ESTUDO SOBRE A EXCLUSÃO SOCIAL EM SAÚDE - BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO SOBRE A EXCLUSÃO SOCIAL EM SAÚDE - BRASIL"

Transcrição

1 ESTUDO SOBRE A EXCLUSÃO SOCIAL EM SAÚDE - BRASIL BERNARD F. COUTTOLENC Universidade de São Paulo 2002

2 Objetivos do Estudo Quantificar a exclusão social em saúde no Brasil PNAD 1998 STEP (Strategies & Tools against Exclusion and Poverty) Identificar os limites da PNAD para a operacionalização do STEP Explorar outras fontes de dados Analisar as limitacões do STEP

3 Estrutura do Trabalho Resumo do marco conceitual STEP O sistema de proteção social no Brasil Análise da exclusão social: PNAD 98 Extensão da análise empírica Discussão e limitações do marco conceitual

4 Marco Conceitual STEP - 1 Objetivos da proteção social em saúde: Manter e melhorar a saúde dos trabalhadores e suas famílias Assegurar contribuição solidária a seu financiamento Assegurar o respeito à dignidade humana e às aspirações na relação trabalhador-sistema

5 Marco Conceitual STEP - 2 Mecanismos de inclusão social Garantia de acesso a um conjunto de serviços Plano Garantido de Saúde Contribuição financeira compatível com a capacidade de pagar Qualidade técnica e oportunidade, dignidade e satisfação na utilização dos serviços

6 Marco Conceitual STEP - 3 Principais causas da exclusão social em saúde Inexistência de cobertura de um conjunto adequado de serviços (Plano Garantido) Defasagem entre plano e acesso efetivo Problemas de oferta ou demanda que impedem a utilizaçao efetiva em caso de necessidade Contribuição financeira que representa um ônus excessivo

7 Proteção Social em Saúde - 1 Dois sistemas completamente separados Sistema Único de Saúde Público, resultado da reforma sanitária Definido como Seguridade Social, acesso gratuito e universal a todos os serviços Rede ampla e diversificada, com serviços de qualidade variável Financiado desde 1993 por cesta de impostos e contribuições, tido como insuficiente

8 Proteção Social em Saúde - 2 Sistema privado: várias modalidades Medicina de Grupo (plano de pré-pagamento) Cooperativas Médicas Seguros saúde Planos próprios de empresas Pagamento direto (out-of-pocket) Diversidade de benefícios e arranjos organizacionais e financeiros Em expansão continuada há 20 anos Regulamentação recente (1998)

9 Composição do Gasto em Saúde Privado Direto 24,6% Federal 24,9% Autogestão 8,7% Estadual 8,3% Seguro Saúde 7,6% Cooperativas Médicas 6.6% Medicina de Grupo 7,5% Municipal 11,8% Total: 54 Bilhões US$, 320 per capita (1998)

10 Análise da Exclusão Social Estado de saúde Cobertura por sistemas de seguros Acesso e utilização de serviços Qualidade dos serviços Contribuição financeira Conclusões e discussão

11 Exclusão por Estado de Saúde Auto-avaliação do estado de saúde 79% Muito Bom e Bom Pouca variação, a não ser por idade Interrupção de atividades por saúde 6,5%, maior para Mulheres e Idosos Prevalência de problemas crônicos 31,9%, aumenta com a renda, a idade, a informalidade e o desemprego

12 Auto-avaliação do Estado de Saúde (% MB e B) Por gênero/ idade Brasil 1 o Ql 2 o Ql 3 o Ql 4 o Ql 5 o Ql Média Geral 78,69 78,52 75,92 74,86 79,21 84,90 Por gênero Masculino 81,50 80,34 78,55 78,89 82,52 87,18 Feminino 76,03 76,82 73,40 71,02 76,03 82,75 Por idade 0 a 4 anos 90,47 88,74 88,87 90,54 92,82 95,79 5 a 14 anos 91,91 89,97 90,26 92,11 93,78 96,78 15 a 29 anos 87,48 83,13 84,53 86,50 89,33 93,68 30 a 59 anos 69,96 59,85 61,77 65,99 72,49 82,21 60 e + anos 38,33 31,32 29,50 29,40 38,28 54,80

13 Auto-avaliação do Estado de Saúde Por área residência Brasil 1 o Ql 2 o Ql 3 o Ql 4 o Ql 5 o Ql Metropolitana 79,95 76,42 76,54 77,19 80,12 85,16 Urbana 78,38 77,48 75,44 74,77 79,53 85,12 Rural Densa 76,65 78,68 75,35 70,97 77,73 84,82 Rural Isolada 76,93 81,15 76,16 69,49 72,04 78,02 Por situação de trabalho Setor Formal 83,37 75,81 76,72 79,57 83, Setor Informal 74,40 72,72 71,58 72,37 75,06 82,47 Desocupados 80,35 74,94 79,23 80,81 83,68 89,37 Não Econ Ativos 71,86 74,25 69,35 65,16 72,16 78,52

14 Prevalência de Problemas Crônicos Brasil 1 o Ql 2 o Ql 3 o Ql 4 o Ql 5 o Ql % prob crônicos 31,89 25,83 30,67 34,78 33,67 34,33 Por gênero Masculino 27,86 23,56 26,80 29,76 28,94 30,26 Feminino 35,62 27,97 34,36 39,55 38,23 38,18 Por idade 0 a 4 anos 9,84 9,08 10,64 10,64 10,68 9,66 5 a 14 anos 9,58 8,10 9,41 10,65 10,66 10,49 15 a 29 anos 20,55 21,53 21,16 20,96 20,08 19,07 30 a 59 anos 49,38 54,86 53,25 51,07 47,64 43,75 60 e + anos 79,29 78,35 81,61 82,44 79,36 74,86

15 Exclusão por Cobertura Sistema público: universal Mas só 50% usam (78% no Q1 a 15% no Q5) Sistema pré-pagamento ( privado ) 24,2% (71% privado, 29% público) Varia muito com a renda (3% a 62%), Área de residência (Metro 35%, Rural I 5%), Situação de trabalho (44% a 13%) e ocupação, Estado de saúde (28,8% a 13,7%) Pagamento direto: 16%, aumentando com a renda (4,8% a 27,3%)

16 Cobertura Efetiva por Modalidade de Financiamento Brasil 1 o Ql 2 o Ql 3 o Ql 4 o Ql 5 o Ql Utilização SUS Utilização Plano Pagamento Direto do de 49,80 78,30 74,00 62,50 43,60 15,00 26,93 3,00 6,70 15,10 32,00 57,70 15,88 4,80 8,30 13,40 17,70 27,30

17 Cobertura Efetiva COBERTURA EFETIVA POR MODALIDADE DE PAGAMENTO E QUINTIL DE RENDA PER CAPITA 100% 80% 60% 40% 20% 0% Brasil 1o Quintil 2o Quintil 3o Quintil 4o Quintil 5o Quintil Pagamento Direto Utilização de Plano Utilização do SUS

18 Cobertura por Planos Privados Brasil 1 o Ql 2 o Ql 3 o Ql 4 o Ql 5 o Ql Cobertura Geral 24,19 2,99 7,67 16,16 31,75 62,43 Por tipo de plano % Planos Públicos 28,69 35,51 35,93 30,60 29,89 26,62 % Planos Privados 71,29 64,30 64,03 69,40 70,09 73,36 Por gênero Masculino 22,81 2,77 7,30 15,30 29,53 59,23 Feminino 25,49 3,20 8,03 16,98 33,89 65,45 Por idade Idade < 5 anos 20,04 2,53 8,45 20,49 41,16 68,53 Idade 5 a 14 anos 20,67 2,72 8,30 19,35 37,31 66,01 Idade 15 a 29 anos 21,81 2,86 6,66 14,20 28,00 56,75 Idade 30 a 59 anos 28,93 3,65 8,24 16,85 32,02 64,08 Idade 60 anos e + 26,52 3,49 5,99 10,29 25,89 62,53

19 % de Cobertura Cobertura por Planos Privados COBERTURA POR PLANOS DE SAÚDE Brasil 1o Quintil 2o Quintil 3o Quintil 4o Quintil 5o Quintil Quintil de Renda Domiciliar per Capita

20 Exclusão por Utilização - 1 Proporção de consultas médicas 55,8% no ano, maior com Renda (46% a 67%), Instrução Mulheres (63% x 48%), idade (2 extremos) Residência (61% a 45%), Setor formal (59%) Cobertura Plano (72% x 50%) Estado de saúde (46% MB a 83% MR) 64% pagas SUS, 24% Plano, 14% Direto Número de Consultas no ano: 3,9 Padrão semelhante (4,2 no Q% x 3,4 no Q1), Mulheres

21 Exclusão por Utilização - 2 Internação Hospitalar 7%, diminui com a Renda (7,3% para 6,5%) Mulheres (8,7% x 5,1%), Idosos (13,7%) Cobertos por Plano (8 x 6,6%), Não ativos (9,2%), < 1 ano instrução (9,9%) Má saúde (30% MR e 24% R) 64% pago SUS, 24% Plano, 14% Direto Procura de serviços em geral 13,2%, segue padrão semelhante

22 Utilização de Serviços em Geral Brasil 1 o Ql 2 o Ql 3 o Ql 4 o Ql 5 o Ql % Utilização Geral 13,19 9,92 11,75 13,18 13,98 17,15 Por gênero Masculino 10,27 7,90 9,36 10,26 10,50 13,33 Feminino 15,97 11,81 14,04 15,95 17,33 20,76 Por idade Idade < 5 anos 17,64 13,76 17,67 18,08 21,15 23,79 Idade 5 a 14 anos 8,57 6,23 7,60 8,51 10,78 13,09 Idade 15 a 29 anos 10,72 8,67 9,54 10,61 10,81 13,90 Idade 30 a 59 anos 14,72 12,52 13,34 14,15 14,55 17,52 Idade 60 anos e + 21,55 15,36 18,56 20,94 22,02 25,34 Por área residência Área Metropolit 14,91 11,42 12,65 13,32 14,85 18,83 Área Urbana 13,22 11,26 12,32 13,51 13,54 15,33 Área Rural 10,62 8,94 9,10 14,29 12,49 12,75 Área Rural Isolada 9,39 7,50 9,57 11,33 11,93 14,70

23 Utilização por Motivo (%) Utilização p/ quintil Brasil 1 o Ql 2 o Ql 3 o Ql 4 o Ql 5 o Ql Exames/ Prevenção 34,29 27,77 30,95 34,82 36,18 38,41 Acidente ou lesão 4,44 3,77 4,38 4,47 4,77 4,58 Prob. Odontológico 11,37 8,81 9,06 8,81 11,56 16,23 Tratamto/Reabilit. 10,55 7,86 8,74 11,06 11,34 12,31 Pré-Natal 2,65 3,08 2,70 2,70 2,74 2,27 Parto 0,45 0,82 0,48 0,33 0,49 0,25 Vacinação 2,90 6,39 4,24 2,38 1,81 1,22 Doença 32,87 41,11 38,96 34,91 30,53 24,27 Atestado Médico 0,46 0,35 0,48 0,46 0,55 0,42

24 Utilização por Motivo e Modalidade de Uso Por modalidade uso SUS Plano Pago Exames/Prevenção 47,68 34,43 12,25 Acidente ou lesão 57,15 25,77 9,85 Prob Odontológico 24,70 19,22 45,13 Tratam /Reabilit. 47,28 32,84 15,70 Pré-Natal 61,62 23,40 11,57 Parto 73,00 16,00 11,00 Vacinação 75,75 3,77 2,08 Doença 57,18 22,57 12,09 Atestado Médico 42,23 21,84 12,14 Geral 49,80 26,90 15,90

25 Utilização por Prestador Por quintil Brasil 1 o Ql 2 o Ql 3 o Ql 4 o Ql 5 o Ql Farmácia 1,65 1,56 2,17 2,29 1,84 0,76 Posto/Ctro de Saúde 31,77 49,12 46,67 39,30 28,09 8,77 Consult Méd Part 18,89 3,40 5,08 11,06 20,47 42,00 Consult Odontológ 8,84 4,74 5,30 6,27 8,98 15,47 Consult Outros Prof 0,53 0,16 0,26 0,41 0,60 0,96 Ambul. Empresa 1,77 0,87 1,27 2,02 2,65 1,75 Ambul. Clínica 10,32 6,80 8,67 10,42 12,44 11,69 Pronto Socorro 4,61 4,90 4,87 5,30 4,64 3,70 Hospital 19,91 26,69 24,19 21,25 18,72 12,99 Labor./Centro Diag 0,68 0,37 0,45 0,69 0,65 1,02 Atendimto Domicil. 0,44 0,77 0,26 0,48 0,36 0,39 Outro 0,57 0,59 0,78 0,85 0,57 0,44

26 Utilização por Prestador 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Outro Atend.Domiciliar Lab/Centro Diag Hospital Pronto Socorro Ambul. Clínica Ambul. Empresa Consult. Outros Profiss Consult. Odontológico Consultório Médico Part Posto/Centro de Saúde Farmácia Brasil 1o Quintil 2o Quintil 3o Quintil 4o Quintil 5o Quintil

27 Motivos de Não Atendimento Brasil 1 o Ql 2 o Ql 3 o Ql 4 o Ql 5 o Ql Proporção geral 3,96 5,53 5,89 4,67 3,64 1,46 Por gênero Masculino 3,35 4,57 5,33 3,75 2,75 1,42 Feminino 4,33 6,14 6,24 5,22 4,16 1,48 Por motivo Não conseguiu vaga 44,17 46,15 44,27 42,23 46,63 39,31 Não tinha médico 29,31 29,18 31,06 31,55 27,27 23,70 Não tinha especialist 6,60 6,37 6,61 7,77 5,57 6,36 Serv não funcionava 4,10 5,31 4,19 4,37 2,93 2,89 Não podia pagar 0,85 1,33 1,54 0,00 0,59 0,58 Esperou e desistiu 5,29 4,51 4,85 6,07 5,57 5,78 Outro motivo 9,11 6,61 7,27 7,52 11,44 18,50

28 Motivos de Não Procura Brasil 1 o Ql 2 o Ql 3 o Ql 4 o Ql 5 o Ql Não necessidade 95,87 93,78 94,93 95,65 97,09 98,12 Não tinha dinheiro 1,28 2,44 1,56 1,19 0,72 0,36 Local distante 0,44 0,96 0,54 0,38 0,17 0,08 Dificuldade transporte 0,20 0,36 0,27 0,21 0,10 0,04 Horário incompatível 0,51 0,43 0,52 0,57 0,51 0,53 Atendimto demorado 0,57 0,70 0,79 0,69 0,46 0,21 Não tinha especialista 0,16 0,20 0,27 0,15 0,12 0,07 Achou não direito 0,01 0,01 0,01 0,01 0,01 0,01 Não tinha acompanh. 0,10 0,10 0,14 0,16 0,07 0,04 Outro motivo 0,84 1,01 0,97 0,95 0,73 0,53

29 Exclusão por Qualidade e Dignidade Qualidade (MB+B) é alta (86%) e crescente com a Renda (83% a 92%) Pouca diferença por gênero, área de residência, ou raça/cor Aumenta com o grau de instrução, principalmente nos quintis extremos Qualidade das modalidades privadas melhor que do SUS (93% x 80%)

30 Qualidade dos Serviços Brasil 1 o Ql 2 o Ql 3 o Ql 4 o Ql 5 o Ql Avaliação geral 86,05 83,35 82,00 82,66 85,95 92,45 Por gênero Masculino 86,02 83,09 81,87 82,93 86,25 92,69 Feminino 85,90 83,51 82,10 82,49 85,78 92,30 Por modalidade uso Uso SUS 80,21 82,23 80,41 78,64 79,22 80,81 Uso Plano 93,84 92,31 90,30 92,00 93,41 94,71 Uso Pago 92,86 88,14 90,70 90,24 90,85 95,77 Por anos de instrução Sem Instrução e <1 82,49 81,69 82,29 83,18 82,41 83,44 a 1 a 3 anos Estudos 84,14 84,55 81,36 83,18 84,22 90,39 4 a 7 anos Estudos 84,21 82,03 80,78 82,48 84,56 90,33 8 a 10 anos Estudos 85,54 81,81 80,51 78,93 86,65 91,43 11a 14 anos Estudos 89,69 83,75 79,34 84,02 88,17 92,62 15 e + anos Estudos 94,18 94,44 77,78 81,81 88,89 94,82

31 Exclusão por Financiamento Gasto em saúde de R$ 19,00 ou 8,2% da Renda Domiciliar per capita Valor aumenta bastante com Renda (R$ 2,63 para 58,85), Idade, Setor formal, Área metropolitana, Homens Comprometimento da Renda segue mesmo padrão, menos por área de residência, e aumenta com a piora do estado de saúde

32 Gasto Mensal em Saúde - 1 Brasil 1 o Ql 2 o Ql 3 o Ql 4 o Ql 5 o Ql Gasto Médio Por gênero Masculino Feminino Por idade Idade < 5 anos Idade 5 a 14 anos Idade 15a 29 anos Idade 30a 59 anos Idade 60 anos e

33 Gasto Mensal em Saúde - 2 Por área de Brasil 1 o Ql 2 o Ql 3 o Ql 4 o Ql 5 o Ql residência Área Metropolit Área Urbana Área Rural Área Rural Isol Por situação de trabalho Setor Formal 46,29 9,82 12,60 18,64 29,56 88,71 Setor Informal 17,27 3,37 6,59 11,22 18,82 57,64 Desocupados 7,64 4,85 3,95 4,51 9,25 23,85 Não Econ Ativos 17,30 2,75 5,38 10,05 16,62 51,44

34 Gasto per capita em R$ % da Renda Domiciliar Gasto Mensal em Saúde GASTO EM SAÚDE POR QUINTIL Brasil 1o Quintil 2o Quintil 3o Quintil 4o Quintil 5o Quintil 0 Gasto % da Renda pc

35 Comprometimento da Renda com o Gasto em Saúde - 1 Brasil 1 o Ql 2 o Ql 3 o Ql 4 o Ql 5 o Ql Gasto % Renda pc 8,21 9,62 7,33 8,03 8,08 8,07 Por gênero Masculino 9,74 12,61 8,46 9,07 9,24 9,50 Feminino 6,75 6,73 6,26 7,04 6,97 6,73 Por idade Idade < 5 anos 1,05 1,43 0,82 1,03 0,98 0,58 Idade 5 a 14 anos 0,75 1,26 0,54 0,56 0,60 0,43 Idade 15 a 29 anos 4,39 5,52 4,65 4,31 4,34 3,30 Idade 30 a 59 anos 14,84 26,83 14,05 13,37 12,68 11,77 Idade 60 anos e + 20,81 27,76 24,46 20,19 20,10 18,01

36 Comprometimento da Renda com Gasto em Saúde - 2 Por área de Brasil 1 o Ql 2 o Ql 3 o Ql 4 o Ql 5 o Ql residência Área Metropolit. 8,66 16,89 6,84 7,29 7,80 8,36 Área Urbana 8,48 9,38 8,12 8,69 8,50 7,84 Área Rural 5,63 6,09 4,42 6,46 6,31 4,92 Área Rural Isol. 6,83 6,17 6,87 7,98 7,45 7,38 Por situação de trabalho Setor Formal 13,88 22,98 17,14 15,01 13,22 11,76 Setor Informal 9,50 11,77 9,33 9,18 8,55 8,23 Desocupados 8,69 23,45 5,50 3,70 4,33 3,75 Não Econ Ativos 8,39 12,26 7,51 8,03 7,51 7,21

37 Comprometimento da Renda com Gasto em Saúde - 3 Por cobertura plano Brasil 1 o Ql 2 o Ql 3 o Ql 4 o Ql 5 o Ql Coberto Plano ,89 18,37 15,02 13,22 10,16 Não coberto 6,44 7,49 6,42 6,70 5,72 4,65 Por estado de saúde Saúde Muito Boa 4,73 5,90 3,05 3,90 4,90 5,43 Saúde Boa 5,98 5,43 4,77 5,76 6,46 7,54 Saúde Regular 15,86 20,84 14,88 14,50 14,60 14,91 Saúde Ruim 27,11 38,14 24,27 23,99 26,18 21,47 Saúde Muito Ruim 34,96 51,40 36,96 29,64 26,83 32,12

38 % Renda Domiciliar /Capita Comprometimento da Renda com Saúde por Estado de Saúde GASTO EM SAÚDE EM % DA RENDA POR ESTADO DE SAÚDE Saúde Muito Boa Saúde Boa Saúde Regular Saúde Ruim Saúde Muito Ruim

39 Conclusões - 1 Exclusão por cobertura Não, pela existência do SUS Cobertura privada muito desigual Pagamento direto ainda importante (14%, mas < para grupos de baixa renda) Cobertura ampla, mas gasto concentrado em serviços individuais curativos

40 Conclusões - 2 Exclusão por Utilização Oferta de serviços suficiente, embora desequilibrada por tipo de serviço Taxas de utilização (3,9 CM e 7% Internação) aceitáveis, com taxas maiores entre os idosos e os de pior estado de saúde Falhas na oferta ou demanda são baixas (4%), maiores no Q1, devidas a inadequação dos serviços, capacidade de pagar e acesso físico

41 Conclusões 3 Exclusão por financiamento Sistema universal e gratuito, mais justo que outros serviços sociais, mas com evidência de financiamento regressivo Pagamento direto ainda importante (14%) que onera principalmente os grupos de baixa renda Gasto per capita 8% da Renda Domiciliar, decrescente com a Renda

42 Conclusões - 4 Exclusão por qualidade ou dignidade Qualidade melhora para os quintis mais altos, mas permanece boa em todos os quintis Melhor no sistema privado, utilizado pelas pessoas de renda média e alta Diferenças não sistemáticas por raça/cor

43 Conclusões - 5 Marco conceitual STEP útil para classificar e sistematizar tipos de exclusão Mas não permite mensuração da exclusão por falta de critérios núméricos (níveis min/max) PNAD não captura vários aspectos da exclusão, e leva à sua subestimação

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL. Dr Alexandre de Araújo Pereira

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL. Dr Alexandre de Araújo Pereira SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL Dr Alexandre de Araújo Pereira Atenção primária no Brasil e no Mundo 1978 - Conferência de Alma Ata (priorização da atenção primária como eixo de organização

Leia mais

PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento

PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento Jorge Abrahão de Castro Diretor de Temas Sociais da SPI/MPOG Brasília-DF, 26 de agosto de 2015 1 Inovações para o PPA 2016-2019 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

O Financiamento dos hospitais portugueses e a gestão da saúde das populações. Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa

O Financiamento dos hospitais portugueses e a gestão da saúde das populações. Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa O Financiamento dos hospitais portugueses e a gestão da saúde das populações Pedro Pita Barros Faculdade de Economia Universidade Nova de Lisboa Introdução Triângulo: Saúde das populações Financiamento

Leia mais

IV Seminário do Comitê de Estatísticas Sociais

IV Seminário do Comitê de Estatísticas Sociais IV Seminário do Comitê de Estatísticas Sociais Aproveitando a Agenda ODS para repensar indicadores sociais como indicadores de políticas Paulo Jannuzzi SAGI/MDS 2015 O Brasil passou por intensas transformações

Leia mais

AUDIENCIA PÚBLICA NA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMILIA. TEMA : Debater o reajuste da tabela do SUS aplicável aos hospitais filantrópicos

AUDIENCIA PÚBLICA NA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMILIA. TEMA : Debater o reajuste da tabela do SUS aplicável aos hospitais filantrópicos AUDIENCIA PÚBLICA NA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMILIA TEMA : Debater o reajuste da tabela do SUS aplicável aos hospitais filantrópicos Março/15 Formas de transferências federais Per capita Incentivos

Leia mais

MULHERES E TABAGISMO NO BRASIL, O QUE AS PESQUISAS REVELAM MICHELINE GOMES CAMPOS DA LUZ SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE

MULHERES E TABAGISMO NO BRASIL, O QUE AS PESQUISAS REVELAM MICHELINE GOMES CAMPOS DA LUZ SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE MULHERES E TABAGISMO NO BRASIL, O QUE AS PESQUISAS REVELAM MICHELINE GOMES CAMPOS DA LUZ SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Como podemos monitorar o tabagismo nas mulheres no Brasil

Leia mais

Briefing hepatites. Números gerais da Hepatite casos confirmados

Briefing hepatites. Números gerais da Hepatite casos confirmados Briefing hepatites Números gerais da Hepatite casos confirmados Casos acumulados 1999 a 2009 Taxa de incidência/detecção 2009 (nº de casos a cada 100 mil hab.) Óbitos acumulados 1999 a 2009 Coeficiente

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ANÁLISE DOS ESTUDOS... 3 3. CONCLUSÕES... 7. 2010 Teleco. 2 de 7

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ANÁLISE DOS ESTUDOS... 3 3. CONCLUSÕES... 7. 2010 Teleco. 2 de 7 27 de outubro de 2010 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. ANÁLISE DOS ESTUDOS... 3 3. CONCLUSÕES... 7 2010 Teleco. 2 de 7 1. INTRODUÇÃO Vários estudos internacionais têm colocado o Brasil entre os países com

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini

QUESTIONÁRIO SOBRE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini QUESTIONÁRIO SOBRE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE 1. UF: 2. Município:

Leia mais

PARTICIPAÇÃO FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO 1

PARTICIPAÇÃO FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO 1 PARTICIPAÇÃO FEMININA NO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO 1 Ana Luiza Neves de Holanda Barbosa 2 1 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas o papel da mulher na economia e na sociedade como um todo tem passado por

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Betim, MG 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 346,8 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 378089 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Custos para a Assistência à Saúde de Hipertensos e Diabéticos

Custos para a Assistência à Saúde de Hipertensos e Diabéticos Ministério da Saúde / Fundação Oswaldo Cruz Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública Custos para a Assistência à Saúde de Hipertensos e Diabéticos Michelly Geórgia

Leia mais

no Estado do Rio de Janeiro

no Estado do Rio de Janeiro MICROEMPREENDEDORES FORMAIS E INFORMAIS NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 PANORAMA GERAL De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Tribunal de Contas da União Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo - SEPROG Relatório de Monitoramento Programa Saúde da Família- Ministro-Relator: Marcos Vinicios Vilaça Equipe

Leia mais

A ser preenchido para todos os moradores do domicílio com 50 anos e mais de idade, pelos próprios ou pelo informante do domicílio ou pelo cuidador.

A ser preenchido para todos os moradores do domicílio com 50 anos e mais de idade, pelos próprios ou pelo informante do domicílio ou pelo cuidador. Módulo I Saúde dos indivíduos com 50 anos e mais A ser preenchido para todos os moradores do domicílio com 50 anos e mais de idade, pelos próprios ou pelo informante do domicílio ou pelo cuidador. Primeiramente,

Leia mais

Política Nacional de Atenção Básica. Novo Hamburgo, 25 de março o de 2014

Política Nacional de Atenção Básica. Novo Hamburgo, 25 de março o de 2014 Política Nacional de Atenção Básica Novo Hamburgo, 25 de março o de 2014 A ATENÇÃO BÁSICA A AB é o nível de atenção mais próximo das pessoas e deve ser, integral, resolutiva, inserida no território e a

Leia mais

SEGPLAN XVII ENCONTRO NACIONAL DA ANIPES FORTALEZA, DEZEMBRO DE 2012

SEGPLAN XVII ENCONTRO NACIONAL DA ANIPES FORTALEZA, DEZEMBRO DE 2012 SEGPLAN XVII ENCONTRO NACIONAL DA ANIPES FORTALEZA, DEZEMBRO DE 2012 Índice de Desempenho dos Municípios Goianos - IDM THIAGO ALVES, MARCOS ARRIEL, LILLIAN PRADO, EDUIGES ROMANATTO E JULIANA DIAS XVII

Leia mais

INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DA RAA 2016 RESULTADOS PRELIMINARES

INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DA RAA 2016 RESULTADOS PRELIMINARES INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DA RAA 2016 RESULTADOS PRELIMINARES Direção Regional da Saúde junho de 2016 Índice Introdução... 3 1. Dados sociodemográficos... 4 2.

Leia mais

Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Beneficiários

Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Beneficiários Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Beneficiários Objetivos da Pesquisa O objetivo principal da pesquisa é conhecer a satisfação dos consumidores em relação às suas operadoras de planos de saúde. Os

Leia mais

Ouvidoria Unimed-Rio Seminário de Atualização e Implantação de Ouvidoria do Sistema Unimed

Ouvidoria Unimed-Rio Seminário de Atualização e Implantação de Ouvidoria do Sistema Unimed Ouvidoria Unimed-Rio Seminário de Atualização e Implantação de Ouvidoria do Sistema Unimed Missão, Visão e Valores da Unimed-Rio Missão: Oferecer soluções éticas e de qualidade em saúde, compartilhando

Leia mais

PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 47, DE 2015

PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 47, DE 2015 PROJETO DE LEI DA CÂMARA Nº 47, DE 2015 (Nº 3.575/2012, NA CASA DE ORIGEM) Altera os arts. 3º, 15 e 71 da Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências.

Leia mais

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A

SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A número 09- setembro/2015 DECISÃO FINAL RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é

Leia mais

Plano Plurianual - Fundo Municipal de Saúde (art. 165, 1º da Constituição Federal )

Plano Plurianual - Fundo Municipal de Saúde (art. 165, 1º da Constituição Federal ) PROGRAMA: ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVO: Manter as atividades administrativas e operacionais dos órgãos para melhoria da prestação de serviços ao público. Manutenção das Atividades Administrativas Fundo

Leia mais

Maio 2004. São Paulo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. São Paulo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de São Paulo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 I) INTRODUÇÃO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE

Leia mais

NO ÂMBITO DA OCUPAÇÃO

NO ÂMBITO DA OCUPAÇÃO PRINCIPAIS DESTAQUES DA EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NAS SEIS REGIõES METROPOLITANAS DO PAÍS ABRANGIDAS PELA PESQUISA MENSAL DE EMPREGO DO IBGE (RECiFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO

Leia mais

ABAIXO-ASSINADO PELA APROVAÇÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 723 E CONTRA ALTERAÇÕES NA LEI 12.871 QUE RESULTEM EM DESMONTE DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS

ABAIXO-ASSINADO PELA APROVAÇÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 723 E CONTRA ALTERAÇÕES NA LEI 12.871 QUE RESULTEM EM DESMONTE DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS PELA APROVAÇÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 723 E CONTRA ALTERAÇÕES NA LEI 12.871 QUE RESULTEM EM DESMONTE DO PROGRAMA MAIS MÉDICOS No dia 29 de abril de 2016 a presidenta Dilma Rousseff publicou a Medida Provisória

Leia mais

PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JUNHO DE 2012 12 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

ANÁLISE DE INQUÉRITOS SATISFAÇÃO AOS UTENTES

ANÁLISE DE INQUÉRITOS SATISFAÇÃO AOS UTENTES ANÁLISE DE INQUÉRITOS SATISFAÇÃO AOS UTENTES No dia de Novembro de 0 foi aplicado um Inquérito de Satisfação aos Utentes, na USF Monte Pedral. O inquérito aplicado foi: Qual a sua opinião sobre o seu Médico

Leia mais

Seguridade Social na Conjuntura Atual

Seguridade Social na Conjuntura Atual Universidade de Brasília (UnB) Instituto de Ciências Humanas (IH) Departamento de Serviço Social (SER) Programa de pós-graduação em Política Social Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Seguridade Social

Leia mais

Seminário Universalização do saneamento: Desafios e metas para o setor

Seminário Universalização do saneamento: Desafios e metas para o setor Seminário Universalização do saneamento: Desafios e metas para o setor A Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento ASSEMAE É uma organização nãogovernamental, sem fins lucrativos, fundada

Leia mais

NÚMEROS DO SISTEMA UNIMED FERRAMENTAS DE INTERCÂMBIO RANKING DE INTERCÂMBIO

NÚMEROS DO SISTEMA UNIMED FERRAMENTAS DE INTERCÂMBIO RANKING DE INTERCÂMBIO Ranking do Intercâmbio Eletrônico Thiago Trevisan Agenda NÚMEROS DO SISTEMA UNIMED FERRAMENTAS DE INTERCÂMBIO RANKING DE INTERCÂMBIO Números do Sistema Unimed Sistema Unimed Presente em 83% dos Municípios

Leia mais

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de Belo Horizonte Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

ELEMENTOS DE CARACTERIZAÇÃO

ELEMENTOS DE CARACTERIZAÇÃO POPULAÇÃO RESIDENTE Variações da população residente de Lagos muito superiores às da região do Algarve 1981-1991 - Lagos, 9,3%; Algarve 5,5% 1991-21 - Lagos, 18%; Algarve 15,8% O concelho de Lagos detém

Leia mais

CEFET MG: NÚMEROS QUE TRADUZEM UMA HISTÓRIA- 2014

CEFET MG: NÚMEROS QUE TRADUZEM UMA HISTÓRIA- 2014 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CEFET MG: NÚMEROS QUE TRADUZEM UMA HISTÓRIA- 2014 11.821 ALUNOS 1.246 PROFESSORES 550 TÉC. ADMINISTRATIVOS 120 CURSOS CEFET-MG EM NÚMEROS - ANO DE

Leia mais

Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE -

Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE - Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE - Elaboração: (SPM), Fundo de Desenvolvimento das Nações

Leia mais

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS EMENTA: O presente estudo tem por objetivo avaliar o impacto da evolução das operações de crédito para pessoas físicas sobre o orçamento das famílias,

Leia mais

Cobertura de Seguridade Social

Cobertura de Seguridade Social Cobertura de Seguridade Social A cobertura de seguridade social no Brasil: uma análise da componente previdenciária Paulo Tafner e Fabio Giambiagi Buenos Aires, maio/2010 Estrutura do Sistema previdenciário

Leia mais

CURSO COMPLETO de DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2015 Professores ITALO ROMANO e FLAVIANO LIMA

CURSO COMPLETO de DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2015 Professores ITALO ROMANO e FLAVIANO LIMA APOSTILA 01 BENEFÍCIOS Prof. Italo Romano Aspectos Constitucionais da Seguridade Social Anotações Iniciais: 1. CONCEITO DE SEGURIDADE SOCIAL 1.1. A Seguridade social é um conjunto de princípios, normas

Leia mais

Quadro 1 Idades e número de pacientes masculinos e femininos que participaram no rastreio da Colgate do Mês da Saúde Oral 2000. Todos os grupos Idades

Quadro 1 Idades e número de pacientes masculinos e femininos que participaram no rastreio da Colgate do Mês da Saúde Oral 2000. Todos os grupos Idades RELATÓRIO SOBRE OS HÁBITOS DE SAÚDE ORAL DOS PACIETES OBSERVADOS OS COSULTÓRIOS DETÁRIOS DURATE O MÊS DA SAÚDE ORAL, EM PORTUGAL, PATROCIADO PELA COLGATE, 2002 Este relatório apresenta, de uma forma resumida,

Leia mais

RESOLUÇÃO 18 DE 29 DE SETEMBRO DE 1995

RESOLUÇÃO 18 DE 29 DE SETEMBRO DE 1995 RESOLUÇÃO 18 DE 29 DE SETEMBRO DE 1995 Disciplina a assistência psicológica aos beneficiários do Programa de Assistência aos Servidores do Tribunal Regional Federal da Primeira Região Pro-Social. O JUIZ-PRESIDENTE

Leia mais

A Agenda Nacional de Trabalho Decente para a Juventude. Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Porto Alegre 29 de abril de 2014

A Agenda Nacional de Trabalho Decente para a Juventude. Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Porto Alegre 29 de abril de 2014 A Agenda Nacional de Trabalho Decente para a Juventude Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Porto Alegre 29 de abril de 2014 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O conceito de Trabalho Decente 2.

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Perfil das Despesas Indicadores Selecionados 14/09/2012 POF 2008 2009 Objetivos: Investigação dos

Leia mais

O Bolsa Família e a Economia (Olhar sobre Objetivos Finais) Marcelo Neri Fábio Vaz Pedro Souza IPEA

O Bolsa Família e a Economia (Olhar sobre Objetivos Finais) Marcelo Neri Fábio Vaz Pedro Souza IPEA O Bolsa Família e a Economia (Olhar sobre Objetivos Finais) Marcelo Neri Fábio Vaz Pedro Souza IPEA Impactos do Bolsa Família sobre Objetivos Fim (Desenvolvimento Inclusivo Sustentável) Igualdade Olhar

Leia mais

Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde (IACS) O contributo dos Diagnósticos In Vitro

Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde (IACS) O contributo dos Diagnósticos In Vitro Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde (IACS) O contributo dos Diagnósticos In Vitro IACS - Um problema de Saúde Pública Taxa de IACS em Portugal (2012) Mortes em Portugal ICAS (2012) Custos associados

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Comunicação Social 25 de março de 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Taxa de desocupação é de 12% em fevereiro Em fevereiro de 2004, a taxa de desocupação ficou estável tanto em relação ao mês anterior (11,7%)

Leia mais

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO OUTUBRO DE 2013 SUMÁRIO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO... 1 1. Núcleo de Informações

Leia mais

Informações sobre Beneficiários, Operadoras e Planos

Informações sobre Beneficiários, Operadoras e Planos Gerência de Produção de Informação GEPIN/GGSIS/DIDES Informações sobre Beneficiários, Operadoras e Planos DADOS DO SETOR EDIÇÃO: JUNHO/2005 COMPETÊNCIA: MARÇO/2005 O Caderno de Informações de Beneficiários,

Leia mais

Desigualdade de gênero nos bancos

Desigualdade de gênero nos bancos Novembro de 2013 Desigualdade de gênero nos bancos APRESENTAÇÃO De acordo com os dados mais atuais da Relação Anual de Informações Sociais 2012 (RAIS), o setor bancário brasileiro tinha, em dezembro daquele

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social Centro de Imprensa. Índice Futuridade

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social Centro de Imprensa. Índice Futuridade Índice Futuridade Plano Futuridade O FUTURIDADE: Plano Estadual para a Pessoa Idosa é uma iniciativa da Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social - Seads que objetiva fortalecer a rede

Leia mais

O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica.

O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica. O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica. Marcos Paulo Novais Silva José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO Este trabalho analisa a pesquisa Contas Satélite de Saúde 2005-2007, divulgada

Leia mais

Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental.

Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI No 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 171 NOVEMBRO 1989 TABELAS PARA CLASSIFICAÇÃO DO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO

CIRCULAR TÉCNICA N o 171 NOVEMBRO 1989 TABELAS PARA CLASSIFICAÇÃO DO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO IPEF: FILOSOFIA DE TRABALHO DE UMA ELITE DE EMPRESAS FLORESTAIS BRASILEIRAS ISSN 0100-3453 CIRCULAR TÉCNICA N o 171 NOVEMBRO 1989 TABELAS PARA CLASSIFICAÇÃO DO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO INTRODUÇAO Carlos

Leia mais

AULA 2 ESF E A UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE MISSÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

AULA 2 ESF E A UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE MISSÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DISCIPLINA: ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DOCENTE: LUCI CRISTINA P. SUDAN AULA 2 ESF E A UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE MISSÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE Atender a população da área de abrangência ou do território.

Leia mais

Tendências na Gestão Odontológica para Autogestões Definições

Tendências na Gestão Odontológica para Autogestões Definições Definições Autogestão em Saúde: Modelo focado na atenção integral à saúde e à qualidade de vida. Saúde: OMS define saúde como o completo estado de bemestar físico, mental e social, e não simplesmente a

Leia mais

Danielle Celentano. Manaus, 22 de novembro de 2007. Ação Global 2007 Desenvolvimento Social Local : Um desafio para o investimento social privado"

Danielle Celentano. Manaus, 22 de novembro de 2007. Ação Global 2007 Desenvolvimento Social Local : Um desafio para o investimento social privado Danielle Celentano Manaus, 22 de novembro de 2007 Ação Global 2007 Desenvolvimento Social Local : Um desafio para o investimento social privado" Danielle Celentano & Adalberto Veríssimo realização: financiamento:

Leia mais

Cuide de si cuide bem da sua Saúde!

Cuide de si cuide bem da sua Saúde! Eu só confio na Cuide de si cuide bem da sua Saúde! Direcção de Marketing 1 Rede Médis Linha Médis 24h Médico Assistente Médis (MAM) Plano de Saúde Médis Opções, Capitais, Co-Pagamentos, Prémios Períodos

Leia mais

Avaliação de Impacto Objetivos e Forma

Avaliação de Impacto Objetivos e Forma Avaliação de Impacto Objetivos e Forma Laura B. Rawlings Banco Mundial Segundo Workshop Internacional sobre Programas de Transferência Condicional de Renda São Paulo, Brasil - Abril 2004 Esquema Monitoramento

Leia mais

As Mulheres nos Mercados de Trabalho Metropolitanos

As Mulheres nos Mercados de Trabalho Metropolitanos As Mulheres nos Mercados de Trabalho Metropolitanos Taxa de participação feminina diminuiu em boa parte das regiões E ntre 2013 e 2014, a proporção de mulheres com 10 anos ou mais inseridas no mercado

Leia mais

Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015. Três Coroas

Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015. Três Coroas Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015 Três Coroas Mesorregião: Metropolitana de Porto Alegre - Microrregião: Gramado-Canela Área territorial: 185,54 Km2 - Produto Interno Bruto (2013): R$ 776.096.963,00

Leia mais

Profa. Luciana Rosa de Souza

Profa. Luciana Rosa de Souza Profa. Luciana Rosa de Souza o Curto prazo e Longo prazo No estudo da produção, é importante que se diferencie o curto prazo do longo prazo. Curto Prazo: refere-se ao período de tempo no qual um ou mais

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 1 A seguridade social no Brasil... 17

SUMÁRIO. Capítulo 1 A seguridade social no Brasil... 17 SUMÁRIO Capítulo 1 A seguridade social no Brasil... 17 1. Evolução hist rica e composição... 17 2. Definição e natureza jurídica... 18 3. Competência legislativa... 19 4. Princípios informadores... 20

Leia mais

Mercado de Trabalho e Subsídio de Desemprego

Mercado de Trabalho e Subsídio de Desemprego Mercado de Trabalho e Subsídio de Desemprego Mário Centeno Banco de Portugal Repensar a Segurança Social Lisboa, 2 de julho de 2013 A Segurança Social... (i) proteção social; (ii) solidariedade; (iii)

Leia mais

DESAFIOS PARA GARANTIR O TRABALHO DECENTE PARA OS/AS JOVENS, COM ESPECIAL ATENÇÃO ÀS QUESTÕES DE GÊNERO E RAÇA

DESAFIOS PARA GARANTIR O TRABALHO DECENTE PARA OS/AS JOVENS, COM ESPECIAL ATENÇÃO ÀS QUESTÕES DE GÊNERO E RAÇA DESAFIOS PARA GARANTIR O TRABALHO DECENTE PARA OS/AS JOVENS, COM ESPECIAL ATENÇÃO ÀS QUESTÕES DE GÊNERO E RAÇA FORUM NACIONAL TRABALHO DECENTE PARA OS JOVENS: FORTALECENDO A AGENDA NACIONAL DE TRABALHO

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Assunto: Esclarecimentos sobre Leito 87- Leito de Saúde Mental

NOTA TÉCNICA. Assunto: Esclarecimentos sobre Leito 87- Leito de Saúde Mental MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE REGULAÇÃO, AVALIAÇÃO E CONTROLE DE SISTEMAS DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA E TEMÁTICA COORDENAÇÃO-GERAL DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Dor relacionada ao trabalho

Dor relacionada ao trabalho Dor relacionada ao trabalho Designação: Conceito: cumulative trauma disorder Anos 70 Trabalho envolvendo movimentos rápidos e contínuos com relativo pouco gasto de energia. Dor relacionada ao trabalho

Leia mais

Audiência Pública sobre a venda da AMIL para a UNITED HEALTH

Audiência Pública sobre a venda da AMIL para a UNITED HEALTH Audiência Pública sobre a venda da AMIL para a UNITED HEALTH Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados Brasília (DF), 21 de maio de 2013 1 Federação Nacional de Saúde Suplementar

Leia mais

LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO

LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES PROCEDIMENTO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Licença concedida em decorrência de dano físico ou

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL: SEUS BENEFÍCIOS E O DIÁLOGO COM A SOCIEDADE

PREVIDÊNCIA SOCIAL: SEUS BENEFÍCIOS E O DIÁLOGO COM A SOCIEDADE PREVIDÊNCIA SOCIAL: SEUS BENEFÍCIOS E O DIÁLOGO COM A SOCIEDADE GRANDES NÚMEROS DO INSS 1.501 Agências da Previdência Social 39.392 servidores (4.730 peritos médicos) 198.000 pessoas atendidas diariamente.

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CONTAGEM APROVA e eu sanciono a seguinte Lei Complementar:

A CÂMARA MUNICIPAL DE CONTAGEM APROVA e eu sanciono a seguinte Lei Complementar: LEI COMPLEMENTAR nº 041, de 12 de julho de 07 Dispõe sobre os profissionais da saúde da Administração Direta e da Fundação de Assistência Médica e de Urgência de Contagem, e dá outras providências. A CÂMARA

Leia mais

Gênero, morbidade, acesso e utilização de serviços de saúde no Brasil. Gender, morbidity, access and utilization of health services in Brazil

Gênero, morbidade, acesso e utilização de serviços de saúde no Brasil. Gender, morbidity, access and utilization of health services in Brazil 687 Gênero, morbidade, acesso e utilização de serviços de saúde no Brasil Gender, morbidity, access and utilization of health services in Brazil ARTIGO ARTICLE Rejane Sobrino Pinheiro 1 Francisco Viacava

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social

PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social LUCIANO MARTINEZ martinezluciano@uol.com.br Fanpage: facebook.com/professorlucianomartinez

Leia mais

Profª Drª Carmita Abdo Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Projeto Sexualidade (ProSex)

Profª Drª Carmita Abdo Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Projeto Sexualidade (ProSex) Profª Drª Carmita Abdo Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Projeto Sexualidade (ProSex) Distribuição por Gênero 1715 entrevistados 60,3% 39,7% 51,9% Minas Gerais 48,1% (n = 550) (n = 362)

Leia mais

Cobertura do teste Papanicolaou e

Cobertura do teste Papanicolaou e XVIII IEA WORLD CONGRESS OF EPIDEMIOLOGY VII CONGRESSO BRASILEIRO DE EPIDEMIOLOGIA PORTO ALEGRE BRASIL 20 A 24 DE SETEMBRO DE 2008 Cobertura do teste Papanicolaou e fatores associados à não realização

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOCIOECONÔMICO PARA ACOMPANHAMENTO PELO PROJETO SOFIAA SOCIAL ATENÇÃO:

QUESTIONÁRIO SOCIOECONÔMICO PARA ACOMPANHAMENTO PELO PROJETO SOFIAA SOCIAL ATENÇÃO: QUESTIONÁRIO SOCIOECONÔMICO PARA ACOMPANHAMENTO PELO PROJETO SOFIAA SOCIAL ATENÇÃO: A veracidade das respostas deste questionário é necessária e indispensável para sua participação no programa. Todas as

Leia mais

No mês mundial de Saúde Mental, Prefeitura divulga ações realizadas na área

No mês mundial de Saúde Mental, Prefeitura divulga ações realizadas na área No mês mundial de Saúde Mental, Prefeitura divulga ações realizadas na área Em comemoração ao Dia 10 de outubro Dia Mundial de Saúde Mental, a Prefeitura de Fazenda Rio Grande, através da secretaria municipal

Leia mais

Destaques Bradesco Saúde

Destaques Bradesco Saúde Destaques Bradesco Saúde Presença Nacional Consolidou a liderança do mercado brasileiro de saúde suplementar (em faturamento e em beneficiários) em 2014 12,4% de todas as operadoras de planos e seguros

Leia mais

Audiência Pública Financiamento da Saúde. Comissão sobre o Financiamento do Sistema de Saúde do Brasil Brasília (DF), 23 de maio de 2013

Audiência Pública Financiamento da Saúde. Comissão sobre o Financiamento do Sistema de Saúde do Brasil Brasília (DF), 23 de maio de 2013 Audiência Pública Financiamento da Saúde Comissão sobre o Financiamento do Sistema de Saúde do Brasil Brasília (DF), 23 de maio de 2013 1 Federação Nacional de Saúde Suplementar Associadas: 17 grupos empresariais

Leia mais

C,T&I e a Defesa Nacional: a Visão da Indústria

C,T&I e a Defesa Nacional: a Visão da Indústria C, T & I e a Defesa Nacional: A visão da indústria C,T&I e a Defesa: a visão da indústria A indústria e a Defesa Nacional Os desafios de C,T&I no País e a visão da CNI para a Política de Inovação Os desafios

Leia mais

Qual o seu estado conjugal?

Qual o seu estado conjugal? .A. Características Sócio-Demográficas e Apoio Social Horário de Início : Neste módulo, vamos lhe perguntar sobre as suas características pessoais, como sexo e idade, características socioeconômicas, como

Leia mais

Como implementar os critérios de rateio dos recursos das transferências federais: critérios automáticos ou processo de programação?

Como implementar os critérios de rateio dos recursos das transferências federais: critérios automáticos ou processo de programação? CÂMARA DOS DEPUTADOS Comissão Especial destinada a discutir o Financiamento da Saúde Pública. Audiência Pública Como implementar os critérios de rateio dos recursos das transferências federais: critérios

Leia mais

INDICADORES DE SAÚDE

INDICADORES DE SAÚDE Secretaria de Estado da Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador Coordenação de Vigilância e Controle Ambiental de Vetores INDICADORES

Leia mais

Auditoria de Natureza Operacional

Auditoria de Natureza Operacional Tribunal de Contas da União Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo - SEPROG Auditoria de Natureza Operacional Programa Doação, Captação e Transplantes de Órgãos e Tecidos Ministro-Relator:

Leia mais

VCMH/IESS. Variação de Custos Médico Hospitalares. Edição: Agosto de 2014 Data-base: Dezembro de 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO

VCMH/IESS. Variação de Custos Médico Hospitalares. Edição: Agosto de 2014 Data-base: Dezembro de 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO Variação de Custos Médico Hospitalares Edição: Agosto de 2014 Data-base: Dezembro de 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO O VCMH/IESS O índice VCMH/IESS para planos individuais atingiu 16,0% no período de 12 meses terminados

Leia mais

Os Hospitais de Ensino nos Estados Unidos da América. Andre Medici Banco Mundial (LCSHH)

Os Hospitais de Ensino nos Estados Unidos da América. Andre Medici Banco Mundial (LCSHH) Os Hospitais de Ensino nos Estados Unidos da América Andre Medici Banco Mundial (LCSHH) A SAÚDE NOS ESTADOS UNIDOS Alguns números (2006) Gastos com saúde: US$ 1.661,4 bilhoes 16% do PIB é gasto em saúde

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO

GESTÃO DA MANUTENÇÃO Classificação Nível de Criticidade para Equipamentos S Q W Itens para avaliação Segurança cliente interno cliente externo meio-ambiente Qualidade Condição de trabalho Status Equipamento A B D P M Perdas

Leia mais

GUIA DE SINALIZAÇÃO DAS UNIDADES E SERVIÇOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS

GUIA DE SINALIZAÇÃO DAS UNIDADES E SERVIÇOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS GUIA DE SINALIZAÇÃO DAS UNIDADES E SERVIÇOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS 1 COR COR COR C 100 M 70 Y 0 K 0 O AZUL DAS PLACAS DEVE SER CORRESPONDENTE AO DESCRITO NO SISTEMA DE POLICROMIA CMYK, CONFORME

Leia mais

Avaliação de impacto do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte

Avaliação de impacto do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte Avaliação de impacto do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte Índice Programa Escola Integrada Avaliação de impacto Amostra Pesquisa Indicadores Resultados Impactos estimados Comentários Programa

Leia mais

PREVALÊNCIA DO PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) EM MULHERES JOVENS APÓS O PRIMEIRO PARTO EM SÃO PAULO-BRASIL

PREVALÊNCIA DO PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) EM MULHERES JOVENS APÓS O PRIMEIRO PARTO EM SÃO PAULO-BRASIL PREVALÊNCIA DO PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) EM MULHERES JOVENS APÓS O PRIMEIRO PARTO EM SÃO PAULO-BRASIL Rama CH 1,2, Villa LL 3, Longatto-Filho A 4, Pagliusi S 5, Andreoli MA 3, Thomann P 6, Eluf-Neto J

Leia mais

Março/2016 Março/2016

Março/2016 Março/2016 São Paulo 2030 Março/2016 Março/2016 2 de 80 OBJETIVO Mapear as opiniões e as percepções dos moradores da cidade da São Paulo em relação a temas do cotidiano e à prestação de políticas públicas, bem como

Leia mais

Distribuições Conjuntas (Tabelas de Contingência)

Distribuições Conjuntas (Tabelas de Contingência) Cruzamento de Dados Distribuições Conjuntas (Tabelas de Contingência) Lorí Viali, Dr. DESTAT/FAMAT/PUCRS viali@pucrs.br http://www.pucrs.br/famat/viali Distribuição Conjunta Exemplo (tabela um) Suponha

Leia mais

DETERMINANTES DO CRESCIMENTO DA RENDA

DETERMINANTES DO CRESCIMENTO DA RENDA DETERMINANTES DO CRESCIMENTO DA RENDA na região metropolitana do Rio de Janeiro entre 2010 e 2011 NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JANEIRO DE

Leia mais

Apresentação de Resultados 2012. Reunião do GTAE dia 18 de janeiro de 2013

Apresentação de Resultados 2012. Reunião do GTAE dia 18 de janeiro de 2013 Apresentação de Resultados 2012 Criação do Grupo de Trabalho na área do Envelhecimento (GTAE) No dia 13 de abril de 2012, na sessão extraordinária do Conselho Local de Ação Social de Faro, foi proposta

Leia mais

É PRECISO MELHORAR O ORÇAMENTO COM A ASSISTÊNCIA MÉDICA E ODONTOLÓGICANO TRT DE SÃO PAULO

É PRECISO MELHORAR O ORÇAMENTO COM A ASSISTÊNCIA MÉDICA E ODONTOLÓGICANO TRT DE SÃO PAULO É PRECISO MELHORAR O ORÇAMENTO COM A ASSISTÊNCIA MÉDICA E ODONTOLÓGICANO TRT DE SÃO PAULO O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª. Região TRT 2 tem uma dotação 1 inicial de R$ 26,4 milhões no orçamento de

Leia mais

Processo Seletivo. Para atuar em Equipe NASF. Vaga em Aberto e Formação de Cadastro Reserva

Processo Seletivo. Para atuar em Equipe NASF. Vaga em Aberto e Formação de Cadastro Reserva Processo Seletivo Para atuar em Equipe NASF Vaga em Aberto e Formação de Cadastro Reserva Categoria Total de vagas Vagas Pessoas com Deficiência Carga Horária Semanal Vencimento Mensal (R$) Pré-Requisito

Leia mais

Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1

Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1 Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1 1. Conceituação Número médio de consultas médicas apresentadas 1 no Sistema Único de Saúde (SUS) por habitante, em determinado espaço geográfico, no

Leia mais

2. COMPARAÇÃO DE PERFIL ENTRE ADIMPLENTES E INADIMPLENTES

2. COMPARAÇÃO DE PERFIL ENTRE ADIMPLENTES E INADIMPLENTES PERFIL DO CONSUMIDOR COM E SEM DÍVIDAS NO BRASIL 1. PESQUISA Pesquisa inédita realizada pela CNDL e SPC Brasil buscou avaliar o perfil dos brasileiros adimplentes e inadimplentes, sendo consideradoscomo:

Leia mais

Programa de Apoio e Qualificação dos Hospitais Públicos de Referência Local e Microrregional do Paraná - HOSPSUS Fase 3

Programa de Apoio e Qualificação dos Hospitais Públicos de Referência Local e Microrregional do Paraná - HOSPSUS Fase 3 Programa de Apoio e Qualificação dos Hospitais Públicos de Referência Local e Microrregional do Paraná - HOSPSUS Fase 3 Paraná 2013 HOSPSUS FASE 3 Objetivos: - Apoiar os Hospitais de referência local e

Leia mais

Resolução COFEN Nº. 293/2004

Resolução COFEN Nº. 293/2004 Resolução COFEN Nº. 293/2004 Anexo II METODOLOGIA DE CÁLCULO DE PESSOAL DE ENFERMAGEM I) UNIDADE DE INTERNAÇÃO 1-UNIDADE DE INTERNAÇÃO (UI): Local com infraestrutura adequada para a permanência do paciente

Leia mais