Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica"

Transcrição

1 Verificação e Resolução de problemas com Vibrações Mecânicas e Modelagem Numérica Marcos Geraldo S. Diretor da MGS Jánes Landre Júnior Prof. Depto. Engenharia Mecânica, PUC-Minas 1 - Introdução O setor de manutenção nos últimos anos tem se tornado uma área de vital importância dentro dos mais diversos seguimentos do setor produtivo. Esta importância vem seguida de uma corrida por pessoal mais especializado, de técnicas mais apuradas, de equipamentos mais sofisticados e uma relação cada vez mais estreita entre a análise experimental e os recursos teóricos para estudo de caso. Com o advento da manutenção preditiva as técnicas numéricas passaram a ser bastante exploradas, já que todo o processo de coleta de dados, processamento e interpretação dos resultados utiliza recursos numéricos sofisticados. Este trabalho apresenta uma interação entre a parte experimental, usando a técnica de análise de vibração, com a modelagem numérica, usando o método dos elementos finitos, para estudo do comportamento de um rotor de grandes proporções, instalado em uma cimenteira.

2 2 - Metodologia Como este trabalho mostra a interação entre as técnicas de análise de vibração com a modelagem numérica via método dos elementos finitos, torna-se necessário apresentá-las distintamente Análise Vibracional A análise de vibração é uma técnica usada para acompanhamento do comportamento dinâmico dos mais diversos tipos de equipamentos, que usa a análise espectral como ferramenta principal. Os recursos de verificação no domínio do tempo e no domínio da freqüência, são capazes de possibilitar ao operador uma interpretação precisa do comportamento do equipamento que esteja sendo analisado. A análise vibracional é considerada, sem nenhuma dúvida, uma das principais ferramentas da manutenção preditiva, pois possibilita, em conjunto a análise estatística, predizer o comportamento do equipamento que esteja sendo analisado, tendo condições de avaliar o comportamento de cada parte e consequentemente do todo, do equipamento que se queira verificar. O trabalho usando a análise vibracional se baseia em uma seqüência objetiva, que possibilita identificar o problema e propor soluções, que podem ser imediatas, a curto prazo e a longo prazo, possibilitando ao setor de manutenção, em conjunto com a produção, programar uma possível parada, e assim evitar as que não são programadas. Uma seqüência básica para o trabalho de análise vibracional seria: Conhecimento dos equipamentos a serem analisados e como se posicionam diante da produção; Conhecimento das características mecânicas dos equipamentos; Identificação dos possíveis pontos de coleta e montagem das rotas; Identificação das condições de trabalho do equipamento, tais como rotação de trabalho, níveis de deslocamento em diversos pontos, freqüências de ressonância etc.

3 De posse destes dados, é possível iniciar o trabalho de conhecimento do equipamento, pelas suas respostas dinâmicas. Estas repostas são tomadas primeiramente no domínio do tempo, onde pela forma de onda produzida é possível identificar parâmetros dinâmicos, tais como nível de amortecimento do equipamento, seja ele estrutural ou viscoso, além de outros parâmetros que o técnico envolvido considerar importante. Tendo sido avaliada a resposta no domínio do tempo, passasse-se a avaliação no domínio da freqüência, onde é possível identificar o comportamento do equipamento, agora de uma forma discreta, já que pelas diversas freqüências que são identificadas na coleta de dados, torna-se viável avaliar o comportamento de cada peça ou componente Modelagem Numérica A modelagem numérica surgiu com a necessidade de se produzir melhor, cada vez mais rápido e com o menor índice de refugo, se não com refugo zero. Esta necessidade foi sentida com grande intensidade dentro do setor aeronáutico, em primeira instância, onde a construção de cada peça demanda uma exaustiva avaliação de seu comportamento, já que uma falha coloca em risco imediato a vida. Uma das técnicas mais difundidas de modelagem numérica, é a técnica baseada no método dos elementos finitos, que consisti em dividir o corpo ou peça que se deseja analisar em partes pequenas porém finitas, afim de avaliar o comportamento de cada parte em separado e assim juntar todos os resultados para obter o comportamento do todo. Esta divisão pode ser vista na figura 1. Figura 1 Modelo em elementos finitos de um rotor

4 Com esta técnica é possível verificar o comportamento estático e dinâmico de peças mecânicas, o escoamento de um fluido por uma tubulação, bem como a troca de calor com o meio que o circunda, ou ainda avaliar a forma com que uma peça deforma quando da fabricação ou de um esforço excessivo. Além das aplicações listadas acima, a modelagem por elementos finitos possibilita identificar características dinâmicas de um equipamento, características estas do ponto do vista estrutural, onde é possível identificar não apenas a primeira freqüência, mas quantas forem necessárias, já que os problemas de ressonância acontecem não apenas na primeira freqüência natural, mas nas diversas que compõem o conjunto. Um outro ponto, que a modelagem por elementos finitos é capaz de proporcionar, é a capacidade de ainda em projeto, ou mesmo em operação, avaliar o comportamento do equipamento diante de um excitamento externo, bem como a resposta de cada parte deste equipamento. 2.3 Desenvolvimento Os equipamentos de grandes proporções podem ser dotados de duas características distintas, grande quantidade de rigidez e/ou grande quantidade de massa. Estas duas características, dependendo da proporção que aparecem, em conjunto a condição de operação a que o equipamento estará sujeito poderá conduzir o conjunto a um estado de ressonância ou não. Esta observação pode ser feita, inicialmente pela resposta no domínio da freqüência, que o equipamento que esta sendo analisado irá fornecer e ainda comprovada pela modelagem e análise modal, que possibilitará calcular as n freqüências naturais do conjunto. Tendo sido uma equipe, responsável pela coleta dos níveis de vibração, convocada para observar o comportamento de um rotor, esta passou a usar a técnica de análise de vibração, especificamente trabalhando no domínio da freqüência, para detectar o comportamento do referido rotor. Este rotor trabalha com rotação de 1170 rpm, apoiado em mancais de rolamento que por sua vez estão assentados em bases de concreto especialmente projetadas e construídas para suportar um rotor daquelas proporções.

5 A equipe após a coleta nas direções principais dos pontos de apoio do rotor e de uma avaliação dos espectros coletados, identificou que este estaria trabalhando desbalanceado, providenciando então a correção dinâmica. Esta correção foi efetuada, porém com quantidades bastante reduzidas de massa. Apesar das massas de correção serem bastante reduzidas quando comparadas ao peso do rotor, a influência que estas provocavam eram bastante grandes, reduzindo substancialmente e drasticamente o nível de vibração que o rotor estava sujeito. Após vários balanceamentos, que após a cada intervenção o rotor passava a se comportar de maneira ainda mais aleatória, a equipe decide então investigar este comportamento do rotor, porém usando a modelagem numérica, visto que as diversas intervenções já não surtiam efeito. Foi iniciado então a modelagem do rotor, de acordo com o projeto original do fabricante. Foram levados em consideração todas as variáveis, atentando a fidelidade do projeto original. Para tal todas as medidas foram tomadas em campo, gerando um novo desenho do rotor, que posteriormente foi comparado ao original de fabricação. Toadas as condições de contorno foram levadas em consideração, tais como apoios do rotor com as devidas restrições de movimento, a interface rotor eixo etc. Após a confecção do desenho, o rotor foi modelado usando o código numérico, baseado no Método dos Elementos Finitos, ALGOR, desenvolvido pela ALGOR INC. Após esta modelagem foram obtidos resultados que possibilitaram explicar o comportamento aleatório do rotor e assim estudar uma série de medidas a serem tomadas para eliminar os problemas. 3 - Resultados Os resultados são apresentados de acordo com a ordem de desenvolvimento dos trabalho, ou seja primeiro as respostas espectrais, onde são mostrados os comportamento do rotor antes e depois da correção por balanceamento, em ocasiões distintas e por fim os resultados numéricos obtidos.

6 3.1 Análise Vibracional Conforme já relatado, assim que a equipe de manutenção foi convocada para avaliar a condição de operação do ventilador, alguns pontos foram escolhidos para coleta de dados, de acordo com o esquema apresentado na figura Identificação dos pontos de medição ou coleta de dados Mancal 1 motor lado oposto ao acoplamento Mancal 2 motor lado acoplado Mancal 3 apoio do rotor lado acoplado V sentido radial e posição vertical H sentido radial e posição horizontal A sentido axial Mancal 4 - apoio do rotor lado oposto ao acoplamento Características do rotor Raio 1522mm Massa 8000Kg Rotação trabalho 1.170rpm Figura 2 Esquema de coleta de dados do rotor

7 Definidos os pontos de coleta, foram iniciados os trabalhos, tendo sido obtidos os seguintes espectros. Figura 3 Espectros do ponto 3H antes de balancear Verificar as grandes diferenças de amplitudes vibracionais com pequenas diferenças nas freqüências de rotação

8 Figura 4 Espectros do ponto 3H após balancear com apenas 485gr de massa de correção e deve ser observado que não há uma proporção direta nos valores das amplitudes x rotação Nota-se pelos espectros da figura 3, onde mediu-se a situação mais crítica no mancal 3H, que o ventilador encontrava-se desbalanceado com os níveis na ordem de 31mm/s rms. Diante deste fato foram providenciadas as correções para efetuar o balanceamento do rotor. Após os cálculos destinados a esta correção, e em vários trabalhos de balanceamentos com refinos constantes, foi encontrado um valor total de 485gr, distribuídas em duas massas de 320gr e 165gr para efetuar o balanceamento. Colocada a massa necessária os níveis de vibração caíram consideravelmente, como pode ser observado pelos espectros da fig.4, seguindo a mesma ordem e pontos de coletas iniciais.

9 Em um curto intervalo de tempo, mesmo tendo sido efetuado o balanceamento os níveis de vibração começaram a subir, se posicionado em patamares inaceitáveis, o que levou a opção da modelagem como forma de conhecimento dos problema. Veja na fig5 a seguir a situação atual, coletada no mês 05/2000, em comparação espectros da fig.4 e, lembramos que de Dez de 1998 até a presente data foram executados mais dois trabalhos de balanceamento e a máquina repetiu a mesma condição já descrita quanto a sua sensibilidade. Os estudos levaram a cálculos para alterações estruturais do sistema que já está em processo.

10 3.2 Modelagem Numérica Para avaliar o comportamento do ventilador, a análise modal contemplou um total de 10 freqüências naturais, número suficiente para englobar a faixa de rotação do equipamento que vai de 0 a 1200 rpm. No. Moda l Tabela 1 Freqüências naturais Rotação [rpm] Rotação [Hz] Amplitude [mm] 1 898,2 14,97 0, ,4 20,94 0, ,4 20,94 0, ,0 38,05 0, ,8 38,63 0, ,8 38,63 0, ,4 80,84 2, ,4 80,84 2, ,8 95,78 3, ,8 95,79 3,77 Segundo a Tabela 1 as 3 primeiras freqüências se posicionam na região entre 900 a 1260 rpm, justamente a região de operação do ventilador. As figuras a seguir mostram o nível de deslocamento, bem como a forma de deslocamento que o rotor estava sujeito em cada uma das três primeiras freqüências naturais. Figura 9 - Resultado da 1 a freqüência. Modal a 898rpm

11 Figura 10 - Resultado da 2 a freqüência. Modal a 1256rpm. Figura 11 - Resultado da 3 a freqüência. Modal a 1256rpm. A diferença entre a 2 a e 3 a freqüências é bastante pequena, podendo dizer que o segundo e terceiro modos estarão trabalhando acoplados, ou seja quando o rotor for excitado na freqüência de 1256 rpm o rotor terá uma tendência de rotacionar simultaneamente segundo dois planos distintos.

12 Uma outra observação é que a rotação de trabalho é muito próxima das 2 a e 3 a freqüências naturais ou seja 1170 rpm para rotação de trabalho e 1256 rpm para freqüência natural. Devido a esta pequena diferença, aliada ao fato que um equipamento não manterá sua rotação de trabalho, pode-se cogitar que em algum instante o ventilador estará trabalhando sob ressonância e principalmente acoplando as 2 a e 3 a freqüências de ressonãoncia, o que justificaria a condição instável do rotor. 4 Conclusão Conforme observado no capítula resultados, o comportamento observado pela análise vibracional, foi repetido numericamente. A modelagem numérica possibilita avaliar o comportamento discreto da estrutura ou equipamento que se deseja analisar. A modelagem além de confirmar as observações montadas pela análise vibracional, possibilita estudar as possíveis soluções. Nota: Os estudos levaram a cálculos para alterações estruturais do sistema que já estão em processo. 5 Bibliografia Zienkiewicz, o C. & Taylor, R.L. ; The Finite Element Method, 4 a edição Mc Graw Hill, 1989 Thomson, William T. ; Theory of Vibration with Applications, 5 a edição Prentice Hall, 1998 Manual do software ALGOR.

Curso de Análise de Vibração Módulo I. FUPAI / MTA COMPATÍVEL COM NÍVEIS I II E III

Curso de Análise de Vibração Módulo I. FUPAI / MTA COMPATÍVEL COM NÍVEIS I II E III COMPATÍVEL COM NÍVEIS I II E III 1) Assinale a afirmativa correta. Quando um rolamento começa a apresentar pequenos defeitos em suas pistas, a energia de vibração destes defeitos começa a se manifestar

Leia mais

TESTE 19 COMPATÍVEL COM NÍVEL III

TESTE 19 COMPATÍVEL COM NÍVEL III TESTE 19 COMPATÍVEL COM NÍVEL III QUESTÃO 1 A figura abaixo, os pontos de medidas de vibração em conjunto motor-bomba centrífuga. A um alto nível de vibração em 120 Hz, medido no 2VLA pode indicar: (A)

Leia mais

CAB 700, CAB 706, CAB 920

CAB 700, CAB 706, CAB 920 Processamento digital dos valores medidos para maior precisão Exibição clara e colorida dos valores medidos Leitura segura Conceito ergonômico de operação Ampla gama de softwares para aplicações universiais

Leia mais

Professor: Juan Julca Avila. Site:

Professor: Juan Julca Avila. Site: Professor: Juan Julca Avila Site: http://professor.ufabc.edu.br/~juan.avila Bibliografia Cook, R.; Malkus, D.; Plesha, M., Concepts and Applications of Finite Element Analysis, John Wiley, New York, Fourth

Leia mais

Descritivo Técnico Adaptador Sensor Hall

Descritivo Técnico Adaptador Sensor Hall Folha 1 de 7 Folha 2 de 7 Sumário 1 Descrição geral... 3 2 Funcionamento... 3 2.1 Operação... 3 2.2 Programação, configuração e comunicação... 3 2.3 Descritivo de aplicação... 3 2.4 Exemplo de aplicação...

Leia mais

ANÁLISE DINÂMICA DE ROTORES DE SOPRADORES INDUSTRIAIS UTILIZANDO O MÉTODO DE ELEMENTOS FINITOS

ANÁLISE DINÂMICA DE ROTORES DE SOPRADORES INDUSTRIAIS UTILIZANDO O MÉTODO DE ELEMENTOS FINITOS ANÁLISE DINÂMICA DE ROTORES DE SOPRADORES INDUSTRIAIS UTILIZANDO O MÉTODO DE ELEMENTOS FINITOS Raimundo Eduardo Cota 1, Marco Tulio C. Faria 2 1 Gerdau Açominas, Rodovia MG 443, Km 7 - Fazenda do Cadete

Leia mais

Linha. Soluções em Bombeamento

Linha. Soluções em Bombeamento Linha BMI ANSI B73.1 INTRODUÇÃO Neste Catálogo estão descritos todos os modelos de bombas da linha BMI de nossa fabricação. Dele constam informações técnicas, desde a construção, aplicação, projeto, características

Leia mais

Análise de vibração livre de ferramentas para usinagem em alta velocidade

Análise de vibração livre de ferramentas para usinagem em alta velocidade Análise de vibração livre de ferramentas para usinagem em alta velocidade Gabriela Heimbach Vieira Instituto Tecnológico de Aeronáutica Rua H8 A, apartamento 104. CTA. São José dos Campos SP. Bolsista

Leia mais

FALHAS POR FADIGA EM EIXO DE MOTORES DE SISTEMAS DE ARREFECIMENTO

FALHAS POR FADIGA EM EIXO DE MOTORES DE SISTEMAS DE ARREFECIMENTO 1 FALHAS POR FADIGA EM EIXO DE MOTORES DE SISTEMAS DE ARREFECIMENTO Luciano Valdomiro dos Santos Edison Gonçalves Depto Eng. Mecatrônica e Sist. Mecânicos (EPUSP) Av. Prof. Mello Moraes 2231 CEP 05508-900,

Leia mais

HM 4 - HM 50. Máquinas de balancear horizontais

HM 4 - HM 50. Máquinas de balancear horizontais Aplicação universal Alta precisão de balanceamento Fácil de modernizar, graças a seu projeto modular e a imensa gama de acessórios Rápida mudança de tipo de rotor, graças ao seu projeto sub-crítico Unidade

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMADOS (Acústica Ambiental - EEK603) TOTAL 45

CONTEÚDOS PROGRAMADOS (Acústica Ambiental - EEK603) TOTAL 45 (Acústica Ambiental - EEK603) TOTAL 4 (Acústica Básica - EEK4) - introdução O fenômeno acústico: propagação. Nível de pressão sonora. As hipóteses acústicas. - Equacionamento Balanços de massa e quantidade

Leia mais

1) Determine a energia de deformação (energia interna) da estrutura abaixo. Rigidez flexional = 4200 knm²

1) Determine a energia de deformação (energia interna) da estrutura abaixo. Rigidez flexional = 4200 knm² CE2 ESTABILIDADE DAS CONSTRUÇÕES II LISTA DE EXERCÍCIOS PREPARATÓRIA PARA O ENADE 1) Determine a energia de deformação (energia interna) da estrutura abaixo. Rigidez flexional 42 knm² Formulário: equação

Leia mais

NOVA. VIRIO tool a solução profissional para ferramentas pesadas Balanceamento de ferramentas e porta-ferramentas de até 100 kg.

NOVA. VIRIO tool a solução profissional para ferramentas pesadas Balanceamento de ferramentas e porta-ferramentas de até 100 kg. NOVA VIRIO tool a solução profissional para ferramentas pesadas Balanceamento de ferramentas e porta-ferramentas de até 100 kg RM 1063 br VIRIO tool Para o balanceamento otimizado de ferramentas pesadas

Leia mais

PREVISÃO DE FALHAS EM ROLAMENTOS UTILIZANDO A DEMODULAÇÃO DE SINAIS DE VIBRAÇÃO

PREVISÃO DE FALHAS EM ROLAMENTOS UTILIZANDO A DEMODULAÇÃO DE SINAIS DE VIBRAÇÃO PREVISÃO DE FALHAS EM ROLAMENTOS UTILIZANDO A DEMODULAÇÃO DE SINAIS DE VIBRAÇÃO ANUÁRIO DA PRODUÇÃO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DISCENTE Vol. 13, N. 17, Ano 2010 Rodrigo José Bastos Reinaldo Borges Junior

Leia mais

Amostras de Concreto Cilíndricas

Amostras de Concreto Cilíndricas Guia de Instruções de Medição com o Sonelastic para: Amostras de Concreto Cilíndricas ATCP Engenharia Física www.atcp.com.br São Carlos Brasil Índice 1. PREPARO DO CORPO DE PROVA CILÍNDRICO... 3 1.1. Colagem

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. W60 Motor de Indução Trifásico

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. W60 Motor de Indução Trifásico Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas W60 Motor de Indução Trifásico Os motores WEG da linha W60 foram projetados para atender as aplicações industriais em compressores, bombas, ventiladores,

Leia mais

CASO DE SUCESSO: REDUÇÃO DE PESO USANDO OTIMIZAÇÃO

CASO DE SUCESSO: REDUÇÃO DE PESO USANDO OTIMIZAÇÃO CASO DE SUCESSO: REDUÇÃO DE PESO USANDO OTIMIZAÇÃO Índice Atividade... 3 Qual foi o Desafio para a VirtualCAE... 4 Qual a Solução... 5 Otimização Estrutural: Entenda o que é... 6 Benefícios... 7 Depoimento...

Leia mais

1- Fundamentos Curvas características Fórmulas relativas ao ventiladores centrífugos Nomenclatura 6

1- Fundamentos Curvas características Fórmulas relativas ao ventiladores centrífugos Nomenclatura 6 Catálogo geral de ventiladores axiais 1 Índice 1- Fundamentos 3 2- Curvas características 4 3- Fórmulas relativas ao ventiladores centrífugos 5 4- Nomenclatura 6 5- Características construtivas 6 6- Dimensões

Leia mais

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM DIFERENCIAL COMO MODELO PEDAGÓGICO

PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM DIFERENCIAL COMO MODELO PEDAGÓGICO PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM DIFERENCIAL COMO MODELO PEDAGÓGICO Vitor Alcácer ¹, Francisco Ávila ², Prof. Carlos Fortes ³, Prof. Dr.ª Rosa Marat-Mendes ³ 1 Ex-aluno Engenharia Mecânica Ramo Produção da ESTSetúbal

Leia mais

4 Modelagem Numérica. 4.1 Método das Diferenças Finitas

4 Modelagem Numérica. 4.1 Método das Diferenças Finitas 4 Modelagem Numérica Para se obter a solução numérica das equações diferenciais que regem o processo de absorção de CO 2,desenvolvido no capitulo anterior, estas precisam ser transformadas em sistemas

Leia mais

APÊNDICE C. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBGC-HGW560-75kW

APÊNDICE C. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBGC-HGW560-75kW APÊNDICE C Ensaio da Performance do Protótipo MATRBGC-HGW560-75kW 298 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBGC 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

Guia do Usuário. Medidor de vibrações em formato de caneta. Modelo VB400

Guia do Usuário. Medidor de vibrações em formato de caneta. Modelo VB400 Guia do Usuário Medidor de vibrações em formato de caneta Modelo VB400 Introdução Parabéns por ter adquirido este medidor Extech. O VB400 foi feito para fornecer medições de aceleração e velocidade fáceis

Leia mais

Tensão. Introdução. Introdução

Tensão. Introdução. Introdução Capítulo 1: Tensão Adaptado pela prof. Dra. Danielle Bond Introdução A resistência dos materiais é um ramo da mecânica que estuda as relações entre as cargas externas aplicadas a um corpo deformável e

Leia mais

Lab.04 Osciloscópio e Gerador de Funções

Lab.04 Osciloscópio e Gerador de Funções Lab.04 Osciloscópio e Gerador de Funções OBJETIVOS Capacitar o aluno a utilizar o osciloscópio e o gerador de funções; Usar o osciloscópio para observar e medir formas de onda de tensão e de corrente.

Leia mais

ANÁLISE POR ELEMENTOS FINITOS DE VÁLVULAS SUBMETIDAS A CARREGAMENTOS DE CHOQUE

ANÁLISE POR ELEMENTOS FINITOS DE VÁLVULAS SUBMETIDAS A CARREGAMENTOS DE CHOQUE ANÁLISE POR ELEMENTOS FINITOS DE VÁLVULAS SUBMETIDAS A CARREGAMENTOS DE CHOQUE Pedro Manuel Calas Lopes Pacheco Leydervan de Souza Xavier Ricardo Amar Aguiar Carlos Américo La Cava CEFET/RJ Departamento

Leia mais

Tolerância geométrica de forma

Tolerância geométrica de forma Tolerância geométrica de forma A UU L AL A Apesar do alto nível de desenvolvimento tecnológico, ainda é impossível obter superfícies perfeitamente exatas. Por isso, sempre se mantém um limite de tolerância

Leia mais

Matemática Aplicada II. Ficha prática nº

Matemática Aplicada II. Ficha prática nº Matemática Aplicada II Ficha prática nº1 ------------------------------------------------------------------------------- 1. Calcule a taxa de variação média da função no intervalo [2, 4]. 2. Se uma bola

Leia mais

A SSISTÊNCIAST ÊCNICASAUTORIZADAS acesse: ou ligue: +55 (16) / Moto Esmeril de Coluna

A SSISTÊNCIAST ÊCNICASAUTORIZADAS acesse:  ou ligue: +55 (16) / Moto Esmeril de Coluna A SSISTÊNCIAST ÊCNICASAUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33844968 / 33842409 Moto Esmeril de Coluna MANUAL DE INSTRUÇÃO BAMBOZZI TALHAS E MOTO ESMERIL LTDA. Av.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - ESCOLA DE ENGENHARIA ENGENHARIA MECÂNICA DIURNO - 1º. SEMESTRE LETIVO DE º período.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - ESCOLA DE ENGENHARIA ENGENHARIA MECÂNICA DIURNO - 1º. SEMESTRE LETIVO DE º período. 1º período EMA015 INTRODUÇÃO À ENG. MECÂNICA D 3ª 13:00 14:40 1032 - BL 3 EMA083 DESENHO MECÂNICO D1 3ª 14:55 17:50 1170 - BL 4 D2 5ª 14:55 17:50 1170 - BL 4 2º período EMA084 MET. NUMÉRICOS APL. ENG.

Leia mais

MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE

MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE AULA 9 MECANISMOS DE TRANSLAÇÃO PROF.: KAIO DUTRA Mecanismos de Translação Estes mecanismos são responsáveis pela locomoção do equipamento em trabalho, e podem ser classificados

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ELEMENTOS FINITOS PARA ANÁLISE DE ESTRUTURAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ELEMENTOS FINITOS PARA ANÁLISE DE ESTRUTURAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ELEMENTOS FINITOS PARA ANÁLISE DE ESTRUTURAS Trabalho Final Grupo: Carlos Alexandre Campos Miranda Diego Franca

Leia mais

Máquinas Elétricas. Máquinas CC Parte III

Máquinas Elétricas. Máquinas CC Parte III Máquinas Elétricas Máquinas CC Parte III Máquina CC Máquina CC Máquina CC Comutação Operação como gerador Máquina CC considerações fem induzida Conforme já mencionado, a tensão em um único condutor debaixo

Leia mais

Bancada Experimental Para Estudo de Rotores

Bancada Experimental Para Estudo de Rotores Relatório Final PIBIC Bancada Experimental Para Estudo de Rotores Flavia de Castro Nogueira Fernandes Professor: Hans Ingo Weber 1 Sumário: Introdução... 3 Objetivos... 3 Necessidades do Projeto... 3 Elaboração...

Leia mais

UENF - COORDENAÇÃO ACADÊMICA -

UENF - COORDENAÇÃO ACADÊMICA - UENF - COORDENAÇÃO ACADÊMICA - Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA (PÓS-GRADUAÇÃO) Centro CCT IDENTIFICAÇÃO Laboratório LECIV Pré-requisito Co-requisito

Leia mais

Tels.: Campinas-sp Itupeva-sp

Tels.: Campinas-sp Itupeva-sp Principais características: Inserção do tipo mandíbula Pode ser entregue a prova de falha ou a favor do rompimento Reduz vibrações Materiais: EN-GJL-250 (GG-25) Alta resistência ao desgaste Desenho compacto

Leia mais

Motores Energy Saving

Motores Energy Saving Motores Energy Saving Linhas iq, ESM e Unit Cooler A escolha dos Engenheiros Motores iq Com o mesmo formato e dimensional dos micromotores de mercado, o Motor iq integra a versatilidade para retrofit com

Leia mais

5 Metodologia Experimental

5 Metodologia Experimental 5 Metodologia Experimental Neste capítulo apresenta-se alguns aspectos teóricos da análise modal experimental, a descrição da bancada sobre a qual foram desenvolvidos os ensaios, considerações na aquisição

Leia mais

Sistema de Medidas de Forças em Mancais Supercondutores.

Sistema de Medidas de Forças em Mancais Supercondutores. Sistema de Medidas de Forças em Mancais Supercondutores "A facilidade de uso do software e sua fácil integração com a placa de aquisição da NI possibilitaram a aprendizagem da linguagem LabVIEW e a criação

Leia mais

FIGURAS DE LISSAJOUS

FIGURAS DE LISSAJOUS FIGURAS DE LISSAJOUS OBJETIVOS: a) medir a diferença de fase entre dois sinais alternados e senoidais b) observar experimentalmente, as figuras de Lissajous c) comparar a frequência entre dois sinais alternados

Leia mais

SEÇÃO 12 Synchro -Balance e Oscilação de Balanço do Contador

SEÇÃO 12 Synchro -Balance e Oscilação de Balanço do Contador SEÇÃO Synchro -Balance e Oscilação de Balanço do Contador ÍNDICE DA SEÇÃO Página Synchro -Balance Operação do Synchro--Balance... Operação do Sistema de Oscilação de Balanço do Contador... Modelos 70000,

Leia mais

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: PARA QUEM CURSA A 2 ạ SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM Disciplina: MaTeMÁTiCa

Nome: N.º: endereço: data: Telefone:   PARA QUEM CURSA A 2 ạ SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM Disciplina: MaTeMÁTiCa Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA A ạ SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 0 Disciplina: MaTeMÁTiCa Prova: desafio nota: QUESTÃO Dia 0 de julho de 00 caiu num domingo. Três mil dias

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia II Lista 3

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia II Lista 3 Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia II Lista 3 Exercícios extraídos do livro: FITZGERALD, A. E., KINGSLEY Jr. C. E UMANS, S. D. Máquinas Elétricas: com Introdução à Eletrônica De Potência.

Leia mais

CE2 ESTABILIDADE DAS CONSTRUÇÕES II LISTA DE EXERCÍCIOS - FLAMBAGEM

CE2 ESTABILIDADE DAS CONSTRUÇÕES II LISTA DE EXERCÍCIOS - FLAMBAGEM CE2 ESTBILIDDE DS CONSTRUÇÕES II LIST DE EXERCÍCIOS - FLMBGEM FONTE: HIBBELER, R. C. Resistência dos Materiais. 7. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2010. SOLUÇÃO 13.3 ÁRE = (10 25) + 10 10 = 1100 mm² MOMENTOS

Leia mais

1.1 Medição de oscilação em FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.

1.1 Medição de oscilação em FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. 1 Introdução Vibração é o resultado da ação das forças dinâmicas sobre as máquinas. A vibração geralmente aparece em todas as máquinas devido ao movimento das partes que oscilam, giram ou se alternam.

Leia mais

Medidor de vibrações em formato de caneta

Medidor de vibrações em formato de caneta Guia do Usuário Medidor de vibrações em formato de caneta Modelo VB400 Introdução Parabéns por ter adquirido este medidor Extech. O VB400 foi feito para fornecer medições de aceleração e velocidade fáceis

Leia mais

Sistemas de Transmissão de Movimento

Sistemas de Transmissão de Movimento elcabral@usp.br 1 PMR2560 Robótica Sistemas de Transmissão de Movimento Eduardo L. L. Cabral elcabral@usp.br elcabral@usp.br 2 Objetivos Sistemas de transmissão de movimento. Características; Tipos: Redutores

Leia mais

Relatório de Análise e Diagnóstico: Barras Quebradas

Relatório de Análise e Diagnóstico: Barras Quebradas PS Soluções Indústria, Comércio, Representações e Consultoria Ltda. Rua Cel. Francisco Braz, 185 sala 303 CEP: 37500-052 Itajubá-MG Brasil Tel./Fax: +55 (35) 3621-1525 http://www.pssolucoes.com.br Relatório

Leia mais

Catálogo geral de ventiladores centrífugos com pás viradas. para frente (Sirocco)

Catálogo geral de ventiladores centrífugos com pás viradas. para frente (Sirocco) Catálogo geral de ventiladores centrífugos com pás viradas para frente (Sirocco) Rua Rio de Janeiro, 528 CEP 065-0 Fazendinha Santana do Parnaíba SP RE04 1 Índice 1- Fundamentos 3 2- Curvas características

Leia mais

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Matemática 5º Ano

PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR. Matemática 5º Ano PLANO CURRICULAR DISCIPLINAR Matemática 5º Ano OBJETIVOS ESPECÍFICOS TÓPICOS SUB-TÓPICOS METAS DE APRENDIZAGEM 1º Período Compreender as propriedades das operações e usá-las no cálculo. Interpretar uma

Leia mais

Análise de Sinais e Sistemas

Análise de Sinais e Sistemas Universidade Federal da Paraíba Departamento de Engenharia Elétrica Análise de Sinais e Sistemas Luciana Ribeiro Veloso luciana.veloso@dee.ufcg.edu.br ANÁLISE DE SINAIS E SISTEMAS Ementa: Sinais contínuos

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO AUTOMATIZADA PARA TESTES DE MOTORES DE INDUÇÃO E DE CORRENTE CONTÍNUA

SISTEMA DE MEDIÇÃO AUTOMATIZADA PARA TESTES DE MOTORES DE INDUÇÃO E DE CORRENTE CONTÍNUA ART530-07 - CD 262-07 - PÁG.:1 SISTEMA DE MEDIÇÃO AUTOMATIZADA PARA TESTES DE MOTORES DE INDUÇÃO E DE CORRENTE CONTÍNUA João Roberto Cogo*, Jocélio Souza de Sá*, Héctor Arango* *Escola Federal de Engenharia

Leia mais

FIS-14 Prova 02 Novembro/2013

FIS-14 Prova 02 Novembro/2013 FIS-14 Prova 02 Novembro/2013 Nome: Nota: Duração máxima da prova: 240 min. Responda às questões de forma clara, completa e concisa dentro do espaço previsto. Uma parte da pontuação de cada questão será

Leia mais

Medidor de Vibrações e Balanceador Dinâmico NK 600 MANUAL DE OPERAÇÃO TEKNIKAO Indústria e Comércio Ltda.

Medidor de Vibrações e Balanceador Dinâmico NK 600 MANUAL DE OPERAÇÃO TEKNIKAO Indústria e Comércio Ltda. Medidor de Vibrações e Balanceador Dinâmico NK 600 MANUAL DE OPERAÇÃO TEKNIKAO Indústria e Comércio Ltda. ÍNDICE DESCRIÇÃO DO NK600... 2 VISTA FRONTAL... 3 MEDINDO A VIBRAÇÃO GLOBAL... 4 OBSERVAÇÕES SOBRE

Leia mais

Características do fuso de esferas

Características do fuso de esferas Torque de acionamento de um terço do parafuso deslizante Com o fuso de esferas, esferas rolam entre o eixo parafuso e a castanha para alcançar uma alta eficiência. O torque de acionamento necessário é

Leia mais

Departamento de Física - ICE/UFJF Laboratório de Física II

Departamento de Física - ICE/UFJF Laboratório de Física II Objetivo Geral: Determinar a velocidade de propagação do som no ar através da interpretação do padrão de ondas estacionárias formadas em um tubo sonoro fechado. *Anote a incerteza dos instrumentos de medida

Leia mais

CENTRO DE USINAGEM HORIZONTAL. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho

CENTRO DE USINAGEM HORIZONTAL. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho CENTRO DE USINAGEM HORIZONTAL Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho CENTRO DE USINAGEM HORIZONTAL Mesa 500 x 500 Curso de 650 x 560 x 560 mm Mesa com divisões

Leia mais

Aula 04 - Atuadores pneumáticos atuadores lineares e rotativos

Aula 04 - Atuadores pneumáticos atuadores lineares e rotativos Aula 04 - Atuadores pneumáticos atuadores lineares e rotativos 1 - INTRODUÇÃO Os atuadores pneumáticos são componentes que transformam a energia do ar comprimido em energia mecânica, isto é, são elementos

Leia mais

Soluções Integradas para PCHs. SEMI Industrial Ltda.

Soluções Integradas para PCHs. SEMI Industrial Ltda. Soluções Integradas para PCHs SEMI Industrial Ltda. Empresas do Grupo SEMI Engenharia SEMI Sistemas SEMI Industrial Montagens Eletromecânicas Automação de Centrais Reguladores de Velocidade e Tensão Projetos

Leia mais

DD25B. COMPACTADORES DE DOIS CILINDROS VOLVO 2.6 t 18.5 kw

DD25B. COMPACTADORES DE DOIS CILINDROS VOLVO 2.6 t 18.5 kw DD25B COMPACTADORES DE DOIS CILINDROS VOLVO 2.6 t 18.5 kw Visibilidade de 360 Com um assento deslizante posicionado de forma ideal, suportes angulados do cilindro e um projeto de capô inclinado, o DD25B

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO. CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL/PERÍODO MEC0949 Elementos de Máquinas I 4 a /7 o PRÉ-REQUISITO

PROGRAMA DE ENSINO. CÓDIGO DISCIPLINA OU ESTÁGIO SERIAÇÃO IDEAL/PERÍODO MEC0949 Elementos de Máquinas I 4 a /7 o PRÉ-REQUISITO PROGRAMA DE ENSINO UNIDADE UNIVERSITÁRIA: UNESP CÂMPUS DE ILHA SOLTEIRA CURSO: Engenharia Mecânica (Resolução UNESP nº 74/2004 - Currículo: 4) HABILITAÇÃO: OPÇÃO: DEPARTAMENTO RESPONSÁVEL: Engenharia Mecânica

Leia mais

Sistemas de Aquisição e Processamento

Sistemas de Aquisição e Processamento Sistemas de Aquisição e de Dados Aquisição de dados Necessidade de tratar informação proveniente de medições de forma automática rápida grandes quantidades de medições armazenamento processamento coletar

Leia mais

Relação Conceitual dos Medidores de Temperatura

Relação Conceitual dos Medidores de Temperatura ensão (Termopar) / Resistência (RTD ou Termistor) Lista 3 Sistemas de Instrumentação e Controle 1) Em relação a função de transferência resistência X temperatura em um RTD, resistência X temperatura em

Leia mais

EPUSP PCS 2011/2305/2355 Laboratório Digital. Frequencímetro

EPUSP PCS 2011/2305/2355 Laboratório Digital. Frequencímetro Frequencímetro Versão 2012 RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização com duas classes de componentes: os contadores e os registradores. Para isto, serão apresentados alguns exemplos de

Leia mais

ANÁLISE DE CONVERGÊNCIA UM QUADRO DE BICICLETA DO TIPO MOUNTAIN BIKE

ANÁLISE DE CONVERGÊNCIA UM QUADRO DE BICICLETA DO TIPO MOUNTAIN BIKE ANÁLISE DE CONVERGÊNCIA UM QUADRO DE BICICLETA DO TIPO MOUNTAIN BIKE D. S. da Silva M. A. Melo L. F. L. de Vasconcelos davidsouza750@gmail.com matheus.melo1994@gmail.com vasconcelos.fl.leandro@gmail.com

Leia mais

AS MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS (MMC)

AS MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS (MMC) AS MÁQUINAS DE MEDIR POR COORDENADAS (MMC) Tópicos que serão explorados na aula Introdução Tipos de MMCs Sistema de medição (as réguas e apalpadores) Programas computacionais Erros Compensação (Calibração

Leia mais

Michael Matias Matos. Aprovado por: Prof. Severino Fonseca da Silva Neto, D. Sc. (Orientador) Prof. Tiago Alberto Piedras Lopes, D. Sc.

Michael Matias Matos. Aprovado por: Prof. Severino Fonseca da Silva Neto, D. Sc. (Orientador) Prof. Tiago Alberto Piedras Lopes, D. Sc. Interação de Resultados Experimentais em Escala Real com Modelos Numéricos para Diagnóstico de Problemas de Vibração do Casco e Praças de Máquinas de Sistemas Flutuantes Michael Matias Matos PROJETO SUBMETIDO

Leia mais

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO VENTILADOR DE TETO MODELOS: SUNNY, SUNNY CONTR FHARO Obrigado por adquirir o. Antes de utilizar o seu produto leia atentamente este manual de instruções. Após a leitura guarde-o em local seguro para consultas

Leia mais

WORKSHOP DA COORD. DE CÂMARAS ESPECIALIZADAS DE ENGENHARIA INDUSTRIAL - CCEEI

WORKSHOP DA COORD. DE CÂMARAS ESPECIALIZADAS DE ENGENHARIA INDUSTRIAL - CCEEI CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA CONFEA WORKSHOP DA COORD. DE CÂMARAS ESPECIALIZADAS DE ENGENHARIA INDUSTRIAL - CCEEI Formação de Engenheiros para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico de

Leia mais

Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. website:

Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S.   website: UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS Prof. Ricardo Brauer Vigoderis, D.S. Email: vigoderis@yahoo.com.br website: www.vigoderis.tk Suméria por volta de 4.000 A.C. Egípcios

Leia mais

Máquinas Térmicas: Turbinas a Vapor

Máquinas Térmicas: Turbinas a Vapor Máquinas Térmicas: Entre os chamados prime-movers (motores), a turbina a vapor é um dos equipamentos mais versáteis, sendo amplamente utilizado em termelétricas, propulsão marítima e indústrias de processos

Leia mais

Problemas de Mecânica e Ondas 7

Problemas de Mecânica e Ondas 7 Problemas de ecânica e Ondas 7 P 7. Considere que as vagonetas de massa m e m (ver figur podem ser representadas por dois pontos materiais localizados nos centros de massa respectivos, para efeito da descrição

Leia mais

Analisador de Espectro

Analisador de Espectro Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Analisador de Espectro Apresentador: André Tomaz de Carvalho Área: DLE Analisador de Espectro 1 Analisador de Espectro É basicamente um voltímetro com seletor de

Leia mais

AGG0330 Processamento de Sinais Digitais

AGG0330 Processamento de Sinais Digitais AGG0330 Processamento de Sinais Digitais www.iag.usp.br/~agg330 Liliana Alcazar Diogo liliana.diogo@iag.usp.br & Marcelo Bianchi m.bianchi@iag.usp.br 2017 AGG0330 Processamento de sinais digitais Teoria

Leia mais

2 - Qual a onda de superfície mais rápida? Love ou Rayleigh? Como a onda de superfície pode auxiliar na estimativa da profundidade focal do evento?

2 - Qual a onda de superfície mais rápida? Love ou Rayleigh? Como a onda de superfície pode auxiliar na estimativa da profundidade focal do evento? Lista de Sismologia 1 - Defina onda de corpo e onda de superfície. Mostre os tipos. 2 - Qual a onda de superfície mais rápida? Love ou Rayleigh? Como a onda de superfície pode auxiliar na estimativa da

Leia mais

DISCIPLINA: MATEMÁTICA ANO: 8º ANO LETIVO 2012/2013 ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Atividades de diagnóstico. Atividades de revisão e recuperação.

DISCIPLINA: MATEMÁTICA ANO: 8º ANO LETIVO 2012/2013 ATIVIDADES ESTRATÉGIAS. Atividades de diagnóstico. Atividades de revisão e recuperação. Escola Secundária Dr. Solano de Abreu Abrantes ENSINO BÁSICO DISCIPLINA: MATEMÁTICA ANO: 8º ANO LETIVO 2012/2013 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS METAS DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES ESTRATÉGIAS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE ESTRUTURAL DE PISTÕES AXIAIS DE MÁQUINAS TIPO SWASHPLATE UTILIZANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS

ANÁLISE ESTRUTURAL DE PISTÕES AXIAIS DE MÁQUINAS TIPO SWASHPLATE UTILIZANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS ANÁLISE ESTRUTURAL DE PISTÕES AXIAIS DE MÁQUINAS TIPO SWASHPLATE UTILIZANDO O MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS Fernando de Azevedo Silva fazevedo@feg.unesp.br João Zangrandi Filho joaozan@feg.unesp.br Resumo.

Leia mais

EM-524 : aula 13. Capítulo 06 Escoamento Externo Efeitos Viscosos e Térmicos

EM-524 : aula 13. Capítulo 06 Escoamento Externo Efeitos Viscosos e Térmicos EM-54 : aula Capítulo 06 Escoamento Eterno Efeitos Viscosos e érmicos 6.6 Coeficiente de ransferência de Calor por Convecção; 6.7 ransferência de Calor por Convecção Forçada; 6.8 ransferência de Calor

Leia mais

Aula 02 Álgebra Complexa

Aula 02 Álgebra Complexa Campus I Jã Pessa Disciplina: Análise de Circuits Curs Técnic Integrad em Eletrônica Prfª: Rafaelle Felician Aula 02 Álgebra Cmplexa 1. Númers Cmplexs Intrduçã Circuits CC smas algébricas de tensões e

Leia mais

Sumário e Objectivos. Elementos Finitos 1ªAula. Setembro

Sumário e Objectivos. Elementos Finitos 1ªAula. Setembro Sumário e Objectivos Sumário: Apresentação da Disciplina de Elementos Finitos. Conteúdo, Objectivos, Metodologia de Ensino e Avaliação e Bibliografia. Alguns Conceitos Fundamentais. Objectivos da Aula:

Leia mais

KSB KRT Drainer. Bomba submersível para instalação em poço úmido. 3. Denominação. 1. Aplicação. 4. Dados de operação. 2.

KSB KRT Drainer. Bomba submersível para instalação em poço úmido. 3. Denominação. 1. Aplicação. 4. Dados de operação. 2. Folheto Descritivo Nº. A2750.1P/6 KSB KRT Drainer Bomba submersível para instalação em poço úmido Linha: Submersível Hidráulica K 1500/2000/3000 Hidráulica F 1500 Hidráulica FI 1000/1500.1/1500.2 Hidráulica

Leia mais

1 a experiência Escoamento ao redor de um cilindro

1 a experiência Escoamento ao redor de um cilindro 1 a experiência Escoamento ao redor de um cilindro 1) Força de Arrasto sobre um cilindro Quando um fluido escoa ao redor de um objeto, exerce sobre este uma força que pode ser decomposta em uma componente

Leia mais

Unidade Retificadora Chaveada em alta frequência Ventilação Forçada UR 50 A / -48 V / W / Mod. R2K5ES.

Unidade Retificadora Chaveada em alta frequência Ventilação Forçada UR 50 A / -48 V / W / Mod. R2K5ES. BMB Energia Ltda Estrada Maricá Marques, 1055 G.15 (06529-210) Santana de Parnaíba / SP Tel./ Fax. +55.11.4156-1754 www.bmbenergia.com.br Unidade Retificadora Chaveada em alta frequência Ventilação Forçada

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 3: Bobinagem de máquina CA Objetivos: Apresentar um método prático e simples de cálculo da bitola do fio e quantidade de espiras/bobinas de motores de indução, especialmente motores de indução

Leia mais

Análise de Estrutura de Isogrid Submetida a Carregamentos Randômico e Senoidal

Análise de Estrutura de Isogrid Submetida a Carregamentos Randômico e Senoidal Análise de Estrutura de Isogrid Submetida a Carregamentos Randômico e Senoidal Élcio Cassimiro Alves Resumo O conceito de estruturas de isogrid surgiu no começo dos anos 7, quando a indústria aeronáutica

Leia mais

Princípios de Telecomunicações. PRT60806 Aula 19: Modulação por Código de Pulso (PCM) Professor: Bruno Fontana da silva 2014

Princípios de Telecomunicações. PRT60806 Aula 19: Modulação por Código de Pulso (PCM) Professor: Bruno Fontana da silva 2014 1 Princípios de Telecomunicações PRT60806 Aula 19: Modulação por Código de Pulso (PCM) Professor: Bruno Fontana da silva 2014 Bloco de Comunicação Genérico Emissor sinais analógicos x sinais digitais Sinais

Leia mais

Dinâ micâ de Mâ quinâs e Vibrâçõ es II

Dinâ micâ de Mâ quinâs e Vibrâçõ es II Dinâ micâ de Mâ quinâs e Vibrâçõ es II Aula 1 Revisão e princípios básicos: O objetivo desta aula é recapitular conceitos básicos utilizados em Dinâmica e Vibrações. MCU Movimento circular uniforme 1.

Leia mais

ESCOLA DE ENGENHARIA

ESCOLA DE ENGENHARIA COMPONENTES NA MODALIDADE SEMIPRESENCIAL DEPENDÊNCIA ON LINE Critérios: 1. A alunos a partir da 2ª etapa; 2. Até 2 Componentes por semestre; 3. tenham tido, no Componente, frequência mínima de 75%; 4.

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE LABVIEW NA ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS DE SINAIS DE VIBRAÇÃO GERADOS POR DEFEITOS EM ROLAMENTOS DE ROLOS

APLICAÇÃO DO SOFTWARE LABVIEW NA ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS DE SINAIS DE VIBRAÇÃO GERADOS POR DEFEITOS EM ROLAMENTOS DE ROLOS APLICAÇÃO DO SOFTWARE LABVIEW NA ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS DE SINAIS DE VIBRAÇÃO GERADOS POR DEFEITOS EM ROLAMENTOS DE ROLOS Antonio Almeida Silva Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências

Leia mais

Experiência III de Eletrônica Analógica I Osciloscópio

Experiência III de Eletrônica Analógica I Osciloscópio Experiência III de Eletrônica Analógica I Osciloscópio Prof. Gabriel Vinicios Silva Maganha (http://www.gvensino.com.br) Experiência 03 no Proteus - Osciloscópio Objetivos: - Entender o que é um osciloscópio

Leia mais

PME-2350 MECÂNICA DOS SÓLIDOS II AULA #7: VASOS DE PRESSÃO DE PAREDE ESPESSA 1

PME-2350 MECÂNICA DOS SÓLIDOS II AULA #7: VASOS DE PRESSÃO DE PAREDE ESPESSA 1 PME-2350 MECÂNICA DOS SÓLIDOS II AULA #7: VASOS DE PRESSÃO DE PAREDE ESPESSA 1 7.1. Introdução e hipóteses gerais Vimos na aula anterior as equações necessárias para a solução de um problema geral da Teoria

Leia mais

LAPIDADORA DE PISO FP9

LAPIDADORA DE PISO FP9 LAPIDADORA DE PISO FP9 NOVA VERSÃO: COM ENGRENAGEM CONHEÇA OS BENEFÍCIOS QUE A LAPIDADORA DE PISO TRAZ PARA O TRABALHO NA OBRA. A Lapidadora de Piso FP9 é uma nova versão da FLAP12: a transformação foi

Leia mais

CENTRO DE USINAGEM VERTICAL DE 5 EIXOS. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho

CENTRO DE USINAGEM VERTICAL DE 5 EIXOS. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho CENTRO DE USINAGEM VERTICAL DE 5 EIXOS Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho CENTRO DE USINAGEM VERTICAL DE 5 EIXOS AX 320 / AX 450 As peças estruturais de

Leia mais

Caixas F500. VE-001-F500. Copyright FCM 2001

Caixas F500.  VE-001-F500. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-F500 www.fcm.ind.br Caixas F500 Copyright FCM 2001 O conteúdo deste catálogo é de propriedade da empresa FCM - Fábrica de Mancais Curitiba Ltda., sendo proibida a reprodução

Leia mais

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA / Descrição Geral. 4. Dados de Operação

KSB ETA. Bomba Centrífuga para Uso Geral. 1. Aplicação. 3. Denominação KSB ETA / Descrição Geral. 4. Dados de Operação Manual Técnico e Curvas Características Nº A1150.0P/3 Bomba Centrífuga para Uso Geral 1. Aplicação A bomba é indicada para o bombeamento de líquidos limpos ou turvos e encontra aplicação preferencial em

Leia mais

Um estudo dos Componentes e Equipamentos Elétricos e Eletrônicos aplicados em engenharia Civil.

Um estudo dos Componentes e Equipamentos Elétricos e Eletrônicos aplicados em engenharia Civil. Unidade Universitária Escola de Engenharia Curso Engenharia Mecânica Disciplina Eletricidade Professor(es) Teoria: Paulo Guerra Junior Laboratório: José Gomes e Francisco Sukys Carga horária 4 Código da

Leia mais

1) O deslocamento de uma onda progressiva em uma corda esticada é (em unidades do SI)

1) O deslocamento de uma onda progressiva em uma corda esticada é (em unidades do SI) 1) O deslocamento de uma onda progressiva em uma corda esticada é (em unidades do SI) a) Quais são a velocidade e a direção de deslocamento da onda? b) Qual é o deslocamento vertical da corda em t=0, x=0,100

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental - PPGEAmb

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental - PPGEAmb UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental - PPGEAmb DEPARTAMENTO: Engenharia Sanitária e Ambiental IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: CÓDIGO NOME

Leia mais

Relatório de Análise e Diagnóstico: Folga em Redutor

Relatório de Análise e Diagnóstico: Folga em Redutor PS Soluções Indústria, Comércio, Representações e Consultoria Ltda. Rua Cel. Francisco Braz, 185 sala 303 CEP: 37500-052 Itajubá-MG Brasil Tel./Fax: +55 (35) 3621-1525 http://www.pssolucoes.com.br Relatório

Leia mais

Disciplina: Física Turma:1º ano Professor: André Antunes Escola SESI Jundiaí Aluno (a): Data: / / 2017.

Disciplina: Física Turma:1º ano Professor: André Antunes Escola SESI Jundiaí Aluno (a): Data: / / 2017. LISTA DE EXERCÍCIOS LANÇAMENTO VERTICAL E MOVIMENTO CIRCULAR 1- Não é necessário folha em anexo (Fazer na própria lista); 2- Leia com atenção para descobrir o que o exercício pede e retire os dados; 3-

Leia mais

510BZ. Guia linear Recursos e dimensões de cada modelo

510BZ. Guia linear Recursos e dimensões de cada modelo 51BZ Guia linear 51BZ Bloco Trilho Recirculador Raspador Esfera Gaiola de esferas Fig.1 Desenho estrutural da guia linear com gaiola de esferas modelo SHS Recirculador (Seção de retorno) Caminho de circulação

Leia mais