Unificação Fechamento Continuidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unificação Fechamento Continuidade"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Curso: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Matriz: COMUNICAÇÃO SOCIAL PUBLICIDADE E PROPAGANDA Componente Curricular: EXPRESSÃO GRÁFICA Turma: A Período: 1 Ano/Semestre: 2013 / 1 Nome: TAINARA MANTELLI Gestalt Criada no século XIX pelo psicólogo Chistian Von Ehrenfels, mas, com seu inicio efetivo por volta de 1910, quando teve a ajuda de Max Wertheimer,, Wolfgang Köhler e Kurt Koffka, com o propósito de estudar e criar novos conceitos sobre o comportamento, as emoções e as percepções humanas. Tendo em vista que na época, a percepção era feita de tal forma que só era possível perceber a imagem através de suas partes, compreendendo-as por meio de associações de experiências passadas. A Teoria de Gestalt chega para firmar a ideia de que não se pode ter conhecimento do todo através das partes, e sim das partes através do todo, que são os conjuntos que possuem leis próprias e estas administram os elementos, e essa percepção da totalidade acaba fazendo com que o cérebro perceba, entenda e assimile facilmente uma imagem ou conceito. Ela refere-se ao processo de dar forma a tudo que nos é exposto aos olhos, estando assim associado a estruturas, figuras e formas. Ela procura estudar o porquê de algumas formas agradarem mais algumas pessoas do que outras, e tem como principal objetivo atuar no campo da teoria da forma, e possui uma relevante contribuição aos estudos da percepção de modo geral: linguagem, inteligência, memória, motivação, percepção visual, entre outras. A Gestalt afirma o principio de que vemos as coisas sempre dentro de um conjunto de relações, tal fato contribui para alterar nossa percepção das coisas, causando os fenômenos de ilusão de óptica. Gestalt é um termo alemão intraduzível para o português, utilizado para compreender a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Estudada por muitos, ganhou a nomenclatura de forma ou figura, criando um movimento o Gestaltismo, psicologia da forma. Em termos gerais, a Gestalt é o conjunto de entidades físicas, biológicas, fisiológicas ou simbólicas que juntas formam um conceito, padrão ou configuração unificado que é maior que a soma de suas partes. Segundo Max Wertheimer (1924) A formula fundamental da teoria da Gestalt pode ser expressa da seguinte forma. Existem conjuntos, o comportamento dos quais não é

2 determinado por seus elementos individuais, mas onde o processo da parte é determinado pela natureza intrínseca do todo. É o objeto da Gestalt de determinar a natureza de tais conjuntos. Ou seja, o princípio básico da teoria é que o inteiro é interpretado de maneira diferente que a soma das suas partes. A percepção não funciona por somatório de partes menores dos objetos percebidos, mas por totalidade. A Gestalt então foi dividida em oito leis: Unidade, Segregação, Fechamento, Continuidade, Proximidade, Semelhança e Pregnância da Forma. Para João Gomes Filho A partir dessas leis foi criado o suporte sensível e racional, espécie de ABC da leitura visual que vai permitir e favorecer toda e qualquer articulação analitica e interpretativa da forma do objeto, sobretudo, com relação à utilização das demais categorias conceituais. Unidade: Uma unidade é identificada em um único elemento, que se encerra em si mesmo, ou como parte de um todo. Unidades podem ser agrupamentos organizados ou parte de um todo. São percebidas, através de relações entre os elementos que as constituem. Os elementos estão soltos, mas a nossa percepção faz com que enxerguemos um único objeto. No primeiro temos quatro cantos que não se juntam, mas vemos um quadrado. E assim segue nos demais exemplos. tipos de contrastes. Segregação A Segregação significa a capacidade perceptiva de separar, identificar, evidenciar ou destacar unidades formais em um todo composto ou partes deste todo, Naturalmente, podese segregar uma ou mais unidades, dependendo da força de um ou mais

3 Unificação A unificação da forma consiste na igualdade ou semelhança dos estímulos produzidos pelo campo visual, pelo objeto. A unificação se verifica quando os fatores de harmonia, equilíbrio, ordenação visual e coerência da linguagem ou estilo formal das partes ou do todo estão presentes no objeto ou composição. Fechamento O fechamento ocorre quando se estabelece uma formação nas unidades, ou seja, obtêm a sensação de fechamento visual da forma pela sua continuidade estrutural. Continuidade É a tendência dos elementos se acompanharem uns aos outros, de maneira que permitam a continuidade de um movimento para uma direção já estabelecida. É a impressão visual de como elementos desenhados já com uma forma e com uma direção, prolongam, na mesma direção, o mesmo movimento. Uma linha reta, por exemplo, sempre terá sua continuidade reta, com traço do mesmo jeito. Ou mesmo elementos que acompanham uns aos outros, eles terão a mesma direção, forma e proporção para criar uma unidade visual.

4 Proximidade A proximidade ocorre quando os elementos que estão próximos entre si tendem a ser vistos juntos, a proximidade e a semelhança são dois fatores que agem juntos. Quanto mais curta a distancia entre eles mais próximos e unificados parece estar. Por exemplo, na imagem temos 9 pontos, fazemos a lei da proximidade criando uma unidade para cada conjunto de 3 pontos. Semelhança A semelhança é estimulada pela igualdade da forma e da cor, o que desperta um agrupamento das unidades por partes semelhantes. Na imagem por exemplo, os elementos estão separados por quadrados e círculos, podemos fazer a união pela forma, ou pela semelhança de cor. Pregnância da forma A pregnância da forma é uma das leis mais básicas na Gelstalt, conhecida também como a lei da boa figura ou a lei da simplicidade. Um objeto com alta pregnância tende a ser equilibrada, harmônica e homogênea, trazendo uma boa visualização, fazendo com que o espectador consiga entender a forma rapidamente sem problemas, um objeto com baixa pregnância da forma faz com que se tenha mais trabalho para identificar as unidades no objeto. No imagem, observamos primeiramente o que de mais simples pode ser observado, no caso, um emaranhado de linhas formando quadrados menores e maiores. Só depois de alguma observação percebemos que são na verdade três quadrados dispostos na diagonal descendente.

5 A forma nada mais é do que os limites exteriores da matéria de que é constituído um corpo, a percepção da forma é o resultado de uma interação entre o objeto físico e o meio de luz agindo como transmissor de informação. A forma pode ser subdividida por: Ponto, Linha, Plano, volume, Configuração Real e configuração Esquemática. Ponto: O ponto é a unidade mais simples, é qualquer elemento que funcione como um centro de atração. Linha: É a junção de vários pontos, fazendo com que se possa criar um elemento. Plano: É a sucessão de várias linhas, criando assim duas dimensões: a largura e o comprimento. Volume: É definido por uma projeção tridimensional. Pode se ter uma sensação de volume a partir da iluminação, da sombra, do brilho, textura, etc. Configuração Real: É a representação real dos objetos e coisas utilizando os limites reais, a partir de pontos, linhas, planos e volumes, por meio de fotografias, ilustrações, gravuras e pinturas. Configuração Esquemática: É a representação dos objetos, por meio de sombras, manchas, chapado, traço, linha de contorno, silhueta, etc. Categorias Fundamentais Essas categorias servem para dar mais fundamento e coerência às leis da Gestalt. Harmonia: É a disposição formal bem organizada entre todos os elementos do objeto, trazendo regularidade de forma simples e clara. A harmonia por ordem traz uniformidade entre as unidades e por regularidade traz elementos absolutamente nivelados em termo de equilíbrio visual.

6 Desarmonia: Processo oposto a harmonia, os elementos se tornam desordenados produzindo discordância, tendem a serem irregulares não tendo nivelamento e inconstância formal. Equilíbrio: Acontece quando as forças agem ao mesmo tempo sobre ambos os lados dos elementos, trazendo a sensação de que os dois lados de um objeto são iuais ou que são compensados mutuamente. Desequilíbrio: É o oposto do equilíbrio, é quando as forças que agem sobre os corpos não conseguem equilibrar-se. Este estado pode trazer certa atenção ao observador, chamando a atenção ou até o inquietando. Contraste: É onde através da luz ou de sua ausência, traz as formas dos objetos. A partir de diferentes cores também pode se notar o contraste realçando ou não diversos elementos. O contraste também pode ser vertical ou horizontal, pode ser a partir de movimentos e dinamismo. Técnicas Visuais Aplicadas Essas técnicas tem como finalidade fornecer informações valiosas para o procedimento criativo no desenvolvimento de projetos de qualquer natureza. Simplicidade: Livre de complicações, traz harmonia e unificação, normalmente traz baixo número de informações ou unidade visual. Minimidade: É uma técnica econômica, onde há poucos elementos em sua composição. Complexidade: Oposto de simplicidade, a complexidade tende a ter muitas unidades em sua composição, e dificulta a sua leitura rápida. Profusão: Esta ligada ao poder de riqueza, estilos formais góticos, barroco, art déco e similares Está associada a complexidade. Coerência: Caracteriza-se por uma organização visual integrada, equilibrada e harmoniosa em relação ao seu todo. Incoerência: É o oposto da coerência, sua organização visual é distinta e contraditória, os objetos apresentam desarmonia e desintegração. Exageração: Traz uma expressão visual intensa e amplificada, onde traz um enorme foco de atração em algum elemento no seu todo. Arredondamento: Caracterizado pela suavidade, delicadeza e a maciez que as formas transmitem. O arredondamento esta ligado a continuidade fazendo com que os olhos percorram de maneira tranquila a configuração do objeto. Transparência Física: A transparência caracteriza-se por objetos sobrepostos e que pode se ver através deles, a visualização pode ser parcial ou total.

7 Transparência Sensorial: Neste caso a transparência passa uma sensação muito próxima da realidade dos objetos visualizados. É produzido por uso de técnicas tradicionais e computacionais. Opacidade: Esta técnica é o oposto da transparência nela não se pode visualizar o que esta por trás do objeto sobreposto. Redundância: A redundância se resume basicamente por excesso de elementos iguais, muitas vezes até supérfluos. Ambiguidade: Esta técnica produz efeitos interessantes, pois mostra um único objeto com interpretações diferentes daquilo que é visto. Espontaneidade: É uma técnica não premeditada, instintiva, não há nenhum planejamento para sua realização. Aleatoriedade: É uma técnica que faz com que os elementos sejam dispostos de um modo não seqüencial, algo casual ou acidental. Fragmentação: Esta técnica se caracteriza por uma organização formal decomposta, as unidades estão separadas entre si. Sutileza: É uma técnica de forma elegante e grácil que reflete bom gosto. Diluição: A técnica de diluição não se associa a precisão e a nitidez da forma. Podemse passar sensações de calor humano, sonho, ilusão e outros sentimentos. Distorção: Se caracteriza por deformação, mudanças de sentido ou ainda por diferenças de ampliação. Esta técnica bem manejada produz efeitos plásticos muito intensos. Profundidade: A profundidade se caracteriza principalmente nas variações de imagens retilíneas, provocando uma percepção de profundidade ou de distancia. Superficialidade: Essa técnica se caracteriza por elementos bidimensionais e chapados. Ela é o contrario da técnica de profundidade. Sequencialidade: Essa técnica se aplica a uma organização de unidade de um modo que fiquem continuas, trazendo harmonia e equilíbrio. Sobreposição: É uma técnica que trás por características objetos um em cima dos outros, que podem ser opacos, translúcidos ou transparentes. Ajuste Óptico: O ajuste óptico funciona como um refinamento no trato da forma e do objeto, tem como pressuposto básico o equilíbrio e a harmonia visual. Ruído Visual: O ruído visual acontece quando existe uma interferência ou até mesmo algo inesperado que atrapalha um pouco a harmonia visual do objeto. Mas o ruído visual também pode ser útil utilizando-o de uma maneira inteligente.

8 Gestalt usada na Propaganda Para Finalizar, algumas imagens relacionadas à Publicidade e à Propaganda que usam as leis da Gestalt no processo criativo. Lei da Continuação e Movimento Lei do Fechamento

9 Lei da Pregnância Lei da Proximidade e Semelhança

10 Lei da Unificação e Semelhança Lei da Segregação Lei da Unidade

11 Curiosidade: Em mais um outdoor premiado em Cannes neste ano, as Leis da Gestalt trabalharam forte. Tão forte que quebraram a mesmice das abordagens publicitárias que vemos por aí. Com um conceito maduro Have a break, a JWT do México conseguiu mostrar como o produto Kit Kat pode tornar momentos monótonos em pausas saborosas. Através da Lei de Unidade, observamos um movimento semelhante ao de uma barra de chocolate sendo quebrada. Pela Lei de Segregação, identificamos momentos chatos, como uma reunião ou horas usando o celular. A lei de Unificação contribui com uma organização dos elementos que remetem também a uma barra de chocolates. Para apoiar o conteúdo da imagem, temos o elemento cor, fazendo-nos lembrar de chocolate. Também temos o contraste de forma, que ao isolar o fundo (sem elementos) com o objeto central, remete a anatomia da peça para abstrata. Assim, nossa cabeça se permite viajar com este conceito criativo, sem cair na monotonia do dia-a-dia.

12 Referencial %20ok.pdf AmgxXxNiwC

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Fundamentado Cientificamente na Psicologia da Percepção da Forma Prof. Dr. João Gomes Filho I 2010 BIBLIOGRAFIA João Gomes Filho Escrituras Editora.

Leia mais

Técnicas Visuais Aplicadas

Técnicas Visuais Aplicadas Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Técnicas Visuais Aplicadas Prof. Dr. João Gomes Filho I 2011 BIBLIOGRAFIA João Gomes Filho Escrituras Editora. São Paulo 9 a

Leia mais

Sistema de Leitura Visual da Forma. Técnicas Visuais Aplicadas

Sistema de Leitura Visual da Forma. Técnicas Visuais Aplicadas Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Fundamentais Técnicas Visuais Aplicadas Prof. Dr. João Gomes Filho... Setembro. 2006 Clareza Organizações visuais unificadas.facilidade

Leia mais

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução Nossa inteligência pode ser caracterizada pela nossa capacidade de identificar padrões, e o sistema visual é o nosso

Leia mais

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma. Teoria Geral da Gestalt

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma. Teoria Geral da Gestalt Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Fundamentado Cientificamente na Psicologia da Percepção da Forma Teoria Geral da Gestalt Prof. Dr. João Gomes Filho I 2010 BIBLIOGRAFIA mais a do próprio

Leia mais

Gestalt do Objeto. Teoria Geral da Gestalt. Fundamentado Cientificamente na

Gestalt do Objeto. Teoria Geral da Gestalt. Fundamentado Cientificamente na Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Teoria Geral da Gestalt Fundamentado Cientificamente na Psicologia i da Percepção da Forma Prof. Dr. João Gomes Filho... Setembro. 2006 BIBLIOGRAFIA

Leia mais

BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL

BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL BASES PSICOLÓGICAS DO PACTO SOCIAL GESTALT Max WERTHEIMER (1880 1943) Kurt KOFFKA (1886 1941) Wolfgang KÖHLER (1887 1967) Alemanha, 1912 O TERMO ALEMÃO QUER DIZER FORMA OU CONFIGURAÇÃO. Os gestaltistas

Leia mais

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza Curso de Design Linguagem Visual Luciano Pedroza O Designer O designer, ao contrário do pensamento comum não é artista, mas utiliza elementos da arte no desenvolvimento do projeto. O artista, por definição,

Leia mais

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex

REVISÃO GESTALT. Viviane Aiex REVISÃO GESTALT Viviane Aiex 1. Leitura Visual do Objeto pelas Leis da Gestalt 1) Unidades: que são os elementos que configuram a forma; 2) Segregação: que é o ato se separar, perceber ou identificar as

Leia mais

Teoria da Gestalt. Teoria da Forma

Teoria da Gestalt. Teoria da Forma Teoria da Gestalt Teoria da Forma O Que é a Gestalt? Trata- se de uma corrente da psicologia que surge na Alemanha no início do século XX. Não existe uma tradução precisa para Gestalt, mas uma das palavras

Leia mais

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma.

Gestalt. Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. Gestalt 29 de setembro de 2006 Gestalt é o termo intradutível do alemão utilizado para abarcar a teoria da percepção visual baseada na psicologia da forma. '''ORIGEM DA PSICOLOGIA DA FORMA''' Durante o

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA COLÉGIO ESTADUAL VICENTE RIJO Ensino Fundamental, Médio e Profissional. Av. Juscelino Kubitscheck, 2372. Londrina Paraná Fone: (43) 3323-7630 / 3344-1756 / 3334-0364 www.vicenterijo@sercomtel.com.br CURSO

Leia mais

MDI/EAD: olhando com olhos de águia... 1

MDI/EAD: olhando com olhos de águia... 1 MDI/EAD: olhando com olhos de águia... 1 Um dos fatores que mais influenciam a permanência do educando em uma iniciativa EAD é a qualidade dos materiais que lhe são postos à disposição: não podem apresentar

Leia mais

HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE

HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Categorias Conceituais Fundamentais HARMONIA EQUILÍBRIO CONTRASTE Prof. Dr. João Gomes Filho I 2011 BIBLIOGRAFIA www.joaogomes.com.br João Gomes Filho

Leia mais

Iluminação de Espaços Urbanos. Necessidades e Limites da Valorização Cênica. Valmir Perez

Iluminação de Espaços Urbanos. Necessidades e Limites da Valorização Cênica. Valmir Perez Iluminação de Espaços Urbanos Necessidades e Limites da Valorização Cênica Valmir Perez Definição O espaço urbano é uma abstração do espaço social, que é o espaço total. Atribui-se, ao termo urbano, o

Leia mais

Qual a diferença entre ver e perceber? Percepção Visual. Gestalt 02/04/2014. Prof. José Wilker. Prof. José Wilker. Prof.

Qual a diferença entre ver e perceber? Percepção Visual. Gestalt 02/04/2014. Prof. José Wilker. Prof. José Wilker. Prof. Percepção Visual conceitos iniciais Qual a diferença entre ver e perceber? Prof. José Wilker Prof. José Wilker 1 2 A percepção da obra de arte Campo visual humano padrão A percepção da obra de arte e sua

Leia mais

Princípios do Design Gráfico. Prof. Luis Felipe

Princípios do Design Gráfico. Prof. Luis Felipe Princípios do Design Gráfico Prof. Luis Felipe 1 2 ESTRUTURA DA CRIAÇÃO NAS AGÊNCIAS DIRETOR DE CRIAÇÃO EQUIPE DE CRIAÇÃO VP DE CRIAÇÃO DIRETOR DE CRIAÇÃO EQUIPE DE CRIAÇÃO DIRETOR DE CRIAÇÃO EQUIPE DE

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943)

CONTEXTUALIZAÇÃO. Surge na Alemanha por entre 1910-1920 KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) MAX WERTHEIMER (1880 1943) GESTALT CONTEXTUALIZAÇÃO Surge na Alemanha por entre 1910-1920 MAX WERTHEIMER (1880 1943) KURT KOFFKA (1886 1941) WOLFGANG KÖHLER (1887 1967) Eu faço as minhas coisas Você faz as suas. Não estou neste

Leia mais

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real:

NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.2. Conceito Escala é a relação entre as medidas do desenho de um objeto e seu tamanho real: 2.7. ESCALAS NBR 8196 (Ago 1992) 2.7.1. OBJETIVO Fixa as condições exigíveis para o emprego de escalas e suas designações em desenho técnico e documentos semelhantes. 2.7.2. Conceito Escala é a relação

Leia mais

Infinitas são as coisas que consideramos boas, um amor correspondido, uma honesta riqueza, um quitute refinado. Umberto Eco em A História da Beleza

Infinitas são as coisas que consideramos boas, um amor correspondido, uma honesta riqueza, um quitute refinado. Umberto Eco em A História da Beleza Belo junto com gracioso, bonito ou sublime, maravilhoso, soberbo _ é um adjetivo que usamos frequentemente para indicar algo que nos agrada. Nesse sentido, aquilo que é belo é bom e, de fato em diversas

Leia mais

Drogas Enganam 1. PALAVRAS-CHAVE: Prevendroga; cartaz; curiosidade; ilusão de óptica; engano.

Drogas Enganam 1. PALAVRAS-CHAVE: Prevendroga; cartaz; curiosidade; ilusão de óptica; engano. Drogas Enganam 1 Eduardo Freitas ASSUNÇÃO 2 Erick Frederico Corrêa CASTRO 3 Gabriela REMPEL 4 Pâmela Fabíola TODESCHINI 5 Profª. Msª Juliana PETERMANN 6 Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria,

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

PSICOLOGIA Prof. Thiago P. de A Sampaio

PSICOLOGIA Prof. Thiago P. de A Sampaio PSICOLOGIA Prof. Thiago P. de A Sampaio Percepção Sensação Visão, Audição, Tato, Olfato e Paladar Captação de estímulos pelos sentidos Sinais eletroquímicos Condução dos sinais até o córtex sensorial Impulsos

Leia mais

Manual de Identidade Visual e Aplicação da marca do Governo do Estado de Mato Grosso

Manual de Identidade Visual e Aplicação da marca do Governo do Estado de Mato Grosso Manual de Identidade Visual e Aplicação da marca do Governo do Estado de Mato Grosso Manual de Identidade Visual e Aplicação da Logomarca do Governo do Estado de Mato Grosso Este manual foi desenvolvido

Leia mais

A Pedagogia Clínica Biográfica

A Pedagogia Clínica Biográfica A Pedagogia Clínica Biográfica Josef David Yaari Sim, é isso que devo fazer, é isso que eu sou! Ocorre a urgência! O mundo, as empresas, iniciativas e muitos empreendimentos precisam de gente. Há uma demanda

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÃO GRÁFICA CURSO DE DESIGN

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÃO GRÁFICA CURSO DE DESIGN UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÃO GRÁFICA CURSO DE DESIGN TEORIA DA FORMA Prof. Dr. Isaac A. Camargo INTRODUÇÃO À TEORIA DA GESTALT 1 A

Leia mais

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA.

O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. O LÚDICO COMO INSTRUMENTO TRANSFORMADOR NO ENSINO DE CIÊNCIAS PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Autor (1)Suzânia Maria Pereira de Araújo; Autor (2) Eleilde de Sousa Oliveira; Orientador (1)Denise Silva

Leia mais

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o Chapeuzinho Vermelho ou Branca de Neve? O sincretismo imagem, texto e sentido. 1 Autor: Fernanda Rodrigues Pucci 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um anúncio de publicidade impressa em

Leia mais

APRENDIZAGEM POR MEIO DA GESTALT NA FORMAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DO PROFISSIONAL DE DESENHO INDUSTRIAL

APRENDIZAGEM POR MEIO DA GESTALT NA FORMAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DO PROFISSIONAL DE DESENHO INDUSTRIAL Aprendizagem por meio da Gestalt na formação de competências do profissional de Desenho Industrial APRENDIZAGEM POR MEIO DA GESTALT NA FORMAÇÃO DE COMPETÊNCIAS DO PROFISSIONAL DE DESENHO INDUSTRIAL Lílian

Leia mais

Programação em papel quadriculado

Programação em papel quadriculado 4 NOME DA AULA: Programação em papel quadriculado Tempo de aula: 45 60 minutos Tempo de preparação: 10 minutos Objetivo principal: ajudar os alunos a entender como a codificação funciona. RESUMO Ao "programar"

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Web Design

Tópicos de Ambiente Web Web Design Tópicos de Ambiente Web Web Design Professora: Sheila Cáceres Historia As primeiras formas comunicativas foram mediante elementos visuais. Embora o surgimento da linguagem falada, a linguagem visual continuou

Leia mais

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM. EDUCAÇÃO VISUAL - 7º Ano

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM. EDUCAÇÃO VISUAL - 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 Covilhã PLANO DE ORGANIZAÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM - A definir em função das características das Turmas e dos interesses dos alunos. COMUNICAÇÃO TEMÁTICOS CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS

Leia mais

COLABORADOR(ES): FÁBIO EDUARDO DIAS, MARCELO PRADA, VIVIAN ELENA BARBONI

COLABORADOR(ES): FÁBIO EDUARDO DIAS, MARCELO PRADA, VIVIAN ELENA BARBONI TÍTULO: OUTDOOR - DIA DOS NAMORADOS ESFIHAMANIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: COMUNICAÇÃO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE SANTA BÁRBARA AUTOR(ES): ISMÊNIA MOTTA

Leia mais

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR 20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR Resultados Processo de aprendizagem SENTIDOS (principal) Gosto de informações que eu posso verificar. Não há nada melhor para mim do que aprender junto

Leia mais

Princípios da Gestalt. Princípios da Gestalt 16/09/2013. Prof. José Wilker. Prof. José Wilker. Repeteco aula passada. Proximidade - conceitos

Princípios da Gestalt. Princípios da Gestalt 16/09/2013. Prof. José Wilker. Prof. José Wilker. Repeteco aula passada. Proximidade - conceitos Repeteco aula passada Princípios da Gestalt proximidade, fechamento, continuidade e unificação Prof. José Wilker Assunto da aula passada: O que é a Gestalt Primeiros princípios Semelhança Unidade Pregnância

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS PAUTA DO ENCONTRO Início : 13hs30 1. Parte teórica 20 2. Oficina elaboração de mapas conceituais e infográficos ( processo) 40 3. Socialização dos resultados ( produto) 40 4. Avaliação geral da proposta

Leia mais

Planejamento de Aula - Ferramenta Mar aberto

Planejamento de Aula - Ferramenta Mar aberto Planejamento de Aula - Ferramenta Mar aberto Planejar uma aula é uma arte não uma tarefa. O planejamento de aula através da ferramenta Mar Aberto ajuda e contribui para infinitas possibilidades para seu

Leia mais

Design de superfície e arte: processo de criação em estamparia têxtil como lugar de encontro. Miriam Levinbook

Design de superfície e arte: processo de criação em estamparia têxtil como lugar de encontro. Miriam Levinbook Design de superfície e arte: processo de criação em estamparia têxtil como lugar de encontro. Miriam Levinbook Resumo: Este artigo propõe conexões a respeito do design de superfície em estamparia têxtil

Leia mais

Gráficos. Incluindo gráficos

Gráficos. Incluindo gráficos Gráficos Mas antes de começar, você precisa ter em mente três conceitos importantes que constituem os gráficos do Excel 2007. O primeiro deles é o ponto de dados. Este elemento é representado pela combinação

Leia mais

Nascemos a ver ou aprendemos a ver?

Nascemos a ver ou aprendemos a ver? Nascemos a ver ou aprendemos a ver? A visão é uma função essencialmente aprendida pelos organismos superiores. Podemos dizer que o processo de visão compreende a sensação e a percepção. A sensação consiste

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica 3. Uso de diagonais 4. Regra dos terços 5. O Ponto Dourado Composição fotográfica 15 dicas para ter imagens com harmonia e proporção. Este tutorial vai ajudá-lo a usar melhor uma câmera fotográfica, compacta

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS. Danielli da Silva Almeida Universidade Estadual de Londrina danii-geo@hotmail.

O ENSINO DE GEOGRAFIA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS. Danielli da Silva Almeida Universidade Estadual de Londrina danii-geo@hotmail. O ENSINO DE GEOGRAFIA: O USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Danielli da Silva Almeida Universidade Estadual de Londrina danii-geo@hotmail.com RESUMO Este artigo tem como objetivo refletir sobre as abordagens do

Leia mais

TIPOS DE REUNIÕES. Mariangela de Paiva Oliveira. mariangela@fonte.org.br. As pessoas se encontram em diferentes âmbitos:

TIPOS DE REUNIÕES. Mariangela de Paiva Oliveira. mariangela@fonte.org.br. As pessoas se encontram em diferentes âmbitos: TIPOS DE REUNIÕES Mariangela de Paiva Oliveira mariangela@fonte.org.br As pessoas se encontram em diferentes âmbitos: no âmbito do pensar: quando acontece uma troca de idéias, opiniões ou informações;

Leia mais

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia

Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia Fotografia: Arte,Ciência e Tecnologia E.E. Frontino Guimarães Sala 5 2ª Sessão Professor(es) Apresentador(es): Meire Pereira de França Roseli Fernandes Euquério Lima Realização: Foco Desenvolvimento da

Leia mais

Composição fotográfica

Composição fotográfica Composição fotográfica É a seleção e os arranjos agradáveis dos assuntos dentro da área a ser fotografada. Os arranjos são feitos colocando-se figuras ou objetos em determinadas posições. Às vezes, na

Leia mais

Teste de Software: Um Breve Estudo do Importante Processo no Desenvolvimento de Softwares

Teste de Software: Um Breve Estudo do Importante Processo no Desenvolvimento de Softwares Teste de Software: Um Breve Estudo do Importante Processo no Desenvolvimento de Softwares André Assis Lôbo de Oliveira Francisco Guerra Fernandes Júnior Faculdades Alves Faria, 74445190, Brasil andrelobin@hotmail.com,

Leia mais

Workshop de Conhecimentos sobre Pele

Workshop de Conhecimentos sobre Pele Workshop de Conhecimentos sobre Pele Objetivos Após concluir o treinamento você será capaz de compartilhar com suas clientes: Como funciona a pele. Características de cada tipo de pele. Como classificar

Leia mais

o que é classificação sintaxe visual percepção e significado dirigindo olhar

o que é classificação sintaxe visual percepção e significado dirigindo olhar Unidade 3 Princípios de Design composição unidade harmonia equilíbrio contraste Composição o que é classificação sintaxe visual percepção e significado dirigindo olhar O que é composição? O processo de

Leia mais

Bem Vindos à palestra: INTELIGÊNCIA EMOCIONAL. Prof. Márcio Bambirra Santos mb@leadempresarial.com.br www.mbambirra.com.br www.leadempresarial.com.

Bem Vindos à palestra: INTELIGÊNCIA EMOCIONAL. Prof. Márcio Bambirra Santos mb@leadempresarial.com.br www.mbambirra.com.br www.leadempresarial.com. Bem Vindos à palestra: INTELIGÊNCIA EMOCIONAL Prof. Márcio Bambirra Santos mb@leadempresarial.com.br www.mbambirra.com.br www.leadempresarial.com.br Márcio Bambirra Santos Administrador de Empresas e Economista.

Leia mais

Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração:

Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração: 1 OBJETIVAS E COMPOSIÇÃO Ao se falar sobre fotografia cinematográfica estão envolvidos diversos elementos que devem ser levados em consideração: 1 - AS LENTES: As objetivas são comumente chamadas de lentes,

Leia mais

40 dicas para tornar seu site mais eficiente e funcional

40 dicas para tornar seu site mais eficiente e funcional 40 dicas para tornar seu site mais eficiente e funcional Essas 40 dicas são ótimas e assino embaixo. Foram passadas para mim pelo amigo Luiz Rodrigues, aluno também do Curso Online de Design Web. A fonte

Leia mais

Visão: Um pixel equivalerá a milhares de palavras

Visão: Um pixel equivalerá a milhares de palavras Toque: Você poderá tocar através do seu telefone Imagine usar seu smartphone para comprar um vestido de casamento e poder sentir a seda do vestido, ou a renda do véu, tudo pela superfície da tela. Ou,

Leia mais

13. A Gestalt e o Ensino de Geometria

13. A Gestalt e o Ensino de Geometria 13. A Gestalt e o Ensino de Geometria Claudia Georgia Sabba Introdução Cada vez mais os professores buscam em outras áreas recursos que os auxiliem na construção do conhecimento de seus aprendizes. Utilizar

Leia mais

O Curso de História da Arte na Universidade Federal de São Paulo

O Curso de História da Arte na Universidade Federal de São Paulo O Curso de História da Arte na Universidade Federal de São Paulo Jens Baumgarten UNIFESP Resumo O artigo apresenta o projeto acadêmico-intelectual do novo curso de graduação de História da Arte na Universidade

Leia mais

MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO: TRABALHANDO E DISCUTINDO OS JOGOS BOOLE.

MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO: TRABALHANDO E DISCUTINDO OS JOGOS BOOLE. MATEMÁTICA E RACIOCÍNIO LÓGICO: TRABALHANDO E DISCUTINDO OS JOGOS BOOLE. Marivete Girelli Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de Foz do Iguaçu mariveteg@hotmail.com Renata Camacho

Leia mais

APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre. Aula 13

APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre. Aula 13 APOSTILAS DO QUARTO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 4º Bimestre Aula 13 Identidade Visual Embora você possa nunca ter ouvido falar em identidade visual, todos nós estamos sempre sendo bombardeados pelas identidades

Leia mais

CURIOSOS E PESQUISADORES: POSSIBILIDADES NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CURIOSOS E PESQUISADORES: POSSIBILIDADES NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA CURIOSOS E PESQUISADORES: POSSIBILIDADES NO CONTEXTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA Cíntia Nunes (PPGEdu/UFRGS) Apoio: CNPq Resumo: Este trabalho trata de investigar a curiosidade e a pesquisa escolar sob um ponto

Leia mais

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos.

Psicanálise: técnica para discernir e descobrir os processos psíquicos. O conhecimento da psicanálise para o administrador, pode estar facilitando a compreensão das reações e comportamentos das pessoas com quem ele vai estar lidando no seu dia-dia. Temas discutidos nesta aula:

Leia mais

Quadros de Valor e de Excelência. C e n t r o d e E s t u d o s d e F á t i m a. Regulamento dos Quadros de Valor e de Excelência

Quadros de Valor e de Excelência. C e n t r o d e E s t u d o s d e F á t i m a. Regulamento dos Quadros de Valor e de Excelência Quadros de Valor e de Excelência C e n t r o d e E s t u d o s d e F á t i m a Regulamento dos Quadros de Valor e de Excelência Centro de Estudos de Fátima Regulamento dos Quadros de Valor e de Excelência

Leia mais

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA O JOGO CONTRIBUINDO DE FORMA LÚDICA NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Denise Ritter Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos deniseritter10@gmail.com Renata da Silva Dessbesel Instituto

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES

UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE AS DIFICULDADES DOS ALUNOS DAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO MÉDIO ENVOLVENDO FRAÇÕES Taciany da Silva Pereira¹, Nora Olinda Cabrera Zúñiga² ¹Universidade Federal de Minas Gerais / Departamento

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul QUESTÃO: 11 Na questão 11 foi divulgado o gabarito, no qual não considera correta a afirmação da opção IV, pelo que a recursante se opõe conforme por todos fundamentos a seguir apresentados. FUNDAMENTAÇÃO:

Leia mais

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO

QUANTO É? PALAVRAS-CHAVE: Aulas investigativas, lúdico, aprendizagem. INTRODUÇÃO QUANTO É? Danielle Ferreira do Prado - GEEM-UESB RESUMO Este trabalho trata sobre um trabalho que recebeu o nome de Quanto é? que foi desenvolvido depois de vários questionamentos a cerca de como criar

Leia mais

ÓTICA COM ÍNDICE DE REFRAÇÃO NEGATIVO

ÓTICA COM ÍNDICE DE REFRAÇÃO NEGATIVO Ótica com Índice de Refração Negativo 1 ÓTICA COM ÍNDICE DE REFRAÇÃO NEGATIVO Walter S. Santos 1, Antonio Carlos F. Santos 2, Carlos Eduardo Aguiar 2 1 Colégio Pedro II, Rio de Janeiro 2 Instituto de Física,

Leia mais

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado

UNESP DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD. Parte 3/5: Prof. Víctor O. Gamarra Rosado UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ DESENHO TÉCNICO: Fundamentos Teóricos e Introdução ao CAD Parte 3/5: 8. Projeções ortogonais 9. Terceira Vista 10. Tipos

Leia mais

Oficina de Manipulação e Edição de Fotografia e Imagem Digital GIMP

Oficina de Manipulação e Edição de Fotografia e Imagem Digital GIMP Oficina de Manipulação e Edição de Fotografia e Imagem Digital GIMP O que é o GIMP É um programa de criação e edição de imagens. Foi criado como uma alternativa livre ao Photoshop, ou seja, é um software

Leia mais

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR

20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR 20 perguntas para descobrir como APRENDER MELHOR Resultados Processo de aprendizagem EXPLORAÇÃO Busco entender como as coisas funcionam e descobrir as relações entre as mesmas. Essa busca por conexões

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO VISUAL (14) Abril de 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO VISUAL (14) Abril de 2015 Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Algarve Agrupamento de Escolas Manuel Teixeira Gomes - Cód.145464 ESCOLA EB 2.3 PROFESSOR JOSÉ BUÍSEL INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA

Leia mais

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI BRESSON PROJECT DESIGN E MOBILIDADE: HENRI CARTIER-BRESSON

UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI BRESSON PROJECT DESIGN E MOBILIDADE: HENRI CARTIER-BRESSON UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI BRESSON PROJECT DESIGN E MOBILIDADE: HENRI CARTIER-BRESSON São Paulo 2009 BRESSON PROJECT DESIGN E MOBILIDADE: HENRI CARTIER-BRESSON Trabalho apresentado como exigência parcial

Leia mais

COMPETÊNCIAS. Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural indispensável ao desenvolvimento do ser humano.

COMPETÊNCIAS. Reconhecer a importância das artes visuais como valor cultural indispensável ao desenvolvimento do ser humano. COMPETÊNCIAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Ao longo do ensino básico as competências que o aluno deve adquirir em Artes Visuais articulam-se em três eixos estruturantes fruição - contemplação, produção criação,

Leia mais

Análise e Projeto de Software

Análise e Projeto de Software Análise e Projeto de Software 1 Mundo Real Modelagem Elicitação Análise Problemas Soluções Gap Semântico Mundo Computacional Elicitação de Requisitos Análise de Requisitos Modelagem dos Requisitos 2 Projeto

Leia mais

Como erguer um piano sem fazer força

Como erguer um piano sem fazer força A U A UL LA Como erguer um piano sem fazer força Como vimos na aula sobre as leis de Newton, podemos olhar o movimento das coisas sob o ponto de vista da Dinâmica, ou melhor, olhando os motivos que levam

Leia mais

Educação Visual - Cód. 14

Educação Visual - Cód. 14 Agrupamento Vertical de Escolas de Abação Escola EB 2,3 Abação Informação n.º 1 ---------------------------------------------------- Data: 12 de maio de 2014 ----------------------------------------------------

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

O PROCESSO DE MUSICALIZAÇÃO NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE

O PROCESSO DE MUSICALIZAÇÃO NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE O PROCESSO DE MUSICALIZAÇÃO NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE Romero Bomfim dos Santos 1 ; Elida Roberta Soares de Santana²; Bruno Fernandes

Leia mais

COMO INTRODUZIR GEOMETRIA ANALÍTICA DE UMA FORMA DIFERENCIADA

COMO INTRODUZIR GEOMETRIA ANALÍTICA DE UMA FORMA DIFERENCIADA ISSN 2316-7785 COMO INTRODUZIR GEOMETRIA ANALÍTICA DE UMA FORMA DIFERENCIADA Resumo Charles Zuconeli Guimarães 1 charles_zuconeli@hotmail.com Franciele Roulim Negreiros 1 franciiroulim@hotmail.com Morgana

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa RELATO DE EXPERIANCIA: A UTILIZAÇÃO DO JOGO COMO RECURSO AO ENSINO-APRENDIZAGEM MATEMATICA, EM SALA DE AULA DO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Professora alfabetizadora:

Leia mais

o canal o canal o logótipo conceito programação separadores separadores sonoros separadores alívio separadores por tema horários

o canal o canal o logótipo conceito programação separadores separadores sonoros separadores alívio separadores por tema horários índice o canal 02 o canal o logótipo conceito programação separadores separadores sonoros separadores alívio separadores por tema horários 03 04 05 07 09 10 12 14 17 Com este projecto pretedia-se criar

Leia mais

PLANEJAMENTO FEVEREIRO/MARÇO 2014

PLANEJAMENTO FEVEREIRO/MARÇO 2014 CENTRO EDUCACIONAL DA LAGOA PLANEJAMENTO FEVEREIRO/MARÇO 2014 PROJETO VENCER OU PERDER: O desafio da vida FEVEREIRO Valor do mês - AMIZADE Sentimento fiel de afeição, simpatia, estima ou ternura entre

Leia mais

Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais

Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais Aula-passeio: como fomentar o trabalho docente em Artes Visuais Introdução O objetivo deste trabalho é demonstrar como as artes visuais podem ser trabalhadas com visitas a museus e centros culturais. Apresenta

Leia mais

7 7 E8BOOK7CURSO7DE7 ORATÓRIA7

7 7 E8BOOK7CURSO7DE7 ORATÓRIA7 HTTP://WWW.SUPEREDESAFIOS.COM.BR/SEGREDO/FORMULANEGOCIOONLINE E8BOOKCURSODE ORATÓRIA Prof.DaniloMota Prof.&Danilo&Mota& &Blog&Supere&Desafios& 1 Introdução:Tempodeouvir,tempodefalar. Não saber ouvir bem,

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE QUADRINHOS ATRELADOS A EPISÓDIOS HISTÓRICOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA RESUMO

CONSTRUÇÃO DE QUADRINHOS ATRELADOS A EPISÓDIOS HISTÓRICOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA RESUMO XXII Semana de Educação da Universidade Estadual do Ceará 31 de agosto a 04 de setembro de 2015 CONSTRUÇÃO DE QUADRINHOS ATRELADOS A EPISÓDIOS HISTÓRICOS PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA Laura Andrade Santiago

Leia mais

Rubricas e guias de pontuação

Rubricas e guias de pontuação Avaliação de Projetos O ensino a partir de projetos exibe meios mais avançados de avaliação, nos quais os alunos podem ver a aprendizagem como um processo e usam estratégias de resolução de problemas para

Leia mais

IMAGENS COMPLEXAS DA BIOLOGIA: uma reflexão multidisciplinar RESUMO

IMAGENS COMPLEXAS DA BIOLOGIA: uma reflexão multidisciplinar RESUMO 1 IMAGENS COMPLEXAS DA BIOLOGIA: uma reflexão multidisciplinar Hugo Fortes 1 Sandra Souza 2 RESUMO Este trabalho apresenta uma reflexão sobre imagens complexas da biologia disponíveis no site www.visualcomplexity.com.

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

Aula 8 - Contraste. professor Rafael Hoffmann

Aula 8 - Contraste. professor Rafael Hoffmann Aula 8 - Contraste professor Rafael Hoffmann Estar contra. Comparação, na qual as diferenças se tornam claras. Usado para sugerir distinções visuais. Ao compararmos o dessemelhante, aguçamos o significado

Leia mais

Experimento. O experimento. Mágica das cartelas. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação. Educação a Distância.

Experimento. O experimento. Mágica das cartelas. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação. Educação a Distância. números e funções O experimento Experimento Mágica das cartelas Objetivos da unidade 1. Relembrar diferentes sistemas de numeração; 2. Aprofundar o estudo sobre a base binária; 3. Conhecer aplicações da

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

À Procura de Mozart Resumo Canal 123 da Embratel Canal 112 da SKY,

À Procura de Mozart Resumo Canal 123 da Embratel Canal 112 da SKY, À Procura de Mozart Resumo O vídeo nos oferece um relato sobre a vida e obra de Wolfgang Amadeus Mozart. Ele nos é apresentado como único e inigualável devido à sua genialidade na música clássica do século

Leia mais

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Unidade I Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Introdução A disciplina Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil tem o objetivo de provocar reflexões

Leia mais

A PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO RECURSO METODOLÓGICO INTERDISCIPLINAR

A PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO RECURSO METODOLÓGICO INTERDISCIPLINAR A PRODUÇÃO DE VÍDEOS COMO RECURSO METODOLÓGICO INTERDISCIPLINAR Maria Aparecida Monteiro Deponti (cida_mw@yahoo.com.br) Carlos Henrique Campanher (carloscampanher@oi.com.br ) Resumo O presente trabalho

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO Iluminação de Lojas Destacar uma vitrine, a arquitetura da fachada, os produtos e a decoração dos espaços internos tornando as lojas atraentes aos olhos do público, já não é possível sem a elaboração de

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

DECRETO Nº. 970/2013

DECRETO Nº. 970/2013 PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARAPARI ESTADO DO ESPIRITO SANTO GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº. 970/2013 DISPÕE SOBRE APROVAÇÃO DO MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL E APLICAÇÃO DA MARCA DO GOVERNO MUNICIPAL DE GUARAPARI

Leia mais

Desenhando perspectiva isométrica

Desenhando perspectiva isométrica Desenhando perspectiva isométrica A UU L AL A Quando olhamos para um objeto, temos a sensação de profundidade e relevo. As partes que estão mais próximas de nós parecem maiores e as partes mais distantes

Leia mais

INSTRUTOR Zeh Blackie. CURSO DE GUITARRA Nível Básico. 7º Passo

INSTRUTOR Zeh Blackie. CURSO DE GUITARRA Nível Básico. 7º Passo INSTRUTOR Zeh Blackie CURSO DE GUITARRA Nível Básico 7º Passo Copyright -Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada destes materiais, no todo ou em parte, constitui violação do direitos

Leia mais