INTRODUÇÃO ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 2"

Transcrição

1 1

2 INTRODUÇÃO É importante a Escola ter um Plano de Evacuação para que todos saibam o que fazer em caso de incêndio. Depois de feito há que treinar regularmente com professores e colegas. A prática permite aperfeiçoá-lo de maneira a que, numa situação de emergência, todos saiam do edifício rapidamente e em segurança. O fogo só por si não é perigoso mas se sai fora do nosso controlo transforma-se em incêndio e dá origem à libertação de gases e fumos tóxicos. Um incêndio na Escola pode causar graves problemas. Todo o cuidado é pouco. Respeita as indicações sobre segurança e não danifiques os equipamentos de combate a incêndios. ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 2

3 O que fazer se houver um incêndio na Escola. Assim que toca o alarme deve seguir-se a evacuação, de forma rápida e sem confusões. Se detetares um fogo dá o alarme. Pede ajuda a um adulto e nunca tentes apagá-lo se ficar fora de controlo. ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 3

4 EVACUAÇÃO A coordenação é feita pelo professor e um aluno: O delegado de turma é o Chefe de Fila que vai à frente da fila. O professor é o Cerra Fila e é o último a sair. O Sinaleiro é alguém que se encontra nos pontos críticos, como escadas e saídas. Segue sempre as suas indicações. O Ponto de Encontro é o local que a Escola já tem combinado, no exterior do edifício, nos campo de jogos exteriores. ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 4

5 COMO SAIR - Sem te preocupares com o material escolar, deixa-o ficar onde estiver. - Em fila indiana. - Encostado à parede. - Com passo apressado mas sem correr porque alguém pode cair e magoarse. - Silenciosamente - sem gritar! - Nunca fiques parado junto a portas e escadas porque devem estar livres para dar passagem. - Se houver um Sinaleiro cumpre as suas indicações. Ele ajuda-te a encontrar o melhor caminho. - Dirige-te para o Ponto de Encontro e não saias de lá, seja porque motivo for, até serem dadas novas indicações pelo Coordenação da Escola. - Se não te encontrares na sala de aula vai para o Ponto de Encontro e junta-te à tua turma, respeitando todas as regras de segurança. ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 5

6 ALARME GERAL DE EVACUAÇÃO COMO É O TOQUE DE ALARME? ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 6

7 PONTO DE REUNIÃO PERCURSOS EXTERIORES ATÉ AO PONTO DE REUNIÃO Ponto de Reunião é estabelecido em local seguro, suficientemente afastado das fachadas e com possibilidade de acesso ao exterior do recinto. Este é o símbolo do Ponto de Reunião. O ponto da tua escola é o campo de jogos exterior. Após ouvires o sinal de alarme deves sair rapidamente do sítio onde te encontras e dirige-te para o ponto de reunião. Aí deves permanecer e obedecer aos professores e funcionários. Mantém a calma e a disciplina. ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 7

8 CAMINHOS DE EVACUÇÃO - PERCURSOS EXTERIORES ATÉ AO PONTO DE REUNIÃO ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 8

9 SAÍDAS DE EVACUÇÃO PLANTA DE EMERGÊNCIA Pavilhão A ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 9

10 SAÍDAS DE EVACUÇÃO PLANTA DE EMERGÊNCIA Pavilhão B ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 10

11 SAÍDAS DE EVACUÇÃO PLANTA DE EMERGÊNCIA Pavilhão C ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 11

12 SAÍDAS DE EVACUÇÃO PLANTA DE EMERGÊNCIA Pavilhão D ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 12

13 SAÍDAS DE EVACUÇÃO PLANTA DE EMERGÊNCIA Pavilhão E ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 13

14 SAÍDAS DE EVACUÇÃO PLANTA DE EMERGÊNCIA Pavilhão Principal Piso 0 ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 14

15 SAÍDAS DE EVACUÇÃO PLANTA DE EMERGÊNCIA Pavilhão Principal Piso 1 ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 15

16 SAÍDAS DE EVACUÇÃO PLANTA DE EMERGÊNCIA Pavilhão Gimnodesportivo ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 16

17 NO CASO DE INCÊNDIO NA ESCOLA CHEFE DE SEGURANÇA PROFESSOR PAULO SANTOS ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 17

18 NO CASO DE INCÊNDIO NA ESCOLA Se houver uma situação de emergência na Escola ele dispõe do seguinte alarme para informação: 3 toques intermitentes prolongados O sinal de alarme é um sinal sonoro que todos devem conhecer. Se houver uma situação de emergência e o alarme tocar, tem de começar a evacuação da escola. ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 18

19 NO CASO DE INCÊNDIO NA ESCOLA Todos deverão conhecer as várias saídas da escola e saber qual é o percurso de evacuação que devem fazer em caso de emergência, para que ninguém se perca e todos consigam sair rapidamente do edifício. ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 19

20 NO CASO DE INCÊNDIO NA ESCOLA A coordenação da evacuação das salas é feita pelo professor e pelo delegado de turma. O delegado de turma é o Chefe de Fila, que vai à frente da fila. O professor é o Cerra Fila, e é o último a sair. Em caso de evacuação o delegado de turma segue à frente da turma, enquanto o professor é o último a sair, a fim de verificar se todos os alunos abandonaram a sala de aula e se as janelas e as portas ficaram fechadas, e prestar auxílio a qualquer aluno que se desoriente, se atrase ou se encontre sinistrado. ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 20

21 NO CASO DE INCÊNDIO NA ESCOLA Ao ser determinada a evacuação das instalações, os alunos não devem se preocupar com o material / equipamento escolar, e devem seguir rigorosamente as normas de evacuação. ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 21

22 NO CASO DE INCÊNDIO NA ESCOLA Os alunos devem sair da sala em fila indiana, sem corridas, mas em passo apressado, seguindo a sinalização de emergência. ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 22

23 NO CASO DE INCÊNDIO NA ESCOLA E PERCURSO Não devem parar nunca nas portas de saída. Estas devem estar livres. Se tiver que utilizar as escadas, devem encostarse à parede, e nunca voltar atrás. ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 23

24 NO CASO DE INCÊNDIO NA ESCOLA Em caso de Evacuação, a tua escola tem um LOCAL DE REUNIÃO combinado para onde deves ir, e que se situa nos campos de jogos exteriores Compete ao professor manter a ordem no Ponto de Encontro e proceder em conjunto com o delegado de turma à conferência dos alunos, pelo que estes não devem abandonar o local sob qualquer pretexto e sem devida autorização. ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 24

25 NO CASO DE INCÊNDIO NA ESCOLA Deves manter-te sempre no LOCAL DE REUNIÃO até serem dadas outras instruções pelo professor ou pela direção. O regresso à normalidade é definido exclusivamente pelo Responsável pela Segurança que informará a população escolar pelos meios que considere convenientes. ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 25

26 Se, numa situação de emergência, se encontrar isolado, verifique se não há perigo de deixar o local onde se encontra. Siga a sinalização de emergência e dirija-se para o Ponto de Encontro previamente estipulado. Caso não consiga sair, (existência de chamas, fumos ou portas sobreaquecidas) lembre-se de que deve sempre assinalar a sua presença junto de uma janela exterior (abanando uma peça de roupa, por exemplo). ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 26

27 NO CASO DE TERRAMOTO NA ESCOLA CHEFE DE SEGURANÇA PROFESSOR PAULO SANTOS ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 27

28 NO CASO DE TERRAMOTO NA ESCOLA Treina as atitudes de autoproteção. Lembra-te sempre destas 3 palavras chave: AGACHAR, PROTEGER E AGARRAR. Se não existirem mesas para te protegeres, senta-te junto a uma parede interior, longe de janelas e móveis. Conta com a ocorrências de possíveis réplicas. ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 28

29 NO CASO DE TERRAMOTO NA ESCOLA Logo no 1º abalo, agacha-te debaixo da mesa Protege a cabeça e a nuca, afasta-te das janelas ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 29

30 NO CASO DE TERRAMOTO NA ESCOLA Segura as pernas da mesa se esta se mexer Ou protege-te num canto da parede ou no aro de uma porta ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 30

31 NO CASO DE TERRAMOTO NA ESCOLA Após o tremor de terra, sai do edifício sem pânico Afasta-te dos edifícios calmamente sem quedas ou empurrões ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 31

32 NO CASO DE TERRAMOTO NA ESCOLA Dirige-te ao ponto de reunião, os professores farão a chamada Segue as orientações dos responsáveis e espera os socorros ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 32

33 CHEFE DE SEGURANÇA PROFESSOR PAULO SANTOS ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 33

34 URL - Departamento de Proteção Civil da C.M.L. Evacuação de uma escola em situação de emergência 34

DELEGADOS E SUBDELEGADOS DE TURMA

DELEGADOS E SUBDELEGADOS DE TURMA DELEGADOS E SUBDELEGADOS DE TURMA INTRODUÇÃO O Plano de Segurança pretende representar para a comunidade escolar um ponto de referência para uma eventual situação de emergência face a eventuais catástrofes.

Leia mais

Plano de Evacuação. de Evacuação

Plano de Evacuação. de Evacuação NORMAS GERAIS DE EVACUAÇÃO PROFESSORES 1 Se houver uma situação de emergência, na escola, ela dispõe do seguinte alarme acústico para informação: campainha normal, mas com toque diferenciado três toques

Leia mais

ESCOLA E.B.1 DE ALTO DE RODES, FARO PLANO DE EMERGÊNCIA

ESCOLA E.B.1 DE ALTO DE RODES, FARO PLANO DE EMERGÊNCIA C) PLANO DE EVACUAÇÃO ESCOLA E.B.1 DE ALTO DE RODES, FARO NORMAS DE EVACUAÇÃO - ALUNOS Ao ouvires o sinal de alarme, deves cumprir as seguintes regras: Mantém-te tranquilo e segue as instruções do teu

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO ALUNOS: Quando soar o sinal de ALARME, deve seguir as instruções do Professor. O aluno nomeado Chefe de Fila deve dirigir-se para porta de saída, procede à sua abertura, segurando-a e mantendo-a aberta.

Leia mais

Plano de Evacuação Geral. Abril/2010

Plano de Evacuação Geral. Abril/2010 Plano de Evacuação Geral Abril/2010 A segurança na Escola deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais e encarregados de educação.

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DE POMARES

CENTRO ESCOLAR DE POMARES CENTRO ESCOLAR DE POMARES Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação de emergência

Leia mais

SISMO INCÊNDIO. 1º - Se estás numa sala ou átrio: PREVENÇÃO DURANTE O SISMO

SISMO INCÊNDIO. 1º - Se estás numa sala ou átrio: PREVENÇÃO DURANTE O SISMO REGRAS GERAIS DE SEGURANÇA SISMO INCÊNDIO DURANTE O SISMO PREVENÇÃO 1º - Se estás numa sala ou átrio: Conserva a calma. Não te precipites para as saídas. Protege-te ajoelhando debaixo de uma mesa. Com

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES PROFESSORES Competências dos professores Quando os professores se encontram numa sala de aula com um grupo de alunos, devem: 1. Ao ouvir o sinal de alarme, avisar os alunos para não tocarem nos interruptores

Leia mais

Escola Secundária Daniel Sampaio Plano de Prevenção e Emergência. contra Sismos. Exercício de Evacuação

Escola Secundária Daniel Sampaio Plano de Prevenção e Emergência. contra Sismos. Exercício de Evacuação Plano de Segurança contra Sismos Exercício de Evacuação Dia 21 de Fevereiro de 2008 O que esperar em caso de SISMO O primeiro indício de um Sismo de grandes proporções poderá ser: Um tremor ligeiro perceptível

Leia mais

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu A ESCOLA é um bem público. Plano de Segurança Ela é o centro de convergência

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO

PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO 16 de Outubro 2013 Escola Secundária de Penafiel A CULTURA DE SEGURANÇA A segurança na Escola deve ser uma preocupação comum a todos os membros da

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação

Leia mais

Em caso de sismo. Segurança escolar. Plano de emergência escolar

Em caso de sismo. Segurança escolar. Plano de emergência escolar Duas saídas Segurança escolar Plano de emergência escolar (em caso de sismo ou ) Procure conhecer sempre nos edifícios da sua escola, assim como o a realizar em caso de emergência Procure sempre conhecer

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DO CÁVADO

ESCOLA E.B. 2,3 DO CÁVADO PANÓIAS 2006 2007 RUA DA VEIGUINHA 4700-760 PANÓIAS BRG 1 Agradecemos a colaboração de: Responsável pelo Gabinete de Segurança do C.A.E de Braga; Chefe Rodrigues e Chefe Costa dos Bombeiros Sapadores de

Leia mais

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Rota de Fuga e Análise de Riscos Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig 2010 É um mapa que representa, através de símbolos apropriados, o trajeto a ser seguido pelo indivíduo

Leia mais

PLANOS DE PREVENÇÃO EMERGÊNCIA

PLANOS DE PREVENÇÃO EMERGÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA MAIOR ESCOLA EB1 DO CARMO PLANOS DE PREVENÇÃO E EMERGÊNCIA 2014/2015 Estrada da Papanata S/N 4900-470 VIANA DO CASTELO TEL. 258 824965 FAX 258

Leia mais

Perigo na Floresta. Índice Perigo na Floresta... Pág 1 O Salvador Ensina... Pág 2 Contributos dos teus colegas.pág 3,4 Notícias.Pág 5 Jogos.

Perigo na Floresta. Índice Perigo na Floresta... Pág 1 O Salvador Ensina... Pág 2 Contributos dos teus colegas.pág 3,4 Notícias.Pág 5 Jogos. EDITORIAL Olá amiguinhos! Mais uma vez as férias acabaram! Não fiquem tristes! Agora têm que estudar mais um pouco, para passarem de ano. Daqui a pouco tempo já estão de férias outra vez! O Salvador neste

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

Vem comigo, vamos saber mais! CONHECE OS RISCOS E PREVINE-TE, PARA VIVERES EM SEGURANÇA.

Vem comigo, vamos saber mais! CONHECE OS RISCOS E PREVINE-TE, PARA VIVERES EM SEGURANÇA. Vem comigo, vamos saber mais! CONHECE OS RISCOS E PREVINE-TE, PARA VIVERES EM SEGURANÇA. A PROTEÇÃO CIVIL E OS SEUS AGENTES POLÍCIA MARÍTIMA GNR CRUZ VERMELHA PSP INEM BOMBEIROS A protecão civil tem por

Leia mais

Como ATUAR em caso de:

Como ATUAR em caso de: S e g u r a n ç a n a E P C i s a v e A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE SEGURANÇA

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE SEGURANÇA ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE SEGURANÇA A SEGURANÇA COMEÇA EM CADA UM DE NÓS E É DA RESPONSABILIDADE DE TODOS! CONSTITUIÇÃO DO PLANO DE SEGURANÇA PLANO DE SEGURANÇA PLANO DE PREVENÇÃO PLANO

Leia mais

Sugere-se a passagem dos slides e explicação sumário durante 5 a 10 minutos. 2/19/2014 Instituto Superior Técnico

Sugere-se a passagem dos slides e explicação sumário durante 5 a 10 minutos. 2/19/2014 Instituto Superior Técnico DECivil, Fevereiro 2014 A necessidade A segurança e as respostas a emergências são aspectos vitais em qualquer organização e edifício. Assim importa assegurar que no DECivil os colaboradores (docentes

Leia mais

FUNÇÕES DOS AGENTES DE SEGURANÇA

FUNÇÕES DOS AGENTES DE SEGURANÇA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Direção Regional de Educação do Centro PLANO DE SEGURANÇA E s c o l a J o ã o A f o n s o d e A v e i r o FUNÇÕES DOS AGENTES DE SEGURANÇA Responsável pela Segurança da

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E AUTOPROTECÇÃO

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E AUTOPROTECÇÃO MEDIDAS DE PREVENÇÃO E AUTOPROTECÇÃO Os sismos são fenómenos naturais que não se podem prever nem evitar. Os seus efeitos podem ser minimizados com comportamentos adequados. Há que saber agir correctamente.

Leia mais

Segurança na FEUP: o que fazer em situações de emergência

Segurança na FEUP: o que fazer em situações de emergência Formação em Segurança, Higiene e Saúde Serviços Técnicos e de Manutenção - STM Unidade de Segurança, Higiene, Saúde e Ambiente - USHA usha@fe.up.pt Segurança na FEUP: o que fazer em situações de emergência

Leia mais

Informação para Visitantes

Informação para Visitantes Informação para Visitantes Informação e orientações para visitantes Bem-vindo ao Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), um instituto público de investigação, dedicado à ciência e tecnologia,

Leia mais

O que fazer em caso de sismo

O que fazer em caso de sismo www.aterratreme.pt O que fazer em caso de sismo Todos os anos se realiza o exercício de prevenção de risco sísmico A Terra Treme, pois é importante relembrar as regras básicas de segurança incluindo alguns

Leia mais

PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO

PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO Os procedimentos em caso de emergência definem-se como um documento orientador com normas de actuação dos vários sectores em situação de emergência, destinadas

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA EB 1 AMOREIRA2 - MARÇO 2012 -

PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA EB 1 AMOREIRA2 - MARÇO 2012 - PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA EB 1 AMOREIRA2 - MARÇO 2012 - PLANO DE EMERGÊNCIA / NÚMEROS EXTERNOS: NÚMERO NACIONAL DE EMERGÊNCIA 112 BOMBEIROS ALCABIDECHE 21 469 00 26 G.N.R. ALCABIDECHE 21 460 38 50 G.N.R.

Leia mais

Megaexpansão - Silves

Megaexpansão - Silves 2010 Megaexpansão - Silves DÁRIO AFONSO FERNANDA PIÇARRA [ 21 09 2010 ] ÍNDICE Objectivos (pág. 3) Caracterização do Estabelecimento (pág. 3 a 6) Organização de Emergência (pág. 6 a 8) Plano de Intervenção

Leia mais

Plano de Prevenção e Emergência. Escola Básica D. Domingos Jardo

Plano de Prevenção e Emergência. Escola Básica D. Domingos Jardo Plano de Prevenção e Emergência Escola Básica D. Domingos Jardo ÍNDICE Introdução Objetivos Gerais Objetivos Específicos PLANO DE PREVENÇÃO I FICHA DE CARATERIZAÇÃO DA ESCOLA 1. - Identificação do estabelecimento

Leia mais

ANO LECTIVO 2010 / 2011

ANO LECTIVO 2010 / 2011 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA Plano de Segurança ANO LECTIVO 2010 / 2011 Constituição do Plano de Segurança PLANO DE SEGURANÇA PLANO DE PREVENÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO ANEXOS CADERNO DE REGISTO

Leia mais

1. OBJETIVOS O presente Plano de Segurança pretende cumprir os seguintes objetivos:

1. OBJETIVOS O presente Plano de Segurança pretende cumprir os seguintes objetivos: Escola Básica Integrada de Santa Cruz da Trapa Plano de Segurança - Evacuação Ano letivo 2014/2015 INTRODUÇÃO As preocupações sempre crescentes relativamente à segurança da escola levou-nos a elaborar

Leia mais

Plano de Prevenção e Emergência

Plano de Prevenção e Emergência Plano de Prevenção e Emergência INTRODUÇÃO 4 I OBJECTIVOS DO PLANO DE PREVENÇÃO / EMERGÊNCIA 5 1. OBJECTIVOS GERAIS 5 2. OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 5 II PLANO DE PREVENÇÃO 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE (Modelo a ser preenchido e adaptado por cada órgão)

PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE (Modelo a ser preenchido e adaptado por cada órgão) PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE (Modelo a ser preenchido e adaptado por cada órgão) 1 - Identificação do Órgão ou Entidade 2 - Apresentação 3 - Introdução 4 - Objetivos 5 - Procedimentos de manutenção 6 Instruções

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA E EVACUAÇÃO Revisão: 00

PLANO DE EMERGÊNCIA E EVACUAÇÃO Revisão: 00 Número: DOC 0006 Página: 1 de 12 1. IDENTIFICAÇÃO INSTITUCIONAL ÓRGÃO: Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho - UFRJ ENDEREÇO: Av. Carlos Chagas Filho 373, CCS, Bloco G, CEP:21941-902 TELEFONE: 21

Leia mais

Plano de Segurança da Escola Profissional vértice

Plano de Segurança da Escola Profissional vértice Plano de Segurança da Escola Profissional vértice Janeiro 2012 PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA PROFISSIONAL VÉRTICE ÍNDICE 1 Introdução 2 Razões e Objetivos 1-2 2-3 3 Planos de Prevenção 3-15 3.1 - Caracterização

Leia mais

Presidência da República Secretaria -Geral

Presidência da República Secretaria -Geral PLANO DE SEGURANÇA (versão simplificada para utilizadores) 1 1. Introdução Um Plano de Segurança é definido como um conjunto de medidas de autoprotecção (organização e procedimentos) tendentes a evitar

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Considerações gerais...2 1.1 - Introdução...2 2 - Actuação em caso de emergência...2 2.1 - Esquema geral de actuação...2 2.2 - Procedimento gerais de actuação...3 2.2.1 - Em caso de incêndio

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

ADENDO SES DF ADMINISTRATIVO CONHECIMENTOS BÁSICOS TODOS OS CARGOS TÉCNICO EM ENFERMAGEM PROF.: BRUNO LACERDA DE CARVALHO

ADENDO SES DF ADMINISTRATIVO CONHECIMENTOS BÁSICOS TODOS OS CARGOS TÉCNICO EM ENFERMAGEM PROF.: BRUNO LACERDA DE CARVALHO ADENDO SES DF ADMINISTRATIVO CONHECIMENTOS BÁSICOS TODOS OS CARGOS TÉCNICO EM ENFERMAGEM PROF.: BRUNO LACERDA DE CARVALHO CÓDIGOS E SÍMBOLOS ESPECÍFICOS DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO SINALIZAÇÃO DE

Leia mais

Plano de Segurança (simplificado)

Plano de Segurança (simplificado) Plano de Segurança (simplificado) 10 Setembro 2012 Índice 1. Introdução 2. Caracterização da Escola 2.1. Caracterização do Risco 2.2. Equipamentos e sistemas de segurança incêndio 3. Organização da Segurança

Leia mais

Brigada Escolar - Defesa Civil na Escola BRIGADAS ESCOLARES - DEFESA CIVIL NA ESCOLA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PLANO DE ABANDONO

Brigada Escolar - Defesa Civil na Escola BRIGADAS ESCOLARES - DEFESA CIVIL NA ESCOLA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PLANO DE ABANDONO BRIGADAS ESCOLARES - DEFESA CIVIL NA ESCOLA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PLANO DE ABANDONO 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.... 4 1.1OS DESASTRES MAIS RECENTES... 4 2 PLANO DE ABANDONO... 4 2.1 LEGISLAÇÃO... 5 3 TERMINOLOGIA......

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA MAIOR. Viana do Castelo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA MAIOR. Viana do Castelo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA MAIOR EB2,3 DE FREI BARTOLOMEU DOS MÁRTIRES Viana do Castelo 4901-873 VIANA DO CASTELO TEL. 258 806 480 FAX 258 806 489 diretor@esmaior.pt ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PLANO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SÃO JOÂO DO ESTORIL PLANO DE EMERGÊNCIA. S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SÃO JOÂO DO ESTORIL PLANO DE EMERGÊNCIA. S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1 PLANO DE EMERGÊNCIA S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1 ÍNDICE Introdução 1 Contactos em caso de emergência.2 Ficha de caracterização da Escola Identificação do estabelecimento de ensino.3 Caracterização

Leia mais

Easy Series. Guia do utilizador. Painel de Controlo de Intrusão

Easy Series. Guia do utilizador. Painel de Controlo de Intrusão Easy Series PT Guia do utilizador Painel de Controlo de Intrusão Easy Series Guia do utilizador Utilizar o teclado de comando Utilizar o teclado de comando Estados do Dispositivo de Visualização Dispositivo

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

Escola E.B. 2,3 Rainha Santa Isabel Carreira PLANO DE EMERGÊNCIA

Escola E.B. 2,3 Rainha Santa Isabel Carreira PLANO DE EMERGÊNCIA Escola E.B. 2,3 Rainha Santa Isabel Carreira PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE I- Enquadramento do Estabelecimento de Ensino 1. Localização... 4 2. Acesso.... 5 3. Descrição das instalações... 6 II- Caracterização

Leia mais

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen pagina 1 van 26 Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen A Evonik Degussa Antwerpen é uma empresa de químicos e parte de um grupo global. A sua segurança, assim como a nossa, é muito importante, pelo que existem

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Preparar os funcionários para um rápido e eficiente abandono do edifício, em caso real de incêndio ou qualquer outra emergência.

PLANO DE EMERGÊNCIA. Preparar os funcionários para um rápido e eficiente abandono do edifício, em caso real de incêndio ou qualquer outra emergência. INTRODUÇÃO Em virtude do grande número de vítimas que os incêndios tem causado nos locais de maior concentração humana, principalmente edifícios e, tendo como causas principais à falta de conhecimento

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

1. Preparativos contra calamidade no lar : Converse sempre à respeito com a família.

1. Preparativos contra calamidade no lar : Converse sempre à respeito com a família. 1. Preparativos contra calamidade no lar : Converse sempre à respeito com a família. Não sabemos quando e onde o terremoto poderá ocorrer. Para não se afligir nessas horas é fundamental conversar com a

Leia mais

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL Usina Termelétrica Gov. LEONEL BRIZOLA/TERMORIO Informe de recursos internos LIMITES DA ÁREA INDUSTRIAL COMPOSIÇÃO DA UTE GLB Planta Outras instalações Rota de fuga ATIVAÇÃO DO PEL Qualquer empregado ou

Leia mais

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2010 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES E INCÊNDIOS DOMÉSTICOS ADULTOS Acidentes Os acidentes domésticos são muito comuns. Mesmo com todo o cuidado, há objetos e situações que podem tornar todas as divisões

Leia mais

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA NICOBELO&ART FINAL Nicobelo@hotmail.com BRIGADAS DE EMERGÊNCIA GRUPO INCÊNDIO DE SOROCABA 1 OBJETIVO É estabelecer Programa de Prevenção e levar a cabo medidas que se implementem para evitar ou mitigar

Leia mais

Escola Secundária/3 José Cardoso Pires

Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Escola Secundária/3 José Cardoso Pires PLANO DE EMERGÊNCIA PLANO DE EMERGÊNCIA 21 982 61 00 ÍNDICE Introdução - pág. 1 Objectivos - pág. 2 1 - ESTUDOS PRÉVIOS 1.1 - Caracterização do Escola - pág. 3 1.2

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano de Prevenção e Emergência

Escola Secundária da Ramada. Plano de Prevenção e Emergência Plano de Prevenção e Emergência 2009 1. Introdução A segurança precisa ser pensada. O lema deve ser: antes prevenir que remediar. A comunidade escolar não está minimamente sensibilizada para estas questões.

Leia mais

CAPÍTULO II PLANO DE PREVENÇÃO

CAPÍTULO II PLANO DE PREVENÇÃO 2 Índice Introdução... 4 Capítulo I Generalidades... 5 1.1. Conceito de Plano de Emergência... 5 1.2. Razões para a elaboração de um plano de Prevenção... 5 1.3. Objetivos Gerais... 6 1.4. Objetivos Específicos...

Leia mais

SIMBOLOGIA GRÁFICA PARA PLANTAS DE SCIE

SIMBOLOGIA GRÁFICA PARA PLANTAS DE SCIE OBJETIVO Listar os símbolos gráficos a utilizar nos projetos e planos de Segurança Contra Incêndios (SCIE) a que se refere o Regime Jurídico de SCIE (n.º 1 do artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008, de

Leia mais

Alarmed for Life. Sabia que? As principais causas dos incêndios. Sobre o Monóxido de Carbono

Alarmed for Life. Sabia que? As principais causas dos incêndios. Sobre o Monóxido de Carbono Sabia ue? As principais causas dos incêndios Os especialistas apontam para três motivos principais: 1. Negligência Falta de atenção ao cozinhar; colocação de objetos perto do fogão Uso inapropriado ou

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA VITORINO NEMÉSIO Praia da Vitória, outubro de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 5 I - PLANO DE PREVENÇÃO... 7 1. Identificação e caracterização do Estabelecimento

Leia mais

4 CAPÍTULO I GENERALIDADES...

4 CAPÍTULO I GENERALIDADES... ÍNDICE Introdução... 4 CAPÍTULO I GENERALIDADES... 5 1. Conceito de Plano de Emergência... 5 2. Razões para a elaboração de um plano de Prevenção... 5 3. Objetivos Gerais... 6 4. Objetivos Específicos...

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A STANDARD LME-12:001905 Upt Rev A Índice 1 Introdução... 3 2 Requisitos... 3 3 Normas de Operação Segura... 4 3.1 Procedimentos de Evacuação em Incêndio... 4 3.2 Caminhos de Escape Designados... 4 3.3 Pontos

Leia mais

O QUE FAZER EM CASO DE SISMO

O QUE FAZER EM CASO DE SISMO O QUE FAZER EM CASO DE SISMO Na semana em que se realiza o exercício de prevenção de risco sísmico A Terra Treme, é importante relembrar as regras básicas de segurança incluindo alguns cuidados a ter antes,

Leia mais

ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO

ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO Praça Nove de Abril, 170. 4200 422 Porto Tel. +351 22 508 94 01/02 www.jct.pt SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFÍCIOS ELABORAÇÃO DE MEDIDAS DE AUTOPROTEÇÃO JCT - Consultores de Engenharia, Lda tem como

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

Email: geral@redifogo.pt; comercial@redifogo.pt; tecnico@redifogo.pt Website: www.redifogo.pt

Email: geral@redifogo.pt; comercial@redifogo.pt; tecnico@redifogo.pt Website: www.redifogo.pt Email: geral@redifogo.pt; comercial@redifogo.pt; tecnico@redifogo.pt Website: www.redifogo.pt 2 Empresa A Redifogo - Material de Proteção e Segurança, Unip. Lda., é uma empresa fundada em 1996, com experiência

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro

Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro Portaria n.º 1276/2002 de 19 de Setembro O artigo 4.º do Decreto-Lei n.º 410/98, de 23 de Dezembro, que aprovou o Regulamento de Segurança contra Incêndio em Edifícios de Tipo Administrativo, determina

Leia mais

Recomendações de Segurança do Trabalho

Recomendações de Segurança do Trabalho Recomendações de Segurança do Trabalho Localização e Sinalização dos Extintores Recomendações de Segurança do Trabalho Localização e Sinalização dos Extintores: Apresentação As recomendações aqui descritas

Leia mais

6. O que indica este sinal? a) um perigo possível b) uma via de evacuação c) material de combate ao fogo d) direcção das casas de banho

6. O que indica este sinal? a) um perigo possível b) uma via de evacuação c) material de combate ao fogo d) direcção das casas de banho 1. Uma autorização de trabalho é um documento: a) que tem de promover a concertação entre todos os que tenham a ver com o trabalho. b) em que vêm estipuladas as condições relativas à maneira de trabalhar

Leia mais

Substituição de Alarmes de Fumo

Substituição de Alarmes de Fumo Alarmes Funcionais Os Alarmes de Fumo Salvam Vidas A maioria dos incêndios fatais em residências acontece durante a noite, quando as pessoas estão a dormir. Contrariamente à crença popular, o cheiro do

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Manuela Mil-Homens Comando Distrital de Operações de Socorro

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Zona Franca Industrial Plano de Emergência Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Plano de Emergência da Zona Franca Industrial Nota de Divulgação

Leia mais

Escola Secundária D. Duarte

Escola Secundária D. Duarte 1. CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO 1.1 Localização geográfica A Escola Secundária D. Duarte fica situada na Rua António Augusto Gonçalves em Santa Clara Coimbra. Vias de acesso para socorros exteriores: Protecção

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Lagoa, 2006. Escola Secundária de Lagoa Plano de Emergência pág. 1

PLANO DE EMERGÊNCIA. Lagoa, 2006. Escola Secundária de Lagoa Plano de Emergência pág. 1 PLANO DE EMERGÊNCIA Lagoa, 2006 Escola Secundária de Lagoa Plano de Emergência pág. 1 Índice Índice... 1 CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO... 4 1. ASPECTOS FÍSICOS... 4 1.1. Localização Geográfica:... 4 1.2. Enquadramento

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PONTES ROLANTES

SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de SEGURANÇA NA UTILIZAÇÃO DE PONTES ROLANTES SEGURANÇA na UTILIZAÇÃO de Objetivos Sensibilizar os operadores de Ponte Rolante quanto à necessidade de neutralizar ao máximo a possibilidade de ocorrência de acidentes. Adotar procedimentos de rotina,

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regulamento Geral de SCIE Ref.ª VII.I.01/2007-05-31 RESUMO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 5

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 5 MÓDULO 5 1 PREVENÇÃO A INCÊNDIO 2 QUÍMICA DO FOGO 3 CLASSES DE INCÊNDIO 4 EXTINTORES PORTÁTEIS 5 PLANO DE EMERGÊNCIA PREVENÇÃO A INCÊNDIO Na PETROBRAS DISTRIBUIDORA S.A., só será permitido fumar em locais

Leia mais

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio GESTÃO DA CONTINUADE DOS NEGÓCIOS E DE PGI 002 Incêndio INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio As informações existentes neste documento e em seus anexos são para uso exclusivo

Leia mais

Regulamento Específico dos Grandes Campos de Jogos

Regulamento Específico dos Grandes Campos de Jogos C ONTROLO DO D OCUMENTO Ref.ª: REG-6/2010 Versão: V2 Data: 24/10/2011 Aprovado por: João Roquette Regulamento Específico dos Grandes Campos de Jogos Capítulo I Disposições Gerais Artº 1º Objecto O presente

Leia mais

Instrução de Trabalho IT 021. Verificação de Segurança de Equipamentos

Instrução de Trabalho IT 021. Verificação de Segurança de Equipamentos Verificação de Segurança de Equipamentos Na Presença do técnico de SHT e do Gestor da Qualidade e/ou um representante da Gerência serão verificados os equipamentos anualmente conforme o DL50/05 e deverá

Leia mais

MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimentos e Cuidados

MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimentos e Cuidados MANUAL DO USO DE ELEVADORES ÍNDICE: I Procedimento e Cuidados II Verificação pelo usuário do funcionamento seguro do elevador III Procedimentos a evitar na utilização do elevador IV Orientação para a escolha

Leia mais

Nunca use a empilhadeira se não tiver sido devidamente instruído e autorizado para usar esse tipo particular de empilhadeira.

Nunca use a empilhadeira se não tiver sido devidamente instruído e autorizado para usar esse tipo particular de empilhadeira. Nunca use a empilhadeira se não tiver sido devidamente instruído e autorizado para usar esse tipo particular de empilhadeira. Respeite a capacidade de carga da empilhadeira e de outras eventuais aparelhagens.

Leia mais

Plano de Prevenção e Emergência. Jardim de Infância Unidinhos

Plano de Prevenção e Emergência. Jardim de Infância Unidinhos Plano de Prevenção e Emergência Jardim de Infância Unidinhos Jorge Carvalho 6/2/2010 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 OBJECTIVOS... 4 Razões:... 4 Objectivos Gerais:... 4 Objectivos Específicos:... 5 PLANO DE PREVENÇÃO...

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

PLANTAS DE EMERGÊNCIA

PLANTAS DE EMERGÊNCIA OBJETIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte físico ou em suporte digital, conforme a legislação em vigor (RJ-SCIE e RT-SCIE) e a NP4386, aqui entendidas como

Leia mais

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA OBJETIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE, apresentando soluções disponíveis de possível aplicação.

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Plano de Abandono SINER / Carapicuíba Data da Revisão 05/06/13

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Plano de Abandono SINER / Carapicuíba Data da Revisão 05/06/13 1/ 8 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Saída de alguns integrantes da Brigada 02 Alteração do item 4.5 composição da brigada e 4.7 Plano de abandono Demais envolvidos

Leia mais

Regras de Convivência Documentos Básicos (Última Revisão em agosto de 2009)

Regras de Convivência Documentos Básicos (Última Revisão em agosto de 2009) Regras de Convivência Documentos Básicos (Última Revisão em agosto de 2009) Rua Capistrano de Abreu, 29 Botafogo 2538-3231 Rua Conde de Irajá, 224 Botafogo 2538-3231 Rua Marques, 19 Humaitá 2538-3232 www.sapereira.com.br

Leia mais

EXERCÍCIO A TERRA TREME

EXERCÍCIO A TERRA TREME EXERCÍCIO A TERRA TREME Q&A A. A TERRA TREME EXERCÍCIO PÚBLICO DE PREPARAÇÃO PARA O RISCO SÍSMICO 1. Porquê lançar uma iniciativa como esta? As catástrofes sísmicas parecem-nos sempre um fenómeno distante.

Leia mais

Medidas preventivas de segurança nos parques de campismo sujeitos a riscos naturais ou tecnológicos previsíveis

Medidas preventivas de segurança nos parques de campismo sujeitos a riscos naturais ou tecnológicos previsíveis Medidas preventivas de segurança nos parques de campismo sujeitos a riscos naturais ou tecnológicos previsíveis As fichas de «instruções de segurança» devem ser entregues a cada campista à sua chegada

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA

CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA Rua São Luis nº 77 - Fone: (51) 3320.2100-90620 170 - Porto Alegre

Leia mais

Escola Primária da Mexilhoeira da Carregação. Planta de Emergência. Formandos: Dário Afonso, Fernanda Piçarra e Sérgio Inácio. [01 de Março de 2011]

Escola Primária da Mexilhoeira da Carregação. Planta de Emergência. Formandos: Dário Afonso, Fernanda Piçarra e Sérgio Inácio. [01 de Março de 2011] Escola Primária da Mexilhoeira da Carregação Planta de Emergência Formandos: Dário Afonso, Fernanda Piçarra e Sérgio Inácio [01 de Março de 2011] A Planta de Emergência Segundo a norma NP 4386 define a

Leia mais