INFERTILIDADE MASCULINA E FIBROSE CÍSTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFERTILIDADE MASCULINA E FIBROSE CÍSTICA"

Transcrição

1 INFERTILIDADE MASCULINA E FIBROSE CÍSTICA A infertilidade pode ser definida como a inabilidade de um casal sexualmente ativo, sem a utilização de métodos contraceptivos, de estabelecer gravidez dentro de um ano. Este fenômeno universal atinge aproximadamente 8 a 15% doas casais. O fator masculino representa 50% dessas causas de infertilidade. São várias as causas de infertilidade masculina e atualmente houve um aumento no diagnóstico de anormalidades genéticas neste contexto. Os três fatores genéticos mais freqüentes são: aberrações cromossômicas, mutações gênicas e microdeleções do cromossomo Y. N a população de homens inférteis, a incidência de alterações cromossômicas varia de 6 a 7%. A fibrose cística (FC) é uma doença autossômica recessiva, causada por mutações do gene CFTR (Cystic Fibrosis Transmbane Condutance Regulator), localizado no braço longo do cromossomo 7 que codifica a proteína transmembrana reguladora do canal de cloro, conhecida como CFTR. A CFTR está envolvida na regulação do fluxo de íons, reduzindo a excreção de cloro, aumentando o fluxo intracelular de sódio para manter o equilíbrio eletroquímico e também de água por ação osmótica. Ocorre assim desidratação das secreções mucosas, aumento da viscosidade, obstrução dos ductos com reação inflamatória e, posteriormente, fibrose no pulmão, pâncreas, intestinos, fígado e ductos deferentes. Há uma forte associação entre agenesia bilateral congênita dos ductos deferentes (ABCDD) e as mutações do gene da CFTR, por isso todos os casos de infertilidade masculina causados por ABCDD deve ter o diagnóstico de FC investigado antes de ser realizada fertilização in vitro. Abaixo propomos um fluxograma de investigação.

2 HOMEM INFERTIL ESPERMOGRAMA AZOOSPERMIA SECRETORA OBSTRUTIVA SEM INVESTIGAÇÃO AGENESIA BILATERAL TRAS PARA FC DE DUCTOS DEFERENTES CAUSAS INVESTIGAR FC MULHER HOMEM TESTE DO SUOR OBS1 TESTE DO SUOR OBS1 NEGATIVO DUVIDOSO POSITIVO POSITIVO DUVIDOSO NEGATIVO SEQUENCIAMENTO 100% DE CHANCE DE SEQUENCIAMENTO GENÉTICO TER FILHO COM FC GENÉTICO ACONSELHAMENTO GENÉTICO CONTINUA CONTINUA

3 APÓS REALIZAÇÃO DO SEQUENCIAMENTO GENÉTICO 1) AUSÊNCIA DE MUTAÇÃO PARA FC NA MULHER: CHANCE MUITO PEQUENA DE TER FILHO COM FC APÓS FERTILIZAÇÃO IN VITRO OBS2 2) UMA MUTAÇÃO PARA FC NA MULHER (PORTADORA DO GENE, SEM FC): AVALIAR SEQUENCIAMENTO GENÉTICO DO HOMEM AUSÊNCIA DE MUTAÇÃO 01 MUTAÇÃO 02 MUTAÇÕES PARA FC PARA FC PARA FC HOMEM SEM FC HOMEM PORTADOR HOMEM COM FC DO GENE, SEM FC CHANCE MUITO 25% DE CHANCE 50% DE CHANCE PEQUENA DE TER DE TER FILHO DE TER FILHO COM FC APÓS COM FC APÓS COM FC APÓS FERTILIZAÇÃO FERTILIZAÇÃO FERTILIZAÇÃO IN VITRO OBS2 IN VITRO IN VITRO ACONSELHAMENTO GENÉTICO 3) DUAS MUTAÇÕES PARA FC NA MULHER (MULHER COM FC): AVALIAR SEQUENCIAMENTO GENÉTICO DO HOMEM AUSÊNCIA DE MUTAÇÃO 01 MUTAÇÃO 02 MUTAÇÕES PARA FC PARA FC PARA FC HOMEM SEM FC HOMEM PORTADOR HOMEM COM FC DO GENE, SEM FC CHANCE MUITO 50% DE CHANCE 100% DE CHANCE PEQUENA DE TER DE TER FILHO DE TER FILHO COM FC APÓS COM FC APÓS COM FC APÓS FERTILIZAÇÃO FERTILIZAÇÃO FERTILIZAÇÃO IN VITRO OBS2 IN VITRO IN VITRO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

4 OBS1: Teste do suor e Critérios diagnósticos de Fibrose Cística Características Fenotípicas (1 ou mais) A Doença sinusal ou pulmonar crônica, polipose nasal Alterações gastrintestinais e nutricionais Síndrome de perda salina, Alterações urogenitais com azoospermia obstrutiva História de irmão com fibrose cística Teste de triagem neonatal (TIR) positiva B Evidência laboratorial de disfunção da CFTR Teste do suor Cloro no suor > 60mEq/L em 2 dosagens em 2 ou mais ocasiões Identificação de 2 mutações (DNA) para fibrose cística Alteração no exame de Diferença Potencial Nasal Biópsia retal Fonte: Modificado: Rosenstein BJ & Cutting GR, Para o diagnóstico é necessário no mínimo um dos itens da coluna A e um da coluna B - Teste do suor ainda é o padrão ouro para a confirmação diagnóstica, apesar de existirem falso positivo e falso negativo em raras situações. É importante lembrar teste de suor normal não exclui o diagnóstico de formas atípicas de FC. Interpretação -Teste normal ( 39mEq/L); -Teste duvidoso (30 ou 40-59mEq/L); -Teste anormal ( 60mEq/L) OBS2: O sequenciamento genético pode não afastar completamente o diagnóstico de FC. Atualmente, a literatura científica nos mostra que mais de 1600 mutações são conhecidas como causadoras da FC, mas pode ser que ainda existam mutações que não foram identificadas até os dias de hoje.

5 REFERÊNCIAS 1) Brompton, Clinical Guidelines: Care of Children with Cystic Fibrosis, 5º edition, ) Maria Luiza Saraiva Pereira, Mariana Fitarelli-Kiehl, Maria Teresa Vieira Sandseverino. A Genética na Fibrose Cística. Rev HCPA 2011; 31(2): ) Paschoal Ilma et al, Fibrose Cística, 1º edição, ) Ludwig Neto et al, Fibrose Cística Enfoque Multidisciplinar, 2º edição revisada e ampliada, Santa Catarina, ) Guimarães Elizabeth et al, Protocolo Clínico dos Centros de Referência do Estado de MG, ) Renato Fraietta, Agnaldo P. Cedenho. Quando está indicada a avaliação genética do homem infértil?. Sinopse de Urologia, 2005, ano 9 nº3 7) Fábio Firmbach Pasqualotto. Investigação e reprodução assistida no tratamento da infertilidade masculina. Rev Bras Ginecol Obstet, 2002: ) Francisco J. C. Reis, Neiva Damaceno. Fibrose Cística. Jormal de Pediatria 1998, supl. 1/S76

6 AUTORES 1) Dra. Edna Cellis Vaccari Baltar Coordenadora de Saude da Criança SESA/ES Referencia Técnica em Fibrose Cística da SESA/ES 2) Dr. José Augusto Ribeiro de Almeida Urologista da Sociedade Brasileira de Urologia/ES 3) Dra. Daniele Menezes Torres Ferrão Pneumologista do Centro de Referência do Adulto portador de FC do ES 4) Dra. Roberta de Cássia Nunes Cruz Melotti Pneumopediatra do Centro de Referência Infantil do portador de FC do ES 5) Rosa Maria Natalli Montenegro Enfermeira do Programa da Saúde do Homem da SESA/ES 6) Edilene Ferreira Vargas Enfermeira do Programa da Saúde do Homem da SESA/ES Vitória, ES 18 de abril de 2013

Dra Camila D B Piragine Pneumopediatria

Dra Camila D B Piragine Pneumopediatria TRIAGEM NEONATAL Fibrose Cística Dra Camila D B Piragine Pneumopediatria Fibrose Cística - Definição Mucoviscidose ou Doença do Beijo Salgado Doença genética mais comum em caucasianos Afeta sexo feminino

Leia mais

FARMACÊUTICOS DE FIBRA PRÊMIO PRIMEIROS PASSOS FARMACÊUTICOS - CRF-PR 2014 TEMA: DOENÇAS CRÔNICAS

FARMACÊUTICOS DE FIBRA PRÊMIO PRIMEIROS PASSOS FARMACÊUTICOS - CRF-PR 2014 TEMA: DOENÇAS CRÔNICAS FARMACÊUTICOS DE FIBRA PRÊMIO PRIMEIROS PASSOS FARMACÊUTICOS - CRF-PR 2014 TEMA: DOENÇAS CRÔNICAS A IMPORTÂNCIA DO FARMACÊUTICO PARA O PACIENTE COM FIBROSE CÍSTICA CURITIBA 2014 1 A IMPORTÂNCIA DO FARMACÊUTICO

Leia mais

Fibrose Cística. Triagem Neonatal

Fibrose Cística. Triagem Neonatal Fibrose Cística Triagem Neonatal Fibrose cística Doença hereditária autossômica e recessiva, mais frequente na população branca; Distúrbio funcional das glândulas exócrinas acometendo principalmente os

Leia mais

Prova do Suor no. Fibrose Quistica

Prova do Suor no. Fibrose Quistica Prova do Suor no Diagnóstico Laboratorial da Fibrose Quistica Unidade de Diagnóstico Laboratorial e Referência, Departamento de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Não Transmissíveis (DPS), INSA,

Leia mais

Avaliacao do Homem com Azoospermia / Oligospermia severa

Avaliacao do Homem com Azoospermia / Oligospermia severa Avaliacao do Homem com Azoospermia / Oligospermia severa Marcelo H. Furtado Urologista Hospital Mater Dei e Procriar Medicina Reprodutiva Belo Horizonte AZOOSPERMIA Definicao: Ausencia de espermatozoides

Leia mais

RESOLUÇÃO SS nº 73, 29 de julho de 2015

RESOLUÇÃO SS nº 73, 29 de julho de 2015 RESOLUÇÃO SS nº 73, 29 de julho de 2015 Institui o novo Protocolo Clínico, de Diretrizes Terapêuticas e de Diagnóstico Laboratorial da Fibrose Cística (FC) na Fase III do Programa Nacional de Triagem Neonatal

Leia mais

ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA 3º Trimestre/2014 GABARITO

ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA 3º Trimestre/2014 GABARITO NOME: ANO: 2º EM Nº: PROF.(A): Claudia Lobo DATA: ATIVIDADE DE RECUPERAÇÃO PARALELA PREVENTIVA 3º Trimestre/2014 GABARITO 1. A fenilcetonúria é uma doença que tem herança autossômica recessiva. Considere

Leia mais

PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA

PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA Conceitos Genética / Genômica Doença genética Hereditariedade Congênito DNA / Gene / Locus / Alelo Homozigoto / Heterozigoto Cromossomos Autossomos Sexuais Dominante / Recessivo

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e Fotografia

Imagem da Semana: Radiografia e Fotografia Imagem da Semana: Radiografia e Fotografia Figura 1: Fotografia da mão esquerda do paciente Figura 2: Radiografia do tórax em PA Enunciado Paciente do sexo feminino, 8 anos, comparece ao PA do HC-UFMG

Leia mais

Novidades e Perspectivas no Tratamento da Fibrose Cística

Novidades e Perspectivas no Tratamento da Fibrose Cística Novidades e Perspectivas no Tratamento da Fibrose Cística Dra. Fabíola Villac Adde Unidade de Pneumologia Instituto da Criança Hospital das Clínicas FMUSP APAM 23/06/12 Fibrose Cística Situação no Brasil

Leia mais

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES

Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva INSTRUÇÕES Assistência Farmacêutica Pesquisador em Saúde Pública Prova Discursiva 1. Você recebeu do fiscal o seguinte material: INSTRUÇÕES a) Este Caderno de Questões contendo o enunciado das 2 (duas) questões da

Leia mais

EXERCÍCIOS - BIOLOGIA - GENÉTICA

EXERCÍCIOS - BIOLOGIA - GENÉTICA EXERCÍCIOS - BIOLOGIA - GENÉTICA. (Ueg 205) Em uma população hipotética de estudantes universitários, 36% dos indivíduos são considerados míopes. Sabendo-se que esse fenótipo é associado a um alelo recessivo

Leia mais

CAPÍTULO 14. InFERTILIDADE MASCULInA. 1. INTRODUçãO

CAPÍTULO 14. InFERTILIDADE MASCULInA. 1. INTRODUçãO CAPÍTULO 14 InFERTILIDADE MASCULInA 1. INTRODUçãO Aproximadamente 15% dos casais se tornam incapazes de conceber após um ano de relações sexuais desprotegidas. O fator masculino é responsável exclusivo

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 8 nº 12 2013. Síndrome do X Frágil

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 8 nº 12 2013. Síndrome do X Frágil Cadernos de Informação Científica Ano 8 nº 12 2013 Síndrome do X Frágil C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a definição e causas A síndrome do X frágil (SXF), também conhecida como

Leia mais

Mecanismos de Herança

Mecanismos de Herança Mecanismos de Herança Andréa Trevas Maciel Guerra Depto. De Genética Médica FCM - UNICAMP Mecanismo de Herança Conceitos básicos Herança Monogênica Herança mitocondrial Imprinting Autossomos (1 a 22) Autossomos

Leia mais

O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário

O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário O albinismo é uma doença metabólica hereditária, resultado de disfunção gênica na produção de melanina. Para que a doença se manifeste é necessário que a mutação esteja em homozigose (doença autossômica

Leia mais

Diagnóstico da Fibrose Quística em Idade Pediátrica e no Adulto. Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt)

Diagnóstico da Fibrose Quística em Idade Pediátrica e no Adulto. Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt) NÚMERO: 031/2012 DATA: 28/12/2012 ATUALIZAÇÃO: 30/07/2015 ASSUNTO: Diagnóstico da Fibrose Quística em Idade Pediátrica e no Adulto PALAVRAS-CHAVE: Fibrose Quística PARA: Médicos do Sistema de Saúde CONTACTOS:

Leia mais

Cristiane Boé Residente de 3º Ano Disciplina de Gastroenterologia Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina - UNIFESP

Cristiane Boé Residente de 3º Ano Disciplina de Gastroenterologia Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina - UNIFESP Cristiane Boé Residente de 3º Ano Disciplina de Gastroenterologia Departamento de Pediatria Escola Paulista de Medicina - UNIFESP A função pancreática normal garante efetiva digestão e absorção de nutrientes.

Leia mais

Circular 258/2015 São Paulo, 30 de Julho de 2015. GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução SS - 73, de 29-7-2015

Circular 258/2015 São Paulo, 30 de Julho de 2015. GABINETE DO SECRETÁRIO Resolução SS - 73, de 29-7-2015 Circular 258/2015 São Paulo, 30 de Julho de 2015. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) PROTOCOLO CLÍNICO, DE DIRETRIZES TERAPÊUTICAS E DE DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DA FIBROSE CÍSTICA (FC) Diário Oficial do Estado

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e Saúde. Aula 15.1 Conteúdo: Mutações gênicas e cromossômicas.

Unidade IV Ser Humano e Saúde. Aula 15.1 Conteúdo: Mutações gênicas e cromossômicas. Unidade IV Ser Humano e Saúde. Aula 15.1 Conteúdo: Mutações gênicas e cromossômicas. 2 Habilidade: Conceituar mutações gênicas e cromossômicas, compreendendo como podem influenciar nossas vidas. 3 REVISÃO

Leia mais

Sobre a alteração cromossômica referida no texto, afirma-se que:

Sobre a alteração cromossômica referida no texto, afirma-se que: 01 - (UEPA) Pela primeira vez, cientistas conseguiram identificar uma maneira de neutralizar a alteração genética responsável pela Síndrome de Down. Em um estudo feito com células de cultura, pesquisadores

Leia mais

Hereditariedade e cancer de mama Mutacoes e Polimorfismos

Hereditariedade e cancer de mama Mutacoes e Polimorfismos Hereditariedade e cancer de mama Mutacoes e Polimorfismos Dr. Jose Claudio Casali da Rocha Laboratorio Mantis Diagnosticos Avancados IOP Instituto de Oncologia do Parana Hospital Erasto Gaertner PUC-PR

Leia mais

ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL

ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL ABORDAGEM DO CASAL INFÉRTIL DEFINIÇÃO Infertilidade é a incapacidade do casal engravidar, após um ano de relações sexuais regulares, sem uso de método contraceptivos. A chance de um casal normal engravidar

Leia mais

Mutações. Escola Secundária Quinta do Marquês. Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014

Mutações. Escola Secundária Quinta do Marquês. Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014 Escola Secundária Quinta do Marquês Mutações Disciplina: Biologia e Geologia Professor: António Gonçalves Ano letivo: 2013/2014 Trabalho realizado por: Bárbara Dória, nº4, 11ºB Definição de mutação As

Leia mais

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você!

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! CANAL MÉDICO Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! A equipe do canal médico do laboratório Alvaro, é formada por bioquímicos, biomédicos e médicos com grande experiência

Leia mais

Glossário genético. Informação para doentes e familiares. Revisão do texto e tradução de Jorge Sequeiros. Agosto 2008

Glossário genético. Informação para doentes e familiares. Revisão do texto e tradução de Jorge Sequeiros. Agosto 2008 12 Glossário genético Revisão do texto e tradução de Jorge Sequeiros Agosto 2008 Modificado a partir de um glossário originalmente produzido por London IDEAS Genetic Knowledge Park. Este trabalho foi apoiado

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: ( ) Fundamental (x) Médio SÉRIE: _3ª TURMA: TURNO: DISCIPLINA: _BIOLOGIA PROFESSOR: Silas Miranda 01- A genealogia abaixo apresenta

Leia mais

O alelo para a hemoglobina S (cadeia β ) é recessivo. Os indivíduos heterozigóticos (Hb A Hb S ), portadores, são resistentes à malária.

O alelo para a hemoglobina S (cadeia β ) é recessivo. Os indivíduos heterozigóticos (Hb A Hb S ), portadores, são resistentes à malária. Mutação O alelo para a hemoglobina S (cadeia β ) é recessivo. Os indivíduos heterozigóticos (Hb A Hb S ), portadores, são resistentes à malária. Introdução Agentes internos ou externos causam alterações

Leia mais

A CONDUTA DO ENFERMEIRO NO CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO COM DIAGNÓSTICO DE DISTROFIA TORÁCICA ASFIXIANTE (SÍNDROME DE JEUNE)

A CONDUTA DO ENFERMEIRO NO CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO COM DIAGNÓSTICO DE DISTROFIA TORÁCICA ASFIXIANTE (SÍNDROME DE JEUNE) A CONDUTA DO ENFERMEIRO NO CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO COM DIAGNÓSTICO DE DISTROFIA TORÁCICA ASFIXIANTE (SÍNDROME DE JEUNE) Fabrício Martins Machado Carrijo (fmartinsmachadocarrijo@gmail.com); Mônica de Oliveira

Leia mais

Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior

Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior ESPECIALIZAÇÃO EM MICROBIOLOGIA APLICADA CASCAVEL - 2009 Infecção Bacteriana Aguda do Trato Respiratório Inferior Profa. Vera Lucia Dias Siqueira Bacteriologia Clínica DAC - UEM Sistema Respiratório Pneumonias

Leia mais

Fibrose cística ARTIGO DE REVISÃO. Cystic fibrosis. Francisco J. C. Reis 1, Neiva Damaceno 2. Resumo. Abstract

Fibrose cística ARTIGO DE REVISÃO. Cystic fibrosis. Francisco J. C. Reis 1, Neiva Damaceno 2. Resumo. Abstract S76 Jornal de Pediatria - Vol. 74, Supl. 1, 1998 0021-7557/98/74 - Supl.1/S76 Jornal de Pediatria Copyright 1998 by Sociedade Brasileira de Pediatria ARTIGO DE REVISÃO Fibrose cística Cystic fibrosis Francisco

Leia mais

ANA CLAUDIA VERAS MATTAR. Teste do suor para diagnóstico de Fibrose Cística : comparação do teste clássico com o teste simplificado

ANA CLAUDIA VERAS MATTAR. Teste do suor para diagnóstico de Fibrose Cística : comparação do teste clássico com o teste simplificado ANA CLAUDIA VERAS MATTAR Teste do suor para diagnóstico de Fibrose Cística : comparação do teste clássico com o teste simplificado Dissertação apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de São

Leia mais

A presentamos, a seguir, a descrição dos

A presentamos, a seguir, a descrição dos PROPOSTAS PARA DESENVOLVER EM SALA DE AULA NÚMERO 5 JULHO DE 1997 EDITORA MODERNA ANALISANDO CARIÓTIPOS HUMANOS ABERRANTES J. M. Amabis* * e G. R. Martho Este folheto complementa e amplia as atividades

Leia mais

SÍNDROME DE USHER: ESTUDO CLÍNICO E GENÉTICO NA ESPANHA

SÍNDROME DE USHER: ESTUDO CLÍNICO E GENÉTICO NA ESPANHA SÍNDROME DE USHER: ESTUDO CLÍNICO E GENÉTICO NA ESPANHA Conceito A Síndrome de Usher é um grupo de doenças hereditárias (autossômicas recessivas) caracterizada por surdez neurosensorial com ou sem disfunção

Leia mais

Acta Urológica. Urologia e Medicina Familiar. Infertilidade Conjugal. Avaliação do factor masculino. Luís Ferraz. Separata Volume 23 Número 4 2006

Acta Urológica. Urologia e Medicina Familiar. Infertilidade Conjugal. Avaliação do factor masculino. Luís Ferraz. Separata Volume 23 Número 4 2006 Associação Portuguesa de Urologia Separata Volume 23 Número 4 2006 Acta Urológica Urologia e Medicina Familiar Infertilidade Conjugal Avaliação do factor masculino Director Editor Editores Adjuntos Francisco

Leia mais

Paramiloidose: Prof. Dr. Corino de Andrade

Paramiloidose: Prof. Dr. Corino de Andrade Amiloidose Polineuropatia amiloidótica familiar As doenças amiloidóticas As Amiloidoses são um grupo de doenças definido pela presença de depósitos de proteína insolúvel (fibrilas) nos tecidos. As Polineuropatias

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA. Bebé Medicamento. Lisboa, 20 de Maio de 2010

FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA. Bebé Medicamento. Lisboa, 20 de Maio de 2010 FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA DISCIPLINA DE ÉTICA E DEONTOLOGIA MÉDICA Bebé Medicamento Lisboa, 20 de Maio de 2010 Ana Rita Coelho nº 3492; Andreia Mercier Nunes nº3928; Sandra Paulo nº 10791 Bebé Medicamento

Leia mais

ESPERMOGRAMA e BANCO DE SÊMEN BS-HIAE

ESPERMOGRAMA e BANCO DE SÊMEN BS-HIAE ESPERMOGRAMA e BANCO DE SÊMEN BS-HIAE ESPERMOGRAMA! COLETA DO SÊMEN! ANÁLISE MACROSCÓPICA! ANÁLISE MICROSCÓPICA! ANÁLISE DA VITALIDADE! ANÁLISE MORFOLÓGICA! ANÁLISE DAS CÉLULAS REDONDAS! ANÁLISE BIOQUÍMICA!

Leia mais

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 42. Recomendação

Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n 42. Recomendação TESTE DO SUOR COM DOSAGEM DE CLORETO PARA DIAGNÓSTICO DA FIBROSE CÍSTICA Demandante: Departamento de Atenção Especializada/Secretaria de Atenção à Saúde DAE/SAS/MS 1. A DOENÇA A fibrose cística (FC), também

Leia mais

Unidade 7. Reprodução e hereditariedade

Unidade 7. Reprodução e hereditariedade Unidade 7 Reprodução e hereditariedade O ESTUDO DA HEREDITARIEDADE Teoria da pré-formação ou Progênese: dentro de cada semente (gameta) existiam miniaturas de seres humanos, chamados homúnculos. Gregor

Leia mais

Possibilidades Clínicas Atuais para Terapia Gênica e de Células Tronco no Tratamento da Fibrose Cística e Outras Doenças Genéticas

Possibilidades Clínicas Atuais para Terapia Gênica e de Células Tronco no Tratamento da Fibrose Cística e Outras Doenças Genéticas Possibilidades Clínicas Atuais para Terapia Gênica e de Células Tronco no Tratamento da Fibrose Cística e Outras Doenças Genéticas Preparado Por Dace Shugg Professor Bob Williamson AO, FRS Professor de

Leia mais

Genética Humana. Faculdade Anísio Teixeira. Prof João Ronaldo Neto

Genética Humana. Faculdade Anísio Teixeira. Prof João Ronaldo Neto Genética Humana Faculdade Anísio Teixeira Prof João Ronaldo Neto Jan/2012 Herança Multifatorial Herança Monogênica Herança Cromossômica Padrões de Herança Distúrbios Monogênicos São determinados por um

Leia mais

A Importância da Biópsia Testicular Diagnóstica no Estudo do Doente Azoospérmico

A Importância da Biópsia Testicular Diagnóstica no Estudo do Doente Azoospérmico Acta Urológica 2004, 21; 4: 27-31 27 A Importância da Biópsia Testicular Diagnóstica no Estudo do Doente Azoospérmico Vitor Moreira da Silva*, Luís Ferraz** *Interno Complementar Urologia, ULS Matosinhos

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial da Fibrose Cística

Diagnóstico Laboratorial da Fibrose Cística UNIVERSIDADE DO ALGARVE Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Química e Farmácia Diagnóstico Laboratorial da Fibrose Cística Ana Sofia Falcão Espadinha Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas

Leia mais

Milagre do Nascimento

Milagre do Nascimento Milagre do Nascimento A ciência colabora com o sonho de casais que não poderiam ter filhos por métodos tradicionais. Por Viviane Bittencourt A inseminação artificial é um dos métodos da reprodução assistida

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

Lista de Exercícios Herança Sexual

Lista de Exercícios Herança Sexual Meus queridos alunos, preparei para vocês uma lista de atividades abordando o conteúdo estudado por nós esta semana. Espero que vocês aproveitem o final de semana para resolver esses exercícios segundo

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Fuvest 92) Nos anos 40, o famoso cineasta Charlie ChapIin foi acusado de ser o pai de uma criança, fato que ele não admitia. Os exames de sangue revelaram que a mãe era do grupo A, a criança do grupo

Leia mais

Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho

Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) Ano 04 - Edição 26 - Agosto / Setembro de 2010 Artigo Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho por Sílvia Neto Jardim

Leia mais

Biologia: Genética e Mendel

Biologia: Genética e Mendel Biologia: Genética e Mendel Questão 1 A complexa organização social das formigas pode ser explicada pelas relações de parentesco genético entre os indivíduos da colônia. É geneticamente mais vantajoso

Leia mais

Escola Estadual Dr. Pedro Afonso de Medeiros

Escola Estadual Dr. Pedro Afonso de Medeiros Escola Estadual Dr. Pedro Afonso de Medeiros Professora Amara Maria Pedrosa Silva Aluno(a) nº: Aluno(a) nº: Aluno(a) nº: Série: 3ª Curso Turma: Data: / / Trabalho de Biologia 2ª Unidade QUESTÃO 001 (UFMS)

Leia mais

DEGUSTAÇÃO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO COM FIBROSE CÍSTICA INTRODUÇÃO

DEGUSTAÇÃO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO COM FIBROSE CÍSTICA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO RECÉM-NASCIDO COM FIBROSE CÍSTICA GEISA DOS SANTOS LUZ ELLEN DAYANE CARGNIN PIMENTEL SANDRA MARISA PELLOSO MARIA DALVA DE BARROS CARVALHO A fibrose cística (FC),

Leia mais

O valor de testes pré-natais não invasivos (TPNI). Um suplemente ao livreto do Conselheiro Genético

O valor de testes pré-natais não invasivos (TPNI). Um suplemente ao livreto do Conselheiro Genético O valor de testes pré-natais não invasivos (TPNI). Um suplemente ao livreto do Conselheiro Genético TPNIs usam DNA livre de células. Amostra de sangue materno cfdna materno cfdna fetal TPNIs usam DNA livre

Leia mais

DIRETRIZES PARA O DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE MASCULINA

DIRETRIZES PARA O DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE MASCULINA DIRETRIZES PARA O DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE MASCULINA (Texto atualizado em Fevereiro 2012) Jungwirth A, Diemer T, Dohle GR, Giwercman A, Kopa Z, Krausz C, Tournaye H Eur Urol 2002 Oct;42(4):313-22.

Leia mais

HEREDOGRAMAS. 1) Analisando a genealogia adiante, responda:

HEREDOGRAMAS. 1) Analisando a genealogia adiante, responda: HEREDOGRAMAS 1) Analisando a genealogia adiante, responda: a) Qual a probabilidade de o indivíduo 3 ser heterozigoto? b) Qual a probabilidade de o indivíduo 5 ser homozigoto recessivo? c) Qual a probabilidade

Leia mais

I Simpósio Regional de Enfermagem de Jundiaí Assistência de Enfermagem Segura: Experiências e Desafios SAÚDE DA MULHER E DO RECÉM-NASCIDO

I Simpósio Regional de Enfermagem de Jundiaí Assistência de Enfermagem Segura: Experiências e Desafios SAÚDE DA MULHER E DO RECÉM-NASCIDO SAÚDE DA MULHER E DO RECÉM-NASCIDO ID: 97 EFEITOS DO ÁLCÓOL DURANTE A GRAVIDEZ- SÍNDROME ALCÓOLICA FETAL Mércia Regiane Luis (FACCAMP) Prof. Ms. Fabio Amorim (FACCAMP) Prof. Dra. Simone Manzolli (FACCAMP)

Leia mais

A Função da proteína CFTR e as alterações produzidas pelas diferentes classes de mutações do gene CFTR

A Função da proteína CFTR e as alterações produzidas pelas diferentes classes de mutações do gene CFTR A Função da proteína FTR e as alterações produzidas pelas diferentes classes de mutações do gene FTR Giselda MK abello Laboratório de Genética Humana IO/Fiocruz Função da FTR A proteína FTR: 1480 aa, 5

Leia mais

Mutações e Aberrações Cromossômicas

Mutações e Aberrações Cromossômicas Mutações e Aberrações Cromossômicas Aula 32, 33 e 34 Aspectos Conceituais e Rotas Metabólicas Prof. Antonio Márcio Teodoro Cordeiro Silva, M.Sc. Mutação Mutações são modificações casuais do material genético,

Leia mais

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos.

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos. Questão 1 Você é um imunologista que quer ficar rico e decide deixar o mundo da ciência, conseguindo um emprego como consultor de roteiro em um novo seriado de drama médico. Você avalia o conhecimento

Leia mais

PROPOSTA DE TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM AMBIENTE AQUÁTICO PARA PACIENTES COM FIBROSE CÍSTICA: UM ESTUDO DE CASO

PROPOSTA DE TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM AMBIENTE AQUÁTICO PARA PACIENTES COM FIBROSE CÍSTICA: UM ESTUDO DE CASO UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE FISIOTERAPIA SARA DA SILVA DE MATOS PROPOSTA DE TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO EM AMBIENTE AQUÁTICO PARA PACIENTES COM FIBROSE CÍSTICA: UM ESTUDO DE

Leia mais

TAC: INFERTILIDADE CONJUGAL. 12º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade Belém-PA 31 de maio de 2013 Zeliete Zambon

TAC: INFERTILIDADE CONJUGAL. 12º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade Belém-PA 31 de maio de 2013 Zeliete Zambon TAC: INFERTILIDADE CONJUGAL 12º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade Belém-PA 31 de maio de 2013 Zeliete Zambon Brasil Região Metropolitana de Campinas Estado de São Paulo Município

Leia mais

AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X

AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: DOENÇA

Leia mais

O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL

O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Curso: Enfermagem, Nutrição e TO Conceitos Básicos Conceitos Básicos Conceitos Básicos

Leia mais

V Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE

V Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE V Congresso de Iniciação Científica do IAMSPE São Paulo 17/11/2011 Estudo genético da síndrome de Birt- Hogg-Dubé (variante Hornstein- Knickenberg) Bolsista: Sergio Aparecido do Amaral Junior (Faculdade

Leia mais

BIOLOGIA Transmissão da Vida Exercícios complementares Heranças sexuais e aneuploidias

BIOLOGIA Transmissão da Vida Exercícios complementares Heranças sexuais e aneuploidias 01 - (PUC RS) Abaixo estão representados cinco núcleos de células somáticas e cada ponto escuro corresponde à cromatina sexual. Qual destes núcleos poderia, com mais probabilidade, ser encontrado em um

Leia mais

Mutação e Engenharia Genética

Mutação e Engenharia Genética Mutação e Engenharia Genética Aula Genética - 3º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Mutações erros não programados que ocorrem durante o processo de autoduplicação do DNA e

Leia mais

Grupo de Rastreio e Intervenção da Surdez Infantil GRISI Documento de Trabalho

Grupo de Rastreio e Intervenção da Surdez Infantil GRISI Documento de Trabalho Grupo de Rastreio e Intervenção da Surdez Infantil GRISI Documento de Trabalho PARTICIPANTES: Adelina Lopes Motta da Cruz Enfermeira Ana Sena Alvarenga Audiologista Eunice Soares - Pediatra Eusébio Gamez

Leia mais

CAPÍTULO 7. EFEITO DA PREVENÇÃO DE DOENÇAS GENÉTICAS SOBRE AS FREQÜÊNCIAS GÊNICAS

CAPÍTULO 7. EFEITO DA PREVENÇÃO DE DOENÇAS GENÉTICAS SOBRE AS FREQÜÊNCIAS GÊNICAS CAPÍTULO 7. EFEITO DA PREVENÇÃO DE DOENÇAS GENÉTICAS SOBRE AS FREQÜÊNCIAS GÊNICAS O aconselhamento genético e os programas de prevenção de doenças genéticas têm objetivos distintos. Uma das metas prioritárias

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A INVESTIGAÇÃO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE MASCULINA

ORIENTAÇÕES PARA A INVESTIGAÇÃO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE MASCULINA ORIENTAÇÕES PARA A INVESTIGAÇÃO E TRATAMENTO DA INFERTILIDADE MASCULINA G.R. Dohle, Z. Kopa, A. Jungwirth, T.B. Hargreave. Definição Infertilidade é a incapacidade de um casal sexualmente activo, que não

Leia mais

Neurociência e Saúde Mental

Neurociência e Saúde Mental 1 O QUE É DEFICIÊNCIA MENTAL OU INTELECTUAL http://www.apaesp.org.br/sobreadeficienciaintelectual A Deficiência Intelectual, segundo a Associação Americana sobre Deficiência Intelectual do Desenvolvimento

Leia mais

PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert

PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert PLANO DE AULA Autores: Ana Paula Farias Waltrick, Stephanie Caroline Schubert 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nível de Ensino: Ensino Médio Ano/Série: 3º ano Disciplina: Biologia Quantidade de aulas: 2 2. TEMA

Leia mais

GENÉTICA E CÂNCER. Para que a carcinogênese ocorra são necessárias algumas condições, entre elas:

GENÉTICA E CÂNCER. Para que a carcinogênese ocorra são necessárias algumas condições, entre elas: GENÉTICA E CÂNCER O câncer é uma doença genética, independentemente de ocorrer de forma esporádica ou hereditária, pois a carcinogênese sempre inicia com danos no DNA. Geralmente, esses danos são potencializados

Leia mais

Síndrome de Williams. microdeleções no cromossomo 7

Síndrome de Williams. microdeleções no cromossomo 7 Nos últimos anos, graças às técnicas de biologia molecular, os cientistas vêm constatando que diversas doenças caracterizadas por deficiências mentais e anormalidades físicas estão associadas à ausência

Leia mais

Tratamentos convencionais

Tratamentos convencionais CAPÍTULO 17 Tratamentos convencionais A indicação terapêutica baseia-se na história clínica do casal, juntamente com a avaliação da pesquisa básica laboratorial. Levase também em consideração a ansiedade

Leia mais

GENÉTICA MENDELIANA ou GENÉTICA QUALITATIVA

GENÉTICA MENDELIANA ou GENÉTICA QUALITATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA DISCIPLINA DE GENÉTICA GENÉTICA MENDELIANA ou GENÉTICA QUALITATIVA Profa. Dra. Mônica Gusmão Engenheira Agrônoma Profa. Mônica Gusmão PERGUNTAS FUNDAMENTAIS DOS PADRÕES

Leia mais

As Mutações. Aumento da biodiversidade

As Mutações. Aumento da biodiversidade As Mutações Aumento da biodiversidade Mutações As mutações são espontâneas e podem ser silenciosas, ou seja, não alterar a proteína ou sua ação. Podem ainda ser letais, quando provocam a morte, ou ainda

Leia mais

MICRODELEÇÃO DO CROMOSSOMO Y

MICRODELEÇÃO DO CROMOSSOMO Y ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 MICRODELEÇÃO DO CROMOSSOMO Y Betty C. Kuhn 1 ; Caroline A. Gonçalves 2 ; Adriana Zilly 3 RESUMO:

Leia mais

Mutações Cromossômicas Variações no número de cromossomos MSc. Marcos Vinicius Viana de Oliveira

Mutações Cromossômicas Variações no número de cromossomos MSc. Marcos Vinicius Viana de Oliveira Genética Básica Mutações Cromossômicas Variações no número de cromossomos MSc. Marcos Vinicius Viana de Oliveira Definições importantes Organismo euplóide: organismo com número de cromossomos que é um

Leia mais

BRONQUIECTASIAS Algoritmo diagnóstico 5ª Reunião do Núcleo de Estudos de Bronquiectasias da SPP

BRONQUIECTASIAS Algoritmo diagnóstico 5ª Reunião do Núcleo de Estudos de Bronquiectasias da SPP BRONQUIECTASIAS Algoritmo diagnóstico 5ª Reunião do Núcleo de Estudos de Bronquiectasias da SPP 24 de Maio de 2014 Adelina Amorim Chest 1949;15:208-21 Bronquiectasias Era préantibiótica Era pósantibiótica

Leia mais

Hereditariedade recessiva

Hereditariedade recessiva 12 Hereditariedade recessiva Revisão do texto e tradução de Jorge Sequeiros Agosto 2008 Modificado a partir de folhetos produzidos pelo Guy s and St Thomas Hospital, London; e o London IDEAS Genetic Knowledge

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I

DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I DESENVOLVENDO HABILIDADES EM GENÉTICA - PARTE I Leia o texto abaixo com atenção. Considere que, nos pombos, a ausência de s é condicionada geneticamente. Nos cruzamentos que um criador realizava, ele observou

Leia mais

MARCADORES TUMORAIS EM DESTAQUE

MARCADORES TUMORAIS EM DESTAQUE Adriana Helena Sedrez Farmacêutica Bioquímica Especialista em Microbiologia Clínica pela PUC-PR Coordenadora do setor de Hematologia Clínica, responsável pelo Atendimento ao Cliente e gerente de Recursos

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 55 HERANÇA LIGADA AO SEXO

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 55 HERANÇA LIGADA AO SEXO BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 55 HERANÇA LIGADA AO SEXO Mulher portadora Homem não afectado Gene normal Gene alterado Mulher portadora Mulher não afectada Homem não afectado Homem afectado Homem afectado

Leia mais

FIBROSE QUÍSTICA (FQ) Guia para Pais e Família

FIBROSE QUÍSTICA (FQ) Guia para Pais e Família FIBROSE QUÍSTICA (FQ) Guia para Pais e Família INTRODUÇÃO O QUE É A FQ? Este folheto foi concebido de modo a proporcionar uma melhor compreensão da FQ, quer aos doentes em si, quer aos familiares mais

Leia mais

Primeira Lei de Mendel e Heredograma

Primeira Lei de Mendel e Heredograma Primeira Lei de Mendel e Heredograma 1. (UFC-2006) Leia o texto a seguir. A Doença de Alzheimer (D.A.) (...) é uma afecção neurodegenerativa progressiva e irreversível, que acarreta perda de memória e

Leia mais

ANOMALIAS CROMOSSÔMICAS SEXUAIS

ANOMALIAS CROMOSSÔMICAS SEXUAIS ANOMALIAS CROMOSSÔMICAS SEXUAIS As anomalias cromossômicas sexuais ocorrem em virtude de meioses atípicas durante o processo da gametogênese, isto é, a produção de gametas (espermatozoide e óvulo). Especificamente

Leia mais

I. Os anticorpos são transferidos através da placenta.

I. Os anticorpos são transferidos através da placenta. Revisão para recuperação Questão 01) A descoberta dos sistemas sanguíneos ABO e Rh teve grande impacto na área médica, pois permitiu realizar transfusões de sangue apenas entre pessoas de grupos sanguíneos

Leia mais

A síndrome ocorre em cerca de um para cada 100 a 160 mil nascimentos. Especialistas atribuem o acidente genético à idade avançada dos pais.

A síndrome ocorre em cerca de um para cada 100 a 160 mil nascimentos. Especialistas atribuem o acidente genético à idade avançada dos pais. Síndrome de Apert O que é Síndrome de Apert? A síndrome de Apert é uma desordem genética que causa desenvolvimento anormal da caixa craniana. Bebês com síndrome de Apert nascem com a cabeça e a face com

Leia mais

Serviço Especial de Genética Ambulatório de Fenilcetonúria - HC Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico - NUPAD Faculdade de Medicina / UFMG

Serviço Especial de Genética Ambulatório de Fenilcetonúria - HC Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico - NUPAD Faculdade de Medicina / UFMG Serviço Especial de Genética Ambulatório de Fenilcetonúria - HC Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico - NUPAD Faculdade de Medicina / UFMG FENILCETONÚRIA HIPERFENILALANINEMIAS Níveis sangüíneos

Leia mais

TEMA ORGANIZADOR: Saúde individual e comunitária

TEMA ORGANIZADOR: Saúde individual e comunitária TEMA ORGANIZADOR: Saúde individual e comunitária UNIDADE TEMÁTICA: Saúde N.º DE Saúde Individual e Comunitária. - Desenvolvimento do conceito de saúde Definição de Saúde pela O.M.S..2 -Medidas para a promoção

Leia mais

03. Em fevereiro deste ano, um grupo de pesquisadores divulgou ao mundo a ovelha Dolly, obtido por meio da técnica de clonagem.

03. Em fevereiro deste ano, um grupo de pesquisadores divulgou ao mundo a ovelha Dolly, obtido por meio da técnica de clonagem. 01. Clones são seres vivos obtidos pelo desenvolvimento de células retiradas de indivíduos já existentes. A clonagem é um processo que vem sendo desenvolvido rapidamente com vários organismos e, em humanos,

Leia mais

ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL

ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL Investigação Imagens Anomalias obstrutivas do trato urinário Obstrução da junção ureteropélvica Obstrução

Leia mais

Diagnóstico de hemoglobinopatias pela triagem neonatal

Diagnóstico de hemoglobinopatias pela triagem neonatal 1º Congresso Médico de Guarulhos Práticas Clínicas no SUS 5 a 7 novembro de 2015 Diagnóstico de hemoglobinopatias pela triagem neonatal Dra Christiane M. S. Pinto Hematologista Pediatrica HMCA Guarulhos

Leia mais

Imagem da Semana: Ultrassonografia abdominal

Imagem da Semana: Ultrassonografia abdominal Imagem da Semana: Ultrassonografia abdominal Figura 1: US abdominal mostrando a bifurcação portal Figura 2: US abdominal mostrando a vesícula biliar Figura 3: US abdominal mostrando região do hipocôndrio

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida sempre em defesa do aperfeiçoamento das práticas e da observância aos princípios éticos e bioéticos

Leia mais

Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Saúde Área Técnica de Saúde da Mulher

Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Saúde Área Técnica de Saúde da Mulher Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal de Saúde Área Técnica de Saúde da Mulher PROTOCOLO PARA O FORNECIMENTO DE CONTRACEPTIVOS REVERSÍVEIS NA REDE DE ATENÇÃO BÁSICA DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

Centro de Genética Humana

Centro de Genética Humana Centro de Genética Humana Código Designação I - CITOGENÉTICA Preço (euros) 100102 Análise cromossómica de doenças associadas a fracturas, incluindo cultura celular com estimulação por mitomicina C e diepoxibutadieno

Leia mais