PARECER DO NÚCLEO DE CÁLCULOS JUDICIAIS DA JFRS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARECER DO NÚCLEO DE CÁLCULOS JUDICIAIS DA JFRS"

Transcrição

1 Página 1 de 7 PARECER DO NÚCLEO DE CÁLCULOS JUDICIAIS DA JFRS 1. Objetivo O presente parecer tem por objetivo verificar a possibilidade de existência de diferenças em processos que versem, exclusivamente, sobre as majorações extraordinárias do teto, trazidas pelas ECs 20/98 e 41/03, por meio da simples análise da Renda Mensal Atual dos benefícios previdenciários. 2. Análises preliminares Inicialmente, faz-se necessário o exame de algumas questões relativas à aplicação dos reajustes aos benefícios previdenciários (evolução do benefício). De maneira geral, para determinarmos a renda atual de um benefício basta aplicarmos, à RMI, os reajustes posteriores à DIB. Assim, por exemplo, um benefício com DIB em 01/01/2007 e RMI de R$ 800,00 terá uma renda mensal, a partir de 01/2011, de R$ 1.033,72. Esse valor foi obtido através da multiplicação da RMI pelos índices de reajuste de 04/2007 (1,0136 1º reajuste proporcional à DIB), 03/2008 (1,0500), 02/2009 (1,0592), 01/2010 (1,0772) e 01/2011 (1,0641), conforme quadro abaixo: Renda Mensal (R$) Vigência - 800,00 DIB até 03/2007 1,0136 em 04/2007 (1º reajuste prop. à DIB) 810,88 04/2007 até 02/2008 1,0500 em 03/ ,42 03/2008 até 01/2009 1,0592 em 02/ ,83 02/2009 até 12/2009 1,0772 em 01/ ,45 01/2010 até 12/2010 1,0641 em 01/ ,72 A partir de 01/2011 Contudo, o art. 33 da Lei 8.213/91 estabeleceu os limites mínimo e máximo para a renda mensal dos benefícios, in verbis: Art. 33. A renda mensal do benefício de prestação continuada que substituir o salário-de-contribuição ou o rendimento do trabalho do segurado não terá valor inferior ao do salário-mínimo, nem superior ao do limite máximo do salário-decontribuição, ressalvado o disposto no art. 45 desta Lei.

2 Página 2 de 7 Assim, verifica-se que, caso a aplicação dos reajustes resulte, para alguma competência, em renda mensal superior ao limite máximo do salário de contribuição (teto), ou inferior ao salário-mínimo, ela deve ter seu valor ajustado a esses limites. Vejamos, agora, o seguinte exemplo: DIB em 01/01/2007, RMI de R$ 2.801,82 (limitada ao teto) e coeficiente de teto de 1,2. Observa-se, no quadro abaixo, que a renda mensal a partir de 04/2007 (após o primeiro reajuste) deveria ser de R$ 3.407,91 (RMI x 1,21632), mas ela foi limitada ao teto (R$ 2.894,28), forte ao disposto no art. 33 da Lei 8.213/91. Nos demais reajustes verifica-se, igualmente, a necessidade de ajuste da Renda Real aos limites impostos pela legislação. *Renda Real (R$) Renda Limitada por conta do art. 33 (R$) Vigência ,82 - DIB até 03/2007 1,21632 em 04/2007 (1º reajuste prop. à DIB [1,0136] x coef. teto [1,2]) 3.407, ,28 04/2007 até 02/2008 1,0500 em 03/ , ,99 03/2008 até 01/2009 1,0592 em 02/ , ,90 a partir de 02/2009 *Obs.: O termo Renda Real será utilizado, neste parecer, para designar a renda mensal resultante da simples aplicação dos reajustes anuais à Renda Mensal Inicial (RMI) do benefício, sem qualquer limitação. A partir da primeira limitação da renda, nesse exemplo, ocorrida em 04/2007 (1º reajuste posterior à DIB), pode-se adotar dois diferentes critérios para a evolução do benefício (aplicação dos reajustes posteriores ao 1º reajuste): A. aplicar os reajustes à Renda Real, limitando o benefício apenas para fins de pagamento (critério defendido pelos autores das ações revisionais em comento) ou; B. aplicar os reajustes diretamente à renda limitada ao teto, desprezando a Renda Real (critério adotado pelo INSS). Para melhor compreender a questão, vejamos, no quadro acima, a aplicação do primeiro reajuste posterior à limitação ocorrida em 04/2007, ou seja, o reajuste de 03/2008 (1,0500). Utilizando o critério A, aplicaremos o reajuste sobre a Renda Real imediatamente anterior (R$ 3.407,91), obtendo uma nova Renda Real de R$ 3.578,31 (3.407,91 x 1,05). Contudo, por conta do art. 33, essa renda ficará limitada à R$ 3.038,99 (teto em 03/2008). Por outro lado, se utilizarmos o critério B, aplicaremos o reajuste diretamente sobre a Renda Limitada imediatamente anterior (R$ 2.894,28), obtendo a mesma renda de R$ 3.038,99 (2.894,28 x 1,05).

3 Página 3 de 7 Como vimos, a adoção de qualquer um dos critérios de evolução resultará, nesse caso específico, em uma mesma renda mensal. Isso ocorreu porque, nesse período, os tetos previdenciários foram elevados pelos mesmos índices de reajuste dos benefícios previdenciários em manutenção. Contudo, com a introdução das majorações extraordinárias do teto, trazidas pelas Emendas Constitucionais 20/98 e 41/03, essa diferença de critérios de evolução, que até então não trazia qualquer repercussão para a renda mensal, passou a influir na evolução dos benefícios limitados ao teto, de maneira que cada um dos critérios passou a alcançar uma renda mensal diferente. Vejamos o seguinte exemplo: DIB em 01/01/1997, RMI de R$ 957,56 (limitada ao teto) e coeficiente de teto de 1,2. Critério evolução A Critério evolução B (INSS) Renda Renda Limitada Aplicação dos reajustes, Real por conta do posteriores ao 1º, (R$) art. 33 (R$) diretamente à renda limitada - 957, ,23504 em 06/1997 (1º reajuste prop. à DIB [1,0292] x coef. teto [1,2]) 1.182, , ,87 1,04810 em 06/ , , ,50 majoração do teto em 12/1998 (s/ reajuste) 1.239, , ,50 1,04610 em 06/ , , ,36 1,05810 em 06/ , , ,09 Observa-se que, até 11/1998, as rendas mensais alcançadas por ambos os critérios de evolução são idênticas (R$ 1.081,50). Contudo, por conta da majoração extraordinária do teto, trazida pela EC 20/98, a renda mensal do critério A, em 12/1998, acaba sendo elevada para R$ 1.200,00, pois esse é o novo limite (teto) para a Renda Real. No critério B, por sua vez, como não há reajuste a ser aplicado na competência 12/1998 (há apenas uma majoração do teto), a renda mensal continua no valor de R$ 1.081,50. Sobre esse valor somente será aplicado o reajuste de 06/1999 (1,04610), elevando a renda mensal para R$ 1.131,36 (1.081,50 x 1,04610) na competência 06/1999. Conclui-se, portanto, que, devido à majoração do teto trazida pela EC 20/98 e aos diferentes critérios adotados para a evolução dos benefícios, podem ser encontradas rendas mensais diferentes, a partir de 12/1998. O mesmo raciocínio se aplica à majoração extraordinária do teto trazida pela EC 41/03, podendo ser apuradas rendas mensais diferentes a partir de 01/ Análise do critério de evolução utilizado pelo INSS (critério B) Este Núcleo observou que o critério de evolução adotado pelo INSS, para os benefícios limitados ao teto, desconsidera a Renda Real. Isso significa dizer que, após o

4 Página 4 de 7 primeiro reajuste, caso a renda mensal tenha sido limitada ao teto, por conta do art. 33 da Lei 8.213/91, os demais reajustes serão aplicados, sucessivamente, sobre essa renda limitada. Vejamos os exemplos abaixo: Benefício 01 DIB: 01/01/1997 RMI de R$ 957,56 coeficiente de teto de 1,2 Renda Real (R$) Critério de Evolução do INSS - 957,56-1,23504 em 06/1997 (1º reajuste prop. à DIB [1,0292] x coef. teto [1,2]) 1.182, ,87 (renda limitada) 1,04810 em 06/ , ,50 1,04610 em 06/ , ,36 1,05810 em 06/ , ,09 Benefício 02 DIB: 01/01/1997 RMI de R$ 957,56 coeficiente de teto de 1,5 Renda Real (R$) Critério de Evolução do INSS - 957,56-1,54380 em 06/1997 (1º reajuste prop. à DIB [1,0292] x coef. teto [1,5]) 1.478, ,87 (renda limitada) 1,04810 em 06/ , ,50 1,04610 em 06/ , ,36 1,05810 em 06/ , ,09 Observa-se que o Benefício 02 possui coeficiente de teto maior que o Benefício 01 e, conseqüentemente, sua Renda Real também é maior. Contudo, como o critério de evolução do INSS é aplicar os reajustes à Renda Limitada, desprezando a Renda Real, as rendas mensais de ambos os benefícios se mantém idênticas. Percebe-se, em verdade, que todos os benefícios que se enquadrarem nessa sistemática de cálculo do INSS terão, entre si, sempre a mesma Renda Mensal, pois tanto os valores do teto quanto os valores dos reajustes são definidos e idênticos. 4. Apuração das rendas mensais em 03/2011 dos benefícios que tiveram sua renda mensal limitada ao teto, após o primeiro reajuste. Por todo o exposto, conclui-se que todos os benefícios com DIB até 31/05/1998, que tiveram a renda mensal, após o primeiro reajuste, limitada ao teto, terão, em 03/2011, a mesma renda mensal de aprox. R$ 2.589,95 (é aceitável uma pequena variação nos centavos). Esse valor foi obtido através da aplicação dos reajustes anuais sobre o valor do teto em 06/1998 (R$ 1.081,50 teto anterior à majoração trazida pela EC 20/98), conforme demonstrado abaixo:

5 Página 5 de 7 DATA VALOR REAJUSTE VALOR ANTERIOR CORRIGIDO 06/ ,50 06/ ,50 x 1, ,35 06/ ,35 x 1, ,08 06/ ,08 x 1, ,77 06/ ,77 x 1, ,33 06/ ,33 x 1, ,71 05/ ,71 x 1, ,02 05/ ,02 x 1, ,93 04/ ,93 x 1, ,57 08/ ,57 x 1, ,75 04/ ,75 x 1, ,65 03/ ,65 x 1, ,23 02/ ,23 x 1, ,51 01/ ,51 x 1, ,94 01/ ,94 x 1, ,95 Já os benefícios com DIB entre 01/06/1998 e 31/05/2003, que tiveram a renda mensal, após o primeiro reajuste, limitada ao teto, terão, em 03/2011, a mesma renda mensal de aprox. R$ 2.873,79 (é aceitável uma pequena variação nos centavos). Esse valor foi obtido através da aplicação dos reajustes anuais sobre o valor do teto em 06/2003 (R$ 1.869,34 teto anterior à majoração trazida pela EC 41/03), conforme demonstrado abaixo: DATA VALOR REAJUSTE VALOR ANTERIOR CORRIGIDO 06/ ,34 05/ ,34 x 1, ,02 05/ ,02 x 1, ,19 04/ ,19 x 1, ,09 08/ ,09 x 1, ,29 04/ ,29 x 1, ,30 03/ ,30 x 1, ,01 02/ ,01 x 1, ,13 01/ ,13 x 1, ,68 01/ ,68 x 1, ,79

6 Página 6 de 7 Para os benefícios com DIB em 01/06/2003 em diante, como não houve nenhuma majoração extraordinária do teto posterior ao primeiro reajuste, os diferentes critérios de evolução do benefício alcançam rendas mensais idênticas, conforme já explicitado nas análises preliminares. Nesses casos, portanto, não haverá diferenças decorrentes das majorações extraordinárias do teto trazidas pelas ECs 20/98 e 41/ Conclusão Inicialmente é necessário esclarecer que, havendo entendimento judicial de que é correto o critério de evolução dos benefícios adotado pelo INSS (critério B), as verificações apontadas abaixo perdem a sua aplicabilidade. Com base em todo o exposto, conclui-se pela possibilidade de determinação, através da simples análise da Renda Mensal Atual, dos benefícios que podem ou não ter diferenças decorrentes das majorações extraordinárias do teto trazidas pelas ECs 20/98 e 41/03, conforme TABELA PRÁTICA disponibilizada no site da Justiça Federal, acessível pelo link abaixo: Observações importantes: 1) As rendas mensais apontadas na TABELA PRÁTICA podem sofrer uma pequena variação devido a critérios de arredondamento (aproximadamente 20 centavos para mais ou para menos). 2) Os benefícios previdenciários podem ter rendas mensais atuais DIFERENTES daquelas apontadas na TABELA PRÁTICA por diversos motivos, dentre eles: a. O benefício não teve a renda mensal, após o primeiro reajuste, limitada ao teto e, conseqüentemente, não sofreu os prejuízos decorrentes dos diferentes critérios de evolução ou;

7 Página 7 de 7 b. O benefício, por algum motivo (por exemplo, em alguma outra demanda judicial, por via reflexa), já foi evoluído através do critério da Renda Real (critério A) ou; c. O benefício foi concedido com DIB em 01/06/2003 em diante. 3) Ficam ressalvados os casos excepcionais, que escapam ao padrão aqui exposto. Porto Alegre, 24 de março de NÚCLEO DE CÁLCULOS JUDICIAIS - JFRS

PARECER DO NÚCLEO DE CONTADORIA DA JFRS

PARECER DO NÚCLEO DE CONTADORIA DA JFRS Página 1 de 7 PARECER DO NÚCLEO DE CONTADORIA DA JFRS 1. Objetivo O presente parecer tem por objetivo verificar a possibilidade de existência de diferenças em processos que versem, exclusivamente, sobre

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.016.678 - RS (2007/0300820-1) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR : AYRES LOURENÇO DE ALMEIDA FILHO E OUTRO(S)

Leia mais

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO CÁLCULOS SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO CONCEITO: é o valor que serve de base de cálculo para incidência das alíquotas das contribuições previdenciárias (fonte de custeio) e para o cálculo do salário benefício.

Leia mais

SISTEMÁTICA DE EVOLUÇÃO DO SALÁRIO-DE-BENEFÍCIO NOS CÁLCULOS PREVIDENCIÁRIOS

SISTEMÁTICA DE EVOLUÇÃO DO SALÁRIO-DE-BENEFÍCIO NOS CÁLCULOS PREVIDENCIÁRIOS SISTEMÁTICA DE EVOLUÇÃO DO SALÁRIO-DE-BENEFÍCIO NOS CÁLCULOS PREVIDENCIÁRIOS Francisco Carlos Desideri Contabilista - escritor dos livros: Manual dos Cálculos Previdenciários e Coletânea de Citações Jurídicas

Leia mais

Cálculo de Revisão e Concessão de Aposentadoria

Cálculo de Revisão e Concessão de Aposentadoria CURSO Cálculo de Revisão e Concessão de Aposentadoria Dias 24 a 25/04 (Das 9:00 às 18:00 Horas) Na sede da OAB TOCANTINS ATUALIZADO com a Decisão do STF sobre a Decadência de 10 anos! A - Perfil do curso:

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06 DE JANEIRO DE 2012 - DOU DE 09/01/2012

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06 DE JANEIRO DE 2012 - DOU DE 09/01/2012 PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06 DE JANEIRO DE 2012 - DOU DE 09/01/2012 Dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e dos demais valores constantes

Leia mais

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

REFORMA DA PREVIDÊNCIA MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social REFORMA DA PREVIDÊNCIA Regra Atual, PEC n.º 40/03, Substitutivo da Comissão Especial de Reforma da Previdência, Cenários e Projeções

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 1.135, DE 2011 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI N.º 1.135, DE 2011 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 1.135, DE 2011 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Reabre o prazo para o acordo de revisão dos benefícios previdenciários previsto no art. 2º da Lei nº 10.999,

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 407, DE 14 DE JULHO DE 2011 - DOU DE 15/07/2011 - REVOGADA

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 407, DE 14 DE JULHO DE 2011 - DOU DE 15/07/2011 - REVOGADA PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 407, DE 14 DE JULHO DE 2011 - DOU DE 15/07/2011 - REVOGADA Revogada pela PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06/01/2012 Republicada no DOU 19/07/2011 Dispõe sobre

Leia mais

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO, SALÁRIO DE BENEFÍCIO E RENDA MENSAL INICIAL CONCEITOS Professor: Anderson Castelucio CONCEITOS DE SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO Art. 214. Entende-se por salário-de-contribuição: I -

Leia mais

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS INGRESSO NO SERVIÇO PÚBLICO ATÉ 19 DE DEZEMBRO DE 2003 Professora por tempo

Leia mais

Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira da Previdência, da Saúde e do Trabalho (MP 301) Perguntas e resposta.

Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira da Previdência, da Saúde e do Trabalho (MP 301) Perguntas e resposta. Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira da Previdência, da Saúde e do Trabalho (MP 301) Perguntas e resposta. JULHO DE 2006 Medida Provisória editada pelo Governo para a nova carreira

Leia mais

PORTARIA Nº 142, DE 11 DE ABRIL DE 2007 (DOU DE 12.04.2007)

PORTARIA Nº 142, DE 11 DE ABRIL DE 2007 (DOU DE 12.04.2007) PORTARIA Nº 142, DE 11 DE ABRIL DE 2007 (DOU DE 12.04.2007) O MINISTRO DE ESTADO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição Federal,

Leia mais

Prezado Participante,

Prezado Participante, 1 Prezado Participante, Você que foi admitido na Bayer S.A. até 30 de junho de 2004 e aderiu automaticamente ao plano da Previbayer, terá a oportunidade de relembrar nas próximas páginas aspectos relevantes

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.267

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.267 PARECER Nº 14.267 Emenda Constitucional n. 41/03. Professor. Aposentadoria proporcional. Valor dos proventos. Fixação de reajustes. O presente expediente administrativo EA n 008568-1900/04-0 teve origem

Leia mais

Análise de questão pensão por morte Adriana Menezes

Análise de questão pensão por morte Adriana Menezes Análise de questão pensão por morte Adriana Menezes (Questão elaborada) - Veja a situação hipotética apresentada e analise as questões abaixo. Carlos e Patrícia são casados há 05 anos e trabalham na mesma

Leia mais

Pagamento de complemento de salário-maternidade, considerando que este valor deve ser deduzido da guia de INSS, pois é pago pelo INSS.

Pagamento de complemento de salário-maternidade, considerando que este valor deve ser deduzido da guia de INSS, pois é pago pelo INSS. Complemento Salarial Licença Maternidade Abaixo estão descritas as regras do sistema para cálculo do complemento de salário-maternidade, no complemento salarial e na rescisão complementar por Acordo/Convenção/Dissídio:

Leia mais

Contabilidade Questões Comentadas da Cesgranrio

Contabilidade Questões Comentadas da Cesgranrio 1 - (Cesgranrio - Contador ANP - 2008) A Indústria Alvorada, no Balanço encerrado em 31 de dezembro de 2006, apresentou a seguinte informação parcial, em reais, de seu Ativo Permanente / Imobilizado: Computadores

Leia mais

APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO CONTRIBUIÇÃO CONTRIBUIÇÃO Legislação Artigo 201, 7º, I, da CF Artigo 52 a 56 Lei 8213/91 Artigo 56 a 63 Decreto 3048/99 Artigo 234 a 245, da IN 77/2015 CONTRIBUIÇÃO Conceito É o benefício devido ao segurado

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Rendimentos Recebidos Acumuladamente x Licença Maternidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Rendimentos Recebidos Acumuladamente x Licença Maternidade 02/01/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 5 5. Informações Complementares... 5 6. Referências... 6 7.

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES

MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES A PREVIDÊNCIA SOCIAL É uma forma de seguro coletivo de caráter contributivo em que todos contribuem com uma parcela de seu salário e de filiação obrigatória.

Leia mais

Adendo ao livro MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Autor: Hugo Medeiros de Goes

Adendo ao livro MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Autor: Hugo Medeiros de Goes Adendo ao livro MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Autor: Hugo Medeiros de Goes 1. ERRATA Página 180 No primeiro parágrafo do item 2.10.1 (Beneficiários): Onde se lê: Os beneficiários da pensão por morte

Leia mais

3. Sem contrarrazões. 4. É o relatório. PROCESSO Nº: 0801908-87.2015.4.05.8300 - APELAÇÃO APELANTE: SONIA MARIA SILVA DO NASCIMENTO

3. Sem contrarrazões. 4. É o relatório. PROCESSO Nº: 0801908-87.2015.4.05.8300 - APELAÇÃO APELANTE: SONIA MARIA SILVA DO NASCIMENTO 1. Trata-se de apelação do particular contra sentença do MM. Juiz Federal que julgou improcedente o pedido da autora, referente à revisão da renda mensal inicial com a aplicação do novo teto majorado pelas

Leia mais

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA CARTILHA SOBRE A REFORMA DA PREVIDÊNCIA O servidor público e as alterações do seu regime previdenciário Flavio Alexandre Acosta Ramos Jose Luis Wagner Luciana Rambo Novembro de 2008 1 1. Introdução Desde

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM JUNDIAÍ APOSENTADORIAS X ALTERAÇÕES

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM JUNDIAÍ APOSENTADORIAS X ALTERAÇÕES GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM JUNDIAÍ APOSENTADORIAS X ALTERAÇÕES 1 MODALIDADES APOSENTADORIA POR IDADE (urbana, rural e mista) APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO (comum, especial e mista) LC142 (por

Leia mais

PARECER Nº, DE 2016. RELATOR: Senador JOSÉ PIMENTEL I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2016. RELATOR: Senador JOSÉ PIMENTEL I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2016 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, à Proposta de Emenda à Constituição nº 18, de 2009, do Senador Paulo Paim e outros, que altera o 8º do art. 201 da Constituição Federal,

Leia mais

Aprovado pela Portaria nº 155 de 29/03/2011 DOU 31/03/2011

Aprovado pela Portaria nº 155 de 29/03/2011 DOU 31/03/2011 Aprovado pela Portaria nº 155 de 29/03/2011 DOU 31/03/2011 Artigo 18 Ao Participante que tiver completado 50 (cinqüenta) anos de idade após ter cumprido a carência de 120 (cento e vinte) meses de contribuições

Leia mais

Nota Legislativa: Nova fórmula do Fator Previdenciário Emenda Vetada e MP 676/15

Nota Legislativa: Nova fórmula do Fator Previdenciário Emenda Vetada e MP 676/15 Após anúncio do veto da emenda 45, do deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), incluída na MP 664/14, o Poder Executivo editou e foi publicado no Diário Oficial da União desta quinta-feira (18), a Medida

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 161, DE

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 161, DE SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 161, DE 2009 Altera a Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre a Organização da Seguridade Social, institui o Plano de Custeio e dá outras providências,

Leia mais

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016.

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016. INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016. Estabelece as regras a serem observadas pelas sociedades seguradoras e entidades fechadas de previdência complementar para transferência de riscos

Leia mais

Regime de Tributação de Imposto de Renda

Regime de Tributação de Imposto de Renda Apresentação O INFRAPREV elaborou esta cartilha com o objetivo de orientar o participante na escolha do regime de tributação quando do ingresso no seu Plano de Contribuição Variável. Com a publicação da

Leia mais

OBSERVAÇÕES SOBRE O CÁLCULO DAS DIFERENÇAS DO FGTS

OBSERVAÇÕES SOBRE O CÁLCULO DAS DIFERENÇAS DO FGTS OBSERVAÇÕES SOBRE O CÁLCULO DAS DIFERENÇAS DO FGTS Francisco Carlos Desideri Contabilista - escritor dos livros: Manual dos Cálculos Previdenciários e Coletânea de Citações Jurídicas na Bíblia. Email:

Leia mais

Capacitor em corrente contínua

Capacitor em corrente contínua Capacitor em corrente contínua OBJETIVOS: a) estudar o processo de carga e descarga de um capacitor em regime de corrente contínua; b) verificar experimentalmente o significado da constante de tempo (τ)

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI N.º245, DE 2007 Dispõe sobre a atualização do valor de aquisição de bens ou direitos para efeito do Imposto de Renda sobre Ganhos de Capital. Autor: Deputado

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Empregado comissionista puro como tratar se não atingir o piso da categoria

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Empregado comissionista puro como tratar se não atingir o piso da categoria Empregado comissionista puro como tratar se não atingir o piso da categoria 05/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3

Leia mais

Verdades e mitos sobre o AUXÍLIO RECLUSÃO

Verdades e mitos sobre o AUXÍLIO RECLUSÃO Verdades e mitos sobre o AUXÍLIO RECLUSÃO Sidnei Rodrigo Paulo da Cunha Neves é sócio do escritório Rodrigues, Ehlers & Neves. Formado em Administração de Empresas e Direito no Centro Universitário do

Leia mais

PONTO 1: Benefícios Previdenciários PONTO 2. Benefícios Assistenciais 1. BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS

PONTO 1: Benefícios Previdenciários PONTO 2. Benefícios Assistenciais 1. BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS 1 DIREITO PREVIDENCIÁRIO PONTO 1: Benefícios Previdenciários PONTO 2. Benefícios Assistenciais 1.1 AUXÍLIO DOENÇA 1. BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Art. 59 e seguintes da Lei 8.213/91. Carência: 12 C.M. (regra).

Leia mais

Referências econômico-financeiras. Orientações sobre garantias financeiras e ativos garantidores

Referências econômico-financeiras. Orientações sobre garantias financeiras e ativos garantidores Referências econômico-financeiras Orientações sobre garantias financeiras e ativos garantidores 1 Índice: I. Objetivos 3 II. Lastro e Vinculação 4 III. Saldo de Ativos Garantidores para Provisão de Risco

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO A

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO A JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº200870510087931/PR RELATORA : Juíza Federal Ana Carine Busato Daros RECORRENTE : Autora e réu RECORRIDO : Autora e réu VOTO Trata-se de recurso de ambas as partes

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 253, de 2005

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 253, de 2005 1 Regulamenta os 12 e 13 do art. 201 e o 9º do art. Regulamenta os 12 e 13 do art. 201 da 195 da Constituição Federal, para dispor sobre o Constituição Federal, para dispor sobre o sistema sistema especial

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Fundo Estadual de Combate a Pobreza - Energia Elétrica e Comunicação - RJ

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Fundo Estadual de Combate a Pobreza - Energia Elétrica e Comunicação - RJ Parecer Consultoria Tributária Segmentos Fundo Estadual de Combate a Pobreza - Energia Elétrica e Comunicação - RJ 04/02/2016 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente...

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL INSPETORIA DE ATOS DE PESSOAL DIVISÃO 2

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL INSPETORIA DE ATOS DE PESSOAL DIVISÃO 2 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE ATOS DE PESSOAL INSPETORIA DE ATOS DE PESSOAL DIVISÃO 2 PROCESSO Nº: APE- 09/00688823 UNIDADE GESTORA: INTERESSADO: RESPONSÁVEL:

Leia mais

PERDEU O OBJETO, UMA VEZ QUE A PORTARIA Nº 162/05/SUFRAMA FOI REVOGADA PELA PORTARIA Nº 275/09/SUFRAMA.

PERDEU O OBJETO, UMA VEZ QUE A PORTARIA Nº 162/05/SUFRAMA FOI REVOGADA PELA PORTARIA Nº 275/09/SUFRAMA. Interessado : CONSULTA - POSTO FISCAL DE VILHENA Assunto : Consulta base de cálculo PIS/COFINS Área de Livre Comércio de Guajará Mirim. PERDEU O OBJETO, UMA VEZ QUE A PORTARIA Nº 162/05/SUFRAMA FOI REVOGADA

Leia mais

DA APLICABILIDADE DO ARTIGO 26 DA LEI Nº 8.870/94 PARA OS BENEFÍCIOS CONCEDIDOS ENTRE 5/10/1988 E 4/4/1991 1

DA APLICABILIDADE DO ARTIGO 26 DA LEI Nº 8.870/94 PARA OS BENEFÍCIOS CONCEDIDOS ENTRE 5/10/1988 E 4/4/1991 1 DA APLICABILIDADE DO ARTIGO 26 DA LEI Nº 8.870/94 PARA OS BENEFÍCIOS CONCEDIDOS ENTRE 5/10/1988 E 4/4/1991 1 Gisele Lemos Kravchychyn Advogada em Santa Catarina e Sergipe; Pós Graduada em Direito Previdenciário;

Leia mais

RELATÓRIO. O EXMO. DESEMBARGADOR FEDERAL IVAN LIRA DE CARVALHO (Relator Convocado):

RELATÓRIO. O EXMO. DESEMBARGADOR FEDERAL IVAN LIRA DE CARVALHO (Relator Convocado): PROCESSO Nº: 0800943-44.2012.4.05.8000 - APELAÇÃO RELATÓRIO O EXMO. DESEMBARGADOR FEDERAL IVAN LIRA DE CARVALHO (Relator Convocado): Trata-se de apelação e remessa oficial, tida por interposta, contra

Leia mais

Resumo: Estudo do Comportamento das Funções. 1º - Explicitar o domínio da função estudada

Resumo: Estudo do Comportamento das Funções. 1º - Explicitar o domínio da função estudada Resumo: Estudo do Comportamento das Funções O que fazer? 1º - Explicitar o domínio da função estudada 2º - Calcular a primeira derivada e estudar os sinais da primeira derivada 3º - Calcular a segunda

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 912 de 13 de dezembro de 2011.

LEI COMPLEMENTAR Nº 912 de 13 de dezembro de 2011. LEI COMPLEMENTAR Nº 912 de 13 de dezembro de 2011. ANEXO VIII TABELAS DE FORMAS DE AVALIAÇÃO PARA FINS DE CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS PARA EVOLUÇÃO VERTICAL Agente Administrativo funções no cargo; cargo

Leia mais

Prof. Cássio Marques da Silva

Prof. Cássio Marques da Silva Prof. Cássio Marques da Silva 2013 CSLL CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO 1 CSLL CONTRIB. SOCIAL S/ LUCRO LÍQUIDO ACSLLéumacontribuiçãodecompetênciadaUnião instituída pela Lei nº 7.689 de 1988.

Leia mais

Regras de aposentadoria constantes da redação original da CF/88 foram alteradas pelas Emendas Constitucionais: - 20/98-41/03-47/05

Regras de aposentadoria constantes da redação original da CF/88 foram alteradas pelas Emendas Constitucionais: - 20/98-41/03-47/05 Agosto 2014 Regras de aposentadoria constantes da redação original da CF/88 foram alteradas pelas Emendas Constitucionais: - 20/98-41/03-47/05 1) voluntária, por tempo de serviço, com proventos integrais;

Leia mais

COMO DETERMINAR O 1º PREÇO DE VENDA DE UM PRODUTO NOVO

COMO DETERMINAR O 1º PREÇO DE VENDA DE UM PRODUTO NOVO COMO DETERMINAR O 1º PREÇO DE VENDA DE UM A construção de um fluxo de caixa. A relação VPL / Investimento Depois do primeiro preço, o que vale é a margem de contribuição. Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

Cordilheira Alta. Distribuição dos alunos matriculados no município de Cordilheira Alta em 2005

Cordilheira Alta. Distribuição dos alunos matriculados no município de Cordilheira Alta em 2005 Cordilheira Alta Informações Gerais O município de Cordilheira Alta está localizado na mesorregião oeste, distante 566 Km da Capital. De colonização Italiana, tem uma população de 3.093 habitantes, sendo

Leia mais

Alto Bela Vista. Distribuição dos alunos matriculados no município de Alto Bela Vista em 2005

Alto Bela Vista. Distribuição dos alunos matriculados no município de Alto Bela Vista em 2005 Alto Bela Vista Informações Gerais O município de Alto Bela Vista está localizado na mesorregião oeste, distante 503 Km da Capital. De colonização Italiana e Alemã, tem uma população de 2.098 habitantes,

Leia mais

Bela Vista do Toldo. Distribuição dos alunos matriculados no município de Bela Vista do Toldo em 2005

Bela Vista do Toldo. Distribuição dos alunos matriculados no município de Bela Vista do Toldo em 2005 Bela Vista do Toldo Informações Gerais O município de Bela Vista do Toldo está localizado na mesorregião norte, distante 382 Km da Capital. De colonização Italiana, Alemã, Polonesa, Ucraniana e Japonesa,

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O EMPREGO DA OTN NA CORREÇÃO DOS SALÁRIOS DE CONTRIBUIÇÃO DOS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS

CONSIDERAÇÕES SOBRE O EMPREGO DA OTN NA CORREÇÃO DOS SALÁRIOS DE CONTRIBUIÇÃO DOS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS CONSIDERAÇÕES SOBRE O EMPREGO DA OTN NA CORREÇÃO DOS SALÁRIOS DE CONTRIBUIÇÃO DOS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Sergio Roberto Leal dos Santos Procurador Federal Mestre em Instituições Jurídico-políticas

Leia mais

EDITAL SISTEMATIZADO TECNICO INSS 2015/2016. Direito Previdenciário - 6ª edição Adriana Menezes Editora Juspodivm

EDITAL SISTEMATIZADO TECNICO INSS 2015/2016. Direito Previdenciário - 6ª edição Adriana Menezes Editora Juspodivm EDITAL SISTEMATIZADO TECNICO INSS 2015/2016 De acordo com o edital do concurso e com a obra: Direito Previdenciário - 6ª edição Adriana Menezes Editora Juspodivm ITENS DO EDITAL TECNICO INSS TÓPICO DO

Leia mais

Análise de Regressão. Notas de Aula

Análise de Regressão. Notas de Aula Análise de Regressão Notas de Aula 2 Modelos de Regressão Modelos de regressão são modelos matemáticos que relacionam o comportamento de uma variável Y com outra X. Quando a função f que relaciona duas

Leia mais

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Analista de Planejamento e Orçamento/MP

Contabilidade Aplicada ao Setor Público Analista de Planejamento e Orçamento/MP Contabilidade Aplicada ao Setor Público Pessoal, vou comentar as questões da prova. 81. De acordo com o Decreto n. 93.872, de 1986, a cooperação financeira da União a entidade pública ou privada far-se-á

Leia mais

Dicas de cálculo e declaração seu Imposto na Spinelli investhb

Dicas de cálculo e declaração seu Imposto na Spinelli investhb Dicas de cálculo e declaração seu Imposto na Spinelli investhb Tesouro Direto Apuração O Imposto de Renda incide sobre o total dos rendimentos auferidos nas vendas antecipadas, nos vencimentos de títulos

Leia mais

FEDERAÇÃO E ÚNICA DOS PET ROLEIROS R O Filiada à

FEDERAÇÃO E ÚNICA DOS PET ROLEIROS R O Filiada à PAUTA DO SISTEMA PETROBRÁS TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013-2014, REAJUSTANDO CLÁUSULAS E CONDIÇÕES PARA VIGÊNCIA A PARTIR DE 1º DE SETEMBRO DE 2014. CLÁUSULA 1ª - REAJUSTE SALARIAL Em

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MP 10/2011

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MP 10/2011 MANUAL DE PROCEDIMENTOS MP 10/2011 FÉRIAS Macro Processo: Processo: Subprocesso Origem: Suporte Gestão de Pessoas Férias Unidade de Gestão de Pessoas Publicação: 10/01/2011 Nº Revisão/Data: 00 10/01/2011

Leia mais

PIRAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PIRACAIA

PIRAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PIRACAIA PIRAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PIRACAIA Piracaia, 24 de Julho de 2.015 APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REQUISITO Geral Magistério SEXO HOMEM MULHER HOMEM

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, Dispõe sobre a reavaliação e a renegociação dos contratos em vigor e das licitações em curso, no âmbito dos órgãos e entidades da Administração Pública Estadual. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União

Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União 1) O que é o Regime de Previdência Complementar? É um dos regimes que integram o Sistema

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO A

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO A JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº200870500026337/PR RELATORA : Juíza Federal Ana Carine Busato Daros RECORRENTE : Doris Cordeiro Antonietto RECORRIDO : INSS 200870500026337 [GRM /SDF] 1/6 VOTO

Leia mais

Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil. ArcelorMittal Brasil

Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil. ArcelorMittal Brasil Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil ArcelorMittal Brasil 1 Porque ter um Plano de Previdência Complementar? 2 O Novo Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil Conheça

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000143/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/02/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR084428/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46271.000069/2016-10 DATA

Leia mais

RAT x FAP Lei 10666/2003, art. 10 Decretos 6042 e 6257, de 2007

RAT x FAP Lei 10666/2003, art. 10 Decretos 6042 e 6257, de 2007 RAT x FAP Lei 10666/2003, art. 10 Decretos 6042 e 6257, de 2007 1 Lei 10.666/2003 artigo 10 (RAT x FAP) A alíquota de contribuição de 1%, 2% ou 3%; destinada ao financiamento do benefício de aposentadoria

Leia mais

SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS DE DIREITO

SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS DE DIREITO EDITAL Nº 01, de 27 de fevereiro de 2013 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS DE DIREITO Também disponível em http://www.agu.gov.br/psfsrc A, unidade da ADVOCACIA- GERAL DA UNIÃO, torna público o processo de seleção

Leia mais

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Caro aluno, Disponibilizo abaixo a resolução resumida das questões de Matemática Financeira da prova de Auditor da SEFAZ/PI 2015. Vale dizer que utilizei

Leia mais

A Dança do Embaralhamento. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Introduzir a noção de grupo de permutação; 2. Mostrar uma aplicação de MMC.

A Dança do Embaralhamento. Série Matemática na Escola. Objetivos 1. Introduzir a noção de grupo de permutação; 2. Mostrar uma aplicação de MMC. A Dança do Embaralhamento Série Matemática na Escola Objetivos 1. Introduzir a noção de grupo de permutação; 2. Mostrar uma aplicação de MMC. A dança do embaralhamento Série Matemática na Escola Conteúdos

Leia mais

AUXÍLIO- RECLU L SÃO

AUXÍLIO- RECLU L SÃO LEGISLAÇÃO Artigo 201, IV, CF; Artigo 80, Lei 8213/91; Artigos 116 a 119 do Decreto 3048/99; e Artigo 381 a 395, da IN 77. CONCEITO É o benefício previdenciário pago aos dependentes do segurado que for

Leia mais

Nota Metodológica: Estimativa de impacto da alteração de regulamento do SD e da dinâmica de mercado.

Nota Metodológica: Estimativa de impacto da alteração de regulamento do SD e da dinâmica de mercado. Janeiro de 2016 Volume 2, Nº 1 Anexo I Nota Metodológica: Estimativa de impacto da alteração de regulamento do SD e da dinâmica de mercado. Pode-se dizer que o mercado de trabalho brasileiro apresentou

Leia mais

PROVAS DISCURSIVAS P 3 (questões) e P 4 (parecer) RASCUNHO QUESTÃO 1

PROVAS DISCURSIVAS P 3 (questões) e P 4 (parecer) RASCUNHO QUESTÃO 1 PROVAS DISCURSIVAS P (questões) e P (parecer) Nestas provas, faça o que se pede, usando, caso deseje, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o CADERNO

Leia mais

INFORMAÇÕES PARA FINS DE DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA EXERCÍCIO 2015 (ANO-CALENDÁRIO 2014) PAGAMENTOS DAS AÇÕES DO NÍVEIS DEVIDOS PELA PETROS

INFORMAÇÕES PARA FINS DE DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA EXERCÍCIO 2015 (ANO-CALENDÁRIO 2014) PAGAMENTOS DAS AÇÕES DO NÍVEIS DEVIDOS PELA PETROS INFORMAÇÕES PARA FINS DE DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA EXERCÍCIO 2015 (ANO-CALENDÁRIO 2014) PAGAMENTOS DAS AÇÕES DO NÍVEIS DEVIDOS PELA PETROS As instruções abaixo se referem aos créditos recebidos por

Leia mais

BOLETIM DE SERVIÇO FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS NORMA OPERACIONAL Nº 001-DIREH, DE 08 DE JUNHO DE 2005.

BOLETIM DE SERVIÇO FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS NORMA OPERACIONAL Nº 001-DIREH, DE 08 DE JUNHO DE 2005. PÁG: 33 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS NORMA OPERACIONAL Nº 001-DIREH, DE 08 DE JUNHO DE 2005. Dispõe sobre o Abono de Permanência instituído pela Emenda Constitucional nº 41/2003.

Leia mais

Aportes Esporádicos e Contribuições Únicas. 2ª a 12ª. 1% sobre contribuição

Aportes Esporádicos e Contribuições Únicas. 2ª a 12ª. 1% sobre contribuição Rio de Janeiro, 3 de julho de 2008 Ref.: Comissionamento Corretores Segue a atualização dos percentuais de comissões previstos para os produtos abaixo relacionados, válidos para propostas implantadas a

Leia mais

Manual do sistema SMARam. Módulo Reavaliação Financeira

Manual do sistema SMARam. Módulo Reavaliação Financeira Manual do sistema SMARam Módulo Reavaliação Financeira LISTA DE FIGURAS Figura 1. Acesso à Reavaliação Financeira... 6 Figura 2. Tela Inicial da Reavaliação Financeira... 7 Figura 3. Tipo de Patrimônio...

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EM CONSONÂNCIA AO EDITAL Nº 01/2015

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EM CONSONÂNCIA AO EDITAL Nº 01/2015 ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETOS EM CONSONÂNCIA AO EDITAL Nº 01/2015 NOME DO PROJETO: ORGANIZAÇÃO PROPONENTE: DATA : / / ÍNDICE DO PROJETO ASSUNTO PÁG. I - CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO - TÍTULO

Leia mais

LEI 76/2013, D E 07 D E NO V E MB R O

LEI 76/2013, D E 07 D E NO V E MB R O LEI 76/2013, D E 07 D E NO V E MB R O A segunda leva das renovações extraordinárias de contratos de trabalho a termo certo A Questão prévia: A interpretação desta lei, assumindo que o legislador pretendeu,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS RN 309/2012

PERGUNTAS E RESPOSTAS RN 309/2012 PERGUNTAS E RESPOSTAS RN 309/2012 01 - Qual a finalidade do agrupamento de contratos? O agrupamento de contratos visa o cálculo e aplicação de um reajuste único, com a finalidade de promover a distribuição

Leia mais

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Julho de 2011 (27.07) (OR. en) 13263/11 CONSOM 133

CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA. Bruxelas, 27 de Julho de 2011 (27.07) (OR. en) 13263/11 CONSOM 133 CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA Bruxelas, 27 de Julho de 2011 (27.07) (OR. en) 13263/11 CONSOM 133 NOTA DE ENVIO Origem: Comissão Europeia Data de recepção: 25 de Julho de 2011 Destinatário: Secretariado-Geral

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SC Nota Fiscal Eletrônica de estorno emitida após o prazo previsto de cancelamento.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SC Nota Fiscal Eletrônica de estorno emitida após o prazo previsto de cancelamento. ICMS-SC Nota Fiscal Eletrônica de estorno emitida após o prazo previsto de 12/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA ETAPA 2. PROJETO de pesquisa

METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA ETAPA 2. PROJETO de pesquisa METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA ETAPA 2 PROJETO de pesquisa 1. Orientações Gerais 1.1. Oferta da disciplina de Metodologia da Pesquisa Científica A disciplina de Metodologia da Pesquisa é oferecida

Leia mais

IMPUGNAÇÃO 1 PREGÃO 09/2016

IMPUGNAÇÃO 1 PREGÃO 09/2016 MEC Ministério da Educação Uasg 150002 IMPUGNAÇÃO 1 PREGÃO 09/2016 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 09/2016 Processo nº 23000.004587/2016-05 Trata-se de peça impugnatória impetrada por empresa interessada em participar

Leia mais

CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO/GALEÃO

CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO/GALEÃO CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO ANEXO 6 DO CONTRATO DE CONCESSÃO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO ANTÔNIO CARLOS JOBIM MODELOS E CONDIÇÕES MÍNIMAS PARA

Leia mais

EVOLUÇÃO DO VENCIMENTO E REMUNERAÇÃO DOS DOCENTES DAS UEBA S EM 2014

EVOLUÇÃO DO VENCIMENTO E REMUNERAÇÃO DOS DOCENTES DAS UEBA S EM 2014 Escritório Regional da Bahia Rua do Cabral 15 Nazaré CEP 40.055.010 Salvador Bahia Telefone: (71) 3242-7880 Fax: (71) 3326-9840 e-mail: erba@dieese.org.br Salvador, 01 de Setembro de 2014 EVOLUÇÃO DO VENCIMENTO

Leia mais

Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br

Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br JUROS E CORREÇÃO MONETÁRIA DECORRENTES DE SENTENÇA Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br JUROS Qualquer débito decorrente de decisão judicial, incidem juros ainda

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação CÁLCULO DOS CUSTOS E DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO DE UM CURSO SUPERIOR DE PIRACICABA/SP

7º Simpósio de Ensino de Graduação CÁLCULO DOS CUSTOS E DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO DE UM CURSO SUPERIOR DE PIRACICABA/SP 7º Simpósio de Ensino de Graduação CÁLCULO DOS CUSTOS E DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO DE UM CURSO SUPERIOR DE PIRACICABA/SP Autor(es) LUCAS CERQUEIRA LAZIER Orientador(es) ANTÔNIO CARLOS COPATTO 1. Introdução

Leia mais

Manutenção total aplicada em ferramentarias

Manutenção total aplicada em ferramentarias Manutenção total aplicada em ferramentarias Por: Sérgio Borcato Roberto Mariotti A medição da eficiência dos equipamentos de manufatura vem se tornando essencial para a resolução de problemas e para melhoria

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ROBERTO CAVALCANTI I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ROBERTO CAVALCANTI I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 161, de 2009, da Senadora Serys Slhessarenko, que altera a Lei nº 8.212, de 24 de julho

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático

Raciocínio Lógico Matemático Raciocínio Lógico Matemático Cap. 5 - Equivalência Lógica Equivalência Lógica Caro aluno, no último capítulo estudamos as implicações lógicas e foi enfatizado que o ponto fundamental da implicação lógica

Leia mais

Para iniciantes os primeiros 90 dias:

Para iniciantes os primeiros 90 dias: CIRCULAR CONJUNTA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DATA BASE - NOVEMBRO DE 2013 O SINDICATO DA INDÚSTRIA DE PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA DE RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO, celebrou com os SINDICATOS DOS TRABALHADORES

Leia mais

DIREITO DO TRABALHO LC 150 - ESQUEMATIZADA Prof. Antonio Daud Jr (www.facebook.com/adaudjr)

DIREITO DO TRABALHO LC 150 - ESQUEMATIZADA Prof. Antonio Daud Jr (www.facebook.com/adaudjr) Questão 1 FCC/TRT23 Técnico Judiciário - Área Administrativa - 2016 (FCC_TRT23_TÉCNICO_JUDICIÁRIO_ÁREA_ADMINISTRATIVA_2016) De acordo com a Lei Complementar no 150 de 2015, no tocante às férias do empregado

Leia mais

A Tributação dos Síndicos, Subsíndicos e Conselheiros (IRPF INSS)

A Tributação dos Síndicos, Subsíndicos e Conselheiros (IRPF INSS) A Tributação dos Síndicos, Subsíndicos e Conselheiros (IRPF INSS) QUAL É O CONCEITO DE SÍNDICO PREVISTO NO CÓDIGO CIVIL DE 2002? O Síndico é definido como sendo administrador do Condomínio (art. 1.346).

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002699/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR041078/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.010761/2010-65 DATA DO

Leia mais

A desoneração da folha trocada em miúdos Qui, 25 de Outubro de 2012 00:00. 1. Introdução

A desoneração da folha trocada em miúdos Qui, 25 de Outubro de 2012 00:00. 1. Introdução 1. Introdução Com a publicação da Medida Provisória 563/12 convertida na Lei 12.715/12 e posteriormente regulamentada pelo Decreto 7.828/12, determinadas empresas de vários setores terão a contribuição

Leia mais

LAUDO DE PERÍCIA CONTÁBIL

LAUDO DE PERÍCIA CONTÁBIL LAUDO DE PERÍCIA CONTÁBIL AÇÃO ORDINÁRIA 2ª Vara da Fazenda Estadual da Comarca de Belo Horizonte/MG Processo n.º 0024.06.992.025-4 Autor: Gil de Andrade Réu: Ruralminas Fundação Rural Mineira Maria Elisa

Leia mais

1. Cadastro de Funcionários

1. Cadastro de Funcionários Pró-labore 1. Cadastro de Funcionários... 2 1.1. Tela Dados... 2 1.2. Tela Ident. Adm.... 3 1.3. Tela Outros... 3 2. Eventos dos Pró-labores... 4 3. Digitação... 5 4. Impressão de Recibo... 6 5. Folha

Leia mais

RESOLUÇÃO CADM 05/11, DE 28 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO CADM 05/11, DE 28 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO CADM 05/11, DE 28 DE MARÇO DE 2011 Homologa regulamento para os trabalhos das disciplinas TCC I e TCC II do Curso de Bacharelado em Administração. A PRESIDENTE DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO

Leia mais