Radiografia da Educação Infantil, RS, Três Coroas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015. Três Coroas"

Transcrição

1 Radiografia da Educação Infantil, RS, 2015 Três Coroas Mesorregião: Metropolitana de Porto Alegre - Microrregião: Gramado-Canela Área territorial: 185,54 Km2 - Produto Interno Bruto (2013): R$ ,00 Receita Impostos (2015): R$ ,28 Receita Impostos (per capita): R$ 1.460,98 Posição Estadual da Prefeitura na Arrecadação de Impostos (per capita): 436ª Renda Média Domiciliar (per capita) (2010): R$ 787,26 Posição no Brasil: 598ª - Posição no Estado: 181ª Coeficiente de Gini 1 : (2000): 0,4574 (2010): 0, Posição no Estado-(2010): 75ª População Residente (2010): hab. - População Urbana (2010): 86,15% População de (2010) População de (2010) Urbana Rural Urbana (%) Urbana Rural Urbana (%) ,29% ,97% Distribuição espacial da população de acordo com o rendimento nominal mensal domiciliar per capita, 2010, Três Coroas: População Total Residente População Classes por Renda Total Urbana Rural Total Urbana Rural Sem rendimento 0,78% 0,45% 2,87% 0,51% 0,24% 2,29% R$ 1,00 a R$ 70,00 0,29% 0,19% 0,88% 0,77% 0,53% 2,29% R$ 71,00 a R$ 140,00 2,27% 1,95% 4,24% 5,71% 4,93% 10,69% R$ 141,00 ou mais 96,64% 97,38% 92,00% 93,01% 94,30% 84,73% No município de Três Coroas 6,99% das crianças de se encontram em situação de miséria (famílias com rendimento nominal mensal per capita de até R$ 140,00), sendo que 0,51% das crianças residentes integram famílias sem rendimento, IBGE, Coeficiente de Gini: Mede o grau de concentração da renda Quanto mais alto maior a concentração da renda. Varia entre 0 (igualdade absoluta) a 1 (Desigualdade absoluta).

2 Indicadores da Educação Infantil, Três Coroas Número de escolas, turmas e docentes na creche e na pré-escola, das diferentes esferas administrativas, Três Coroas, 2015: /Rede Federal Estadual Municipal Privada Total Escola Turma Docente Pré-Escola/Rede Federal Estadual Municipal Privada Total Escola Turma Docente Evolução do Município de Três Coroas no número de matrículas em creche e pré-escola, por dependência administrativa, : Pré-Escola Total Municipal Estadual Privada Total Municipal Estadual Privada Taxa bruta de atendimento (matrícula em creche e pré-escola, independentemente da idade do aluno) da Educação Infantil, , Três Coroas: Alunos Taxa de Atendimento Posição Atendimento Vagas a criar PNE Entre Escolar Infantil Escolar Infantil Municípios Escolar Infantil ,01% 83,16% 49,97% 121ª ,77% 81,82% 57,78% 72ª ,30% 85,34% 59,63% 84ª Taxa de atendimento por idade do aluno (atendimento de crianças de e de 4 e 5, independentemente da etapa de ensino em que estão matriculadas), posição e vagas a criar, , Três Coroas: Idade dos Alunos Taxa de Atendimento Posição Atendimento Entre Municípios Vagas a criar PNE ,63% 82,25% 60,88% 103ª ,92% 86,27% 67,78% 89ª ,40% 85,96% 68,68% 107ª Taxas de atendimento por idade, por etapa e vagas a criar na Educação Infantil, 2015, Três Coroas: Faixas de Idade dos Alunos 2015 Alunos 2015 População Taxa por Idade Vagas a criar: Meta 1 do Plano Nacional de Educação Etapa Taxa Bruta Taxa Líquida ,40% 56,99% 56,99% ,96% 91 Pré-Escola 93,52% 85,49% ,68% 91 Ed. Infantil 68,83% 66,23% Seis ,89%

3 Idade dos alunos na Educação Infantil e de até seis no Ensino Fundamental, 2015, Três Coroas: Idade do Aluno Pré-Escola Ensino Fundamental < Um 114 Um 224 Dois s Três s Quatro s 267 Cinco s Seis s Sete s ou + 5 Soma Média da carga horária diária da, por dependência administrativa, no Município de Três Coroas e média dos Municípios do Estado, 2013/2015, (formato: HH:MM:SS): Escolarização Federal Estadual Municipal Particular Comunitária Confessional Filantrópica Município :37:00 11:16:00 11:31: :39:00 11:14:00 11:33:00 Variação carga horária 0:02:00-00:02:00 0:02:00 Média Munic :56:00 7:48:00 9:49:00 9:52:00 11:01:00 7:53:00 8:31:00 9:47:00 Média da carga horária diária da Pré-Escola, por dependência administrativa, no Município de Três Coroas e média dos Municípios do Estado, 2013/2015, (formato: HH:MM:SS): Escolarização Federal Estadual Municipal Particular Comunitária Confessional Filantrópica Município :33:00 11:27:00 7:02: :50:00 11:22:00 7:38:00 Variação carga horária 0:17:00-00:05:00 0:36:00 Média Munic :58:00 4:08:00 5:41:00 8:01:00 9:52:00 5:02:00 6:20:00 6:16:00 Taxas de atendimento na Educação Infantil, 2015, Três Coroas: f Bruta Matrículas, independentemente da Idade. : 56,99% Pré-Escola: 93,52% Ed. Infantil: 68,83% Líquida Nº de alunos com idade adequada à etapa em que estão matriculados ( na creche; na pré-escola) : 56,99% Pré-Escola: 85,49% Ed. Infantil: 66,23% Idade Nº de crianças de e de 4 a 5 inseridas no sistema de ensino, independentemente da etapa em que estão matriculadas : 60,40% : 85,96% : 68,68% As taxas de atendimento em creche e pré-escola foram calculadas considerando a estimativa populacional do ano de : crianças de 0 a 43 e ; 5 : 648 xx% crianças de 4 e 5. Nº de Vagas a Criar, considerando a Taxa por Idade e as Metas do Plano Nacional de Educação para a Ed. Infantil: : : 91 2 IBGE-Estimativas populacionais enviadas para o TCU, estratificadas por idade e sexo pelo MS/SGEP/Datasus

4 14,8% 31,8% 30,7% 42,8% 51,5% 65,9% 69,6% 77,1% 69,3% 82,9% 89,0% 81,4% Taxa de atendimento de crianças de na Educação Básica no Município de Três Coroas, comparada com a média de atendimento dos Municípios do Rio Grande do Sul, 2015: 100,0% 80,0% 60,0% 40,0% 20,0% 0,0% < s 3 s 4 s 5 s Três Coroas RS Financiamento da Educação Infantil, Três Coroas, 2015 Valores recebidos do FUNDEB (R$) por alunos da Educação Infantil: Dependência Administrativa Nº Alunos FUNDEB Educação Infantil R$ Total Recebido Rede Municipal ,20 FUNDEB - Rede Conveniada Todas as Etapas - R$ Soma , ,34 Recursos aplicados na Educação Infantil classificados por grupo de despesas (R$) 3 : Juros e Pessoal e Encargos sociais sas Correntes Financeiras da Dívida Outras Despe- Inversões Amortização Encargos da Investimentos Dívida Total , , , ,97 54,70% 37,67% 7,63% 100,00% 3 De acordo com a Portaria Interministerial 163, entende-se por grupos de natureza de despesa a agregação de elementos de despesa que apresentam as mesmas características quanto ao objeto de gasto. Investimento é toda despesa de capital que gera serviços e, em consequência, acréscimos ao Produto Interno Bruto. Inversão Financeira é a despesa de capital que, ao contrário do Investimento, não gera serviços e incremento ao Produto Interno Bruto. Juros e Encargos da Dívida são despesas orçamentárias com o pagamento de juros, comissões e outros encargos de operações de crédito internas e externas contratadas, bem como da dívida pública mobiliária. Amortização da Dívida são despesas orçamentárias com o pagamento e/ou refinanciamento do principal e da atualização monetária ou cambial da dívida pública interna e externa, contratual ou mobiliária. Outras Despesas Correntes são despesas orçamentárias com aquisição de material de consumo, pagamento de diárias, contribuições, subvenções, auxílio-alimentação, auxílio-transporte, além de outras despesas da categoria econômica "Despesas Correntes" não classificáveis nos demais grupos de natureza de despesa.

5 Origem dos recursos aplicados na Educação Infantil (R$): Livre MDE FUNDEB Vinculado Soma R$ , , , ,85 Os valores aplicados na Ed. Infantil R$ ,18 com Recursos MDE e FUNDEB (Art. 212 da CF) representaram: 18,73% da Receita de Impostos: R$ ,28 0,92% do PIB (2013): R$ ,00 Valor Aplicado por Aluno da Educação Infantil, com recursos do Art. 212 CF: R$ 6.678,75 O aumento no FUNDEB: R$ ,44, caso houvesse o atendimento das metas do Plano Nacional de Educação (Lei Federal nº /2014) para a Educação Infantil, teria representado um acréscimo de: 2,58% no FUNDEB R$ ,34 1,08% na Receita de Impostos - R$ ,28 0,05% no PIB (2013) - R$ ,00

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Betim, MG 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 346,8 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 378089 hab. Densidade demográfica

Leia mais

Financiamento da Educação: necessidades e possibilidades

Financiamento da Educação: necessidades e possibilidades Financiamento da Educação: necessidades e possibilidades Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do IPEA Brasília, 14 de dezembro de 2011 Sub-setorial Transversal Educação

Leia mais

Página: 1 de 8 23/01/2015 14:47

Página: 1 de 8 23/01/2015 14:47 Página: 1 de 8 1-RECEITAS DE IMPOSTOS RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da Constituição) PREVISÃO PREVISÃO 4.563.250,00 4.563.250,00 1.072.219,54 5.951.109,36 130,41 1.1-Receita Resultante

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS E ANÁLISES ECONÔMCIAS DA FUCAPE BUSINESS SCHOOL (CEAE)

CENTRO DE ESTUDOS E ANÁLISES ECONÔMCIAS DA FUCAPE BUSINESS SCHOOL (CEAE) CENTRO DE ESTUDOS E ANÁLISES ECONÔMCIAS DA FUCAPE BUSINESS SCHOOL (CEAE) METODOLOGIA DE PESQUISA DE DADOS SOCIOECONÔMICOS DOS MUNICÍPIOS CAPIXABAS FUCAPE BUSINESS SCHOOL - 2015 Av. Fernando Ferrari, 1358,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Marabá Paulista

Prefeitura Municipal de Marabá Paulista LEI N.º 1.274/2013 De 31 de Dezembro de 2012. DISPÕE SOBRE: Estima a Receita e Fixa a despesa do município de Marabá Paulista, para o exercício financeiro de 2013, e da outras providências. HAMILTON CAYRES

Leia mais

Município de Arapuã - PR PAGAMENTO

Município de Arapuã - PR PAGAMENTO : 01.612.388/0001-44 Página: 1 / 7 002150 25/06/2012 002153 001996 002001 48 - GENEROS ALIMENTACAO, 000330 03 DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO 03.001 DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO 04.122.04022.009

Leia mais

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO

Jatobá GOVERNO MUNICIPAL. Construindo com você RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO ^ Jatobá Anexo I, Módulo I, Inciso II, IN n. 09/05 do TCE/MA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO O responsável pelo controle interno do Município de Jatobá, em atendimento à Instrução Normativa n. 009/2005 e

Leia mais

Gilmar Ferreira Maio de 2010

Gilmar Ferreira Maio de 2010 Conceitos de déficits e divida pública ECONOMIA DO SETOR PUBLICO Gilmar Ferreira Maio de 2010 Conceitos acima da linha (calculado pelo Tesouro): a) Déficit Nominal: Gastos totais Receitas total b) Déficit

Leia mais

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP

Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP Secretaria de Estado da Fazenda Coordenação da Administração Financeira do Estado Divisão de Contabilidade Geral Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público - DCASP III. a) Balanço Orçamentário

Leia mais

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA

Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Economia e Negócios Internacionais MACROECONOMIA Microeconomia x Macroeconomia Objetivos Teoria Microeconômica: Preserva em sua análise as características individuais de cada bem e cada fator de produção.

Leia mais

Financiamento da educação. Algumas informações e dados importantes

Financiamento da educação. Algumas informações e dados importantes Financiamento da educação Algumas informações e dados importantes LDB Segundo a LDB a união deve investir nunca menos de 18% das rendas na educação e os estados, Distrito Federal e municipios nunca menos

Leia mais

Respeitados os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade previstas na Constituição.

Respeitados os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade previstas na Constituição. 1) Acrescenta-se art. 5ºA: Art. 5º A O investimento público total em educação oferecida nas instituições públicas estatais deve atingir, no primeiro ano de vigência do Plano, no mínimo 5% do PIB de Natal.

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 24

DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota Metodológica nº 24 DIRETORIA DE PESQUISAS - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota Metodológica nº 24 Tabelas Comparativas (versão para informação e comentários)

Leia mais

Índice de Gini da renda domiciliar per capita - COREDE - Por Cidade

Índice de Gini da renda domiciliar per capita - COREDE - Por Cidade Indicadores da Cidade de /RS 1. COMPARATIVO DO ÍNDICE DE GINI DA RENDA DOMICILIAR PER CAPITA DA CIDADE DE NOVA PRATA COM O RIO GRANDE DO SUL E BRASIL. Índice de Gini da renda domiciliar per capita - COREDE

Leia mais

Índice de Gini da renda domiciliar per capita - COREDE - Por Cidade

Índice de Gini da renda domiciliar per capita - COREDE - Por Cidade Indicadores da Cidade de /RS 1. COMPARATIVO DO ÍNDICE DE GINI DA RENDA DOMICILIAR PER CAPITA DA CIDADE DE NOVA ROMA DO SUL COM O RIO GRANDE DO SUL E BRASIL. Índice de Gini da renda domiciliar per capita

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS MG. PROCURADORIA GERAL

MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS MG. PROCURADORIA GERAL LEI Nº 4.027, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2.008 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2.009 O povo do Município de Montes Claros, por seus representantes

Leia mais

Índice de Gini da renda domiciliar per capita - COREDE - Por Cidade

Índice de Gini da renda domiciliar per capita - COREDE - Por Cidade Indicadores da Cidade de /RS 1. COMPARATIVO DO ÍNDICE DE GINI DA RENDA DOMICILIAR PER CAPITA DA CIDADE DE FARROUPILHA COM O RIO GRANDE DO SUL E BRASIL. Índice de Gini da renda domiciliar per capita - COREDE

Leia mais

ORÇAMENTO 2016 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 10.347/15 E O PROJETO Nº 400/15

ORÇAMENTO 2016 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 10.347/15 E O PROJETO Nº 400/15 1 ORÇAMENTO 2016 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 10.347/15 E O PROJETO Nº 400/15 LEI Nº 10.347 Estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro de 2015. PROJETO DE LEI 400/15 Estima

Leia mais

Análise Macroeconômica Brasileira

Análise Macroeconômica Brasileira Análise Macroeconômica Brasileira OUT/2013 Shotoku Yamamoto Fundamentos no Tripé: 1 - Superávit Primário; 2 - Meta de Inflação; 3 - Câmbio Flutuante 1 Superávit Primário Conceito: Diferença positiva entre

Leia mais

Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo.

Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo. AGREGADOS MACROECONÔMICOS E IDENTIDADES CONTÁBEIS Agregados macroeconômicos: construções estatísticas que sintetizam aspectos relevantes da atividade econômica em um período de tempo. São derivados de

Leia mais

Indicadores da Cidade de Caxias do Sul/RS

Indicadores da Cidade de Caxias do Sul/RS 1. COMPARATIVO DO ÍNDICE DE GINI DA RENDA DOMICILIAR PER CAPITA DA CIDADE DE CAXIAS DO SUL COM O RIO GRANDE DO SUL E BRASIL. Elaboração: Observa Serra http://fsg.br/pesquisa-extensao/observa-serra/indicadores

Leia mais

PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA

PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DA DESPESA PÚBLICA Gestão Orçamentária Alexandre Lemos Coelho Neto Brasília, 20 de setembro de 2005. Gestão Orçamentária Programa 2 dia Classificações Orçamentárias da Despesa: - Institucional; - Funcional (e Estrutura Programática);

Leia mais

FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA. Prof. Eliezer Lopes DÉFICIT PÚBLICO E DÍVIDA PÚBLICA

FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA. Prof. Eliezer Lopes    DÉFICIT PÚBLICO E DÍVIDA PÚBLICA FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA Prof. Eliezer Lopes Email: lopes.eliezer@ig.com.br lopeseliezer1@gmail.com DÉFICIT PÚBLICO E DÍVIDA PÚBLICA NECESSIDADES DE FINANCIAMENTO DO SETOR PÚBLICO (NFSP): 3 CONCEITOS

Leia mais

Indicadores da Cidade de Carlos Barbosa

Indicadores da Cidade de Carlos Barbosa Indicadores da Cidade de 1. - COMPARATIVO DO ÍNDICE DE GINI DA RENDA DOMICILIAR PER CAPITA DA CIDADE DE CARLOS BARBOSA COM O RIO GRANDE DO SUL E BRASIL. Elaboração: Observa Serra http://fsg.br/pesquisa-extensao/observa-serra/indicadores

Leia mais

Indicadores da Cidade de Antônio Prado/RS

Indicadores da Cidade de Antônio Prado/RS 1. COMPARATIVO DO ÍNDICE DE GINI DA RENDA DOMICILIAR PER CAPITA DA CIDADE DE ANTÔNIO PRADO COM O RIO GRANDE DO SUL E BRASIL. Elaboração: Observa Serra http://fsg.br/pesquisa-extensao/observa-serra/indicadores

Leia mais

Relatório de Endividamento e Disponibilidades

Relatório de Endividamento e Disponibilidades Relatório de Endividamento e Disponibilidades Dezembro 2014 DMAG DMAG DFP DFP DPCO DPCO ÍNDICE Endividamento 3 Capital em Dívida de Empréstimos 4 Evolução Mensal da Liquidez do Município 6 Evolução da

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 526, DE 2009

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 526, DE 2009 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 526, DE 2009 O CONGRESSO NACIONAL decreta: Dá nova redação ao art. 2º, caput, e 1º e 4º, da Lei nº 10.880, de 9 de junho de 2004, com a redação que lhe foi dada

Leia mais

ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003

ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003 ROSSI RESIDENCIAL S. A. COMENTÁRIOS SOBRE O DESEMPENHO CONSOLIDADO NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2.003 PRODUTOS, LANÇAMENTOS E PERFORMANCE COMERCIAL: Durante o primeiro trimestre de 2003, a Rossi Residencial

Leia mais

DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL RECEITAS DO ENSINO

DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL RECEITAS DO ENSINO RECEITAS DO ENSINO RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da Constituição) INICIAL (a) No Bimestre 1. RECEITA DE IMPOSTOS 750.299.71 750.299.71 125.810.827,93 125.810.827,93 16,77 1.1- Receita

Leia mais

ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS

ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS Subsecretaria de Contabilidade Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicada à Federação ALINHAMENTO TÉCNICO E PEDAGÓGICO EM DEMONSTRATIVOS FISCAIS Resultado Primário e Resultado Nominal Programa

Leia mais

FONTES E DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS DO FUNDEB

FONTES E DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS DO FUNDEB FONTES E DISTRIBUIÇÃO DE RECURSOS DO FUNDEB MILTON DOS REIS SOUZA Técnico Contábil Março/2009 FONTES DE RECURSOS FUNDEB FINANCIAMENTO DO FUNDEB 2009 ESTADOS - ICMS - ITCMD - IPVA - FPE (21,5% do IR e IPI)

Leia mais

Indicadores da Cidade de Bento Gonçalves

Indicadores da Cidade de Bento Gonçalves Indicadores da Cidade de Gonçalves 1. COMPARATIVO DO ÍNDICE DE GINI DA RENDA DOMICILIAR PER CAPITA DA CIDADE DE BENTO GONÇALVES COM O RIO GRANDE DO SUL E BRASIL. Elaboração: Observa Serra http://fsg.br/pesquisa-extensao/observa-serra/indicadores

Leia mais

II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional

II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional II Semana Contábil e Fiscal de Estados e Municípios Estatísticas de Finanças Públicas Tesouro Nacional De acordo com o material estudado, responda as seguintes questões a seguir. 1. Identifique nas frases

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓD. 14 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros

Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros TEXTO PARA DISCUSSÃO Nota Técnica: O Custo Público com Reprovação e Abandono Escolar na Educação Básica Rodrigo Leandro de Moura Gabriel Leal de Barros Pesquisadores de Economia Aplicada do FGV/IBRE Fevereiro

Leia mais

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Valores até Maio/2014 GOVERNADOR DO ESTADO João Raimundo Colombo SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA Antonio Marcos

Leia mais

RREO - ANEXO X (Lei 9.394/1996, art.72) R$ 1,00 PREVISÃO INICIAL. ATUALIZADA(a)

RREO - ANEXO X (Lei 9.394/1996, art.72) R$ 1,00 PREVISÃO INICIAL. ATUALIZADA(a) Tabela 19B - Demonstrativo das Receitas e Despesas com Manutenção e Desenvolvimento do Ensino - MDE - MUNICÍPIOS Município de Tabira - Pernambuco RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAMINA R Dr Braulio A Junqueira, 795 45323474/0001-02 Anexo XX - Relação de Contratos e seus Aditivos Janeiro/2014

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAMINA R Dr Braulio A Junqueira, 795 45323474/0001-02 Anexo XX - Relação de Contratos e seus Aditivos Janeiro/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAMINA R Dr Braulio A Junqueira, 795 45323474/0001-02 Anexo XX - Relação de Contratos e seus Aditivos Janeiro/2014 Nº Contrato: 0002/13 Dt. Assinatura: 17/01/2013 Dt. Publicação:

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA MINHA CASA MINHA VIDA

PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA MINHA CASA MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA MINHA CASA MINHA VIDA APEOP, 22/04/2009 OBJETIVO DO PROGRAMA Subsidiar a aquisição de IMÓVEL NOVO para os segmentos populacionais de menor renda Política Social Aumentar

Leia mais

Título I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS

Título I DAS DISPOSIÇÕES COMUNS ESTADO DA ARAÍBA Lei n o 11.867, de 21 de janeiro de 2010. ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESESA DO MUNICÍIO DE JOÃO ESSOA ARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2010. O REFEITO DO MUNICÍIO DE JOÃO ESSOA, ESTADO DA

Leia mais

Desempenho das Companhias Abertas Brasileiras. Prof.: Alexandre Assaf Neto

Desempenho das Companhias Abertas Brasileiras. Prof.: Alexandre Assaf Neto Desempenho das Companhias Abertas Brasileiras Prof.: Alexandre Assaf Neto institutoassaf@gmail.com www.institutoassaf.com.br INDICADORES DAS COMPANHIAS ABERTAS 36 Setores e 227 Companhias abertas não financeiras

Leia mais

Boletim das Finanças Públicas dos Entes Subnacionais

Boletim das Finanças Públicas dos Entes Subnacionais Boletim das Finanças Públicas dos Entes Subnacionais MINISTRO DA FAZENDA Nelson Henrique Barbosa Filho SECRETÁRIO-EXECUTIVO COORDENAÇÃO-GERAL DE HAVERES FINANCEIROS - COAFI Coordenador-Geral - Leandro

Leia mais

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números

Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Para onde foi a Economia Portuguesa? A Crise através dos Números Pedro Nogueira Ramos GEMF e Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011 Taxa de Analfabetismo (nos

Leia mais

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Valores até Dezembro/2014 GOVERNADOR DO ESTADO João Raimundo Colombo SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA Antonio Marcos

Leia mais

Teleconferência de Resultados do 1T16

Teleconferência de Resultados do 1T16 Teleconferência de Resultados do 1T16 04/ 05 / 2016 1 Destaques & Portfólio Destaques do 1T16 Properties registra no trimestre receita líquida de R$127,0 milhões e EBITDA ajustado de R$102,1 milhões A

Leia mais

TABELA DE COMPATIBILIZAÇÃO DAS FONTES DE RECURSOS VÁLIDO A PARTIR DE 2013

TABELA DE COMPATIBILIZAÇÃO DAS FONTES DE RECURSOS VÁLIDO A PARTIR DE 2013 1000.00.00 Receitas Correntes Sintética 1100.00.00 Receita Tributária Sintética 1110.00.00 Impostos Sintética 1112.00.00 Impostos sobre o Patrimônio e a Renda Sintética 1112.01.00 ITR - Imposto sobre a

Leia mais

setembro/2014 São Miguel dos Campos Dados secundários + questionário Fontes: Atlas Brasil 2013; IDEB 2013; Mapa da violência 2012; Mapa DCA.

setembro/2014 São Miguel dos Campos Dados secundários + questionário Fontes: Atlas Brasil 2013; IDEB 2013; Mapa da violência 2012; Mapa DCA. São Miguel dos Campos setembro/2014 Levantamento diagnóstico Fórum Intersetorial Dados secundários + questionário Fontes: Atlas Brasil 2013; IDEB 2013; Mapa da violência 2012; Mapa DCA. Estrutura Etária

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL EUGENIO DE CASTRO-RS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL EUGENIO DE CASTRO-RS Decreto Nº 1588/2014 Abre Crédito Suplementar no valor de R$ 572.770,00(Quinhentos Setenta e Dois Mil setecentos e Setenta Reais) Art. 1ª Roberto Bruinsma, no uso de suas Atribuições legais e usando autorização

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Perfil das Despesas Indicadores Selecionados 14/09/2012 POF 2008 2009 Objetivos: Investigação dos

Leia mais

ANTONIO MARTINS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS

ANTONIO MARTINS 1 DADOS GERAIS 2 PERFIL DOS EMPREENDIMENTOS 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 08/05/1963 - Distância da capital: 357 km - Área: 245 Km 2 - Localização Mesorregião: Oeste Potiguar Microrregião: Umarizal - População: 6.997 (IBGE/2007) - Número

Leia mais

Financiamento da Educação: visões geral e específica

Financiamento da Educação: visões geral e específica Financiamento da Educação: visões geral e específica Autores: José Irineu de Carvalho e André P. de Carvalho Presidente da Cívitas Consultoria Consultoria Diretor da Cívitas Sumário Bloco 1: Aplicação

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO CIRCULANTE ELETRO BRÁS TERM ONUCLEAR S.A. CNPJ: 42. 540.2 11/0001-67 BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO A T I V O Numerário disponível 15.650 27.050 Aplicações financeiras 104.077 36.869 Concessionárias

Leia mais

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova.

SEFAZ/PE. Pessoal, vou comentar as questões da prova. SEFAZ/PE Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Sobre os Princípios de Contabilidade sob a Perspectiva do Setor Público, considere: I. O Princípio da Entidade se afirma, para o ente público, pela

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Tramitação 1988 Promulgação da Constituição Federal 1988 a 1991 Início de discussão do projeto Jorge Hage na Câmara

Leia mais

Sistema de Contas Nacionais Brasil 2005-2009

Sistema de Contas Nacionais Brasil 2005-2009 Diretoria de Pesquisas Sistema de Contas Nacionais Brasil 2005-2009 Coordenação de Contas Nacionais Rio de Janeiro, 17 de novembro de 2011 Divulgações do SCN Já divulgados os dois primeiros trimestres

Leia mais

Cordilheira Alta. Distribuição dos alunos matriculados no município de Cordilheira Alta em 2005

Cordilheira Alta. Distribuição dos alunos matriculados no município de Cordilheira Alta em 2005 Cordilheira Alta Informações Gerais O município de Cordilheira Alta está localizado na mesorregião oeste, distante 566 Km da Capital. De colonização Italiana, tem uma população de 3.093 habitantes, sendo

Leia mais

LEI N.º 296, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007.

LEI N.º 296, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007. LEI N.º 296, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2007. Estima as Receitas e Fixa as Despesas do Município de Gaúcha do Norte, Estado de Mato Grosso, para o Exercício Financeiro de 2008 e dá outras providências. EDSON

Leia mais

Ind010204RM - Proporção (%) da população com RDPC menor que um quarto de salário-mínimo, por ano, segundo região metropolitana e escolaridade

Ind010204RM - Proporção (%) da população com RDPC menor que um quarto de salário-mínimo, por ano, segundo região metropolitana e escolaridade Ind04RM Proporção (%) da população com RDPC menor que um quarto de saláriomínimo, por ano, segundo região metropolitana e escolaridade Indicador Proporção da população com RDPC menor que um quarto de saláriomínimo

Leia mais

1.800.000,00 5.000.000,00 1.132.197,84 3.368.703,65 67,37

1.800.000,00 5.000.000,00 1.132.197,84 3.368.703,65 67,37 MUNICÍPIO DE COLOMBO RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL 4º BIMESTRE/2011

Leia mais

ORÇAMENTO PÚBLICO. PPA Plano Plurianual. Planejar é o contrário de improvisar.

ORÇAMENTO PÚBLICO. PPA Plano Plurianual. Planejar é o contrário de improvisar. ORÇAMENTO PÚBLICO O QUE É PLANEJAR Planejar é o contrário de improvisar. PPA Plano Plurianual SE PLANEJA PARA: Estabelecer prioridades. Otimizar recursos. Se programar no tempo e no espaço. Se definir

Leia mais

Acre. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1 o e 3 o quartis nos municípios do estado do Acre (1991, 2000 e 2010)

Acre. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1 o e 3 o quartis nos municípios do estado do Acre (1991, 2000 e 2010) Acre Em, no estado do Acre (AC) moravam 734 mil pessoas, e uma parcela ainda pequena dessa população, 4,3% (32 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 22 municípios, dos quais sete

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Análise de Mercado Professor: Roberto César ANÁLISE DE MERCADO Além de ser o ponto de partida de qualquer projeto, é um dos aspectos mais importantes para a confecção deste.

Leia mais

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola

Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola Perspectivas e Oportunidades de Investimento em Angola PART Angola: Indicadores de Relevo 1 Angola: Indicadores de Relevo Informação Global * Angola 2010 População 18,5M Capital Luanda (aprox. 6 M habitantes)

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL

PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL 2010 Produto Interno Bruto - PIB Corresponde ao valor a preços de mercado, de todos os bens e serviços finais produzidos em um território, num determinado período

Leia mais

Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%)

Forma de Funcionamento Número de negócios Percentual (%) 1 DADOS GERAIS - Data de emancipação: 30/12/1943 - Distância da capital: 71 km - Área: 240 Km 2 - Localização Mesorregião: Agreste Potiguar Microrregião: Agreste Potiguar - População: 14.483 (IBGE/2007)

Leia mais

Produtos Bancários CAIXA. Item 4- FIES Financiamento Estudantil

Produtos Bancários CAIXA. Item 4- FIES Financiamento Estudantil Produtos Bancários CAIXA Item 4- FIES Financiamento Estudantil Produtos Bancários CAIXA Item 4- FIES Financiamento Estudantil Produtos Bancários CAIXA Item 4- FIES Financiamento Estudantil FIES Fundo de

Leia mais

GLOBEX UTILIDADES S.A. CNPJ n o. 33.041.260/0001-64 NIRE: 333001-41073

GLOBEX UTILIDADES S.A. CNPJ n o. 33.041.260/0001-64 NIRE: 333001-41073 GLOBEX UTILIDADES S.A. CNPJ n o. 33.041.260/0001-64 NIRE: 333001-41073 Resultados do 1º Trimestre de 2006 Rio de Janeiro, 18 de maio de 2006 Globex Utilidades S.A. (BOVESPA: GLOB4, GLOB3; OTC: GBXPY),

Leia mais

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61

Total 883.647.943,61 Total 883.647.943,61 Anexo 01 Demonstrativo da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas RECEITA DESPESA RECEITAS CORRENTES DESPESAS CORRENTES RECEITA PATRIMONIAL 2.017.196,11 JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA 0,00 RECEITA

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial 31 de dezembro de 2015 31 de dezembro de 2014 Passivo

Leia mais

Podem as empresas sustentáveis contribuir para o cumprimento dos objetivos propostos pelas Metas do Milênio

Podem as empresas sustentáveis contribuir para o cumprimento dos objetivos propostos pelas Metas do Milênio Podem as empresas sustentáveis contribuir para o cumprimento dos objetivos propostos pelas Metas do Milênio ODILON LUÍS FACCIO Instituto Primeiro Plano São Paulo, 24 de junho de 2008 Grupo de Excelência

Leia mais

B R A S I L M o t t o : o r d e r a n d p r o g r e s s

B R A S I L M o t t o : o r d e r a n d p r o g r e s s B R A S I L M o t t o : o r d e r a n d p r o g r e s s STRUCTURE OF EDUCATION SYSTEM AFTER LAW No. 9394/1996 http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm School Census Basic Education 2009 Taxa

Leia mais

Danielle Celentano. Manaus, 22 de novembro de 2007. Ação Global 2007 Desenvolvimento Social Local : Um desafio para o investimento social privado"

Danielle Celentano. Manaus, 22 de novembro de 2007. Ação Global 2007 Desenvolvimento Social Local : Um desafio para o investimento social privado Danielle Celentano Manaus, 22 de novembro de 2007 Ação Global 2007 Desenvolvimento Social Local : Um desafio para o investimento social privado" Danielle Celentano & Adalberto Veríssimo realização: financiamento:

Leia mais

ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000)

ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000) ANEXO DE METAS FISCAIS LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS DEMONSTRATIVO DAS METAS ANUAIS (Artigo 4º da Lei Complementar nº 101/2000) Encontram-se neste anexo o conjunto de metas fiscais que deverão nortear

Leia mais

O que não é dito sobre os indicadores fiscais (tradicionais) de 2005

O que não é dito sobre os indicadores fiscais (tradicionais) de 2005 O que não é dito sobre os indicadores fiscais (tradicionais) de 2005 José Roberto Afonso Beatriz Barbosa Meirelles Janeiro de 2006 Os indicadores fiscais tradicionalmente usados (especialmente, o cálculo

Leia mais

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações

Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Banco Central: Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial e Impacto Fiscal de suas Operações Henrique de Campos Meirelles Setembro de 20 1 Prestação de Contas - LRF Objetivos das Políticas

Leia mais

Linha: Nova Friburgo (RJ) - Belo Horizonte (MG)

Linha: Nova Friburgo (RJ) - Belo Horizonte (MG) Linha: Nova Friburgo (RJ) - Belo Horizonte (MG) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação Nova Friburgo (RJ) - Belo Horizonte (MG). A ligação, representada

Leia mais

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO ECONOMIA E SOCIOLOGIA MÓDULO 1 2013-2014 EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 1. No quadro seguinte estão representadas as quantidades oferecidas e procuradas do bem A e as quantidades procuradas dos bens B e C, para

Leia mais

Prof. Eliezer Lopes Email: lopes.eliezer@ig.com.br lopeseliezer1@gmail.com UNIDADE II - PARTE I CONTAS NACIONAIS

Prof. Eliezer Lopes Email: lopes.eliezer@ig.com.br lopeseliezer1@gmail.com UNIDADE II - PARTE I CONTAS NACIONAIS FUNDAMENTOS DE MACROECONOMIA Prof. Eliezer Lopes Email: lopes.eliezer@ig.com.br lopeseliezer1@gmail.com UNIDADE II - PARTE I CONTAS NACIONAIS Aulas 3-6 MACROECONOMIA X CONTAS NACIONAIS Macroeconomia: explica

Leia mais

Salário mínimo, indexação e impactos na Seguridade brasileira

Salário mínimo, indexação e impactos na Seguridade brasileira Salário mínimo, indexação e impactos na Seguridade brasileira Paulo Tafner São Paulo Março de 216. Previdência Social Os fatos Previdência Social Brasileira - 214 (% do PIB) Previdência Social Brasileira

Leia mais

Apresentação de contas de 2014. 5 maio 2015

Apresentação de contas de 2014. 5 maio 2015 Apresentação de contas de 2014 5 maio 2015 Balanço 2014 Balanço simplificado 2014 2013 Variação 2007 Valor Peso total balanço Valor Valor % Valor Peso total balanço Ouro 12 147 11,5% 10 714 1 433 13,4%

Leia mais

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates

Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates Diagnóstico da Convergência às Normas Internacionais IAS 21 - The Effects of Changes in Foreign Exchange Rates Situação: PARCIALMENTE DIVERGENTE 1. Introdução O IAS 21 The Effects of Changes in Foreign

Leia mais

Alto Bela Vista. Distribuição dos alunos matriculados no município de Alto Bela Vista em 2005

Alto Bela Vista. Distribuição dos alunos matriculados no município de Alto Bela Vista em 2005 Alto Bela Vista Informações Gerais O município de Alto Bela Vista está localizado na mesorregião oeste, distante 503 Km da Capital. De colonização Italiana e Alemã, tem uma população de 2.098 habitantes,

Leia mais

Bela Vista do Toldo. Distribuição dos alunos matriculados no município de Bela Vista do Toldo em 2005

Bela Vista do Toldo. Distribuição dos alunos matriculados no município de Bela Vista do Toldo em 2005 Bela Vista do Toldo Informações Gerais O município de Bela Vista do Toldo está localizado na mesorregião norte, distante 382 Km da Capital. De colonização Italiana, Alemã, Polonesa, Ucraniana e Japonesa,

Leia mais

GOVERNO MUNICIPAL DE HORIZONTE 01/03/2010 A 30/04/2010

GOVERNO MUNICIPAL DE HORIZONTE 01/03/2010 A 30/04/2010 GOVERNO MUNICIPAL DE HORIZONTE 01/03/2010 A 30/04/2010 CONSOLIDADO Adendo III Anexo 2, da Lei nº 4320, de 17/03/64. (Portaria SOF nº 8, de 04/02/85) Em R$ 1,00 ASPEC RECEITA SEGUNDO AS CATEGORIAS ECONÔMICAS

Leia mais

Educação Brasileira: Desafios e Oportunidades

Educação Brasileira: Desafios e Oportunidades Educação Brasileira: Desafios e Oportunidades VI Congresso Brasileiro de Gestão Educacional GEduc 2008 São Paulo, 26 de março de 2008 Gustavo Ioschpe desembucha@uol.com.br Brasil perde o bonde da História

Leia mais

Síntese do panorama da economia brasileira 3

Síntese do panorama da economia brasileira 3 Síntese do panorama da economia brasileira 3 O - PIB, no ano de 2012, acumulou crescimento de 1,0% em relação ao ano anterior. Em 2011, o crescimento acumulado no ano havia sido de 2,7%. Em função desse

Leia mais

Desenvolvimento Humano e Social

Desenvolvimento Humano e Social Desenvolvimento Humano e Social Índices de Desenvolvimento Na seção referente aos índices de desenvolvimento, foram eleitos para análise o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M), o Índice de

Leia mais

MANUAL DE DEMONSTRATIVOS FISCAIS REVISÃO 2012 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES. PORTARIA Nº 637, DE 18/10/2012, DOU de 22/10/2012

MANUAL DE DEMONSTRATIVOS FISCAIS REVISÃO 2012 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES. PORTARIA Nº 637, DE 18/10/2012, DOU de 22/10/2012 MANUAL DE DEMONSTRATIVOS FISCAIS REVISÃO 2012 SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES PORTARIA Nº 637, DE 18/10/2012, DOU 22/10/2012 Aprova a 5ª edição do Manual Demonstrativos Fiscais, que entra em vigor na data sua publicação

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03/2013. IPCA e INPC AMPLIAÇÃO DA ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA

NOTA TÉCNICA 03/2013. IPCA e INPC AMPLIAÇÃO DA ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA NOTA TÉCNICA 03/2013 IPCA e INPC AMPLIAÇÃO DA ABRANGÊNCIA GEOGRÁFICA A partir do mês de janeiro de 2014, com divulgação em fevereiro do mesmo ano, o Sistema Nacional de Índices de Preços ao Consumidor

Leia mais

Tema: Alternativas de Financiamento para o Saneamento. A Experiência da Sabesp. Dalmo Nogueira Filho Presidente da SABESP

Tema: Alternativas de Financiamento para o Saneamento. A Experiência da Sabesp. Dalmo Nogueira Filho Presidente da SABESP Tema: Alternativas de Financiamento para o Saneamento A Experiência da Sabesp Dalmo Nogueira Filho Presidente da SABESP A SABESP Maior empresa de saneamento da América Latina, estando entre as maiores

Leia mais

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde

Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde DIRETORIA DE CONTABILIDADE GERAL DCOG Demonstrativo da Receita Líquida de Impostos e das Despesas Próprias com Educação e Saúde Valores até Novembro/2012 Fones: (48) 36652773, 36652633 e 36652727 DIRETORIA

Leia mais

Conselho Regional de Corretores de Imóveis - CRECI / DF SISCONTW - v1.06 Balancete Analítico de Verificação Período: 01/02/2011 a 28/02/2011

Conselho Regional de Corretores de Imóveis - CRECI / DF SISCONTW - v1.06 Balancete Analítico de Verificação Período: 01/02/2011 a 28/02/2011 Folha: 1 2 SISTEMA FINANCEIRO 1.906.387,90D 1.675.420,32 1.499.489,71 2.082.318,51D 2.1 ATIVO FINANCEIRO 2.510.142,26D 661.967,14 609.867,96 2.562.241,44D 2.1.1 DISPONÍVEL 2.505.864,48D 659.552,76 609.805,77

Leia mais

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS

ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS ENDIVIDAMENTO DAS FAMÍLIAS NAS CAPITAIS BRASILEIRAS EMENTA: O presente estudo tem por objetivo avaliar o impacto da evolução das operações de crédito para pessoas físicas sobre o orçamento das famílias,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD COORDENAÇÃO DE SELEÇÃO DE ACESSO - COSEA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UNIRIO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD COORDENAÇÃO DE SELEÇÃO DE ACESSO - COSEA As matrículas para as convocações previstas pelo Edital nº 13, de 27 de dezembro de 2013, para o Processo Seletivo Discente SiSU 2014 1ª Edição, serão realizadas nas unidades acadêmicas de cada Curso.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Maio de 2015 1 O Processo de Expansão e seu contexto O processo do aumento de vagas nas Universidades Federais foi implementado considerando 3 aspectos:

Leia mais

Pernambuco. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Pernambuco (1991, 2000 e 2010)

Pernambuco. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Pernambuco (1991, 2000 e 2010) Pernambuco Em, no estado de Pernambuco (PE), moravam 8,8 milhões de pessoas, onde parcela relevante (7,4%; 648,7 mil habitantes) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 185 municípios,

Leia mais

Município de Boa Ventura de São Roque - PR PAGAMENTO

Município de Boa Ventura de São Roque - PR PAGAMENTO Página: 1 / 28 002199 06/06/2012 002219 002253 002272 3111 - FOLHA DE RENATO KRUGER BAIRRO DOS KRUGER, null Boa Ventura de São Roque / PR CPF 871.739.219-53 INTERIOR 85225-000 36947-1 001080 05 Secretaria

Leia mais

A N E X O I I L R F - C Â M A R A M U N I C I PA L D E F O Z D O I G U A Ç U

A N E X O I I L R F - C Â M A R A M U N I C I PA L D E F O Z D O I G U A Ç U DEMONSTRAÇÃO DE DESPESA SEGUNDO CATEGORIAS ECONÔMICAS A N E X O I I L R F - C Â M A R A M U N I C I PA L D E F O Z D O I G U A Ç U B A S E D E D A D O S Sítio : www.cmfi.pr.gov.br (Câmara Municipal de

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) foi criado pelo Decreto-Lei nº 9.295/46, com alterações,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social Centro de Imprensa. Índice Futuridade

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social Centro de Imprensa. Índice Futuridade Índice Futuridade Plano Futuridade O FUTURIDADE: Plano Estadual para a Pessoa Idosa é uma iniciativa da Secretaria Estadual de Assistência e Desenvolvimento Social - Seads que objetiva fortalecer a rede

Leia mais