AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA MAIOR. Viana do Castelo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA MAIOR. Viana do Castelo"

Transcrição

1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA MAIOR EB2,3 DE FREI BARTOLOMEU DOS MÁRTIRES Viana do Castelo VIANA DO CASTELO TEL FAX

2 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PLANO DE PREVENÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Localização geográfica Tipo de estabelecimento Tipo de ocupação do edifício IDENTIFICAÇÃO DOS AGENTES DE SEGURANÇA Responsável pela segurança contra incêndios (RS) Outros delegados de segurança MEIOS DE ALARME E ALERTA RECENSEAMENTO DE UTENTES DESCRIÇÃO E LOTAÇÃO DE INSTALAÇÕES IDENTIFICAÇÃO DAS FONTES DE ENERGIA LEVANTAMENTO DOS MEIOS E RECURSOS DE SEGURANÇA Equipamentos de 1ª intervenção Acesso a viaturas de socorro INSTRUÇÕES PARTICULARES DE PREVENÇÃO Comportamentos de prevenção de situações de risco extremo Na cozinha Nos laboratórios A nível de quadros elétricos... 8 PLANO DE EMERGÊNCIA MEIOS DE ALERTA ORGANISMOS DE APOIO ORGANIGRAMA HIERÁRQUICO E FUNCIONAL DA ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA I - PLANO DE ATUAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS Internos Externos Procedimentos a adotar pelas estruturas envolvidas Instruções particulares: cozinha, laboratórios e quadros elétricos COZINHA LABORATÓRIOS QUADROS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES EM CASO DE SISMO DURANTE UM SISMO No interior do edifício Em salas de aula e Centro de Recursos Em zonas de circulação onde não há possibilidade de abrigo Na cozinha e no laboratório No exterior APÓS UM SISMO A Estrutura de Segurança deve Os professores devem Os alunos II - PLANO DE EVACUAÇÃO RECENSEAMENTO DAS PESSOAS A SEREM EVACUADAS NORMAS DE EVACUAÇÃO Instruções gerais Instruções particulares EXERCÍCIOS DE EVACUAÇÃO 2014/ /18

3 INTRODUÇÃO A segurança, quer individual, quer coletiva, é uma preocupação constante e atual de todos, nomeadamente da população escolar, por isso elaborar os planos de prevenção e de emergência de uma escola, é fazer um investimento na salvaguarda da saúde e do bem estar dos seus ocupantes, é garantir a proteção e conservação do edifício, das instalações, equipamentos e mobiliário. Neste sentido e para responder a esta preocupação, procedeu se à elaboração do Plano de Prevenção e de Emergência da EB2,3 de Frei Bartolomeu dos Mártires. A análise da documentação fornecida pelo Ministério da Educação, pela Proteção Civil e pela Câmara Municipal de Viana do Castelo serviram de suporte a todo o trabalho realizado. A identificação dos riscos existentes na escola, o levantamento do material de primeira intervenção e o planeamento de procedimentos concretos a adotar em possíveis situações de emergência, nomeadamente os referentes a incêndios e a sismos, proporcionam momentos de reflexão. Tentámos neste plano coordenar a prevenção com o planeamento da segurança de uma forma simples e concisa, aberto a adaptações e aperfeiçoamentos que se julguem pertinentes. Julgamos estar esta escola capaz de prevenir situações de risco ou, pelo menos, de minimizar as consequências de um possível acidente. Envolve este plano toda a população escolar, de uma forma consciente, no cumprimento das normas de segurança nele estabelecidas, bem como os parceiros da comunidade através de ações de apoio. 3/18

4 PLANO DE PREVENÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO ESCOLA BÁSICA 2/ 3 DE FREI BARTOLOMEU DOS MÁRTIRES AVENIDA CAPITÃO GASPAR DE CASTRO TELEFONE: FAX : FREGUESIA DE SANTA MARIA MAIOR A FUNCIONAR DESDE SETEMBRO DE Localização geográfica NORTE: TECIDO URBANO - AV. CAPITÃO GASPAR DE CASTRO, PRAÇA DO ALTO MINHO, ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VIANA DO CASTELO SUL: TECIDO URBANO - LAR DE SANTA TERESA LESTE: TECIDO URBANO - LOGRADOUROS PRIVADOS E PRÉDIOS URBANOS, HOTEL AXIS OESTE: TECIDO URBANO - PARQUE DE ESTACIONAMENTO, PAVILHÃO GIMNODESPORTIVO MUNICIPAL 1.2. Tipo de estabelecimento - PÚBLICO 1.3. Tipo de ocupação do edifício - ESCOLAR - ANOS DE ESCOLARIDADE LECIONADOS: 5º 6º 7º 8º 9º - SERVIÇO DESPORTIVO À COMUNIDADE 2. IDENTIFICAÇÃO DOS AGENTES DE SEGURANÇA 2.1. Responsável pela segurança contra incêndios (RS) Professor José Lima (Coordenador de Estabelecimento) 2.2. Outros delegados de segurança Designação Identificação Local de ação Coordenador de Bloco Isabel Teixeira/ Emanuel Bloco Central Ribeiro/Sara Quintas Coordenador de Blocos Henrique Viana/ Isabel Veloso/Ana Paula Couto Pavilhões Amarelo, Azul e Vermelho 4/18

5 Coordenador de Bloco Pedro Lopes Vaz/ Isabel Moreira Gimnodesportivo 3. MEIOS DE ALARME E ALERTA ALARME: 3 TOQUES PROLONGADOS DE CAMPAÍNHA X VIGILÂNCIA: DIURNA... X NOTURNA... X 4. RECENSEAMENTO DE UTENTES PERÍODO DE FUNCIONAMENTO UTENTES MANHÃ TARDE NOITE Alunos Professores Funcionários DESCRIÇÃO E LOTAÇÃO DE INSTALAÇÕES BLOCOS ARQUITETÓNICOS Bloco Central (Polivalente) Pavilhão A (Amarelo) Nº de pisos 2 1 Tipos de espaços Quantidade Lotação por unidade espacial (nº pessoas) em funcionamento pleno Salas de aula 2 30 Cantina Bares 1 Indeterminável Secretaria 1 1 Biblioteca - CRE 1 60 Gabinetes Reprografia Salas de pessoal 3 Indeterminável Gabinete de 1º socorros Papelaria 1 Indeterminável Arquivo Salas de aula 8 26 Gabinetes 3 2 Laboratórios 1 15 Pavilhão B Salas de aula (Azul) Laboratórios 2 26/13 Pavilhão C Salas de aula (Vermelho) Laboratórios 1 15 Ginásio /18

6 6. IDENTIFICAÇÃO DAS FONTES DE ENERGIA EQUIPAMENTO TÉCNICO BLOCO PISO LOCALIZAÇÃO OBS. NO CORREDOR, ENTRE O POLIVALENTE QUADRO GERAL DE ELETRICIDADE CENTRAL 0 E O BAR DOS PROFESSORES AMARELO HALL QUADRO PARCIAL DE AZUL 0 HALL ELETRICIDADE VERMELHO HALL GINÁSIO HALL DO BALNEÁRIO FEMININO DEPÓSITO DE GÁS NO EXTERIOR/ JUNTO À AV. CAPITÃO GASPAR DE CASTRO/ PRÓXIMO DA EXTERIOR COZINHA VÁLVULAS DE CORTE PARCIAL DE GÁS COZINHA INTERIOR VÁLVULA DE CORTE GERAL DE GÁS VÁLVULA SEGURANÇA (CONTADOR) RENTE À VEDAÇÃO DO DEPÓSITO DE GÁS BAR DE PROFESSORES EXTERIOR EXTERIOR BOTIJAS DE GÁS CENTRAL 0 SALA DE PROFESSORES SECRETARIA ENTRADA GERAL DE ÁGUA E VÁLVULA DE EXTERIOR / LADO DIREITO DE QUEM SEGURANÇA (CONTADOR) ENTRA O PORTÃO PRINCIPAL EXTERIOR 7. LEVANTAMENTO DOS MEIOS E RECURSOS DE SEGURANÇA 7.1. Equipamentos de 1ª intervenção BOCAS DE INCÊNDIO EXTERIORES: 1 LOCAL: FACHADA DO BLOCO PRINCIPAL BOCAS DE INCÊNDIO INTERIORES: BLOCO PISO LOCALIZAÇÃO OBSERVAÇÕES 0 CORREDOR (ENTRE POLIVALENTE E SALA DE 1 PRINCIPAL PROFESSORES) 0 CANTINA 1 GINÁSIO 0 ARRECADAÇÃO DE MATERIAL 1 6/18

7 EXTINTORES BLOCO PISO LOCALIZAÇÃO OBSERVAÇÕES PÓ QUÍMICO BAR DE PROFESSORES 1 (ABC) PRINCIPAL 0 6Kg BAR DE ALUNOS 1 NEVE CARBÓNICA COZINHA 1 AMARELO 0 AZUL 0 VERMELHO 0 GINÁSIO 0 PÓ QUÍMICO (ABC) 6Kg PÓ QUÍMICO (ABC) 6Kg NEVE CARBÓNICA PÓ QUÍMICO (ABC) 6Kg PÓ QUÍMICO (ABC) 6Kg PÓ QUÍMICO (ABC) 6Kg COZINHA 1 CANTINA 2 SECRETARIA 1 POLIVALENTE 2 CRE 1 HALL 2 SALA 1 1 SALA 2 1 SALA 4 1 SALA 7 1 LABORATÓRIO 1 LABORATÓRIO 2 HALL 2 SALA 4 1 SALA 5 1 SALA 7 1 LABORATÓRIO 1 HALL 2 SALA 4 1 LABORATÓRIO 1 SALA 7 1 RECINTO DESPORTIVO 2 BALNEÁRIO FEMININO 1 BALNEÁRIO MASCULINO Acesso a viaturas de socorro NORMAL: AV. CAPITÃO GASPAR DE CASTRO E PARQUE DE ESTACIONAMENTO SEM ALTERNATIVA A acessibilidade dos meios de socorro encontra-se garantida, quer em termos de largura das vias de acesso como da sinalética que impede a obstrução das mesmas. 7/18

8 8. INSTRUÇÕES PARTICULARES DE PREVENÇÃO 8.1. Comportamentos de prevenção de situações de risco extremo Comunicar, sempre que detetar, qualquer cheiro estranho aquando da utilização de equipamentos elétricos. Se sentir cheiro a gás, não ligar/desligar interruptores, aparelhos elétricos ou fazer qualquer tipo de chama, ventilar o local e fechar as torneiras de segurança Na cozinha Manter os exaustores ligados enquanto se cozinha, assegurando o seu bom estado de limpeza e substituindo os filtros periodicamente; Utilizar extensões elétricas apenas para uso temporário, mantendo os fios elétricos afastados de superfícies quentes ou com água, e retirar das tomadas os aparelhos portáteis quando não estão a ser usados; Manter afastados da chama asas de tachos e panelas, caixas e utensílios de plástico, apagando os bicos ou placas de fogão quando não estão a ser utilizados; Se surgirem chamas numa frigideira ou fritadeira cobri-la com uma manta de abafamento, tampa ou toalha húmida. Não utilizar nunca água e desligar imediatamente o gás ou a eletricidade; No fim do dia, antes de abandonar o local de trabalho, remover todos os materiais combustíveis da proximidade de fontes de calor, limpar a gordura acumulada e desligar a energia elétrica Nos laboratórios Elaborar um plano de trabalho, de forma a evitar erros e descuidos; Minimizar os materiais necessários, tendo na zona de trabalho apenas as quantidades mínimas indispensáveis. Isto não só diminui o risco de incêndio como reduz custos e desperdícios; Armazenar os materiais perigosos de forma apropriada e segura A nível de quadros elétricos Verificar regularmente o funcionamento, promovendo de imediato as reparações necessárias por pessoal habilitado; Proceder à substituição das chapas de identificação dos disjuntores sempre que necessário; Manter desobstruído o acesso aos quadros, não permitindo a acumulação de objetos combustíveis nas proximidades; 8/18

9 1. MEIOS DE ALERTA Ligar imediatamente NNS PLANO DE EMERGÊNCIA Bombeiros Municipalizados TELEFONE Nº ORGANISMOS DE APOIO TELEFONE CHEFE DE SEGURANÇA ORGANISMOS TELEFONE SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTEÇÃO CIVIL QUARTEL DOS BOMBEIROS MAIS PRÓXIMO: PROFISSIONAIS QUARTEL DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS HOSPITAL CENTRO DE SAÚDE PSP /18

10 3. ORGANIGRAMA HIERÁRQUICO E FUNCIONAL DA ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA CHEFE DE SEGURANÇA ALARME Sara Quintas Isabel Teixeira ALERTA Diana Gomes Sara Quintas Isabel Teixeira Emanuel Ribeiro Professor José Lima COORDENADOR DE BLOCO/PISO INFORMAÇÃO E VIGILÂNCIA Emanuel Ribeiro Lucinda Cerqueira CORTE DE ENERGIA Diana Meira Gomes Paula Simas Luciana Felgueiras Bloco Central: Emanuel Ribeiro /Sara Quintas Pavilhão A, B, C: Henrique Viana/ Ana Paula Couto Ginásio: Pedro Vaz/ Isabel Moreira BLOCO CENTRAL PAVILHÃO A EQUIPAS DE 1ª INTERVENÇÃO PAVILHÃO B PAVILHÃO C GINÁSIO Cozinha _ Matilde Gomes Outros espaços Isabel Teixeira /Sara Quintas/ Ariana Mina Conceição Passos Alexandra Fernandes Karine Capaz Cecília Lopes Carla Brito Lurdes Moreno Pedro Lopes Vaz Isabel Moreira EVACUAÇÃO Bloco Central: 1º piso - Lucinda Cerqueira Rés do chão Ariana Mina/Sara Quintas/Isabel Teixeira Pavilhão A:Alexandra Fernandes / Conceição Passos Pavilhão B: Karine Capaz/ Cecília Lopes Pavilhão C: Lurdes Moreno / Carla Brito Ginásio: Pedro Vaz/ Isabel Moreira CONCENTRAÇÃO E CONTROLO Pedro Vaz Diana Meira Gomes 10/18

11 I - PLANO DE ATUAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS 1.1. Internos (Engloba o (s) edifício (s) e recinto envolvente) ELEMENTOS DE RISCO QTIDADE LOCALIZAÇÃO QUADRO GERAL DE ELETRICIDADE 1 BLOCO PRINCIPAL - PISO 0 1 CANTINA - PISO 0 1 COZINHA - PISO 0 QUADROS PARCIAIS DE ELETRICIDADE 1 PAVILHÃO AMARELO - PISO 0 1 PAVILHÃO AZUL - PISO 0 1 PAVILHÃO VERMELHO - PISO 0 1 GINÁSIO - PISO 0 COZINHA 1 SECRETARIA 1 ARQUIVO 1 EDIFÍCIO PRINCIPAL - - PISO 0 REPROGRAFIA 1 BIBLIOTECA 1 EDIFÍCIO PRINCIPAL - - PISO 1 1 PISO PAVILHÃO 1 AMARELO - PISO 0 LABORATÓRIOS 1.2. Externos 1 PAVILHÃO AZUL - PISO 0 1 PAVILHÃO VERMELHO - PISO 0 BOMBAS DE GASOLINA 1 AV CAPITÃO GASPAR DE CASTRO SISTEMA DE AQUECIMENTO DE PISCINAS 1 LAR DE SANTA TERESA 1 PISCINA MUNICIPAL HOTEL AXIS 1 A NORDESTE (CONFINANTE ) VIA PÚBLICA ( BASTANTE TRANSITO AUTO ) 1 NASCENTE/POENTE " PARQUE DE ESTACIONAMENTO 1 FRENTE À ENTRADA PRINCIPAL 2. Procedimentos a adotar pelas estruturas envolvidas IDENTIFICAÇÃO FUNÇÕES: AÇÕES A DESENVOLVER CHEFE DE SEGURANÇA COORDENADOR(ES) DE BLOCO/PISO Coordenador de Estabelecimento: Professor José Lima Isabel Teixeira/ Emanuel Ribeiro / Sara Quintas Henrique Viana/Isabel Veloso/Ana Paula Couto Pedro Vaz/Isabel Moreira Avalia a situação de emergência e decide se é necessário efetuar a evacuação das instalações. Em caso de decisão de evacuação do edifício, avisa os coordenadores de piso. Dá ordem para avisar os Bombeiros. Dá ordem para que sejam efetuados os cortes de energia Coordena a atuação das equipas de intervenção. Dá ordem para que sejam efetuados os cortes parciais de corrente elétrica e gás. Verifica se alguém ficou retido nas instalações e informa o chefe de segurança de eventuais anomalias. 11/18

12 EQUIPAS DE INTERVENÇÃO ALARME Sara Quintas/Isabel Teixeira ALERTA Diana Meira Gomes Isabel Teixeira / PRIMEIRA INTERVENÇÃO CORTE DE ENERGIA Emanuel Ribeiro Matilde Gomes Isabel Teixeira Ariana Mina Sara Quintas Conceição Passos Alexandra Fernandes Karine Capaz Cecília Lopes Carla Brito Lurdes Moreno Pedro Lopes Vaz Isabel Moreira Diana Meira Gomes Paula Simas Luciana Felgueiras EVACUAÇÃO Lucinda Cerqueira Ariana Mina Sara Quintas Isabel Teixeira Conceição Passos Alexandra Fernandes Karine Capaz Cecília Lopes Carla Brito Lurdes Moreno Pedro Vaz Isabel Moreira INFORMAÇÃO E VIGILÃNCIA CONCENTRAÇÃO E CONTROLO Emanuel Ribeiro Lucinda Cerqueira Diana Gomes Pedro Vaz Aciona o sistema de alarme acústico convencionado. Avisa os Bombeiros, cujo número de telefone deverá constar em local bem visível e de fácil acesso Utiliza os extintores e/ou bocas de incêndio. Caso não consiga dominar a situação, fecha as portas e janelas do compartimento e aguarda a chegada dos Bombeiros, acautelando a sua segurança pessoal. Ao ouvir o sinal de alarme, desliga o quadro elétrico geral e/ou quadros parciais e procede ao fecho das válvulas de corte de gás e de água (no caso particular de sismos) Coordena a evacuação de pessoas para o exterior, conforme definido nas instruções de evacuação. Certifica-se da saída de todos os ocupantes. Dirige-se ao ponto de concentração e não permite o regresso ao local sinistrado Dirige-se para o local de acesso a viaturas de socorro a fim de indicar aos Bombeiros o percurso para a zona acidentada e outras informações sobre eventuais sinistrados. Regula a circulação interna das viaturas, mantendo livre os acessos. Desloca-se para o ponto de concentração de pessoas para recolha de informação sobre eventuais desaparecidos e informa o chefe de segurança e/ou Bombeiros 3. Instruções particulares: cozinha, laboratórios e quadros elétricos 3.1 COZINHA SE OCORRER UM INCÊNDIO Avise a pessoa mais próxima; Feche o gás na válvula de corte geral; Utilize o extintor instalado, de acordo com as instruções de atuação; Corte a corrente elétrica no quadro parcial e relativo a esta área; Caso não consiga dominar a situação, feche as portas e janelas e comunique imediatamente o acidente à direção da escola; Se surgirem chamas numa frigideira ou fritadeira cubra-a com uma manta de abafamento, tampa ou toalha húmida. Não utilizar nunca água e desligar imediatamente o gás ou a eletricidade. SE OCORRER UMA FUGA DE GÁS 12/18

13 Desligue a válvula; Não faça lume; Não acione nenhum interruptor; Abra as portas e janelas; Abandone o local; Comunique o acidente à direção da Escola LABORATÓRIOS SE OCORRER UM INCÊNDIO Atue sobre o foco de incêndio com o meio de extinção adequado, de acordo com o seguinte quadro: FOGO AGENTE EXTINTOR Matérias sólidas ÁGUA, MANTA DE KEVLAR OU EXTINTOR INSTALADO Líquidos ou Sólidos Liquefeitos EXTINTOR INSTALADO, NUNCA UTILIZAR ÁGUA Gases CORTE DA FONTE, EXTINTOR INSTALADO Metais AREIA SECA OU EXTINTOR INSTALADO Material elétrico CORTE DA CORRENTE, EXTINTOR INSTALADO Caso não consiga dominar a situação: Feche as portas e janelas; Abandone a sala; Comunique imediatamente o acidente à direção da Escola. SE OCORRER UMA FUGA DE GÁS Feche as válvulas de segurança; Areje a sala, abrindo portas e janelas; Não acenda fósforos ou isqueiros; Não acione interruptores; Comunique o acidente imediatamente à direção da Escola; Abandone o laboratório. SE OCORRER UM DERRAME Recolha ou neutralize a substância derramada, de acordo com as recomendações presentes no Kit de Derrame ou Manual de Segurança; Se se tratar de um ácido ou outro produto corrosivo, deve lavá-lo imediatamente com água; CUMPRA AS REGRAS DE 1 os SOCORROS AFIXADAS NO LABORATÓRIO. 13/18

14 COMUNIQUE QUALQUER ACIDENTE QUE OCORRA, MESMO QUE SEJA APARENTEMENTE DE PEQUENA IMPORTÂNCIA QUADROS ELÉTRICOS SE OCORRER UM INCÊNDIO Atacar o incêndio com extintores existentes no local, sem correr riscos; Nunca utilizar água ou outros agentes à base de água (espumas); Caso não consiga extinguir o incêndio, abandonar o local, fechando as portas. 4. INSTRUÇÕES EM CASO DE SISMO 4.1 DURANTE UM SISMO No interior do edifício Não tentar sair do edifício; Não tentar sair pelas janelas; Afastar-se de janelas e painéis de vidro; Afastar-se de armários, prateleiras, objetos pesados e outro mobiliário que possa cair Em salas de aula e Centro de Recursos Afastar-se das estantes; Refugiar-se debaixo das carteiras / mesas, agarrar uma perna das mesas e proteger a cabeça e os olhos pressionando a cara contra os braços; Aguardar com calma que o professor dê instruções Em zonas de circulação onde não há possibilidade de abrigo Refugiar-se junto de pilares, sob vigas e vergas de portas e junto de uma parede interior, ajoelhar-se, colocar a cabeça junto aos joelhos, apertar as mãos firmemente por trás do pescoço e proteger os lados da cabeça com os cotovelos Na cozinha e no laboratório Tentar apagar todas as chamas antes de se proteger; Afastar-se de todos os materiais perigosos No exterior 14/18

15 Não tentar entrar nos edifícios, mantendo-se no exterior; Afastar-se de edifícios, muros, vedações, árvores, postes e cabos elétricos; Agachar-se ou deitar-se no solo e proteger a cabeça; Ir observando o que se passa em redor, mantendo-se alerta a possíveis perigos que o obriguem a movimentar-se. 4.2 APÓS UM SISMO A Estrutura de Segurança deve Abrir todas as saídas e cortar as alimentações principais de água, energia elétrica e gás; Evacuar as salas de aula; Verificar o estado do edifício em todo o caminho de evacuação e assinalar os riscos potenciais; Guiar os alunos até às saídas grupo após grupo, reunindo-os no local de encontro Os professores devem Reunir os alunos por turma, no local de encontro, e contá-los; Detetar todos os alunos feridos e prestar os primeiros socorros, quando necessário; Alertar os alunos para a hipótese de ocorrência de réplicas Os alunos Não devem regressar ao edifício; Devem manter-se a uma distância de pelo menos 5 metros das fachadas, muros e vedações; Não devem beber água das torneiras ou de recipientes abertos; Devem evitar qualquer contacto com cabos elétricos ou vedações metálicas; Devem permanecer no local de encontro, até instruções em contrário. 15/18

16 II - PLANO DE EVACUAÇÃO 1. RECENSEAMENTO DAS PESSOAS A SEREM EVACUADAS PERÍODO DE FUNCIONAMENTO: NORMAL (8.30H 16.30H) UTENTES MANHÃ TARDE NOITE Alunos Professores Funcionários NORMAS DE EVACUAÇÃO 2.1. Instruções gerais Se houver uma situação de emergência na escola, ela dispõe do seguinte alarme acústico para informação: 3 toques prolongados da campaínha. É à Direção da Escola que compete decidir sobre a evacuação total ou parcial das instalações. A coordenação da evacuação das turmas é feita pelo professor e um aluno, nomeado para o efeito e designado chefe de fila (auxiliar de evacuação). Em caso de evacuação, este segue à frente da turma, enquanto o professor é o último a sair, por forma a certificar-se de que não fica ninguém, a socorrer algum aluno que precise e a verificar que janelas e portas ficam fechadas. Ao ser determinada a evacuação das instalações, não se preocupe com o material escolar, siga rigorosamente as normas de evacuação. Os alunos devem sair da sala em fila indiana, em passo apressado, mas sem corridas. Seguir as setas de saída. Seguir rigorosamente as instruções dos coordenadores de evacuação e dos sinaleiros, devidamente identificados e que ocupam os locais estratégicos. Não pare nunca nas portas de saída. Estas devem estar livres. Se tiver que utilizar as escadas, encoste-se à parede. Não volte atrás. Compete ao professor manter a ordem no ponto de encontro (situado no campo de jogos) e proceder à conferência dos alunos, pelo que estes não devem abandonar o local sob qualquer pretexto e sem a devida autorização. O regresso à normalidade é definido exclusivamente pela Direção da Escola que informará pelos meios que considere convenientes. 16/18

17 Se, numa situação de emergência, se encontrar isolado, verifique se não há perigo de deixar o local onde se encontra. Siga as setas de indicação de saída e dirija-se para o ponto de encontro previamente estipulado. Caso não consiga sair, (existência de chamas ou portas sobreaquecidas) lembre-se que deve sempre assinalar a sua presença Instruções particulares Se estiveres numa sala de aula Ao ouvires o sinal de alarme, segue as instruções do teu professor. Não te preocupes com o teu material escolar. Deixa-o sobre as carteiras, sai e fecha a porta. Segue as setas de saída em silêncio. Não corras. Não voltes atrás. Não pares na porta da saída. Esta deve estar livre. Dirige-te para o local que o teu professor te indicar, para se apurar que não falta ninguém. Estas NORMAS DE EVACUAÇÃO estão afixadas na tua sala de aula; lê-as com frequência para melhor te lembrares Se estiveres no centro de recursos Ao ouvires o sinal de alarme, segue as instruções dos professores ou funcionários que coordenam o centro. Não te preocupes com material que estás a usar nem com o teu próprio material escolar. Deixa-os no local onde estiverem. Segue as setas de saída em silêncio. Desce as escadas encostado à parede. Não corras. Não voltes atrás. Não pares na porta da saída. Esta deve estar livre. Dirige-te para o local que os professores ou os funcionários te indicarem, para se apurar que não falta ninguém Se estiveres na cantina, no polivalente ou no recinto escolar exterior Ao ouvires o sinal de alarme, dirige-te de imediato, sem correr, para o campo de jogos. Não te preocupes com o teu material escolar nem com os teus pertences. Deixa-os no local onde estiverem. Não pares em portas de saída. Estas devem estar livres. Não voltes atrás. Não saias do campo de jogos e segue as indicações dos professores. EXERCÍCIOS DE EVACUAÇÃO 2014/15 17/18

18 SITUA ÇÃO DE EMERGÊNCIA PESSOAS A SEREM EVACUADAS DATA Evacuação Geral Alunos, professores e funcionários 2º Período Evacuação Geral Alunos, professores e funcionários 3º Período. 18/18

PLANOS DE PREVENÇÃO EMERGÊNCIA

PLANOS DE PREVENÇÃO EMERGÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA MAIOR ESCOLA EB1 DO CARMO PLANOS DE PREVENÇÃO E EMERGÊNCIA 2014/2015 Estrada da Papanata S/N 4900-470 VIANA DO CASTELO TEL. 258 824965 FAX 258

Leia mais

Plano de Evacuação. de Evacuação

Plano de Evacuação. de Evacuação NORMAS GERAIS DE EVACUAÇÃO PROFESSORES 1 Se houver uma situação de emergência, na escola, ela dispõe do seguinte alarme acústico para informação: campainha normal, mas com toque diferenciado três toques

Leia mais

Escola Secundária Daniel Sampaio Plano de Prevenção e Emergência. contra Sismos. Exercício de Evacuação

Escola Secundária Daniel Sampaio Plano de Prevenção e Emergência. contra Sismos. Exercício de Evacuação Plano de Segurança contra Sismos Exercício de Evacuação Dia 21 de Fevereiro de 2008 O que esperar em caso de SISMO O primeiro indício de um Sismo de grandes proporções poderá ser: Um tremor ligeiro perceptível

Leia mais

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu A ESCOLA é um bem público. Plano de Segurança Ela é o centro de convergência

Leia mais

Como ATUAR em caso de:

Como ATUAR em caso de: S e g u r a n ç a n a E P C i s a v e A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

Em caso de sismo. Segurança escolar. Plano de emergência escolar

Em caso de sismo. Segurança escolar. Plano de emergência escolar Duas saídas Segurança escolar Plano de emergência escolar (em caso de sismo ou ) Procure conhecer sempre nos edifícios da sua escola, assim como o a realizar em caso de emergência Procure sempre conhecer

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO ALUNOS: Quando soar o sinal de ALARME, deve seguir as instruções do Professor. O aluno nomeado Chefe de Fila deve dirigir-se para porta de saída, procede à sua abertura, segurando-a e mantendo-a aberta.

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DE POMARES

CENTRO ESCOLAR DE POMARES CENTRO ESCOLAR DE POMARES Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação de emergência

Leia mais

INTRODUÇÃO ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 2

INTRODUÇÃO ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 2 1 INTRODUÇÃO É importante a Escola ter um Plano de Evacuação para que todos saibam o que fazer em caso de incêndio. Depois de feito há que treinar regularmente com professores e colegas. A prática permite

Leia mais

DELEGADOS E SUBDELEGADOS DE TURMA

DELEGADOS E SUBDELEGADOS DE TURMA DELEGADOS E SUBDELEGADOS DE TURMA INTRODUÇÃO O Plano de Segurança pretende representar para a comunidade escolar um ponto de referência para uma eventual situação de emergência face a eventuais catástrofes.

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES PROFESSORES Competências dos professores Quando os professores se encontram numa sala de aula com um grupo de alunos, devem: 1. Ao ouvir o sinal de alarme, avisar os alunos para não tocarem nos interruptores

Leia mais

SISMO INCÊNDIO. 1º - Se estás numa sala ou átrio: PREVENÇÃO DURANTE O SISMO

SISMO INCÊNDIO. 1º - Se estás numa sala ou átrio: PREVENÇÃO DURANTE O SISMO REGRAS GERAIS DE SEGURANÇA SISMO INCÊNDIO DURANTE O SISMO PREVENÇÃO 1º - Se estás numa sala ou átrio: Conserva a calma. Não te precipites para as saídas. Protege-te ajoelhando debaixo de uma mesa. Com

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE SEGURANÇA

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE SEGURANÇA ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE SEGURANÇA A SEGURANÇA COMEÇA EM CADA UM DE NÓS E É DA RESPONSABILIDADE DE TODOS! CONSTITUIÇÃO DO PLANO DE SEGURANÇA PLANO DE SEGURANÇA PLANO DE PREVENÇÃO PLANO

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação

Leia mais

Plano de Evacuação Geral. Abril/2010

Plano de Evacuação Geral. Abril/2010 Plano de Evacuação Geral Abril/2010 A segurança na Escola deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais e encarregados de educação.

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO

PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO 16 de Outubro 2013 Escola Secundária de Penafiel A CULTURA DE SEGURANÇA A segurança na Escola deve ser uma preocupação comum a todos os membros da

Leia mais

1. OBJETIVOS O presente Plano de Segurança pretende cumprir os seguintes objetivos:

1. OBJETIVOS O presente Plano de Segurança pretende cumprir os seguintes objetivos: Escola Básica Integrada de Santa Cruz da Trapa Plano de Segurança - Evacuação Ano letivo 2014/2015 INTRODUÇÃO As preocupações sempre crescentes relativamente à segurança da escola levou-nos a elaborar

Leia mais

ESCOLA E.B.1 DE ALTO DE RODES, FARO PLANO DE EMERGÊNCIA

ESCOLA E.B.1 DE ALTO DE RODES, FARO PLANO DE EMERGÊNCIA C) PLANO DE EVACUAÇÃO ESCOLA E.B.1 DE ALTO DE RODES, FARO NORMAS DE EVACUAÇÃO - ALUNOS Ao ouvires o sinal de alarme, deves cumprir as seguintes regras: Mantém-te tranquilo e segue as instruções do teu

Leia mais

Plano de Prevenção e Emergência. Escola Básica D. Domingos Jardo

Plano de Prevenção e Emergência. Escola Básica D. Domingos Jardo Plano de Prevenção e Emergência Escola Básica D. Domingos Jardo ÍNDICE Introdução Objetivos Gerais Objetivos Específicos PLANO DE PREVENÇÃO I FICHA DE CARATERIZAÇÃO DA ESCOLA 1. - Identificação do estabelecimento

Leia mais

O que fazer em caso de sismo

O que fazer em caso de sismo www.aterratreme.pt O que fazer em caso de sismo Todos os anos se realiza o exercício de prevenção de risco sísmico A Terra Treme, pois é importante relembrar as regras básicas de segurança incluindo alguns

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SÃO JOÂO DO ESTORIL PLANO DE EMERGÊNCIA. S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SÃO JOÂO DO ESTORIL PLANO DE EMERGÊNCIA. S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1 PLANO DE EMERGÊNCIA S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1 ÍNDICE Introdução 1 Contactos em caso de emergência.2 Ficha de caracterização da Escola Identificação do estabelecimento de ensino.3 Caracterização

Leia mais

Escola Secundária D. Duarte

Escola Secundária D. Duarte 1. CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO 1.1 Localização geográfica A Escola Secundária D. Duarte fica situada na Rua António Augusto Gonçalves em Santa Clara Coimbra. Vias de acesso para socorros exteriores: Protecção

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA EB 1 AMOREIRA2 - MARÇO 2012 -

PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA EB 1 AMOREIRA2 - MARÇO 2012 - PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA EB 1 AMOREIRA2 - MARÇO 2012 - PLANO DE EMERGÊNCIA / NÚMEROS EXTERNOS: NÚMERO NACIONAL DE EMERGÊNCIA 112 BOMBEIROS ALCABIDECHE 21 469 00 26 G.N.R. ALCABIDECHE 21 460 38 50 G.N.R.

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DO CÁVADO

ESCOLA E.B. 2,3 DO CÁVADO PANÓIAS 2006 2007 RUA DA VEIGUINHA 4700-760 PANÓIAS BRG 1 Agradecemos a colaboração de: Responsável pelo Gabinete de Segurança do C.A.E de Braga; Chefe Rodrigues e Chefe Costa dos Bombeiros Sapadores de

Leia mais

FUNÇÕES DOS AGENTES DE SEGURANÇA

FUNÇÕES DOS AGENTES DE SEGURANÇA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Direção Regional de Educação do Centro PLANO DE SEGURANÇA E s c o l a J o ã o A f o n s o d e A v e i r o FUNÇÕES DOS AGENTES DE SEGURANÇA Responsável pela Segurança da

Leia mais

Plano de Prevenção e Emergência. Jardim de Infância Unidinhos

Plano de Prevenção e Emergência. Jardim de Infância Unidinhos Plano de Prevenção e Emergência Jardim de Infância Unidinhos Jorge Carvalho 6/2/2010 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 OBJECTIVOS... 4 Razões:... 4 Objectivos Gerais:... 4 Objectivos Específicos:... 5 PLANO DE PREVENÇÃO...

Leia mais

ANO LECTIVO 2010 / 2011

ANO LECTIVO 2010 / 2011 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA Plano de Segurança ANO LECTIVO 2010 / 2011 Constituição do Plano de Segurança PLANO DE SEGURANÇA PLANO DE PREVENÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO ANEXOS CADERNO DE REGISTO

Leia mais

Presidência da República Secretaria -Geral

Presidência da República Secretaria -Geral PLANO DE SEGURANÇA (versão simplificada para utilizadores) 1 1. Introdução Um Plano de Segurança é definido como um conjunto de medidas de autoprotecção (organização e procedimentos) tendentes a evitar

Leia mais

Plano de Prevenção e Emergência

Plano de Prevenção e Emergência Plano de Prevenção e Emergência INTRODUÇÃO 4 I OBJECTIVOS DO PLANO DE PREVENÇÃO / EMERGÊNCIA 5 1. OBJECTIVOS GERAIS 5 2. OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 5 II PLANO DE PREVENÇÃO 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO

Leia mais

Vem comigo, vamos saber mais! CONHECE OS RISCOS E PREVINE-TE, PARA VIVERES EM SEGURANÇA.

Vem comigo, vamos saber mais! CONHECE OS RISCOS E PREVINE-TE, PARA VIVERES EM SEGURANÇA. Vem comigo, vamos saber mais! CONHECE OS RISCOS E PREVINE-TE, PARA VIVERES EM SEGURANÇA. A PROTEÇÃO CIVIL E OS SEUS AGENTES POLÍCIA MARÍTIMA GNR CRUZ VERMELHA PSP INEM BOMBEIROS A protecão civil tem por

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA 2º. E 3º.CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA 2º. E 3º.CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA 2º. E 3º.CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO 1 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO ESCOLAR ESCOLA: EB 2,3 / Dr. Daniel de Matos MORADA: Vila Nova de Poiares TELEFONE:

Leia mais

Escola E.B. 2,3 Rainha Santa Isabel Carreira PLANO DE EMERGÊNCIA

Escola E.B. 2,3 Rainha Santa Isabel Carreira PLANO DE EMERGÊNCIA Escola E.B. 2,3 Rainha Santa Isabel Carreira PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE I- Enquadramento do Estabelecimento de Ensino 1. Localização... 4 2. Acesso.... 5 3. Descrição das instalações... 6 II- Caracterização

Leia mais

PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO

PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO Os procedimentos em caso de emergência definem-se como um documento orientador com normas de actuação dos vários sectores em situação de emergência, destinadas

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA IBN MUCANA ALCABIDECHE

PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA IBN MUCANA ALCABIDECHE PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA IBN MUCANA ALCABIDECHE OUTUBRO 2011 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 3 II ELABORAÇÃO DO PLANO DE EMERGÊNCIA II.1. CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO 5 II.2. IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS 6 II.3.

Leia mais

Megaexpansão - Silves

Megaexpansão - Silves 2010 Megaexpansão - Silves DÁRIO AFONSO FERNANDA PIÇARRA [ 21 09 2010 ] ÍNDICE Objectivos (pág. 3) Caracterização do Estabelecimento (pág. 3 a 6) Organização de Emergência (pág. 6 a 8) Plano de Intervenção

Leia mais

Escola Secundária/3 José Cardoso Pires

Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Escola Secundária/3 José Cardoso Pires PLANO DE EMERGÊNCIA PLANO DE EMERGÊNCIA 21 982 61 00 ÍNDICE Introdução - pág. 1 Objectivos - pág. 2 1 - ESTUDOS PRÉVIOS 1.1 - Caracterização do Escola - pág. 3 1.2

Leia mais

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Rota de Fuga e Análise de Riscos Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig 2010 É um mapa que representa, através de símbolos apropriados, o trajeto a ser seguido pelo indivíduo

Leia mais

4 CAPÍTULO I GENERALIDADES...

4 CAPÍTULO I GENERALIDADES... ÍNDICE Introdução... 4 CAPÍTULO I GENERALIDADES... 5 1. Conceito de Plano de Emergência... 5 2. Razões para a elaboração de um plano de Prevenção... 5 3. Objetivos Gerais... 6 4. Objetivos Específicos...

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano de Prevenção e Emergência

Escola Secundária da Ramada. Plano de Prevenção e Emergência Plano de Prevenção e Emergência 2009 1. Introdução A segurança precisa ser pensada. O lema deve ser: antes prevenir que remediar. A comunidade escolar não está minimamente sensibilizada para estas questões.

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E AUTOPROTECÇÃO

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E AUTOPROTECÇÃO MEDIDAS DE PREVENÇÃO E AUTOPROTECÇÃO Os sismos são fenómenos naturais que não se podem prever nem evitar. Os seus efeitos podem ser minimizados com comportamentos adequados. Há que saber agir correctamente.

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES E INCÊNDIOS DOMÉSTICOS ADULTOS Acidentes Os acidentes domésticos são muito comuns. Mesmo com todo o cuidado, há objetos e situações que podem tornar todas as divisões

Leia mais

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C Designação do estabelecimento: MegaExpansão LDA. Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C 8300-135 Silves Telefone: 282441111 Localização geográfica Sul Estrada Nacional 124 Norte Este

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA E EVACUAÇÃO Revisão: 00

PLANO DE EMERGÊNCIA E EVACUAÇÃO Revisão: 00 Número: DOC 0006 Página: 1 de 12 1. IDENTIFICAÇÃO INSTITUCIONAL ÓRGÃO: Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho - UFRJ ENDEREÇO: Av. Carlos Chagas Filho 373, CCS, Bloco G, CEP:21941-902 TELEFONE: 21

Leia mais

Plano de Segurança (simplificado)

Plano de Segurança (simplificado) Plano de Segurança (simplificado) 10 Setembro 2012 Índice 1. Introdução 2. Caracterização da Escola 2.1. Caracterização do Risco 2.2. Equipamentos e sistemas de segurança incêndio 3. Organização da Segurança

Leia mais

CAPÍTULO II PLANO DE PREVENÇÃO

CAPÍTULO II PLANO DE PREVENÇÃO 2 Índice Introdução... 4 Capítulo I Generalidades... 5 1.1. Conceito de Plano de Emergência... 5 1.2. Razões para a elaboração de um plano de Prevenção... 5 1.3. Objetivos Gerais... 6 1.4. Objetivos Específicos...

Leia mais

Informação para Visitantes

Informação para Visitantes Informação para Visitantes Informação e orientações para visitantes Bem-vindo ao Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), um instituto público de investigação, dedicado à ciência e tecnologia,

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS Aprovada pela Portaria GM/MTB nº 3.214 - DOU 06/07/1978. 23.1 Todos os empregadores devem adotar medidas de prevenção de incêndios, em conformidade

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA VITORINO NEMÉSIO Praia da Vitória, outubro de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 5 I - PLANO DE PREVENÇÃO... 7 1. Identificação e caracterização do Estabelecimento

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE (Modelo a ser preenchido e adaptado por cada órgão)

PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE (Modelo a ser preenchido e adaptado por cada órgão) PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE (Modelo a ser preenchido e adaptado por cada órgão) 1 - Identificação do Órgão ou Entidade 2 - Apresentação 3 - Introdução 4 - Objetivos 5 - Procedimentos de manutenção 6 Instruções

Leia mais

Plano de Segurança da Escola Profissional vértice

Plano de Segurança da Escola Profissional vértice Plano de Segurança da Escola Profissional vértice Janeiro 2012 PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA PROFISSIONAL VÉRTICE ÍNDICE 1 Introdução 2 Razões e Objetivos 1-2 2-3 3 Planos de Prevenção 3-15 3.1 - Caracterização

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO Índice 1. Introdução... 3 2. Localização da Escola... 4 3. Descrição do Recinto Escolar... 5 4. Normas de Atuação a Adotar na Receção, Validação e Divulgação de Alarmes...

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

Brigada Escolar - Defesa Civil na Escola BRIGADAS ESCOLARES - DEFESA CIVIL NA ESCOLA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PLANO DE ABANDONO

Brigada Escolar - Defesa Civil na Escola BRIGADAS ESCOLARES - DEFESA CIVIL NA ESCOLA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PLANO DE ABANDONO BRIGADAS ESCOLARES - DEFESA CIVIL NA ESCOLA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PLANO DE ABANDONO 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.... 4 1.1OS DESASTRES MAIS RECENTES... 4 2 PLANO DE ABANDONO... 4 2.1 LEGISLAÇÃO... 5 3 TERMINOLOGIA......

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA INTERNA

PLANO DE SEGURANÇA INTERNA PLANO DE SEGURANÇA INTERNA 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Objetivo e âmbito de aplicação... 3 1.2. Implementação... 3 1.3. Revisão do Plano... 3 1.4. Divulgação do Plano... 4 1.5. Referências legislativas...

Leia mais

INTRODUÇÃO. Este caderno é um anexo ao Plano de Segurança, segundo a Portaria nº1444/2002 de 7 de Novembro, no Artigo 16º, ponto3, alínea c).

INTRODUÇÃO. Este caderno é um anexo ao Plano de Segurança, segundo a Portaria nº1444/2002 de 7 de Novembro, no Artigo 16º, ponto3, alínea c). INTRODUÇÃO Este caderno é um anexo ao Plano de Segurança, segundo a Portaria nº1444/2002 de 7 de Novembro, no Artigo 16º, ponto3, alínea c). 1 Escola E. B. 2,3 Cardoso Lopes Morada: Prolongamento da Av.

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Lagoa, 2006. Escola Secundária de Lagoa Plano de Emergência pág. 1

PLANO DE EMERGÊNCIA. Lagoa, 2006. Escola Secundária de Lagoa Plano de Emergência pág. 1 PLANO DE EMERGÊNCIA Lagoa, 2006 Escola Secundária de Lagoa Plano de Emergência pág. 1 Índice Índice... 1 CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO... 4 1. ASPECTOS FÍSICOS... 4 1.1. Localização Geográfica:... 4 1.2. Enquadramento

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA

PLANO DE PREVENÇÃO PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA PLANO DE PREVENÇÃO E PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA 1 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE ENSINO Escola: Morada: Quinta N. Srª da Conceição, Rua Antero de Quental, nº7, 2730-013 Barcarena Freguesia: Barcarena

Leia mais

Sugere-se a passagem dos slides e explicação sumário durante 5 a 10 minutos. 2/19/2014 Instituto Superior Técnico

Sugere-se a passagem dos slides e explicação sumário durante 5 a 10 minutos. 2/19/2014 Instituto Superior Técnico DECivil, Fevereiro 2014 A necessidade A segurança e as respostas a emergências são aspectos vitais em qualquer organização e edifício. Assim importa assegurar que no DECivil os colaboradores (docentes

Leia mais

Guia do Morador - Mod.065.03 2

Guia do Morador - Mod.065.03 2 Guia do Morador 2 Índice Cascais Envolvente. Pág.04 1. Recomendações para uso e manutenção 2.1 A sua Casa..... Pág.05 2.2 Espaços Comuns...... Pág.06 2.3 Espaços Exteriores.....Pág.07 2. Cuidados Especiais

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

NR 23 - Proteção Contra Incêndios (123.000-0) b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de incêndio;

NR 23 - Proteção Contra Incêndios (123.000-0) b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de incêndio; 3.1 Disposições gerais. 3.1.1 Todas as empresas deverão possuir: NR 3 - Proteção Contra Incêndios (13.000-0) a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço,

Leia mais

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1 Laboratório de Química Orgânica e Farmacêutica NORMAS GERAIS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo 1 Laboratório de Química Orgânica 2 QOI - 02/03 1 1) Não entre no laboratório

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Usuário Versão 1.1 BEBEDOUROS TROPICAL. Bebedouros Tropical www.bebedourostropical.com.br. Produtos com Certificação Inmetro

MANUAL DE INSTRUÇÕES Usuário Versão 1.1 BEBEDOUROS TROPICAL. Bebedouros Tropical www.bebedourostropical.com.br. Produtos com Certificação Inmetro MANUAL DE INSTRUÇÕES Usuário Versão 1.1 Bebedouros Tropical www.bebedourostropical.com.br BEBEDOUROS TROPICAL LEIA E SIGA TODAS AS REGRAS DE SEGURANÇA E INSTRUÇÕES OPERACIONAIS ANTES DE USAR. sac@bebedourostropical.com.br

Leia mais

NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS

NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS NR 23 - NORMA REGULAMENTADORA 23 PROTEÇÃO CONTRA INCENDIOS 23.1 Disposições gerais. 23.1.1 Todas as empresas deverão possuir: a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Zona Franca Industrial Plano de Emergência Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Plano de Emergência da Zona Franca Industrial Nota de Divulgação

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS NR 3 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS 3. Disposições gerais. 3.. Todas as empresas deverão possuir: a) proteção contra incêndio; b) saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Considerações gerais...2 1.1 - Introdução...2 2 - Actuação em caso de emergência...2 2.1 - Esquema geral de actuação...2 2.2 - Procedimento gerais de actuação...3 2.2.1 - Em caso de incêndio

Leia mais

職 業 安 全 健 康 廳 Departamento de Segurança e Saúde Ocupacional. Lista de controle das condições de Segurança e Saúde Ocupacional para Hotelaria e afins

職 業 安 全 健 康 廳 Departamento de Segurança e Saúde Ocupacional. Lista de controle das condições de Segurança e Saúde Ocupacional para Hotelaria e afins Local de Trabalho 1 Manter o local de trabalho sempre limpo. 2 Não obstruir as vias de circulação. 3 Desimpedir as saídas de emergência e escapatórias. 4 Arrumar materiais ordenadamente e não demasiado

Leia mais

SEGURANÇA E PREVENÇÃO CONTRA INCENDIOS

SEGURANÇA E PREVENÇÃO CONTRA INCENDIOS SEGURANÇA E PREVENÇÃO CONTRA INCENDIOS SEGURANÇA DO TRABALHO E BOMBEIROS UNIFESP GUARULHOS 2013/2014 Prezad@s companheiros de atividades, UNIFESP GUARULHOS A notícia que correu o mundo neste inicio de

Leia mais

INFORMATIVO DE PREVENÇÃO DE RISCOS

INFORMATIVO DE PREVENÇÃO DE RISCOS INFORMATIVO DE PREVENÇÃO DE RISCOS LIBERTY RESTAURANTES E BARES ncêndios em bares, restaurantes e cozinhas industriais podem parecer raros, mas acontecem com mais frequência do que se possa imaginar. É

Leia mais

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS

FICHA TECNICA CONTRA RISCO DE INCENDIOS EM EDIFICIOS HABITACIONAIS COMERCIAS E INDUSTRIAIS Página 1/5 INSTALAÇÃO ELETRICA CONTADOR ENERGIA / ACE Verificação da não violação do selo do contador Verificação da existência de limitador de potência do distribuidor / Fatura QUADRO ELECTRICO Verificação

Leia mais

Autoridade Nacional de Protecção Civil PS 01/2009. Direcção Regional de Educação Norte PS 02/2009

Autoridade Nacional de Protecção Civil PS 01/2009. Direcção Regional de Educação Norte PS 02/2009 ANEXOS Distribuição de exemplares numerados ENTIDADE EXEMPLAR Nº Autoridade Nacional de Protecção Civil PS 01/2009 Direcção Regional de Educação Norte PS 02/2009 Companhia de Bombeiros Sapadores de Vila

Leia mais

Segurança na FEUP: o que fazer em situações de emergência

Segurança na FEUP: o que fazer em situações de emergência Formação em Segurança, Higiene e Saúde Serviços Técnicos e de Manutenção - STM Unidade de Segurança, Higiene, Saúde e Ambiente - USHA usha@fe.up.pt Segurança na FEUP: o que fazer em situações de emergência

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES DE PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. GENERALIDADES O sistema de proteção proposto busca satisfazer as condições mínimas de segurança preconizadas pela

Leia mais

Manual de Utilização, Manutenção e Segurança. nas. Escolas

Manual de Utilização, Manutenção e Segurança. nas. Escolas Manual de Utilização, Manutenção e Segurança Escolas nas Sumário 1 Preâmbulo da 2. a edição 2 Nota Prévia 3 Introdução 5 Manual de utilização, manutenção e segurança das Escolas 7 2 SEGURANÇA CONTRA RISCOS

Leia mais

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL UCF CRIANÇA e ADOLESCENTE UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL Identificação do Estabelecimento Data: / / Designação: Morada: Freguesia: Concelho: Telefone: Fax: Correio Electrónico: Director / Coordenador

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Manuela Mil-Homens Comando Distrital de Operações de Socorro

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA Na sequência da Circular nº04/cd/03, de 17 de Janeiro, vimos por este meio solicitar a colaboração dos Responsáveis pelos Laboratórios

Leia mais

:: Introdução :: A parceria que deu certo. :: Escolhendo seu fogão novo ::

:: Introdução :: A parceria que deu certo. :: Escolhendo seu fogão novo :: :: Introdução :: No dia-a-dia, em muitas ocasições, sem perceber, desperdiçamos água, alimentos, luz, gás, gasolina e outros produtos necessários para o nosso bem-estar por simples falta de consciência

Leia mais

Caderno de Registo de Segurança

Caderno de Registo de Segurança Caderno de Registo de Segurança 1 Ficha de Caracterização 2 - Relatórios de Vistorias, Inspecções e Fiscalizações 3 - Relatório de Anomalias: 3.1- Nas Instalações Técnicas 3.2- Nos Equipamentos e Sistemas

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A STANDARD LME-12:001905 Upt Rev A Índice 1 Introdução... 3 2 Requisitos... 3 3 Normas de Operação Segura... 4 3.1 Procedimentos de Evacuação em Incêndio... 4 3.2 Caminhos de Escape Designados... 4 3.3 Pontos

Leia mais

Primeiros Socorros Volume III

Primeiros Socorros Volume III Manual Primeiros Socorros Volume III um Manual de Agosto de 2008 Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright, todos os direitos reservados. Este Manualnão pode

Leia mais

47 Anexo II Lista de Páginas em Vigor. 48 Anexo III Registo de Revisões do Plano de Segurança

47 Anexo II Lista de Páginas em Vigor. 48 Anexo III Registo de Revisões do Plano de Segurança ANEXOS 3 MANUAL de PROCEDIMENTOS ÍNDICE Anexo I Promulgação 47 Anexo II Lista de Páginas em Vigor 48 Anexo III Registo de Revisões do Plano de Segurança 52 Anexo IV Proposta de Alterações ao Plano de Segurança

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/7 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ARMAZENAGEM DE MATERIAIS, EQUIPAMENTOS E RESÍDUOS 2 DESCRIÇÃO O trabalho preventivo no armazenamento de produtos perigosos, visa não só a protecção

Leia mais

COMUNIDADE EUROPEIA. Plano de Emergência ESCOLA PROFISSIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE SERPA

COMUNIDADE EUROPEIA. Plano de Emergência ESCOLA PROFISSIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE SERPA COMUNIDADE EUROPEIA Plano de Emergência ESCOLA PROFISSIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE SERPA 1. INTRODUÇÃO... 5 2. CARACTERIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES... 6 2.1 Localização e Envolvente Exterior... 6 2.2 Socorros

Leia mais

05 Queimaduras em cozinhas

05 Queimaduras em cozinhas 05 Queimaduras em cozinhas As queimaduras mais comuns são as provocadas por líquidos e a maioria das vítimas são as crianças. O álcool líquido está envolvido em grande parte dos acidentes que provocam

Leia mais

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2010 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR) Acompanhante

Leia mais

Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO

Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO Cores na segurança do trabalho PRODUTOR > CABRAL VERÍSSIMO DESCRIÇÃO: 26.1.5 As cores aqui adotadas serão as seguintes: - vermelho; - amarelo; - branco; - preto; - azul; - verde; - laranja; - púrpura;

Leia mais

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos.

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos. egurança Segurança Segurança A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 11 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Indicar os critérios gerais que caracterizam os sinais de segurança aplicáveis em SCIE. Listar os sinais específicos exigidos no RT-SCIE,

Leia mais