Receita Estadual. Bloco K Estudos de caso. WAGNER FERNANDES Auditor Fiscal Receita Estadual do Paraná

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Receita Estadual. Bloco K Estudos de caso. WAGNER FERNANDES Auditor Fiscal Receita Estadual do Paraná"

Transcrição

1 Receita Estadual Bloco K Estudos de caso WAGNER FERNANDES Auditor Fiscal Receita Estadual do Paraná SETEMBRO/2015

2 Bloco K Estudos de caso Caso A Indústria de confecções Caso B Agroindústria

3 Fábrica de camisas Duas fases de produção: Corte" e Costura. A fase de produção Corte" produz o produto resultante Corte de camisa. A fase de produção Costura" produz o produto resultante Camisa pronta. Botões Linha Embalagem Tecido Corte Corte de camisa Costura Camisa pronta Bloco K

4 Campo 07 - TIPO_ITEM do registro 0200 Tabela de Identificação do Item (Produtos e Serviços) 01 Matéria-Prima: Tecido, Botão branco, Botão azul e Linha de costura Embalagem: Embalagem para Camisa. 03 Produto em Processo: Corte de Camisa 04 Produto Acabado: Camisa pronta 05 - Subproduto: Retalho de tecido Produto intermediário: Goma amaciante para tecidos Material de uso/consumo: Agulha de costura.

5 Figura 1.1 Registro 0200 Itens/Produtos

6 Registro 0210 Consumo Específico Padronizado Quantidade média prevista de insumos para se produzir o produto resultante. Para cada unidade do produto em processo Corte de Camisa se espera usar 2 metros da matéria prima Tecido. Registro 0200 Itens/Produtos CORTE DE CAMISA Registro 0210 Consumo Específico Padronizado TECIDO 2 Metros

7 Figura 1.2 Registro 0210 Consumo Específico Padronizado Produto em Processo

8 Registro 0210 Consumo específico padronizado Lista técnica, Estrutura, composição do Produto, Receita... Para cada unidade de produto acabado Camisa se espera usar: 1 corte de camisa, 5 botões branco, 2 metros de linha e 1 embalagem. Registro Itens/Produtos Camisa Pronta Registro Consumo Específico Padronizado Corte de Camisa 1 Botões branco 5 Linha 2 Embalagem 1

9 Figura 1.3 Registro 0210 Consumo Específico Padronizado Produto acabado

10 Estoque inicial Estoque escriturado em 31 de Dezembro de 2015 Item/Produto QTDE Corte de camisa 0 Camisa pronta 0 Tecido 500 Botão azul 800 Botão branco 0 Linha de costura 400 Embalagem 150

11 Registro K230 Itens produzidos/k235 Insumos consumidos Informações das Ordens de Produção. K230 Entrada no estoque do produto resultante. K235 Saída dos insumos do estoque. Quantidades realizadas apontadas pelo PCP Planejamento e Controle da Produção da empresa.

12 Registro K230 Itens produzidos/k235 Insumos consumidos Registrou a produção de 200 Cortes de Camisa Usou 400 metros de Tecido conforme a ficha de Consumo Específico Padronizado. Registro K230 Itens produzidos 10/01/ /01/2016 OP 1 CORTE CAMISA 200 Registro K235 Insumos consumidos 10/01/2016 TECIDO 400

13 Figura 1.4 Registro K230 Itens Produzidos e Registro K235 Insumos Consumidos

14 Registro K230 Itens produzidos/k235 Insumos consumidos Segunda fase da produção. Registrou 100 unidades do produto acabado Camisa Registro K230 Itens produzidos 15/01/ /01/2016 OP 2 CAMISA PRONTA 100 Registro K235 Insumos consumidos 16/01/2016 CORTE DE CAMISA /01/2016 BOTÃO AZUL 500 Substituiu Botão branco 16/01/2016 LINHA DE COSTURA /01/2016 EMBALAGEM 100 Consumido mais que a média prevista no registro 0210

15 Figura 1.5 Registro K230 Itens Produzidos e Registro K235 Insumos Consumidos

16 Produção em elaboração A empresa iniciou e não concluiu a OP 3 dentro do período de apuração de Janeiro de Retirou do estoque o Corte de camisa e a linha de costura Produção em elaboração: quando a matéria não é mais um insumo e nem é ainda um produto resultante. Ordem de produção em aberto. Registro K230 Itens produzidos 31/01/2016 OP 3 CAMISA PRONTA 0 Registro K235 Insumos consumidos 31/01/2016 CORTE DE CAMISA 30 31/01/2016 LINHA DE COSTURA 60

17 Figura 1.6 Registro K230 Itens Produzidos e Registro K235 Insumos Consumidos

18 Figura 1.7 Registro K230 Itens Produzidos e Registro K235 Insumos Consumidos

19 Registro K250 Industrialização Efetuada por Terceiros K255 Industrialização em Terceiros Insumos Consumidos A empresa contratou produção terceirizada Os insumos Linha, Botões e Embalagem são fornecidos pelo terceiro. Registro K250 Industrialização Efetuada por Terceiros - Itens Produzidos 31/01/2016 CAMISA PRONTA 50 Registro K255 Industrialização em Terceiros - Insumos Consumidos 31/01/2016 CORTE DE CAMISA 50

20 Registro K250 Industrialização Efetuada por Terceiros K255 Industrialização em Terceiros Insumos Consumidos Notas fiscais de remessa/retorno são escrituradas no bloco C. Produção do Produto Resultante (K250) = EFT + EOT EIT Consumo do Insumo/Embalagem (K255) = EIT + SPT EOT EFT EIT Estoque Inicial em Terceiros/EOT Entrada Oriunda de Terceiros/SPT Saída para Terceiros/EFT = Estoque Final em Terceiros

21 Figura 1.8 Registro K250 Industrialização Efetuada por Terceiros Itens Produzidos Registro K255 Industrialização em Terceiros Insumos Consumidos

22 Ficha de movimentação de produtos Tecido 31/12/2015 Estoque Inicial 500 K200 (mês anterior) 10/01/2016 Produção (OP 1) (400) K235 16/01/2016 Compra 200 Bloco C 31/01/2016 Estoque final 300 K200 Camisa pronta 31/12/2015 Estoque Inicial 0 K200 (mês anterior) 10/01/2016 Produção (OP 2) 100 K235 16/01/2016 Venda (70) Bloco C 31/01/2016 Produção (terceiros) 50 K250 31/01/2016 Estoque final 80 K200

23 Ficha de movimentação de produtos Corte de camisa Data Histórico Quantidade Registro 31/12/2015 Estoque Inicial 0 K200 (mês anterior) 10/01/2016 Produção (OP 1) 200 K230 16/01/2016 Consumo (OP 2) (100) K235 31/01/2016 Consumo (OP 3) (30) K235 31/01/2016 Consumo em terceiros (50) K255 31/01/2016 Estoque final 20 K200

24 Registro K200 Estoque Escriturado Estoque final escriturado em 31 de Janeiro de 2016 Item/Produto Corte de camisa Camisa pronta Tecido Botão azul Linha de costura Retalho de tecido Embalagem Quantidade Indicador do tipo de estoque Propriedade do informante e em seu poder Propriedade do informante e em seu poder Propriedade do informante e em seu poder Propriedade do informante e em seu poder Propriedade do informante e em seu poder Propriedade do informante e em seu poder Propriedade do informante e em seu poder Estoque final = estoque inicial + entradas/produção/movimentação interna Saída / consumo /movimentação interna. Subprodutos e Produtos intermediário são escriturados no K200 Material de uso e consumo não.

25 Bloco K Caso B Agroindústria Indústria de óleos vegetais. Compra soja em grãos e produz óleo, farelo e casca. Não controla sua produção por Ordem de Produção Exemplo de Produção Conjunta Outros exemplos: Soja, Milho, Carne, Laticínios, Petróleo... Óleo Soja em grãos Processamento Farelo Casca

26 Bloco K Caso B Agroindústria Campo 07 - TIPO_ITEM do registro 0200 Tabela de Identificação do Item (Produtos e Serviços) 00 Mercadoria para Revenda: Salsicha e Vina 01 Matéria-Prima: Soja em grãos 04 Produto Acabado: Óleo, Farelo, Casca e Maionese O produto óleo de soja de forma preponderante é um produto acabado, porém de forma eventual, a empresa compra para revenda e também usa como matéria prima para a fabricação de maionese.

27 Bloco K Caso B Agroindústria Figura 2.1 Registro 0200 Itens/Produtos

28 Bloco K Caso B Agroindústria Registro 0210 Consumo específico padronizado Caso de produção conjunta, onde o consumo de uma mesma matériaprima gera mais de um produto resultante. 1000Kg soja = 960 Kg de produto resultante Consumo específico= 1, Registro 0200 Registro 0210 % P.A. Quantidade Perda Óleo Soja 20% 1, % Farelo Soja 72% 1, % Casca Soja 4% 1, %

29 Bloco K Caso B Agroindústria Figura 2.2 Registro 0210 Consumo Específico Padronizado

30 Bloco K Caso B Agroindústria Registro K230 Itens Produzidos Registro K235 Itens Consumidos Esta empresa não controla seu processo de industrialização por Ordem de Produção. Sendo assim os campos DT_INI_OP, DT_FIN_OP e COD_DOC_OP do K230 ficarão em branco. K230 Qtde. Prod. K235 Cons.Esp. Qtde. Cons. Perda Óleo 200 Soja 1, ,33 4% Farelo 720 Soja 1, ,00 4% Casca 40 Soja 1,041 41,67 4% ,00

31 Bloco K Caso B Agroindústria Figura 2.3 Registro K230 Itens Produzidos Registro K235 Insumos Consumidos

32 Bloco K Caso B Agroindústria Ficha de movimentação de produtos Soja em Grãos Data Histórico Quantidade Registro 31/12/2015 Estoque Inicial 700 K200 (mês anterior) 10/01/2016 Compra 500 Bloco C 31/01/2016 Consumo (1.000) K235 (208,33 oleo) K235 (750 farelo) K235 (41,67 casca) 31/01/2016 Estoque final 200 K200

33 Bloco K Caso B Agroindústria A empresa compra o produto Salsicha para revenda. Por um costume regional, alguns clientes de Curitiba querem comprar o produto Salsicha pelo nome comercial de Vina Salsicha Vina

34 Bloco K Caso B Agroindústria Salsicha 31/12/2015 Estoque Inicial 0 K200 (mês anterior) 10/01/2016 Compra Bloco C 31/01/2016 Venda (600) Bloco C 31/01/2016 Estoque final 400 K Vina 31/12/2015 Estoque Inicial 0 K200 (mês anterior) 31/01/2016 Venda (300) Bloco C 31/01/2016 Estoque final (300) K200

35 Bloco K Caso B Agroindústria O contador da empresa faz uma movimentação interna no registro K220 - OUTRAS MOVIMENTAÇÕES INTERNAS ENTRE MERCADORIAS registrando a saída do estoque do produto Salsicha e entrada no produto Vina

36 Bloco K Caso B Agroindústria Salsicha 31/12/2015 Estoque Inicial 0 K200 (mês anterior) 10/01/2016 Compra Bloco C 31/01/2016 Venda (600) Bloco C 31/01/2016 Movimentação Interna (300) K220 31/01/2016 Estoque final 100 K Vina 31/12/2015 Estoque Inicial 0 K200 (mês anterior) 31/01/2016 Venda (300) Bloco C 31/01/2016 Movimentação Interna 300 K220 31/01/2016 Estoque final 0 K200

37 DÚVIDAS? SPED (Fale conosco): Receita Estadual do Paraná SAC Serviço Atendimento ao Cidadão Curitiba e região metropolitana: Demais localidades: Segunda a sexta das 07h as 19h

BLOCO K Jan-2016. EFD ICMS/IPI Bloco K

BLOCO K Jan-2016. EFD ICMS/IPI Bloco K EFD ICMS/IPI Bloco K BLOCO K Jan-2016 Governança e Conformidade Legal Oportunidade para Melhorias de Produtividade Exige Integração de Processos e Áreas Funcionais Processos Integrados (ERP) é Fundamental

Leia mais

Por que devemos conhecer os Custos?

Por que devemos conhecer os Custos? Terminologias e Classificação em Custos OBJETIVOS DA AULA: Entender o por que estudar os custos. Explorar a terminologia adotada. Definir e classificá los. Apresentar os elementos básicos. Por que devemos

Leia mais

CONFAZ Conselho Nacional de Política Fazendária COTEPE Comissão Técnica Permanente GT 48 SPED Fiscal. Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI

CONFAZ Conselho Nacional de Política Fazendária COTEPE Comissão Técnica Permanente GT 48 SPED Fiscal. Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI Escrituração Fiscal Digital EFD ICMS/IPI 1 EFD ICMS/IPI Implantação em 03 Etapas: 2009 Blocos 0 / C / D / E / H / 1 2011 Bloco G / 0 2016 Bloco K / 0 2 Registro de Controle da Produção e do Estoque RCPE

Leia mais

Gestão de custos Aula 1. Objetivos da disciplina. Objetivos da aula. Por que estudar os Custos? Por que devemos conhecer os Custos?

Gestão de custos Aula 1. Objetivos da disciplina. Objetivos da aula. Por que estudar os Custos? Por que devemos conhecer os Custos? Gestão de custos Aula 1 Terminologias e Classificação em Custos Regis Garcia Mestre em Contabilidade com ênfase em Finanças pela UFPR, Especialista em Contabilidade Societária e Gerencial e em Controladoria

Leia mais

SPED FISCAL COLETIVA

SPED FISCAL COLETIVA BLOCO K REGISTRO DE CONTROLE E PRODUÇÃO DE ESTOQUE SPED FISCAL COLETIVA 2 1 EFD - Impactos 3 EFD - Legislação Conv. ICMS 143/2006 Institui a Escrituração Fiscal Digital - EFD; Ajuste SINIEF 02, de 3 de

Leia mais

Ficha 1A Controle de Materiais PERÍODO:

Ficha 1A Controle de Materiais PERÍODO: Ficha 1A Controle de Materiais Produto: Código: Unidade : Dados Gerais Entrada Saída Saldo Número Ficha de Código de Outros Quantidade Valor Valor de Tipo do Número da DI Remetente ou Origem ou Origem

Leia mais

CEAP Exercícios Professor: Salomão Soares Turma: Contabilidade e Sistemas de Custos

CEAP Exercícios Professor: Salomão Soares Turma: Contabilidade e Sistemas de Custos CEAP s Professor: Salomão Soares Turma: Contabilidade e Sistemas de Custos Data: Nota: 1) Dos livros da empresa Cosmopolitec foram extraídos os seguintes dados, relativos ao período findo 31 de dezembro

Leia mais

Boletim Técnico. SPED FISCAL Registro 0210, Bloco K200 e H010. Desenvolvimento/Procedimento

Boletim Técnico. SPED FISCAL Registro 0210, Bloco K200 e H010. Desenvolvimento/Procedimento SPED FISCAL Registro 0210, Bloco K200 e H010 Produto : TOTVS Planejamento e Controle da Produção ou TOTVS Gestão de Estoque, Compras e Faturamento - 11.82.36 Processo : SPED Fiscal Subprocesso : Gerar

Leia mais

Equivalente de produção. Equivalente de produção. Equivalente de produção. Para se fazer o cálculo, é necessário o seguinte raciocínio:

Equivalente de produção. Equivalente de produção. Equivalente de produção. Para se fazer o cálculo, é necessário o seguinte raciocínio: Custos Industriais Custeio por processo Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 1 Na apuração de Custos por Processo, os gastos da produção são acumulados por período para apropriação às unidades feitas. Exemplo:

Leia mais

O F I C I N A D O C R C R J : O S DESAFIOS DO BLOCO K NO SPED FISCAL PALESTRANTE: ANA CRISTINA MARTINS PEREIRA

O F I C I N A D O C R C R J : O S DESAFIOS DO BLOCO K NO SPED FISCAL PALESTRANTE: ANA CRISTINA MARTINS PEREIRA O F I C I N A D O C R C R J : O S DESAFIOS DO BLOCO K NO SPED FISCAL PALESTRANTE: ANA CRISTINA MARTINS PEREIRA Cruzamento de informações Ambiente Nacional (SPED) o ambiente nacional recepciona o arquivo

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Exercícios Complementares Custeio Variável (Direto) / Custeio por Absorção e Custos para Decisão (Custo Fixo, Lucro e Margem de Contribuição) Cap. 1 e 2 1 O único produto da empresa

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Análise de Mercado Professor: Roberto César ANÁLISE DE MERCADO Além de ser o ponto de partida de qualquer projeto, é um dos aspectos mais importantes para a confecção deste.

Leia mais

CUSTOS. Prof. Aline Hilsendeger Pereira de Oliveira

CUSTOS. Prof. Aline Hilsendeger Pereira de Oliveira CUSTOS Para Leone (2000), custos são o consumo de um fator de produção, medido em termos monetários para a obtenção de um produto, de um serviço ou de uma atividade que poderá ou não gerar renda. Martins

Leia mais

Página 59 Inserir as questões a seguir após a questão 08.

Página 59 Inserir as questões a seguir após a questão 08. Atualização da obra Contabilidade de Custos 9ª para a 10ª edição Página 59 Inserir as questões a seguir após a questão 08. (Especialista/Anatel/2014) Com relação aos custos, julgue os itens de 09 a 11.

Leia mais

TERMINOLOGIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gastos, custos, despesas Custos diretos e indiretos Método de avaliação de estoques PEPS, CUSTO MÉDIO

TERMINOLOGIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gastos, custos, despesas Custos diretos e indiretos Método de avaliação de estoques PEPS, CUSTO MÉDIO TERMINOLOGIAS E CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Gastos, custos, despesas Custos diretos e indiretos Método de avaliação de estoques PEPS, CUSTO MÉDIO 22/02/2016 1. DEFINIÇÕES E TERMINOLOGIAS BÁSICAS Dispêndio

Leia mais

: 21/08/14 Data da revisão : 21/12/15. Banco(s) de Dados

: 21/08/14 Data da revisão : 21/12/15. Banco(s) de Dados Geração do Bloco K do SPED Fiscal (Legislação 01) Produto : Logix Gestão Fiscal 10.02\11.0 Chamado : PCREQ-4105 Data da criação : 21/08/14 Data da revisão : 21/12/15 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados

Leia mais

Custo da cesta aumenta em metade das capitais pesquisadas

Custo da cesta aumenta em metade das capitais pesquisadas 1 São Paulo, 11 de março de 2014. Custo da cesta aumenta em metade das capitais pesquisadas NOTA À IMPRENSA Em fevereiro, os preços dos gêneros alimentícios essenciais subiram em nove das 18 capitais onde

Leia mais

Assunto: Plano Financeiro (I parte)

Assunto: Plano Financeiro (I parte) Assunto: Plano Financeiro (I parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Graduada em Administração pela UEFS Nesta disciplina, todos os assuntos

Leia mais

As atividades que conciliam

As atividades que conciliam INÍCIO 2º BIM 9º AULA 18/OUT/2011 PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO A NATUREZA DO FORNECIMENTO E DA DEMANDA DEBATE EM GRUPO - QUESTIONÁRIO PLANEJAMENTO E CONTROLE VISA GERENCIAR AS ATIVIDADES DA OPERAÇÃO

Leia mais

1) A empresa JCP produtora de componentes, em determinado período apresentou os seguintes dados: (em $)

1) A empresa JCP produtora de componentes, em determinado período apresentou os seguintes dados: (em $) Prof, Luciano Paiva Atividades em Sala de Aula - CPV 1) A empresa JCP produtora de componentes, em determinado período apresentou os seguintes dados: (em ) Valores em Estoque inicial de matéria-prima 10.000,00

Leia mais

Contabilidade de Custos

Contabilidade de Custos Contabilidade de Custos Marcia Sousa Nascimento Ariede Contabilista com Pós Graduação em MBA Controladoria pela FMU - Universidades Metropolitanas Unidas, atuando na contabilidade e Controladoria de uma

Leia mais

PALESTRA. SPED Fiscal Legislação Aplicável para 2015 e 2016

PALESTRA. SPED Fiscal Legislação Aplicável para 2015 e 2016 CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO PALESTRA

Leia mais

alocação de custo têm que ser feita de maneira estimada e muitas vezes arbitrária (como o aluguel, a supervisão, as chefias, etc.

alocação de custo têm que ser feita de maneira estimada e muitas vezes arbitrária (como o aluguel, a supervisão, as chefias, etc. Professor José Alves Aula pocii Aula 3,4 Custeio por Absorção Custeio significa apropriação de custos. Métodos de Custeio é a forma como são apropriados os custos aos produtos. Assim, existe Custeio por

Leia mais

19/9/2011. Canais de distribuição. Introdução

19/9/2011. Canais de distribuição. Introdução Canais de distribuição Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

CUSTOS. Prof. Aline Hilsendeger Pereira de Oliveira

CUSTOS. Prof. Aline Hilsendeger Pereira de Oliveira CUSTOS Para Leone (2000), custos são o consumo de um fator de produção, medido em termos monetários para a obtenção de um produto, de um serviço ou de uma atividade que poderá ou não gerar renda. Martins

Leia mais

Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial. 2º Trimestre de 2011

Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial. 2º Trimestre de 2011 Pesquisa Serasa Experian de Expectativa Empresarial 2º Trimestre de 2011 São Paulo, março de 2011 ASPECTOS GERAIS Objetivo da Pesquisa Obter as expectativas dos profissionais do mercado para os principais

Leia mais

PARECER Nº, DE 2001. RELATOR: Senador RICARDO SANTOS

PARECER Nº, DE 2001. RELATOR: Senador RICARDO SANTOS . PARECER Nº, DE 2001 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS sobre o Projeto de Lei da Câmara n.º 123, de 2001, que Dispõe sobre a elaboração, beneficiamento e comercialização de produtos artesanais de origem

Leia mais

Guia de Procedimentos Bloco C (SPED PIS/COFINS) Introdução... 2

Guia de Procedimentos Bloco C (SPED PIS/COFINS) Introdução... 2 Área Fiscal Autor Prosoft Tecnologia Ltda Criação 28/02/2012 Publicação Distribuição Prosoft Tecnologia Ltda Guia de Procedimentos Bloco C (SPED PIS/COFINS) Conteúdo: Introdução... 2 Mensagem por Bloco/Registro...

Leia mais

FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE -0,55% EM MAIO/2014

FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE -0,55% EM MAIO/2014 FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE -0,55% EM MAIO/2014 No mês de o de 2014, o valor da cesta básica do paulistano teve queda de 0,55%, revela pesquisa diária da Fundação Procon-SP,

Leia mais

Denis Alcides Rezende Educação e Consultoria em Informação e Estratégia - 55 (41) 9974.1168-9D Consultoria

Denis Alcides Rezende Educação e Consultoria em Informação e Estratégia  - 55 (41) 9974.1168-9D Consultoria Denis Alcides Rezende Educação e Consultoria em Informação e Estratégia www.denisalcidesrezende.com.br - 55 (41) 9974.1168-9D Consultoria Funções Organizacionais Privadas ou Públicas As macroatividades

Leia mais

Escrituração Contábil Fiscal - ECF

Escrituração Contábil Fiscal - ECF EMPRESAS LUCRO PRESUMIDO As empresas que são tributadas pelo Lucro Presumido, pagam o IRPJ e a CSLL aplicando uma alíquota de presunção, definida por lei, sobre as suas receitas, e sobre esse valor é aplicado

Leia mais

Planejamento e Controle da Utilização e das Compras de Matérias-Primas. Amanda Ribeiro José Maciel Neto Renê Oliveira

Planejamento e Controle da Utilização e das Compras de Matérias-Primas. Amanda Ribeiro José Maciel Neto Renê Oliveira Planejamento e Controle da Utilização e das Compras de Matérias-Primas Amanda Ribeiro José Maciel Neto Renê Oliveira Nov/2012 Para que serve? Definir as quantidades de cada matéria prima necessária para

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE EXAME DE SUFICIÊNCIA Bacharel em Ciências Contábeis

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE EXAME DE SUFICIÊNCIA Bacharel em Ciências Contábeis BACHAREL EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS Nome: Prof. Valbertone C. Araújo Página 0 Exame de Suficiência - 01/2000 II - CONTABILIDADE DE CUSTOS 7 - O conceito de Custo Padrão é: a) não é baseado em princípios científicos,

Leia mais

01. Uma empresa fabrica três produtos: produto A, produto B e produto C, com os seguintes preços, custos diretos e consumo de matéria-prima unitários:

01. Uma empresa fabrica três produtos: produto A, produto B e produto C, com os seguintes preços, custos diretos e consumo de matéria-prima unitários: Página 1 de 14 01. Uma empresa fabrica três produtos: produto A, produto B e produto C, com os seguintes preços, custos diretos e consumo de matéria-prima unitários: Produto Preço Custos Diretos Matéria-prima

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO DE JÓIAS FOLHEDAS DE JUAZEIRO DO NORTE 1

ARRANJO PRODUTIVO DE JÓIAS FOLHEDAS DE JUAZEIRO DO NORTE 1 ARRANJO PRODUTIVO DE JÓIAS FOLHEDAS DE JUAZEIRO DO NORTE 1 1. Localização (discriminação): Município de Juazeiro do Norte 2. Natureza da Atividade: Jóias Folheadas 3. Idade do Arranjo: Estima-se que possua

Leia mais

Comentários. A redução no ritmo da produção industrial nacional na passagem de

Comentários. A redução no ritmo da produção industrial nacional na passagem de Comentários A redução no ritmo da produção industrial nacional na passagem de março para abril, série com ajuste sazonal, foi acompanhada por sete dos quatorze locais pesquisados, com destaque para os

Leia mais

AGRONEGÓCIO ACUMULA ALTA DE 1,22% NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE

AGRONEGÓCIO ACUMULA ALTA DE 1,22% NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE AGRONEGÓCIO ACUMULA ALTA DE 1,22% NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio, estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

Cesta básica volta a subir na maior parte das capitais

Cesta básica volta a subir na maior parte das capitais 1 São Paulo, 03 de novembro de 2011 Cesta básica volta a subir na maior parte das capitais NOTA À IMPRENSA Ao contrário do que ocorreu em setembro, quando 09 cidades registraram queda no preço dos gêneros

Leia mais

INFORMAÇÕES CONCEITUAIS QUANTO AO F100

INFORMAÇÕES CONCEITUAIS QUANTO AO F100 INFORMAÇÕES CONCEITUAIS QUANTO AO F100 Neste bloco serão informadas pela pessoa jurídica, as demais operações geradoras de contribuição ou de crédito, não informadas nos Blocos A, C e D: Onde esta localizado

Leia mais

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Período: 09/12 á 16/12 de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg.

Preço médio da Soja em Mato Grosso do Sul Período: 09/12 á 16/12 de 2013 - Em R$ por saca de 60 kg. ISS 2316-119 SOJA» MERCADO INTERNO A segunda semana de dezembro foi de leve depreciação com valor médio de R$ 69,56 no preço da saca de 6 Kg de soja em grãos, representando uma queda de 2% em relação aos

Leia mais

MATÉRIAS PRIMAS NA ALIMENTAÇÃO. Prof. Ana Paula Lopes

MATÉRIAS PRIMAS NA ALIMENTAÇÃO. Prof. Ana Paula Lopes MATÉRIAS PRIMAS NA ALIMENTAÇÃO. Prof. Ana Paula Lopes Definição de Alimento De acordo com o Código Nacional de Saúde, Decreto-Lei 986/1969, alimento é toda substância ou mistura de substâncias, no estado

Leia mais

INFORMATIVO EXTRA BLOCO K SETEMBRO/2015. Informativo Extra - SPED Fiscal Bloco K

INFORMATIVO EXTRA BLOCO K SETEMBRO/2015. Informativo Extra - SPED Fiscal Bloco K INFORMATIVO EXTRA BLOCO K SETEMBRO/2015 ÍNDICE 1. SPED FISCAL BLOCO K... 3 2. INTEGRAÇÃO... 4 2.1. SISTEMA DE ORIGEM ERP SAP... 4 2.2. SISTEMA DE ORIGEM NÃO SAP... 9 3. GERAÇÃO DO BLOCO K... 10 3.1. PARAMETRIZAÇÕES

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA FORNOS E FOGÕES A GÁS. Portaria Inmetro 18/2008 - (CÓDIGOS: 3285 E 3286)

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA FORNOS E FOGÕES A GÁS. Portaria Inmetro 18/2008 - (CÓDIGOS: 3285 E 3286) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

Orçamento Empresarial

Orçamento Empresarial Controladoria Prof. Dr. Fábio Frezatti aula 07 Etapa Financeira Aula 7 Ao final desta aula você: - Inserirá o conceito de gastos, custos, despesas e investimentos na análise do orçamento. - Explicitará

Leia mais

O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO

O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO O SISTEMA TRIBUTÁRIO BRASILEIRO Instituído pela Constituição Federal de 1988. Prevê competências tributárias distintas para cada uma das pessoas políticas: UNIÃO, ESTADOS e MUNICÍPIOS. Cria grande complexidade,

Leia mais

Institute of Finance - Consultoria e Treinamento de Executivos em Finanças consulte o nosso site: www.gecompany.com.br CASES PARA ESTUDO

Institute of Finance - Consultoria e Treinamento de Executivos em Finanças consulte o nosso site: www.gecompany.com.br CASES PARA ESTUDO CASES PARA ESTUDO 1) A AMBEV na produção da SKOL apresentou os seguintes dados em volume de Hectolitros (01 ponto). Preço unitário de vendas: R$ 66,80; custo variável de produção R$ 57,60 e um custo fixo

Leia mais

CESTA BÁSICA da cidade de Catalão-GO

CESTA BÁSICA da cidade de Catalão-GO BOLETIM 46 CESTA BÁSICA da cidade de Catalão-GO Mês de Referência: 01/2014 Mês de Divulgação: 02/2014 Prof. Dr. Serigne Ababacar Cissé Ba ; Laila Cristina Rodrigues Silva; Karen Brina Borges de CATALÃO-GO

Leia mais

CONTROLADORIA E CUSTOS

CONTROLADORIA E CUSTOS PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO EM NEGÓCIOS DE ALIMENTOS MÓDULO: 15 CONTROLADORIA E CUSTOS Coordenador: Hellen Coelho Professora: Marisa Lipi Data: 28/05/2010 CONTROLADORIA E CUSTOS Marisa Lipi www.companhiadoscursos.com.br

Leia mais

A macaúba pode gerar produtos de alto valor agregado, como óleo para cosméticos, óleos alimentícios e carvão ativado.

A macaúba pode gerar produtos de alto valor agregado, como óleo para cosméticos, óleos alimentícios e carvão ativado. Escrito por: Renato Anselmi Link: Panorama Rural A macaúba pode gerar produtos de alto valor agregado, como óleo para cosméticos, óleos alimentícios e carvão ativado. Minas Gerais está se tornando berço

Leia mais

Cadeias produtivas no agronegócio, estrutura de mercado e competitividade. Ivan Wedekin Fórum Nacional do Trigo 2014

Cadeias produtivas no agronegócio, estrutura de mercado e competitividade. Ivan Wedekin Fórum Nacional do Trigo 2014 Cadeias produtivas no agronegócio, estrutura de mercado e competitividade Ivan Wedekin Fórum Nacional do Trigo 2014 Portfólio da BBM a serviço do Agro NEGÓCIOS COM PRODUTOS FÍSICOS LEILÕES DA PGPM REGISTRO

Leia mais

Saiba administrar o capital de giro

Saiba administrar o capital de giro Saiba administrar o capital de giro O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio Consultorias SEBRAE Mais Programas setoriais Palestras Trilha de aprendizagem empresarial EAD Na Medida Cursos SEI E

Leia mais

APROVEITAMENTO DE CRÉDITO DE ICMS: BEM DE INSUMO & BEM DE USO E CONSUMO

APROVEITAMENTO DE CRÉDITO DE ICMS: BEM DE INSUMO & BEM DE USO E CONSUMO I SEMINÁRIO NACIONAL DO CONTENCIOSO ADMINISTRIVO FISCAL DE 2ª INSTÂNCIA ESTADUAL SENACOF APROVEITAMENTO DE CRÉDITO DE ICMS: BEM DE INSUMO & BEM DE USO E CONSUMO RUDSON DOMINGOS BUENO CERNE DA QUESTÃO Controvérsias

Leia mais

ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED

ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED ECF DIPJ INCLUÍDA NO SPED O que é ECF Escrituração Contábil Fiscal? Demonstra o cálculo do IRPJ e da CSLL Sucessora da DIPJ Faz parte do projeto SPED Instituída pela Instrução Normativa RFB 1.422/2013

Leia mais

Aula Orçamento de produção. Profa. Nilcéia Cristina dos Santos Email: nilceia_santoss@yahoo.com.br

Aula Orçamento de produção. Profa. Nilcéia Cristina dos Santos Email: nilceia_santoss@yahoo.com.br Aula Orçamento de produção Profa. Nilcéia Cristina dos Santos Email: nilceia_santoss@yahoo.com.br ORÇAMENTO DE PRODUÇÃO Orçamento de produção tem a finalidade de determinar a quantidade de produtos que

Leia mais

Tabela 1 - Preço médio da Soja em MS - Período: 02/06 á 06/06 junho de 2014 - Em R$ por saca de 60Kg. Praça 02/jun 03/jun 04/jun 05/jun 06/jun Var.

Tabela 1 - Preço médio da Soja em MS - Período: 02/06 á 06/06 junho de 2014 - Em R$ por saca de 60Kg. Praça 02/jun 03/jun 04/jun 05/jun 06/jun Var. SOJA» MERCADO INTERNO O preço da saca de 6 Kg de soja em grãos experimentou recuo na primeira semana de junho. A cotação média no dia 6/Jun foi de R$ 62,6, valor este 3,12% inferior ao verificado em 2/Jun.

Leia mais

BRASIL. Comércio Exterior. ( Janeiro de 2016 )

BRASIL. Comércio Exterior. ( Janeiro de 2016 ) Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior ( Janeiro de 2016 ) Fevereiro de 2016

Leia mais

(baseado nas sugestões do IATF)

(baseado nas sugestões do IATF) Polvo e Tartarugas Método de mapeamento de processos (identificação e determinação da seqüência e interação dos processos) (baseado nas sugestões do IATF) Princípios de Gestão da Qualidade Um dos oito

Leia mais

Agosto de 2012. VALORIZAÇÃO DO FARELO DE SOJA E DO MILHO ELEVA GASTOS COM CONCENTRADO

Agosto de 2012. VALORIZAÇÃO DO FARELO DE SOJA E DO MILHO ELEVA GASTOS COM CONCENTRADO VALORIZAÇÃO DO FARELO DE SOJA E DO MILHO ELEVA GASTOS COM CONCENTRADO Em julho, o preço das principais matérias-primas que compõem o concentrado continuou subindo em todos os estados pesquisados pelo Cepea:

Leia mais

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais A INDÚSTRIA DE ÓLEOS VEGETAIS E A PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL.

Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais A INDÚSTRIA DE ÓLEOS VEGETAIS E A PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL. Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais A INDÚSTRIA DE ÓLEOS VEGETAIS E A PRODUÇÃO DE BIODIESEL NO BRASIL Juan Diego Ferrés Presidente da Comissão de Biodiesel da Diretor Industrial da Granol

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO COMUNICADO Nº 07/2015 ASSUNTO: Orientações SAESP II Parte 2 INTERESSADO: Diretores das Escolas e Diretoria de Ensino Prezados Diretores, Vimos através deste passar algumas orientações sobre a BAIXA DIÁRIA

Leia mais

Inventário de Estoques

Inventário de Estoques Inventário de Estoques O inventário de estoques constitui-se em uma ferramenta de importância fundamental para o aperfeiçoamento dos controles internos da organização, mitigando riscos de perdas, proporcionando

Leia mais

Bloco M: Livro Eletrônico de Apuração do Lucro Real (e-lalur) e Livro Eletrônico de Apuração da Base de Cálculo da CSLL (e-lacs)

Bloco M: Livro Eletrônico de Apuração do Lucro Real (e-lalur) e Livro Eletrônico de Apuração da Base de Cálculo da CSLL (e-lacs) TUTORIAL LUCRO REAL BLOCO M Bloco M: Livro Eletrônico de Apuração do Lucro Real (e-lalur) e Livro Eletrônico de Apuração da Base de Cálculo da CSLL (e-lacs) Descrição do Bloco: Apresenta os livros eletrônicos

Leia mais

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS

DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS 1 DICAS PARA EXAME DE SUFICIÊNCIA CUSTOS CUSTODIO ROCHA Você bem preparado para o futuro da 2 1 OBJETIVOS Revisão dos principais aspectos da contabilidade de custos (conteúdos mais frequentes nas últimas

Leia mais

Distorções tributárias na Indústria de Óleos Vegetais

Distorções tributárias na Indústria de Óleos Vegetais - Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais Distorções tributárias na Indústria de Óleos Vegetais Fórum de Competitividade do Sistema Agroindustrial - MDIC Fabio Trigueirinho Secretário Brasília

Leia mais

SÍNTESE DO COMPORTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM ALAGOAS, PARA JUNHO DE 2015

SÍNTESE DO COMPORTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM ALAGOAS, PARA JUNHO DE 2015 SÍNTESE DO COMPORTAMENTO DO MERCADO DE TRABALHO FORMAL EM ALAGOAS, PARA JUNHO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estatística e Indicadores De acordo

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Fevereiro de 2014

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Fevereiro de 2014 PRODUTIVIDADE DO TRABALHO Fevereiro de 2014 SUMÁRIO EXECUTIVO A produtividade do trabalho da indústria catarinense variou 2% em fevereiro em relação ao mesmo mês do ano anterior. No primeiro bimestre de

Leia mais

R e g i ã o A u t ó n o m a d o s A ç o r e s V i c e - P r e s i d ê n c i a d o G o v e r n o

R e g i ã o A u t ó n o m a d o s A ç o r e s V i c e - P r e s i d ê n c i a d o G o v e r n o R e g i ã o A u t ó n o m a d o s A ç o r e s V i c e - P r e s i d ê n c i a d o G o v e r n o S E R V I Ç O R E G I O N A L D E E S T A T Í S T I C A D O S A Ç O R E S P R O D U Ç Ã O E I M P O R T A

Leia mais

Assinale a alternativa que corresponde às afirmações CORRETAS. A) I e II B) I e III C) II e III D) I, II e III E) I, III e IV

Assinale a alternativa que corresponde às afirmações CORRETAS. A) I e II B) I e III C) II e III D) I, II e III E) I, III e IV QUESTÃO 01 PROVA ESPECÍFICA São fins da Contabilidade I - Assegurar o controle do patrimônio. II - Fornecer informações sobre a composição e as variações patrimoniais. III - Fornecer informações sobre

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FI ACOES PETROBRAS 2 12.014.083/0001-57 Informações referentes a Abril de 2013

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O HSBC FI ACOES PETROBRAS 2 12.014.083/0001-57 Informações referentes a Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o HSBC FUNDO DE INVESTIMENTO EM ACOES. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Prof. a Germana Chaves

Prof. a Germana Chaves 1. Estoques Conceito e Composição MODULO VI CONTROLE DE ESTOQUE 1.1. Conceito: são bens adquiridos ou produzidos pela empresa com o objetivo de venda ou utilização própria no curso normal de suas atividades

Leia mais

ICEI Índice de Confiança do Empresário Industrial Julho/07 Interiorização da Sondagem

ICEI Índice de Confiança do Empresário Industrial Julho/07 Interiorização da Sondagem Resultado do ICEI - Índice de Confiança do Empresário Industrial - nas Regionais FIESP Projeto de de Opinião CNI (DEPAR/DEPECON) Introdução A Sondagem Industrial é uma pesquisa qualitativa realizada trimestralmente

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Não existem regras ou leis para gestão; Não existem países pobres ou ricos, mas simplesmente países mal e bem administrados, que sabem extrair o máximo dos recursos

Leia mais

Classificação de Custos:

Classificação de Custos: 1 Departamento de Contabilidade AULA TEÓRICA 2 Classificação de Custos: Os Custos e as Demonstrações Financeiras CONTABILIDADE DE GESTÃO I Gestão Finanças e Contabilidade GIL 2014/2015 2º semestre Aula

Leia mais

PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA BRASILEIRA NA ÁREA DE FÁRMACOS

PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA BRASILEIRA NA ÁREA DE FÁRMACOS PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA BRASILEIRA NA ÁREA DE FÁRMACOS PERSPECTIVAS DA INDÚSTRIA BRASILEIRA NA ÁREA DE FÁRMACOS CENÁRIO ATUAL MULTINACIONAIS Gerenciamento bem definidos

Leia mais

Conceitos de Produtividade Industrial. 6. Estudo de Tempos e Métodos. 6. Estudo de Tempos e Métodos 09/05/2012. Profº Spim

Conceitos de Produtividade Industrial. 6. Estudo de Tempos e Métodos. 6. Estudo de Tempos e Métodos 09/05/2012. Profº Spim Conceitos de Produtividade Industrial Profº Spim 6.1 Decisões sobre o projeto do trabalho; 6.2 Considerações físicas no projeto do trabalho; 6.3 Métodos de trabalho; 6.4 Padrões e medida do trabalho. Adm.

Leia mais

1. Importações Cordilheira

1. Importações Cordilheira 1. Importações Cordilheira 1.1. Nf-e (Entrada) Esta rotina tem como objetivo importar as Notas Fiscais de Entrada correspondentes ao Estabelecimento, a partir de uma nota de saída de seu fornecedor. Selecione

Leia mais

Preços Agropecuários: alta de 2,99% em fevereiro de 2014

Preços Agropecuários: alta de 2,99% em fevereiro de 2014 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Preços Agropecuários: alta de 2,99% em fevereiro de 2014 O Índice Quadrissemanal de Preços Recebidos pela Agropecuária Paulista (IqPR) 1, 2 (que mede

Leia mais

PREPARO DE GRÃOS DE SOJA PARA EXTRAÇÃO

PREPARO DE GRÃOS DE SOJA PARA EXTRAÇÃO PREPARO DE GRÃOS DE SOJA PARA EXTRAÇÃO Eng. Luiz Carlos Masiero L.C.Masiero Engenharia Industrial Jaú, SP Resumo: Se apresentam neste trabalho as considerações básicas do processo de preparação de grãos

Leia mais

Conhecimentos Bancários

Conhecimentos Bancários Conhecimentos Bancários Conhecimentos Básicos em Administração Financeira: Fundamentos e Técnicas; Orçamento e Controle de Custos Professor Lucas Silva www.acasadoconcurseiro.com.br Conhecimentos Bancários

Leia mais

Administração Geral Administração de Custos

Administração Geral Administração de Custos Material de Apoio 04 Custos Diretos 1. Conceitos Custos gastos relativos a bens ou serviços utilizados na produção de outros bens e serviços. Custeio método de apropriação de custos. Custeio por absorção

Leia mais

ETEC VASCO ANTONIO VENCHIARUTTI JUNDIAÍ CLASSE DESCENTRALIZADA DE JUNDIAÍ - EE PROFA. MARIA DE LOURDES FRANÇA SILVEIRA

ETEC VASCO ANTONIO VENCHIARUTTI JUNDIAÍ CLASSE DESCENTRALIZADA DE JUNDIAÍ - EE PROFA. MARIA DE LOURDES FRANÇA SILVEIRA ETEC VASCO ANTONIO VENCHIARUTTI JUNDIAÍ CLASSE DESCENTRALIZADA DE JUNDIAÍ - EE PROFA. MARIA DE LOURDES FRANÇA SILVEIRA PROCESSO SELETIVO DE DOCENTES, NOS TERMOS DO COMUNICADO CEETEPS N 1/2009, E SUAS ALTERAÇÕES.

Leia mais

LEIAUTE ARQUIVO TEXTO DIF ELETRÔNICO - VERSÃO 2016

LEIAUTE ARQUIVO TEXTO DIF ELETRÔNICO - VERSÃO 2016 ANEXO II À PORTARIA SEFAZ N o 1.289, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2015. ANEXO III À PORTARIA SEFAZ N o 1.859 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2009 LEIAUTE ARQUIVO TEXTO DIF ELETRÔNICO - VERSÃO 2016 1. DADOS TÉCNICOS DE GERAÇÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE 0,36% EM FEVEREIRO/2016

FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE 0,36% EM FEVEREIRO/2016 FUNDAÇÃO PROCON-SP CONSTATA VARIAÇÃO DA CESTA BÁSICA DE 0,36% EM FEVEREIRO/ No mês de ereiro de, o valor da cesta básica do paulistano teve alta de 0,36%, revela pesquisa diária da Fundação Procon-SP,

Leia mais

Cesta Básica. Boletim Junho 2011

Cesta Básica. Boletim Junho 2011 Cesta Básica Boletim Junho 2011 O custo da cesta básica na cidade de Ilhéus aumentou quase 5%, de R$187,25 em maio para R$196,39 em junho (Tabela 1). A elevação no preço do tomate de 21,90% foi o que mais

Leia mais

Cálculo do custo de produção na empresa rural (2)

Cálculo do custo de produção na empresa rural (2) Cálculo do custo de produção na empresa rural (2) Instituto Federal Goiano Disciplina de Elaboração e Gestão de Projetos Agronegócio (Noturno) Bruno Maia, Eng Agrônomo, M. Sc. Custo Fixo Médio Quando se

Leia mais

O CONSUMO DE ÓLEO DE SOJA NO BRASIL

O CONSUMO DE ÓLEO DE SOJA NO BRASIL O CONSUMO DE ÓLEO DE SOJA NO BRASIL Alzirene de Vasconcelos Milhomem 1 1 INTRODUÇÃO A Pesquisa de Orçamento Familares (POF) do IBGE (Instituto de Geografia e Estatística) de 2002/2003 avaliou os padrões

Leia mais

Custos e Orçamentos 63 Prof. Tamanaha --------------------------------------------------------------------------- CUSTO PADRÃO 1.

Custos e Orçamentos 63 Prof. Tamanaha --------------------------------------------------------------------------- CUSTO PADRÃO 1. Custos e Orçamentos 63 CUSTO PADRÃO 1. CONCEITO: Dutra, R.Gomes: Em Custos uma abordagem prática,pg.236, assim relata com respeito ao Custo :..aplicação do custo padrão apresenta grande resistência muito

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DECLARAÇÕES DFC e GI

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DECLARAÇÕES DFC e GI INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DECLARAÇÕES DFC e GI A finalidade das instruções é orientar o correto preenchimento da DFC - Declaração Fisco Contábil e da GI - Guia de Informação das Operações e Prestações

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL. Aula 5. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE GERENCIAL. Aula 5. Prof.: Marcelo Valverde CONTABILIDADE GERENCIAL Aula 5 Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino da Disciplina: CONTABILIDADE GERENCIAL UNIDADE 03 Relação Custo X Volume X Lucro 3. Ponto Equilíbrio Contábil 3.1.1 Métodos de apuração

Leia mais

PRODUÇÃO DE BIODIESEL. Montes Claros MG

PRODUÇÃO DE BIODIESEL. Montes Claros MG PRODUÇÃO DE BIODIESEL Montes Claros MG 1 Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) 1- Objetivos e Diretrizes O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) é um programa interministerial

Leia mais

Recebimentos de Compras

Recebimentos de Compras Recebimentos de Compras Recebimento de compra é quando se concretiza a compra, é o momento que chega a mercadoria e nota fiscal e as informações são confrontadas entre o pedido de compra e a nota. *Importante:

Leia mais

BLOCO K Os desafios da Indústria e do Comércio. Ronaldo Giovani Silvestre Coordenador da Comissão Estudos TI - CRCRS

BLOCO K Os desafios da Indústria e do Comércio. Ronaldo Giovani Silvestre Coordenador da Comissão Estudos TI - CRCRS BLOCO K Os desafios da Indústria e do Comércio Ronaldo Giovani Silvestre Coordenador da Comissão Estudos TI - CRCRS Ronaldo Giovani Silvestre Coordenador da Comissão de Estudos da Tecnologia da Informação

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Novembro/2013 I - Resultados do mês As exportações do agronegócio

Leia mais

SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS RH OBJETIVO

SISTEMA DE RECURSOS HUMANOS RH OBJETIVO SISTEMA DE RECURSOS OBJETIVO HUMANOS RH Este sistema tem como objetivo auxiliar na administração dos seus recursos humanos a fim de obter o melhor de seus funcionários a nível de produtividade buscando

Leia mais

3.2 DISTRIBUIÇÃO DOS RESÍDUOS INVENTARIADOS

3.2 DISTRIBUIÇÃO DOS RESÍDUOS INVENTARIADOS 40 DISTRIBUIÇÃO DAS INDÚSTRIAS INVENTARIADAS Como é mostrado no Quadro, dos 68 municípios inventariados, os 02 mais representativos, em número de indústrias, são Recife e Jaboatão do Guararapes. Para Recife,

Leia mais

DPE / COAGRO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA

DPE / COAGRO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA janeiro de 215 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.437/13

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.437/13 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.437/13 Altera, inclui e exclui itens das NBCs T 16.1, 16.2, 16.4, 16.5, 16.6, 16.10 e 16.11 que tratam das Normas Brasileiras de Contabilidade Técnicas aplicadas ao Setor Público. O

Leia mais

Manual Processos Produção

Manual Processos Produção Manual Processos SUPERANDO DESAFIOS Identificação: 12.06a Autora: Laila M G Gechele Doc. VRS. 1.0 Aprovado em: Revisor: Nota de copyright Copyright 2012 Teorema Informática, Guarapuava. Todos os direitos

Leia mais

RELATÓRIO ENAC. Exame Nacional de Avaliação para Capacitação dos Profissionais Gráficos

RELATÓRIO ENAC. Exame Nacional de Avaliação para Capacitação dos Profissionais Gráficos Data de emissão: 29/05/2013 À Empresa Gráfica Prezados Senhores, A ABTG, Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica, apresenta os resultados do Enac - Exame Nacional de Avaliação para Capacitação Técnica

Leia mais

Procedimento Operacional Nº do procedimento: PO 016

Procedimento Operacional Nº do procedimento: PO 016 Data da 1/ 12 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento Diretoria de Negócio Vendas Service Qualidade Suprimentos Fabrica Gestão de Materiais Demais envolvidos na análise e aprovação

Leia mais