AS VOZES DOS ALUNOS. Os alunos como colaboradores no processo de melhoria da escola

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS VOZES DOS ALUNOS. Os alunos como colaboradores no processo de melhoria da escola"

Transcrição

1 AS VOZES DOS ALUNOS Os alunos como colaboradores no processo de melhoria da escola Artigo da autoria da equipa de investigação do Projecto Promoção de Educação Inclusiva do I.I.E.: Ana Correia Elsa Caldeira Isabel Paes Manuela Micaelo Teresa Vitorino Instituto de Inovação Educacional Lisboa, 29 de Março de 2002

2 AS VOZES DOS ALUNOS Os alunos como colaboradores no processo de melhoria da escola Alguns professores são mais compreensivos que outros. Eles ouvem-nos. Não gostamos de professores que são rígidos só a opinião deles é que conta. Às vezes dizem-nos: agora calem-se porque vou dar a matéria. Há professores que sabem cativar os alunos. Eu tenho professores que por vezes não dão a aula mas conversam connosco. Isso é uma das coisas que me cativa e me faz ir às aulas... Os processos de melhoria das escolas que visam uma educação inclusiva são movimentos contínuos contra a exclusão educativa e, em última instancia, social. Tal como Ainscow (1999) refere, trata-se de afrontar e defrontar renovadamente os processos e as práticas que vão erguendo barreiras que comprometem a participação de alguns estudantes. Nesses movimentos parecem conjugar-se diversos factores, pautados por aspectos contextuais, sendo de evidenciar o que se relaciona com a participação e a incorporação das pessoas, dos diferentes grupos que constituem uma comunidade educativa. Knight (cit in Slee 2000), lembra que a inclusão deveria ser parte integrante duma teoria geral da Educação, em que fins e meios são inseparáveis. Para este autor a Educação Inclusiva é uma indiscutível condição prévia de uma Educação Democrática: O princípio da Inclusão torna-se um meio para atingir as finalidades definidas. A inclusão não é abordada como um fim em si mesma. O que propomos é uma teoria cognitiva da Educação que faz emergir a educação inclusiva e a inclusão social do conjunto dos princípios epistemológicos gerais.(knight, op. cit). Assim, inclusão educativa tem a ver com todos os alunos, com o reconhecimento de cada um, num todo que constitui a vida de uma escola e com os modos de envolvimento das pessoas nas decisões e mudanças. Na medida em que cada um sente que pode participar e que o seu contributo é considerado, vai empenhar-se e investir cada vez mais naquela que considera ser a sua escola. De acordo com Hopkins et al. (1994), existe forte evidência de que este sentimento de identidade e de envolvimento constitui uma característica presente nas denominadas escolas eficazes. Com efeito, os alunos podem ser uns bons aliados no apoio e incentivo à melhoria da escola. Ao invés, quando os alunos estão menos envolvidos é mais provável que as suas atitudes para com a escola sejam muito mais negativas. E quando as inovações são introduzidas eles podem ser barreiras à mudança, criando um clima negativo que desencoraja o corpo docente na sua tarefa de atingir os objectivos a que se propõe. Neste sentido, os professores precisam de ter um feedback relativamente à sua prática. Em particular, necessitam de conhecer a perspectiva dos alunos em relação ao modo como desenvolvem a sua actividade como professores. Razão pela qual é tão importante ouvir as vozes dos alunos. 2

3 O Projecto Promoção da Educação Inclusiva Eu aprendo mais numa aula em que participo. Alguns dos nossos colegas vêm à escola mas não vão às aulas. Se as aulas fossem mais interessantes, isso ajudava. As minhas professoras conversam sobre os assuntos e sobre a melhor maneira de ensinar. As conversas que tivemos com os alunos de duas escolas - uma do 1º ciclo, situada no Pinhal Novo e outra do 2º e 3º ciclos do Ensino Básico, em Loures - acerca das suas opiniões e envolvimento nas suas escolas, permitiram-nos registar diversas afirmações como estas. Opiniões que nos permitem compreender melhor as suas motivações para aprender e como as experiências escolares, dentro e fora da sala de aula, facilitam ou dificultam o processo de aprendizagem. Estas escolas são parceiras do Projecto Promoção da Educação Inclusiva, desenvolvido pelo Instituto de Inovação Educacional desde 1999 e que decorrerá até Dezembro de Este Projecto apoia o desenvolvimento de práticas de ensino-aprendizagem em sala de aula que promovam respostas mais adequadas aos seus alunos, celebrando as diferenças. Considera, ainda, formas de desenvolver escolas mais inclusivas. Isto é, escolas que apoiam a participação e a aprendizagem de todos os alunos, e cuja cultura fomenta a colaboração e a parceria dentro da comunidade educativa. A estratégia global do referido Projecto consiste em utilizar a experiência e o conhecimento relevantes já existentes em cada escola como base fundamental para a introdução e consolidação de dinâmicas de questionamento reflexivo sobre as práticas educacionais, numa abordagem de investigação-acção. As escolas envolvidas estão empenhadas no desenvolvimento de tais práticas e de um ambiente educacional mais inclusivo, com vista ao sucesso dos seus alunos. Em cada um destes contextos, os professores e os diferentes órgãos de gestão, bem como os restantes profissionais, têm trabalhado em colaboração para identificarem as barreiras à participação e aprendizagem e definirem as estratégias de solução mais adequadas ao desenvolvimento da sua escola, como um todo. Para tal, têm tido como referencial os indicadores de inclusão (Booth et al., 2000). Estes indicadores ou, num sentido mais operativo, metas no processo de desenvolvimento, incidem sobre três dimensões da vida escolar: Dimensão 1 Cultura - diz respeito ao modo como uma filosofia de inclusão é partilhada pela comunidade escolar e como influencia o desenvolvimento das políticas e das práticas escolares e educativas adoptadas pela escola. Esta dimensão tem igualmente a ver com o facto de se considerar que a criação de uma cultura de colaboração na escola é considerada tão importante como a aquisição de conhecimentos e de competências; Dimensão 2 - Políticas - procura garantir que os princípios da inclusão estão no centro do desenvolvimento da escola, permeando todas as suas actividades e decisões, estando presentes em todos os aspectos do planeamento escolar; e, 3

4 Dimensão 3 - Práticas - relaciona-se com o garantir que toda a prática pedagógica evidencie tanto a cultura como as políticas inclusivas adoptadas pela escola. Trata de assegurar que os currículos, e os modos como são vivenciados dentro e fora das salas de aula, encorajam a participação de todos os alunos. As dinâmicas desenvolvidas no âmbito do Projecto Promoção da Educação Inclusiva decorrem das seguintes questões orientadoras da acção: - Como promover práticas mais inclusivas nas escolas? - Quais as estratégias desenvolvidas por cada escola, ao nível das práticas de sala de aula e ao nível da cultura e política da escola, que melhor parecem facilitar o processo de aprendizagem e de participação de todos os alunos? - Como apoiar os processos de desenvolvimento e aperfeiçoamento das escolas na promoção da educação inclusiva? As respostas a estas questões poderão constituir um referencial de apoio à reflexão realizada nas diferentes escolas e comunidades educativas e no próprio sistema. Desde o início do Projecto tem havido um acompanhamento regular a cada escola por elementos externos que actuam como amigos-críticos. Este acompanhamento tem sido efectuado por uma equipa de investigação do Instituto de Inovação Educacional (IIE), numa base semanal/quinzenal, bem como por uma equipa de dois consultores científicos do Centre for Educational Needs, da Universidade de Manchester. O papel dos elementos externos à escola caracteriza-se por uma relação de colegialidade, apoiando e participando nas reflexões sobre as práticas dinamizadas no seio de cada escola, ajudando, deste modo, à monitorização das inovações. No âmbito do Projecto têm decorrido inúmeros processos de formação dirigidos aos professores que, em cada escola, assumiram a sua liderança formando equipas de coordenação. Neles se inclui o planeamento de acções que conduzam ao envolvimento dos diversos parceiros educativos, bem como sessões de trabalho, em rede, com outras escolas. Presentemente, estão a ser experimentadas estratégias conducentes ao fortalecimento de sinergias locais, com vista ao desenvolvimento, em cada comunidade educativa, de redes de aprendizagem e ajuda mútua, lideradas pelas próprias escolas. O processo de formação e de acompanhamento dos coordenadores de cada escola e da equipa de investigação é sustentado pela realização de seminários intensivos, com periodicidade semestral, coordenados pelos consultores científicos. Estes encontros incluem momentos específicos de visitas às escolas pelo conjunto dos elementos externos, focalizando-se, cada visita, em abordagens específicas do desenvolvimento da escola. 4

5 As vozes dos alunos Gostamos das aulas em que temos momentos em que podemos falar uns com os outros. Primeiro, peço ajuda a um colega meu parceiro, só depois é que peço ajuda à professora. Às vezes a ajuda dos colegas consegue ser melhor do que a ajuda dos professores. Explicam com palavras que nós percebemos melhor. O relato seguidamente apresentado é o resultado de uma das visitas efectuadas às escolas envolvidas no Projecto, em que se tentou fundamentalmente ouvir os alunos, as suas ideias, opiniões, sugestões, o seu modo de 'sentir a escola'. Esta é mais uma forma de, conjuntamente, conhecer e compreender melhor estas escolas e de se continuar a fomentar o desenvolvimento de práticas inclusivas, um dos objectivos centrais deste Projecto. As entrevistas foram realizadas nas duas escolas pelos elementos externos, tendo sido utilizadas estratégias diferentes em cada uma delas, em função das faixas etárias dos alunos entrevistados, conforme apresentaremos adiante. As respostas dos alunos foram apresentadas às equipas de coordenação do Projecto de cada escola, no dia imediato à sua recolha. Esta apresentação foi efectuada na sessão de seminário do Círculo de Estudos 'Para o Desenvolvimento de Práticas Inclusivas nas Escolas', realizado em Alcochete, de 19 a 21 de Março de O corpo docente presente, em particular as equipas de coordenação do Projecto, sentiu-se motivado por todas as ideias expressas, anonimamente, pelos alunos. As apreciações menos positivas mereceram desde logo uma particular reflexão e um questionamento mais aprofundado. Muitas das opiniões e observações feitas pelos alunos constituíram mesmo alguma surpresa, um conjunto de pontos de vista diferentes dos expressos pelos professores. 5

6 Escola do Pinhal Novo Esta escola é uma escola pública do 1º ciclo do Ensino Básico, está situada numa área semi urbana, da região de Setúbal e integra a comunidade educativa de Pinhal Novo, concelho de Palmela, sendo uma das cerca de 30 escolas do 1º Ciclo neste concelho. A localidade de Pinhal Novo caracteriza-se por ser uma área em mudança, pois foi uma região rural que, progressivamente, se tornou numa região industrial. A escola foi construída no ano de 1963, tendo sido reconstruída e redefinidos novos espaços em No ano lectivo de 2000/2001, recebeu 136 alunos, com idades compreendidas entre os seis e os catorze anos, distribuídos por 6 turmas, do 1º ao 4º ano de escolaridade. Trabalham nesta escola 12 professores sendo seis titulares de turma, quatro de apoio educativo e dois sem turma. Perante a diversidade de crianças que frequentam a escola, esta definiu como meta desenvolver uma educação para todos, tendo o seu Projecto Educativo como filosofia responder a todos os alunos como indivíduos, reconhecendo a individualidade como algo que deve ser respeitado. Assim, o professor tem que diversificar as situações de aprendizagem, de acordo com as necessidades das crianças. O Projecto Educativo da Escola, pressupõe, ainda, um modelo de intervenção pedagógica com base em três vectores fundamentais: - Construir uma cultura de diversidade, por oposição a uma cultura da homogeneidade, assumindo-se a heterogeneidade como um recurso e não como um problema; - Construir uma cultura de autonomia, por oposição a uma cultura de subordinação; - Construir uma cultura de associação com os actores locais, por oposição a uma cultura de isolamento. Desde há alguns anos, um grupo de professores desta escola, tem tentado desenvolver formas eficazes de aprendizagem para todos os alunos, tendo sempre em consideração as diferenças individuais, e a construção de processos diversificados de aprendizagem. Neste contexto, a Escola contactou o IIE, em Setembro de 1999, solicitando a sua colaboração no trabalho pedagógico, que estava a ser desenvolvido na escola. Esta solicitação visava estabelecer uma parceria entre a Escola e o Instituto, no âmbito da qual este desempenhasse a função de observador da vida da escola e estimulasse a reflexão sobre as práticas desenvolvidas. No seguimento da proposta apresentada ao IIE e da aceitação por parte da escola de se envolver num processo de investigação-acção, esta participou, com um grupo de cinco professoras, no primeiro seminário do projecto orientado pelos consultores científicos. Essa equipa deu origem ao grupo coordenador do Projecto. O grupo coordenador integrou a directora da escola e, desde o primeiro momento, apostou na participação e envolvimento de todo o corpo docente. A estratégia adoptada assentou, numa primeira fase, na realização de reuniões semanais do Conselho Escolar e em reuniões parcelares de grupos de professores, permitindo momentos de partilha e de reflexão. Desde então uma das grandes preocupações organizacionais tem sido a de assegurar parcerias de ensino em toda a escola, como forma de apoiar cada professor à medida que experimenta novas práticas em sala de aula. Desta forma, assegurou-se a circulação de informação e a partilha de práticas, permitindo, ainda, ao corpo docente da escola seleccionar os 6

7 indicadores de inclusão (metas de desenvolvimento) que passaram a orientar e balizar o trabalho a desenvolver. Decorrente desta dinâmica, três dos elementos externos que acompanham a escola (dois da equipa de investigação do IIE e uma consultora científica) entrevistaram os alunos e registaram as suas respostas. Os alunos foram entrevistados em grupos de cinco ou seis, pertencentes a cada turma, utilizando o 'grupo de foco' como técnica de recolha de informação. Com o prévio acordo dos professores, cada entrevistador dirigiu-se a uma sala de aula, interrompendo as actividades lectivas que decorriam normalmente. Após uma breve apresentação informal à turma, cada entrevistador pediu voluntários, de braço no ar, para conversar sobre a escola, procedendo-se de seguida a uma escolha aleatoria, havendo o cuidado de manter um equilíbrio entre crianças de ambos os sexos. O ponto de partida para a elaboração do roteiro de questões colocadas aos alunos foram os 'indicadores' de inclusão e algumas das questões de pesquisa, anteriormente identificados pela própria escola para servirem de referencial ao seu desenvolvimento específico. No que respeita ao indicador no domínio da cultura de escola - 'os alunos apoiam-se mutuamente' -, este teve como foco duas questões centrais: - as tarefas solicitadas pelos professores promovem o trabalho de apoio mútuo/de colaboração entre os alunos? - os professores servem de modelo para incentivar a prática de colaboração e apoio? O segundo indicador de inclusão, relacionado com a dimensão políticas de escola - 'o sistema de avaliação dá valor a tudo que os alunos tenham conseguido'- foi desenvolvido, nas entrevistas, tendo como referência as seguintes questões: - que aspectos do currículo são valorizados pelo professor? - que aspectos do currículo são avaliados? Quanto ao indicador referente às práticas de sala de aula - 'as dificuldades de aprendizagem são vistas como oportunidades de aperfeiçoamento das práticas' -, foi analisado em torno de duas questões: - o professor identifica as dificuldades dos alunos? e, - o que muda na prática do professor quando as dificuldades são identificadas? As perguntas que decorreram destes focos de questionamento foram sendo colocadas de forma flexível, utilizando uma linguagem simples e directa, adequada ao grupo etário em questão, procurando favorecer o diálogo e a interacção, estimulando a troca de ideias e de opiniões (nem sempre convergentes) entre as crianças. Desta forma aberta, valorizando as ideias de todos e de cada um, é mais provável apercebermo-nos do 'clima' de colaboração e parceria existente (ou não) entre os alunos e no seio da escola. Cada entrevista foi conduzida por um dos elementos externos, tendo sido realizadas no exterior da sala de aula, num local calmo onde a conversa só foi ouvida pelos participantes, tendo-se registado, por escrito, as expressões emergentes relativamente a cada foco de questionamento. Todas as seis turmas da escola foram entrevistadas (três no turno da manhã e igual número no da tarde), tendo as respostas sido, de imediato, partilhadas com o(s) respectivo(s) professora(s) de 7

8 cada turma. Este diálogo foi bastante interessante e relevante em termos reflexivos, pois, não só deu resposta à expectativa criada perante as respostas dos alunos como, principalmente, facultou aos professores uma imagem da escola e do processo de ensino e de aprendizagem vista pelos seus próprios alunos. Na sequência da realização das entrevistas, todas as frases registadas pelos entrevistadores foram entregues aos professores da equipa de coordenação da escola, tendo a informação sido trabalhada do seguinte modo: procederam, em primeiro lugar, à distribuição das frases dos alunos pelos três indicadores de inclusão definidos pela escola; tal processo permitiu desde logo identificar frases que evidenciavam aspectos negativos - aspectos que poderão ser considerados pela escola como desafios de mudança -, e frases que correspondiam já a evidências de cada indicador - aspectos positivos; em seguida, analisaram os dados de forma a identificar algumas categorias emergentes das expressões dos alunos, nomeadamente: parcerias de ensino, parcerias de aprendizagem, áreas de aprendizagem; finalmente, centraram a sua reflexão na seguinte questão: de que forma podemos utilizar estes dados para fortalecer a estratégia de acção da nossa escola e envolver todos os nossos colegas? Como resultado da apreciação e discussão dos dados, os coordenadores apresentaram aos restantes participantes no seminário as suas conclusões e o plano de acção consequentemente elaborado. Na sequência desta apresentação, os entrevistadores tiveram a oportunidade de partilhar as suas próprias opiniões sobre os processos e resultados das entrevistas. A apreciação global dos entrevistadores evidenciou a atitude afirmativa e de participação dos diversos grupos de alunos com quem tiveram a oportunidade de conversar, remetendo para a particularidade e riqueza dos seus testemunhos, seguidamente apresentados. A análise das opiniões expressas pelos alunos, feita pelos coordenadores da escola, permitiu evidenciar aspectos particularmente interessantes. Alguns desses aspectos, tal como foi dito anteriormente, revestem um carácter de desafio à mudança - aspectos negativos; outros parecem corresponder já a evidências de desenvolvimento - aspectos positivos. O clima vivido na escola foi sentido logo no diálogo inicial: questionados sobre o conhecimento dos seus colegas, verificou-se que, em geral, os alunos sabem quantos elementos tem a sua turma bem como os seus nomes. Interessante o facto, com o qual todos os elementos concordaram, de num dos grupos terem incluído na contagem as suas duas professoras. Apreciemos então, relativamente a cada um dos três indicadores, algumas das expressões dos alunos. Uma das questões do indicador no domínio da cultura de escola procurava conhecer as estratégias pedagógicas utilizadas pelos professores e se as tarefas solicitadas incentivam o apoio mútuo entre os alunos. De acordo com as opiniões dos alunos, as estratégias de organização da turma e de constituição dos grupos de trabalho utilizadas pelos professores revestem um carácter diverso: Trabalhamos com o parceiro, com o grupo e também sozinhos. 8

9 A maior parte dos trabalhos é feita a pares. Trabalha-se muito em grupos. e dinâmico: Para cada trabalho nós temos grupos diferentes. Os lugares não são fixos. Mudamos muitas vezes de parceiro. Esta diversidade de estratégias parece ir ao encontro da diversidade de estilos de aprendizagem dos alunos: Sozinho penso melhor. Alguns gostam de trabalhar sozinhos, especialmente no caso da Matemática. Com o parceiro é melhor para esclarecer dificuldades. Gosto mais de trabalhar a par, porque fica mais fácil tirar dúvidas. A ilustrada interacção dinâmica entre os alunos, incentivando o apoio e a colaboração, foi um dos aspectos positivos evidenciados, embora não generalizado e a desenvolver: A professora é quem organiza a sala. Em alguns casos, os alunos mais distraídos e com dificuldades sentam-se isolados [separados] do grupo. Os que estão no meio são os mais distraídos. Esta escola tem vindo progressivamente a desenvolver, nos últimos anos, uma cultura de colaboração entre os seus professores, consubstanciada, entre outras vertentes, em parcerias de ensino, como referimos. A maior parte das parcerias envolve o professor titular da turma e um professor de apoio, e tem um carácter flexível e temporalmente diverso, de acordo com as opções pedagógicas. Adicionalmente, desenvolvem-se parcerias de coadjuvação pedagógica em duas áreas de aprendizagem - Inglês e Educação Física, com a Escola E. B. 2, 3 da mesma comunidade educativa. Às vezes tenho duas professoras. Duas,... três professoras na sala de aula. Não temos dois, temos seis professores. Confrontados com esta realidade, as opiniões dos alunos reconhecem aspectos positivos: É bom porque todas ajudam e posso dirigir-me a qualquer uma. Temos sempre a quem pedir ajuda. 9

10 É bom porque as dúvidas são tiradas mais facilmente. É bom porque quando uma falta não ficamos em casa. Quanto mais melhor. Há mais ajuda. Mas não deixam de reconhecer alguns aspectos negativos: É mau. É muito confuso. São mais a ralhar. E distinguem as funções que lhes estão atribuídas: A professora X é a professora e a Y é a de apoio. A professora X é dos alunos mais avançados e a professora Y é a dos menos avançados. Estas últimas expressões evidenciam a necessidade do corpo docente reflectir sobre a qualidade e intencionalidade pedagógica das parcerias estabelecidas, no sentido de se reajustarem os papéis e as relações na sala de aula. Este mesmo facto foi reconhecido pelos professores da equipa de coordenação da escola, salientando a necessidade de negociação entre todos os adultos intervenientes naquele contexto. Quisemos saber um pouco mais sobre a leitura que os alunos fazem destas parcerias, nomeadamente qual o papel atribuído aos diferentes intervenientes e se lhes reconhecem modelos que incentivam a prática de colaboração e de apoio na sala de aula. Os alunos valorizaram o factor pessoal - Dão-se bem. - e pedagógico das parcerias entre os professores, a sua disponibilidade e mútua complementaridade: Explicam as duas, conversam as duas sobre as fichas. A professora X [professora de apoio] também ajuda nos trabalhos de grupo. E também dá matéria. [às vezes os alunos referiam-se à professora de apoio directamente pelo nome, não a considerando como professora ] As minhas professoras conversam sobre os assuntos e sobre a melhor maneira de ensinar. E, para além destes aspectos, os alunos reconhecem que as parcerias pedagógicas existentes não se limitam à intervenção directa com os alunos, englobando a planificação e reflexão conjuntas: Preparam juntas os assuntos para o dia seguinte. Preparam à tarde. Relativamente ao indicador 'o sistema de avaliação dá valor a tudo que os alunos tenham conseguido, no domínio das políticas de escola, as expressões dos alunos não permitem afirmar 10

11 que existem evidências de que o sistema de avaliação actual avalie de igual modo as diferentes áreas curriculares e valorize os desempenhos dos alunos em todas essas áreas. Os professores da equipa de coordenação da escola apreciaram sobremaneira os juízos dos alunos neste domínio, reforçando-o como um dos principais desafios de mudança, já expresso no plano de acção elaborado pela escola. Salientaram, em particular, a necessidade de aprofundar a intervenção pedagógica, valorizando todas as áreas curriculares e celebrando o sucesso dos desempenhos dos alunos em todos os domínios de aprendizagem. As questões dirigidas aos alunos, muito próximas das práticas de ensino, realçam o conhecimento que têm de todas as áreas de aprendizagem, onde incluem as áreas leccionadas em coadjuvação por docentes do 2º ciclo: Inglês e Educação Física. No entanto, nem todas têm o mesmo estatuto, como é o caso das áreas das expressões. Como uma das alunas referiu, Música é só no intervalo. Alguns alunos apreciaram o reconhecimento de todos os seus desempenhos: Tudo o que fazemos é visto pela professora. Tudo é avaliado: satisfaz, bom, muito bom e não satisfaz. Todos eles associaram directamente o conceito de avaliação às fichas de avaliação. Estas, no entanto, existem apenas em algumas áreas de aprendizagem, em algumas matérias, como referiram: Meio Físico, Matemática e Língua Portuguesa. Uma ficha para cada matéria. Num dos grupos, do 4º ano, uma das alunas evidenciou o papel desta estratégia no seu processo de aprendizagem e de auto-avaliação: As fichas de avaliação são boas para saber o que eu tenho de aprender mais. E, neste mesmo grupo, dois outros alunos, secundados pelos seus colegas, deram a sua opinião em relação à abrangência da avaliação às diversas áreas do currículo: Acho que deveria haver avaliação em mais matérias. Acho que devíamos ter avaliação em todas as matérias. Procurámos conhecer em que medida os alunos são envolvidos no processo de planificação das actividades curriculares, sendo solicitados a participar e a dar sugestões que vão ao encontro das suas motivações e interesses. As respostas foram diversas, não havendo evidências de uma política de escola nesse sentido: A professora pede muitas sugestões. De vez em quando a professora pede sugestões. A professora nunca pede sugestões. 11

12 No mesmo sentido, procurámos saber qual o envolvimento dos alunos nas estratégias de avaliação, tendo as respostas sugerido igualmente práticas pedagógicas distintas. Alguns alunos referiram que não são solicitados a participar na apreciação dos seus desempenhos: Nunca dei notas aos meus trabalhos. Outros, porém, não apenas revelaram participar no processo de auto-avaliação, sendo incentivados a colaborar com os professores nas estratégias de avaliação: Já dei notas aos meus trabalhos e já corrigi trabalhos de colegas meus. Um dos aspectos inúmeras vezes questionado, principalmente no 1º ciclo do ensino básico, prende-se com a existência, a frequência e as características do trabalho para casa. Este foi um aspecto igualmente discutido com os nossos interlocutores, querendo nós saber a sua opinião acerca do contributo desta tarefa, quase diária nesta escola, para o processo de aprendizagem de todos os alunos: Gostamos de fazer trabalhos de casa: aprendemos, estudamos. TPC todos os dias ou quase todos os dias, excepto no dia do aniversário. Constatámos que esta tarefa não é alheia ao sistema global de avaliação desenvolvido pela escola, sendo um dos instrumentos existentes para acompanhar o processo de aprendizagem dos alunos, informando-os do seu desempenho, valorizando-os: O TPC é sempre visto. As fichas de trabalho são sempre corrigidas. Fazendo a ponte com o indicador relativo às práticas de sala de aula - as dificuldades de aprendizagem são vistas como oportunidades de aperfeiçoamento das práticas, questionámos os entrevistados acerca dos procedimentos habituais perante as dificuldades dos alunos na concretização das tarefas. As expressões utilizadas pelos alunos evidenciaram a utilização habitual dos recursos existentes para apoiar a aprendizagem e a oportunidade que lhes é proporcionada para liderarem as tarefas. Os recursos materiais, almejando a autonomia dos alunos e o apoio mútuo entre eles: Procuramos ajuda nos materiais que podemos consultar na sala de aula. O recurso às professoras no apoio à aprendizagem e participação de todos os alunos: Quando não sabemos, ou quando em algumas tarefas a professora nos manda pesquisar, a X [professora de apoio] pode ajudar-nos a encontrar os livros na biblioteca e orienta-nos. Quando o aluno tem dificuldade, mostra-a à professora X e ela pode nos mandar à professora Y. 12

13 Ou aos colegas, a quem os alunos sabem que podem pedir e dar ajuda: Posso perguntar ao colega do lado. A professora costuma dizer: Se tiverem alguma dificuldade perguntem ao colega. E, se a dificuldade persiste..., perguntamos à professora. Os alunos sabem, no grupo, quem conseguiu perceber, quem aprendeu. E, se algum colega não aprendeu, podem ensiná-lo e tentam que ele ultrapasse a dificuldade. Quando acabo uma tarefa a professora diz para ajudar um colega com dificuldade. Primeiro, peço ajuda a um colega; só depois é que peço ajuda à professora. Algumas expressões dos alunos revelam mesmo evidências de uma cultura de colaboração e apoio na escola, envolvendo a aprendizagem colaborativa entre pares: Quando o aluno tem dificuldade, a professora orienta o chefe de grupo que, por sua vez, dá ajuda. Mas o grupo pode ajudar o chefe quando ele não sabe. Às vezes a ajuda dos colegas consegue ser melhor do que a ajuda dos professores. Explicam com palavras que nós percebemos melhor. Quando acabei fui ajudar dois colegas, mesmo sem a professora dizer. 13

14 Quais os ecos das vozes dos alunos na escola? A convergência de opiniões dos alunos permitiu ao grupo de coordenação da escola do Pinhal Novo, durante a sessão de seminário, a identificação de padrões. O elevado número de referências, e a valorização atribuída à realização de trabalho a pares ou em grupo, evidenciam como padrão positivo a existência de uma cultura de colaboração assumida pelos alunos. A correcção de todos os trabalhos elaborados e a disponibilização de materiais de apoio na sala de aula constituem outras evidências positivas apontadas pelos alunos. Estes valorizam ainda os momentos em que desenvolvem autonomamente trabalhos de pesquisa, com orientação do seus professores. Como padrões negativos, a adopção de um modelo de organização da sala de aula em que os alunos são agrupados por níveis de competência, ou por características de comportamento. A desvalorização de algumas áreas curriculares, nomeadamente as expressões é também saliente nas vozes dos alunos. Essa desvalorização decorre do facto de algumas áreas não serem avaliadas, sentindo os alunos que o seu desempenho nem sempre é recompensado. Para além destes padrões, surgiram ainda aspectos referenciados de forma contraditória. Assim, enquanto alguns se referem a parcerias em que os professores apoiam indiferentemente os alunos, parecem existir outras em que os papéis do professor de apoio e do ensino regular estão definidos de forma demasiado rígida, dificultando a participação de alguns alunos e isolando-os dos outros colegas da turma. Alguns aspectos relacionados com os intervenientes na avaliação são também referidos de forma contraditória. Deste modo, se bem que alguns alunos digam que são implicados no processo avaliação da sua própria aprendizagem, outros dizem nunca terem sido envolvidos no mesmo. De igual forma, alguns alunos referem que são solicitados e que as suas sugestões são negociadas, para a co-construção da sala de aula como espaço de aprendizagem, enquanto outros dizem nunca ter sido solicitados a fazê-lo. Com base nos padrões negativos e nos aspectos contraditórios, a equipa de coordenação elaborou um plano de acção com os seguintes objectivos: - Fortalecer as parcerias de ensino através da redefinição de papeis e da valorização do professor de apoio educativo; - Implicar mais os alunos no processo de avaliação dos seus conhecimentos, consciencializando-os dos seus progressos ou dificuldades e rentabilizando o tempo do professor; - Promover uma maior participação dos alunos, implementando estratégias de negociação que incluam os seus contributos, quer na planificação, quer na organização e gestão dos grupos de trabalho; - Valorizar as diferentes capacidades dos alunos, através do reconhecimento de todas as áreas curriculares. Para pôr em prática este plano, posteriormente, a escola considerou coveniente recolher as opiniões da totalidade dos alunos da escola, envolvendo ainda os encarregados de educação neste processo. Para tal, seleccionou e aplicou dois questionários adaptados do INDEX for Inclusion (Booth et al., 2000), um relativo aos alunos do primeiro ciclo e outro para encarregados de educação. 14

15 Escola de Loures É uma escola pública de 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico integrada na comunidade educativa de Loures, tendo entrado em funcionamento nas presentes instalações no ano-lectivo de 1986/87. Frequentaram a escola, em 2000/2001, 1031 alunos, distribuídos por 50 turmas do 5º ao 9º anos de escolaridade. As suas proveniências são a própria cidade, algumas aldeias vizinhas e bairros criados para realojar famílias de zonas degradadas da periferia de Lisboa, constituindo uma população escolar heterogénea nos aspectos socio-económico e cultural. Desde sempre foram desenvolvidas iniciativas conducentes ao trabalho com a diferença e, decorrente destas práticas, foi adoptada uma filosofia de escola ancorada nos princípios da Educação para Todos, com a tónica na melhoria da qualidade de vida na escola. Esta filosofia encontra-se expressa nos diferentes documentos existentes, nomeadamente no Projecto Educativo de Escola que assenta nas ideias da: - Formação integral dos alunos, no sentido de os preparar para um papel mais activo na sociedade, valorizando-os como pessoas em interacção com os outros, na base do respeito pela sua própria cultura e pela cultura de outros grupos e povos; e da - Promoção da igualdade de oportunidades no acesso ao conhecimento. Em 1999, a Escola de Loures solicitou o acompanhamento do Instituto de Inovação Educacional para a concretização de acções conducentes ao desenvolvimento de práticas mais inclusivas na sala de aula. Na sequência desta solicitação, deu-se a adesão da escola ao Projecto Promoção da Educação Inclusiva e foi constituído um grupo de coordenação, intencionalmente formado por um número alargado de professores (13 dos cerca de 120 que leccionaram nesse ano lectivo), de forma a possibilitar uma difusão de responsabilidades e uma representatividade do corpo docente e dos órgãos de gestão. Este grupo coordenador lidera o processo, em estreita articulação com o Conselho Executivo e com os restantes órgãos de gestão da escola, tendo em conta os indicadores de inclusão (metas de desenvolvimento), seleccionadas com a participação de todos os grupos que constituem a comunidade educativa e inseridas como prioridades no Projecto Educativo de Escola. No que se refere às entrevistas efectuadas, a escola delineou uma estratégia para tornar representativa a amostra de alunos: em cerca de duas turmas de cada ano de escolaridade foi convocado um grupo de alunos, seleccionados de acordo com os números de pauta. Estes números foram escolhidos aleatoriamente, sendo os mesmos para todas as turmas. Assim, participaram nas entrevistas cerca de 40 alunos de 11 turmas. Adicionalmente, também foi entrevistado um grupo de três alunos do 9º ano que na ocasião se encontravam na Biblioteca - sala onde se realizou parte das entrevistas e revelaram interesse em participar. Tal como na Escola do Pinhal Novo, elementos das equipas de investigação do IIE e de consultoria científica da Universidade de Manchester 1 entrevistaram os alunos e registaram as suas respostas. O ponto partida para a elaboração das questões colocadas aos alunos foram igualmente os 'indicadores' de inclusão identificados pela escola, nomeadamente: - 'valorizar de igual forma todos os alunos', no domínio da cultura de escola; 1 A Prof. Maggie Balshaw, da Universidade de Manchester, também participou nas entrevistas. 15

16 - 'adoptar uma política eficaz de minimização do absentismo dos alunos', no que concerne às políticas de escola; e; - 'planificar as aulas tendo em mente todos os alunos', referente às práticas de sala de aula. Cada entrevistador, individualmente ou em parceria, conversou com grupos compostos por alunos de uma ou mais turmas/anos de escolaridade, entre 4 a 8 alunos em cada grupo. Tirando partido das competências de escrita, começou-se por pedir aos alunos que escrevessem individualmente e de forma anónima - em dois pedaços de papel, um marcado com um sinal + e o outro com um sinal -, os seus sentimentos a respeito das aulas, com base nas duas interrogações seguintes, que lhes foram apresentadas oralmente: - O que é que te faz sentir querer ir a uma aula? (sinal +) - O que é que te faz sentir não querer ir a uma aula? (sinal -) À medida que terminavam, os alunos iam colocando os pedaços de papel, com as respostas viradas para baixo, em cima de uma cartolina colocada no centro da mesa. A cartolina estava dividida ao meio com uma linha, estando cada metade sinalizada com + e -, onde foram colocadas as respectivas respostas dos alunos. Em seguida, os papéis assinalados com sinal positivo ( + ) foram virados e as respostas de todos lidas em grupo, lançando-se um debate em torno das mesmas. O mesmo processo foi de seguida utilizado para as respostas com sinal negativo ( - ). Ao longo da conversa, sempre que vinha a propósito, o entrevistador ia introduzindo as perguntas que previamente tinham sido definidas, com base nos indicadores da escola e que foram as seguintes: - Quais as regras que têm de cumprir, na turma? E na escola? - O que acontece se os alunos tiverem dificuldades nas aulas? - Durante as aulas falam por vezes sobre diferentes culturas familiares? - O que fazem os professores para encorajarem os alunos a virem (a não faltarem) às aulas? Sempre que, ao longo da conversa, não surgiu como oportuna alguma(s) das quatro questões acima apresentadas, o entrevistador colocou-a(s) ao grupo, no final. Cada entrevistador registou as expressões mais significativas, no que respeita aos focos de questionamento definidos, que foram surgindo ao longo das conversas realizadas em pequenos grupos. Após as entrevistas estas expressões foram todas listadas e entregues à equipa de coordenação da escola, o mesmo acontecendo às reflexões iniciais escritas pelos alunos. Posteriormente, a equipa de coordenação trabalhou a informação recolhida, nos mesmos moldes atrás descritos para a Escola do Pinhal Novo, ou seja, começou por distribuir as frases dos alunos pelos indicadores da escola, identificando os aspectos positivos (evidências) e negativos. Em seguida, passou à identificação das categorias emergentes, nomeadamente: professores, disciplina, ambiente de sala de aula e conteúdos. Continuando a análise iniciada, debruçou-se sobre as questões colocadas a ambas as escolas. Após a apresentação dos resultados do trabalho, em plenário, foi a vez dos entrevistadores apresentarem a sua visão. 16

17 Globalmente, os entrevistadores apreciaram de modo particularmente positivo a experiência que viveram nesse dia, na Escola de Loures. Os alunos envolveram-se com agrado na entrevista, revelaram um bom relacionamento entre si e com os adultos e mostraram-se interessados em contribuir, com a sua opinião, para a melhoria da sua escola. Na maior parte dos casos, os grupos constituídos por alunos da mesma turma funcionaram melhor do que os outros. Quanto à informação recolhida, os entrevistadores destacaram os seguintes aspectos: - os alunos, individualmente, expuseram o seu objectivo de estudar para conseguir sucesso escolar e garantir o futuro. Essa é uma das suas principais motivações para irem às aulas. - no que diz respeito às diferentes culturas presentes na comunidade escolar, não foi evidenciada, em geral, a existência de atitudes discriminatórias ou racistas na escola; pelo contrário, os alunos expressaram o clima de respeito e camaradagem. - foi também referida, por parte dos estudantes mais velhos, a relativa diminuição da violência dentro do espaço escolar, em comparação com anos passados, devido, segundo os mesmos, a um controle mais rigoroso por parte do Conselho Executivo. - finalmente, tornou-se evidente, ao longo das diferentes entrevistas realizadas, que a generalidade dos alunos conhece bem as regras da escola. Tomando em consideração os aspectos negativos e positivos identificados pelos coordenadores a partir das expressões dos alunos, relativamente a cada um dos três indicadores que estão a ser trabalhados na escola, passamos a apresentar aquilo que se nos afigura mais relevante. Relativamente ao indicador de cultura, Todos os alunos são valorizados de igual forma, os alunos valorizam as aulas em que podem participar, dando as suas opiniões e contando as suas experiências, e os professores que os ouvem e revelam confiança neles: Gostamos dos professores bem humorados, que nos dão confiança mas também sabem impor o respeito. Nós damos valor à confiança que um professor tem em nós. Ele podia não vir às aulas e confiava que nós estudássemos sozinhos. O ano passado tínhamos uma colega muçulmana e a professora de História fez-lhe perguntas relacionadas com a sua cultura. Tanto ela como nós gostámos de a ouvir. Gostamos muito mais das aulas onde temos mais confiança com a professora. Por exemplo, se fez uma pergunta e nós respondemos mal, é mais compreensiva. Diz-nos: olha, não é isso, é aquilo Gostamos de ir às aulas de alguns dos nossos professores porque eles são simpáticos, compreendem-nos e falam connosco. Na mesma linha de ideias, os alunos mostram-se descontentes com os professores que não lhes dão a atenção que esperam e, sobretudo, com os que só solicitam a participação de alguns dos alunos, nas aulas: Duas alunas são muito mimadas pelos professores. Só lhes dão atenção a elas. (uma destas alunas estava presente e disse: É verdade. Isso acontece, às vezes. ) 17

18 Temos uma rapariga deficiente. Às vezes é ignorada. Às vezes sabemos mais do que os outros mas não nos deixam falar. Nas suas opiniões relativas às regras da escola e às da sala de aula, aspecto incluído nas questões guia das entrevistas para verificação do indicador de cultura, os alunos revelam ser tão exigentes uns com os outros: Cada pessoa deve ser capaz de perceber se está a fazer bem as coisas, ou não. Às vezes não cumprimos as regras, porque é um hábito. como para com os seus professores: Eu não concordo com algumas regras porque os professores não nos explicam a razão de ser dessas regras. Não são necessárias tantas regras. Alguns professores quebram as regras e não chegam a horas. O cumprimento das regras depende do professor. Foram observadas evidências de que este indicador de cultura de escola já se encontra, de alguma forma, interiorizado em determinados grupos de alunos, que reconhecem e valorizam as diferenças e as diferentes culturas: Fora da aula podemos estar chateados, mas isso não interessa. Dentro da aula nós temos que estar bem, porque são os nossos colegas e daqui a uns anos, se forem nossos colegas de trabalho, temos que saber trabalhar com eles. Devíamos falar mais da cultura de alguns colegas para os conhecermos melhor. Eles vêm para cá e sabem as nossas coisas e nós também gostamos de saber as deles. Há uma colega da nossa turma que aprende muito devagar. Ela só vai a algumas aulas. Nós tentamos ajudá-la. Tive um colega que me ensinou capoeira, a mim e aos outros colegas. E mostram-se críticos face às pessoas que praticam algum tipo de discriminação: Temos colegas que não gostam de trabalhar com alguns [currículos funcionais] e dizem: Ena! Temos aquele no grupo. Quanto ao segundo indicador, relativo à dimensão das políticas, A escola adopta uma política eficaz de minimização do absentismo dos alunos as expressões dos alunos não conduzem aos efeitos de uma política de escola dirigida à redução do absentismo dos alunos. A própria questão guia utilizada nas entrevistas limitava-se à actuação dos professores: o que fazem os professores para encorajarem os alunos a virem (a não faltarem) às aulas?. Uma grande parte das respostas a esta pergunta são do tipo das que se seguem: Alguns professores encorajam-nos a não faltar às aulas. 18

19 Alguns professores tentam conversar com os nossos colegas que faltam às aulas, a tentar convencê-los a não faltarem Ao longo dos debates que se proporcionaram no âmbito destas entrevistas, os alunos referiram-se aos seus colegas que comparecem na escola mas faltam a determinadas aulas e aos modos como aquela actua a este respeito: A professora mandou-me ir buscar um aluno. É a única professora que faz isso. Alguns alunos vêm à escola mas não vão às aulas. Os pais não sabem. Alguns dos nossos colegas vêm à escola mas não vêm às aulas. Os professores não fazem nada Se as aulas fossem mais interessantes, isso ajudava. Como pode verificar-se pela conclusão do depoimento anterior e por outros, que se seguem, alguns dos alunos relacionam o absentismo e o desinteresse com a qualidade e o interesse das aulas: Nas aulas boas, há poucas faltas. Há mais coisas positivas do que negativas que nos levam a assistir às aulas. Quando gostamos de uma aula, ela acaba logo. Quando não gostamos, estamos sempre a olhar para o relógio, nunca mais toca Há inúmeras outras expressões semelhantes às anteriores que, tal como estas, constituem desafios à escola e ao corpo docente nos seus esforços para incentivarem ainda mais os alunos a irem às aulas. Estes desafios relacionam-se intimamente com a melhoria das práticas. Na dimensão das políticas de escola é de realçar, ainda, um aspecto referido por alunos de um grupo do 9º ano que aponta para uma linha de orientação e de diagnóstico e que se sustenta na eficácia do controlo social, numa turma com um percurso escolar comum de vários anos: A nossa turma é muito unida. Já estamos juntos há muito tempo. As pessoas da nossa turma não costumam faltar muito porque não querem ser mal vistas pelos próprios colegas. Em conclusão sobre esta dimensão das políticas, os dados analisados demonstram que a tomada em consideração das opiniões dos alunos, mesmo que não questionados directamente sobre a organização da escola, pode fornecer importantes elementos de definição de prioridades, visando uma política de inclusão. Foi no domínio das práticas, naturalmente, que se obteve um maior número de opiniões dos alunos. As evidências detectadas excedem o âmbito do foco de desenvolvimento em análise: As aulas são planificadas tendo em mente todos os alunos. No entanto, todos os dados recolhidos foram considerados pela escola de grande utilidade para a melhoria das práticas. Muitos desses dados prendem-se com a dimensão da cultura de escola e remetem fundamentalmente para a problemática da relação pedagógica, sendo que os alunos são claros em sublinhar a importância do respeito pela pessoa, nas suas diferenças, e da oportunidade de participar, vendo esse contributo ser valorizado, em pé de igualdade, como vimos atrás,. 19

20 Ainda a respeito da participação, as vozes dos alunos apontam a necessidade de se criar, nas aulas, um ambiente facilitador da comunicação entre todos os intervenientes a respeito do assunto em foco, nomeadamente que os alunos se sintam à-vontade para expor as suas dúvidas e ideias: Nas aulas em que participamos e não temos medo de o fazer, percebemos melhor a matéria. Há professores que estão sempre a escrever no quadro e nunca nos deixam falar. Se eu não percebo nunca digo nada. Os professores dizem que eu deveria ter estado com mais atenção. Em relação ao foco de desenvolvimento da escola relativo às práticas há claras evidências, recolhidas em todos os grupos entrevistados, do uso regular de metodologias activas e de apoio aluno-a-aluno por professores desta escola e de como essas metodologias ajudam a melhorar as aprendizagens. Os alunos em geral afirmam que aprendem melhor em aulas em que são utilizadas abordagens de aprendizagem activa: Gostamos de jogos e actividades que estão relacionadas com o que aprendemos. Achamos que ouvir um professor durante toda a aula e ter que escrever tudo é demasiado. Gostamos de fazer trabalhos práticos: fichas, exercícios, pinturas, colagens. e, particularmente, quando conhecem a finalidade do seu trabalho: Numa aula estivemos a fazer um texto com diálogo para fazermos um teatro e eu fiquei entusiasmado. quando sentem que as diferentes aptidões e competências são aproveitadas e valorizadas: Gostámos muito de uma aula de Música em que cada um foi ao ponto de saber tocar um instrumento. e são encorajados a aprender uns com os outros: Às vezes trabalhamos em parceria. Tiramos dúvidas ajudamo-nos mutuamente. Eu estou com mais atenção numa aula em que o professor explica as coisas e, depois, nos manda fazer exercícios e trabalhamos em grupo. Relativamente aos trabalhos de grupo e à aprendizagem cooperativa, há dois tipos de opiniões dos alunos decorrentes do maior ou menor sucesso das suas experiências. Assim, há um aluno que refere: Perdemos muito tempo nos trabalhos de grupo. Enquanto que outros testemunham: Quando tenho uma dificuldade, primeiro pergunto ao professor. Se não fiquei esclarecido, pergunto a um colega. 20

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*)

Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) 1 Um percurso formativo Fátima Fonseca (*) Este trabalho prende-se com o estudo que fizemos na formação na área das Competências Interpessoais, sendo que o grande objectivo é o de sermos capazes, nas nossas

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações [setembro de 2011] Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Diretor... 3 Professor bibliotecário...

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO JOÃO DA TALHA LOURES RESPOSTA AO CONTRADITÓRIO ANÁLISE DO CONTRADITÓRIO A equipa de avaliação externa apreciou o contraditório apresentado

Leia mais

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM

Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Aprendizagem de Português L2 Criação e aplicação de estratégias e materiais conducentes ao sucesso educativo dos alunos PLNM Luísa Solla, ILTEC/ESE Setúbal e Fabíola Santos, ILTEC luisa.solla@sapo.pt fabiola.santos@iltec.pt

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar

CIRCULAR. Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar CIRCULAR Data: 11/04/2011 Circular nº.: 4 /DGIDC/DSDC/2011 Assunto: Avaliação na Educação Pré- Escolar Para: Inspecção-Geral de Educação Direcções Regionais de Educação Secretaria Regional Ed. da Madeira

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo

Avaliação do valor educativo de um software de elaboração de partituras: um estudo de caso com o programa Finale no 1º ciclo Aqui são apresentadas as conclusões finais deste estudo, as suas limitações, bem como algumas recomendações sobre o ensino/aprendizagem da Expressão/Educação Musical com o programa Finale. Estas recomendações

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB

O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB O DESENVOLVIMENTO DO PAÍS EXIGE UMA NOVA ESCOLA DO 1ºCEB Sem qualquer negociação, o Ministério da Educação anunciou, e está desenvolver, algumas medidas avulsas relacionadas com o 1º Ciclo do Ensino Básico.

Leia mais

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão

AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO. Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão AVALIAÇÃO INTERNA DO AGRUPAMENTO Agrupamento de Escolas nº2 de Beja - Mário Beirão Índice Introdução Objectivos Metodologia de Trabalho Áreas de Trabalho/ Conclusões Estruturas Formais Estruturas FísicasF

Leia mais

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade

Instituto Politécnico de Lisboa. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Instituto Politécnico de Lisboa Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa (ESTeSL) Gestão da Qualidade Relatório da Implementação de Medidas para a melhoria da Qualidade Abril 2011 1 Relatório da

Leia mais

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001

5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 5572 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 201 30 de Agosto de 2001 2 No âmbito do disposto no número anterior, o professor: a) Reflecte sobre as suas práticas, apoiando-se na experiência, na investigação

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2012 / 2013 ÍNDICE Nº Pág. 1 Introdução 3 2 Constituição 3 3 Ações e Objetivos 4 4 Identificação das necessidades de formação dos docentes

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Relatório de Avaliação da Acção de Formação

Relatório de Avaliação da Acção de Formação Relatório de Avaliação da Acção de Formação Este relatório resulta da análise de um questionário online administrado a todos os formandos de forma anónima. O questionário continha questões fechadas, que

Leia mais

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA

ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA ACÇÃO DE FORMAÇÃO EDUCAÇÃO PARA O EMPREENDEDORISMO NA ESCOLA Extracto do PARECER TÉCNICO emitido pelo Especialista da Formação PREÂMBULO O presente Parecer tem como objectivo a análise do Projecto de Investigação

Leia mais

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR

INTRODUÇÃO ÍNDICE OBJECTIVOS DA EDUCAÇÂO PRÈ-ESCOLAR INTRODUÇÃO ÍNDICE - Objectivos de Educação Pré-Escolar - Orientações Curriculares - Áreas de Conteúdo/Competências - Procedimentos de Avaliação - Direitos e Deveres dos Encarregados de Educação - Calendário

Leia mais

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade

Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Índice Preâmbulo... 2 I - Órgãos de Administração e Gestão. 2 Secção I - Legislação aplicável. 2 Secção II - Conselho Geral. 2 Secção III - O Director. 4 Secção IV - Conselho Administrativo 5 Secção V

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR A educação pré-escolar destina-se às crianças com idades compreendidas entre os três

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário

Regulamento Interno. Dos Órgãos. de Gestão. Capítulo II. Colégio de Nossa Senhora do Rosário Colégio de Nossa Senhora do Rosário Capítulo II Dos Órgãos Regulamento Interno de Gestão Edição - setembro de 2012 Índice do Capítulo II Secção I Disposições Gerais 1 Secção II Órgãos e Responsáveis das

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

E.B. 2/3 LUIS DE STTAU MONTEIRO Percursos... de Inclusão

E.B. 2/3 LUIS DE STTAU MONTEIRO Percursos... de Inclusão Anabela Antunes E.B. 2/3 LUIS DE STTAU MONTEIRO Percursos... de Inclusão Com este relato gostaríamos de compartilhar com outras comunidades educativas a experiência vivida ao longo destes anos e a forma

Leia mais

APÊNDICE I. Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos. Estabelecer um horário semanal de estudo

APÊNDICE I. Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos. Estabelecer um horário semanal de estudo APÊNDICE I Dificuldades Sentidas pelos EE no Acompanhamento Escolar dos Educandos Actividades Outubro Estabelecer um horário semanal de estudo Fazer cumprir o horário semanal de estudo Verificar diariamente

Leia mais

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO Nome do Docente: Período de Avaliação:200 / 2009 Grupo de Recrutamento: Departamento: A - Preparação e organização das actividades N A A.1 Correcção

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Sistema de Avaliação do Desempenho Pessoal Docente

Sistema de Avaliação do Desempenho Pessoal Docente DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO NORTE ESCOLA SECUNDÁRIA DE PAREDES 402424 Sistema de Avaliação do Desempenho Pessoal Docente 1.1 Objectivos e metas do projecto educativo Cada escola, como parte integrante

Leia mais

A emergência de novos conceitos e a implementação destas medidas vieram alterar algumas práticas e culturas dominantes nas. Manuel I.

A emergência de novos conceitos e a implementação destas medidas vieram alterar algumas práticas e culturas dominantes nas. Manuel I. Nota Prévia Manuel I. Miguéns 1 O Conselho Nacional de Educação tem prestado uma atenção muito particular à educação das crianças nos primeiros anos a educação primária ou primeira, como refere amiúde

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 2

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 2 Sexo Idade Grupo de docência Feminino 40 Inglês (3º ciclo/secundário) Anos de Escola serviço 20 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Inglês, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

Não sei em que mês nasci!

Não sei em que mês nasci! Não sei em que mês nasci! Cristina Martins, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Bragança Paula Maria Barros, Escola Superior do Instituto Politécnico de Educação de Bragança Introdução

Leia mais

Declaração de Salamanca 20 anos depois

Declaração de Salamanca 20 anos depois Declaração de Salamanca 20 anos depois Inclusão de Alunos com NEE Mito ou Realidade? Prof. Doutora Helena Mesquita hmesquita@ipcb.pt Revisitar a Declaração de Salamanca 1) DECLARAÇÃO DE SALAMANCA Junho

Leia mais

Manual Prático de Avaliação do Desempenho

Manual Prático de Avaliação do Desempenho Tendo em conta o planeamento das actividades do serviço, deve ser acordado conjuntamente entre o superior hierárquico e o trabalhador, o plano individual e os objectivos definidos para o período em avaliação.

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento

Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MOSTEIRO E CÁVADO Plano de Promoção de Leitura no Agrupamento 1. Apresentação do plano 2. Objectivos gerais 3. Orientações 4. Objectivos específicos 5. Actividades 6. Avaliação 1

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL -

AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - AGÊNCIA DE AVALIAÇÃO E ACREDITAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR A3ES PARTICIPAÇÃO DOS ESTUDANTES NAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO EXTERNA - EXERCÍCIO EXPERIMENTAL - Sónia Cardoso e Sérgio Machado dos Santos Gabinete de

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO

GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E NO ENSINO BÁSICO Relatório 2009-2010 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no Ensino

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO Agrupamento Vertical de Escolas São Vicente/Telheiras (171931) PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO 2009 2012 Sede: ESCOLA BÁSICA 2, 3 DE TELHEIRAS Nª 2 Rua Fernando Namora 1600-454 LISBOA Telef.: 217121260

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR I. Introdução Nos termos do art.º 22º da Lei nº 30/2002, de 20 de Dezembro, alterada

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS

Estratégia de parceria global da IBIS 2012. Estratégia de parceria global da IBIS Estratégia de parceria global da IBIS Aprovada pelo conselho da IBIS, Agosto de 2008 1 Introdução A Visão da IBIS 2012 realça a importância de estabelecer parcerias com diferentes tipos de organizações

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

Métodos de avaliação pedagógica ( [1] )

Métodos de avaliação pedagógica ( [1] ) Métodos de avaliação pedagógica ( [1] ) Margarida Fernandes ESE, Universidade do Algarve «Para conhecer a verdade acerca dum sistema educativo é necessário olhar para os seus métodos de avaliação. Que

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Sumário. 1. Introdução... 2. 2. Caracterização da Situação no Distrito de Setúbal... 4. 3. Planeamento das acções... 7

Sumário. 1. Introdução... 2. 2. Caracterização da Situação no Distrito de Setúbal... 4. 3. Planeamento das acções... 7 A Internet no 1º Ciclo do Ensino Básico 1 Sumário 1. Introdução... 2 2. Caracterização da Situação no Distrito de Setúbal... 4 3. Planeamento das acções... 7 4. O Site de apoio ao projecto... 9 5. O contacto

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS

Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS Anexo VI (A que se refere o artigo 2.º) LISTA DE COMPETÊNCIAS DIRIGENTES INTERMÉDIOS N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para se focalizar na concretização dos objectivos do serviço e garantir que

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237

Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 Diário da República, 1.ª série N.º 120 23 de Junho de 2010 2237 o previsto para os docentes da educação pré -escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, continua aplicar -se o disposto no seu artigo 18.º

Leia mais

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO

ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Natureza e objectivos Projecto de REGULAMENTO INTERNO ALIANÇA FRANCESA DO PORTO Introdução Aliança Francesa do Porto sede: Rua Santa Isabel, 88 4050-536 Porto contribuinte nº 507864549 telefone nº 226098616

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Agrupamento de Escolas Código: Direcção Regional de Educação

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Agrupamento de Escolas Código: Direcção Regional de Educação Direcção Regional de Educação do Norte Equipe de Apoio às Escolas Agrupamento de Escolas do Concelho de RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE DO PRÉ-ESCOLAR, 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

Leia mais

2. Enquadramento metodológico

2. Enquadramento metodológico 1. A Agenda 21 LOCAL 1. Em 1992, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento (CNUAD) aprovou um Plano de Acção para o Século 21, intitulado Agenda 21. Realizada

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013

PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA DE VALONGO PLANO ESTRATÉGICO DE ACÇÃO 2009/2013 SALA DE ESTUDO ORIENTADO 2009/2013 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PRIORIDADES... 4 OBJECTIVOS DA SALA DE ESTUDO ORIENTADO... 5 Apoio Proposto...

Leia mais

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa QUEM SOMOS NÓS? MANIFESTO A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa Somos adultos que participam em acções de alfabetização oriundos da Bélgica, França, Alemanha, Irlanda, Holanda,

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados

CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados CAPÍTULO IV Apresentação, interpretação e análise de dados Introdução Tendo explicado e descrito os instrumentos e procedimentos metodológicos utilizados para a realização deste estudo, neste capítulo,

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5 Sexo Idade Grupo de Anos de Escola docência serviço Feminino 46 Filosofia 22 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Filosofia, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o processo de avaliação

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA Formadora: Patrícia Almeida CONTEÚDOS Diferenciar Porquê? Teoria das Inteligências Múltiplas. Estilos de Aprendizagem. Hierarquia das Necessidades de Maslow. Modelo Ecológico.

Leia mais

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior

Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Rede de Informação do INE em Bibliotecas do Ensino Superior Francisco Correia Departamento de Difusão e Promoção Instituto Nacional de Estatística Avenida António José de Almeida 1000-043 Lisboa Tel: 218426143

Leia mais

Ana Maria Bettencourt

Ana Maria Bettencourt 16 17 Entrevista Ana Maria Bettencourt Ana Maria Bettencourt Tendo optado por mudar o mundo através da educação, Ana Maria Bettencourt fala de uma escola onde a responsabilidade pelas aprendizagens está

Leia mais

Acção Sócio-Educativa

Acção Sócio-Educativa Acção Sócio-Educativa Dinamizar estratégias que visam prevenir situações de absentismo e abandono escolar, voltar a colocar os jovens no Sistema Educativo. Estruturar os cursos de Alfabetização e Formação

Leia mais

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança

Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança Plano Local de Promoção e Protecção dos Direitos da Criança 2012-2014 Índice Introdução. 3 I. Fundamentação...4 II. Eixos Estratégicos... 7 1 Articulação Interinstitucional... 7 2 Estudo e análise da realidade

Leia mais

Avaliação do Projecto Curricular

Avaliação do Projecto Curricular Documento de Reflexão Avaliação do Projecto Curricular 2º Trimestre Ano Lectivo 2006/2007 Actividade Docente desenvolvida Actividade não lectiva Com base na proposta pedagógica apresentada no Projecto

Leia mais

As propostas do. Dimensão Histórica Cívica Artística Social Pedagógica

As propostas do. Dimensão Histórica Cívica Artística Social Pedagógica As propostas do LIVRO Livre Dimensão Histórica Cívica Artística Social Pedagógica Dimensão Histórica: Conhecimento do passado histórico: 25 de Abril, Estado Novo, Guerra Colonial, Descolonização e Democracia;

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz Plano de Ações de Melhoria Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz 2012/2014 i INDICE INTRODUÇÃO... 1 2. PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA... 3 2.1 IDENTIFICAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS... 3 2.2 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

O JORNAL DE PAREDE E O SEU IMPACTO EDUCATIVO NA COMUNIDADE ESCOLAR Carina Barbosa Nádia Amorim Olga Dias Jorge Pimenta Sandra Cardoso

O JORNAL DE PAREDE E O SEU IMPACTO EDUCATIVO NA COMUNIDADE ESCOLAR Carina Barbosa Nádia Amorim Olga Dias Jorge Pimenta Sandra Cardoso O JORNAL DE PAREDE E O SEU IMPACTO EDUCATIVO NA COMUNIDADE ESCOLAR Carina Barbosa Nádia Amorim Olga Dias Jorge Pimenta Sandra Cardoso. UM JORNAL DE PAREDE NUMA COMUNIDADE ESCOLAR É certo que faz parte

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

INTRODUÇÃO. Projecto Curricular de Turma SALA DO ATL

INTRODUÇÃO. Projecto Curricular de Turma SALA DO ATL INTRODUÇÃO A Educação não formal distingue-se, nas últimas décadas da Educação formal ou ensino tradicional, uma vez que confere outro tipo de reconhecimento, organização, qualificação e estrutura. A Educação

Leia mais