Informações sobre Beneficiários, Operadoras e Planos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Informações sobre Beneficiários, Operadoras e Planos"

Transcrição

1 Gerência de Produção de Informação GEPIN/GGSIS/DIDES Informações sobre Beneficiários, Operadoras e Planos DADOS DO SETOR EDIÇÃO: JUNHO/2005 COMPETÊNCIA: MARÇO/2005

2 O Caderno de Informações de Beneficiários, Operadoras e Planos, de publicação trimestral, tem o objetivo de divulgar informações sobre o setor de planos privados de assistência à saúde. Destina-se ao público em geral, aos consumidores, aos gestores públicos e privados de Saúde e aos segmentos interessados no estudo, pesquisa e análise das informações da Saúde Suplementar no país. A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) é um órgão vinculado ao Ministério da Saúde, criado em janeiro de 2000, com a finalidade institucional de promover a defesa do interesse público na assistência suplementar à saúde, regulando as relações entre os agentes envolvidos, ou seja, operadoras de planos de saúde, prestadores de serviços e consumidores, contribuindo para o desenvolvimento das ações de saúde no país. Nesse processo de regulação, um dos maiores desafios da ANS tem sido reunir e trabalhar com dados fidedignos. Somente dessa forma é possível normatizar, intervir, fomentar e aferir a qualidade da assistência suplementar, e subsidiar decisões dos cidadãos e dos gestores públicos e privados. É a informação que possibilita o conhecimento da abrangência e da especificidade desse campo, e é por meio dela que decisões podem ser tomadas no âmbito das políticas públicas e privadas. O setor de saúde suplementar reúne mais de duas mil empresas operadoras de planos de saúde, milhares de médicos, dentistas e outros profissionais, hospitais, laboratórios e clínicas. Estão cadastrados na ANS cerca de 40 milhões de vínculos a planos de saúde - destes, cerca de 14% são vínculos a planos exclusivamente odontológicos; como uma mesma pessoa física pode estar vinculada a mais de um plano, o número de beneficiários é superior ao número de indivíduos que utilizam os planos para realizar consultas, exames e/ou internações dez/00 dez/01 dez/02 dez/03 dez/04 mar/05 Total de Vínculos Vínculos a planos exclusivamente odontológicos 2

3 O Caderno de Informações de Beneficiários, Operadoras e Planos apresenta os dados do setor e está organizado em três blocos, contendo um pequeno glossário com os termos utilizados. Bloco 1 - informações sobre os beneficiários de planos de saúde -, de planos médico-hospitalares com ou sem odontologia, de planos exclusivamente odontológicos e o consolidado do setor de saúde suplementar. As informações contemplam o tipo de contratação do plano, a evolução do quantitativo de beneficiários, a cobertura geográfica, a distribuição por planos, a cobertura demográfica e a distribuição por operadora. Bloco 2 - informações sobre as operadoras de planos de saúde - evolução anual de registros na ANS, distribuição por região de sede e classificação por modalidade, por Unidade da Federação (UF) de domicílio dos beneficiários, por faixa de beneficiários, por quantidade de planos ativos e pela receita total por Unidade da Federação. Bloco 3 - planos de saúde registrados e/ou informados à ANS - por modalidade da operadora e tipo de contratação e por faixa de beneficiários do plano e da operadora. Glossário Contrato novo É aquele celebrado na vigência da Lei nº 9.656/98, ou seja, a partir de 1º de janeiro de Devem ter registro na ANS e estão totalmente sujeitos à nova legislação. Contrato antigo É aquele celebrado antes da vigência da Lei nº 9.656/98. Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde São empresas e entidades autorizadas, a partir do registro na ANS, a comercializar planos de assistência à saúde. Classificação por Modalidade As operadoras são classificadas, conforme seu estatuto jurídico, nas seguintes modalidades: Administradora: empresas que administram planos ou serviços de assistência à saúde, financiados por outra operadora, sem rede própria, credenciada ou referenciada de serviços médico-hospitalares ou odontológicos, não podem ter beneficiários. 3

4 Autogestão: entidades que operam serviços de assistência à saúde destinados, exclusivamente, a empregados ativos, aposentados, pensionistas ou ex-empregados, de uma ou mais empresas ou, ainda, a participantes e dependentes de associações de pessoas físicas ou jurídicas, fundações, sindicatos, entidades de classes profissionais ou assemelhados e seus dependentes. Podem ser patrocinadas ou não patrocinadas pelo empregador. Cooperativa médica: sociedades sem fins lucrativos, constituídas conforme o disposto na Lei n.º 5.764, de 16 de dezembro de Cooperativa odontológica: sociedades sem fins lucrativos, constituídas conforme o disposto na Lei n.º 5.764, de 16 de dezembro de 1971, que operam exclusivamente Planos Odontológicos. Filantropia: entidades sem fins lucrativos que operam Planos Privados de Assistência à Saúde, certificadas como entidade filantrópica junto ao Conselho Nacional de Assistência Social, CNAS, e declaradas de utilidade pública junto ao Ministério da Justiça ou junto aos Órgãos dos Governos Estaduais e Municipais. Medicina de Grupo: demais empresas ou entidades que operam Planos Privados de Assistência à Saúde Odontologia de Grupo: demais empresas ou entidades que operam, exclusivamente, Planos Odontológicos Formas de Contratação Individual ou familiar: contrato assinado entre um indivíduo e uma operadora de planos de saúde para assistência à saúde do titular do plano (individual) ou do titular e de seus dependentes (familiar). Coletiva: -com patrocinador: planos contratados por pessoa jurídica com mensalidade total ou parcialmente paga à operadora pela pessoa jurídica contratante. Inclui também os contratos mantidos por autogestão em que o beneficiário paga parcialmente o prêmio ou contraprestação (mensalidade). -sem patrocinador - planos contratados por pessoa jurídica, pagos integralmente pelos beneficiários à operadora. Tipo de Cobertura assistencial (segmentação) De acordo com a legislação, um plano de saúde pode oferecer dois tipos de cobertura mínima: -cobertura integral do Plano Referência, incluindo todos os segmentos, exceto o odontológico; -cobertura integral por segmento - ambulatorial e/ou hospitalar, com ou sem obstetrícia ou odontologia, e exclusivamente odontológico. 4

5 1- BENEFICIÁRIOS Vínculos a Planos médico-hospitalares com ou sem odontologia Beneficiários por tipo de plano e evolução do cadastro Gráfico 1: Beneficiários por tipo de plano e evolução do cadastro: Tabela 1: Beneficiários por tipo de plano e evolução do cadastro: Cobertura Geográfica Gráfico 2: Grau de Cobertura por UF 11 Tabela 2: Grau de Cobertura por UF 11 Gráfico 3: Grau de cobertura por Região 12 Tabela 3: Grau de Cobertura por Região 12 Gráfico 4: Beneficiários por Região 12 Distribuição por plano Tabela 4 : Tipo de contratação por UF 13 Tabela 5 : Tipo de contratação por Região 13 Gráfico 5: Beneficiários por Vigência do Plano 13 Gráfico 6: Beneficiários por tipo de contratação - Planos Novos e Antigos 14 Gráfico 7: Beneficiários por tipo de contratação - Planos Novos (Vigência Posterior à Lei 9.656/98 ) 14 Gráfico 8: Beneficiários por tipo de contratação - Planos Antigos (Vigência Anterior à Lei 9.656/98 ) 14 Tabela 6: Beneficiários por segmentação do plano 15 Gráfico 9: Beneficiários por segmentação do plano 15 Tabela 7: Beneficiários por sexo, segmentação e tipo de contratação em Planos Novos (Vigência Posterior à Lei 9.656/98 ) 16 Tabela 8: Beneficiários por sexo, segmentação e tipo de contratação em Planos Antigos (Vigência Anterior à Lei 9.656/98 ) 16 Gráfico 10: Beneficiários por segmentação e tipo de contratação 16 Gráfico 11: Beneficiários por segmentação e sexo 17 Tabela 9: Beneficiários por vigência do plano e faixa etária (RN 63) 17 Gráfico 12: Beneficiários por vigência do plano e faixa etária (RN 63) 17 Tabela 10: Beneficiários por vigência do plano, faixa etária, sexo e contratação 18 Gráfico 13: Distribuição por faixa etária e sexo 18 Gráfico 14: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários de planos novos (Vigência Posterior à Lei 9.656/98 ) 19 Gráfico 15: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários de planos antigos (Vigência Anterior à Lei 9.656/98 ) 19 Gráfico 16: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários de planos coletivos 20 Gráfico 17: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários de planos individuais 20 Gráfico 18: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários com tipo de contratação não identificado 20 Cobertura Demográfica Gráfico 19: Pirâmide etária da população 21 Gráfico 20: Pirâmide etária dos beneficiários 21 Gráfico 21: Pirâmide etária da população e dos beneficiários 21 Gráfico 22: Grau de Cobertura por sexo e faixa etária 22 Distribuição por operadora Tabela 11: Distribuição de Beneficiários entre as Operadoras 23 Gráfico 23: Curva ABC da distribuição de Beneficiários entre as Operadoras 23 Tabela 12: Beneficiários por modalidade da operadora 24 Gráfico 24: Beneficiários por modalidade da operadora 24 Tabela 13: Beneficiários por modalidade da operadora e Vigência do Plano 25 Gráfico 25: Beneficiários por modalidade da operadora e Vigência do Plano 25 Tabela 14- Evolução dos beneficiários por modalidade da operadora 26 Gráfico 26- Evolução dos beneficiários por modalidade da operadora 26 Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 5

6 1.2 - Vínculos a planos exclusivamente odontológicos Beneficiários por tipo de planos e evolução do cadastro Gráfico 1: Beneficiários por tipo de plano e evolução do cadastro: Tabela 1: Beneficiários por tipo de plano e evolução do cadastro: Cobertura Geográfica Gráfico 2: Grau de Cobertura por UF 29 Tabela 2: Grau de Cobertura por UF 29 Gráfico 3: Grau de cobertura por região 30 Tabela 3: Grau de Cobertura por Região 30 Gráfico 4: Beneficiários por Região 30 Distribuição por plano Tabela 4 - Tipo de contratação por UF 31 Tabela 5 - Tipo de contratação por região 31 Gráfico 5: Beneficiários por vigência do plano 31 Gráfico 6: Beneficiários por tipo de contratação - Planos Novos e Antigos 32 Gráfico 7: Beneficiários por tipo de contratação - Planos Novos (Vigência Posterior à Lei 9.656/98 ) 32 Gráfico 8: Beneficiários por tipo de contratação - Planos Antigos (Vigência Anterior à Lei 9.656/98 ) 32 Tabela 6 : Beneficiários por segmentação do plano 33 Tabela 7: Beneficiários por vigência do plano e faixa etária (RN 63) 33 Gráfico 9: Beneficiários por vigência do plano e faixa etária (RN 63) 33 Tabela 8: Beneficiários por vigência do plano, faixa etária, sexo e contratação 34 Gráfico 10: Distribuição por faixa etária e sexo 34 Gráfico 11: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários de planos novos (Vigência Posterior à Lei 9.656/98 ) 35 Gráfico 12: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários de planos antigos (Vigência Anterior à Lei 9.656/98 ) 35 Gráfico 13: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários de planos coletivos 36 Gráfico 14: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários de planos individuais 36 Gráfico 15: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários com tipo de contratação não identificado 36 Cobertura Demográfica Gráfico 16: Pirâmide etária da população 37 Gráfico 17: Pirâmide etária por beneficiário 37 Gráfico 18: Pirâmide etária da população e do beneficiário 37 Gráfico 19: Grau de Cobertura 38 Distribuição por operadora Tabela 9: Distribuição de Beneficiários entre as operadoras 39 Gráfico 20: Curva ABC da distribuição de Beneficiários entre as operadoras 39 Tabela 10: Beneficiários por Modalidade da operadora 40 Gráfico 21: Beneficiários por Modalidade da operadora 41 Tabela 11: Beneficiários por Modalidade da operadora e vigência do Plano 41 Gráfico 22: Beneficiários por Modalidade da operadora e vigência do Plano 41 Tabela 12- Evolução dos beneficiários por modalidade da operadora 42 Gráfico 17- Evolução dos beneficiários por modalidade da operadora 42 Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 6

7 1.3 - Todos os Vínculos Beneficiários por tipo de plano e evolução do cadastro Gráfico 1: Beneficiários por tipo de plano e evolução do cadastro: Tabela 1: Beneficiários por tipo de plano e evolução do cadastro: Cobertura Geográfica ( Soma das coberturas Médicas e odontológicas) Gráfico 2: Grau de Cobertura por UF 45 Tabela 2: Grau de Cobertura por UF 45 Gráfico 3: Grau de cobertura por Região 46 Tabela 3: Grau de Cobertura por Região 46 Gráfico 4: Beneficiários por Região 46 Distribuição por plano Tabela 4 : Tipo de contratação por UF 47 Tabela 5 : Tipo de contratação por Região 47 Gráfico 5: Beneficiários por Vigência do Plano 47 Gráfico 6: Beneficiários por tipo de contratação - Planos Novos e Antigos 48 Gráfico 7: Beneficiários por tipo de contratação - Planos Novos (Vigência Posterior à Lei 9.656/98 ) 48 Gráfico 8: Beneficiários por tipo de contratação - Planos Antigos (Vigência Anterior à Lei 9.656/98 ) 48 Tabela 6: Beneficiários por segmentação do plano 49 Gráfico 9: Beneficiários por segmentação do plano 49 Tabela 7: Beneficiários por sexo, segmentação e tipo de contratação em Planos Novos (Vigência Posterior à Lei 9.656/98) 50 Tabela 8: Beneficiários por sexo, segmentação e tipo de contratação em Planos Antigos (Vigência Anterior à Lei 9.656/98) 50 Gráfico 10: Beneficiários por segmentação e tipo de contratação 50 Gráfico 11: Beneficiários por segmentação e sexo 51 Tabela 9: Beneficiários por vigência do plano e faixa etária (RN 63) 51 Gráfico 12: Beneficiários por vigência do plano e faixa etária (RN 63) 51 Tabela 10: Beneficiários por vigência do plano, faixa etária, sexo e contratação 52 Gráfico 13: Distribuição por faixa etária e sexo 52 Gráfico 14: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários de planos Novos (Vigência Posterior à Lei 9.656/98 ) 53 Gráfico 15: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários de planos Antigos (Vigência Anterior à Lei 9.656/98 ) 53 Gráfico 16: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários de planos coletivos 54 Gráfico 17: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários de planos individuais 54 Gráfico 18: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários com tipo de contratação não identificado 54 Cobertura Demográfica Gráfico 19: Pirâmide etária da população 55 Gráfico 20: Pirâmide etária dos beneficiários 55 Gráfico 21: Pirâmide etária da população e dos beneficiários 55 Gráfico 22: Grau de Cobertura por sexo e faixa etária 56 Distribuição por operadora Tabela 11: Distribuição de Beneficiários entre as Operadoras 57 Gráfico 23: Curva ABC da distribuição de Beneficiários entre as Operadoras 57 Tabela 12: Beneficiários por modalidade da operadora 58 Gráfico 24: Beneficiários por modalidade da operadora 58 Tabela 13: Beneficiários por modalidade da operadora e Vigência do Plano 59 Gráfico 25: Beneficiários por modalidade da operadora e Vigência do Plano 59 Tabela 14- Evolução dos beneficiários por modalidade da operadora 60 Gráfico 26- Evolução dos beneficiários por modalidade da operadora 60 Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 7

8 2 - OPERADORAS Gráfico 1 - Evolução Anual do Registro/Cancelamento de Operadoras na ANS 62 Tabela 1 - Evolução Anual do Registro/Cancelamento de Operadoras na ANS 62 Tabela 2 - Operadoras por UF de domicílio do Beneficiário 63 Gráfico 2 - Operadoras por UF de domicílio do Beneficiário 63 Tabela 3 - Operadoras por Quantidade de planos Ativos 64 Gráfico 3 - Operadoras por quantidade de planos Ativos 64 Tabela 4 - Operadoras por faixas de Beneficiários 65 Gráfico 4 - Operadoras por faixas de beneficiários 65 Tabela 5 - Operadoras por Região da Sede e Modalidade 66 Gráfico 5 - Operadoras por Região da Sede e Modalidade 66 Gráfico 6 - Operadoras por região da sede 66 Gráfico 7 - Operadora por Modalidade 67 Tabela 6 - Operadoras por Modalidade e faixa de beneficiários 67 Tabela 7 - Receita por Modalidade 68 Gráfico 8 - Distribuição da Receita 68 Gráfico 9 - Total das Receitas por Modalidade 68 Gráfico 10 - Receita de Operadoras Médico-hospitalares 69 Gráfico 11 - Receita de Operadoras exclusivamente Odontológicas 69 Tabela 8 - Receita Total por Unidade de Federação 70 Gráfico 12 - Receita Total por Unidade de Federação 70 Tabela 9 - Receita por Unidade de Federação - Medicina de Grupo 71 Gráfico 13 - Receita por Unidade de Federação - Medicina de Grupo 71 Tabela 10 - Receita por Unidade de Federação - Cooperativa Médica 72 Gráfico 14 - Receita por Unidade de Federação - Cooperativa Médica 72 Tabela 11 - Receita por Unidade de Federação - Seguradora Especializada em Saúde 73 Gráfico 15 - Receita por Unidade de Federação - Seguradora Especializada em Saúde 73 Tabela 12 - Receita por Unidade de Federação - Filantropia 74 Gráfico 16 - Receita por Unidade de Federação - Filantropia 74 Tabela 13 - Receita por Unidade de Federação - Autogestão 75 Gráfico 17 - Receita por Unidade de Federação - Autogestão 75 Tabela 14 - Receita por Unidade de Federação - Odontologia de Grupo 76 Gráfico 18 - Receita por Unidade de Federação - Odontologia de Grupo 76 Tabela 15 - Receita por Unidade de Federação - Cooperativa odontológica 77 Gráfico 19 - Receita por Unidade de Federação - Cooperativa odontológica Planos Tabela 1 - Planos registrados por classificação da operadora e tipo de contratação 79 Gráfico 1 - Planos registrados por classificação de Operadora 79 Gráfico 2 - Planos registrados por Tipo de Contratação 80 Tabela 2 - Planos registrados por Faixa de Beneficiários do plano 80 Gráfico 3 - Planos registrados por Faixa de Beneficiários do plano 80 Tabela 3 - Planos registrados por faixa de Beneficiários da operadora 81 Gráfico 4 - Planos registrados por faixa de Beneficiários da operadora 81 Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 8

9 1 - BENEFICIÁRIOS Vínculos a planos médico-hospitalares com ou sem odontologia Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 9

10 Beneficiários por tipo de plano e evolução do cadastro Gráfico 1: Beneficiários por tipo de plano e evolução do cadastro: dez/00 dez/01 dez/02 dez/03 dez/04 mar/05 Antigos (Anteriores à Lei 9.656/98) Coletivos Individuais Total Evolução de registros no cadastro Tabela 1: Beneficiários por tipo de plano e evolução do cadastro: Competência Evolução de registros no cadastro Coletivos Novos (Posteriores à Lei 9.656/98) Individuais Total Antigos (Anteriores à Lei 9.656/98) Total dez/ ,0% ,8% ,7% ,3% dez/ ,0% ,2% ,2% ,8% dez/ ,2% ,8% ,0% ,0% dez/ ,9% ,5% ,4% ,6% dez/ ,2% ,0% ,2% ,8% mar/ ,7% ,1% ,9% ,1% Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 10

11 Gráfico 2: Grau de Cobertura por UF Cobertura Geográfica População estimada por município IBGE Nota 1 : grau de cobertura: percentual de beneficiários em relação a população. Tabela 2: Grau de Cobertura por UF Grau de Cobertura 1 UF Beneficiários População Região UF Capital metropolitana da Interior Capital SP ,7 55,0 45,6 30,4 RJ ,0 49,9 33,8 19,2 DF ,3 26,3 26,3 - ES ,1 61,8 33,5 9,9 MG ,6 42,8 29,5 14,8 PR ,0 45,8 31,0 12,2 SC ,6 26,3 16,9 16,6 RS ,5 29,3 22,4 6,6 AM ,3 23,2-1,1 PE ,1 34,5 20,8 5,6 CE ,0 32,4 24,8 3,0 MS ,6 17,5-8,7 RN ,5 28,7 20,7 3,5 PB ,3 26,0-5,6 GO ,7 23,8 11,7 5,6 SE ,6 26,2-2,6 BA ,2 24,0 22,2 3,8 PA ,7 27,1 21,3 2,1 MT ,4 22,3-3,8 AP ,8 8,6-1,6 AL ,6 14,5 12,1 1,8 RR ,6 7,2-0,4 PI ,2 12,7 10,5 1,2 RO ,9 9,8-2,0 TO ,4 12,2-1,9 MA ,4 14,8 11,2 1,2 AC ,5 4,5-0,8 Exterior UF não Identificada Total ,3 37,7 31,2 12,0 População estimada por município IBGE Nota 1 : Grau de cobertura: percentual de beneficiários em relação às populações (UF, capital, Região metropolitana, Interior). Nota 2: O termo "Beneficiário" refere-se a vínculos aos planos de saúde, podendo incluir vários vínculos para um mesmo indivíduo. Nota 3: A Região Metropolitana da Capital inclui a capital. Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 11

12 Cobertura Geográfica Gráfico 3: Grau de cobertura por Região População estimada por município IBGE Tabela 3: Grau de Cobertura por Região Regiao Beneficiários População Grau de Cobertura Sudeste ,8 Sul ,5 Centro Oeste ,1 Nordeste ,7 Norte ,6 Exterior UF não Identificada Total ,3 População estimada por município IBGE Nota: Grau de cobertura: percentual de beneficiários em relação a população. Gráfico 4: Beneficiários por Região Sul 11,8% Centro Oeste 4,4% Nordeste 12,6% Norte 3,1% Sudeste 68,1% Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 12

13 Distribuição por plano Tabela 4 : Tipo de contratação por UF Novos (Posteriores à Lei 9.656/98) Antigos UF (Anteriores à % Total Individuais % Coletivos % Total Lei 9.656/98) SP , , , RJ , , , MG , , , PR , , , RS , , , BA , , , PE , , , SC , , , CE , , , ES , , , DF , , , PA , , , GO , , , AM , , , PB , , , RN , , , MS , , , MA , , , MT , , , SE , , , AL , , , PI , , , RO , , , TO , , , AP , , , RR , , , AC , , , UF não Identificada 46 21, , ,7 215 Exterior 0 0, , ,7 15 Total , , , Tabela 5 : Tipo de contratação por Região Regiao Individual % Coletivo % Total Novos (Posteriores Antigos à Lei 9.656/98) (Anteriores à Lei 9.656/98) Sudeste , , , Nordeste , , , Sul , , , Centro Oeste , , , Norte , , , UF não Identificada 46 21, , ,7 215 Exterior 0 0, , ,7 15 Total , , , Novos (Posteriores à Lei 9.656/98) Antigos (Anteriores à Lei 9.656/98) % Total Gráfico 5: Beneficiários por Vigência do Plano Antigos (Anteriores à Lei 9.656/98) 46,1% Novos (Posteriores à Lei 9.656/98) 53,9% Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 13

14 Distribuição por plano Gráfico 6: Beneficiários por tipo de contratação - Planos Novos e Antigos Não identificado 23,6% Individual 20,3% Coletivo 56,2% Gráfico 7: Beneficiários por tipo de contratação - Planos Novos (Vigência Posterior à Lei 9.656/98 ) Individual 26,2% Coletivo 73,8% Gráfico 8: Beneficiários por tipo de contratação - Planos Antigos (Vigência Anterior à Lei 9.656/98 ) Individual 13,3% Não identificado 51,2% Coletivo 35,6% Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 14

15 Distribuição por plano Tabela 6: Beneficiários por segmentação do plano Segmentação do plano planos novos (Posteriores à Lei 9.656/98) planos antigos (Anteriores à Lei 9.656/98) Total Hospitalar e Ambulatorial ,4% ,6% Referência ,0% 0 0,0% Ambulatorial ,4% ,6% Hospitalar ,8% ,2% Não identificado 0 0,0% ,0% Total ,9% ,1% Gráfico 9: Beneficiários por segmentação do plano Referência 12,4% Ambulatorial 4,6% Hospitalar 1,6% Não identificado 22,9% Hospitalar e Ambulatorial 58,5% Nota: Incluídos planos antigos e novos Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 15

16 Distribuição por plano Tabela 7: Beneficiários por sexo, segmentação e tipo de contratação em Planos Novos (Vigência Posterior à Lei 9.656/98 ) Tipo de Contratação Coletivo Individual Total Sexo Feminino ,9% ,9% ,3% ,9% Masculino ,3% ,9% ,2% ,6% Total ,1% ,9% ,2% ,8% Feminino ,4% ,5% ,8% ,3% Masculino ,2% ,8% ,5% ,6% Total ,3% ,6% ,5% ,6% Cadastro de Operadoras/ANS/MS - 24/04/2005 Ambulatorial Nota: Planos não identificados em operadoras médicos-hospitalares. Hospitalar Segmentação Hospitalar e Ambulatorial Referencia ,7% ,3% ,0% ,0% Total Tabela 8: Beneficiários por sexo, segmentação e tipo de contratação em Planos Antigos (Vigência Anterior à Lei 9.656/98 ) Tipo de Contratação sexo Ambulatorial Hospitalar Segmentação Hospitalar e Ambulatorial Não Identificado Total Feminino ,4% ,5% ,6% ,5% Coletivo Masculino ,5% ,9% ,1% ,5% Total ,9% ,7% ,9% ,5% Feminino ,5% ,7% ,4% ,4% Individual Masculino ,0% ,7% ,9% ,4% Total ,7% ,5% ,4% ,4% Feminino ,3% ,5% ,3% ,0% Não Identificado Masculino ,3% ,6% ,7% ,4% Total ,3% ,5% ,5% ,7% Total ,4% ,0% ,9% ,7% Cadastro de Operadoras/ANS/MS - 24/04/2005 Nota: Planos não identificados em operadoras médico-hospitalares. Gráfico 10: Beneficiários por segmentação e tipo de contratação 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Hospitalar Ambulatorial Referencia Hospitalar e Ambulatorial Coletivos 38,2% 71,5% 73,1% 73,7% Individual / Familiar 54,1% 27,1% 26,9% 25,3% Cadastro de Operadoras/ANS/MS - 24/04/2005 Nota: Existem beneficiários com contratação e / ou segmentação não identificados. Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 16

17 Gráfico 11: Beneficiários por segmentação e sexo 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Referencia Hospitalar e Ambulatorial Hospitalar Ambulatorial Masculino 45,7% 46,6% 48,0% 48,3% Feminino 54,3% 53,4% 52,0% 51,7% Cadastro de Operadoras/ANS/MS - 24/04/2005 Nota: Existem beneficiários com contratação e / ou segmentação não identificados. Tabela 9: Beneficiários por vigência do plano e faixa etária (RN 63) Faixa Etária Novos (Posteriores à Lei 9.656/98) Antigos (Anteriores à Lei 9.656/98) Total 0 a 18 anos ,0% ,0% a 23 anos ,5% ,5% a 28 anos ,1% ,9% a 33 anos ,2% ,8% a 38 anos ,7% ,3% a 43 anos ,4% ,6% a 48 anos ,9% ,1% a 53 anos ,8% ,2% a 58 anos ,8% ,2% ou mais ,3% ,7% Total ,9% ,1% Gráfico 12: Beneficiários por vigência do plano e faixa etária (RN 63) Antigos (Anteriores à Lei 9.656/98) Novos (Posteriores à Lei 9.656/98) 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 0 a 18 anos 19 a 23 anos 24 a 28 anos 29 a 33 anos 34 a 38 anos 39 a 43 anos 44 a 48 anos 49 a 53 anos 54 a 58 anos 59 ou mais Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 17

18 Tabela 10: Beneficiários por vigência do plano, faixa etária, sexo e contratação Distribuição por plano Faixa Etária Sexo Coletivo Individual Total Coletivo Individual Não identificado Total Coletivo Individual Não identificado Feminino Masculino a 9 anos Total Feminino Masculino a 19 anos Total Feminino Masculino a 29 anos Total Feminino Masculino a 39 anos Total Feminino Masculino a 49 anos Total Feminino Masculino a 59 anos Total Feminino Masculino a 69 anos Total Feminino Masculino a 79 anos Total Feminino ou mais Masculino anos Total Total Cadastro de Operadoras/ANS/MS - 24/04/2005 Planos Novos Nota: Foram excluídos beneficiários com idades inconsistentes na faixa de 80 anos ou mais. Planos Antigos Total Total Gráfico 13: Distribuição por faixa etária e sexo a 9 anos 10 a 19 anos 20 a 29 anos 30 a 39 anos 40 a 49 anos 50 a 59 anos 60 a 69 anos 70 a 79 anos 80 ou mais anos Feminino Masculino Nota: Foram excluídos beneficiários com idades inconsistentes na faixa de 80 anos ou mais. Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 18

19 Gráfico 14: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários de planos novos (Vigência Posterior à Lei 9.656/98 ) a 9 anos 10 a 19 anos 20 a 29 anos 30 a 39 anos 40 a 49 anos 50 a 59 anos 60 a 69 anos 70 a 79 anos 80 ou mais anos Feminino Masculino Cadastro de Operadoras/ANS/MS - 24/04/2005 Nota: Foram excluídos beneficiários com idades inconsistentes na faixa de 80 anos ou mais. Gráfico 15: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários de planos antigos (Vigência Anterior à Lei 9.656/98 ) a 9 anos 10 a 19 anos 20 a 29 anos 30 a 39 anos 40 a 49 anos 50 a 59 anos 60 a 69 anos 70 a 79 anos 80 ou mais anos Feminino Masculino Cadastro de Operadoras/ANS/MS - 24/04/2005 Nota: Foram excluídos beneficiários com idades inconsistentes na faixa de 80 anos ou mais. Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 19

20 Gráfico 16: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários de planos coletivos a 9 anos 10 a 19 anos 20 a 29 anos 30 a 39 anos 40 a 49 anos 50 a 59 anos 60 a 69 anos 70 a 79 anos 80 ou mais anos Feminino Masculino Cadastro de Operadoras/ANS/MS - 24/04/2005 Nota: Foram excluídos beneficiários com idades inconsistentes na faixa de 80 anos ou mais. Gráfico 17: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários de planos individuais a 9 anos 10 a 19 anos 20 a 29 anos 30 a 39 anos 40 a 49 anos 50 a 59 anos 60 a 69 anos 70 a 79 anos 80 ou mais anos Feminino Masculino Cadastro de Operadoras/ANS/MS - 24/04/2005 Nota: Foram excluídos beneficiários com idades inconsistentes na faixa de 80 anos ou mais. Gráfico 18: Distribuição por faixa etária e sexo - Beneficiários com tipo de contratação não identificado a 9 anos 10 a 19 anos 20 a 29 anos 30 a 39 anos 40 a 49 anos 50 a 59 anos 60 a 69 anos 70 a 79 anos 80 ou mais anos Feminino Masculino Cadastro de Operadoras/ANS/MS - 24/04/2005 Nota: Foram excluídos beneficiários com idades inconsistentes na faixa de 80 anos ou mais. Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 20

21 Gráfico 19: Pirâmide etária da população Cobertura Demográfica Masculino Feminino 80 ou mais anos a 79 anos a 69 anos a 59 anos a 49 anos a 39 anos a 29 anos a 19 anos a 9 anos Fonte: População estimada por idade simples - IBGE/2004 Gráfico 20: Pirâmide etária dos beneficiários Masculino Feminino 80 ou mais anos a 79 anos a 69 anos a 59 anos a 49 anos a 39 anos a 29 anos a 19 anos a 9 anos Nota: Foram excluídos beneficiários com idades inconsistentes. Gráfico 21: Pirâmide etária da população e dos beneficiários População Masculina População Feminina Beneficiários Masculino Beneficiários Feminino 80 ou mais anos 70 a 79 anos 60 a 69 anos 50 a 59 anos 40 a 49 anos 30 a 39 anos 20 a 29 anos 10 a 19 anos 0 a 9 anos População estimada por idade simples - IBGE/2004 Nota: Foram excluídos beneficiários com idades inconsistentes. Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 21

22 Cobertura Demográfica Gráfico 22: Grau de Cobertura por sexo e faixa etária Masculino Feminino 35,0% 30,0% 25,0% 20,0% 15,0% 10,0% 5,0% 0,0% 0 a 9 anos 10 a 19 anos 20 a 29 anos 30 a 39 anos 40 a 49 anos 50 a 59 anos 60 a 69 anos 70 a 79 anos 80 ou mais anos População estimada por idade simples - IBGE/2004 Nota: Foram excluídos beneficiários com idades inconsistentes. Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 22

23 Tabela 11: Distribuição de Beneficiários entre as Operadoras Distribuição por operadora Beneficiários Percentual acumulado de beneficiários Operadoras Percentual acumulado de operadoras ,4% 2 0,2% ,1% 7 0,5% ,2% 14 1,1% ,3% 24 1,9% ,0% 42 3,3% ,1% 75 5,9% ,1% 126 9,9% ,1% ,7% ,0% ,0% % % Cadastro de Operadoras/ANS/MS - 24/04/2005 Nota * : Existem beneficiários ativos em 13 operadoras inativas. O total de operadoras representa o nº de operadoras com beneficiários. Gráfico 23: Curva ABC da distribuição de Beneficiários entre as Operadoras 100% 90,0% Percentual de Beneficiários 80,1% 70,1% 60,1% 50,0% 40,3% 30,2% 21,1% ,4% Número de operadoras Cadastro de Operadoras/ANS/MS - 24/04/2005 Nota * : Existem beneficiários ativos em 13 operadoras inativas. O total de operadoras representa o nº de operadoras com beneficiários. Curva A: 213 operadoras (16,7% do total) detêm 80% dos beneficiários. Curva B: 382 operadoras (30,0% do total) detêm 90% dos beneficiários. Curva C: operadoras (100% do total) detêm 100 % dos beneficiários. Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 23

24 Distribuição por operadora Tabela 12: Beneficiários por modalidade da operadora Modalidade Beneficiários % Medicina de Grupo ,20% Cooperativa Médica ,23% Autogestão ,91% Seguradora Especializada em Saúde ,93% Filantropia ,73% Administradora 3 0,00% Total % Cadastro de Operadoras/ANS/MS - 24/04/2005 Nota: Existem Beneficiários em operadoras odontológicas com planos não-odontológicos. Gráfico 24: Beneficiários por modalidade da operadora Autogestão 15,91% Cooperativa Médica 29,23% Seguradora Especializada em Saúde 12,93% Filantropia 3,73% Medicina de Grupo 38,20% Cadastro de Operadoras/ANS/MS - 24/04/2005 Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 24

25 Distribuição por operadora Tabela 13: Beneficiários por modalidade da operadora e Vigência do Plano Modalidade Novos (Posteriores à Lei 9.656/98) Antigos (Anteriores à Lei 9.656/98) Total Medicina de Grupo ,2% ,8% Cooperativa Médica ,8% ,2% Autogestão ,5% ,5% Seguradora Especializada em Saúde ,1% ,9% Filantropia ,5% ,5% Administradora 0 0,0% 3 100,0% 3 Total ,9% ,1% Cadastro de Operadoras/ANS/MS - 24/04/2005 Nota: Existem Beneficiários em operadoras odontológicas com planos não-odontológicos. Gráfico 25: Beneficiários por modalidade da operadora e Vigência do Plano Antigos (Anteriores à Lei 9.656/98) Novos (Posteriores à Lei 9.656/98) Medicina de Grupo Cooperativa Médica Autogestão Seguradora Especializada em Saúde Filantropia Cadastro de Operadoras/ANS/MS - 24/04/2005 Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 25

26 Tabela 14- Evolução dos beneficiários por modalidade da operadora Competência Autogestão Cooperativa Médica Filantropia Medicina de Grupo Seguradora Especializada em Saúde Total dez/ dez/ dez/ dez/ dez/ mar/ Cadastro de Operadoras/ANS/MS - 24/04/2005 Nota: Existem Beneficiários em operadoras odontológicas com planos não-odontológicos. As Administradoras não foram incluídas. Gráfico 26- Evolução dos beneficiários por modalidade da operadora Distribuição por operadora dez/00 dez/01 dez/02 dez/03 dez/04 mar/05 Autogestão Filantropia Seguradora Especializada em Saúde Cooperativa Médica Medicina de Grupo Cadastro de Operadoras/ANS/MS - 24/04/2005 Nota: Existem Beneficiários em operadoras odontológicas com planos não-odontológicos. As Administradoras não foram incluídas. Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 26

27 1.2 - Vínculos a planos exclusivamente odontológicos Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 27

28 Gráfico 1: Beneficiários por tipo de plano e evolução do cadastro: Vínculos a planos exclusivamente odontológicos Beneficiários por tipo de planos e evolução do cadastro dez/00 dez/01 dez/02 dez/03 dez/04 mar/05 Antigos (Anteriores à Lei 9.656/98) Coletivos Individuais Total Evolução de registros no cadastro Tabela 1: Beneficiários por tipo de plano e evolução do cadastro: Vínculos a planos exclusivamente odontológicos Competência Evolução de registros no cadastro Novos (Posteriores à Lei 9.656/98) Coletivos Individuais Total Antigos (Anteriores à Lei 9.656/98) Total dez/ ,8% ,0% ,8% ,2% dez/ ,5% ,0% ,5% ,5% dez/ ,0% ,7% ,7% ,3% dez/ ,3% ,7% ,0% ,0% dez/ ,4% ,9% ,3% ,7% mar/ ,5% ,7% ,1% ,9% Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 28

29 Gráfico 2: Grau de Cobertura por UF Vínculos a planos exclusivamente odontológicos Cobertura Geográfica População estimada por Município IBGE. Nota 1 : Grau de cobertura: percentual de beneficiários em relação a População. Tabela 2: Grau de Cobertura por UF Vínculos a planos exclusivamente odontológicos UF Beneficiários População UF Capital Região metropolitana da Capital Interior SP ,96 10,68 7,78 6,21 DF ,76 5,76 5,76 - RJ ,50 6,19 3,90 2,34 AM ,11 6,11-0,03 BA ,89 9,78 9,06 0,93 PR ,79 10,13 6,63 1,09 RS ,25 5,54 3,34 1,60 CE ,21 5,79 4,67 0,48 SC ,14 6,67 4,87 1,70 AL ,09 5,68 4,80 0,53 RN ,00 6,16 4,34 0,36 MG ,94 5,61 4,13 1,19 AP ,78 2,56-0,61 SE ,69 5,20-0,49 GO ,59 4,23 2,00 1,15 PE ,51 4,69 2,94 0,44 PB ,48 6,09-0,46 PA ,39 5,33 4,17 0,24 ES ,36 6,28 2,42 0,40 MT ,89 2,31-0,55 MS ,54 1,18-0,22 MA ,38 1,86 1,41 0,08 PI ,31 1,04 0,86 0,05 RO ,30 1,16-0,02 AC ,22 0,45-0,03 TO ,09 0,27-0,05 RR ,04 0,05-0,02 Exterior Uf não identificada total ,18 6,95 5,27 1,88 População estimada por Município IBGE. Nota 1 : Grau de cobertura: percentual de beneficiários em relação às populações (UF, capital, Região metropolitana, Interior). Nota 2: O termo "Beneficiário" refere-se a vínculos aos planos de saúde, podendo incluir vários vínculos para um mesmo indivíduo. Nota 3: A Região Metropolitana da Capital inclui a capital. Grau de Cobertura 1 Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 29

30 Gráfico 3: Grau de Cobertura por Região Vínculos a planos exclusivamente odontológicos Cobertura Geográfica População estimada por Município IBGE. Tabela 3: Grau de Cobertura por Região Vínculos a planos exclusivamente odontológicos Região Beneficiários População Grau de Cobertura Sudeste ,81 Sul ,43 Centro Oeste ,00 Nordeste ,86 Norte ,46 Exterior UF não identificada Total ,18 População estimada por Município IBGE. Nota: Grau de cobertura: percentual de beneficiários em relação a população. Gráfico 4: Beneficiários por Região Vínculos a planos exclusivamente odontológicos Sul 11,2% Centro Oeste 4,4% Nordeste 16,2% Norte 3,6% Sudeste 64,5% Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 30

31 Distribuição por plano Tabela 4 - Tipo de contratação por UF Vínculos a planos exclusivamente odontológicos UF Individuais % Coletivos % Total SP , , , RJ , , , BA , , , MG , , , PR , , , RS , , , CE , , , DF , , , PE , , , SC , , , AM , , , PA , , , GO , , , AL , , , RN , , , PB , , , ES , , , SE , , , MT , , , MA , , , MS , , , AP , , , PI 779 8, , , RO 22 0, , , AC , , , TO , , , RR 5 3, , ,9 153 UF não identificada 7 3, , ,2 184 Exterior 1 100,0 0 0, ,0 1 Total , , , Novos (Posteriores à Lei 9.656/98) Antigos (Anteriores à Lei 9.656/98) % Total Tabela 5 - Tipo de contratação por região Vínculos a planos exclusivamente odontológicos Novos (Posteriores Antigos à Lei (Anteriores 9.656/98) à Lei 9.656/98) Regiao Novos (Posteriores à Lei 9.656/98) Individuais % Coletivos % Total Antigos (Anteriores à Lei 9.656/98) % Total Sudeste , , , Nordeste , , , Sul , , , Centro Oeste , , , Norte , , , UF não Identificada 7 3, , ,2 184 Exterior 1 100,0 0 0, ,0 1 Total , , , Gráfico 5: Beneficiários por vigência do plano Vínculos a planos exclusivamente odontológicos Antigos (Anteriores à Lei 9.656/98) 30,9% Novos (Posteriores à Lei 9.656/98) 69,1% Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 31

32 Distribuição por plano Gráfico 6: Beneficiários por tipo de contratação - Planos Novos e Antigos Vínculos a planos exclusivamente odontológicos Não identificados 19,0% Individual 13,3% Coletivo 67,7% Gráfico 7: Beneficiários por tipo de contratação - Planos Novos (Vigência Posterior à Lei 9.656/98 ) Vínculos a planos exclusivamente odontológicos Individuais 15,4% Coletivos 84,6% Gráfico 8: Beneficiários por tipo de contratação - Planos Antigos (Vigência Anterior à Lei 9.656/98 ) Vínculos a planos exclusivamente odontológicos Individual 8,7% Coletivo 29,7% Não identificados 61,6% Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 32

33 Tabela 6 : Beneficiários por segmentação do plano Distribuição por plano Segmentação do plano Total Odontológico Não identificado Total Nota: Planos não identificados em operadoras exclusivamente odontológica Tabela 7: Beneficiários por vigência do plano e faixa etária (RN 63) Vínculos a planos exclusivamente odontológicos Faixa Etária Novos (Posteriores à Lei 9.656/98) Antigos (Anteriores à Lei 9.656/98) Total 0 a 18 anos ,80% ,2% a 23 anos ,27% ,7% a 28 anos ,86% ,1% a 33 anos ,69% ,3% a 38 anos ,57% ,4% a 43 anos ,64% ,4% a 48 anos ,94% ,1% a 53 anos ,31% ,7% a 58 anos ,09% ,9% ou mais ,10% ,9% Total ,1% ,9% Gráfico 9: Beneficiários por vigência do plano e faixa etária (RN 63) Vínculos a planos exclusivamente odontológicos Antigos (Anteriores à Lei 9.656/98) Novos (Posteriores à Lei 9.656/98) 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 0 a 18 anos 19 a 23 anos 24 a 28 anos 29 a 33 anos 34 a 38 anos 39 a 43 anos 44 a 48 anos 49 a 53 anos 54 a 58 anos 59 ou mais Março/2005 DIDES/GGSIS/GEPIN 33

Nota de Acompanhamento de Beneficiários Edição: Nº Data base: Junho de 2017

Nota de Acompanhamento de Beneficiários Edição: Nº Data base: Junho de 2017 Nota de Acompanhamento de Beneficiários Edição: Nº 13-2017 Data base: Junho de 2017 Sumário Executivo Número de beneficiários de planos médico-hospitalares (jun/17): 47.383.248; Variação do número de beneficiários

Leia mais

Presença a do Estado no Brasil: Federação, Suas Unidades e Municipalidades

Presença a do Estado no Brasil: Federação, Suas Unidades e Municipalidades Presença a do Estado no Brasil: Federação, Suas Unidades e Municipalidades Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada BRASIL Marcio Pochmann Presidente Brasília, 15 de dezembro de 2009 Justificativa

Leia mais

Perfil das pessoas físicas tomadoras de operações de crédito nas cooperativas brasileiras

Perfil das pessoas físicas tomadoras de operações de crédito nas cooperativas brasileiras Perfil das pessoas físicas tomadoras de operações de crédito nas cooperativas brasileiras 1 Objetivo Conhecer a população de pessoas físicas tomadoras de operações de crédito junto a cooperativas. A partir

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR ANS EXTRATO DO TERMO DE COMPROMISSO Nº 015/2009

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR ANS EXTRATO DO TERMO DE COMPROMISSO Nº 015/2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR ANS EXTRATO DO TERMO DE COMPROMISSO Nº 015/2009 Nº processo: 33902.047589/2009-41 Espécie: termo de compromisso celebrado entre a pessoa jurídica

Leia mais

Movimentação das Empresas do Segmento Julho 2011

Movimentação das Empresas do Segmento Julho 2011 Movimentação das Empresas do Segmento Julho 2011 Índice 1. Consolidado Brasil... 03 2. Acumulado Brasil... 06 3. Consolidado por Região... 08 4. Consolidado por Estado... 14 5. Consolidado Brasil Comparativo

Leia mais

Movimentação das Empresas do Segmento Abril 2011

Movimentação das Empresas do Segmento Abril 2011 Movimentação das Empresas do Segmento Abril 2011 Índice 1. Consolidado Brasil... 03 2. Acumulado Brasil... 06 3. Consolidado por Região... 08 4. Consolidado por Estado... 14 5. Consolidado Brasil Comparativo

Leia mais

Tendências na Gestão Odontológica para Autogestões Definições

Tendências na Gestão Odontológica para Autogestões Definições Definições Autogestão em Saúde: Modelo focado na atenção integral à saúde e à qualidade de vida. Saúde: OMS define saúde como o completo estado de bemestar físico, mental e social, e não simplesmente a

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

Movimentação das Empresas do Segmento Junho 2010

Movimentação das Empresas do Segmento Junho 2010 Movimentação das Empresas do Segmento Junho 2010 Índice 1. Consolidado Brasil... 03 2. Acumulado Brasil... 05 3. Consolidado por Região... 06 4. Consolidado por Estado... 09 5. Consolidado Brasil Comparativo

Leia mais

Caderno de Informação da Saúde Suplementar

Caderno de Informação da Saúde Suplementar 2008 Dezembro Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários Operadoras Planos de Saúde ISSN 1981-0962 MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar Caderno de Informação da Saúde

Leia mais

PESQUISA - REDE CEGONHA

PESQUISA - REDE CEGONHA PESQUISA - REDE CEGONHA Objetivo Geral Avaliar o impacto da implementação da Rede Cegonha nos estados brasileiros, considerando o olhar de uma amostra representativa de mães que tiveram parto pelo Sistema

Leia mais

Audiência Pública. CAE/CAS Senado Federal

Audiência Pública. CAE/CAS Senado Federal Audiência Pública CAE/CAS Senado Federal Investimento Estrangeiro em Hospitais PLS 259/2009 O projeto de lei do Senado 259/2009 visa regulamentar a Constituição, de modo a possibilitar a entrada de capital

Leia mais

Relatório do Ministério do Meio Ambiente para o Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA)

Relatório do Ministério do Meio Ambiente para o Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) Relatório do Ministério do Meio Ambiente para o Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) Óleo Lubrificante Usado ou Contaminado Em atendimento ao Artigo 9 º da Resolução CONAMA 362/2005 GRP/DAU/SRHU/MMA

Leia mais

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE:

CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Lista de Sigla CAF: CONTAG: CPR: FETRAF: NPT: ONG: PNCF: SAC: SAT: SIB: SIC: SQD: UTE: Boletim Ano VI - Edição nº 2/211 Boletim Ano VI - Edição nº 1 / 211 Painel de Ind Nº 9/215 Técnicos Resp Equipe CGPM

Leia mais

A NOVA DINÂMICA DOS PLANOS DE SAÚDE

A NOVA DINÂMICA DOS PLANOS DE SAÚDE A NOVA DINÂMICA DOS PLANOS DE SAÚDE Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo 1 Apresentação Esse trabalho analisa dados divulgados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) em

Leia mais

Vagas autorizadas. 4.146 vagas* autorizadas em 1.294 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos Indígenas e 361 vagas de reposição

Vagas autorizadas. 4.146 vagas* autorizadas em 1.294 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos Indígenas e 361 vagas de reposição Vagas autorizadas 4.146 vagas* autorizadas em 1.294 municípios e 12 DSEIs *35 vagas nos Distritos Indígenas e 361 vagas de reposição Fonte: IBGE e MS. Datum: SIRGAS2000 Elaboração: MS/SGTES/DEPREPS Data:

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO TRIMESTRAL Beneficiários

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO TRIMESTRAL Beneficiários RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO TRIMESTRAL Beneficiários Competência: Março/15 Versão 2: 28/5/15 SIB disponível em 21/4/15 SU MÁRIO EXECUTIVO O Relatório de Acompanhamento do Mercado de Saúde Suplementar apresenta

Leia mais

PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL

PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL PRODUTO INTERNO BRUTO DO DISTRITO FEDERAL 2010 Produto Interno Bruto - PIB Corresponde ao valor a preços de mercado, de todos os bens e serviços finais produzidos em um território, num determinado período

Leia mais

BAHIA. Previdenciária. ria PNAD BRASÍLIA, MAIO DE 2011

BAHIA. Previdenciária. ria PNAD BRASÍLIA, MAIO DE 2011 BAHIA Proteção Previdenciária ria - Perfil dos socialmente desprotegidos segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD 2009 - BRASÍLIA, MAIO DE 2011 1 1. Indicadores de Cobertura Social Cobertura

Leia mais

Evolução das Ocorrências de Sinistros de Morte no Feriado de Corpus Christi por Tipo de Veículo

Evolução das Ocorrências de Sinistros de Morte no Feriado de Corpus Christi por Tipo de Veículo Estatísticas Corpus Christi Nos últimos anos, as ocorrências de acidentes envolvendo veículos automotores, no período do feriado de Corpus Christi, cujas indenizações foram solicitadas à Seguradora Líder

Leia mais

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa

Mortos e Acidentes por Unidade Federativa e Acidentes por Unidade Federativa - 2016 Data: 23/05/2017 FILTROS: Veículos: Todos, Caminhões, Ônibus Valores: Absolutos Estado: Todos BR: Todas Estados com maior número de mortes e acidentes - 2016 Este

Leia mais

NOTA TÉCNICA 009/2005

NOTA TÉCNICA 009/2005 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA DA SAÚDE NOTA TÉCNICA 009/2005 Apresenta os dados referentes à aplicação da Receita de Impostos e Transferências

Leia mais

Programa Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental relacionada à Qualidade da Água para Consumo Humano - VIGIAGUA

Programa Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental relacionada à Qualidade da Água para Consumo Humano - VIGIAGUA Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Coordenação Geral de Vigilância em Saúde Ambiental Programa Nacional de Vigilância em Saúde Ambiental relacionada à Qualidade da Água para Consumo

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (agosto/13) setembro de 2013 Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda

Leia mais

Evolução das Indenizações Pagas por Natureza

Evolução das Indenizações Pagas por Natureza Natureza da Indenização Jan a Mar 2012 Quantidades % Jan a Mar 2013 % Jan a Mar 2013 x Jan a Mar 2012 Morte 14.462 1 14.349 1 - Invalidez Permanente 64.220 6 85.286 68% 3 Despesas Médicas (DAMS) 18.860

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL MÉDIO DEMANDA DE CANDIDATOS POR VAGA Nível superior Cargo 1: Contador DF Brasília/Sede da Administração Central 35 1820 52,00 Nível médio Cargo 2: Agente Administrativo AC Rio Branco/Sede da SRTE 2 1496 748,00 Nível médio Cargo 2: Agente

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Acessos Quantidade de Acessos no Brasil Dividido por Tecnologia/Velocidade/UF UF Tecnologia Velocidade Quantidade de Acessos AC ATM 12 Mbps a 34Mbps 3 AC ATM 34 Mbps

Leia mais

PME PROEMI. Municípios por faixas percentuais de abrangência das ESCOLAS do Ensino Fundamental no PME e do Ensino Médio no PROEMI em 2014

PME PROEMI. Municípios por faixas percentuais de abrangência das ESCOLAS do Ensino Fundamental no PME e do Ensino Médio no PROEMI em 2014 Municípios por faixas percentuais de abrangência das ESCOLAS do Ensino Fundamental no PME e do Ensino Médio no PROEMI PME Total de 5.570 municípios 604 municípios não par cipantes 592 com até 20% 882 entre

Leia mais

Gestão da Qualidade da Banda Larga

Gestão da Qualidade da Banda Larga Gestão da Qualidade da Banda Larga Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 21 de maio de 2013 METODOLOGIA DE MEDIÇÃO INDICADORES DE BANDA LARGA FIXA Avaliações realizadas através de medidores instalados

Leia mais

PROCESSO SELETIVO UFAL SiSU GERAL (5.168 vagas ofertadas)

PROCESSO SELETIVO UFAL SiSU GERAL (5.168 vagas ofertadas) PROCESSO SELETIVO UFAL 2014 - SiSU 2014.1 - GERAL (5.168 vagas ofertadas) ALAGOAS AL 2.918 56,46% BAHIA BA 306 5,92% SERGIPE SE 96 1,86% PERNAMBUCO PE 627 12,13% PARAÍBA PB 24 0,46% RIO GRANDE DO NORTE

Leia mais

FICHAS TÉCNICAS INDICADORES DOS INDICADORES DO ÍNDICE DE RECLAMAÇÃO

FICHAS TÉCNICAS INDICADORES DOS INDICADORES DO ÍNDICE DE RECLAMAÇÃO FICHAS TÉCNICAS INDICADORES DOS INDICADORES DO ÍNDICE DE RECLAMAÇÃO 1) ÍNDICE GERAL DE RECLAMAÇÕES (IGR) Conceito Número médio de reclamações de beneficiários de planos privados de saúde, que recorreram

Leia mais

Racionamento de água. Abril/2017

Racionamento de água. Abril/2017 Racionamento de água Abril/2017 Objetivo da Pesquisa Metodologia Tópicos da Pesquisa Informações técnicas Levantar informações sobre temas importantes no contexto atual dos Pequenos Negócios. TEMA ANALISADO

Leia mais

Racionamento de água. Abril/2017

Racionamento de água. Abril/2017 Racionamento de água Abril/2017 Objetivo da Pesquisa Metodologia Tópicos da Pesquisa Informações técnicas Levantar informações sobre temas importantes no contexto atual dos Pequenos Negócios. TEMA ANALISADO

Leia mais

Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Beneficiários

Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Beneficiários Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Beneficiários Objetivos da Pesquisa O objetivo principal da pesquisa é conhecer a satisfação dos consumidores em relação às suas operadoras de planos de saúde. Os

Leia mais

NIP Não Assistencial

NIP Não Assistencial NIP Não Assistencial Beneficiário NIP Operadoras ANS Objetivos da apresentação Temas que são analisados no âmbito da NIP não assistencial Identificação dos elementos e documentos necessários nas respostas

Leia mais

Brasília, 15 de abril de 2008.

Brasília, 15 de abril de 2008. Brasília, 15 de abril de 28. Considerações Iniciais Elevado numero de profissionais sem carteiras Tempo de espera de emissão Ações Desenvolvidas Otimização das Centrais de Digitalização Visita aos Crea

Leia mais

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares

Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares 1 Rio de Janeiro, 17/01/2014 S I P D Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares O IBGE iniciou uma importante etapa no aprimoramento de seu sistema de pesquisas domiciliares, que propiciará maior eficácia

Leia mais

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS

Pendências de Envio do Relatório de Gestão Municipal-2013 aos CMS INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS RN 309/2012

PERGUNTAS E RESPOSTAS RN 309/2012 PERGUNTAS E RESPOSTAS RN 309/2012 01 - Qual a finalidade do agrupamento de contratos? O agrupamento de contratos visa o cálculo e aplicação de um reajuste único, com a finalidade de promover a distribuição

Leia mais

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde Manual de Orientação para contratação de planos de saúde nós somos a casembrapa Funcionamento de um plano de autogestão: Somos uma operadora de saúde de autogestão. Uma entidade sem fins lucrativos, mantida

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO SEGURADORA LÍDER-DPVAT

BOLETIM ESTATÍSTICO SEGURADORA LÍDER-DPVAT BOLETIM ESTATÍSTICO SEGURADORA LÍDER-DPVAT ANO 08 - VOL.01 DE 2 INDENIZAÇÕES No mês de Janeiro de as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT se mantiveram no mesmo patamar ante mesmo período de 2017. Os casos

Leia mais

PESQUISA DE DESEMPENHO. 2º Trimestre 2016

PESQUISA DE DESEMPENHO. 2º Trimestre 2016 PESQUISA DE DESEMPENHO 2º Trimestre 2016 Objetivos No ano de 2016 a pesquisa de Desempenho do Setor de Franchising continuará sendo realizada de forma trimestral com o objetivo de permitir antecipação

Leia mais

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007.

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. VA PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 4/10/2007, SEÇÃO 3, PÁG.. EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. Divulgar a distribuição de vagas do Concurso Público para provimento de cargos e formação

Leia mais

Disque Denúncia Nacional de Abuso e Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes: Disque 100

Disque Denúncia Nacional de Abuso e Exploração Sexual contra Crianças e Adolescentes: Disque 100 Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República Subsecretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Programa Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Crianças

Leia mais

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MEC A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA O movimento Constitucional; O processo de discussão que antecedeu a LDB nº9394/96; A concepção de Educação Básica e a universalização do

Leia mais

Micro e Pequenas Empresas Brasil RAE. Outubro/ /

Micro e Pequenas Empresas Brasil RAE. Outubro/ / Taxa de Sobrevivência Micro e Pequenas Empresas Brasil Outubro/2011 1 Nova Metodologia: Erro ZERO Antiga Metodologia Nova Metodologia Pesquisa de campo com empresas Entrevista com empresários Amostra (2

Leia mais

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE?

O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? O QUE É A LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE? Instrumento que permite o financiamento, por meio de incentivos fiscais, de projetos esportivos aprovados pelo Ministério do Esporte. BASE LEGAL: Lei 11.438/06 -

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO -

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO - TOR/UNESCO/SEB Nº /20. Número e Título do Projeto: Projeto 94BRA - Fundo de Fortalecimento da Escola Equidade e Qualidade

Leia mais

Indenizações Pagas. Evolução das Indenizações Pagas por Natureza

Indenizações Pagas. Evolução das Indenizações Pagas por Natureza Ano 04 - Volume 03 Janeiro a Setembro de 2014 Indenizações Pagas Natureza da Indenização Jan a Set 2013 % % Jan a Set 2013 x Morte 41.761 9% 40.198 7% -4% Invalidez Permanente 324.387 73% 430.322 77% 33%

Leia mais

Indenizações Pagas. Evolução das Indenizações Pagas por Natureza

Indenizações Pagas. Evolução das Indenizações Pagas por Natureza Ano 04 - Volume 01 Janeiro a Março de 2014 Indenizações Pagas Natureza da Indenização Jan a Mar 2013 % % Jan a Mar 2013 x Morte 14.349 12% 12.401 8% -14% Invalidez Permanente 85.286 68% 121.706 75% 43%

Leia mais

DPE / COAGRO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA

DPE / COAGRO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA janeiro de 215 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

Produção Agrícola Municipal 2015. Assunto: Lavouras Temporárias

Produção Agrícola Municipal 2015. Assunto: Lavouras Temporárias Produção Agrícola Municipal 2015 Assunto: Lavouras Temporárias Tabela 1 - Áreas plantada e colhida, quantidade produzida, rendimento médio e valor da produção, segundo os principais produtos das lavouras

Leia mais

Pendências de Envio dos Relatórios de Gestão Municipal aos Conselhos Municipais de Saúde CMS

Pendências de Envio dos Relatórios de Gestão Municipal aos Conselhos Municipais de Saúde CMS SITUAÇÃO DA ALIMENTAÇÃO DO RELATÓRIO DE GESTÃO ANO 2012-2013 E INFORMAÇÕES SOBRE PLANO E PROGRAMAÇÃO DE SAÚDE 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Ano 2012 Na Figura e Quadro 1 abaixo apresentamos a situação atual de

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2011 % Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2012 x Jan a Dez 2011 Morte 58.134 16% 60.752 12% 5% Invalidez Permanente 239.738 65% 352.495 69% 47% Despesas Médicas (DAMS) 68.484

Leia mais

Audiência Pública Financiamento da Saúde. Comissão sobre o Financiamento do Sistema de Saúde do Brasil Brasília (DF), 23 de maio de 2013

Audiência Pública Financiamento da Saúde. Comissão sobre o Financiamento do Sistema de Saúde do Brasil Brasília (DF), 23 de maio de 2013 Audiência Pública Financiamento da Saúde Comissão sobre o Financiamento do Sistema de Saúde do Brasil Brasília (DF), 23 de maio de 2013 1 Federação Nacional de Saúde Suplementar Associadas: 17 grupos empresariais

Leia mais

Indenizações Pagas. Evolução das Indenizações Pagas por Natureza

Indenizações Pagas. Evolução das Indenizações Pagas por Natureza Ano 04 - Volume 02 Janeiro a Junho de 2014 Indenizações Pagas Natureza da Indenização Jan a Jun 2013 % % Jan a Jun 2013 x Morte 29.025 25.181 8% -1 Invalidez Permanente 215.530 72% 259.845 76% 21% Despesas

Leia mais

Farias Pereira de Sousa Brasilia, 25 de Novembro de 2011. O Corretor no Cenário da Saúde Suplementar

Farias Pereira de Sousa Brasilia, 25 de Novembro de 2011. O Corretor no Cenário da Saúde Suplementar Farias Pereira de Sousa Brasilia, 25 de Novembro de 2011 O Corretor no Cenário da Saúde Suplementar A Saúde Privada no Brasil A Lei 9.656/98 Corrigiu distorções, introduziu regras e obrigações importantes

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AMBULATORIAL DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA HOSPITALAR E AMBULATORIAL DEPARTAMENTO DE AÇÕES EM SAÚDE NOTA TÉCNICA Assunto: Leitos de Saúde Mental Integral DA HABILITAÇÃO 1. No Estado do Rio Grande do Sul, os leitos de saúde mental integral terão duas formas de habilitação: federal, quando se tratarem

Leia mais

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012.

De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. De janeiro a junho de 2013 as indenizações pagas pelo Seguro DPVAT registraram crescimento de 38% ante mesmo período de 2012. Os casos de Invalidez Permanente representaram a maioria das indenizações pagas

Leia mais

É um seguro que garante ao Proprietário o recebimento dos aluguéis e de outras despesas mensais quando o inquilino deixar de pagar o aluguel.

É um seguro que garante ao Proprietário o recebimento dos aluguéis e de outras despesas mensais quando o inquilino deixar de pagar o aluguel. MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS FIANÇA LOCATÍCIA 12 MESES ENCERRADOS EM ABRIL DE 2009 E 2008. É um seguro que garante ao Proprietário o recebimento dos aluguéis e de outras despesas mensais quando o inquilino

Leia mais

Rede Cegonha Investimentos Obras Contratos e Convênios

Rede Cegonha Investimentos Obras Contratos e Convênios Rede Cegonha Investimentos Obras Contratos e Convênios Investimentos Rede Cegonha 2013 Do módulo Do módulo Obras SISMOB ( Públicas) Número de propostas inseridas no sistema: 782- (273 não finalizadas pelo

Leia mais

BOLETIM ESTATÍSTICO SEGURADORA LÍDER-DPVAT

BOLETIM ESTATÍSTICO SEGURADORA LÍDER-DPVAT BOLETIM ESTATÍSTICO SEGURADORA LÍDER-DPVAT ANO 08 - VOL.03 MARÇO DE 2 INDENIZAÇÕES De Janeiro a Março de, foram pagas 87.508 indenizações pelo Seguro DPVAT, uma redução de 11% em relação ao mesmo período

Leia mais

PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO

PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO PROGRAMA DE FISCALIZAÇÃO EM ENTES FEDERATIVOS 2º CICLO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO UF / Ação de Governo Valor a ser Fiscalizado AC R$ 99.891.435,79 Apoio à Alimentação Escolar na Educação Básica (PNAE) R$

Leia mais

Audiência Pública sobre a venda da AMIL para a UNITED HEALTH

Audiência Pública sobre a venda da AMIL para a UNITED HEALTH Audiência Pública sobre a venda da AMIL para a UNITED HEALTH Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados Brasília (DF), 21 de maio de 2013 1 Federação Nacional de Saúde Suplementar

Leia mais

Financiamento das Ações de Alimentação e Nutrição

Financiamento das Ações de Alimentação e Nutrição XIII Encontro Nacional da Rede de Alimentação e Nutrição do SUS Financiamento das Ações de Alimentação e Nutrição Coordenação-Geral de Alimentação e Nutrição Brasília, Agosto de 2015 Financiamento das

Leia mais

Financiamento da Educação: necessidades e possibilidades

Financiamento da Educação: necessidades e possibilidades Financiamento da Educação: necessidades e possibilidades Jorge Abrahão de Castro Diretor da Diretoria de Estudos e Políticas Sociais do IPEA Brasília, 14 de dezembro de 2011 Sub-setorial Transversal Educação

Leia mais

CENSO AMIB 2016/2017. Relatório Médicos

CENSO AMIB 2016/2017. Relatório Médicos CENSO AMIB 2016/2017 Relatório Médicos OBJETIVO O objetivo primário deste relatório foi analisar os dados provenientes de uma pesquisa realizada com médicos que trabalham em Unidades de Tratamento Intensivo

Leia mais

REGIÃO 01 CENTRO OESTE Cidade de Lotação: Brasília (DF); Campo Grande (MS); Cuiabá (MT); Goiânia (GO).

REGIÃO 01 CENTRO OESTE Cidade de Lotação: Brasília (DF); Campo Grande (MS); Cuiabá (MT); Goiânia (GO). REGIÃO 01 CENTRO OESTE Cidade de Lotação: Brasília (DF); Campo Grande (MS); Cuiabá (MT); Goiânia (GO). CARGO: ANALISTA DE PROCESSAMENTO NÍVEL SUPERIOR 01100 ANALISTA DE PROCESSAMENTO 165 17 30h Salário

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios: Resultados do Universo

Censo Demográfico 2010. Características da população e dos domicílios: Resultados do Universo Censo Demográfico 2010 Características da população e dos domicílios: Resultados do Universo Rio de Janeiro, 16 de novembro de 2011 INTRODUÇÃO Por convenção, denomina-se Universo, o conjunto de características

Leia mais

Seminário Espaços Urbanos Seguros

Seminário Espaços Urbanos Seguros Seminário Espaços Urbanos Seguros A atuação da CAIXA e seu impacto no desenvolvimento de cidades sustentáveis Vice-Presidência de Governo Superintendência Nac de Ass Técnica e Desenv Sustentável Jean R.

Leia mais

Candidatos por Vaga Processo Seletivo Simplificado / 2008: IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - ANALISTA CENSITÁRIO

Candidatos por Vaga Processo Seletivo Simplificado / 2008: IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - ANALISTA CENSITÁRIO Candidatos por Vaga Processo Seletivo Simplificado / 2008: IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - ANALISTA CENSITÁRIO UF MUNICÍPIO CARGO AC RIO BRANCO Análise de Sistemas / Suporte à

Leia mais

BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. FEVEREIRO - 2016 Comportamento do Emprego - Limeira/SP.

BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados. FEVEREIRO - 2016 Comportamento do Emprego - Limeira/SP. BOLETIM CAGED Cadastro Geral de Empregados e Desempregados FEVEREIRO - 216 Comportamento do Emprego - Limeira/SP. A Consultoria Técnica Especializada da Câmara Municipal de Limeira apresenta os dados do

Leia mais

Indenizações Pagas. Evolução das Indenizações Pagas por Natureza

Indenizações Pagas. Evolução das Indenizações Pagas por Natureza Ano 04 - Volume 04 Janeiro a Dezembro de 2014 Indenizações Pagas Natureza da Indenização Jan a Dez 2013 % % Jan a Dez 2013 x Morte 54.767 9% 52.226 7% -5% Invalidez Permanente 444.206 70% 595.693 78% 34%

Leia mais

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS

EVOLUÇÃO & PROGNÓSTICOS APRESENTAÇÃO POPULAÇÃO CARCERÁRIA BRASILEIRA O objetivo deste trabalho, elaborado pela Comissão de Monitoramento e Avaliação do DEPEN, é realizar um levantamento, de forma sucinta, sobre o quadro evolutivo

Leia mais

Relatório de Dados do Programa de Microcrédito 2º. Trimestre de 2012

Relatório de Dados do Programa de Microcrédito 2º. Trimestre de 2012 Ministério do Trabalho e Emprego Programa Nacional de Microcrédito Produtivo Orientado Relatório de Dados do Programa de Microcrédito 2º. de 2012 1. Resultados do Programa de Microcrédito no 2 de 2012.

Leia mais

COMISSÃO PARITÁRIA Redimensionamento da Rede Credenciada 14/11/2016

COMISSÃO PARITÁRIA Redimensionamento da Rede Credenciada 14/11/2016 COMISSÃO PARITÁRIA Redimensionamento da Rede Credenciada 14/11/2016 Conceito É o conjunto de profissionais e estabelecimentos de saúde, incluindo médicos, consultórios, laboratórios, clínicas e hospitais,

Leia mais

Boletim Informativo do PNI Vacinação contra HPV

Boletim Informativo do PNI Vacinação contra HPV COORDEAÇÃO GERAL DO PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÕES/DEVIT/SVS/MS 17 de dezembro de 2015 Boletim Informativo do PNI - 2015 Vacinação contra HPV Estratégia de vacinação contra HPV O Ministério da Saúde

Leia mais

Sangue e Hemoderivados

Sangue e Hemoderivados MINISTÉRIO DA SAÚDE Caderno de Informação Sangue e Hemoderivados Produção Hemoterápica, Sistema Único de Saúde SUS (Serviços s e s s) e Serviços s não contratados ao SUS Série G. Estatística e Informação

Leia mais

A obrigatoriedade: Lei nº 9.503/97 (CTB)

A obrigatoriedade: Lei nº 9.503/97 (CTB) Verificação Metrológica Subsequente dos Cronotacógrafos A obrigatoriedade: Lei nº 9.503/97 (CTB) Art. 05. São equipamentos obrigatórios dos veículos,... :... II - para os veículos de transporte e de condução

Leia mais

Auditoria de Natureza Operacional

Auditoria de Natureza Operacional Tribunal de Contas da União Secretaria de Fiscalização e Avaliação de Programas de Governo - SEPROG Auditoria de Natureza Operacional Programa Doação, Captação e Transplantes de Órgãos e Tecidos Ministro-Relator:

Leia mais

ICEI Índice de Confiança do Empresário Industrial Julho/07 Interiorização da Sondagem

ICEI Índice de Confiança do Empresário Industrial Julho/07 Interiorização da Sondagem Resultado do ICEI - Índice de Confiança do Empresário Industrial - nas Regionais FIESP Projeto de de Opinião CNI (DEPAR/DEPECON) Introdução A Sondagem Industrial é uma pesquisa qualitativa realizada trimestralmente

Leia mais

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS TRANSPORTES INTERNACIONAIS

MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS TRANSPORTES INTERNACIONAIS MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS TRANSPORTES INTERNACIONAIS JAN A AGOSTO -2013 1 O segmento de Transportes Internacionais encerrou o período com um volume de produção de R$ 322,5 milhões contra R$ 358,5 milhões

Leia mais

Anexo III. Pesquisa de satisfação

Anexo III. Pesquisa de satisfação Anexo III Pesquisa de satisfação Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação PDTI 2014-2016 Página 1 de 7 1. Introdução Em maio de 2015 a ANVISA iniciou o processo formal de planejamento da

Leia mais

Teleconferência sobre os Resultados do 1º Trimestre de 2011. 10 mai 2011

Teleconferência sobre os Resultados do 1º Trimestre de 2011. 10 mai 2011 Teleconferência sobre os Resultados do 1º Trimestre de 2011 Sergio Lulia Jacob Diretor Vice-Presidente Financeiro Alexandre Sinzato, CFA Head de Relações com Investidores 10 mai 2011 1 Destaques O Lucro

Leia mais

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009

Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Regina Parizi Diretora Executiva MAIO/2009 Estrutura e Distribuição Geográfica Estrutura Estatutária A GEAP GEAP é administrada por por um um Conselho Deliberativo responsável pela pela definição da da

Leia mais

Indenizações Pagas Quantidades

Indenizações Pagas Quantidades Natureza da Indenização Jan a Dez 2012 % Jan a Dez 2013 % Jan a Dez 2013 x Jan a Dez 2012 Morte 60.752 1 54.767 9% - Invalidez Permanente 352.495 69% 444.206 70% 2 Despesas Médicas (DAMS) 94.668 19% 134.872

Leia mais

Manual do Pesquisa Saúde perfil Pesquisador. Sumário. Informações técnicas do Pesquisa Saúde

Manual do Pesquisa Saúde perfil Pesquisador. Sumário. Informações técnicas do Pesquisa Saúde Manual do Pesquisa Saúde perfil Pesquisador Informações técnicas do Pesquisa Saúde Sistema desenvolvido para rodar em Internet Explorer 9.0 ou superior, Mozilla Firefox 16 ou superior e Google Chrome ou

Leia mais

GUIA TRATAMENTO ODONTOLÓGICO

GUIA TRATAMENTO ODONTOLÓGICO Logo da Empresa GUIA TRATAMENTO ODONTOLÓGICO 2- Nº Guia no Prestador 12345678901234567890 1 - Registro ANS 3 - Número da Guia Principal 4 - Data da Autorização 5 - Senha 6 - Data de Validade da Senha 7

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE TORCIDAS NOVEMBRO/ DEZEMBRO 2003 OPP 231 OBJETIVO LOCAL ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA - Levantar junto a população da área em estudo opiniões relacionadas a torcidas

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidente da República DILMA ROUSSEFF MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Ministro de Estado da Justiça JOSÉ EDUARDO CARDOZO Secretária-Executiva MÁRCIA PELEGRINI DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO

Leia mais

Satisfação com o plano de saúde CASSI. Relatório final dezembro de 2011

Satisfação com o plano de saúde CASSI. Relatório final dezembro de 2011 Satisfação com o plano de saúde CASSI Relatório final dezembro de 2011 Índice 2 Objetivo Metodologia Perfil sociodemográfico Satisfação geral e recomendação da CASSI Atributos dos planos de saúde Rede

Leia mais

EVENTOS E APOIO À COMERCIALIZAÇÃO. Brasília, 05 de outubro de 2009

EVENTOS E APOIO À COMERCIALIZAÇÃO. Brasília, 05 de outubro de 2009 COORDENAÇÃO-GERAL DE EVENTOS E APOIO À COMERCIALIZAÇÃO Brasília, 05 de outubro de 2009 CARAVANA BRASIL NACIONAL CARAVANA BRASIL NACIONAL Objetivos: Apoiar a comercialização e estimular a ampliação e a

Leia mais

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR

DEMANDA DE CANDIDATOS POR CARGO / UF NÍVEL SUPERIOR EM CARGOS DE E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO Administrador AC 1 14 14.00 Administrador AL 1 53 53.00 Administrador AP 1 18 18.00 Administrador BA 1 75 75.00 Administrador DF 17 990 58.24 Administrador MT 1 55

Leia mais

RI PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS

RI PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS Informações Gerais RELATÓRIO DE INFORMAÇÕES PARA O PLANEJAMENTO E ALCANCE DAS PRIORIDADES E METAS DO PACTO DE APRIMORAMENTO DO SUAS - GESTÃO MUNICIPAL Município: Porte SUAS: UF: Objetivo do RI: SÃO PAULO

Leia mais

OBJETIVO PROCEDIMENTOS DE MIGRAÇÃO

OBJETIVO PROCEDIMENTOS DE MIGRAÇÃO Sistema de Informações de Beneficiários SIB.XML Regras de Adaptação da base de dados atual de Beneficiários para o SIB.XML - versão 1.0 Arquivo de Conferência Especial ARQCONF.MIG OBJETIVO O objetivo do

Leia mais

ÁREA: Estudos Técnicos e Saúde TÍTULO: Parâmetros referente a quantidade de Agentes de Combate à Endemias (ACE) por Município.

ÁREA: Estudos Técnicos e Saúde TÍTULO: Parâmetros referente a quantidade de Agentes de Combate à Endemias (ACE) por Município. NOTA TÉCNICA Nº 23/2016 Brasília, 14 de Junho de 2016. ÁREA: Estudos Técnicos e Saúde TÍTULO: Parâmetros referente a quantidade de Agentes de Combate à Endemias (ACE) por Município. 1- LEGISLAÇÃO A Lei

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Setembro de 213 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais