Kit Inicial: Alta Administração Boards on Board. Como fazer

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Kit Inicial: Alta Administração Boards on Board. Como fazer"

Transcrição

1 Kit Inicial: Alta Administração Boards on Board Como fazer Uma iniciativa nacional liderada pelo IHI, a Campanha 5 Milhões de Vidas visa melhorar a qualidade da assistência à saúde no mundo através da prevenção da ocorrência de 5 milhões de incidentes entre Dezembro de 2006 e Dezembro de Os guias Como fazer desta Campanha são desenhados para partilhar as melhores práticas em áreas relevantes para as instituições participantes. Este guia é dedicado à memória de. David R. Calkins,, MPP ( 27 de Maio de de Abril de 2006) Médico, professor, colega e amigo fundamental para o desenvolvimento da base científica desta Campanha, David dedicou-se a garantir o embasamento clínico de seu trabalho, além de personificar o espírito de otimismo e aprendizado da campanha. Seu comprometimento incansável e inestimáveis contribuições serão fonte de eterna inspiração para todos nós. Copyright 2008 Institute for Healthcare Improvement Todos os direitos reservados. Cópias destes materiais são autorizadas somente para fins educacionais, não lucrativos, contanto que não haja alteração do conteúdo, e que o crédito pela autoria seja dado ao IHI. É vedada a reprodução destes materiais para fins comerciais ou lucrativos, bem como sua re-publicação sob quaisquer circunstâncias, sem autorização por escrito do Institute for Healthcare Improvement Como citar este material: 5 Million Lives Campaign. Getting Started Kit: Prevent Pressure Ulcers How-to Guide. Cambridge, MA: Institute for Healthcare Improvement; (Available at

2 O Institute for Healthcare Improvement (IHI) é uma organização sem fins lucrativos que visa melhorar a assistência à saúde em todo o mundo. O IHI ajuda a acelerar mudanças cultivando e colocando em práticas idéias promissoras de melhoria na assistência aos pacientes. Milhares de prestadores de serviços de saúde participam do trabalho inovador do IHI. Patrocinadores da Campanha A Campanha 5 Milhões de Vidas tornou-se possível através da liderança e generoso apoio dos planos de saúde America s Blue Cross e Blue Shield. O IHI também agradece aos seguintes patrocinadores: Cardinal Health Foundation, Blue Shield of California Foundation, Rx Foundation, Aetna Foundation, Baxter International, Inc., The Colorado Trust, e Abbott Point of Care A presente iniciativa baseia-se no trabalho iniciado pela Lives Campaign patrocinada pela Blue Cross Blue Shield of Massachusetts, Cardinal Health Foundation, Rx Foundation, Gordon and Betty Moore Foundation, Colorado Trust, Blue Shield of California Foundation, Robert Wood Johnson Foundation, Baxter International, Inc., Leeds Family, e David Calkins Memorial Fund. Colaboradores O trabalho de lideranças de várias instituições orientou o desenvolvimento deste guia. São elas: Center for Healthcare Governance, Centers for Medicare & Medicaid Services, Estes Park Institute, Great Boards, Joint Commission, National Association of Public Hospitals and Health Systems, National Center for Healthcare Leadership, National Quality Forum, and The Governance Institute. Nós agradecemos a eles, e a todas as pessoas e organizações que contribuíram. 2

3 Eu acho que deveríamos declarar 2007 como o Ano da Alta Administração e começar a colocar na mesa dos diretores não somente um pedido, mas um senso absoluto de obrigação, de aprender a fazer melhor e em seguida, fazer o que é uma boa gestão de cuidados de saúde. --Em entrevista com Donald Berwick, Joint Commission Journal on Quality and Patient Safety. 2006;32(12):666. Líderes são responsáveis por tudo na organização, especialmente tudo que dá errado. --Paul O Neill, Former Secretary of the Treasury and Chairman and CEO of Alcoa Table of Contents Page Metas e Seis ações que todos os administradores devem fazer 5 Introdução: Um Novo Tipo de Intervenção 7 Ambiente: O Poder de uma Liderança e uma Alta Administração bem engajadas 8 Aplicando a Estrutura do IHI para a melhoria da Alta Administração 11 Alinhamento com Regulamentos, Padrões e Práticas 13 A Intervenção: Seis Ações que Toda Alta Administração Deve Fazer 14 Tópicos para Discussão sobre Alta Administração e Qualidade 20 Começando com a Intervenção na Alta Administração 22 Bibliografia Comentada 23 Recursos Adicionais: Alta Administração e Liderança da Qualidade 33 Apêndice A: Medida de Intervenção Recomendada 36 3

4 Metas A Alta Administração dos hospitais devem seguir as seis ações chaves de liderança e administração para melhorar a qualidade e reduzir danos em seu hospital como recomendado neste guia. A princípio, a alta administração deve começar gastando mais de 25% do seu tempo de reuniões em assuntos sobre qualidade e segurança, e também devem conduzir uma conversa com pelo menos um paciente ou familiar, o qual tenha sofrido um dano sério dentro da sua instituição em todo o ano que passou. Seis Ações que Todos os Administradores Devem Fazer 1. Definindo Propostas: Definir uma proposta específica para reduzir danos este ano. Traçar um compromisso público e explícito para medir a melhoria da qualidade (ex.: redução em mortalidade e danos desnecessários), estabelecendo uma proposta clara para implantação. 2. Coletando Dados: Selecionar e revisar progressos em direção de uma segurança maior como o primeiro item da agenda em toda reunião de administração, totalmente transparente, e colocando um rosto humano nos eventos coletados. 3. Monitorando Medidas Sistêmicas: Identificar um pequeno grupo de profissionais para medir segurança do paciente (ex.estabelecer à escala de danos, risco de mortalidade); renovar as medidas continuamente e fazê-las transparentes para toda a organização e todos os clientes/pacientes. 4. Mudando o Ambiente, Políticas e Cultura: Compromisso em estabelecer e manter um ambiente de respeito, decente e justo para todos que experienciam a dor e a perda como resultado de danos de eventos sentinelas: os pacientes, familiares, e os profissionais envolvidos no evento. 5. Aprendendo Começando com os Gestores: Desenvolver a competência dos gestores para reduzir eventos evitáveis. Definir programa específico de desenvolvimento para todos os colaboradores. 6. Estabelecendo uma Educação Executiva: Supervisionar a execução de um plano eficaz para ativar as propostas para reduzir danos, incluindo a equipe executiva responsável por metas claras de melhoria da qualidade. 4

5 Introdução: Um Novo Tipo de Intervenção Nos primeiros 18 meses da Campanha 100,000 de Vidas (Dezembro de 2004 a Junho de 2006), o time do IHI parou de estudar os hospitais participantes que tiveram maior sucesso na iniciativa. Nós queríamos aprender mais sobre as instituições que introduziram o Time de Resposta Rápida nas UTIs; nós queríamos entender os insights clínicos e operacionais que permitiram outras organizações em ficar mais de um ano sem uma única pneumonia por ventilação assistida. Descobrimos inovações e adaptações locais para cada uma das 6 intervenções da Campanha de de Vidas (documentadas em detalhes na seção Dicas e Truques ) nos hospitais. Nós também notamos muitas características importantes nas instituições cujo trabalho foi excepcional, sem importar quais intervenções eles tentaram introduzir. Esses hospitais excepcionais parecem ter criado um contexto organizacional mais hábil a apoiar qualquer mudança, fornecendo cuidados para infarto agudo do miocárdio, reduzindo reações adversas a medicamentos através de reconciliação de medicamentos eficazes, ou introduzindo outras boas práticas para tornar os doentes mais seguros e os cuidados mais confiáveis. Essas organizações bem organizadas têm uma coisa em comum: um pequeno conjunto de propriedades funcionais, incluindo uma clara definição e priorização de projetos, medidas transparentes, investimentos na melhoria da qualidade e o conhecimento do papel que cada participante do sistema tem em melhorar os processos assistenciais. Esses elementos em comum eram a base para nosso Como se Guiar de Running a Successful Campaign in Your Hospital, e o que aprendemos nessa pesquisa moldou nosso pensamento sobre liderança, que então desenhamos para a Campanha de 5 Milhões de Vida. Nós também fomos informados de trabalhos inovadores de associações regionais e nacionais e agencias que procuram determinar executivos e atividades de administração para ajudar hospitais e sistemas de cuidados de saúde a entregar saúde com características de qualidade exploradas pelo Institute of Medicine em seu relatório: 5

6 Crossing the Quality Chasm. Nossa questão de direção é clara e importante: Qual o real papel das pessoas que estão nos níveis superiores aos colaboradores dentro da organização na busca de uma melhor qualidade? Como os líderes e administradores têm grandes e positivas influências nas mudanças? Assim que continuamos com a Campanha de 5 Milhões de Vidas, um esforço ambicioso e extraordinário acontece para reduzir danos aos paciente em hospitais pelo mundo. Nós decidimos aumentar das seis originais e as 5 novas intervenções (11 no total) com uma intervenção diferente: uma intervenção não-clínica. Essa intervenção, Alta Administração (Geralmente conhecida como Boards on Board depois do artigo de M. Joshi e S.C. Hines), foca um dos mais cruciais atributos dessas organizações que tem demonstrado o melhor progresso em segurança do paciente: Começando com o corpo diretivo. Ambiente: O Poder de uma Liderança e uma Alta Administração bem Engajadas A função primária dos líderes em saúde é a de apoiar seus colaboradores no desenvolvimento de comportamento, aptidões, hábitos, processos e tecnologias que conduzem de forma confiável a melhoria da performance. Essa influência tem ações tanto de empurrar (fazendo o status quo inconfortável) e puxar (tornando o futuro atrativo). O que foi publicado em IHI Framework for Leadership for Improvement sugere 5 importantes atividades de liderança que são relevantes para melhorias: 1. Estabelecer a Missão, Visão e Estratégia para comunicar a direção da organização a todos os interessados no negócio. 2. Construir a base para uma Liderança Eficaz selecionando, desenvolvendo e alinhando um time de liderança capaz de concluir tarefas, e assegurar que, dentro deste time a capacitação para melhorias seja contínua. 3. Construir um visível, constante, incansável e bem explicado compromisso, começando com os líderes da organização, para obter uma melhoria sistêmica o mais rápido possível. 6

7 4. Assegurar o acesso as boas práticas clínicas e processos de apoio, então a organização pode prontamente ter disponíveis designs e conceitos que seram superiores ao seu status quo. 5. Atender Incansavelmente a Execução, integrando critérios de melhoria e revisando o trabalho diário da organização, e assegurando que os bons resultados sejam sustentados, e comunicados a todos na organização. Em muitos dos nossos programas, nós do IHI temos testemunhado o poder do impacto da competência e do compromisso de líderes de dirigir a melhoria dos cuidados; nós temos visto na Breakthrough Series Collaboratives, Pursuing Perfection, Transforming Care at the Bedside, the IMPACT Network, New Health Partnerships, a Campanha de Vidas e agora a Campanha de 5 Milhões de vidas. Toda organização com resultados excepcionais tem demonstrado a ação efetiva de sua liderança nos 5 elementos da Estrutura: Visão, Fundação, Idéias e Execução. Melhor dizendo, se um desses elemento está faltando, o processo pode mudar ou facilmente acabar. Deficiência é comum. Sem isso, a liderança seria insuficiente mesmo onde inovações e boas práticas são abundantes, e mesmo onde gerentes de projetos e médicos com energia mostram facilidade em testes, adaptação e implementação de novas idéias. Líderes que ignoram atividades de melhorias, ou falham em apoiá-las, acabam mandando uma forte e implícita mensagem que melhoria da qualidade de cuidados tem importância secundária para outras considerações (ex.: finanças, uma mensagem que nós temos vistos destruir energia e levar recursos à atividades que têm menos impacto em resultados de pacientes. Quando isso acontece, em longo termo, a energia da melhoria, mesmo se começou alta, acaba). Um time de líderes altamente engajado trabalhando com uma alta administração também altamente engajada em uma parceria confiável pode ser a fonte de vontade para toda a organização. Enquanto hospitais rapidamente se movimentam em direção à melhoria, administradores têm uma oportunidade nós acreditamos que eles têm uma responsabilidade significante fazer a organização ter a qualidade e a segurança como prioridade. 7

8 Inutilidades vistas na Alta Administração dos hospitais às vezes sugerem que a administração de hospitais são somente responsáveis apenas pela reputação e saúde financeira da organização. As tarefas da Alta Administração nestas áreas são inquestionavelmente importantes, especialmente em função dos fortes padrões em benefício à comunidade Mas as tarefas da Alta Administração não termina em finanças. A Alta Administração supervisiona a missão, estratégia, a liderança executiva, a qualidade e a segurança, em nome dos interessados não importa se o hospital é da comunidade, do governo ou de um investidor. Como contido consistentemente nos padrões de acreditação da Joint Commission, Administradores tomam conta da qualidade da saúde, espera-se que eles cumpram um papel de supervisão do credenciamento da equipe médica, garantia da qualidade, e a melhoria contínua de cuidados fornecidos pela organização da saúde. Na visão moderna, administradores suportam a responsabilidade direta com a missão da organização para fornecer a melhor assistência possível e para evitar danos aos pacientes. A responsabilidade da Alta Administração de garantir e melhorar a assistência não pode ser delegada aos médico e à liderança executiva. Assegurar assistência livre de danos ao paciente é o trabalho da alta administração, no centro de sua responsabilidade. A Alta Administração em parceria com a liderança executiva, pode definir expectativas sistêmicas de alta performance para a eliminação do danos, este trabalho da liderança deve melhorar continuamente a qualidade da assistência no hospital. Tanto o Standard and Poor s e o Moody s Investors Service disseram em 2006 sobre a importância da liderança nos resultados da qualidade clínica e segurança da assistência. Chamou também a atenção para a gestão das melhorias pela Alta Administração e as lideranças. Nos últimos 10 anos, pesquisa de gestão feita por Alexander, Berwick, Chaitt, Joshi, McDonagh, Shortell, Weiner, e outros tem vindo repletas de artigos que ressaltam a responsabilidade dos administradores de saúde em qualidade e segurança. Em 1999, o 8

9 Institute of Medicine (IOM) tornou essa responsabilidade explícita em seu estudo, Errar é Humano (To Err Is Human), e reforçou isso novamente em Crossing the Quality Chasm em 2001 e em relatórios subseqüentes. Nestes últimos 5 anos, muitas ferramentas de avaliações surgiram através do IHI e de organizações que vem trabalhando na área de liderança e administração, incluindo o Center for Healthcare Governance, Centers for Medicare & Medicaid Services, the Estes Park Institute, Great Boards, the Healthcare, Research and Educational Trust, the Joint Commission, the National Center for Healthcare Leadership, the National Quality Forum, e The Governance Institute (Veja a Bibliografia Comentada e os Recursos Adicionais: Governance and Leadership of Quality Reference List). Pesquisas recentes sobre o papel da Alta Administração em organizações de alto desempenho (Lockee, Kroom, Zablocki, Bader, 2006; Vaughn, Koepke, Kroch, Lehrman, Sinha, Levey, 2006) mostram uma correlação direta entre o alto desempenho em hospitais e atributos específicos em sua Alta Administração. Administradores podem fazer uma diferença enorme quando: O CEO se responsabiliza pelas metas de qualidade e segurança; A alta administração participa no desenvolvimento de critério explícito para guiar o staff médico; O comitê de qualidade da Alta Administração anualmente revê a pontuação de satisfação dos clientes; A alta administração define a agenda da qualidade; e O staff médico é envolvido na definição da agenda para discussão da qualidade com a alta administração. Lockee, Kroom, Zablocki, Bader,

10 Melhores Resultados estão associados com hospitais nos quais: A Alta Administração gasta mais de 25% do seu tempo em assuntos ligados à qualidade; A Alta administração recebe um relatório de medidas de desempenho da qualidade; Existe um nível alto de interação entre a Alta Administração e o staff médico em estratégias de qualidade; A compensação dos líderes é baseada em parte do desempenho da qualidade; e O CEO é identificado como a pessoa com o maior impacto na qualidade, especialmente quando é identificado como o executivo responsável pela qualidade. Vaughn, Koepke, Kroch, Lehrman, Sinha, Levey, Porém as melhores práticas entre administradores permanecem pouco freqüentes. Procedimentos de uma reunião organizada por the Centers for Medicare & Medicaid Services (Departamento de Saúde e Serviços Humanos, 2006) sumarizam e reforçam muito os trabalhos de como administradores e líderes que aceitam responsabilidade pela qualidade da saúde devem atuar. Esses procedimentos incluem dados do National Patient Safety Foundation, Estes Park Institute, e AIG Insurance, e sugerem que existe uma lacuna significativa entre como o corpo administrativo, a liderança executiva, e a média gerencia vêem os elementos culturais e organizacionais da qualidade e segurança. Com o foco no papel da Alta Administração na direção da qualidade, com a ajuda de especialistas em Alta Administração dos melhores hospitais do país, sugere-se que o estado atual das atividades de administração da saúde, seja, no mínimo, altamente variável. Nossas análises sugerem que os administradores estejam engajados nas ações de melhoria da qualidade e segurança, sua eficácia em fazer isso, e seu entendimento em princípios da qualidade: 10

11 Ativamente engajada e capaz; já lidera uma organização de alto desempenho, e busca como eles podem fazer para que seu corpo administrativo trabalhe ainda melhor; Ativamente engajada; geralmente mostra compromisso através de um evento de alto perfil, mas precisa de uma fundação muito mais forte para trabalhar a melhoria continua; Não totalmente engajada, mas tendo forte talento no corpo administrativo; procura a luz, mas não tem a certeza de como proceder; e Nem engajado e nem capaz, sentindo que a qualidade está somente boa, vendo que a qualidade da saúde não é trabalho da Alta Administração, mas sim dos médicos e da liderança executiva. Nosso objetivo com este Guia e com outros como o da Campanha de 5 Milhões de Vidas e publicações sobre Alta Administração (Conway, 2008) é para despertar um pensamento sobre o comportamento das maiorias da Altas Administrações, para rever o que está sendo aprendido sobre administração para a Estrutura de Liderança do IHI de Melhorias para a Alta Administração, e sugerir vários passos simples para o desenvolvimento de atividades de administração eficazes em cada organização. Aplicando a Estrutura de Liderança do IHI para Melhorias da Alta Administração Um jeito de pensar sobre o trabalho de Alta Administrações eficaz é utilizar referências de IHI Framework for Leadership for Improvement e recomendar ações específicas para o corpo administrativo entrar no âmbito de cada uma das 5 categorias abaixo: 1. Estabelecer a Missão, Visão e Estratégia a. Definir uma direção e monitorar o desempenho. i. Integrar estratégia e qualidade. ii. Monitorar a cultura da qualidade e da segurança. iii. Estabelecer projetos para melhoria da segurança e da qualidade. 11

12 2. Construa a Base para um Sistema Eficaz de Liderança a. Estabelecer um Comitê da Qualidade; b. Trazer líderes com conhecimento em qualidade para a Alta Administração; c. Definir e ativar padrões educacionais para o corpo administrativo; d. Construir uma cultura sobre melhoraria de assistência durante as reuniões; do comitê e da Alta Administração, com médicos e demais profissionais, e com a administração; e. Atribuir Recursos adequados para o treinamento contínuo dos colaboradores sobre melhoria da qualidade. 3. Demonstre Determinação a. Estebelecer uma política de total transparência sobre dados de qualidade e segurança. b. Insistir na revisão de dados apoiando-se nas informações dos pacientes e de familiares; c. Ajudar Pacientes e suas famílias registrando suas histórias para apoiar as decisões do staff, líderes e da Alta Administração; d. Estabelecer políticas e práticas sobre erros que se enfatizam através da comunicação, práticas de respeito, divulgação, desculpas, apoio e resolução; e. Entender o desempenho contínuo de sua organização e os níveis de desempenho das melhores organizações do mundo; f. Mostrar que você entende o problema e está coordenando e colocando qualidade primeiramente na agenda da Alta Administração e deixando 25% ou mais da agenda para isso; g. Mostrar coragem: não fique parado. 4. Assegurar o acesso às Idéias a. Alta Administração deve solicitar das lideranças 04 questões para o desenvolvimento de novas idéias para o processo de qualidade e segurança: i. Quem é o melhor do mundo neste assunto? ii. Você entrou em contato com eles para ver como eles fazem isso? 12

13 iii. Quantas idéias você teve? iv. Que idéias nossos clientes e o staff tiveram para melhorar? 5. Acompanhar Incansavelmente a Execução a. Estabelecer Responsabilidades para execução do projeto; b. Estabelecer um processo eficaz de acompanhamento, incluindo: i. Dedicar 25% do tempo das reuniões da Alta Administração para qualidade e segurança; ii. Monitorar suas ações de melhoria (em vez de ser confortado por benchmarks). iii. Rever dados gerados semanalmente, ou no máximo, mensalmente. c. Provocar continuamente questões difíceis, incluindo: i. Estamos mesmo ativando o projeto? ii. Se não, porque não? Qual a estratégia para melhoria? Quais são os passos chaves planejados para a execução de larga escala? Alinhamento com Regulamentos, Padrões e Práticas Junto com o desenvolvimento deste guia, e com a intervenção específica da Liderança da Alta Administração, nós consultamos os padrões e regulamentos do National Quality Forum que preparou o Safe Practices for Better Healthcare: 2006 Update a Consensus Report (2007), que dizia que existia um esforço compreensivo para assegurar harmonia das práticas entre o Centers for Medicare & Medicaid Services, a Agency for Healthcare Research and Quality, o Leapfrog Group, e o IHI. A Intervenção da Liderança da Alta Administração está totalmente alinhada com o compreensivo Safe Practices. (NQF disponibilizou para o IHI através de uma cópia de TMIT, Table 1 Safe Practices, Care Settings, and Specifications, o quail pode ser encontrado no website do IHI em As recomendações do relatório de junção de 2007 do Department of Heath and Human Service Office do Inspetor Geral da American Health Lawyers Association, entitulado como Corporate Responsibility and Health Care Quality, são direcionalmente consistentes com esta intervenção. Similarmente alinhada e ancorada com a 13

14 Campanha, o National Business Group on Health (2008), uma união dos maiores empregados nacionais, anunciou uma iniciativa focada em uma Alta Administração engajada e em educação de executivos da própria organização que tenham a função em assuntos de qualidade e segurança na Alta Administração de hospitais. 14

15 A Intervenção da Alta Administração: Seis Ações que Toda Alta Administração devem fazer para melhorar a qualidade e reduzir danos. A Campanha 5 Milhões de Vidas pede para que a Alta Administração das organizações participantes comece focando nas seguintes 6 atividades: 1. Definindo Projetos: Definir um projeto específico para reduzir danos este ano. Definir um compromisso explícito e público com a melhoria da qualidade (ex.: redução em mortalidade e danos desnecessários), estabelecendo um projeto claro para a instalação ou sistema. Organizações devem desenvolver uma declaração específica para projetos de melhoria, com qualidade efetivamente integrada à estratégia. Por exemplo, os líderes da Ascension Health, o maior sistema de saúde não lucrative nos EUA, formulou 3 projetos estratégicos, eles prometeram fornecer: Sistema de Saúde Seguro; Sistema de Saúde que Funcione; e Sistema de Saúde que não deixa ninguém para trás. O CEO da Ascension disse necessário incluir metas quantitativas. Por exemplo, para o projeto Sistema de Saúde Seguro, a declaração específica é Não ter feridas ou mortes evitáveis até Julho de A Alta Administração e os Líderes reviram os processos e criaram um sistema transparente para ensinar as ações para todos os envolvidos no hospital. O projeto, é amplo e sistêmico, e pode servir para todos os hospitais.. Outro projeto estratégico como este, com uma meta associada (entre outros), de uma organização diferente é: Nós iremos oferecer toda a assistência e somente aquela assistência que nós sabemos que irá lhe ajudar. Nós não faremos nada que poderá causar danos a você. 15

16 Uma meta específica é chegar a 0 as infecções de acesso central em toda a instituição, até Agosto de No Dia de Ação da Campanha de 5 Milhões de Vidas que aconteceu em Junho de 2007, IHI pediu para as organizações declararem e dividirem seus projetos e muitos fizeram isso. 2. Coletando Dados e Ouvindo Histórias: Selecionar e revisar progressos de segurança de assistência como o primeiro item da agenda em toda reunião da Alta Administração, transparentemente, e colocar uma face humana nos dados de danos. Várias Administrações estão começando a fazer suas reuniões com uma revisão de caso de um paciente que sofreu danos no hospital no primeiro mês. Esses casos provocam conversas novas e diferentes, e fornecem determinação para mover sistemas mais seguros. Na reunião do Comitê da Alta Administração de Qualidade Clínica do Seton Family of Hospitals em Austin, TX, líderes operacionais revisaram um problema de segurança do paciente e seus planos para evitar a reincidência. Um dos membros do corpo administrativo queria um plano confiável. Ela notou que os planos propostos não eram exatamente para produzir confiança, e aquela ciência de confiança do trabalho seria uma solução melhor do que trabalhar duro. Aquela reunião foi um passo muito importante para criar uma cultura da confiança, e isso começou com um questionamento vindo de um membro do corpo administrativo. O IHI recomenda 2 passos bem específicos na avaliação inicial para toda Alta Administração e organização que participa da Campanha. Mesmo que os dois sejam talentosos, não existem passos mais poderosos do que esses dois para acelerar comprometimento do nível do sênior de líderes. 16

17 Gráfico de Auditoria Clínica: A Alta Administração deve fazer uma revisão de 20 registros do primeiro mês de pacientes escolhidos aleatoriamente para documentar todos os tipos e níveis de danos. Nós sugerimos que esta revisão, e o relatório subseqüente para a Alta Administração, sejam conduzidos por equipe multidisciplinar com a ajuda da ferramenta IHI Global Trigger Tool. Especificações, exemplos, e treinamento breve para o uso desta ferramenta podem ser encontrados no website IHI s website. Ou a ferramenta do Tracer Activities - CCHAS. Em uma longa corrida, organizações podem decidir fazer uma revisão mensal dos registros e fazer com que isso se torne uma de suas chaves, sistemas de monitoramento de segurança. Descobertas no campo sugerem que a melhor aprendizagem de danos sofridos por pacientes, acontece quando organizações optam por decidir começar sua revisão com um foco em 20 registros de serviços cirúrgicos, ou 20 readmissões, ou 20 mortes, em vez de rotina de casos obstetrícios (que podem não conter muitos casos de danos). Um Estudo Profundo de Caso: O CEO, com a assistência de uma equipe multidisciplinar, deve conduzir uma investigação detalhada e pessoal de um paciente do hospital sobre seus danos, incluindo entrevistas com pacientes envolvidos, seus familiares e o staff clínico. A proposta é entender profundamente a história, em toda sua complexidade, para iluminar a natureza e as fontes do perigo na organização de saúde. O CEO deve apresentar pessoalmente o caso à Alta Administração em uma reunião de não menos de 1 hora de duração. Se possível e desejável, o paciente afetado se sua família devem comparecer a reunião para adicionar fatos e pontos de vista pessoalmente. (Em preparação para essa revisão, o CEO e a Alta Administração devem ler o livro sobre organizações de alta confiança do Karl Weick and Kathleen Sutcliffe, Managing the Unexpected: Assuring High Performance in an Age of Complexity.) 17

18 3. Monitorando Medidas Sistêmicas : Identificar um pequeno grupo de profissionais para medir segurança do paciente (ex.estabelecer à escala de danos, risco de mortalidade); renovar as medidas continuamente e fazê-las transparentes para toda a organização e todos os clientes/pacientes. Não é o suficiente para a liderança executiva estruturar um projeto. A Alta Administração deve saber sobre o projeto, entendê-lo, acompanhar, coordenar e fazer com que ele funcione. Isso é crítico, porque o engajamento da Alta Administração é essencial para definir a determinação necessária para obter mudanças na escala na Campanha de 5 Milhões de Vidas. Quando eles recebem relatórios sobre qualidade, muita Alta Administração encontram-se, perdidos em milhares de pautas, e pouca atenção e importância é dada a assistência em si. Não é incomum que estes relatórios muitas vezes contenham milhares de medidas e benchmarks, e ainda não contenham métricas para poder ajudá-los a perceber melhorias na qualidade sistêmica. Alta Administração de hospitais no IHI s IMPACT Network agora vêem uma pequena definição de medidas de nível de sistema, chamadas Whole System Measures, incluindo benchmarks locais às vezes com o melhor do mundo como o modo de monitorar o progresso de toda a organização. (Ver Sistema Total de Medidas do IHI s White Paper.) O tal sistema métrico é de relevância particular para a Campanha serve para medir dados hospitalares por pacientes/dia, o qual pode ser expresso como uma taxa por 100 admissões (Ver Apêndice A para mais informações sobre essas medidas). Outra coisa é o Hospital Standardized Mortality Ratio (HSMR), que faz com que Alta Administração compare suas taxas de mortalidade com outras e acompanhe-as dentro da instituição ao longo do tempo (faça o download o IHI White Paper que descreve como utilizar o HSMR). 18

19 4. Mudando o Ambiente, Políticas e Cultura: Compromisso em estabelecer e manter um ambiente de respeito, decente e justo para todos que experimentam a dor e a perda como resultado de eventos sentinelas: os pacientes, seus famíliares, e o staff envolvido. Para se tornar mais segura as organizações precisam construir a cultura da qualidade e segurança que estão vinculadas à respeito e comunicação e estão compromissadas a total divulgação, desculpas, apoio e resolução para os pacientes em caso de danos. Como organizações ao redor do país lutam com esse elemento crítico de uma cultura de segurança e parceria de pacientes e suas famílias, outras organizações estão fornecendo a liderança a coragem de fazer o mesmo. Os Hospitais de Harvard publicaram um trabalho, When Things Go Wrong (2006), e a University of Michigan e other organizations estão escrevendo histórias de aprendizados poderosos, práticas de respeito, e resultados de uma jornada multianual de comunicação, transparência, divulgação, apoio e resolução de casos. Uma opção para Alta Administração, é estudar a coragem de demonstrar em documentos citados acima e adotar o guia de orientação articulado em When Things Go Wrong. 5. Aprendendo Começando com os Gestores: Desenvolver a competência dos gestores para reduzir eventos evitáveis. Definir programa específico de desenvolvimento para todos os colaboradores. O programa de educação da Alta Administração deve responder essas questões: a. Qual a responsabilidade da Alta Administração e a responsabilização para qualidade e segurança? b. Qual é o estado atual de melhoria da qualidade e segurança em saúde, em sua comunidade, e em sua organização de saúde? c. Como os membros da Alta Administração podem usar seus papeis e experiências para afetar o ritmo da melhoria da qualidade em sua organização? 19

20 d. Quais são as melhores estratégias para sustentar o ganho e manter melhorias contínuas? Em nossa experiência, a maioria dos líderes superestimam a capacidade dos colaboradores para melhoria. Em tais casos, mesmo com determinação suficiente e ótimas idéias a execução será prejudicada. Alta administração pode trabalhar para assegurar que todos os colaboradores saibam como fazer mudanças de desempenho, e líderes devem ser capazes de ajudar na difusão dos novos níveis de confiança de desempenho por todo o sistema e para segurar os ganhos ao longo do tempo. O IHI White Paper, Engaging Physicians in a Shared Quality Agenda (2007), fornece um guia de orientação extenso. Algumas organizações de saúde procuram parceiros para construir novas aptidões com os colaboradores, e assegurar que as aptidões adequadas dos colaboradores estejam alinhadas para garantir a melhoria da qualidade. Uma medida de adequação dos sistemas educativos e de Recursos é o ritmo da mudança. One measure of adequacy of the educational and resource systems is the pace of change. Se tudo está indo muito devagar, e a mudança está levando muito tempo, a Alta Administração deve reconsiderar a eficácia do desenvolvimento do projeto. Tendências de novas abordagens para educação em Alta Administração estão surgindo. O Tennessee Hospital Association começou um programa de certificação voluntária da Alta Administração em toda a gama de responsabilidade da mesma, incluindo qualidade e segurança. Em New Jersey, um projeto de lei foi aprovado pelas duas casas que diz que todos os novos membros da Alta Administração do estado terão um dia inteiro de educação sobre as suas responsabilidades como membros da Alta Administração. Isso inclui suas funções, indicadores de qualidade, finanças, etc. O curriculum sera desenhado pela Commissioner of Health in partnership with NJHA, the Council on Teaching Hospitals (COTH), e a Alliance. Em Junho de 2006, a Alta Adminstração do Mass. Hospital Association aprovou uma Recomendação para o desenvolvimento do curriculum do BCBSMA-funded para todos os administradores das organizações, que foca em seu papel na 20

UM FOCO DE LUZ Cuidado de saúde mais seguro por meio da transparência

UM FOCO DE LUZ Cuidado de saúde mais seguro por meio da transparência UM FOCO DE LUZ Cuidado de saúde mais seguro por meio da transparência Lucian Leape Institute, The National Patient Safety Foundation Relatório da Mesa-redonda [Roundtable] sobre transparência SUMÁRIO EXECUTIVO

Leia mais

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva

Gestão da Mudança nas Organizações. Leila Oliva Gestão da Mudança nas Organizações Leila Oliva O roteiro Conduzir a mudança e o papel da liderança: Os papeis que vivemos; Jornada emocional da mudança. Conduzir a mudança organizacional: Os 8 passos do

Leia mais

Online Collaborative Learning Design

Online Collaborative Learning Design "Online Collaborative Learning Design" Course to be offered by Charlotte N. Lani Gunawardena, Ph.D. Regents Professor University of New Mexico, Albuquerque, New Mexico, USA July 7- August 14, 2014 Course

Leia mais

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde

Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Avaliação de Desempenho das Organizações de Saúde Segurança do Paciente Camila Sardenberg Associação Congregação de Santa Catarina Curso pré-congresso QUALIHOSP 2015 Para o IOM, qualidade no cuidado de

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt

Margarida Eiras. margarida.eiras@ensp.unl.pt Qualidade, Gestão do Risco e Segurança do Doente na Prestação de Cuidados de Saúde Margarida Eiras margarida.eiras@ensp.unl.pt Beja, 25 de Março 2009 Índice Conceitos de Qualidade em Saúde da Qualidade

Leia mais

LEGADO DAS OLIMPÍADAS DE LONDRES

LEGADO DAS OLIMPÍADAS DE LONDRES LEGADO DAS OLIMPÍADAS DE LONDRES Londres apresentou a proposta de legado para o esporte para o Reino Unido na sua candidatura para sede olímpica de 2012. Dois grandes projetos para esporte participação

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata:

SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata: SAP Multinacional alemã de tecnologia, líder global em software de gestão de processos, contrata: Vaga: Estagiário Área Jurídica Área: Legal Department O Departamento Jurídico é uma área dinâmica que possui

Leia mais

ISO 9001:2015 Revisão Perguntas Frequentes

ISO 9001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Latest update New and revised ISO 9001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Introdução A ISO 9001, a norma líder mundial em qualidade internacional, ajudou milhões de organizações a melhorar sua qualidade

Leia mais

Universidade*Nove*de*Julho*1*UNINOVE* Programa*de*Mestrado*Profissional*em*Administração* *Gestão*em*Sistemas*de*Saúde*

Universidade*Nove*de*Julho*1*UNINOVE* Programa*de*Mestrado*Profissional*em*Administração* *Gestão*em*Sistemas*de*Saúde* UniversidadeNovedeJulho1UNINOVE ProgramadeMestradoProfissionalemAdministração GestãoemSistemasdeSaúde Disciplina ProjetosComplexoseEstratégicosAplicadosàSaúde Códigodadisciplina GSEL04 Linhadepesquisa

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal

O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal 10 ANOS DO IPCG O GOVERNO SOCIETÁRIO EM PORTUGAL O Desenvolvimento do Corporate Governance em Portugal Lisboa, 09 de Julho de 2013 SUMÁRIO 1. Acontecimentos empresariais e governance 2. Fatores normativos

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355

Position Paper. As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos. Edição Nº1. www.ipledu.com +55 11 2364 9355 Position Paper Edição Nº As Melhores Práticas Globais no Desenvolvimento de Trainees e Jovens Talentos www.ipledu.com +55 64 955 O ipl Institute of Performance and Leadership é uma empresa especializada

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira

Revista Inteligência Competitiva Daniela Ramos Teixeira 15 INTELIGÊNCIA DE MERCADO: TRANSFORMANDO AS OLIMPÍADAS EM NEGÓCIOS 1 RESUMO Um dos grandes desafios das organizações hoje é a aplicabilidade assertiva das técnicas de análise e métodos utilizados em Inteligência

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Gestão de Desempenho... Promove Sucesso. Um Guia de Visão Geral

Gestão de Desempenho... Promove Sucesso. Um Guia de Visão Geral Gestão de Desempenho... Promove Sucesso. Um Guia de Visão Geral Gestão de Desempenho... Promove Sucesso. Na Watson, reconhecemos que o sucesso global da nossa Empresa é impulsionado pelo compromisso de

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição outubro 2011 Copyright 2011 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Renato Luiz Della Volpe

Renato Luiz Della Volpe Renato Luiz Della Volpe Sócio Diretor da ASR Consultoria e Assessoria em Qualidade Ltda. Formado em 1983 em Eng. Mecânica pela FEI e Pós-graduação em Administração pela USP 2001. Examinador do PNQ em 1997,

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

ISO 9001:2015 Avaliações de Transição Manual do Cliente

ISO 9001:2015 Avaliações de Transição Manual do Cliente ISO Revisio ISO Revisions Latest update New ISO 9001:2015 Avaliações de Transição Manual do Cliente ISO 9001:2015 - Transition Assessments ISO Revisions Introdução Como um cliente certificado do BSI, você

Leia mais

Nossa Estrutura. 43ª Reunião da Qualidade RS 02 de abril de 2008

Nossa Estrutura. 43ª Reunião da Qualidade RS 02 de abril de 2008 Nossa Estrutura 43ª Reunião da Qualidade RS 02 de abril de 2008 Tecnologia da Informação para o Desempenho da Gestão Estratégica Com case Santa Casa de Porto Alegre por Fábio Frey Matthias Schneider Diretoria

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

NORMA. Francisco George Diretor-Geral da Saúde. Norma nº 003/2015 de 11/03/2015 1/5

NORMA. Francisco George Diretor-Geral da Saúde. Norma nº 003/2015 de 11/03/2015 1/5 NÚMERO: 003/2015 DATA: 11/03/2015 ASSUNTO: Avaliação da Cultura de Segurança do Doente nos Cuidados de Saúde Primários PALAVRAS-CHAVE: Segurança do Doente; avaliação da cultura de segurança PARA: Agrupamentos

Leia mais

Padrão de Gerenciamento de Riscos de Infecção

Padrão de Gerenciamento de Riscos de Infecção Padrão de Gerenciamento de Riscos de Infecção Palestrante: Anatércia Miranda Auditor ONA/ISO DNV-Healthcare DNV Business Assurance, South America Mobile: +55 31 9978 28 19 Web: www.dnvba.com.br DNV Det

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com

LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO. Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LIDERAR PESSOAS A BASE DA CONSTRUÇÃO DE UMA EQUIPE DE SUCESSO Prof. Paulo Henrique Ribeiro paulo@topassessoria.com LI ESTAMOS PASSANDO PELA MAIOR TRANSFORMAÇÃO NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE. VALORIZAR PESSOAS

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Tópicos 1. CCIH no Brasil 2. CCIH e a Segurança do Paciente: Qual

Leia mais

AGENDA A CONFIRMAR* Minneapolis - MN. OptumLabs https://www.optum.com/optumlabs.html. University of Minnesota - School of Public Health

AGENDA A CONFIRMAR* Minneapolis - MN. OptumLabs https://www.optum.com/optumlabs.html. University of Minnesota - School of Public Health Minneapolis - MN OptumLabs https://www.optum.com/optumlabs.html AGENDA A CONFIRMAR* OptumLabs é o primeiro centro aberto e colaborativo de pesquisa e inovação da indústria de Healthcare. Através dos mais

Leia mais

Relatório sobre processo de elaboração do

Relatório sobre processo de elaboração do Relatório sobre processo de elaboração do GUIA DE GOVERNANÇA OPEN KNOWLEDGE BRASIL Consultoria de apoio ao processo Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OPEN KNOWLEDGE BRASIL... 3 a. Visão... 3 b. Valores... 3

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Administração Mestrado Profissional em Administração

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Administração Mestrado Profissional em Administração 11 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de Pós-Graduação em Administração Mestrado Profissional em Administração UNIVERSIDADES CORPORATIVAS - DO SONHO DA IMPLANTAÇÃO AO DESAFIO DA

Leia mais

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa

Educação Corporativa. Liderança Estratégia Gestão. KM Partners Educação Corporativa Educação Corporativa Liderança Estratégia Gestão O que é Educação corporativa? Educação corporativa pode ser definida como uma prática coordenada de gestão de pessoas e de gestão do conhecimento tendo

Leia mais

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro

As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro As Novas Competências de RH: Parceria de Negócios de Fora para Dentro DAVE ULRICH, JON YOUNGER, WAYNE BROCKBANK E MIKE ULRICH Qualquer bom profissional de RH quer ser melhor. Isto começa com um desejo

Leia mais

SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1)

SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1) SEMINÁRIO SÔBRE SUPERVISÃO EM ENFERMAGEM (1) Odete Barros de ANDRADE (2) Nilce PIVA (2) ANDRADE, O. B. de & PIVA, N. Seminário sôbre supervisão em enfermagem. Rev. Saúde públ., S. Paulo, 3(2): 233-241,

Leia mais

Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro. Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp

Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro. Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp Segurança do Paciente: Experiência na formação do enfermeiro Edinêis de Brito Guirardello Profa Associada Denf/FCM - Unicamp Segurança do paciente...pode parecer talvez um estranho princípio enunciar como

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD Histórico Desenvolvimento do Balanced Scorecard: 1987, o primeiro Balanced Scorecard desenvolvido por Arthur Schneiderman na Analog Devices, uma empresa de porte

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes

ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Latest update New and revised ISO 14001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Introdução A ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental, a primeira norma ambiental internacional do mundo tem ajudado milhares de

Leia mais

Minha lista de sonhos

Minha lista de sonhos Licença No: # 122314/LS Fone: +55-11 5539-4719 E mail: vagner@programavirandoojogo.com.br Web: www.programavirandoojogo.com.br 2015 Minha lista de sonhos Com visão 2025 PREPARADO POR VAGNER MOLINA Rua

Leia mais

Assessment. Maio 2006

Assessment. Maio 2006 Assessment Beth Gama, Ph.D. Maio 2006 O Valor de Nosso Modelo de Assessment Fundamentado nas pesquisas mais recentes sobre os determinantes de sucesso entre líderes Incorpora as melhores práticas de medidas

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br

Institutional Skills. Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS. Passo a passo. www.britishcouncil.org.br Institutional Skills Sessão informativa INSTITUTIONAL SKILLS Passo a passo 2 2 British Council e Newton Fund O British Council é a organização internacional do Reino Unido para relações culturais e oportunidades

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

Melhorar a segurança do paciente: primeiros passos

Melhorar a segurança do paciente: primeiros passos Parceria Africana para Segurança do Paciente Melhorar a : primeiros passos Este documento descreve uma abordagem para melhorar a utilizando um modelo de parceria, estruturado em torno do aperfeiçoamento

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Competências Gerenciais

Competências Gerenciais Gerenciais usando o PMCD para alavancar sua carreira Ayres set 2015 1 Ayres, MsC*, PMP, MBA, ITIL, ISO 20000, COBIT Consultor, professor e palestrante nas áreas de governança, gestão e projetos. Mestrando

Leia mais

qualidade do cuidado em saúde A segurança

qualidade do cuidado em saúde A segurança A Segurança nos serviços de saúde é um problema tão grande e as causas tão diversas e complexas que não é mais possível não separar as práticas da Qualidade e as práticas da Segurança. A qualidade do cuidado

Leia mais

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM

MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM MELHORES PRÁTICAS DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES SOBRE SUSTENTABILIDADE Pronunciamento de Orientação CODIM COLETIVA DE IMPRENSA Participantes: Relatores: Geraldo Soares IBRI; Haroldo Reginaldo Levy Neto

Leia mais

As Demandas do Mercado e dos Especialistas em Carreira Armando Lourenzo - EY

As Demandas do Mercado e dos Especialistas em Carreira Armando Lourenzo - EY em Carreira Armando Lourenzo - EY EY QUEM SOMOS em Carreira Prestamos serviços a mais de 3,5 mil clientes 80% das empresas da Fortune Global 500 5.000 profissionais no Brasil 190.000 profissionais no mundo

Leia mais

Engajamento: desafio central da gestão e da liderança. ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani

Engajamento: desafio central da gestão e da liderança. ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani Engajamento: desafio central da gestão e da liderança ABRH-BA/ 03 de junho de 2013 Isabel Armani Build everithing VIMEO LEGO Benodigheden 2 3 Aon Hewitt SATISFAÇÃO Contentamento, prazer que resulta da

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

De CFO para CFO Lições e visões para líderes financeiros

De CFO para CFO Lições e visões para líderes financeiros De CFO para CFO Lições e visões para líderes financeiros Índice Desafios comuns, experiências únicas... 3 Conecte-se com quem importa... 4 Entenda o modelo de negócio... 5 Trafegue em todas as culturas...

Leia mais

Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT

Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT Eduardo Alves de Oliveira eduaopec@yahoo.com.br SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Rua Pacheco Leão, 1235 - Fundos

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal GERENCIAMENTO DE CARREIRA PARA O SUCESSO DO GESTOR DE PROJETOS Fernanda Schröder Gonçalves Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Fernanda Schröder Gonçalves Coordenadora do Ibmec

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS

Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS Salvador, 2003 MARIA AMÁLIA SILVA COSTA A D M I N I S T R A Ç Ã O E S T R A T É G I C A E

Leia mais

QUEM SOMOS. Localização

QUEM SOMOS. Localização EY QUEM SOMOS Prestamos serviços a mais de 3,5 mil clientes 80% das empresas da Fortune Global 500 5.000 profissionais no Brasil 175.000 profissionais no mundo Localização São Paulo (SP), Rio de Janeiro

Leia mais

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O

ACTION LEARNING. O que é Action Learning? FUN D A MEN T OS D O C L E O W O L F F O que é Action Learning? Um processo que envolve um pequeno grupo/equipe refletindo e trabalhando em problemas reais, agindo e aprendendo enquanto atuam. FUN D A MEN T OS D O ACTION LEARNING

Leia mais

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar?

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? Eng. Dr. José L. Lopes Alves INTRODUÇÃO Organizações no ramo industrial, da saúde, de energia, por exemplo, têm investido enormes

Leia mais

Construindo uma Cultura de Segurança

Construindo uma Cultura de Segurança Construindo uma Cultura de Segurança 3as Jornadas de Enfermagem do Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca, E.P.E. Patrícia Fernandes patricia.arfernandes@gmail.com Lisboa, 19 de Maio de 2011 44000 a 98000

Leia mais

O PERFIL DO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E A SUA JORNADA LABORAL

O PERFIL DO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E A SUA JORNADA LABORAL O PERFIL DO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E A SUA JORNADA LABORAL Acimarney Correia Silva Freitas¹, Ana Paula dos Santos Dias², Ana Paula Ferreira Barbosa³, Cristina Coelho 4, Flávia Araújo Conceição

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

A formação do Conselho de uma Organização *

A formação do Conselho de uma Organização * A formação do Conselho de uma Organização * O mundo vem testemunhando o fortalecimento da sociedade civil, por meio de sua atuação organizada. O Brasil é um dos países que se destaca nesse processo. A

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS HOSPITALARES

GESTÃO DE RISCOS HOSPITALARES GESTÃO DE RISCOS HOSPITALARES Hospital Management Summit Eliana Cardoso Vieira Quintão Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. 1 Conhecendo a DNV Criada em 1864, na Noruega.

Leia mais

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO

Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Terceirização de RH e o líder empresarial SUMÁRIO EXECUTIVO Você dispõe da base necessária para desenvolver a confiança dos funcionários? EM ASSOCIAÇÃO COM Empresas com funcionários envolvidos superam

Leia mais

Formação de líderes para a gestão e universidades de classe mundial

Formação de líderes para a gestão e universidades de classe mundial Formação de líderes para a gestão e universidades de classe mundial Fábio José Garcia dos Reis Dezembro de 2010 Philip G. Altbach organizou o livro Leadership for world-class universities. Challenges for

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

INFORMAÇÕES ADICIONAIS

INFORMAÇÕES ADICIONAIS APRENDA SOBRE GOVERNANÇA DE TI Programa de Qualificação COBIT 5 Presencial ou EAD O COBIT 5 define as necessidades das partes interessadas da empresa como ponto de partida das atividades de governança

Leia mais

REFLEXÃO. (Warren Bennis)

REFLEXÃO. (Warren Bennis) RÉSUMÉ Consultora nas áreas de Desenvolvimento Organizacional e Gestão de Pessoas; Docente de Pós- Graduação; Coaching Experiência de mais de 31 anos na iniciativa privada e pública; Doutorado em Administração;

Leia mais

The Brazil United States Consumer Product Safety Conference Brazil United States Joint Press Statement June 10, 2011 Rio de Janeiro, Brazil Common Interests Ensuring a high level of consumer product safety

Leia mais

O Enfoque Comportamental na Gestão de Riscos

O Enfoque Comportamental na Gestão de Riscos O Enfoque Comportamental na Gestão de Riscos Ricardo Paulo dos Santos Engenharia de Segurança do Trabalho e Meio Ambiente ECOSORB AGENDA Por quê Gerenciar Riscos? Gerenciamento de Risco: Uma visão integrada;

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica Inteligência em redes sociais corporativas Como usar as redes internas de forma estratégica Índice 1 Introdução 2 Por que uma rede social corporativa é um instrumento estratégico 3 Seis maneiras de usar

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder

Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder Coaching Executivo: Coaching como instrumento fundamental do Líder I Simpósio Coaching - Arte e Ciência CRA-SP 28 de maio de 2013 1 COACH Sentido original da palavra: veículo para transporte de pessoas.

Leia mais

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 9115 Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 20 de Outubro, 2011 2011 Accenture. Todos os direitos reservados. Accenture, seu logo e High performance. Delivered. são marcas

Leia mais

Simulado ITIL V3 Português Sicoob

Simulado ITIL V3 Português Sicoob Simulado ITIL V3 Português Sicoob Dezembro 2009 1 de 40 A Implementação do Gerenciamento de Serviços Baseados na ITIL requer preparação e planejamento do uso eficaz e eficiente de quais dos seguintes?

Leia mais

1. Lingüística Periódicos. 2. Língua Inglesa Periódicos

1. Lingüística Periódicos. 2. Língua Inglesa Periódicos ISSN 0102-7077 the ESP São Paulo Vol. 25 nº especial p. 1-114 2004 The Especialist/Centro de Pesquisas, Recursos e Informação em Leitura da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo CEPRIL. V. 1, n.

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Desenvolvendo Capacidades de PDSA

Desenvolvendo Capacidades de PDSA Desenvolvendo Capacidades de PDSA Karen Martin Como com qualquer habilidade, desenvolver as capacidades do PDSA (planejar fazer estudar agir) tem tudo a ver com a prática. Para conquistar a disciplina

Leia mais

Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS

Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS Transcrição: Perguntas mais frequentes (FAQs) sobre o PDS Modelo operacional Qual é o modelo organizacional do PDS? Trabalhamos bastante para chegar ao modelo organizacional certo para o PDS. E aplicamos

Leia mais

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi

Administração de Ativos de TI. Prof. André Montevecchi Administração de Ativos de TI Prof. André Montevecchi Introdução a ITIL Em um mundo altamente competitivo, de mudanças constantes e inesperadas, é preciso ter flexibilidade e agilidade suficientes para

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Neurotreinamentos Coaching Executivo, Pessoal e Equipes Consultoria Organizacional,

Neurotreinamentos Coaching Executivo, Pessoal e Equipes Consultoria Organizacional, Neurotreinamentos Coaching Executivo, Pessoal e Equipes Consultoria Organizacional, Planejamento Estratégico e Governança Corporativa Palestras Temáticas e Motivacionais v.03/15 Neurotreinamentos Neurobusiness

Leia mais

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva

Liderança e Gestão de Pessoas Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração Educação Executiva 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL

GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL A Sytel Reply foi comissionada por uma grande operadora global de Telecom para o fornecimento de um Service Assurance de qualidade.

Leia mais