Como ATUAR em caso de:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como ATUAR em caso de:"

Transcrição

1 S e g u r a n ç a n a E P C i s a v e A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes autárquicos. Como ATUAR em caso de: EVACUAÇÃO INCÊNDIO SISMO Plantas de Emergência Perigos/Riscos

2 Em caso de EVACUAÇÃO Por EVACUAÇÃO entende-se a acção de retirar todas as pessoas de um local, normalmente um edifício, onde se declarou uma Situação de Emergência. Deve ser feita por caminhos estudados e desobstruídos, que conduzam da forma mais rápida a uma zona exterior onde não cheguem as consequências da Situação de Emergência. A ordem de evacuação será efectuada pela campainha (do Alarme), dado por 3 toques interrompidos por pausas e/ou pela transmissão de instruções através de telefones internos e, de viva voz, pelos elementos do pessoal com atribuições na evacuação do edifício. Ponto de Encontro (Parque de Estacionamento no Exterior)

3 Em caso de EVACUAÇÃO Instruções de Segurança Responsável de Segurança (RS) + Níveis de Emergência Funcionários de Piso Funcionários por cada espaço escolar Alarme Geral / Alerta 1ª Intervenção / Equipa 1ª Intervenção Responsável Ponto de Encontro (RPE) Informação e Vigilância Professores na Sala de Aula Professores fora do tempo letivo (presentes na sala professores ) Delegados de Turma Alunos

4 Responsável de Segurança (RS) Avalia as situações de emergência - Nível 1 ou 2 - e decide da necessidade de evacuação; Em caso de decisão de evacuação do edifício, avisa os Funcionários de Piso; Coordena as funções das equipas de apoio à 1ª intervenção; Comunica com as entidades externas (Bombeiros, PSP, Hospital, Comunicação Social, ) Informa o Funcionário da Informação e Vigilância da localização e gravidade da emergência, a fim de ser transmitida aos meios externos; Assegura a conduta das operações de socorro e assistência a todas as entidades e organismos presentes; Assegura os procedimentos de pós emergência, dando ordem para voltarem para as salas apenas quando a situação estiver devidamente ultrapassada; Compete ao RS informar os familiares ou amigos sobre qualquer situação de emergência, assim como eventuais vítimas resultantes das ocorrências.

5 Níveis de Emergência A t u a ç ã o e m c a s o d e E m e r g ê n c i a

6 Funcionários de Piso Ao ouvir o sinal de Alarme, desliga o quadro elétrico geral e/ou quadros elétricos parciais; Apoia na orientação da evacuação; Certifica-se que já não existe ninguém no Piso; Informa o RS de eventuais anomalias; Dirige-se para o Ponto de Encontro

7 Funcionários por cada espaço escolar Direção, Pedagógico, Apoio ao Pedagógico, Secretaria, Contabilidade, Reprografia, Bar e Manutenção/Limpeza: Desligar, se possível, os equipamentos elétricos que estejam a utilizar; Prestar auxílio a algum colega que dele necessite; Colaborar com os professores/funcionários na orientação e guarda dos alunos; Dirigir-se para a saída de emergência estabelecida no Plano de Evacuação, juntando-se à restante população escolar no local de concentração (Ponto de Encontro no Exterior); Os responsáveis de cada secção devem certificar-se da presença de todos os seus colegas no Ponto de Encontro, dando conhecimento ao RPE de eventuais problemas.

8 Professores na sala de aula Transmite uma imagem de serenidade, evitando a precipitação, confusão ou pânico; Evacua a sala ordenadamente, fechando as portas atrás de si e respeitando o sentido de evacuação; Prevê a assistência aos alunos com dificuldade de mobilidade; Deve ser o último a sair da sala, certificando-se da inexistência de qualquer aluno na sala, fechando a fila e nunca deve abandonar os alunos; Garante que os alunos caminham rápida e ordeiramente em direção ao Ponto de Encontro, prestando toda a assistência e apoio necessário. Faz-se acompanhar do Livro de Ponto, de forma a efectuar a chamada no local de Ponto de Encontro, dando conhecimento ao RPE de eventuais problemas.

9 Professores fora do tempo letivo: Deve respeitar as indicações que lhe sejam transmitidas pelos responsáveis; Ajudar alunos com dificuldades motoras, ou outras, na evacuação; Se estiver na biblioteca, bar ou na sala de convívio de alunos, deve acompanhar os alunos que aí se encontram, seguindo as setas, para o Ponto de Encontro; Deve aí permanecer, acompanhando os alunos e restante pessoal, ajudar os colegas nas tarefas de contagem e reunião de alunos, até ser decidido o retorno à normalidade.

10 Delegados de Turma Abre de imediato a porta da sala ao soar o sinal de alarme; Como chefe de fila, conduz os restantes alunos atrás de si em fila indiana, pelos itinerários definidos no plano de evacuação (ver Plantas de Emergência) através dos corredores e escadas (sempre pela direita), até ao Ponto de Encontro no Exterior Não deve abandonar o Ponto de Encontro sob qualquer pretexto e sem a devida autorização do professor que acompanha a turma. Pela direita

11 Alunos (em aulas) Não entrar em pânico; Deixar todo o material na sala; Não mexer (ligar ou desligar) interruptores ou equipamentos elétricos; Seguir o Delegado de Turma (Chefe de Fila); Devem dirigir-se para o Ponto de Encontro definido previamente e que está assinalado na Planta de Emergência, em fila indiana respeitando todos sem ultrapassar ou empurrar os colegas; O andamento deve ser rápido, mas ordenado, seguindo os percursos de evacuação definidos para o local onde se encontra, conforme indicado nas Plantas de Emergência; Nunca parar nos pontos passíveis de estrangulamento; Nunca caminhar em sentido contrário ao definido no sentido de evacuação; Não deixar o Ponto de Encontro sem autorização. Alunos (fora do tempo letivo): Todos os alunos que se encontrem fora de tempo letivo, em furo ou aguardando aula, devem dirigir-se rapidamente para o Ponto de Encontro, seguindo as setas e as orientações dos responsáveis no local em que se encontrem, permanecendo aí calmamente, até ser decidido o retorno à normalidade.

12 Incêndio 1ª Intervenção Utiliza os extintores e avisa ou manda avisar o RS ou a Direção da ocorrência, que avaliará a situação; Se não conseguir dominar a situação, fecha as portas e janelas do compartimento, informa o RS/Direção e aguarda no Ponto de Encontro a chegada dos Bombeiros, acautelando a sua segurança pessoal. Equipa de 1ª Intervenção Em caso de tocar o alarme, a equipa de 1ª intervenção constituída por dois funcionários para apoio a estas situações, dirige-se para o local da ocorrência, auxiliando nas operações; Se não conseguirem dominar a situação, fechar as portas e janelas do compartimento, informar a RS/Direção e dirigem-se para o ponto de encontro e ajudam ao controlo da situação aguardando a chegada dos Bombeiros.

13 Alarme Geral / Alerta Após avaliar a situação, o ALARME será dado pela Direção/RS que comunicará à Secretaria para ser accionado o alarme geral e, caso seja necessário, seja também dado o ALERTA. O sinal de alarme é dado por 3 toques de campainha (de Alarme) interrompidos por pausas e/ou pela transmissão de instruções através de telefones internos e/ou de viva voz, pelos elementos do pessoal com atribuições na evacuação do edifício. O acionamento da campainha em caso de fogo, deve ser dado na botoeira de detecção de incêndio mais próxima depois de se certificarem de que efetivamente existe um incêndio.

14 Responsável Ponto de Encontro (RPE) Desloca-se para o ponto de concentração de pessoas para recolha de informação sobre eventuais desaparecidos e informa o RS e/ou os Bombeiros da situação.

15 Informação e Vigilância Dirige-se para o local de acesso a viaturas de socorro a fim de indicar aos Bombeiros o percurso para a zona acidentada e outras informações sobre eventuais sinistrados; Regula a circulação interna de viaturas, mantendo livres os acessos.

16 INCÊNDIO O fogo é conhecido desde a pré-história e desde aquele tempo tem trazido inúmeros benefícios ao homem, ele aquece-nos e serve para preparar alimentos, mas o fogo quando foge ao controle do homem recebe o nome de INCÊNDIO, e causa inúmeros danos. Causas de incêndio mais comuns: Comportamentos inadequados como fumar ou foguear em locais em que tal é proibido; Fogo posto com ou sem intenção; Electricidade estática; Corrente eléctrica (curto circuito); Equipamentos elétricos deixados ligados, podendo sobreaquecer; Sobrecarga em tomadas; Improvisações nas instalações elétricas; Manipulação de produtos químicos (inflamáveis) sem os cuidados necessários; Fugas e propagação de gás;

17 Em caso de INCÊNDIO Caso não consiga dominar a situação: Não perder tempo com a salvaguarda de bens; Abandonar o local, fechando as portas e janelas, de modo a retardar a propagação do fogo; Se houver muito fumo, é aconselhável caminhar de gatas, pois junto do chão o ar é mais fresco e o fumo menos denso Se necessário, proteger o rosto com um pano húmido respirando através dele; Se alguém estiver a arder, ajude-o, abafando o fogo Comunicar imediatamente o acidente ao RS/Direção da Escola/Funcionário do Piso. Se estiver só O acionamento da campainha em caso de incêndio, deve ser dado na botoeira de deteção de incêndio mais próxima, depois de se certificar de que efetivamente existe um incêndio.

18 Em caso de INCÊNDIO Material Elétrico (Quadro Elétrico, Computadores ) Cortar a corrente elétrica; Atacar o incêndio com Extintor de Anidrido Carbónico CO2, sem correr riscos; Nunca utilizar água ou outros agentes à base de água (espumas). Matérias Sólidos (Madeiras, Papel, Tecidos ) Atacar o incêndio com Extintor de Pó Químico Seco ABC, sem correr riscos; Pode utilizar água ou outros gentes à base de água (espumas).

19 Utilização do Extintor A t u a ç ã o e m c a s o d e E m e r g ê n c i a

20 Em caso de INCÊNDIO Cuidados a ter com Materiais Elétricos: Verifique se a instalação elétrica está executada de acordo com as normas vigentes; Evite sempre sobrecargas nos circuitos; Não ligue muitos aparelhos na mesma ficha; Quando tiver necessidade de ligar um aparelho a uma extensão certifique-se que a potência do aparelho não excede a da extensão; Nunca passe fios elétricos por debaixo de portas, alcatifas, carpetes ou tapetes; Verifique se os vários componentes elétricos estão em bom estado (não existência de fios descarnados, tomadas ou interruptores partidos, etc.); Nunca reparar um aparelho elétrico sem antes o desligar da energia. Exemplos, do que não deve fazer:

21 Em caso de SISMO O risco sísmico é de entre os riscos naturais aquele que mais grave e prolongadamente pode afetar o equilíbrio socioeconómico de um país. Os tremores de terra suscitam o medo e a insegurança, especialmente entre os jovens alunos que têm tendência para entrar em pânico, pelo que, antes que um sismo aconteça, importa velar para que tanto os alunos como os professores conheçam perfeitamente os procedimentos a seguir, de modo a que possam aplicar naturalmente os princípios elementares de segurança. Convém referir que o comportamento dos professores em caso de sismo tem uma importância primordial. Eles devem reagir com calma, rapidez e sem hesitação e dar o exemplo aos alunos. Por outras palavras, são os professores que apaziguarão as crenças dos alunos, que os impedirão de entrar em pânico, tendo de uma maneira geral uma reação calma e medida. O que fazer DURANTE o Sismo: O que fazer:

22 Em caso de SISMO O que fazer durante o sismo No INTERIOR do edifício: Não deve tentar sair do edifício; Não deve tentar sair pelas janelas; Deve afastar-se de janelas e painéis de vidro; Deve afastar-se de armários, prateleiras, objectos pesados e outro mobiliário que possa cair; Não deve aceder às varandas. Em salas de aula Os alunos e os professores devem refugiar-se debaixo das carteiras, agarrar uma perna das mesas e proteger a cabeça e os olhos pressionando a cara contra os braços; Os alunos devem aguardar com calma que o seu professor lhes dê instruções. Em zonas de circulação ou onde não haja possibilidade de se cobrir Refugie-se junto de pilares, sob vigas e vergas de portas ou junto de uma parede interior, ajoelhe-se, coloque a cabeça junto aos joelhos, aperte as mãos firmemente por trás do pescoço e proteja os lados da cabeça com os cotovelos. Na biblioteca, secretaria, Afaste-se imediatamente de janelas, painéis de vidro e estantes e proteja-se apropriadamente.

23 Em caso de SISMO O que fazer durante o sismo No EXTERIOR do edifício: Não deve reentrar no edifício, mantendo-se no exterior; Deve afastar-se do edifício, muros, vedações, árvores, postes e cabos elétricos; Dirija-se para um local aberto; Deve agachar-se ou deitar-se no solo e proteger a cabeça; Deve ir observando o que se passa em redor, mantendo-se alerta a possíveis perigos que o obriguem a movimentar-se.

24 Em caso de SISMO O que fazer após o sismo Deve proceder-se à evacuação das salas de aula e do edifício em geral, sob a vigilância dos professores e dos elementos da estrutura interna da Escola. Obs.: Ver como actuar em caso de evacuação. Locais do Edifício Mais seguros Vãos de portas, cantos das salas, debaixo de mesas ou outras superfícies resistentes, junto de pilares, sob vigas, Mais perigosos Junto de janelas, estantes, painéis de vidro, no meio das salas, saídas

25 Plantas de EMERGÊNCIA Visualizar Plantas de Emergência: 2º Andar 1º Andar R/C: Sala 9 R/C: Sala 11 Exterior Legenda/Instruções

26 Planta de EMERGÊNCIA: 1º Andar A t u a ç ã o e m c a s o d e E m e r g ê n c i a

27 Planta de EMERGÊNCIA: 2º Andar A t u a ç ã o e m c a s o d e E m e r g ê n c i a

28 Planta de EMERGÊNCIA: Sala 11 A t u a ç ã o e m c a s o d e E m e r g ê n c i a

29 Planta de EMERGÊNCIA: Sala 9 A t u a ç ã o e m c a s o d e E m e r g ê n c i a

30 Planta de EMERGÊNCIA: Exterior Sala 9 Sala 11 Ponto de Encontro

31 Sinalização de Evacuação A t u a ç ã o e m c a s o d e E m e r g ê n c i a

32

Plano de Evacuação. de Evacuação

Plano de Evacuação. de Evacuação NORMAS GERAIS DE EVACUAÇÃO PROFESSORES 1 Se houver uma situação de emergência, na escola, ela dispõe do seguinte alarme acústico para informação: campainha normal, mas com toque diferenciado três toques

Leia mais

Escola Secundária Daniel Sampaio Plano de Prevenção e Emergência. contra Sismos. Exercício de Evacuação

Escola Secundária Daniel Sampaio Plano de Prevenção e Emergência. contra Sismos. Exercício de Evacuação Plano de Segurança contra Sismos Exercício de Evacuação Dia 21 de Fevereiro de 2008 O que esperar em caso de SISMO O primeiro indício de um Sismo de grandes proporções poderá ser: Um tremor ligeiro perceptível

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO ALUNOS: Quando soar o sinal de ALARME, deve seguir as instruções do Professor. O aluno nomeado Chefe de Fila deve dirigir-se para porta de saída, procede à sua abertura, segurando-a e mantendo-a aberta.

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES PROFESSORES Competências dos professores Quando os professores se encontram numa sala de aula com um grupo de alunos, devem: 1. Ao ouvir o sinal de alarme, avisar os alunos para não tocarem nos interruptores

Leia mais

Em caso de sismo. Segurança escolar. Plano de emergência escolar

Em caso de sismo. Segurança escolar. Plano de emergência escolar Duas saídas Segurança escolar Plano de emergência escolar (em caso de sismo ou ) Procure conhecer sempre nos edifícios da sua escola, assim como o a realizar em caso de emergência Procure sempre conhecer

Leia mais

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu A ESCOLA é um bem público. Plano de Segurança Ela é o centro de convergência

Leia mais

PLANOS DE PREVENÇÃO EMERGÊNCIA

PLANOS DE PREVENÇÃO EMERGÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA MAIOR ESCOLA EB1 DO CARMO PLANOS DE PREVENÇÃO E EMERGÊNCIA 2014/2015 Estrada da Papanata S/N 4900-470 VIANA DO CASTELO TEL. 258 824965 FAX 258

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE SEGURANÇA

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE SEGURANÇA ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE SEGURANÇA A SEGURANÇA COMEÇA EM CADA UM DE NÓS E É DA RESPONSABILIDADE DE TODOS! CONSTITUIÇÃO DO PLANO DE SEGURANÇA PLANO DE SEGURANÇA PLANO DE PREVENÇÃO PLANO

Leia mais

INTRODUÇÃO ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 2

INTRODUÇÃO ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 2 1 INTRODUÇÃO É importante a Escola ter um Plano de Evacuação para que todos saibam o que fazer em caso de incêndio. Depois de feito há que treinar regularmente com professores e colegas. A prática permite

Leia mais

DELEGADOS E SUBDELEGADOS DE TURMA

DELEGADOS E SUBDELEGADOS DE TURMA DELEGADOS E SUBDELEGADOS DE TURMA INTRODUÇÃO O Plano de Segurança pretende representar para a comunidade escolar um ponto de referência para uma eventual situação de emergência face a eventuais catástrofes.

Leia mais

ANO LECTIVO 2010 / 2011

ANO LECTIVO 2010 / 2011 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA Plano de Segurança ANO LECTIVO 2010 / 2011 Constituição do Plano de Segurança PLANO DE SEGURANÇA PLANO DE PREVENÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO ANEXOS CADERNO DE REGISTO

Leia mais

SISMO INCÊNDIO. 1º - Se estás numa sala ou átrio: PREVENÇÃO DURANTE O SISMO

SISMO INCÊNDIO. 1º - Se estás numa sala ou átrio: PREVENÇÃO DURANTE O SISMO REGRAS GERAIS DE SEGURANÇA SISMO INCÊNDIO DURANTE O SISMO PREVENÇÃO 1º - Se estás numa sala ou átrio: Conserva a calma. Não te precipites para as saídas. Protege-te ajoelhando debaixo de uma mesa. Com

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DE POMARES

CENTRO ESCOLAR DE POMARES CENTRO ESCOLAR DE POMARES Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação de emergência

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

1. OBJETIVOS O presente Plano de Segurança pretende cumprir os seguintes objetivos:

1. OBJETIVOS O presente Plano de Segurança pretende cumprir os seguintes objetivos: Escola Básica Integrada de Santa Cruz da Trapa Plano de Segurança - Evacuação Ano letivo 2014/2015 INTRODUÇÃO As preocupações sempre crescentes relativamente à segurança da escola levou-nos a elaborar

Leia mais

Plano de Evacuação Geral. Abril/2010

Plano de Evacuação Geral. Abril/2010 Plano de Evacuação Geral Abril/2010 A segurança na Escola deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais e encarregados de educação.

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E AUTOPROTECÇÃO

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E AUTOPROTECÇÃO MEDIDAS DE PREVENÇÃO E AUTOPROTECÇÃO Os sismos são fenómenos naturais que não se podem prever nem evitar. Os seus efeitos podem ser minimizados com comportamentos adequados. Há que saber agir correctamente.

Leia mais

O que fazer em caso de sismo

O que fazer em caso de sismo www.aterratreme.pt O que fazer em caso de sismo Todos os anos se realiza o exercício de prevenção de risco sísmico A Terra Treme, pois é importante relembrar as regras básicas de segurança incluindo alguns

Leia mais

Plano de Prevenção e Emergência. Escola Básica D. Domingos Jardo

Plano de Prevenção e Emergência. Escola Básica D. Domingos Jardo Plano de Prevenção e Emergência Escola Básica D. Domingos Jardo ÍNDICE Introdução Objetivos Gerais Objetivos Específicos PLANO DE PREVENÇÃO I FICHA DE CARATERIZAÇÃO DA ESCOLA 1. - Identificação do estabelecimento

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA EB 1 AMOREIRA2 - MARÇO 2012 -

PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA EB 1 AMOREIRA2 - MARÇO 2012 - PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA EB 1 AMOREIRA2 - MARÇO 2012 - PLANO DE EMERGÊNCIA / NÚMEROS EXTERNOS: NÚMERO NACIONAL DE EMERGÊNCIA 112 BOMBEIROS ALCABIDECHE 21 469 00 26 G.N.R. ALCABIDECHE 21 460 38 50 G.N.R.

Leia mais

Informação para Visitantes

Informação para Visitantes Informação para Visitantes Informação e orientações para visitantes Bem-vindo ao Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), um instituto público de investigação, dedicado à ciência e tecnologia,

Leia mais

Manual de Utilização, Manutenção e Segurança. nas. Escolas

Manual de Utilização, Manutenção e Segurança. nas. Escolas Manual de Utilização, Manutenção e Segurança Escolas nas Sumário 1 Preâmbulo da 2. a edição 2 Nota Prévia 3 Introdução 5 Manual de utilização, manutenção e segurança das Escolas 7 2 SEGURANÇA CONTRA RISCOS

Leia mais

Sugere-se a passagem dos slides e explicação sumário durante 5 a 10 minutos. 2/19/2014 Instituto Superior Técnico

Sugere-se a passagem dos slides e explicação sumário durante 5 a 10 minutos. 2/19/2014 Instituto Superior Técnico DECivil, Fevereiro 2014 A necessidade A segurança e as respostas a emergências são aspectos vitais em qualquer organização e edifício. Assim importa assegurar que no DECivil os colaboradores (docentes

Leia mais

ESCOLA E.B.1 DE ALTO DE RODES, FARO PLANO DE EMERGÊNCIA

ESCOLA E.B.1 DE ALTO DE RODES, FARO PLANO DE EMERGÊNCIA C) PLANO DE EVACUAÇÃO ESCOLA E.B.1 DE ALTO DE RODES, FARO NORMAS DE EVACUAÇÃO - ALUNOS Ao ouvires o sinal de alarme, deves cumprir as seguintes regras: Mantém-te tranquilo e segue as instruções do teu

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Considerações gerais...2 1.1 - Introdução...2 2 - Actuação em caso de emergência...2 2.1 - Esquema geral de actuação...2 2.2 - Procedimento gerais de actuação...3 2.2.1 - Em caso de incêndio

Leia mais

Presidência da República Secretaria -Geral

Presidência da República Secretaria -Geral PLANO DE SEGURANÇA (versão simplificada para utilizadores) 1 1. Introdução Um Plano de Segurança é definido como um conjunto de medidas de autoprotecção (organização e procedimentos) tendentes a evitar

Leia mais

Plano de Prevenção e Emergência

Plano de Prevenção e Emergência Plano de Prevenção e Emergência INTRODUÇÃO 4 I OBJECTIVOS DO PLANO DE PREVENÇÃO / EMERGÊNCIA 5 1. OBJECTIVOS GERAIS 5 2. OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 5 II PLANO DE PREVENÇÃO 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO

Leia mais

Megaexpansão - Silves

Megaexpansão - Silves 2010 Megaexpansão - Silves DÁRIO AFONSO FERNANDA PIÇARRA [ 21 09 2010 ] ÍNDICE Objectivos (pág. 3) Caracterização do Estabelecimento (pág. 3 a 6) Organização de Emergência (pág. 6 a 8) Plano de Intervenção

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DO CÁVADO

ESCOLA E.B. 2,3 DO CÁVADO PANÓIAS 2006 2007 RUA DA VEIGUINHA 4700-760 PANÓIAS BRG 1 Agradecemos a colaboração de: Responsável pelo Gabinete de Segurança do C.A.E de Braga; Chefe Rodrigues e Chefe Costa dos Bombeiros Sapadores de

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO

PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO 16 de Outubro 2013 Escola Secundária de Penafiel A CULTURA DE SEGURANÇA A segurança na Escola deve ser uma preocupação comum a todos os membros da

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA MAIOR. Viana do Castelo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA MAIOR. Viana do Castelo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA MAIOR EB2,3 DE FREI BARTOLOMEU DOS MÁRTIRES Viana do Castelo 4901-873 VIANA DO CASTELO TEL. 258 806 480 FAX 258 806 489 diretor@esmaior.pt ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PLANO

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA E EVACUAÇÃO Revisão: 00

PLANO DE EMERGÊNCIA E EVACUAÇÃO Revisão: 00 Número: DOC 0006 Página: 1 de 12 1. IDENTIFICAÇÃO INSTITUCIONAL ÓRGÃO: Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho - UFRJ ENDEREÇO: Av. Carlos Chagas Filho 373, CCS, Bloco G, CEP:21941-902 TELEFONE: 21

Leia mais

Plano de Segurança (simplificado)

Plano de Segurança (simplificado) Plano de Segurança (simplificado) 10 Setembro 2012 Índice 1. Introdução 2. Caracterização da Escola 2.1. Caracterização do Risco 2.2. Equipamentos e sistemas de segurança incêndio 3. Organização da Segurança

Leia mais

Plano de Prevenção e Emergência. Jardim de Infância Unidinhos

Plano de Prevenção e Emergência. Jardim de Infância Unidinhos Plano de Prevenção e Emergência Jardim de Infância Unidinhos Jorge Carvalho 6/2/2010 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 OBJECTIVOS... 4 Razões:... 4 Objectivos Gerais:... 4 Objectivos Específicos:... 5 PLANO DE PREVENÇÃO...

Leia mais

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C Designação do estabelecimento: MegaExpansão LDA. Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C 8300-135 Silves Telefone: 282441111 Localização geográfica Sul Estrada Nacional 124 Norte Este

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA

PLANO DE PREVENÇÃO PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA PLANO DE PREVENÇÃO E PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA 1 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE ENSINO Escola: Morada: Quinta N. Srª da Conceição, Rua Antero de Quental, nº7, 2730-013 Barcarena Freguesia: Barcarena

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

Easy Series. Guia do utilizador. Painel de Controlo de Intrusão

Easy Series. Guia do utilizador. Painel de Controlo de Intrusão Easy Series PT Guia do utilizador Painel de Controlo de Intrusão Easy Series Guia do utilizador Utilizar o teclado de comando Utilizar o teclado de comando Estados do Dispositivo de Visualização Dispositivo

Leia mais

PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO

PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO Os procedimentos em caso de emergência definem-se como um documento orientador com normas de actuação dos vários sectores em situação de emergência, destinadas

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES E INCÊNDIOS DOMÉSTICOS ADULTOS Acidentes Os acidentes domésticos são muito comuns. Mesmo com todo o cuidado, há objetos e situações que podem tornar todas as divisões

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

Vem comigo, vamos saber mais! CONHECE OS RISCOS E PREVINE-TE, PARA VIVERES EM SEGURANÇA.

Vem comigo, vamos saber mais! CONHECE OS RISCOS E PREVINE-TE, PARA VIVERES EM SEGURANÇA. Vem comigo, vamos saber mais! CONHECE OS RISCOS E PREVINE-TE, PARA VIVERES EM SEGURANÇA. A PROTEÇÃO CIVIL E OS SEUS AGENTES POLÍCIA MARÍTIMA GNR CRUZ VERMELHA PSP INEM BOMBEIROS A protecão civil tem por

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE (Modelo a ser preenchido e adaptado por cada órgão)

PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE (Modelo a ser preenchido e adaptado por cada órgão) PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE (Modelo a ser preenchido e adaptado por cada órgão) 1 - Identificação do Órgão ou Entidade 2 - Apresentação 3 - Introdução 4 - Objetivos 5 - Procedimentos de manutenção 6 Instruções

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO Índice 1. Introdução... 3 2. Localização da Escola... 4 3. Descrição do Recinto Escolar... 5 4. Normas de Atuação a Adotar na Receção, Validação e Divulgação de Alarmes...

Leia mais

Escola Secundária D. Duarte

Escola Secundária D. Duarte 1. CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO 1.1 Localização geográfica A Escola Secundária D. Duarte fica situada na Rua António Augusto Gonçalves em Santa Clara Coimbra. Vias de acesso para socorros exteriores: Protecção

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano de Prevenção e Emergência

Escola Secundária da Ramada. Plano de Prevenção e Emergência Plano de Prevenção e Emergência 2009 1. Introdução A segurança precisa ser pensada. O lema deve ser: antes prevenir que remediar. A comunidade escolar não está minimamente sensibilizada para estas questões.

Leia mais

FUNÇÕES DOS AGENTES DE SEGURANÇA

FUNÇÕES DOS AGENTES DE SEGURANÇA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Direção Regional de Educação do Centro PLANO DE SEGURANÇA E s c o l a J o ã o A f o n s o d e A v e i r o FUNÇÕES DOS AGENTES DE SEGURANÇA Responsável pela Segurança da

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 5

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 5 MÓDULO 5 1 PREVENÇÃO A INCÊNDIO 2 QUÍMICA DO FOGO 3 CLASSES DE INCÊNDIO 4 EXTINTORES PORTÁTEIS 5 PLANO DE EMERGÊNCIA PREVENÇÃO A INCÊNDIO Na PETROBRAS DISTRIBUIDORA S.A., só será permitido fumar em locais

Leia mais

INTRODUÇÃO. Este caderno é um anexo ao Plano de Segurança, segundo a Portaria nº1444/2002 de 7 de Novembro, no Artigo 16º, ponto3, alínea c).

INTRODUÇÃO. Este caderno é um anexo ao Plano de Segurança, segundo a Portaria nº1444/2002 de 7 de Novembro, no Artigo 16º, ponto3, alínea c). INTRODUÇÃO Este caderno é um anexo ao Plano de Segurança, segundo a Portaria nº1444/2002 de 7 de Novembro, no Artigo 16º, ponto3, alínea c). 1 Escola E. B. 2,3 Cardoso Lopes Morada: Prolongamento da Av.

Leia mais

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Rota de Fuga e Análise de Riscos Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig 2010 É um mapa que representa, através de símbolos apropriados, o trajeto a ser seguido pelo indivíduo

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SÃO JOÂO DO ESTORIL PLANO DE EMERGÊNCIA. S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SÃO JOÂO DO ESTORIL PLANO DE EMERGÊNCIA. S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1 PLANO DE EMERGÊNCIA S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1 ÍNDICE Introdução 1 Contactos em caso de emergência.2 Ficha de caracterização da Escola Identificação do estabelecimento de ensino.3 Caracterização

Leia mais

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL Usina Termelétrica Gov. LEONEL BRIZOLA/TERMORIO Informe de recursos internos LIMITES DA ÁREA INDUSTRIAL COMPOSIÇÃO DA UTE GLB Planta Outras instalações Rota de fuga ATIVAÇÃO DO PEL Qualquer empregado ou

Leia mais

Regulamento Específico dos Grandes Campos de Jogos

Regulamento Específico dos Grandes Campos de Jogos C ONTROLO DO D OCUMENTO Ref.ª: REG-6/2010 Versão: V2 Data: 24/10/2011 Aprovado por: João Roquette Regulamento Específico dos Grandes Campos de Jogos Capítulo I Disposições Gerais Artº 1º Objecto O presente

Leia mais

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos.

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos. egurança Segurança Segurança A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Zona Franca Industrial Plano de Emergência Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Plano de Emergência da Zona Franca Industrial Nota de Divulgação

Leia mais

Segurança na FEUP: o que fazer em situações de emergência

Segurança na FEUP: o que fazer em situações de emergência Formação em Segurança, Higiene e Saúde Serviços Técnicos e de Manutenção - STM Unidade de Segurança, Higiene, Saúde e Ambiente - USHA usha@fe.up.pt Segurança na FEUP: o que fazer em situações de emergência

Leia mais

4 CAPÍTULO I GENERALIDADES...

4 CAPÍTULO I GENERALIDADES... ÍNDICE Introdução... 4 CAPÍTULO I GENERALIDADES... 5 1. Conceito de Plano de Emergência... 5 2. Razões para a elaboração de um plano de Prevenção... 5 3. Objetivos Gerais... 6 4. Objetivos Específicos...

Leia mais

O QUE FAZER EM CASO DE SISMO

O QUE FAZER EM CASO DE SISMO O QUE FAZER EM CASO DE SISMO Na semana em que se realiza o exercício de prevenção de risco sísmico A Terra Treme, é importante relembrar as regras básicas de segurança incluindo alguns cuidados a ter antes,

Leia mais

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL UCF CRIANÇA e ADOLESCENTE UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL Identificação do Estabelecimento Data: / / Designação: Morada: Freguesia: Concelho: Telefone: Fax: Correio Electrónico: Director / Coordenador

Leia mais

Plano de Segurança da Escola Profissional vértice

Plano de Segurança da Escola Profissional vértice Plano de Segurança da Escola Profissional vértice Janeiro 2012 PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA PROFISSIONAL VÉRTICE ÍNDICE 1 Introdução 2 Razões e Objetivos 1-2 2-3 3 Planos de Prevenção 3-15 3.1 - Caracterização

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PERANTE O RISCO SÍSMICO

RECOMENDAÇÕES PERANTE O RISCO SÍSMICO RECOMENDAÇÕES PERANTE O RISCO SÍSMICO O estado actual da sismologia não permite, ainda, prever quando ocorrerá um sismo. No entanto, sabem se quais são as zonas do País mais vulneráveis sismicamente. Um

Leia mais

1. Preparativos contra calamidade no lar : Converse sempre à respeito com a família.

1. Preparativos contra calamidade no lar : Converse sempre à respeito com a família. 1. Preparativos contra calamidade no lar : Converse sempre à respeito com a família. Não sabemos quando e onde o terremoto poderá ocorrer. Para não se afligir nessas horas é fundamental conversar com a

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS Aprovada pela Portaria GM/MTB nº 3.214 - DOU 06/07/1978. 23.1 Todos os empregadores devem adotar medidas de prevenção de incêndios, em conformidade

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

Caderno de Registo de Segurança

Caderno de Registo de Segurança Caderno de Registo de Segurança 1 Ficha de Caracterização 2 - Relatórios de Vistorias, Inspecções e Fiscalizações 3 - Relatório de Anomalias: 3.1- Nas Instalações Técnicas 3.2- Nos Equipamentos e Sistemas

Leia mais

Brigada Escolar - Defesa Civil na Escola BRIGADAS ESCOLARES - DEFESA CIVIL NA ESCOLA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PLANO DE ABANDONO

Brigada Escolar - Defesa Civil na Escola BRIGADAS ESCOLARES - DEFESA CIVIL NA ESCOLA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PLANO DE ABANDONO BRIGADAS ESCOLARES - DEFESA CIVIL NA ESCOLA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PLANO DE ABANDONO 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.... 4 1.1OS DESASTRES MAIS RECENTES... 4 2 PLANO DE ABANDONO... 4 2.1 LEGISLAÇÃO... 5 3 TERMINOLOGIA......

Leia mais

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS Página 1/5 INSTALAÇÃO ELETRICA CONTADOR ENERGIA / ACE Verificação da não violação do selo do contador Verificação da existência de limitador de potência do distribuidor / Fatura QUADRO ELECTRICO Verificação

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE

INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE ANO I Nº 1 Junho 2011 2011MARCO 2010 INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE (Plano em Desenvolvimento) Página 1 de 8 Apresentação Instrução elaborada para o Condomínio do edifício

Leia mais

S A D I José Rui Ferreira

S A D I José Rui Ferreira Concepção de Instalações Eléctricas S A D I José Rui Ferreira Setembro 2000 SADI - Sistema Automático de Detecção de Incêndios Índice - Introdução - Equipamento - Concepção da instalação - Instalação eléctrica

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo EXTINTORES Fogo É uma reação química em cadeia que desprende luz e calor devido à combustão de materiais diversos. Elementos que compõe o fogo Calor Combustível Comburente

Leia mais

Escola E.B. 2,3 Rainha Santa Isabel Carreira PLANO DE EMERGÊNCIA

Escola E.B. 2,3 Rainha Santa Isabel Carreira PLANO DE EMERGÊNCIA Escola E.B. 2,3 Rainha Santa Isabel Carreira PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE I- Enquadramento do Estabelecimento de Ensino 1. Localização... 4 2. Acesso.... 5 3. Descrição das instalações... 6 II- Caracterização

Leia mais

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006

Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Guia para a elaboração de Estudos de Segurança contra Incêndio em Edifícios Hospitalares G 02/2006 Ficha técnica Número G 02/2006 Data de aprovação JUL 2006 Data de publicação JUL 2006 Data última revisão

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA VITORINO NEMÉSIO Praia da Vitória, outubro de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 5 I - PLANO DE PREVENÇÃO... 7 1. Identificação e caracterização do Estabelecimento

Leia mais

Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro Aprova as normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares

Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro Aprova as normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo da Portaria n.º 1444/2002, de 7 de Novembro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Portaria n.º 1444/2002 de 7 de Novembro

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

Alarmed for Life. Sabia que? As principais causas dos incêndios. Sobre o Monóxido de Carbono

Alarmed for Life. Sabia que? As principais causas dos incêndios. Sobre o Monóxido de Carbono Sabia ue? As principais causas dos incêndios Os especialistas apontam para três motivos principais: 1. Negligência Falta de atenção ao cozinhar; colocação de objetos perto do fogão Uso inapropriado ou

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

CAPÍTULO II PLANO DE PREVENÇÃO

CAPÍTULO II PLANO DE PREVENÇÃO 2 Índice Introdução... 4 Capítulo I Generalidades... 5 1.1. Conceito de Plano de Emergência... 5 1.2. Razões para a elaboração de um plano de Prevenção... 5 1.3. Objetivos Gerais... 6 1.4. Objetivos Específicos...

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES E INCÊNDIOS DOMÉSTICOS ADULTOS E IDOSOS Acidentes Os acidentes domésticos são muito comuns. Mesmo com todo o cuidado, há objetos e situações que podem tornar todas

Leia mais

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA NICOBELO&ART FINAL Nicobelo@hotmail.com BRIGADAS DE EMERGÊNCIA GRUPO INCÊNDIO DE SOROCABA 1 OBJETIVO É estabelecer Programa de Prevenção e levar a cabo medidas que se implementem para evitar ou mitigar

Leia mais

ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS

ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS A - DETECTORES AUTOMÁTICOS Segundo [2], os detectores de incêndio são os aparelhos de detecção de incêndio que registam, comparam

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Lagoa, 2006. Escola Secundária de Lagoa Plano de Emergência pág. 1

PLANO DE EMERGÊNCIA. Lagoa, 2006. Escola Secundária de Lagoa Plano de Emergência pág. 1 PLANO DE EMERGÊNCIA Lagoa, 2006 Escola Secundária de Lagoa Plano de Emergência pág. 1 Índice Índice... 1 CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO... 4 1. ASPECTOS FÍSICOS... 4 1.1. Localização Geográfica:... 4 1.2. Enquadramento

Leia mais

Portaria n.º 1444/2002 Quinta-feira, 7 de Novembro de 2002 257 SÉRIE I-B

Portaria n.º 1444/2002 Quinta-feira, 7 de Novembro de 2002 257 SÉRIE I-B Portaria n.º 1444/2002 Quinta-feira, 7 de Novembro de 2002 257 SÉRIE I-B Aprova as normas de segurança contra incêndio a observar na exploração de estabelecimentos escolares Portaria n.º 1444/2002 de 7

Leia mais

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio GESTÃO DA CONTINUADE DOS NEGÓCIOS E DE PGI 002 Incêndio INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio As informações existentes neste documento e em seus anexos são para uso exclusivo

Leia mais

COMUNIDADE EUROPEIA. Plano de Emergência ESCOLA PROFISSIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE SERPA

COMUNIDADE EUROPEIA. Plano de Emergência ESCOLA PROFISSIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE SERPA COMUNIDADE EUROPEIA Plano de Emergência ESCOLA PROFISSIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE SERPA 1. INTRODUÇÃO... 5 2. CARACTERIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES... 6 2.1 Localização e Envolvente Exterior... 6 2.2 Socorros

Leia mais

PLANEJANDO A FUGA NO CASO DE INCÊNDIO

PLANEJANDO A FUGA NO CASO DE INCÊNDIO PLANEJANDO A FUGA NO CASO DE INCÊNDIO Planejando a fuga de incêndio Ninguém espera um incêndio. Mas é muito importante ter um plano de fuga no caso de um sinistro. O incêndio pode acontecer em qualquer

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA INTERNA

PLANO DE SEGURANÇA INTERNA PLANO DE SEGURANÇA INTERNA 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Objetivo e âmbito de aplicação... 3 1.2. Implementação... 3 1.3. Revisão do Plano... 3 1.4. Divulgação do Plano... 4 1.5. Referências legislativas...

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Manuela Mil-Homens Comando Distrital de Operações de Socorro

Leia mais

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen

Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen pagina 1 van 26 Bem-vindo à Evonik Degussa Antwerpen A Evonik Degussa Antwerpen é uma empresa de químicos e parte de um grupo global. A sua segurança, assim como a nossa, é muito importante, pelo que existem

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA 2º. E 3º.CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA 2º. E 3º.CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA 2º. E 3º.CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO 1 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO ESCOLAR ESCOLA: EB 2,3 / Dr. Daniel de Matos MORADA: Vila Nova de Poiares TELEFONE:

Leia mais

INTRODUÇÃO TEORIA DO FOGO. Conceito de Fogo. Elementos que compõem o fogo. Combustível. Sólidos

INTRODUÇÃO TEORIA DO FOGO. Conceito de Fogo. Elementos que compõem o fogo. Combustível. Sólidos INTRODUÇÃO A Proteção Contra Incêndio é um assunto um pouco mais complexo do que possa parecer. A primeira vista, imagina-se que ela é composta pelos equipamentos de combate à incêndio fixados nas edificações,

Leia mais

Plano de Emergência. Edifício. Estácio de Sá

Plano de Emergência. Edifício. Estácio de Sá Plano de Emergência Edifício Estácio de Sá ÍNDICE 1 - Introdução 2 - Identificação 3 - Objetivo 4 - Definições básicas 5 - Procedimentos estratégicos 6 - Esquemático de ações de combate a incêndio 7 -

Leia mais