AULA 2 ESF E A UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE MISSÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 2 ESF E A UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE MISSÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE"

Transcrição

1 DISCIPLINA: ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DOCENTE: LUCI CRISTINA P. SUDAN AULA 2 ESF E A UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE MISSÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE Atender a população da área de abrangência ou do território. Realizar a Vigilância à saúde e esse território deve ser entendido como um espaço em permanente construção. Realizar oficinas de trabalho para o processo de territorialização e atualizar constantemente os dados por meio de várias estratégias, entre elas a visita domiciliar. Prestar cuidados e orientações em saúde. AÇÕES DESENVOLVIDAS NA UBS Ações de promoção e prevenção. Consultas médicas e de enfermagem. Ações de controle e de educação à saúde aos grupos: puericultura, pré-natal, controle de hipertensão e diabetes, programa de imunização, planejamento familiar, entre outros. A ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE Rede regionalizada e hierarquizada em níveis de complexidade crescente das ações de saúde. Com tecnologia adequada em cada nível de complexidade Com fluxo de referência e contra-referência, visando o atendimento integral da população. A unidade Básica deve atender a uma demanda universal de forma equânime, integral e com resolutividade maior que 80% das intercorrências. É responsável pelo acompanhamento programático de grupos etários considerados prioritários (menores de 1 ano, gestantes, idosos, etc.) e de portadores de doenças crônicas (hipertensão, diabetes, tuberculose, desnutrição, etc). Realiza Vigilância em Saúde em seu território 1

2 Realiza relações política com a comunidade e outros. Tem como proposta realizar a atenção à saúde na lógica do SUS, rompendo com a idéia de atenção centrada no baixo custo, simplificada e com poucos equipamentos. Deve ser estruturada para que atenda de forma eficiente e eficaz as necessidades de saúde da população adscrita. ESTRUTURA FÍSICA DA UBS Recepção, arquivo de prontuário Sala de espera Sala da gerência Sala de imunização, consultórios médicos (ginecologia, pediatria e clínica geral). Sala de curativos e/ou procedimentos. Sala para administração de medicamentos Sala de inalação. Sala de vacinas Farmácia (sala p/ armazenamento de medicamentos) Sala para atendimento de enfermagem Sala para agentes comunitários de saúde Consultório odontológico e escovário. Sala de reuniões e educação em saúde. Sala de esterilização. Sala de expurgo. Sanitários para pacientes e funcionários Depósito para materiais de limpeza Abrigo para resíduos sólidos Copa/cozinha A UBS E A ATENÇÃO BÁSICA UBS: é porta de entrada para o sistema de atenção à saúde. Atende as necessidades das demandas sanitárias e demandas por ações clínicas. 2

3 DEMANDAS SANITÁRIAS Saneamento do meio Desenvolvimento nutricional Vacinação Informação em saúde. DEMANDAS CLÍNICAS Vigilância epidemiológica: promoção à saúde, prevenção e tratamento de doenças de relevância epidemiológica. Ações clínicas: promoção à saúde, prevenção, tratamento e recuperação de doenças, com apoio de técnicas diagnósticas e terapêuticas, além da aplicação de diferentes saberes e integração de ações individuais e coletivas. A UBS E A ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA ESF: reorganização do modelo de atenção à saúde, sintonizada com os princípios do SUS novas práticas de atenção à saúde. Novas práticas: vínculo, compromisso e abordagem humanizada à população adscrita. A equipe precisa conhecer a realidade da população que atende: organização familiar e comunitária. Desenvolver planejamento a partir da realidade local e executar ações compatíveis com as necessidades. COMO OBTER INFORMAÇÕES PARA CONHECER A REALIDADE LOCAL? Cadastramento das famílias. Oficinas de territorialização. Visitas domiciliares. Análise de indicadores de mortalidade e morbidade. Obtenção de informações com informante chave da comunidade. Análise de informações sobre a cobertura, produção e produtividade de serviços realizados. 3

4 A UBS E A EQUIPE DE SAÚDE Médico clínico geral, ginecologista e pediatra Enfermeiro/gerência Técnico e/ou Auxiliar de enfermagem Odontólogo Técnico de higiene bucal (THD) Auxiliar de consultório dentário (ACD) GERÊNCIA DA UBS Responsável pela condução do processo de trabalho. Deve dar direção às ações, com responsabilidade, articulando por meio de negociação política, os recursos humanos, financeiros, materiais e tecnológicos em consonância às necessidades da população do território. Deve conhecer o perfil epidemiológico da população de seu território, por meio de um desenho através da análise de informações demográficas, de morbimortalidade e condições de vida da população. Priorizar os problemas e realizar propostas de intervenção sobre os mesmos. A EQUIPE DE SAÚDE DA FAMÍLIA 1 médico generalista 1 enfermeiro 1 auxiliar de enfermagem 1 odontólogo 1 THD 1 ACD 4 a 6 agentes comunitários de saúde (ACS) O nº de ACS varia de acordo com o nº de famílias 400 a 750 pessoas a serem acompanhadas. Cada equipe responsabiliza-se pela população do território 600 a 1000 famílias, ou 2400 a 4500 pessoas. Carga horária da equipe: 40 horas semanais visitas domiciliares, As Atividades realizadas pela equipe são: 4

5 ações programadas à criança, adolescente, adulto e idosos, consultas médicas, de enfermagem e odontológica, educação em saúde, ações específicas aos grupos de maior risco de adoecer e morrer, entre outros. TERRITORIALIZAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE TERRITÓRIO DISTRITO SANITÁRIO TERRITÓRIO ÁREA DE ABRANGÊNCIA TERRITÓRIO ÁREA DE INFLUÊNCIA TERRITÓRIO MICRO ÁREA DE RISCO TERRITÓRIO DOMICÍLIO PROBLEMA DE SAÚDE SETOR CENSITÁRIO BAIRRO TERRITÓRIO DISTRITO SANITÁRIO Tem caráter político-administrativo. Compreende uma área geográfica. Comporta uma população com características epidemiológicas e sociais. Composto por bairros de um município ou vários municípios de uma região. TERRITÓRIO ÁREA DE ABRANGÊNCIA Área de responsabilidade de uma unidade de saúde. Baseia-se em critérios de acessibilidade geográfica e fluxo da população. ACESSIBILIDADE AOS SERVIÇOS GEOGRÁFICO distância percorrida, disponibilidade de transporte, obstáculos. FUNCIONAL Tipos de serviços que são oferecidos, horário de funcionamento e qualidade. 5

6 CULTURAL Inserção dos serviços de saúde nos hábitos e costumes da população. ECONÔMICO Não disponibilização dos serviços à população. TERRITÓRIO ÁREA DE INFLUÊNCIA A população procura a assistência deslocando-se a outra UBS por terem maior afinidade com a equipe de saúde. TERRITÓRIO MICRO ÁREA DE RISCO População tem condições de vida homogênea de risco e quando é traçado o perfil epidemiológico pode-se definir as ações de saúde a serem desenvolvidas com a comunidade. TERRITÓRIO DOMICÍLIO Quando é feito o detalhamento do território em nível de domicílio, possibilitando assim, a adscrição de clientela, além de estabelecer as ações de controle de saúde. PROBLEMA DE SAÚDE É toda situação encontrada no território estudado nos aspectos: valores, padrões do ator social que são compreendidos por: equipe, população e governo. Embora seja um desconforto, há possibilidade de atuação, de interferir sobre uma situação. Além disso, cada um percebe a realidade desde o seu lugar e identifica como problema as situações que o incomodam. Impede o ator de atingir seus objetivos que é mudar a realidade. 6

7 SETOR CENSITÁRIO É a unidade básica de coleta para o Censo Demográfico, estabelecido pelo IBGE. BAIRRO Conglomerados estabelecidos pela própria população. Trata-se de bairros, vilas e jardins. TERRITORIALIZAÇÃO Trata-se de um processo, os quais todas as informações da área passa a ser estudada estrategicamente. Os dados são obtidos pelos sistemas de informação em saúde, em bancos de dados de nível central: Município, Estado e do País. Outra técnica para obtenção dos dados é por estimativa rápida participativa. ESTIMATIVA RÁPIDA Consiste em uma técnica de pesquisa para se conhecer o território, por meio de trabalho de campo. Tem como objetivo colher dados para a divisão do território em micro-áreas quanto às condições de vida da população. ETAPAS PARA A COLETA DE DADOS Levantamento das informações já disponíveis da área tais como os dados demográficos e epidemiológicos. Preparo do questionário a ser utilizado. Conhecimento do território por meio de elaboração mapa inteligente. Formulação de hipótese de sua divisão por micro-áreas pelos dados já conhecidos pela equipe. Identificação dos informantes-chaves do local para a realização de entrevistas para coletar os dados (fonte primária). A escolha dos informantes-chaves é muito importante e deve ser constituídos por moradores. 7

8 As informações a serem fornecidas compreendem em: característica do solo, do meio ambiente, infra-estrutura, características sócio-econômicas, etc. A coleta deve ser adequada à realidade que está sendo estudada. UTILIZAÇÃO DE FONTES SECUNDÁRIAS Utilização de dados já disponíveis (cadastramento das famílias ficha A). Utilização de informações fornecidas pelo IBGE. Pelas Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde: Secretaria de Saúde, Ação Social, Educação, Meio Ambiente, do Trabalho, etc. Pelas companhias de abastecimento de água e esgoto, limpeza urbana, energia elétrica. Nos Conselhos Locais de Saúde. Nos Departamento de Trânsito, etc. Pela realização de pesquisas de campo que podem fornecer dado0s sobre as condições de vida da população. COMO RECONHECER O TERRITÓRIO? Necessário realizar um passeio ambiental pela área de abrangência. Observar: aspectos físicos como a topografia, condições e densidade das habitações, sistema de drenagem, esgoto a céu aberto, acúmulo de lixos, fundo de vales, córregos e outros. INDICADORES PARA DEFINIÇÃO DE MICRO-ÁREAS DE RISCO Barreira geográfica Moradia Abastecimento de água Coleta de lixo Renda familiar Transporte Escolaridade Perfil de morbimortalidade Violência Serviço Organização social Rede de esgoto 8

9 ROTEIRO PARA OBTENÇÃO DE INFORMAÇÕES DO TERRITÓRIO CARACTERÍSTICAS DO SOLO Topografia: cumes, encostas, baixadas, etc. Propriedade: pública, privada, não legalizada, etc. Uso do solo: residencial, comercial, agrícola, área verde, etc. Tempo de urbanização. Declividade: muito íngreme, íngreme, plano. Densidade de habitações: baixa, regular, elevada. CARACTERÍSTICAS DO MEIO AMBIENTE, INFRAESTRUTURA E DOTAÇÕES DOMÉSTICAS Condições de moradia: precária, semiprecária, permanente. Abastecimento de água: rede encanada com abastecimento regular, rede encanada com abastecimento irregular, ligações clandestinas à rede oficial, uso de fontes, poços, bicas, riachos, etc. Sistema de esgoto: rede oficial, fossas, esgotos a céu aberto, ausente. Eletricidade: rede oficial, ligações clandestinas, ausente. Sistema de coleta de lixo: regular e irregular. Transporte: número de linhas, destino, frequência. Presença de outros serviços: farmácias, escolas, outros serviços públicos. CARACTERÍSTICAS SÓCIO-ECONÔMICAS Nível de renda familiar. Tipo de ocupação mais frequente, se trabalho autônomo, informal, etc. Presença de produção doméstica ou comunitária para o auto consumo. Nível de educação médio: presença de analfabetismo (elevado, regular, baixa), grau de escolaridade médio (série/grau). 9

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO FICHA DE OBSERVAÇÃO ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina: Atenção Primária à Saúde e Estratégia de Saúde da Família Local: Profissional

Leia mais

SICA: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Prof. Walfrido K. Svoboda

SICA: Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Prof. Walfrido K. Svoboda ATENÇÃO BÁSICAB SICA: Programa de Saúde da Família (PSF) ou Estratégia de Saúde da Família (ESF) Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) Disciplina: SAÚDE PÚBLICA P I (MS-052) Prof. Walfrido K.

Leia mais

DISTRITOS SANITÁRIOS

DISTRITOS SANITÁRIOS DISTRITOS SANITÁRIOS CONCEITO: É unidade mais periférica de administração sanitária, que detém responsabilidades e poder decisório ante a política local de saúde, tendo como objetivo chegar a uma integração

Leia mais

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO Médico Clínico 1 Médico Pediatra 1 Médico Ginecologista 1

2. FUNCIONÁRIOS - CONTRATADOS POR TEMPO DETERMINADO Médico Clínico 1 Médico Pediatra 1 Médico Ginecologista 1 1. FUNCIONÁRIOS - EFETIVOS Médico Clínico 6 Médico Pediatra 2 Médico de Estratégia PSF 0 Psicólogo Clínico 30 horas 0 Psicólogo Clínico 40 horas 1 Cirurgião Dentista 4 Auxiliar de Saúde Bucal 4 Técnico

Leia mais

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado

Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado Atenção Básica: organização do trabalho na perspectiva da longitudinalidade e da coordenação do cuidado XXX Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo 13/abril/2016 O SUS e a Atenção

Leia mais

PORTFOLIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA O SEGMENTO SAÚDE

PORTFOLIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA O SEGMENTO SAÚDE PORTFOLIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL PARA O SEGMENTO SAÚDE Senac Rondônia APRESENTAÇÃO A concepção educacional do Senac visa atender à missão de "Educar para o trabalho em atividades do Comércio de Bens,

Leia mais

QUANTIDADE CARGA HORÁRIA SEMANAL

QUANTIDADE CARGA HORÁRIA SEMANAL LEI MUNICIPAL Nº 620, EM 14 DE DEZEMBRO DE 2006. Cria empregos destinados a atender ao Programa de Agentes Comunitários de Saúde PACS, Agentes Indígenas de Saúde - AIS, Agentes Indígenas de Saneamento

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO Procuradoria de Justiça Especializada na Defesa da Cidadania e do Consumidor

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO Procuradoria de Justiça Especializada na Defesa da Cidadania e do Consumidor Dados de Identificação Questionário PSF Equipe de Saúde da Família Nome da unidade visitada:...data da visita:... Endereço:... Bairro:...Telefone:... Nome do(a) responsável pela Unidade de Saúde:... Qualificação

Leia mais

Prefeitura Municipal de Volta Redonda Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Programas e Projetos

Prefeitura Municipal de Volta Redonda Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Programas e Projetos Prefeitura Municipal de Volta Redonda Secretaria Municipal de Saúde Coordenação de Programas e Projetos 1 2 0 0 8 Prefeitura do Município de Volta Redonda Gothardo Lopes Netto Prefeito do Município de

Leia mais

Visita domiciliar ao recém nascido: uma prática Interdisciplinar.

Visita domiciliar ao recém nascido: uma prática Interdisciplinar. TÍTULO DA PRÁTICA: Visita domiciliar ao recém nascido: uma prática Interdisciplinar. CÓDIGO DA PRÁTICA: T23 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 a)situação problema e/ou demanda inicial que

Leia mais

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar?

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar? VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA SBC/DHA HiperDia, desafios futuros e o que esperar? MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção a Saúde - SAS Departamento de Atenção Básica - DAB Coordenação Nacional de Hipertensão

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Auxiliar de Enfermagem

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: Auxiliar de Enfermagem Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

PORTARIA Nº 576, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº 576, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº 576, DE 19 DE SETEMBRO DE 2011 O Secretário de Atenção à, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria nº 1.654/GM/MS, de 19 de julho de 2011, que institui o Programa Nacional de Melhoria

Leia mais

I. Informações BásicaS

I. Informações BásicaS I. Informações BásicaS item Órgão municipal de saúde Plano Municipal Conselho Municipal Conselho Gestor de Unidade(s) de Saúde Fundo Municipal Cartão do Sistema Único de Saúde (SUS) Disque-Saúde Ouvidoria

Leia mais

Aracaju. Avanços e Desafios da Saúde da Família no município de Aracaju: a experiência do Modelo Saúde Todo Dia

Aracaju. Avanços e Desafios da Saúde da Família no município de Aracaju: a experiência do Modelo Saúde Todo Dia Avanços e Desafios da Saúde da Família no município de Aracaju: a experiência do Modelo Saúde Todo Dia Mônica Sampaio de Carvalho Rogério Carvalho Santos Leandro Dominguez Barretto Secretaria Municipal

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da República, usando das atribuições que lhe confere o Art. 81, item

Leia mais

Art. 2º - As instituições e serviços de saúde incluirão a atividade de Enfermagem no seu planejamento e programação.

Art. 2º - As instituições e serviços de saúde incluirão a atividade de Enfermagem no seu planejamento e programação. 1 Decreto Nº 94.406/87 Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências. O Presidente da República, usando das atribuições que lhe

Leia mais

Qualificação da Gestão

Qualificação da Gestão Qualificação da Gestão O que é o SUS Instituído pela Constituição de 1988, o Sistema Único de Saúde SUS é formado pelo conjunto das ações e serviços de saúde sob gestão pública Com direção única em cada

Leia mais

Quadro I. Vantagens de UBS tipo PSF.

Quadro I. Vantagens de UBS tipo PSF. Quadro I. Vantagens de UBS tipo PSF. Caruaru PE Jaboatão - PE João Pessoa - PB Santa Rita - PB Maceió - AL Parnaíba PI Cabo de Santo Agostinho PE Teresina PI Parnamirim - RN Natal - RN Paulista - PE Arapiraca

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA AVALIAÇÃO DE INTERVENÇÕES PARA PROMOÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE IDENTIFICAÇÃO

QUESTIONÁRIO PARA AVALIAÇÃO DE INTERVENÇÕES PARA PROMOÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE IDENTIFICAÇÃO QUESTIONÁRIO PARA AVALIAÇÃO DE INTERVENÇÕES PARA PROMOÇÃO DE ATIVIDADE FÍSICA NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE - ROTEIRO DE OBSERVAÇÃO RECADOS AO PESQUISADOR Caro colega: 1. Este instrumento será preenchido por

Leia mais

Desastres Naturais e Vulnerabilidade: Caso do Município de Petrópolis

Desastres Naturais e Vulnerabilidade: Caso do Município de Petrópolis Desastres Naturais e Vulnerabilidade: Caso do Município de Petrópolis polis- Rio de Janeiro. Disciplina: População Espaço o e Ambiente - CST-310 310-3 Aluna: Lira Luz Benites Lázaro Profs: Silvana Amaral

Leia mais

GERENCIAMENTO da Atenção Domiciliar P.G.A.D.

GERENCIAMENTO da Atenção Domiciliar P.G.A.D. GERENCIAMENTO da Atenção Domiciliar P.G.A.D. Gerenciamento da Atenção Domiciliar PGAD.indd 1 19/10/2015 15:30:04 Gerenciamento da Atenção Domiciliar PGAD Objetivo: Fornecer suporte ao paciente para que

Leia mais

Desafios do Saneamento em Comunidades Isoladas. Câmara Técnica de Saneamento e Saúde em Comunidades Isoladas ABES São Paulo

Desafios do Saneamento em Comunidades Isoladas. Câmara Técnica de Saneamento e Saúde em Comunidades Isoladas ABES São Paulo Desafios do Saneamento em Comunidades Isoladas Câmara Técnica de Saneamento e Saúde em Comunidades Isoladas ABES São Paulo População Rural 30 milhões de pessoas residem em localidades rurais no Brasil,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA

AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA ATENÇAO PRIMÁRIA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA AVALIAÇÃO DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA NA REDUÇÃO DE INTERNAÇÕES HOSPITALARES EM FLORIANÓPOLIS SANTA CATARINA III Mostra Nacional de Produção em Saúde

Leia mais

Caderno de Prova. Agente Comunitário de Saúde. Município de Balneário Camboriú Secretaria de Administração. Edital n o 04/2007

Caderno de Prova. Agente Comunitário de Saúde. Município de Balneário Camboriú Secretaria de Administração. Edital n o 04/2007 Município de Balneário Camboriú Secretaria de Administração Edital n o 04/2007 Caderno de Prova A Agente Comunitário de Saúde Dia: 29 de março de 2008 Horário: das 16:30 às 18:30 h Duração: 2 (duas) horas,

Leia mais

O MODELO FPSEEA/OMS NA CONSTRUÇÃO DE INDICADORES DE SAÚDE AMBIENTAL

O MODELO FPSEEA/OMS NA CONSTRUÇÃO DE INDICADORES DE SAÚDE AMBIENTAL O MODELO FPSEEA/OMS NA CONSTRUÇÃO DE INDICADORES DE SAÚDE AMBIENTAL Modelo FPSEEA/OMS Forcas Motrizes Marco conceitual FPSEEA Efeito Pressão Situação Exposição Ambiente Saude Ações preventivas Ações curativas

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE ESTRUTURA DA UBS 1. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini

QUESTIONÁRIO SOBRE ESTRUTURA DA UBS 1. Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini QUESTIONÁRIO SOBRE ESTRUTURA DA UBS 1 Denise Silveira, Fernando Siqueira, Elaine Tomasi, Anaclaudia Gastal Fassa, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO 1. UF: 2. Município: 3. Nome da Unidade Básica

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico de Enfermagem

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico CETEC. Plano de Trabalho Docente Qualificação: Técnico de Enfermagem Plano de Trabalho Docente 2013 ETE Paulino Botelho Ensino Técnico Código: 091 Município:São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnico de Enfermagem Qualificação:

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM ENFERMAGEM

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA NORMAS DO INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA NORMAS DO INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA NORMAS DO INTERNATO EM ATENÇÃO BÁSICA 1. O programa de internato é desenvolvido em tempo integral, oito horas diárias,

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Ensino Técnico Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: Qualificação Técnica de Nível Médio

Leia mais

Autor: Leila Cristina Pilonetto Baggio Co autores: Marcos Fiorentin, Elizangela Greggio Vincensi, Joares Telles Junior, Ana Cristina G. Costella, ACS.

Autor: Leila Cristina Pilonetto Baggio Co autores: Marcos Fiorentin, Elizangela Greggio Vincensi, Joares Telles Junior, Ana Cristina G. Costella, ACS. HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETE MELLITUS: UMA ANALISE DO ACOMPANHAMENTO REALIZADO PELA EQUIPE ESF DE BOM SUCESSO DO SUL Autor: Leila Cristina Pilonetto Baggio Co autores: Marcos Fiorentin, Elizangela Greggio

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR II REDE BÁSICA: UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE VILA GAÚCHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR II REDE BÁSICA: UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE VILA GAÚCHA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR II REDE BÁSICA: UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE VILA GAÚCHA MAITÊ LARINI RIMOLO Porto Alegre 2011 1 MAITÊ LARINI RIMOLO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO SEGURO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO SEGURO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE NÚCLEO MICRORREGIONAL PARA IMPLANTAÇÃO DAS LINHAS DE CUIDADO E EDUCAÇÃO PERMANENTE PARA ATENÇÃO BÁSICA (NEPSmr) RELATÓRIO DE GESTÃO ATIVIDADES E AVALIAÇÃO DA IMPLANTAÇÃO DO NEPSmr - 2010 Município: Porto

Leia mais

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP UBSF Renascer São José do Rio Preto São Paulo EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA BUSCA DA MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA: RELATO DE EXPERIÊNCIA. SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP DADOS DEMOGRÁFICOS Ò Área da unidade territorial:

Leia mais

ANEXO I CARGO, REQUISITOS DE ESCOLARIDADE, DESCRIÇÃO SUMÁRIA, CARGA HORÁRIA e VENCIMENTO BASE.

ANEXO I CARGO, REQUISITOS DE ESCOLARIDADE, DESCRIÇÃO SUMÁRIA, CARGA HORÁRIA e VENCIMENTO BASE. ANEXO I,,, e VENCIMENTO BASE. Auxiliar de Serviços Gerais NÍVEL FUNDAMENTAL Ensino Fundamental Completo. Limpeza dos prédios públicos, móveis e equipamentos e similares. 01 Auxiliar de Serviços Urbanos

Leia mais

CARTILHA ATENÇÃO À SAÚDE

CARTILHA ATENÇÃO À SAÚDE CARTILHA PROGRAM AS DE ATENÇÃO À SAÚDE PROGRAMAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE A Unimed Cerrado pensando na saúde e bem-estar do seu cliente, disponibiliza diversos Programas de Atenção Integral à Saúde.

Leia mais

AS TEORIAS ADMINISTRATIVAS INSERIDAS NO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF)

AS TEORIAS ADMINISTRATIVAS INSERIDAS NO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA (PSF) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Antonio Nascimento Araujo Ericarla Castro Corrêa José Vitor Vieira Ferreira

Leia mais

L E I. Art. 2º. Fica criado o cargo de ASSESSOR DA JUNTA MILITAR da Secretaria. Municipal de Governo.

L E I. Art. 2º. Fica criado o cargo de ASSESSOR DA JUNTA MILITAR da Secretaria. Municipal de Governo. L E I Nº 1436 de 21 de janeiro de 2011 Altera a Lei nº 1255/2009, Extingue e Cria Cargos e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Capão do Leão, Estado do Rio Grande do Sul. Faz saber que a Câmara

Leia mais

7. ROTEIRO DE ENTREVISTA DIREÇÃO OU COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DAS ESCOLAS

7. ROTEIRO DE ENTREVISTA DIREÇÃO OU COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DAS ESCOLAS 7. ROTEIRO DE ENTREVISTA DIREÇÃO OU COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA DAS ESCOLAS Parte I Identificação e controle da entrevista 1. Data Dia Mês Ano 2. Articulador(a) 3. Nome da Escola 4. Nível (s) de ensino ofertado(s)

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família

ESF Estratégia de Saúde da Família ESF Estratégia de Saúde da Família A Estratégia de Saúde da Família é um modelo de atenção que visa a prevenção de doenças, promoção e manutenção da saúde. Essas ações são realizadas por uma equipe multiprofissional,

Leia mais

PROJETO DE BRAÇOS ABERTOS ACOLHIMENTO DOMICILIAR FEITO PELOS ACS

PROJETO DE BRAÇOS ABERTOS ACOLHIMENTO DOMICILIAR FEITO PELOS ACS PROJETO DE BRAÇOS ABERTOS ACOLHIMENTO DOMICILIAR FEITO PELOS ACS MEYRILAND DIAS DE AMORIM FRIAÇA DAYSE MARIA MORAIS E SOUZA KRISTIANE DE CASTRO DIAS DUQUE EQUIPE DE AGENTES COMUNITÁRIAS DE PARQUE GUARANI

Leia mais

Debate com Aline Julião, Coordenadora de gestão estratégica e Participativa.

Debate com Aline Julião, Coordenadora de gestão estratégica e Participativa. Angra dos Reis, 15 de Agosto de 2016 Todas as manhãs ela deixa os sonhos na cama, acorda e põe a roupa de viver - Clarice Lispector (Trecho retirado da placa de identificação do programa saúde da mulher

Leia mais

Número 13. Pnad Primeiras Análises. Saneamento Básico Habitação. Volume 5

Número 13. Pnad Primeiras Análises. Saneamento Básico Habitação. Volume 5 Número 13 Pnad 2007 Primeiras Análises Saneamento Básico Habitação Volume 5 21 de outubro de 2008 1 2 3 1 4 Total e percentual de moradores em domicílios particulares permanentes com abastecimento de água,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec:Paulino Botelho Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ENFERMAGEM Qualificação:TÉCNICO

Leia mais

R - MONTANHÃO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGIÕES DE PLANEJAMENTO (OP) A B E F G K J H. Atualização 2014

R - MONTANHÃO MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGIÕES DE PLANEJAMENTO (OP) A B E F G K J H. Atualização 2014 A B MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO SECRETARIA DE ORÇAMENTO E PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DEPARTAMENTO DE INDICADORES SOCIAIS E ECONÔMICOS C D E F MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGIÕES DE PLANEJAMENTO

Leia mais

OPERAÇÃO NAS COMUNIDADES PACIFICADAS

OPERAÇÃO NAS COMUNIDADES PACIFICADAS Modus Operandi SESI Cidadania nas Comunidades A OPERAÇÃO NAS COMUNIDADES PACIFICADAS 1. UPP INSTALADA 2. CONTATO COM COMANDANTE 3. VISITA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR Monitoramento Ações corretivas Reforço

Leia mais

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde O Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES foi implantado em 29 de dezembro de 2000, através da Portaria SAS n.º 511. O CNES abrange a todos os estabelecimentos

Leia mais

FACULDADE SANTA MARIA - FSM EDITAL 0001/ 2017 EDITAL DE SELEÇÃO PARA ADMISSÃO DOCENTE EXERCÍCIO DO CARGO DE PROFESSOR DE NÍVEL SUPERIOR

FACULDADE SANTA MARIA - FSM EDITAL 0001/ 2017 EDITAL DE SELEÇÃO PARA ADMISSÃO DOCENTE EXERCÍCIO DO CARGO DE PROFESSOR DE NÍVEL SUPERIOR FACULDADE SANTA MARIA - FSM EDITAL 0001/ 2017 EDITAL DE SELEÇÃO PARA ADMISSÃO DOCENTE A Diretoria da Faculdade Santa Maria, torna público o presente EDITAL de Seleção para Admissão Docente, para provimento

Leia mais

Projeto para Credenciamento do NASF do Município de

Projeto para Credenciamento do NASF do Município de Projeto para Credenciamento do NASF do Município de Projeto elaborado para implantação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família tipo do Município de Mês ano Sumário 1 Apresentação 2 Caracterização do Município

Leia mais

EIXO 2 DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

EIXO 2 DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL EIXO 1 DIMENSÃO 8 PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO 1 O plano de desenvolvimento do instituto PDI ( http://www.ufopa.edu.br/arquivo/portarias/2015/pdi20122016.pdf/view ) faz referência a todos os processos internos

Leia mais

Gestão Compartilhada. do Programa Bolsa. Família

Gestão Compartilhada. do Programa Bolsa. Família Gestão Compartilhada do Programa Bolsa Família Olinda Abriga uma população de 397.268 habitantes (IBGE/2009), 3ª maior cidade de Pernambuco. Extensão territorial de 43,55 km², das quais 9,73 km² fazem

Leia mais

N - DOS ALVARENGA (JD. DAS ORQUÍDEAS)

N - DOS ALVARENGA (JD. DAS ORQUÍDEAS) A B MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO SECRETARIA DE ORÇAMENTO E PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO DEPARTAMENTO DE INDICADORES SOCIAIS E ECONÔMICOS C D E F MUNICÍPIO DE SÃO BERNARDO DO CAMPO REGIÕES DE PLANEJAMENTO

Leia mais

COMISSÃO DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ PARANÁ: AÇÕES NO ANO DE 2009

COMISSÃO DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ PARANÁ: AÇÕES NO ANO DE 2009 COMISSÃO DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ PARANÁ: AÇÕES NO ANO DE 2009 Robsmeire Calvo Melo Zurita 1 ; Alessandra Massi Puziol Alves 2 Neide Barboza Lopes 3 INTRODUÇÃO: No Brasil ainda

Leia mais

Programa de Melhoria da Qualidade de Vida e da Governança Municipal de Teresina. Teresina (PI), Fevereiro de 2016

Programa de Melhoria da Qualidade de Vida e da Governança Municipal de Teresina. Teresina (PI), Fevereiro de 2016 Programa de Melhoria da Qualidade de Vida e da Governança Municipal de Teresina Teresina (PI), Fevereiro de 2016 1. A SITUAÇÃO ANTES DO PROGRAMA 1. SITUAÇÃO ANTES DO PROGRAMA Enchentes na Zona Norte 1.

Leia mais

ASSISTÊNCIA DOMICILIAR UNIMED VITÓRIA

ASSISTÊNCIA DOMICILIAR UNIMED VITÓRIA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR UNIMED VITÓRIA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR CIAS CENTRO INTEGRADO DE ATENÇÃO A SAÚDE UNIMED DIAGNÓSTICO SOS CONCEITO FORNECER SERVIÇOS, EQUIPAMENTOS, MATERIAIS E MEDICAMENTOS AO USUÁRIO

Leia mais

ENF 1081 PROMOÇÃO DA SAÚDE III EIXO TEMÁTICO 21 - Medidas de Saúde Coletiva

ENF 1081 PROMOÇÃO DA SAÚDE III EIXO TEMÁTICO 21 - Medidas de Saúde Coletiva ENF 1081 PROMOÇÃO DA SAÚDE III EIXO TEMÁTICO 21 - Medidas de Saúde Coletiva TURMA A01 2016.1 Profª Me. Karla Prado de Souza Cruvinel kpradocruvinel@gmail.com 2016/1 CRONOGRAMAS TEORIA/PRELEÇÃO - TURMA

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 ENFERMAGEM NOS CUIDADOS INTEGRAIS AO ADULTO E IDOSO NO PERÍODO PERI OPERATÓRIO Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina(s): Local: Campos de Observação: Profissional responsável

Leia mais

Proposta de Plano Nacional de Saneamento Básico PLANSAB

Proposta de Plano Nacional de Saneamento Básico PLANSAB 1º. Seminário Franco-Brasileiro Sobre Saúde Ambiental Água, Saúde e Desenvolvimento Proposta de Plano Nacional de Saneamento Básico PLANSAB Ernani Ciríaco de Miranda Gerente de Projetos Especialista em

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA AMBIENTAL: O CONHECIMENTO DO ENFERMEIRO QUE ATUA NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA *

ATENÇÃO PRIMÁRIA AMBIENTAL: O CONHECIMENTO DO ENFERMEIRO QUE ATUA NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA * ATENÇÃO PRIMÁRIA AMBIENTAL: O CONHECIMENTO DO ENFERMEIRO QUE ATUA NO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA * Andréia Centenaro 1 Elizabeth Maria Lazzarotto 2 INTRODUÇÃO: O presente estudo é centrado na atenção

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES ESTADO DO PERNAMBUCO. Concurso Público REF. EDITAL N 001/2015 GABARITO PRELIMINAR TARDE

PREFEITURA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES ESTADO DO PERNAMBUCO. Concurso Público REF. EDITAL N 001/2015 GABARITO PRELIMINAR TARDE PREFEITURA MUNICIPAL DO JABOATÃO DOS GUARARAPES ESTADO DO PERNAMBUCO Concurso Público REF. EDITAL N 001/2015 GABARITO PRELIMINAR TARDE 2. GRUPO OCUPACIONAL INFRAESTRUTURA E MEIO AMBIENTE NIVEL TÉCNICO

Leia mais

Aprendizagem participativa no cuidado às pessoas em situação de rua.

Aprendizagem participativa no cuidado às pessoas em situação de rua. Aprendizagem participativa no cuidado às pessoas em situação de rua. Núcleo de Estudos e Pesquisa em Sáude, Políticas Públicas e Sociais (NEPSPPS) Departamento de Administração e Saúde Coletiva (DASC)

Leia mais

1º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE REUSO DE ÁGUA

1º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE REUSO DE ÁGUA 1º SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE REUSO DE ÁGUA Quinto Encontro Técnico Ibero-Americano de Alto Nível Curitiba -17 a 19 de outubro de 2012 Controle da Poluição de Águas e Solos por Processos Biológicos 05 de

Leia mais

Apresentações do evento GGP 2013

Apresentações do evento GGP 2013 Apresentações do evento GGP 2013 Acesse outras apresentações e vídeos das palestras no site: http://www.ggp.uerj.br Instituto Pereira Passos Outubro 2013 Adriana Vial Missão Articulação Mobilizações e

Leia mais

Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar

Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar ANA ADALGISA DE OLIVEIRA BORGES GESTORA DE ATENÇÃO DOMICILIAR - SERVIÇOS PRÓPRIOS UNIMEB-BH Introdução Definição Conceito de

Leia mais

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS INTRODUÇÃO SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS Thialy Thaís da Silva Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) thialy_thais@hotmail.com As Salas de Recursos Multifuncionais (SRMF) foram instituídas pelo Programa

Leia mais

Como organizar a Atenção Básica para cumprir com os compromissos assumidos e atender as necessidades da população?

Como organizar a Atenção Básica para cumprir com os compromissos assumidos e atender as necessidades da população? Como organizar a Atenção Básica para cumprir com os compromissos assumidos e atender as necessidades da população? Apresentação de experiência municipal Amparo Deolinda Marcia Pompeu Bueno Enfermeira,

Leia mais

ÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA

ÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA Prof. André Silva É FÁCIL DEFINIR O QUE É UMA CIDADE? 8º Ano Geografia ÁREAS DE FIXAÇÃO HUMANA DEMOGRÁFICO Tem em conta o número de habitantes ou a densidade populacional de um território. FUNCIONAL Tem

Leia mais

TRABALHO FINAL DE PGSII. GRUPO 209 B(A3/A4): Bárbara Diniz; Daniela Cásseres; Marcella Severiano; Mayra Sanandres; Natália Ronchi

TRABALHO FINAL DE PGSII. GRUPO 209 B(A3/A4): Bárbara Diniz; Daniela Cásseres; Marcella Severiano; Mayra Sanandres; Natália Ronchi TRABALHO FINAL DE PGSII GRUPO 209 B(A3/A4): Bárbara Diniz; Daniela Cásseres; Marcella Severiano; Mayra Sanandres; Natália Ronchi 1. 1ª Parte Reconhecimento do cenário, identificar e refletir sobre: a.

Leia mais

RELATÓRIO DE MENSAL SIMPLIFICADO RMS RMS N. 14

RELATÓRIO DE MENSAL SIMPLIFICADO RMS RMS N. 14 RELATÓRIO DE MENSAL SIMPLIFICADO RMS RMS N. 14 PERÍODO: 01 de fevereiro de 2016 a 29 de fevereiro de 2016 DATA: 01/03/2016 INTRODUÇÃO Este relatório tem como objetivo atender as demandas estabelecidas

Leia mais

Projeto QualificaAPS - Apoio e Teleconsultoria para Gestão Municipal da Atenção Básica

Projeto QualificaAPS - Apoio e Teleconsultoria para Gestão Municipal da Atenção Básica Projeto QualificaAPS - Apoio e Teleconsultoria para Gestão Municipal da Atenção Básica Sobre o TelessaúdeRS O TelessaúdeRS é um projeto de pesquisa do Programa de Pós- Graduação em Epidemiologia da Faculdade

Leia mais

Atendimento nutricional: Eficiência, Adesão e Transformação. Conteúdo programático TAN 1.0

Atendimento nutricional: Eficiência, Adesão e Transformação. Conteúdo programático TAN 1.0 Atendimento nutricional: Eficiência, Adesão e Transformação 100% ONLINE Conteúdo programático TAN 1.0 Annie Bello, PhD Nutrição baseada em evidência Conteúdo programático TAN 1.0 Esse é um treinamento

Leia mais

DIAGNÓSTICO PARTICIPATIVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CHAPÉU

DIAGNÓSTICO PARTICIPATIVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CHAPÉU DIAGNÓSTICO PARTICIPATIVO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CHAPÉU CONHECENDO O MEIO AMBIENTE EM QUE VIVEMOS E OS SEUS PROBLEMAS Temos uma bela paisagem, arquitetura e patrimônio cultural (Rodolfo Gedeon, morador

Leia mais

HOSPITAL DE CARIDADE SÃO VICENTE DE PAULO. Cartilha Atendimento ao Cliente

HOSPITAL DE CARIDADE SÃO VICENTE DE PAULO. Cartilha Atendimento ao Cliente Cartilha Atendimento ao Cliente Esta cartilha vai ajudá-lo a conhecer quais os atendimentos de saúde devem ser procurados de acordo com a sua necessidade e de sua família. O Hospital de Caridade São Vicente

Leia mais

ENAM Cenários e Práticas da Humanização do Nascimento no Brasil

ENAM Cenários e Práticas da Humanização do Nascimento no Brasil ENAM - 2010 Cenários e Práticas da Humanização do Nascimento no Brasil Instituição Pública, Não Governamental, Filantrópica. Belo Horizonte Minas Gerais Art.196 A saúde é direito de todos e dever do Estado,

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio em. Alimentação Escolar

Curso Técnico de Nível Médio em. Alimentação Escolar Curso Técnico de Nível Médio em APRESENTAÇÃO O Projeto Pedagógico do Curso Técnico de Nível Médio em Secretaria, na modalidade a distância, com momentos presenciais, pertencente ao eixo tecnológico Apoio

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo tecnológico: AMBIENTE e SAÚDE Habilitação Profissional: Técnico em Enfermagem Qualificação:

Leia mais

OPAS/OMS Representação do Brasil Resumo Executivo do Plano de Trabalho

OPAS/OMS Representação do Brasil Resumo Executivo do Plano de Trabalho Identificação da Atividade (ou Projeto) OPAS/OMS Representação do Brasil Resumo Executivo do Plano de Trabalho Cooperação técnica com,como parte dos paises Africanos de língua Portuguesa para o fortalecimento

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Técnico em Mecânica

Leia mais

Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO. Urbanização Jd. Monte Alegre PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO

Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO. Urbanização Jd. Monte Alegre PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO Urbanização Jd. Monte Alegre PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO INFORMAÇÕES BÁSICAS datas de início e término: local: fonte de recursos: 2006 2016 Ribeirão

Leia mais

A PNSB e o Saneamento Rural

A PNSB e o Saneamento Rural A PNSB e o Saneamento Rural Antônio Tadeu Ribeiro de Oliveira Gerente de Estudos e Pesquisas Sociais VI Seminário Nacional de Saneamento Rural João Pessoa, 07.11.2012 A PNSB Pesquisa Nacional de Saneamento

Leia mais

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval

SAÚDE Diagnóstico Social do Concelho de Cadaval SAÚDE 54 A nível de equipamentos de saúde no concelho existem, um Centro de Saúde, uma Delegação de Saúde Pública e seis Extensões do Centro de Saúde, distribuídas pelas freguesias de Cadaval, Figueiros,

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM Missão Objetivo Geral Objetivos Específicos

CURSO: ENFERMAGEM Missão Objetivo Geral Objetivos Específicos CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO EXTERNO PARA PROFESSOR ADJUNTO PRECEPTOR

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO EXTERNO PARA PROFESSOR ADJUNTO PRECEPTOR EDITAL DE PROCESSO SELETIVO EXTERNO PARA PROFESSOR ADJUNTO PRECEPTOR A DIRETORA DA FACULDADE DE MINAS FAMINAS-BH, junto à Coordenadoria do Curso de Medicina, faz saber aos interessados que se encontram

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 88/ PRINCÍPIOS E DIRETRIZES DO SUS 2º AULA

CONSTITUIÇÃO DE 88/ PRINCÍPIOS E DIRETRIZES DO SUS 2º AULA CONSTITUIÇÃO DE 88/ PRINCÍPIOS E DIRETRIZES DO SUS 2º AULA PROF. HÉLDER PACHECO CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei 8.080 Lei 8.142 DECRETO 7.508 LEI 141 1988 1990 1991 1993 1996 2001/2002 2006 2011 2012 NOB NOAS

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Faculdade de Medicina Planejamento e Gerência em Saúde II Estudo de Caso Serviço de Emergência ProntoBaby

Universidade Federal Fluminense Faculdade de Medicina Planejamento e Gerência em Saúde II Estudo de Caso Serviço de Emergência ProntoBaby Universidade Federal Fluminense Faculdade de Medicina Planejamento e Gerência em Saúde II Estudo de Caso Serviço de Emergência ProntoBaby Prof.ª Dra Luciana Alves Pereira Prof. Dr. Túlio Batista Franco

Leia mais

Apresentação. Aplicação do IPM no bairro do Caju. Foto: Arquivo AfroReggae. Aplicação do Formulário IPM. Foto: Arquivo AfroReggae.

Apresentação. Aplicação do IPM no bairro do Caju. Foto: Arquivo AfroReggae. Aplicação do Formulário IPM. Foto: Arquivo AfroReggae. Apresentação Em março de 2014 o trabalho do Mutirão AfroReggae, em parceria com a Natura, permitiu a conclusão do trabalho de visita e acompanhamento das famílias em uma das comunidades no Complexo de

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA, NA MODALIDADE DE CONCESSÃO ADMINISTRATIVA, PARA

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA, NA MODALIDADE DE CONCESSÃO ADMINISTRATIVA, PARA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA, NA MODALIDADE DE CONCESSÃO ADMINISTRATIVA, PARA AMPLIAÇÃO E OPERAÇÃO PARCIAL DO SISTEMA DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DO MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS

Leia mais

RETIFICAÇÃO DE EDITAL

RETIFICAÇÃO DE EDITAL RETIFICAÇÃO DE EDITAL A Souza Araujo Assessoria em Serviços de Saúde Ltda, empresa organizadora do concurso juntamente com a comissão de acompanhamento do concurso, comunica ao público em geral que houve

Leia mais

ENFERMAGEM (PREF. MUNICIPAL DE CASCAVEL-PR / TÉCNICO EM ENFERMAGEM / CONSULPLAN / 2016)

ENFERMAGEM (PREF. MUNICIPAL DE CASCAVEL-PR / TÉCNICO EM ENFERMAGEM / CONSULPLAN / 2016) ENFERMAGEM 21. A desidratação pode ocorrer em crianças sem aleitamento materno, desnutridas, imunodeprimidas, sendo sua incidência maior nas populações de baixo nível socioeconômico. A depressão da fontanela

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saneamento Básico PNSB /09/2009

Pesquisa Nacional de Saneamento Básico PNSB /09/2009 Pesquisa Nacional de Saneamento Básico PNSB 2008 09/09/2009 HISTÓRICO 1974: o primeiro levantamento estatístico sobre saneamento básico foi realizado, num convênio firmado com o Ministério da Saúde, no

Leia mais

APOIO FAMILIAR DIREITOS E ESTRATEGIAS. Renata Flores Tibyriçá Defensora Pública do Estado de São Paulo

APOIO FAMILIAR DIREITOS E ESTRATEGIAS. Renata Flores Tibyriçá Defensora Pública do Estado de São Paulo APOIO FAMILIAR DIREITOS E ESTRATEGIAS Renata Flores Tibyriçá Defensora Pública do Estado de São Paulo O Que é Defensoria Pública? Defensoria Pública é instituição prevista na Constituição Federal (art.

Leia mais

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação

Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação de Acompanhamento e Avaliação PROPOSTA DE QUALIFICAÇÃO DO PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA NO BRASIL Brasília, Junho/2004

Leia mais

Semeando Futuro RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

Semeando Futuro RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Semeando Futuro RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Pilar da companhia Responsabilidade Socioambiental BRASIL OBJETIVO: Promover o desenvolvimento sustentável das comunidades onde atua DIAGNÓSTICO: Identificar

Leia mais

PRESIDENTE ALVES OBRAS E AÇÕES GESTÃO

PRESIDENTE ALVES OBRAS E AÇÕES GESTÃO PRESIDENTE ALVES OBRAS E AÇÕES GESTÃO 2011-2014 DESENVOLVIMENTO SOCIAL: Distribuição de leite: Distribuídos 24.420 litros de leite de Jan a Nov/2011 Custo: R$ 34 mil, beneficiando 148 famílias carentes,

Leia mais

Técnico em Enfermagem. Escola Profissional do Instituto de Cardiologia Av. Princesa Isabel nº 370, Bairro Santana Porto Alegre/RS Fone (51)

Técnico em Enfermagem. Escola Profissional do Instituto de Cardiologia Av. Princesa Isabel nº 370, Bairro Santana Porto Alegre/RS Fone (51) Técnico em Enfermagem Escola Profissional do Instituto de Cardiologia Av. Princesa Isabel nº 370, Bairro Santana Porto Alegre/RS Fone (51) 3235 4142 Instituto de Cardiologia Escola Profissional Nos últimos

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR

POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR NOTA TÉCNICA 02 2006 POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR 1 Brasília, 10 de fevereiro de 2006. I. Introdução: NOTA TÉCNICA 02 2006 O Ministério da Saúde está propondo a implantação da Política Nacional

Leia mais

A CAPACITAÇÃO EM ALEITAMENTO MATERNO PARA EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA: O PSF AMIGO DO PEITO

A CAPACITAÇÃO EM ALEITAMENTO MATERNO PARA EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA: O PSF AMIGO DO PEITO A CAPACITAÇÃO EM ALEITAMENTO MATERNO PARA EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA: O PSF AMIGO DO PEITO Prof. Antônio Prates Caldeira Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Universidade Estadual de Montes Claros

Leia mais

Centro de Referência em Saúde do Trabalhador

Centro de Referência em Saúde do Trabalhador MANUAL DE IMPLANTAÇÃO DO NÚCLEO MUNICIPAL EM SAÚDE DO TRABALHADOR (NMST) Passos para a criação de um NMST 1 SUMÁRIO Definição de NMST (O que é um NMST?)... 3 Função do NMRT (O que faz um NMST?)... 4 Garantias

Leia mais