5 SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA WDM DE DOIS CANAIS COM O SOFTWARE VPI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "5 SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA WDM DE DOIS CANAIS COM O SOFTWARE VPI"

Transcrição

1 68 5 SIMULAÇÃO DE UM SISTEMA WDM DE DOIS CANAIS COM O SOFTWARE VPI O software VPI foi originalmente introduzido em 1998 e era conhecido como PDA (Photonic Design Automation). O VPI atualmente agrega os elementos do PDA como um conjunto de elementos (desenvolvimento de metodologias, ferramentas de software e serviços) que norteiam a engenharia de redes ópticas (VPI, 2007a). A necessidade de baixo custo e um maior shakeout dos enlaces de comunicações levaram ao uso de simulações nos diferentes níveis de um enlace óptico. Algumas das vantagens diretas na implementação de simulações são: base para a criação de processos, familiaridade com as próximas gerações de componentes (sem a necessidade de aquisição imediata) e geração de conhecimento nos processos desenvolvidos. A Figura (5.1) apresenta a estrutura geral do software VPI. Figura 5.1: Estrutura geral do software VPI (VPI, 2007a).

2 69 Na camada inferior do VPI encontra-se o VPItransmissionMaker, responsável pela análise de links de comunicações ópticas. Nessa camada, o VPI permite selecionar o tipo e o formato do sinal e estabelecer um trade-off entre a rapidez da simulação e a precisão, podendo esta ser otimizada dependendo da aplicação e do fenômeno estudado. A base do VPItransmissionMaker para a realização das simulações é construída sobre um conjunto de sofisticados modelos matemáticos e numéricos, os quais seguem uma filosofia Black Box e modular. Os efeitos físicos fornecidos por esses modelos são determinados através de parâmetros globais e locais de cada modelo. Uma simulação com o VPI estabelece três elementos principais de monitoramento e controle: Universo (Universe), Galáxia (Galaxy) e Estrela (Star). Uma Estrela é a menor unidade (componente) dentro de uma simulação, não podendo ser alterada. Uma Galáxia é uma unidade (módulo) constituída de várias Estrelas e outras Galáxias. Finalmente, um Universo agrega todas as Galáxias e Estrelas. Dessa forma, o VPI permite a comunicação/compartilhamento de informações entre as Galáxias e as Estrelas. Essa abordagem leva o desenvolvimento da simulação a um paradigma de programação baseado na programação estruturada. Cada um desses objetos permite ajustar seus parâmetros de forma global ou apenas localmente ao objeto. Os principais parâmetros do VPI são: TimeWindow: configura o período de tempo para representar um bloco de dados (tamanho da palavra); esse parâmetro ajusta a resolução do espectro e a precisão da BER. SampleRateDefault: utilizado em todos os módulos como taxa de amostragem; no entanto, diferentes taxas de amostragem podem ser configuradas em cada módulo pelo parâmetro SampleRate. SampleModeCenterFrequency: configura a freqüência central global para todos os canais. BitRateDefault: utilizado em todos os módulos como taxa de bits; no entanto, diferentes taxas de bits podem ser configuradas em cada módulo pelo parâmetro BitRate.

3 70 Como exemplo, a Figura (5.2) apresenta o parâmetro global - TimeWindow. Figura 5.2: Parâmetro global - TimeWindow (VPI, 2007a). A escolha adequada desses parâmetros influencia diretamente o desempenho da simulação e até se a mesma vai ser executada ou não. Algumas regras simples são: SampleRateDefault x TimeWindow: deve ser uma potência de dois, 2 n BitRateDefault x TimeWindow: deve ser uma potência de dois, 2 m Uma forma de definir esses parâmetros adequadamente consiste em escolher inicialmente a Taxa de Bits (BitRate) do sistema a ser simulado. A próxima etapa consiste em escolher quantos blocos de dados serão amostrados a essa Taxa de Bits e, em seguida, qual é o tamanho da palavra utilizada (TimeWindow). A Tabela (5.1) resume esses parâmetros. Sistema BitRate SampleRate TimeWindow Amostras/Bloco 2,5 Gbp/s único canal NRZ 2,5e9 8 * 2,5e9 64 / 2,5e * 2,5e9 512 / 2,5e * 2,5e / 2,5e Gbp/s único canal NRZ 10e9 8 * 2,5e9 64 / 2,5e * 2,5e9 512 / 2,5e * 2,5e / 2,5e Tabela 5.1: Parâmetros globais típicos de uma simulação com o VPI.

4 Taxa de Erro de Bit (BER) Com o intuito de ganhar maior familiaridade com a montagem do sistema WDM de dois canais (1310 nm e 1550 nm) utilizada no experimento remoto implementado, foram realizadas simulações da medida da BER do sistema. Todas as simulações foram realizadas utilizando-se modulação externa dos lasers e os parâmetros para a fibra óptica mostrados na Tabela (5.2): Canal (nm) Coeficiente de Atenuação (dbm/km) Coeficiente de Dispersão (ps/nm.km) ,35 0, ,38 Tabela 5.2: Parâmetros da fibra óptica utilizados na simulação. A Figura (5.3) mostra a estrutura do aplicativo desenvolvido com o VPI para a simulação da BER do sistema. Figura 5.3: Estrutura do aplicativo em VPI para simulação da Taxa BER.

5 BER em função da Potência do Laser para vários Comprimentos Esta simulação foi realizada com o objetivo de investigar o comportamento da BER para cada canal com relação à variação da potência fornecida pelos lasers para diferentes comprimentos da fibra óptica. Nas Figuras (5.4) e (5.5) são mostrados os resultados obtidos utilizando-se respectivamente valores para a largura dos lasers iguais a 50 MHz e 1 GHz em ambos os canais. Observando a Figura (5.4) verifica-se para ambos os canais que a BER diminui à medida que a potência dos lasers aumenta. Esse resultado era esperado, uma vez que o aumento da potência do laser corresponde a um aumento do valor médio do nível de potência para o bit 1, de modo que melhora a capacidade do sistema de distinguir entre o bit 0 e o bit 1. Nota-se ainda que para uma dada potência e comprimento da fibra, o desempenho do canal de 1550 nm é significativamente melhor do que o do canal de 1310 nm. Esse resultado pode ser explicado considerando-se que o canal de 1310 nm apresenta uma atenuação maior do que o canal de 1550 nm. Verifica-se também que os valores da BER aumentam quando a Taxa de Bits passa de 1 Gbps para 10 Gbps. Comparando as Figuras (5.4) e (5.5) verifica-se que a BER aumenta significativamente quando a largura dos lasers passa de 50 MHz para 1 GHz para ambos os canais operando a taxa de bits igual a 1 Gbps. Quando a taxa de bits é igual a 10 Gbps esse aumento é menor, indicando que o desempenho do sistema já está limitado pela taxa de bits. Nota-se também que para largura do laser igual a 1 GHz as curvas tendem a um patamar mínimo à medida que a potência aumenta, denominado BER-floor. Esse efeito é mais pronunciado para 1550 nm.

6 73 É importante observar que a análise das curvas obtidas permite determinar a potência óptica mínima do laser necessária à operação do sistema com um nível de BER mínimo especificado para um determinado comprimento da fibra óptica. Geralmente, essa potência mínima é determinada com base no canal de menor desempenho. Por exemplo, no caso de um sistema operando com lasers de largura 50 MHz, taxa de bits 1 Gbps e comprimento da fibra 10 km, para obter-se um nível de BER mínimo de referência igual a é necessário utilizar uma potência mínima igual a -15 dbm. Esse valor é determinado com base no canal de 1310 nm, o qual apresenta a maior perda. A Tabela (5.3) mostra os valores utilizados para os parâmetros principais. Parâmetros Largura do Laser 1310 nm Largura do Laser 1550 nm Potência Laser Taxa de Bit Atenuação de Entrada 1310 nm Atenuação de Entrada 1550 nm Comprimento da Fibra Perda por Inserção Atenuação da Fibra 1310nm Atenuação da FIbra 1550nm Dispersão 1310 nm Dispersão 1550 nm Valores 50 MHz e1ghz 50 MHz e1ghz 0,01 mw até 0,5 mw (55 pontos) 1 Gbps e 10 Gbps 0 dbm 0 dbm 10 até 50 km (5 curvas) 1,3 dbm 0,35 dbm/km 0,22 dbm/km 0 ps/nm.km 17, ps/nm.km Tabela 5.3: Parâmetros utilizados na simulação: BER em função da Potência do Laser para vários Comprimentos.

7 74 (a) (b) (c) (d) Figura 5.4: BER x Potência do Laser (Largura dos lasers de 50 MHz): (a) Taxa de Bits 1 Gbps / Canal de 1310 nm ; (b) Taxa de Bits 1 Gbps / Canal de 1550 nm; (c) Taxa de Bits 10 Gbps / Canal de 1310 nm; (d) Taxa de Bits 10 Gbps / Canal de 1550 nm.

8 75 (a) (b) (c) (d) Figura 5.5: BER x Potência do Laser (Largura dos lasers de 1 GHz): (a) Taxa de Bits 1 Gbps / Canal de 1310 nm ; (b) Taxa de Bits 1 Gbps / Canal de 1550 nm; (c) Taxa de Bits 10 Gbps / Canal de 1310 nm; (d) Taxa de Bits 10 Gbps / Canal de 1550 nm.

9 BER em função da Largura do Laser para vários Comprimentos Esta simulação foi realizada com o objetivo de investigar o comportamento da BER para cada canal com relação à variação da largura dos lasers para diferentes comprimentos da fibra óptica. Nas Figuras (5.6) e (5.7) são mostrados os resultados obtidos utilizando-se respectivamente valores para a taxa de bits dos lasers iguais a 1 Gbps e 10 Gbps em ambos os canais. Observando a Figura (5.6) verifica-se para ambos os canais que a BER aumenta à medida que a largura dos lasers aumenta. Esse resultado era esperado, uma vez que o aumento da largura do laser produz uma maior superposição de bits, modo que piora a capacidade do sistema de distinguir entre bits 0 e 1 sucessivos. Esse efeito é mais pronunciado para fibras de comprimento menor. Como no caso anterior, verifica-se que o desempenho do canal de 1550 nm é significativamente melhor do que o do canal de 1310 nm e, conforme esperado, que os valores da BER aumentam quando a potência dos lasers passa de 0,1 mw para 0,065 mw. Comparando as Figuras (5.6) e (5.7) verifica-se que a influência da largura sobre a BER diminui para ambos os canais quando a taxa de bits passa de 1 Gbps para 10 Gbps, indicando novamente que o desempenho do sistema já está limitado pela taxa de bits. Verifica-se que, esse efeito é mais pronunciado para o canal de 1310 nm.

10 77 Os resultados das simulações e mostram que, para as situações analisadas, a atenuação é um fator mais importante do que a dispersão no que se refere à limitação do desempenho do sistema, uma vez que a BER é sempre maior no canal de 1310 nm para o qual o coeficiente de atenuação na fibra (0,35 dbm/km) é maior do que para o canal de 1550 nm (0,22 dbm/km). Isso ocorre embora o coeficiente de dispersão na fibra seja menor para o canal de 1310 nm (0 ps/nm.km) do que para o canal de 1550 nm (17 ps/nm.km). A Tabela (5.4) mostra os valores utilizados para os parâmetros principais. Parâmetros Largura do Laser 1310 nm Largura do Laser 1550 nm Potência Laser Taxa de Bit Atenuação de Entrada 1310 nm Atenuação de Entrada 1550 nm Comprimento da Fibra Perda por Inserção Atenuação da Fibra 1310nm Atenuação da FIbra 1550nm Dispersão 1310 nm Dispersão 1550 nm Valores 50 MHz até 1 GHz (55 pontos) 50 MHz até 1 GHz (55 pontos) 0,1 mw e 0,065 mw 1 Gbps e 10 Gbps 0 dbm 0 dbm 10 até 50 km (5 curvas) 1,3 dbm 0,35 dbm/km 0,22 dbm/km 0 ps/nm.km 17, ps/nm.km Tabela 5.4: Parâmetros utilizados na simulação: BER em função da Largura do Laser para vários Comprimentos.

11 78 (a) (b) (c) (d) Figura 5.6: BER x Largura do Laser (Taxa de Bits 1 Gbps): (a) Potência de 0,1 mw / Canal de 1310 nm ; (b) Potência de 0,1 mw / Canal de 1550 nm; (c) Potência de 0,065 mw / Canal de 1310 nm; (d) Potência de 0,065 mw / Canal de 1550 nm.

12 79 (a) (b) (c) (d) Figura 5.7: BER x Largura do Laser (Taxa de Bits 10 Gbps): (a) Potência de 0,1 mw / Canal de 1310 nm ; (b) Potência de 0,1 mw / Canal de 1550 nm; (c) Potência de 0,065 mw / Canal de 1310 nm; (d) Potência de 0,065 mw / Canal de 1550 nm.

13 BER em função da Potência Recebida para várias Taxas de Bits Esta simulação foi realizada com o objetivo de investigar o comportamento da BER para cada canal com relação à variação da potência recebida (ROP - Received Optic Power) para diferentes taxas de bits. Nas Figuras (5.8) e (5.9) são mostrados os resultados obtidos utilizando-se respectivamente valores para a largura dos lasers iguais a 50 MHz e 1 GHz em ambos os canais. Observando a Figura (5.8) verifica-se que para ambos os canais a BER diminui à medida que a potência recebida aumenta. Nota-se também que, mantendo fixo o valor da potência recebida, a BER não varia significativamente com a taxa de bits na faixa de 0,25 a 1,25 Gbps. Na faixa de 2,5 a 12,5 Gbps a BER aumenta com a taxa de bits, sendo esse efeito mais pronunciado para o canal de 1550 nm. Nesse caso, o desempenho do canal de 1310 torna-se melhor do que o do canal de 1550 nm à medida que aumenta a taxa de bits. Comparando as Figuras (5.8) e (5.9) verifica-se que, mantendo a potência recebida fixa, a BER diminui com a taxa de bits na faixa de 0,25 a 1,25 Gbps quando a largura dos lasers passa de 50 MHz para 1 GHz para ambos os canais. Na faixa de 2,5 a 12,5 Gbps a BER aumenta com a taxa de bits, sendo esse efeito mais pronunciado para o canal de 1550 nm. É importante notar que para o canal de 1310 nm ocorre um cruzamento das curvas correspondentes a taxas de bits de 2,5 e 5,0 Gbps. Esses resultados permitem antecipar a existência de um ponto de mínimo na curva BER x Taxa de bits, cuja posição deve depender da largura dos lasers.

14 81 A Tabela (5.5) mostra os valores utilizados para os parâmetros principais. Parâmetros Largura do Laser 1310 nm Largura do Laser 1550 nm Potência Laser Taxa de Bit Atenuação de Entrada 1310 nm Atenuação de Entrada 1550 nm Comprimento da Fibra Perda por Inserção Atenuação da Fibra 1310nm Atenuação da FIbra 1550nm Dispersão 1310 nm Dispersão 1550 nm Valores 50 MHz e1ghz 50 MHz e1ghz 1,2 mw 0,25 até 1,25 Gbps (5 curvas) 2,5 até 12,5 Gbps (5 curvas) 0 até 6 dbm (55 pontos) 6,5 até 12,5 dbm (55 pontos) 50 km 1,3 dbm 0,35 dbm/km 0,22 dbm/km 0 ps/nm.km 17, ps/nm.km Tabela 5.5: Parâmetros utilizados na simulação: BER em função da Potência Recebida (ROP) para várias Taxas de Bits.

15 82 (a) (b) (c) (d) Figura 5.8: BER x Potência Recebida (Enlace de 50 km, Largura dos lasers de 50 MHz e Potência dos lasers de 1,2 mw): (a) Taxa de bits 0,25 até 1,25 Gbps / Canal de 1310 nm ; (b) Taxa de bits 0,25 até 1,25 Gbps / Canal de 1550 nm; (c) Taxa de bits 2,5 até 12,5 Gbps / Canal de 1310 nm; (d) Taxa de bits 2,5 até 12,5 Gbps / Canal de 1550 nm.

16 83 (a) (b) (c) (d) Figura 5.9: BER x Potência Recebida (Enlace de 50 km, Largura dos lasers de 1 GHz e Potência dos lasers de 1,2 mw): (a) Taxa de bits 0,25 até 1,25 Gbps / Canal de 1310 nm ; (b) Taxa de bits 0,25 até 1,25 Gbps / Canal de 1550 nm; (c) Taxa de bits 2,5 até 12,5 Gbps / Canal de 1310 nm; (d) Taxa de bits 2,5 até 12,5 Gbps / Canal de 1550 nm.

17 84 As Figuras (5.10) e (5.11) mostram os Diagramas de Olho para o sinal óptico de saída correspondente ao canal de 1310 nm com largura do laser igual a 1 GHz para várias atenuações (menor atenuação corresponde a maior potência recebida), respectivamente para Taxas de Bits de 0,25, 0,5 e 1 Gbps e Taxas de Bits de 2,5, 5 e 10 Gbps. A partir da Figura (5.10) verifica-se que, conforme esperado, para largura do laser igual a 1 GHz o desempenho do canal de 1310 nm melhora à medida que aumenta a taxa de bits na faixa de 0,25 a 1 Gbps. Nota-se também que o desempenho piora à medida que aumenta a atenuação (diminui a potência recebida). Observando a Figura (5.11) verifica-se que, conforme esperado, para largura do laser igual a 1 GHz o desempenho do canal de 1310 nm piora à medida que aumenta a taxa de bits na faixa de 2,5 a 10 Gbps. Como no caso anterior, o desempenho piora à medida que aumenta a atenuação (diminui a potência recebida). Nas Figuras (5.12) e (5.13) são mostrados os Diagramas de Olho para o sinal óptico de saída correspondente ao canal de 1550 nm com largura do laser igual a 1 GHz para várias atenuações, respectivamente para Taxas de Bits de 0,25, 0,5 e 1 Gbps e Taxas de Bits de 2,5, 5 e 10 Gbps. Observa-se um comportamento semelhante ao do canal de 1310 nm. Nota-se também, conforme esperado, que para taxas de bits na faixa de 2,5 a 10 Gbps, o desempenho do canal de 1550 nm é mais sensível à variação da taxa de bits e menos sensível à variação da potência recebida em comparação com o desempenho do canal de 1310.

18 85 0,25 Gbps 0,5 Gbps 1 Gbps Figura 5.10: Diagramas de Olho para o Canal de 1310 nm / Largura do laser 1 GHz com atenuações de 0,3e6dBm(horizontal) e Taxas de Bits (vertical) de 0,25, 0,5 e 1 Gbps.

19 86 2,5 Gbps 5 Gbps 10 Gbps Figura 5.11: Diagramas de Olho para o Canal de 1310 nm / Largura do laser 1 GHz com atenuações de 0,3e6dBm(horizontal) e Taxas de Bits (vertical) de 2,5, 5e10Gbps.

20 87 0,25 Gbps 0,5 Gbps 1 Gbps Figura 5.12: Diagramas de Olho para o Canal de 1550 nm / Largura do laser 1 GHz com atenuações de 6,5, 9,5 e 12,5 dbm (horizontal) e Taxas de Bits (vertical) de 0,25, 0,5 e 1 Gbps.

21 88 2,5 Gbps 5 Gbps 10 Gbps Figura 5.13: Diagramas de Olho para o Canal de 1550 nm / Largura do laser 1GHz com atenuações de 6,5, 9,5 e 12,5 dbm (horizontal) e Taxas de Bits (vertical) de 2,5, 5e10Gbps.

22 5.1.4 BER em função do Comprimento da Fibra para várias Taxas De Bits 89 Esta simulação foi realizada com o objetivo de investigar o comportamento da BER para cada canal com relação à variação do comprimento da fibra óptica para diferentes taxas de bits. Nas Figuras (5.14) e (5.15) são mostrados os resultados obtidos utilizando-se respectivamente valores para a largura dos lasers iguais a 50 MHz e 1 GHz em ambos os canais. Observando a Figura (5.14) verifica-se para ambos os canais que a BER aumenta à medida que o comprimento da fibra aumenta. Nota-se também que, mantendo fixo o valor do comprimento, a BER não varia significativamente com a taxa de bits na faixa de 0,25 a 1,25 Gbps. Na faixa de 2,5 a 12,5 Gbps a BER aumenta com a taxa de bits para ambos os canais, sendo esse efeito novamente mais pronunciado para o canal de 1550 nm, embora o desempenho do canal de 1550 mantenha-se sempre melhor do que o do canal de 1310 nm. Comparando as Figuras (5.14) e (5.15) verifica-se que, mantendo o comprimento da fibra fixo, a BER diminui com a taxa de bits na faixa de 0,25 a 1,25 Gbps quando a largura dos lasers passa de 50 MHz para 1 GHz para ambos os canais. Na faixa de 2,5 a 12,5 Gbps a BER não varia significativamente com a taxa de bits para o canal de 1310 nm e aumenta com a taxa de bits para o canal de 1550 nm. Nota-se novamente a ocorrência de um cruzamento das curvas correspondentes a taxas de bits de 2,5 e 5,0 Gbps, desta vez para o canal de 1550 nm, indicando a existência de um ponto de mínimo na curva BER x Taxa de bits, cuja posição deve depender do comprimento da fibra.

23 90 A Tabela (5.6) mostra os valores utilizados para os parâmetros principais. Parâmetros Largura do Laser 1310 nm Largura do Laser 1550 nm Potência Laser Taxa de Bit Atenuação de Entrada 1310 nm Atenuação de Entrada 1550 nm Comprimento da Fibra Perda por Inserção Atenuação da Fibra 1310nm Atenuação da FIbra 1550nm Dispersão 1310 nm Dispersão 1550 nm Valores 50 MHz e1ghz 50 MHz e1ghz 0,05 mw e 0,035 mw 0,25 Gbps até 1,25 Gbps (5 curvas) 2,5 Gbps até 12,5 Gbps (5 curvas) 0 dbm 0 dbm 10 até 50 km (55 pontos) 1,3 dbm 0,35 dbm/km 0,22 dbm/km 0 ps/nm.km 17, ps/nm.km Tabela 5.6: Parâmetros utilizados na simulação: BER em função do Comprimento da Fibra para várias Taxas de Bits.

24 91 (a) (b) (c) (d) Figura 5.14: BER x Comprimento (Largura dos lasers de 50 MHz): (a) Potência 0,05 mw/taxa de Bits de 0,25 a 1,25 Gbps / Canal de 1310 nm ; (b) Potência 0,05 mw/taxa de Bits de 0,25 a 1,25Gbps / Canal de 1550 nm; (c) Potência 0,035 mw/taxa de Bits de 2,5 a 12,5 Gbps / Canal de 1310 nm; (d) Potência 0,035 mw/taxa de Bits de 2,5 a 12,5 Gbps / Canal de 1550 nm.

25 92 (a) (b) (c) (d) Figura 5.15: BER x Comprimento (Largura dos Lasers de 1 GHz): (a) Potência 0,05 mw/taxa de Bits de 0,25 a 1,25 Gbps / Canal de 1310 nm ; (b) Potência 0,05 mw/taxa de Bits de 0,25 a 1,25 Gbps / Canal de 1550 nm; (c) Potência 0,05 mw/taxa de Bits de 2,5 a 12,5 Gbps / Canal de 1310 nm; (d) Potência 0,05 mw/taxa de Bits de 2,5 a 12,5 Gbps / Canal de 1550 nm.

26 93 Nas Figuras (5.16) e (5.17) são mostrados os Diagramas de Olho para o sinal óptico de saída correspondente ao canal de 1310 nm com largura do laser igual a 1 GHz para vários comprimentos da fibra óptica, respectivamente para Taxas de Bits de 0,25, 0,5 e 1 Gbps e Taxas de Bits de 2,5,5e10Gbps. Observando a Figura (5.16) verifica-se que, conforme esperado, para largura do laser igual a 1 GHz o desempenho do canal de 1310 nm melhora à medida que aumenta a taxa de bits na faixa de 0,25 a 1 Gbps. Nota-se também que o desempenho piora significativamente à medida que aumenta o comprimento da fibra, com o olho fechando-se totalmente para comprimento igual a 100 km. A partir da Figura (5.17) verifica-se que, conforme esperado, para largura do laser igual a 1 GHz o desempenho do canal de 1310 nm não varia significativamente com a taxa de bits na faixa de 2,5 a 10 Gbps. Como no caso anterior, o desempenho piora à medida que aumenta o comprimento da fibra. Os Diagramas de Olho (Figuras 5.18 e 5.19), mostram o sinal óptico de saída correspondente ao canal de 1550 nm com largura do laser igual a 1 GHz para vários comprimentos da fibra óptica, para Taxas de Bits de 0,25, 0,5 e 1 Gbps e Taxas de Bits de 2,5, 5e10Gbps. Observa-se que na faixa de 0,25 a 1 Gbps o comportamento do canal de 1550 nm é semelhante ao do canal de 1310 nm, embora um pouco menos sensível à variação da taxa de bits. Na faixa de 2,5 a 10 Gbps o desempenho piora à medida que aumenta a taxa de bits e/ou aumenta o comprimento da fibra.

27 94 0,25 Gbps 0,5 Gbps 1 Gbps Figura 5.16: Diagramas de Olho para o Canal de 1310 nm / Largura do laser 1 GHz com comprimentos de fibra iguais a 10, 50 e 100 km (horizontal) e Taxas de Bits (vertical) de 0,25, 0,5 e 1 Gbps.

28 95 2,5 Gbps 5 Gbps 10 Gbps Figura 5.17: Diagramas de Olho para o Canal de 1310 nm / Largura do laser 1 GHz com comprimentos de fibra iguais a 10, 50 e 100 km (horizontal) e Taxas de Bits (vertical) de 2,5, 5 e 10 Gbps.

29 96 0,25 Gbps 0,5 Gbps 1 Gbps Figura 5.18: Diagramas de Olho para o Canal de 1550 nm / Largura do laser 1 GHz com comprimentos de fibra iguais a 10, 50 e 100 km (horizontal) e Taxas de Bits (vertical) de 0,25, 0,5 e 1 Gbps.

30 97 2,5 Gbps 5 Gbps 10 Gbps Figura 5.19: Diagramas de Olho para o Canal de 1550 nm / Largura do laser 1 GHz com comprimentos de fibra iguais a 10, 50 e 100 km (horizontal) e Taxas de Bits (vertical) de 2,5, 5 e 10 Gbps.

31 BER em função da Taxa de Bits para várias Larguras Esta simulação foi realizada com o objetivo de investigar o comportamento da BER para cada canal com relação à variação da Taxa de Bits para diferentes larguras dos lasers. Na Figura (5.20) são mostrados os resultados obtidos. Observando a Figura (5.20) verifica-se para ambos os canais que, conforme indicado pelos resultados das simulações e 5.1.4, inicialmente a BER diminui à medida que a taxa de bits aumenta, atingindo um valor mínimo a partir do qual passa a aumentar. O valor desse mínimo aumenta com a largura do laser e diminui com o comprimento da fibra, situando-se no caso das simulações realizada entre 1 a 5 Gbps. A Tabela (5.7) mostra os parâmetros utilizados. Parâmetros Largura do Laser 1310 nm Largura do Laser 1550 nm Potência Laser Taxa de Bit Atenuação de Entrada 1310 nm Atenuação de Entrada 1550 nm Comprimento da Fibra Perda por Inserção Atenuação da Fibra 1310nm Atenuação da FIbra 1550nm Dispersão 1310 nm Dispersão 1550 nm Valores 50 MHz até 1,05 GHz 50 MHz até 1,05 GHz 0,035 mw para 10 km e 0,25 mw para 50 km 0,25 Gbps até 12,5 Gbps (5 curvas) 0 dbm 0 dbm 10 e 50 km 1,3 dbm 0,35 dbm/km 0,22 dbm/km 0 ps/nm.km 17, ps/nm.km Tabela 5.7: Parâmetros utilizados na simulação: BER em função da Taxa de Bits para várias Larguras.

32 99 (a) (b) (c) (d) Figura 5.20: BER x Taxa de Bits (Largura dos lasers de 50 MHz até 1,05 GHz): (a) Enlace de 50 km / 0,25 mw de Potência / Canal de 1310 nm ; (b) Enlace de 50 km / 0,25 mw de Potência / Canal de 1550 nm; (c) Enlace de 10 km / 0,035 mw de Potência / Canal de 1310 nm; (d) Enlace de 10 km / 0,035 mw de Potência / Canal de 1550 nm.

33 100 Nas Figuras (5.21) e (5.22) são mostrados os Diagramas de Olho para o sinal óptico de saída correspondente ao canal de 1310 nm para várias taxas de bits e larguras do laser, respectivamente para valores do comprimento da fibra de 10 km e 50 km. Observa-se que, conforme esperado, a partir da largura do laser igual a 0,55 MHz o desempenho de ambos os canais melhora quando a taxa de bits passa de 0,25 a 5 Gbps e piora novamente quando a taxa de bits passa para 12,5 Gbps. Nas Figuras (5.23) e (5.24) são mostrados os Diagramas de Olho para o sinal óptico de saída correspondente ao canal de 1550 nm para várias taxas de bits e larguras do laser, respectivamente para comprimentos de fibra de 10 km e 50 km.

34 101 0,25 Gbps 5,0 Gbps 12,5 Gbps Figura 5.21: Diagramas de Olho para o Canal de 1310 nm para enlace de 10 km com larguras do laser de 50 MHz, 0.55 GHz e 1,05 GHz (horizontal) e Taxas de Bits (vertical) de 0,25, 5,0 e 12,5 Gbps.

35 102 0,25 Gbps 5,0 Gbps 12,5 Gbps Figura 5.22: Diagramas de Olho para o Canal de 1310 nm para enlace de 50 km com larguras do laser de 50 MHz, 0,55 GHz e 1,05 GHz (horizontal) e Taxas de Bits (vertical) de 0,25, 5,0 e 12,5 Gbps.

36 103 0,25 Gbps 5,0 Gbps 12,5 Gbps Figura 5.23: Diagramas de Olho para o Canal de 1550 nm para enlace de 10 km com larguras do laser de 50 MHz, 0,55 GHz e 1,05 GHz (horizontal) e Taxas de Bits (vertical) de 0,25, 5,0 e 12,5 Gbps.

37 104 0,25 Gbps 5,0 Gbps 12,5 Gbps Figura 5.24: Diagramas de Olho para o Canal de 1550 nm para enlace de 50 km com larguras do laser de 50 MHz, 0,55 GHz e 1,05 GHz (horizontal) e Taxas de Bits (vertical) de 0,25, 5,0 e 12,5 Gbps.

5 Resultados. 1 Os resultados apresentados foram obtidos com 1 rodada do simulador.

5 Resultados. 1 Os resultados apresentados foram obtidos com 1 rodada do simulador. 5 Resultados A dificuldade em modelar analiticamente o comportamento de sistemas celulares hierarquizados faz com que grande parte dos estudos de desempenho destes sistemas seja baseada em simulações.

Leia mais

4. Montagem Experimental

4. Montagem Experimental 4. Montagem Experimental Este capítulo está dividido em duas partes. A primeira consiste na descrição do montagem experimental para se obter o ganho Raman e a segunda consiste na descrição do montagem

Leia mais

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis

MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Instrumentação Eletrônica Professor: Luciano Cavalcanti MEDIÇÃO DE TAXA DE ERRO DE BIT Alba Angélica Ratis Este

Leia mais

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS.

SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS. SISTEMAS DE COMUNICAÇÃO ÓPTICA : INICIAR A PROPOSTA DA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM DISCIPLINA OPTATIVA, DURANTE PERÍODO DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS. Sandra Maria Dotto Stump sstump@mackenzie.com.br Maria Aparecida

Leia mais

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA

ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA ENLACE DE MICRO-ONDAS RELACIONADO A ATENUAÇÃO DEVIDO À CHUVA Caio Matheus Pereira Braga, Diego de Brito Piau, Heitor Ferreira Camargos Silva, Rafael Resende Moraes Dias, Yago Gomes Dos Santos Universidade

Leia mais

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek 6.5. Caracterização da saturação do LNBF A verificação de nível de saturação no LNBF foi feita com o aumento do nível de sinal de TX até que se observasse frequências espúrias no analisador de espectro.

Leia mais

Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre. Fibra óptica

Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre. Fibra óptica Anais do XIX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1980178 Projeto de Múltiplas RSSF operando sobre Maria Caroline de Andrade PUC-Campinas Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias maria.ca@puccampinas.edu.br

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO

PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO PROJETO DE DIMENSIONAMENTO DE ENLACE DE RÁDIO Diego de Brito Piau, Gilberto Arantes Carrijo Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica, Uberlândia-MG diegopiau@yahoo.com.br, gilberto@ufu.br

Leia mais

Simulações Utilizando o OptiSystem. Belém - Mar 2006

Simulações Utilizando o OptiSystem. Belém - Mar 2006 Simulações Utilizando o OptiSystem Belém - Mar 2006 1 Conteúdo 1. Visão Geral 2. O Ambiente de Simulação 2.1 Conceito de SubSistema 3. Biblioteca de Componentes 4. Modelos Implementados 5. Variando Parâmetros

Leia mais

4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO

4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO 4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO Este bloco de ensaios visa a avaliar as características dos sistemas de TV Digital ATSC, DVB-T e ISDB-T para recepção dos sinais. 4.1 Limiar da relação portadora

Leia mais

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Antonio Vivaldi Rodrigues Diretor de Engenharia CelPlan 2/32 Í N D I C E 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 2. INTRODUÇÃO... 6 3. SETUP

Leia mais

WDM e suas Tecnologias

WDM e suas Tecnologias Universidade Federal do Rio de Janeiro Escola Politécnica Departamento de Eletrônica e Computação EEL 878 Redes de Computadores I Turma EL1-2004/1 Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Aluna: Mariangela

Leia mais

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO Davi Schmutzler Valim Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC davi_valim@puccampinas.edu.br Resumo: O trabalho trata de fazer

Leia mais

Enunciados de Problemas

Enunciados de Problemas INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES Enunciados de Problemas de Sistemas de Telecomunicações I Ano Lectivo de 2002/2003 2.17 Admita que o coeficiente de

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA

Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Centro Federal de Educação Tecnológica CEFET/BA Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Rafael Freitas Reale Aluno: Data / / Prova Final de Redes Teoria Base 1) Qual o tipo de ligação e a topologia respectivamente

Leia mais

Infraestrutura para Redes de 100 Gb/s. André Amaral Marketing andre.amaral@padtec.com Tel.: + 55 19 2104-0408

Infraestrutura para Redes de 100 Gb/s. André Amaral Marketing andre.amaral@padtec.com Tel.: + 55 19 2104-0408 Infraestrutura para Redes de 100 Gb/s 1 André Amaral Marketing andre.amaral@padtec.com Tel.: + 55 19 2104-0408 Demanda por Banda de Transmissão: 100 Gb/s é Suficiente? Demanda por Banda de Transmissão:

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

NORMA Nº 15/96. CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz.

NORMA Nº 15/96. CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz. NORMA Nº 15/96 CANALIZAÇÃO E CONDIÇÕES DE USO DE FREQÜÊNCIAS PARA SISTEMAS DIGITAIS DE RADIOCOMUNICAÇÃO NA FAIXA DE 18 GHz. 1-OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer a canalização e as condições

Leia mais

6 Testes realizados. 6.1. Descrição do teste

6 Testes realizados. 6.1. Descrição do teste 6 Testes realizados Neste capítulo serão descritos os testes realizados com o equipamento e a posterior avaliação dos resultados obtidos. Estes, por sua vez, serão comparados aos resultados fornecidos

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Transceptor WDM-PON com Apagamento e Reuso de Portadora

Transceptor WDM-PON com Apagamento e Reuso de Portadora 1 IA364 MÉTODOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Transceptor WDM-PON com Apagamento e Reuso de Portadora Aluno: Fernando R. Pereira - RA 026946 Prof.: Ivan Ricarte Junho - 2014 2 Agenda Introdução

Leia mais

Certificação de redes ópticas de 10GbE

Certificação de redes ópticas de 10GbE CABEAMENTO ESTRUTURADO Certificação de redes ópticas de 10GbE 70 RTI DEZ 2008 JDSU (Brasil) As redes ópticas baseadas em 10GbE exigem um bom processo de certificação. O artigo a seguir detalha os principais

Leia mais

5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes

5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes 86 5 Comportamento Dinâmico de um EDFA com Ganho Controlado sob Tráfego de Pacotes No capítulo anterior estudamos a resposta do EDFA sob variações lentas da potência em sua entrada e vimos que é possível

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

DWDM A Subcamada Física da Rede Kyatera

DWDM A Subcamada Física da Rede Kyatera DWDM A Subcamada Física da Rede Kyatera José Roberto B. Gimenez Roteiro da Apresentação Tecnologia DWDM A rede Kyatera SC09 Bandwidth Challenge Conclusão Formas de Multiplexação em FO TDM Time Division

Leia mais

8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso

8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso 122 8 Otimização do Desempenho do EDFA num Sistema Óptico de Armazenamento de Pacotes por Linha de Atraso Nas redes WDM, os pacotes são encaminhados entre os diferentes nós da rede até o seu destino desde

Leia mais

COAXDATA. Coaxdata Homeplug e Coaxdata Gigabit ADAPTADOR COAXIAL ETHERNET. 200 Mbps. 700 Mbps. 300 Catálogo 2013 / 2014

COAXDATA. Coaxdata Homeplug e Coaxdata Gigabit ADAPTADOR COAXIAL ETHERNET. 200 Mbps. 700 Mbps. 300 Catálogo 2013 / 2014 ADAPTADOR COAXIAL ETHERNET QR-A00171 Coaxdata Homeplug e Coaxdata Gigabit A largura de banda do cabo coaxial permite combinar outros serviços no cabo sem interferir o sinal de televisão. O Coaxdata é um

Leia mais

Treinamento FIBRAS ÓPTICAS. Eng. Marcelo dos Santos. Seicom Florianópolis. Abril de 2008

Treinamento FIBRAS ÓPTICAS. Eng. Marcelo dos Santos. Seicom Florianópolis. Abril de 2008 Treinamento FIBRAS ÓPTICAS Eng. Marcelo dos Santos Seicom Florianópolis Abril de 2008 Programa Tipos de conectores de F.O; Quais conectores os SDH da Vivo FNS usam; Atenuação na fibra; Diferenças entre

Leia mais

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução

3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de transmissão planar 3.1.Introdução 3 Configurações para realização do transformador de impedância em linha de 3.1.Introdução Neste capítulo serão apresentadas diversas configurações que possibil itam a realização do transformador de impedância

Leia mais

Multiplicação da Capacidade: Uso de Spot Beams em Banda Ka

Multiplicação da Capacidade: Uso de Spot Beams em Banda Ka Multiplicação da Capacidade: Uso de Spot Beams em Banda Ka 20 de Outubro de 2010 Diretoria de Engenharia Gerência de Sistemas de Comunicações (ENGSIS) Confidencial 1/ 15 Introdução 1/4 A Banda Ka, devido

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-200

Descritivo Técnico AirMux-200 Multiplexador Wireless Broadband -Visualização da unidade indoor IDU e unidade outdoor ODU com antena integrada- Principais Características Rádio e multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1

Leia mais

DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS. Especificações Técnicas. Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00.

DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS. Especificações Técnicas. Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00. COMPANHIA ESTADUAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DIVISÃO DE MANUTENCAO DEPARTAMENTO DE MANUTENCAO DE SISTEMAS DIGITAIS Especificações Técnicas Rádios Banda Larga 5.8GHz e Antenas ETD- 00.058 Cod.

Leia mais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais

e P= 60,65% de P o . informa a largura do pulso. Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais Balanço do tempo de subida Balanço de dispersão Considerações iniciais A resposta da fibra a uma entrada impulsiva é um pulso gaussiano. Na qual é o desvio padrão correspondente a largura do pulso no domínio

Leia mais

1. Descrição do Produto

1. Descrição do Produto 1. Descrição do Produto Os repetidores óticos FOCOS/PROFIBUS AL-2431 e AL-2432 destinam-se a interligação de quaisquer dispositivos PROFIBUS, assegurando altíssima imunidade a ruídos através do uso de

Leia mais

5 VIATURA DE MEDIDAS, PLANEJAMENTO E OS TESTES DE CAMPO

5 VIATURA DE MEDIDAS, PLANEJAMENTO E OS TESTES DE CAMPO 5 VIATURA DE MEDIDAS, PLANEJAMENTO E OS TESTES DE CAMPO A viatura de medidas é equipada para o levantamento com mastro retrátil de até 10 m de altura, um conjunto de instrumentos de medida e de armazenamento

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Uso do Espectro em 3,5GHz e Recepção Satélite na Banda C

Uso do Espectro em 3,5GHz e Recepção Satélite na Banda C Uso do Espectro em 3,5GHz e Recepção Satélite na Banda C Agosto de 2012 1 Agenda Testes da Star One A Questão afeta toda a Banda C e não somente a Banda Estendida Tanto a Transmissão Digital quanto a Analógica

Leia mais

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio

Possíveis soluções para o gargalo da última milha são: instalação de fibra óptica diretamente para todos os clientes; uso de tecnologia de rádio 1 Introdução O estudo da propagação óptica no espaço livre recebeu considerável impulso após a Segunda Guerra Mundial com a descoberta do laser. Os cientistas iniciaram diversas pesquisas nessa área com

Leia mais

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015)

Teoria das Comunicações Prof. André Noll Barreto. Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Teoria das Comunicações Prova 3 2015/1 (02/07/2015) Aluno: Matrícula: Instruções A prova consiste de três questões discursivas A prova pode ser feita a lápis ou caneta Não é permitida consulta a notas

Leia mais

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez Advanced Wireless Networks Overview & Configuration Workshop by Nicola Sanchez Microwave Wireless Telecom - Brasil Distribuidor Mikrotik no Brasil Fornecedor de Soluções em Redes Wireless Consultoria e

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 4 5. Medições

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS

OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS OTIMIZAÇÃO DE VIGAS CONSIDERANDO ESTADOS LIMITES ÚLTIMOS, DE UTILIZAÇÃO E DISPOSIÇÕES CONSTRUTIVAS Eng. Civil Leonardo Roncetti da Silva, TECHCON Engenharia e Consultoria Ltda. Resumo Estuda-se a otimização

Leia mais

Manual de funcionamento

Manual de funcionamento INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES E DE COMPUTADORES Manual de funcionamento Setembro de 2012 Índice Índice Capítulo 1 - Medição

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-400

Descritivo Técnico AirMux-400 Multiplexador Wireless Broadband Principais Características Rádio e Multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1 e Ethernet; Opera na faixa de 2.3 a 2.5 Ghz e de 4.8 a 6 Ghz; Tecnologia do radio:

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES

INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1 INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL 1. INTRODUÇÃO / DEFINIÇÕES 1.1 - Instrumentação Importância Medições experimentais ou de laboratório. Medições em produtos comerciais com outra finalidade principal. 1.2 - Transdutores

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona

Apostilas de Eletrônica e Informática SDH Hierarquia DigitaL Síncrona SDH A SDH, Hierarquia Digital Síncrona, é um novo sistema de transmissão digital de alta velocidade, cujo objetivo básico é construir um padrão internacional unificado, diferentemente do contexto PDH,

Leia mais

História da Fibra Óptica

História da Fibra Óptica História da Fibra Óptica Em 1870, o físico inglês Jonh Tyndall, demonstrou o princípio de guiamento da luz através de uma experiência muito simples, utilizando um recipiente furado com água, um balde e

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva

Redes de Computadores I - Meios de Transmissão. por Helcio Wagner da Silva Redes de Computadores I - Meios de Transmissão por Helcio Wagner da Silva Classificação Meios guiados: Par trançado. Cabo coaxial. Fibra óptica. Meios Não-guiados: Transmissão por rádio. Microondas. Infravermelho.

Leia mais

Prof. Tiago Semprebom. 13 de Abril de 2010

Prof. Tiago Semprebom. 13 de Abril de 2010 Testes de Certificação Prof. Tiago Semprebom Instituto Federal de Santa Catarina, Campus São José tisemp@ifsc.edu.br 13 de Abril de 2010 Prof. Tiago (IFET/SC) Cabeamento Estruturado 13 de Abril de 2010

Leia mais

O AMPLIFICADOR LOCK-IN

O AMPLIFICADOR LOCK-IN O AMPLIFICADOR LOCK-IN AUTORES: MARCELO PORTES DE ALBUQUERQUE LEONARDO CORREIA RESENDE JORGE LUÍS GONZALEZ RAFAEL ASTUTO AROUCHE NUNES MAURÍCIO BOCHNER FEVEREIRO 2008 SUMÁRIO RESUMO... 3 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

3 Gerência de Inventário utilizando RFID em Redes Ópticas

3 Gerência de Inventário utilizando RFID em Redes Ópticas 3 Gerência de Inventário utilizando RFID em Redes Ópticas O presente capítulo descreve como a tecnologia RFID é associada às tecnologias de redes de telecomunicações, de forma a ser utilizada na avaliação

Leia mais

Estudo Básico sobre CROSSOVERS

Estudo Básico sobre CROSSOVERS Estudo Básico sobre CROSSOVERS Departamento de Engenharia ETELJ Autor: João Rossi Filho Jales, SP, 22 de maio de 2013 Introdução A separação do sinal de audio full-range em em sub-bandas (vias) é um processo

Leia mais

DECODIFICADOR DE DISPLAY DE 7 SEGMENTOS COM LATCH

DECODIFICADOR DE DISPLAY DE 7 SEGMENTOS COM LATCH UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DECODIFICADOR DE DISPLAY DE 7 SEGMENTOS COM LATCH Projeto para a matéria TE130 Projeto de Circuitos Integrados Digitais, ministrada pelo

Leia mais

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA

REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA REDE DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Sumário: 1. Cabos de fibras ópticas... 2 2. Lançamento de Cabo Óptico... 3 3. Emendas ópticas... 3 4. Distribuidor Geral Óptico DGO... 3 5. Medições

Leia mais

Potencial de largura de banda de fibras multimodo

Potencial de largura de banda de fibras multimodo REDES ÓPTICAS Potencial de largura de banda de fibras multimodo 124 RTI SET 2007 O minembc é um processo de medição de largura de banda de fibras ópticas otimizadas a laser, que, segundo o autor, é o modo

Leia mais

Lista de Exercícios A1

Lista de Exercícios A1 1 a QUESTÃO: A figura abaixo mostra simplificadamente um sistema de televisão inter-oceânico utilizando um satélite banda C como repetidor. O satélite tem órbita geoestacionária e está aproximadamente

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

2 Métodos de Medida da PMD

2 Métodos de Medida da PMD em Enlaces Ópticos 12 2 Métodos de Medida da PMD Teoria básica de medição da PMD discutida na referência 6, Test and Measurements. Neste capítulo serão abordados os aspectos mais importantes dos métodos

Leia mais

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2

ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO. Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 ANÁLISE NUMÉRICA DE VIGAS DE CONCRETO ARMADAS COM BARRAS DE FIBRA DE VIDRO (GFRP) E AÇO Rafael dos Santos Lima 1 ; Fábio Selleio Prado 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT);

Leia mais

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 ÍNDICE Índice 1 Introdução 2 Equipamentos Utilizados 3 Modelo de Propagação do Sinal 5 Zona de Fresnel 6 Link

Leia mais

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena Transmissora Meio de

Leia mais

1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda

1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda 1 Moldando Pulso para reduzir a largura de banda Pulsos quadrados não são práticos. São difíceis de serem gerados e requerem grande largura de banda. Além disso, em razão da largura de banda limitada do

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Multiplexadores Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Transmissor 1 Receptor 1 Transmissor 2 Multiplexador Multiplexador Receptor 2 Transmissor 3 Receptor 3 Economia

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais

Demonstração da técnica de detecção sensível à fase: uma aplicação óptica. Davi R. Ortega, Túlio C. Rizuti da Rocha Orientador: Flávio Caldas da Cruz

Demonstração da técnica de detecção sensível à fase: uma aplicação óptica. Davi R. Ortega, Túlio C. Rizuti da Rocha Orientador: Flávio Caldas da Cruz Demonstração da técnica de detecção sensível à fase: uma aplicação óptica I - Introdução Davi R. Ortega, Túlio C. Rizuti da Rocha Orientador: Flávio Caldas da Cruz No relatório parcial, mostramos a teoria

Leia mais

4 Transformadores de impedância em linha de transmissão planar

4 Transformadores de impedância em linha de transmissão planar 4 Transformadores de impedância em linha de transmissão planar 4.1 Introdução A utilização de estruturas de adaptação de impedância capazes de acoplar os sinais elétricos, de modo eficiente, aos dispositivos

Leia mais

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aula1: Introdução

16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação. Aula1: Introdução 16.36: Engenharia de Sistemas de Comunicação Aula1: Introdução Slide 1 Questões administrativas Instrutores: Horário do Curso: Terças e Quintas-feiras Texto: "Communications Systems Engineering", Proakis

Leia mais

1 Modulação digital para comunicações móveis

1 Modulação digital para comunicações móveis 1 Modulação digital para comunicações móveis Tabela 1: Algumas modulações empregadas em telefonia celular Sistema Forma de Largura da Critério de Razão celular modulação portadora qualidade sinal-ruído

Leia mais

3 PROCESSOS DE COMPRESSÃO

3 PROCESSOS DE COMPRESSÃO Revista Mackenzie de Engenharia e Computação, Ano 5, n. 5, p. 13-96 Neste ponto existem duas possibilidades. Se o receptor for do tipo Digital o sinal de TV digitalizado oriundo do decompressor MPEG2 vai

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 6 Agenda Projeto da camada de enlace de dados Detecção e correção de erros Protocolos

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay e Frame Relay o Consiste na operação de transmitir varias comunicações diferentes ao mesmo tempo através de um único canal físico. Tem como objectivo garantir suporte para múltiplos canais. o A multiplexação

Leia mais

Desenvolvimento de Software para Descoberta de Chaves para a Criptografia Óptica Mediante Fatiamento Espectral

Desenvolvimento de Software para Descoberta de Chaves para a Criptografia Óptica Mediante Fatiamento Espectral Desenvolvimento de Software para Descoberta de Chaves para a Criptografia Óptica Mediante Fatiamento Espectral Gabriel Felipe Amadi Engenharia Elétrica CEATEC gabriel.fa@puccamp.edu.br Resumo: Este trabalho

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSULTA PÚBLICA Nº 54, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Atribuir a faixa de radiofrequências de 4.910 MHz a 4.940 MHz também ao Serviço Móvel, manter a atribuição da faixa

Leia mais

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS Fabiana da Silva Podeleski Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC podeleski@yahoo.com.br Prof. Dr. Omar Carvalho Branquinho Grupo de Pesquisa

Leia mais

BAIXA CAPILARIDADE ALTO CONSUMO ENERGIA ALTO CUSTO

BAIXA CAPILARIDADE ALTO CONSUMO ENERGIA ALTO CUSTO OTIMIZAÇÃO DE REDES USO DA REDE EXISTENTE E OTIMIZAÇÃO DE FIBRA EVOLUÇÂO NATURAL DA REDE DE ACESSO ÓPTICO BAIXA CAPILARIDADE LOCAL OPERADORA PONTO A PONTO USUÁRIOS Ponto a ponto: para cada novo cliente

Leia mais

Muitas aplicações modernas podem ser modeladas como tarefas divisíveis.

Muitas aplicações modernas podem ser modeladas como tarefas divisíveis. 1 Introdução O grande aumento de performance das redes de computadores, combinado com a proliferação de computadores de baixo custo e alto desempenho, trouxe à tona ambientes de meta-computação, ou grids[15,

Leia mais

4 Avaliação Experimental

4 Avaliação Experimental 4 Avaliação Experimental Este capítulo apresenta uma avaliação experimental dos métodos e técnicas aplicados neste trabalho. Base para esta avaliação foi o protótipo descrito no capítulo anterior. Dentre

Leia mais

PROJETO DO CANAL DE RETORNO PARA REDES HFC

PROJETO DO CANAL DE RETORNO PARA REDES HFC PROJETO DO CANAL DE RETORNO PARA REDES HFC Marcelo Melo da Costa mmc@amazon.com.br RESUMO As empresas de TV a cabo atualmente estão implementando redes para a distribuição dos sinais do tipo HFC (híbrida

Leia mais

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM (Belém, Pará).

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM (Belém, Pará). Transmissão Digital em Banda Base: Modelagem do Canal Este tutorial apresenta a implementação da formatação de um pulso para transmissão digital em banda base que simule a resposta ao impulso de um canal

Leia mais

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL

Descritivo Técnico BreezeACCESS-VL Broadband Wireless Access -Visualização da linha de produtos BreezeACCESS VL- Solução completa ponto multiponto para comunicação Wireless em ambiente que não tenha linda de visada direta, utiliza a faixa

Leia mais

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte

Sistema de comunicação óptica. Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte Sistema de comunicação óptica Keylly Eyglys Orientador: Adrião Duarte História A utilização de transmissão de informação através de sinais luminosos datam de épocas muito remotas. Acredita-se que os gregos

Leia mais

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet

Módulo 7 Tecnologia da Ethernet CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 7 Tecnologia da Ethernet Ethernet a 10 e 100 Mbps Tipos de Ethernet Todas as verões da Ethernet têm: Endereçamento MAC. Formato das tramas idêntico. Utilizam o

Leia mais

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT

Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT Laudo de Viabilidade Técnica e Econômica para Rede Wireless do CDT 1. Pré Requisitos Com base no que foi proposta, a rede wireless do Bloco K da Colina deve atender aos seguintes requisitos: Padrão IEEE

Leia mais

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra

Cabeamento Óptico 14/03/2014. Vantagens de utilização. Noções Ópticas. Vantagens de utilização. Sistema de comunicação Fibra. Funcionamento da Fibra Cabeamento Óptico Fundamentos de Redes de Computadores Prof. Marcel Santos Silva Vantagens de utilização Total imunidade às interferências eletromagnéticas; Dimensões reduzidas; Maior segurança no tráfego

Leia mais

COMPANHIA ESTADUAL DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ÁREA DE TRANSMISSÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES PORTO ALEGRE, 2007

COMPANHIA ESTADUAL DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ÁREA DE TRANSMISSÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES PORTO ALEGRE, 2007 CEEE-GT COMPANHIA ESTADUAL DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ÁREA DE TRANSMISSÃO DIVISÃO DE TELECOMUNICAÇÕES MANUTENÇÃO EM FIBRAS ÓPTICAS PORTO ALEGRE, 2007 Extensão da Rede Óptica Total de

Leia mais

ANÁLISE DA PLANICIDADE DO GANHO DE AMPLIFICADORES HÍBRIDOS COM BOMBEAMENTO RESIDUAL RESUMO

ANÁLISE DA PLANICIDADE DO GANHO DE AMPLIFICADORES HÍBRIDOS COM BOMBEAMENTO RESIDUAL RESUMO 13 ANÁLISE DA PLANICIDADE DO GANHO DE AMPLIFICADORES HÍBRIDOS COM BOMBEAMENTO RESIDUAL Márcia da Mota Jardim Martini 1 Fernando Almeida Diniz 2 Leonardo Paganotto 3 RESUMO Neste trabalho são estudadas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO Aluno: Joaquim Masset Lacombe Dias Garcia Aluna: Ana Sofia Viotti Daker Aranha Orientador: Guilherme Penello Temporão

Leia mais

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2)

Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) Largura de banda e Throughput (Tanenbaum,, 2.1.2) A largura de banda,, em termos gerais, indica a quantidade máxima de dados que podem trafegar no meio em um determinado momento. É medida em bps (bits

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

Introdução à Redes de Computadores

Introdução à Redes de Computadores Introdução à Redes de Computadores 1 Agenda Camada 1 do modelo OSI (continuação) 2 1 Camada 1 do modelo OSI Continuação 3 Sinais Analógicos e Digitais Os sinais são uma voltagem elétrica, um padrão de

Leia mais