PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS"

Transcrição

1 PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

2 PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24: da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer as condições mínimas para a elaboração de um Plano de Emergência Contra Incêndio, visando proteger a vida e o patrimônio, bem como reduzir as conseqüências sociais do sinistro e os danos ao meio ambiente. 1.2 Aplicável para toda e qualquer edificação. 2 Referências normativas As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para melhor serem descritas. As edições indicadas estão em vigor no momento da publicação. Como toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se aqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais recentes das normas citadas a seguir. NBR /99 Programa de Brigada de Incêndio Portaria Ministerial (MTb) 3.214/78 - NR-23 3 Recursos Humanos Os procedimentos de emergência contra incêndio podem ser executados por profissional da área de segurança do trabalho, por bombeiro profissional civil, por bombeiro voluntário ou por pessoa com conhecimento do assunto. 4 Alerta O estabelecimento deverá determinar a escolha de um sistema de alerta que seja de fácil identificação e audível em todo o ambiente. Identificada uma situação de emergência, qualquer pessoa pode acionar o sistema de alarme alertando a população. 5 Análise da Situação Após o alerta, deverá ser analisada a situação, desde o início até o final do sinistro, e desencadear os procedimentos necessários, que podem ser priorizados ou realizados simultaneamente, de acordo com os recursos materiais e humanos, disponíveis no local.

3 6 Primeiros Socorros Prestar primeiros socorros às possíveis vítimas, mantendo ou restabelecendo suas funções vitais com SBV (suporte básico da vida) e RCP (reanimação cardio-pulmonar), até que se obtenha o socorro especializado. 7 Corte de Energia Cortar, quando possível ou necessário, a energia elétrica dos equipamentos, da área ou geral. 8 Abandono de Área Proceder ao abandono da área parcial ou total, quando necessário, conforme comunicação preestabelecida, removendo para local seguro, permanecendo até a definição final. 9 Combate Proceder o combate, quando possível, até a extinção do sinistro, restabelecendo a normalidade. 10 Investigação Levantar as possíveis causas do sinistro e suas conseqüências e emitir relatório, com o objetivo de propor medidas preventivas e corretivas para evitar a repetição da ocorrência. 11 Planejamento das ações Devem ser realizadas reuniões com os professores para explicar o objetivo do plano e definir funções a cada profissional lotado no estabelecimento bem como definir as rotas de fuga e o local a ser usado como ponto de refúgio. Posterior a este passo, informar a todos os alunos por que deve ser feito o exercício, explicar a todos como devem comportar-se e atribuir funções aos integrantes da Comissão de Saúde. 12 Exercícios simulados Devem ser realizados exercícios simulados parciais e completos no estabelecimento com a participação de toda a população, no período máximo de 06 (seis) meses. Imediatamente após o simulado, deve ser realizada uma reunião extraordinária para avaliação e correção das falhas ocorridas. Deve ser elaborada ata na qual conste: data e horário do evento;

4 tempo gasto no abandono; tempo gasto no retorno; tempo gasto no atendimento de primeiros socorros; atuação dos profissionais envolvidos; comportamento da população; participação do Corpo de bombeiros e tempo gasto para sua chegada; falhas de equipamentos; falhas operacionais; e demais problemas levantados na reunião.

5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABNT/CB-24 - Comitê Brasileiro de Segurança contra Incêndio NBR /99 Programa de Brigada de Incêndio Manual de legislação Normas regulamentadoras, edição 65ª editora Atlas 2009 ANEXO A (normativo) Modelo de plano de emergência contra incêndio DESCRIÇÃO DA EDIFICAÇÃO Nome: Endereço: População Fixa: XXXX pessoas População Flutuante: XXXX pessoas Equipamentos de Segurança: Professor Responsável: Riscos em potencial: PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA Os seguintes procedimentos estão relacionados numa ordem lógica, que deverão ser executados conforme o pessoal disponível e com prioridade ao atendimento de vítimas.

6 1. ANÁLISE PRIMÁRIA: Sempre que houver uma suspeita de princípio de incêndio (por calor, cheiro, fumaça ou outros meios), o mesmo deverá ser investigado. Nunca deverá ser subestimada uma suspeita. 2. ALARME: Ao ser detectado um principio de incêndio real, deverá ser acionado o alarme de incêndio. Este alarme será acionado por duas vezes, a primeira para alertar e preparar os alunos e a segunda para realizar o abandono. 3. ANÁLISE SECUNDÁRIA: Após identificação da sala sinistrada, o Professor ou aluno treinado para o combate, deverá comparecer ao local para análise da emergência. 4. CORTE DA ENERGIA: Caso necessário, deverá ser providenciado o corte da energia elétrica (parcial ou total). O corte geral deverá ser feito através do desligamento dos disjuntores do quadro geral de distribuição da escola. 5. ROTAS DE FUGA: Serão consideradas rotas de fuga, o local por onde os alunos, professores e funcionários deverão seguir para abandonar a edificação, considerandose todas as possibilidades de ocorrência de incêndio. 6. PONTO DE ENCONTRO: Local definido para agrupar os alunos que seja seguro, livre de fumaça e riscos de desabamento (analisar possibilidades de chuvas) e que não interfira no trabalho dos Bombeiros. 7. O Professor responsável ou designado deverá acionar o Corpo de Bombeiros dando as seguintes informações: nome e número do telefone utilizado; endereço da escola (completo); pontos de referência (esquina com Rua da Paz); características do incêndio; quantidade e estado das eventuais vítimas; 8. COMBATENTES: Pessoas designadas (professor, funcionário ou aluno) que irão executar o primeiro combate utilizando os recursos disponíveis (extintores ou hidrantes), enquanto não chegar o Corpo de Bombeiros. 9. ABANDONO: Caso seja necessário abandonar a edificação, deverá ser acionado novamente o alarme de incêndio para que se inicie o abandono geral. Os ocupantes

7 de cada sala de aula deverão estar cientes da emergência. Todos os alunos de cada sala deverão, após soar o primeiro alarme guardar seus materiais e pertences e coloca-los sobre as carteiras. Após o segundo toque do alarme, os alunos iniciarão o abandono, deverão sair em colunas por um ou colunas por dois e sem tumulto, com um Professor chefiando a fila e um aluno Cipeiro responsável encerrando a mesma, dando preferência aos pré-escolares e as filas que estão próximas a saída ou a área sinistrada e se deslocarão para o ponto de encontro, posicionando-se conforme chegada. Neste momento, o Professor fará a chamada para verificar eventuais ausências para posterior averiguação. Nenhum aluno deverá voltar para a sala de aula para buscar objetos que eventualmente tenham sido esquecidos. Os funcionários da cozinha, secretaria e demais dependências serão responsáveis pelos seus setores devendo desligar os equipamentos elétricos e fechar as portas e janelas e também as canalizações de gás. Após cumprirem estas etapas, deverão auxiliar os professores na organização do ponto de encontro. 10. ALUNOS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA: Os alunos com deficiência física receberão atenção especial e acompanhamento de no mínimo dois alunos para que sejam conduzidos ao ponto de encontro. 11. RELATÓRIO: Após o controle total da emergência e a volta a normalidade, incluindo a liberação da Escola pelas autoridades, o Professor Responsável deverá elaborar um relatório, por escrito, sobre o sinistro e as ações de contenção, para as devidas providências e/ou investigação, oficial ou não.

8 (PARA DISCUSSÃO E INSERÇÃO NA NORMA) 1. Recursos Materiais Projetar, instalar e manter os equipamentos e dispositivos de acordo com as normas técnicas e legislação vigente, tais como: sistema de hidrantes, extintores de incêndio, detecção e alarme de incêndio, saídas de emergência, iluminação de emergência, sinalização, etc. 2 Recursos Humanos Treinar e orientar todos os Professores e Funcionários, onde cada elemento e/ou grupo terá especificado sua função e/ou área de atuação. Possibilitando a realização do evento com a maior rapidez e segurança.

9 3 Procedimentos Elaborar um roteiro de procedimentos específicos para a edificação objeto do plano, devendo ser observados os seguintes itens: localização, construção, ocupação, população, etc. Deverão ser abordados os seguintes procedimentos básicos, relacionados de forma lógica como se uma pessoa apenas fosse executar: alerta (alarme) análise da situação primeiros socorros corte da energia (total ou parcial) abandono da área (total ou parcial) isolamento da área sinistrada confinamento do fogo combate (extinção) do fogo investigação (levantamento das causas) Um fluxograma deverá ser elaborado para rápido entendimento. Estes procedimentos deverão ser passados aos Professores e alunos componentes da CIPAE durante suas formações e nas reuniões ordinárias. Deverão ser comentados em palestras rápidas (cerca de 15 minutos por mês) para todas as salas de aula abordando assim 100% da população. Para os procedimentos de primeiros socorros e combate a incêndio, deverão ser realizados cursos e treinamentos específicos. Para o abandono de área, deverá ser seguido o seguinte roteiro: 4. Treinamento dos Professores e Funcionários no apoio Palestras rápidas de divulgação 1º dia com data e hora marcadas (exercício de fixação) 2º dia somente com data marcada (elevação do envolvimento geral) 3º dia sem data nem hora marcadas (situação simulada com envolvimento quase próximo da real)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

Corpo de Bombeiros. Plano de emergência contra incêndio

Corpo de Bombeiros. Plano de emergência contra incêndio SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 16/2011 Plano de emergência contra incêndio SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16/2011 Instrução Técnica nº 16/2011 - Plano de emergência contra incêndio 409 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio Maj. QOBM Fernando Plano de Emergência Requisitos para Elaboração e Aspectos a serem Observados; Implementação

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 158/2014/TCE-RO Cria e regulamenta a Brigada de Incêndio e Emergência do Tribunal de Contas do Estado de Rondônia e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE

Leia mais

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Plano de Abandono SINER / Carapicuíba Data da Revisão 05/06/13

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Plano de Abandono SINER / Carapicuíba Data da Revisão 05/06/13 1/ 8 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Saída de alguns integrantes da Brigada 02 Alteração do item 4.5 composição da brigada e 4.7 Plano de abandono Demais envolvidos

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 17/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 17/2011 Instrução Técnica nº 17/2011 - Brigada de incêndio 421 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 17/2011 Brigada

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Preparar os funcionários para um rápido e eficiente abandono do edifício, em caso real de incêndio ou qualquer outra emergência.

PLANO DE EMERGÊNCIA. Preparar os funcionários para um rápido e eficiente abandono do edifício, em caso real de incêndio ou qualquer outra emergência. INTRODUÇÃO Em virtude do grande número de vítimas que os incêndios tem causado nos locais de maior concentração humana, principalmente edifícios e, tendo como causas principais à falta de conhecimento

Leia mais

IT - 12 BRIGADA DE INCÊNDIO

IT - 12 BRIGADA DE INCÊNDIO IT - 12 BRIGADA DE INCÊNDIO SUMÁRIO ANEXOS 1 Objetivo A - Tabela de percentual de cálculo para composição da Brigada de Incêndio 2 Aplicação B - Currículo básico do curso de formação da Brigada de Incêndio

Leia mais

REGIONAL RIO DE JANEIRO PLANO

REGIONAL RIO DE JANEIRO PLANO REGIONAL RIO DE JANEIRO PLANO DE EMERGÊNCIA FILIAL DUQUE DE CAXIAS ANO BASE 2009 1. INTRODUÇÃO Todas as instalações que operem com derivados de petróleo devem possuir um PLANO DE EMERGÊNCIA para controle

Leia mais

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu A ESCOLA é um bem público. Plano de Segurança Ela é o centro de convergência

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 16, de 05/03/07 Plano de Intervenção

Leia mais

NORMA TÉCNICA 006/14 BRIGADA DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA 006/14 BRIGADA DE INCÊNDIO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO MARANHÃO NORMA TÉCNICA 006/14 BRIGADA DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas

Leia mais

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ Autores: Aguinaldo Lima de Moraes Jr. José Natalino Bezerra Luiz Tomohide Sinzato CESP - Companhia Energética

Leia mais

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO firesafetybrasil@gmail.com RELAÇÃO ENTRE OS FATORES CONDICIONANTES DE RISCO E AS DISTINTAS CATEGORIAS DE RISCO RELAÇÃO DE INTERDEPENDÊNCIA ENTRE AS CINCO CATEGORIAS

Leia mais

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL Usina Termelétrica Gov. LEONEL BRIZOLA/TERMORIO Informe de recursos internos LIMITES DA ÁREA INDUSTRIAL COMPOSIÇÃO DA UTE GLB Planta Outras instalações Rota de fuga ATIVAÇÃO DO PEL Qualquer empregado ou

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES PROFESSORES Competências dos professores Quando os professores se encontram numa sala de aula com um grupo de alunos, devem: 1. Ao ouvir o sinal de alarme, avisar os alunos para não tocarem nos interruptores

Leia mais

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores.

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT:2001 Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. Sede: Rio

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA N O 17/01

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA N O 17/01 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA N O 17/01 BRIGADA DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA

CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO RIO GRANDE DO SUL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO DA ENGENHARIA E DA AGRONOMIA Rua São Luis nº 77 - Fone: (51) 3320.2100-90620 170 - Porto Alegre

Leia mais

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares

Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 33/2004 Cobertura de Sapé, Piaçava e Similares SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo

Leia mais

NORMA TÉCNICA 17/2014 Brigada de Incêndio

NORMA TÉCNICA 17/2014 Brigada de Incêndio ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 17/2014 Brigada de Incêndio SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

PREV FIRE TREINAMENTOS TV. AGRIPINA DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA SITE:

PREV FIRE TREINAMENTOS TV. AGRIPINA DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA SITE: PREV FIRE TREIMENTOS TV. AGRIPI DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA OBJETIVO DO CURSO Promover a formação da brigada de incêndio, com técnicas, competências, habilidades e valores visando oferecer capacitação

Leia mais

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES

NPT 033 COBERTURA DE SAPÉ, PIAÇAVA E SIMILARES Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 033 Cobertura de sapé, piaçava e similares CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011 1. Do fato Solicitado parecer sobre atuação do profissional Enfermeiro no treinamento ministrado aos componentes de brigadas de incêndio, atendendo a Instrução Técnica

Leia mais

Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo

Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO RELACIONADOS AO NOVO DECRETO ESTADUAL DO CORPO DE BOMBEIROS DO ESTADO DE SÃO PAULO DESAFIO PERMANENTE Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo Alguns Números do CBPMESP

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL. Resolução nº 06 de 13 de março de 2014.

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL. Resolução nº 06 de 13 de março de 2014. ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 06 de 13 de março de 2014. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

FAC. 01 MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA

FAC. 01 MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA 1 de 26 MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA MACROPROCESSO INFRAESTRUTURA PROCESSO MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA MANUTENÇÃO E INFRAESTRUTURA 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4.

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio GESTÃO DA CONTINUADE DOS NEGÓCIOS E DE PGI 002 Incêndio INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio As informações existentes neste documento e em seus anexos são para uso exclusivo

Leia mais

INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE

INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE ANO I Nº 1 Junho 2011 2011MARCO 2010 INSTRUÇÃO BÁSICA PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO. TERCEIRA FASE (Plano em Desenvolvimento) Página 1 de 8 Apresentação Instrução elaborada para o Condomínio do edifício

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ-FUNECE UNIDADE DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL-UNEP

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ-FUNECE UNIDADE DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL-UNEP EDITAL MATRÍCULAS - ATRBI/UNEP 2014.1 A Unidade de Educação Profissional-UNEP, usando as atribuições que lhe confere o artigo 51, da Lei 9.394, de 20/12/96, anuncia que estarão abertas, de 20/01/14 à 21/02/14,

Leia mais

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Rota de Fuga e Análise de Riscos Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig 2010 É um mapa que representa, através de símbolos apropriados, o trajeto a ser seguido pelo indivíduo

Leia mais

Brigada Escolar - Defesa Civil na Escola BRIGADAS ESCOLARES - DEFESA CIVIL NA ESCOLA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PLANO DE ABANDONO

Brigada Escolar - Defesa Civil na Escola BRIGADAS ESCOLARES - DEFESA CIVIL NA ESCOLA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PLANO DE ABANDONO BRIGADAS ESCOLARES - DEFESA CIVIL NA ESCOLA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PLANO DE ABANDONO 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.... 4 1.1OS DESASTRES MAIS RECENTES... 4 2 PLANO DE ABANDONO... 4 2.1 LEGISLAÇÃO... 5 3 TERMINOLOGIA......

Leia mais

NORMA TÉCNICA Nº 17/2016 BRIGADA DE INCÊNDIO. Parte 1 Brigada de incêndio

NORMA TÉCNICA Nº 17/2016 BRIGADA DE INCÊNDIO. Parte 1 Brigada de incêndio Norma Técnica nº 17/2016 Brigada de Incêndio 1 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA Nº 17/2016 BRIGADA DE INCÊNDIO Parte

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 12 BRIGADA DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 12 BRIGADA DE INCÊNDIO ANEXO XII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 12 BRIGADA DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as condições mínimas para a formação, treinamento e recapacitação

Leia mais

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP

ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS PORTARIA Nº 011 /05/CAT-CBMAP Aprova a Norma Técnica nº 010/2005-CBMAP, sobre atividades eventuais no Estado do Amapá,

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente 2 110766_MEMPCI_REFORMA_SALA_MOTORISTAS_R00 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Proteção contra Incêndio

Proteção contra Incêndio CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: SEGURANÇA PROFISSIONAL JÚNIOR - ENG. SEGURANÇA DO TRABALHO Proteção contra Incêndio Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Para Mobilização e Desmobilização do. Edifício Sede da Coelba

PLANO DE EMERGÊNCIA. Para Mobilização e Desmobilização do. Edifício Sede da Coelba PLANO DE EMERGÊNCIA Para Mobilização e Desmobilização do Edifício Sede da Coelba Autores Osmar Átila Santos Paulo Américo Fortuna Carlos Andrade Giron Jilson Silva dos Santos Companhia de Eletricidade

Leia mais

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora: PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Vigência: OUTUBRO/ 2015 à OUTUBRO/2016 Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL Equipe Técnica Executora: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho

Leia mais

Plano de Atendimento a Emergência e Sinistro - PAES. 1. Dados da Empresa:

Plano de Atendimento a Emergência e Sinistro - PAES. 1. Dados da Empresa: Plano de Atendimento a Emergência e Sinistro - PAES 1. Dados da Empresa: Unidade: Têxtil Localização: Urbana Endereço: Rua São Pedro, 2647, Brusque (SC) Vizinhança e arredores: Baixa concentração de residências

Leia mais

Instalações Prediais. Manutenção

Instalações Prediais. Manutenção Instalações Prediais Manutenção Legislação Leis nº 10.199/86 e 8382/76 Certificado de manutenção dos sistemas de segurança contra incêndio Lei nº 13.214, de 22 de novembro de 2001. Obrigatoriedade de instalação

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA E EVACUAÇÃO Revisão: 00

PLANO DE EMERGÊNCIA E EVACUAÇÃO Revisão: 00 Número: DOC 0006 Página: 1 de 12 1. IDENTIFICAÇÃO INSTITUCIONAL ÓRGÃO: Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho - UFRJ ENDEREÇO: Av. Carlos Chagas Filho 373, CCS, Bloco G, CEP:21941-902 TELEFONE: 21

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

IMPORTÂNCIA DE UMA ABORDAGEM SISTÊMICA PARA A SOLUÇÃO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÕES

IMPORTÂNCIA DE UMA ABORDAGEM SISTÊMICA PARA A SOLUÇÃO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÕES SEMINARIO INTERNACIONAL DE SEGURIDAD CONTRA INCENDIO EM LA EDIFICACIÓN IMPORTÂNCIA DE UMA ABORDAGEM SISTÊMICA PARA A SOLUÇÃO DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DE EDIFICAÇÕES Antonio Fernando Berto afberto@ipt.br

Leia mais

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano

Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas DEZ 1997 NBR 14021 Transporte - Acessibilidade à pessoa portadora de deficiência - Trem metropolitano Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar

Leia mais

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim Manual do usuário Central de alarme de incêndio Slim Central de alarme de incêndio Slim Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul. Este manual é válido apenas para

Leia mais

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA NICOBELO&ART FINAL Nicobelo@hotmail.com BRIGADAS DE EMERGÊNCIA GRUPO INCÊNDIO DE SOROCABA 1 OBJETIVO É estabelecer Programa de Prevenção e levar a cabo medidas que se implementem para evitar ou mitigar

Leia mais

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO. Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO. Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos ANEXO I PROJETO EXECUTIVO Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos Ass: Escopo para Contratação de Empresa Qualificada. Tipo da contratação: Obra de Engenharia.

Leia mais

PUBLICADA NO DODF 211, DE 22 DE OUTUBRO DE 2008 PÁG 07 GOVERNO DO DISTRITO DEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL

PUBLICADA NO DODF 211, DE 22 DE OUTUBRO DE 2008 PÁG 07 GOVERNO DO DISTRITO DEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF, DE DE OUTUBRO DE 008 PÁG 07 GOVERNO DO DISTRITO DEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL PORTARIA Nº 6/008CBMDF, DE DE OUTUBRO DE 008. Aprova a Norma Técnica Nº 007/008CBMDF,

Leia mais

SOLUÇÕES EM SSO! Assessoria em Segurança do Trabalho e Treinamento CONDOMÍNIO COMERCIAL CASA DAS CALDEIRAS

SOLUÇÕES EM SSO! Assessoria em Segurança do Trabalho e Treinamento CONDOMÍNIO COMERCIAL CASA DAS CALDEIRAS SIMULADO DE ABANDONO DE ÁREA CONDOMÍNIO COMERCIAL CASA DAS CALDEIRAS Ano 2015 Relatório de Simulado de Abandono de Área Data: 25/11/2015 Local: CONDOMÍNIO COMERCIAL CASA DAS CALDEIRAS Exercício: vide cenário

Leia mais

NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS

NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS NR 33 - SEGURANÇA E SAÚDE NOS TRABALHOS EM ESPAÇOS CONFINADOS INTRODUÇÃO A trigésima terceira Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego denominada Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços

Leia mais

ATO CONVOCATÓRIO 052/2013 MAR Museu de Arte do Rio

ATO CONVOCATÓRIO 052/2013 MAR Museu de Arte do Rio 1. INTRODUÇÃO Considerando que o Museu de Arte do Rio MAR será uma das âncoras do plano de revitalização da região portuária da cidade do Rio de Janeiro RJ e será instalado na Praça Mauá, em dois prédios

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola.

Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola. DECRETO QUE REGULAMENTA A LEI 18.424/2015 Súmula: Regulamenta a Instituição do Programa Brigadas Escolares Defesa Civil na Escola. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA LIANE DILDA GERENTE DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO HISTÓRICO Privatização - 28.07.1999 (DEI-EUA) EUA) Geração e Comercialização de

Leia mais

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98)

DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) 1 de 7 05/02/2013 11:03 DECRETO Nº 37.380, DE 28 DE ABRIL DE 1997. *(Com as Alterações Introduzidas pelo Decreto nº 38.273/98, pub. DOE 10.03.98) Aprova as Normas Técnicas de Prevenção de Incêndios e determina

Leia mais

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO

MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA EM MÉDIA TENSÃO TECNOLOGIA, QUALIDADE E ENERGIA A SERVIÇO DA ECONOMIA. Engelétrica Indústria, Comércio e Serviços Elétricos Ltda. Rua Xavier da Rocha, 10 Vila Prudente

Leia mais

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779

Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 Instrução Técnica nº 43/2011 - Adaptação às normas de segurança contra incêndio edificações existentes 779 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Título: Tipo do Documento: SubTipo: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Plano de Controle a Emergências

Leia mais

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio.

O PAE, parte integrante do PGR, contempla também a prevenção do risco de acidentes com produtos perigosos e de combate a incêndio. OBJETIVO O PGR - Programa de Gerenciamento de Risco e PAE - Plano de Ação de Emergências são parte integrante do PBA Plano Básico Ambiental da Estrada-Parque Visconde de Mauá, que compreende a identificação,

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

INDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS

INDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Nº PE 4604.52-6270-948-SMS-011 CLIENTE: PROGRAMA: ÁREA: PETROBRAS MODERNIZAÇÃO DO PONTO DE ENTREGA DE ARAÇAS FOLHA 1/12 TÍTULO: ENGENHARIA/IENE /IETEG/CMIPE PLANO DE EMERGÊNCIAS MEDICAS E PRIMEIROS SOCORROS

Leia mais

Seminário de Prevenção e Combate a Incêndios CODESP TEAG, 20/OUT/14

Seminário de Prevenção e Combate a Incêndios CODESP TEAG, 20/OUT/14 Seminário de Prevenção e Combate a Incêndios CODESP TEAG, 20/OUT/14 Dezembro, 2014 Agenda O incêndio cronologia Cuidados ambientais adotados durante o sinistro Possíveis causa(s) do incêndio Melhorias

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO ALUNOS: Quando soar o sinal de ALARME, deve seguir as instruções do Professor. O aluno nomeado Chefe de Fila deve dirigir-se para porta de saída, procede à sua abertura, segurando-a e mantendo-a aberta.

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

Revisão da legislação de Segurança Contra Incêndio na visão das Universidades

Revisão da legislação de Segurança Contra Incêndio na visão das Universidades Comissão Especial de Revisão e Atualização das Leis de Segurança, Prevenção e Proteção contra Incêndios Revisão da legislação de Segurança Contra Incêndio na visão das Universidades Contribuições das universidades

Leia mais

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes?

Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Espaço Confinado o que você precisa saber para se proteger de acidentes? Publicado em 13 de outubro de 2011 Por: Tônia Amanda Paz dos Santos (a autora permite cópia, desde que citada a fonte e/ou indicado

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

CURSOS MINISTRADOS PELA TREINAMENTOS & BRIGADA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CURSOS MINISTRADOS PELA TREINAMENTOS & BRIGADA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CURSOS MINISTRADOS PELA TREINAMENTOS & BRIGADA Item Treinamentos C/H 01 Brigada de Incêndio 12 h/a 02 Brigada de Incêndio 16 h/a 03 Primeiros Socorros 08 h/a 04 Trabalho em Altura 08 h/a 05 CIPA 20 h/a

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI)

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Introdução...

Leia mais

O maior e mais bem equipado centro de treinamentos para Brigadistas, Socorristas e Segurança do Trabalho.

O maior e mais bem equipado centro de treinamentos para Brigadistas, Socorristas e Segurança do Trabalho. O maior e mais bem equipado centro de treinamentos para Brigadistas, Socorristas e Segurança do Trabalho. BRIGADA DE INCÊNDIO - NR 23 Lei federal nº 6514/77, da Portaria nº 3214/78 através da NR 23; NBR

Leia mais

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos Eng. Valdemir Romero Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Segurança

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA 014/2009

RESOLUÇÃO TÉCNICA 014/2009 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL BRIGADA MILITAR CORPO DE BOMBEIROS RESOLUÇÃO TÉCNICA 014/2009 Treinamento de Prevenção e Combate a Incêndios Apresentação: 1º Sgt Vanderlei Rodrigues Nunes NBR 14276/2006 -

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Vista das Obras da Arena Allianz Parque W Torres e Sociedade esportiva Palmeiras - Data: 30/07/2014

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. Vista das Obras da Arena Allianz Parque W Torres e Sociedade esportiva Palmeiras - Data: 30/07/2014 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Vista das Obras da Arena Allianz Parque W Torres e Sociedade esportiva Palmeiras - Data: 30/07/2014 CADERNO TÉCNICO SÃO PAULO, JANEIRO DE 2015 ALVARA DE AUTORIZAÇÃO

Leia mais

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280. Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280. Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280 PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014 VÁLIDA A PARTIR DE 18/04/2014 Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos Prefácio Introdução 1 Escopo 2 Referências 3

Leia mais

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 17 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DE POMARES

CENTRO ESCOLAR DE POMARES CENTRO ESCOLAR DE POMARES Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação de emergência

Leia mais

Megaexpansão - Silves

Megaexpansão - Silves 2010 Megaexpansão - Silves DÁRIO AFONSO FERNANDA PIÇARRA [ 21 09 2010 ] ÍNDICE Objectivos (pág. 3) Caracterização do Estabelecimento (pág. 3 a 6) Organização de Emergência (pág. 6 a 8) Plano de Intervenção

Leia mais

Regulamento de segurança contra incêndio das edificações e áreas de risco do Estado de São Paulo

Regulamento de segurança contra incêndio das edificações e áreas de risco do Estado de São Paulo Decreto Estadual nº 56.819, de 10 de março de 2011 I GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS Regulamento

Leia mais

6 - Gerenciamento de Risco através de Sistema de Controle Integrado

6 - Gerenciamento de Risco através de Sistema de Controle Integrado Segurança na Ferrovia-Roteiro da Apresentação 1 - Estudo de Caso - Metrô de Daegu 2 - Pós-análise 3 - Incidentes de Riscos: Classificação Qualquer um pode ver um incêndio florestal. A habilidade reside

Leia mais

NBR 14276 Programa de brigada de incêndio

NBR 14276 Programa de brigada de incêndio JAN 1999 NBR 14276 Programa de brigada de incêndio ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro -

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO: UMA ESTRATÉGIA PARA A PRESERVAÇÃO DA INTEGRIDADE DO TRABALHADOR

PLANO DE PREVENÇÃO E EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO: UMA ESTRATÉGIA PARA A PRESERVAÇÃO DA INTEGRIDADE DO TRABALHADOR 1 PLANO DE PREVENÇÃO E EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO: UMA ESTRATÉGIA PARA A PRESERVAÇÃO DA INTEGRIDADE DO TRABALHADOR Vitor Mendes de Paula Mestrando em Geografia UFG / CAC vitorgeoufu@hotmail.com Resumo

Leia mais