ANAIS A INTEGRAÇÃO E O USO DO SISTEMA PUXADO NO PLANEJAMENTO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS A INTEGRAÇÃO E O USO DO SISTEMA PUXADO NO PLANEJAMENTO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS"

Transcrição

1 A INTEGRAÇÃO E O USO DO SISTEMA PUXADO NO PLANEJAMENTO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS FELIPE SAWAYA HIRSCHHEIMER ( ) PWC - UNICAMP Resumo O artigo explora o uso do modelo de produção puxada em cadeias estendidas de suprimento. São analisados alguns elementos do Just in time característicos do sistema Toyota de Produção, com grande foco na produção puxada e, após isso, exposto o conceito e as características das cadeias de suprimentos. A aplicação e contextualização da produção puxada nas cadeias de suprimentos são analisadas então sob uma visão holística de redução total de custos e melhoria de performance. A forma de implementação da ferramenta japonesa de gestão é analisada ano final do texto. Palavra chave: Cadeia de Suprimentos integrada, Lean Supply Chain, Just in time. 1. Introdução Os sistemas de planejamento puxados, em suas formas diversas, têm sido usados nas empresas japoneses desde a década de 50 (Womack, 1992). Esse sistema, caracterizado pela sua forma visual de enxergar a necessidade de produção, sincronia entre as etapas de produção e simplicidade chamou a atenção de algumas organizações do ocidente, o que fez com que fosse implementado em algumas fábricas dos Estados Unidos e Europa ainda na década de 70. O sistema de planejamento puxado vem de um conceito mais abrangente fortalecido por Daniel Jones e James Womack em A Maquina que Mudou o Mundo intitulando de Just in Time, termo que significa, com o risco da tradução: a entrega de produtos e serviços apenas quando esses são necessários (Bicheno, 2000). Embora não exista muito consenso quanto ao real significado do termo Just in Time, ele é normalmente citado como sendo um dos pilares da Manufatura Enxuta, mais especificamente um conjunto de ferramentas e princípios desenvolvidos na Toyota Motor Company que visa eliminação de Muda, palavra que significa desperdício em japonês. Entre os desperdícios mais elementares que o just in time visa combater estão o estoque de peças e produtos e a super produção. A Produção Puxada, um modelo de gerenciamento dos estoques e a produção pertencente ao just in time é hoje usada com bastante destreza por muitas empresas de manufatura e seus benefícios são bem conhecidos. (Tardin, 2001). A aplicação desse modelo de gestão é usualmente utilizada para planejar a produção, principalmente dentro da empresa. Desta forma, é comum encontrarmos os quadros de gestão visual, ou quadros de Kanban (termo japonês que significa controle por cartão), entre as várias fases da produção nas fábricas, como entre a usinagem e montagem, ou ainda entre as fases de acabamento e pintura. 1/15

2 Contudo, a aplicação das ferramentas do Just in Time para gerenciar as cadeias de suprimentos de empresas é bastante rara, sendo observada, usualmente, apenas no sistema de suprimentos que as montadoras de veículos estabelecem com seus fornecedores de primeiro nível, e em algumas outras empresas que por qualquer motivo foram levadas a desenvolver sistemas de gerenciamento para aumentar a performance de suas empresas e parceiros. As ferramentas e conceitos japoneses que ficaram famosos por aumentar a eficiência das empresas são bem utilizados para gerenciar a produção e as informações dentro das fábricas, entretanto, quando saímos dos portões das fábricas e nos deparamos com a forma com que essas têm gerenciado e se comunicado com parceiros de negócio, não conseguimos identificar, pelo menos em um número bem grande de empresas, o uso e exercício do just in time e outras práticas para aumento de performance. Com o risco de toda a generalização, o planejamento entre as empresas normalmente não apresenta os elementos conceituais do Just in Time, o que causa gastos e custos desnecessários nas cadeias de Suprimentos dos bens. Estoques altos, excesso de produção e baixos níveis de serviços são resultados da falta da falta de gestão, programas de remessa com excesso de segurança e comunicação turva entre os agentes (Carvalho, 2005). Não obstante, o sincronismo sistêmico e a troca de informações entre as empresas não tem sido a maior característica das cadeias de suprimentos atuais. O individualismo nas decisões e a tentativa de se obter a otimização individual na transação de matérias e fundos têm se pronunciado muito mais do que qualquer gesto ou iniciativa no gerenciamento de clientes e parceiros do que elevado os custos holísticos das cadeias de suprimentos. O pensamento smithiano de que a concorrência entre os agentes leva a uma maior eficiência global do sistema tem levado à perda de competitividade de algumas cadeias tal como o grande estudo de competitividade das montadoras de veículos patrocinados pelo MIT nos mostrou no fim da década de noventa. O presente artigo discute formas de gerenciamento de matérias e informações que podem tornam mais eficientes as cadeias de suprimentos de bens. Na sessão 2, introduzimos os conceitos de just in time e sua relação com as cadeias de suprimentos. Na sessão 3 descrevemos os conceitos da produção puxada que serão discutidos ao longo de toda a dissertação. Em seguida são apresentados os conceitos de cadeia de suprimentos. Na sessão 5. discutimos como se dá o Planejamento tradicional de matérias nas cadeias de suprimentos para que na sessão 6 apresentemos sua contraposição: o sistema integrado. Na sessão 7 analisamos os passos para implementação da produção puxada em uma cadeia de suprimentos. As considerações finais são realizadas na sessão O just in time e as cadeias de suprimentos Existe muita controvérsia sobre a definição do Just in time. Embora muitos autores tenham estudado o assunto, Keller e Kazari (1993), depois de pesquisarem mais de 400 artigos sobre o tema, chegaram à conclusão de que há pouco consenso sobre a real definição do termo. Não se sabe ao certo se o Just in Time é um objetivo, um principio ou um conjunto de ferramentas para aumento da eficiência das empresas. Ao invés de tentar definir o termo, iremos ilustrar onde e em que contexto o Just in Time foi criado com o fim de entendê-lo melhor. O Just in Time foi criado na Toyota Motor Company na década de 60 (Bicheno, 2001). A empresa, ao iniciar sua empreitada rumo à competitividade no mercado de carros, verificou que o modelo de produção em massa empregado por empresas como a Ford e a General Motors não seria adequado para a realidade do mercado com alto número de modelos e baixos volumes japonês. Ao invés de produzir em enormes volumes e com linhas fixas de produção, os orientais da Toyota, principalmente Taiichi Ohno, o engenheiro chefe da Toyota, tiveram 2/15

3 que empenhar esforços em produzir uma mix de produtos maior, em menor quantidade, porém com a mesma eficiência das empresas Ocidentais. Isso porque a forma de produção de carros ocidental não se aplicava à realidade dos japoneses que, se tentassem copiar o sistema de produção das grandes montadoras GM e Ford, iriam incorrer em grandes estoques de carros e excesso de peças nas fábricas. A formação de estoques era impossibilitada pela falta de fundos que a Toyota tinha no pós-guerra e esse foi elemento fundamental para a mudança de modelo de produção (Womack, 1990). A procura minuciosa por soluções para produzir um número grande de modelos de carros com baixos volumes levou os funcionários da Toyota Motors a inovar a forma de produzir carros. A busca por formas mais eficientes de se manufaturar carros fez com que se criasse as conhecidas ferramentas de troca rápida de ferramentas, células de manufatura e manutenção autônoma que deram origem ao que foi chamado mais tarde de Sistema Toyota de Produção (Tardin, 2001). Algumas dessas ferramentas foram conceituadas como sendo parte do Just in Time, que e tem o objetivo único eliminar desperdícios ao longo da cadeia de valor das peças manufaturadas. O Just in Time, definido aqui abrangentemente como um conjunto de princípios e ferramentas que faz parte do sistema Toyota de Produção, apresenta um número bem grande de ferramentas e métodos para eliminar os desperdícios e aumentar a eficiência de um sistema produtivo. Contudo, iremos nos restringir aqui à análise dos conceitos de sistema puxado, elemento importante para o aumento de eficiência de uma empresa. Estudos recentes realizados principalmente por Jeffrey Liker revelam que o Sistema de Toyota de Produção não apenas revolucionou a manufatura ao criar células, realizar set up rápidos e treinar funcionários multidisciplinares, mas também realizou enormes esforços na tentativa de melhorar a performance de seus parceiros de negócio, principalmente fornecedores. Neste sentido, as melhorias advindas do Just in time foram transferidas para os fornecedores e parceiros da Toyota que não apenas se beneficiou com a melhoria de performance de suas plantas, mas também com a melhoria de sua cadeia de suprimentos de bens e serviços. 3. O sistema puxado Os sistemas de Planejamento de produção podem ser divididos em dois grandes conceitos, o sistema empurrado e o sistema puxado (Huang et al., 1998). Iremos detalhar aqui apenas o sistema puxado e na parte 5, iremos descrever como se dá o sistema de produção empurrado. Segundo Liker (1998), o sistema de planejamento puxado, relacionado ao just in time, tem o objetivo de planejar e controlar a movimentação e produção de matérias com menor número de recursos e estoque possível, atingindo um nível de serviço desejável. Para isso, o sistema puxado faz uso de um sistema de sinalização que funciona de acordo com os níveis de estoque de peças no final ou no meio do processo produtivo (Molden, 1998). De maneira sucinta, o sistema puxado exige que exista uma porção de peças controlas no final do processo produtivo chamado de super mercado (Tardin, 2001). Quando o consumidor desse item quiser coletar algumas peças, essas estarão disponíveis. Assim que o super mercado atinge um determinado nível, relacionado ao tempo de passagem que o bem leva para ser processado, um sinal é emitido paro que o processo anterior desloque ou produza peças, ressuprindo o supermercado. Esse processo pode acontecer várias vezes em uma cadeia de valor. Ou seja, ao longo da cadeia de processamento de um bem, podem existir inúmeros super mercados e diversas formas de se sinalizar a necessidade de peças (Tardin, 2001). Segundo Womack at al. (1998) os sistemas de planejamento puxados são implementados na Toyota quando não se consegue criar um fluxo unitário de peças. Ou seja, no processo de 3/15

4 produção de um bem, existem algumas etapas em que não é possível se criar um fluxo de peças unitárias, de forma que se processe uma peça de cada vez. Nestes casos, um sistema de puxar a necessidade de peças é necessário para um melhor planejamento e da produção. Talvez a maior característica do sistema de planejamento puxado seja a imposição de um ponto apenas de planejamento. A programação do processo de produção ou o Ponto de Penetração do Pedido do Cliente é colocado apenas em um ponto da cadeia. As outras etapas do processo ou podem ser realizadas em fluxo ou podem ser puxadas segundo o consumo de produtos finais (Takahashi e Nakamura, 1998). Ou seja, de acordo como último super mercado. Isso é de essencial importância como iremos analisar mais adiante. A figura 3.1 demonstra como um sistema puxado funciona. As setas que vão das etapas para as caixas que representam os produtos são sinalizações de necessidade de matérias. Programação Previsão Cliente Pedido Etapa 2 Etapa 2 Etapa 3 Estoque Estoque Estoque Figura 1: Representação do fluxo de informações e matérias em um sistema puxado. O modo mais usual de planejamento puxado é o Kanban, sistema que utiliza cartões como sinalização de necessidade de produção (Liker, 1998). Kan significa cartão e Ban, controle, Kanban. Esse sistema é bastante usual em fábricas de produção discreta e até mesmo, com incidência menor, em processos contínuos. Utiliza-se um quadro, que é colocado na frente de uma máquina ou de um sistema de transporte, onde são alocados os cartões que sinalizam a necessidade de produção ou transferência de bens quando os estoques dos supermercados estão baixos. 4. As cadeias de suprimentos A definição de cadeia de suprimentos, tal como outros elementos deste artigo, não possui uma definição comum entre os principais autores. Stevens (1989) define cadeia de suprimentos como um sistema constituído de fornecedores de material, recursos de produção, serviços de distribuição e consumidores ligados por um fluxo de material e de informações. Já Christopher (1999) impõe que as atividades de uma cadeia de suprimentos abrangem o fluxo de mercadorias do fornecedor, passando pela fabricação e distribuição até o usuário final. Neste sentido, uma cadeia pode ser encontrada dentro de uma empresa ou ser formada por uma associação de empresas empenhadas na constituição de um produto final. Uma visão simples, é apresentada por Durski (2003). O autor diz que a cadeia se refere ao conjunto de organizações cujos processos, atividades, produtos e serviços são articulados 4/15

5 entre si como elos de uma mesma corrente, numa seqüência lógica, progressiva, ao longo de todo o processo produtivo de um determinado produto ou serviço. Talvez a definição que estejamos procurando encontre-se em Simchi-Levi et al (2000): a Cadeia de Suprimentos é uma rede complexa de instalações e organizações com objetivos distintos e conflitantes e que a gestão desta rede congrega um conjunto de abordagens utilizadas para integrar eficientemente fornecedores, fabricantes, depósitos e armazéns, de forma que a mercadoria seja produtiva e distribuída na quantidade certa, para a localização certa e no tempo certo, de forma a minimizar os custos globais do sistema atingindo o nível de serviço desejado. De fato, os objetivos dos agentes pertencentes às cadeias de suprimentos são, na grande maioria das vezes, bastante conflitantes. Uma empresa que deseja comprar partes de um bem para a montagem e venda aos seus consumidores não compartinha do mesmo anseio de seu fornecedor de adquirir um o lote enorme de peças e empenhar fundos na constituição de um estoque duradouro. Essa empresa otimiza seus recursos ao comprar o número exato de peças que deseja montar em um determinado momento. Contudo, isso fere o pensamento de seus fornecedores. O mesmo pensamento pode ser atribuído ao tempo de suprimento e qualidade das peças, uma boa qualidade para o fornecedor é custosa, e para o comprador, lucrativa. O pensamento que tem acompanhado o gerenciamento de cadeia de suprimento se aproxima muito do pensamento Smithiano de que ao concorrerem, as empresas em uma cadeia de suprimentos se empenham em melhorar produtos e processos diminuindo os custos de transformação e aumentando a satisfação dos clientes finais. Em outras palavras, seguindo esse pensamento, livre concorrência entre as empresas leva sempre ao melhor ponto em uma cadeia de suprimentos. Esse sistema moldou o modo com que as empresas interagiam por um bom tempo. No entanto, Womack at al. (1992) em seu estudo de competitividade na Mercado automotivo evidenciou um outro modelo de gerenciamento da cadeia. O estudo do MIT identificou que as montadoras de carro orientais, ao contrário de muitas montadoras americanas e européias, não pressionavam deliberadamente seus fornecedores para diminuição de preços e aumento de qualidade com o argumento de que iriam trocar de fornecedor caso não o fizessem. Ao contrario, o estudo indica que o relacionamento entre os agentes naquelas cadeias era muito vais voltado para cooperação na melhoria dos processos e visibilidade de informações importantes para um bom gerenciamento da produção. 5. O Planejamento Tradicional de Matérias nas Cadeias de Suprimentos É bastante desafiador descrever com destreza a forma a tradicional com que as empresas gerenciam a cadeia de suprimentos, e isso se deve a alguns fatores. Em primeiro lugar, não é prudente afirmar que as empresas gerenciam matérias na cadeia de suprimentos. Normalmente, as empresas apenas se relacionam com alguns agentes da cadeia de suprimentos, os seus clientes e os seus fornecedores (Slack, 1996), não exercendo um processo ativo de planejamento na sua cadeia de transformação como um todo. Em segundo lugar, a forma com que as empresas se relacionam com seus clientes e fornecedores varia bastante em função da natureza de seus parceiros, da natureza de seus negócios e com o grau de especificidade existente nos produtos que são comercializados. Entretanto, com o risco de toda a generalização, podemos traçar algumas características comuns na forma com que as empresas têm se engajado nas cadeias de suprimentos. A descrição desse processo é o que irá nos ocupar nas próximas linhas. Os estudiosos que advogam em prol da produção puxada, alegam que, ao utilizar o MRP para programar e planejar a produção de suas fábricas, as empresas empurram a produção. Contudo, ao contrário do que estes poderiam impor, as empresas que utilizam o 5/15

6 MRP (Material Requerement Planning) ou qualquer outro sistema similar, se empenham em realizar a produção puxada de seus matérias e produtos. Ou seja, as empresas tentam, de uma forma ou de outra, ressuprir os estoques quando chegam em um determinado nível (Taylor, 1997). Entretanto, o processo de gestão de matérias dessas empresas se perde pelo modo com que as empresas tentam fazer o ressuprimento. Usualmente, o MRP é um sistema que converte previsões de vendas em um programa de produção de peças. Para isso, o sistema de MRP usa uma lista de matérias onde existem itens dependentes e itens independentes. A diferença entre um item dependente e um item independente jaz na forma como esses se relacionam à lista de matérias. Os itens independentes são aqueles cuja quantidade necessária depende do mercado e da demanda. Normalmente a quantidade desses produtos é determinada por uma previsão de vendas ou pelo histórico de demanda. Já os itens dependentes são aqueles cuja quantidade a ser produzida depende diretamente do consumo dos itens de demanda independente (Tardin, 2001). De uma forma sucinta, em um MRP os planejadores, ou em alguns casos os administradores de vendas, fazem um planejamento de vendas que contém as datas e a quantidades que se espera que cada item será vendido. Esse itens, de demanda independente, estão relacionados, aos itens de demanda dependentes, por intermédio de uma lista de matérias, de tal forma que, automaticamente, ao se planejar o consumo de itens de demanda independentes, o planejamento de itens de demanda dependentes são planejados (Correa at al.). Os MRP, mais especificamente o MRP II, ainda possibilita a visualização de quando os itens devem ser produzidos, solicitados aos fornecedores e se os recursos da fábrica têm a capacidade para atender a demanda solicitada. Isso se faz com o uso dos Lead Times de compras, de produção e pela imposição da capacidade de cada um dos recursos produtivos existentes na fábrica (Correa at all, 2007). Não iremos aqui descrever as nuanças do processo, outrossim, existe uma variável no MRP bastante importante para o escopo de análise desse artigo: o estoque de segurança. Iremos identificar a importância dos estoques de segurança e seus efeitos na cadeia de suprimentos mais adiante. Na figura 2 existe uma lista de matérias na qual o Produto A é um item de demanda independente e os componentes B, C, D e E são itens de demanda dependentes. Entre cada nível da lista de material é possível identificar os estoques de segurança que usualmente são colocados para que o processo fique protegido contra eventuais atrasos de entrega, produção ou não conformidade dos itens entregues. 6/15

7 Produto A Estoque de Segurança E Componente B E Componente C E Sub Componente D E Sub Componente E Figura 2: Lista de Matérias pertencente ao sistema MRP. Os MRP são a forma mais comum de integração entre as empresas na cadeia de suprimentos. Os itens transacionados pelas empresas são normalmente de demanda dependente e são solicitados conforme o planejamento dos itens de demanda independentes. A quantidade a ser solicitada depende diretamente do status dos estoques dos produtos de demanda independente e dos componentes que se transaciona entre as empresas. Um pedido formal é enviado com a quantidade solicitada às empresas fornecedoras que empenham recursos para tentar cumprir com tal pedido entregando bens na quantidade, data e qualidade solicitadas. Segundo Womack em sua obra Enxergando o Todo, são raras as ocasiões em que uma empresa planeja a sua produção e a compra de componentes e insumos com os olhos para fora da empresa. As restrições das linhas de produção dos fornecedores, suas capacidades em elevar a produção e a análise sistêmica da concorrência com outros produtos não fazem parte muitas vezes do processo de planejamento das empresas em uma cadeia de suprimentos. Ao contrário, as empresas, agentes pertencentes à cadeia de suprimentos, se protegem de tais variáveis aumentando o nível de seus estoques de segurança e fazendo pedidos grandes para seus fornecedores. Esse efeito acontece, em grande parte, devido ao desconhecimento do processo produtivo e das restrições dos outros agentes pertencentes à cadeia de suprimentos (Womack, 2006). Não são escassas as ocasiões em que as empresas, em função de uma alta pontual da demanda, ou na tentativa de aumentar a venda de produtos no mercado em promoções por exemplo, se empenham em aumentar a produção de mercadorias em suas fábricas. Contudo, devido à falta de conhecimento da cadeia de suprimentos e suas restrições, pecam no memento de se integrar com seus fornecedores e parceiros. A conseqüência lógica é o desbalanceamento da aquisição de insumos e, por conseguinte, o desperdício de recursos produtivos diretos e indiretos que foram empenhados na tentativa de aumento da produção. O efeito citado acima é apenas um das conseqüências danosas que acontecem em uma cadeia de suprimentos devido à falta de fluxo de informações, visibilidade e visão holística da cadeia de suprimentos. Iremos empenhar algumas palavras com esses aspectos. As empresas são entes independentes em uma cadeia de suprimentos. Elas tentam, antes de qualquer coisa, cumprir com o seu objetivo mais fundamental em um nicho de mercado: realizar lucros cada vez maiores, ou seja, obter lucros econômicos cada vez mais volumosos. Para esse fim, as empresas tentam pressionar os seus fornecedores a entregar lotes cada vez menores e em tempos cada vez mais reduzidos, da mesma forma que pressionariam seus clientes a receber lotes cada vez maiores se as empresas não tivessem concorrentes. A razão para isso é bastante simples de ser compreendida: Os lotes menores de compra 7/15

8 acompanhados dos tempos reduzidos de entrega fazem com que as empresas gastem menos dinheiro com a manutenção do estoque de componentes que se tem que manter em seus armazéns no início do processo de produção. De forma similar, os grandes lotes e os tempos de ressuprimentos longos impostos indevidamente aos clientes fazem com que as empresas tenham trocas de produtos menos freqüentes em suas linhas de produção, aumentando a produtividade de suas linhas e, consequentemente, possibilitando a venda de um número maior de mercadorias. Evidentemente a imposição de lotes grande aos clientes é impossibilitada pela concorrência nos diferentes mercados. Os clientes, sejam eles indivíduos ou empresas, sempre almejam lotes menores e tempo de entregas menores o que leva as empresas sempre a tentar ofertar lotes menores e em tempos reduzidos, mesmo que isso seja contraproducente do ponto de vista da empresa em questão. Para muitos gestores, o processo de pressionar parceiros para obter melhores preços, melhores prazos e maior qualidade nos produtos transacionados é a forma mais comum de se gerenciar a cadeia de suprimentos e consequentemente aumentar a lucratividade de seus negócios (Womack, 1992). Para muitos desses, o mercado atinge o seu ótimo com todas as empresas pertencentes à cadeia de suprimentos tentassem individualmente otimizar seus ganhos. A crença de que a procura pelo ótimo local leva ao ótimo global, contudo, fez com que as empresas se distanciassem da forma mais eficiente de obter maior lucro econômico. A troca eficiente de informações, neste sentido, aparece como elemento contra-produtivo no processo de negociação entre parceiros, como se o fornecedor ou cliente soubesse muitas informações sobre o status de seu estoque ou quanto realmente custam seus insumos, a empresa perderia barganha para uma boa negociação. A visibilidade dos acontecimentos na cadeia, tal como a conectividade entre os sistemas de planejamento e controle operacional entre os agentes, não faz parte da agenda dos gestores que pensam desta maneira (Womack, 1992) Esses, contudo, não expressam as fontes mais importantes de perdas e redução do lucro econômico, que aqui pode ser encarado como a receita menos os custos e despesas da operação. O efeito mais destrutivo desse modo de gestão, que aqui chamaremos de desintegrado, é a ampliação da demanda dos elos anteriores das cadeias produtivas, o que chamamos de efeito chicote. O efeito chicote é a conseqüência da ampliação dos pedidos em uma cadeia de suprimentos devido à imposição de margens de segurança dos agentes. Ou de uma forma mais simples, o efeito chicote é gerado pela assimetria de informações em uma cadeia de suprimentos: os agentes, devido à imposição de uma margem de segurança (ou estoque de segurança) que os protege de um eventual atraso no atendimento do fornecedor amplia, em um determinado período a quantidade de peças a serem pedidas. A seqüência de fatos se engaja mais ou menos desta forma em uma cadeia hipotética formada por varejistas, atacadistas, fabricantes e Fornecedores de Matéria Prima: em um determinado período, por algum motivo, a demanda no varejo é ampliada. Os gestores de matérias do varejo com a intenção de se proteger de eventuais atrasos ou falhas de seus fornecedores atacadistas aumentam a quantidade a ser solicitada no pedido de compra para os varejistas. Esses, ao se depararem com o aumento de demanda, e por serem temerosos a uma possível ruptura no fornecimento de produtos, também ampliam a demanda ao realizar os pedidos para os fabricantes (que nesse caso são os seus fornecedores de matérias). O mesmo processo acontece quando o fabricante identifica que a sua demanda foi ampliada. Com receio de que o seu respectivo fornecedor não lhe entregue os insumos necessários para a produção, esse aumenta a quantidade de produtos a serem pedidos para seu fornecedor. 8/15

9 O Efeito chicote traz conseqüências drásticas às cadeias de suprimentos e as empresas pertencentes a ela. Além dos efeitos elementares como o aumento de estoques, a ampliação dos pedidos, o que traz probabilidade de diminuição do nível de serviços, e o consumo de recursos desnecessários, o efeito chicote faz com que a demanda dos elos anteriores seja ampliada sempre que existe uma pequena variação na demanda do varejo. Tal aumento faz com que as primeiras empresas da cadeia de suprimentos dimensionem a capacidade de seus recursos de acordo como o maior nível de demanda que se pode averiguar em um certo período de tempo. Contudo, o maior nível de demanda desses pode ser bem maior que o suficiente para atender a demanda de produtos na cadeia de suprimentos. O hiato entre a capacidade instalada e a quantidade de produtos com que a empresa irá operar, representa apenas custos desnecessários que a empresa tem que agregar em seus produtos. A figura 3 nos mostra os efeitos do sistema de planejamento desintegrado tal como descrito acima em uma cadeia de suprimentos. Nela, presenciamos a existência de 4 elos de um fluxo de matérias, na qual as empresas tentam otimizar sua relação com seus respectivos fornecedores e clientes causando a ampliação da demanda na transação de produtos, ou efeito chicote. Na figura hipotética, os elementos que queremos evidenciar são a ampliação dos estoques dos primeiros níveis da cadeia de suprimentos e o aumento da variação na quantidade de itens dos pedidos na medida em que esses vão se direcionando aos elos anteriores da cadeia e ao processo. Variação da produção Previsão Previsão Fornecedores Produção Centro de Dist. Clientes Pedidos Pedidos Fornecedor Produção Centro de distribuição Clientes Estoques Figura 3. Sistema tradicional de fluxo de informações e matérias em uma cadeia suprimentos tradicional. 6. Um sistema Integrado Womack em A máquina que mudou o Mundo, chocou os leitores ao descrever como se organizavam as cadeias de suprimentos automotivas das empresas orientais. Neste estudo é possível presenciar elementos distintos daquelas que o autor chama de sistema tradicional. Nesta parte do artigo iremos analisar os elementos que podem ser implementados nas diferentes estruturas de transação de materiais com o objetivo de eliminar os desperdícios inerentes ao modelo de gestão tradicional das empresas de uma cadeia de suprimentos. 9/15

10 Ao se analisar uma cadeia de produtos eficientes tal como a cadeia de peças da Toyota Motors Company e outras montadoras orientais, a primeira distinção que se pode identificar é o grau de interação existe entre os agentes (Womack, 1992). O modo de interação entre as empresas pode se desenvolver de diversas formas. São comuns as trocas de informação para a melhor performance da operação logística e produtiva dos parceiros, formação de rede de conhecimentos para o melhor entender dos elementos dos produtos manufaturados, realização de eventos para melhorar a eficiência holística da cadeia de suprimentos ou ainda interação entre parceiros para o desenvolvimento de um novo produto e os componentes necessários para a confecção desse produto. Esse último é apontado como grande diferencial do Toyota Motors com relação aos seus concorrentes (Liker, 2004). Para o aumento de eficiência de uma cadeia logística a integração entre as empresas deve engendrar a transação freqüente de informações que exponham a quantidade matérias nos vários pontos da cadeia de fornecimento, previsão de quebras, datas de entrega e outras informações que auxiliem o gerenciamento da produção em todas os pontos da cadeia. Esses processos, contudo, não provêm de uma visão mais colaborativa desenvolvida por essas empresas, mas sim de uma forma de pensamento que quebra o paradigma que muitas empresas tinham na década até a década de 90. Esse novo pensamento implica na troca do foco de eficiência pontual pela procura mais holística de desempenho da cadeia. Existe uma ruptura na forma com que se enxerga as empresas em uma cadeia de suprimentos e no modo com que essas interagem. O que leva, em ultima análise, tais empresas a desempenhar um papel mais conectivo nas cadeias de suprimentos é a idéia da existência de ganhos comuns na cadeia com a colaboração, ou seja, existe a crença de que a integração dos agentes da cadeia de suprimentos traz maiores benefícios do que a procura pela otimização local de recursos. A relação de ganho com a colaboração pode ser bem entendida com o auxilio da figura 4. Nelas é expressa a relação de troca de peças entre duas empresas. Tal como já fora descrito anteriormente, os custos dos fornecedores são menores na medida em que se aumenta o tamanho dos lotes de produção, ao mesmo tempo em que o custo do comprador é maior quando o tamanho dos lotes diminuem. Contudo, existe um tamanho de lote ótimo no qual os custos da cadeia, aqui representada apenas por duas empresas, são minimizados. Custo Ponto ótimo. Total Fornecedor Comprador Tamanho do Lote Figura 4: Relação de ponto ótimo local e ponto ótimo global na transação de materiais em uma cadeia de suprimentos. A procura pelo ponto em que toda a cadeia ganha é bastante utópica quando nos deparamos com as atuais cadeias de suprimentos. Em um número grande de cadeias de 10/15

11 suprimentos, existem empresas que, sejam porque possuem a tecnologia da inovação do mercado, seja por que exercem algum grau de monopólio ou oligopólio na transação de matérias, têm maior poder de barganha na cadeia de suprimentos. O conceito de ponto ótimo não deixa de existir quando algum agente detém maior poder do que os demais na cadeia de suprimentos, mas sim a absorção dos ganhos relacionados a sua obtenção dificilmente se dará pelos elos mais com menor barganha. Normalmente, as empresas com maior barganha exercem a governança na cadeia. Iremos identificar a importância disso adiante. A aplicação da Produção Puxada nas empresas traz efeitos valiosos para a performance e bom funcionamento de seus sistemas de produção e entrega de peças (Tardin, 2001). Entretanto, poucos estudos trazem uma visão da aplicação da produção puxada na cadeia de suprimentos. Para que essa análise seja feita, a visão holística da cadeia de suprimentos existente na cadeia é um pressuposto. A aplicação de um sistema dinâmico de planejamento, tal como o sistema puxado, demanda que as empresas tenham um grande grau de integração O detalhamento de como essa integração deve ser feita, tal como se deve conduzir o processo de produção puxada, são os elementos dessa parte do artigo. A produção puxada em uma cadeia de suprimentos não se distingue muito de sua aplicação de uma empresa. Existem estoques de produtos, sejam eles acabados insumos ou em processo, que sinalizam a necessidade de produção ou transporte de peças para outros recursos ou para os elementos que fazem os transportes dos materiais. Quando aplicamos a produção puxada em uma cadeia, os recursos para quem se solicitam as peças podem pertencer a outra empresa e os elementos que fazem os transporte dos materiais podem ser caminhões, navios ou qualquer outra modal que eventualmente transporte peças. É elementar dizer que a aplicação da produção puxada, desde que em um ambiente de cooperação entre agentes, possibilita a melhoria da performance da cadeia como um todo. Desta forma, nos próximos parágrafos, ao invés de descrever as características da produção puxada em uma cadeia de suprimentos e apresentar poucos elementos novos, iremos comparar a implementação de um sistema puxado em uma empresa e em uma cadeia de suprimentos. 7. A implementação da produção puxada em uma cadeia de suprimentos No desenvolvimento de um sistema de produção puxada em uma empresa, o primeiro passo é identificar onde ficam os estoques puxadores de peças e os dispositivos que gerenciam o sistema de produção e transferência das peças (Tardin, 2001). Ou seja, onde ficarão os supermercados de peças que, quando chegarem em um determinado nível, irão sinalizar a necessidade de produção, ou de transferência de peças em um ponto anterior da cadeia de transformação. Na aplicação da produção puxada em uma cadeia de suprimentos, o processo não poderia ser diferente. Em um primeiro momento existe necessidade de se identificar onde serão alocados os estoques puxadores e os quadros ou dispositivos que sinalizarão a necessidade de peças. O processo de identificação da alocação dos elementos da produção puxada é normalmente feito com o uso de um Mapeamento de Fluxo de Valor, processo utilizado para desenhar e identificar possíveis melhorias que se pode aplicar em um ambiente produtivo (Shoock, 1999). O segundo passo é o calculo das faixas de segurança, dos lotes que serão transacionados e dos pontos que servirão como referência para a sinalização da necessidade de peças (Tardin, 2001). Aqui existe uma grande distinção entre o processo de implementação de produção puxada em uma empresa exclusivamente e a implementação em uma cadeia de suprimentos. No primeiro caso, tal como usualmente acontece nas implementações, não se olharia para os números de demanda dos outros agentes da cadeia de suprimentos, tamanho 11/15

12 dos lotes de fornecimento e tempos de ressuprimento. Isso faria com que as empresas dimensionassem o seu sistema de produção puxada com dados contaminados pelo efeito chicote, ou ainda sem o conhecimento da real possibilidade de alterar o tamanho do lote transacionado entre as empresas. No caso da implementação em uma cadeia, os dados de demanda seriam coletados nos varejistas e repassados para os outros elas da cadeia de suprimentos. Com isso o efeito chicote deixaria de existir e o sistema de produção puxada estaria condicionado à demanda do mercado. O terceiro e ultimo passo para a implementação da produção puxada em uma cadeia de suprimentos não se distingue muito do modelo usualmente utilizado no processo de implementação que se faz em uma empresa. Nesse, o processo de produção puxada é autônomo. Isso porque se transfere para o chão de fábrica a responsabilidade de abastecer os estoques controlados de peças ou supermercados (Tardin, 2001). Os operadores recebem um status de como se encontra o supermercado, e qual é o tamanho do lote que melhor acomoda a capacidade do sistema ao perfil da demanda. É o operador, em última análise, que decide o que vai ser produzido em função do status do supermercado. Contudo, a demanda e as condições de produção de uma empresa são dinâmicas. A demanda de peças em um fábrica muda da mesma forma que os recursos têm sua capacidade alterada em cada período de produção. O sistema de produção puxada deve acompanhar tais mudanças alterando as quantidades e os períodos vigentes no atual sistema. Para isso acontecer, o velho papel dos gestores da produção que antes se empenhavam em enviar ordens de produção para os vários pontos da fábrica deve mudar. Tais gestores agora devem controlar as variáveis que determinam o sistema e mudar os parâmetros desse, sempre que necessário, mantendo assim a saúde do sistema planejamento puxado. O escopo dos planejadores, desta forma, muda. Agora eles devem concentrar informações das variáveis que controlam o processo e enviar as decisões de mudança do sistema para os pontos adequados. Quando migramos para uma cadeia de suprimento o mesmo processo acontece. A demanda e as condições dos recursos do sistema se alteram de período para período, o que deve ser acompanhado pelo sistema de produção puxada. Deve haver gestor que controle o processo sistematicamente e faça adequações com o fim de acomodar o sistema às mudanças das variáveis. Esse papel da empresa que exerce a governança do sistema. Tal como os planejadores em uma empresa, as empresas que exercem a governança na cadeia devem controlar o sistema como um todo e enviar alterações para os pontos que controlam e regem o sistema de produção puxada. Demais disso, as empresas teriam a possibilidade de identificar eventuais aumentos ou diminuições dos lotes de produtos que compõem o sistema puxado com o objetivo de diminuir os custos. Isso seria possível, pois o custo que os fornecedores e compradores incorreriam para operacionalizar os diferentes tamanhos de lote e nivelamentos de abastecimento poderiam ser contabilizados e comparados. Na figura 5 é possível visualizar um sistema de produção puxada na cadeia de suprimentos. Nela é possível identificar a existência de uma empresa (ou mais de uma empresa) que tem o papel de gerenciar todo o sistema de produção puxada e a conexão entre os estoques e sinalizadores de necessidade de produtos entre as empresas. Quando se adota um sistema de produção puxada em que o fornecedor controla e reabastece o estoque de seu cliente, chamamos esse processo de Gestão de Estoque pelos Fornecedores ou Vendor Management Inventory: sempre que o estoque se encontra em um determinado nível, relacionado ao tempo necessário para o ressuprimento do fornecedor, esse inicia um processo de produção ou de transferência de peças para abastecer o supermercado de seu cliente (Carvalho, 2006). 12/15

13 Supply Chain Perfil da demanda Governança Concentração de Informação Centralização de Decisões Controle Perfil do Pedido Fornecedor VMI Produção VMI Centro de Distribuição FIFO FIFO FIFO Figura 5: Um sistema puxado na Cadeia de Suprimentos: sistema integrado e Governança. Não precisamos detalhar muito o processo de produção puxada em uma cadeia de suprimentos para identificar que é preciso estabelecer mecanismos dinâmicos de troca de informações entre os agentes e principalmente para a empresa que exerce governança. As informações dos estoques, da demanda e disponibilidade de recursos devem transitar entre as empresas de tal forma que o sistema seja atualizado e forneça a melhor alocação de recursos possível para a cadeia de suprimentos. Desta forma, um sistema integrado de fluxo de informações que forneça dados deve percorrer uma estrutura até chegar na empresa que exerce governança. Ao mesmo tempo, as decisões tomadas por essa empresa (com maior ou menor grau de consenso entre as demais) devem chegar de maneira rápida aos pontos que controlam o sistema de produção puxada nas empresas. 8. Conclusão e considerações finais A imposição de produção puxada é uma das maiores características da produção enxuta (Liker, 2004) e seus benefícios são muito claros para a maioria das empresas que as utiliza (Tardin, 2001) Entretanto, nos mercados atuais muitas vezes as empresas concorrem não apenas por eficiência de seus processos, como também pela eficiência da cadeia de suprimentos a que elas pertencem. A imposição de sistema de produção puxada na cadeia de suprimentos como um todo é de essencial importância para a melhoria da performance das empresas que pretendem obter ganhos sustentáveis (Taylor, 2004). A implementação da produção puxada não apenas demanda que exista uma maior integração entre as empresas como promove um maior aprendizado dos processos dos parceiros. Tal aprendizado é de fundamental importância para o crescimento e prosperidade das cadeias de suprimentos e eventuais novos produtos. 13/15

14 A forma com que os passos para a implementação da produção puxada foi descrita não outorga um caminho inexorável para a implementação de um sistema coeso e integrado entre as empresas. Os autores consentem que existem diversas formas de atingir graus complexos de eficiência na operacionalização da cadeia de suprimentos. Outrossim, o Artigo procurou não determinar o caminho para o sucesso das cadeias de suprimentos, mas sim orientar os gestores a atentar a trilhos que podem e estão sendo trilhados por muitas empresas. 14/15

15 7- Bibliografia: BICHENO, JOHN - Teh Leantoolbox. Buckinham: PICSIE Books, Carvalho, M. F. - Importância da Informação no Desempenho da Cadeia de Suprimentos - Um estudo Exploratório, XII SIMPEP, CHRISTOPHER, M. Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimento; Estratégia para redução de custo e melhoria dos Serviços,. São Paulo; Pioneira 2 ed CORRÊA, H, L. e CORRÊA C. A. Administração de produção e operação : manufatura e serviços: uma abordagem estratégica,. São Paulo; Atlas CORRÊA, H, L.; GIANESI, I. G. Just in Time, MRPII, e OPT. Editora Atlas LIKER, JEFFREY K. The Toyota Way. New York: McGraw-Hill, LIKER, JEFFREY K. Lean Process and Product Development: McGraw-Hill, OHNO, TAIICHI, O sistema Toyota de Produção. Porto Alegre. Editora Artes Médicas, ROTHER, M. - SHOOK, J.- Aprendendo a Enxergar. São Paulo, Lean Institute, SLACK, N; CHANBERS, S. A Administração de Produção. Editora Abril, 2002 SIMCHI-LEVI, D., KAMINSKY, P., SIMCHI-LEVI, E. Designing and Managing the Supply Chain : McGraw-Hill., STEVENS, J. (1989) Integrating de Supply chain, International Journal of Physical Distribution and Materials Management Vol. 19, No. 8 pp 2-8. TAYLOR, D. A nova Concorrencia. Editora Pearson, TARDIN, G. G. - O kanban e o Nivelamento de Produção. Tese de Mestrado, FEM, Unicamp, 2001 WOMACK, J. JONES, D. A maquina que Mudou o Mundo. Rio de Janeiro. Editora Campos, WOMACK, J. JONES, D. A mentalidade Enxuta nas Empresas. Rio de Janeiro. Editora Campos, /15

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS

LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS LEAD TIME PRODUTIVO: UMA FERRAMENTA PARA OTIMIZAÇÃO DOS CUSTOS PRODUTIVOS Sandra Mara Matuisk Mattos (DECON/UNICENTRO) smattos@unicentro.br, Juliane Sachser Angnes (DESEC/UNICENTRO), Julianeangnes@gmail.com

Leia mais

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e

A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e A Cadeia de Abastecimentos corresponde ao conjunto de processos necessários para: obter materiais, agregar-lhes valor dentro da visão dos clientes e consumidores e disponibilizar os produtos no local e

Leia mais

Concessionárias Lean: A Competição no Futuro Será Vencida com. Vendas e Serviços

Concessionárias Lean: A Competição no Futuro Será Vencida com. Vendas e Serviços Concessionárias Lean: A Competição no Futuro Será Vencida com Vendas e Serviços Este artigo mostra porque a competição será vencida com vendas e serviços. Tradução: Odier Araujo por James Womack A indústria

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Ataíde Braga Introdução A aquisição de bens e serviços a serem utilizados na produção e na revenda de produtos

Leia mais

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado

Estruturando o Fluxo Puxado - Sistema Puxado e Nivelado 1 SÍNTESE E CONCLUSÃO Como acoplar ou integrar gerencialmente uma cadeia de valor (ou etapas de um processo produtivo) no âmbito da filosofia Lean? SISTEMA PUXADO NIVELADO SISTEMA PUXADO NIVELADO: É o

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização

Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização Reduzindo o lead time no desenvolvimento de produtos através da padronização Lando T. Nishida O prazo ou lead time desde a concepção do produto até o lançamento no mercado é um dos fatores mais importantes

Leia mais

'$($')!$!"& (*+!,-$+& +."*/$& !"#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra.

'$($')!$!& (*+!,-$+& +.*/$& !#$%!$& DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. DEPS Departamento de Engenharia de Produção PCP Planejamento e Controle da Produção Prof. Dra. Silene Seibel A variável Estoque Texto base da disciplina PCP da Udesc Introdução No planejamento e controle

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

5 EDI - As montadores e suas distribuidoras

5 EDI - As montadores e suas distribuidoras 77 5 EDI - As montadores e suas distribuidoras No mundo, o setor automobilístico passa por uma forte transformação decorrente do processo de globalização associado à revolução tecnológica, que vem alterando

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

MODELOS DE NÍVEL DE SERVIÇO E OTIMIZAÇÃO DOS ESTOQUES NA CADEIA DE SUPRIMENTOS

MODELOS DE NÍVEL DE SERVIÇO E OTIMIZAÇÃO DOS ESTOQUES NA CADEIA DE SUPRIMENTOS MODELOS DE NÍVEL DE SERVIÇO E OTIMIZAÇÃO DOS ESTOQUES NA CADEIA DE SUPRIMENTOS 10/07/2006/em Artigos /por Peter Wanke É universalmente reconhecida a grande importância do conceito nível de serviço no desenho

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA Redução de estoques em processos na linha de terminais móveis de pagamento eletrônico Renata da Silva Alves (Eng. De Produção - FAJ) alvesresilva@gmail.com Prof. Me. Eduardo Guilherme Satolo (Eng. De Produção

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL

A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL A PROGRAMAÇÃO DA PRODUÇÃO PUXADA PELO CLIENTE: ESTUDO DE CASO NA INDÚSTRIA TÊXTIL Sigfrid Hornburg (UFSC) shornburg@karsten.com.br Dalvio Ferrari Tubino (UFSC) tubino@deps.ufsc.br Natalia Emerich Ladeira

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição A Atividade de Gestão de Estoque Primárias Apoio 1 2 3 4 Conceitulizando Estoque ESTOQUES são grandes volumes de matérias

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

Pós-Graduação Fórum Lean Vale do Paraíba A contribuição do Lean-TOC-VMI para a gestão eficaz da cadeia de suprimentos Prof. MSc. Artur Henrique Moellmann CIS-ERP / Grupo Everel 16maio2009 artur.moellmann@terra.com.br

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3. Max-Prod

Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3. Max-Prod Simulador de Planejamento de Alta Performance - Parte 1 de 3 Max-Prod Resumo: O software possui três simuladores distintos, sendo que o presente descritivo enfoca o primeiro deles, no qual foram gerados

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo:

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo: Modelos de Produção 1 Empresas: Movimentos Ideológicos 1.1 - Taylorismo: Taylorismo ou Administração científica é o modelo de administração desenvolvido pelo engenheiro norte-americano Frederick Taylor

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO

ANÁLISE CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5F)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4)2*OHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& ANÁLIS CRÍTICA DO MÉTODO PARA CRIAR FLUXO CONTÍNUO

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time.

Fiorella Del Bianco. Tema. Objetivo. O que é o kanban? O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Fiorella Del Bianco Tema O uso do kanban como técnica para otimizar os princípios do just-in-time. Objetivo Apresentar a aplicação de uma técnica simples e altamente eficaz para auxiliar na implementação

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência

Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência José Mauro Mendes Pelosi* 1. O conceito atual de competitividade O processo de globalização e a evolução econômica de países emergentes, como China,

Leia mais

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços

MRP MRP. Módulo 5 MRP e JIT. Demanda de produtos e serviços. Fornecimento de produtos e serviços Módulo 5 MRP e JIT Adm Prod II 1 MRP Fornecimento de produtos e serviços Recursos de produção MRP Decisão de quantidade e momento do fluxo de materiais em condições de demanda dependente Demanda de produtos

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Declaração de Conflitos de Interesse Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Lean na Microbiologia Conceito de Lean Cláudio Pereira Diretor Regional NKB RJ Agenda Lean Thinking Sistema de Produção da Toyota

Leia mais

Verificação dos ganhos de produtividade na implantação da produção enxuta numa indústria de produtos médicos

Verificação dos ganhos de produtividade na implantação da produção enxuta numa indústria de produtos médicos Verificação dos ganhos de produtividade na implantação da produção enxuta numa indústria de produtos médicos Resumo Hugo Machado de Castro hugomcastro@hotmail.com MBA Gestão da Qualidade e Engenharia de

Leia mais

Transformação enxuta: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma situação real

Transformação enxuta: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma situação real Transformação enxuta: aplicação do mapeamento do fluxo de valor em uma situação real José Antonio de Queiroz (SC-USP) jaq@prod.eesc.usp.br Antonio Freitas Rentes (SC-USP) rentes@sc.usp.br Cesar Augusto

Leia mais

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo.

Método: aulas expositivas, transparências e Estudo de Casos. Exercícios estruturados; Provas e trabalhos em grupo. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CCJE Departamento de Administração Prof. Marcos Paulo Valadares de Oliveira marcos.p.oliveira@ufes.br ADM 2179 - Administração de Materiais - Programa 1 Semestre

Leia mais

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém Estoque é um ativo que ninguém deseja, mas que toda empresa deve ter. O santo padroeiro do gerenciamento

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

Eliminando os picos artificiais de vendas. Alexandre Cardoso

Eliminando os picos artificiais de vendas. Alexandre Cardoso Eliminando os picos artificiais de vendas Alexandre Cardoso Os mercados se comportam de maneiras erráticas e imprevisíveis, gerando sempre uma variação nos volumes e no mix de produção. As causas estão

Leia mais

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE de nossos clientes Atuação em todos os processos e atividades industriais ou administrativas que ocorrem entre a realização do pedido e a entrega do produto

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO A CONSOLIDAÇÃO DOS TRÊS NÍVEIS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO Marcos Donizete de Souza (G-UEM) Priscilla Borgonhoni (UEM) REFERÊNCIA SOUZA, M. D. e BORGONHONI, P. A consolidação dos três níveis

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Introdução A A logística sempre existiu e está presente no dia a dia de todos nós, nas mais diversas

Leia mais

2. Revisão bibliográfica

2. Revisão bibliográfica 17 2. Revisão bibliográfica 2.1. Logística de transportes A Logística recebeu diversas denominações ao longo dos anos: distribuição física, distribuição, engenharia de distribuição, logística empresarial,

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Organização da produção social do trabalho Objetivo: Problematizar as diferentes

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Política de relacionamento e desenvolvimento de fornecedores: estudo de caso em uma indústria automobilística

Política de relacionamento e desenvolvimento de fornecedores: estudo de caso em uma indústria automobilística Política de relacionamento e desenvolvimento de fornecedores: estudo de caso em uma indústria automobilística Ronaldo Ribas Telles de Menezes 1 Gustavo de Souza Lima 1 Antônio Nunes Pereira 1 ronaldo_menezes@ufrrj.br

Leia mais

Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010

Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010 Logística Lean: exemplos apresentados no Lean Summit 2010 Autor: José Roberto Ferro Novembro de 2010 Ao adotar conceitos do Sistema Lean na logística, como Sistema Puxado, Milk Run e Rotas de Abastecimento,

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

6 Quarta parte logística - Quarterização

6 Quarta parte logística - Quarterização 87 6 Conclusão A concorrência aumentou muito nos últimos anos e com isso os clientes estão recebendo produtos com melhor qualidade e um nível de serviço melhor. As empresas precisam, cada vez mais, melhorar

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

Algumas ferramentas para a Logística Enxuta [8 de 11]

Algumas ferramentas para a Logística Enxuta [8 de 11] Algumas ferramentas para a Logística Enxuta [8 de 11] Rogério Bañolas Consultoria ProLean Logística Enxuta Nos artigos anteriores vimos que a Logística Enxuta é uma abordagem prática. Por isso, os profissionais

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Noções de Engenharia de Produção Curso de Engenharia de Produção Noções de Engenharia de Produção Histórico: - Um dos registros mais antigos de produção gerenciada data de cerca de 5.000 a.c.: monges sumérios já contabilizavam seus estoques,

Leia mais

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta

APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta APLICABILIDADE DA FILOSOFIA LEAN MANUFACTURING NAS ORGANIZAÇÕES: produção enxuta RESUMO Danieli Tavares Rates da Silva 1 Rogério de Souza 2 Anderson da Silva 3 Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI

Leia mais

MAPEAMENTO DO FLUXO DO PRODUTO PARA PROJETOS DE REDUÇÃO DE CUSTOS

MAPEAMENTO DO FLUXO DO PRODUTO PARA PROJETOS DE REDUÇÃO DE CUSTOS !"#! $&%(')%(*+-,.0/-1)%3254768%3.09-*47:-1);=4-?@1)2A:-, B(C 4-+-4ED(4-F-* %3, 'HGI%>+-*.>;=

Leia mais

Os Efeitos da Centralização das Compras Objetivando Minimizar os Custos de Aquisições em uma Empresa do Setor Automobilístico

Os Efeitos da Centralização das Compras Objetivando Minimizar os Custos de Aquisições em uma Empresa do Setor Automobilístico IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PÓS-GRADUAÇÃO MBA Gestão de negócios com ênfase em compras Os Efeitos da Centralização das Compras Objetivando Minimizar os Custos de Aquisições em uma Empresa do

Leia mais

Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br

Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br Prof. Silene Seibel, Dra. silene@joinville.udesc.br 1 Projetar sistemas de movimentação e armazenagem de materiais baseados nos princípios lean 2 Aprender a desenhar o fluxo de informações e materiais

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais

Decisões de Estoque. Custos de Estoque. Custos de Estoque 27/05/2015. Custos de Estoque. Custos de Estoque. Custos diretamente proporcionais $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido $ crescem com o tamanho do pedido 27/05/2015 Decisões de Estoque Quanto Pedir Custos de estoques Lote econômico Quando Pedir Revisões

Leia mais

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Para simplificar o estudo da logística podemos dividi-la em três atividades primárias, de acordo com Ballou (1993):

Para simplificar o estudo da logística podemos dividi-la em três atividades primárias, de acordo com Ballou (1993): 2 Revisão bibliográfica 2.1 Logística A logística é um dos setores dentro das empresas que mais tem crescido nos últimos anos devido à necessidade das empresas de disponibilizar os produtos desejados pelos

Leia mais

Modelos de Nível de Serviço e Otimização dos Estoques na Cadeia de Suprimentos Probabilidade de Não Faltar Produto e Vendas Perdidas

Modelos de Nível de Serviço e Otimização dos Estoques na Cadeia de Suprimentos Probabilidade de Não Faltar Produto e Vendas Perdidas Modelos de Nível de Serviço e Otimização dos Estoques na Cadeia de Suprimentos Probabilidade de Não Faltar Produto e Vendas Perdidas Peter Wanke, D.Sc. 1. Introdução É universalmente reconhecida a grande

Leia mais

6 Relacionamentos na cadeia de suprimentos

6 Relacionamentos na cadeia de suprimentos 6 Relacionamentos na cadeia de suprimentos 6.1 Relacionamentos no canal Os relacionamentos entre distintos membros de uma cadeia de suprimentos sugerem um alto grau de complexidade e fonte quase sempre

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO

3 CONTEÚDO PROGRMÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Centro de Ciências Jurídicas e Econômicas Departamento de Administração Curso de Administração Av. Fernando Ferrari, 514 - Campus Universitário - Goiabeiras CEP.

Leia mais

DEFINIÇÃO DA FUNÇÃO COMPRAS

DEFINIÇÃO DA FUNÇÃO COMPRAS GESTÃO DE COMPRAS DEFINIÇÃO DA FUNÇÃO COMPRAS Obtenção no mercado o abastecimento de produtos e serviços necessários a operação da empresa. Fornecedor extensão da empresa COMPRAS DENTRO DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola Introdução ao Lean Manufacturing Dário Spinola Dário Uriel P. Spinola Sócio da Táktica Consultoria em Manufatura MBA em Conhecimento, Tecnologia e Inovação pela FIA/FEA USP Mestrando e Engenheiro de Produção

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Gestão da Produção Industrial 4ª Série Gerenciamento da Produção A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

INTRODUÇÃO A LE L A E N A N M AN A U N FA F C A TURI R NG N

INTRODUÇÃO A LE L A E N A N M AN A U N FA F C A TURI R NG N INTRODUÇÃO A LEAN MANUFACTURING O queé LEAN? Uma filosofia de produção que enfatiza o minimização da quantidade de todos os recursos (inclusive tempo) usados nas várias atividades da empresa. Envolve a

Leia mais

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15

Sumário AS LIÇÕES DA HISTÓRIA 13. O que é a Ciência da Fábrica? 1 PARTE I. 1 A Indústria Norte-Americana 15 O que é a Ciência da Fábrica? 1 0.1 Uma resposta simples (A resposta curta) 1 0.2 Uma resposta mais elaborada (A resposta longa) 1 0.2.1 Foco: a gestão da produção 1 0.2.2 O escopo: as operações 3 0.2.3

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 18 PROGRAMAÇÃO DE MATERIAIS Índice 1. Programação de materiais...3 2. Compras...4 2.1. Análise das OCs recebidas... 4 2.2. Pesquisa, identificação

Leia mais

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1 INTRODUÇÃO A CONSTRUÇÃO NAVAL AJUSTADA ( Lean Shipbuilding ) é o processo de construção de navios e unidades offshore, orientado e executado segundo os princípios do sistema de gestão LEAN. Como em muitas

Leia mais

Antes aceitar fazer uma doação ou apoiar uma causa de beneficência, faça as seguintes perguntas:

Antes aceitar fazer uma doação ou apoiar uma causa de beneficência, faça as seguintes perguntas: contra fraudes A cada ano, as pequenas empresas são alvo de práticas de vendas fraudulentas ou enganosas. Os empresários devem proteger suas empresas, e muitas vezes se trata apenas de identificar situações

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2

Janeiro 2009. ELO Group www.elogroup.com.br Página 2 de um Escritório - O Escritório como mecanismo para gerar excelência operacional, aumentar a visibilidade gerencial e fomentar a inovação - Introdução...2 Visão Geral dos Papéis Estratégicos... 3 Papel

Leia mais

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade II LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza A logística integrada A expressão logística integrada surgiu nos EUA em um trabalho de três autores (Lambert, Stock e Ellram) Se destacou pela

Leia mais

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte

Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Estratégico Previsão do Negócio Estrutura Hierárquica de Planejamento e Controle da Produção Estratégico Entradas Ações Saídas Fonte Mercados e demandas de longo prazo. Competidores. Fatores econômicos,

Leia mais

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS 46 LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS Leandro Soares Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil Professor

Leia mais

Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos

Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos Para que o trabalho no canteiro de obras flua, a conexão com a área de suprimentos é fundamental. Veja como é possível fazer gestão de suprimentos estratégica e conectada ao canteiro na construção civil.

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO

OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO OS DESAFIOS LOGISTICOS DO COMÉRCIO ELETRÔNICO Fabiana Rubim Cintra Murilo Rodrigues da Silva Patrick Beirigo Andrade RESUMO Este artigo tem o objetivo de expor os principais problemas que o comércio eletrônico

Leia mais

Da logística ao gerenciamento da cadeia de suprimentos

Da logística ao gerenciamento da cadeia de suprimentos Da logística ao gerenciamento da cadeia de suprimentos Prof. Jacques profjacques@jfsconsultoria.com.br FATEC-BS 2009 ções: Segundo Ballou (2006), antes de 1950, logística estava predominantemente associada

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE UM PROCESSO DE COMPRAS DE UMA EMPRESA DO SETOR PÚBLICO SOB A ÓTICA DO LEAN OFFICE

DIAGNÓSTICO DE UM PROCESSO DE COMPRAS DE UMA EMPRESA DO SETOR PÚBLICO SOB A ÓTICA DO LEAN OFFICE XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

Aula 2º bim. GEBD dia16/10

Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Aula 2º bim. GEBD dia16/10 Compras e Manufatura (produção) O ciclo de compras liga uma organização a seus fornecedores. O ciclo de manufatura envolve a logística de apoio à produção. O ciclo de atendimento

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Introdução ao Lean Thinking Ministrante: Christopher Thompson Lean Institute Brasil Contatos: lean@lean.org.br Apoio São Paulo, 16 de setembro de 2010 Observação:

Leia mais

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história.

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. SISTEMA DE QUALIDADE EAD MÓDULO XIX - RESUMO Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. Posteriormente, ocorreu a Revolução Industrial, em que a subsistência

Leia mais

A Logística Gerando Valor ao Cliente. Fabiano Nunes

A Logística Gerando Valor ao Cliente. Fabiano Nunes A Logística Gerando Valor ao Cliente. Fabiano Nunes O que é Logística? CLM Council Logistics Management. Logística no Cenário Nacional? De acordo com uma pesquisa da Fundação Dom Cabral de 2012, as empresas

Leia mais