AUXÍLIO- RECLU L SÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUXÍLIO- RECLU L SÃO"

Transcrição

1

2 LEGISLAÇÃO Artigo 201, IV, CF; Artigo 80, Lei 8213/91; Artigos 116 a 119 do Decreto 3048/99; e Artigo 381 a 395, da IN 77.

3 CONCEITO É o benefício previdenciário pago aos dependentes do segurado que for detido ou recluso. Um dos pressupostos para a concessão da prestação do benefício de auxílio reclusão é a cessação do meio de subsistência, tendo em vista os fins sociais para o qual foi criado, amparar os dependentes do segurado, deveria ser considerada a renda dodependenteenãoadosegurado. BENEFICIÁRIOS Dependentes do segurado

4 DEPENDENTES Os dependentes se subdividem em 3 classes: a) 1ª Classe: o cônjuge, a companheira, o companheiro e o filho não emancipado de qualquer condição, menor de 21 anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental que o torne absoluta ou relativamente incapaz, assim declarado judicialmente; b)2ªclasse:ospais; c) 3ª Classe: o irmão não emancipado menor de 21 anos ou irmão inválido de qualquer idade, assim declarado judicialmente.

5 Art. 201, CF. A previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória, observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial, e atenderá, nos termos da lei, a: IV - salário-família e auxílio-reclusão para os dependentes dos segurados de baixa renda;

6 Art Constituem justa causa para rescisão do contrato de trabalho pelo empregador: d) condenação criminal do empregado, passada em julgado, caso não tenha havido suspensão da execução da pena;

7 REQUISITOS Em relação ao segurado recluso: Possuir qualidade de segurado na data da prisão; Estar recluso em regime fechado ou semiaberto (desde que a execução da pena seja em colônia agrícola, industrial ou similar); Ausência de rendimentos pelo segurado, decorrente de remuneração ou percepção de auxílio doença ou aposentadoria; Possuir o último salário-de-contribuição abaixo do valor previsto na legislação, conforme a época da prisão; Comprovação de ter vertido 18 contribuições para o sistema previdenciário. OBS: Independe de carência- art. 26,,I,daLB

8 Em relação aos dependentes: Para cônjuge ou companheira: comprovar casamento ou união estável por no mínimo 2 anos na data em que o segurado foi preso; Para filho, pessoa a ele equiparada ou irmão: possuir menos de 21 anos de idade, salvo se for inválido ou com deficiência; Para cônjuge divorciado ou separado judicialmente ou de fato comprovar que recebia pensão alimentícia/dependência econômica.

9 Duraçãode4mesesacontardadatadata da prisão: Se a reclusão ocorrer sem que o segurado tenha realizado 18 contribuições mensais à Previdência ou; Se o casamento ou união estável se iniciar em menos de 2 anos antes do recolhimento do segurado à prisão;

10 Os dependentes do segurado detido em prisão provisória (preventiva ou temporária) terão direito ao benefício desde que comprovem o efetivo recolhimento do segurado por meio de documento expedido pela autoridade responsável. Equipara-se à condição de recolhido à prisão, a situação do maior de dezesseis e menor de dezoito anos de idade que se encontre internado em estabelecimento educacional ou congênere, sob custódiadojuizadodainfânciaedada Juventude.

11 IDENTIFICAÇÃO DO SEGURADO RECLUSO Art. 384 da IN 77. Quando as informações contidas no documento expedido pela autoridade carcerária, com a finalidade de comprovar o regime carcerário, forem suficientes para a identificação do instituidor do benefício, não deverá ser exigida dos dependentes a apresentação de documentos de identificação do recluso. Parágrafo único. Será exigida a apresentação dos documentos do recluso quando houver necessidade de acertos de dados fundamentais para o reconhecimento do direito.

12 Art. 116, Decreto 3048/99. O auxílio-reclusão será devido, nas mesmas condições da pensão por morte, aos dependentes do segurado recolhido à prisão que não receber remuneração da empresa nem estiver em gozo de auxílio-doença, aposentadoria ou abono de permanência em serviço, desde que o seu último salário-dea R$ 360,00 (trezentos e sessenta contribuição seja inferior ou igual reais). 1º É devido auxílio-reclusão aos dependentes do segurado quando não houver salário-de-contribuição na data do seu efetivo recolhimento à prisão, desde que mantida a qualidade de segurado.

13 Art. 2 o, da Lei 10666/03- O exercício de atividade remunerada do segurado recluso em cumprimento de pena em regime fechado ou semi-aberto que contribuir na condição de contribuinte individual ou facultativo não acarreta a perda do direito ao recebimento do auxílio-reclusão para seus dependentes. 1 o O segurado recluso não terá direito aos benefícios de auxílioa percepção, pelos dependentes, do doença e de aposentadoria durante auxílio-reclusão, ainda que, nessa condição, contribua como contribuinte individual ou facultativo, permitida a opção, desde que manifestada, também, pelos dependentes, ao benefício mais vantajoso. 2 o Em caso de morte do segurado recluso que contribuir na forma do 1 o, o valor da pensão por morte devida a seus dependentes será obtido mediante a realização de cálculo, com base nos novos tempo de contribuição e salários-de-contribuição correspondentes, neles incluídas as contribuições recolhidas enquanto recluso, facultada a opção pelo valor do auxílio- reclusão.

14 PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 13, DE 09 DE JANEIRO DE 2015-DOUDE12/01/2015 Art. 5º O auxílio-reclusão, a partir de1ºdejaneirode2015,serádevido aos dependentes do segurado cujo salário-de-contribuição seja igual ou inferior a R$ 1.089,72 (um mil e oitenta e nove reais e setenta e dois centavos), independentemente da quantidade de contratos e de atividades exercidas.

15 RENDA MENSAL INICIAL O valor do benefício é de 100% do valor da aposentadoria que o segurado recebia ou daquela que teria direito se estivesse aposentado por invalidez nadatadadetençãoouprisão. Tratando-se de segurado especial, o mínimo(art. 39, I, da Lei 8.213/91). valor da RMI será igual a um salário- Cálculoestáprevistonosartigos29e80daLei8.213/91 Seoseguradoestiveraposentadoà farão jus ao benefício. época da prisão, os dependentes não

16 DOCUMENTOS Se a declaração carcerária apresentada no requerimento do benefício permitir a identificação plena do segurado recluso, não é necessária a apresentação dos documentos de identificação do recluso. Entretanto, se for necessário o acerto de dados cadastrais do recluso, se faz necessária a apresentação do documento de identificação. Equipara-se à condição de recolhido à prisão a situação do segurado com idade entre 16 e 18 anos que tenha sido internado em estabelecimento educacional ou congênere, sob custódia do Juizado de Infância e da Juventude, neste caso, a comprovação será efetuada pela certidão do despacho de internação e documento que ateste o efetivo recolhimento ao órgão subordinado ao Juiz da Infância e Juventude.

17 RECEBIMENTO- DIB A partir de quando é devido o benefício? O Auxílio-reclusão será devido a contar da data do efetivo recolhimento do segurado à prisão, se requerido até noventa dias depois desta; ou da data do requerimento, se posterior.

18 SUSPENSÃO DO PAGAMENTO A não apresentação da certidão prisional trimestralmente acarreta a suspensão do pagamento do benefício. Fuga do segurado, havendo a recaptura o benefício é restabelecido a contar deste fatoedesde que não tenha havido a perda da qualidade de segurado. O segurado que que deixar a prisão por livramento condicional, por cumprimento da pena em regime aberto ou por prisão albergue.

19 DURAÇÃO DO AUXÍLIO RECLUSÃO O benefício será cessado: a) Comaextinçãodacotaindividual; b) Se o segurado passar a receber aposentadoria; c) Nadatadasoltura; d) Pelo óbito do segurado; e) Pela ocorrência de situação que acarrete a perda da qualidade de dependente (emancipação, implemento da idade de 21 anos, cessação da invalidez)

20 DURAÇÃO DO AUXÍLIO RECLUSÃO f) em se tratando de dependente inválido, pela cessação da invalidez, verificada em exame médico pericial a cargo do INSS; g) pela adoção, para o filho adotado que receba auxílio reclusão dos pais biológicos, exceto quando o cônjuge ou o companheiro adota o filho do outro; h) pelo levantamento da interdição no caso do filho ou irmão com deficiência intelectual ou mental; i) quando o segurado deixar a prisão por livramento condicional ou por cumprimento da pena em regime aberto.

21 Assim que o segurado recluso for posto em liberdade, o dependente ou responsável deverá apresentar imediatamente o alvará de soltura, para que não ocorra recebimento indevido do benefício. Em caso de morte do segurado na cadeia, o Auxílio-reclusão é convertido em pensão por morte. A cota do Auxílio-reclusão será dividida em partes iguais a todos os dependentes habilitados.

22 DURAÇÃO DO BENEFÍCIO PARA O CÔNJUGE OU COMPANHEIRO Se a prisão ocorrer depois de vertidas 18 contribuições mensais pelo segurado e pelo menos 2 anos após o início do casamento ou da união estável; Idade do dependente na data da prisão menos de 21anos entre 21 e 26 anos entre 27 e 29 anos entre 30 e 40 anos entre 41 e 43 anos a partir de 44 anos Duração máxima do benefício 3 anos 6 anos 10 anos 15 anos 20 anos Vitalício

PENSÃO POR MORTE. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Artigo 201, inciso V, da CF; Artigos 74 a 79 da Lei 8.213/91 (LB); Artigos 105 a 115 do Decreto 3.

PENSÃO POR MORTE. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Artigo 201, inciso V, da CF; Artigos 74 a 79 da Lei 8.213/91 (LB); Artigos 105 a 115 do Decreto 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Artigo 201, inciso V, da CF; Artigos 74 a 79 da Lei 8.213/91 (LB); Artigos 105 a 115 do Decreto 3.048/99; e Artigos 364 a 380, da IN 77. CONCEITO A pensão por morte é o benefício previdenciário

Leia mais

O objetivo do benefício é garantir a sobrevivência do núcleo familiar, diante da ausência temporária do provedor/segurado.

O objetivo do benefício é garantir a sobrevivência do núcleo familiar, diante da ausência temporária do provedor/segurado. AUXÍLIO-RECLUSÃO - Orientações Gerais Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 28/02/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Auxílio-reclusão 3 - Beneficiários - Dependentes 4 - Requisitos 4.1 -

Leia mais

Análise de questão pensão por morte Adriana Menezes

Análise de questão pensão por morte Adriana Menezes Análise de questão pensão por morte Adriana Menezes (Questão elaborada) - Veja a situação hipotética apresentada e analise as questões abaixo. Carlos e Patrícia são casados há 05 anos e trabalham na mesma

Leia mais

Guia Previdenciário: Auxílio-reclusão. Resumo: 1) Introdução: 2) Abrangência:

Guia Previdenciário: Auxílio-reclusão. Resumo: 1) Introdução: 2) Abrangência: Guia Previdenciário: Auxílio-reclusão Resumo: Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos os principais aspectos que envolvem a concessão do auxílio-reclusão. Para tanto, utilizaremos como base de

Leia mais

Verdades e mitos sobre o AUXÍLIO RECLUSÃO

Verdades e mitos sobre o AUXÍLIO RECLUSÃO Verdades e mitos sobre o AUXÍLIO RECLUSÃO Sidnei Rodrigo Paulo da Cunha Neves é sócio do escritório Rodrigues, Ehlers & Neves. Formado em Administração de Empresas e Direito no Centro Universitário do

Leia mais

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte?

Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? 1 Carência para o recebimento do benefício pensão por morte? A MP 664 de dezembro de 2014 previu uma carência de 24 meses para a obtenção do benefício pensão por morte. Depois de muita discussão no Congresso

Leia mais

Professor Fernando Aprato 1

Professor Fernando Aprato 1 RECURSOS DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Prova de Técnico do Seguro Social do INSS - Modelo 1 - Caderno de prova B02 - Tipo 002 Questão nº 29 Prova tipo 002 29. João fora casado com Maria, com quem teve três

Leia mais

1 de 7 14/03/2011 20:18 Publicado em nosso site 14/03/2011 Roteiro ATUALIZADO Informativo FISCOSoft - Auxílio-Reclusão - Roteiro de Procedimentos O auxílio-reclusão será devido nas mesmas condições da

Leia mais

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO, SALÁRIO DE BENEFÍCIO E RENDA MENSAL INICIAL CONCEITOS Professor: Anderson Castelucio CONCEITOS DE SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO Art. 214. Entende-se por salário-de-contribuição: I -

Leia mais

<<Direito Previdenciário>> - <<INSS>> Professor: Melissa Folmann Aulas: 11-13

<<Direito Previdenciário>> - <<INSS>> Professor: Melissa Folmann Aulas: 11-13 Aulas 11 13 - Professor: Melissa Folmann Aulas: 11-13 Prof > wwwaprovaconcursoscombr Página 1 de 15 Aulas 11 13 4 Benefícios previdenciários dos dependentes

Leia mais

PORTARIA Nº 142, DE 11 DE ABRIL DE 2007 (DOU DE 12.04.2007)

PORTARIA Nº 142, DE 11 DE ABRIL DE 2007 (DOU DE 12.04.2007) PORTARIA Nº 142, DE 11 DE ABRIL DE 2007 (DOU DE 12.04.2007) O MINISTRO DE ESTADO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição Federal,

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06 DE JANEIRO DE 2012 - DOU DE 09/01/2012

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06 DE JANEIRO DE 2012 - DOU DE 09/01/2012 PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06 DE JANEIRO DE 2012 - DOU DE 09/01/2012 Dispõe sobre o reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e dos demais valores constantes

Leia mais

Adendo ao livro MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Autor: Hugo Medeiros de Goes

Adendo ao livro MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Autor: Hugo Medeiros de Goes Adendo ao livro MANUAL DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO Autor: Hugo Medeiros de Goes 1. ERRATA Página 180 No primeiro parágrafo do item 2.10.1 (Beneficiários): Onde se lê: Os beneficiários da pensão por morte

Leia mais

PONTO 1: Benefícios Previdenciários PONTO 2. Benefícios Assistenciais 1. BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS

PONTO 1: Benefícios Previdenciários PONTO 2. Benefícios Assistenciais 1. BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS 1 DIREITO PREVIDENCIÁRIO PONTO 1: Benefícios Previdenciários PONTO 2. Benefícios Assistenciais 1.1 AUXÍLIO DOENÇA 1. BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Art. 59 e seguintes da Lei 8.213/91. Carência: 12 C.M. (regra).

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 407, DE 14 DE JULHO DE 2011 - DOU DE 15/07/2011 - REVOGADA

PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 407, DE 14 DE JULHO DE 2011 - DOU DE 15/07/2011 - REVOGADA PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 407, DE 14 DE JULHO DE 2011 - DOU DE 15/07/2011 - REVOGADA Revogada pela PORTARIA INTERMINISTERIAL MPS/MF Nº 02, DE 06/01/2012 Republicada no DOU 19/07/2011 Dispõe sobre

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 9 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 13.135, DE 17 DE JUNHO DE 2015. Vigência Mensagem de veto Conversão da Medida Provisória nº 664, de 2014 Altera

Leia mais

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO CÁLCULOS SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO CONCEITO: é o valor que serve de base de cálculo para incidência das alíquotas das contribuições previdenciárias (fonte de custeio) e para o cálculo do salário benefício.

Leia mais

REQUERIMENTO DE PENSÃO

REQUERIMENTO DE PENSÃO Versão 9 REQUERIMENTO DE PENSÃO SEGURADO (A) Segurado(a): CPF nº: Cargo: Órgão de origem: DATA DO ÓBITO: / / Ativo: ( ) Inativo: ( ) NOME DEPENDENTES PREVIDENCIÁRIOS Data de Nascimento Parentesco Estado

Leia mais

CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS. DÉCIO BRUNO LOPES Vice Presidente de ssuntos da Seguridade Social MAIO/2016

CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS. DÉCIO BRUNO LOPES Vice Presidente de ssuntos da Seguridade Social MAIO/2016 CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS DÉCIO BRUNO LOPES Vice Presidente de ssuntos da Seguridade Social MAIO/2016 . CONVERGÊNCIA DE REGIMES PREVIDENCIÁRIOS REPORTANDO-SE À ÉPOCA DOS INSTITUTOS DE APOSENTADORIA

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO AUXÍLIOS 1 Cláudio Basques

DIREITO PREVIDENCIÁRIO AUXÍLIOS 1 Cláudio Basques DIREITO PREVIDENCIÁRIO AUXÍLIOS 1 Cláudio Basques 9. AUXILIO ACIDENTE (ART. 86) - É INDENIZATÓRIO, POIS O SEGURADO FICA COM SUA CAPACIDADE REDUZIDA APÓS ACIDENTE DE QUALQUER NATUREZA - DOMÉSTICO, AVULSO

Leia mais

APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO CONTRIBUIÇÃO CONTRIBUIÇÃO Legislação Artigo 201, 7º, I, da CF Artigo 52 a 56 Lei 8213/91 Artigo 56 a 63 Decreto 3048/99 Artigo 234 a 245, da IN 77/2015 CONTRIBUIÇÃO Conceito É o benefício devido ao segurado

Leia mais

REQUERIMENTO DE PENSÃO

REQUERIMENTO DE PENSÃO Versão 12 REQUERIMENTO DE PENSÃO SEGURADO (A) Segurado(a): CPF nº: Cargo: Órgão de origem: DATA DO ÓBITO: / / Ativo: ( ) Inativo: ( ) NOME DEPENDENTES PREVIDENCIÁRIOS Data de Nascimento Parentesco Estado

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM JUNDIAÍ APOSENTADORIAS X ALTERAÇÕES

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM JUNDIAÍ APOSENTADORIAS X ALTERAÇÕES GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM JUNDIAÍ APOSENTADORIAS X ALTERAÇÕES 1 MODALIDADES APOSENTADORIA POR IDADE (urbana, rural e mista) APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO (comum, especial e mista) LC142 (por

Leia mais

Aprovado pela Portaria nº 155 de 29/03/2011 DOU 31/03/2011

Aprovado pela Portaria nº 155 de 29/03/2011 DOU 31/03/2011 Aprovado pela Portaria nº 155 de 29/03/2011 DOU 31/03/2011 Artigo 18 Ao Participante que tiver completado 50 (cinqüenta) anos de idade após ter cumprido a carência de 120 (cento e vinte) meses de contribuições

Leia mais

Apresentação... 3. Quem pode solicitar pensão por morte junto ao INSS... 5. Procedimentos INSS - Cônjuge... 6

Apresentação... 3. Quem pode solicitar pensão por morte junto ao INSS... 5. Procedimentos INSS - Cônjuge... 6 Apresentação... 3 Quem pode solicitar pensão por morte junto ao INSS... 5 Procedimentos INSS - Cônjuge... 6 -OBSERVAÇÕES -PARA REQUERIMENTO DE PENSÃO POR MORTE JUNTO A INSS -DOCUMENTAÇÃO -COMPROVAÇÃO DE

Leia mais

PROFESSOR CARLOS MACHADO

PROFESSOR CARLOS MACHADO DIREITO PREVIDENCIÁRIO PARA O CONCURSO DO INSS PROFESSOR CARLOS MACHADO Brasil Todo território nacional 0800 887 0499 atendimento@legiaodosconcurseiros.com.br www.legiaodosconcurseiros.com.br DICA 1 Irredutibilidade

Leia mais

FÁTIMA CONCEIÇÃO GOMES GERENTE EXECUTIVA DO INSS EM SANTO ANDRÉ

FÁTIMA CONCEIÇÃO GOMES GERENTE EXECUTIVA DO INSS EM SANTO ANDRÉ FÁTIMA CONCEIÇÃO GOMES GERENTE EXECUTIVA DO INSS EM SANTO ANDRÉ NOSSAS AGÊNCIAS: MAUÁ RIBEIRÃO PIRES SANTO ANDRÉ SÃO CAETANO DO SUL ATENDIMENTO: População de Rio Grande da Serra Nossa Gerência: 3.000 atendimentos

Leia mais

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS

TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS TABELAS EXPLICATIVAS DAS DIFERENTES NORMAS E POSSIBILIDADES DE DOS SERVIDORES PÚBLICOS REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RPPS INGRESSO NO SERVIÇO PÚBLICO ATÉ 19 DE DEZEMBRO DE 2003 Professora por tempo

Leia mais

PONTO 1: Aposentadoria 1. APOSENTADORIA. Art. 201, 7º da CF (EC nº. 20). Condições:

PONTO 1: Aposentadoria 1. APOSENTADORIA. Art. 201, 7º da CF (EC nº. 20). Condições: 1 DIREITO PREVIDENCIÁRIO PONTO 1: Aposentadoria 1. APOSENTADORIA Art. 201, 7º da CF (EC nº. 20). Condições: I 35 anos de contribuição para o homem e 30 anos de contribuição para a mulher; II 65 anos de

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI SENADO N 72, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI SENADO N 72, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI SENADO N 72, DE 2011 Altera o art. 18 da Lei n 8.213, de 24 de julho de 1991, para ampliar os benefícios previdenciários devidos ao aposentado que retornar ao trabalho. Art.

Leia mais

O que você precisa saber sobre a Previdência Social

O que você precisa saber sobre a Previdência Social CARTILHA DE INFORMAÇÕES O que você precisa saber sobre a Previdência Social A Previdência Social é a melhor proteção contra os riscos sociais. É uma conquista e um patrimônio dos trabalhadores. Sua utilidade,

Leia mais

Auxílio Doença 01/09/2015

Auxílio Doença 01/09/2015 Auxílio Doença Lei 8213/91 Art. 60. O auxílio-doença será devido ao segurado empregado a contar do décimo sexto dia do afastamento da atividade, e, no caso dos demais segurados, a contar da data do início

Leia mais

SUMÁRIO Capítulo 1 Seguridade Social e a Previdência Social

SUMÁRIO Capítulo 1 Seguridade Social e a Previdência Social S UMÁRIO Capítulo 1 Seguridade Social e a Previdência Social... 1 1.1. Seguridade Social... 1 1.1.1. A Saúde... 2 1.1.2. A Assistência Social... 5 1.1.3. A Previdência Social... 10 1.1.3.1. Natureza jurídica

Leia mais

Direito Previdenciário

Direito Previdenciário DO AUXÍLIO-DOENÇA 1.1. Fato gerador O auxílio-doença é um benefício não programado, concedido em face da incapacidade relativa ou temporária do segurado para o trabalho ou para o exercício de suas atividades

Leia mais

Atualização do Curso Prático de Direito Previdenciário - 13ª Edição

Atualização do Curso Prático de Direito Previdenciário - 13ª Edição Atualização do Curso Prático de Direito Previdenciário - 13ª Edição Objetivo O objetivo deste material é manter os leitores da 13ª edição do Curso Prático de Direito Previdenciário atualizados em relação

Leia mais

ReabilitAÇÃO Profissional. e o Retorno do Trabalhador à Atividade Laborativa

ReabilitAÇÃO Profissional. e o Retorno do Trabalhador à Atividade Laborativa e o Retorno do Trabalhador à Atividade Laborativa Considerações Iniciais A Previdência Social é um seguro social, mediante contribuição previdenciária, com a finalidade de prover subsistência ao trabalhador,

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 253, de 2005

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 253, de 2005 1 Regulamenta os 12 e 13 do art. 201 e o 9º do art. Regulamenta os 12 e 13 do art. 201 da 195 da Constituição Federal, para dispor sobre o Constituição Federal, para dispor sobre o sistema sistema especial

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES

MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES A PREVIDÊNCIA SOCIAL É uma forma de seguro coletivo de caráter contributivo em que todos contribuem com uma parcela de seu salário e de filiação obrigatória.

Leia mais

Legislação Previdenciária

Legislação Previdenciária Legislação Previdenciária Reis, Camila Oliveira. R375l Legislação previdenciária / Camila Oliveira Reis. Varginha, 2015. 52 slides. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web

Leia mais

CURSO COMPLETO de DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2015 Professores ITALO ROMANO e FLAVIANO LIMA

CURSO COMPLETO de DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2015 Professores ITALO ROMANO e FLAVIANO LIMA APOSTILA 01 BENEFÍCIOS Prof. Italo Romano Aspectos Constitucionais da Seguridade Social Anotações Iniciais: 1. CONCEITO DE SEGURIDADE SOCIAL 1.1. A Seguridade social é um conjunto de princípios, normas

Leia mais

Atualização do Curso Prático de Direito Previdenciário - 13ª Edição. 1) Alterações da Lei 13.183, de 04/11/2015.

Atualização do Curso Prático de Direito Previdenciário - 13ª Edição. 1) Alterações da Lei 13.183, de 04/11/2015. Atualização do Curso Prático de Direito Previdenciário - 13ª Edição Objetivo O objetivo deste material é manter os leitores da 13ª edição do Curso Prático de Direito Previdenciário atualizados em relação

Leia mais

Constituição Federal para Concursos (CF) 6a ed.: Rev., amp. e atualizada (2015)

Constituição Federal para Concursos (CF) 6a ed.: Rev., amp. e atualizada (2015) Constituição Federal para Concursos (CF) 6a ed.: Rev., amp. e atualizada (2015) 1) Art. 198: ATUALIZAÇÔES Art. 198. As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada

Leia mais

RESOLUÇÃO SEPLAG nº 42, de 8 de julho de 2003 Estabelece procedimento para a concessão de auxílio-doença,

RESOLUÇÃO SEPLAG nº 42, de 8 de julho de 2003 Estabelece procedimento para a concessão de auxílio-doença, RESOLUÇÃO SEPLAG nº 42, de 8 de julho de 2003 Estabelece procedimento para a concessão de auxílio-doença, aposentadoria por invalidez e auxílioacidente a servidor não titular de cargo de provimento efetivo,

Leia mais

PIRAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PIRACAIA

PIRAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PIRACAIA PIRAPREV INSTITUTO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE PIRACAIA Piracaia, 24 de Julho de 2.015 APOSENTADORIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS REQUISITO Geral Magistério SEXO HOMEM MULHER HOMEM

Leia mais

1. SEGURADOS DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL. 1) Segurado (art. 11 a 15 Lei n. 8.212) e dependente (art. 16, Lei n 8.212)

1. SEGURADOS DO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL. 1) Segurado (art. 11 a 15 Lei n. 8.212) e dependente (art. 16, Lei n 8.212) 1 DIREITO PREVIDENCIÁRIO DIREITO PREVIDENCIÁRIO PONTO 1: Segurados do Regime Geral de Previdência Social PONTO 2: Do Segurado PONTO 3: Da Contribuição do produtor rural, do pescador segurado especial PONTO

Leia mais

Lei Complementar Nº 12, de 23 de junho de 1999 (D.O.E. de 28/06/99) A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ

Lei Complementar Nº 12, de 23 de junho de 1999 (D.O.E. de 28/06/99) A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ Lei Complementar Nº 12, de 23 de junho de 1999 (D.O.E. de 28/06/99) Dispõe sobre a instituição do Sistema Único de Previdência social dos Servidores Públicos Civis e Militares, dos Agentes Públicos e dos

Leia mais

LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO

LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO LICENÇA POR ACIDENTE EM SERVIÇO DEFINIÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES PROCEDIMENTO FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO Licença concedida em decorrência de dano físico ou

Leia mais

AVERBAÇÃO POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO

AVERBAÇÃO POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO AVERBAÇÃO POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIÇÃO DOCUMENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES FUNDAMENTAÇÃO LEGAL PERGUNTAS FREQUENTES DEFINIÇÃO É o registro do tempo de serviço/contribuição

Leia mais

Considerando a Lei nº. 14.653, de 22 de dezembro de 2011, que instituiu o regime de Previdência Complementar do Estado de São Paulo;

Considerando a Lei nº. 14.653, de 22 de dezembro de 2011, que instituiu o regime de Previdência Complementar do Estado de São Paulo; Instrução SP-PREVCOM / TJ nº 04/2013. Considerando a Lei nº. 14.653, de 22 de dezembro de 2011, que instituiu o regime de Previdência Complementar do Estado de São Paulo; A Fundação de Previdência Complementar

Leia mais

Dependentes para fins de Imposto de Renda

Dependentes para fins de Imposto de Renda Dependentes para fins de Imposto de Renda 318 - Quem pode ser dependente de acordo com a legislação tributária? Podem ser dependentes, para efeito do imposto sobre a renda: 1 - companheiro(a) com quem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MENSAGEM Nº 464, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2015. Senhor Presidente do Senado Federal, Comunico a Vossa Excelência que, nos termos do 1 o

Leia mais

O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO MARANHÃO, no exercício de suas atribuições legais e regimentais.

O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO MARANHÃO, no exercício de suas atribuições legais e regimentais. RESOLUÇÃO CRCMA Nº 520/2014 REGULAMENTA DO ARTIGO 96, INCISO IV DO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS DO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO MARANHÃO APROVADO COM RESOLUÇÃO 491/2010. O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR 243/2001. LUIZ DE FAVERI, Prefeito do Município de Artur Nogueira, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, TÍTULO I

LEI COMPLEMENTAR 243/2001. LUIZ DE FAVERI, Prefeito do Município de Artur Nogueira, Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições legais, TÍTULO I 1 LEI COMPLEMENTAR 243/2001 DISPÕE SOBRE A LEI ORGÂNICA DA PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ARTUR NOGUEIRA - LOPMAN, INSTITUINDO O ESTATUTO DO FUNDO DE PREVIDÊNCIA E BENEFÍCIOS DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

REFORMA DA PREVIDÊNCIA MPS Ministério da Previdência Social SPS Secretaria de Previdência Social REFORMA DA PREVIDÊNCIA Regra Atual, PEC n.º 40/03, Substitutivo da Comissão Especial de Reforma da Previdência, Cenários e Projeções

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO Nº 490 (11 DE JUNHO DE 2012)

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO Nº 490 (11 DE JUNHO DE 2012) TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO CEARÁ RESOLUÇÃO Nº 490 (11 DE JUNHO DE 2012) Dispõe sobre o instituto da dependência econômica no âmbito do Tribunal Regional Eleitoral do Ceará. O TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL

Leia mais

de todas as pessoas da unidade familiar CPF

de todas as pessoas da unidade familiar CPF Após concluir a sua inscrição no SisFIES, o estudante deverá validar suas informações na Comissão Permanente de Supervisão e Acompanhamento (CPSA). Seguem documentos necessários a serem apresentados na

Leia mais

Guia do Participante

Guia do Participante Guia do Participante Guia do Participante Aqui estão reunidas as principais informações sobre os benefícios que o PCV Plano de Contribuição Variável lhe oferece, apresentadas de forma simples. Como procuramos

Leia mais

Entenda mais sobre. Plano Copasa (BD)

Entenda mais sobre. Plano Copasa (BD) Entenda mais sobre O Plano Copasa (BD) Apresentação Senhor (a) Participante: Ao publicar este material, a Fundação Libertas tem por objeto facilitar o entendimento e a disseminação dos principais dispositivos

Leia mais

A SEGURIDADE SOCIAL...

A SEGURIDADE SOCIAL... Súmario Súmario CAPÍTULO 1 A SEGURIDADE SOCIAL... 15 1. Origem e evolução... 15 2. Origem e evolução legislativa no Brasil... 16 Questões comentadas de concursos públicos.. 27 Questões de concursos...

Leia mais

RECURSOS. Questão 3) Alternativa da banca Letra B Alternativa da Candidata Letra D

RECURSOS. Questão 3) Alternativa da banca Letra B Alternativa da Candidata Letra D RECURSOS Questão 3) 03) Acerca das disposições constitucionais aplicáveis a Previdência Social, enquanto espécie integrante do gênero Seguridade Social, é correto afirmar, exceto: a) A previdência social

Leia mais

Art. 1º A Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, passa a vigorar com as seguintes alterações:

Art. 1º A Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991, passa a vigorar com as seguintes alterações: Lei nº 13.135, de 17.06.2015 DOU de 18.06.2015 Altera as Leis nº 8.213, de 24 de julho de 1991, nº 10.876, de 2 de junho de 2004, nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, e nº 10.666, de 8 de maio de 2003,

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde Coordenadoria de Recursos Humanos SERVIDORES EFETIVOS E LEI Nº 500/74 (ADMITIDOS ATÉ 02/06/07)

Secretaria de Estado da Saúde Coordenadoria de Recursos Humanos SERVIDORES EFETIVOS E LEI Nº 500/74 (ADMITIDOS ATÉ 02/06/07) SERVIDORES EFETIVOS E LEI Nº 500/74 (ADMITIDOS ATÉ 02/06/07) LICENÇA SAÚDE (ARTIGOS 181-191- 193/EFP E ARTIGO 25, II/LEI 500/74 A licença saúde será requerida mediante emissão de guia expedida pelo serviço

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REQUERER: PENSÃO VITALÍCIA OU TEMPORÁRIA DIREITOS DEIXADOS VIÚVAS (OS):

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REQUERER: PENSÃO VITALÍCIA OU TEMPORÁRIA DIREITOS DEIXADOS VIÚVAS (OS): PENSÃO VITALÍCIA OU TEMPORÁRIA DIREITOS DEIXADOS VIÚVAS (OS): Certidão de Casamento - atualizada com data máxima de 6 meses antes do óbito (tirar 2ª via no cartório em que casou); CPF, RG e Título Eleitoral

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO ENTRE O NOVO CÓDIGO CIVIL, O CÓDIGO CIVIL DE 1916 E O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE QUANTO A ADOÇÃO.

QUADRO COMPARATIVO ENTRE O NOVO CÓDIGO CIVIL, O CÓDIGO CIVIL DE 1916 E O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE QUANTO A ADOÇÃO. 1 QUADRO COMPARATIVO ENTRE O NOVO CÓDIGO CIVIL, O CÓDIGO CIVIL DE E O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE QUANTO A ADOÇÃO. Artigo 1618 Só a pessoa maior de 18 (dezoito) anos pode adotar. Artigo 368 -

Leia mais

DIAS E HORÁRIO DE ATENDIMENTO PARA A MATRÍCULA: DOCUMENTOS PARA MATRÍCULA E PARA COMPROVAÇÃO DAS POLÍTICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS

DIAS E HORÁRIO DE ATENDIMENTO PARA A MATRÍCULA: DOCUMENTOS PARA MATRÍCULA E PARA COMPROVAÇÃO DAS POLÍTICAS DE AÇÕES AFIRMATIVAS 2ª chamada de aprovados no SISU 2013/01 DIAS E HORÁRIO DE ATENDIMENTO PARA A MATRÍCULA: Dias 01, 04 e 05 de fevereiro de 2013. Horário: 10 horas às 11 horas e das 14horas às 20 horas. Local: Coordenação

Leia mais

Saúde Ocupacional e Regulamentação dos Planos de Saúde

Saúde Ocupacional e Regulamentação dos Planos de Saúde Saúde Ocupacional e Regulamentação dos Planos de Saúde Regulamentação dos planos Resolução CONSU 10 Art. 2º, 2º Nos contratos de planos coletivos, não é obrigatória a cobertura para os procedimentos relacionados

Leia mais

Prova 02. No que se refere ao regime geral de previdência social, julgue os itens a seguir.

Prova 02. No que se refere ao regime geral de previdência social, julgue os itens a seguir. Prova 02 No que se refere ao regime geral de previdência social, julgue os itens a seguir. 01) É presumida, por força de lei, a dependência econômica dos pais do segurado para fins de atribuição da qualidade

Leia mais

A SISTEMÁTICA DA CONCESSÃO DE PENSÃO POR MORTE NO SUPSEC. SEPLAG- CPREV Coordenador: Sergio Lage Palestrante: Amaury Reis F. Filho

A SISTEMÁTICA DA CONCESSÃO DE PENSÃO POR MORTE NO SUPSEC. SEPLAG- CPREV Coordenador: Sergio Lage Palestrante: Amaury Reis F. Filho A SISTEMÁTICA DA CONCESSÃO DE PENSÃO POR MORTE NO SUPSEC SEPLAG- CPREV Coordenador: Sergio Lage Palestrante: Amaury Reis F. Filho QUEM SÃO OS BENEFICIÁRIOS? O inciso II, do ART. 331 da Constituição Estadual

Leia mais

Atualização do Revisaço do INSS - 4ª Edição

Atualização do Revisaço do INSS - 4ª Edição Atualização do Revisaço do INSS - 4ª Edição Objetivo O objetivo deste material é manter os leitores da 4ª edição do Revisaço do INSS atualizados em relação às principais alterações ocorridas desse a sua

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 161, DE

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 161, DE SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 161, DE 2009 Altera a Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991, que dispõe sobre a Organização da Seguridade Social, institui o Plano de Custeio e dá outras providências,

Leia mais

BENEFICIARIOS DO INSS. Do auxílio-acidente

BENEFICIARIOS DO INSS. Do auxílio-acidente BENEFICIARIOS DO INSS Do auxílio-acidente Art. 311. O auxílio-acidente será devido ao segurado empregado, exceto o doméstico, ao trabalhador avulso e ao segurado especial, e a partir de 31 de dezembro

Leia mais

1) Ano: 2016 Banca: CESPE Órgão: DPU Prova: Analista Técnico Administrativo

1) Ano: 2016 Banca: CESPE Órgão: DPU Prova: Analista Técnico Administrativo QUESTÕES DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO PARA INSS 2016 Prof. Henrique Sartori 1) Ano: 2016 Banca: CESPE Órgão: DPU Prova: Analista Técnico Administrativo Maria foi contratada como empregada da empresa Souza

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social

PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social PREVIDÊNCIA SOCIAL E(M) CRISE: uma análise jurídica das inter-relações entre a crise econômica e os regimes de previdência social LUCIANO MARTINEZ martinezluciano@uol.com.br Fanpage: facebook.com/professorlucianomartinez

Leia mais

PLANO DE BENEFÍCIOS Nº 001 - BROOKLYN 1 Í N D I C E - DO CANCELAMENTO DA INSCRIÇÃO DO PARTICIPANTE. - Da Suplementação da Aposentadoria Por Tempo de

PLANO DE BENEFÍCIOS Nº 001 - BROOKLYN 1 Í N D I C E - DO CANCELAMENTO DA INSCRIÇÃO DO PARTICIPANTE. - Da Suplementação da Aposentadoria Por Tempo de PLANO DE BENEFÍCIOS Nº 001 - BROOKLYN 1 Í N D I C E PÁG. Capítulo I - DE SEUS MEMBROS... 02 II - DA INSCRIÇÃO... 02 III - DO CANCELAMENTO DA INSCRIÇÃO DO PARTICIPANTE E DEPENDENTES... 04 IV - DOS BENEFÍCIOS...

Leia mais

ANO XXVII - 2016-2ª SEMANA DE ABRIL DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 15/2016

ANO XXVII - 2016-2ª SEMANA DE ABRIL DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 15/2016 ANO XXVII - 2016-2ª SEMANA DE ABRIL DE 2016 BOLETIM INFORMARE Nº 15/2016 ASSUNTOS PREVIDENCIÁRIOS AUXÍLIO DOENÇA OU ACIDENTÁRIO - ATUALIZAÇÃO CONFORME O DECRETO Nº 8.691/2016 CONSIDERAÇÕES... Pág. 436

Leia mais

Previni. 1 - REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS: os autônomos e Todos os trabalhadores da área privada são seus segurados;

Previni. 1 - REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS: os autônomos e Todos os trabalhadores da área privada são seus segurados; Previdência Previdência Social :: Histórico:: Regimes de Previdência Social:: Das Patrocinadoras:: Dos Segurados:: Dos Dependentes:: Dos Benefícios Concedidos:: Do Valor da Contribuição:: Onde Requerer

Leia mais

Em relação aos segurados do RGPS e seus dependentes, julgue os itens subsecutivos.

Em relação aos segurados do RGPS e seus dependentes, julgue os itens subsecutivos. DPU/Defensor _Público/CESPE/2015 Em relação aos segurados do RGPS e seus dependentes, julgue os itens subsecutivos. 1. Aquele que, como contrapartida pelo desempenho das atividades de síndico do condomínio

Leia mais

Data de Nascimento Naturalidade Relação de Parentesco c/ titular

Data de Nascimento Naturalidade Relação de Parentesco c/ titular Nome do(a) Requerente: DADOS DO(A) REQUERENTE - PENSIONISTA Sexo ( ) M ( ) F Inválido ( ) SIM ( ) NÃO R.G. (Identidade) Data de Expedição Órgão Expedidor CPF do(a) Requerente Data de Nascimento Naturalidade

Leia mais

LEI Nº 6.111, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2005..

LEI Nº 6.111, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2005.. LEI Nº 6.111, DE 9 DE DEZEMBRO DE 2005.. Autoria: Prefeito Municipal. ALTERA O ANEXO DE METAS FISCAIS DA LEI Nº 6.081, DE 4 DE JULHO DE 2005, QUE DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS PARA O EXERCÍCIO

Leia mais

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 1ª Composição Adjunta da 4ª Câmara de Julgamento

Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 1ª Composição Adjunta da 4ª Câmara de Julgamento Ministério da Previdência Social Conselho de Recursos da Previdência Social 1ª Composição Adjunta da 4ª Câmara de Julgamento Número do Processo: 44232.162227/2014-01 Unidade de Origem: AGÊNCIA DA PREVIDÊNCIA

Leia mais

Manual da Proteção na Parentalidade. Índice...1 SUBSÍDIO PARENTAL...3. 1. Subsídio Parental Inicial...3

Manual da Proteção na Parentalidade. Índice...1 SUBSÍDIO PARENTAL...3. 1. Subsídio Parental Inicial...3 Índice Índice...1 SUBSÍDIO PARENTAL...3 1. Subsídio Parental Inicial...3 2. Subsídio Parental Inicial Exclusivo da Mãe...4 3. Subsídio Parental Inicial Exclusivo do Pai...4 4. Subsídio Parental Inicial

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS MANUAL DO SERVIDOR

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS MANUAL DO SERVIDOR Página de 5 PLANO DE SAÚDE - GEAP DEFINIÇÃO Ingresso: benefício que compreende a assistência médica, hospitalar, odontológica, psicológica e farmacêutica prestada pela operadora GEAP, visto que esta possui

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 2.242/2016 DE 15 DE JUNHO DE 2016

LEI MUNICIPAL Nº 2.242/2016 DE 15 DE JUNHO DE 2016 LEI MUNICIPAL Nº 2.242/2016 DE 15 DE JUNHO DE 2016 Altera a Lei Municipal n. 1.554, de 04 de julho de 2005 que Reestrutura o Regime Próprio de Previdência Social do Município de Barra do Bugres/MT e, dá

Leia mais

Regime de Tributação de Imposto de Renda

Regime de Tributação de Imposto de Renda Apresentação O INFRAPREV elaborou esta cartilha com o objetivo de orientar o participante na escolha do regime de tributação quando do ingresso no seu Plano de Contribuição Variável. Com a publicação da

Leia mais

Prova 06. 2- Antes mesmo da edição da Lei Eloy Chaves, já tinha legislação sobre o acidente do trabalho.

Prova 06. 2- Antes mesmo da edição da Lei Eloy Chaves, já tinha legislação sobre o acidente do trabalho. Prova 06 1- A Lei Eloy Chaves foi o primeiro ato normativo que tratou de previdência social no Brasil. Antes dela, os trabalhadores eram amparados pelas casas de misericórdia. 2- Antes mesmo da edição

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 748, DE 2 JULHO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº 748, DE 2 JULHO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº 748, DE 2 JULHO DE 2015. Disciplina o pagamento do Abono Salarial referente ao exercício de 2015/2016. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador - CODEFAT, no uso das atribuições

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos ANEXO I

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos ANEXO I ANEXO I DA COMPROVAÇÃO DE RENDA DO CANDIDATO CLASSIFICADO EM VAGAS RESERVADAS DE QUE TRATA O INCISO I DO ART. 3º DA PORTARIA NORMATIVA Nº 18 DE 11 DE OUTUBRO DE 2012 Todos os procedimentos para comprovação

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo 1 A seguridade social no Brasil... 17

SUMÁRIO. Capítulo 1 A seguridade social no Brasil... 17 SUMÁRIO Capítulo 1 A seguridade social no Brasil... 17 1. Evolução hist rica e composição... 17 2. Definição e natureza jurídica... 18 3. Competência legislativa... 19 4. Princípios informadores... 20

Leia mais

... 2 ... 2 ... 3 ... 3 ... 3 ... 3 ... 3 ... 5 ... 6 ... 6

... 2 ... 2 ... 3 ... 3 ... 3 ... 3 ... 3 ... 5 ... 6 ... 6 ... 2... 2... 5... 6... 6 Este documento apresenta as informações necessárias para que os beneficiários de pensão por morte possam dar entrada no pedido do benefício. Prazos, documentos, locais, formulários

Leia mais

A Tributação dos Síndicos, Subsíndicos e Conselheiros (IRPF INSS)

A Tributação dos Síndicos, Subsíndicos e Conselheiros (IRPF INSS) A Tributação dos Síndicos, Subsíndicos e Conselheiros (IRPF INSS) QUAL É O CONCEITO DE SÍNDICO PREVISTO NO CÓDIGO CIVIL DE 2002? O Síndico é definido como sendo administrador do Condomínio (art. 1.346).

Leia mais