Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI"

Transcrição

1 Regional - Goiás Relação das Principais Formula e Tabelas para Avaliação do Paciente Internado em UTI 1. Tabela da Escala de Glasgow Aplicação: avaliação do grau de consciência. Atividade Pontuação Resposta Verbal Ausente 1 Sons incompreensíveis 2 Termos inapropriados 3 Paciente confuso 4 Paciente orientado 5 Abertura Ocular Ausente 1 Somente à dor 2 Somente ao comando verbal 3 Espontaneamente 4 Resposta Motora Nenhuma 1 Extensora 2 Flexora 3 Retirada 4 Localização 5 Obedece a ordens 6 Fonte: Korzume M. S.; Araujo G. L. Escala de Como de Glasgow Subestimulação em pacientes com respostas verbais impedidas. Acta Paulista de Enfermagem, v. 18, nº. 02, Abril/junho, São Paulo, 2005.

2 2. Tabela com formula para calculo ideal da pressão inspiratória máxima (P. I. máx.) e pressão expiratória máxima (P. E. máx.) Aplicação: avaliação da força muscular respiratória Pressão Inspiratória Máxima (P. I. máx) HOMENS = 0,80 x (IDADE) + 155,3 MULHERES = 0,49 x (IDADE) + 110,4 Pressão Expiratória Máxima (P. E. máx) HOMENS = 0,81 x (IDADE) + 165,3 MULHERES = 0,61 x (IDADE) + 115,6 Fonte: Kunikoshita LN; Silva YP; Silva TLP; Costa D; Jamami M. Efeito de três programas de fisioterapia respiratória (PFR) em portadores de DPOC. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 10, n. 4, p , out./dez Tabela com formula para calculo da complacência estática do sistema pulmonar Aplicação: avaliação da complacência pulmonar estática. Complacência estática = volume corrente P. platô PEEP Fonte: Faustino E. A. Mecânica pulmonar de pacientes em suporte ventilatório na UTI conceitos e monitorização. Rev. Bras. de Terapia Intensiva. vol. 19, nº. 02, São Paulo, abril/junho, Tabela com formula para calculo da complacência dinâmica do sistema pulmonar Aplicação: avaliação da complacência pulmonar dinâmica. Complacência dinâmica = volume corrente P. pico PEEP Fonte: Faustino E. A. Mecânica pulmonar de pacientes em suporte ventilatório na UTI conceitos e monitorização. Rev. Bras. de Terapia Intensiva. vol. 19, nº. 02, São Paulo, abril/junho, 2007.

3 5. Tabela com formula para calculo da resistência do sistema pulmonar Aplicação: avaliação da resistência do sistema respiratório total. Resistência = P. pico P. platô Fluxo Fonte: Porto, Elias Ferrreira; Matos de Castro, Antônio Adolfo; Leite, José Renato de Oliveira; Miranda, Saul Vitoriano; Lancauth, Auristela; Kumpel, Claúdia. Análise comparativa da complacência do sistema respiratório em três diferentes posições no leito (lateral, sentada e dorsal) em pacientes submetidos à ventilação mecânica invasiva prolongada. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 20(3): , Tabela com formula para calculo do índice de oxigenação (I.O) Aplicação: avaliação do índice respiratório, oxigenação arterial. Índice de Oxigenação = PaO 2 FiO 2 *Valores acima de 400 é considerado normal. *Valores inferior a 300 apresenta comprometimento na oxigenação. *Valores menor que 200 piora no índice de oxigenação. Fonte: III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica. Jornal Brasileiro de Pneumologia, vol. 33, Supl. 2, p , Tabela com formula para calculo da FiO 2 desejada Aplicação: indica a melhor fração inspirado de oxigênio para o paciente. PaO 2 (conhecida) = PaO 2 (desejada) FiO 2 (conhecida) FiO 2 (desejada) ou FiO 2 (desejada) = PaO 2 (desejada) x FiO 2 (conhecida) PaO 2 (conhecida) Fonte: Jubran A, Tobin M. J. Reliability of pulse oximetry in titrating supplemental oxygen therapy in ventilatordependent patients. Chest, vol. 97, p , 1990.

4 8. Tabela com formula para calculo da freqüência respiratória (FR) desejada Aplicação: indica a melhor freqüência respiratória para correção da pressão parcial de gás carbônico (PaCO 2 ). PaCO 2 (conhecida) x FR (conhecida) = PaCO 2 (desejada) x FR (desejada) ou FR (desejada) = PaCO 2 (conhecida) x FR (conhecida) PaCO 2 (desejada) Fonte: Jubran A, Tobin M. J. Advances in respiratory monitoring during mechanical ventilation. Chest, vol. 17, p , Tabela com formula para calculo do índice de respiração superficial Índice de Tobin Aplicação: indica o grau de dependência do paciente da ventilação mecânica. Valores próximos de 105 indica insucesso no processo de desmame da ventilação mecânica. E valores menores que 50 otimiza o desmame. Índice de Tobin = Frequencia respiratória Volume corrente (L) Fonte: Tobin M. J.; Perez W.; Guenter S. M. The pattern of breathing during successful and unsuccessful trials of weaning from mechanical ventilation. Am. Rev. Respir Dis, v. 134, p , Referências 1. Tobin M. J.; Perez W.; Guenter S. M. The pattern of breathing during successful and unsuccessful trials of weaning from mechanical ventilation. Am. Rev. Respir Dis, v. 134, p , III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica. Jornal Brasileiro de Pneumologia, vol. 33, Supl. 2, p , Korzume M. S.; Araujo G. L. Escala de Como de Glasgow Subestimulação em pacientes com respostas verbais impedidas. Acta Paulista de Enfermagem, v. 18, nº. 02, Abril/junho, São Paulo, 2005.

5 4. Faustino E. A. Mecânica pulmonar de pacientes em suporte ventilatório na UTI conceitos e monitorização. Rev. Bras. de Terapia Intensiva. vol. 19, nº. 02, São Paulo, abril/junho, Kunikoshita LN; Silva YP; Silva TLP; Costa D; Jamami M. Efeito de três programas de fisioterapia respiratória (PFR) em portadores de DPOC. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, v. 10, n. 4, p , out./dez Porto, Elias Ferrreira; Matos de Castro, Antônio Adolfo; Leite, José Renato de Oliveira; Miranda, Saul Vitoriano; Lancauth, Auristela; Kumpel, Claúdia. Análise comparativa da complacência do sistema respiratório em três diferentes posições no leito (lateral, sentada e dorsal) em pacientes submetidos à ventilação mecânica invasiva prolongada. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 20(3): , Jubran A, Tobin M. J. Reliability of pulse oximetry in titrating supplemental oxygen therapy in ventilator-dependent patients. Chest, vol. 97, p , Jubran A, Tobin M. J. Advances in respiratory monitoring during mechanical ventilation. Chest, vol. 17, p , 1999.

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas.

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas. 1- DESCRIÇÃO O xlung é um simulador virtual da interação paciente-ventilador pulmonar que incorpora os principais recursos do suporte ventilatório a diferentes configurações de aspectos demográficos, de

Leia mais

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com

Ventilação Mecânica. Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com Ventilação Mecânica Prof. Ms. Erikson Custódio Alcântara eriksonalcantara@hotmail.com A ventilação mecânica é uma atividade multi e interdisciplinar em que o denominador comum é o paciente e não o ventilador

Leia mais

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim

CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim CUIDADOS FISIOTERAPÊUTICOS NO PÓS OPERATÓRIO DE ANEURISMAS CEREBRAIS Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta RBAPB Hospital São Joaquim AVALIAÇÃO FISIOTERAPÊUTICA Nível de consciência Pupilas

Leia mais

CPAP/OS - ventilação com pressão contínua em vias aéreas / Ventilação com Pressão de Suporte.

CPAP/OS - ventilação com pressão contínua em vias aéreas / Ventilação com Pressão de Suporte. SERVOVENTILADOR COLOR MS: 10229820103 OCP: TÜV Rheinland... DESCRITIVO Servoventilador pulmonar microprocessado eletrônico para insuficiência respiratória de paciente adulto a neonatal em UTI. Reúne ventilação

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia.

VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA. 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI) pela fisioterapia. POT Nº: 06 VENTILAÇÃO MECÂNICA NÃO INVASIVA FISIOTERAPIA Edição: 05/05/2009 Versão: 02 Data Versão: 28/05/2009 Página: 05 1- OBJETIVO Padronizar a utilização da Ventilação Mecânica Não Invasiva (VMNI)

Leia mais

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO

USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO USO DA VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA NO TRATAMENTO DE PORTADORES DE DOENÇA OBSTRUTIVA CRÔNICA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO Autoria: Inácia Regina Barbosa Leal (FCM-CG) Rosa Suênia da Camara Melo (Orientadora)

Leia mais

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso

A Criança com Insuficiência Respiratória. Dr. José Luiz Cardoso Dr. José Luiz Cardoso CARACTERÍSTICAS DA CRIANÇA A CRIANÇA NÃO É UM ADULTO EM MINIATURA O nariz é responsável por 50 % da resistência das vias aéreas Obstrução nasal conduz a insuficiência respiratória

Leia mais

Ventilação não invasiva na IRA pósextubação?

Ventilação não invasiva na IRA pósextubação? III Curso Nacional de Ventilação Mecânica SBPT, São Paulo, 2008 Ventilação não invasiva na IRA pósextubação? Marcelo Alcantara Holanda Prof Adjunto, Medicina Intensiva/Pneumologia, Universidade Federal

Leia mais

Conceitos Básicos em VM invasiva

Conceitos Básicos em VM invasiva Conceitos Básicos em VM invasiva Marcelo Alcantara Holanda Prof Adjunto de Medicina Clínica, UFC Hospital Universitário Walter Cantídio - HUWC UTI respiratória do Hospital de Messejana, Fortaleza, CE Ventilação

Leia mais

PICO DO FLUXO EXPIRATÓRIO ANTES E APÓS UTILIZAÇÃO DA MÁSCARA DE EPAP NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA: ESTUDO DE CASO

PICO DO FLUXO EXPIRATÓRIO ANTES E APÓS UTILIZAÇÃO DA MÁSCARA DE EPAP NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA: ESTUDO DE CASO 68 PICO DO FLUXO EXPIRATÓRIO ANTES E APÓS UTILIZAÇÃO DA MÁSCARA DE EPAP NA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA: ESTUDO DE CASO Josiane Manzo Lamoso 1,2, Flávia Letícia dos Santos 1,2, João Paulo Manfré

Leia mais

04/06/2012. Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia. Assistência Ventilatória no Domicílio. Epidemia de Poliomielite 1953 Rancho Los Amigos

04/06/2012. Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia. Assistência Ventilatória no Domicílio. Epidemia de Poliomielite 1953 Rancho Los Amigos Assistência Ventilatória no Domicílio Marco Antônio Soares Reis Hospital Madre Teresa - Belo Horizonte Hospital Universitário São José Rancho Los Amigos - Dowey / Califórnia Epidemia de Poliomielite 1953

Leia mais

Variações na Mensuração dos Parâmetros de Desmame da Ventilação Mecânica em Hospitais da Cidade de Fortaleza*

Variações na Mensuração dos Parâmetros de Desmame da Ventilação Mecânica em Hospitais da Cidade de Fortaleza* RBTI 2008:20:2:149-153 Artigo Original Variações na Mensuração dos Parâmetros de Desmame da Ventilação Mecânica em Hospitais da Cidade de Fortaleza* Variations in the Measurement of Weaning Parameters

Leia mais

Desmame da ventilação mecânica: comparação de três métodos *

Desmame da ventilação mecânica: comparação de três métodos * ARTIGO ORIGINAL Desmame da ventilação mecânica: comparação de três métodos Desmame da ventilação mecânica: comparação de três métodos * JOSÉ RAIMUNDO A. DE AZEVEDO 1, CECILMA MIRANDA DE S. TEIXEIRA 2,

Leia mais

COMA. Recuperação da Consciência. Morte Encefálica

COMA. Recuperação da Consciência. Morte Encefálica Avaliação do Paciente Neurológico Dra. Viviane Cordeiro Veiga Unidades de Terapia Intensiva Neurológica Hospital Beneficência Portuguesa Alterações do nível de consciência Sonolência: indivíduos que despertam

Leia mais

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial

GASOMETRIA ARTERIAL GASOMETRIA. Indicações 11/09/2015. Gasometria Arterial GASOMETRIA ARTERIAL Processo pelo qual é feita a medição das pressões parciais dos gases sangüíneos, a partir do qual é possível o cálculo do PH sangüíneo, o que reflete o equilíbrio Ácido-Básico 2 GASOMETRIA

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC

VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC VENTILAÇÃO MECÂNICA NA DPOC Unidade de Terapia Intensiva Adulto Versão eletrônica atualizada em Março 2009 CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS: Tabagismo importante Tosse crônica, dispnéia e ou broncoespasmo Gasometria

Leia mais

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa

ELABORADORES. Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral. Robson Batista Coordenação Administrativa ELABORADORES Maíza Sandra Ribeiro Macedo Coordenação Geral Robson Batista Coordenação Administrativa Fabrícia Passos Pinto Coordenação de Enfermagem José Luiz Oliveira Araújo Júnior Coordenador Médico

Leia mais

MT-0913-2008. Reduza o tempo de ventilação em até 33 %* SMARTCARE /PS

MT-0913-2008. Reduza o tempo de ventilação em até 33 %* SMARTCARE /PS MT-0913-2008 Reduza o tempo de ventilação em até 33 %* SMARTCARE /PS 02 O SmartCare /PS automatiza o desmame No entanto, o problema é que, não importa o quanto o protocolo é bom, os médicos e os enfermeiros

Leia mais

Reabilitação Pulmonar. Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM

Reabilitação Pulmonar. Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM Reabilitação Pulmonar Ft. Andréa Carvalho Centro de Reabilitação Pulmonar - EPM Reabilitação Pulmonar Definição Programa multiprofissional de cuidados a pacientes com alteração respiratória crônica, que

Leia mais

Oxigenoterapia. Respiração + Circulação. Basic Life Support. Respiração 21/05/2014. A insuficiência respiratória é caracterizada por uma

Oxigenoterapia. Respiração + Circulação. Basic Life Support. Respiração 21/05/2014. A insuficiência respiratória é caracterizada por uma Respiração + Circulação Basic Life Support Facilitadora Enf a. Ana Carolina Corgozinho E-mail anacorgozinho@uol.com.br Respiração Os seres vivos conseguem resistir a restrições alimentares, pois sobrevivem

Leia mais

Divinolândia 19 de agosto de 2013

Divinolândia 19 de agosto de 2013 Divinolândia 19 de agosto de 2013 Prezados senhores interessados Esta comissão de Julgamento de Licitação do Conderg Hospital Regional de Divinolândia, esclarece através deste, alterações feita no Edital

Leia mais

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP

VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I. Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP VENTILAÇÃO NÃO INVASIVA I Lígia Maria Coscrato Junqueira Silva Fisioterapeuta HBP/SP INTERFACES * Máscaras Nasais * Plugs Nasais * Máscaras Faciais * Capacete * Peça Bucal VENTILADORES E MODOS USADOS NA

Leia mais

TAKAOKA MONTEREY SMART

TAKAOKA MONTEREY SMART TAKAOKA MONTEREY SMART OPERAÇÃO NO RECÉM-NASCIDO O Monterey Smart é um respirador microprocessado desenvolvido para atender pacientes adultos, infantis e neonatais em terapia intensiva e transporte intra

Leia mais

Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008

Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008 Monitorização Clínica do Paciente Neurológico em Terapia Intensiva Prof. Dr. Salomón S. Ordinola Rojas Hospital Beneficência Portuguesa SP GEAPANC JULHO 2008 FILOSOFIA DE ATENDIMENTO Profilaxia Diagnóstico

Leia mais

CURSO DE HABILIDADES PRÁTICAS EM MEDICINA INTENSIVA 8 e 9 de agosto de 2014 03 e 04 de outubro de 2014

CURSO DE HABILIDADES PRÁTICAS EM MEDICINA INTENSIVA 8 e 9 de agosto de 2014 03 e 04 de outubro de 2014 CURSO DE HABILIDADES PRÁTICAS EM MEDICINA INTENSIVA 8 e 9 de agosto de 2014 03 e 04 de outubro de 2014 Coordenação Dr. Luciano Cesar Pontes Azevedo Doutor em medicina pela Universidade de São Paulo - USP

Leia mais

Ventiladores para adultos e pediátricos. Guia de configuração rápida. Português

Ventiladores para adultos e pediátricos. Guia de configuração rápida. Português Ventiladores para adultos e pediátricos Guia de configuração rápida Português Configuração Utilização não invasiva Cabo de alimentação CA Máscara Stellar 2 Tubos de ar 3 4 5 1 Umidificador aquecido H4i

Leia mais

Protocolo de Ventilação Mecânica

Protocolo de Ventilação Mecânica 1 de 6 RESULTADO ESPERADO: Sistematizar a assistência ventilatória e o processo de desmame objetivando na redução do tempo de ventilação mecânica e as complicações associadas. 1554 PROCESSOS RELACIONADOS:

Leia mais

Aspectos Recentes da Ventilação Mecânica: como iniciar a ventilação mecânica

Aspectos Recentes da Ventilação Mecânica: como iniciar a ventilação mecânica CAPÍTULO 102 Aspectos Recentes da Ventilação Mecânica: como iniciar a ventilação mecânica Alexandre Goulart Pustilnik* Introdução O início da ventilação mecânica deve ser orientado para a causa da insuficiência

Leia mais

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar 4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar A metrologia avançou muito na área industrial e científica, mas, apesar de sua óbvia importância, sua aplicação ainda é incipiente na área da saúde.

Leia mais

A influência de duas frações inspiradas de oxigênio no padrão respiratório de pacientes sob desmame ventilatório

A influência de duas frações inspiradas de oxigênio no padrão respiratório de pacientes sob desmame ventilatório 292 Artigo Original Gisele do Carmo Leite Machado Diniz 1, Walter Araújo Zin 2, Fernando Antônio Botoni 3, Aldemar Vilela de Castro 4, Maria da Glória Rodrigues-Machado 5 A influência de duas frações inspiradas

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL VENTILATÓRIO DE PACIENTES EM DESMAME VENTILATÓRIO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL EM ERECHIM

ANÁLISE DO PERFIL VENTILATÓRIO DE PACIENTES EM DESMAME VENTILATÓRIO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM HOSPITAL EM ERECHIM ANÁLISE DO PERFIL VENTILATÓRIO DE PACIENTES EM DESMAME VENTILATÓRIO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE UM ANÁLISE DO PERFIL VENTILATÓRIO DE PACIENTES EM DESMAME VENTILATÓRIO EM UMA UNIDADE DE TERAPIA

Leia mais

Monitorando VM na UTI. Monitorar. Pp Ppt Ve Complacencia Complacencia do circuito Resistencia das vias aereas Fluxo inspiratorio

Monitorando VM na UTI. Monitorar. Pp Ppt Ve Complacencia Complacencia do circuito Resistencia das vias aereas Fluxo inspiratorio Monitorando VM na UTI Octavio Messeder FCCP Pneumologista /Intensivista Coordenador UTI Geral do Hospital Portugues SSA-Ba Monitorar ALARMES Autopeep Hemogasometria O2sat Pressão do balonete FR Infecção

Leia mais

Desmame da Ventilação Mecânica Utilizando Pressão de Suporte ou Tubo T. Comparação entre Pacientes Cardiopatas e não Cardiopatas

Desmame da Ventilação Mecânica Utilizando Pressão de Suporte ou Tubo T. Comparação entre Pacientes Cardiopatas e não Cardiopatas Artigo Original Desmame da Ventilação Mecânica Utilizando Pressão de Suporte ou Tubo T. Comparação entre Pacientes Cardiopatas e não Cardiopatas Weaning from Mechanical Ventilation by Using Pressure Support

Leia mais

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas

CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas 1 CPAP Pressão Positiva Contínua nas Vias Aéreas Olívia Brito Cardozo Turma Glória I CAPS Curso de Especialização em Fisioterapia Respiratória com Ênfase em Traumato-Cirúrgico São Paulo 2004 2 Sumário

Leia mais

Oxigenoterapia Não invasiva

Oxigenoterapia Não invasiva Oxigenoterapia Não invasiva Definição Consiste na administração de oxigênio numa concentração de pressão superior à encontrada na atmosfera ambiental para corrigir e atenuar deficiência de oxigênio ou

Leia mais

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira

Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia. Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização/ Dispositivos de Oferta/Benefícios e Malefícios Oxigenoterapia Mariana C. Buranello Fisioterapeuta Nayara C. Gomes - Enfermeira Monitorização Oximetria de pulso É a medida da saturação da

Leia mais

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA FISIOTERAPIA

DIVISÃO DE ENSINO E PESQUISA DEP COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA COREME PROVA FISIOTERAPIA 1- Parturiente, 23 anos, G1P0A0, encontra-se na sala de pré-parto com queixa de algia em baixo ventre e região lombossacra, ao exame apresentou dinâmica uterina presente, dilatação uterina de 5 cm, e feto

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E DA SAÚDE - FACES CURSO DE FISIOTERAPIA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E DA SAÚDE - FACES CURSO DE FISIOTERAPIA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO E DA SAÚDE - FACES CURSO DE FISIOTERAPIA A VISÃO DA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NO PROCESSO

Leia mais

EFEITO DO TREINAMENTO MUSCULAR RESPIRATÓRIO COM THRESHOLD EM PACIENTES PORTADORES DE DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA

EFEITO DO TREINAMENTO MUSCULAR RESPIRATÓRIO COM THRESHOLD EM PACIENTES PORTADORES DE DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA EFEITO DO TREINAMENTO MUSCULAR RESPIRATÓRIO COM THRESHOLD EM PACIENTES PORTADORES DE DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA Nádia Caroline de Sousa Menezes¹, Michelle Maria de Macedo 2, Naiara Santos Fonseca

Leia mais

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS

CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CAPACIDADE PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM OBESOS Diego de Faria Sato 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: A obesidade é considerada

Leia mais

Ventiladores para adultos e pediátricos. Guia de preparação rápida. Português

Ventiladores para adultos e pediátricos. Guia de preparação rápida. Português Ventiladores para adultos e pediátricos Guia de preparação rápida Português Configuração Utilização não invasiva Cabo eléctrico CA Máscara Stellar 2 Tubagem de ar 3 4 5 1 Cabo eléctrico CA Clipe de fixação

Leia mais

Variações na Mensuração dos Parâmetros de Desmame da Ventilação Mecânica em Hospitais da Cidade de São Paulo*

Variações na Mensuração dos Parâmetros de Desmame da Ventilação Mecânica em Hospitais da Cidade de São Paulo* Variações na Mensuração dos Parâmetros de Desmame da Ventilação Mecânica em Hospitais da Cidade de São Paulo* Variations in the Measurement of Weaning Parameters of Mechanical Ventilation in São Paulo

Leia mais

Treinamento muscular respiratório em pacientes em desmame da ventilação mecânica

Treinamento muscular respiratório em pacientes em desmame da ventilação mecânica Artigo Original ABCS ABCS HEALTH SCIENCES Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde Treinamento muscular respiratório em pacientes em desmame da ventilação mecânica Respiratory muscle training in patients

Leia mais

02/05/2016. Diretrizes Brasileiras de Ventilação Mecânica. Metodologia. Revisão MEDLINE e na Cochrane 2003 a 2013

02/05/2016. Diretrizes Brasileiras de Ventilação Mecânica. Metodologia. Revisão MEDLINE e na Cochrane 2003 a 2013 Diretrizes Brasileiras de Ventilação Mecânica Marco Antônio Soares Reis Hospital Madre Teresa - Belo Horizonte Professor FCMMG Jornal Brasileiro de Pneumologia Revista Brasileira de Terapia Intensiva Agosto

Leia mais

III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica

III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica Ventilação mecânica: princípios, análise gráfica e modalidades ventilatórias Carlos Roberto Ribeiro de Carvalho, Carlos Toufen Junior, Suelene Aires Franca

Leia mais

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes

Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM. Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes Ventilação Mecânica para Enfermeiros HC UFTM Prof. Ms. Pollyanna Tavares Silva Fernandes 1. Características anatômicas do Sistema Cardiorrespiratório do RN: LARINGE ALTA: - permite que o RN respire e degluta

Leia mais

Desmame da ventilação mecânica em pediatria

Desmame da ventilação mecânica em pediatria Desmame da ventilação mecânica em pediatria Weaning from mechanical ventilation in pediatrics MEDEIROS, Juliana Karina Brugnolli¹ Resumo Objetivo: relatar pesquisas recentes sobre as técnicas de desmame

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP

Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos. Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP Indicações e Uso do CPAP em Recém-Nascidos Dr. Alexander R. Precioso Unidade de Pesquisa Experimental Departamento de Pediatria da FMUSP CPAP - Definição Pressão de Distensão Contínua Manutenção de uma

Leia mais

Programa de Condicionamento Cardiovascular

Programa de Condicionamento Cardiovascular Programa de Condicionamento Cardiovascular Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2010 Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Fta. Andrea Kaarina

Leia mais

José Benedito Morato. São Paulo. Comparação da eficácia dos modos de desmames da. ventilação mecânica automatizados: um estudo de bancada

José Benedito Morato. São Paulo. Comparação da eficácia dos modos de desmames da. ventilação mecânica automatizados: um estudo de bancada José Benedito Morato Comparação da eficácia dos modos de desmames da ventilação mecânica automatizados: um estudo de bancada Tese apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo para obtenção

Leia mais

Adenda ao Manual do Operador

Adenda ao Manual do Operador Opção NeoMode Introdução Esta adenda mostra como utilizar a opção de software NeoMode no Ventilador Puritan Bennett 840. Consulte o Manual de referência técnica e do operador do sistema do ventilador Puritan

Leia mais

PROJETO CURSOS 2015 CURSO TEÓRICO- PRÁTICO DE REABILITAÇÃO PULMONAR: DA ATUAÇÃO HOSPITALAR A DOMICILIAR

PROJETO CURSOS 2015 CURSO TEÓRICO- PRÁTICO DE REABILITAÇÃO PULMONAR: DA ATUAÇÃO HOSPITALAR A DOMICILIAR VALOR DA INSCRIÇÃO: R$ 1.400,00 PROJETO CURSOS 2015 EDITAL I: CURSO TEÓRICO- PRÁTICO DE REABILITAÇÃO PULMONAR: DA ATUAÇÃO HOSPITALAR A DOMICILIAR 1. OBJETIVO Promover uma atualização em Reabilitação Pulmonar

Leia mais

Cuidados Respiratórios Domiciliares

Cuidados Respiratórios Domiciliares Cuidados Respiratórios Domiciliares Arthur Vianna Coordenador das UTI s Clínica São Vicente O paciente na UTI. Paciente DPOC cardiomiopatia dilatada em VM domiciliar 1 Objetivos A magnitude do problema

Leia mais

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA

ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA ALTERAÇÕES RESPIRATÓRIAS RELACIONADAS À POSTURA Karina de Sousa Assad * Layana de Souza Guimarães ** RESUMO A proposta desse artigo é demonstrar que algumas alterações posturais podem levar a distúrbios

Leia mais

Palavras Chave: Transtornos de deglutição/reabilitação; Fonoterapia; Unidades de terapia intensiva.

Palavras Chave: Transtornos de deglutição/reabilitação; Fonoterapia; Unidades de terapia intensiva. Avaliação e terapia fonoaudiológica da deglutição de pacientes adultos traqueostomizados dependentes de ventilação mecânica em unidade de terapia intensiva Palavras Chave: Transtornos de deglutição/reabilitação;

Leia mais

VS III. Ventilador a volume e pressão Para uso invasivo e não-invasivo

VS III. Ventilador a volume e pressão Para uso invasivo e não-invasivo VS III Ventilador a volume e pressão Para uso invasivo e não-invasivo Sua solução de ventilação versátil, eficiente e fácil de usar, do hospital para a residência DESTAQUES DA TECNOLOGIA Desempenho avançado

Leia mais

Como você é beneficiado: Ventilação de qualidade Versatilidade da aplicação Facilidade de uso Operação silenciosa. CHEST / Dezembro de 2005

Como você é beneficiado: Ventilação de qualidade Versatilidade da aplicação Facilidade de uso Operação silenciosa. CHEST / Dezembro de 2005 O novo ventilador semi-intensivo Carina Cuidado semi-intensivo é um serviço de tratamento médico em rápido crescimento para pacientes que precisam de procedimentos diagnósticos e invasivos, mas não procedimentos

Leia mais

CERTIFICADO BPF NBR ISO 9001:2008 EN ISO 13485:2003 + AC 2009. VENTILADOR PULMONAR LEISTUNG LUFT2-g R 04-04 (50) REV. 01

CERTIFICADO BPF NBR ISO 9001:2008 EN ISO 13485:2003 + AC 2009. VENTILADOR PULMONAR LEISTUNG LUFT2-g R 04-04 (50) REV. 01 CERTIFICADO BPF NBR ISO 9001:2008 EN ISO 13485:2003 + AC 2009 VENTILADOR PULMONAR LEISTUNG LUFT2-g R 04-04 (50) REV. 01 - 2 de 79 - Fabricação, Distribuição e Assistência Técnica por: LEISTUNG EQUIPAMENTOS

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

FUNÇÃO PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO-CORALISTAS

FUNÇÃO PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO-CORALISTAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 FUNÇÃO PULMONAR E FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO-CORALISTAS Camila de Moraes Rosa 1 ; Juliana policarpo Teodoro

Leia mais

Provas de Função Pulmonar

Provas de Função Pulmonar Aula Prática Provas de Função Pulmonar Nataniel Gonçalves Rosa 5 de Novembro de 2014 Engenharia Biomédica Ventilação pulmonar Renovação do ar contido nos pulmões de modo espontâneo e por acção dos músculos

Leia mais

TRABALHOS CIENTÍFICOS 23 DE NOVEMBRO DE 2013 09H30 ÀS 10H30 TV 01

TRABALHOS CIENTÍFICOS 23 DE NOVEMBRO DE 2013 09H30 ÀS 10H30 TV 01 TRABALHOS CIENTÍFICOS 23 DE NOVEMBRO DE 2013 09H30 ÀS 10H30 TV 01 5304 ALTERAÇÕES OFTALMOLÓGICAS EM PORTADORES DE SAOS 5305 PERFIL DOS PACIENTES ENCAMINHADOS AO INSTITUTO DO SONO DE CUIABÁ/MT PARA REALIZAÇÃO

Leia mais

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose

03/07/2012 PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose PNEUMONIA POR INFLUENZA: PREVENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO, ONDE ESTAMOS? Encontro Nacional de Infecções Respiratórias e Tuberculose Goiânia

Leia mais

Efeitos da ventilação não invasiva por meio do BIPAP sobre a tolerância ao exercício físico em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)

Efeitos da ventilação não invasiva por meio do BIPAP sobre a tolerância ao exercício físico em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) Artigo de Revisão Efeitos da ventilação não invasiva por meio do BIPAP sobre a tolerância ao exercício físico em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) Effects of noninvasive ventilation

Leia mais

BANCAS EXAMINADORAS DE TRABALHO DE CURSO (2015/2) CURSO DE FISIOTERAPIA. ORIENTADORA: Profa. ANA CAROLINA MESQUITA DO NASCIMENTO

BANCAS EXAMINADORAS DE TRABALHO DE CURSO (2015/2) CURSO DE FISIOTERAPIA. ORIENTADORA: Profa. ANA CAROLINA MESQUITA DO NASCIMENTO O coordenador do Núcleo de Atividades Complementares NAC, nos termos da Resolução CONSUP Faculdade CESUC 001/2015, divulga abaixo a relação das BANCAS PÚBLICAS EXAMINADORAS DE TRABALHO DE CURSO do Curso

Leia mais

Efeitos da fisioterapia na força muscular respiratória do idoso: revisão de literatura

Efeitos da fisioterapia na força muscular respiratória do idoso: revisão de literatura Efeitos da fisioterapia na força respiratória do idoso: revisão de literatura Flávia Alves de Abreu 1, Ingrid Maziero Cheles 1, Maíra de Freitas Souza 1, Michelle Pereira Lima 1, Rafael Bossolan 1, Andréa

Leia mais

MT-5479-2008. Bem-vindo ao próximo nível DRÄGER PRIMUS INFINITY EMPOWERED

MT-5479-2008. Bem-vindo ao próximo nível DRÄGER PRIMUS INFINITY EMPOWERED MT-5479-2008 Bem-vindo ao próximo nível DRÄGER PRIMUS INFINITY EMPOWERED 02 DRÄGER PRIMUS INFINITY EMPOWERED 03 Mantendo você conectado Conhecendo o Primus Infinity Empowered da Dräger D-16183-2009 Estar

Leia mais

Oxigenoterapia, ventilação assistida e apnéia do sono

Oxigenoterapia, ventilação assistida e apnéia do sono Homehealth provider Oxigenoterapia, ventilação assistida e apnéia do sono www.airliquide.com.br Detentora da maior rede mundial de tratamento domiciliar em oxigenoterapia, ventilação assistida invasiva

Leia mais

021 ESTABELECIDO EM 28/05/2007

021 ESTABELECIDO EM 28/05/2007 Asma na Infância 021 ESTAELECIDO EM 28/05/2007 ÚLTIMA REVISÃO EM 18/12/2009 NOME DO TEMA \\ Asma na Infância RESPONSÁVEIS UNIDADE \\ Dr. José Semionato Filho Dr. Luis Fernando A. Carvalho Dr. Wilson Rocha

Leia mais

Focado no essencial DRÄGER SAVINA 300

Focado no essencial DRÄGER SAVINA 300 D-46451-2012 Focado no essencial DRÄGER SAVINA 300 2 Como um ventilador pode ajudar a facilitar seu trabalho diário? D-46454-2012 D-11112-2010 Prestar o melhor cuidado possível ao paciente é o seu objetivo

Leia mais

VIAGENS AÉREAS EM PORTADORES DE DOENÇA PULMONAR AVANÇADA

VIAGENS AÉREAS EM PORTADORES DE DOENÇA PULMONAR AVANÇADA VIAGENS AÉREAS EM PORTADORES DE DOENÇA PULMONAR AVANÇADA Valéria Maria Augusto Professora Adjunta - Doutora UFMG Contexto 7.000.000.000 passageiros voaram em 006 Desde então: aumento do número e da idade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: PNEUMOLOGIA CASSIANO TEIXEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: PNEUMOLOGIA CASSIANO TEIXEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA: PNEUMOLOGIA CASSIANO TEIXEIRA TRABALHO RESPIRATÓRIO NO DESMAME DA VENTILAÇÃO MECÂNICA Tese submetida à Universidade Federal

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA

RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA RELATÓRIO FINAL DE PESQUISA Título do Projeto: Teste de caminhada de seis minutos como instrumento de avaliação do programa de recondicionamento físico de pacientes portadores de doença pulmonar obstrutiva

Leia mais

VNI Ventilação Não Invasiva. Luís Guilherme Alegretti Borges

VNI Ventilação Não Invasiva. Luís Guilherme Alegretti Borges VNI Ventilação Não Invasiva Luís Guilherme Alegretti Borges VNI Ventilação Não Invasiva Histórico Fisiologia da VNI Indicações Modalidades Interfaces Aparelhos Protocolos Definição Ventilação não invasiva

Leia mais

A R T I G O S O R I G I N A I S

A R T I G O S O R I G I N A I S A R T I G O S O R I G I N A I S Saturação em hemoglobina pelo oxigênio através da oximetria de pulso: comparação entre prong nasal e cânula nasal locada em nasofaringe e fossa nasal Emiko Kawata Medeiros

Leia mais

PAD Coren/DIPRE nº 622 /2013 PARECER TÉCNICO nº 004/2013

PAD Coren/DIPRE nº 622 /2013 PARECER TÉCNICO nº 004/2013 PAD Coren/DIPRE nº 622 /2013 PARECER TÉCNICO nº 004/2013 Obrigatoriedade de montagem de ventiladores mecânicos exclusivamente por enfermeiros em UTIs, composta por equipe multidisciplinar, inclusive profissional

Leia mais

TÍTULO: APLICAÇÃO DA ESTIMULAÇÃO SENSORIAL EM PACIENTES COMATOSOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA

TÍTULO: APLICAÇÃO DA ESTIMULAÇÃO SENSORIAL EM PACIENTES COMATOSOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA TÍTULO: APLICAÇÃO DA ESTIMULAÇÃO SENSORIAL EM PACIENTES COMATOSOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES): ANA CAROLINA

Leia mais

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC

03/08/2014. Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica DEFINIÇÃO - DPOC ALGUNS TERMOS TÉCNICOS UNESC FACULDADES - ENFERMAGEM PROFª.: FLÁVIA NUNES Sistematização da assistência de enfermagem ao paciente portador de doença pulmonar obstrutiva crônica Ortopneia: É a dificuldade

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

D-63374-2012. Mais opções para melhores decisões. DRÄGER EVITA V300

D-63374-2012. Mais opções para melhores decisões. DRÄGER EVITA V300 D-63374-2012 Mais opções para melhores decisões. DRÄGER EVITA V300 02 Como tomo a decisão certa hoje? D-63267-2012 Decisões sustentáveis exigem várias opções As demandas na UTI aumentam constantemente:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Guia de conduta: Ventilação Mecânica Não Invasiva

Diretrizes Assistenciais. Guia de conduta: Ventilação Mecânica Não Invasiva Diretrizes Assistenciais Guia de conduta: Ventilação Mecânica Invasiva Versão eletrônica atualizada em jun/2012 Guia de conduta: Ventilação Mecânica Invasiva Definição Ventilação Mecânica Invasiva (VNI)

Leia mais

1. Indicações de ventilação mecânica invasiva com pressão positiva

1. Indicações de ventilação mecânica invasiva com pressão positiva 1. Indicações de ventilação mecânica invasiva com pressão positiva Coordenador: SÉRGIO SALDANHA MENNA BARRETO Relator: NIVALDO FILGUEIRAS Colaboradores: AÍRTON STINGELLIN CRESPO, ANALUCE GÓES, ARTHUR VIANNA,

Leia mais

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas

Pós Operatório. Cirurgias Torácicas Pós Operatório Cirurgias Torácicas Tipos de Lesão Lesões Diretas fratura de costelas, coluna vertebral ou da cintura escapular, hérnia diafragmática, ruptura do esôfago, contusão ou laceração pulmonar.

Leia mais

M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar

M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe de Fonoaudiologia do Hospital Espanhol

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

VENTILAÇÃO MECÂNICA EM NEONATOLOGIA

VENTILAÇÃO MECÂNICA EM NEONATOLOGIA VENTILAÇÃO MECÂNICA EM NEONATOLOGIA Israel Figueiredo Junior UFF 2009 israel@vm.uff.br OBJETIVOS OXIGENAR VENTILAR MANTER ph PaO2 PaCO2 ph N HISTÓRICO 1800-1 o relato de IOT associada a VM 1887 - O Dwyer

Leia mais

FISIOTERAPIA / TERAPIA INTENSIVA

FISIOTERAPIA / TERAPIA INTENSIVA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário FISIOTERAPIA / TERAPIA INTENSIVA PARTE I: MÚLTIPLA ESCOLHA 01 As doenças

Leia mais

OXIGENOTERAPIA DOMICILIAR PROLONGADA

OXIGENOTERAPIA DOMICILIAR PROLONGADA OXIGENOTERAPIA DOMICILIAR PROLONGADA Maria Christina Lombardi Machado - Doutoura em Medicina pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) - Coordenadora dos Programas de Oxigenoterapia Domiciliar do

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PILATES NA CAPACIDADE RESPIRATÓRIA FUNCIONAL EM PACIENTES COM DPOC

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PILATES NA CAPACIDADE RESPIRATÓRIA FUNCIONAL EM PACIENTES COM DPOC TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UM PROGRAMA DE PILATES NA CAPACIDADE RESPIRATÓRIA FUNCIONAL EM PACIENTES COM DPOC CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Protocolo de Monitorização Neurológica

Protocolo de Monitorização Neurológica Cuidados Intensivos de Enfermagem no Paciente Vítima de Trauma Elaine Morais Gerente de Unidades de Terapia Intensiva Unidade São Joaquim Protocolo de Monitorização Neurológica Investigação neurológica:

Leia mais

PROTOCOLOS ISGH SEDAÇÃO E DELIRIUM EM PACIENTES CRÍTICOS

PROTOCOLOS ISGH SEDAÇÃO E DELIRIUM EM PACIENTES CRÍTICOS E L A B O R A Ç Ã O Jamille Soares Moreira Alves Assessora Técnica - ISGH Mozart Ney Rolim T. Henderson Coordenador Médico UTI - HRC Rafaela Neres Severino Gerente de Nutrição - ISGH Virgínia Angélica

Leia mais

A importância da fisioterapia na terapia intensiva de suporte ventilatório: uma revisão de literatura

A importância da fisioterapia na terapia intensiva de suporte ventilatório: uma revisão de literatura 1 A importância da fisioterapia na terapia intensiva de suporte ventilatório: uma revisão de literatura Andreza Erica da Rocha Vasconcelos 1 e-mail: ericavasconcelos2012@hotmail.com Orientadora: Dayana

Leia mais

MONITORAMENTO DA OXIGÊNOTERAPIA EM RECÉM NASCIDOS HOSPITALIZADOS NA UTI

MONITORAMENTO DA OXIGÊNOTERAPIA EM RECÉM NASCIDOS HOSPITALIZADOS NA UTI MONITORAMENTO DA OXIGÊNOTERAPIA EM RECÉM NASCIDOS HOSPITALIZADOS NA UTI RESUMO CAVAGNOLI, Alessandra 1 VERONESE, Dayane TAGLIETTI, Marcelo O presente artigo visa realizar uma revisão integrativa da literatura

Leia mais

Disciplina de Pneumologia, Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina, São Paulo, SP.

Disciplina de Pneumologia, Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina, São Paulo, SP. Artigo Original Uso do suporte ventilatório com pressão positiva contínua em vias aéreas (CPAP) por meio de máscara nasofacial no tratamento da insuficiência respiratória aguda M.A. SCARPINELLA-BUENO,

Leia mais

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA

FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA FISIOLOGIA RESPIRATÓRIA Respiração A função da respiração é essencial à vida e pode ser definida, de um modo simplificado, como a troca de gases (O 2 e CO 2 ) entre as células do organismo e a atmosfera.

Leia mais

Modelagem Fuzzy de Diagnóstico Médico e Monitoramento do Tratamento da Pneumonia

Modelagem Fuzzy de Diagnóstico Médico e Monitoramento do Tratamento da Pneumonia BIOMATEMÁTICA 15 (2005), 77-96 ISSN 1679-365X Uma Publicação do Grupo de Biomatemática IMECC UNICAMP Modelagem Fuzzy de Diagnóstico Médico e Monitoramento do Tratamento da Pneumonia Wanda Aparecida Lopes

Leia mais