Design de Interface: Os desafios projetuais para os designers de aplicações T-Commerce

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Design de Interface: Os desafios projetuais para os designers de aplicações T-Commerce"

Transcrição

1 Design de Interface: Os desafios projetuais para os designers de aplicações T-Commerce Interface Design: Projective challenges for designers of t-commerce applications FALCO, Marcelo; Mestrando; PPG em Design, TVDi Design Lab, Universidade Anhembi Morumbi ZUANON, Rachel; Doutora; PPG em Design, TVDi Design Lab, Universidade Anhembi Morumbi Resumo O design de interfaces para aplicações T-Commerce (Televisão) vem apresentando fortes semelhanças ao E-Commerce (Web). As interfaces, em sua maioria, mostram-se pouco elaboradas em termos projetuais, e não atendem os padrões e especificidades da linguagem televisiva para o desenvolvimento de aplicações à Televisão Digital Interativa (TVDi). O artigo expõe os resultados obtidos na análise de interfaces de aplicações T-Commerce, tendo como referência o estudo da percepção visual definido pelas leis da Gestalt, com o objetivo de ampliar o escopo dos elementos projetuais a serem considerados no design de interfaces T- Commerce, especialmente aqueles envolvidos na organização e tratamento visual da informação. Palavras Chave: Design de Interface; Gestalt; Televisão Digital Interativa (TVDi); T- Commerce. Abstract The interface design for T-Commerce applications (TV) has been showing strong similarities to E-Commerce (Web). In most cases, the interfaces are poorly designed in projective terms and do not match the standards and specificities of television language for developing applications for Interactive Digital Television (idtv). This paper presents the results obtained in the analysis of interfaces T-Commerce applications, based on the study of visual perception defined by the laws of Gestalt, in order to broaden the scope of projective elements to be considered in interface design for T-Commerce, especially those involved in organizing and processing visual information. Keywords: Interface Design, Gestalt, idtv, T-Commerce.

2 Introdução Os desafios da pesquisa em design de interface 1 para Televisão Digital Interativa (TVDi) são amplos e ainda não totalmente investigados. Neste contexto, a interface gráfica atua como mediadora no processo de comunicação entre interator e conteúdo e, segundo BRENNAND e LEMOS (2007), a função do design de interface é fornecer signos 2 interpretáveis pelo interator que permita a manipulação da informação por meio das metalinguagens 3. A interface de uma aplicação interativa é composta por informações alocadas da forma mais conveniente a propiciar uma eficaz leitura do conteúdo no meio digital, viabilizando a comunicação entre pessoas e algoritmos 4 (CYBIS, 2003). Para MORAN (1981), [...] a interface de usuário deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física, perceptiva ou conceitualmente. Em conformidade, COOPER (2007) aponta que cada elemento de uma composição visual tem um número de propriedades, tais como forma e cor, e que elas funcionam em conjunto para criar significado na interface. BOY (2002) concebe a interface como uma forma de apresentação de conteúdos, constituída por elementos textuais, gráficos e sonoros como, por exemplo, janelas, ícones, menus, entre outros conteúdos estáticos ou dinâmicos, a serem diretamente perceptíveis e acessados pelo interator. FREEMAN (2003) enfatiza a televisão como uma atividade de lazer, que tem a necessidade de contemplar uma interface acessível ao tele-interator 5, na qual a falta de solidez no design de interfaces para TVDi tem impactos negativos, causando problemas para todos os envolvidos na sua produção. Assim, posto que as interfaces gráficas são elementos fundamentais para uma aplicação interativa ser assimilada com êxito, o design de interfaces mais próximas das necessidades dos interatores, que representem soluções ao invés de problemas, deve considerar como a informação é aplicada, organizada e distribuída na interface; o deslocamento pelo conteúdo (navegação) a ser realizado pelo tele-interator para obtenção dessa informação; e a interação com os elementos da interface, a partir do controle remoto. Neste sentido, a fim de ampliar o escopo dos elementos projetuais a serem considerados no design de interfaces para TVDi, especialmente aqueles envolvidos na organização e tratamento visual da informação, este artigo, em um primeiro momento apresenta uma análise do cenário atual das interfaces para TVDi, mais especificamente das transações comerciais para televisão (T-Commerce). Em acréscimo, são apontadas algumas iniciativas da British Broadcasting Corporation (BBC), no que concerne à identificação de elementos projetuais envolvidos no design de interface para TVDi. Posteriormente, são apresentados os resultados obtidos na análise de interfaces de aplicações T-Commerce, tendo como referência o estudo da percepção visual definido pelas leis da Gestalt, com vistas ao design de interface mais adequado à realização de transações comerciais pela TVDi. 1 Uma superfície de contato, de tradução ou articulação entre dois espaços, duas espécies, duas ordens de realidade diferentes. (LEVY, 1993). A interface atua como uma espécie de tradutor, mediando entre as duas partes, tornando uma sensível para a outra. (JOHNSON, 2001) 2 Signo é toda coisa que substitui outra, representando-a para alguém, sob certos aspectos e em certa medida (PIGNATARI, 2002). O signo está representando outra coisa, está no lugar daquilo que lhe deu origem, gerando associações nas mentes dos indivíduos e diversas reações. 3 Linguagem que se utiliza para descrever outra linguagem ou qualquer sistema de significação. 4 Operação ou processo de cálculo. 5 Conforme Squirra e Becker (2009) a interatividade representa um avanço para os novos contextos de uso e criação de interfaces para aplicações interativas. Elas transformam as relações entre a televisão e seu público, demovendo-o da condição passiva de telespectador à posição ativa de tele-interator. 10º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, São Luís (MA).

3 1. O Design de Interface nas aplicações para T-Commerce: uma análise do cenário atual Uma análise do cenário atual das interfaces para TVDi, mais especificamente das transações comerciais para televisão, também chamadas de T-Commerce, permite observar que a maioria das aplicações estão relacionadas aos conceitos definidos por GAWLINSKI (2003), entre eles o de TV Expandida, que consiste em serviços interativos relacionados ao programa de televisão; e a Internet na Televisão, que permite ao tele-interator conectar-se à internet para efetuar as transações comerciais, ainda vinculadas aos serviços de E-Commerce. Contudo, independente de ambas as condições, atualmente, a principal referência ao design de interfaces para aplicações T-Commerce constitui-se nas interfaces das aplicações para E- Commerce, nas quais a internet se apresenta como a plataforma voltada às oportunidades de negócio. O E-Commerce permite aos interatores um efetivo instrumento de comercialização de bens e serviços, onde é possível realizar transações comerciais a qualquer hora e em qualquer lugar, pela conexão à rede de acesso móvel. Essa referência explícita, quase mimética, às interfaces E-Commerce para o design de aplicações T-Commerce desconsidera as especificidades da linguagem audiovisual televisiva e, neste sentido, as distinções entre o design de interface para televisão e para internet. Segundo Squirra e Becker (2009), a televisão age de forma ativa, ao oferecer programas sem exigir qualquer atitude do telespectador, que assume, neste contexto, uma condição passiva. Por outro lado, a internet apresenta-se como um meio passivo, sendo o usuário a figura ativa que precisa agir para gerar interação. (...) a interatividade representa um avanço considerável para novos usos e, eventualmente, para novos contextos de uso. As interfaces, e por que não, as aplicações interativas dependem e devem ser desenvolvidas em função desses contextos. [Squirra, Becker, 2009] Conforme SQUIRRA e FECHINE (2009), o design de interface para T-Commerce utilizase de quatro formas básicas para apresentar os elementos na interface: aplicações com redimensionamento da imagem 6 ; aplicação com ocultação parcial da imagem; aplicação com transparência sobre a imagem; e aplicação em tela cheia. Nas aplicações com redimensionamento da imagem, o vídeo é reduzido a uma parte da interface e as demais áreas são ocupadas pela aplicação, como pode ser observado na aplicação T-Commerce History Shop (figura 01), do canal norte-americano History Channel, que oferece informações sobre produtos em paralelo ao vídeo do programa. Vídeo Produtos Figura 01: T-Commerce da History Channel <fonte:http://www.wekellergroup.com/blog/?tag=t- Commerce, acessado em: 08/02/2012.> 6 Conforme [SQUIRRA,FECHINE, 2009] a palavra imagem aqui deve ser entendida como o conteúdo televisivo "tradicional" - imagem e som. 10º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, São Luís (MA)

4 Já nos casos com ocultação parcial da imagem, a aplicação se localiza parcialmente sobre o vídeo, como no T-Commerce Shop By Remote, do canal de vendas Home Shopping Network (HSN) (figura 02). Esta proposta pode dificultar o entendimento do programa devido à extensão da área ocupada pelo aplicativo. Vídeo Produtos Figura 02: HSN Shop By Remote <fonte: the_revolutionary_move_itv-commerce.html, acessado em: 08/02/2012.> A aplicação com transparência sobre a imagem é similar à anterior, entretanto, esta utiliza-se de componentes 7 com transparência, como, por exemplo, na aplicação desenvolvida pela empresa brasileira de tecnologia Brava itv (figura 03), onde pode ser observada maior ênfase ao vídeo. Vídeo Produtos Figura 03: T-Commerce da Brava itv <fonte: acessado em: 08/02/2012.> Enquanto na aplicação tela cheia, o programa televisivo é completamente omitido pelo aplicativo, impossibilitando a visualização simultânea destes pelo tele-interator, conforme evidenciado em SeaChange T- Commerce Application Suite (figura 04), destinada à venda de produtos audiovisuais (DVDs, séries, jogos de videogames, entre outros). Nesta proposta, o conteúdo da aplicação não apresenta qualquer vínculo projetual ao vídeo do programa sobreposto, visto que ambos são independentes. Produtos Figura 04: SeaChange T-Commerce Application Suite <fonte: US/Products/SubscriberExperience/T-Commerce, acessado em: 08/02/2012.> Os quatro modelos apresentam e organizam os elementos na interface replicando os modelos transacionais para Web e, com isso, descaracterizam a linguagem audiovisual 7 Elementos que compõem a interface e influenciam a navegação. 10º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, São Luís (MA).

5 televisiva. Como por exemplo, ao se comparar a interface do Shop NBC, E-Commerce do canal de televisão norte-americano NBC à interface do History Shop, T-Commerce da History Channel, é possível observar que, em ambos os casos, as interfaces são compostas por um vídeo em destaque, acompanhado por uma aplicação, semelhante a um menu, localizada nas laterais (figura 05). Aplicação Vídeo Vídeo Aplicação Interface do E-Commerce NBC <fonte: acessado em: 08/02/2012.> Interface T-Commerce da History Channel <fonte: Commerce, acessado em: 08/02/2012.> Figura 05: Mimese das interfaces E-Commerce e T-Commerce O mesmo pode ser notado quando banners são aplicados como elemento de interface em um T-Commerce, a exemplo do aplicativo da Dish Network, empresa norte-americana de TV por assinatura (figura 06). Esse método é tradicionalmente utilizado por sites e portais na internet, com o objetivo de chamar a atenção do interator para uma determinada marca ou produto, similar ao empregado pelo site de vídeos Youtube. Banner Banner Interface do Youtube <fonte: acessado em: 25/02/2012.> Interface TVDi da Dish Network <fonte: Blueprint.html, acessado em: 25/02/2012.> Figura 06: Aplicação de banners nas interfaces E-Commerce e T-Commerce A partir deste contexto e em vista da necessidade de apontar caminhos projetuais específicos para o design de interfaces para a TVDi, e especialmente, no caso da pesquisa que subsidia a proposta deste artigo, para aplicações T-Commerce, alguns padrões e 10º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, São Luís (MA)

6 particularidades precisam ser considerados na concepção de interfaces para este meio, conforme discorrido a seguir. 2. Aspectos projetuais do Design de Interface para TVDi HANSEN (2012) apresenta algumas iniciativas da British Broadcasting Corporation (BBC), no estabelecimento de diretrizes para o design de interface. De uma forma geral, o guia de estilo discute aspectos relacionados a elementos projetuais para TVDi considerando a área visível e formatos de tela, paleta de cores, tipografia, design de navegação, design de interação e funções do controle remoto. O formato da tela da televisão no sistema digital é o widescreen, que possui uma proporção de 16:9 (figura 07), semelhante às telas de cinema. Enquanto o sistema analógico opera na proporção 4:3. Figura 07: Formato de tela Digital e Analógica. Fonte: acessado em: 03/03/2012. Os grids e malhas para TVDi são projetados para utilizar uma área de 640 por 480 pixels. Eles respeitam um espaço de área segura para texto e imagem, também denominado SAFE AREA (figura 08), visando garantir que o conteúdo seja transmitido por completo, sem cortes/perda de imagem, em todos os tipos de televisores. 10º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, São Luís (MA).

7 Área segura para imagens Vídeo Área segura para textos Figura 08: Grid da área segura para textos e imagens. Fonte: DesignTrigger_v1.pdf>. Acesso em: 19 Fev O uso das cores nas interfaces para TVDi é mais restrito se comparado ao seu emprego na Web. O guia de estilo aconselha não utilizar cores muito saturadas ou com muita luminosidade, visto que estas podem causar distorções na imagem, gerando linhas sobrepostas ou efeito fantasma (figura 09). Em acréscimo, elementos com muitos detalhes podem causar o surgimento dos padrões de moiré 8. Assim como a cor branca no fundo da interface deve ser evitada, devido à distorção de imagem, e consequente fadiga visual do tele-interator, que esta pode provocar. Figura 09: Exemplo de cores saturadas e padrão de moiré. Fonte: DesignTrigger_v1.pdf>. Acesso em: 19 Fev Conforme as especificações apontadas pelo guia de estilos da BBC, o tamanho da fonte para títulos ou corpo dos textos não devem ser menores que 24 pontos, assim como para outras aplicações recomenda-se a utilização de tipos iguais ou maiores que 18 pontos, tendo em vista, em ambos os casos, garantir satisfatórias legibilidade e leiturabilidade das informações textuais. É indicada, ainda, a adoção da tipografia Gill Sans 9 ou Tirésias 10 (Figura 10), evitandose sempre o uso de fontes serifadas Padrão de interferência criado, por exemplo, quando duas grades apresentam movimento relativo entre si em referência a um observador, gerando um determinado padrão por meio de franjas. 9 Projetada por Eric Gill (Gill 2005). 10 Projetada pelo núcleo de Pesquisas liderado pelo Dr. john Gill, do Royal National Institute for the Blind (Tirésias, 2005). 11 Pequeno traço ou espessamento que remata, de um ou ambos os lados, os terminais das letras não lineares de caixa-alta e caixa-baixa 10º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, São Luís (MA)

8 Figura 10: Fonte Tiresias e Gill Sans recomendadas para as Interface de TVDi. Fonte: DesignTrigger_v1.pdf>. Acesso em: 19 Fev Outro elemento predominante nas interfaces para TVDi são os ícones 12. Eles sintetizam visualmente as principais características de conteúdos relevantes, para os quais também propiciam o acesso ao tele-interator como, por exemplo, na aplicação da Chase BluePrint que transmite instruções de navegação e interação por meio dos ícones dispostos na parte superior da interface (Figura 11), ou podem, ainda, ser utilizados para indicar a existência de uma interação durante uma programação, como no exemplo do programa Shark, da Discovery Channel (Figura 12). Figura 11: Interface Chase BluePrint <fonte: Blueprint.html, acessado em: 25/03/2012.> Figura 12: Interface Shark da Discovery Channel <fonte: MLqH0lHQU, acessado em: 13/03/2012.> Em acréscimo, atualmente, o controle remoto é indispensável para realizar as interações entre o tele-interator e a interface da televisão. A navegabilidade por meio deste ocorre basicamente com o uso dos botões coloridos, setas direcionais e o botão OK (figura 13). É aconselhável o uso de listas para a escolha de conteúdos na interface, assim como, diferenciá-los pela cor correspondente ao botão (HANSEN, 2012). 12 Representação gráfica de um objeto, conceito ou ação. 10º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, São Luís (MA).

9 Figura 13: Botões para navegação e interação nas interfaces para TVDi. Fonte: DesignTrigger_v1.pdf>. Acesso em: 19 Fev O processo de criação e desenvolvimento de interfaces para TVDi requer cuidados e envolve necessidades a serem atendidas. De acordo com COOPER (2007), as interfaces devem: apresentar uma clara hierarquia informacional para a navegação pelos elementos na interface; utilizar imagens coerentes e contextualmente adequadas; propiciar a integração entre aspectos estéticos e funcionais; bem como, evitar ruído e desorganização visuais. Neste sentido, e com o objetivo de ampliar o escopo dos elementos projetuais a serem considerados no design de interface para T-Commerce, especialmente aqueles envolvidos na organização e tratamento visual da informação, o presente artigo expõe os resultados obtidos na análise de interfaces de aplicações T-Commerce, tendo como referência o estudo da percepção visual definido pelas leis da Gestalt 13, conforme apresentado a seguir. 3. Elementos projetuais para o Design de Interface de aplicações T-Commerce: uma análise pela perspectiva dos conceitos da Gestalt Dentre as diversas categorias conceituais que constituem os estudos da Gestalt, foram identificadas treze evidências das suas aplicações nas interfaces para T-Commerce: a Simetria; a Assimetria; o Contraste; o Contraste de Cor; o Contraste Horizontal e Vertical; a Minimidade; a Exageração; o Arredondamento; a Transparência Física; a Opacidade; a Redundância; a Sequencialidade e a Sobreposição (GOMES FILHO, 2004). O conceito de simetria está relacionado ao equilíbrio da interface, que pode estar presente em um ou mais eixos, nas posições horizontal, vertical, diagonal e inclinada. Nas interfaces da TV Coreana CJ-TMall, por exemplo, é possível observar formulações visuais simétricas, ou seja, as unidades de um lado apresentam-se simetricamente dispostas em relação as do outro (Figura 14). Em contrapartida, a assimetria consiste exatamente no 13 Também conhecida como teoria da forma, na sua origem, representada por Max Wertheimer (1810/1943), Wolfgang Kohler (1887/1967), Kurt Koffka (1861/1941), passando por design gráfico voltados para melhores resultados que objetivam aperfeiçoar a percepção visual dos seres humanos até os estudos de usabilidade para interfaces gráficas interativas, todos esses estudos visam minimizar a carga de trabalho e maximizar os efeitos positivos no entendimento das ações para os processos de ensino e de aprendizagem. 10º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, São Luís (MA)

10 oposto, nenhum dos lados da interface possuem qualquer elemento de semelhança entre os eixos horizontal, vertical ou diagonal, conforme evidenciado nas aplicações da HSN, emissora de TV norte-america dedicada à venda de produtos (Figura 15). Figura 14: Interface do CJ-TMall <fonte: acessado em: 13/03/2012.> Figura 15: Interface da HSN <fonte: acessado em: 13/03/2012.> No que concerne ao contraste, este conceito é perceptível por meio da presença ou ausência de luz. E pode ser verificado na construção de elementos da interface que auxiliam a navegação do tele-interator, como por exemplo, nas interfaces dos aplicativos da rede de pizzaria Pizza Hut, nas quais o tele-interator seleciona itens no menu de opções do Delivery (Figura 16). Figura 16: Interface do aplicativo da Pizza Hut <fonte: acessado em: 13/03/2012.> O contraste de cor pode ser empregado para expressar e reforçar a informação visual, como no exemplo da interface proposta pela HSN (Figura 17), na qual a escolha e seleção do produto é realçada com o uso de cores que destacam o produto a ser adquirido. Enquanto o contraste vertical e horizontal diz respeito ao tamanho e forma dos elementos na interface. Neste sentido, as formas horizontais tendem a sugerir a sensação visual de solidez e estabilidade sobre o plano em que se assentam, ao contrário das verticais como no exemplo do aplicativo disponibilizado pelo Banco do Brasil para consulta de saldo e extrato de contas (Figura 18), que, nessa posição, transmite a sensação de leveza e instabilidade. 10º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, São Luís (MA).

11 Figura 17: Interface HSN <fonte: acessado em: 13/03/2012.> Figura 18: Interface Banco do Brasil <fonte: arquivos/tdc/2011/tdc2011sp-tvdigital-02-t- Commerce-e-T-Banking.pdf, acessado em: 13/03/2012.> Já o conceito de minimidade visa realçar a clareza e a simplicidade da função do elemento na interface, indicando a aplicação apenas do elemento essencial para estimular a interação como, por exemplo, as mensagens de produtos relacionados à programação propostos pelos aplicativos da Brava itv (Figura 19). Por outro lado, a exageração considera exatamente o oposto, trata-se da disposição dos elementos na interface de forma extravagante, intensa e amplificada, como pode ser observador nas aplicações do supermercado Walmart ocupando a interface em sua totalidade (Figura 20). Figura 19: Interface de T-Commerce da Brava itv <fonte: acessado em: 13/03/2012.> Figura 20: Interface do Walmart <fonte: arquivos/tdc/2011/tdc2011sp-tvdigital-02-t- Commerce-e-T-Banking.pdf, acessado em: 13/03/2012.> O conceito de arredondamento tem como característica marcante a suavidade e a maciez visuais das formas orgânicas (Figura 21), conforme observado nas formas dos elementos gráficos utilizados no aplicativo da rede de pizzaria Domino's Pizza. Enquanto a transparência física é utilizada com o intuito de permitir a visualização do vídeo mesmo com a aplicação sobreposta a ele, como no exemplo do aplicativo proposto pela Brava itv, que propicia o preenchimento, pelo tele-interator, dos dados bancários sem omitir o vídeo (Figura 22). 10º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, São Luís (MA)

12 Figura 21: Interface Dominos Pizza <fonte: /tivo_dominos_pizza-480x359.jpg, acessado em: 13/03/2012.> Figura 22: Interface T-Commerce Brava itv <fonte: acessado em: 13/03/2012.> Em contrapartida, o conceito de opacidade consiste exatamente no oposto e implica no bloqueio ou ocultação da interface. Por exemplo, durante a transmissão de uma partida de futebol a visualização de parte do vídeo é omitida com a sobreposição da aplicação T- commerce da Netshoes, para aquisição de artigos esportivos, relacionados ao conteúdo exibido (Figura 23). Já a redundância caracteriza-se pela repetição ou excesso de elementos iguais na interface (Figura 24), como no exemplo do portal interativo do canal de TV SBT, no qual as informações relacionadas à programação, notícias, participação do tele-interator e ao SBT Store (Loja de Produtos) são dispostas na interface de forma idêntica. Vídeo Aplicação Figura 23: Interface da Netshoes <fonte: Design/ , acessado em: 23/04/2012.> Figura 24: Interface do Portal Interativo do SBT <fonte: acessado em: 10/04/2012.> O conceito de sequencialidade apresenta-se similar ao conceito de redundância, entretanto se refere à ordem dos elementos e sua organização de modo contínuo e lógico em uma interface. No aplicativo da CJ-Tmall, a sequencia pode ser observada no alinhamento lado a lado dos produtos, bem como na ordem numérica associada a estes (Figura 25). Enquanto a sobreposição é traduzida pela organização de elementos dispostos uns sobre os outros (Figura 26), como nas interfaces do QVC, um canal de TV dedicado a venda de produtos, nas quais é possível visualizar camadas informacionais sobrepostas: dados do produto sobrepõem-se ao respectivo vídeo, que apresenta-se sobreposto à imagem de fundo. 10º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, São Luís (MA).

13 Figura 25: Interface CJTMall <fonte: acessado em: 13/03/2012.> Figura 26: Interface QVC <fonte: 2008/08/01/10/20/489264f7beedd, acessado em: 13/03/2012.> A identificação destes elementos projetuais pela perspectiva dos conceitos da Gestalt visa ampliar o escopo de aspectos a serem considerados para o design de interfaces de aplicações T-Commerce. Para tanto, a articulação entre estes elementos deve ser realizada em acordo com a proposta conceitual do aplicativo T-Commerce em questão, bem como com as especificidades da linguagem audiovisual televisiva. Por exemplo, uma das características do vídeo na televisão é o de ser apresentado em sua totalidade. Quando um aplicativo sobrepõese à camada do vídeo, é preciso preservar elementos fundamentais da linguagem audiovisual, para que os elementos visuais da aplicação interativa não comprometam a estética do vídeo e, conseqüentemente, o seu significado. Assim, categorias conceituais da Gestalt, como exageração, opacidade, redundância e sobreposição podem comprometer o design de interfaces para aplicações T-Commerce, visto que estas contribuem para a omissão total/parcial, redução ou bloqueio da visualização do programa televisivo. Ou seja, o vídeo, em sua plenitude, é o principal recurso empregado nas transmissões televisivas, sejam elas analógicas ou digitais, e deve ser utilizado de forma integrada aos elementos interativos. Neste sentido, conforme afirma FRANÇA (2008), não é recomendado interromper uma programação para efetuar uma transação comercial, enquanto há outras pessoas na sala assistindo ao mesmo programa. Um outro cuidado para o qual os designers devem atentar-se, no desenvolvimento projetual de aplicações T-Commerce, consiste em considerar como as informações transacionais se organizam na interface de modo a correlacionarem-se à segurança da informação, assunto este a ser plenamente desenvolvido em artigo específico. Conclusões A linguagem visual das interfaces para televisão estão em constante transformação. Na televisão analógica, muitos padrões e paradigmas foram criados ao longo de sua existência, estabelecendo uma linguagem estética própria do meio, bem como uma rede sólida de produção de conteúdo, envolvendo agências, produtoras e emissoras. Na televisão digital, a programação interativa está passando por um processo de pesquisa e definições sobre padrões de produção e modelos de negócios viáveis. Neste cenário abrem-se muitas possibilidades para se projetar e estabelecer novas interfaces de interação com o público. As pessoas estão 10º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, São Luís (MA)

14 cada dia mais conectadas e mais participativas, o que as tornam mais exigentes e em busca de interfaces e narrativas mais customizadas. Neste contexto, o design de interface tem muito a contribuir para a criação, design e aprimoramento das aplicações T-Commerce, visando a criação de aplicativos mais adequados à realização de transações comerciais pela televisão, considerando também a segurança da informação no ato da compra. Assim, elaborar projetos de design que considerem as especificidades da linguagem televisiva, sem replicar os padrões visuais do design de web, consiste em um dos grandes desafios para os designers de interface para TVDi. Para tanto, compreende-se a necessidade em ampliar o escopo de elementos projetuais, a serem considerados para o design de interface de aplicações T-Commerce, tendo em vista colaborar com a indicação de definições projetuais, no âmbito da interface gráfica, que propiciem a plena integração entre o vídeo e os elementos de interatividade. Neste sentido, a aproximação às categorias da Gestalt mostrou-se relevante para os estudos do design de interface em aplicações T-Commerce, visto que propiciou a identificação de outros elementos projetuais a serem considerados neste contexto, para além dos contemplados em HANSEN (2012) e SQUIRRA e FECHINE (2009). Referências BOY, G. L'ingénierie cognitive: IHM et cognition. Paris: Hermès Science, BRENNAND, E.; LEMOS, G. Televisão Digital Interativa: reflexões, sistemas e padrões. São Paulo: Ed. Horizonte, COOPER, A.; REIMANN, R.; CRONIN, D. About Face 3: The Essentials of Interaction Design. Indianapolis: Wiley Publishing Inc., CYBIS, W. A. Engenharia de usabilidade: uma abordagem ergonômica. Florianópolis: Labiutil, FRANÇA, D. Televisão sob demanda: a revolução digital da mídia. Monografia de mídia televisão. Prêmio de Mídia Estadão, FREEMAN, J.; LESSITER, J. Easy TV 2002 Research Report. London: University of London, GAWLINSKI, M. Interactive Television Production. Oxford, England: Focal Press, 2003 GOMES FILHO, J. Gestalt do objeto: sistema de leitura visual da forma. 6. ed. São Paulo: Escritura Ed., 2004 JOHNSON, S. Cultura da interface: como o computador transforma nossa maneira de criar e comunicar. Rio de Janeiro: Zahar, LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Trad. Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34, º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, São Luís (MA).

15 MORAN, T. (1981) The Command Language Grammars: a representation for the user interface of interactive computer systems. International Journal of Man-Machine Studies 15:3-50, Academic Press. PIGNATARI, D. Informação, linguagem, comunicação. São Paulo: Ateliê, SILVA, J.C. Merchandising no varejo de bens de consumo. São Paulo: Atlas, SQUIRRA, S.; BECKER, V. TVDigital.br - Conceitos e estudos sobre o ISDB-TB. São Paulo: Ateliê Editorial, SQUIRRA, S.; FECHINE, Y. Televisão Digital - Desafios para comunicação. Porto Alegre: Editora Sulina, º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, São Luís (MA)

Trilha TV DIGITAL. Prof. Me. Marcelo Falco

Trilha TV DIGITAL. Prof. Me. Marcelo Falco Trilha TV DIGITAL Prof. Me. Marcelo Falco Mestre em Design, Pós-Graduado no MBA em Marketing e Graduado em Design Digital pela Universidade Anhembi Morumbi (UAM). Pesquisador do Design Lab TVDi e professor

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Engenharia Cognitiva e Semiótica Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Engenharia Cognitiva Fundamentos

Leia mais

A TV DIGITAL COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE MATEMÁTICA. Adriano Aparecido de Oliveira, Juliano Schimiguel

A TV DIGITAL COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE MATEMÁTICA. Adriano Aparecido de Oliveira, Juliano Schimiguel A TV DIGITAL COMO INSTRUMENTO DE ENSINO DE MATEMÁTICA Adriano Aparecido de Oliveira, Juliano Schimiguel Universidade Cruzeiro do Sul/CETEC, Av. Ussiel Cirilo, 225 São Paulo Resumo A TV é um importante

Leia mais

CONSIDERAÇÕES FINAIS

CONSIDERAÇÕES FINAIS CONSIDERAÇÕES FINAIS As considerações finais da pesquisa, bem como suas contribuições e sugestões para trabalhos futuros são aqui apresentadas, ressaltando algumas reflexões acerca do tema estudado, sem,

Leia mais

Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado

Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado Amadeus-TV: Portal Educacional na TV Digital Integrado a um Sistema de Gestão de Aprendizado Bruno de Sousa Monteiro Orientação: Prof. Dr. Fernando da Fonseca de Souza Prof. Dr. Alex Sandro Gomes 1 Roteiro

Leia mais

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE

ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS TURMA 2008 4º PERÍODO - 7º MÓDULO AVALIAÇÃO A4 DATA 22/10/2009 ENGENHARIA DE USABILIDADE 2009/2 GABARITO COMENTADO QUESTÃO 1: Quando nos referimos à qualidade da interação

Leia mais

A consistência da interface com o usuário para a TV interativa

A consistência da interface com o usuário para a TV interativa A consistência da interface com o usuário para a TV interativa Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Escola Politécnica da USP Candidato: Gil Barros Orientador: Prof. Dr. Marcelo K. Zuffo Dezembro

Leia mais

Unificação Fechamento Continuidade

Unificação Fechamento Continuidade UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso: 1081 - COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Matriz: 421 - COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Componente Curricular: EXPRESSÃO GRÁFICA

Leia mais

THE BRAND GUIDE BOOKLET

THE BRAND GUIDE BOOKLET THE BRAND GUIDE BOOKLET APRESENTAÇÃO 1ª Edição Março de 2015 A experiência de uma pedalada perfeita só pode ser intensificada por uma bicicleta perfeita. Audax foi criada por almas aventureiras que entendem

Leia mais

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 AULA 20 PROBLEMAS DE INTERFACE 12.maio.2006 FAVOR DESLIGAR OS CELULARES usabilidade compreende a habilidade do software em permitir que o

Leia mais

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010

Oficina de Multimédia B. ESEQ 12º i 2009/2010 Oficina de Multimédia B ESEQ 12º i 2009/2010 Conceitos gerais Multimédia Hipertexto Hipermédia Texto Tipografia Vídeo Áudio Animação Interface Interacção Multimédia: É uma tecnologia digital de comunicação,

Leia mais

Sumário. Computação Gráfica Illustrator

Sumário. Computação Gráfica Illustrator 1 Sumário Área de trabalho... 2 Barra de tarefas... 5 Menu ajuda... 6 Menu janela... 7 Menu exibir... 8 Menu efeito... 9 Menu selecionar... 10 Menu tipo... 10 Menu objeto... 12 Menu editar... 13 Menu arquivo...

Leia mais

Sistema de Leitura Visual da Forma. Técnicas Visuais Aplicadas

Sistema de Leitura Visual da Forma. Técnicas Visuais Aplicadas Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Fundamentais Técnicas Visuais Aplicadas Prof. Dr. João Gomes Filho... Setembro. 2006 Clareza Organizações visuais unificadas.facilidade

Leia mais

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS

ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Ana Beatriz Mesquita (CPTEC/INPE) ESTUDO DA MELHOR METODOLOGIA PARA A DIFUSÃO DE VÍDEOS EXPLICATIVOS DE FENÔMENOS METEOROLÓGICOS Metodologia do trabalho realizado referente a gravação e expansão dos vídeos

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design gordongroup Sobre o gordongroup gordongroup é uma agência de marketing e comunicação de tempo integral e de balcão único, que oferece um conjunto exclusivo de serviços criativos,

Leia mais

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia.

23/09/2011. Tecnologias da Educação. Tecnologias e mídias. Diferença entre tecnologia e mídia. Diferença entre tecnologia e mídia. Tecnologias da Educação Marco Antônio Tecnologias e mídias Comunicar não é de modo algum transmitir uma mensagem ou receber uma mensagem. Isso é a condição física da comunicação, mas não é comunicação.

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Web Design

Tópicos de Ambiente Web Web Design Tópicos de Ambiente Web Web Design Professora: Sheila Cáceres Historia As primeiras formas comunicativas foram mediante elementos visuais. Embora o surgimento da linguagem falada, a linguagem visual continuou

Leia mais

Tutorial de animação quadro a quadro

Tutorial de animação quadro a quadro Tutorial de animação quadro a quadro quadro a quadro é uma técnica que consiste em utilizar imagens ou fotografias diferentes de um mesmo objeto para simular o seu movimento. Nesse caso, trata-se de relatar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DESENVOLVIMENTO DE CONTEÚDO EDUCACIONAL CENTRADO NO USUÁRIO BASEADO NA INTERNET APLICADO EM PROGRAMA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 05/2005 137-TC-C5 Sergio Ferreira do Amaral Faculdade de Educação da UNICAMP

Leia mais

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução Nossa inteligência pode ser caracterizada pela nossa capacidade de identificar padrões, e o sistema visual é o nosso

Leia mais

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO A PÁGINA DISCIPLINAR DE MATEMÁTICA DO PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Resumo: Dolores Follador Secretaria de Estado da Educação do Paraná e Faculdades Integradas do Brasil - Unibrasil doloresfollador@gmail.com

Leia mais

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Design: estrutura e estética PROFESSORA CINTIA CAETANO Arte X Engenharia Desenvolver Sistema Web é arte? A Web oferece espaço para arte...... mas os usuários também desejam

Leia mais

IPAHN Novo Portal 4 ª Revisão e Análise do CMS e Novo Portal Dezembro 2014

IPAHN Novo Portal 4 ª Revisão e Análise do CMS e Novo Portal Dezembro 2014 IPAHN Novo Portal 4 ª Revisão e Análise do CMS e Novo Portal Dezembro 2014 Relação de itens verificados e propostas de alteração que consideramos fundamental para a continuidade dos trabalhos de transição

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design Uma das empresas de comunicação e marketing mais destacadas de Ottawa, Canadá, o gordongroup oferece um design premiado para uma oferta completa de produtos de comunicação de identidades

Leia mais

BEM-VINDO à NET DIGITAL.

BEM-VINDO à NET DIGITAL. BEM-VINDO à NET DIGITAL. Prepare-se para ter muito mais TV pelo seu controle remoto. Parabéns! A partir de agora, você está em um mundo com muito mais programação com qualidade de imagem e som digital

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

IMAGENS COMPLEXAS DA BIOLOGIA: uma reflexão multidisciplinar RESUMO

IMAGENS COMPLEXAS DA BIOLOGIA: uma reflexão multidisciplinar RESUMO 1 IMAGENS COMPLEXAS DA BIOLOGIA: uma reflexão multidisciplinar Hugo Fortes 1 Sandra Souza 2 RESUMO Este trabalho apresenta uma reflexão sobre imagens complexas da biologia disponíveis no site www.visualcomplexity.com.

Leia mais

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria

Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria 1 Sumário Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria Anexo III Funcionamento detalhado do Sistema Montador de Autoria... 1 1 Sumário... 1 2 Lista de Figuras... 5 3 A Janela principal...

Leia mais

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE

ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE ARQUITETURA: TEMAS DE COMPOSIÇÃO ROGER H. CLARK E MICHAEL PAUSE Síntese Introdutória do Método Utilizado para a Análise dos Projetos no Estudo dos Temas de Composição Disciplina:Idéia, Método e Linguagem

Leia mais

Conceitos do Photoshop. Bitmap image Formatos de arquivos Memória Escalas de cores

Conceitos do Photoshop. Bitmap image Formatos de arquivos Memória Escalas de cores Conceitos do Photoshop Bitmap image Formatos de arquivos Memória Escalas de cores Bitmap Image Conceito de pixel Imagem bitmap x imagem vetorial Pixel x bits Resolução de tela e imagem 72 pixel/inch 300

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

1 O Problema 1.1 Introdução

1 O Problema 1.1 Introdução 1 O Problema 1.1 Introdução As teorias de adoção e de difusão de novos produtos em tecnologia sustentam que, no lançamento, os produtos ainda são acessíveis a apenas poucos consumidores que estão dispostos

Leia mais

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma. Teoria Geral da Gestalt

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma. Teoria Geral da Gestalt Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Fundamentado Cientificamente na Psicologia da Percepção da Forma Teoria Geral da Gestalt Prof. Dr. João Gomes Filho I 2010 BIBLIOGRAFIA mais a do próprio

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Migrando para o Outlook 2010

Migrando para o Outlook 2010 Neste guia Microsoft O Microsoft Outlook 2010 está com visual bem diferente, por isso, criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Leia-o para saber mais sobre as principais

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

Soluções que funcionam. Manual de Identidade Visual

Soluções que funcionam. Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Introdução Assim como as pessoas, as marcas sempre passam alguma impressão. Quando uma pessoa demonstra um comportamento diferente para cada situação, costumamos dizer que ela

Leia mais

Controle remoto HP Media (somente em determinados modelos) Guia do Usuário

Controle remoto HP Media (somente em determinados modelos) Guia do Usuário Controle remoto HP Media (somente em determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2008 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows e Windows Vista são marcas comerciais ou registradas da Microsoft

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

VERSÃO 1 PRELIMINAR - 2010 MÓDULO 3 - PRESENCIAL

VERSÃO 1 PRELIMINAR - 2010 MÓDULO 3 - PRESENCIAL MÓDULO 3 - PRESENCIAL CmapTools É um software para autoria de Mapas Conceituais desenvolvido pelo Institute for Human Machine Cognition da University of West Florida1, sob a supervisão do Dr. Alberto J.

Leia mais

DICAS PARA SE APERFEIÇOAR NO WINDOWS 7

DICAS PARA SE APERFEIÇOAR NO WINDOWS 7 DICAS PARA SE APERFEIÇOAR NO WINDOWS 7 1. MOVIMENTAÇÃO ENTRE PASTAS Todo o funcionamento do Windows Explorer gira em torno da sua capacidade de transitar entre as pastas salvas no disco de armazenamento.

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Política de Comunicação Institucional Política de Comunicação Institucional POLÍTICA PÚBLICA P DE COMUNICAÇÃO O homem é um ser social. O intercâmbio de suas experiências e de seus conhecimentos possibilitou que as pessoas se apropriassem dos

Leia mais

Referência de cores Fiery

Referência de cores Fiery 2014 Electronics For Imaging. As informações nesta publicação estão cobertas pelos termos dos Avisos de caráter legal deste produto. 11 de junho de 2014 Conteúdo 3 Conteúdo Introdução à referência de cores

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

Windows 7. Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com

Windows 7. Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com Windows 7 Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com Sistema Operacional Windows 7 O Windows 7 é o sistema operacional do Microsoft Windows, um software proprietário produzido pela Microsoft

Leia mais

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Fundamentado Cientificamente na Psicologia da Percepção da Forma Prof. Dr. João Gomes Filho I 2010 BIBLIOGRAFIA João Gomes Filho Escrituras Editora.

Leia mais

Esse tutorial visa apresentar as principais funcionalidades do Editor de Roteiro de Aprendizagem do Portal Clickideia.

Esse tutorial visa apresentar as principais funcionalidades do Editor de Roteiro de Aprendizagem do Portal Clickideia. Sumário Introdução... 1 Objetivos... 1 Instruções para utilização do Tutorial... 1 Metodologia... 2 Apresentação do Editor de Roteiro de Aprendizagem... 2 Inserir Roteiro de Aprendizagem... 3 Meus Roteiros...

Leia mais

Teoria de Gestalt aplicada a IHM

Teoria de Gestalt aplicada a IHM Teoria de Gestalt aplicada a IHM José Gustavo de Souza Paiva Introdução [1] Gestalt: teoria de estudo de como os seres humanos percebem as coisas Percepção: visão de TODO, e não de PONTOS ISOLADOS Relações,

Leia mais

Sistema de Mídia Digital

Sistema de Mídia Digital Sistema de Mídia Digital Sistema completo para gestão de conteúdo informativo, entretenimento e publicidade para diversos ramos mercadológicos: Supermercados; Ônibus; Academias; Shoppings; Universidades;

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PRODUÇÃO DE DESIGN MULTIMÉDIA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Arquitectura e Artes (2º Ciclo) 2. Curso Mestrado em Design 3. Ciclo de Estudos 2º 4. Unidade Curricular

Leia mais

ÍNDICE MANUAL SITE ADMINISTRÁVEL TV. 1. Introdução 2. Acessando o site administrável/webtv SITE ADMINISTRÁVEL 3. CONFIGURAÇÕES

ÍNDICE MANUAL SITE ADMINISTRÁVEL TV. 1. Introdução 2. Acessando o site administrável/webtv SITE ADMINISTRÁVEL 3. CONFIGURAÇÕES MANUAL SITE ADMINISTRÁVEL TV ÍNDICE 1. Introdução 2. Acessando o site administrável/webtv SITE ADMINISTRÁVEL 3. CONFIGURAÇÕES 3.1 - Dados Cadastrais 3.2 - Noticias 3.3 Redes Sociais 3.4 - Player 4. DESIGN

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada SO Windows Aula 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO Todo computador precisa de um sistema operacional. O Windows

Leia mais

Manual de Utilização Chat Intercâmbio

Manual de Utilização Chat Intercâmbio Manual de Utilização Chat Intercâmbio 1 INDICE 1 Chat Intercâmbio... 6 1.1 Glossário de Termos Utilizados.... 6 1.2 Definições de uma Sala de Chat... 7 1.3 Como Acessar o Chat Intercâmbio... 8 1.4 Pré-requisitos

Leia mais

Linguagem de Programação Visual. Aula 2 Prof. Gleison Batista de Sousa

Linguagem de Programação Visual. Aula 2 Prof. Gleison Batista de Sousa Linguagem de Programação Visual Aula 2 Prof. Gleison Batista de Sousa Historico 50s Interfaces são painel de controles do hardware, usuário são engenheiros; 60-70s Interfaces são programas em linguagens

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO PORTAL DO AFRAFEP SAÚDE

GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO PORTAL DO AFRAFEP SAÚDE GUIA RÁPIDO DE UTILIZAÇÃO DO PORTAL DO AFRAFEP SAÚDE INTRODUÇÃO O portal do Afrafep Saúde é um sistema WEB integrado ao sistema HEALTH*Tools. O site consiste em uma área onde os Usuários e a Rede Credenciada,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Imagem via Celular (SIC) baseado no sistema operacional Symbian da Nokia

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Imagem via Celular (SIC) baseado no sistema operacional Symbian da Nokia MANUAL DO USUÁRIO Software de Imagem via Celular (SIC) baseado no sistema operacional Symbian da Nokia Software de Imagem via Celular (SIC) baseado no sistema operacional Symbian da Nokia Esse software

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL DOS SITES DO GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL DOS SITES DO GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL DOS SITES DO GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA Índice 1. Introdução 03 2. Elementos Padronizados 2.1. Topo 2.2. Rodapé 2.3. Menu 2.4. Cores e Fontes 2.5. Títulos 2.6. Banners 04 04

Leia mais

1 Introdução Qualquer tipo de veiculação de conteúdo pago na internet pode ser considerado como uma ação publicitária. Esta ação é semelhante aos modelos tradicionais de mídia (televisão, rádio, revistas

Leia mais

Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer

Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer 1 Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer Rafael Antonio Barro [1] Jailton Farias de Carvalho [2] Resumo: Este artigo descreve como funciona o módulo de captura de imagens do software Sci-soccer,

Leia mais

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal

Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal Guia Prático do Usuário Sistema e-commerce e Portal 29/11/2012 Índice ÍNDICE... 2 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O QUE É E-COMMERCE?... 4 3. LOJA FOCCO... 4 4. COMPRA... 13 5. E-MAILS DE CONFIRMAÇÃO... 14 6.

Leia mais

O Tour Virtual é uma ferramenta capaz de apresentar cada detalhe do ambiente e tornar o seu produto mais. atraente.

O Tour Virtual é uma ferramenta capaz de apresentar cada detalhe do ambiente e tornar o seu produto mais. atraente. O Tour Virtual é uma ferramenta capaz de apresentar cada detalhe do ambiente e tornar o seu produto mais atraente. Se uma foto vale mais do que mil palavras, um tour virtual vale mais do que mil fotografias.

Leia mais

BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL

BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL GESTALT Max WERTHEIMER (1880 1943) Kurt KOFFKA (1886 1941) Wolfgang KÖHLER (1887 1967) Alemanha, 1912 O TERMO ALEMÃO QUER DIZER FORMA OU CONFIGURAÇÃO. Os gestaltistas

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

TV Digital: Visão Geral do Sistema Brasileiro

TV Digital: Visão Geral do Sistema Brasileiro TV Digital: Visão Geral do Sistema Brasileiro O conteúdo deste tutorial foi obtido do trabalho elaborado pelos autores Aldilenice e Rodrigo para a etapa de classificação do III Concurso Teleco de Trabalhos

Leia mais

Análise Gráfica de Rótulos de Vinho

Análise Gráfica de Rótulos de Vinho Análise Gráfica de Rótulos de Vinhos Análise Gráfica de Rótulos de Vinho Visual Analysis of Wine Labels Ranzolin, Michele; Universidade de Caxias do Sul micheleranzolin@hotmail.com Vieceli, Liliane; Universidade

Leia mais

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna

Status. Barra de Título. Barra de Menu. Barra de. Ferramentas Padrão. Caixa de nomes. Barra de. Ferramentas de Formatação. Indicadores de Coluna O que é uma planilha eletrônica? É um aplicativo que oferece recursos para manipular dados organizados em tabelas. A partir deles pode-se gerar gráficos facilitando a análise e interpretação dos dados

Leia mais

Técnicas Visuais Aplicadas

Técnicas Visuais Aplicadas Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Técnicas Visuais Aplicadas Prof. Dr. João Gomes Filho I 2011 BIBLIOGRAFIA João Gomes Filho Escrituras Editora. São Paulo 9 a

Leia mais

II Torneio de Programação em LabVIEW

II Torneio de Programação em LabVIEW Desenvolvimento da Aplicação II Torneio de Programação em LabVIEW Seção I: Requisitos Gerais A aplicação submetida deverá atender, pelo menos, às exigências de funcionamento descritas na Seção II deste

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

apresentação iagente shop

apresentação iagente shop apresentação iagente shop Rua Sport Clube São José, 54 506. Porto Alegre Rio Grande do Sul CEP: 91030-510 Fone: (51) 3398.7638 e-mail: www.iagenteshop.com.br www.iagente.com.br Data: 01 de Abril de 2009

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

Estilos de Interação

Estilos de Interação Universidade Federal Fluminense Mestrado em Computação Interação Humano-Computador Prof Ana Cristina Adrielle Aparecida da Silva Linha de Comando Estilos de Interação A interação realizada por linha de

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART

Continuação. 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART Continuação 32. Inserir uma imagem da GALERIA CLIP-ART a) Vá para o primeiro slide da apresentação salva no item 31. b) Na guia PÁGINA INICIAL, clique no botão LAYOUT e selecione (clique) na opção TÍTULO

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE

HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Fundamentais HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Prof. Dr. João Gomes Filho I 2011 BIBLIOGRAFIA www.joaogomes.com.br João Gomes Filho

Leia mais

O Desenho: desenhando com Kari Galvão 1

O Desenho: desenhando com Kari Galvão 1 O Desenho: desenhando com Kari Galvão 1 Paulo Souza dos SANTOS JUNIOR 2 Maria Carolina Maia MONTEIRO 3 Universidade Católica de Pernambuco, Recife, PE RESUMO Este trabalho apresenta uma produção multimídia

Leia mais

Guia de criação de layout de Loja Virtual

Guia de criação de layout de Loja Virtual Guia de criação de layout de Loja Virtual Julho / 2013 (51) 3079-4040 contato@ezcommerce.com.br http://www.ezcommerce.com.br Este guia tem o intuito de orientar a criação de layout para a plataforma de

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

Relatório referente ao período de 24 de abril de 2007 a 29 de maio de 2007.

Relatório referente ao período de 24 de abril de 2007 a 29 de maio de 2007. Relatório do GPES Relatório referente ao período de 24 de abril de 2007 a 29 de maio de 2007. Objetivo O objetivo desse relatório é expor alguns padrões de interface para Web que foram definidos pela Coleção

Leia mais

Anais da Semana de TECNOLOGIA 2003 Tecnologia para quem e para quê? Curitiba, CEFET-PR, novembro de 2003. p.28-31.

Anais da Semana de TECNOLOGIA 2003 Tecnologia para quem e para quê? Curitiba, CEFET-PR, novembro de 2003. p.28-31. Anais da Semana de TECNOLOGIA 2003 Tecnologia para quem e para quê? Curitiba, CEFET-PR, novembro de 2003. p.28-31. RESUMO INTERAÇÃO SER HUMANO COMPUTADOR: ASPECTOS DAS INTERFACES DE UM CURSO A DISTÂNCIA

Leia mais

TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS

TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS TVVILAEMBRATEL.WEBS.COM 1 Uma experiência com sistemas de CMS Anissa CAVALCANTE 2 Jessica WERNZ 3 Márcio CARNEIRO 4, São Luís, MA PALAVRAS-CHAVE: CMS, webjornalismo, TV Vila Embratel, comunicação 1 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

LOUSA INTERATIVA. ActivPen

LOUSA INTERATIVA. ActivPen LOUSA INTERATIVA Desenvolvidos por e para professores, a Lousa Interativa é composta por um quadro eletrônico branco, conectado a um computador por meio de um cabo USB. Manuseada por meio de uma caneta

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A TV DIGITAL: UMA ABORDAGEM DO POTENCIAL DA INTERATIVIDADE

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A TV DIGITAL: UMA ABORDAGEM DO POTENCIAL DA INTERATIVIDADE 1 EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E A TV DIGITAL: UMA ABORDAGEM DO POTENCIAL DA INTERATIVIDADE Bauru, 05/2011 Valquiria Santos Segurado UNESP - valquiria.segurado@mstech.com.br Profª Drª Vânia Cristina Pires Nogueira

Leia mais

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft.

O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Introdução ao Microsoft Windows 7 O Windows 7 é um sistema operacional desenvolvido pela Microsoft. Visualmente o Windows 7 possui uma interface muito intuitiva, facilitando a experiência individual do

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

Manual do Usuário 2013

Manual do Usuário 2013 Manual do Usuário 2013 MANUAL DO USUÁRIO 2013 Introdução Um ambiente virtual de aprendizagem é um programa para computador que permite que a sala de aula migre para a Internet. Simula muitos dos recursos

Leia mais

Técnicas de Exposição de Produtos CONCEITO DE EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS A idéia básica: Mostrar ou destacar alguma coisa. Mostrar também significa: Comunicar O produto deve atrair, seduzir, mexer com os sentidos

Leia mais

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST.

Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Princípios de Design TRADUÇÃO DE TATIANE CRISTINE ARNOLD, DO ARTIGO IBM DESIGN: DESIGN PRINCIPLES CHECKLIST. Um software deve ser projetado para simplificar tarefas e criar experiências positivas para

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 2 conhecendo a interface do Adobe Flash professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O layout do programa A barra de ferramentas (tools) Contém as ferramentas necessárias para desenhar,

Leia mais

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas 3.1 AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas Neste capítulo serão apresentadas algumas ferramentas de análise de dados com representação vetorial disponíveis no TerraView. Para isso será usado o banco de

Leia mais

atube Catcher versão 3.8 Manual de instalação do software atube Catcher

atube Catcher versão 3.8 Manual de instalação do software atube Catcher atube Catcher versão 3.8 Manual de instalação do software atube Catcher Desenvolvido por: Clarice Mello, Denis Marques Campos Dezembro de 2014 Sumario 1. Objetivo deste manual...3 2. Requisitos para instalação...3

Leia mais

GUIA DE Identidade Visual

GUIA DE Identidade Visual Texto GUIA DE Identidade Visual UNA-SUS Guia de Identidade Visual 1 Index Apresentação Malha Construtiva Símbolo Tipograma Símbolo + Logotipo Arejamento Aplicações Preto e Branco Horizontais Verticais

Leia mais