PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola"

Transcrição

1 PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola

2 LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente para VOCÊ, a EQUIPE e depois a da VÍTIMA.

3 LEMBRE-SE Uma avaliação do local cena pode auxilar no diagnóstico precoce da gravidade dos ferimentos.

4 Avaliação Primária Rápida: A CONTROLE CERVICAL E VIAS AÉREAS; B RESPIRAÇÃO; C CIRCULAÇÃO E CONTROLE DOS SANGRAMENTOS.

5 Avaliação Primária Rápida: A CONTROLE CERVICAL E VIAS AÉREAS; I. Utilizando uma das mãos segurar a cabeça da vítima como ela foi encontrada, garantindo o controle cervical II. Verificar as vias aéreas(nariz e boca) se houver presença de corpos estranhos, retirar imediatamente: SANGUE ALIMENTOS APARELHOS ORTODÔNTICOS

6 Avaliação Primária Rápida: B RESPIRAÇÃO; I. Verificar se a vítima está respirando(se ela falar significa que está) se não responde, Ver/Ouvir/Sentir Lembrete: O movimento normal respiratório por minuto de uma pessoa adulta é de 12 a 20.

7 C CIRCULAÇÃO E CONTROLE DAS HEMORRAGIAS; CONSCIENTE Avaliação Primária Rápida: I. Utilizando os dedos indicador e médio Verificar o pulso RADIAL (punhos raiz dos polegares) se a vítima estiver consciente, caso contrário, pulso ( pescoço CARÓTIDO.(laterais do II. Verificar visualmente a presença de hemorragias severas, com brevidade executar ( hemorragias suas contenções. (Ver controle de O batimento cardíaco por minuto de uma pessoa adulta é de 60 a 100. INSCONSCIENTE

8 Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Desobstrução Vias Aéreas

9 OBSTRUÇÃO DE VIAS AÉREAS ( ESTRANHO (CORPO Causas mais freqüentes são: * Alimentos; * Próteses dentárias ou fragmentos de dentários; *Balas, chiclets; *Vômito ou sangue. ( lactentes *Aspiração de pequenos objetos ou leite regurgitado (em

10 Quando ocorre a obstrução de vias aéreas certamente ela apresentará sinal de asfixia (agarrando o pescoço), incapaz de falar ou tossir e com um grande esforço respiratório. O que vai exigir uma ação rápida da Manobra de Heimlich ( abdominal (compressão

11 CONHECENDO A MANOBRA Esta manobra, criada pelo médico Henry Heimlich em Ele era um cirugião torácico, e desenvolveu a técnica ao descobrir que o engasgamento era a sexta causa de morte mais comum nos Estados Unidos. Então a partir daí levou seu nome, que tenta tirar a obstrução da garganta ou traquéia ao utilizar a força do ar que fica preso nos pulmões. Quando uma pessoa está engasgada a técnica ensina que deve-se posicionar atrás da pessoa, fechar o punho e colocá-lo com o polegar estendido entre o umbigo e o osso externo, fazendo força com a outra mão. A pressão feita sobre o diafragma expulsa o ar dos pulmões, liberando as vias aéreas.

12 LEMBRE-SE O que fazer?

13 PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Epilepsia Policial BM Espínola

14 EPILEPSIA É UMA DOENÇA NEUROLÓGICA CRÔNICA, PODENDO SER PROGRESSIVA EM MUITOS CASOS ESTA DOENÇA AFETA 1% DA POPULAÇÃO MUNDIAL. ESTE EVENTO DESENCADEIA UMA DESCARGA ELÉTRICA CEREBRAL DESORGANIZADA QUE SE PROPAGA POR TODAS AS REGIÕES DO CÉREBRO, LEVANDO ALTERAÇÃO DE TODA ATIVIDADE SISTEMA NERVOSO.

15 O QUE FAZER? -Proteger a vítima; -Não restringir os movimentos à força; ( lado -Afastar todos os objetos em redor (fig. ao -Segurar somente a cabeça da vitima; -Não tentar acordá-la; -Não dar nada de beber; -Tentar abrir a boca da vítima para evitar a queda da língua sobre a garganta; -Manter acompanhamento principalmente dos Sinais Vitais até a recuperação completa; -Encaminhar a vitima ao hospital.

16

17 PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Controle das Hemorragias Policial BM Espínola

18 Em média possuímos 7 % de sangue em relação ao peso corporal, ou seja uma pessoa com 80 kg tem em média 5 litros de sangue. O sangue tem entre outras funções o de transportar em sua composição o OXIGÊNIO para as células do corpo. Portanto é de vital importância a interrupção dos sangramentos existente já na abordagem primária.

19 O organismo começa apresentar alterações vitais quando atinge a perda de cerca de 500 ml de sangue e dá -se início ao CHOQUE HIPOVOLÊMICO: LEMBRE-SE PRINCIPAIS SINAIS E SINTONAS FERIMENTO ARMA DE FOGO ( FRACO(FILIFORME PULSO RÁPIDO E -SUDORESE; -HIPOTERMIA; -AGITAÇÃO; -PALIDEZ -HIPOTENSÃO FERIMENTO ARMA BRANCA ( CONSCIENTE - SEDE( SE VÍTIMA Lembrete: Não dar água a vítima

20 O que fazer? O tipo de contenção de hemorragias mais utilizado e eficiente é a PRESSÃO DIRETA.

21 Os objetos que permanecerem no local do ferimento NÃO DEVE SER RETIRADO!!!

22 Fazer curativo imobilizando o objeto.

23 PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Queimaduras Policial BM Espínola

24 QUEIMADURAS Queimaduras são lesões da pele, provocadas pelo calor, radiação, produtos químicos ou certos animais e vegetais, que causam dores fortes e podem levar a infecções.

25 O sangue é composto por diversos elementos(plaquetas, leucócitos, glóbulos) sendo o plasma o de maior volume cerca de 90% (parte líquida do sangue). As queimaduras também promovem a evaporação deste plasma e por consequência ocorre a mesma situação das hemorragias, ou seja há perda volume sanguíneo. Nos grandes extensões de queimaduras os sinais e sintomas são os mesmos do CHOQUE HIPOVOLÊMICO.

26 As queimaduras são classificadas em graus: 1º GRAU: queimaduras que atingem superficialmente a pele: 2º GRAU: queimaduras que atingem a epiderme: 3º GRAU: queimaduras que atingem camadas profundas destruindo até mesmo vasos sanguíneos e sistema sensitivo: LEMBRE-SE

27 O que fazer? Independentemente do grau de profundidade da queimadura e da sua extensão, o primeiro cuidado é a interrupção do contato entre o agente agressor e a superfície corporal. Isso pode ser conseguido com a lavagem da área com água corrente. Esse é o melhor tratamento imediato para a queimadura Hidratar exaustivamente o local com soro fisiológico ou água em temperatura ambiente, orienta-se proteger o ferimento com gaze pré-umedecida. Ocorrendo queimaduras de grandes extensão conduzir ao hospital.

VIAS AÉREAS. Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA

VIAS AÉREAS. Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA VIAS AÉREAS Obstrução por corpo estranho SIATE - SERVIÇO INTEGRADO DE ATENDIMENTO AO TRAUMA EM EMERGÊNCIA OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO PERDA DE CONSCIÊNCIA PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA RECONHECIMENTO

Leia mais

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br

21/6/2011. eduardoluizaph@yahoo.com.br A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS Acionamento do serviço de emergência Antes de iniciar qualquer procedimento, garanta sua segurança e acione o serviço de emergência. 193 192 Fonte:

Leia mais

Gestos que Salvam Vidas..

Gestos que Salvam Vidas.. Gestos que Salvam Vidas.. O que é o SBV (suporte básico de vida)? Conjunto de medidas utilizadas para restabelecer a vida de uma vitima em paragem cardio-respiratória. Com o objectivo de recuperar a vitima

Leia mais

Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis

Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis tivessem mais orientações ou tomassem mais cuidado

Leia mais

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE

CURSO BÁSICO DE SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS EM ELETRICIDADE FUNCIONAMENTO DO CURSO O curso terá duração de 40 horas/aula, composto pelos seguintes módulos: MÓDULO h/a Entendimento da NR-10 4 Análise de Riscos 4 Prevenção Combate a Incêndio e Atmosfera Explosiva

Leia mais

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014

GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 GESTOS QUE SALVAM Departamento de Formação em Emergência Médica janeiro de 2014 Gestos que Salvam O que fazer? EM CASO DE EMERGÊNCIA O QUE FAZER Número Europeu de Emergência LIGAR PARA O NÚMERO EUROPEU

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

CURSO SUPERVISOR DE TRABALHO EM ALTURA

CURSO SUPERVISOR DE TRABALHO EM ALTURA FUNCIONAMENTO DO CURSO O curso terá duração de 40 horas/aula, composto pelos seguintes módulos: MÓDULO h/a Noções de Segurança no Trabalho em Altura 4 Laboratório de Materiais e Equipamentos 4 Gestão de

Leia mais

Frio» Enregelamento dos membros

Frio» Enregelamento dos membros Frio» Enregelamento dos membros O enregelamento é uma situação que resulta da exposição excessiva ao frio ou pelo contacto com objetos extremamente frios. Consiste no congelamento das camadas superficiais

Leia mais

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO

PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA EM RECÉM-NASCIDO Protocolo: Nº 46 Elaborado por: Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Última revisão: 03//2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Samantha Vieira Eduardo Gonçalves PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS

CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS Complicações Cirúrgicas CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E COMPLICAÇÕES PÓS-OPERATÓRIAS 1. Complicações Circulatórias Hemorragias: é a perda de sangue

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO

SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO SEMANA INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO Primeiros Socorros TST FILIPE MUNIZ RODRIGUES Introdução Primeiros Socorros, são as medidas imediatas aplicadas à uma vítima fora do ambiente hospitalar,

Leia mais

AOS SÁBADOS NA ESEC Workshop Como Prestar os Primeiros Socorros : 10/3/2012

AOS SÁBADOS NA ESEC Workshop Como Prestar os Primeiros Socorros : 10/3/2012 AOS SÁBADOS NA ESEC Workshop Como Prestar os Primeiros Socorros : 10/3/2012 Formador: Enfermeiro Paulo Oliveira (HUC) Síntese elaborada por Ana Sofia Frias Quando ligamos para o 112, quem atende a nossa

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA PRIMEIROS SOCORROS CONCEITO TRATAMENTO IMEDIATO E PROVISÓRIO CARACTERÍSTICAS DO SOCORRISTA CONHECIMENTO INICATIVA CONFIANÇA CRIATIVIDADE CALMA SOLIDARIEDADE ESTADO DE CHOQUE HIPOTENSÃO COM ACENTUADA BAIXA

Leia mais

PLANO INSTRUCIONAL. Carga Horária 1:00

PLANO INSTRUCIONAL. Carga Horária 1:00 PLANO INSTRUCIONAL Ação/Atividade: PROMOÇÃO SOCIAL/ PRIMEIROS SOCORROS Carga Horária: 20 HORAS Nº MÍNIMO DE PESSOAS: 12 PESSOAS Nº MÁXIMO: 15 PESSOAS IDADE MINIMA: 16 ANOS Objetivo Geral: PROPORCIONAR

Leia mais

GUIA DE PRIMEIROS SOCORROS

GUIA DE PRIMEIROS SOCORROS GUIA DE PRIMEIROS SOCORROS PREVENT SENIOR Sumário 1. PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR)...1 1.1. Apresentação... 1 1.2. Causas... 1 1.3. Sintomas... 2 1.4. Como agir... 2 2. QUEDAS...2 2.1. Apresentação...

Leia mais

o Ressonar e a Apneia de Sono

o Ressonar e a Apneia de Sono o Ressonar e a Apneia de Sono sintomas diagnóstico tratamento O ressonar apesar de ser comum, fonte de brincadeiras e aceite como normal na população em geral é de facto uma perturbação que não deve ser

Leia mais

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão. Definir:

OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão. Definir: FRATURAS OBJETIVOS Ao final da aula os participantes deverão Definir: * Fratura,luxação e entorse; * Citar 4 sinais ou sintomas que indicam tais lesões; * Citar 2 importantes razões para efetuar a imobilização;

Leia mais

Primeiros Socorros Volume I

Primeiros Socorros Volume I Manual Primeiros Socorros Volume I um Manual de Junho de 2008 Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode

Leia mais

Desportistas. Recomendações para Ondas de Calor. Saúde e Desenolvimento Humano

Desportistas. Recomendações para Ondas de Calor. Saúde e Desenolvimento Humano A prática regular e moderada da actividade física pode trazer benefícios substanciais para a saúde da população, como seja reduzir para metade o risco de doenças coronárias, baixar o risco de desenvolver

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Aula: Corpos Estranhos no Organismo. Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc

Aula: Corpos Estranhos no Organismo. Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc Aula: Corpos Estranhos no Organismo Prof. Enf. Fernando Ramos Gonçalves Msc I- Corpos Estranhos nos Olhos Grande número dos acidentes oculares ocorre na faixa do 5 a 15 anos de idade. 75% das vítimas são

Leia mais

PREV FIRE TREINAMENTOS TV. AGRIPINA DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA SITE:

PREV FIRE TREINAMENTOS TV. AGRIPINA DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA SITE: PREV FIRE TREIMENTOS TV. AGRIPI DE MATOS, 2090, SANTARÉM - PA OBJETIVO DO CURSO Promover a formação da brigada de incêndio, com técnicas, competências, habilidades e valores visando oferecer capacitação

Leia mais

Primeiros Socorros. O que fazer imediatamente após acontecer um acidente?

Primeiros Socorros. O que fazer imediatamente após acontecer um acidente? Primeiros Socorros Dicas de Primeiros Socorros Você não precisa ser um socorrista experiente para conseguir ajudar alguém que se machucou no meio da natureza. Mas algumas coisas são fundamentais ter em

Leia mais

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt

Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. http://www.paulocoutinhopediatra.pt Estes artigos estão publicados no sítio do Consultório de Pediatria do Dr. Paulo Coutinho. Pág. 01 A bronquiolite é uma infeção respiratória causada por vírus, ocorrendo em crianças com menos de 2 anos.

Leia mais

05 Queimaduras em cozinhas

05 Queimaduras em cozinhas 05 Queimaduras em cozinhas As queimaduras mais comuns são as provocadas por líquidos e a maioria das vítimas são as crianças. O álcool líquido está envolvido em grande parte dos acidentes que provocam

Leia mais

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA Dra. Maria Beatriz Silveira Schmitt Silva Coordenadora do SAMU do Vale do Itajaí Coordenadora Médica do SOS Unimed Blumenau Setembro/2010 Revisado em Fevereiro

Leia mais

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano Sistema Circulatório Índice Sangue Coração Ciclo cardíaco Vasos sanguíneos Pequena e grande circulação Sistema linfático Sangue Promove a reparação de tecidos lesionados. Colabora na resposta imunológica

Leia mais

Objetivos. Salvar a vida humana. Minimizar a dor. Evitar complicações

Objetivos. Salvar a vida humana. Minimizar a dor. Evitar complicações Primeiros Socorros Objetivos Salvar a vida humana Minimizar a dor Evitar complicações Abordagem na vítima Verificar Sinais Vitais Verificar se há sangramento, fraturas e etc. Informar-se,se possível o

Leia mais

Choque incapaz perda de sangue

Choque incapaz perda de sangue Choque Profª Karin O bom samaritano Para ser um socorrista é necessário ser um bom samaritano, isto é, aquele que presta socorro voluntariamente, por amor ao seu semelhante. Para tanto é necessário três

Leia mais

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP)

Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) Componente Curricular: Enfermagem Médica Profª Mônica I. Wingert Módulo III Turma 301E Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP) É parada súbita e inesperada da atividade mecânica ventricular útil e suficiente

Leia mais

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS CEREST ESTADUAL Enfª do Trabalho: Thaysa Zago CLASSIFICAÇÃO Inseticidas ou praguicidas: combatem insetos; Fungicidas: atingem os fungos; Herbicidas: matam as plantas

Leia mais

REELABORAÇÃO DA AVALIAÇÃO BIMESTRAL DE CIÊNCIAS

REELABORAÇÃO DA AVALIAÇÃO BIMESTRAL DE CIÊNCIAS REELABORAÇÃO DA AVALIAÇÃO BIMESTRAL DE CIÊNCIAS 2 O BIMESTRE O bocejo geralmente ocorre quando estamos respirando suavemente, sob a ação de poucos estímulos. É o que ocorre quando estamos nos preparando

Leia mais

FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO:

FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO: FISIOLOGIA DA HIDRATAÇÃO: Ed Burke, Phd. Fisiologista do Esporte da Universidade do Colorado (USA). DEFINIÇÃO: Causas de fadiga muscular: - Desidratação: Transpiração, respiração, produção de urina. -

Leia mais

Primeiros Socorros. São ações que cada cidadão pode realizar para ajudar alguém que esteja passando por um momento de risco.

Primeiros Socorros. São ações que cada cidadão pode realizar para ajudar alguém que esteja passando por um momento de risco. PRIMEIROS SOCORROS Primeiros Socorros São ações que cada cidadão pode realizar para ajudar alguém que esteja passando por um momento de risco. Há um conjunto de procedimentos de emergências para vítima

Leia mais

hidratação ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS

hidratação ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS hidratação ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS O NOSSO CORPO É CONSTITUÍDO NA MAIOR PARTE POR ÁGUA A ÁGUA É O PRINCIPAL CONSTITUINTE DO ORGANISMO, É ESSENCIAL PARA A VIDA E TEM

Leia mais

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar

Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Enf: Karin Scheffel Diretrizes de reanimação cardiopulmonar Atendimento inicial suporte básico (BLS) ou suporte primário Atendimento avançado ACLS (Circulation. 2010;122[suppl 3]:S787 S817.) http://circ.ahajournals.org/content/122/18_suppl_3/s787.full

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS Parte IV P R O T O C O L O S D E T R A U M A [213] rotina consiste em infundir 20 ml/kg em bolus de solução de Ringer e reavaliar o paciente em seguida. Manter a pressão sistólica entre 90 e 100 mmhg.

Leia mais

PARASIL N90 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA

PARASIL N90 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA PARASIL N90 SELANTE DE SILICONE NEUTRO 1. IDENTIFICAÇÃO DA SUBSTÂNCIA / PREPARAÇÃO E DA COMPANHIA / EMPRESA Nome do Produto: Nome da Companhia: PARASIL N90 MACROFLEX COMERCIAL LTDA. RUA DONA ALZIRA, 765

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: PLANO DE CONTINGÊNCIA PARA ONDAS DE CALOR 2009 RECOMENDAÇÕES PARA DESPORTISTAS Nº: 29/DA DATA: 04/08/09 Para: Contacto na DGS: Todos os Estabelecimentos de Saúde Divisão de Saúde Ambiental INTRODUÇÃO

Leia mais

Capítulo 25. Emergências Pediátricas. Capítulo 25. Emergências Pediátricas 1. OBJETIVOS

Capítulo 25. Emergências Pediátricas. Capítulo 25. Emergências Pediátricas 1. OBJETIVOS Capítulo 25 Emergências Pediátricas 1. OBJETIVOS No final da sessão os formandos deverão ser capazes de: Listar e descrever as emergências médicas mais frequentes; Listar e descrever os cuidados gerais

Leia mais

CURSO SUPERVISOR EM ESPAÇO CONFINADO

CURSO SUPERVISOR EM ESPAÇO CONFINADO FUNCIONAMENTO DO CURSO O curso terá duração de 40 horas/aula, composto pelos seguintes módulos: MÓDULO h/a Entendimento da NR-33 4 Análise de Riscos 4 Permissões de Trabalho e Bloqueio de Energias 4 Proteção

Leia mais

INTRODUÇÃO DE ENFERMAGEM I

INTRODUÇÃO DE ENFERMAGEM I INTRODUÇÃO DE ENFERMAGEM I A Sistematização da Assistência de Enfermagem SAE É uma atividade privativa do enfermeiro, utilizam método e estratégia de trabalho, baseados em princípios científicos, para

Leia mais

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos

Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS. HISTOLOGIA = estudo dos tecidos Níveis de organização do corpo humano - TECIDOS HISTOLOGIA = estudo dos tecidos TECIDOS Grupos de células especializadas, semelhantes ou diferentes entre si, e que desempenham funções específicas. Num

Leia mais

FERIMENTOS. Classificação dos ferimentos abertos

FERIMENTOS. Classificação dos ferimentos abertos FERIMENTOS Ferimentos são lesões resultantes de agressão sobre as partes moles, provocadas por um agente traumático, acarretando dano tecidual. Podem ser classificados em abertos ou fechados, superficiais

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS ASHI

PRIMEIROS SOCORROS ASHI PRIMEIROS SOCORROS ASHI Alteração de Protocolo A American Heart Association é uma entidade americana responsável por grande parte dos protocolos de primeiros socorros e emergências médicas que são utilizados

Leia mais

DEFESA CIVIL NA ESCOLA SOCORROS DE URGENCIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS

DEFESA CIVIL NA ESCOLA SOCORROS DE URGENCIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DEFESA CIVIL NA ESCOLA SOCORROS DE URGENCIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS 1 SOCORROS DE URGÊNCIA... 4 1.ANATOMIA E FISIOLOGIA.... 4 1.1DEFINIÇÕES... 4 1.2 POSIÇÕES DE ESTUDO.... 4 1.2.3 CONSTITUIÇÃO GERAL DO

Leia mais

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO

O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO A EXPOSIÇÃO AO CALOR PRODUZ REAÇÕES NO ORGANISMO O CALOR EXCESSIVO NO AMBIENTE DE TRABALHO Muitos trabalhadores passam parte de sua jornada diária diante de fontes de calor. As pessoas que trabalham em fundições, siderúrgicas, padarias, - para citar

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

Lição 04 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR

Lição 04 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR Lição 04 RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR OBJETIVOS: Ao final desta lição os participantes serão capazes de: 1. Descrever as principais causas de obstrução das vias aéreas; 2. Demonstrar os passos da assistência

Leia mais

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883

ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883 ASSISTÊNCIA AO NEONATO EM ESTADO GRAVE Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREN/42883 CUIDADOS INICIAIS NO RN Renata Loretti - Enfermeira 2 Cuidados imediatos Realizados na Sala de Parto pelo Obstetra n

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE Zelãene dos Santos SEGURANÇA NO TRABALHO E MEIO AMBIENTE Primeiros Socorros Atendimento imediato à vítima no próprio local, com recursos disponíveis no momento, enquanto aguardamos ou buscamos a assistência

Leia mais

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc TRAUMATISMO RAQUIMEDULAR TRM Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc 1 TRM Traumatismo Raqui- Medular Lesão Traumática da raqui(coluna) e medula espinal resultando algum grau de comprometimento temporário ou

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC )

RELATÓRIO TÉCNICO. Amarelado. Característico ph 10,00 11,50 g/cm3 ( 20ºC ) RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁGUA SANITÁRIA Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger do sol, do calor e da umidade.

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

Como surge o diabetes? Como surge o diabetes?

Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Com a queda da produção de insulina, hormônio importante para o funcionamento do organismo, resultando no aumento da quantidade de açúcar. Áreas afetadas pelo

Leia mais

Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal

Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal Desenvolvimento fetal e exames ultrassonográficosde relevância no pré-natal Dra. Tatiane Bilhalva Fogaça Médica Obstetra especialista em Medicina Fetal pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

O que Fazer em Uma Emergência

O que Fazer em Uma Emergência O que Fazer em Uma Emergência Primeiros Socorros e Emergências Aquáticas Dr David Szpilman Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro Maj BM QOS David Szpilman Em qualquer emergência procure

Leia mais

Introdução: O Problema dos Acidentes

Introdução: O Problema dos Acidentes Introdução: O Problema dos Acidentes Os acidentes representam um dos mais sérios problemas de saúde pública, constituindo-se na principal causa de mortes e invalidez entre jovens e crianças. Os acidentes

Leia mais

RISCOS PARA A SAÚDE RESULTANTES DA OCORRÊNCIA DE INCÊNDIOS

RISCOS PARA A SAÚDE RESULTANTES DA OCORRÊNCIA DE INCÊNDIOS RISCOS PARA A SAÚDE RESULTANTES DA OCORRÊNCIA DE INCÊNDIOS Os incêndios florestais e urbanos para além das consequências económicas e ambientais, representam riscos para a saúde das populações decorrentes

Leia mais

CURSO DE NOÇÕES BÁSICAS PRIMEIROS SOCORROS

CURSO DE NOÇÕES BÁSICAS PRIMEIROS SOCORROS CURSO DE NOÇÕES BÁSICAS DE PRIMEIROS SOCORROS Núcleo de Educação em Urgência Rua Jaraguá, 858, Bom Retiro São Paulo SP - CEP 01129-000 PABX. 11.3396-1400 1 NOÇÕES BÁSICAS DE PRIMEIROS SOCORROS I- DEFINIÇÕES

Leia mais

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo

Necessidades humanas básicas: oxigenação. Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Necessidades humanas básicas: oxigenação Profª Ms. Ana Carolina L. Ottoni Gothardo Revisão Revisão O Fatores que afetam a oxigenação Fisiológicos; Desenvolvimento; Estilo de vida; Ambiental. Fisiológicos

Leia mais

Primeiros Socorros Volume III

Primeiros Socorros Volume III Manual Primeiros Socorros Volume III um Manual de Agosto de 2008 Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright, todos os direitos reservados. Este Manualnão pode

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR SISTEMA CARDIOVASCULAR Professora: Edilene biologolena@yahoo.com.br Sistema Cardiovascular Sistema Cardiovascular Composto pelo coração, pelos vasos sanguíneos e pelo sangue; Tem por função fazer o sangue

Leia mais

QUEIMADURAS. Calor Electricidade Produtos químicos Radiações Fricção

QUEIMADURAS. Calor Electricidade Produtos químicos Radiações Fricção QUEIMADURAS Calor Electricidade Produtos químicos Radiações Fricção GRAVIDADE DAS QUEIMADURAS DEPENDE: Zona atingida pela queimadura Extensão da pele queimada Profundidade da queimadura: - 1ºGRAU - 2ºGRAU

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico

Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico Nome do Produto: Reticulina Código: EP-12-20021 RETICULINA Seção 1: Identificação do Produto e da Empresa Erviegas Ltda R. Lacedemônia, 268 - São Paulo

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação PROVA DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE CIÊNCIAS

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação PROVA DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE CIÊNCIAS COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 PROVA DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE CIÊNCIAS Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: / /2013 Nota: Professor(a): Karina Valor da Prova: 90 pontos MATUTINO: Orientações

Leia mais

Planificação anual de Saúde- 10ºano

Planificação anual de Saúde- 10ºano CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Turmas: 10ºI Professora: Ana Margarida Vargues Planificação anual de Saúde- 10ºano 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde do Curso

Leia mais

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função

As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função As disfunções respiratórias são situações que necessitam de intervenções rápidas e eficazes, pois a manutenção da função respiratória é prioritária em qualquer situação de intercorrência clínica. O paciente

Leia mais

SANGUE (XUE) NA MTC, O XUE É UMA FORMA DE QI, MUITO DENSO E MATERIAL

SANGUE (XUE) NA MTC, O XUE É UMA FORMA DE QI, MUITO DENSO E MATERIAL SANGUE (XUE) NA MTC, O XUE É UMA FORMA DE QI, MUITO DENSO E MATERIAL SANGUE É INSEPARÁVEL DO QI, JÁ QUE O QI PROPORCIONA VIDA AO XUE, SEM O QUAL ELE SERIA UM FLUIDO INERTE XUE DERIVA EM SUA MAIORIA DO

Leia mais

Exame Primario - ABCD da VIDA (a partir de 2010, se tornou CAB, exceto para afogamento) Primeiros Socorros e Emergências Aquáticas Dr David Szpilman

Exame Primario - ABCD da VIDA (a partir de 2010, se tornou CAB, exceto para afogamento) Primeiros Socorros e Emergências Aquáticas Dr David Szpilman Page 1 of 18 Exame Primario - ABCD da VIDA (a partir de 2010, se tornou CAB, exceto para afogamento) Primeiros Socorros e Emergências Aquáticas Dr David Szpilman Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO NORMAS DE SEGURANÇA EM LABORATÓRIO 1. INTRODUÇÃO Toda e qualquer atividade prática a ser desenvolvida dentro de um laboratório apresentam riscos e estão propensas a acidentes. Devemos então utilizar normas

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0

EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 EXERCÍCIOS ON LINE DE CIÊNCIAS 8 AN0 1- Que órgão do sistema nervoso central controla nosso ritmo respiratório? Bulbo 2- Os alvéolos são formados por uma única camada de células muito finas. Explique como

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. Enfª. ROSANE INEZ BARAZETTI SCHIAVO SESMT/UCS

PRIMEIROS SOCORROS. Enfª. ROSANE INEZ BARAZETTI SCHIAVO SESMT/UCS PRIMEIROS SOCORROS Enfª. ROSANE INEZ BARAZETTI SCHIAVO SESMT/UCS SOCORROS AQUELE ATENDIMENTO IMEDIATO E PROVISÓRIO PRESTADO A UMA VITIMA EM SITUAÇÃO DE ACIDENTE. O PRINCIPAL OBJETIVO É MANTER A VITIMA

Leia mais

MÉTODO ADAPTATIVO. Nos métodos adaptativos, no entanto, juntamente com o exercício, associa-se um outro fator: a diminuição de oxigênio.

MÉTODO ADAPTATIVO. Nos métodos adaptativos, no entanto, juntamente com o exercício, associa-se um outro fator: a diminuição de oxigênio. MÉTODO ADAPTATIVO Em todos os métodos anteriores buscava-se a adaptação do organismo (supercompensação) através de uma estimulação por meio do stress físico. Nos métodos adaptativos, no entanto, juntamente

Leia mais

Introdução SUCESSO vs. TEMPO

Introdução SUCESSO vs. TEMPO Pedro Bettencourt Formador de Socorrismo; Formação em Gestão de Catástrofes; Membro E.E.R.T. (Equipa de resposta e Intervenção de Urgência da CEDEAO); Formação em Sistemas de Comunicação ( Utilização do

Leia mais

Praticando vitalidade. Sedentarismo. corra desse vilão!

Praticando vitalidade. Sedentarismo. corra desse vilão! Praticando vitalidade Sedentarismo corra desse vilão! O que é sedentarismo? Sedentarismo é a diminuição de atividades ou exercícios físicos que uma pessoa pratica durante o dia. É sedentário aquele que

Leia mais

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE CIÊNCIAS 8º ANO

TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE CIÊNCIAS 8º ANO Aluno(a): NOTA: Professor(a): Denise Data: 06/01/15 Valor: 20,0 TRABALHO PARA RECUPERAÇÃO FINAL: Para fazer este trabalho você deverá consultar as apostilas 3 e 4 que são, respectivamente, do terceiro

Leia mais

Primeiros Socorros. Informações Básicas sobre. Primeiros Socorros

Primeiros Socorros. Informações Básicas sobre. Primeiros Socorros Primeiros Socorros Informações Básicas sobre Primeiros Socorros MARÇO 2015 OBJECTIVO Sensibilizar o grupo de aprendentes para o tema de Primeiros Socorros Transmitir Noções Básicas de Primeiros Socorros

Leia mais

Biofísica. Patrícia de Lima Martins

Biofísica. Patrícia de Lima Martins Biofísica Patrícia de Lima Martins 1. Conceito É uma ciência interdisciplinar que aplica as teorias, a metodologia, conhecimentos e tecnologias da Matemática, Química e Física para resolver questões da

Leia mais

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia.

O sistema esquelético ou sistema ósseo é formado por vários ossos, cujo estudo é chamado de osteologia. SISTEMA ESQUELÉTICO Ossos do corpo humano se juntam por meio das articulações. E são responsáveis por oferecer um apoio para o sistema muscular permitindo ao homem executar vários movimentos. O sistema

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ENFERMAGEM PARA CLIENTES COM RISCO DE QUEDAS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ENFERMAGEM PARA CLIENTES COM RISCO DE QUEDAS MANUAL DE PROCEDIMENTOS EM ENFERMAGEM PARA CLIENTES COM RISCO DE QUEDAS INTRODUÇÃO A queda do pacientes são motivos de preocupação para os profissionais de saúde e administração hospitalar, por esse motivo

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA GOVERNO REGIONAL SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO DA SAÚDE E ASSUNTOS SOCIAIS, IP-RAM MEDIDAS DE PREVENÇÃO DAS CONSEQUÊNCIAS DO CALOR EM CRECHES E INFANTÁRIOS - RECOMENDAÇÕES Medidas Gerais de Prevenção 1 Edifício Verificar o bom funcionamento e manutenção dos estores, das portadas, das

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR

PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO ATENDIMENTO PRÉ-HOSPITALAR SUMÁRIO 01. Apresentação 02. Definições de Termos 03. Síntese Histórica 04. Causas de Acidentes 05. Estatísticas de Acidentes 06. Prioridades

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

1 - Estrutura e Finalidades da disciplina

1 - Estrutura e Finalidades da disciplina CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE Planificação anual de SAÚDE 10º ano 014/015 Turma K Professora: Maria de Fátima Martinho. 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A disciplina de Saúde

Leia mais

QUEIMADURAS. Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com

QUEIMADURAS. Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com QUEIMADURAS Profª Sabrina Cunha da Fonseca E-mail: sabrina.cfonseca@hotmail.com Problemática da queimadura no Brasil São lesões frequentes em acidentes de trabalho. Considera-se a quarta causa de óbitos

Leia mais

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma.

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma. TRAUMATISMOS DOS MEMBROS Atendimento Inicial e Imobilizações ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Manter as prioridades da avalição ABC Não se distrair com lesões músculo-esqueléticas dramáticas que

Leia mais

Suporte Básico de Vida em Pediatria

Suporte Básico de Vida em Pediatria CAPÍTULO 154 Suporte Básico de Vida em Pediatria Vera Coelho Teixeira * A função do atendimento pré-hospitalar é reduzir a morbidade e mortalidade depois de parada cardiorrespiratória. Muito já foi feito

Leia mais

FÉRIAS ESCOLARES ACIDENTES DOMÉSTICOS

FÉRIAS ESCOLARES ACIDENTES DOMÉSTICOS FÉRIAS ESCOLARES X ACIDENTES DOMÉSTICOS As férias escolares exigem mais cuidados com os acidentes domésticos porque as crianças ficam mais tempo em casa e isso aumenta o risco de ocorrerem acidentes que

Leia mais