Audição e Trabalho. Marcelo Madureira

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Audição e Trabalho. Marcelo Madureira"

Transcrição

1 Audição e Trabalho Marcelo Madureira

2 Som Qualquer perturbação vibratória em meio elástico, a qual produz uma sensação auditiva Energia transmitida por vibrações no ar (ou outros materiais) e que causa a sensação de audição.

3 Caracterização de Ondas Sonoras Lei de Mersenne C = λ. f Onde: C = Velocidade de propagação λ = Comprimento de onda f = Frequência da onda

4 Frequência É o número de vezes que uma oscilação é repetida na unidade de tempo. Unidade: Ciclos/segundo ou Hertz (Hz) Faixa de Frequências Audíveis Audição Infra-som Ultra-som 20 Hz Hz

5 Bandas de Frequência Fenômenos Acústicos => dependentes da frequência Faixa de Frequência audível varia de 20 a Hz Bandas de Oitava => Espectro de frequências é bastante amplo = 10 faixas (intervalos) => cada intervalo uma oitava

6 Bandas de Frequência Oitava f1 fc f2 f2 = 2 f1 fc = (f1.f2) 1/2

7 Frequências de Bandas de Oitava

8 Ouvido Humano

9 Som Complexo É o som resultante da contribuição de várias frequências simultâneas

10 Ruído x Som Definição de Ruído É o conjunto de tons puros agrupados sem nenhum critério definido.

11 Audibilidade Humana Possui dois limites bem definidos: Limiar de dor => som muito alto = 200 N/m 2 Limiar de audibilidade => som muito fraco que se torna inaudível => 0,00002 N/m 2 Relação entre os limites extremos: 2 x x 10-5 = 10 7 = => Faixa muita grande

12 Decibel (db) Alexander Graham Bell - ( ) O ouvido humano reage de forma logarítmica à intensidade do som, assim, se a intensidade sonora for duplicada não ouviremos o som o dobro da intensidade sonora, mas somente um décimo mais alto

13 Intensidade Sonora Nível de Pressão Sonora (NPS) Onde: NPS = 20 log P Po P = Pressão sonora em um dado nível em N/m 2 Po = Pressão sonora de referência = 2 x 10-5 N/m 2 NPS = Nível de Pressão Sonora em decibel (db)

14 Nível de Pressão Sonora

15 Atenuação do Som com a Distância 1 2 r1 r2 NPS1 - NPS2 = 10 log r2 2 r1 2 r2 = 2r1

16 Atenuação do Som com a Distância NPS1 - NPS2 = 10 log r2 2 r1 2 NPS1 - NPS2 = 20 log 2r1 r1 NPS1 - NPS2 = 6 db

17 Adição de Níveis de Pressão Sonora Adição de Logaritmos 70 db + 70 db 140 db 70 db + 70 db = 73 db Aplicações Combinação dos níveis de ruído em cada banda de frequência para obtenção do valor total. Adição de uma nova máquina

18 Adição de Níveis de Ruído (L2 > L1) Determinar a diferença entre os dois níveis a serem adicionados (L2 - L1) Encontrar o valor númerico correspondente a diferença calculada no item anterior (ver tabela específica) Adicionar o valor encontrado na tabela ao maior valor (L2) para obtenção do nível resultante.

19 Tabela para Adição de Níveis de Ruído Diferença Númerica Entre os Níveis Valor a ser adicionado ao maior 0,0 a 0,6 3,0 0,7 a 1,6 2,5 1,7 a 3,1 2,0 3,2 a 4,7 1,5 4,8 a 7,2 1,0 7,3 a 13,0 0,5 acima de 13,0 0,0

20 Adição de Níveis de Ruído Exemplo: Máquina 1 = 85 db Máquina 2 = 88 db Máquina 3 = 90 db 90 db 93 db NPS tol 93 db

21 Curvas de Compensação Curvas ajustadas para corrigir a sensibilidade do ouvido humano a diferentes frequências integradas ao circuito de medição dos medidores de pressão sonora

22 Curvas de Compensação

23 Diplomas Legais Portaria nº 3.214/ Norma Regulamentadora - NR-15 - Atividades e Operações Insalubres Anexo 1 - Limites de Tolerância para Ruído Contínuo ou Intermitente. Anexo 2 - Limites de Tolerância para Ruídos de Impacto

24 Avaliação dos Tipos de Ruído Norma ISO 2.204/73 Ruído Contínuo Variações de até + 3 db Ruído Intermitente Variações acima de 3 db (tempo aproximado 1 segundo) Ruído Impulsivo ou de Impacto

25 Ruído de Impacto NPS t > 1s t < 1s tempo

26 Limites de Tolerância para Ruído Contínuo ou Intermitente

27 Efeitos Combinados do Ruído C1 T1 + C2 T2 + C3 T Cn Tn Onde: Cn = Tempo total que o trabalhador fica exposto a um nível de ruído específico. Tn = Indica a máxima exposição diária permissível a este dado nível

28 Limites de Tolerância para Ruído de Impacto Níveis de ruído de impacto devem ser avaliados em decibéis (db) linear. Limite de Tolerância: 130 db Caso não exista disponível um medidor de nível de pressão com circuito de resposta linear poderá ser executada a leitura no circuito de compensação C Limite de Tolerância: 120 db(c)

29 Cálculo dos Limites de Tolerância Tp = 2 Tc (Las - Lc) / Q Onde: Tp = Tempo máximo permissível Tc = Tempo máximo permissível para o nível critério Lc = Nível critério Las = Nível escolhido Q = Taxa de troca

30 Cálculo dos Limites de Tolerância Tp = 2 8 (Las - 85) / 5 BRASIL Tp = 2 8 (Las - 85) / 3 ACGIH - USA Tp = 2 8 (Las - 90) / 5 OSHA - USA

31 Equipamentos de Medição de Ruído Medidor de Nível de Pressão Sonora ou Decibelímetro Dosímetros Analisadores de frequência

32 Medidor de Nível de Pressão Sonora Sistema Básico de um Medidor de NPS Microfone Amplificador Circuito de Compensação Amplificador Retificador Medidor Mostrador / Display

33 Medidor de Nível de Pressão Sonora Circuitos de Medição Respostas Lentas SLOW => Normalmente utilizado Respostas Rápidas FAST => Determinação de valores extremos de ruído intermitente

34 Técnicas de Medição de Ruído NHT-06 - Avaliação de Ruído (NPS) NHT-09 - Avaliação de Ruído (Dosimetria) NR-15 - Atividades e Operações Insalubres Anexo 1 - Ruído Contínuo ou Intermitente Anexo 2 - Ruído de Impacto

35 Avaliação de Ruído Recomendações Práticas Calibração Assegurar-se de que o medidor esteja devidamente calibrado. Deverá ser realizada calibração no início e término de um conjunto de medições (realizar no mínimo diariamente) O medidor e calibrador deverão ser aferidos, anualmente, junto a órgão credenciado pelo INMETRO.

36 Avaliação de Ruído Recomendações Práticas Medição Conhecer o equipamento a ser utilizado. Definir qual o tipo de equipamento a ser empregado. Realizar medições preliminares de orientação. Definir qual a curva de compensação a ser utilizada. Selecionar o tipo de resposta do medidor FAST ou SLOW Evitar expor o microfone a correntes de ar

37 Nível Equivalente de Ruído (Leq) Leq = 10 log ( 1 Σ (10 Lai / 10. Ti ) i=1 T n Onde: Lai = Nível de Pressão Sonora em db(a) Ti = Tempo para um dado nível T = Tempo total de observação

38 Dose de Ruído (D) n D = 100 Σ (10 ( Lai - Lc ) / q. Ti ) Tc i=1 Onde: Lai = Nível de Pressão Sonora em db(a) Lc = Nível critério em db(a) Tc = Tempo da jornada

39 Métodos de Controle Controle na Fonte Controle no Processo Controle no Meio Controle do Receptor Proteção Coletiva Proteção Individual

40 Tipos de Protetores Individuais Inserção Pré-moldados Moldáveis Supra-auriculares Circum-auriculares Protetores Especiais

41 Caminhos de Vazamento de Ruído 1 Transmissão pelo Ar Ruído 2 3 Vibração do protetor Transmissão através do Material Ouvido Externo Ouvido Médio Ouvido Interno 4 Condução Óssea e Tecido

42 Caminhos de Vazamento de Ruído

43 Atenuação dos Protetores Auriculares Método Completo (Metodo 1 - NIOSH ) Noise Reduction Rating - NRR (EPA ) NPS (db(a)) = NPS (db(c)) - NRR NPS (db(a)) = NPS (db(a)) - (NRR - 7)

44 Método NIOSH - Completo

45 Noise Reduction Rating - NRR

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

Trabalho apresentado no SEMINÁRIO DE PERÍCIAS TRABALHISTAS Florianópolis, 7 a 9 de setembro de 2.006. ACEST/ANEST MARCELO FONTANELLA WEBSTER/UFSC

Trabalho apresentado no SEMINÁRIO DE PERÍCIAS TRABALHISTAS Florianópolis, 7 a 9 de setembro de 2.006. ACEST/ANEST MARCELO FONTANELLA WEBSTER/UFSC Trabalho apresentado no SEMINÁRIO DE PERÍCIAS TRABALHISTAS Florianópolis, 7 a 9 de setembro de 2.006. ACEST/ANEST DEFINIÇÕES: SOM - Fenômeno acústico que consiste na propagação de ondas sonoras produzidas

Leia mais

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente Ruído Como se define Define-se ruído, como sendo um som sem interesse ou desagradável para o auditor. O ruído (som) pode ser mais ou menos intenso, composto por uma só tonalidade ou composto por várias

Leia mais

Engenharia Automotiva Parte I

Engenharia Automotiva Parte I Engenharia Automotiva Parte I PROF. KEY FONSECA DE LIMA 2 0 1 1 Som Definições Básicas Som Se caracteriza por flutuações em um meio elástico (sólido, líquido ou gasoso). É a parte da vida diária como uma

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M4 D3 HIGIENE DO TRABALHO III GUIA DE ESTUDO PARTE II EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO RUÍDO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M4 D3 HIGIENE DO TRABALHO III GUIA DE ESTUDO PARTE II EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO RUÍDO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M4 D3 HIGIENE DO TRABALHO III GUIA DE ESTUDO PARTE II EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL AO RUÍDO AULA 47 PROFESSOR AUTOR: ENG. JOSEVAN URSINE FUDOLI PROFESSOR

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO Contratante: Sistema Ribrane de Ensino Ltda ME Praça Padre Tavares, 46 - Centro Avaré - SP. Responsável Técnico: Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA:

Leia mais

Propriedades Físicas do Som

Propriedades Físicas do Som 12 Capítulo 2 Propriedades Físicas do Som 1. - Introdução O som é um fenômeno vibratório resultante de variações da pressão no ar. Essas variações de pressão se dão em torno da pressão atmosférica e se

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Josevan Ursine Fudoli ENGº CIVIL E DE SEGURANÇA DO TRABALHO HIGIENE OCUPACIONAL RUÍDO Aula

Leia mais

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno SOM Isabel Lopes Nunes FCT/UNL toda a vibração mecânica que se propaga num meio elástico (ar, metais, líquidos ), desde que as frequências que a compõem se encontrem dentro de uma determinada faixa audível

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

O Ruído e sua Medição

O Ruído e sua Medição 61 Capítulo 8 O Ruído e sua Medição 1. - Introdução Como já vimos no capítulo 2, podemos definir Ruído, de maneira subjetiva, como toda sensação auditiva desagradável, ou fisicamente, como todo fenômeno

Leia mais

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação;

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação; O SOM Segundo a Diciopédia, o som pode ser: 1. Física: sensação auditiva produzida por vibrações mecânicas de frequência compreendida entre determinados valores (20 e 20 000 vibrações por segundo, em média);

Leia mais

Engenharia Automotiva Parte II

Engenharia Automotiva Parte II Engenharia Automotiva Parte II PROF. KEY FONSECA DE LIMA 2 0 1 1 Medições de Ruído AMBIENTAL Levantamento ponto a ponto com medições instantâneas para conhecimento do perfil do ruído na área; Rastreamento

Leia mais

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE 1. OBJETIVO 1.1 Esta Norma fixa as condições exigíveis para avaliação da aceitabilidade do ruído em comunidades. Ela especifica um

Leia mais

POLUIÇÃO SONORA. Ricardo E. Musafir Depto. Recursos Hídricos e Meio Ambiente/EP e Prog. Eng. Mecânica/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro

POLUIÇÃO SONORA. Ricardo E. Musafir Depto. Recursos Hídricos e Meio Ambiente/EP e Prog. Eng. Mecânica/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro POLUIÇÃO SONORA Ricardo E. Musafir Depto. Recursos Hídricos e Meio Ambiente/EP e Prog. Eng. Mecânica/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro 1. Introdução Fevereiro, 2014 (v. 2.2) O ruído é um fator

Leia mais

PROTETORES AUDITIVOS

PROTETORES AUDITIVOS PROTETORES AUDITIVOS Prof. Samir N.Y. Gerges, Ph.D. Supervisor do Laboratório de Ruído Industrial (LARI) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica Campus Universitário

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva O ouvido humano pode ser separado em três grandes partes, de acordo com

Leia mais

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA INTRODUÇÃO À ACÚSTICA 1. Introdução As sociedades industriais com o seu desenvolvimento tecnológico têm contribuído para o aumento dos níveis de ruído, sendo um dos principais factores de risco para a

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Curso de Engenharia de Segurança do Trabalho Disciplina: Higiene do Trabalho III Aula 47

Leia mais

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL EM AUDIOMETRIA INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION (ISO) 8253-1 Versão 2010 Neste material você encontrará informações sobre a ISO 8253 Parte 1 versão 2010 e sua relação

Leia mais

PRESSÃO SONORA MOLÉCULAS DE AR AR P5. P at. = S n Pi i=1 PRESSÃO ATMOSFÉRICA PRESSÃO SONORA P.S. (ESTIMULO) (EFEITO) + ΔP. P.S. = P at GERAÇÃO DO SOM

PRESSÃO SONORA MOLÉCULAS DE AR AR P5. P at. = S n Pi i=1 PRESSÃO ATMOSFÉRICA PRESSÃO SONORA P.S. (ESTIMULO) (EFEITO) + ΔP. P.S. = P at GERAÇÃO DO SOM PRESSÃO SONORA MOLÉCULAS DE AR AR P5 P3 P7 P8 P2 Pn P6 P4 P at P1 P at = S n Pi i=1 PRESSÃO ATMOSFÉRICA PRESSÃO SONORA ΔP AR C R C R P.S. (ESTIMULO) +P t (EFEITO) -P P.S. = P at + ΔP GERAÇÃO DO SOM 1 A

Leia mais

Introdução. Utilização de uma escala logarítmica. Entre o limiar inferior e o superior da audição (sensação dolorosa) existe uma diferença de 130 db.

Introdução. Utilização de uma escala logarítmica. Entre o limiar inferior e o superior da audição (sensação dolorosa) existe uma diferença de 130 db. Introdução Utilização de uma escala logarítmica Entre o limiar inferior e o superior da audição (sensação dolorosa) existe uma diferença de 130 db. Introdução Introdução Utilização de uma escala logarítmica

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 AUDIÇÃO HUMANA A função do ouvido é captar e converter ondas de pressão em sinais elétricos que são transmitidos ao cérebro para produzir

Leia mais

Introdução. Utilização de uma escala logarítmica. Entre o limiar inferior e o superior da audição (sensação dolorosa) existe uma diferença de 130 db.

Introdução. Utilização de uma escala logarítmica. Entre o limiar inferior e o superior da audição (sensação dolorosa) existe uma diferença de 130 db. Introdução Utilização de uma escala logarítmica Entre o limiar inferior e o superior da audição (sensação dolorosa) existe uma diferença de 130 db. Introdução Introdução Utilização de uma escala logarítmica

Leia mais

Matéria: Técnicas de medição Aula 7 - Ruido Parte 02

Matéria: Técnicas de medição Aula 7 - Ruido Parte 02 Página1 Nível de Pressão Sonora Decibel Como o ouvido humano pode detectar uma gama muito grande de pressão sonora, que vai de 20 μ Pa até 200 Pa (Pa = Pascal), seria totalmente inviável a construção de

Leia mais

HIGIENE DO TRABALHO III AULA 1 A PROPAGAÇÃO DO SOM

HIGIENE DO TRABALHO III AULA 1 A PROPAGAÇÃO DO SOM HIGIENE DO TRABALHO III AULA 1 A PROPAGAÇÃO DO SOM O Ruído é uma das formas de poluição mais frequentes no meio industrial. No Brasil, a surdez é a segunda maior causa de doença profissional, sendo que,

Leia mais

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Alves Ciote, Fernando; Fernandes Ferreira Ciote, Renata; Haber, Jabra Análise da atenuação de ruído de protetores auriculares

Leia mais

COMUNICADO/SOLICITAÇÃO

COMUNICADO/SOLICITAÇÃO COMUNICADO/SOLICITAÇÃO Nos dias 5, 6 e 7 de novembro de 2013, na Universidade Aberta do Brasil Polo/UAB Imperatriz, será realizado o Curso de Medição e Avaliação de Ruído Ambiental, a ser ministrado pelo

Leia mais

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM POLUIÇÃO SONORA O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM SOM É o resultado de movimentos de flutuação de partículas de ar

Leia mais

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO

NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO NORMA DE HIGIENE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO TÉCNICO PRESIDENTE DA REPÚBLICA Fernando Henrique Cardoso MINISTRO DO TRABALHO E EMPREGO Francisco Dornelles FUNDACENTRO PRESIDÊNCIA Humberto Carlos Parro DIRETORIA

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

CAPÍTULO 08/ MÓDULO 01: ONDAS.

CAPÍTULO 08/ MÓDULO 01: ONDAS. FÍSICA PROF. HELTON CAPÍTULO 08/ MÓDULO 01: ONDAS. MOVIMENTO PERIÓDICO Um fenômeno é periódico quando se repete identicamente em intervalos de tempos iguais. Exemplos: DEFINIÇÕES: Amplitude: distância

Leia mais

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS 1 Programa de Recuperação de Espaços Didáticos Pró-Reitoria de Graduação MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS 2 1. INTRODUÇÃO Adotou-se um processo de trabalho convencional, de desenvolvimento

Leia mais

Ruído Parte 1. Maria Beatriz de Freitas Lanza

Ruído Parte 1. Maria Beatriz de Freitas Lanza Ruído Parte 1 Maria Beatriz de Freitas Lanza Som O som é um fenômeno ondulatório originado por uma vibração mecânica que se propaga no ar e estimula o ouvido. Aparelho auditivo OUVIDO EXTERNO COLETA E

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/5 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA EXPOSIÇÃO AO RUÍDO 2 DESCRIÇÃO A sociedade moderna tem multiplicado as fontes de ruído e aumentado o seu nível de pressão sonora. O ruído é uma

Leia mais

N : 3R Brasil Tecnologia Ambiental Ltda. Exposição Humana a Vibrações no Trabalho Edição: 1

N : 3R Brasil Tecnologia Ambiental Ltda. Exposição Humana a Vibrações no Trabalho Edição: 1 Cliente: Projeto: N : Data:07/07/06 Exposição Humana a Vibrações no Trabalho Edição: 1 Revisão: 0 1 de 9 Capítulo: I ESCOPO DE FORNECIMENTO Local: XX - RJ 1. OBJETIVO Medição da exposição a vibrações no

Leia mais

DRAFT. Higiene Ocupacional CONCURSO PETROBRAS. Questões Resolvidas ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR

DRAFT. Higiene Ocupacional CONCURSO PETROBRAS. Questões Resolvidas ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) DE SEGURANÇA JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: SEGURANÇA PROFISSIONAL JÚNIOR - ENG. SEGURANÇA DO TRABALHO Higiene Ocupacional Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA 1ª edição 2000 2ª edição 2001 3ª edição 2004 4ª edição 2008 5ª edição 2009 6ª edição 2011 7ª edição 2013 8ª edição 2014 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro

Leia mais

ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO ACÚSTICA

ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO ACÚSTICA ESPECIALIZAÇAO EM CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO ACÚSTICA INTRODUÇÃO É o segmento da Física que interpreta o comportamento das ondas sonoras audíveis frente aos diversos fenômenos ondulatórios. Acústica

Leia mais

Ouvido Externo. Ouvido Médio. Bigorna. Martelo. Canal. Estribo. Tímpano. Figura 1 - Ouvido Humano

Ouvido Externo. Ouvido Médio. Bigorna. Martelo. Canal. Estribo. Tímpano. Figura 1 - Ouvido Humano O Ouvido Humano Eng. Adriano Luiz Spada Attack do Brasil 1- Introdução Neste artigo abordaremos as principais características do ouvido humano, uma das principais ferramentas para quem trabalha com áudio.

Leia mais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais Introdução ao Ruído Vibrações e Ruído (10375) 2014 Tópicos Som. Pressão Sonora e Potência Sonora. Níveis Sonoros. 2 1. Som O som pode ser definido como uma manifestação positiva resultante da variação

Leia mais

ANÁLISE DE RUÍDO CONFORME NR-15 EM UMA EMPRESA METAL MECÂNICA

ANÁLISE DE RUÍDO CONFORME NR-15 EM UMA EMPRESA METAL MECÂNICA ANÁLISE DE RUÍDO CONFORME NR-15 EM UMA EMPRESA METAL MECÂNICA SÉRGIO TAKAHASHI 1 Resumo: O ser humano se for submetido a níveis de ruído acima do tolerável, pode induzir a PAIR (perda auditiva induzida

Leia mais

PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS

PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS Camilla Missio 1 ; Jorge Wilson Cortez 3 ; Wellytton Darci Quequeto 2 ; Leonardo Maldaner 2 ; Anamari Viegas de Araujo Motomiya 3 UFGD/FCA Caixa Postal

Leia mais

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET):

EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS TRANSIENTES (EOET): EMISSÕES OTOACÚSTICAS EVOCADAS É a energia mecânica produzida vibração de células ciliadas externas na cóclea que voltará de forma reversa pela orelha média e será captada no condutivo auditivo externo.

Leia mais

CONTROLE DE RUÍDO. Samir N. Y. Gerges

CONTROLE DE RUÍDO. Samir N. Y. Gerges CONTROLE DE RUÍDO Samir N. Y. Gerges Supervisor do Lab. de Ruído Industrial Universidade Federal de Santa Catarina Dept. Engenharia Mecânica Cx.P. 476 Florianópolis SC Tel: (048) 2344074 Fax: (048) 2334455

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE RUIDO EM AMBIENTES INTERNOS.

PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE RUIDO EM AMBIENTES INTERNOS. PROCEDIMENTO DE MEDIÇÃO DE RUIDO EM AMBIENTES INTERNOS. Prof. Msc. Lucas C. Azevedo Pereira ALTAMIRA/PA 04 de novembro de 2016 A ACÚSTICA é a ciência do som, incluindo sua produção, transmissão e efeitos.

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS GARÇONS À EXPOSIÇÃO DA PRESSÃO SONORA EM AMBIENTES FECHADOS COM MÚSICA AO VIVO

AVALIAÇÃO DOS GARÇONS À EXPOSIÇÃO DA PRESSÃO SONORA EM AMBIENTES FECHADOS COM MÚSICA AO VIVO AVALIAÇÃO DOS GARÇONS À EXPOSIÇÃO DA PRESSÃO SONORA EM AMBIENTES FECHADOS COM MÚSICA AO VIVO Felyppe Blum Goncalves (UTFPR) felyppeblumg5@hotmail.com Rodrigo Eduardo Catai (UTFPR) catai@utfpr.edu.br LUISA

Leia mais

GESTÃO DO RUÍDO INDUSTRIAL POR MEIO DA CRIAÇÃO DE UM ÍNDICE COMPARATIVO DE RUÍDO OCUPACIONAL

GESTÃO DO RUÍDO INDUSTRIAL POR MEIO DA CRIAÇÃO DE UM ÍNDICE COMPARATIVO DE RUÍDO OCUPACIONAL 9 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN 1984-9354 GESTÃO DO RUÍDO INDUSTRIAL POR MEIO DA CRIAÇÃO DE UM ÍNDICE COMPARATIVO DE RUÍDO OCUPACIONAL Diogo Raphael Lopes (UTFPR) diogo.r.lopes@terra.com Rodrigo Eduardo

Leia mais

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO Humberto J. P. Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO O ruído é um dos agentes físicos que gera mais incomodidade. É responsável por conflitos entre pessoas, entre pessoas

Leia mais

ABAFADOR DE RUÍDO TIPO CONCHA CARACTERISTICAS DETERMINANTES

ABAFADOR DE RUÍDO TIPO CONCHA CARACTERISTICAS DETERMINANTES DE RUÍDO TIPO CARACTERISTICAS DETERMINANTES Atendendo a um grande número de assinantes do InfoSeg, abordamos nesta edição os aspectos que julgamos relevantes para aquisição adequada de abafadores de ruído

Leia mais

PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA PCMSO PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL. PCA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA PCA PASSOS: 1-LEVANTAMENTO/MONITORAMENTO AMBIENTAL 2-MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA 3-MEDIDAS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES 15.1 São consideradas atividades ou operações insalubres as que se desenvolvem: 15.1.1 Acima dos limites de tolerância previstos nos Anexos n.º 1, 2, 3, 5, 11

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO Formadora - Magda Sousa O Ruído no Meio Ambiente O problema do Ruído no meio ambiente tem-se tornado, cada vez mais, numa

Leia mais

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento

Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos e de vibrações e Certificado de Calibração do Equipamento RELATÓRIO TÉCNICO Código RT-020.00/RA2/004 Emissão O.S. 15/08/13 Folha 10 de 12 Rev. A Emitente Resp. Técnico Emitente 15/08/13 Verificação / São Paulo Transporte Anexo VIII - Fichas de medições de ruídos

Leia mais

Filtros Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto

Filtros Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto Filtros Prof. Eng Luiz Antonio Vargas Pinto Passivos e Ativos Passivos São associações elétrica que respondem a variação de freqüência, podendo produzir resultados satisfatórios em eliminar ou apenas filtrar

Leia mais

EDUARDO HERMÍNIO NORONHA QUALIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO EM AMBIENTES LABORAIS NO DISTRITO FEDERAL

EDUARDO HERMÍNIO NORONHA QUALIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO EM AMBIENTES LABORAIS NO DISTRITO FEDERAL UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Curso de Física QUALIFICAÇÃO E QUANTIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO EM AMBIENTES LABORAIS NO DISTRITO FEDERAL Autor:

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DO RUÍDO PPRA 1ª edição 2000 2ª edição 2001 3ª edição 2004 4ª edição 2008 5ª edição 2009 6ª edição 2011 7ª edição 2013 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro Mecânico; Engenheiro

Leia mais

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem 71 Capítulo 9 Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem Nos últimos anos, os altos níveis de ruído se transformaram em uma das formas de poluição que atinge maior número de pessoas. A poluição sonora

Leia mais

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Conceito Poluição sonora é qualquer alteração nas características do som ambiente provocada por ruídos. Som e Ruído SOM É o resultado

Leia mais

AVALIAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE INSALUBRIDADE POR EXPOSIÇÃO A RUÍDO AMBIENTAL DOS TRABALHADORES DE UMA EMPRESA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS

AVALIAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE INSALUBRIDADE POR EXPOSIÇÃO A RUÍDO AMBIENTAL DOS TRABALHADORES DE UMA EMPRESA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL ESPECIALIZACAO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO CAIO EDUARDO MACCARI FORMIGONI AVALIAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE

Leia mais

Acústica. Fundamentos de Acústica. receptor. de transmissão

Acústica. Fundamentos de Acústica. receptor. de transmissão Fundamentos de Acústica Fonte Sonora trajetória de transmissão receptor Som: Qualquer variação de pressão que o ouvido possa detectar. Ruído: Som desagradável ou indesejável. Redução do Ruído: eliminá-lo

Leia mais

CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS SOBRE RUÍDO

CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS SOBRE RUÍDO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO M5 D2 HIGIENE DO TRABALHO IV GUIA DE ESTUDO PARTE IV AULA 59 CONSIDERAÇÕES TÉCNICAS SOBRE RUÍDO PROFESSOR AUTOR: Engº Josevan Ursine Fudoli

Leia mais

Faculdade de Engenharia de Minas Gerais FEAMIG. Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Faculdade de Engenharia de Minas Gerais FEAMIG. Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Faculdade de Engenharia de Minas Gerais - FEAMIG Moacir Tavares Júnior Eng. Químico e de Seg. do Trabalho, MSc. 1 Exposição Ocupacional ao Ruído 2 1 Exposição Ocupacional ao Ruído Conceitos gerais sobre

Leia mais

Imagens Ilustrativas. Proteção Auditiva Pense no que é importante

Imagens Ilustrativas. Proteção Auditiva Pense no que é importante Imagens Ilustrativas Proteção Auditiva Pense no que é importante 1 Proteção auditiva Vivemos em um mundo ruidoso. Não podemos vê-los, porém sabemos que os sons inconvenientes estão presentes diariamente

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Gerência de Pesquisa e Pós-Graduação ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA

Leia mais

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares

Treinamento de Prot. Auditiva. Treinamento aos usuários de protetores auriculares Treinamento de Prot. Auditiva Treinamento aos usuários de protetores auriculares 1 Objetivo Reconhecer o agente físico ruído Conhecer os efeitos à saúde causado por exposição ao ruído Conhecer os tipos

Leia mais

-~~ PROVA DE FÍSICA - 2º TRIMESTRE DE 2014 PROF. VIRGÍLIO

-~~ PROVA DE FÍSICA - 2º TRIMESTRE DE 2014 PROF. VIRGÍLIO COl.é. -~~ gio. da Vinci PROVA DE FÍSICA - 2º TRIMESTRE DE 2014 PROF. VIRGÍLIO NOME N 9 ANO --- Olá, caro(a) aluno(a). Segue abaixo uma serre de exercicres que têm, como base, o que foi trabalhado em sala

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 80

RESUMOS DE PROJETOS... 80 79 RESUMOS DE PROJETOS... 80 80 RESUMOS DE PROJETOS COMPARAÇÃO ENTRE AS RESPOSTAS DE FONES DE OUVIDO UTILIZADOS EM TOCADORES DE MP3... 81 MEDIÇÃO DO NÍVEL DE RUÍDO AMBIENTAL EM UMA FAZENDA DE AVICULTURA

Leia mais

MINERAÇÃO SERRA ALTA DE SÃO TOMÉ LTDA.

MINERAÇÃO SERRA ALTA DE SÃO TOMÉ LTDA. ESTABELECIMENTO: MINERAÇÃO SERRA ALTA DE SÃO TOMÉ LTDA. ENDEREÇO: SERRA DO CARIMBADO, S/N SÃO TOMÉ DAS LETRAS-MG CNPJ: 70.986.153/0001-35 RAMO DE ATIVIDADE: MINERAÇÃO CNAE: 08.10.0-99 GRAU DE RISCO: 4

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

ASL-1125 DECIBELÍMETRO ANALÓGICO MANUAL DE INSTRUÇÕES

ASL-1125 DECIBELÍMETRO ANALÓGICO MANUAL DE INSTRUÇÕES ASL-1125 DECIBELÍMETRO ANALÓGICO MANUAL DE INSTRUÇÕES Leia atentamente as informações deste Manual de Instruções antes de utilizar o instrumento. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 02 2. ESPECIFICAÇÕES... 03 2.1

Leia mais

Guia do Usuário. Dosímetro de Ruído com Interface para PC MODELO 407355

Guia do Usuário. Dosímetro de Ruído com Interface para PC MODELO 407355 Guia do Usuário Dosímetro de Ruído com Interface para PC MODELO 407355 Introdução Parabéns pela sua compra do Dosímetro de Ruído Pessoal Extech 407355. O 407355 foi concebido para testar a exposição ao

Leia mais

NÍVEIS DE RUÍDO DENTRO DE CANTEIROS DE OBRAS NA CIDADE DE CURITIBA

NÍVEIS DE RUÍDO DENTRO DE CANTEIROS DE OBRAS NA CIDADE DE CURITIBA NÍVEIS DE RUÍDO DENTRO DE CANTEIROS DE OBRAS NA CIDADE DE CURITIBA Patrícia Perretto Rodrigues (UTFPR) arq_patyrodrigues@yahoo.com.br Rodrigo Eduardo Catai (UTFPR) catai@utfpr.edu.br Marcos Roberto da

Leia mais

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR

Perda Auditiva Induzida pelo Ruído - PAIR Perda Auditiva Induzida Disciplina Medicina Social e do Trabalho MLS 0412 Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Graduação 3º Ano Grupo A1 Trata-se de uma perda auditiva do tipo neuro-sensorial,

Leia mais

Objectivos. Classificação dos Sons. Agradáveis Úteis Incómodos / Ruído

Objectivos. Classificação dos Sons. Agradáveis Úteis Incómodos / Ruído Ruído Objectivos Classificação dos Sons Agradáveis Úteis Incómodos / Ruído O som como uma Onda O som propaga-se com um movimento ondulatório, no qual as cristas das ondas são substituídas por compressões

Leia mais

Tutorial sobre db: O decibel

Tutorial sobre db: O decibel Tutorial sobre db: O decibel Logo que os sistemas de comunicação utilizando sinais elétricos começaram a desenvolver-se, surgiu a necessidade de se calcular e expressar a atenuação introduzida pelo meio

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O)

Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Perda Auditiva Induzida Por Ruído Ocupacional (PAIR-O) Objetivos da Aula Saber Reconhecer: Características do som e do ruído ocupacional Noções de fisiologia auditiva e de audiometria clínicas Tipos de

Leia mais

NÍVEIS DE POLUIÇÃO SONORA NA ÁREA III, CAMPUS I, DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

NÍVEIS DE POLUIÇÃO SONORA NA ÁREA III, CAMPUS I, DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS NÍVEIS DE POLUIÇÃO SONORA NA ÁREA III, CAMPUS I, DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Rodrigo Afonseca Guimarães Acadêmico do curso de Engenharia Ambiental da Universidade Católica de Goiás rodrigoambiente@hotmail.com

Leia mais

O que caracteriza um som?

O que caracteriza um som? O que caracteriza um som? As características de uma onda sonora são conectadas com os conceitos físicos originários da observação de Fenômenos Periódicos, tal como o Movimento Circular Uniforme (MCU) e

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão PROGRAMAÇÃO 18/08 - Apresentação

Leia mais

Física experimental - Ondulatória - Conjunto para ondas mecânicas II, adaptador para osciloscópio com sensor e software - EQ181F.

Física experimental - Ondulatória - Conjunto para ondas mecânicas II, adaptador para osciloscópio com sensor e software - EQ181F. Índice Remissivo... 5 Abertura... 7 Guarantee / Garantia... 8 Certificado de Garantia Internacional... 8 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos

Leia mais

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL

APRENDIZAGEM INDUSTRIAL CETEL- Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues APRENDIZAGEM INDUSTRIAL Disciplina: Fundamentos de Telecomunicações Filtros Filtros de frequência Conceitos Definição São circuitos para fornecer

Leia mais

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora.

TRANSMISSÃO. Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. TRANSMISSÃO Ao ser atingido por uma onda sonora, o obstáculo vibra, funcionando como uma nova fonte sonora. PAREDES HOMOGÊNEAS obedecem à LEI DA MASSA : o isolamento sonoro aumenta de db a cada vez que

Leia mais

Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil

Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil Paulo Alves Maia FUNDACENTRO / Campinas Introdução O ruído gerado nos canteiros de obra

Leia mais

O nível de ruído próximo aos motoristas de ônibus urbano na cidade de Porto Alegre, RS

O nível de ruído próximo aos motoristas de ônibus urbano na cidade de Porto Alegre, RS O nível de ruído próximo aos motoristas de ônibus urbano na cidade de Porto Alegre, RS Alessandro Giuliani 1 Resumo Apesar das grandes vantagens propiciadas pelo avanço tecnológico, o progresso tem trazido

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Capacidade de canal Aula-12 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 O pode ser definido como todo e qualquer tipo de interfência externa que exercida sobre um

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA INFLUÊNCIA DA UTILIZAÇÃO DO PROTETOR AUDITIVO NA PERDA AUDITIVA INDUZIDA POR NÍVEL DE PRESSÃO

Leia mais

Processos e Métodos de Monitorização de Ruído Ocupacional Um Guia de Boas Práticas

Processos e Métodos de Monitorização de Ruído Ocupacional Um Guia de Boas Práticas Bruno Moniz Silva Bettencourt Pinto Processos e Métodos de Monitorização de Ruído Ocupacional Um Guia de Boas Práticas Dissertação para obtenção do grau de Mestre em Ambiente, Saúde e Segurança Departamento

Leia mais

RUÍDO. Engº Marcelo Fontanella Webster

RUÍDO. Engº Marcelo Fontanella Webster RUÍDO Engº Marcelo Fontanella Webster DEFINIÇÕES: SOM - Fenômeno acústico que consiste na propagação de ondas sonoras produzidas por um corpo que vibra em meio material elástico. (especialmente o ar) RUÍDO

Leia mais

Decibelímetro Modelo SL130

Decibelímetro Modelo SL130 Manual do Usuário Decibelímetro Modelo SL130 Introdução Parabéns pela sua compra do Decibelímetro SL130 Extech. Desenhado para montagem em parede, mesa, ou montagem em tripé, este medidor está de acordo

Leia mais

PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico.

PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO. PALAVRAS-CHAVE: Perda Auditiva. Saúde Auditiva. Aparelhos Telefônicos. Traçado Audiométrico. PERDA AUDITIVA EM AMBIENTES DE TRABALHO Aleciane Aleni Thomazi 1 Dr. Euclides Antônio Pereira Lima 2 RESUMO A perda auditiva em ambientes de trabalho é a alteração mais frequente à saúde dos trabalhadores

Leia mais

OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano

OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano Professor Mário Conceição Oliveira índice Oscilações e ondas...1 Tipos de Ondas...2 Tipo de deslocamento das ondas...2 Movimento ondulatório...2 Ondas Mecânicas...3

Leia mais

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Porque é importante comunicar? - Desde o «início dos tempos» que o progresso e o bem estar das sociedades depende da sua capacidade de comunicar e aceder

Leia mais

Instituto Politécnico de Setúbal. Escola Superior de Ciências Empresariais Escola Superior de Tecnologia de Setúbal.

Instituto Politécnico de Setúbal. Escola Superior de Ciências Empresariais Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Ciências Empresariais Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Ruído Ocupacional Avaliação de Ruído - Estaleiro Central da SETH, SA Fernandes PROJETO

Leia mais

Análise dos níveis de ruído em máquinas florestais no estado Paraná

Análise dos níveis de ruído em máquinas florestais no estado Paraná Análise dos níveis de ruído em máquinas florestais no estado Paraná David Yuri Stocco (UTFPR) angimedi@terra.com.br Rodrigo Eduardo Catai (UTFPR) catai@utfpr.edu.br Jayme Passos Rachadel (UTFPR) jaymerachadel@terra.com.br

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

Conforto ambiental: O homem e suas necessidades acústicas

Conforto ambiental: O homem e suas necessidades acústicas Conforto ambiental: O homem e suas necessidades acústicas O som e sua relação com o homem e o meio que o circunda Arq. Cláudia Barroso-Krause, D.Sc. PROARQ FAU/UFRJ www.fau.ufrj.br/proarq Concepção do

Leia mais

CÉSAR DINIZ ROLDÃO NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA EM BANDAS MILITARES NO DF

CÉSAR DINIZ ROLDÃO NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA EM BANDAS MILITARES NO DF UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Curso de Física NÍVEIS DE PRESSÃO SONORA EM BANDAS MILITARES NO DF Autor: César Diniz Roldão Orientador: Prof.

Leia mais