PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP - COMUNICADO DE PROGRESSO AX0003/00-Q5-RL Rev. 0 < MAIO 2015> ELABO.: SBMo VERIF.: CF APROV.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP - COMUNICADO DE PROGRESSO 2015. AX0003/00-Q5-RL-1001-15 Rev. 0 < MAIO 2015> ELABO.: SBMo VERIF.: CF APROV."

Transcrição

1 PACTO GLOBAL DAS NAÇÕES UNIDAS COP - COMUNICADO DE PROGRESSO 2015 AX0003/00-Q5-RL Rev. 0 < MAIO 2015> ELABO.: SBMo VERIF.: CF APROV.: CK

2 AX0003/00-Q5-RL ÍNDICE PÁG. 1 - INTRODUÇÃO DIREITOS HUMANOS Política e Objetivos Avaliação de Riscos Implementação Metas para o Próximo Período Medição de Resultados PRÁTICAS TRABALHISTAS Política e Objetivos Avaliação de Riscos Implementação Metas para o Próximo Período Medição de Resultados PRINCÍPIOS AMBIENTAIS Política e Objetivos Avaliação de Riscos Implementação Metas para o Próximo Período Medição de Resultados PRINCÍPIOS ANTICORRUPÇÃO Política e Objetivos Avaliação de Riscos Implementação Metas para o Próximo Período Monitoramento de Resultados ANEXOS ANEXO I ANEXO II Política Planilha Identificação e Caracterização de Aspectos Ambientais e Ocupacionais e Avaliação de Impactos/Riscos e Legislação Aplicável ANEXO III Certificado OHSAS ANEXO IV Código de Conduta ANEXO V Certificado ISO 14001

3

4 AX0003/00-Q5-RL DIREITOS HUMANOS Foram mantidas para este item e os demais todas as definições do Relatório anterior AX0003/00-Q5-RL Política e Objetivos O Grupo ENGEVIX está comprometido com a defesa dos Direitos Humanos e reconhece que estes são inerentes, inalienáveis, universais, indivisíveis e interdependentes. Durante o atual período, nossa política foi mantida explicitando o nosso compromisso com os Direitos Humanos, conforme Anexo I Avaliação de Riscos A avaliação de riscos de direitos humanos do nosso setor da indústria aponta para questões de extrema relevância como violação de direitos das comunidades do entorno, riscos de doenças sexualmente transmissíveis, violência sexual contra crianças e adolescentes e uso de drogas ilícitas Implementação A fim de adequarmos nossas ações a esses riscos, elaboramos e treinamos nos Procedimentos: M0-PP-0101 Programa de Enfrentamento da Violência Sexual; M0-PP-0102 Programa de Saúde e Qualidade de Vida que inclui: o Programa de Vacinação do Viajante; o Programa de Investigação de Saúde e Segurança Ocupacional; o Inclusão Social; o Programa de prevenção de Álcool e outras drogas. e implantados em meados de 2014 prevendo-se a primeira análise dos dados em agosto de Além disso, melhoramos o nosso canal de Ouvidoria para oferecer um serviço mais confiável aos nossos stakeholders. Além dos comitês internos para o tratamento de denúncia nas áreas de Recursos Humanos, Fraudes e Responsabilidade Socioambiental foi criado o de Produção. O novo serviço vem sendo amplamente divulgado a todos os stakeholders e está disponível gratuitamente com acesso aos colaboradores pela intranet e a todos os demais através da internet (www.contatoseguro.com.br) e pelo telefone gratuito O serviço garante o sigilo das informações do denunciante, que pode inclusive se manifestar de forma anônima e acompanhar o andamento das apurações por meio de protocolo único, através do site ou por telefone. No período atual, também mantivemos investimentos sociais no Programa Engevix Socioeducativo (PRESE) que oferece atividades de reforço escolar no contra turno da escola, fortalecimento da cidadania, atendimento médico e social a mais de 300

5 AX0003/00-Q5-RL (trezentas) crianças em situação de vulnerabilidade social, nas cidades de Barueri e Florianópolis Metas para o Próximo Período Conforme relatório anterior, ampliamos a nossa atuação em apoio à proteção de direitos humanos no entorno de nossos escritórios e obras com foco nas questões citadas no item anterior: 1) Combater a Violência sexual contra crianças e adolescentes: Manter e expandir para as obras de longa duração o Programa de Enfrentamento da Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes; Manter Fornecedores e Subcontratadas nos treinamentos sobre o tema; Manter e estabelecer parcerias locais com os conselhos municipais, órgãos públicos, ONG e empresas para ampliar o diálogo e apoiar ações de combate nas comunidades do entorno das nossas obras e contratos. 2) Combater o uso de drogas ilícitas e apoio a usuários: Manter no estaleiro do Rio Grande da ECOVIX e disseminar o programa piloto de combate ao uso de drogas ilícitas; Manter Fornecedores e Subcontratadas nos treinamentos sobre o tema; Manter e estabelecer parcerias locais com os conselhos municipais, órgãos de saúde; ONG e empresas para apoiar ações de combate nas comunidades do entorno das nossas obras e contratos, bem como apoiar o tratamento de usuários. 3) Prevenir doenças sexualmente transmissíveis: Manter as campanhas internas de combate ao HIV/Aids e outras doenças transmissíveis; Manter Fornecedores e Subcontratadas nos treinamentos sobre o tema; Manter e estabelecer parcerias locais com os conselhos municipais, órgãos de saúde, ONG e empresas para apoiar ações de combate nas comunidades do entorno das nossas obras e contratos. 4) Ampliar e aprimorar ainda mais nosso mecanismo de resolução de Queixas externas: Manter e melhorar o serviço de Ouvidoria para todas as empresas do Grupo ENGEVIX; Melhorar o diálogo com as partes afetadas por questões de abusos de direitos humanos e atuar nas causas para evitar sua repetição. 5) Manter os investimentos sociais no Programa Engevix Socioeducativo (PRESE).

6 AX0003/00-Q5-RL Medição de Resultados A medição de resultados dos nossos programas e ações visando a preservação de Direitos Humanos vem sendo realizada por meio do monitoramento dos dados, reclamações e denúncias: 2.5.1a Evidência da divulgação da renovação de compromisso com o Pacto Global, Informativo Corporativo nº 109 de Junho de 2014.

7 AX0003/00-Q5-RL b Evidência de disseminação e comprometimento com os Objetivos Desenvolvimento do Milênio, conforme Informativo Corporativo nº 110: de

8 AX0003/00-Q5-RL Resultados obtidos no Programa de Prevenção de Álcool e Outras Drogas Programa de Prevenção de Alcool e Outras Drogas Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro nº de exames realizados nº de resultados positivos 2.5.3a Evidencia de campanhas internas de combate ao HIV/Aids e outras doenças transmissíveis:

9 AX0003/00-Q5-RL b Evidencia de Treinamento incluindo os Subcontratados: Evidência da expansão do Canal de Ouvidoria, Informativo Corporativo nº 109

10 AX0003/00-Q5-RL Evidencia de comprometimento com o PRESE, Informativo Corporativo nº Evidencia de campanhas de vacinação como melhoria da qualidade de vida, Informativo Corporativo nº 113:

11 AX0003/00-Q5-RL PRÁTICAS TRABALHISTAS Política e Objetivos O Grupo ENGEVIX se mantém comprometido com os Princípios Trabalhistas e garante a saúde e segurança dos seus colaboradores e terceirizados por meio de um Sistema de Gestão certificado pela norma OHSAS 18001, que atende a requisitos internacionais de saúde e segurança ocupacionais. Nossa política se manteve inalterada conforme Anexo I, com relação a questões trabalhistas. Temas como a liberdade de associação, respeito pelas negociações coletivas e outros temas considerados de grande relevância no nosso setor da indústria, como a igualdade de gêneros, respeito pelas minorias, o combate ao trabalho infantil e ao trabalho forçado e a inclusão de pessoas com deficiência, vem sendo abordados com maior ênfase Avaliação de Riscos De acordo com o nosso Sistema Integrado de Gestão da Qualidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança Ocupacionais-SIG, os riscos e impactos à segurança e à saúde dos trabalhadores, inclusive terceirizados, continuam sendo avaliados conforme procedimento específico de Identificação e Caracterização de Aspectos Ambientais e Ocupacionais e Avaliação dos Aspectos e Riscos (M0-PP ), que estabelece responsabilidades e atribuições dentro do sistema, Anexo II. A cada semestre, a alta direção avalia criticamente os indicadores de saúde e segurança e adota decisões relacionadas à melhoria do sistema, bem como correções necessárias. Complementarmente, utilizamos a avaliação de riscos de práticas trabalhistas do nosso setor da indústria que aponta para questões como uso de trabalho escravo ou análogo na cadeia produtiva, bem como o trabalho infantil, discriminação de gênero, discriminação de minorias e uso de drogas ilícitas por parte de colaboradores Implementação As políticas trabalhistas continuam sendo implementadas por meio de treinamentos e monitoradas por meio de auditorias internas e Certificação Externa, Anexo III, bem como por meio do canal de Ouvidoria, disponível a todos os colaboradores. Possuímos uma estrutura de apoio e fiscalização da segurança e saúde do trabalhador que conta com engenheiros e técnicos de segurança, assim como médicos e enfermeiros do trabalho, que atuam continuamente nos escritórios e obras para atender à legislação trabalhista. Oferecemos planos de saúde aos nossos colaboradores e pronto atendimento em caso de emergências médicas. Além disso, oferecemos preventivamente a ginástica laboral, tanto em escritórios quanto em ambientes de obras. Foi mantido, implementado e disseminado a todos os colaboradores o Código de Conduta, Anexo IV, que continua a abordar de maneira mais abrangente e explícita os princípios trabalhistas..

12 AX0003/00-Q5-RL Nossa principal norma de gestão de contratos (M0-NA ), revisada em 2013, está sendo auditada com frequência determinada a fim de verificar nos contratos se os requisitos de proteção aos direitos trabalhistas. A não discriminação está prevista em nossos procedimentos de gestão e todos os colaboradores são informados acerca dos seus direitos e deveres já no processo de integração. Nossos gestores são treinados periodicamente em questões de respeito aos direitos humanos e trabalhistas envolvendo temas como assédio moral e sexual, bem como cuidados relativos à não cumplicidade em casos de discriminação de gênero, raça ou qualquer outra condição de diferenciação que não seja baseada em aspectos técnicos e de merecimento no trabalho Metas para o Próximo Período Para o ano de 2015, pretendemos continuar com as seguintes metas visando o aprimoramento das Práticas Trabalhistas do GRUPO: 1) Intensificar o treinamento sobre o novo Código de Conduta a todos os colaboradores e gestores, informando-os sobre seus direitos e deveres, bem como sobre os canais de resolução de queixas disponíveis a todos. 2) Ampliar o combate ao trabalho escravo ou análogo e Trabalho infantil na cadeia produtiva: Incluir nos critérios de seleção de fornecedores e subcontratadas a consulta ao cadastro de empresas envolvidas nesse tipo de infração, evitando assim sua contratação; Estabelecer cláusulas contratuais mais claras e sanções mais duras com relação a esse tipo de abuso por parte de fornecedores e subcontratadas; Incluir fornecedores e subcontratadas nos treinamentos de conscientização em direitos trabalhistas para colaboradores e gestores. 3) Fortalecer os programas de prevenção de acidentes: Aprimorar os atuais programas de prevenção de acidentes, mediante a contratação de consultorias especializadas e validadas pelo mercado; Incluir fornecedores e subcontratadas nos treinamentos sobre o tema. 4) Combater ao uso de drogas ilícitas e apoio a colaboradores usuários: Disseminação do programa piloto de combate ao uso de drogas ilícitas às principais obras do GRUPO; Estabelecer parcerias locais com os conselhos municipais relacionados ao uso de drogas e à saúde, órgãos públicos da área de saúde, ONG s e empresas para apoiar ações voltadas ao tratamento de colaboradores usuários. 5) Prevenir doenças sexualmente transmissíveis entre os colaboradores: Manter as campanhas internas de combate ao HIV/Aids e outras doenças transmissíveis;

13 AX0003/00-Q5-RL Estabelecer parcerias locais com os conselhos municipais de saúde, órgãos públicos de vigilância epidemiológica, ONG s e empresas para apoiar ações de prevenção e combate junto aos colaboradores. 6) Ampliar e aprimorar ainda mais nosso mecanismo de resolução de Queixas internas: Expandir o novo serviço de Ouvidoria para todas as empresas do Grupo ENGEVIX; Ampliar a campanha de comunicação para que alcance de forma eficaz todos os nossos colaboradores, terceirizados e subcontratados; Dialogar com as partes afetadas por questões de abusos de direitos trabalhistas e atuar nas causas para evitar sua repetição. 7) Estimular a inovação no ambiente de trabalho: Transformar o Prêmio i9 em um programa permanente de incentivo à produção de novas ideias visando à inovação de processos, produtos e melhoria do ambiente de trabalho Medição de Resultados Evidência da divulgação e treinamento de colaboradores - Código de Conduta Evidencia de combate ao trabalho escravo e trabalho infantil apresentada conforme item 2.5.1a e 2.5.1b

14 AX0003/00-Q5-RL Evidencia da realização de treinamentos, palestras e campanhas em obras temporárias para prevenção de acidentes, Informativo Corporativo nº Evidencia do conteúdo programático aplicado no treinamento do Procedimento de Produção Corporativo M0-PP-0102 Programa de Saúde e Qualidade de Vida

15 AX0003/00-Q5-RL Evidencia de prevenção de doenças sexualmente transmissíveis apresentada conforme item 2.5.3a Evidencia de melhoria do canal Ouvidoria apresentada conforme item Criação e aplicação do Premio i9 de estímulo à inovação no ambiente de trabalho, que contou com 248 (duzentas e quarenta e oito) sugestões de melhorias. Evidência do resultado - Informativo Corporativo nº112 A proteção aos direitos trabalhistas é monitorada por meio de auditorias internas e externas de conformidade, realizadas semestralmente, envolvendo os processos de RH e medição de Satisfação:

16 AX0003/00-Q5-RL Através do nosso Programa de Monitoramento e Gestão Corporativo, monitoramos mensalmente indicadores de qualidade da água, níveis de ruído ambiental, conforto térmico, qualidade do ar, número de acidentes, afastamentos do serviço e iluminação no ambiente de trabalho. Além disso, realizamos o monitoramento por meio do canal de Ouvidoria que no ano de 2014 registrou 16 (Dezesseis) casos de possíveis abusos relacionados aos princípios trabalhistas, conforme gráfico abaixo, os quais foram prontamente tratados e resolvidos. O gráfico apresenta o número de casos por natureza da denuncia e/ou sugestão nas empresas do Grupo ENGEVIX onde o canal de Ouvidoria foi implementado. Todos os casos foram resolvidos e isso resultou em treinamentos específicos para lideranças sobre assédio moral e sexual e resolução de conflitos no trabalho.

17 AX0003/00-Q5-RL PRINCÍPIOS AMBIENTAIS Política e Objetivos A proteção ao meio ambiente está fortemente enraizada na cultura do Grupo ENGEVIX. Possuímos um sistema de Gestão Ambiental certificado pela NBR ISO desde 2004 e auditada anualmente, Anexo V Avaliação de Riscos Nosso Sistema de Gestão Ambiental prevê o levantamento dos aspectos, riscos e impactos envolvidos nas nossas atividades, tanto em escritórios quanto em ambientes de obras, Anexo II. Possuímos equipes especializadas em todos os locais onde atuamos composta por engenheiros e técnicos de meio ambiente, que aplicam periodicamente listas de verificação de meio ambiente para verificar a conformidade dos processos. Medidas de ação corretiva são adotadas sempre que se verificam desvios significativos na conduta ou nos procedimentos adotados. Os riscos ambientais mais comuns variam de acordo com o tipo de empreendimento, porém nossos projetos seguem a legislação brasileira e são sempre precedidos de estudos de impactos ambientais, o que nos permite prevenir os riscos, monitorar possíveis impactos e corrigir possíveis problemas de imediato Implementação Com relação aos requisitos ambientais, na revisão do nosso Código de Conduta, Anexo IV, foram incluídas responsabilidades específicas relacionadas à proteção do meio ambiente, conforme mencionado anteriormente no relatório AX0003/00-Q5-RL Nossa norma de gestão de contratos prevê, além da obrigatoriedade do levantamento aspectos, riscos e impactos ambientais, Anexo II, que seja efetuado um diagnóstico inicial das áreas e instalações, bem como, um estudo da documentação existente sobre a área de cada projeto, visando o mapeamento das condições de degradação inicial. A mesma ação é obrigatória ao final da obra visando inibir passivos ambientais. Durante todo o período da obra, todos os contratos são auditados semestralmente pela equipe corporativa de meio ambiente com base nos requisitos da NBR ISO Sistemas de Gestão Ambiental e na legislação federal, estadual e municipal aplicável, especialmente com relação ao tratamento e destinação de resíduos, emissão de Fumaça Preta (De acordo com a escala de Ringelmann ou teste de opacidade) e verificação de Documentação de Origem Florestal. Além disso, utilizamos várias práticas de sensibilização para questões ambientais através de treinamentos para os funcionários, disseminação de boletins informativos, diálogos de meio ambiente e disseminação de boas práticas. Com relação ao uso de recursos finitos, incentivamos o consumo consciente de água, energia elétrica, papel e outros recursos de uso intensivo e promovemos a reciclagem de materiais em todas as nossas instalações.

18 AX0003/00-Q5-RL Metas para o Próximo Período Para 2015 pretendemos concentrar nossa atuação de meio ambiente nas seguintes ações: 1) Ampliar as ações de educação ambiental e consumo consciente tanto internamente quanto envolvendo comunidades do entorno; 2) Incentivar o uso de tecnologias ambientalmente amigáveis em nossos projetos, inclusive por parte de nossas subcontratadas; 3) Aprofundar estudos sobre Mecanismos de Desenvolvimento Limpo para um controle de emissões GEE mais eficiente Medição de Resultados Não houve impactos ambientais durante o ano.

19 AX0003/00-Q5-RL PRINCÍPIOS ANTICORRUPÇÃO Política e Objetivos O combate à corrupção é considerado por nós um tema de alta relevância para o sucesso do nosso negócio e para o desenvolvimento sustentável das localidades onde atuamos, pois se trata de uma grave barreira à definição de políticas e práticas adequadas de gestão pública, resultando em desvio de recursos e na drástica diminuição do investimento social. Este tema é tratado em nossa política, Anexo I, quando nos referimos à Responsabilidade e Integridade da Gestão. Consideramos que para atingir nossos objetivos de negócio, é fundamental cumprir rigorosamente nossos compromissos legais e éticos, especialmente as leis de combate à corrupção, afastando-nos de práticas e de relacionamentos duvidosos. Nesse sentido, procuramos no atual período incluir em nossas normas e procedimentos requisitos específicos de combate à corrupção que apresentaremos a seguir, fortalecendo e ampliando nosso canal de denúncias Avaliação de Riscos A avaliação de riscos de corrupção é realizada por meio de dois níveis de auditoria. O primeiro nível é composto por equipe de auditoria do Sistema Integrado de Gestão, responsável por verificar a conformidade entre as práticas e os procedimentos previstos. O segundo nível, envolve auditorias internas e externas especializadas no combate a fraudes e outros desvios, com foco em áreas de maior risco de envolvimento, utilizandose de verificações e comparações internas para garantir a coerência com o compromisso anticorrupção. No atual período, nosso setor de auditoria financeira passou por uma reestruturação e renovação da equipe, por meio da contratação de pessoas com experiência no combate a fraudes e outros tipos de desvios de recursos, dando maior consistência às práticas anticorrupção, inclusive pela usa maior capacidade em detectar e evidenciar possíveis casos Implementação Muito embora já houvesse em nossos códigos anteriores referências a condutas fraudulentas, incluímos explicitamente na nova versão do nosso Código de Conduta, Anexo IV, referências à legislação brasileira de combate à corrupção e condutas específicas relacionadas à gestão financeira e ao recebimento e oferta de brindes. No campo das práticas anticorrupção, visando a reduzir as possibilidades de corrupção interna e externa, decidimos criar um comitê específico para o tratamento desse tipo de questão, previsto na nova versão do nosso Código de Conduta e demonstrado anteriormente no relatório AX0003/00-Q0-RL Portanto, ao receber uma denúncia relacionada á corrupção, nosso serviço de Ouvidoria a encaminha imediatamente para o Comitê de Fraudes que tem autonomia para investigar e

20

21 AX0003/00-Q5-RL ANEXOS

22 AX0003/00-Q5-RL ANEXO I POLÍTICA

23 AX0003/00-Q5-RL POLÍTICA É compromisso do Grupo ENGEVIX compatibilizar as suas atividades com a melhoria continua da Qualidade, a prevenção de impactos ao Meio Ambiente e aos riscos de segurança, a melhoria da saúde ocupacional, sempre de forma continuada, através de ações promovidas junto a sua força de trabalho e a seus associados, fornecedores, parceiros e terceiros, respeitando os direitos humanos e promovendo o desenvolvimento sustentável. Este compromisso implica no cumprimento da legislação, das normas e dos requisitos contratuais, de acordo com os seguintes princípios: Satisfação de clientes Adoção de práticas e tecnologias que agreguem valores aos contratos com padrões de excelência satisfazendo as soluções socioambientais de engenharia, o prazo, o custo e a qualidade. Qualidade, Saúde, Segurança e Meio Ambiente. Trabalhar de forma preventiva no desenvolvimento de projetos, na proteção do ser humano, do meio ambiente e público de interesse, assegurando a eficiência e eficácia do sistema de gestão. Educação e Motivação Educar, capacitar e conscientizar os empregados, colaboradores, associados, fornecedores e parceiros para as questões de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social. Responsabilidade e Integridade Atender a todas as normas, regulamentos, requisitos legais e contratuais e boas práticas internacionais, e, quando possível, superá-los. Redução e Prevenção Racionalizar a utilização de recursos naturais em todas as suas atividades e prevenir os riscos ambientais, de saúde e segurança da força de trabalho e da comunidade Melhoria Contínua Buscar a excelência e a melhoria contínua da qualidade e produtividade de produtos e processos mais seguros ao ser humano, menos agressivos ao meio ambiente e integrados à comunidade.

24 AX0003/00-Q5-RL ANEXO II PLANILHA IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE ASPECTOS AMBIENTAIS E OCUPACIONAIS E AVALIAÇÃO DE IMPACTOS/RISCOS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEL

25 AX0003/00-Q5-RL

26 AX0003/00-Q5-RL ANEXO III CERTIFICADO OHSAS 18001

27 AX0003/00-Q5-RL

28 AX0003/00-Q5-RL ANEXO IV CÓDIGO DE CONDUTA

29 AX0003/00-Q5-RL

30 AX0003/00-Q5-RL ANEXO V CERTIFICADO ISO 14001

31 AX0003/00-Q5-RL

Sustentabilidade em energia e o concreto. Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc

Sustentabilidade em energia e o concreto. Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc Sustentabilidade em energia e o concreto Sonia Maria Capraro Alcântara, MSc RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL GRI IBASE Responsabilidade Social & Sustentabilidade Empresarial 1999 2001 a 2003 2006 AÇÃO

Leia mais

CARTA ABERTA DE COMPROMISSO

CARTA ABERTA DE COMPROMISSO CARTA ABERTA DE COMPROMISSO Prezado Sr. Secretário Geral, A Responsabilidade Social Empresarial é prioridade da Unimed Sul Capixaba Cooperativa de Trabalho Médico desde 2003. É intrínseca aos valores da

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS 1. INTRODUÇÃO Em atendimento a Resolução do BACEN Nº 4.327 de 25 de abril de 2014, a EASYNVEST definiu sua Política de Responsabilidade Socioambiental que, considerando a natureza de suas operações e a

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2/11 Sumário 1. Conceito... 3 2. Objetivo... 3 3. Áreas de aplicação... 3 4. Diretrizes... 4 4.1 Princípios... 4 4.2 Estratégia de e Responsabilidade

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE DO GRUPO INVEPAR DE DO GRUPO INVEPAR PÁGINA Nº 2/5 1. INTRODUÇÃO Desenvolver a gestão sustentável e responsável nas suas concessões é um componente fundamental da missão Invepar de prover e operar sistemas de mobilidade

Leia mais

Questionário de Levantamento de Informações

Questionário de Levantamento de Informações Questionário de Levantamento de Informações Critérios para Inclusão de Empresas no Fundo Ethical 1 INTRODUÇÃO Nos últimos anos se observou um aumento significativo da preocupação das empresas com questões

Leia mais

Relatório de avaliação dos compromissos assumidos com o Pacto Global

Relatório de avaliação dos compromissos assumidos com o Pacto Global Relatório de avaliação dos compromissos assumidos com o Pacto Global 07/06/2013 Sumário 1. O Pacto Global... 3 2. A Klabin e o Pacto Global... 5 3. Avaliação das iniciativas da Klabin para o cumprimento

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO SISTEMA CECRED

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO SISTEMA CECRED POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DO SISTEMA CECRED VERSÃO 01 MAIO DE 2015 SUMÁRIO Capítulo 1 Objetivo do documento... 3 Capítulo 2 Público - Alvo / Aplicabilidade... 5 Capitulo 3 Responsabilidades...

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

PREMIER AMBIENTAL COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1

PREMIER AMBIENTAL COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO PACTO GLOBAL ONU - 2015 COMUNICAÇÃO DE PROGRESSO 1 PERFIL DA EMPRESA A Premier Ambiental é uma empresa de Consultoria em Gerenciamento de Requisitos Legais, implantação e manutenção

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

CASO DE SUCESSO EM GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO DE UMA USINA HIDRELÉTRICA

CASO DE SUCESSO EM GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NA CONSTRUÇÃO DE UMA USINA HIDRELÉTRICA INTRODUÇÃO Grandes obras civis e de montagem eletromecânica costumam representar um desafio nos aspectos de cumprimento de cronogramas e atendimento aos requisitos de segurança do trabalho e saúde ocupacional,

Leia mais

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras VAMOS ACABAR COM A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS RODOVIAS BRASILEIRAS parceria estratégica parceria técnica Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração

Leia mais

2 CÓDIGO DE ÉTICA RUDLOFF

2 CÓDIGO DE ÉTICA RUDLOFF 2 CÓDIGO DE ÉTICA RUDLOFF ÍNDICE Sobre o Código de Ética... 05 Missão, Visão e Valores... 06 Colaboadores... 07 Legislação... 08 Conflito de Interesse... 09 Uso adequado dos Bens da Empresa... 10 Publicidade

Leia mais

Assegurar a estrita observância das normas legais e regulamentares relativas aos direitos do consumidor.

Assegurar a estrita observância das normas legais e regulamentares relativas aos direitos do consumidor. MANUAL DE CONTROLES INTERNOS Página 1 / 9 Nome do Documento FINALIDADE SAC Atendimento ao Cliente Estabelecer em procedimento o atendimento ao cliente da Gradual Corretora; Assegurar meio de comunicação

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A

CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A CÓDIGO DE ÉTICA DA EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA S/A O código de ética da Empresa Luz e Força Santa Maria S/A contempla as seguintes partes interessadas: empregados, fornecedores, meio ambiente, consumidores

Leia mais

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2.

Renata Filardi/BRA/VERITAS18/10/2006 ÍNDICE: 1 INTRODUÇÃO 1.1 ESCOPO MANUAL 1.2 VISÃO E MISSÃO DO BUREAU VERITAS 1.2.2 - VISÃO 1.2. Aprovado ' Elaborado por Renata Filardi/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Verificado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 Aprovado por Renato Catrib/BRA/VERITAS em 18/10/2006 ÁREA DGL Tipo MANUAL Número

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

POLÍTICA. Direitos Fundamentais nas Relações de Trabalho ÍNDICE

POLÍTICA. Direitos Fundamentais nas Relações de Trabalho ÍNDICE Folha 1/5 ÍNDICE 1. Objetivo.... 2 2. Abrangência... 2 3. Premissas... 2 Folha 2/5 1. Objetivo Estabelecer diretrizes que devem assegurar os direitos fundamentais nas relações de trabalho na Klabin e com

Leia mais

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 GESTÃO PÚBLICA Garantir ampla participação popular na formulação e acompanhamento das políticas públicas; Criação do SOS Oprimidos, onde atenda desde pessoas carentes

Leia mais

Declaração de apoio continuado pelo diretor executivo (CEO)

Declaração de apoio continuado pelo diretor executivo (CEO) Declaração de apoio continuado pelo diretor executivo (CEO) Brasil, São Paulo, maio de 2016. Tenho o prazer de confirmar que a Italit Indústria e Comércio Ltda. reafirma o seu apoio aos Dez Princípios

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental 1.0 PROPÓSITO A Política de Responsabilidade Socioambiental ( PRSA ) do Banco CNH Industrial Capital S.A. tem, como finalidade, estabelecer princípios e diretrizes que norteiem as ações da Instituição

Leia mais

VALID / Relatório de Sustentabilidade / 2011. Gestão

VALID / Relatório de Sustentabilidade / 2011. Gestão 54 VALID / Relatório de Sustentabilidade / 2011 8. Gestão VALID / Relatório de Sustentabilidade / 2011 55 8. Gestão PÚBLICOS DE RELACIONAMENTO A Valid desenvolve seus relacionamentos com os públicos de

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável

Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Implementação e avaliação 4 4 Planos de ação 5 5 Cronogramas 28 6 Inventário de materiais 46 7 Referências

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À FRAUDE E CORRUPÇÃO

POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À FRAUDE E CORRUPÇÃO POLÍTICA CORPORATIVA DE PREVENÇÃO À FRAUDE E CORRUPÇÃO 1. OBJETIVO A Política Corporativa de Prevenção à Corrupção ( Política ) tem o objetivo de reforçar o compromisso da empresa Via Boleto de cooperar

Leia mais

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1

Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial e aos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial - 1 Carta de Adesão à Iniciativa Empresarial pela Igualdade Racial e à sua agenda de trabalho expressa nos 10 Compromissos da Empresa com a Promoção da Igualdade Racial 1. Considerando que a promoção da igualdade

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Versão 2015.2 Editada em julho de 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo da Política...3 2. Abrangência...3 3. Princípios...3 4. Das Diretrizes Estratégicas...4 5. Da Estrutura

Leia mais

Mensagem do Presidente

Mensagem do Presidente Mensagem do Presidente A PISOAG DO BRASIL está no mercado desde 1980, atuando com empresas nacionais e internacionais dos mais diversos segmentos, com qualidade, tecnologia e o elevado padrão de responsabilidade

Leia mais

Porque devemos combater a corrupção?

Porque devemos combater a corrupção? Porque devemos combater a corrupção? Para garantir que os recursos públicos cheguem ao cidadãos? Para criar um ambiente organizacional e negocial favorável? Para deixarmos de ser bobós? Esforços anticorrupção

Leia mais

PRÊMIO DE INOVAÇÃO ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA BRAGA

PRÊMIO DE INOVAÇÃO ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA BRAGA 2012 PRÊMIO DE INOVAÇÃO ANTONIO CARLOS DE ALMEIDA BRAGA CASE: Programa de Educação para a Sustentabilidade SulAmérica CATEGORIA: Comunicação FUNCIONÁRIO: Adriana Boscov Sumário INTRODUÇÃO... 3 ORIGEM DO

Leia mais

Comunicação de Progresso 2011. Empresa Júnior de Gestão de Negócios da UFRJ

Comunicação de Progresso 2011. Empresa Júnior de Gestão de Negócios da UFRJ Comunicação de Progresso 2011 1 Mensagem do Gestor Sr. Secretário-Geral, Gostaria de confirmar que a Ayra Consultoria apóia os Dez Princípios do Pacto Global, relacionados a Direitos Humanos, Direitos

Leia mais

COP Comunicação de Progresso 9 de abril de 2012. Pisoag do Brasil Ltda Diretor

COP Comunicação de Progresso 9 de abril de 2012. Pisoag do Brasil Ltda Diretor Ban Ki-Moon Secretario Geral Nações Unidas New York NY 10017 USA Guarulhos, 09 de Abril de 2012 Sr. Secretario Geral, Gostaria de comunicar que a Pisoag do Brasil Ltda, apoia os Dez Principios do Pacto

Leia mais

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02

DELOITE TOUCHE TOHMATSU Código PO-SIGA POLITICA CORPORATIVA Revisão 02 Pagina 1/6 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA / APLICAÇÃO...3 3. REFERÊNCIAS...3 4. DEFINIÇÕES...3 5. DIRETRIZES E RESPONSABILIDADES...4 5.1 POLITICAS...4 5.2 COMPROMISSOS...4 5.3 RESPONSABILIDADES...5

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental PRSA

Política de Responsabilidade Socioambiental PRSA 1. OBJETIVO Em atendimento à Resolução do Banco Central do Brasil nº 4.327 de 25 de abril de 2014, que dispõe sobre as diretrizes que devem ser observadas no estabelecimento e na implementação da Política

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

Eixo Temático ET-13-011 - Educação Ambiental

Eixo Temático ET-13-011 - Educação Ambiental Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 1: Congestas 2013 491 Eixo Temático ET-13-011 - Educação Ambiental DIALOGANDO NA INDÚSTRIA: UMA FERRAMENTA PARA DISCUTIR A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Dimensão Ambiental GRUPO IF

Dimensão Ambiental GRUPO IF Dimensão Ambiental GRUPO IF Serviços Financeiros Instituições Financeiras, Seguradoras Dimensão Ambiental 119 GRUPO IF... 118 CRITÉRIO I - POLÍTICA... 120 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO

Leia mais

GUIA ANTICORRUPÇÃO WILSON SONS

GUIA ANTICORRUPÇÃO WILSON SONS GUIA ANTICORRUPÇÃO WILSON SONS A Wilson Sons, por meio deste Guia Anticorrupção, pretende disseminar os valores morais e éticos que norteiam seus diversos negócios, reiterando seu princípio de combate

Leia mais

Arauco do Brasil S.A. Pacto Global. Comunicação de Progresso Relatório Executivo COP 2013

Arauco do Brasil S.A. Pacto Global. Comunicação de Progresso Relatório Executivo COP 2013 Arauco do Brasil S.A. Pacto Global Comunicação de Progresso Relatório Executivo COP 2013 Curitiba, 19 de maio de 2014 1 Introdução ao COP 2013 Para uma maior objetividade e eficiência, o COP 2013 da Arauco

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

SUMÁRIO 4. COMPETÊNCIA FUNCIONAL 03 5. FORMA DE ATUAÇÃO 03 6. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS 04 7. ESTATÍSTICA DAS MANIFESTAÇÕES 08

SUMÁRIO 4. COMPETÊNCIA FUNCIONAL 03 5. FORMA DE ATUAÇÃO 03 6. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS 04 7. ESTATÍSTICA DAS MANIFESTAÇÕES 08 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 02 2. HISTÓRICO 02 3. A OUVIDORIA 02 4. COMPETÊNCIA FUNCIONAL 03 5. FORMA DE ATUAÇÃO 03 6. ATIVIDADES DESENVOLVIDAS 04 7. ESTATÍSTICA DAS MANIFESTAÇÕES 08 8. PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS

Leia mais

POLÍTICA A. OBJETIVO... 2 B. ABRANGÊNCIA... 2 C. VIGÊNCIA... 2 D. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 1. DEFINIÇÕES... 2 2. INTRODUÇÃO... 3 3. GOVERNANÇA...

POLÍTICA A. OBJETIVO... 2 B. ABRANGÊNCIA... 2 C. VIGÊNCIA... 2 D. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 1. DEFINIÇÕES... 2 2. INTRODUÇÃO... 3 3. GOVERNANÇA... A. OBJETIVO... 2 B. ABRANGÊNCIA... 2 C. VIGÊNCIA... 2 D. DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 1. DEFINIÇÕES... 2 2. INTRODUÇÃO... 3 3. GOVERNANÇA... 4 4. RELACIONAMENTO E ENGAJAMENTO COM PARTES INTERESSADAS... 4 5.

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO

DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO DIRETRIZES GERAIS PARA UM PLANO DE GOVERNO Ações de Inclusão Social e de Combate à Pobreza Modelo Próprio de Desenvolvimento Infra-estrutura para o Desenvolvimento Descentralizado Transparência na Gestão

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

Integração do Sistema de Gestão da Segurança, Qualidade e Meio Ambiente o caso - das Indústrias Nucleares do Brasil

Integração do Sistema de Gestão da Segurança, Qualidade e Meio Ambiente o caso - das Indústrias Nucleares do Brasil 1 Integração do Sistema de Gestão da Segurança, Qualidade e Meio Ambiente o caso - das Indústrias Nucleares do Brasil Alexandre Dias P. Cassiano 1 Dario da Costa Santos 2 Jorge José de Barros 3 1- Pós-graduando

Leia mais

Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. Política de Responsabilidade Social

Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. Política de Responsabilidade Social Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. Política de Responsabilidade Social A EMPRESA A Centrais Elétricas de Santa Catarina S. A. Celesc, sociedade de economia mista, foi transformada em holding em

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

VALEC POLÍTICA AMBIENTAL. Título: POLÍTICA AMBIENTAL Identificador: POL 5.03.01.16-001. Proponente: DIPLAN. Folha: 1 / 12.

VALEC POLÍTICA AMBIENTAL. Título: POLÍTICA AMBIENTAL Identificador: POL 5.03.01.16-001. Proponente: DIPLAN. Folha: 1 / 12. POL 5.3.1.16-1 1 / 12 POL 5.3.1.16-1 2 / 12 POL 5.3.1.16-1 3 / 12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 4 2. DA VALEC S.A.... 6 3. OBJETIVOS PROPOSTOS E METAS PARA O PRIMEIRO ANO... 7 4. NORMAS AMBIENTAIS PROPOSTAS...

Leia mais

MT/002-14 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA ARGUS 12/2014 - VINHEDO, SP

MT/002-14 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA ARGUS 12/2014 - VINHEDO, SP MT/002-14 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA ARGUS 12/2014 - VINHEDO, SP 1 Código de Ética e Conduta da Argus MENSAGEM DO PRESIDENTE Este Código de Ética e Conduta foi elaborado com a finalidade de explicitar

Leia mais

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade Versão para público externo Mensagem da alta administração Em 93 anos de história da Votorantim, temos mantido a consistência na geração de valor, pautando

Leia mais

IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA

IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA EMPRESA SALVADOR, BAHIA - BRASIL FERNANDO V. PIMENTEL SUPERINTENDENTE DA ABIT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA TÊXTIL E DE CONFECÇÃO Problemas

Leia mais

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica

Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos - Turma nº 151 30 de novembro 2015 Garantia da qualidade em projeto de construção e montagem eletromecânica Renata Maciel da Silva renata.maciel55@gmail.com

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

INDICADORES DE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL GTPS

INDICADORES DE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL GTPS INDICADORES DE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL GTPS CRITÉRIOS OBRIGATÓRIOS I. Da obrigatoriedade do registro de todos os trabalhadores conforme CLT b. Há uma declaração assinada sobre o tema (modelo GTPS)? II. Das

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EMPRESA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EMPRESA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA EMPRESA 1 MÁRIO GOMES FILHO Graduação: Engenharia Civil - 1983 Pós : Educação Ambiental 1999 Pós : Gestão Ambiental 2002 2 A empresa Sabesp - Companhia de Saneamento Básico do Estado

Leia mais

Royal Business & Associados. Annual Report

Royal Business & Associados. Annual Report Royal Business & Associados Annual Report Comunicação de Progresso COP 2012 Communication on Progress COP 2012 Pacto Global / COP - Comunicação de Progresso (Communication on Progress) Detalhes da Comunicação

Leia mais

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

MANUAL DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1 - INTRODUÇÃO O objetivo deste manual é orientar a Administração da Cooperativa nos procedimentos internos destinados a minimizar a ocorrência de riscos operacionais, estabelecendo, didaticamente, conceitos

Leia mais

Política de Sustentabilidade Link Server.

Política de Sustentabilidade Link Server. Página 1 de 15 Hortolândia, 24 de Janeiro de 2014. Política de Sustentabilidade Link Server. Resumo Conceitua os objetivos da Política de Sustentabilidade da Link Server. Estabelece as premissas, a governança

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA ISA CAPITAL DO BRASIL S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA ISA CAPITAL DO BRASIL S.A. CÓDIGO DE ÉTICA ISA CAPITAL DO BRASIL S.A. 1 INTRODUÇÃO O Grupo ISA e suas empresas avançam para metas a cada vez mais exigentes e ambiciosas, desenvolvendo suas práticas em contextos diversos e inovadores

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Atuação da Organização 1. Qual(is) o(s) setor(es) de atuação da empresa? (Múltipla

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS 1. INTRODUÇÃO Entende-se como responsabilidade socioambiental, no âmbito da Magliano SA CCVM, o processo contínuo de: Respeito e proteção aos direitos humanos por meio da promoção de diversidade, inclusão

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA SBS ENGENHARIA

CÓDIGO DE CONDUTA SBS ENGENHARIA CÓDIGO DE CONDUTA SBS ENGENHARIA Mensagem do Presidente A nossa credibilidade é o ativo mais importante de que dispomos. Nosso trabalho, o modo pelo qual atuamos, nos portamos e a qualidade dos nossos

Leia mais

1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade

1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade 1º Congresso Alianças Sociais Responsabilidade Social Corporativa em prol da Sustentabilidade Curitiba 30 de outubro de 2012 Agenda Sustentabilidade: Várias Visões do Empresariado Desenvolvimento sustentável;

Leia mais

c) Ênfase na importância e necessidade de contínuo aprimoramento cultural e profissional de todos os envolvidos.

c) Ênfase na importância e necessidade de contínuo aprimoramento cultural e profissional de todos os envolvidos. TÍTULO Código de Conduta Ética da Organização Bradesco GESTOR Banco Bradesco S.A. ABRANGÊNCIA Unidades no Exterior, Agências, Departamentos, Empresas Ligadas DATA DE PUBLICAÇÃO 07/08/2015 Descrição: 1.

Leia mais

Certificação ANBT NBR 16001:2004. Sistema de Gestão da Responsabilidade Social

Certificação ANBT NBR 16001:2004. Sistema de Gestão da Responsabilidade Social Certificação ANBT NBR 16001:2004 Sistema de Gestão da Responsabilidade Social O que é? É uma norma brasileira de responsabilidade social que tem caráter de sistema de gestão e propósito de certificação.

Leia mais

TECNOLOGIA MEIO AMBIENTE

TECNOLOGIA MEIO AMBIENTE PESSOAS TECNOLOGIA MEIO AMBIENTE BREVE HITÓRICO Empresa de construção pesada fundada em 1977; 2003: Início do programa de qualidade: SEG Sistema de Excelência em Gestão; 2004: ISO 9001; 2006: Certificações

Leia mais

hemorrede nacional hemoglobinopatias

hemorrede nacional hemoglobinopatias Perspectiva Foco Estratégico Estratégia Projetos Descrição do Projeto Resultado Esperado Gestor Prazo SOCIEDADE Credibilidade do serviço Satisfação dos doadores e usuários da Atendimento integral aos portadores

Leia mais

Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental - PCSEA

Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental - PCSEA Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental - PCSEA LICENÇA AMBIENTAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LAI E LAO 71.80.00 - Recuperação de Áreas Degradadas Empreendimento: Rua Bertolina May Kechelle, s/n

Leia mais

Código de Ética e Conduta em Relações Comerciais Bridge Research

Código de Ética e Conduta em Relações Comerciais Bridge Research Código de Ética e Conduta em Relações Comerciais Bridge Research Missão Ser a referência no Brasil em soluções de pesquisa de mercado que utilizem tecnologia como uma plataforma para melhorar a decisão

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS MCI

MANUAL DO SISTEMA DE CONTROLES INTERNOS MCI ESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1/5 I. OBJETIVO Definir os princípios de atuação da Instituição, perante a sociedade e o visando a preservação do meio ambiente, em atendimento a esolução do Conselho Monetário

Leia mais

Política de Recursos Humanos e Prevenção de Riscos Laborais

Política de Recursos Humanos e Prevenção de Riscos Laborais LIVRO DE POLÍTICAS ÍNDICE Lista de políticas: SUSTENTABILIDADE E INOVAÇÃO Política de Sustentabilidade Política de Inovação ÂMBITO ECONÔMICO E DE BOA GOVERNANÇA Política de Anticorrupção Política de Antitruste

Leia mais

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS FINALIDADES

Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS FINALIDADES Regimento Interno CAPÍTULO PRIMEIRO DAS FINALIDADES ARTIGO 1º As atividades socioeducativas desenvolvidas pela Associação Projeto Cuidado- APJ,reger-se-ão pelas normas baixadas nesse Regimento e pelas

Leia mais

Política de Responsabilidade So cio Ambiental

Política de Responsabilidade So cio Ambiental Política de Responsabilidade So cio Ambiental Sumário 1. FINALIDADE:... 4 2. ABRANGÊNCIA:... 4 3. DIVULAGAÇÃO... 4 4. IMPLEMENTAÇÃO... 4 5. SUSTENTABILIDADE EM NOSSAS ATIVIDADES... 4 6. REVISÃO DA POLÍTICA...

Leia mais

Dimensão Ambiental GRUPO E. GRUPO E: Serviços

Dimensão Ambiental GRUPO E. GRUPO E: Serviços Dimensão Ambiental GRUPO E GRUPO E: Serviços Comércio de Máquinas e Equipamentos, Comércio de Material de Transporte; Engenharia Consultiva; Exploração de Imóveis; Serviços Diversos; Intermediação Imobiliária;

Leia mais

Nº DESCRIÇÃO EIXO SC PP CPP QTD ORDEM

Nº DESCRIÇÃO EIXO SC PP CPP QTD ORDEM Nº DESCRIÇÃO EIXO SC PP CPP QTD ORDEM Criar rádios e TV's comunitárias voltadas à prestação de contas das ações, programas e 1 projetos existentes nos municípios e divulgação dos serviços públicos locais,

Leia mais

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão

Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Questionário de desempenho ambiental, social e de governança para as empresas participadas e investidas pelos Fundos de Pensão Introdução A consulta a seguir é um novo passo em direção às melhores práticas

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

Pacto Global da Nações Unidas (UN Global Compact) Relatório 2010. Comunicação sobre Progresso (Communication on Progress COP) www.acovisa.com.

Pacto Global da Nações Unidas (UN Global Compact) Relatório 2010. Comunicação sobre Progresso (Communication on Progress COP) www.acovisa.com. Pacto Global da Nações Unidas (UN Global Compact) Relatório 2010 Comunicação sobre Progresso (Communication on Progress COP) www.acovisa.com.br Boas-vindas Mensagem da Diretoria O compromisso com os princípios

Leia mais

ORGÃO RESPONSAVEL: SECRETARIA DO TRABALHO E DA ASSISTENCIA SOCIAL PROGRAMA TEMATICO: 1023- ASSISTENCIA SOCIAL

ORGÃO RESPONSAVEL: SECRETARIA DO TRABALHO E DA ASSISTENCIA SOCIAL PROGRAMA TEMATICO: 1023- ASSISTENCIA SOCIAL PROGRAMA TEMATICO: 1023- ASSISTENCIA SOCIAL OBJETIVO: 0108- Promover os serviços, programas e benefícios de proteção social, por meio de capacitação, monitoramento, co-financiamento, implantação e orientação,

Leia mais

COMPROMISSO NACIONAL PARA APERFEIÇOAR AS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA COPA DO MUNDO DA FIFA BRASIL 2014

COMPROMISSO NACIONAL PARA APERFEIÇOAR AS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA COPA DO MUNDO DA FIFA BRASIL 2014 2 APRESENTAÇÃO COMPROMISSO NACIONAL PARA APERFEIÇOAR AS CONDIÇÕES DE TRABALHO NA COPA DO MUNDO DA FIFA BRASIL 2014 TM A realização da Copa do Mundo da FIFA 2014 TM no Brasil, muito mais do que uma oportunidade

Leia mais

Propostas da Administração Superior para atualização de Plano de Prevenção e Proteção de Pessoas e do Patrimônio Público

Propostas da Administração Superior para atualização de Plano de Prevenção e Proteção de Pessoas e do Patrimônio Público 1 Propostas da Administração Superior para atualização de Plano de Prevenção e Proteção de Pessoas e do Patrimônio Público São Carlos Dezembro, 2014 1 Contexto O tema da segurança das pessoas e do patrimônio

Leia mais

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE O foco da Cartilha Função de Compliance é integrar as atividades de compliance com as boas práticas de governança corporativa e de Gestão de Riscos, os quais os bancos têm buscado

Leia mais

INSTRUÇÃO. 3. DIRETRIZES DE SUSTENTABILIDADE São apresentadas no Anexo Único dessa Instrução.

INSTRUÇÃO. 3. DIRETRIZES DE SUSTENTABILIDADE São apresentadas no Anexo Único dessa Instrução. 1. CONSIDERAÇÕES E OBJETIVOS: 1.1. Considerando: A necessidade de garantir o pleno alinhamento com a missão e com os valores do Grupo EcoRodovias no âmbito da subholding EcoRodovias Concessões e Serviços

Leia mais

PACTO GLOBAL RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

PACTO GLOBAL RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE PACTO GLOBAL RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE PACTO GLOBAL Lançado em 2000, o Pacto Global das Nações Unidas constitui uma convocação às empresas de todo o mundo para que alinhem suas estratégicas e operações

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Versão de 04/05/2016 Este documento foi construído com a compilação dos principais e mais recorrentes questionamentos das Unimeds referente ao Selo Unimed de Governança e Sustentabilidade

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1 ANEXO DA RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277 Página 1 ANEXO I Dimensão Nome da Quantitativo Dimensão de Itens Peso Nota Mínima Programa de Dimensão 1 Melhoria da Qualidade 11 1 70 PMQ Dimensão 2 Dinâmica da

Leia mais

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 3.477 DATA: 14 de agosto de 2008. SÚMULA: Altera e acresce dispositivos da Lei nº 3.025, de 18 de janeiro de 2005, alterada pela Lei nº 3.264, de 19 de setembro de 2006, que Dispõe sobre a reestruturação

Leia mais

Código de Conduta para Fornecedores da Apple

Código de Conduta para Fornecedores da Apple Código de Conduta para Fornecedores da Apple A Apple está comprometida com os mais altos padrões de responsabilidade social e ambiental e com a conduta ética. Os fornecedores da Apple devem fornecer condições

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais