MONITORAMENTO DO DESGASTE DAS FERRAMENTAS DURANTE O PROCESSO DE ROSQUEAMENTO COM MACHOS MÁQUINA VIA MEDIÇÕES DE VIBRAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MONITORAMENTO DO DESGASTE DAS FERRAMENTAS DURANTE O PROCESSO DE ROSQUEAMENTO COM MACHOS MÁQUINA VIA MEDIÇÕES DE VIBRAÇÕES"

Transcrição

1 MONITORAMENTO DO DESGASTE DAS FERRAMENTAS DURANTE O PROCESSO DE ROSQUEAMENTO COM MACHOS MÁQUINA VIA MEDIÇÕES DE VIBRAÇÕES Marcus Antônio Viana Duarte Tatiana Meola Alexandre Martins Reis Da Silva, M. B. Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica Av. João Naves de Ávila, 2160 Bloco 1M Campus Santa Mônica Uberlândia MG CEP Resumo: Este trabalho tem como principal objetivo propor um critério para avaliação do grau de desgaste nos machos, baseado em sinais de vibração (aceleração) medidos durante o processo de rosqueamento interno. Os ensaios para medição dos sinais de vibração foram realizados com machos de aço rápido nitretados (HSS-NI), no rosqueamento de ferro fundido cinzento GH-190 a seco. Foi adquirido o sinal de vibração no mancal do eixo-àrvore da máquina ferramenta (Fresadora ROMI INTERACT IV), e conduzido até um amplificador, a um filtro, e finalmente a um microcomputador, onde era armazenado e processado. Na análise dos sinais de vibração, após filtragem dos mesmos via média sincronizada, foram estudados os seguintes parâmetros: média, desvio padrão, nível RMS, pico, pico a pico, fator de crista e Kurtosis. O objetivo desta investigação foi verificar o comportamento desses parâmetros ao longo da vida dos machos e relacionar desgaste com os sinais medidos. Com a utilização de médias sincronisadas, foi possível obter uma boa correlação entre os sinais de vibração e os níveis de desgaste das ferramentas, de tal forma que estes sinais pudessem ser utilizados no monitoramento dos desgastes dos machos durante o processo de rosqueamento interno. Palavras-chave: Rosqueamento Interno, Monitoramento de desgaste, Vibrações, Ferro Fundido Cinzento. 1. INTRODUÇÃO O rosqueamento interno com machos de corte é uma das operações de usinagem mais comuns, e é freqüentemente uma das últimas realizadas sobre a peça de trabalho, que neste caso já possui um alto valor agregado (Sha et al, 1990). Assim o monitoramento do desgaste dos machos de corte torna-se fundamental para a prevenção da quebra ou do próprio desgaste da

2 ferramenta, afim de garantir a melhoria na produtividade e no aumento da qualidade das peças usinadas (Wilcox et al., 1997). Dentre as peculiaridades do rosqueamento interno com macho está o fato do processo consistir de movimentação de ferramenta, início do corte, corte, frenagem da ferramenta e reversão, ou seja, é um procedimento altamente transiente onde o ciclo completo dura normalmente poucos segundos e pode ser dividido em dois estágios: Corte e Retorno. Durante o estágio de corte, os dentes do macho entram em ação de corte continuamente um após o outro, e sem experimentar um estágio de corte estável (em que todos os dentes estão em ação) os dentes de corte deixam a peça no fim do furo. Isto dificulta o monitoramento do processo, pois não existe um sinal de estado estável, que possa ser usado (Sha et al, 1990). Os desgastes e avarias dos machos de corte gerados durante a operação de rosqueamento, aparecem em maior intensidade nas arestas da região cônica do macho, pois é esta a primeira porção do macho a realizar as ações de corte (Bezerra et al, 2001). Quanto a forma de se medir os desgastes e avarias que ocorrem nos machos de corte, é comum encontrar na literatura dados relativos a medições de desgaste de flanco, não existindo, contudo um parâmetro definido para isso, já que a definição de VB(desgaste de flanco) e VB max (desgaste de flanco máximo) não é direta para esta ferramenta que possui uma geometria complexa. Assim, ao contrário do que ocorre com outras ferramentas de corte, não existe um critério de desgaste de macho de corte, que seja comumente reconhecido e praticado (Sha et al, 1990). Desta forma, os critérios para avaliação do desgaste dos machos podem ser totalmente diferentes para dois ou mais usuários distintos. Alguns usuários fazem apenas o monitoramento direto do desgaste, medindo-o diretamente no macho de corte, utilizando-se parâmetros métricos predefinidos, como VB ou VB Max, ou apenas observando o estado de desgaste da ferramenta através de um microscópio ferramentaria, em alguns casos especiais, através de um microscópio eletrônico de varredura (MEV). Outros usuários além do monitoramento direto fazem também o monitoramento indireto, que é aquele onde se mede um parâmetro que esteja relacionado com o desgaste, ou com a dimensão e funcionalidade da peça (Bezerra et al, 2000). Um exemplo do monitoramento indireto é a avaliação das dimensões das roscas através de um calibre padrão passa-não-passa. As medições indiretas, também se baseiam no monitoramento das forças de usinagem, vibrações mecânicas do sistema, emissão acústica, potência ativa ou ainda em medições de outros parâmetros do processo (Kluft, 1997). No caso do rosqueamento interno com macho, os parâmetros mais usados no monitoramento indireto do desgaste, são o torque necessário para gerar a rosca, e as componentes da força de usinagem. Assim ainda existem poucos trabalhos que utilizam sinais de vibração no monitoramento do desgaste em machos de corte. Este trabalho tem como principal objetivo verificar a correlação entre os sinais de vibração, medidos durante o processo de rosqueamento interno, e o estado de desgaste apresentado pelo macho de corte. 2. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL Foram realizados 20 ensaios com o processo de rosqueamento interno do ferro fundido GH - 190, utilizando-se uma fresadora CNC e ferramentas do tipo machos máquina ISO 529 M6x1 6H (Canal reto), cujos dados são mostrados na Tabela 1. Cada ensaio consistia do rosqueamento de nove furos roscados com ferramentas novas e ferramentas que já haviam realizado 450, 900, 1350 e 1800 roscas, respectivamente, num processo de rosqueamento na FIASA (Fiat Sociedade Anônima) em Betim. Os materiais das ferramentas são de quatro tipos: aço rápido, aço rápido especial, aço rápido nitretado e HSS-p. O processo foi realizado com uma profundidade de 8,25 mm, rotação do eixo da árvore de 451 rpm e avanço da ferramenta de 451 mm/min. Durante o processo de rosqueamento foram medidos os sinais de vibração do mancal inferior da fresadora CNC e, após o término do ensaio, mediram-se os valores de desgaste da carreira 1, cota 3, do terceiro dente (Reis et al, 2003). A título de exemplo, na Figura 1 estão

3 mostrados os desgastes médios, com respectivos desvios padrões, para um conjunto de ensaios com um macho de aço rápido. Para a aquisição dos sinais de vibração da fresadora CNC, foram utilizados um acelerômetro piezelétrico do tipo 4367 da B&K, um pré amplificador de carga do tipo 2635 da B&K, uma placa de aquisição de sinais A/D do tipo ADC-100 da picotechnology e um micro computador para processamento dos dados adquiridos. Os sinais de vibrações foram adquiridos com uma taxa de amostragem de 4096 Hz. Tabela 1. Dados da ferramenta N de canais 4,0 canais (carreiras) N de filetes no chanfro 2,0 filetes (dentes) N de filetes total 20,0 filetes (dentes) Ângulo de entrada ou de inclinação do chanfro 20,0 Ângulo de saída ou ângulo de corte De 12,0 a 14,0 D(Diâmetro externo) 6,0mm (M6) Passo 1,0 mm D2 (Diâmetro efetivo) 5,4 mm D1 (Diâmetro interno) 4,9 mm H1(altura do filete) 0,5 mm Ângulo da rosca 60,0 Comprimento da parte rosqueada 19,0 mm Largura do Quadrado 5,0 mm Diâmetro da haste 6,3 mm Comprimento total 66,0 mm Diâmetro do estrangulamento da haste 4,5 mm Comprimento de estrangulamento da haste 11,0 mm Comprimento do arraste do quadrado 8,0 mm Figura 1. Valores de desgaste da ferramenta em função do n de furos Uma tentativa de monitorar o processo via medição da potência da máquina mostrou-se insatisfatória, uma vez que não houve sensibilidade do parâmetro potência em relação ao processo de rosqueamento. Na realidade, o sensor de efeito Hall não teve resolução para diferenciar o tempo de rosqueamento do tempo de movimentação do cabeçote da fresadora. O mesmo aconteceu com os níveis globais de vibrações, como pode ser visto na Figura 2 onde a

4 região B, que é representativa do processo de rosqueamento, apresenta níveis de vibrações inferiores aos da região A, a qual nada mais é do que a vibração provocada pelo movimento do cabeçote antes de efetuar o corte. Ainda com relação a Figura 2, que mostra a evolução temporal dos níveis de vibrações ao longo do processo de roscamento, pode-se observar as diferentes etapas do processo: A) movimentação e posicionamento da ferramenta de corte; B) entrada da ferramenta na peça e rosqueamento; C) inversão da rotação da máquina e; D) saída da ferramenta. Figura2. Evolução dos valores de vibração ao longo do tempo. A metodologia clássica de análise das características extraídas do sinal de vibração no monitoramento do desgaste da ferramenta é a modelagem estatística (Neto et al, 2001), ou seja: Mede-se os níveis de vibrações durante os ensaios; Mede-se o desgaste da ferramenta (saída); Calcula-se os sintomas vibratórios de interesse (entradas); Calcula-se os coeficientes de correlação das entradas/saída; Escolhe-se como parâmetros os sintomas mais correlacionados com a saída; Assume um modelo linear entrada/saída; Estima-se as curvas de regressão; Estima-se os intervalos de confiança do modelo e, caso necessário, faz-se uma análise de variância (ANOVA); Escolhe-se o modelo de mínima variância; Os sintomas vibratórios utilizados neste trabalho foram (Braun, 1986): nível RMS, Fator de Crista, Kurtosis; níveis de potência vibratória em bandas de 1/3 de oitava entre 20 e 1600 Hz. 3. RESULTADOS E ANÁLISES Os resultados de vibração estudados foram constituídos pelos níveis de potência de aceleração em 20 bandas de freqüência de 1/3 de oitava centradas entre 20 e 1600 Hz e cinco resultados estatísticos de tempo constituídos por nível médio quadrático global (RMS), valor máximo de pico (P),valor máximo pico a pico (P-P), fator de crista (FC) e kurtosis (K).

5 Uma análise prévia envolvendo dois tipos de ferramentas, mostraram que apenas na região inicial do rosqueamento observou-se alguma correlação entre os sintomas de vibrações estudados e o desgaste da ferramenta. Portanto, todos os resultados apresentados neste trabalho dizem respeito a análises feitas na região B mostrada na Figura 2. Nas tabelas Tabela 2 e Tabela 3 são mostrados os coeficiente de correlação C(%) entre desgaste de ferramenta e os níveis de potência vibratória em bandas de 1/3 de oitava e os parâmetros estatísticos no domínio do tempo, respectivamente. Tabela. 2. Coeficiente de correlação C(%) entre desgaste de ferramenta e níveis de potência vibratória em bandas de 1/3 de oitava (fc [Hz] freqüência central) Fc C -25,95-29,12-67,44 95,94 74,35-65,63-10,87-32,79 Fc C -69,90-58,18 54,81 26,06-47,31-67,30-68,17 Tabela 3. Coeficiente de correlação C entre desgaste de ferramenta e os parâmetros estatísticos no tempo T. T C [ % ] RMS [ m/s 2 ] 42,27 P [[ m/s 2 ] 57,16 P-P [ m/s 2 ] 57,34 FC [ -- ] 16,76 K [ -- ] 29,25 Observa-se nas tabelas Tabela 2 e Tabela 3 que apenas os parâmetros de potência vibratória na banda de 125 Hz (fc 125 ) têm valores significativos de correlações com o critério de desgaste utilizado. O modelo de mínima variância é o modelo linear da Equação 1, para um intervalo de confiança de 95%. Desgaste [ 16,03 16,46 ] + [ 0,29 0,55 ] Fc 125 = (1) Apesar do bom grau de confiança deste modelo, aliado a um erro médio quadrático de (0,69%), a utilização da banda de 1/3 de oitava para monitorar o processo de rosqueamento sob estudo não é aconselhável devido à pequena variação dos níveis de vibração nesta banda de frequência com o desgaste, como pode ser visto na Figura 3, que mostra os níveis de vibrações da banda de 1/3 de oitava centrada em 125 Hz em função do desgaste. Uma variação de apenas 1 db no nível de potência de vibração para uma variação de desgaste de aproximadamente 0,7 mm, é muito pequena e altamente dependente de erros de medição e ruídos espúrios. Procurando aumentar a sensibilidade do sintoma vibratório, em função do desgaste, foi feito uma análise tempo-frequência, via distribuição de Choi-Williams (Cohen, 1995), dos sinais de vibração medidos durante o processo de rosqueamento. A Figura 4 mostra uma distribuição tempo frequência, representativa, da região B (Figura 2), onde pode-se observar o aumento da energia vibratória na frequência de 27,0 Hz e seu harmônicos. Em função da resolução em frequência da distribuição (4 Hz), esta frequência deve corresponder ao quarto harmônico de rotação da ferramenta (30 Hz). Em função da existência de um conjunto de harmônicos relacionados com o desgaste da ferramenta, optou-se por utilizar média sincronizada (Equação 2) na fase de processamento dos dados. A média sincronizada funciona como um filtro de harmônicos, sendo que este filtro consiste no cálculo da média de N segmentos de dados periódicos conforme mostrado na Figura 5.

6 N 1 r = 0 1 y ( it) = x( it rnt) (2) N Figura 3. Níveis de potência vibratória na banda de 125 Hz, em função do desgaste Figura 4. Distribuição tempo-frequência no início do rosqueamento.

7 Figura 5. Procedimento esquemático para fazer média sincronizada. Depois de filtrar os sinais, foi realizada uma nova análise de correlação entre os valores de desgaste, níveis de potência vibratória e parâmetros estatísticos do tempo. As tabelas Tabela 4 e Tabela 5 mostram os valores de coeficiente de correlação entre os sintomas vibratórios no domínio da frequência e no domínio do tempo, respectivamente. Tabela 4. Coeficiente de correlação C [ %]entre Desgaste de ferramenta e níveis de potência vibratória em bandas de 1/3 de oitava (fc [Hz]) fc C 81,21 96,45 93,39 79,28 98,67 98,06 93,65 47,73 fc C 62,22 87,98 82,34 59,93 47,12 56,20 52,78 Tabela 5. Coeficiente de correlação C entre desgaste de ferramenta e os parâmetros estatísticos no tempo T. T C [ % ] RMS [ m/s 2 ] 53,54 P [ m/s 2 ] 61,60 P-P [ m/s 2 ] 61,74 FC [--] 40,86 K [--] 54,06 Observa-se, comparando a Tabela 4 com a Tabela 2, um aumento significativo nos valores dos coeficientes de correlação em função da utilização do filtro, principalmente na banda de 63 a 250 Hz. Uma pequena melhora nos valores dos coeficientes de correlação também ocorre nos sintomas do domínio do tempo. A Figura 6 mostra a evolução dos níveis de vibrações em função do desgaste para a banda central de 160 Hz, onde pode-se observar uma correlação excelente entre o critério de desgaste utilizado e o sintoma vibratório medido. Observa-se também, que a sensibilidade do sintoma vibratório com o desgaste dobrou com a utilização do filtro via média sincronizada. Testes realizados com ferramentas nitretadas resultaram num coeficiente de correlação igual a 99,2 para o sintoma vibratório fc 160, demonstrando o potencial do monitoramento do desgaste via medições de vibrações.

8 Figura 6. Níveis de potência vibratória, na banda de 160 Hz, em função do desgaste, para o sinal filtrado via médias sincronisadas. 4. CONCLUSÕES As principais conclusões que puderam ser obtidas deste trabalho foram: Devido aos esforços envolvidos no processo, o monitoramento indireto do processo de rosqueamento é deveras complexo. Os sintomas vibratórios calculados no domínio do tempo de nível RMS, valor pico, valor pico-a-pico, fator de crista e Kurtosis são poucos correlacionados com o desgaste da ferramenta. Em algumas bandas do espectro de potência, observa-se boa correlação entre vibrações e desgaste, porém a sensibilidade do sintoma vibratório ao desgaste é muito baixa; A distribuição de Choi-Williams mostrou-se uma ferramenta interessante para a identificação das frequências importantes no processo do rosqueamento. A utilização de médias temporais sincronisadas com a frequência básica da furação (frequência de rotação da máquina vezes o número de canais) resultou numa melhora geral dos valores de coeficiente de correlação com relação ao desgaste. Observou-se também um aumento global de sensibilidade, ou seja: o efeito filtro das médias temporais melhorou em muito a relação sinal/ruído do processo monitorado. Usando a combinação de médias sincronisadas com algumas bandas do espectro de potência das vibrações é possível obter uma relação linear entre o sintoma vibratório e o critério de desgaste de ferramenta utilizado neste trabalho. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BEZERRA, A. A.; COELHO, R. T.; DA SILVA, L. R; Monitoração dos Processos de Roscamento: Revisão da Literatura. Anais do CONEM 2000 (Congresso Nacional de Engenharia Mecânica), Natal RN Brasil, 2000, p. 10.

9 BEZERRA, A. A.; COELHO, R. T.; DA SILVA, L. R.; JÚNIOR, A. B.; Investigação do Processo de Roscamento com Alta velocidade de Corte em Ferro Fundido. Anais do COBEM 2001 (Congresso Brasileiro de Engenharia Mecânica), Uberlândia MG Brasil, 2001, p. 10. BRAUN, S.; Mechanical Signature Analysis Theory and Aplications, Ed. Academic Press, London, COHEN, L.; Time-Frequency Analysis, Ed. Englewood Cliffs, Prentice Hall, KLUFT, W.; Monitorando a Ferramenta e Visualizando o Processo de Corte, Melhora-se a Produção. Máquinas e Metais, n. 378, jul., 1997, p NETO, B. B., SCARMINIO, I. S. e BRUNS, R. E.; COMO FAZER EXPERIMENTOS: Pesquisa e Desenvolvimento na Ciência e na Indústria. ISBN: ; 401 pg, REIS, M., A., VIOLATTI, D. C., SEPPE, W. JR., SANTOS, A. M. JR.; Avaliação do Desempenho de ferramentas de aço-rápido do rosqueamento interno do ferro fundido cinzento GH 190. Submetido ao 2 o. COBEF, SHA, J.; NI, J.; WU, S. M.; Development of a Tap Wear Monitoring Scheme. Proceedings of Manufacturing International Part 4: Advances In Materials And Automation, Atlanta, GA, USA, 1990, p WILCOX, S. J.; REUBEN, R. L.; SOUQUET, P. ; The Use of Cutting Force and Acoustic Emission Signals for the Monitoring of Tool Insert Geometry During Rough Face Milling. International Journal of Machine Tools and Manufacturing, Vol. 37, n. 4, 1997, p TOOL WEAR MONITORING IN THREAD TAPPING OPERATION BY VIBRATION SIGNAL MEASUREMENTS Marcus Antônio Viana Duarte Tatiana Meola Alexandre Martins Reis Da Silva, M. B. Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica Av. João Naves de Ávila, 2160 Bloco 1M Campus Santa Mônica Uberlândia MG CEP Abstract: The main goal of this work is to stablish a criterion to monitoring tool wear throughout vibration signal measurement in thread tapping operation. Gray cast iron GH-190 is dry machined using high speed steel tools with nitrided surface (HSS-Ni). The vibration signal is measured in the splinde of the machine tool, a CNC milling machine, during the operation. The signal is then conducted to an amplifier, filtered and acquired using a computer to be stored and

10 processed. After filtered, using synchronised average, the following parameters were analysed: average, standard deviation, RMS level, peak, peak to peak distance, creast factor and Kurtosis. All these parameters were monitored during operation and related to tool wear measured in the optical microscope. With utilization of time domain averages, the results showed good correlation between tool wear and vibration signal, suggesting that the parameters can be used to monitor the operation. keywords: Thread tapping, Wear monitoring, Vibration, Gray cast iron.

MONITORAMENTO ON-LINE DE PROCESSOS DE USINAGEM VIA MEDIÇÃO DE VIBRAÇÕES

MONITORAMENTO ON-LINE DE PROCESSOS DE USINAGEM VIA MEDIÇÃO DE VIBRAÇÕES 16º POSMEC Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica MONITORAMENTO ON-LINE DE PROCESSOS DE USINAGEM VIA MEDIÇÃO DE VIBRAÇÕES Tatiana Meola Universidade Federal de Uberlândia tatiana.meola@gmail.com

Leia mais

TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS

TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS André Richetti Jovani Panato Márcio Bacci da Silva Álisson Rocha Machado Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Mecânica,

Leia mais

16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING)

16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING) 16 Congresso de Iniciação Científica DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA PARA MONITORAMENTO DE DADOS EM HSM (HIGH SPEED MACHINING) Autor(es) OLIVEIRO LEUTWILER NETO Orientador(es) KLAUS SCHüTZER Apoio Financeiro

Leia mais

Vibrações e Ruído. Guia de Trabalho Laboratorial. Trabalho nº 5 Aquisição e Processamento de Dados em Computador

Vibrações e Ruído. Guia de Trabalho Laboratorial. Trabalho nº 5 Aquisição e Processamento de Dados em Computador Vibrações e Ruído Guia de Trabalho Laboratorial Trabalho nº 5 Aquisição e Processamento de Dados em Computador 1. Introdução As placas de aquisição de dados A/D (Analógico / Digital) permitem registar

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE BROCAS REVESTIDAS COM TiN NOVAS E REAFIADAS NA FURAÇÃO DO AÇO ABNT 1045

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE BROCAS REVESTIDAS COM TiN NOVAS E REAFIADAS NA FURAÇÃO DO AÇO ABNT 1045 AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE BROCAS REVESTIDAS COM TiN NOVAS E REAFIADAS NA FURAÇÃO DO AÇO ABNT 1045 Sandro Cardoso Santos Alexandre Martins Reis Marcio Bacci da Silva Faculdade de Engenharia Mecânica, Universidade

Leia mais

APLICAÇÃO DE REDE NEURAL ARTIFICIAL PARA MONITORAMENTO DO DESGASTE DE FERRAMENTAS UTILIZANDO SINAL DE EMISSÃO ACÚSTICA E POTÊNCIA DE CORTE

APLICAÇÃO DE REDE NEURAL ARTIFICIAL PARA MONITORAMENTO DO DESGASTE DE FERRAMENTAS UTILIZANDO SINAL DE EMISSÃO ACÚSTICA E POTÊNCIA DE CORTE 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSO DE USINAGEM: ANÁLISE DE VIABILIDADE NA ADOÇÃO DE CONDICIONAMENTO SUPERFICIAL ESPECIAL EM MACHOS MÁQUINA

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSO DE USINAGEM: ANÁLISE DE VIABILIDADE NA ADOÇÃO DE CONDICIONAMENTO SUPERFICIAL ESPECIAL EM MACHOS MÁQUINA OTIMIZAÇÃO DE PROCESSO DE USINAGEM: ANÁLISE DE VIABILIDADE NA ADOÇÃO DE CONDICIONAMENTO SUPERFICIAL ESPECIAL EM MACHOS MÁQUINA EDSON NUNES DA SILVA (UNINOVE ) edsonnunesq@ig.com.br Elesandro Antonio Baptista

Leia mais

PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS

PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS Camilla Missio 1 ; Jorge Wilson Cortez 3 ; Wellytton Darci Quequeto 2 ; Leonardo Maldaner 2 ; Anamari Viegas de Araujo Motomiya 3 UFGD/FCA Caixa Postal

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

Apostila para Unidade 4 Laboratório de Eng. Mecânica 2 Forças de Corte em Ferramentas Multicortantes. Prof. Anna Carla Araujo

Apostila para Unidade 4 Laboratório de Eng. Mecânica 2 Forças de Corte em Ferramentas Multicortantes. Prof. Anna Carla Araujo Apostila para Unidade 4 Laboratório de Eng. Mecânica 2 Forças de Corte em Ferramentas Multicortantes Prof. Anna Carla Araujo 9 de Abril de 2014 Índice 1 Objetivos Acadêmicos e Técnicos da Experiência 2

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

Furação e Alargamento

Furação e Alargamento UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Furação e Alargamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem

Leia mais

Influência da lubrificação na maquinabilidade do compósito Tungsténio/Cobre sinterizado (WCu25)

Influência da lubrificação na maquinabilidade do compósito Tungsténio/Cobre sinterizado (WCu25) Ingeniare. Revista chilena de ingeniería, vol. 2 Nº 1, 212, pp. 114-118 Influência da lubrificação na maquinabilidade do compósito Tungsténio/Cobre sinterizado (WCu25) Influence of lubrication on machinability

Leia mais

Machos Laminadores. Métrico. The Right Tool at the Right Time

Machos Laminadores. Métrico. The Right Tool at the Right Time Rua do Manifesto, 221 - Ipiranga - São aulo Fone: + (11) 2271-3211 The Right Tool at the Right Time Machos Laminadores Métrico Rua do Manifesto, 221 - Ipiranga - São aulo Fone: + (11) 2271-3211 Características

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Gilva Altair Rossi gilva@demec.ufmg.br José Maria Galvez jmgalvez@ufmg.br Universidade

Leia mais

TREINAMENTO PARA TORNO CNC

TREINAMENTO PARA TORNO CNC TREINAMENTO PARA TORNO CNC COMANDOS FANUC - 1 - Descrição de comandos M Os comandos M são funções de alternância ou adicionais. Os comandos M podem ficar sozinhos ou com outro comando em um bloco de programa.

Leia mais

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA

A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA A INTEGRAÇÃO ENTRE ESTATÍSTICA E METROLOGIA João Cirilo da Silva Neto jcirilo@araxa.cefetmg.br. CEFET-MG-Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais-Campus IV, Araxá Av. Ministro Olavo Drumonnd,

Leia mais

Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2

Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2 Medição do fluxo de calor sensível com anemômetro sônico e de hélice Cristhiane Michiko Passos Okawa 1 Nelson Luís Dias 2 1 Abstract Sensible heat flux has been measured with two eddy-correlation (EC)

Leia mais

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS)

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) 18º Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) Autor(es) MARCO

Leia mais

2 Métodos de Medida da PMD

2 Métodos de Medida da PMD em Enlaces Ópticos 12 2 Métodos de Medida da PMD Teoria básica de medição da PMD discutida na referência 6, Test and Measurements. Neste capítulo serão abordados os aspectos mais importantes dos métodos

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO

SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO SISTEMA DE VISUALIZAÇÃO DE DADOS GEOMÉTRICOS DE PROGRAMAS CN PARA OPERAÇÕES DE FRESAMENTO Alexandre Dias da Silva Universidade Federal de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria, Avenida Roraima,

Leia mais

ESTUDO DA USINAGEM DE GUIAS DE VÁLVULAS DE UM MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA

ESTUDO DA USINAGEM DE GUIAS DE VÁLVULAS DE UM MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA 17º Simpósio do Programa de Pós-graduação em Engenharia Mecânica Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica ESTUDO DA USINAGEM DE GUIAS DE VÁLVULAS DE UM MOTOR DE COMBUSTÃO INTERNA

Leia mais

6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões

6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões 6 Conclusões e Trabalhos futuros 6.1. Conclusões Neste trabalho estudou-se o comportamento do sistema que foi denominado pendulo planar com a adição de uma roda de reação na haste do pendulo composta de

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

Analisador de vibrações NK 100 MANUAL DE OPERAÇÃO TEKNIKAO

Analisador de vibrações NK 100 MANUAL DE OPERAÇÃO TEKNIKAO Analisador de vibrações NK 100 http:/ www. ekn / ka t.com.r i o MANUAL DE OPERAÇÃO TEKNIKAO ÍNDICE: Descrição:...3 Principais características:...3 Descrição das chaves de funções:...4 Descrição operacional:...5

Leia mais

FAG Detector III A solução para monitoramento e balanceamento. Informação técnica

FAG Detector III A solução para monitoramento e balanceamento. Informação técnica FAG III A solução para monitoramento e balanceamento Informação técnica Princípio Operação Alta funcionalidade Fácil operação O III da FAG é um medidor portátil de vibração, temperatura coletor de dados

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville Etapas CAD/CAM Quando o sistema tem comunicação direta. CAD/CAM Quando

Leia mais

EFEITO DE VARIÁVEIS DE PROCESSO NA ALTAS VELOCIDADES DE CORTE (HSM). silvio.bauco@sandvik.com

EFEITO DE VARIÁVEIS DE PROCESSO NA ALTAS VELOCIDADES DE CORTE (HSM). silvio.bauco@sandvik.com EFEITO DE VARIÁVEIS DE PROCESSO NA TOPOGRAFIA DE SUPERFÍCIES USINADAS EM ALTAS VELOCIDADES DE CORTE (HSM). silvio.bauco@sandvik.com Objetivo O objetivo do ensaio, é avaliar a influência da profundidade

Leia mais

CNC 8055 TC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X

CNC 8055 TC. Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X CNC 8055 TC Manual de auto-aprendizagem REF. 1010 SOFT: V01.0X Todos os direitos reservados. Não se pode reproduzir nenhuma parte desta documentação, transmitir-se, transcrever-se, armazenar-se num sistema

Leia mais

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz.

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz. Ciências Experimentais P5: Osciloscópio. Sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho. 1. Objectivos Iniciação ao osciloscópio. Estimativas de sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho.

Leia mais

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica

Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Marcos Geraldo S. Diretor da MGS Jánes Landre Júnior Prof. Depto. Engenharia Mecânica, PUC-Minas 1 - Introdução O setor

Leia mais

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico PROCESSOS A CNC Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico 1 CFP SENAI VW OBJETIVO da disciplina PROCESSOS A CNC Exercício básico

Leia mais

BROCAS DIN 338 N - HSS M2 HASTE CILÍNDRICA DESCRIÇÃO DIÂMETRO APLICAÇÃO

BROCAS DIN 338 N - HSS M2 HASTE CILÍNDRICA DESCRIÇÃO DIÂMETRO APLICAÇÃO DIN 338 N - HSS M2 HASTE CILÍNDRICA Broca cilíndrica corte direito 100% retificado, HSS-M2 std afiada. 118 º. Tolerância Ø: h8. Concentricidade assegurada. acabamento brilhante. Dureza 63-66 HRc. Construção

Leia mais

TEKNIKAO IND. E COM. LTDA. Guia do Usuário. Sistema Digital de Análise de Vibrações SDAV

TEKNIKAO IND. E COM. LTDA. Guia do Usuário. Sistema Digital de Análise de Vibrações SDAV TEKNIKAO IND. E COM. LTDA. Guia do Usuário Sistema Digital de Análise de Vibrações SDAV 2 ÍNDICE 1. HARDWARE... 4 1.1. INSTALAÇÃO DO DRIVER... 6 2. SOFTWARE... 12 2.1. INSTALAÇÃO... 12 2.2. TELA INICAL...

Leia mais

ESTUDO DAS FORÇAS DE CORTE NO PROCESSO DE CORTE DE BORDAS DE CHAPAS UTILIZADAS PARA FABRICAÇÃO DE TUBOS DE AÇO COM COSTURA

ESTUDO DAS FORÇAS DE CORTE NO PROCESSO DE CORTE DE BORDAS DE CHAPAS UTILIZADAS PARA FABRICAÇÃO DE TUBOS DE AÇO COM COSTURA ESTUDO DAS FORÇAS DE CORTE NO PROCESSO DE CORTE DE BORDAS DE CHAPAS UTILIZADAS PARA FABRICAÇÃO DE TUBOS DE AÇO CO COSTURA Guilherme Cruz Rossi Escola Politécnica da Universidade de São Paulo guilherme.rossi@poli.usp.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESGASTE DE BROCAS HELICOIDAIS DE AÇO-RÁPIDO (HSS) MODIFICADAS SUPERFICIALMENTE POR NITRETAÇÃO A PLASMA

AVALIAÇÃO DO DESGASTE DE BROCAS HELICOIDAIS DE AÇO-RÁPIDO (HSS) MODIFICADAS SUPERFICIALMENTE POR NITRETAÇÃO A PLASMA AVALIAÇÃO DO DESGASTE DE BROCAS HELICOIDAIS DE AÇO-RÁPIDO (HSS) MODIFICADAS SUPERFICIALMENTE POR NITRETAÇÃO A PLASMA Evaluation of Wear High Speed Steel Twist Drill Superficially Modified by Plasma Nitriding

Leia mais

Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos - Padrão ASTM

Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos - Padrão ASTM Universidade Federal de São João Del-Rei MG 6 a 8 de maio de 010 Associação Brasileira de Métodos Computacionais em Engenharia Determinação dos Módulos de Armazenagem e de Perda de Materiais Viscoelásticos

Leia mais

ACELERÔMETRO ÓPTICO TRIAXIAL. PUC-Rio DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

ACELERÔMETRO ÓPTICO TRIAXIAL. PUC-Rio DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ACELERÔMETRO ÓPTICO TRIAXIAL Sérgio R. K. Morikawa Alexandre S. Ribeiro Rogério D. Regazzi Luiz C. Guedes Valente Arthur M. B. Braga PUC-Rio DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Trabalho apresentado na

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica

UCS. Universidade de Caxias do Sul. Centro de Ciências Exatas e Tecnologia. Departamento de Engenharia Mecânica 1 Universidade de Caxias do Sul UCS Centro de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Mecânica Programação CNC Utilizando o Comando Mitsubishi Meldas-M3 Gerson Luiz Nicola Eng. Mec. Prof.

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO AXIAL

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO AXIAL EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO AXIAL Adson Bezerra Moreira, Ricardo Silva Thé Pontes, Davi Nunes Oliveira, Vanessa Siqueira de Castro Teixeira, Victor de Paula Brandão Aguiar 3. Curso

Leia mais

Introdução ao Controle Numérico

Introdução ao Controle Numérico Introdução ao Controle Numérico Prof. João Paulo P. Marcicano; e-mail: marcican@usp.br Introdução O controle numérico (CN) é um método de controle dos movimentos de máquinas pela interpretação direta de

Leia mais

VerticalLine V 160C V 160G. Centros de Torneamento Verticais

VerticalLine V 160C V 160G. Centros de Torneamento Verticais VerticalLine V 160C V 160G Centros de Torneamento Verticais VerticalLine V160C, V160G Compacto, rápido, universal Aumente a produtividade Sistema Forte com máquinas verticais O sistema modular efici- compactas

Leia mais

ANÁLISE DE FALHAS EM COMPRESSORES DE PARAFUSOS. Fabiano Ribeiro do Vale Almeida Universidade Federal de Itajubá

ANÁLISE DE FALHAS EM COMPRESSORES DE PARAFUSOS. Fabiano Ribeiro do Vale Almeida Universidade Federal de Itajubá ANÁLISE DE FALHAS EM COMPRESSORES DE PARAFUSOS Fabiano Ribeiro do Vale Almeida Universidade Federal de Itajubá Márcio Tadeu de Almeida Universidade Federal de Itajubá Trabalho apresentado na 6 a Conferência

Leia mais

Removendo o cavaco. Na aula passada, tratamos das noções gerais. Nossa aula. Como calcular a rpm, o avanço e a profundidade de corte em fresagem

Removendo o cavaco. Na aula passada, tratamos das noções gerais. Nossa aula. Como calcular a rpm, o avanço e a profundidade de corte em fresagem A U A UL LA Removendo o cavaco Na aula passada, tratamos das noções gerais sobre a operação de usinagem feita com máquinas fresadoras. Vimos, de modo geral, como se dá a fresagem e aprendemos um pouco

Leia mais

Processos de Fabricação - Furação

Processos de Fabricação - Furação 1 Introdução Formas de obtenção de furos Definição de furação (usinagem): A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através

Leia mais

DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO

DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM TUBULAÇÕES PREDIAIS DE GÁS ATRAVÉS DA ANÁLISE ESPECTRAL DE TRANSIENTES DE PRESSÃO R. B. SANTOS 1, M.M. de F. SILVA e A. M. F. FILETI Universidade Estadual de Campinas, Faculdade

Leia mais

TOOLS NEWS. Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD B202Z. Broca intercambiável MVX

TOOLS NEWS. Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD B202Z. Broca intercambiável MVX TOOLS NEWS Atualiz. 2014.7 B202Z Broca intercambiável Novo quebra-cavaco US Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD Broca intercambiável 4 arestas

Leia mais

MANUTENÇÃO PREDITIVA MONITORANDO SEVERIDADE DE VIBRAÇÕES. Prof. Dr. Adyles Arato Jr Unesp / Ilha Solteira

MANUTENÇÃO PREDITIVA MONITORANDO SEVERIDADE DE VIBRAÇÕES. Prof. Dr. Adyles Arato Jr Unesp / Ilha Solteira MANUTENÇÃO PREDITIVA MONITORANDO SEVERIDADE DE VIBRAÇÕES Prof. Dr. Adyles Arato Jr Unesp / Ilha Solteira APRESENTAÇÃO Um termo que anda na moda atualmente, é a disponibilidade. Quando se refere a equipamentos

Leia mais

ESTUDO PRELIMINAR DA RECUPERAÇÃO ELÁSTICA DA LIGA DE MAGNÉSIO AM60 DURANTE PROCESSO DE ROSCAMENTO POR CONFORMAÇÃO

ESTUDO PRELIMINAR DA RECUPERAÇÃO ELÁSTICA DA LIGA DE MAGNÉSIO AM60 DURANTE PROCESSO DE ROSCAMENTO POR CONFORMAÇÃO 7º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 7 th BRAZILIAN CONGRESS ON MANUFACTURING ENGINEERING 20 a 24 de maio de 2013 Penedo, Itatiaia RJ - Brasil May 20 th to 24 th, 2013 Penedo, Itatiaia RJ

Leia mais

CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC

CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC CNC BÁSICO TORNO EMCO PC 120 COMANDO FANUC Teclado de edição Softkeys Deslocamento de eixos Setup de programas Start/Stop de programas e dispositivos Dispositivos Modos de operação Velocidade de avanço

Leia mais

ESTUDO DO DESGASTE DURANTE FRESAMENTO DO AÇO ENDURECIDO AISI D2 COM DIFERENTES CONDIÇÕES DE REFRIGERAÇÃO

ESTUDO DO DESGASTE DURANTE FRESAMENTO DO AÇO ENDURECIDO AISI D2 COM DIFERENTES CONDIÇÕES DE REFRIGERAÇÃO ESTUDO DO DESGASTE DURANTE FRESAMENTO DO AÇO ENDURECIDO AISI D2 COM DIFERENTES CONDIÇÕES DE REFRIGERAÇÃO Lucas Scholz Bandeira Oliveira 1 ; Éd Claudio Bordinassi 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola

Leia mais

ARLINDO MERTENS JUNIOR UMA ABORDAGEM SOBRE DETECÇÃO DE BARRAS QUEBRADAS EM MOTORES DE INDUÇÃO

ARLINDO MERTENS JUNIOR UMA ABORDAGEM SOBRE DETECÇÃO DE BARRAS QUEBRADAS EM MOTORES DE INDUÇÃO ARLINDO MERTENS JUNIOR UMA ABORDAGEM SOBRE DETECÇÃO DE BARRAS QUEBRADAS EM MOTORES DE INDUÇÃO Curitiba Setembro de 2008 ARLINDO MERTENS JUNIOR UMA ABORDAGEM SOBRE DETECÇÃO DE BARRAS QUEBRADAS EM MOTORES

Leia mais

Projeto, construção e teste de um Torcímetro. Design, fabrication and testing of a Torsiometer

Projeto, construção e teste de um Torcímetro. Design, fabrication and testing of a Torsiometer ISSN 1517-7076 Revista Matéria, v. 16, n. 2, pp. 703 713, 2011 http://www.materia.coppe.ufrj.br/sarra/artigos/artigo11427 Projeto, construção e teste de um Torcímetro SANTOS, D.C.; BARBIERI, R. Programa

Leia mais

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 05 102 Tópico: Sistemas de Monitoramento e Tratamento de Dados ESTUDO, PROJETO

Leia mais

NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA. Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA

NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA. Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA NOVAS MÁQUINAS DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS DA MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA Domingos José Minicucci MWL BRASIL RODAS & EIXOS LTDA Trabalho apresentado no XXI Congresso Nacional de Ensaios Não Destrutivos,

Leia mais

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS

EXERCÍCIOS RESOLVIDOS ENG JR ELETRON 2005 29 O gráfico mostrado na figura acima ilustra o diagrama do Lugar das Raízes de um sistema de 3ª ordem, com três pólos, nenhum zero finito e com realimentação de saída. Com base nas

Leia mais

VirtualLine. VirtualPro Programmierunterstützung. Suporte de programação mit com VPro Guide

VirtualLine. VirtualPro Programmierunterstützung. Suporte de programação mit com VPro Guide VirtualLine VirtualPro Programmierunterstützung Suporte de programação mit com VPro Guide VirtualLine VirtualPro, o suporte de programação da INDEX O suporte de programação para um trabalho prático O VirtualPro

Leia mais

ESTUDO DA USINAGEM DAS SEDES DE VÁLVULAS DE ADMISSÃO DO MOTOR FIAT FIRE 1.4

ESTUDO DA USINAGEM DAS SEDES DE VÁLVULAS DE ADMISSÃO DO MOTOR FIAT FIRE 1.4 16º POSMEC Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica ESTUDO DA USINAGEM DAS SEDES DE VÁLVULAS DE ADMISSÃO DO MOTOR FIAT FIRE 1.4 Ildeu Lúcio Siqueira Centro Federal de Educação

Leia mais

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP

PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP PLANEJAMENTO DO PROCESSO ASSISTIDO POR COMPUTADOR - CAPP Prof. João Carlos Espíndola Ferreira, Ph.D. www.grima.ufsc.br/jcarlos/ jcarlos@emc.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de

Leia mais

Furação NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q

Furação NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q Comprimento Total Haste Corpo Extremidade cônica neste comprimento Largura do Campo Largura das Costas Ângulo da Ponta Aresta Principal de Corte Diâmetro

Leia mais

Concurso Público Federal Edital 06/2015

Concurso Público Federal Edital 06/2015 PROVA Concurso Público Federal Edital 06/2015 Área: Mecânica/Usinagem QUESTÕES OBJETIVAS Conhecimentos Específicos 01 a 30 Nome do candidato: Nº de Inscrição: INSTRUÇÕES 1º) Verifique se este caderno corresponde

Leia mais

Dênison Baldo. ESTUDO DO MICROFRESAMENTO DA LIGA DE TITÂNIO Ti 6Al 4V UTILIZANDO ANÁLISE DE SINAIS DE FORÇA E EMISSÃO ACÚSTICA

Dênison Baldo. ESTUDO DO MICROFRESAMENTO DA LIGA DE TITÂNIO Ti 6Al 4V UTILIZANDO ANÁLISE DE SINAIS DE FORÇA E EMISSÃO ACÚSTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPMEC Dênison Baldo ESTUDO DO MICROFRESAMENTO DA LIGA DE TITÂNIO Ti 6Al 4V UTILIZANDO ANÁLISE DE SINAIS DE FORÇA E EMISSÃO ACÚSTICA São João del-rei,

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 81

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 81 Página 81 ESTUDO COMPARATIVO DE MODELOS ESTATÍSTICOS PARA REDUÇÃO DA VISCOSIDADE EM MISTURA DE BIODIESEIS DE MAMONA E SOJA, USANDO UMA METODOLOGIA DE SUPERFÍCIE DE RESPOSTA Fernanda Mansani da Silva 1

Leia mais

MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DE SINAIS DE VIBRAÇÕES, UTILIZANDO LÓGICA FUZZY

MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DE SINAIS DE VIBRAÇÕES, UTILIZANDO LÓGICA FUZZY 15º POSMEC - Simpósio do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DE SINAIS DE VIBRAÇÕES,

Leia mais

RETIFICAÇÃO DO AÇO RÁPIDO ABNT M6 COM REBOLOS DE NITRETO DE BORO CÚBICO (CBN) E ÓXIDO DE ALUMÍNIO (Al 2 O 3 ).

RETIFICAÇÃO DO AÇO RÁPIDO ABNT M6 COM REBOLOS DE NITRETO DE BORO CÚBICO (CBN) E ÓXIDO DE ALUMÍNIO (Al 2 O 3 ). RETIFICAÇÃO DO AÇO RÁPIDO ABNT M6 COM REBOLOS DE NITRETO DE BORO CÚBICO (CBN) E ÓXIDO DE ALUMÍNIO (Al 2 O 3 ). João Cirilo da Silva Neto Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Mecânica

Leia mais

Parte 5 Operação de Furação

Parte 5 Operação de Furação Parte 5 Operação de Furação revisão 6 152 Parte 5 Operação de furação 5.1 Introdução Na área de usinagem metal-mecânica existem diversas formas de se obter furos em peças. Pode-se destacar os seguintes

Leia mais

Resumo. Abstract 1 INTRODUÇÃO

Resumo. Abstract 1 INTRODUÇÃO Resumo doi: 1.4322/tmm.447 Influência da INTERPOLAÇÃO DA TRAJETÓRIA da ferramenta NO FRESAMENTO a altas velocidades DE SUPERFÍCIES COMPLEXAS Jacson Machado Nunes 1 Jefferson de Oliveira Gomes 2 Guilherme

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DA TECNOLOGIA DE USINAGEM

DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO PARA O ENSINO DA TECNOLOGIA DE USINAGEM VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Aula 09. Processo de Furação

Aula 09. Processo de Furação Aula 09 Processo de Furação Prof. Dr. Eng. Rodrigo Lima Stoeterau Formas de obtenção de furos Processos de Usinagem Processo de usinagem onde movimento de corte é principal rotativo, e o movimento de avanço

Leia mais

Tensão à entrada do osciloscópio. nº divisões no ecrã 30 V... 3 V... 1,5 div 10 V... 1 V... 0,5 div 0 V... 0 V... 0 div 30 V... 1 V...

Tensão à entrada do osciloscópio. nº divisões no ecrã 30 V... 3 V... 1,5 div 10 V... 1 V... 0,5 div 0 V... 0 V... 0 div 30 V... 1 V... 1 Considere o sinal periódico indicado na fig. 1: +30-10 -30 0 1 2 3 4 5 6 7 Fig. 1. a) Esboce a imagem que observaria num osciloscópio com ecrã de 10 10 divisões, utilizando uma ponta de prova atenuadora

Leia mais

Equipamento para medição e ajuste de ferramentas DMG MICROSET - Gerenciamento de Ferramentas

Equipamento para medição e ajuste de ferramentas DMG MICROSET - Gerenciamento de Ferramentas www.gildemeister.com DMG tecnologia e inovação Equipamento para medição e ajuste de ferramentas DMG MICROSET Gerenciamento de Ferramentas 02 I 03 DMG MICROSET 04 I 08 Equipamento de Ajuste Vertical 09

Leia mais

INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE CORTE NA FORÇA DE USINAGEM DE FRESAMENTO DE ROSCA POR INTERPOLAÇÃO EM AÇO AISI H13 ENDURECIDO

INFLUÊNCIA DA VELOCIDADE DE CORTE NA FORÇA DE USINAGEM DE FRESAMENTO DE ROSCA POR INTERPOLAÇÃO EM AÇO AISI H13 ENDURECIDO VI CONGRESSO NACIONAL DE ENGENHARIA MECÂNICA VI NATIONAL CONGRESS OF MECHANICAL ENGINEERING 18 a 21 de agosto de 2010 Campina Grande Paraíba - Brasil August 18 21, 2010 Campina Grande Paraíba Brazil INFLUÊNCIA

Leia mais

------------------------------------------------------------------------------ Laboratório de Vibrações Mecânicas. Aluno: Caio Mesquita Ayres

------------------------------------------------------------------------------ Laboratório de Vibrações Mecânicas. Aluno: Caio Mesquita Ayres Departamento de Engenharia Mecânica ------------------------------------------------------------------------------ Laboratório de Vibrações Mecânicas Aluno: Caio Mesquita Ayres Matricula: 0920636 DADOS

Leia mais

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais.

Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Estudos Iniciais do Sistema didático para análise de sinais no domínio da frequência DSA-PC: tipos de janelas temporais. Patricia Alves Machado Telecomunicações, Instituto Federal de Santa Catarina machadopatriciaa@gmail.com

Leia mais

Análise de parâmetros ultra-sónicos no domínio da frequência

Análise de parâmetros ultra-sónicos no domínio da frequência Análise de parâmetros ultra-sónicos no domínio da frequência 1 TRABALHO LABORATORIAL Nº 4 Análise de parâmetros ultra-sónicos no domínio da frequência Introdução: Em controlo não destrutivo por ultra-sons

Leia mais

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Torneamento Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Tornos Tornos são máquinas-ferramenta que permitem

Leia mais

PPMEC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PROCESSO SELETIVO DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014

PPMEC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PROCESSO SELETIVO DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PPMEC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PROCESSO SELETIVO DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 PROVA DE SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS

Leia mais

ESTUDO DO MÉTODO DE IMPEDÂNCIA ELETROMECÂNICA PARA DETECÇÃO DE DANOS INCIPIENTES EM UMA VIGA DE ALUMÍNIO

ESTUDO DO MÉTODO DE IMPEDÂNCIA ELETROMECÂNICA PARA DETECÇÃO DE DANOS INCIPIENTES EM UMA VIGA DE ALUMÍNIO 7º Simpósio do Programa de Pós-graduação em Engenharia Mecânica Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica ESTUDO DO MÉTODO DE IMPEDÂNCIA ELETROMECÂNICA PARA DETECÇÃO DE DANOS

Leia mais

Introduction for Milling Inserts Apresentação de pastilhas de fresamento

Introduction for Milling Inserts Apresentação de pastilhas de fresamento Introduction for Milling Inserts Apresentação de pastilhas de fresamento Classes recomendadas para pastilhas de fresamento Material a ser usinado Aço (Aço carbon, liga de aço) Aço inoxidável (Aço inoxidável,

Leia mais

27 Tolerância geométrica

27 Tolerância geométrica A U A UL LA Tolerância geométrica de posição Um problema Como se determina a tolerância de posição de peças conjugadas para que a montagem possa ser feita sem a necessidade de ajustes? Essa questão é abordada

Leia mais

Controlo de Condição de Motores Eléctricos de Indução Trifásicos. Controlo de Condição de Motores Eléctricos de Indução Trifásicos

Controlo de Condição de Motores Eléctricos de Indução Trifásicos. Controlo de Condição de Motores Eléctricos de Indução Trifásicos Por: António Afonso Roque Data: 30 de Abril de 2010 Slide 1 (Análise de Vibrações versus Análise de Corrente Eléctrica) N 4 5 3 1 2 6 5 4 S DatAnálise AntónioA.Roque*,J.M. F.Calado** ejosém. Ruiz*** *DatAnálise,

Leia mais

Relógios Comparadores. Prof. Dr. Eng. Gustavo Daniel Donatelli Anderson César Silva

Relógios Comparadores. Prof. Dr. Eng. Gustavo Daniel Donatelli Anderson César Silva Relógios Comparadores Prof. Dr. Eng. Gustavo Daniel Donatelli Anderson César Silva 1 Conteúdos 2 Medição diferencial O relógio comparador mecânico Aspectos metrológicos Calibração de relógios comparadores

Leia mais

Aplicação Informática para o Ensino de Processamento Digital de Imagem

Aplicação Informática para o Ensino de Processamento Digital de Imagem Aplicação Informática para o Ensino de Processamento Digital de Imagem Sandra Jardim * e Paulo Sequeira Gonçalves ** * Departamento de Engenharia Informática e Tecnologias da Informação ** Departamento

Leia mais

Renaude Santos Carneiro. Ana Paula Camargo Larocca. Paulo César Lima Segantine. Gabriel do Nascimento Guimarães. João Olympio de Araújo Neto

Renaude Santos Carneiro. Ana Paula Camargo Larocca. Paulo César Lima Segantine. Gabriel do Nascimento Guimarães. João Olympio de Araújo Neto USO DE TÉCNICA TOPOGRÁFICA-GEODÉSICA NO APOIO AO MONITORAMENTO DE INCLINAÇÃO DE TABULEIRO DE OBRAS DE ARTE RODOVIÁRIAS ESTUDO DE CASO SOBRE A PONTE DO RIO JAGUARI Renaude Santos Carneiro Ana Paula Camargo

Leia mais

EFEITO DO NÚMERO DE INTERRUPÇÕES PARA MEDIR DESGASTE NA VIDA DA FERRAMENTA NO TORNEAMENTO

EFEITO DO NÚMERO DE INTERRUPÇÕES PARA MEDIR DESGASTE NA VIDA DA FERRAMENTA NO TORNEAMENTO 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS

Leia mais

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento RELATÓRIO TÉCNICO Código RT-020.00/RA2/004 Emissão O.S. 15/08/13 Folha 10 de 12 Rev. A Emitente Resp. Técnico Emitente 15/08/13 Verificação / São Paulo Transporte Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores

ni.com Série de conceitos básicos de medições com sensores Série de conceitos básicos de medições com sensores Medições de temperatura Renan Azevedo Engenheiro de Produto, DAQ & Teste NI Henrique Sanches Marketing Técnico, LabVIEW NI Pontos principais Diferentes

Leia mais

Guia prático para aplicações de Som e Vibração. André Oliveira Engenheiro de Vendas Fernando Cassão Engenheiro de Vendas

Guia prático para aplicações de Som e Vibração. André Oliveira Engenheiro de Vendas Fernando Cassão Engenheiro de Vendas Guia prático para aplicações de Som e Vibração André Oliveira Engenheiro de Vendas Fernando Cassão Engenheiro de Vendas Agenda Introdução: Por que medir Som e Vibração? Parte 1: Sensores - Som e Vibração

Leia mais

MÁQUINAS-FERRAMENTA. Linha de produtos para os segmentos de Energia, Óleo e Gás

MÁQUINAS-FERRAMENTA. Linha de produtos para os segmentos de Energia, Óleo e Gás MÁQUINAS-FERRAMENTA Linha de produtos para os segmentos de Energia, Óleo e Gás Indústrias Romi: Infraestrutura, tecnologia e know-how para a produção de máquinas de grande porte Os setores de geração de

Leia mais

OTIMIZANDO A PRODUTIVIDADE DE MÁQUINAS DE PAPEL ATRAVÉS DA ANÁLISE DE VIBRAÇÕES

OTIMIZANDO A PRODUTIVIDADE DE MÁQUINAS DE PAPEL ATRAVÉS DA ANÁLISE DE VIBRAÇÕES OTIMIZANDO A PRODUTIVIDADE DE MÁQUINAS DE PAPEL ATRAVÉS DA ANÁLISE DE VIBRAÇÕES ENG O REMO ALBERTO PIERRI Diretor Técnico da Aditeq Na referência (1), mostramos que a análise das vibrações geradas pelo

Leia mais

Índice alfanumérico - Ferramentas

Índice alfanumérico - Ferramentas Conteúdo Índice alfanumérico Ferramentas...................................... 2 Pastilhas......................................... 3 Torneamento de roscas Índice...........................................

Leia mais

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados

Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Laboratório de Máquinas Elétricas Utilizando um Sistema de Aquisição de Dados Mauricélio Alves de Sousa, Eng o Fernando Luiz Marcelo Antunes, PhD Ricardo Silva Thé Pontes, MSc Grupo de Processamento de

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PARAFUSOS ÓSSEOS METÁLICOS UTILIZADOS EM OSTEOSSÍNTESE

AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PARAFUSOS ÓSSEOS METÁLICOS UTILIZADOS EM OSTEOSSÍNTESE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DE PARAFUSOS ÓSSEOS METÁLICOS UTILIZADOS EM OSTEOSSÍNTESE Iêda Caminha¹, Hugo Keide², Walter Ferreira3, Ibrahim Abud4, Renato Machado5, Rafael Oliveira6 ¹ Instituto Nacional de

Leia mais

Abstract. R. F. Brito 1, S. R. de Carvalho 2, S. M. M. de L. e Silva 3

Abstract. R. F. Brito 1, S. R. de Carvalho 2, S. M. M. de L. e Silva 3 Estimativa Do Fluxo De Calor Em Uma Ferramenta De Corte Durante Um Processo De Usinagem Com O Uso Do Software COMSOL Multiphysics E De Técnicas De Problemas Inversos R. F. Brito 1, S. R. de Carvalho 2,

Leia mais

Conteúdo. Ferramentas Especiais Definição... 4. Classificação CT (Custom Tooling)... 5

Conteúdo. Ferramentas Especiais Definição... 4. Classificação CT (Custom Tooling)... 5 A Seco Tools tem a reputação de ser um dos líderes mundiais na fabricação e fornecimento de ferramentas de corte de metal duro e equipamentos correlatos. No entanto, a Seco apresenta uma força maior como

Leia mais

Nivaldo Ferrari. Silvio Audi

Nivaldo Ferrari. Silvio Audi Programação de Centro de Usinagem - CNC SENAI- SP, 2002 Trabalho elaborado pela Escola SENAI Roberto Simonsen do Departamento Regional de São Paulo. Coordenação Geral Coordenação Dionisio Pretel Laur Scalzaretto

Leia mais

Mecânica dos Fluidos I

Mecânica dos Fluidos I Mecânica dos Fluidos I Revisão dos últimos capítulos (Novembro Dezembro de 2008) EXERCÍCIO 1 Figura 1: Exemplos de moscas comuns (Fannia Canicularis; em inglês houseflies), com indicação da dimensão típica.

Leia mais