Evanirso da Silva Aquino

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Evanirso da Silva Aquino"

Transcrição

1 Evanirso da Silva Aquino EFEITOS DA SOLUÇÃO SALINA HIPERTÔNICA (7%) ASSOCIADA À PRESSÃO POSITIVA (CPAP) SOBRE O TRANSPORTE MUCOCILIAR NASAL E MUCO RESPIRATÓRIO EM INDIVÍDUOS PORTADORES DE FIBROSE CÍSTICA Universidade Cidade de São Paulo São Paulo 2008 Evanirso da Silva Aquino

2 1 EFEITOS DA SOLUÇÃO SALINA HIPERTÔNICA (7%) ASSOCIADA À PRESSÃO POSITIVA (CPAP) SOBRE O TRANSPORTE MUCOCILIAR NASAL E MUCO RESPIRATÓRIO EM INDIVÍDUOS PORTADORES DE FIBROSE CÍSTICA Projeto de Dissertação apresentado Para Obtenção do Título de Mestre em Fisioterapia, pela na Universidade Cidade de São Paulo, sob a orientação da Prof. Dra. Naomi Kondo Nakagawa. Universidade Cidade de São Paulo São Paulo 2008

3 2 Dados Internacionais de catalogação da Publicação (CIP) Reprodução autorizada pelo autor Aquino Evanirso Silva Efeitos da solução salina hipertônica (7%) associada à pressão positiva (cpap) sobre o transporte mucociliar nasal e muco respiratório em indivíduos portadores de fibrose cística, Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia pela Universidade Cidade de São Paulo UNICID 2008 Orientador. Profa. Dra. Naomi Kondo Nakagawa Descritores: 1. Fibrose cística, 2. Fisioterapia Respiratória, 3. Solução Salina Hipertônica, 4. Pressão Positiva Contínua de Vias Aéreas, 5. Tosse, 6. Muco respiratório

4 3 AGRADECIMENTOS: Agradeço primeiramente a minha orientadora Professora Dra. Naomi Kondo Nakagawa, pelo empenho e animação em ter compartilhado o seu saber, sua experiência e seus ensinamentos por mais de dois anos e o mais importante pela amizade e sinceridade até nos momentos de bronca. Agradeço minha esposa Cristiane Cenachi Coelho, companheira na pesquisa e na vida, apoio incondicional nas minhas escolhas, sábia em me acalmar nos momentos de frustração e expert em estimular nos momentos de decisão. Agradeço a Colega e amiga Danielle Goto, pela preciosa ajuda no entendimento do estudo do muco, e pela grande ajuda durante toda a realização da pesquisa. Agradeço a AMAM e aos meus grandes amigos que lá trabalham que me ajudaram a recrutar os pacientes que acompanharam todas as fases de realização e que, felizes, tão quanto eu ficaram após mais uma etapa cumprida. Agradeço a todos os pacientes portadores de Fibrose Cística, aqueles que participaram em especial, pois comovido com sua doença, fui estimulado a fazer algo que possa contribuir para uma melhor qualidade de vida para todos. Agradeço ao Dr Marcelo Bicalho De Fucio por encaminhar e discutir os pacientes da pesquisa Agradeço as alunas, Giuliana, Luciana e Tatiana e principalmente a Adriana e Camila pela ajuda na fase de avaliação dos dados. Agradeço a Resmed Ltda, em especial a Dra. Luciana Rabelo de Oliveira em ter emprestado o aparelho de CPAP para realização desta pesquisa Agradeço aos Membros do Grupo Defesa pulmonar em especial a Dra. Mariângela Macchione pelas tão gentis ajudas quando problemas operacionais surgiam na avaliação do muco; agradeço também Dra. Regiane Carvalho de Oliveira pela preocupação em saber

5 4 se estava tudo bem quando cedo chegava ao laboratório e quando avaliando as amostras se a minha segurança estava preservada. Agradeço aos professores Doutores Geraldo Lorenzzi e Filho e ao Paulo Saldiva pelas possibilidades ofertadas. Agradeço as Instituições nas quais trabalho pela liberação, incentivo profissional nesta etapa de crescimento. e valorização Agradeço a todos os professores do programa de Mestrado em Fisioterapia, pelos ensinamentos, e pelo crescimento científico a nós proporcionado, em especial a Professora Raquel que quando fui na Universidade pela primeira vez, saber informações sobre o programa, tão solícita, me recebeu e me encaminhou para a Professora Naomi, confesso que indicação melhor não teria. Agradeço aos meus colegas e amigos de mestrado, que tornaram as sextas feira e sábados, desgastados de uma viagem de 8:30 minutos de duração, em um grande prazer em dividir a mesma sala de aula. E finalmente agradeço aos meus pais pela felicidade de ver mais um sonho realizado, a minha sogra pela valorização e ajuda, e a Maria Eduarda e Zeca, por terem acrescentado mais alegria e realização em minha vida.

6 5 LISTAS DE ABREVIATURAS FC Fibrose cística CFTR Cystic Fibrosis Transmembrane Conductance Regulator meq/l Miliequivalente por litro TMC Transporte mucociliar STT Teste de tempo de trânsito da sacarina DNA Ácido dexoribonucleico HSS Solução salina hipertônica Cl - Íons cloreto Na + Íons Sódio H 2 O Água EPAP Pressão positiva final nas vias aéreas PEEP Pressão positiva no final da expiração CPAP Pressão positiva contínua nas vias aéreas AMAM Associação Mineira de Assistência a Mucoviscidose, FC cmh 2 O Centímetros de água [S1] Concentração da solução 1 VS1 Volume da solução 1 [S2] Concentração da solução 2 VS2 Volume da solução 2 VEF 1 Volume expirado forçado no primeiro segundo CVF Capacidade vital forçada VEF 1 /CVF Índice de Tiffeneau DP Desvio padrão mmhg Milímetros de mercúrio f freqüência respiratória rpm Respirações por minuto FC Freqüência cardíaca Bpm Batimentos por minuto PAS Pressão arterial sistólica PAD Pressão arterial diastólica SATO 2 Saturação de oxigênio T Temperatura corporal C Graus Celsius

7 6 RESUMO EFEITOS DA SOLUÇÃO SALINA HIPERTONICA (7%) ASSOCIADA À PRESSÃO POSITIVA (CPAP) SOBRE O TRANSPORTE MUCOCILIAR NASAL E MUCO RESPIRATÓRIO EM INDIVÍDUOS PORTADORES DE FIBROSE CÍSTICA E.S. Aquino, BSc 1,2,3 ; D.M. Goto, BSc 1 ; A.S. Santos, BSc 1, C.C. Coelho, BSc 2,3, M.B. Fuccio, MD 3, P.H.N. Saldiva, MD, PhD 4, G. Lorenzi-Filho, MD, PhD 5 ; N.K. Nakagawa, PhD 1,4. 1 UNICID-São Paulo; 2 PUC Minas-Betim; 3 UNI-BH; 4 Departmento de Patologia (LIM 5), Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; 5 Divisão de Pneumologia, Instituto do Coração (InCor-HCFMUSP), Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Brasil Introdução: A higiene do muco respiratório é alterada em indivíduos portadores de fibrose cística (FC), o que pode induzir acúmulo de muco, colonização bateriana e infecção do trato respiratório. Entre as intervenções terapêuticas, a solução salina hipertônica (HSS) e a pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP) têm sido utilizadas para melhorar a higiene do muco. O objetivo desse estudo foi avaliar agudamente os efeitos da HSS (7%) e CPAP (10cmH 2 O) sobre as propriedades do muco, através do ângulo de contato (CA), e transportabilidade do muco através da tosse (CC), e transporte mucociliar nasal (NMCT) através do teste da sacarina em pacientes com FC. Casuística e Métodos: Quinze pacientes (~18±7 anos) entraram no estudo. No primeiro dia, os pacientes foram submetidos a: (1) Controle: sem tratamento. Nos dias consecutivos, os pacientes foram aleatoriamente designados para (2) HSS: inalação de HSS (7%) durante 15 minutos, (3) CPAP: CPAP com máscara facial durante 30 minutos, e (4) CPAP+HSS: CPAP seguido de HSS. O NMCT, propriedades do muco respiratório, pressão sanguínea arterial (PA), freqüência respiratória (f), freqüência cardíaca (FC), e oximetria de pulso (SATO 2 ) foram analisados pré e pós-intervenções. Resultados: No período pré-intervenção, não houve diferenças significativas na PA ( 108/74mmHg), f ( 19bpm), FC ( 94bpm), SATO 2 ( 94%), CA ( 39 o ), CC ( 72mm) e NMCT (~9min). Após e entre intervenções, não houve diferenças em CA e NMCT. Porém, pós-hss e CPAP+HSS, os pacientes aumentaram a CC ( 98 mm para ambos) comparados com o Controle e CPAP (p=0.0001). Conclusão: A inalação da HSS (7%) tem um papel importante na melhora da transportabilidade do muco respiratório através da tosse em pacientes com FC.

8 7 ABSTRACT EFFECTS OF HYPERONIC SALINE SOLUTION AND CONTINUOUS POSITIVE AIRWAY PRESSURE ON RESPIRATORY MUCUS AND NASAL MUCOCILIARY TRANSPORT IN CYSTIC FIBROSIS PATIENTS E.S. Aquino, BSc 1,2,3 ; D.M. Goto, BSc 1 ; A.S. Santos, BSc 1, C.C. Coelho, BSc 2,3, M.B. Fuccio, MD 3, P.H.N. Saldiva, MD, PhD 4, G. Lorenzi-Filho, MD, PhD 5 ; N.K. Nakagawa, PhD 1,4. 1 UNICID-São Paulo; 2 PUC Minas-Betim; 3 UNI-BH; 4 Department of Pathology (LIM 5), School of Medicine University of Sao Paulo; 5 Pneumology Division, Heart Institute (InCor-HCFMUSP), School of Medicine, University of Sao Paulo, Brazil. Introduction: Respiratory mucus clearance is altered in cystic fibrosis (CF), which may induce to mucus accumulation, bacterial colonization and infection in the respiratory tract. Among therapeutic interventions, hypertonic saline solution (HSS) and continuous positive airways pressure (CPAP) have been used to improve mucus clearance. The aim of this study was to acutely evaluate the effects of HSS (7%) and CPAP (10 cmh 2 O) on mucus properties by means of mucus contact angle (CA) and mucus transportability by cough (CC), and nasal mucociliary clearance (NMCT) by saccharin transit time in CF patients. Material and Methods: Fifteen patients ( 18 7 y.o.) entered into the study. In the first day, they were submitted to (1) Control: no treatment. In the consecutive following days, patients were randomly assigned to (2) HSS: inhalation of HSS (7%) during 15 minutes, (3) CPAP: CPAP with facial mask during 30 minutes and (4) CPAP+HSS: CPAP followed by HSS. NMCT, respiratory mucus properties, arterial blood pressure (ABP), respiratory rate (RR), heart rate (HR), and pulse oximetry (SATO 2 ) were analysed before and after interventions. Results: Before interventions, there were no differences in ABP ( 108/74mmHg), RR ( 19bpm), HR ( 94bpm), SATO 2 ( 94%), CA ( 39 o ), CC ( 72mm) and NMCT (~9min). After and among interventions, there were no differences in CA ad NMCT. However, after HSS and CPAP+HSS, patients increased CC ( 98 mm for both) compared with Control and CPAP (p=0.0001). Conclusion: Inhalation of HSS (7%) has an important role in improving respiratory mucus transportability by cough in CF patients.

9 8 SUMÁRIO RESUMO ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO CASUÍSTICA E MÉTODOS POPULAÇÃO PROTOCOLO DE TRATAMENTO PROVAS DE FUNÇÃO PULMONAR (ESPIROMETRIA SIMPLES) TRANSPORTE MUCOCILIAR NASAL MUCO RESPIRATÓRIO COLETA DO MUCO RESPIRATÓRIO TRANSPORTABILIDADE DO MUCO ATRAVÉS DA TOSSE (TT) ÂNGULO DE CONTATO (AC) ANÁLISE ESTATÍSTICA RESULTADOS DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS...43

10 9 1. INTRODUÇÃO A fibrose cística do pâncreas (FC), também conhecida como mucoviscidose é uma doença autossômica recessiva, de caráter evolutivo e letal caracterizada por anormalidades no transporte iônico epitelial causadas por mutações do gene regulador de condutância transmembrana na fibrose cística (WELSH, 1990) que compromete praticamente todos os órgãos e sistemas do organismo (REIS & DAMACENO, 1998; ANDRADE et al., 2001). Essa desordem genética é comum na população caucasiana, com incidência de um para e nascimentos em diferentes paises, e é pouco freqüente nas populações negra e asiática. Em 1989, o gene responsável pela doença foi identificado no braço longo do cromossoma sete, lócus 7q32. Esse gene codifica uma proteína, denominada cystic fibrosis transmenbrane conductance regulator (CFTR), parte do canal de cloro presente na superfície das células epiteliais (WELSH, 1990). No sistema tegumentar, os indivíduos portadores de FC apresentam um aumento de íons cloreto (> 60 meq/l) no suor, sendo essa análise parte determinante do diagnóstico diferencial da FC com outras doenças como, por exemplo, síndrome dos cílios imóveis. (TARANTINO, 2002). Figura 1. Desenho esquemático de de íons cloreto (Cl - ), íons sódio (N + ) e água (H 2 O) no epitélio da pele (sistema tegumentar) do indivíduo normal e do indivíduo portador de fibrose cística (Modificado de Shcofield & Cotran, 2000). Abreviaturas: CFTR, cystic fibrosis transmenbrane conductance regulator; Cl -, íons cloreto; Na +, íons sódio

11 10 No epitélio respiratório do indivíduo portador de FC, a alteração da CFTR resulta em diminuição da secreção de cloro e aumento na absorção de sódio e água através da membrana apical para a membrana basolateral (ROSENSTEIN & CUTTING, 1998; BOUCHER, 2004). Essa alteração do transporte de íons e água que ocorre na FC afeta diretamente o transporte mucociliar (TMC). Figura 2. Desenho esquemático de transporte de íons cloreto (Cl - ), íons sódio (Na + ) e água (H 2 O) no epitélio respiratório no indivíduo normal e no indivíduo portador de fibrose cística (Modificado de Shcofield & Cotran, 2000). Abreviaturas: CFTR, cystic fibrosis transmenbrane conductance regulator; Cl -, íons cloreto; Na +, íons sódio; H 2 O, água; M., membrana O TMC é um importante mecanismo de defesa pulmonar, do nariz às vias aéreas inferiores. O TMC remove das vias aéreas microorganismos e material particulado inalados durante a respiração e os transporta aderidos ao muco para a orofaringe (SLEIGH et al., 1988). O nariz é a primeira barreira desse sistema. A eficiência do TMC depende de 3 fatores: muco, cílio e interação muco-cílio (PUCHELLE, 1981). O epitélio das vias aéreas é pseudoestratificado e ciliado que recobre as vias aéreas superiores até bronquíolos (LORENZI-FILHO & SALDIVA 1991). A fisiopatologia da doença pulmonar na FC ainda não está totalmente esclarecida, mas uma piora no TMC tem sido associada à doença e complicações

12 11 pulmonares (MATSUI et al., 1998). Várias formas de avaliação do TMC têm sido propostas em diferentes condições clínicas. O TMC in vivo através do teste da sacarina (STT) tem sido proposto por ser um teste de fácil realização, baixo custo e pouco invasivo. Alguns estudos mostram resultados similares do STT e de inalação de partículas marcadas com radioisótopos para avaliar o TMC (CORBO et al., 1989). Figura 3. Desenho esquemático do transporte mucociliar com apresentação das camadas de muco (gel e sol), cílios, zona de penetração dos cílios na camada gel do muco, e direção do movimento ciliar para região de orofaringe (Com permissão de Dra. Naomi Kondo Nakagawa, Nakagawa et al.,1997) Na fibrose cística, o muco respiratório apresenta alterações da sua composição. Há presença de polímeros de DNA, polímeros de actina, bactérias, produtos bacterianos e poucas mucinas (HENKE et al., 2004), o que não é observado em indivíduos portadores de bronquite crônica ou indivíduos normais sem doença pulmonar. As mucinas são proteínas, principal polímero componente do muco, responsável pelo comportamento visco-elástico. A ausência ou redução das mucinas aumenta a vulnerabilidade das vias aéreas à colonização de

13 12 bactérias gram negativas, como por exemplo, Pseudomonas aeruginosa (cepa mucóide) (TOMKIEWICZ et al., 1998). Essas bactérias formam um biofilme que recobre as vias aéreas cronicamente (GOVAN & DERETIC, 1996). Henke et al. (2004) sugerem que não há alteração da produção de mucinas na FC, mas sim, dificuldade na sua exocitose. Os autores também relatam a despolimerização das mucinas que são eliminadas na luz das vias aéreas, processo desencadeado pela alta concentração de proteases, substâncias advindas de processos inflamatórios e infecciosos. O muco do indivíduo portador de fibrose cística é de difícil eliminação das vias aéreas através do TMC, o que faz com que se acumule no trato respiratório e facilite a colonização por bactérias com aumento da ocorrência de infecções. Esses eventos nas vias aéreas são responsáveis pelas complicações pulmonares como inflamação crônica, bronquiectasias, infecções respiratórias, resultando em diminuição gradativa da função pulmonar e morte prematura desses pacientes (DAVIS et al., 1996; RUBIN, 2002; WAGNER & HEADLEY, 2003; WARK et al., 2006; RUBIN, 2007). A fisioterapia respiratória é considerada terapêutica indispensável que engloba vários recursos e estratégias no tratamento desses pacientes portadores de fibrose cística, como por exemplo, remoção de muco das vias aéreas, redução dos sintomas respiratórios, cinesioterapia e educação para o paciente e familiares (LANNEFORS et al., 2001; LANNEFORS et al., 2004; MAIN et al., 2005). Entre os recursos de desobstrução brônquica está a aerossolterapia, que pode administrar mucolíticos, medicamentos antiinflamatórios, drogas broncodilatadoras, solução salina hipertônica, antibioticoterapia e terapia gênica (WAGNER & HEADLEY, 2003; WALLIS, 2001). A dornase alfa (pulmozyme, Genentch Inc, San Francisco, USA) é um mucolítico com ação específica na ruptura das moléculas de DNA do muco diminui a visco-elasticidade facilitando sua eliminação através da tosse (SHAK et al., 1990; KING et l., 1997). O tratamento com a dornase alfa melhora a função pulmonar (SHAK et al., 1990; SHAH et al., 1996), porém o seu custo é elevado, tornando-a inviável em muitos paises (WARK et al., 2005). A solução salina hipertônica (HSS), em concentração de 5 a 7%, é um agente mucoativo de baixo custo, que tem sido utilizado em pacientes portadores de FC, com o objetivo de melhorar agudamente o TMC (RIEDLER et al., 1996; ROBINSON et al., 1996; ROBINSON et al., 1997;

14 13 ROBINSON et al., 1999; DONALDSON et al., 2006) e função pulmonar (ELKINS et al., 2006). A HSS aumenta a concentração iônica do muco o que facilita o fluxo osmótico de água para dentro da camada de muco, reidratando-o e melhorando as suas propriedades viscoelásticas (DONALDSON et al., 2006). Recentemente, Elkins et al. (2006) mostraram que a HSS (7%) via inalatória, 2 vezes ao dia, e utilizada durante tempo prolongado de 48 semanas, melhora a função pulmonar e os sintomas respiratórios de pacientes portadores de FC. Além disso, os autores observaram redução da freqüência de exacerbações dos sintomas respiratórios, e redução do absentismo de crianças e adolescentes na escola. Por outro lado, na FC, a obstrução das vias aéreas aumenta com a gravidade da doença e faz com que as partículas inaladas se depositem centralmente, dificultando a deposição das mesmas na periferia das vias aéreas. Conseqüentemente, esses fatores limitam os resultados da aerossolterapia (ILOWITE et al., 1987). Uma outra terapêutica que tem sido aplicada em pacientes portadores de FC é a ventilação mecânica não invasiva, isto é, suporte ventilatório sem uso de via aérea artificial. Um recurso da ventilação mecânica não invasiva é a pressão positiva no final da expiração (EPAP ou PEEP) mantém os alvéolos abertos e impede o fechamento precoce das vias aéreas durante a expiração, e tem sido associada a uma melhora da higiene das vias aéreas (ANDERSEN & KLAUSEN, 1982; FRISCHKNECHT-CHRISTENSEN et al., 1991; MCILWAINE et al., 1997; MCILWAINE et al., 2001). Outros recursos da ventilação mecânica não invasiva são a pressão positiva contínua de vias aéreas (CPAP), e ventilação com 2 níveis pressóricos (um na inspiração e outro na expiração). A ventilação mecânica não invasiva tem sido aplicada em pacientes portadores de fibrose cística como adjuvante da fisioterapia e como tratamento durante o período pré-transplante (FAUROUX et al., 1999; HOLLAND et al., 2003), especialmente porque os pacientes podem apresentar episódios de dispnéia, fadiga muscular respiratória e dessaturação de oxigênio durante o tratamento (MILLER et al., 1995; FAUROUX et al., 1999; WILLIAMS et al., 2001). Portanto, a PEEP pode ser utilizada em associação com a aerossolterapia com o objetivo de potencializar a ação de fármacos inalados devido a uma melhor distribuição nas vias aéreas periféricas (ANDERSEN et al., 1982; FINK, 2002). Além disso, a associação de PEEP e aerossolterapia melhora o pico de fluxo expiratório (FRISCHKNECHT-CHRISTENSEN et al., 1991), o que pode melhorar a

15 14 eliminação do muco. Portanto, o objetivo do presente estudo foi avaliar os efeitos da aerossolterapia com HSS (7%) e uso de CPAP (10 cmh 2 O), isolados e associados, sobre (1) o TMC nasal através do teste da sacarina e (2) propriedades físicas do muco respiratório através da análise do transporte do muco através da tosse e ângulo de contato em indivíduos portadores de FC.

16 15 2. CASUÍSTICA E MÉTODOS Esse projeto foi aprovado no Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Cidade de São Paulo (protocolo ) e o consentimento pósinformado foi obtido dos pacientes e/ou responsáveis. Todos os pacientes participaram do estudo em condições clínicas estáveis. 2.1 População Foram incluídos 17 indivíduos portadores de FC, com diagnóstico clínico documentado pela concentração de íons cloreto > 60mEq/l medido através do método de ionoforese pilocarpina (LAUBE et al., 2005; SANTOS et al.2005), com idade entre 8 e 33 anos, de ambos os sexos, com tosse crônica e presença de secreção pulmonar, atendidos no mini-ambulatório da Associação Mineira de Assistência à Mucoviscidose - Fibrose Cística (AMAM, Belo Horizonte, Minas Gerais). Os pacientes foram incluídos após concordância dos mesmos e/ou responsáveis legais com o termo de consentimento pós-informado. Os pacientes fazendo uso de dornase alfa foram orientados, com autorização médica, a suspender o medicamento por 24 horas até o término do experimento. Os pacientes fazendo uso de solução salina hipertônica (HSS) foram orientados, com autorização médica, a suspender o uso por 14 dias. Foram excluídos os pacientes que apresentaram: 1) 4 sinais ou mais de exacerbação aguda da doença (BRADLEY et al., 2001) como: (a) aumento da quantidade de secreção (> 20 g/dia), (b) aumento ou novo episódio de sangramento nasal, (c) aumento da tosse, e (d) presença de dispnéia, mal-estar, fadiga, febre, perda de peso, perda do apetite, letargia, dor em região dos seios da face e mudança no aspecto da coriza nasal; 2) presença de colonização por Burkholderia cepacia, 3) tabagistas, 4) uso de solução salina hipertônica (7%) durante os últimos 14 dias (ELKINS et al., 2006),

17 16 5) dificuldade no entendimento dos testes Protocolo de Intervenção O protocolo de intervenção (Figura 4) foi conduzido em 4 dias consecutivos no período da manhã, de janeiro a outubro de Figura 4. Desenho esquemático do protocolo de intervenção Tempo 0 min 15 min 30 min 45 min Coleta de muco respiratório Controle Coleta de muco respiratório HSS HSS CPAP CPAP Coleta de muco respiratório CPAP+HSS CPAP Coleta de muco respiratório HSS Coleta de muco respiratório Dados clínicos Transporte mucociliar nasal Dados clínicos Transporte mucociliar nasal Abreviaturas: Controle, sem intervenção; HSS, inalação de solução salina hipertônica 7% durante 15 minutos; CPAP, uso de ventilação não invasiva com pressão positiva contínua de vias aéreas 10 cmh 2 O durante 30 minutos; CPAP+HSS, uso de ventilação não invasiva com pressão positiva contínua de vias aéreas 10 cmh 2 O durante 30 minutos seguido de inalação de solução salina hipertônica 7% durante 15 minutos; 0 min, pré intervenção; 15 min, 15 minutos de intervenção; 30 min, 30 minutos de intervenção; 45 min, 45 minutos de intervenção No primeiro dia, os pacientes foram submetidos à avaliação clínica que consistiu de parâmetros clínicos, provas de função pulmonar, coleta de muco

18 17 respiratório e teste da sacarina (ambos nos tempos 0 e 45 minutos). Os pacientes foram submetidos aleatoriamente nos dias seguintes (dia 2, dia 3 e dia 4) às intervenções (Tabela 1): (1) HSS : inalação de solução salina hipertônica (7%) durante quinze minutos (Figura 5a); (2) CPAP: CPAP de 10 cmh 2 O (SULLIVAN Comfort System, Resmed, Sydney, Austrália) durante trinta minutos, através de máscara facial (Figura 5b); e (3) CPAP+SSH: CPAP de 10 cmh 2 O durante trinta minutos seguida de inalação de HSS (7%) durante quinze minutos. Todos foram avaliados pré-intervenção e pós-intervenção. Tabela 1. Esquema cronológico genérico de todos os procedimentos realizados nos dias 2, 3 e 4 do estudo 1. Recepção do paciente na unidade. 2. Repouso do paciente em sedestação na cadeira durante 30 minutos. 3. Coleta do muco respiratório através de tosse voluntária. 4. Coleta de dados clínicos: pressão arterial (mmhg), freqüência cardíaca (bpm), freqüência respiratória (rpm), oximetria de pulso (%) e temperatura corporal ( o C). 5. Aplicação do teste da sacarina. 6. Aplicação do tratamento conforme distribuição aleatória (HSS, CPAP ou CPAP+HSS). 7. Coleta de muco respiratório através da tosse voluntária. 8. Coleta de dados clínicos: pressão arterial (mmhg), freqüência cardíaca (bpm), freqüência respiratória (rpm), oximetria de pulso (%) e temperatura corporal ( o C). 9. Aplicação do teste da sacarina. 10. Liberação do paciente. Abreviaturas: Controle, sem intervenção; HSS, inalação de solução salina hipertônica 7% durante 15 minutos; CPAP, uso de ventilação não invasiva com pressão positiva contínua de vias aéreas 10 cmh 2 O durante 30 minutos; CPAP+HSS, uso de ventilação não invasiva com pressão positiva contínua de vias aéreas 10 cmh 2 O durante 30 minutos seguido de inalação de solução salina hipertônica 7% durante 15 minutos Para obtenção da HSS realizamos o seguinte procedimento que foi realizado em todos os dias com as intervenções HSS e CPAP+HSS. A solução salina hipertônica 7% foi preparada da seguinte maneira: mistura de 10 ml de solução salina hipertônica 10% em 4,3 de água bidestilada estéri, resultando em 14,3 ml de solução salina hipertônica 7% dos quais, 5 ml foram

19 18 destinados à inalação e o restante foi descartado. Segue a fórmula química de diluição de solução: [S1] x VS1 = [S2] x VS2, onde [S1] é a concentração da solução 1, VS1 é o volume da solução 1, [S2] é a concentração da solução 2, e VS2 é o volume da solução 2. Figura 5. Fotografia demonstrativa de paciente sob intervenção HSS (a) e CPAP (b) HSS 7% a CPAP 10cmH2O b Abreviaturas: HSS 7%, solução salina hipertônica com concentração de 7%; CPAP 10 cmh 2 O, pressão positiva contínua de vias aéreas com nível pressórico de 10 cmh 2 O 2.3 Provas de Função Pulmonar (Espirometria Simples) Para caracterização do grau de comprometimento pulmonar dos voluntários os testes de espirometria foram realizados através do equipamento Microlab (Micro Medical Ltda), segundo os critérios da American Thoracic Society (ATS), Os parâmetros avaliados foram: (1) a capacidade vital forçada (CVF), (2) o volume expiratório forçado de primeiro segundo da CVF (VEF 1 ), e (3) o índice de Tiffeneau (VEF 1 /CVF x 100). Para o cálculo dos valores previstos de cada paciente foram utilizadas as equações de valores previstos de adultos (QUANJER,1993) e crianças (COGSWELL et al., 1975; SOLYMAR et al., 1980; ZAPLETAL, 1990). Os pacientes foram previamente orientados quanto à necessidade de uma inspiração máxima seguida de expiração rápida e sustentada por no mínimo 6 segundos e a utilização do clipe nasal durante o teste, que foi realizado com o

20 19 paciente sempre em posição ortostática e com cabeça em posição neutra. Foram realizadas no mínimo três e no máximo oito curvas respiratórias, com diferença menor que 5% entre as três curvas aceitáveis. A ocorrência de tosse, manobra de valsalva, término precoce da expiração (menor que 6 segundos), vazamento de ar no bucal ou receptáculo da mangueira e obstrução do bucal durante o teste tornaram as curvas inaceitáveis 2.4 Transporte Mucociliar Nasal A avaliação do transporte mucociliar nasal foi realizada através do teste da sacarina (Figura 6), como descrita anteriormente (NAKAGAWA et al., 2005). O teste da sacarina é um método simples, pouco invasivo e de baixo custo. O valor de referência normal para indivíduos adultos saudáveis é de 12,5 ± 5 min (HO et al., 2001; NAKAGAWA et al., 2005). A sacarina é aproximadamente 600 vezes mais doce que o açúcar e pode ser facilmente detectada quando chega à nasofaringe (em geral, porção posterior da língua). Para a realização do teste da sacarina, o paciente foi orientado a se sentar em uma cadeira com encosto e olhar para o horizonte. Foi solicitado que o paciente fizesse uma leve extensão cervical. Em seguida, foi depositada uma pequena quantidade de sacarina, introduzida delicadamente e posicionada na superfície da borda inferior do corneto médio da narina (direita ou narina de fluxo aéreo livre), através de um canudo plástico de até 2 mm de diâmetro e 5 cm de comprimento. Logo a seguir foi solicitado ao paciente que reposicionasse sua cabeça e relatasse o momento em que sentisse o gosto da sacarina. O tempo de TMC nasal foi observado através de um cronômetro, que foi acionado quando o paciente estava com a sacarina introduzida e a cabeça reposicionada, com o olhar direcionado ao horizonte, e acionado novamente no momento em que o paciente relatou o gosto doce da sacarina na porção posterior da faringe. Foi recomendado ao paciente para manter o padrão respiratório normal, evitar falar, tossir ou inspirar profunda ou rapidamente durante o procedimento.

21 20 Figura 6. Fotografia demonstrativa do Teste da Sacarina 2.5 Muco Respiratório Coleta do muco respiratório Para a coleta de amostra de muco respiratório, o paciente foi orientado a se sentar em uma cadeira mantendo membros inferiores apoiados e a realizar a técnica de expiração forçada. Em seguida, ele foi encorajado a expectorar em pote coletor universal contendo óleo mineral, onde era separado da saliva e posteriormente reservado em freezer -4 o C. A amostra de muco respiratório foi armazenada em eppendorf com óleo mineral, e estocadas em freezer a 80 C. Todas as amostras foram codificadas e avaliadas por 2 observadores que desconheciam a origem (paciente e tratamento) das amostras Transportabilidade do Muco através da Tosse (TT) Para avaliação in vitro do transporte de muco por meio da tosse, empregamos uma máquina simuladora da tosse, adaptada de KING et al. (1985). Esse simulador consiste de um cilindro de ar sintético, pressão de 40

22 21 libras/polegadas 2. O gás é enviado a uma válvula solenóide que, por sua vez, oclui o ar em intervalos de 2 segundos e se mantém aberta durante 0,5 segundo. O ar é, então, transmitido a um tubo de acrílico de 4 mm de diâmetro interno e 133 mm de comprimento. O fluxo aéreo obtido é de aproximadamente 6 L/s (NAKAGAWA et al., 2000). Uma pequena amostra de muco respiratório (aproximadamente 5 µl) foi banhada em éter de petróleo para remoção do óleo de vaselina, posicionada com um estilete no tubo de acrílico, e efetuada a tosse artificial. O TT foi medido através de uma régua milimetrada considerando o deslocamento do muco no tubo de acrílico. O procedimento para cada alíquota de muco foi único, sendo realizados três procedimentos para cada amostra. Os resultados foram apresentados como média ± DP de distância percorrida (mm) pela amostra sob a força de um fluxo aéreo conhecido. Figura 6. Desenho esquemático da máquina simuladora de tosse para avaliação da transportabilidade do muco através da tosse (Com permissão da Dra Naomi Kondo Nakagawa; Nakagawa, 1997): 1, Cilindro de ar sintético; 2, Válvula solenóide; 3,Controlador da válvula solenoide; 4, régua milimetrada; 5, cilindro de acrílico

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia.

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia. POT Nº: 06 VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA Edição: 05/05/2009 Versão: 02 Data Versão: 28/05/2009 Página: 05 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI)

Leia mais

Dra Camila D B Piragine Pneumopediatria

Dra Camila D B Piragine Pneumopediatria TRIAGEM NEONATAL Fibrose Cística Dra Camila D B Piragine Pneumopediatria Fibrose Cística - Definição Mucoviscidose ou Doença do Beijo Salgado Doença genética mais comum em caucasianos Afeta sexo feminino

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

04/06/2012. Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia. Assistência Ventilatória no Domicílio. Epidemia de Poliomielite 1953 Rancho Los Amigos

04/06/2012. Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia. Assistência Ventilatória no Domicílio. Epidemia de Poliomielite 1953 Rancho Los Amigos Assistência Ventilatória no Domicílio Marco Antônio Soares Reis Hospital Madre Teresa - Belo Horizonte Hospital Universitário São José Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia Epidemia de Poliomielite 1953

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

INFERTILIDADE MASCULINA E FIBROSE CÍSTICA

INFERTILIDADE MASCULINA E FIBROSE CÍSTICA INFERTILIDADE MASCULINA E FIBROSE CÍSTICA A infertilidade pode ser definida como a inabilidade de um casal sexualmente ativo, sem a utilização de métodos contraceptivos, de estabelecer gravidez dentro

Leia mais

Prova do Suor no. Fibrose Quistica

Prova do Suor no. Fibrose Quistica Prova do Suor no Diagnóstico Laboratorial da Fibrose Quistica Unidade de Diagnóstico Laboratorial e Referência, Departamento de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Não Transmissíveis (DPS), INSA,

Leia mais

Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior

Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior ESPECIALIZAÇÃO EM MICROBIOLOGIA APLICADA CASCAVEL - 2009 Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior Profa. Vera Lucia Dias Siqueira Bacteriologia Clínica DAC - UEM Sistema Respiratório Pneumonias

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

Função pulmonar na diabetes mellitus

Função pulmonar na diabetes mellitus Função pulmonar na diabetes mellitus José R. Jardim Pneumologia Universidade Federal de São Paulo Elasticidade pulmonar anormal em DM Juvenil - 1976 11 diabéticos (24 anos) de início juvenil Dependentes

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ. Cidália Rodrigues Serviço de Pneumologia - Hospital Geral CHUC

Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ. Cidália Rodrigues Serviço de Pneumologia - Hospital Geral CHUC Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ Cidália Rodrigues Serviço de Pneumologia - Hospital Geral CHUC Indicações e Particularidades da VNI nos Doentes com BQ Desafios Prática clínica:

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

Provas de Função Pulmonar

Provas de Função Pulmonar Aula Prática Provas de Função Pulmonar Nataniel Gonçalves Rosa 5 de Novembro de 2014 Engenharia Biomédica Ventilação pulmonar Renovação do ar contido nos pulmões de modo espontâneo e por acção dos músculos

Leia mais

Novidades e Perspectivas no Tratamento da Fibrose Cística

Novidades e Perspectivas no Tratamento da Fibrose Cística Novidades e Perspectivas no Tratamento da Fibrose Cística Dra. Fabíola Villac Adde Unidade de Pneumologia Instituto da Criança Hospital das Clínicas FMUSP APAM 23/06/12 Fibrose Cística Situação no Brasil

Leia mais

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO Autoria: Inácia Regina Barbosa Leal (FCM-CG) Rosa Suênia da Camara Melo (Orientadora)

Leia mais

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração.

Circulação sanguínea Intrapulmonar. V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. DOENÇAS PULMONARES Árvore Brônquica Circulação sanguínea Intrapulmonar V. Pulmonar leva sangue oxigenado do pulmão para o coração. A. Pulmonar traz sangue venoso do coração para o pulmão. Trocas Histologia

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação

Bronquiectasia. Bronquiectasia. Bronquiectasia - Classificação Bronquiectasia Bronquiectasia É anatomicamente definida como uma dilatação e distorção irreversível dos bronquíolos, em decorrência da destruição dos componentes elástico e muscular de sua parede Prof.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SIMPÓSIO APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO EM CRIANÇAS Itapeva São Paulo Brasil ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE

Leia mais

PROTOCOLO DE TERAPIA COM PRESSÃO POSITIVA por máscara FISIOTERAPIA CENTRO DE TRATAMENTO INTENSIVO

PROTOCOLO DE TERAPIA COM PRESSÃO POSITIVA por máscara FISIOTERAPIA CENTRO DE TRATAMENTO INTENSIVO 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS A utilização da pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP) ou em dois níveis (BiPAP ) tem sido indicada para o tratamento de alguns quadros clínicos, como por exemplo, o edema

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

NORMA TÉCNICA 02/2013

NORMA TÉCNICA 02/2013 Introdução NORMA TÉCNICA 02/2013 DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA - DPOC A doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) se caracteriza por sinais e sintomas respiratórios associados a obstrução crônica

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e Fotografia

Imagem da Semana: Radiografia e Fotografia Imagem da Semana: Radiografia e Fotografia Figura 1: Fotografia da mão esquerda do paciente Figura 2: Radiografia do tórax em PA Enunciado Paciente do sexo feminino, 8 anos, comparece ao PA do HC-UFMG

Leia mais

FARMACÊUTICOS DE FIBRA PRÊMIO PRIMEIROS PASSOS FARMACÊUTICOS - CRF-PR 2014 TEMA: DOENÇAS CRÔNICAS

FARMACÊUTICOS DE FIBRA PRÊMIO PRIMEIROS PASSOS FARMACÊUTICOS - CRF-PR 2014 TEMA: DOENÇAS CRÔNICAS FARMACÊUTICOS DE FIBRA PRÊMIO PRIMEIROS PASSOS FARMACÊUTICOS - CRF-PR 2014 TEMA: DOENÇAS CRÔNICAS A IMPORTÂNCIA DO FARMACÊUTICO PARA O PACIENTE COM FIBROSE CÍSTICA CURITIBA 2014 1 A IMPORTÂNCIA DO FARMACÊUTICO

Leia mais

PICO DO FLUXO EXPIRATÓRIO ANTES E APÓS UTILIZAÇÃO DA MÁSCARA DE EPAP NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA: ESTUDO DE CASO

PICO DO FLUXO EXPIRATÓRIO ANTES E APÓS UTILIZAÇÃO DA MÁSCARA DE EPAP NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA: ESTUDO DE CASO 68 PICO DO FLUXO EXPIRATÓRIO ANTES E APÓS UTILIZAÇÃO DA MÁSCARA DE EPAP NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA: ESTUDO DE CASO Josiane Manzo Lamoso 1,2, Flávia Letícia dos Santos 1,2, João Paulo Manfré

Leia mais

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar 4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar A metrologia avançou muito na área industrial e científica, mas, apesar de sua óbvia importância, sua aplicação ainda é incipiente na área da saúde.

Leia mais

Reabilitação Pulmonar. Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM

Reabilitação Pulmonar. Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM Reabilitação Pulmonar Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM Reabilitação Pulmonar Definição Programa multiprofissional de cuidados a pacientes com alteração respiratória crônica, que

Leia mais

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA DPOC. Objetivos Ao final desta aula o aluno deverá: Ser capaz de definir a DPOC, e seus dois tipos: enfisema pulmonar e bronquite crônica. Reconhecer os sintomas e sinais

Leia mais

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes 1. Características anatômicas do Sistema Cardiorrespiratório do RN: LARINGE ALTA: - permite que o RN respire e degluta

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA RESPIRATÓRIO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA RESPIRATÓRIO Permite o transporte de O2 para o sangue (a fim de ser distribuído para as células); Remoção de do CO2 (dejeto do metabolismo celular)

Leia mais

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício.

Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. Avaliação funcional do doente respiratório crónico. Testes de Exercício. XX Congresso Português de Pneumologia Hermínia Brites Dias Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Avaliação funcional

Leia mais

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas 1 CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas Olívia Brito Cardozo Turma Glória I CAPS Curso de Especialização em Fisioterapia Respiratória com Ênfase em Traumato-Cirúrgico São Paulo 2004 2 Sumário

Leia mais

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES Assistência Farmacêutica Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo o enunciado das 2 (duas) questões da

Leia mais

PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS DO BEBÉ PREMATURO

PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS DO BEBÉ PREMATURO PROBLEMAS RESPIRATÓRIOS DO BEBÉ PREMATURO O bebé prematuro, em geral com peso inferior a 2.500 gramas, está mais propenso a problemas de saúde tendo em conta que a gravidez encurtada não permitiu o desenvolvimento

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO PARA USO DE ESPAÇADOR

PROTOCOLO CLÍNICO PARA USO DE ESPAÇADOR 24/05/2010 Revisão: ----------------- 15/06/2010 Página: 1 / 5 1. INTRODUÇÃO As crises de broncoespasmo são uma das principais causas de procura ao atendimento emergencial em pronto-atendimento de pediatria,

Leia mais

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso Dr. José Luiz Cardoso CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA A CRIANÇA NÃO É UM ADULTO EM MINIATURA O nariz é responsável por 50 % da resistência das vias aéreas Obstrução nasal conduz a insuficiência respiratória

Leia mais

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE ANEURISMAS CEREBRAIS Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA Nível de consciência Pupilas

Leia mais

Protocolo Clínico. 2. CLASSIFICAÇÃO CID 10 Classificação segundo a CID10 da situação clínica 3. DIAGNÓSTICO

Protocolo Clínico. 2. CLASSIFICAÇÃO CID 10 Classificação segundo a CID10 da situação clínica 3. DIAGNÓSTICO Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal Subsecretaria de Atenção à Saúde Diretoria de Assistência Especializada Comissão Permanente de Protocolos de Atenção à Saúde Protocolo Clínico 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO:

FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO: FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO: Ed Burke, Phd. Fisiologista do Esporte da Universidade do Colorado (USA). DEFINIÇÃO: Causas de fadiga muscular: - Desidratação: Transpiração, respiração, produção de urina. -

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP CPAP - Definição Pressão de Distensão Contínua Manutenção de uma

Leia mais

Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI

Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI Regional - Goiás Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI 1. Tabela da Escala de Glasgow Aplicação: avaliação do grau de consciência. Atividade Pontuação Resposta

Leia mais

RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein

RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein RECOMENDACÕES PARA MANEJO DA TOSSE E RESFRIADO COMUM EM PEDIATRIA Pronto-atendimento do Hospital Israelita Albert Einstein 1. DEFINIÇÂO A tosse é um dos mais frequentes motivos de consultas em unidades

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA

TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA TRATAMENTO FISIOTERÁPICO NA ASMA Meiry Alonso Rodrigues Pereira DEFINIÇÃO Distúrbio caracterizado pelo aumento da reatividade da traquéia e dos brônquios à vários estímulos, resultando na constrição difusa

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

Biofísica. Patrícia de Lima Martins

Biofísica. Patrícia de Lima Martins Biofísica Patrícia de Lima Martins 1. Conceito É uma ciência interdisciplinar que aplica as teorias, a metodologia, conhecimentos e tecnologias da Matemática, Química e Física para resolver questões da

Leia mais

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com Ventilação Mecânica Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com A ventilação mecânica é uma atividade multi e interdisciplinar em que o denominador comum é o paciente e não o ventilador

Leia mais

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC).

TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). NOTA TÉCNICA 92/2013 Solicitante Dr. Wellington Reis Braz João Monlevade Processo nº 0362.13.4367-6 Data: 13/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Seretide, para Doença Pulmonar Obstrutiva

Leia mais

Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC. Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357

Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC. Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Necessidades importantes e desconhecidas da DPOC Dr. Roberto Stirbulov CREMESP 38.357 Pneumologista A doença pulmonar

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

03/07/2012. Mônica Corso Pereira. Ação: organizando um ambulatório para acompanhamento de pacientes portadores de bronquectasias

03/07/2012. Mônica Corso Pereira. Ação: organizando um ambulatório para acompanhamento de pacientes portadores de bronquectasias Ação: organizando um ambulatório para acompanhamento de pacientes portadores de bronquectasias Mônica Corso Pereira Unicamp e PUC Campinas (SP) Ambulatório para acompanhamento de pacientes portadores de

Leia mais

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório

CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório CURSINHO PRÉ VESTIBULAR BIOLOGIA PROFº EDUARDO Aula 15 Fisiologia humana Sistema respiratório SISTEMA RESPIRATÓRIO O sistema respiratório humano é constituído por um par de pulmões e por vários órgãos

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Associação entre função pulmonar e bronquiolite em lactentes prematuros

Associação entre função pulmonar e bronquiolite em lactentes prematuros PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO FACULDADE DE MEDICINA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA MESTRADO EM PEDIATRIA E SAÚDE DA CRIANÇA Associação

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

Busca em Bases de Dados. Profª. Rosa Carvalho

Busca em Bases de Dados. Profª. Rosa Carvalho Busca em Bases de Dados Profª. Rosa Carvalho Pesquisa em fisioterapia: a prática baseada em evidências e modelos de estudos (Marques,A.P.; Peccin,M.S.) Durante muitos anos, os fisioterapeutas atuaram com

Leia mais

SISTEMA RESPIRATÓRIO

SISTEMA RESPIRATÓRIO ANATOMIA HUMANA I SISTEMA RESPIRATÓRIO Prof. Me. Fabio Milioni Roteiro Sistema Respiratório Conceito Função Divisão Estruturas Nariz Faringe Laringe Traquéia e Brônquios Pulmão Bronquíolos e Alvéolos 1

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos. Módulo 2: OXIGÊNIO

Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos. Módulo 2: OXIGÊNIO Atenção à saúde do Recém-nascido de Risco Superando pontos críticos Módulo 2: OXIGÊNIO Que danos podem ser causados por falta de oxigênio? E pelo excesso de oxigênio? Quais maneiras de se fornecer oxigênio

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

INSTRUÇÃO DE USO THRESHOLD PEP

INSTRUÇÃO DE USO THRESHOLD PEP INSTRUÇÃO DE USO THRESHOLD PEP O dispositivo Threshold PEP foi concebido para proporcionar terapia por pressão expiratória positiva (PEP). Quando utilizada com a técnica de tosse huff, a terapia PEP ajuda

Leia mais

Impacto clínico e manejo da colonização crônica das vias aéreas

Impacto clínico e manejo da colonização crônica das vias aéreas Impacto clínico e manejo da colonização crônica das vias aéreas Mônica Corso Pereira Unicamp e PUC-Campinas Curso de Atualização SBPT 13 de abril de 2013 Bronquectasias não fibrocísticas, por fibrose cística,

Leia mais

ENADE 2004 FISIOTERAPIA

ENADE 2004 FISIOTERAPIA ENADE 2004 FISIOTERAPIA QUESTÃO 38 Maurício Gomes Pereira. Epidemiologia teoria -- prática. Rio de Janeiro: Guanabra Koogan S.A., 1995, p. 31 (com adaptações). O gráfico acima demonstra os possíveis padrões

Leia mais

Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins

Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins Hipertensão Arterial Pulmonar Protocolos Por que e para que? Ricardo Fonseca Martins HAP Definição Condição patológica caracterizada pela elevação da pressão arterial pulmonar média acima de 25mmHg com

Leia mais

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas.

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas. 1- DESCRIÇÃO O xlung é um simulador virtual da interação paciente-ventilador pulmonar que incorpora os principais recursos do suporte ventilatório a diferentes configurações de aspectos demográficos, de

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Respiração A função da respiração é essencial à vida e pode ser definida, de um modo simplificado, como a troca de gases (O 2 e CO 2 ) entre as células do organismo e a atmosfera.

Leia mais

Efeitos da ventilação não invasiva por meio do BIPAP sobre a tolerância ao exercício físico em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)

Efeitos da ventilação não invasiva por meio do BIPAP sobre a tolerância ao exercício físico em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) Artigo de Revisão Efeitos da ventilação não invasiva por meio do BIPAP sobre a tolerância ao exercício físico em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) Effects of noninvasive ventilation

Leia mais

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias

Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Avaliação da função respiratória; fisiopatologia das doenças respiratórias Propriedades Estáticas do Sistema A ventilação pulmonar consiste no fluxo de ar para dentro e para fora dos pulmões a cada ciclo

Leia mais

Ventilação não invasiva na IRA pósextubação?

Ventilação não invasiva na IRA pósextubação? III Curso Nacional de Ventilação Mecânica SBPT, São Paulo, 2008 Ventilação não invasiva na IRA pósextubação? Marcelo Alcantara Holanda Prof Adjunto, Medicina Intensiva/Pneumologia, Universidade Federal

Leia mais

Discussão para Prova ENADE/2007

Discussão para Prova ENADE/2007 Discussão para Prova ENADE/2007 Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva Erikson Custódio Alcântara Resposta correta: letra c 1 Comentários letra a Não é apenas após uma inspiração

Leia mais

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro

Página ORIGEM PULMONAR E EXTRAPULMONAR 01 de 05. Anexo 1. Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro 01 de 05 Anexo 1 Figura 1: Características do frasco rígido com tampa rosca para a coleta de escarro Figura 2: Exemplo de caixa com tampa de material não poroso, rígido, resistente à descontaminação, identificada

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

FIBROSE QUÍSTICA (FQ) Guia para Pais e Família

FIBROSE QUÍSTICA (FQ) Guia para Pais e Família FIBROSE QUÍSTICA (FQ) Guia para Pais e Família INTRODUÇÃO O QUE É A FQ? Este folheto foi concebido de modo a proporcionar uma melhor compreensão da FQ, quer aos doentes em si, quer aos familiares mais

Leia mais

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização Oximetria de pulso É a medida da saturação da

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015

ORIENTAÇÕES PARA COLETA E TRANSPORTE DE SECREÇÃO RESPIRATÓRIA - 2015 Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul Instituto de Pesquisas Biológicas Laboratório Central de Saúde Pública- IPB-LACEN/RS SEÇÃO DE VIROLOGIA - LABORATÓRIO DE VÍRUS RESPIRATÓRIOS INVESTIGAÇÃO DA INFLUENZA

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL SUBSECRETARIA DE PROMOÇÃO, ATENÇÃO BÁSICA E VIVILÂNCIA COORDENADORIA DE SAÚDE DA AP 5.2 DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE BETI BRISSE

Leia mais

Aspectos Recentes da Ventilação Mecânica: como iniciar a ventilação mecânica

Aspectos Recentes da Ventilação Mecânica: como iniciar a ventilação mecânica CAPÍTULO 102 Aspectos Recentes da Ventilação Mecânica: como iniciar a ventilação mecânica Alexandre Goulart Pustilnik* Introdução O início da ventilação mecânica deve ser orientado para a causa da insuficiência

Leia mais

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS

PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS PNEUMONIAS E BRONCOPNEUMONIAS UNISA Universidade de Santo Amaro Faculdade de Fisioterapia Estágio Supervisionado: Fisioterapia em Pediatria Profa. Ms. Dalva M. A. Marchese Acadêmica: Andreza Viviani Suzuki

Leia mais

TESTES DE FUNÇÃO PULMONAR: ESPIROMETRIA

TESTES DE FUNÇÃO PULMONAR: ESPIROMETRIA : ESPIROMETRIA Dra. Adriana Vidal Schmidt Laboratório de Função Pulmonar Hospital Cardiológico Costantini Fundação Francisco Costantini VOLUMES E CAPACIDADES PULMONARES CPT: quantidade ar nos pulmões após

Leia mais

PNEUMONITE ASPIRATIVA ASPIRAÇÃO PNEUMONITE ASPIRATIVA 09/07/2014. Pneumonite química (S. Mendelson) Pneumonia aspirativa (contaminação bacteriana)

PNEUMONITE ASPIRATIVA ASPIRAÇÃO PNEUMONITE ASPIRATIVA 09/07/2014. Pneumonite química (S. Mendelson) Pneumonia aspirativa (contaminação bacteriana) PNEUMONITE ASPIRATIVA Profa. Cláudia Henrique da Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro ASPIRAÇÃO Inalação de conteúdo gástrico ou da orofaringe para as vias aéreas Pode ocorrer tanto no âmbito

Leia mais

VOLUMES E CAPACIDADES PULMONARES: O AR CONTIDO NOS PULMÕES

VOLUMES E CAPACIDADES PULMONARES: O AR CONTIDO NOS PULMÕES I.-I ESPIROMETRJA INTRODUÇÃO o ar que está alojado dentro dos pulmões é constantemente renovado, permitindo, desta forma, que a hematose se concretize. Mas, para tanto, é necessário que os pulmões mantenham

Leia mais

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc..

- Miocardiopatias. - Arritmias. - Hipervolemia. Não cardiogênicas. - Endotoxemia; - Infecção Pulmonar; - Broncoaspiração; - Anafilaxia; - Etc.. AULA 13: EAP (EDEMA AGUDO DE PULMÃO) 1- INTRODUÇÃO O edema agudo de pulmão é uma grave situação clinica, de muito sofrimento, com sensação de morte iminente e que exige atendimento médico urgente. 2- CONCEITO

Leia mais

Desportistas. Recomendações para Ondas de Calor. Saúde e Desenolvimento Humano

Desportistas. Recomendações para Ondas de Calor. Saúde e Desenolvimento Humano A prática regular e moderada da actividade física pode trazer benefícios substanciais para a saúde da população, como seja reduzir para metade o risco de doenças coronárias, baixar o risco de desenvolver

Leia mais

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Perguntas e respostas 1. O que é Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)? 2. A gripe causada pelo Influenza A (H1N1) é contagiosa? 3. Quem pode adoecer pela nova gripe causada

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO INSPIRÔMETRO DE INCENTIVO COACH

INSTRUÇÕES DE USO INSPIRÔMETRO DE INCENTIVO COACH INSTRUÇÕES DE USO INSPIRÔMETRO DE INCENTIVO COACH Fabricado por: DHD Healthcare Corp. One Madison Street Wampsville, NY 13163 ESTADOS UNIDOS Importado por: INDUMED Ind. e Com. Ltda. Rua Laguna, 742 Santo

Leia mais

Pulmozyme. (alfadornase) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução para inalação 1,0 mg/ml

Pulmozyme. (alfadornase) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução para inalação 1,0 mg/ml Pulmozyme (alfadornase) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução para inalação 1,0 mg/ml PULMOZYME alfadornase (rhdnase) Roche Outros produtos para o aparelho respiratório APRESENTAÇÃO Pulmozyme

Leia mais

Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco

Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco Tabagismo Patologia relacionada com o tabaco Comissão de Tabagismo da SociedadePortuguesa de Pneumologia > 4.000 compostos Monóxido de carbono Hipóxia no sangue e tecidos Benzopireno cancerígeno FUMO DO

Leia mais

SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO

SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO Subespecialidade: Tórax / Tipo de trabalho: Relato de caso SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO Autores: Baptista RM, Nogueira HA, Nothaft MA, Coelho FH Apresentador: Dr. Rodrigo

Leia mais