Cobertura de Seguridade Social

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cobertura de Seguridade Social"

Transcrição

1 Cobertura de Seguridade Social A cobertura de seguridade social no Brasil: uma análise da componente previdenciária Paulo Tafner e Fabio Giambiagi Buenos Aires, maio/2010

2 Estrutura do Sistema previdenciário Regime Geral de Previdência Social - RGPS (trabalhadores setor privado) (PAYGO - BD) Benefícios emitidos (dez09): 27,048 milhões Valores emitidos (dez/09) : 17,124 (R$ bi) Regimes Próprios de Previdência - RPPs (servidores públicos) (PAYGO - BD) Benefícios emitidos (média/09): 1,8 milhões Valores emitidos (média/09) : 4,7 (R$ bi) Regime de Previdência Complementar (qualquer indivíduo desde que inscrito no RGPS ou RPPs - CD) - Sistema de capitalização - Sistema reserva de capital Cobertura da Seguridade - Brasil 2

3 Reformas do Sistema previdenciário CF-1988 Define o Sistema de Seguridade Social Sistema: Previdência, Assistência e Saúde* Estabelece múltiplas fontes de financiamento sobre fator trabalho Define Piso (previdenciário e assistencial): salário mínimo Setor Privado (RGPS) Reforma Constitucional 1998 EC 20 Setor Público - Tempo de trabalho p/ tempo contribuição - Novos entrantes: 60(H) / 55(M) - 80% dos maiores valores 1994 em diante Fator previdenciário (exp. vida) - Regra de transição para ativos - Aumento progressivo idade Ap. Idade Reforma Constitucional 2003 EC 41 Setor Privado (RGPS) Setor Público - Aumento do Valor do Teto (10 SM) - Novos entrantes: RGPS e Fundo - Universaliza: 60(H) / 55(M) e TC - Cobrança para Apos/Pen até Teto (RGPS) Cobertura da Seguridade - Brasil 3

4 Análise das Reformas CF Universaliza o Sistema de Previdência - Constitucionaliza as regras - Indexa o piso ao salário mínimo - Fixa piso previdenciário=assistencial - Define as fontes de financiamento - Deixa imprecisa a participação das unidades sub-nacionais. Reforma 1998 EC 20 - Desconstitucionaliza algumas regras - Determina regras mais duras tanto para o RGPS como para o RPPS - Regula os Fundos de Pensão (Previdência Complementar) - Estabelece a possibilidade de criação do Fator Previdenciário* - Contém o ritmo de aposentadorias, especialmente no RPPS Reforma 2003 EC 41 - Generaliza regra de idade e tempo de contribuição para o RPPS - Estabelece cobrança para servidores públicos até o teto RGPS (11%) - Eleva o teto do RGPS para 10 SM (28,4%) - Contem o ritmo de aposentadorias no RPPS e eleva arrecadação do RPPS Cobertura da Seguridade - Brasil 4

5 Previdência em números Resultado previdenciário (receitas e despesas): 2009 (% PIB) Composição % PIB Servidores (RPPs) -1,7 Receita 0,3 Despesa 2,0 INSS (RGPS) -1,4 Receita 5,8 Despesa 7,2 Total (déficit) -3,1 Receita 6,1 Despesa 9,2 Cobertura da Seguridade - Brasil 5

6 Previdência em números % PIB Despesas RGPS e RPPs (% PIB) 10,0 9,0 8,0 7,0 6,0 5,0 RGPS 4,0 3,0 2,0 1,0 RPPs 0, Fonte: Ministério de Planejamento e Ministério da Previdência Cobertura da Seguridade - Brasil 6

7 Previdência em números Em contraste com a relativa estabilidade dos gastos com servidores públicos, os gastos do INSS: a) Praticamente triplicaram o seu peso relativo na economia em pouco mais de 20 anos; b) Tiveram, dessa forma, uma variação de despesa de quase 5% do PIB ; e c) Transformaram-se na principal rubrica de gasto do orçamento federal Cobertura da Seguridade - Brasil 7

8 Previdência em números Evolução da despesa do INSS e do Regime Próprio (% PIB) Ano INSS RPPS , , , ,4 0, ,3 1, ,9 1, ,9 2, ,6 2, ,9 2, ,0 1, ,4 3x em 20 2, ,5 anos com 2, ,6 2, ,8 2, ,0 2, ,3 2, ,5 2, ,8 2, ,0 1, ,0 1, ,6 1, ,2 2,0 Fonte: Ministério de Planejamento e Ministério da Previdência Social estável Cobertura da Seguridade - Brasil 8

9 Uma comparação internacional (% PIB) 20 Despesa com Previdência e razão de dependência (80 países) Itália Uruguai Belgica Brasil Polônia Suiça Alemanha Holanda Portugal Turquia Argentina Japão Canadá Lituânia Chile Equador Coreia do Sul razão de dep demográfica Fonte: OCDE, Cobertura da Seguridade - Brasil 9

10 O RGPS informações gerais Composição do estoque de benefícios (quantidade e valor) dez/2009 Composição dos benefícios Quantidade Valor Benefícios do RGPS 87,01 90,39 Previdenciários 84,06 87,69 Aposentadorias 55,74 60,56 Idade 29,05 21,98 Invalidez 10,73 10,26 Tempo de Contribuição (TC) 15,96 28,32 Pensões 23,88 22,19 Auxílios 4,18 4,76 Outros benefícios 0,27 0,18 Acidentários 2,95 2,70 Benefícios Assistenciais 12,95 9,53 LOAS 11,71 8,59 RMV 1,19 0,87 Outros benefícios 0,05 0,07 Outro (EPU) 0,04 0,08 Total 100,00 100,00 Fonte: BEPS dez/2009 Cobertura da Seguridade - Brasil 10

11 O RGPS informações gerais Estoque dos principais benefícios (quantidade e valor) dez/2009 Composição Quantidade Valor Previdenciários Aposentadorias 55,74 60,56 Idade 29,05 21,98 Invalidez 10,73 10,26 Tempo de Contribuição (TC) 15,96 28,32 Pensões 23,88 22,19 Impacto adicional do SM Assistenciais LOAS + RMV 12,90 9,46 Total 92,51 92,22 Fonte: BEPS dez/2009 Cobertura da Seguridade - Brasil 11

12 O RGPS informações gerais Aposentadorias Estrutura dos benefícios Idade -> 65 (homem) / 60 (mulher) com pelo menos 11,5 anos de contribuição Invalidez -> Qualquer idade desde que filiado ao sistema Tempo de contribuição -> 35 (homem) / 30 (mulher) [casos especiais] Pensões -> sobrevivente (cônjuge ou parceiro). Basta titular ser inscrito Auxílios -> trabalhadores formais Benefícios Assistenciais LOAS -> trabalhador pobre 65 (homem) / 60 (mulher) Cobertura da Seguridade - Brasil 12

13 Aposentadoria Tempo de Contribuição Idade mínima e duração esperada de aposentadoria Brasil e grupo de países (anos) Fonte: Rocha e Caetano (2008). Cobertura da Seguridade - Brasil 13

14 Aposentadoria Tempo de Contribuição Proporção das aposentadorias urbanas ativas por tempo de contribuição concedidas pelo INSS a pessoas do sexo feminino, em relação ao total de aposentadorias urbanas ativas por tempo de contribuição concedidas pelo INSS Ano % Ano % , , , , , , , , , , , , , , ,0 Fonte: Anuário Estatístico da Previdência Social (vários anos) Cobertura da Seguridade - Brasil 14

15 Aposentadoria Tempo de Contribuição INSS: Estoque de aposentadorias femininas urbanas por tempo de contribuição (mil) Fonte: Anuário Estatístico da Previdência Social (vários anos) Cobertura da Seguridade - Brasil 15

16 Gastos com pensão por morte como proporção do PIB O Benefício de Pensão Despesa com pensão por morte e razão de dependência (amostra: 36 países ,0 3,5 3,0 2,5 2,0 Brasil Polônia Áustria Bélgica Itália 1,5 1,0 0,5 Tunísia México EUA 0,0 5,0 8,0 11,0 14,0 17,0 20,0 23,0 26,0 29,0 razão de dependencia demográfica (%) Fonte: OCDE, Cobertura da Seguridade - Brasil 16

17 O Benefício de Pensão Razão de gastarmos mais com pensão por morte, comparativamente a outros países Ausência de condicionalidades ao acesso à pensão por morte Exigência de período contributivo mínimo; Existência de filhos menores de idade; Sem qualquer limitação de idade do sobrevivente; Possibilidade de acúmulo de benefícios; Possibilidade de acúmulo com renda do trabalho; Não extinção com novo casamento; Sem previsão de extinção; Pressuposto de dependência econômica (prevalência feminina). Cobertura da Seguridade - Brasil 17

18 O Benefício de Pensão Indivíduos que recebem benefício de Pensão, Brasil, 2006 Pensão e Aposentadoria,17% Pensão, Aposentadoria e Trabalho, 5% Pensão e Trabalho, 22% Somente Pensão, 57% Fonte: Pnad, Cobertura da Seguridade - Brasil 18

19 O Benefício de Pensão Distribuição por sexo segundo composição do rendimento dos pensionsitas 100% 6,8% 14,3% 8,3% 16,2% 80% 60% 40% 93,2% 85,7% 91,7% 83,8% 20% 0% Somente pensão Pensão e trabalho Pensão e Aposentadoria Pensão, Aposentadoria e Trabalho Feminino (88,2%) Masculino (11,8%) Fonte: Pnad, Cobertura da Seguridade - Brasil 19

20 O Benefício Assistencial Benefício sem contrapartida contributiva Pode ser concedido a indivíduos que: Homem: 65 anos Mulheres: 60 anos (igual à Ap.Idade) Renda familiar per capita < ½ SM O valor desse benefício não entra no cálculo da renda familiar per capita => É legalmente possível um núcleo familiar ter 2 benefícios Valor do benefício = 1 SM (igual ao piso previdenciário) Cobertura da Seguridade - Brasil 20

21 O Benefício Assistencial Despesa com previdência e LOAS (% receita líquida do Governo Central, excluindo transferências a Estados e Municípios) Composição Inativos 7,6 12,2 12,9 11,6 9,8 10,2 A p o s e n t a d o r i a s e p e n s õ e s INSS 28,2 29,6 34,4 33,4 36,8 36,8 LOAS /a 0,0 0,0 0,8 1,3 2,6 3,1 Soma 35,8 41,8 48,1 46,3 49,2 50,1 /a A partir de 2004 (inclusive) inclui Rendas Mensais Vitalícias (RMV) Fonte: Secretaria de Política Econômica/Secretaria do Tesouro Nacional Cobertura da Seguridade - Brasil 21

22 Assistencialismo Número de beneficiários e gastos com RMV e LOAS (idoso) e estatísticas complementares Brasil dezembro de cada ano Ano Beneficiados do RMV e do LOAS (idoso) RMV LOAS TOTAL % em relação ao total de benefícios emitidos % em relação à população de 65 anos ou mais Gastos (R$ Mil) com RMV e LOAS (idoso) RMV LOAS TOTAL Fonte: MPS. Anuário Estatístico Previdência Social, diversos anos, Boletim Estatístico da Previdência Social, vol. 14, nº 12, dez/2009 e Projeção de População/IBGE revisão % em relação ao total de gastos de benefícios emitidos ,04 6, , ,89 6, , ,20 6, , ,45 7, , ,61 7, ,99 3x ,70 7, , ,89 8, , ,00 8, , ,81 10, , ,11 10, , ,37 11, , ,61 11, , ,84 12, , ,01 12, ,41 13x 6x Cobertura da Seguridade - Brasil 22

23 Assistencialismo Perfil Número de beneficiários e gastos com RMV e LOAS (idoso) e estatísticas complementares Brasil dezembro de cada ano Fonte:Pnad/2008 di IBGE. Cobertura da Seguridade - Brasil 23

24 O impacto do salário mínimo A importância do salário mínimo para o INSS é que ele regula o pagamento de 2/3 dos benefícios de aposentadorias e pensões Um efeito colateral da elevação do valor real do salário mínimo é que ele pesa cada vez mais na composição da folha de despesas do INSS. Se computado o universo das aposentadorias e pensões do INSS, o peso dos pagamentos associados àqueles que recebem estritamente um salário mínimo era de 33% no total no ano 2000 e já é de mais de 40% atualmente. Isso significa que se o salário mínimo tem um aumento real de 5%, então a despesa do INSS automaticamente aumenta 2%!!!! Cobertura da Seguridade - Brasil 24

25 O impacto do salário mínimo Variação do valor real do salário mínimo (%) Ano No ano Acumulada ,63 22, ,26 16, ,98 15, ,04 19, ,71 20, ,39 27, ,18 42, ,27 44, ,23 46, ,19 47, ,23 60, ,04 80, ,10 90, ,04 97, ,79 109, ,02 121,82 Compara o reajuste observado com a variação do INPC acumulada entre o reajuste precedente e o mês imediatamente anterior ao reajuste Cobertura da Seguridade - Brasil 25

26 O impacto do salário mínimo Relação entre o salário mínimo e a renda média dos 20% mais pobres e a renda média mensal das pessoas com 10 anos ou mais de idade, com rendimento 2,5 2,2 1,9 1,6 1,3 1,0 2,38 2,25 2,19 2,14 2,11 2,13 1,85 0,40 0,40 0,41 1,68 0,35 0,36 0,37 1,31 1,32 0,30 0,31 0,24 0, ,48 0,44 0,40 0,36 0,32 0,28 0,24 0,20 Relação salário mínimo e a renda média dos 20% mais pobres Relação entre o SM e a renda média mensal das pessoas de 10 anos ou mais de idade, com rendimento Fonte: Pnad do IBGE, diversos anos Cobertura da Seguridade - Brasil 26

27 Demografia: uma ameaça Brasil - Evolução da expectativa de vida por faixa etária (anos) Fonte: IBGE A realidade dos anos 80, levada em conta quando foi feita a Constituição de 1988, era que aos 60 anos um homem esperava viver até os 76 anos e uma mulher até os 77 anos. Atualmente, essa expectativa é de 4 anos a mais para os homens e 6 anos a mais para as mulheres. A realidade continua mudando. A pergunta que cabe diante disso é: vamos manter a Constituição intacta, congelando um pacto que foi feito baseado em outra realidade? Cobertura da Seguridade - Brasil 27

28 A imagem do Brasil envelhecendo (1) Pirâmides etárias brasileiras: Fonte: IBGE projeções demográficas, 2008 Cobertura da Seguridade - Brasil 28

29 A imagem do Brasil envelhecendo (2) Pirâmides etárias brasileiras: Fonte: IBGE projeções demográficas, 2008 Cobertura da Seguridade - Brasil 29

30 Como se comportou a cobertura Cobertura previdenciária simples e ampliada segundo grupos etários Brasil: 1984 e 2008 Cobertura Previdenciária simples e ampliada por faixa etária a 14 anos 15 a 29 anos 30 a 59 anos 60 anos ou mais T o t a l Cobertura Simples 0,2% 28,5% 45,0% 68,8% 25,5% Por contribuição 0,2% 28,0% 36,4% 6,3% 18,7% Por aposentadoria 0,0% 0,1% 5,8% 53,0% 5,3% Por pensão 0,0% 0,3% 2,9% 9,5% 1,6% Sem cobertura (direta) 99,8% 71,5% 55,0% 31,2% 74,5% Cobertura Ampliada 62,1% 71,6% 73,2% 88,7% 69,7% Sem cobertura (ampliada) 37,9% 28,4% 26,8% 11,3% 30,3% T o t a l Cobertura Previdenciária simples e ampliada por faixa etária a 14 anos 15 a 29 anos 30 a 59 anos 60 anos ou mais T o t a l Cobertura Simples 0,1% 32,5% 50,4% 81,8% 36,8% Por contribuição 0,0% 32,0% 41,7% 4,7% 24,8% Por aposentadoria 0,0% 0,1% 5,4% 58,3% 8,5% Por pensão 0,1% 0,4% 3,2% 18,9% 3,5% Sem cobertura (direta) 99,9% 67,5% 49,6% 18,2% 63,2% Cobertura Ampliada 63,2% 73,5% 76,3% 93,7% 74,3% Sem cobertura (ampliada) 36,8% 26,5% 23,7% 6,3% 25,7% T o t a l Fonte: Pnad 1984 e IBGE Cobertura da Seguridade - Brasil 30

31 Cobertura e o efeito da Constituição Os resultados mostram que não há oscilação expressiva na cobertura previdenciária ampliada. Em 1984, a cobertura ampliada era 69,7% e em 2008, 74,3%. Isso se deve a dois principais fatores: a) no caso dos idosos, há aumento de 5 pontos percentuais na cobertura, devido à forte ampliação da concessão de benefícios, especialmente a concessão de pensões (mas também de aposentadoria). Para a cobertura devida à contribuição há redução de 2 pontos percentuais; b) para os grupos etários de jovens e adultos, há ampliação da cobertura por contribuição (no grupo de 15 a 29 anos passa de 28,9% para 32,0% e no grupo de 30 a 59 anos, passa de 36,4% para 41,7%), com uma pequena queda na cobertura por recebimento de benefícios. Cobertura da Seguridade - Brasil 31

Salário mínimo, indexação e impactos na Seguridade brasileira

Salário mínimo, indexação e impactos na Seguridade brasileira Salário mínimo, indexação e impactos na Seguridade brasileira Paulo Tafner São Paulo Março de 216. Previdência Social Os fatos Previdência Social Brasileira - 214 (% do PIB) Previdência Social Brasileira

Leia mais

Previdência social no Brasil: desajustes, dilemas e propostas. Paulo Tafner

Previdência social no Brasil: desajustes, dilemas e propostas. Paulo Tafner Previdência social no Brasil: desajustes, dilemas e propostas Paulo Tafner São Paulo - Novembro de 2015. Previdência Social Os fatos Previdência Social Brasileira - 2014 (% do PIB) Previdência Social Brasileira

Leia mais

Previdência Social Brasília, junho de 2015

Previdência Social Brasília, junho de 2015 Previdência Social Brasília, junho de 2015 1 Década de 1980: A expectativa de vida ao nascer era de 62,5 anos; Transição demográfica no Brasil A maior concentração populacional estava na faixa até 19 anos

Leia mais

Fator Previdenciário

Fator Previdenciário Fator Previdenciário Marco Antônio Guarita Diretor de Relações Institucionais da CNI Brasília, 26 de março de 29 Principais Pontos Equilíbrio da Previdência: mandato constitucional, exigência para o crescimento

Leia mais

Darcy Francisco Carvalho dos Santos Junho/2015.

Darcy Francisco Carvalho dos Santos Junho/2015. Darcy Francisco Carvalho dos Santos Junho/2015. Fator previdenciário O fator previdenciário é o resultado de uma fórmula instituída pelo governo da época para dar um tratamento financeiro e atuarial à

Leia mais

CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS. DÉCIO BRUNO LOPES Vice Presidente de ssuntos da Seguridade Social MAIO/2016

CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS. DÉCIO BRUNO LOPES Vice Presidente de ssuntos da Seguridade Social MAIO/2016 CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS DÉCIO BRUNO LOPES Vice Presidente de ssuntos da Seguridade Social MAIO/2016 . CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS REPORTANDO-SE À ÉPOCA DOS INSTITUTOS DE APOSENTADORIA

Leia mais

Geografia População (Parte 2)

Geografia População (Parte 2) 1. Estrutura Etária: Geografia População (Parte 2) A Transição Demográfica corresponde à mudança no perfil de idade dos habitantes, engloba proporções de crianças, jovens/adultos, idosos, homens e mulheres.

Leia mais

AVALIAÇÃO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA E SUAS PERSPECTIVAS

AVALIAÇÃO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA E SUAS PERSPECTIVAS MPAS Ministério da Previdência e Assistência Social SPS Secretaria de Previdência Social AVALIAÇÃO DA REFORMA DA PREVIDÊNCIA E SUAS PERSPECTIVAS Apresentação elaborada para o Seminário Desafios da Previdência.

Leia mais

A previdência do servidor público e o impacto nas finanças estaduais

A previdência do servidor público e o impacto nas finanças estaduais A previdência do servidor público e o impacto nas finanças estaduais Carlos Henrique Flory Abril de 2014 A PREVIDÊNCIA DO SERVIDOR PÚBLICO ATÉ AS EMENDAS CONTITUCIONAIS DE 1998 E 2003: Mudança de ativo

Leia mais

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

REFORMA DA PREVIDÊNCIA MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social REFORMA DA PREVIDÊNCIA Regra Atual, PEC n.º 40/03, Substitutivo da Comissão Especial de Reforma da Previdência, Cenários e Projeções

Leia mais

O Bolsa Família e a Economia (Olhar sobre Objetivos Finais) Marcelo Neri Fábio Vaz Pedro Souza IPEA

O Bolsa Família e a Economia (Olhar sobre Objetivos Finais) Marcelo Neri Fábio Vaz Pedro Souza IPEA O Bolsa Família e a Economia (Olhar sobre Objetivos Finais) Marcelo Neri Fábio Vaz Pedro Souza IPEA Impactos do Bolsa Família sobre Objetivos Fim (Desenvolvimento Inclusivo Sustentável) Igualdade Olhar

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL: SEUS BENEFÍCIOS E O DIÁLOGO COM A SOCIEDADE

PREVIDÊNCIA SOCIAL: SEUS BENEFÍCIOS E O DIÁLOGO COM A SOCIEDADE PREVIDÊNCIA SOCIAL: SEUS BENEFÍCIOS E O DIÁLOGO COM A SOCIEDADE GRANDES NÚMEROS DO INSS 1.501 Agências da Previdência Social 39.392 servidores (4.730 peritos médicos) 198.000 pessoas atendidas diariamente.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INSTITUIÇÃO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS NOS MUNICÍPIOS

A IMPORTÂNCIA DA INSTITUIÇÃO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS NOS MUNICÍPIOS www.assimpasc.org.br A IMPORTÂNCIA DA INSTITUIÇÃO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - RPPS NOS MUNICÍPIOS Santa Catarina 2011 Prezado Leitor, A previdência social constitui atualmente tema de relevada

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES

MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES A PREVIDÊNCIA SOCIAL É uma forma de seguro coletivo de caráter contributivo em que todos contribuem com uma parcela de seu salário e de filiação obrigatória.

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL 2014 PRINCIPAIS RESULTADOS

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL 2014 PRINCIPAIS RESULTADOS ANUÁRIO ESTATÍSTICO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL 2014 PRINCIPAIS RESULTADOS Brasília, março de 2016 SPPS Secretaria de Políticas de Previdência Social 1 CONTRIBUINTES DO RGPS 2 EVOLUÇÃO ANUAL DO NÚMERO DE CONTRIBUINTES

Leia mais

Maio 2004. São Paulo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. São Paulo. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de São Paulo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 I) INTRODUÇÃO PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social

PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social LUCIANO MARTINEZ martinezluciano@uol.com.br Fanpage: facebook.com/professorlucianomartinez

Leia mais

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS INGRESSO NO SERVIÇO PÚBLICO ATÉ 19 DE DEZEMBRO DE 2003 Professora por tempo

Leia mais

Seguridade Social na Conjuntura Atual

Seguridade Social na Conjuntura Atual Universidade de Brasília (UnB) Instituto de Ciências Humanas (IH) Departamento de Serviço Social (SER) Programa de pós-graduação em Política Social Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Seguridade Social

Leia mais

Exercícios de estrutura da população

Exercícios de estrutura da população Exercícios de estrutura da população Material de apoio do Extensivo 1. Os gráficos a seguir, extraídos do sítio eletrônico do IBGE, apresentam a distribuição da população brasileira por sexo e faixa etária

Leia mais

SUMÁRIO Capítulo 1 Seguridade Social e a Previdência Social

SUMÁRIO Capítulo 1 Seguridade Social e a Previdência Social S UMÁRIO Capítulo 1 Seguridade Social e a Previdência Social... 1 1.1. Seguridade Social... 1 1.1.1. A Saúde... 2 1.1.2. A Assistência Social... 5 1.1.3. A Previdência Social... 10 1.1.3.1. Natureza jurídica

Leia mais

Programa de Aceleração do Crescimento DEPECON/FIESP 29/01/07

Programa de Aceleração do Crescimento DEPECON/FIESP 29/01/07 Programa de Aceleração do Crescimento DEPECON/FIESP 29/01/07 1 2 As Medidas do PAC se dividem em 5 categorias 1) Investimento em Infra-Estrutura 2) Estímulo ao Crédito e ao Financiamento 3) Desoneração

Leia mais

Página 1 de 8 FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 32 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 19.820.015-18 - PLANO DE BENEFÍCIOS I - FNTTA 12- OBSERVAÇÕES: ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8-

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Comunicação Social 25 de março de 2004 Pesquisa Mensal de Emprego Taxa de desocupação é de 12% em fevereiro Em fevereiro de 2004, a taxa de desocupação ficou estável tanto em relação ao mês anterior (11,7%)

Leia mais

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE

Maio 2004. Belo Horizonte. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Pesquisa Mensal de Emprego Maio 2004 Região Metropolitana de Belo Horizonte Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 1 PESQUISA MENSAL DE EMPREGO ESTIMATIVAS PARA O MÊS DE MAIO DE 2004 REGIÃO

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 253, de 2005

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 253, de 2005 1 Regulamenta os 12 e 13 do art. 201 e o 9º do art. Regulamenta os 12 e 13 do art. 201 da 195 da Constituição Federal, para dispor sobre o Constituição Federal, para dispor sobre o sistema sistema especial

Leia mais

Previdência social no Brasil: fatos e propostas

Previdência social no Brasil: fatos e propostas Previdência social no Brasil: fatos e propostas Paulo Tafner São Paulo Junho de 2016. Previdência Social Os fatos Previdência Social Brasileira 2014-15 (% do PIB) Previdência Social Brasileira 2014-15

Leia mais

Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil. ArcelorMittal Brasil

Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil. ArcelorMittal Brasil Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil ArcelorMittal Brasil 1 Porque ter um Plano de Previdência Complementar? 2 O Novo Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil Conheça

Leia mais

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1)

Renda Vitalícia por Aposentadoria por SRB - INSS Benefício Definido Capitalização Crédito Unitário Projetado Invalidez (1) PARECER ATUARIAL PLANO DE BENEFÍCIOS REB 2002 AVALIAÇÃO ANUAL 2005 Fl. 1/6 ENTIDADE SIGLA: FUNCEF 1 CÓDIGO: 01523 2 RAZÃO SOCIAL: FUNCEF-FUNDAÇÃO DOS ECONOMIÁRIOS FEDERAIS 18 3 PLANO NOME DO PLANO: REB

Leia mais

A PRODUÇÃO DE ESTATÍSTICAS HARMONIZADAS SOBRE AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

A PRODUÇÃO DE ESTATÍSTICAS HARMONIZADAS SOBRE AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência A PRODUÇÃO DE ESTATÍSTICAS HARMONIZADAS SOBRE AS PESSOAS COM

Leia mais

Afinal o que é a DRU?

Afinal o que é a DRU? Afinal o que é a DRU? Em 2015, um debate importante está sendo promovido sobre o Financiamento da Seguridade Social, no que tange a prorrogação da Desvinculação das Receitas da União (DRU). Mas afinal

Leia mais

Informações sobre Beneficiários, Operadoras e Planos

Informações sobre Beneficiários, Operadoras e Planos Gerência de Produção de Informação GEPIN/GGSIS/DIDES Informações sobre Beneficiários, Operadoras e Planos DADOS DO SETOR EDIÇÃO: JUNHO/2005 COMPETÊNCIA: MARÇO/2005 O Caderno de Informações de Beneficiários,

Leia mais

O fator previdenciário deve acabar?

O fator previdenciário deve acabar? 1 O fator previdenciário deve acabar? Meiriane Nunes Amaro * Por ocasião da discussão da primeira reforma da previdência social, o Congresso Nacional rejeitou a imposição de idade mínima para habilitação

Leia mais

Resultados de março 2015

Resultados de março 2015 Resultados de março Em março de, as MPEs paulistas apresentaram queda de 4,8% no faturamento real sobre março de 2014 (já descontada a inflação). Por setores, no período, os resultados para o faturamento

Leia mais

Previdência Social no Brasil: financiamento, diagnóstico e propostas. Setembro 2007

Previdência Social no Brasil: financiamento, diagnóstico e propostas. Setembro 2007 Previdência Social no Brasil: financiamento, diagnóstico e propostas Setembro 2007 1 1) Evolução da Previdência Social 2) Diagnóstico dos problemas 3) Déficit vs. Superávit: um falso debate 4) Por que

Leia mais

As despesas primárias fora de controle

As despesas primárias fora de controle POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA As despesas primárias fora de controle Jedson César de Oliveira * José Luis Oreiro ** Entre as questões mais preocupantes atualmente no que tange a condução da política

Leia mais

LEI Nº 6.111, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2005..

LEI Nº 6.111, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2005.. LEI Nº 6.111, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2005.. Autoria: Prefeito Municipal. ALTERA O ANEXO DE METAS FISCAIS DA LEI Nº 6.081, DE 4 DE JULHO DE 2005, QUE DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Setembro de 20 1 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas

Leia mais

PARECER Nº, DE 2016. RELATOR: Senador JOSÉ PIMENTEL I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2016. RELATOR: Senador JOSÉ PIMENTEL I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2016 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, à Proposta de Emenda à Constituição nº 18, de 2009, do Senador Paulo Paim e outros, que altera o 8º do art. 201 da Constituição Federal,

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Previdência Cresce o apoio a medidas de reforma da previdência Os brasileiros começam a tomar consciência dos problemas que a previdência pública apresenta.

Leia mais

SOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO DO INSS - 2008 TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL PROVA BRANCA.

SOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO DO INSS - 2008 TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL PROVA BRANCA. SOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO DO INSS - 2008 TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL PROVA BRANCA. Professor Joselias www.concurseiros.org Março de 2008. Um dos indicadores de saúde comumente utilizados

Leia mais

Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE -

Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE - Boletim eletrônico trimestral sobre a participação das mulheres no mercado de trabalho a partir dos dados da - Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE - Elaboração: (SPM), Fundo de Desenvolvimento das Nações

Leia mais

ESTRUTURA ETÁRIA, BÔNUS DEMOGRÁFICO E POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA NO BRASIL. Cenários de Longo Prazo e suas Implicações para o Mercado de Trabalho

ESTRUTURA ETÁRIA, BÔNUS DEMOGRÁFICO E POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA NO BRASIL. Cenários de Longo Prazo e suas Implicações para o Mercado de Trabalho CAPÍTULO 12 ESTRUTURA ETÁRIA, BÔNUS DEMOGRÁFICO E POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA NO BRASIL Cenários de Longo Prazo e suas Implicações Mercado de Trabalho Objetivos Caracteriza o processo de transição demográfica

Leia mais

Educação Brasileira: Desafios e Oportunidades

Educação Brasileira: Desafios e Oportunidades Educação Brasileira: Desafios e Oportunidades VI Congresso Brasileiro de Gestão Educacional GEduc 2008 São Paulo, 26 de março de 2008 Gustavo Ioschpe desembucha@uol.com.br Brasil perde o bonde da História

Leia mais

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte?

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? 1 Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? A MP 664 de dezembro de 2014 previu uma carência de 24 meses para a obtenção do benefício pensão por morte. Depois de muita discussão no Congresso

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA

OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA OBSERVATÓRIO DO TRABALHO DE DIADEMA Relatório Semestral: O mercado de trabalho formal no município de Diadema em anos selecionados: 99,, e 6 Termo de Contrato Nº. 6/ MAIO de 8 SUMÁRIO Introdução 3. Análise

Leia mais

Valor máximo: R$ 4.663,75 (2015) Benefícios variáveis, dependendo do valor acumulado pelo servidor

Valor máximo: R$ 4.663,75 (2015) Benefícios variáveis, dependendo do valor acumulado pelo servidor Valor máximo: R$ 4.663,75 (2015) Benefícios variáveis, dependendo do valor acumulado pelo servidor De servidor para servidor Conhecemos o dia a dia de quem trabalha para mover o estado mais importante

Leia mais

Com a Previdência Associativa

Com a Previdência Associativa O Painel O Sinergismo do Sistema Unicred Com a Previdência Associativa A Visão do Cooperado Negócio ou Benefício Gilberto Rodrigues Pinto Central RJ/MT A Realidade dos Aposentados No Brasil A Realidade

Leia mais

Avaliação Atuarial. Brasília, dezembro de 2014. Avaliação Atuarial

Avaliação Atuarial. Brasília, dezembro de 2014. Avaliação Atuarial Avaliação Atuarial Estado do Rio de Janeiro/RJ Brasília, dezembro de 2014. Avaliação Atuarial AVALIAÇÃO ATUARIAL Estado do Rio de Janeiro/RJ Atuário Responsável: Adilson Costa Miba 1.032 MTb/RJ Brasília,

Leia mais

Reunião do Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdência Social. Brasília, 17 de Fevereiro de 2016

Reunião do Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdência Social. Brasília, 17 de Fevereiro de 2016 Reunião do Fórum de Debates sobre Políticas de Emprego, Trabalho e Renda e de Previdência Social Brasília, 17 de Fevereiro de 2016 1 A taxa de fecundidade caiu 57,7% entre 1980 e 2015, passando de 4,1

Leia mais

2. COMPARAÇÃO DE PERFIL ENTRE ADIMPLENTES E INADIMPLENTES

2. COMPARAÇÃO DE PERFIL ENTRE ADIMPLENTES E INADIMPLENTES PERFIL DO CONSUMIDOR COM E SEM DÍVIDAS NO BRASIL 1. PESQUISA Pesquisa inédita realizada pela CNDL e SPC Brasil buscou avaliar o perfil dos brasileiros adimplentes e inadimplentes, sendo consideradoscomo:

Leia mais

APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO CONTRIBUIÇÃO CONTRIBUIÇÃO Legislação Artigo 201, 7º, I, da CF Artigo 52 a 56 Lei 8213/91 Artigo 56 a 63 Decreto 3048/99 Artigo 234 a 245, da IN 77/2015 CONTRIBUIÇÃO Conceito É o benefício devido ao segurado

Leia mais

PENSÃO POR MORTE. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Artigo 201, inciso V, da CF; Artigos 74 a 79 da Lei 8.213/91 (LB); Artigos 105 a 115 do Decreto 3.

PENSÃO POR MORTE. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Artigo 201, inciso V, da CF; Artigos 74 a 79 da Lei 8.213/91 (LB); Artigos 105 a 115 do Decreto 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Artigo 201, inciso V, da CF; Artigos 74 a 79 da Lei 8.213/91 (LB); Artigos 105 a 115 do Decreto 3.048/99; e Artigos 364 a 380, da IN 77. CONCEITO A pensão por morte é o benefício previdenciário

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios: Resultados do Universo

Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios: Resultados do Universo Censo Demográfico 2010 Características da população e dos domicílios: Resultados do Universo Rio de Janeiro, 16 de novembro de 2011 INTRODUÇÃO Por convenção, denomina-se Universo, o conjunto de características

Leia mais

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO, SALÁRIO DE BENEFÍCIO E RENDA MENSAL INICIAL CONCEITOS Professor: Anderson Castelucio CONCEITOS DE SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO Art. 214. Entende-se por salário-de-contribuição: I -

Leia mais

Dinâmica populacional. Porto Alegre 2015

Dinâmica populacional. Porto Alegre 2015 Dinâmica populacional Porto Alegre 2015 Conceitos demográficos fundamentais a distribuição mundial Os diferentes aspectos demográficos, tais como população absoluta, densidade demográfica, crescimento

Leia mais

Fórmula 85/95: que Estados pagam o fim do fator previdenciário?

Fórmula 85/95: que Estados pagam o fim do fator previdenciário? Fórmula 85/95: que Estados pagam o fim do fator previdenciário? Pedro Fernando Nery 1 1. Introdução: do que trata a MP nº 676/2015? Durante a votação da Medida Provisória nº 664/2014 2, na Câmara dos Deputados,

Leia mais

Adendo ao livro MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Autor: Hugo Medeiros de Goes

Adendo ao livro MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Autor: Hugo Medeiros de Goes Adendo ao livro MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Autor: Hugo Medeiros de Goes 1. ERRATA Página 180 No primeiro parágrafo do item 2.10.1 (Beneficiários): Onde se lê: Os beneficiários da pensão por morte

Leia mais

Reforma da Previdência

Reforma da Previdência Reforma da Previdência Henrique Meirelles Ministro da Março, 2017. Evolução do Gasto Primário do Governo Central 2 Gasto Primário do Governo Central (% PIB) 20% 19,3% 19,7% 18% 16% 14,8% 15,9% 16,8% 17,0%

Leia mais

Plano Misto de Benefícios Previdenciários nº 1 COSIprev Previdência Usiminas Mineração Usiminas S.A.

Plano Misto de Benefícios Previdenciários nº 1 COSIprev Previdência Usiminas Mineração Usiminas S.A. Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2012, referente à patrocinadora Mineração Usiminas S.A. do Plano Misto de Benefícios Previdenciários nº 1 COSIprev administrado

Leia mais

ipea 1 Introdução NOTA TÉCNICA Sergei Soares* 1

ipea 1 Introdução NOTA TÉCNICA Sergei Soares* 1 A Distribuição dos Rendimentos do Trabalho e a Queda da Desigualdade de 1995 a 2009 Sergei Soares* 1 1 Introdução A edição de 2009 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do Instituto Brasileiro

Leia mais

Aumento de 2,69% no custo do cesto básico de produtos em fevereiro de 2016 em Chapecó

Aumento de 2,69% no custo do cesto básico de produtos em fevereiro de 2016 em Chapecó Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 21, Nº 02 Fevereiro/2016 Aumento de 2,69% no custo do cesto básico de produtos em fevereiro de 2016

Leia mais

no Estado do Rio de Janeiro

no Estado do Rio de Janeiro MICROEMPREENDEDORES FORMAIS E INFORMAIS NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DEZEMBRO DE 2013 Nº27 PANORAMA GERAL De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra

Leia mais

CARTILHA DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE RPPS

CARTILHA DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE RPPS PREFEITURA MUNICIPAL DE BELO HORIZONTE SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE GESTÃO PREVIDENCIÁRIA CARTILHA DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL

Leia mais

Reforma da Previdência

Reforma da Previdência Reforma da Previdência Henrique Meirelles Ministro da Abril, 2017. Evolução do Gasto Primário do Governo Central 2 Gasto Primário do Governo Central (% PIB) 20% 19,3% 19,7% 18% 16% 14,8% 15,9% 16,8% 17,0%

Leia mais

CURSO COMPLETO de DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2015 Professores ITALO ROMANO e FLAVIANO LIMA

CURSO COMPLETO de DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2015 Professores ITALO ROMANO e FLAVIANO LIMA APOSTILA 01 BENEFÍCIOS Prof. Italo Romano Aspectos Constitucionais da Seguridade Social Anotações Iniciais: 1. CONCEITO DE SEGURIDADE SOCIAL 1.1. A Seguridade social é um conjunto de princípios, normas

Leia mais

Desafios da Previdência. FGV Rio de Janeiro, Março 2016

Desafios da Previdência. FGV Rio de Janeiro, Março 2016 Desafios da Previdência FGV Rio de Janeiro, Março 2016 Evolução da Razão de Dependência de Idosos 2000-2060 IBGE 45 40 35 30 25 20 15 10 5 8 Despesa RGPS como % do PIB 1995-2015 7.5 7.4 7 6.5 6.4 6.7 6.9

Leia mais

Encontro dos Representantes Regionais da Prevdata 2012. Plano de Contribuição Variável CV - Prevdata II

Encontro dos Representantes Regionais da Prevdata 2012. Plano de Contribuição Variável CV - Prevdata II Encontro dos Representantes Regionais da Prevdata 2012 Plano de Contribuição Variável CV - Prevdata II Previdência Complementar e Prevdata Sistema Previdenciário Brasileiro e a nossa realidade ENTIDADES

Leia mais

PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro PERFIL DAS MULHERES empreendedoras da Região Metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, JUNHO DE 2012 12 2012 PANORAMA GERAL

Leia mais

OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010

OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010 OCUPAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NAS REGIÕES DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: uma análise a partir do Censo 2010 NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, MAIO

Leia mais

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO

A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO A MULHER NO MERCADO DE TRABALHO A busca por oportunidades iguais de trabalho e renda entre homens e mulheres é o foco de discussão entre grupos feministas em todos os países. A discriminação no campo de

Leia mais

Artigo Previdência e Assistência Social: Tendências de Longo Prazo

Artigo Previdência e Assistência Social: Tendências de Longo Prazo MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Artigo Previdência e Assistência Social: Tendências de Longo Prazo Vinícius C. Pinheiro Secretário de Previdência Social

Leia mais

Walter Oda Consultor Legislativo da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ESTUDO ESTUDO JUNHO/2004

Walter Oda Consultor Legislativo da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário ESTUDO ESTUDO ESTUDO JUNHO/2004 ESTUDO ESTUDO EFEITOS PREVIDENCIÁRIOS DECORRENTES DA ALTERAÇÃO INTRODUZIDA NA METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO DA TÁBUA DE MORTALIDADE DE 2002, DIVULGADA EM DEZEMBRO DE 2003 ESTUDO JUNHO/2004 Walter Oda Consultor

Leia mais

Plano Misto de Benefícios Previdenciários nº 1 COSIprev Previdência Usiminas Usiminas Mecânica S.A.

Plano Misto de Benefícios Previdenciários nº 1 COSIprev Previdência Usiminas Usiminas Mecânica S.A. Parecer Atuarial Para fins da avaliação atuarial referente ao exercício de 2012, referente à patrocinadora Usiminas Mecânica S.A. do Plano Misto de Benefícios Previdenciários nº 1 COSIprev administrado

Leia mais

A Seguridade Social e o Financiamento do SUS no Brasil / DF

A Seguridade Social e o Financiamento do SUS no Brasil / DF A Seguridade Social e o Financiamento do SUS no Brasil / DF EQUIPE DA ECONOMIA DA SAÚDE Profº Elias Antônio Jorge Ana Cleusa Serra Mesquita Andrea Barreto de Paiva Ruyter de Faria Martins Filho Jomar Miranda

Leia mais

Previni. 1 - REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS: os autônomos e Todos os trabalhadores da área privada são seus segurados;

Previni. 1 - REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS: os autônomos e Todos os trabalhadores da área privada são seus segurados; Previdência Previdência Social :: Histórico:: Regimes de Previdência Social:: Das Patrocinadoras:: Dos Segurados:: Dos Dependentes:: Dos Benefícios Concedidos:: Do Valor da Contribuição:: Onde Requerer

Leia mais

O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica.

O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica. O Setor de Saúde na Perspectiva Macroeconômica. Marcos Paulo Novais Silva José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO Este trabalho analisa a pesquisa Contas Satélite de Saúde 2005-2007, divulgada

Leia mais

GRUPO ATUARIAL. 1. A Norma Derivada nº 11 afeta a Gestão da OPS ou da Prestação de Serviço? Quais os complementos e limites recomendados?

GRUPO ATUARIAL. 1. A Norma Derivada nº 11 afeta a Gestão da OPS ou da Prestação de Serviço? Quais os complementos e limites recomendados? GRUPO ATUARIAL 1. A Norma Derivada nº 11 afeta a Gestão da OPS ou da Prestação de Serviço? Quais os complementos e limites recomendados? Frente aos parâmetros atuais, quais sejam: I Falta ou insuficiência

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Bolsa Família, Exclusão Social, Extrema Pobreza, Pobreza, Sistema Eletrônico de Desenvolvimento Social.

RESUMO. Palavras-chave: Bolsa Família, Exclusão Social, Extrema Pobreza, Pobreza, Sistema Eletrônico de Desenvolvimento Social. Informações sobre as famílias do município de SP beneficiárias do Programa Bolsa Família, de acordo com o Sistema Eletrônico de Desenvolvimento Social SEDESO, referentes ao período de abril a junho de

Leia mais

NO ÂMBITO DA OCUPAÇÃO

NO ÂMBITO DA OCUPAÇÃO PRINCIPAIS DESTAQUES DA EVOLUÇÃO DO MERCADO DE TRABALHO NAS SEIS REGIõES METROPOLITANAS DO PAÍS ABRANGIDAS PELA PESQUISA MENSAL DE EMPREGO DO IBGE (RECiFE, SALVADOR, BELO HORIZONTE, RIO DE JANEIRO, SÃO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.267

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.267 PARECER Nº 14.267 Emenda Constitucional n. 41/03. Professor. Aposentadoria proporcional. Valor dos proventos. Fixação de reajustes. O presente expediente administrativo EA n 008568-1900/04-0 teve origem

Leia mais

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO CÁLCULOS SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO CONCEITO: é o valor que serve de base de cálculo para incidência das alíquotas das contribuições previdenciárias (fonte de custeio) e para o cálculo do salário benefício.

Leia mais

PIRAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PIRACAIA

PIRAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PIRACAIA PIRAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PIRACAIA Piracaia, 24 de Julho de 2.015 APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REQUISITO Geral Magistério SEXO HOMEM MULHER HOMEM

Leia mais

A CRISE DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

A CRISE DA PREVIDÊNCIA SOCIAL 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS - UNIMONTES CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - CCSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS - DCE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS A CRISE DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Acadêmicas:

Leia mais

Regras de aposentadoria constantes da redação original da CF/88 foram alteradas pelas Emendas Constitucionais: - 20/98-41/03-47/05

Regras de aposentadoria constantes da redação original da CF/88 foram alteradas pelas Emendas Constitucionais: - 20/98-41/03-47/05 Agosto 2014 Regras de aposentadoria constantes da redação original da CF/88 foram alteradas pelas Emendas Constitucionais: - 20/98-41/03-47/05 1) voluntária, por tempo de serviço, com proventos integrais;

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 17

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 17 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 17 SOBRE A PERDA DE VALOR DAS APOSENTADORIAS: EXISTE PERDA? Pedro Fernando Nery 1 As aposentadorias e pensões do INSS receberam nos últimos anos aumentos em ritmos muito diferentes.

Leia mais

É PRECISO MELHORAR O ORÇAMENTO COM A ASSISTÊNCIA MÉDICA E ODONTOLÓGICANO TRT DE SÃO PAULO

É PRECISO MELHORAR O ORÇAMENTO COM A ASSISTÊNCIA MÉDICA E ODONTOLÓGICANO TRT DE SÃO PAULO É PRECISO MELHORAR O ORÇAMENTO COM A ASSISTÊNCIA MÉDICA E ODONTOLÓGICANO TRT DE SÃO PAULO O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª. Região TRT 2 tem uma dotação 1 inicial de R$ 26,4 milhões no orçamento de

Leia mais

Custo da cesta básica tem forte alta na maioria das capitais em 2010

Custo da cesta básica tem forte alta na maioria das capitais em 2010 1 São Paulo, 11 de janeiro de 2011. NOTA À IMPRENSA Custo da cesta básica tem forte alta na maioria das capitais em 2010 Catorze, das 17 capitais onde o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística

Leia mais

Curso de Questões Comentadas

Curso de Questões Comentadas Hugo Goes Direito Previdenciário FCC Curso de Questões Comentadas Indicado para o concurso do INSS Técnico do Seguro Social e Perito Médico Dezembro de 2011 O autor Hugo Goes nasceu na zona rural do pequeno

Leia mais

FÁTIMA CONCEIÇÃO GOMES GERENTE EXECUTIVA DO INSS EM SANTO ANDRÉ

FÁTIMA CONCEIÇÃO GOMES GERENTE EXECUTIVA DO INSS EM SANTO ANDRÉ FÁTIMA CONCEIÇÃO GOMES GERENTE EXECUTIVA DO INSS EM SANTO ANDRÉ NOSSAS AGÊNCIAS: MAUÁ RIBEIRÃO PIRES SANTO ANDRÉ SÃO CAETANO DO SUL ATENDIMENTO: População de Rio Grande da Serra Nossa Gerência: 3.000 atendimentos

Leia mais

Financiamento para descentralização produtiva com inclusão social

Financiamento para descentralização produtiva com inclusão social Associação Brasileira de Instituições Financeiras de Desenvolvimento Financiamento para descentralização produtiva com inclusão social Maurício Elias Chacur Presidente da ABDE 40ª Reunião Ordinária da

Leia mais

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda

Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda Redução da jornada de trabalho - Mitos e verdades Apresentação Jornada menor não cria emprego Tramita no Congresso Nacional a Proposta de Emenda à Constituição 231/95 que reduz a jornada de trabalho de

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL Nº.../2015. (do Sr. Bonifácio de Andrada)

PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL Nº.../2015. (do Sr. Bonifácio de Andrada) PROPOSTA DE EMENDA CONSTITUCIONAL Nº.../2015. (do Sr. Bonifácio de Andrada) Dá nova redação aos incisos XVIII e XIX do art. 7º, e ao inciso II do art. 195 da Constituição Federal, que dispõem sobre a licença

Leia mais

Plano de Habitação de Interesse Social do Porto PHIS-Porto. Reunião Pública Diagnóstico 18/06/2015

Plano de Habitação de Interesse Social do Porto PHIS-Porto. Reunião Pública Diagnóstico 18/06/2015 Plano de Habitação de Interesse Social do Porto PHIS-Porto Reunião Pública Diagnóstico 18/06/2015 Diagnóstico do Setor Habitacional Objetivos _ Levantamento de dados que quantifiquem e qualifiquem as necessidades

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA

1 INTRODUÇÃO 1.1 TEMA E PROBLEMA DE PESQUISA 1 INTRODUÇÃO A previdência social é formada por um conjunto de programas e benefícios que têm por fim garantir recursos necessários à manutenção de seus segurados e dar amparo público aos não contribuintes

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam Belchior INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidenta Wasmália Bivar Diretor-Executivo Fernando

Leia mais

15º Congresso Nacional da Previdência da ANEPREM 2º Seminário ANEPREM. Goiânia, 30/09/2015. Workshop CAIXA

15º Congresso Nacional da Previdência da ANEPREM 2º Seminário ANEPREM. Goiânia, 30/09/2015. Workshop CAIXA 15º Congresso Nacional da Previdência da ANEPREM 2º Seminário ANEPREM Goiânia, 30/09/2015 Workshop CAIXA Agenda Produtos e Serviços CAIXA Recadastramento de Servidores Avaliação Atuarial Custo Previdenciário

Leia mais

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015

Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015 Projeto de Lei Orçamentária Anual 2015 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 11 de novembro de 2014 1 Parâmetros macroeconômicos para 2015 PIB real 3,0% PIB Nominal R$ 5.765,5 bilhões Salário

Leia mais

Considerando a Lei nº. 14.653, de 22 de dezembro de 2011, que instituiu o regime de Previdência Complementar do Estado de São Paulo;

Considerando a Lei nº. 14.653, de 22 de dezembro de 2011, que instituiu o regime de Previdência Complementar do Estado de São Paulo; Instrução SP-PREVCOM / TJ nº 04/2013. Considerando a Lei nº. 14.653, de 22 de dezembro de 2011, que instituiu o regime de Previdência Complementar do Estado de São Paulo; A Fundação de Previdência Complementar

Leia mais