AULA 2 ESF E A UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE MISSÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 2 ESF E A UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE MISSÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE"

Transcrição

1 DISCIPLINA: ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DOCENTE: LUCI CRISTINA P. SUDAN AULA 2 ESF E A UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE MISSÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE Atender a população da área de abrangência ou do território. Realizar a Vigilância à saúde e esse território deve ser entendido como um espaço em permanente construção. Realizar oficinas de trabalho para o processo de territorialização e atualizar constantemente os dados por meio de várias estratégias, entre elas a visita domiciliar. Prestar cuidados e orientações em saúde. AÇÕES DESENVOLVIDAS NA UBS Ações de promoção e prevenção. Consultas médicas e de enfermagem. Ações de controle e de educação à saúde aos grupos: puericultura, pré-natal, controle de hipertensão e diabetes, programa de imunização, planejamento familiar, entre outros. A ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE Rede regionalizada e hierarquizada em níveis de complexidade crescente das ações de saúde. Com tecnologia adequada em cada nível de complexidade Com fluxo de referência e contra-referência, visando o atendimento integral da população. A unidade Básica deve atender a uma demanda universal de forma equânime, integral e com resolutividade maior que 80% das intercorrências. É responsável pelo acompanhamento programático de grupos etários considerados prioritários (menores de 1 ano, gestantes, idosos, etc.) e de portadores de doenças crônicas (hipertensão, diabetes, tuberculose, desnutrição, etc). Realiza Vigilância em Saúde em seu território 1

2 Realiza relações política com a comunidade e outros. Tem como proposta realizar a atenção à saúde na lógica do SUS, rompendo com a idéia de atenção centrada no baixo custo, simplificada e com poucos equipamentos. Deve ser estruturada para que atenda de forma eficiente e eficaz as necessidades de saúde da população adscrita. ESTRUTURA FÍSICA DA UBS Recepção, arquivo de prontuário Sala de espera Sala da gerência Sala de imunização, consultórios médicos (ginecologia, pediatria e clínica geral). Sala de curativos e/ou procedimentos. Sala para administração de medicamentos Sala de inalação. Sala de vacinas Farmácia (sala p/ armazenamento de medicamentos) Sala para atendimento de enfermagem Sala para agentes comunitários de saúde Consultório odontológico e escovário. Sala de reuniões e educação em saúde. Sala de esterilização. Sala de expurgo. Sanitários para pacientes e funcionários Depósito para materiais de limpeza Abrigo para resíduos sólidos Copa/cozinha A UBS E A ATENÇÃO BÁSICA UBS: é porta de entrada para o sistema de atenção à saúde. Atende as necessidades das demandas sanitárias e demandas por ações clínicas. 2

3 DEMANDAS SANITÁRIAS Saneamento do meio Desenvolvimento nutricional Vacinação Informação em saúde. DEMANDAS CLÍNICAS Vigilância epidemiológica: promoção à saúde, prevenção e tratamento de doenças de relevância epidemiológica. Ações clínicas: promoção à saúde, prevenção, tratamento e recuperação de doenças, com apoio de técnicas diagnósticas e terapêuticas, além da aplicação de diferentes saberes e integração de ações individuais e coletivas. A UBS E A ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ESF: reorganização do modelo de atenção à saúde, sintonizada com os princípios do SUS novas práticas de atenção à saúde. Novas práticas: vínculo, compromisso e abordagem humanizada à população adscrita. A equipe precisa conhecer a realidade da população que atende: organização familiar e comunitária. Desenvolver planejamento a partir da realidade local e executar ações compatíveis com as necessidades. COMO OBTER INFORMAÇÕES PARA CONHECER A REALIDADE LOCAL? Cadastramento das famílias. Oficinas de territorialização. Visitas domiciliares. Análise de indicadores de mortalidade e morbidade. Obtenção de informações com informante chave da comunidade. Análise de informações sobre a cobertura, produção e produtividade de serviços realizados. 3

4 A UBS E A EQUIPE DE SAÚDE Médico clínico geral, ginecologista e pediatra Enfermeiro/gerência Técnico e/ou Auxiliar de enfermagem Odontólogo Técnico de higiene bucal (THD) Auxiliar de consultório dentário (ACD) GERÊNCIA DA UBS Responsável pela condução do processo de trabalho. Deve dar direção às ações, com responsabilidade, articulando por meio de negociação política, os recursos humanos, financeiros, materiais e tecnológicos em consonância às necessidades da população do território. Deve conhecer o perfil epidemiológico da população de seu território, por meio de um desenho através da análise de informações demográficas, de morbimortalidade e condições de vida da população. Priorizar os problemas e realizar propostas de intervenção sobre os mesmos. A EQUIPE DE SAÚDE DA FAMÍLIA 1 médico generalista 1 enfermeiro 1 auxiliar de enfermagem 1 odontólogo 1 THD 1 ACD 4 a 6 agentes comunitários de saúde (ACS) O nº de ACS varia de acordo com o nº de famílias 400 a 750 pessoas a serem acompanhadas. Cada equipe responsabiliza-se pela população do território 600 a 1000 famílias, ou 2400 a 4500 pessoas. Carga horária da equipe: 40 horas semanais visitas domiciliares, As Atividades realizadas pela equipe são: 4

5 ações programadas à criança, adolescente, adulto e idosos, consultas médicas, de enfermagem e odontológica, educação em saúde, ações específicas aos grupos de maior risco de adoecer e morrer, entre outros. TERRITORIALIZAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE TERRITÓRIO DISTRITO SANITÁRIO TERRITÓRIO ÁREA DE ABRANGÊNCIA TERRITÓRIO ÁREA DE INFLUÊNCIA TERRITÓRIO MICRO ÁREA DE RISCO TERRITÓRIO DOMICÍLIO PROBLEMA DE SAÚDE SETOR CENSITÁRIO BAIRRO TERRITÓRIO DISTRITO SANITÁRIO Tem caráter político-administrativo. Compreende uma área geográfica. Comporta uma população com características epidemiológicas e sociais. Composto por bairros de um município ou vários municípios de uma região. TERRITÓRIO ÁREA DE ABRANGÊNCIA Área de responsabilidade de uma unidade de saúde. Baseia-se em critérios de acessibilidade geográfica e fluxo da população. ACESSIBILIDADE AOS SERVIÇOS GEOGRÁFICO distância percorrida, disponibilidade de transporte, obstáculos. FUNCIONAL Tipos de serviços que são oferecidos, horário de funcionamento e qualidade. 5

6 CULTURAL Inserção dos serviços de saúde nos hábitos e costumes da população. ECONÔMICO Não disponibilização dos serviços à população. TERRITÓRIO ÁREA DE INFLUÊNCIA A população procura a assistência deslocando-se a outra UBS por terem maior afinidade com a equipe de saúde. TERRITÓRIO MICRO ÁREA DE RISCO População tem condições de vida homogênea de risco e quando é traçado o perfil epidemiológico pode-se definir as ações de saúde a serem desenvolvidas com a comunidade. TERRITÓRIO DOMICÍLIO Quando é feito o detalhamento do território em nível de domicílio, possibilitando assim, a adscrição de clientela, além de estabelecer as ações de controle de saúde. PROBLEMA DE SAÚDE É toda situação encontrada no território estudado nos aspectos: valores, padrões do ator social que são compreendidos por: equipe, população e governo. Embora seja um desconforto, há possibilidade de atuação, de interferir sobre uma situação. Além disso, cada um percebe a realidade desde o seu lugar e identifica como problema as situações que o incomodam. Impede o ator de atingir seus objetivos que é mudar a realidade. 6

7 SETOR CENSITÁRIO É a unidade básica de coleta para o Censo Demográfico, estabelecido pelo IBGE. BAIRRO Conglomerados estabelecidos pela própria população. Trata-se de bairros, vilas e jardins. TERRITORIALIZAÇÃO Trata-se de um processo, os quais todas as informações da área passa a ser estudada estrategicamente. Os dados são obtidos pelos sistemas de informação em saúde, em bancos de dados de nível central: Município, Estado e do País. Outra técnica para obtenção dos dados é por estimativa rápida participativa. ESTIMATIVA RÁPIDA Consiste em uma técnica de pesquisa para se conhecer o território, por meio de trabalho de campo. Tem como objetivo colher dados para a divisão do território em micro-áreas quanto às condições de vida da população. ETAPAS PARA A COLETA DE DADOS Levantamento das informações já disponíveis da área tais como os dados demográficos e epidemiológicos. Preparo do questionário a ser utilizado. Conhecimento do território por meio de elaboração mapa inteligente. Formulação de hipótese de sua divisão por micro-áreas pelos dados já conhecidos pela equipe. Identificação dos informantes-chaves do local para a realização de entrevistas para coletar os dados (fonte primária). A escolha dos informantes-chaves é muito importante e deve ser constituídos por moradores. 7

8 As informações a serem fornecidas compreendem em: característica do solo, do meio ambiente, infra-estrutura, características sócio-econômicas, etc. A coleta deve ser adequada à realidade que está sendo estudada. UTILIZAÇÃO DE FONTES SECUNDÁRIAS Utilização de dados já disponíveis (cadastramento das famílias ficha A). Utilização de informações fornecidas pelo IBGE. Pelas Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde: Secretaria de Saúde, Ação Social, Educação, Meio Ambiente, do Trabalho, etc. Pelas companhias de abastecimento de água e esgoto, limpeza urbana, energia elétrica. Nos Conselhos Locais de Saúde. Nos Departamento de Trânsito, etc. Pela realização de pesquisas de campo que podem fornecer dado0s sobre as condições de vida da população. COMO RECONHECER O TERRITÓRIO? Necessário realizar um passeio ambiental pela área de abrangência. Observar: aspectos físicos como a topografia, condições e densidade das habitações, sistema de drenagem, esgoto a céu aberto, acúmulo de lixos, fundo de vales, córregos e outros. INDICADORES PARA DEFINIÇÃO DE MICRO-ÁREAS DE RISCO Barreira geográfica Moradia Abastecimento de água Coleta de lixo Renda familiar Transporte Escolaridade Perfil de morbimortalidade Violência Serviço Organização social Rede de esgoto 8

9 ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE INFORMAÇÕES DO TERRITÓRIO CARACTERÍSTICAS DO SOLO Topografia: cumes, encostas, baixadas, etc. Propriedade: pública, privada, não legalizada, etc. Uso do solo: residencial, comercial, agrícola, área verde, etc. Tempo de urbanização. Declividade: muito íngreme, íngreme, plano. Densidade de habitações: baixa, regular, elevada. CARACTERÍSTICAS DO MEIO AMBIENTE, INFRAESTRUTURA E DOTAÇÕES DOMÉSTICAS Condições de moradia: precária, semiprecária, permanente. Abastecimento de água: rede encanada com abastecimento regular, rede encanada com abastecimento irregular, ligações clandestinas à rede oficial, uso de fontes, poços, bicas, riachos, etc. Sistema de esgoto: rede oficial, fossas, esgotos a céu aberto, ausente. Eletricidade: rede oficial, ligações clandestinas, ausente. Sistema de coleta de lixo: regular e irregular. Transporte: número de linhas, destino, frequência. Presença de outros serviços: farmácias, escolas, outros serviços públicos. CARACTERÍSTICAS SÓCIO-ECONÔMICAS Nível de renda familiar. Tipo de ocupação mais frequente, se trabalho autônomo, informal, etc. Presença de produção doméstica ou comunitária para o auto consumo. Nível de educação médio: presença de analfabetismo (elevado, regular, baixa), grau de escolaridade médio (série/grau). 9

QUESTIONÁRIO SOBRE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini

QUESTIONÁRIO SOBRE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini QUESTIONÁRIO SOBRE ATRIBUIÇÕES DOS PROFISSIONAIS Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE 1. UF: 2. Município:

Leia mais

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL. Dr Alexandre de Araújo Pereira

SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL. Dr Alexandre de Araújo Pereira SAÚDE MENTAL E ATENÇÃO PRIMARIA À SAÚDE NO BRASIL Dr Alexandre de Araújo Pereira Atenção primária no Brasil e no Mundo 1978 - Conferência de Alma Ata (priorização da atenção primária como eixo de organização

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE BUCAL

POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE BUCAL UNIME- União Metropolitana de Educação e Cultura Faculdade de Ciências Agrárias e da Saúde Curso de Odontologia INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS ODONTOLÓGICAS POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE BUCAL Professores(as): Michelle

Leia mais

Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Ministério da Saúde

Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Ministério da Saúde Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde Ministério da Saúde COOPERAÇÃO TÉCNICA BRASIL/CUBA/HAITI FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS DE NÍVEL MÉDIO DA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Oficina de trabalho

Leia mais

MONITORAMENTO DA ATENÇÃO BÁSICA E EQUIPES DE SAÚDE NO ESTADO DE SÃO PAULO

MONITORAMENTO DA ATENÇÃO BÁSICA E EQUIPES DE SAÚDE NO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO DE SAÚDE MONITORAMENTO DA ATENÇÃO BÁSICA E EQUIPES DE SAÚDE NO ESTADO DE SÃO PAULO Orientação ao Interlocutor: 1. Explore bem o

Leia mais

Resumo da Lei nº8080

Resumo da Lei nº8080 Resumo da Lei nº8080 Lei n. 8.080, 19 de setembro de 1990 Sancionada pelo Presidente da República, Sr. Fernando Collor, e decretada pelo Congresso Nacional, foi publicada no Diário Oficial da União em

Leia mais

Planejamento da Estrutura das Unidades da Saúde da Família no Estado do Paraná. Fevereiro de 2013

Planejamento da Estrutura das Unidades da Saúde da Família no Estado do Paraná. Fevereiro de 2013 Planejamento da Estrutura das Unidades da Saúde da Família no Estado do Paraná Fevereiro de 2013 Missão Formular a Política de Atenção Primária no Estado do Paraná implementando as ações e serviços para

Leia mais

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo. Consolidando a eficiência do Sistema e a qualidade da atenção à saúde

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo. Consolidando a eficiência do Sistema e a qualidade da atenção à saúde I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo Consolidando a eficiência do Sistema e a qualidade da atenção à saúde Missão A OS -ACSC, imbuída de filosofia cristã, tem como missão

Leia mais

Ana Vanda Bassara PLANO DE TRABALHO DOCENTE SEMESTRAL

Ana Vanda Bassara PLANO DE TRABALHO DOCENTE SEMESTRAL Ana Vanda Bassara Ensino Público de Qualidade que faz a Diferença! Ensino Fundamental, Médio e Profissional. Avenida das Acácias, 60, Jardim Pérola D Oeste, 85012-130 Telefone: (42) 3623 3394 / 36235954

Leia mais

NAD PS Nagib Jorge Farah Jardim América Auditório Sala de Aula

NAD PS Nagib Jorge Farah Jardim América Auditório Sala de Aula NAD PS Nagib Jorge Farah Jardim América Auditório Sala de Aula NAD PS Alice Tibiriçá Irajá NAD PS Alice Tibiriçá Irajá Sala de Informática NAD Coordenação AP 3.2 Lins Sala de Aula NAD Coordenação AP 3.2

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2012. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2012 Ensino Técnico ETEC DR. FRANCISCO NOGUEIRA DE LIMA Código: 059 Município: Casa Branca Eixo Tecnológico: Saúde, Ambiente e Segurança Habilitação Profissional: Técnico de Segurança

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Aglomerados subnormais Primeiros resultados

Censo Demográfico 2010. Aglomerados subnormais Primeiros resultados Censo Demográfico 2010 Aglomerados subnormais Primeiros resultados Rio de Janeiro, 21 de dezembro de 2011 Conceito de Aglomerado Subnormal Conceito de Aglomerado Subnormal no IBGE É um conjunto constituído

Leia mais

A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrado

A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrado A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrado Acompanhamento Familiar Construção do Meu ponto de Vista acerca do Protocolo e da Tipificação Quais as mudanças percebidas na gestão dos CRAS a partir da

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA CNPJ: 04.213.687/0001-02

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE COLNIZA CNPJ: 04.213.687/0001-02 ANEXO I CARGOS, VAGAS, ESCOLARIDADE MÍNIMA EXIGIDA, CARGA HORÁRIA SEMANAL E VENCIMENTO Cargo Nº. Vagas/ por micro-área Escolaridade Mínima Carga Horária Semanal Vencimento Mensal Inicial (R$) Agente Comunitário

Leia mais

A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrada

A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrada A Tipificação e o Protocolo de Gestão Integrada As mudanças com a TIPIFICAÇÃO E O PROTOCOLO DE GESTÃO INTEGRADA nos serviços de Garantia de Direitos Quais as mudanças percebidas na garantia de direitos

Leia mais

Plano Plurianual - Fundo Municipal de Saúde (art. 165, 1º da Constituição Federal )

Plano Plurianual - Fundo Municipal de Saúde (art. 165, 1º da Constituição Federal ) PROGRAMA: ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVO: Manter as atividades administrativas e operacionais dos órgãos para melhoria da prestação de serviços ao público. Manutenção das Atividades Administrativas Fundo

Leia mais

Eixo de Análise Pontos Positivos Recomendações

Eixo de Análise Pontos Positivos Recomendações Resultados Capítulo III Tabela III.55 Pontos positivos e recomendações Eixo de Análise Pontos Positivos Recomendações Atuação das ESF Divulgação do trabalho, sensibilização Capacidade de atendimento Relacionamento

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA - NASF. Alexandre de Araújo Pereira

SAÚDE PÚBLICA - NASF. Alexandre de Araújo Pereira SAÚDE PÚBLICA - NASF Alexandre de Araújo Pereira Portaria:GM154 de 01/2008 Objetivos: 1. Ampliar o escopo das ações 2. Aumentar a resolubilidade da estratégia 3. Aumentar a integralidade das ações Atuação:

Leia mais

EDITAL FUNDASUS Nº 02/2013.

EDITAL FUNDASUS Nº 02/2013. EDITAL FUNDASUS Nº 02/2013. RETIFICAÇÃO DO EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO POR TEMPO DETERMINADO PARA OS EMPREGOS PÚBLICOS DE ANALISTA DE SISTEMAS, ASSISTENTE SOCIAL, BIÓLOGO,

Leia mais

QUESTÕES DE LÍNGUA PORTUGUESA

QUESTÕES DE LÍNGUA PORTUGUESA QUESTÕES DE LÍNGUA PORTUGUESA LEIA O TEXTO ABAIXO, PARA RESPONDER ÀS QUESTÕES QUE SEGUEM: A PREVENÇÃO É A ÚNICA ARMA CONTRA A DOENÇA A MELHOR FORMA DE SE EVITAR A DENGUE É COMBATER OS FOCOS DE ACÚMULO

Leia mais

PARECER COREN-SP 50/2013 CT PRCI n 100.568 Tickets nº 248.970, 285.940, 292.345, 297.031 e 295.651

PARECER COREN-SP 50/2013 CT PRCI n 100.568 Tickets nº 248.970, 285.940, 292.345, 297.031 e 295.651 PARECER COREN-SP 50/2013 CT PRCI n 100.568 Tickets nº 248.970, 285.940, 292.345, 297.031 e 295.651 Ementa: Encaminhamento de paciente para outros profissionais pelo Enfermeiro. 1. Do fato Enfermeiros que

Leia mais

TÍTULO: AUTORES INNSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES INNSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA INCLUSÃO DA FISIOTERAPIA NO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA AUTORES: Aglaê Dias Arruda, Bianca Nunes Guedes(bia.nunesguedes@bol.com.br), Fabiana Rocha Lima, Kátia Suely Q da S. Ribeiro,

Leia mais

01. Em se tratando de saúde, quais são as principais atribuições do agente comunitário de saúde?

01. Em se tratando de saúde, quais são as principais atribuições do agente comunitário de saúde? QUESTÕES OBJETIVAS AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE 01. Em se tratando de saúde, quais são as principais atribuições do agente comunitário de saúde? a) Promoção da saúde e prevenção de doenças. b) Promoção

Leia mais

O QUE ESPERAR DE UMA ESPECIALIZAÇÃO DE 360H?

O QUE ESPERAR DE UMA ESPECIALIZAÇÃO DE 360H? XII Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade Belém/PA O QUE ESPERAR DE UMA ESPECIALIZAÇÃO DE 360H? Marcelo Gonçalves Depto. Medicina Social / UFRGS Contexto Insuficiência de profissionais

Leia mais

Unidades de Saúde. 22 Unidades de saúde

Unidades de Saúde. 22 Unidades de saúde Unidades de Saúde Na chamada rede básica de saúde há vários tipos de unidades de saúde que apresentam estruturas diversas e com diferentes capacidades de resolver situações simples e/ou complexas, que

Leia mais

PARECER COREN-SP 031 /2013 CT. PRCI n 101.092. Tickets nºs 290.315, 293.537 e 299.887

PARECER COREN-SP 031 /2013 CT. PRCI n 101.092. Tickets nºs 290.315, 293.537 e 299.887 PARECER COREN-SP 031 /2013 CT PRCI n 101.092 Tickets nºs 290.315, 293.537 e 299.887 Ementa: Realização de teste de gravidez e informação do resultado. 1. Do fato Auxiliares e Técnicos de Enfermagem questionam

Leia mais

Programa Bolsa Família

Programa Bolsa Família Acompanhamento das Condicionalidades do Programa Bolsa Família Na Saúde COORDENAÇÃO-GERAL DA POLÍTICA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ATENÇÃO A SAÚDE MINISTÉRIO DA

Leia mais

Indicadores de Belo Monte

Indicadores de Belo Monte Indicadores de Belo Monte Assistência nas Aldeias 2 de 10 Número de atendimentos por aldeia, por categoria profissional Indicador: Acesso à saúde nas aldeias Descrição: Apresenta o número de atendimentos

Leia mais

O MP E A FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS

O MP E A FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS O MP E A FISCALIZAÇÃO DO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SUAS Redesenho/Reestruturação Orgânica da Política de Assistência Social estão Estabelecidos em 4 Instrumentos Básicos: Política Nacional de

Leia mais

SEGPLAN XVII ENCONTRO NACIONAL DA ANIPES FORTALEZA, DEZEMBRO DE 2012

SEGPLAN XVII ENCONTRO NACIONAL DA ANIPES FORTALEZA, DEZEMBRO DE 2012 SEGPLAN XVII ENCONTRO NACIONAL DA ANIPES FORTALEZA, DEZEMBRO DE 2012 Índice de Desempenho dos Municípios Goianos - IDM THIAGO ALVES, MARCOS ARRIEL, LILLIAN PRADO, EDUIGES ROMANATTO E JULIANA DIAS XVII

Leia mais

Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1

Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1 Número de consultas médicas (SUS) por habitante F.1 1. Conceituação Número médio de consultas médicas apresentadas 1 no Sistema Único de Saúde (SUS) por habitante, em determinado espaço geográfico, no

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Betim, MG 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 346,8 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 378089 hab. Densidade demográfica

Leia mais

DECRETO Nº 707 DE 11 DE MARÇO DE 2013

DECRETO Nº 707 DE 11 DE MARÇO DE 2013 DECRETO Nº 707 DE 11 DE MARÇO DE 2013 Estabelece a Estrutura Organizacional Básica da Secretaria Municipal de Saúde SEMSA. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO, Capital do Estado do Acre, no uso das atribuições

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Perfil das Despesas Indicadores Selecionados 14/09/2012 POF 2008 2009 Objetivos: Investigação dos

Leia mais

GUIA DE SINALIZAÇÃO DAS UNIDADES E SERVIÇOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS

GUIA DE SINALIZAÇÃO DAS UNIDADES E SERVIÇOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS GUIA DE SINALIZAÇÃO DAS UNIDADES E SERVIÇOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS 1 COR COR COR C 100 M 70 Y 0 K 0 O AZUL DAS PLACAS DEVE SER CORRESPONDENTE AO DESCRITO NO SISTEMA DE POLICROMIA CMYK, CONFORME

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Fachada da Unidade Básica de Saúde implanta no RUC Jatobá para os novos moradores. O objetivo dessa unidade é acompanhar o andamento

Leia mais

O SUAS COMO PARCEIRO NA PROMOÇÃO, DEFESA E GARANTIA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

O SUAS COMO PARCEIRO NA PROMOÇÃO, DEFESA E GARANTIA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA O SUAS COMO PARCEIRO NA PROMOÇÃO, DEFESA E GARANTIA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA RACHEL FERNANDA MATOS DOS SANTOS Assistente Social CRESS 35.724 CAO Cível

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA S UBSÍDIAR POLÍTICAS DE S AÚDE

INFORMAÇÕES PARA S UBSÍDIAR POLÍTICAS DE S AÚDE Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos PROJETO PARA APRESENTAÇÃO AO MINISTÉRIO DA SAÚDE INFORMAÇÕES PARA S UBSÍDIAR POLÍTICAS DE S AÚDE 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Título:

Leia mais

MULHERES E TABAGISMO NO BRASIL, O QUE AS PESQUISAS REVELAM MICHELINE GOMES CAMPOS DA LUZ SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE

MULHERES E TABAGISMO NO BRASIL, O QUE AS PESQUISAS REVELAM MICHELINE GOMES CAMPOS DA LUZ SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE MULHERES E TABAGISMO NO BRASIL, O QUE AS PESQUISAS REVELAM MICHELINE GOMES CAMPOS DA LUZ SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Como podemos monitorar o tabagismo nas mulheres no Brasil

Leia mais

ATENDIMENTO AO PÚBLICO 12 26 ATENDIMENTO AO PÚBLICO 12 22 MANIPULADOR DE ALIMENTOS 12 28

ATENDIMENTO AO PÚBLICO 12 26 ATENDIMENTO AO PÚBLICO 12 22 MANIPULADOR DE ALIMENTOS 12 28 ATENDIMENTO AO PÚBLICO 12 26 ATENDIMENTO AO PÚBLICO 12 22 MANIPULADOR DE ALIMENTOS 12 28 MANIPULADOR DE ALIMENTOS 12 25 O ATENDIMENTO À CRIANÇA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE DUAS INSTITUIÇÕES

Leia mais

50 anos a trabalhar pela saúde das pessoas

50 anos a trabalhar pela saúde das pessoas 50 anos a trabalhar pela saúde das pessoas 0 Intervenções Prácticas para a Melhora dos Processos de Planificação e Gestão Sanitária Mapas Sanitários da Área Municipal da Cidade de Maputo Março Julho 2013

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 21 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

PLANO DE GOVERNO UNIÃO DEMOCRÁTICA E POPULAR 2013-2016 SAÚDE

PLANO DE GOVERNO UNIÃO DEMOCRÁTICA E POPULAR 2013-2016 SAÚDE PLANO DE GOVERNO UNIÃO DEMOCRÁTICA E POPULAR 2013-2016 SAÚDE Valorização dos profissionais dentro disso; analisar a possibilidade da criação de plano de carreira de todos os profissionais da prefeitura;

Leia mais

PLANO DE GOVERNO GESTÃO 2013-2016 VARGEÃO PARA TODOS

PLANO DE GOVERNO GESTÃO 2013-2016 VARGEÃO PARA TODOS PLANO DE GOVERNO GESTÃO 2013-2016 VARGEÃO PARA TODOS 01 EDUCAÇÃO Aderir à municipalização do Ensino Fundamental, conforme programa da Secretaria de Estado da Educação; Adquirir e ampliar o uso de laptops

Leia mais

PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento

PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento PPA e o SUS: gestão, participação e monitoramento Jorge Abrahão de Castro Diretor de Temas Sociais da SPI/MPOG Brasília-DF, 26 de agosto de 2015 1 Inovações para o PPA 2016-2019 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO

Leia mais

POLITÍCA A N ACIONAL L DE ATENÇAO BÁSICA

POLITÍCA A N ACIONAL L DE ATENÇAO BÁSICA POLITÍCA NACIONAL DE ATENÇAO BÁSICA O PACTO PELA VIDA 2006 PORTARIA Nº 399/GM DE 22 DE FEVEREIRO DE 2006. Conjunto de compromissos sanitários,expressos em objetivos de processos e resultados e derivados

Leia mais

PROGRAMA DE GOVERNO ELEIÇÕES 2012 CANDIDATA: ANGELA MARIA FERREIRA ALVES 13 PT POCRANE MG

PROGRAMA DE GOVERNO ELEIÇÕES 2012 CANDIDATA: ANGELA MARIA FERREIRA ALVES 13 PT POCRANE MG PROGRAMA DE GOVERNO ELEIÇÕES 2012 CANDIDATA: ANGELA MARIA FERREIRA ALVES 13 PT POCRANE MG 1 Implantação de um governo com planejamento, participação popular, ética e transparência. I- EDUCAÇÃO: Potencializar

Leia mais

Programação Anual de Saúde - PAS 2016 LOA 2016 Programa Saúde Mais Perto de Você

Programação Anual de Saúde - PAS 2016 LOA 2016 Programa Saúde Mais Perto de Você Programação Anual de Saúde - PAS 2016 LOA 2016 Programa Saúde Mais Perto de Você Palmas - Novembro de 2015 GOVERNADOR DO ESTADO DO TOCANTINS Marcelo de Carvalho Miranda SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE Samuel

Leia mais

Linhas de Cuidado - Saúde Bucal

Linhas de Cuidado - Saúde Bucal PLANO REGIONAL DE SAUDE DA PESSOA IDOSA DRS V Barretos EIXOS COLEGIADOS DE GESTÃO REGIONAL CGR NORTE E SUL PRIORIDADE 01: EIXO 1 Melhoria da cobertura vacinal VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE - Sensibilizar

Leia mais

OS PROJETOS EM GUARULHOS SÃO PAULO - BRASIL

OS PROJETOS EM GUARULHOS SÃO PAULO - BRASIL OS PROJETOS EM GUARULHOS SÃO PAULO - BRASIL Indicadores de resultado de saúde Distrito 1.2 1.4 1.5 1.6 1.7 1.8 1.9 1.10.a 1.10.b 1.11 1.12 Masc Fem Total 05_14 15_49 50_e+ DS Cabucu 11,08 20,17 6,96 1,39

Leia mais

UNIMED JOINVILLE - SC

UNIMED JOINVILLE - SC UNIMED JOINVILLE - SC UNIMED JOINVILLE - SC PROGRAMA SAÚDE DO COLABORADOR Autores: Langaro, F; Liell, M.V.V.; Moreira, M.Z.S. PROGRAMA SAÚDE DO COLABORADOR Como iniciou: Foi aplicado questionário (Infomed)

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Componente Curricular: APLICATIVOS INFORMATIZADOS NA ENFERMAGEM

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Componente Curricular: APLICATIVOS INFORMATIZADOS NA ENFERMAGEM Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã (SP) Eixo Tecnológico: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

Assunto: Posicionamento do Ministério da Saúde acerca da integralidade da saúde dos homens no contexto do Novembro Azul.

Assunto: Posicionamento do Ministério da Saúde acerca da integralidade da saúde dos homens no contexto do Novembro Azul. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO Á SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS COORDENAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DOS HOMENS COORDENAÇÃO DE SAÚDE DA PESSOA IDOSA DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO

Leia mais

INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DA RAA 2016 RESULTADOS PRELIMINARES

INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DA RAA 2016 RESULTADOS PRELIMINARES INQUÉRITO DE SATISFAÇÃO DOS UTENTES DOS CUIDADOS DE SAÚDE PRIMÁRIOS DA RAA 2016 RESULTADOS PRELIMINARES Direção Regional da Saúde junho de 2016 Índice Introdução... 3 1. Dados sociodemográficos... 4 2.

Leia mais

Programa Saúde na Escola- PSE

Programa Saúde na Escola- PSE - Promoção da Alimentação Saudável- Ações para Promoção de Saúde na Escola e Desafios para sua implementação. Programa Saúde na Escola- PSE Equipe: Keila Fortes- Nutricionista FMS Maria do Rosário de Fátima

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM OBRAS DE SANEAMENTO: Um olhar do Rio ao Rio

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM OBRAS DE SANEAMENTO: Um olhar do Rio ao Rio EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM OBRAS DE SANEAMENTO: Um olhar do Rio ao Rio SANEPAR OBJETIVO DA PRÁTICA Sensibilizar os atores sociais para questões e práticas socioambientais que promovam a sustentabilidade por

Leia mais

Eixo IV _ Coesão Territorial e Governação. IV.1. Infraestruturas e Equipamentos Colectivos. Tipologia de Investimento

Eixo IV _ Coesão Territorial e Governação. IV.1. Infraestruturas e Equipamentos Colectivos. Tipologia de Investimento Eixo IV _ Coesão Territorial e Governação IV.. Infraestruturas e Equipamentos Colectivos Tipologia de Investimento Eixo IV IV. Objectivo Consolidar a cobertura regional das infra-estruturas e equipamentos

Leia mais

SANEAMENTO RURAL: ATUAÇÃO DA FUNASA E O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

SANEAMENTO RURAL: ATUAÇÃO DA FUNASA E O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL SANEAMENTO RURAL: ATUAÇÃO DA FUNASA E O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL José Antonio da Motta Ribeiro Coordenação Geral de Engenharia Sanitária Salvador, 18 de Setembro de 2015 Fundação Nacional

Leia mais

SUAS E AS DESIGUALDADES REGIONAIS: GESTÃO E FINANCIAMENTO REGIÃO CENTRO-OESTE. RIO VERDE, 03 e 04 de abril de 2013

SUAS E AS DESIGUALDADES REGIONAIS: GESTÃO E FINANCIAMENTO REGIÃO CENTRO-OESTE. RIO VERDE, 03 e 04 de abril de 2013 Encontro Regional CONGEMAS SUAS E AS DESIGUALDADES REGIONAIS: GESTÃO E FINANCIAMENTO REGIÃO CENTRO-OESTE RIO VERDE, 03 e 04 de abril de 2013 Cadastro Único e Vigilância Socioassistencial A Vigilância socioassistencial

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - EQUIPE PEDAGÓGICA

PLANO DE AÇÃO - EQUIPE PEDAGÓGICA PLANO DE AÇÃO - EQUIPE PEDAGÓGICA JUSTIFICATIVA O ato de planejar faz parte da história do ser humano, pois o desejo de transformar sonhos em realidade objetiva é uma preocupação marcante de toda pessoa.

Leia mais

Plano de Promoção. e Proteção dos Direitos da Criança. do Concelho de Marvão

Plano de Promoção. e Proteção dos Direitos da Criança. do Concelho de Marvão Plano de Promoção e Proteção dos Direitos da Criança do Concelho de Marvão 1 Índice Introdução I. Fundamentação A - Estratégias 1 Estudo e análise da realidade concelhia. 2 Promoção dos Direitos da Criança...

Leia mais

Legislação do SUS. Prefeitura do Natal - RN PROVA COMENTADA. Banca CKM Makiyama. www.romulopassos.com.br. Curso Completo de Enfermagem para Concursos

Legislação do SUS. Prefeitura do Natal - RN PROVA COMENTADA. Banca CKM Makiyama. www.romulopassos.com.br. Curso Completo de Enfermagem para Concursos Legislação do SUS Prefeitura do Natal - RN PROVA COMENTADA Banca CKM Makiyama 1. (Prefeitura de Jundiaí-SP/Makiyama/CKM/2012) De acordo com a Constituição Federal de 1988, quais são diretrizes de organização

Leia mais

SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO

SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO SÍNTESE DO LEVANTAMENTO DE DEMANDAS DE PROJETOS DO TERRITÓRIO Ministério do Meio Ambiente O Projeto de Elaboração do Plano de Desenvolvimento Territorial Sustentável Socioambientais Prioritários/Vale do

Leia mais

Urbanização Brasileira. Professora: Jordana Costa

Urbanização Brasileira. Professora: Jordana Costa Urbanização Brasileira Professora: Jordana Costa As cidades e a urbanização brasileira. Até os anos 1950 População predominantemente rural. Entre as décadas de 1950 e 1980, milhões de pessoas migraram

Leia mais

Para garantir uma prestação de serviços de qualidade nas APAEs é fundamental que haja um Gerenciamento de Recursos Humanos com objetivos claros.

Para garantir uma prestação de serviços de qualidade nas APAEs é fundamental que haja um Gerenciamento de Recursos Humanos com objetivos claros. Para garantir uma prestação de serviços de qualidade nas APAEs é fundamental que haja um Gerenciamento de Recursos Humanos com objetivos claros. AS PESSOAS DETERMINAM A CAPACIDADE DE DESEMPENHO DE UMA

Leia mais

GENOGRAMA ECOMAPA ESCALA DE COELHO. Município: Jeriquara SP DRS - VIII

GENOGRAMA ECOMAPA ESCALA DE COELHO. Município: Jeriquara SP DRS - VIII GENOGRAMA ECOMAPA ESCALA DE COELHO Município: Jeriquara SP DRS - VIII JERIQUARA - SP Jeriquara é um município brasileiro do estado de São Paulo. Jeriquara é vocábulo indígena que significa "refúgio dos

Leia mais

Aline Lemes de Souza Curriculum Vitae

Aline Lemes de Souza Curriculum Vitae Aline Lemes de Souza Curriculum Vitae Aline Lemes de Souza Curriculum Vitae Dados Pessoais Nome: Aline Lemes de Souza. Filiação: Antonio Lemes de Souza e Celestia Baron. Nascimento: 31/08/1988 - Modelo/SC

Leia mais

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação

A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. O acesso à Educação 33 A realidade do SAB para as crianças e adolescentes de 7 a 14 anos. Quase 5 milhões de crianças e adolescentes, com idade entre 7 e 14 anos (18,8% da população da região) vivem no Semi-árido. No Brasil,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM BRUNA BEUTLER

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM BRUNA BEUTLER UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM BRUNA BEUTLER RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR II - REDE DE ATENÇÃO BÁSICA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE PRIMEIRO DE MAIO PORTO ALEGRE 2015 2 BRUNA

Leia mais

Relatório de Monitoramento

Relatório de Monitoramento Tribunal de Contas da União Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo - SEPROG Relatório de Monitoramento Programa Saúde da Família- Ministro-Relator: Marcos Vinicios Vilaça Equipe

Leia mais

A DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE DAS PEQUENAS CIDADES DE GLÓRIA DE DOURADOS, DEODÁPOLIS, JATEÍ E VICENTINA PARA DOURADOS MS.

A DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE DAS PEQUENAS CIDADES DE GLÓRIA DE DOURADOS, DEODÁPOLIS, JATEÍ E VICENTINA PARA DOURADOS MS. A DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE DAS PEQUENAS CIDADES DE GLÓRIA DE DOURADOS, DEODÁPOLIS, JATEÍ E VICENTINA PARA DOURADOS MS. Fernando Andrade Caires 1, Mara Lúcia Falconi da Hora Bernardelli 2 1 Estudante

Leia mais

A elaboração do perfil produtivo em Minas Gerais, com o apoio da Atenção Primária à Saúde

A elaboração do perfil produtivo em Minas Gerais, com o apoio da Atenção Primária à Saúde Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais A elaboração do perfil produtivo em Minas Gerais, com o apoio da Atenção Primária à Saúde Subsecretaria de Vigilância e Proteção à Saúde Diretoria de Saúde

Leia mais

Custos para a Assistência à Saúde de Hipertensos e Diabéticos

Custos para a Assistência à Saúde de Hipertensos e Diabéticos Ministério da Saúde / Fundação Oswaldo Cruz Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública Custos para a Assistência à Saúde de Hipertensos e Diabéticos Michelly Geórgia

Leia mais

A água é um bem de uso do povo

A água é um bem de uso do povo A água é um bem de uso do povo Idéias para divulgação da nova Lei das Águas: Semanalmente, no site Ingá (se possível no site das instituições parceiras), apareceria um banner contendo chamada para cada

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE PROTOCOLO PARA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE BUCAL - JUNHO/2006

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE PROTOCOLO PARA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE BUCAL - JUNHO/2006 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE PROTOCOLO PARA ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE BUCAL - JUNHO/2006 1- Compromissos da Saúde Bucal no SUS-BH Ampliação gradativa do acesso aos serviços de saúde bucal;

Leia mais

Desenvolvimento Organizacional

Desenvolvimento Organizacional Desenvolvimento Organizacional O desenvolvimento Organizacional nasceu na década de 1960 devido as mudanças no mundo das organizações e em função das estruturas convencionais serem inadequadas a essas

Leia mais

Rede de Cuidados Continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade e futuro COORDENAÇÃO NACIONAL

Rede de Cuidados Continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade e futuro COORDENAÇÃO NACIONAL Rede de Cuidados Continuados como estrutura nacional: evolução, atualidade e futuro COORDENAÇÃO NACIONAL ESTRUTURA NACIONAL 02-05-2016 RNCCI 2 REDE NACIONAL DE CUIDADOS CONTINUADOS INTEGRADOS Saúde Segurança

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS E ANÁLISES ECONÔMCIAS DA FUCAPE BUSINESS SCHOOL (CEAE)

CENTRO DE ESTUDOS E ANÁLISES ECONÔMCIAS DA FUCAPE BUSINESS SCHOOL (CEAE) CENTRO DE ESTUDOS E ANÁLISES ECONÔMCIAS DA FUCAPE BUSINESS SCHOOL (CEAE) METODOLOGIA DE PESQUISA DE DADOS SOCIOECONÔMICOS DOS MUNICÍPIOS CAPIXABAS FUCAPE BUSINESS SCHOOL - 2015 Av. Fernando Ferrari, 1358,

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 1.216, DE 2008

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 1.216, DE 2008 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 1.216, DE 2008 Redação final do Projeto de Lei da Câmara nº 3, de 2007 (nº 1.140, de 2003, na Casa de origem). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA NOTA TÉCNICA 26 a 2005 POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO ONCOLÓGICA 1 26 a: NT revisada após CT de Atenção á Saúde em 26/10/2005. Brasília, 11 de novembro de 2005. I. Introdução: NOTA TÉCNICA 26a 2005 O Ministério

Leia mais

Segurança e Insegurança Alimentar na Amazônia- Desigualdades e desafios

Segurança e Insegurança Alimentar na Amazônia- Desigualdades e desafios Segurança e Insegurança Alimentar na Amazônia- Desigualdades e desafios Ana Maria Segall Corrêa CONSEA Nacional GT de Indicadores e Monitoramento Junho de 2015 Objetivo Descrever a situação atual da SAN

Leia mais

ASSISTÊNCIA HUMANIZADA AO RECÉM-NASCIDO. Dra. Nivia Maria Rodrigues Arrais Pediatra - Neonatologista Departamento de Pediatria - UFRN

ASSISTÊNCIA HUMANIZADA AO RECÉM-NASCIDO. Dra. Nivia Maria Rodrigues Arrais Pediatra - Neonatologista Departamento de Pediatria - UFRN ASSISTÊNCIA HUMANIZADA AO RECÉM-NASCIDO Dra. Nivia Maria Rodrigues Arrais Pediatra - Neonatologista Departamento de Pediatria - UFRN 10 PASSOS 22/04/2010 PARA A ATENÇÃO HOSPITALAR HUMANIZADA À CRIANÇA

Leia mais

Matriz de Indicadores de Sustentabilidade proposta por Santiago e Dias, 2012

Matriz de Indicadores de Sustentabilidade proposta por Santiago e Dias, 2012 Matriz de Indicadores de Sustentabilidade proposta por Santiago e Dias, 22 Quadro 2 Matriz de Indicadores de Sustentabilidade para a GRSU segundo a dimensão política Perguntas - Dimensão Indicadores Descritor

Leia mais

OFICINA 3 IGM Indicadores de Governança Municipal Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS

OFICINA 3 IGM Indicadores de Governança Municipal Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS Objetivo: OFICINA 3 IGM Projeto SEP: PLANEJAMENTO E FORMAS ORGANIZACIONAIS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS MUNICIPAIS / REGIONAIS Contribuir com a SEP, analisando o processo de planejamento nos municípios, por

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: : 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE, SAÚDE e SEGURANÇA Habilitação Profissional: Técnico de Enfermagem

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde - SNVA

Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde - SNVA III Reunión Regional Direcciones de Salud Ambiental Santiago/Chile -28/8 al 1/9 2000 Sistema Nacional de Vigilância Ambiental em Saúde - SNVA Ministério da Saúde Fundação Nacional de Saúde Conceito Define-se

Leia mais

O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY. IV Fórum da Reforma do Estado - São Paulo Set. 2005

O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY. IV Fórum da Reforma do Estado - São Paulo Set. 2005 O Serviço Civil e a Construção do Futuro EVELYN LEVY A Importância de Serviço Civil Estruturado Bens e Serviços Públicos Governança Reforma da Política Econômica Gasto Público Sustentabilidade Fiscal Fonte:

Leia mais

Avaliação de impacto do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte

Avaliação de impacto do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte Avaliação de impacto do Programa Escola Integrada de Belo Horizonte Índice Programa Escola Integrada Avaliação de impacto Amostra Pesquisa Indicadores Resultados Impactos estimados Comentários Programa

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO GOVERNANÇA METROPOLITANA DA REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO A RMRJ NO CONTEXTO NACIONAL: ATUALMENTE EXISTEM 41 REGIÕES METROPOLITANAS NO BRASIL, SENDO QUE 21 POSSUEM MAIS DE 1 MILHÃO DE HABITANTES,

Leia mais

Formulário fora do período de validade!

Formulário fora do período de validade! Formulário fora do período de validade! Data Inicial: 01/05/2016 Data Final: 31/05/2016 Em caso de dúvida entre em contato com: Nome: Equipe de Promoção da Saúde (Gabriela, Gisele, Kátia e Roberta) Email:

Leia mais

HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA NÍVEIS DE PREVENÇÃO I - HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA

HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA NÍVEIS DE PREVENÇÃO I - HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA HISTÓRIA NATURAL DA DOENÇA NÍVEIS DE PREVENÇÃO 1 I - História Natural da Doença 1 - Padrões de progressão da 2 - Determinação da História Natural da Doença 3 - Fases da história natural da a) Período de

Leia mais

Avaliação Qualitativa de Políticas Públicas

Avaliação Qualitativa de Políticas Públicas RECEBIDO EM: / / PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO IV CURSOS DE EXTENSÃO N o TÍTULO DO CURSO Avaliação Qualitativa de Políticas Públicas PROPONENTE IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO PROJETO: Nome: João Victor

Leia mais

Está na hora do povo apostar em um candidato a prefeito do próprio povo. Edinaldo e Newtinho Matsumoto vão continuar os avanços em Petrolina e

Está na hora do povo apostar em um candidato a prefeito do próprio povo. Edinaldo e Newtinho Matsumoto vão continuar os avanços em Petrolina e Está na hora do povo apostar em um candidato a prefeito do próprio povo. Edinaldo e Newtinho Matsumoto vão continuar os avanços em Petrolina e implantar novos programas para a cidade crescer ainda mais.

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E T

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E T SETEC EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA XXXV ENDP Porto Alegre, 02 de setembro de 2015. Histórico Organização da Educação Brasileira EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Formação Inicial e Continuada

Leia mais

CRAS Centro de Referência de Assistência Social. Coordenadores, Assistentes Sociais, Técnicos. (Organização)

CRAS Centro de Referência de Assistência Social. Coordenadores, Assistentes Sociais, Técnicos. (Organização) 2 ANÁLISE AMBIENTAL 2.1 A organização, Centro Referência e Assistência Social (CRAS) senvolveu um plano ação, o qual tem como base três serviços que são fundamentais para a existência da instituição; Serviço

Leia mais

Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental.

Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI No 10.216, DE 6 DE ABRIL DE 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona

Leia mais

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO SISTEMÁTICA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JÚLIO MÜLLER DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MATO GROSSO OUTUBRO DE 2013 SUMÁRIO MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO... 1 1. Núcleo de Informações

Leia mais