GESTÃO DE RISCOS HOSPITALARES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GESTÃO DE RISCOS HOSPITALARES"

Transcrição

1 GESTÃO DE RISCOS HOSPITALARES Hospital Management Summit Eliana Cardoso Vieira Quintão Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. 1

2 Conhecendo a DNV Criada em 1864, na Noruega. MISSÃO Salvaguardar a Vida, a Propriedade e o Meio Ambiente. Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. 2

3 DNV no Mundo 300 ESCRITÓRIOS 100 PAÍSES COLABORADORES Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. 3

4 Posição Global Top 3 DNV está entre as 3 maiores certificadoras do mundo Mais de certificados sob mais de 80 acreditações Mais de empresas de alimentos certificadas pela DNV Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. 4

5 Posição global da DNV na área da Saúde 1 st A primeira e única a desenvolver um padrão de gestão em Biorisk CWA Lab. Biorisk management system certification Hospitais certificados pela DNV em todo o mundo em diversas Normas. OMS DNV coopera globalmente com a OMS na gestão de riscos de infecções. Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. 5

6 Portifólio Governança Corporativa Responsabilidade Corporativa Relatórios de Sustentabilidade Responsabilidade Social Fraude e Corrupção Risco Empresarial Risco de Projetos Gestão de Mudanças Governança e Responsabilidade Empresas e Riscos dos Projetos Qualidade da Informação Seguranca da Informação Confiabilidade de Software Sistema de Gestão Análises de Processos Excelência Empresarial Gestão da Qualidade Gestão da Informação Processo de Excelência e Qualidade Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. 6

7 Portifólio Protocolo de Kyoto Comércio de Emissão Eficiência Energética Gestão de Energia Avaliação de Riscos Saúde Ocupacional. Segurança Alimentar Segurança do Paciente Meio Ambiente e Energia Saúde e Segurança Regimes Nacionais Avaliação da Conformidade Conformidade de Produtos e Segurança NIAHO National Integrated Accreditation for Healthcare Organization ONA Sistema Brasileiro de Acreditação ISOs 9001/2008 e 14001/2004 Protocolo de Avaliação de Gestão de Riscos Saúde Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. 7

8 DNV Business Assurance Services ONA NIAHO Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. 8

9 Um Processo Típico Onde estão suas necessidades primárias? Qual é a razão? Quem são impactados? O que é importante para você? 1. Foco nas suas prioridades Auditoria é customizada com vistas aos seus desafios. 2. Customização da auditoria Criando novos e relevantes dados para ajudar a alcançar os objetivos dos seus negócios. 3. Melhoria do Conhecimento Construindo um caminho para melhoria da empresa e desenvolvimento sustentável do negócio 4. Construção de Caminho para Melhoria Tempo Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. 9

10 Por que confiar na DNV Um dos mais rigorosos treinamentos e qualificação de auditores do mundo. Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. 10

11 You can t Buy trust, Built it GESTÃO DE RISCOS HOSPITALARES Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. 11

12 Abordagem Conceito de risco e segurança do paciente ISO31000 Implantação da gestão de riscos: controle e monitoramento de riscos Indicadores aplicados à gestão de riscos Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. 13

13 Conceito de risco e segurança do paciente Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. 13

14 Juramento Hipocrático: A saúde dos meus pacientes será a minha primeira preocupação. Manterei o mais alto respeito pela vida humana, desde sua concepção. Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved.

15 Amostra de prontuários: pacientes (3,7 por cento) com lesões incapacitantes. 19% complicações medicamentosas 14% infecção da ferida operatória 13% complicações técnicas 48% associados a procedimentos cirúrgicos 58% atribuídos a negligencia Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved.

16 1999:Errar é Humano... O sistema de saúde americano não é seguro como deveria ser. Aproximadamente pessoas e talvez até pessoas morrem em hospitais anualmente como resultado de erros médicos que poderiam ser prevenidos, de acordo com as estimativas de dois grandes estudos. Mesmo utilizando as menores estimativas, erros médicos que poderiam ser evitados,em hospitais excede o número de mortes atribuídos a acidentes automobilísticos, câncer cerebral e AIDS. Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. Falhas no planejamento da assistência

17 Aliança Mundial para a Segurança do Paciente Propósito: coordenar, difundir e acelerar melhorias relativas a segurança do paciente em todo o mundo.

18 Organização Mundial da Saúde Segurança do paciente: Redução, a um mínimo aceitável, do risco de dano desnecessário associado ao cuidado da saúde.

19 Parto prematuro: Como prevenir esta patologia em crescimento? 1.1 milhões de bebês morrem prematuramente a cada ano, mas, segundo a OMS, com tratamentos econômicos 75% poderiam sobreviver. Lancet publica uma pesquisa realizada em 39 países de altas rendas para prevenir esta doença.

20 ISO31000 Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. 13

21 Ambiente contextual Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved.

22 Risco ISO 31000:2009 Efeito da incerteza sobre os objetivos Positivos ou Negativos Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved.

23 Risco ISO 31000:2009 Foco no paciente Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved.

24 Naturezas de Riscos Sanitário Econômicofinanceiro Usuários Cívil Interna Visitantes Criminal Externa Colaboradores Jurídico Imagem Ambiental Trabalhista Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved.

25 Estrutura ISO Relação entre os princípios, estrutura e processo de gestão de riscos Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved.

26 Comunicação e consulta 6.2 Monitoramento e Revisão 6.6 Estrutura ISO Processo de gestão de riscos Estabelecer o Contexto 5.3 P r o c e s s o d e Identificação do Risco Análise de Risco Avaliação do Risco A v a l i a ç ã o R i s c o Tratamento 5.5 Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. DNV Training Slide 26

27 Implantação da gestão de riscos: controle e monitoramento de riscos 13

28 OMS - sete passos para a segurança do paciente Criando a cultura da segurança Treinamentos e suportes para a realização da prática diária Integrando o sistema de gestão de riscos com as atividades diárias Promovendo a notificação Envolvendo e comunicando com o paciente e o público Compartilhando e aprendendo com a prática da segurança Implementando soluções para prevenir danos

29 ANVISA Portaria Nº 529, de 1º Abril, 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do Paciente PNSP Objetivos: Promover e apoias a implementação de iniciativas voltadas para a segurança do paciente em diferentes áreas de atenção, organização e gestão de serviços de saúde, por meio da implantação da gestão de riscos e de Núcleos de Segurança do Paciente nos estabelecimentos de saúde; Envolver os pacientes e familiares nas ações de segurança do paciente; Ampliar o acesso da sociedade às informações relativas a segurança do paciente; Produzir, sistematizar e difundir conhecimentos sobre segurança da Saúde; Fomentar a inclusao do tema segurança do paciente no ensimo técnico e de graduação e pós-graduação na área da saúde

30 Risco: ISO 31000:2009 O que pode RISCO Cuidar do paciente de forma? segura acontecer?

31 Busca da Qualidade "Garantia de Qualidade em Saúde" significa o esforço permanente realizado no melhoramento da saúde, pelo monitoramento e avaliação continuada da estrutura, do processo e dos resultados da prestação dos serviços.

32 Modelo Donabedian Estrutura Condições do paciente Processo Resultado Gestão as Segurança do Paciente

33 Modelo Donabedian Estrutura Condições do paciente Processo Resultado Gestão as Segurança do Paciente

34 34 Condições Clínicas do Paciente Comunicação eficaz com o Paciente Garantia do atendimento aos direitos do paciente Busca dos requisitos implícitos e não implícitos do paciente

35 35 Condições Clínicas do Paciente Comunicação eficaz com o Paciente Garantia do atendimento aos direitos do paciente ISO9001: Determinação de requisitos relacionados ao produto a) os requisitos especificados pelo cliente, incluindo os requisitos para entrega e para atividades de pós-entrega, b) os requisitos não declarados pelo cliente, mas necessários para o uso especificado ou pretendido, onde conhecido, Busca dos requisitos implícitos e não implícitos do paciente

36 Modelo Donabedian Estrutura Condições do paciente Processo Resultado Gestão as Segurança do Paciente

37 37 Estrutura Corresponde aos recursos necessários ao processo assistência, abrangendo a área física, pessoas, recursos materiais e financeiros, sistema de informação e instrumentos normativos técnico-administrativo. ONA versão 2010 A gestão da estrutura é complexa, envolve parceiros, estratégias da organização e principalmente PESSOAS

38 Abordagem Centrada nas Pessoas para a Gestão de Riscos Nossas organizações são compostas por pessoas. A gestão efetiva de riscos significa que nosso pessoal tem que ter o comportamento correto frente aos riscos. O comportamento frente aos riscos é determinado pela Competência Frente aos Riscos. 6 de outubro de 2008 Transparência 38

39 O que é Competência Frente aos Riscos? Percepção do Risco Consciência individual do verdadeiro risco. Aceitação do Risco Aceitação dos valores, crenças e atitudes adequadas relativas ao risco. Adolph, L; Urwin, C Conhecimento e Habilidades Aplicação do comportamento desejado. Desenvolvimento de conhecimento prático para identificar e controlar o risco. Comprometimento com as Normas e Regras Assimilação do comportamento desejado. Demonstração de compromisso com as regras, procedimentos e normas sociais. 6 de outubro de 2008 Transparência 39

40 Competência Frente a Segurança do Paciente? Percepção do Risco Consciência dos riscos reais da assistencia ao paciente Aceitação do Risco Aceitação de valores, e atitudes adequadas para cuidar da vida humana - condizentes com os valores da organização Conhecimento e Habilidades Agir de acordo com o conhecimento. Estar disposto a desenvolvê-lo para identificar e controlar o risco associados a assistência Gestão de competencias Comprometimento com as Normas e Regras Comprometimento com padrões considerados ideais para a execução de uma assistência segura - Normas Adolph, L; Urwin, C de outubro de 2008 Transparência 40

41 A Meta é a Ação Ver é uma coisa. Observar o que você está vendo é outra coisa. Compreender o que você observa é ainda outra coisa. Aprender com o que você compreende é ainda diferente. Mas, agir de acordo com o que aprendeu é o que realmente importa! -- Winston Churchill -- 6 de outubro de 2008 Transparência 41

42 Modelo Donabedian Estrutura Condições do paciente Processo Resultado Gestão as Segurança do Paciente

43 43 Processos ISO9001:2008 Para uma organização funcionar de maneira eficaz, ela tem que determinar e gerenciar diversas atividades interligadas. Uma atividade ou conjunto de atividades que usa recursos e que é gerenciada de forma a possibilitar a transformação de entradas em saídas pode ser considerada um processo.

44 Processos 44

45 45 Processos Seu sistema de gestão Assistência Seus processos de negócio

46 46 Processos Gestão de Riscos Satisfação cliente Seus processos de negócio R e s u l t a d o s Assistência

47 NIAHO National Integrated Accreditation of Healthcare Organizations CMS CoP Coerente, Sustentável e Estável OBJETIVOS Management Review Boas práticas DNV Acreditação NIAHO Programa

48 Indicadores aplicados à gestão de riscos 13

49 Modelo Donabedian Estrutura Condições do paciente Processo Resultado Gestão as Segurança do Paciente

50 50 Resultados Eficácia e eficiência dos processos assistenciais: integração interdisciplinar Análise dos resultados dos processos estratégicos, táticos e operacionais Monitoramento de eventos sentinela Monitoramento da eficácia/eficiência de medidas preventivas e corretivas

51 Medição da ocorrência de eventos sentinela 51

52 52 Eventos Evento

53 53 Ocorrência de eventos Implantação de ações imediatas e corretivas Implantação de ações preventivas

54 Rever continuamente estes padrões incorporando o aprendizado 54 Assistência Segura - conclusões Busca das melhores práticas e torná-las padrões Monitorar da adesão a estas práticas Planejar a assistência de forma interdisciplinar Identificar o que pode acontecer que impeça atingir o objetivo de cada prática assistências Criar barreiras para evitar os eventos Medir a efetividade das práticas assistenciais Adotar métodos complementares para a detecção de eventos Analisar criticamente os eventos que quase aconteceram ou aconteceram Comunicar efetivamente com todas as partes envolvidas

55 55 Segurança do Paciente Está alinhada a necessidade de implantar um sistema de gestão As normas auxiliam na implantação de barreiras para evitar riscos É necessário implantar uma gestão de pessoas efetiva

56 56 Segurança do Paciente...PDCA A P D C A C P D C A D P

57 Eliana Cardoso Vieira Quintão Tuesday, 12 July 2011 DNV Business Assurance. All rights reserved. 25

Padrão de Gerenciamento de Riscos de Infecção

Padrão de Gerenciamento de Riscos de Infecção Padrão de Gerenciamento de Riscos de Infecção Palestrante: Anatércia Miranda Auditor ONA/ISO DNV-Healthcare DNV Business Assurance, South America Mobile: +55 31 9978 28 19 Web: www.dnvba.com.br DNV Det

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

8º. SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO NA SAÚDE

8º. SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO NA SAÚDE 8º. SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO NA SAÚDE O IMPACTO DOS PROCESSOS ADMINISTRATIVOS NA GESTÃO DE RISCO EM SAÚDE O Hospital Tacchini e a ISO 31000 Porto Alegre, 26/9/2014 Facilitador: Adm. Hospitalar DILNEI

Leia mais

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica

A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP. Laura Schiesari Diretora Técnica A segurança do paciente como um valor para os hospitais privados: a experiência dos hospitais da ANAHP Laura Schiesari Diretora Técnica AGENDA I. A ANAHP II. Melhores Práticas Assistenciais III. Monitoramento

Leia mais

NIAHOSM National Integrated Accreditation for Healthcare Organizations

NIAHOSM National Integrated Accreditation for Healthcare Organizations NIAHOSM National Integrated Accreditation for Healthcare Organizations Eliana Cardoso Vieira Quintão CLIENT LOGO A necessidade de nova alternativa Erros Médicos / Eventos Adversos - Evidências indicam

Leia mais

Mudança Orientada por Comportamento

Mudança Orientada por Comportamento Mudança Orientada por Comportamento Quando um sistema de gestão de SSO não é suficiente para melhorar o desempenho organizacional em acidentes Caroline Passuello e Mauro Tavares Abril 2012 DNV Business

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Gestão de SI- seção 4.4 Gestão da segurança da informação 1 Segurança Dados e informações devem estar bem guardadas e cuidadas Vulnerabilidades (externa e interna) Acesso sem autorização

Leia mais

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental

Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental Sistemas e Instrumentos de Gestão Ambiental ISO 14001 Prof. Gustavo Rodrigo Schiavon Eng. Ambiental ISO 14001 Existem duas normas bastante difundidas para orientação da implantação de um Sistema de Gestão

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DO FUNBIO P-32 /2014 Área Responsável: Auditoria Interna OBJETIVO: Descrever a metodologia do FUNBIO à gestão de riscos, documentar os papéis e responsabilidades da

Leia mais

ABNT NBR ISO. Introdução à ABNT NBR ISO 14001:2015

ABNT NBR ISO. Introdução à ABNT NBR ISO 14001:2015 ABNT NBR ISO 14001 Introdução à ABNT NBR ISO 14001:2015 A ABNT NBR ISO 14001 é uma norma aceita internacionalmente que define os requisitos para colocar um sistema da gestão ambiental em vigor. Ela ajuda

Leia mais

Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores

Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores QSP Informe Reservado Nº 58 Maio/2006 Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QSP. Este

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br

www.grupoidealbr.com.br www.grupoidealbr.com.br Programa Nacional de Segurança do Paciente Introdução Parágrafo 12 do primeiro livro da sua obra Epidemia: "Pratique duas coisas ao lidar com as doenças; auxilie ou ao menos não

Leia mais

APRESENTAÇÃO INICIAL. Empresa: IMAGO Norma: ISO 9001:2008

APRESENTAÇÃO INICIAL. Empresa: IMAGO Norma: ISO 9001:2008 APRESENTAÇÃO INICIAL Empresa: IMAGO Norma: ISO 9001:2008 IMAGO Consultoria M.E Colaborou com a certificação de empresas em diversas áreas: Metalúrgica Têxtil Médica Educação Terceirização de mão de obra

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP - COMUNICADO DE PROGRESSO 2015. AX0003/00-Q5-RL-1001-15 Rev. 0 < MAIO 2015> ELABO.: SBMo VERIF.: CF APROV.

PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP - COMUNICADO DE PROGRESSO 2015. AX0003/00-Q5-RL-1001-15 Rev. 0 < MAIO 2015> ELABO.: SBMo VERIF.: CF APROV. PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP - COMUNICADO DE PROGRESSO 2015 AX0003/00-Q5-RL-1001-15 Rev. 0 < MAIO 2015> ELABO.: SBMo VERIF.: CF APROV.: CK AX0003/00-Q5-RL-1001-15 2 ÍNDICE PÁG. 1 - INTRODUÇÃO...

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação

Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO. Departamento de Certificação Fundação Vanzolini O GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NA SAÚDE E A ACREDITAÇÃO Departamento de Certificação A FUNDAÇÃO VANZOLINI Fundada em 1967 pelos professores do Departamento de Engenharia de Produção da

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1 ANEXO DA RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277 Página 1 ANEXO I Dimensão Nome da Quantitativo Dimensão de Itens Peso Nota Mínima Programa de Dimensão 1 Melhoria da Qualidade 11 1 70 PMQ Dimensão 2 Dinâmica da

Leia mais

10º Encontro de Higienização e Lavanderia Hospitalar da Região Sul. Gestão de Desempenho Fernando Andreatta Torelly Superintendente Administrativo

10º Encontro de Higienização e Lavanderia Hospitalar da Região Sul. Gestão de Desempenho Fernando Andreatta Torelly Superintendente Administrativo 10º Encontro de Higienização e Lavanderia Hospitalar da Região Sul Gestão de Desempenho Fernando Andreatta Torelly Superintendente Administrativo Perfil do Hospital Hospital Geral Alta complexidade Tecnologia

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

TEXTO: INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

TEXTO: INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL FACENS / IAT Instituto de Aperfeiçoamento Tecnológico Curso de Pós-Graduação MBA Lato-Sensu em: Gestão, Auditoria e Perícia Ambiental Disciplina: Gerenciamento e Controle Ambiental Carga horária: 24h Prof.

Leia mais

Implantação da Qualidade nos Serviços de Referência

Implantação da Qualidade nos Serviços de Referência Supremo Tribunal Federal Implantação da Qualidade nos Serviços de Referência LILIAN JANUZZI VILAS BOAS GESTÃO DA QUALIDADE Conceito: Modelo gerencial que incentiva as organizações a analisar os requisitos

Leia mais

COSO - The Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission

COSO - The Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission COSO - The Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission Eduardo Martins Pereira Fernando Bracalente Marcelo Dinofre Mario Luiz Bernardinelli mariolb@gmail.com Abstract The purpose of

Leia mais

Certificação ANBT NBR 16001:2004. Sistema de Gestão da Responsabilidade Social

Certificação ANBT NBR 16001:2004. Sistema de Gestão da Responsabilidade Social Certificação ANBT NBR 16001:2004 Sistema de Gestão da Responsabilidade Social O que é? É uma norma brasileira de responsabilidade social que tem caráter de sistema de gestão e propósito de certificação.

Leia mais

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base

PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base PPRA Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Documento Base [informe a unidade/complexo] Anexo 1 do PGS-3209-46-63 Data - 07/10/2013 Análise Global: - [informe o número e data da análise] p. 1/27 Sumário

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

APLICAÇÃO DA AUDITORIA BASEADA EM RISCOS (ABR) PARA DEFINIÇÃO DAS AÇÕES DO PAINT

APLICAÇÃO DA AUDITORIA BASEADA EM RISCOS (ABR) PARA DEFINIÇÃO DAS AÇÕES DO PAINT APLICAÇÃO DA AUDITORIA BASEADA EM RISCOS (ABR) PARA DEFINIÇÃO DAS AÇÕES DO PAINT Junho - 2015 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO Ações do Plano Anual de Atividades de Auditoria Interna (PAINT) Gestão de riscos: um

Leia mais

ABNT NBR ISO. ABNT NBR ISO 9001:2015 Como usar

ABNT NBR ISO. ABNT NBR ISO 9001:2015 Como usar ABNT NBR ISO 9001 ABNT NBR ISO 9001:2015 Como usar A ABNT NBR ISO 9001 é uma norma que define os requisitos para colocar um sistema de gestão da qualidade em vigor. Ela ajuda empresas a aumentar sua eficiência

Leia mais

O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações

O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações Webinar O Impacto da Gestão da Cadeia de Fornecedores na Sustentabilidade das Organizações Juliana Scalon 4 de Setembro de 2013 Aprimore o desempenho dos fornecedores Para se sobressair no mercado atual

Leia mais

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações 04/IN01/DSIC/GSI/PR 01 15/FEV/13 1/8 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

CASO DE SUCESSO EM GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO DE UMA USINA HIDRELÉTRICA

CASO DE SUCESSO EM GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO DE UMA USINA HIDRELÉTRICA INTRODUÇÃO Grandes obras civis e de montagem eletromecânica costumam representar um desafio nos aspectos de cumprimento de cronogramas e atendimento aos requisitos de segurança do trabalho e saúde ocupacional,

Leia mais

Embora a condução de análise crítica pela direção

Embora a condução de análise crítica pela direção A análise crítica pela direção como uma ferramenta para a melhoria de desempenho A análise crítica pela direção é um requisito obrigatório para as organizações certificadas pela norma NBR ISO 9001 e para

Leia mais

hemorrede nacional hemoglobinopatias

hemorrede nacional hemoglobinopatias Perspectiva Foco Estratégico Estratégia Projetos Descrição do Projeto Resultado Esperado Gestor Prazo SOCIEDADE Credibilidade do serviço Satisfação dos doadores e usuários da Atendimento integral aos portadores

Leia mais

Pesquisa sobre Segurança do Paciente em Hospitais (HSOPSC)

Pesquisa sobre Segurança do Paciente em Hospitais (HSOPSC) Pesquisa sobre Segurança do Paciente em Hospitais (HSOPSC) Instruções Esta pesquisa solicita sua opinião sobre segurança do, erros associados ao cuidado de saúde e notificação de eventos em seu hospital

Leia mais

Auditoria de Sistemas de Informação. Everson Santos Araujo

Auditoria de Sistemas de Informação. Everson Santos Araujo <everson@por.com.br> Auditoria de Sistemas de Informação Everson Santos Araujo 2 Abordagens Ao redor do computador Através do computador Com o computador 3 Ao redor do computador Auditoria de documento-fonte

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Diretoria de Gestão da Tecnologia da Informação

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Diretoria de Gestão da Tecnologia da Informação PROCESSO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS A Coordenadoria de Segurança da Informação da Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação DGTI, em conformidade com a Norma Complementar nº 04, da Instrução Normativa

Leia mais

Pagamento por Performance: Uma proposta para o Sistema Unimed

Pagamento por Performance: Uma proposta para o Sistema Unimed Pagamento por Performance: Uma proposta para o Sistema Unimed Revendo o Sistema Unimed: Novas alternaivas, São Paulo, 05 de agosto de 2010 Dr. Paulo Borém Agenda Conceitos e fundamentos iniciais Fundamentação

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

Revisado em Agosto de 2015

Revisado em Agosto de 2015 Confidencial Este documento é propriedade intelectual da TWG/Virgínia, contém informações confidenciais e não deve ser lido por pessoas não autorizadas. Se você não está autorizado a lê-lo, devolva-o ao

Leia mais

MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS

MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS MAGAZINE LUIZA S.A. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS CORPORATIVOS 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes, os princípios e a estrutura a serem considerados no processo de gerenciamento de riscos do Magazine

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Gestão da Qualidade. Profa. Maria do Carmo Calado

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Gestão da Qualidade. Profa. Maria do Carmo Calado FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Gestão da Qualidade Profa. Maria do Carmo Calado Aula 3 O surgimento e a importância das Normas ISO Objetivos: Esclarecer como se deu o processo

Leia mais

CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS. Junho 2013

CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS. Junho 2013 CAMINHO PARA DESENVOLVER UMA AGENDA DE ADAPTAÇÃO EM MUDANÇAS CLIMÁTICAS NAS EMPRESAS Junho 2013 PROPÓSITO Aqui apresentamos o caminho para as empresas adotarem uma estratégia em adaptação às mudanças climáticas,

Leia mais

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE

Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE Dr. Massanori Shibata Jr. SEGURANÇA DO PACIENTE POR QUE? Porqueo paciente é colocado sob risco durante uma intervenção feita para melhorar sua saúde! Porque causam-se danos ao paciente durante os cuidados

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

Prof. Sérgio Roberto Sigrist srsigris@hotmail.com

Prof. Sérgio Roberto Sigrist srsigris@hotmail.com Prof. Sérgio Roberto Sigrist srsigris@hotmail.com Palavras-chave Melhores práticas, inovação, geração de valor, qualidade, serviços, gestão de serviços, suporte em TI, melhoria contínua, orientação a processos,

Leia mais

O Instituto LIFE é responsável pelo

O Instituto LIFE é responsável pelo LIFE CertificaçãoLIFE Lasting Initiative For Earth O Instituto LIFE é responsável pelo desenvolvimento e gestão do sistema de Certificação LIFE. A Certificação LIFE reconhece organizações que desenvolvem

Leia mais

O sistema de gestão ambiental baseado nas normas ISO 14000 como modelo de aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento

O sistema de gestão ambiental baseado nas normas ISO 14000 como modelo de aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento O sistema de gestão ambiental baseado nas normas ISO 14000 como modelo de aprendizagem organizacional e gestão do conhecimento Carlos Cesar Cavalcante Dias (UNIP/UNIFIEO) carlos.cesar@unifieo.br Dra. Irenilza

Leia mais

Gestão Estratégica de Negócios

Gestão Estratégica de Negócios INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão Estratégica de Negócios Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Santa Rita do Sapucaí MG Setembro de 2013

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO HOSPITAL DE CLÍNICAS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE SEGURANÇA DO PACIENTE Uberaba,MG 2014 SIGLÁRIO Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Eventos Adversos

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de TIC. Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular

INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES. Inatel Competence Center. Business School. Gestão de TIC. Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão de TIC Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Pró diretoria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação;

Leia mais

Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH. CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde

Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH. CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde Inovação em serviços de saúde: experiência da Unimed-BH CISS Congresso Internacional de Serviços de Saúde Quem somos Por que inovar Qualificação da rede Adoção do DRG Acreditação da Operadora Inovação

Leia mais

O SEPG COMO FATOR DETERMINANTE PARA REAVALIAÇÃO CMMI NÍVEL 3

O SEPG COMO FATOR DETERMINANTE PARA REAVALIAÇÃO CMMI NÍVEL 3 O SEPG COMO FATOR DETERMINANTE PARA REAVALIAÇÃO CMMI NÍVEL 3 1 A Senior IX XII VI III IX III 2 2008: A primeira avaliação XII VI 3 O SEPG: Um trabalho contínuo IX XII VI III 4 Os desafios da Reavaliação

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Sociedade & Natureza Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados e atribuídos

Leia mais

Como os processos de acreditação podem contribuir para melhorar o desempenho ambiental do setor saúde?

Como os processos de acreditação podem contribuir para melhorar o desempenho ambiental do setor saúde? Gestão da qualidade e sustentabilidade Como os processos de acreditação podem contribuir para melhorar o desempenho ambiental do setor saúde? V Seminário Hospitais Saudáveis (SHS) Laura Schiesari lauschi@uol.com.br

Leia mais

Escritório de Projetos

Escritório de Projetos Escritório de Projetos Agenda Conceito de Escritório de Projetos Por que implementar um Escritório de Projetos? Implementando um Escritório de Projetos Funções do Escritório de Projetos Modelo de Maturizade

Leia mais

Normas e Diretrizes Interpretativas para Acreditação Internacional de Hospitais - DIAS

Normas e Diretrizes Interpretativas para Acreditação Internacional de Hospitais - DIAS DNV-GL NORMA DNV GL DNV-DS-HC102 EXIGÊNCIAS DE ACREDITAÇÃO INTERNACIONAL Normas e Diretrizes Interpretativas para Acreditação Internacional de Hospitais - DIAS AGOSTO 2014, VERSÃO 3.2 A versão eletrônica

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações

RAPHAEL MANDARINO JUNIOR Diretor do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações 04/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/6 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

Leia mais

A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS

A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS Francesco De Cicco Abril, 2012 A NOVA ERA DA GESTÃO DE RISCOS AGENDA A nova definição de Risco e sua importância para as organizações. Os novos documentos internacionais e brasileiros de referência em

Leia mais

PrimeGlobal PGBR. Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos. Diferença PrimeGlobal

PrimeGlobal PGBR. Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos. Diferença PrimeGlobal PrimeGlobal PGBR Uma excelente alternativa em serviços de auditoria, consultoria e Impostos Somos uma empresa de auditoria, consultoria e impostos, criada á partir da junção de importantes empresas nacionais,

Leia mais

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar?

O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? O porquê de se investir na Confiabilidade Humana Parte 7 Por onde começar? Eng. Dr. José L. Lopes Alves INTRODUÇÃO Organizações no ramo industrial, da saúde, de energia, por exemplo, têm investido enormes

Leia mais

Gestão de Risco Medicina Preventiva Saúde Ocupacional

Gestão de Risco Medicina Preventiva Saúde Ocupacional Gestão de Risco Medicina Preventiva Saúde Ocupacional PONTOS FORTES PONTOS FRACOS OPORTUNIDADES AMEAÇAS SWOT PONTOS FORTES Saúde Ocupacional bem estruturada Medicina Preventiva atuante e focada no gerenciamento

Leia mais

Atua no acompanhamento das atividades, através da implementação de políticas e normas; Busca a satisfação do cliente.

Atua no acompanhamento das atividades, através da implementação de políticas e normas; Busca a satisfação do cliente. Aula 17 1 2 Inclui os processos e atividades necessários para determinação das políticas de qualidade, objetivos e responsabilidades, de maneira que o projeto satisfaça suas necessidades; Atua no acompanhamento

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília AVALIAÇÃO DA ADOÇÃO DE BPM NO BRASIL: ERROS, APRENDIZADOS E BOAS PRÁTICAS Leandro Jesus INVESTIR EM PROCESSOS:

Leia mais

Gerenciamento de riscos e a infecção hospitalar: primos-irmãos?

Gerenciamento de riscos e a infecção hospitalar: primos-irmãos? Gerenciamento de riscos e a infecção hospitalar: primos-irmãos? Juliana P Machado Gerente de Enfermagem HSF Doutoranda EERP- USP Esp. em Gestão de Negócios Saúde Membro REBRAENSP Segurança do Paciente...

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

As principais competências que farão a diferença para os líderes 2016-17. KM Coaching Desenvolvendo Performance para Aumento de Resultados

As principais competências que farão a diferença para os líderes 2016-17. KM Coaching Desenvolvendo Performance para Aumento de Resultados As principais competências que farão a diferença para os líderes 2016-17 KM Coaching Desenvolvendo Performance para Aumento de Resultados Katya Mangili Atua como Coach de Carreira e Liderança. É sócia

Leia mais

PREPARANDO A IMPLANTAÇÃO

PREPARANDO A IMPLANTAÇÃO Início Revisão Crítica A P POLÍTICA AMBIENTAL Melhoria Contínua Verificação e Ação Corretiva C D Planejamento IMPLEMENTAÇÃO Início Revisão Crítica Planejamento A C Melhoria Contínua P D POLÍTICA AMBIENTAL.

Leia mais

Experiência: VIABILIZANDO O NEGÓCIO DE TRANSPORTE MARÍTIMO NO SISTEMA PETROBRAS

Experiência: VIABILIZANDO O NEGÓCIO DE TRANSPORTE MARÍTIMO NO SISTEMA PETROBRAS Experiência: VIABILIZANDO O NEGÓCIO DE TRANSPORTE MARÍTIMO NO SISTEMA PETROBRAS PETROBRAS TRANSPORTE S.A TRANSPETRO FROTA NACIONAL DE PETROLEIROS FRONAPE EQUIPE : Celso Luiz S. Pereira de Souza Superintendente

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

Monitoramento e Gestão de Riscos A experiência de parceiros da Vigilância Sanitária Hospital Getúlio Vargas PE

Monitoramento e Gestão de Riscos A experiência de parceiros da Vigilância Sanitária Hospital Getúlio Vargas PE 15º Encontro Nacional da Rede Sentinela Fórum Internacional de Monitoramento e Gestão de Risco Sanitário Monitoramento e Gestão de Riscos A experiência de parceiros da Vigilância Sanitária Hospital Getúlio

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009

Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Ferramentas para a Gestão da Sustentabilidade na Indústria da Mineração Mª Sulema Pioli ERM Brasil Ltda Setembro 2009 Conteúdo da apresentação Breve contexto Indutores da Gestão da Sustentabilidade Gestão

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica

Planejamento e Gestão Estratégica Planejamento e Gestão Estratégica O Governo de Minas estabeleceu como um dos eixos norteadores da suas políticas públicas a eficiência na utilização dos recursos e a oferta de serviços com qualidade cada

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Manual de Risco Operacional

Manual de Risco Operacional Manual de Risco Operacional Atualizado em maio/2014 Índice 1. Definição 3 2. Política e Premissas 4 3. Estrutura de Gestão de Risco Operacional 5 3a. Competências 6 3b. Modelo de Gestão do Risco Operacional

Leia mais

Introdução à ISO 9001:2015

Introdução à ISO 9001:2015 Trilhando o caminho das mudanças da nova versão Clique aqui para para conhecer-me. Introdução à ISO 9001:2015 Apresentar e interpretar As mudanças da norma versão da ABNT ISO 9001:2015 em relação à ABNT

Leia mais

Relatório de Certificação Metodologia ONA

Relatório de Certificação Metodologia ONA Relatório de Certificação Metodologia ONA IDENTIFICACAO DO AVALIADO Razão Social: Henrique Tommasi Netto Análises Clínicas Nome Fantasia: Tommasi Laboratório Endereço: Rua São João Batista, 200 Trevo de

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2.

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2. Aprovado ' Elaborado por Renata Filardi/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Verificado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Aprovado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 ÁREA DGL Tipo MANUAL Número

Leia mais

Gestão em Sistemas de Saúde

Gestão em Sistemas de Saúde INSTITUTO NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES Inatel Competence Center Business School Gestão em Sistemas de Saúde Projeto Pedagógico de Curso de Extensão Curricular Aprovado no dia XX/XX/2013 Pró diretoria de

Leia mais

RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL

RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL RECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA AMBULATORIAL Adriana Baptista da Cruz Löffel Coordenadora de Farmácia ACCamargo Cancer Center Especialista em Farmacologia Clínica CONCEITOS Reconciliar = ato de restabelecer

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS SUSTENTABILIDADE E M P R E S A R I A L Política de Sustentabilidade Empresarial das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras,

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE EM EMPRESAS DE PROJETO EXPERIÊNCIA DE EMPRESAS DE MINAS

GESTÃO DA QUALIDADE EM EMPRESAS DE PROJETO EXPERIÊNCIA DE EMPRESAS DE MINAS 1 GESTÃO DA QUALIDADE EM EMPRESAS DE PROJETO EXPERIÊNCIA DE EMPRESAS DE MINAS Paulo R. P. Andery Grupo Mineiro de Gestão de Projetos Universidade Federal de Minas Gerais PSQ - Minas 2 Grupo Mineiro de

Leia mais

Plataforma. Portal Educacional

Plataforma. Portal Educacional Plataforma Portal Educacional O Grupo Actcon e a Rede Educar Brasil Especializado em soluções que incorporam Tecnologia da Informação à Educação e à Modernização da Administração Pública, o Grupo Actcon

Leia mais

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions

ISO 9001 Relatórios. A importância do risco em gestao da qualidade. Abordando a mudança. ISO Revisions. ISO Revisions ISO 9001 Relatórios A importância do risco em gestao da qualidade Abordando a mudança BSI Group BSI/UK/532/SC/1114/en/BLD Contexto e resumo da revisão da ISO 9001:2015 Como uma Norma internacional, a ISO

Leia mais

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 Alexandre Nixon Soratto, Msc. (INMETRO) ansoratto@inmetro-sc.gov.br Gregório Varvakis, PhD. (UFSC) grego@egc.ufsc.br Resumo

Leia mais

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I

ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I ENG 2332 CONSTRUÇÃO CIVIL I Profº Eng Civil Bruno Rocha Cardoso Aula 3: Controle de Qualidade de Execução. Controle de Qualidade de Execução. Mas o que é Qualidade? Embora tenha demorado dois dias para

Leia mais