,% activa (em eram,%, e no mesmo ano na Alemanha e França,% e Reino Unido,%).,% Q Profissões médicas (técnicos de diagnóstico, de apoio cirúrgico, terapeutas, reparadores de equipamento de electromedicina e biomedicina, etc.) e profissões legais (técnicos de bases de dados de direitos, controladores de direito de autor, ciber-criminologistas, etc.) têm crescimento no volume de emprego na ordem dos % anuais. %,% Q A escolaridade mínima obrigatória é de anos, e a formação em sistemas,% de informação é básica.,% Q A concertação social de aspectos associados à Sociedade da Informação,% será estabelecida através de Conselhos Económicos e Sociais sectoriais.,% Q A temática da inovação tecnológica estará presente em % dos acordos,% estabelecidos entre os parceiros sociais.,% Q As estruturas sindicais estão organizadas em torno de grupos de % qualificação e não por sector.,% Q % da correspondência de rotina do Governo com os cidadão % (pagamento de impostos, informação laboral, censos, etc,) é transaccionada por meios electrónicos.,% Q Em cada localidade com, pelo menos, mil habitantes existe um Centro,% de Recursos Local com infraestruturas acessíveis nas áreas das tecnologias de informação e das comunicações, para apoio a teletrabalho e auto-formação.,% Q Em % das empresa existem instalações e equipamentos específicos de,% apoio a trabalhadores idosos e deficientes.,% Q % de todos os incentivos à modernização industrial são projectos no % domínio das Novas Formas de Organização do Trabalho e do Teletrabalho.,% Q Os horários normais de trabalho de horas afectarão % da população,% activa empregada no sector transformador.,% Q Os horários normais de trabalho de horas afectarão % da população % activa empregada no sector dos serviços.,% Q Com a possibilidade técnica de processos de produção contínua fiável, o,% trabalho por turnos afectará % da população activa empregada em todos os sectores de actividade económica. % Q Utilização generalizada de tecnologias de informação por especialistas para obter instantaneamente assistência em linha a partir de várias fontes industriais,%

7 obter instantaneamente assistência em linha a partir de várias fontes industriais,,% quando antes o faziam recorrendo a livros ou bibliotecas. Q % dos trabalhadores portugueses utilizarão dispositivos electrónicos,% pessoais tais como distintivos e cartões inteligentes (para autenticação, autorização, localização e ambientes de encaminhamento.,% Q % das equipas flexíveis de trabalho organizadas com trabalhadores,% polivalentes recorrem a bases de dados e a formas de comunicação electrónica.,% Q Para cerca de % das PME portuguesas é possível a sua integração em,% redes internacionais de empresas (sub-contratação, franchising, etc).,% Q % das empresa portuguesas recorrem a formas de teletrabalho.,%,% Nota: ª Fase / ª Fase Quadro Necessidade de cooperação nacional e internacional na realização de todos os temas de cenarização com provável realização a médio e longo prazo - até (Nº e %) Cooperação Nacional Internacional Temas de Cenarização Necessária Desnecessária Total Necessária Desnecessária Total Q % das empresa portuguesas utilizam correio electrónico.,%,%,%,% Q Os sistemas de Tecnologias de Informação Domésticos e de uso generalizado em rotinas de trabalho não necessitam de formação para % dos utilizadores. % %,%,% Q % da população portuguesa tem acesso a um computador pessoal (% em,.% em ),%,%,%,% Q % da população portuguesa tem acesso a internet (% em, % em ).,%,%,%,% Q % das empresa portuguesas têm sítios/páginas na Q % das vendas por PME são transaccionadas directamente com os clientes através de redes,%,%,%,% electrónicas. Q % das aquisições realizadas pela Administração Pública são efectuadas por meios proporcionados pelo comércio electrónico. Q % da população portuguesa utiliza computadores/comunicadores pessoais integrados e portáteis. Q Metade da população portuguesa procura frequentemente informação a partir de fontes electrónicas. Q % da população portuguesa utiliza correio electrónico tão frequentemente como o telefone. Q Video-conferências serão utilizadas em % das reuniões empresariais com pessoas em diferentes locais. Q Por cada trabalhador na banca portuguesa vão existir clientes de telepagamento (pagamento por telefone, PC dedicado ou internet), o que representa,%,%,% %,%,%,%,%,% %,%,% %,%,%,%,%,% %,%,%,%,%,%

8 cerca de % de facturas pagas através de ATM. Q % da compra de livros junto de livreiros e de editores é realizada através de formas de comércio electrónico. Q Uso generalizado de tecnologias de informação integradas em todos os equipamentos básicos de operadores, permitindo aprendizagem, para além de dispôr na máquina de informação sobre o produto e gravação automática de informação. Q Utilização prática de equipamento automatizado de montagem para a fabricação de produtos com componentes mecânicos e electromecânicos complexos. Q Utilização generalizada de sistemas de supervisão baseados em tecnologias de informação que monitorizam todas as transacções de processos empresariais e fornecem aconselhamento para melhorias. Q Utilização prática de aplicações lógicas de tradução de língua estrangeira em processos empresariais como o EDI: Q Com o aumento da actividade científica e tecnológica nas empresas, o volume de emprego de técnicos de nível IV (técnicos de laboratório, bacharéis, técnicos de gestão), terá um crescimento anual na ordem dos. Q As necessidades de emprego de quadros superiores intermédios (nível IV) serão asseguradas em % dos casos. Q As necessidades de emprego de quadros médios (nível III) serão asseguradas em % dos casos. Q Em % dos postos de trabalho de todos os sectores será possível aos seus titulares poder tomar iniciativas amplas não contidas nas instruções. Q % dos cursos básicos de educação (até o º ano de escolaridade) incluem pelo menos um módulo baseado em aprendizagem à distância. Q Cerca de % dos cursos de formação profissional têm qualidade prática. Q Os alunos de cursos de formação profissional dispendem em média % do seu tempo de aprendizagem utilizando sistemas de ensino à distância. Q Adopção generalizada de sistemas de aprendizagem e formação assistidos por computador no local de trabalho para aumentar continuamente as qualificações dos trabalhadores. Q Cerca de % das PME portuguesas incluem nos seus quadros especialistas em tecnologias de informação, que desenvolvem novos programas, ou os adaptam, e os integram com outros componentes em sistemas coerentes. Q % das empresas contratam serviços a empresas especializadas de análise de sistemas e programação de equipamento. Q As funções de programação de controlo numérico, de processo e de ferramentas aumenta na mesma proporção da automatização industrial. Q O emprego no sector de serviços informáticos e tratamento de dados aumenta % num período de anos, tendo por base a referência de. Q % do pessoal do sector de publicidade está dedicado exclusivamente ao comércio electrónico.,%,%,% %,%,%,%,%,%,%,% %,%,%,%,%,%,%,%,%,% %,%,%,%,%,%,%,% %,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%

9 Q O mercado de trabalho no domínio da programação e aplicações informáticas representa metade da população activa da indústria de conteúdos. Q Os sectores de informação representam em Portugal % da população activa (em eram,%, e no mesmo ano na Alemanha e França,% e Reino Unido,%). Q Profissões médicas (técnicos de diagnóstico, de apoio cirúrgico, terapeutas, reparadores de equipamento de electromedicina e biomedicina, etc.) e profissões legais (técnicos de bases de dados de direitos, controladores de direito de autor, ciber-criminologistas, etc.) têm crescimento no volume de emprego na ordem dos % anuais. Q A escolaridade mínima obrigatória é de anos, e a formação em sistemas de informação é básica. Q A concertação social de aspectos associados à Sociedade da Informação será estabelecida através de Conselhos Económicos e Sociais sectoriais. Q A temática da inovação tecnológica estará presente em % dos acordos estabelecidos entre os parceiros sociais. Q As estruturas sindicais estão organizadas em torno de grupos de qualificação e não por sector. Q % da correspondência de rotina do Governo com os cidadão (pagamento de impostos, informação laboral, censos, etc,) é transaccionada por meios electrónicos. Q Em cada localidade com, pelo menos, mil habitantes existe um Centro de Recursos Local com infraestruturas acessíveis nas áreas das tecnologias de informação e das comunicações, para apoio a teletrabalho e auto-formação. Q Em % das empresa existem instalações e equipamentos específicos de apoio a trabalhadores idosos e deficientes. Q % de todos os incentivos à modernização industrial são projectos no domínio das Novas Formas de Organização do Trabalho e do Teletrabalho. Q Os horários normais de trabalho de horas afectarão % da população activa empregada no sector transformador. Q Os horários normais de trabalho de horas afectarão % da população activa empregada no sector dos serviços. Q Com a possibilidade técnica de processos de produção contínua fiável, o trabalho por turnos afectará % da população activa empregada em todos os sectores de actividade económica. Q Utilização generalizada de tecnologias de informação por especialistas para obter instantaneamente assistência em linha a partir de várias fontes industriais, quando antes o faziam recorrendo a livros ou bibliotecas. Q % dos trabalhadores portugueses utilizarão dispositivos electrónicos pessoais tais como distintivos e cartões inteligentes (para autenticação, autorização, localização e ambientes de encaminhamento. Q % das equipas flexíveis de trabalho organizadas com trabalhadores polivalentes recorrem a bases de dados e a formas de comunicação electrónica.,%,%,%,%,%,% %,%,%,%,%,%,% %,%,%,%,%,%,%,%,% %,%,% %,%,%,%,% %,%,% %,%,%,%,%,% %,%,%,%,%,%,%,%,%,%,% %,%,%,%,%,% %,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%

10 Q Para cerca de % das PME portuguesas é possível a sua integração em redes internacionais de empresas (sub-contratação, franchising, etc). Q % das empresa portuguesas recorrem a formas de teletrabalho. Q As formas flexíveis de emprego (a tempo parcial, auto-emprego, contratos a termo) aumentam, atingindo % do volume de emprego. Q A polarização do mercado de trabalho (muito qualificados e pouco qualificados) aumenta com o desenvolvimento da Sociedade da Informação. Q O efeito do desenvolvimento da Sociedade da Informação é diferenciado territorialmente, mantendo ou acentuando as assimetrias regionais.,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,% %,%,%,%,% % Quadro Temas de cenarização que ocorrerão no futuro longínquo - > anos (Nº e %) Temas de cenarização Total de especialistas Q % das empresa portuguesas utilizam correio electrónico.,% Q Os sistemas de Tecnologias de Informação domésticos e de uso generalizado em rotinas de trabalho não necessitam de formação para % dos utilizadores.,% Q % da população portuguesa tem acesso a um computador pessoal (% em,.% em ),% Q % da população portuguesa tem acesso a internet (% em, % em ).,% Q % das empresa portuguesas têm sítios/páginas na Q % das vendas por PME são transaccionadas directamente com os clientes através de redes electrónicas.,% Q % das aquisições realizadas pela Administração Pública são efectuadas por meios proporcionados pelo comércio electrónico.,% Q % da população portuguesa utiliza computadores/comunicadores pessoais integrados e portáteis.,% Q Metade da população portuguesa procura frequentemente informação a partir de fontes electrónicas.,% Q % da população portuguesa utiliza correio electrónico tão frequentemente como o telefone.,% Q Video-conferências serão utilizadas em % das reuniões empresariais com pessoas em diferentes locais.,% Q Por cada trabalhador na banca portuguesa vão existir clientes de telepagamento (pagamento por telefone, PC dedicado ou internet), o que representa cerca de % de facturas pagas através de ATM.,% Q % da compra de livros junto de livreiros e de editores é realizada através de formas de comércio electrónico.,% Q Uso generalizado de tecnologias de informação integradas em todos os equipamentos básicos de operadores, permitindo aprendizagem, para além de dispôr na máquina de informação sobre o produto e gravação automática de informação.,% Q Utilização prática de equipamento automatizado de montagem para a fabricação de produtos com componentes mecânicos e electromecânicos complexos.,%

11 Q Utilização generalizada de sistemas de supervisão baseados em tecnologias de informação que monitorizam todas as transacções de processos empresariais e fornecem aconselhamento para melhorias. Q Utilização prática de aplicações lógicas de tradução de língua estrangeira em processos empresariais como o EDI: Q Com o aumento da actividade científica e tecnológica nas empresas, o volume de emprego de técnicos de nível IV (técnicos de laboratório, bacharéis, técnicos de gestão), terá um crescimento anual na ordem dos. Q As necessidades de emprego de quadros superiores intermédios (nível IV) serão asseguradas em % dos casos. Q As necessidades de emprego de quadros médios (nível III) serão asseguradas em % dos casos. Q Em % dos postos de trabalho de todos os sectores será possível aos seus titulares poder tomar iniciativas amplas não contidas nas instruções. Q % dos cursos básicos de educação (até o º ano de escolaridade) incluem pelo menos um módulo baseado em aprendizagem à distância.,%,%,%,%,%,%,% Q Cerca de % dos cursos de formação profissional têm qualidade prática.,% Q Os alunos de cursos de formação profissional dispendem em média % do seu tempo de aprendizagem utilizando sistemas de ensino à distância.,% Q Adopção generalizada de sistemas de aprendizagem e formação assistidos por computador no local de trabalho para aumentar continuamente as qualificações dos trabalhadores. % Q Cerca de % das PME portuguesas incluem nos seus quadros especialistas em tecnologias de informação, que desenvolvem novos programas, ou os adaptam, e os integram com outros componentes em sistemas coerentes. Q % das empresas contratam serviços a empresas especializadas de análise de sistemas e programação de equipamento. Q As funções de programação de controlo numérico, de processo e de ferramentas aumenta na mesma proporção da automatização industrial. Q O emprego no sector de serviços informáticos e tratamento de dados aumenta % num período de anos, tendo por base a referência de. Q % do pessoal do sector de publicidade está dedicado exclusivamente ao comércio electrónico. Q O mercado de trabalho no domínio da programação e aplicações informáticas representa metade da população activa da indústria de conteúdos. Q Os sectores de informação representam em Portugal % da população activa (em eram,%, e no mesmo ano na Alemanha e França,% e Reino Unido,%). Q Profissões médicas (técnicos de diagnóstico, de apoio cirúrgico, terapeutas, reparadores de equipamento de electromedicina e biomedicina, etc.) e profissões legais (técnicos de bases de dados de direitos, controladores de direito de autor, ciber-criminologistas, etc.) têm crescimento no volume de emprego na ordem dos % anuais.,% %,%,%,% %,% Q A escolaridade mínima obrigatória é de anos, e a formação em sistemas de informação é básica.,% Q A concertação social de aspectos associados à Sociedade da Informação será estabelecida através de Conselhos Económicos e Sociais sectoriais.,% Q A temática da inovação tecnológica estará presente em % dos acordos estabelecidos entre os parceiros sociais.,% Q As estruturas sindicais estão organizadas em torno de grupos de qualificação e não por sector.,% Q % da correspondência de rotina do Governo com os cidadão (pagamento de impostos, informação laboral, censos, etc,) é transaccionada por meios electrónicos.,% Q Em cada localidade com, pelo menos, mil habitantes existe um Centro de Recursos Local com infraestruturas acessíveis nas áreas das tecnologias de informação e das comunicações, para apoio a teletrabalho e auto-formação.,% Q Em % das empresa existem instalações e equipamentos específicos de apoio a trabalhadores idosos e deficientes.,% Q % de todos os incentivos à modernização industrial são projectos no domínio das Novas Formas de Organização do Trabalho e do Teletrabalho.,% %

12 Q Os horários normais de trabalho de horas afectarão % da população activa empregada no sector transformador.,% Q Os horários normais de trabalho de horas afectarão % da população activa empregada no sector dos serviços.,% Q Com a possibilidade técnica de processos de produção contínua fiável, o trabalho por turnos afectará % da população activa empregada em todos os sectores de actividade económica.,% Q Utilização generalizada de tecnologias de informação por especialistas para obter instantaneamente assistência em linha a partir de várias fontes industriais, quando antes o faziam recorrendo a livros ou bibliotecas. Q % dos trabalhadores portugueses utilizarão dispositivos electrónicos pessoais tais como distintivos e cartões inteligentes (para autenticação, autorização, localização e ambientes de encaminhamento.,%,% Q % das equipas flexíveis de trabalho organizadas com trabalhadores polivalentes recorrem a bases de dados e a formas de comunicação electrónica.,% Q Para cerca de % das PME portuguesas é possível a sua integração em redes internacionais de empresas (sub-contratação, franchising, etc).,% Q % das empresa portuguesas recorrem a formas de teletrabalho.,% Q As formas flexíveis de emprego (a tempo parcial, auto-emprego, contratos a termo) aumentam, atingindo % do volume de emprego.,% Q A polarização do mercado de trabalho (muito qualificados e pouco qualificados) aumenta com o desenvolvimento da Sociedade da Informação.,% Q O efeito do desenvolvimento da Sociedade da Informação é diferenciado territorialmente, mantendo ou acentuando as assimetrias regionais.,% Quadro Necessidade de cooperação nacional e internacional na realização de todos os temas de cenarização com provável realização no futuro longínquo - > anos (Nº e %) Cooperação Nacional Internacional Temas de Cenarização Necessária Desnecessária Total Necessária Desnecessária Total Q % das empresa portuguesas utilizam correio electrónico. % % Q Os sistemas de Tecnologias de Informação domésticos e de uso generalizado em rotinas de trabalho não necessitam de formação para % dos utilizadores. % % % % Q % da população portuguesa tem acesso a um computador pessoal (% em,.% em ) % % Q % da população portuguesa tem acesso a internet (% em, % em ). % % % % Q % das empresa portuguesas têm sítios/páginas na WWW. % % % % Q % das vendas por PME são transaccionadas directamente com os clientes através de redes electrónicas. % % % % Q % das aquisições realizadas pela Administração Pública são efectuadas por meios proporcionados pelo comércio electrónico.,%,%,%,% Q % da população portuguesa utiliza computadores/comunicadores pessoais integrados e portáteis.,%,% Q Metade da população portuguesa procura % %

13 frequentemente informação a partir de fontes electrónicas.,%,%,%,% Q % da população portuguesa utiliza correio electrónico tão frequentemente como o telefone.,%,%,%,% Q Video-conferências serão utilizadas em % das reuniões empresariais com pessoas em diferentes locais.,%,%,%,% Q Por cada trabalhador na banca portuguesa vão existir clientes de telepagamento (pagamento por telefone, PC dedicado ou internet), o que representa cerca de % de facturas pagas através de ATM. % % % Q % da compra de livros junto de livreiros e de editores é realizada através de formas de comércio electrónico. Q Uso generalizado de tecnologias de informação integradas em todos os equipamentos básicos de operadores, permitindo aprendizagem, para além de dispôr na máquina de informação sobre o produto e gravação automática de informação. Q Utilização prática de equipamento automatizado de montagem para a fabricação de produtos com componentes mecânicos e electromecânicos complexos. Q Utilização generalizada de sistemas de supervisão baseados em tecnologias de informação que monitorizam todas as transacções de processos empresariais e fornecem aconselhamento para melhorias. Q Utilização prática de aplicações lógicas de tradução de língua estrangeira em processos empresariais como o EDI: Q Com o aumento da actividade científica e tecnológica nas empresas, o volume de emprego de técnicos de nível IV (técnicos de laboratório, bacharéis, técnicos de gestão), terá um crescimento anual na ordem dos. Q As necessidades de emprego de quadros superiores intermédios (nível IV) serão asseguradas em % dos casos. Q As necessidades de emprego de quadros médios (nível III) serão asseguradas em % dos casos. Q Em % dos postos de trabalho de todos os sectores será possível aos seus titulares poder tomar iniciativas amplas não contidas nas instruções. Q % dos cursos básicos de educação (até o º ano de escolaridade) incluem pelo menos um módulo baseado em aprendizagem à distância. Q Cerca de % dos cursos de formação profissional têm qualidade prática. Q Os alunos de cursos de formação profissional dispendem em média % do seu tempo de aprendizagem utilizando sistemas de ensino à distância. Q Adopção generalizada de sistemas de aprendizagem e formação assistidos por computador no local de trabalho para aumentar continuamente as qualificações dos trabalhadores. Q Cerca de % das PME portuguesas incluem nos seus quadros especialistas em tecnologias de informação, que desenvolvem novos programas, ou os adaptam, e os integram com outros componentes em sistemas coerentes. Q % das empresas contratam serviços a empresas especializadas de análise de sistemas e programação de equipamento. Q As funções de programação de controlo numérico, de processo e de ferramentas aumenta na mesma proporção da automatização industrial.,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,% %,% %,% %,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,% %,%,% %,%,%,%,% %,%,%,%,%,%,%,% %,%,% %,%,%,%,% %

14 Q O emprego no sector de serviços informáticos e tratamento de dados aumenta % num período de anos, tendo por base a referência de. Q % do pessoal do sector de publicidade está dedicado exclusivamente ao comércio electrónico. Q O mercado de trabalho no domínio da programação e aplicações informáticas representa metade da população activa da indústria de conteúdos. Q Os sectores de informação representam em Portugal % da população activa (em eram,%, e no mesmo ano na Alemanha e França,% e Reino Unido,%). Q Profissões médicas (técnicos de diagnóstico, de apoio cirúrgico, terapeutas, reparadores de equipamento de electromedicina e biomedicina, etc.) e profissões legais (técnicos de bases de dados de direitos, controladores de direito de autor, ciber-criminologistas, etc.) têm crescimento no volume de emprego na ordem dos % anuais. Q A escolaridade mínima obrigatória é de anos, e a formação em sistemas de informação é básica. Q A concertação social de aspectos associados à Sociedade da Informação será estabelecida através de Conselhos Económicos e Sociais sectoriais. Q A temática da inovação tecnológica estará presente em % dos acordos estabelecidos entre os parceiros sociais. Q As estruturas sindicais estão organizadas em torno de grupos de qualificação e não por sector. Q % da correspondência de rotina do Governo com os cidadão (pagamento de impostos, informação laboral, censos, etc,) é transaccionada por meios electrónicos. Q Em cada localidade com, pelo menos, mil habitantes existe um Centro de Recursos Local com infraestruturas acessíveis nas áreas das tecnologias de informação e das comunicações, para apoio a teletrabalho e auto-formação. Q Em % das empresa existem instalações e equipamentos específicos de apoio a trabalhadores idosos e deficientes. Q % de todos os incentivos à modernização industrial são projectos no domínio das Novas Formas de Organização do Trabalho e do Teletrabalho. Q Os horários normais de trabalho de horas afectarão % da população activa empregada no sector transformador. Q Os horários normais de trabalho de horas afectarão % da população activa empregada no sector dos serviços. Q Com a possibilidade técnica de processos de produção contínua fiável, o trabalho por turnos afectará % da população activa empregada em todos os sectores de actividade económica. Q Utilização generalizada de tecnologias de informação por especialistas para obter instantaneamente assistência em linha a partir de várias fontes industriais, quando antes o faziam recorrendo a livros ou bibliotecas. Q % dos trabalhadores portugueses utilizarão dispositivos electrónicos pessoais tais como distintivos e cartões inteligentes (para autenticação, autorização, localização e ambientes de encaminhamento. % % %,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,% %,% % % % %,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,% %,% % % % %,%,%,%,%,%,%,% %,%,% % %,% % % % % %,%,%,%,%,%,%,% %,%,% % %,%

15 Q % das equipas flexíveis de trabalho organizadas com trabalhadores polivalentes recorrem a bases de dados e a formas de comunicação electrónica. Q Para cerca de % das PME portuguesas é possível a sua integração em redes internacionais de empresas (subcontratação, franchising, etc). Q % das empresa portuguesas recorrem a formas de teletrabalho. Q As formas flexíveis de emprego (a tempo parcial, auto-emprego, contratos a termo) aumentam, atingindo % do volume de emprego. Q A polarização do mercado de trabalho (muito qualificados e pouco qualificados) aumenta com o desenvolvimento da Sociedade da Informação. Q O efeito do desenvolvimento da Sociedade da Informação é diferenciado territorialmente, mantendo ou acentuando as assimetrias regionais.,%,% %,% % %,%,% %,% % %,% %,% % %,% % %,% % % Quadro Necessidade de cooperação nacional e internacional no futuro próximo - até (resultados das duas fases Delphi) Cooperação Nacional Cooperação Internacional Temas de Cenarização Necess Desneces Total Moda Necessári Desnecessária Total Moda ária sária a Q % das empresa portuguesas,%,% % % utilizam correio electrónico.,%,%,%,% Q Os sistemas de Tecnologias de,%,%,%,% Informação domésticos e de uso generalizado % %,%,% em rotinas de trabalho não necessitam de formação para % dos utilizadores. Q % da população portuguesa tem,%,%,%,% acesso a um computador pessoal (% em,%,%,%,%,.% em ) Q % da população portuguesa tem,%,%,%,% acesso a internet (% em, % em,%,%,%,% ). Q % das empresa portuguesas têm,%,%,%,% sítios/páginas na Q % das vendas por PME são,%,%,%,% transaccionadas directamente com os,%,%,%,% clientes através de redes electrónicas. Q % das aquisições realizadas pela,%,%,%,% Administração Pública são efectuadas por,%,% % % meios proporcionados pelo comércio electrónico. Q % da população portuguesa utiliza,%,%,%,% computadores/comunicadores pessoais,%,%,%,% integrados e portáteis. Q Metade da população portuguesa,%,%,%,% procura frequentemente informação a partir,%,%,%,% de fontes electrónicas. Q % da população portuguesa utiliza,%,%,%,%

16 correio electrónico tão frequentemente % %,%,% como o telefone. Q Video-conferências serão utilizadas,%,% % % em % das reuniões empresariais com,%,%,%,% pessoas em diferentes locais. Q Por cada trabalhador na banca,%,%,%,% portuguesa vão existir clientes de telepagamento (pagamento por telefone, PC,%,%,%,% dedicado ou internet), o que representa cerca de % de facturas pagas através de ATM. Q % da compra de livros junto de,%,%,%,% livreiros e de editores é realizada através de formas de comércio electrónico.,%,%,%,% Q Uso generalizado de tecnologias de % %,%,% informação integradas em todos os equipamentos básicos de operadores,,%,%,%,% permitindo aprendizagem, para além de dispôr na máquina de informação sobre o produto e gravação automática de informação. Q Utilização prática de equipamento,%,%,%,% automatizado de montagem para a fabricação de produtos com componentes mecânicos e,%,%,%,% electromecânicos complexos. Q Utilização generalizada de sistemas % % % % de supervisão baseados em tecnologias de informação que monitorizam todas as % %,%,% transacções de processos empresariais e fornecem aconselhamento para melhorias. Q Utilização prática de aplicações,%,%,%,% lógicas de tradução de língua estrangeira em processos empresariais como o EDI:,%,%,%,% Q Com o aumento da actividade % %,%,% científica e tecnológica nas empresas, o volume de emprego de técnicos de nível IV,%,%,%,% (técnicos de laboratório, bacharéis, técnicos de gestão), terá um crescimento anual na ordem dos. Q As necessidades de emprego de,%,%,%,% quadros superiores intermédios (nível IV) serão asseguradas em % dos casos.,%,%,%,% Q As necessidades de emprego de,%,% % % quadros médios (nível III) serão asseguradas em % dos casos.,%,%,%,% Q Em % dos postos de trabalho de,%,% % % / todos os sectores será possível aos seus titulares poder tomar iniciativas amplas não,%,%,%,% contidas nas instruções. Q % dos cursos básicos de educação % %,%,% (até o º ano de escolaridade) incluem pelo menos um módulo baseado em aprendizagem,%,%,%,% à distância. Q Cerca de % dos cursos de formação,%,%,%,% profissional têm qualidade prática.,%,%,%,% Q Os alunos de cursos de formação,%,%,%,% profissional dispendem em média % do seu tempo de aprendizagem utilizando sistemas de ensino à distância. % %,%,%

17 Q Adopção generalizada de sistemas de aprendizagem e formação assistidos por computador no local de trabalho para aumentar continuamente as qualificações dos trabalhadores. Q Cerca de % das PME portuguesas incluem nos seus quadros especialistas em tecnologias de informação, que desenvolvem novos programas, ou os adaptam, e os integram com outros componentes em sistemas coerentes. Q % das empresas contratam serviços a empresas especializadas de análise de sistemas e programação de equipamento. Q As funções de programação de controlo numérico, de processo e de ferramentas aumenta na mesma proporção da automatização industrial. Q O emprego no sector de serviços informáticos e tratamento de dados aumenta % num período de anos, tendo por base a referência de. Q % do pessoal do sector de publicidade está dedicado exclusivamente ao comércio electrónico. Q O mercado de trabalho no domínio da programação e aplicações informáticas representa metade da população activa da indústria de conteúdos. Q Os sectores de informação representam em Portugal % da população activa (em eram,%, e no mesmo ano na Alemanha e França,% e Reino Unido,%). Q Profissões médicas (técnicos de diagnóstico, de apoio cirúrgico, terapeutas, reparadores de equipamento de electromedicina e biomedicina, etc.) e profissões legais (técnicos de bases de dados de direitos, controladores de direito de autor, ciber-criminologistas, etc.) têm crescimento no volume de emprego na ordem dos % anuais. Q A escolaridade mínima obrigatória é de anos, e a formação em sistemas de informação é básica. Q A concertação social de aspectos associados à Sociedade da Informação será estabelecida através de Conselhos Económicos e Sociais sectoriais. Q A temática da inovação tecnológica estará presente em % dos acordos estabelecidos entre os parceiros sociais. Q As estruturas sindicais estão organizadas em torno de grupos de qualificação e não por sector. Q % da correspondência de rotina do Governo com os cidadão (pagamento de,%,% % %,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,% % % % %,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,% % % % %,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,% % %,%,% % % % %,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,% % %,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,%,% % % % % % % %

18 Governo com os cidadão (pagamento de,%,%,%,% impostos, informação laboral, censos, etc,) é transaccionada por meios electrónicos. Q Em cada localidade com, pelo,%,%,%,% menos, mil habitantes existe um Centro de Recursos Local com infraestruturas,%,%,%,% acessíveis nas áreas das tecnologias de informação e das comunicações, para apoio a teletrabalho e auto-formação. Q Em % das empresa existem %,%,% instalações e equipamentos específicos de %,%,% apoio a trabalhadores idosos e deficientes. Q % de todos os incentivos à,%,%,%,% modernização industrial são projectos no,%,%,%,% domínio das Novas Formas de Organização do Trabalho e do Teletrabalho. Q Os horários normais de trabalho de,%,%,%,% horas afectarão % da população activa,%,%,%,% empregada no sector transformador. Q Os horários normais de trabalho de,%,%,%,% horas afectarão % da população activa,%,%,%,% empregada no sector dos serviços. Q Com a possibilidade técnica de % % % processos de produção contínua fiável, o trabalho por turnos afectará % da,%,%,%,% população activa empregada em todos os sectores de actividade económica. Q Utilização generalizada de tecnologias,%,%,%,% de informação por especialistas para obter instantaneamente assistência em linha a partir % %,%, de várias fontes industriais, quando antes o faziam recorrendo a livros ou bibliotecas. Q % dos trabalhadores portugueses % %,%,% utilizarão dispositivos electrónicos pessoais tais como distintivos e cartões,%,%,%,% inteligentes (para autenticação, autorização, localização e ambientes de encaminhamento. Q % das equipas flexíveis de % %,%,% trabalho organizadas com trabalhadores,%,%,%,% polivalentes recorrem a bases de dados e a formas de comunicação electrónica. Q Para cerca de % das PME,%,%,%,% portuguesas é possível a sua integração em,%,%,%,% redes internacionais de empresas (subcontratação, franchising, etc). Q % das empresa portuguesas % %,%,% recorrem a formas de teletrabalho.,%,%,%,% Nota: ª Fase / ª Fase Quadro Temas de cenarização que ocorrerão no futuro longínquo - > anos (resultados das duas fases Delphi)

19 Temas de cenarização Q % das empresa portuguesas utilizam correio electrónico. Q Os sistemas de Tecnologias de Informação domésticos e de uso generalizado em rotinas de trabalho não necessitam de formação para % dos utilizadores. Frequências Relativas (%) Frequências Absolutas (n),%,%,%,% Q % da população portuguesa tem acesso a um computador pessoal (% em, %.% em ),% Q % da população portuguesa tem acesso a internet (% em, % em ). %,% Q % das empresa portuguesas têm sítios/páginas na WWW. %,% Q % das vendas por PME são transaccionadas directamente com os clientes através % de redes electrónicas.,% Q % das aquisições realizadas pela Administração Pública são efectuadas por meios,% proporcionados pelo comércio electrónico.,% Q % da população portuguesa utiliza computadores/comunicadores pessoais,% integrados e portáteis.,% Q Metade da população portuguesa procura frequentemente informação a partir de,% fontes electrónicas.,% Q % da população portuguesa utiliza correio electrónico tão frequentemente como,% o telefone.,% Q Video-conferências serão utilizadas em % das reuniões empresariais com,% pessoas em diferentes locais.,% Q Por cada trabalhador na banca portuguesa vão existir clientes de telepagamento,% (pagamento por telefone, PC dedicado ou internet), o que representa cerca de % de facturas pagas através de ATM.,% Q % da compra de livros junto de livreiros e de editores é realizada através de,% formas de comércio electrónico.,% Q Uso generalizado de tecnologias de informação integradas em todos os equipamentos básicos de operadores, permitindo aprendizagem, para além de dispôr na máquina de informação sobre o produto e gravação automática de informação.,%,% Q Utilização prática de equipamento automatizado de montagem para a fabricação de,% produtos com componentes mecânicos e electromecânicos complexos.,% Q Utilização generalizada de sistemas de supervisão baseados em tecnologias de,% informação que monitorizam todas as transacções de processos empresariais e fornecem aconselhamento para melhorias.,% Q Utilização prática de aplicações lógicas de tradução de língua estrangeira em % processos empresariais como o EDI:,% Q Com o aumento da actividade científica e tecnológica nas empresas, o volume de,% emprego de técnicos de nível IV (técnicos de laboratório, bacharéis, técnicos de gestão), terá um crescimento anual na ordem dos.,% Q As necessidades de emprego de quadros superiores intermédios (nível IV) serão % asseguradas em % dos casos.,% Q As necessidades de emprego de quadros médios (nível III) serão asseguradas em % % dos casos.,% Q Em % dos postos de trabalho de todos os sectores será possível aos seus titulares,% poder tomar iniciativas amplas não contidas nas instruções.,% Q % dos cursos básicos de educação (até o º ano de escolaridade) incluem pelo,% menos um módulo baseado em aprendizagem à distância.,% Q Cerca de % dos cursos de formação profissional têm qualidade prática.,%,% Q Os alunos de cursos de formação profissional dispendem em média % do seu % tempo de aprendizagem utilizando sistemas de ensino à distância.,% Q Adopção generalizada de sistemas de aprendizagem e formação assistidos por,% t d l l d t b lh t ti t lifi õ d

20 computador no local de trabalho para aumentar continuamente as qualificações dos % trabalhadores. Q Cerca de % das PME portuguesas incluem nos seus quadros especialistas em,% tecnologias de informação, que desenvolvem novos programas, ou os adaptam, e os integram com outros componentes em sistemas coerentes.,% Q % das empresas contratam serviços a empresas especializadas de análise de,% sistemas e programação de equipamento. % Q As funções de programação de controlo numérico, de processo e de ferramentas,% aumenta na mesma proporção da automatização industrial.,% Q O emprego no sector de serviços informáticos e tratamento de dados aumenta,% % num período de anos, tendo por base a referência de.,% Q % do pessoal do sector de publicidade está dedicado exclusivamente ao,% comércio electrónico.,% Q O mercado de trabalho no domínio da programação e aplicações informáticas,% representa metade da população activa da indústria de conteúdos. % Q Os sectores de informação representam em Portugal % da população activa (em,% eram,%, e no mesmo ano na Alemanha e França,% e Reino Unido,%).,% Q Profissões médicas (técnicos de diagnóstico, de apoio cirúrgico, terapeutas, reparadores de equipamento de electromedicina e biomedicina, etc.) e profissões legais (técnicos de bases de dados de direitos, controladores de direito de autor, cibercriminologistas, etc.) têm crescimento no volume de emprego na ordem dos % anuais. % % Q A escolaridade mínima obrigatória é de anos, e a formação em sistemas de,% informação é básica.,% Q A concertação social de aspectos associados à Sociedade da Informação será,% estabelecida através de Conselhos Económicos e Sociais sectoriais.,% Q A temática da inovação tecnológica estará presente em % dos acordos,% estabelecidos entre os parceiros sociais.,% Q As estruturas sindicais estão organizadas em torno de grupos de qualificação e não % por sector.,% Q % da correspondência de rotina do Governo com os cidadão (pagamento de impostos, informação laboral, censos, etc,) é transaccionada por meios electrónicos. % Q Em cada localidade com, pelo menos, mil habitantes existe um Centro de Recursos Local com infraestruturas acessíveis nas áreas das tecnologias de informação e das comunicações, para apoio a teletrabalho e auto-formação. Q Em % das empresa existem instalações e equipamentos específicos de apoio a,%,%,% % trabalhadores idosos e deficientes.,% Q % de todos os incentivos à modernização industrial são projectos no domínio das,% Novas Formas de Organização do Trabalho e do Teletrabalho.,% Q Os horários normais de trabalho de horas afectarão % da população activa,% empregada no sector transformador.,% Q Os horários normais de trabalho de horas afectarão % da população activa,% empregada no sector dos serviços.,% Q Com a possibilidade técnica de processos de produção contínua fiável, o trabalho,% por turnos afectará % da população activa empregada em todos os sectores de actividade económica.,% Q Utilização generalizada de tecnologias de informação por especialistas para obter,% instantaneamente assistência em linha a partir de várias fontes industriais, quando antes o faziam recorrendo a livros ou bibliotecas.,% Q % dos trabalhadores portugueses utilizarão dispositivos electrónicos pessoais tais como distintivos e cartões inteligentes (para autenticação, autorização, localização e ambientes de encaminhamento.,%,% Q % das equipas flexíveis de trabalho organizadas com trabalhadores polivalentes,% recorrem a bases de dados e a formas de comunicação electrónica.,% Q Para cerca de % das PME portuguesas é possível a sua integração em redes,% internacionais de empresas (sub-contratação, franchising, etc).,% Q % das empresa portuguesas recorrem a formas de teletrabalho.,%,%

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando

Escola Secundária/3 da Maia Cursos em funcionamento 2009-2010. Técnico de Electrónica, Automação e Comando Ensino Secundário Diurno Cursos Profissionais Técnico de Electrónica, Automação e Comando PERFIL DE DESEMPENHO À SAÍDA DO CURSO O Técnico de Electrónica, Automação e Comando é o profissional qualificado

Leia mais

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 Apoios à Internacionalização e à Inovação António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 ALENTEJO PRIORIDADES PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 1. Alimentar e Floresta 2. Recursos Naturais,

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES

DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES DIRECÇÃO REGIONAL DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E COMUNICAÇÔES Missão : Dinamizar a investigação científica e promover o desenvolvimento tecnológico e a inovação para consolidar a Sociedade do Conhecimento na

Leia mais

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito?

Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões. O que foi feito? Estratégias regionais, para a investigação e inovação, implementadas nas Regiões Ultraperiféricas e Cabo Verde: O que foi feito? O que está a ser fit? feito? Resolução do Conselho do Governo nº41/2008,

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia

Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Missão Empresarial Banco Asiático de Desenvolvimento (BAsD) Sector: Energia Manila, 18 a 22 de Março de 2013 1 Enquadramento: No âmbito do Acordo de Parceiros celebrado entre a AICEP e o GPEARI (Ministério

Leia mais

... ... Exemplos de inovações de produto...3 Bens...3 Serviços...4

... ... Exemplos de inovações de produto...3 Bens...3 Serviços...4 E X E M P L O S D E I N O V A Ç Ã O 2 0 0 8 2 Exemplos de Inovação Apresentação de alguns exemplos relacionados com os vários tipos de inovação para ajuda no preenchimento das questões relacionadas com

Leia mais

NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/01396 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: E.I.A. - Ensino, Investigação

Leia mais

Inovar em rede. A cidadania na Gestão Pública. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com

Inovar em rede. A cidadania na Gestão Pública. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Inovar em rede A cidadania na Gestão Pública Quidgest Portugal R. Castilho n.º 63 6.º 1250-068 Lisboa Portugal tel. (+351) 213 870 563 / 652 / 660 fax. (+351) 213

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas

Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO SEMINÁRIO QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO Um sistema de observação de qualidade: as TIC nas empresas Nuno Rodrigues Observatório da Sociedade

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 SECRETARIAL & MANAGEMENT SUPPORT Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa

Estratégia de Especialização Inteligente para a Região de Lisboa Diagnóstico do Sistema de Investigação e Inovação: Desafios, forças e fraquezas rumo a 2020 FCT - A articulação das estratégias regionais e nacional - Estratégia de Especialização Inteligente para a Região

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS I A Comissão Directiva do POPH informa que decorre entre os dias 30 de Janeiro e 3 de Março de 2008 o período para apresentação de candidaturas ao Programa Operacional

Leia mais

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO

PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO 1 PROPOSTA DE TRABALHO DA FACTORCUBO Destinatários: Empresários do sector do comércio enquadrados nas CAEs definidas na medida Comércio Investe. Projecto: Comércio Investe. Prazo de execução: Candidatura

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

Micro Empresas. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2005

Micro Empresas. Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação. Resultados 2005 Micro Empresas Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação Resultados 2005 BREVE NOTA METODOLÓGICA Universo de referência: Universo das empresas em Portugal com menos de 10 trabalhadores

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

Plano de Contingência para Serviços e Empresas

Plano de Contingência para Serviços e Empresas Plano de Contingência para Este documento contém: Lista de Verificação de Medidas e Procedimentos para O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente,

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Iniciativa i MERCA Protocolo Iniciativa Merca Medida 3 Incentivos a projectos de PME integrados em Estratégias de Valorização Económica de Base Territorial Acções de Regeneração

Leia mais

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00981 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Porto A.1.a.

Leia mais

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos

Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos Plano Tecnológico da Educação Plano Tecnológico da Educação: um meio para a melhoria do desempenho escolar dos alunos 23 de Jun de 2008 O Plano Tecnológico da Educação constitui-se como um poderoso meio

Leia mais

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia

Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia Regulamento do Concurso para Pontos de Contacto Nacionais do 7º Programa-Quadro de Investigação e Desenvolvimento Tecnológico da União Europeia O Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES)

Leia mais

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

Acessibilidade Web - Ponto da Situação das Maiores Empresas Portuguesas

Acessibilidade Web - Ponto da Situação das Maiores Empresas Portuguesas Apresentação do Estudo Acessibilidade Web Ponto da Situação das maiores empresas Portuguesas 17 de Setembro de 2009 Átrio da Casa do Futuro da Fundação Portuguesa das Comunicações Acessibilidade Web -

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

COMISSÃO. 1. Introdução

COMISSÃO. 1. Introdução COMISSÃO Convite à apresentação de candidaturas para a constituição de uma lista de peritos encarregados de avaliar as propostas recebidas no âmbito do programa eten, projectos de interesse comum no domínio

Leia mais

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança

Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Culture OnLine, 5-7.6 Realidade Empresarial,Globalização da Informação e Segurança Peering down the Wormhole Dr. Susan Hazan Filomena Pedroso Realidade Empresarial em Portugal Incerteza nos mercados recomenda

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS

DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS DIRECÇÃO-GERAL DE GEOLOGIA E ENERGIA PERFIL PROFISSIONAL DE TÉCNICO INSTALADOR DE SISTEMAS SOLARES TÉRMICOS CÓDIGO - ERG-OO4 ÁREA DE ACTIVIDADE ENERGIA OBJECTIVO GLOBAL - Programar, organizar, coordenar

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS NO ÂMBITO DO QREN ABERTURA DE CONCURSOS SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) - INOVAÇÃO PRODUTIVA Objectivos e Prioridades O presente concurso destina-se a apoiar investimentos

Leia mais

Plano Tecnológico da Educação objectivo estratégico e metas

Plano Tecnológico da Educação objectivo estratégico e metas Plano Tecnológico da Educação objectivo estratégico e metas Objectivo estratégico Colocar Portugal entre os cinco países europeus mais avançados na modernização tecnológica do ensino em 2010 Metas EU 2006

Leia mais

Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio

Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio Valorização & Inovação no Comércio Local: Experiências & Instrumentos de Apoio Iniciativas Inovadoras de Formação e Qualificação Profissional para o Comércio CIM Alto Minho 30 de junho de 2015 Missão Sucesso

Leia mais

Região Autónoma dos Açores Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação na Administração Pública Regional 2004

Região Autónoma dos Açores Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação na Administração Pública Regional 2004 Região Autónoma dos Açores Inquérito à Utilização das Tecnologias da Informação e da Comunicação na Administração Pública Regional 2004 BREVE NOTA METODOLÓGICA Universo de referência: Organismos do Governo

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA 2015 CONSTITUIÇÃO DO JÚRI Joaquim Sérvulo Rodrigues Membro da Direcção da COTEC Portugal, Presidente do Júri; Carlos Brazão Director Sénior de Vendas

Leia mais

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador

MATRÍCULA ELECTRÓNICA. Manual do Utilizador MATRÍCULA ELECTRÓNICA Manual do Utilizador ÍNDICE 1 PREÂMBULO... 2 2 UTILIZAÇÃO PELOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO... 3 2.1 Matrícula Electrónica - Acesso através do Portal das Escolas... 3 2.2 Registo de

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Gestão de Projectos info@ipn-incubadora.pt +351 239 700 300 BEST SCIENCE BASED INCUBATOR AWARD Incentivos às Empresas Objectivos: - Promoção do up-grade das empresas de PME; - Apoiar

Leia mais

Instrumento da Sociedade de Informação

Instrumento da Sociedade de Informação Apresentação Pública Estudo Factura Electrónica 8 de Outubro de 2008 Fundação Calouste Gulbenkian Instrumento da Sociedade de Informação João Catarino Tavares Patrocinadores Principais Patrocinadores Globais

Leia mais

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA

INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA INOVAÇÃO E SOLUÇÃO INTEGRADA A Formação no ISQ A actividade de Formação do ISQ tem sido uma forte aposta enquanto factor determinante para o desenvolvimento e melhoria de desempenho dos sectores tecnológicos

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

Agrupamento de escolas de Coruche. CURSO PROFISSIONAL Ano letivo 2014/2015 Técnico de Turismo Ambiental e Rural

Agrupamento de escolas de Coruche. CURSO PROFISSIONAL Ano letivo 2014/2015 Técnico de Turismo Ambiental e Rural Agrupamento de escolas de Coruche CURSO PROFISSIONAL Ano letivo 2014/2015 Técnico de Turismo Ambiental e Rural Componente de formação: Sócio-cultural: Total de horas (a) (ciclo de formação) Português Língua

Leia mais

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/01121 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Algarve A.1.a.

Leia mais

Formação Profissional Dual Relevância dos Recursos Humanos e Materiais HOTEL SANA LISBOA 24-11-2014

Formação Profissional Dual Relevância dos Recursos Humanos e Materiais HOTEL SANA LISBOA 24-11-2014 Formação Profissional Dual Relevância dos Recursos Humanos e Materiais HOTEL SANA LISBOA 24-11-2014 RESENHA HISTÓRICA DO ENSINO E FORMAÇÃO EM PORTUGAL ANTES DO 25 DE ABRIL CURSOS DAS ESCOLAS INDUSTRIAIS

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE

ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE ACEF/1314/21732 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Lisboa A.1.a. Outras Instituições

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas Decreto Executivo n.º 30/06 de 0 de Março Havendo necessidade de se regulamentar a estrutura e o funcionamento da Direcção Nacional de InfraEstruturas e Pesquisa de Mercados a que

Leia mais

Projetos Nova Alvorada do Sul - MS

Projetos Nova Alvorada do Sul - MS Projetos Nova Alvorada do Sul - MS Projeto Cursos Profissionalizantes Para atender à demanda de profissionais das indústrias de Nova Alvorada do Sul e região, a Comissão Temática de Educação elaborou o

Leia mais

Programas de Incentivos e a Certificação. IX FORUM APCER Centro de Congressos de Lisboa, 15 de Março

Programas de Incentivos e a Certificação. IX FORUM APCER Centro de Congressos de Lisboa, 15 de Março e a Certificação IX FORUM APCER Centro de Congressos de Lisboa, 15 de Março QUALIDADE - motor do sucesso de qualquer empresa. Factor de distinçã ção o e escolha de produtos e serviços QUALIDADE e INOVAÇÃ

Leia mais

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS

Matriz Portugal 2020 Candidaturas diretas a efetuar pelas IPSS Revisão 1 : 02/09/2015 PO PO Preparação e Reforço das Capacidades, Formação e Ligação em rede dos Gal (DLBC) Desenvolvimento Local de Base Comunitária 2ª fase Seleção das Estratégias de Desenvolvimento

Leia mais

Criação de empresas on-line. A sua iniciativa, esteja onde estiver

Criação de empresas on-line. A sua iniciativa, esteja onde estiver Criação de empresas on-line A sua iniciativa, esteja onde estiver 30-06-2006 O projecto empresa on-line A Empresa na Hora já permitiu a constituição de sociedades comerciais de forma mais rápida, mais

Leia mais

ASSISTIR AS PME NAS ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO

ASSISTIR AS PME NAS ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO ASSISTIR AS PME NAS ESTRATÉGIAS DE CRESCIMENTO O papel da Assistência Empresarial do IAPMEI António Cebola Sines, 11 de Dezembro de 2009 MISSÃO DO IAPMEI Promover a inovação e executar políticas de estímulo

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL 14 de Março de 2007 Considerando os Parceiros Sociais e o Governo que: 1. A aposta estratégica na qualificação da população portuguesa é opção central para

Leia mais

Criar Valor com o Território

Criar Valor com o Território Os territórios como ativos 4 O VALORIZAR é um programa de valorização económica de territórios, que os vê como ativos de desenvolvimento e geração de riqueza e emprego. 5 é a sua visão e a sua assinatura.

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário Centros de Excelência em Educação PAP 2013/2014 Profissional e Assistência Técnica Rural

Plano Agrícola e Pecuário Centros de Excelência em Educação PAP 2013/2014 Profissional e Assistência Técnica Rural Plano Agrícola e Pecuário Centros de Excelência em Educação PAP 2013/2014 Profissional e Assistência Técnica Rural ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Premissas Gerais Centros nacionais de educação

Leia mais

Soluções de Futuro na Telemedicina

Soluções de Futuro na Telemedicina Conferência Telemedicina Onde estamos e para onde vamos 4 de Dezembro de 2006 Faculdade de medicina de Lisboa Soluções de Futuro na Telemedicina Nuno Carvalho ( Tandberg ) Patrocínio Soluções de Futuro

Leia mais

1. Contexto. Página 1 de 5

1. Contexto. Página 1 de 5 REFERENCIAL REDES DE NOVA GERAÇÃO OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO E DE CONHECIMENTO SI INOVAÇÃO Nº 14 / SI / 2009 SI I&DT Nº 15 / SI / 2009 1. Contexto A Resolução do Conselho de Ministros n.º 120/2008, de 30

Leia mais

DESENVOLVER A ECONOMIA DIGITAL EM PORTUGAL Alexandre Nilo Fonseca ACEPI Associação do Comércio Electrónico e Publicidade InteraGva

DESENVOLVER A ECONOMIA DIGITAL EM PORTUGAL Alexandre Nilo Fonseca ACEPI Associação do Comércio Electrónico e Publicidade InteraGva DESENVOLVER A ECONOMIA DIGITAL EM PORTUGAL Alexandre Nilo Fonseca ACEPI Associação do Comércio Electrónico e Publicidade InteraGva Workshop PME Digital Ordem dos Economistas 14 de Janeiro de 2014 ACEPI:

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 8EIXO EMPREGO E MOBILIDADE LABORAL > Administração regional Objetivo Específico 8.1.1

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

O nosso desafio é o seu sucesso!

O nosso desafio é o seu sucesso! O nosso desafio é o seu sucesso! Clien tes de Refe rên cia Distribuição Construção Civil Industria Tecnologias Potenciamos o seu negócio A Empre sa. Somos uma empresa especializada na prestação de serviços

Leia mais

PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010)

PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010) PRORROGAÇÃO DE PRAZO - Candidaturas SI Qualificação PME (Diversificação e Eficiência Energética) (16/07/2010) Foi prorrogado o prazo para apresentação de candidaturas no âmbito do Aviso N.º 03/SI/2010,

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

AVISO Nº 01/2009 de 24 de Março

AVISO Nº 01/2009 de 24 de Março AVISO Nº 01/2009 de 24 de Março Considerando a necessidade de se regulamentarem as "câmaras de compensação" e os "subsistemas de compensação e liquidação" do- Sistema de Pagamentos de Angola (SPA) visando

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Denominação A Escola Profissional adopta a designação de ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS e a abreviatura EPF. ARTIGO

Leia mais

FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009. Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009

FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009. Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009 FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009 Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009 EMPRESAS E INOVAÇÃO Luísa Oliveira luisa.oliveira@iscte.pt Luísa Veloso

Leia mais

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico De Setúbal

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Inovação Produtiva PME

Inovação Produtiva PME Inovação Produtiva PME Objetivos Promover a inovação no tecido empresarial, traduzida na produção de novos, ou significativamente melhorados, bens e serviços transacionáveis e internacionalizáveis diferenciadores

Leia mais

Objectivos de aprendizagem

Objectivos de aprendizagem 2 Objectivos de aprendizagem ƒ Dar exemplos de como a Internet e outras tecnologias da informação apoiam os processos de negócio nas seguintes funções empresariais: ƒ contabilidade; ƒ gestão financeira;

Leia mais

Leiria Região Digital

Leiria Região Digital U M A R E G I Ã O ONLINE COM A VIDA Leiria Região Digital Resultados 15 de Julho de 2008 Nerlei 1 Agenda Parceiros do Leiria Região Digital (LRD) Zona de abrangência Objectivos do LRD Resultados do projecto

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH.

Regras de enquadramento do POPH. O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Regras de enquadramento do POPH O presente documento técnico integra fichas de síntese das principais Tipologias de Intervenção do POPH. Este documento é orientativo da regulamentação do Programa, não

Leia mais

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Contexto: O Impulso Jovem, Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção da Empregabilidade Jovem

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

QREN. 2007-2013 Agenda de Competitividade

QREN. 2007-2013 Agenda de Competitividade 1 QREN. 2007-2013 Conhecimento e inovação Produção transaccionável QREN 2007-2013 Competitividade Financiamento Empresarial Eficiência da Administração Pública Convergência com a UE Perfil de especialização

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES 1 / 6 PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE ELECTRÓNICA, AUTOMAÇÃO E COMPUTADORES Publicação e actualizações Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

História. Realização da Primeira Feira Industrial. Criação da Primeira Escola de Ensino Técnico Profissional. Publicação do Jornal da Associação

História. Realização da Primeira Feira Industrial. Criação da Primeira Escola de Ensino Técnico Profissional. Publicação do Jornal da Associação História 1849 1852 1852 1854 1856 Fundação 3 de Maio, por Decreto Régio da Rainha D. Maria II Criação da Primeira Escola de Ensino Técnico Profissional Publicação do Jornal da Associação Apoio na Criação

Leia mais

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional

Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional Carta de Compromisso - Centro para a Qualificação Profissional e o Ensino Profissional 1024036 - PROFIFORMA, GABINETE DE CONSULTADORIA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, LDA Missão É missão do CQEP Profiforma: -

Leia mais

Universidade Patrice Lumumba Amizade dos Povos- RUDN

Universidade Patrice Lumumba Amizade dos Povos- RUDN Universidade Patrice Lumumba Amizade dos Povos- RUDN Fundada em 1960, a Universidade da Amizade dos Povos, localizada na capital Moscou, tem como principal objetivo proporcionar a estudantes estrangeiros

Leia mais

RELATÓRIO-SÍNTESE SUL (SUB-PROJECTO 1) Capacidades e competências requeridas nas indústrias da língua e nas profissões relacionadas com as línguas

RELATÓRIO-SÍNTESE SUL (SUB-PROJECTO 1) Capacidades e competências requeridas nas indústrias da língua e nas profissões relacionadas com as línguas RELATÓRIO-SÍNTESE SUL (SUB-PROJECTO 1) Capacidades e competências requeridas nas indústrias da língua e nas profissões relacionadas com as línguas 1. Situação actual no domínio das indústrias e das profissões

Leia mais

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe Iniciativa PE2020 A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos António Manzoni/Vilar Filipe Novembro 2013 Projeto Engenharia 2020 Preocupações macroeconómicas Papel da engenharia na

Leia mais

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 2025 COMÉRCIO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 2025 COMÉRCIO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMÉRCIO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 2025 COMÉRCIO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO Estado Entidade Promotora Nova Rede Comercial Parceiro Estratégico (Assegura)

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO EBTT 2013

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO EBTT 2013 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO EBTT 2013 C R O N O G R A M A E DOS TEMAS DA ETAPA DA PROVA DIDÁTICA Elementos de Máquina, Processos de Fabricação, Projetos de Máquina,

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais