PERGUNTAS E RESPOSTAS RN 309/2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERGUNTAS E RESPOSTAS RN 309/2012"

Transcrição

1 PERGUNTAS E RESPOSTAS RN 309/ Qual a finalidade do agrupamento de contratos? O agrupamento de contratos visa o cálculo e aplicação de um reajuste único, com a finalidade de promover a distribuição do risco entre os contratos coletivos que compõem o referido agrupamento Quais os contratos que poderão fazer parte do agrupamento? Todos os contratos coletivos, referentes a planos de saúde com contratação coletiva empresarial ou coletiva por adesão, firmados após 1º de janeiro de 1999, ou adaptados à Lei nº 9.656/ Qual será o critério para que um contrato faça parte do agrupamento de contratos? O critério para definir se um contrato fará parte do agrupamento de contratos é a quantidade de beneficiários vinculados a esse contrato, firmado entre a operadora e a pessoa jurídica estipulante. O contrato deverá ter menos de 30 de beneficiários, que é a quantidade mínima estabelecida pela ANS para a formação do agrupamento de contratos. No entanto, a operadora poderá estabelecer uma quantidade de beneficiários maior para formar o agrupamento. IMPORTANTE: A quantidade de beneficiários para formar o agrupamento será única por operadora e deverá ser considerada para todos os contratos desta operadora Quais os contratos deverão fazer parte do agrupamento? A RN 309/2012 estabelece que sejam agrupados, obrigatoriamente, todos os contratos coletivos empresariais e os contratos coletivos por adesão firmados após 1º de janeiro de 1999, ou adaptados à Lei nº 9.656/98, que possuem menos de 30 beneficiários A quais contratos não se aplica a regra de agrupamento de contratos da RN 309/2012? As regras definidas na RN 309/2012 não se aplicam: aos contratos referentes a planos exclusivamente odontológicos; a planos exclusivos para ex-empregados (regulamentados pela RN 279/2011); a planos com formação de preço pós-estabelecido; e a planos contratados antes da vigência da Lei nº 9.656/98 não adaptados A operadora poderá formar o agrupamento com contratos que possuam 30 ou mais beneficiários? Sim. A operadora poderá optar por uma quantidade de beneficiários maior do que a estabelecida pela ANS para formar o agrupamento de contratos. A quantidade de beneficiários definida pela operadora valerá para todos os seus contratos e deverá estar expressa, obrigatoriamente, em cláusula contratual. Ressalte-se que as regras da RN 309/2012 se aplicarão integralmente a todos os contratos que fizerem parte do agrupamento da operadora A operadora poderá alterar a quantidade de beneficiários estipulada por ela para formar o agrupamento de contratos? Sim. No entanto, como a quantidade de beneficiários é única por operadora, todas as cláusulas dos contratos vigentes deverão ser alteradas, por meio de aditivo contratual Como proceder o agrupamento de contratos? A operadora primeiramente deverá realizar as alterações contratuais necessárias, por meio de aditamento, definindo em cláusula contratual a quantidade de beneficiários que será estabelecida para a formação do agrupamento. Depois de aditar os contratos, a operadora apurará a quantidade de beneficiários em cada um

2 desses contratos. Os contratos que possuírem menos beneficiários do que a quantidade estabelecida em cláusula contratual deverão compor o agrupamento de contratos Caso haja mais de um plano vinculado a um único contrato de comercialização, como deverá ser apurada a quantidade de beneficiários? A quantidade de beneficiários deve ser apurada por contrato de comercialização considerando todos os planos vinculados ao contrato. Exemplo: Uma pessoa jurídica firma um contrato com uma operadora contratando dois planos, um com acomodação coletiva em que se vinculam 20 beneficiários e outro com acomodação individual em que se vinculam 15 beneficiários. Nesse caso, o contrato não fará parte do agrupamento, uma vez que possui um total de 35 beneficiários A partir de que momento os contratos deverão ser aditados para conter a cláusula contratual prevendo o reajuste do agrupamento de contratos? Os contratos coletivos que possuem menos de 30 beneficiários, ou a quantidade de beneficiários estabelecida pela operadora, deverão ser aditados até 30 de abril de 2013, de forma a possibilitar a aplicação do reajuste a partir de maio de 2013, nos termos da RN 309/2012. O aditamento deverá ser realizado sem a remoção das cláusulas de reajuste já existentes, que serão aplicáveis aos contratos que não forem fazer parte do agrupamento. Os novos contratos coletivos, firmados a partir de 1º de janeiro de 2013, já deverão possuir cláusula contratual prevendo o reajuste nos termos da RN 309/ Como serão tratados os contratos que não forem aditados para contemplar as regras de reajuste do agrupamento? Caso o contrato não seja aditado, por opção do contratante, deve-se aplicar o reajuste de acordo com a cláusula de reajuste vigente, nos termos do contrato. O contrato que não foi aditado não poderá receber novos beneficiários, com exceção de novo cônjuge e filhos do titular Será necessário o ajuste das informações dos instrumentos jurídicos na ANS? Sim, o sistema para atualização dos instrumentos jurídicos na ANS estará disponível para as operadoras até 31 de maio de 2013, possibilitando a pronta adequação dos instrumentos jurídicos O que deverá conter a cláusula contratual de reajuste dos contratos coletivos, em função do agrupamento de contratos previsto na RN 309/2012? A cláusula contratual deverá conter a metodologia de cálculo do percentual de reajuste, bem como a fórmula ou outro meio adotado para se calcular o percentual de reajuste, de forma clara e inequívoca. Deverá estar prevista ainda a quantidade de beneficiários adotada para a formação do agrupamento e as eventuais segmentações do agrupamento. Cabe destacar que deverá ainda estar previsto no contrato o critério de reajuste para os casos em que o contrato não faça parte do agrupamento É possível segmentar o agrupamento de contratos para o cálculo de reajustes diferenciados? Sim, o agrupamento de contratos poderá ser desmembrado em até 3 (três) sub-agrupamentos, separados pelo tipo de cobertura. Assim, poderá ocorrer a aplicação de até 3 (três) percentuais de reajuste diferentes, um para cada sub-agrupamento. Os sub-agrupamentos deverão estar expressamente estabelecidos nas cláusulas contratuais e serão definidos de acordo com a segmentação assistencial do plano ao qual o contrato está vinculado, da seguinte forma:

3 - Sem internação: engloba os planos de segmentação assistencial ambulatorial e ambulatorial + odontológico ; - Internação sem obstetrícia: engloba os planos que possuam segmentação assistencial hospitalar sem obstetrícia, hospitalar sem obstetrícia + odontológico, ambulatorial + hospitalar sem obstetrícia e ambulatorial + hospitalar sem obstetrícia + odontológico ; e - Internação com obstetrícia: engloba os planos que possuam segmentação assistencial hospitalar com obstetrícia, hospitalar com obstetrícia + odontológico, ambulatorial + hospitalar com obstetrícia, ambulatorial + hospitalar com obstetrícia + odontológico, e referência Considerando que a quantidade de beneficiários em um contrato varia no decorrer do tempo, de que forma deverá ser feita a sua apuração? A RN nº 309/2012 estabelece que a apuração da quantidade de beneficiários deverá ser feita uma vez por ano, no mês de aniversário de cada contrato ou no momento da contratação (este último caso apenas se o contrato ainda não tiver feito aniversário). A quantidade de beneficiários em um contrato é dinâmica e será revista anualmente, mas as variações de quantidade nos meses subsequentes ao momento de sua contratação ou ao mês de seu aniversário não irão interferir no agrupamento do contrato. IMPORTANTE: A RN nº 309/2012 determina como regra de transição que a primeira apuração da quantidade de beneficiários deverá ser feita no mês de janeiro de 2013 e não no aniversário de cada contrato, de modo a possibilitar a aplicação do reajuste no período de maio de 2013 a abril de Como deve ser feito o cálculo do reajuste do agrupamento de contratos? Para o cálculo do percentual de reajuste, deverão ser consideradas as informações econômico-financeiras dos contratos coletivos que fazem parte do agrupamento. A metodologia para cálculo do reajuste do agrupamento de contratos é de livre estabelecimento pela operadora. A metodologia, a fórmula ou outro meio adotado para se calcular o percentual de reajuste devem constar nos contratos de forma clara e inequívoca É possível haver redução no percentual de reajuste a ser aplicado ao agrupamento de contratos? O percentual do reajuste calculado para o agrupamento de contratos deverá ser único, sendo vedado qualquer tipo de variação ou desconto, e deverá ser aplicado a todos os contratos do agrupamento. Portanto, caso a operadora opte por não aplicar integralmente o percentual apurado, deverá fazê-lo para todos os contratos que componham o agrupamento Por quanto tempo o percentual de reajuste calculado fica vigente? O percentual de reajuste calculado ficará vigente durante o período de maio a abril subsequente, devendo ser aplicado aos contratos aniversariantes neste período. IMPORTANTE: O primeiro reajuste nos termos da RN nº 309/2012 deverá ser aplicado no período de maio de 2013 a abril de Será necessária a autorização prévia da ANS para a aplicação do reajuste? Para a aplicação do reajuste ao agrupamento de contratos, não será necessária a autorização prévia da ANS, contudo a ANS poderá solicitar, a qualquer tempo, a metodologia e os dados utilizados pela operadora no cálculo do reajuste do agrupamento para a verificação do percentual aplicado De que forma irá ocorrer a aplicação do reajuste do agrupamento de contratos? O reajuste do agrupamento de contratos deverá ser aplicado anualmente, no período de maio a abril subsequente, no mês de aniversário dos contratos que possuíam quantidade de beneficiários inferior à

4 estabelecida para a formação do agrupamento na data de seu aniversário imediatamente anterior ao período de aplicação ou no momento de sua contratação (este último caso apenas se o contrato ainda não tiver feito aniversário). Exemplo: Um contrato possui 25 beneficiários no mês de seu aniversário, em janeiro, e irá integrar o agrupamento de contratos. Em fevereiro, esse contrato passa a ter 32 beneficiários, mas permanece agregado ao agrupamento para fins de reajuste. No mês de janeiro do ano seguinte esse contrato possui 37 beneficiários: ele irá receber o reajuste calculado para o agrupamento, porém não irá integrar o agrupamento de contratos nos próximos 12 meses Os contratos que integraram o agrupamento para fins de cálculo do reajuste irão necessariamente receber o percentual apurado a partir deste cálculo? Não necessariamente. O período de 12 meses para formar a base de cálculo do reajuste do agrupamento será definido pela operadora e poderá considerar contratos que não irão receber o reajuste, ou até mesmo não considerar contratos que serão reajustados com o percentual do agrupamento. Isso ocorre porque o período de aplicação do reajuste do agrupamento vai de maio a abril subsequente, não sendo coincidente com o período-base para cálculo do reajuste, tendo em vista o tempo necessário para o cálculo do reajuste após a apuração dos contratos. Exemplo: Período-base para cálculo do reajuste: março/2014 a fevereiro/2015. Mês de cálculo do reajuste: março/2015. Período de aplicação do reajuste: maio/2015 a abril/2016. Contratos que irão receber o reajuste calculado: contratos que possuíam quantidade de beneficiários inferior à estabelecida para a formação do agrupamento no período de maio/2014 a abril/2015. Assim sendo: agrupamento em janeiro/2015 compôs a base de cálculo do reajuste e irá receber o reajuste calculado no aniversário seguinte (janeiro/2016). agrupamento em março/2015 não compôs a base de cálculo do reajuste, porém irá receber o reajuste calculado no aniversário seguinte (março/2016). agrupamento em março/2014 compôs a base de cálculo do reajuste, porém não irá receber o reajuste calculado no aniversário seguinte (março/2015). Neste caso, o reajuste a ser aplicado será o que esteve vigente para o período anterior (maio/2014 a abril/2015) A partir de quando a RN 309/2012 passa a vigorar? Existe alguma regra de transição? A RN 309/2012 entrou em vigor no dia 25/10/2012, data de sua publicação. Há uma regra que será aplicável somente para o primeiro reajuste: a apuração da quantidade de beneficiários não será feita no aniversário de cada contrato e sim no mês de janeiro de Essa regra de transição tem objetivo de possibilitar que o primeiro reajuste com as regras do agrupamento já seja aplicado a partir de maio de Como deverá ser feita a divulgação do percentual de reajuste a ser aplicado ao agrupamento de contratos? A operadora deverá divulgar o percentual de reajuste em seu endereço eletrônico na internet no primeiro dia útil do mês de maio de cada ano, e mantê-lo divulgado sem limite de tempo, devendo também identificar os contratos que receberão o reajuste e seus respectivos planos. Além disso, a operadora deverá observar a obrigação de informar o percentual aplicado por meio do boleto e da fatura de cobrança, conforme estabelece a RN n.º 171/2008.

5 24 - É necessária a comunicação à ANS dos reajustes do agrupamento de contratos por meio do sistema RPC? Sim, a operadora deverá observar os normativos que disciplinam os comunicados de reajustes de planos coletivos, enviados à ANS por meio do sistema RPC A regra do agrupamento de contratos aplica-se às administradoras de benefícios? Sim, a RN 309/2012 aplica-se às administradoras de benefícios. No caso em que a administradora é a estipulante do contrato com a operadora, para a apuração da quantidade de beneficiários, a operadora deverá levar em conta todos os beneficiários vinculados ao contrato com a administradora de benefícios (somar). Em se tratando de administradora de benefícios na condição de prestadora de serviços para a pessoa jurídica contratante, para a apuração da quantidade de beneficiários, a operadora deverá levar em conta os beneficiários vinculados a cada contrato firmado. Exemplo: Uma administradora possui dois contratos com a operadora. No contrato A, a administradora atua como estipulante. A este contrato estão vinculadas duas pessoas jurídicas distintas: Empresa X com 20 beneficiários e Empresa Y com 15 beneficiários. Nesse caso, o contrato não fará parte do agrupamento da operadora, uma vez que possui um total de 35 beneficiários. No contrato B, esta mesma administradora atua como prestadora de serviços para a Empresa Z, com 25 beneficiários. Nesse caso, o contrato fará parte do agrupamento da operadora. Exemplo: Uma pessoa jurídica firma um contrato com uma operadora contratando dois planos, um com acomodação coletiva em que se vinculam 20 beneficiários e outro com acomodação individual em que se vinculam 15 beneficiários. Nesse caso, o contrato não fará parte do agrupamento, uma vez que possui um total de 35 beneficiários O agrupamento de contratos coletivos aplica-se às autogestões? Sim, a RN 309/2012 aplica-se às autogestões, que deverão formar agrupamentos para fins de reajuste caso possuam contratos coletivos com menos de 30 beneficiários As disposições da RN 309/2012 afetam o reajuste de ex-empregados que exerceram o direito previsto nos artigos 30 e 31 da Lei 9.656/98? As regras para o reajuste das mensalidades dos ex-empregados demitidos ou exonerados sem justa causa ou aposentados, que exerceram o direito previsto nos artigos 30 e 31 da Lei 9.656/98 estão dispostas na Resolução Normativa nº 279/2011. Neste contexto, é necessário destacar que foram estabelecidas duas forma para o exercício do direito previsto nos artigos 30 e 31 da Lei 9.656/98, a saber: a) manutenção dos ex-empregados no mesmo plano dos empregados ativos Neste caso, as condições de reajuste da mensalidade dos ex-empregados são equivalentes às da contraprestação dos empregados ativos, ou seja, o percentual de aumento aplicado para os ex-empregados será igual ao dos empregados ativos. Portanto, neste caso, se o total de beneficiários, empregados ativos e exempregados, em um contrato for inferior a 30, este deverá compor o agrupamento de contratos coletivos previsto na RN 309/2012. b) contratação de plano exclusivo para os ex-empregados Neste caso, as condições de reajuste da mensalidade do ex-empregado poderão ser diferentes das dos empregados ativos. A Resolução Normativa nº 279/11 determinou que a carteira dos planos privados de assistência à saúde de ex-empregados de uma operadora deverá ser tratada de forma unificada para fins de apuração de reajuste, estabilizando e equilibrando a distribuição do risco numa massa maior de beneficiários. Assim sendo, para esta modalidade, não há interseção entre os agrupamentos de contratos

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 309, DE 24 DE OUTUBRO DE 2012 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 309, DE 24 DE OUTUBRO DE 2012 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº 309, DE 24 DE OUTUBRO DE 2012 Dispõe sobre o agrupamento de contratos coletivos de planos privados de assistência à saúde para fins de cálculo e aplicação de reajuste. [correlações]

Leia mais

NIP Não Assistencial

NIP Não Assistencial NIP Não Assistencial Beneficiário NIP Operadoras ANS Objetivos da apresentação Temas que são analisados no âmbito da NIP não assistencial Identificação dos elementos e documentos necessários nas respostas

Leia mais

Questionamentos sobre a Resolução Normativa n o 279, de 2011

Questionamentos sobre a Resolução Normativa n o 279, de 2011 Questionamentos sobre a Resolução Normativa n o 279, de 2011 Direito de manutenção da condição de beneficiário para ex-empregados demitidos ou exonerados sem justa causa e aposentados 1 - Em relação à

Leia mais

Jogada Certa. Ampliando conhecimentos sobre Saúde Suplementar

Jogada Certa. Ampliando conhecimentos sobre Saúde Suplementar Jogada Certa Ampliando conhecimentos sobre Saúde Suplementar Verdadeiro ou Falso Dados da Saúde Suplementar De acordo com os dados do IBGE, do ano de 2013, o Brasil ultrapassou o número de 200 milhões

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR ANS EXTRATO DO TERMO DE COMPROMISSO Nº 015/2009

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR ANS EXTRATO DO TERMO DE COMPROMISSO Nº 015/2009 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR ANS EXTRATO DO TERMO DE COMPROMISSO Nº 015/2009 Nº processo: 33902.047589/2009-41 Espécie: termo de compromisso celebrado entre a pessoa jurídica

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 47, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 47, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 47, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014 Altera a Instrução Normativa - IN n.º 13, de 21 de junho de 2006, da Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos - DIPRO, que define os procedimentos

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE PLANO COLETIVO EMPRESARIAL CONTRATADA CLASSIFICAÇÃO: COOPERATIVA MÉDICA REG. ANS N 34.

TERMO ADITIVO A CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE PLANO COLETIVO EMPRESARIAL CONTRATADA CLASSIFICAÇÃO: COOPERATIVA MÉDICA REG. ANS N 34. TERMO ADITIVO A CONTRATO DE PLANO DE SAÚDE Cuiabá PLANO COLETIVO EMPRESARIAL CONTRATADA EMPRESA: UNIMED CUIABÁ COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO CLASSIFICAÇÃO: COOPERATIVA MÉDICA REG. ANS N 34.208-4 CGC:

Leia mais

Instrumento de Comercialização de Planos de Saúde

Instrumento de Comercialização de Planos de Saúde De 30 à 99 vidas Sem Coparticipação 1. DAS PARTES: 1.1. Celebra(m) o presente instrumento, na qualidade de CONTRATANTE(S), a(s) pessoa(s) jurídica(s) abaixo qualificada(s): RAZÃO SOCIAL: NOME FANTASIA:

Leia mais

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde

Manual de Orientação para contratação de planos de saúde Manual de Orientação para contratação de planos de saúde nós somos a casembrapa Funcionamento de um plano de autogestão: Somos uma operadora de saúde de autogestão. Uma entidade sem fins lucrativos, mantida

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, Dispõe sobre a reavaliação e a renegociação dos contratos em vigor e das licitações em curso, no âmbito dos órgãos e entidades da Administração Pública Estadual. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso

Leia mais

não haja prévia comunicação pública, em contrário, pela Vivo, apenas nas

não haja prévia comunicação pública, em contrário, pela Vivo, apenas nas REGULAMENTO Vivo Fixo, Combos 2 em 1 Válido para todos os Estados do Brasil, exceto SP. Antes de participar da Promoção, o usuário deve ler o presente Regulamento e, participando da Promoção, concordará

Leia mais

-Médico. -Advogado. -Contador

-Médico. -Advogado. -Contador -Médico Poderão ser considerados beneficiários titulares, todos os médicos e acadêmicos de Medicina associados à Associação Baiana de Medicina (ABM) em dia com suas obrigações junto ao ABM BA e desde que

Leia mais

PROMOÇÃO BOX SERCOMTEL AO AR LIVRE REGULAMENTO

PROMOÇÃO BOX SERCOMTEL AO AR LIVRE REGULAMENTO PROMOÇÃO BOX SERCOMTEL AO AR LIVRE REGULAMENTO A Promoção Box da S.A Telecomunicações e Internet, doravante denominadas apenas, oferecem descontos promocionais pela contratação conjunta de um plano de

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA COMBO REDECARD E ITAÚ ( Regulamento )

REGULAMENTO DA CAMPANHA COMBO REDECARD E ITAÚ ( Regulamento ) REGULAMENTO DA CAMPANHA COMBO REDECARD E ITAÚ ( Regulamento ) I. OBJETIVOS DA CAMPANHA: 1.1. Por meio desse Regulamento, Itaú Unibanco S.A. ( Itaú ) e Redecard S.A. ( Redecard ) pretendem criar uma campanha

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 748, DE 2 JULHO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº 748, DE 2 JULHO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº 748, DE 2 JULHO DE 2015. Disciplina o pagamento do Abono Salarial referente ao exercício de 2015/2016. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador - CODEFAT, no uso das atribuições

Leia mais

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016.

INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016. INSTRUÇÃO CONJUNTA Nº. 2, DE XXX DE XXXXXXXXXX DE 2016. Estabelece as regras a serem observadas pelas sociedades seguradoras e entidades fechadas de previdência complementar para transferência de riscos

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº XXXX, DE XX DE XXXXXX DE 2015

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº XXXX, DE XX DE XXXXXX DE 2015 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN Nº XXXX, DE XX DE XXXXXX DE 2015 Dispõe sobre o atendimento das Operadoras de Planos Privados de Assistência à Saúde Operadoras às solicitações de garantia de cobertura assistencial

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO. Considerando a necessidade de não prejudicar o equilíbrio econômicofinanceiro

ESTADO DE SÃO PAULO. Considerando a necessidade de não prejudicar o equilíbrio econômicofinanceiro DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 577 Dispõe sobre ajuste provisório dos valores das Margens de Distribuição, atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte, sobre o repasse das variações dos preços do

Leia mais

Informações sobre Beneficiários, Operadoras e Planos

Informações sobre Beneficiários, Operadoras e Planos Gerência de Produção de Informação GEPIN/GGSIS/DIDES Informações sobre Beneficiários, Operadoras e Planos DADOS DO SETOR EDIÇÃO: JUNHO/2005 COMPETÊNCIA: MARÇO/2005 O Caderno de Informações de Beneficiários,

Leia mais

Audiência Pública 035/2005

Audiência Pública 035/2005 Audiência Pública 035/2005 Contratação de Energia Elétrica para Consumidores Livres O Ambiente de Livre Contratação 18,5% da Energia Elétrica consumida no Brasil Comercialização de produtos customizados

Leia mais

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO Contrato de Seguro Processo SUSEP Nº 15414.003063/2009-70 COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DO BRASIL - CNPJ: 28.196.889/0001-43 Serviço de Atendimento aos Clientes (SAC): 0800 729

Leia mais

Resolução nº 5063, de 30 de março de 2016

Resolução nº 5063, de 30 de março de 2016 Altera a Resolução nº 233 de 25/06/2003 Altera a Resolução nº 3075 de 26/03/2009 Altera a Resolução nº 4282 de 17/02/2014 Resolução nº 5063, de 30 de março de 2016 Dispõe sobre procedimentos a serem observados

Leia mais

FICHAS TÉCNICAS INDICADORES DOS INDICADORES DO ÍNDICE DE RECLAMAÇÃO

FICHAS TÉCNICAS INDICADORES DOS INDICADORES DO ÍNDICE DE RECLAMAÇÃO FICHAS TÉCNICAS INDICADORES DOS INDICADORES DO ÍNDICE DE RECLAMAÇÃO 1) ÍNDICE GERAL DE RECLAMAÇÕES (IGR) Conceito Número médio de reclamações de beneficiários de planos privados de saúde, que recorreram

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO. Considerando a Deliberação ARSESP N o 308, de 17 de fevereiro de

ESTADO DE SÃO PAULO. Considerando a Deliberação ARSESP N o 308, de 17 de fevereiro de ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 650 Dispõe sobre ajuste provisório dos valores das Margens de Distribuição, atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte, sobre o repasse das variações

Leia mais

Alteração item I.2, III e IV Oferta prorrogada até 31/07/2011 PROMOÇÃO VIVO SMARTPHONE: INTERNET, VIVO VOCE E VANTAGENS REGULAMENTO

Alteração item I.2, III e IV Oferta prorrogada até 31/07/2011 PROMOÇÃO VIVO SMARTPHONE: INTERNET, VIVO VOCE E VANTAGENS REGULAMENTO Alteração item I.2, III e IV Oferta prorrogada até 31/07/2011 PROMOÇÃO VIVO SMARTPHONE: INTERNET, VIVO VOCE E VANTAGENS REGULAMENTO Vivo SP I. DISPOSIÇÕES GERAIS DA PROMOÇÃO I.1. Descrição Geral A Promoção

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR004199/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/09/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR043608/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.012090/2013-10 DATA DO PROTOCOLO: 25/09/2013 ACORDO COLETIVO

Leia mais

a) prazo máximo de trezentos dias para partos a termo;

a) prazo máximo de trezentos dias para partos a termo; Curso de Extensão Projeto Conhecimento sem Fronteiras Direito do Consumidor e os Planos de Saúde Titulo V Das Carências dos Planos de Saúde Capítulo I Carências Gerais Todo e qualquer plano de saúde obrigatoriamente

Leia mais

GRUPO ATUARIAL. 1. A Norma Derivada nº 11 afeta a Gestão da OPS ou da Prestação de Serviço? Quais os complementos e limites recomendados?

GRUPO ATUARIAL. 1. A Norma Derivada nº 11 afeta a Gestão da OPS ou da Prestação de Serviço? Quais os complementos e limites recomendados? GRUPO ATUARIAL 1. A Norma Derivada nº 11 afeta a Gestão da OPS ou da Prestação de Serviço? Quais os complementos e limites recomendados? Frente aos parâmetros atuais, quais sejam: I Falta ou insuficiência

Leia mais

SulAmérica Saúde - PME (de 03 a 29 vidas) Proposta de Seguro

SulAmérica Saúde - PME (de 03 a 29 vidas) Proposta de Seguro SulAmérica Saúde - PME (de 03 a 29 vidas) Proposta de Seguro Regra Flex: Sim Não - Nº da proposta de Odonto: 01-Razão Social Proposta nº: Contrato nº: 02-Nome Fantasia 03-Dados Bancários da Empresa (preenchimento

Leia mais

PLANO DE SERVIÇO TV POR ASSINATURA CONEXÃO

PLANO DE SERVIÇO TV POR ASSINATURA CONEXÃO PLANO DE SERVIÇO TV POR ASSINATURA CONEXÃO 1. Aplicação Plano de Serviço Este Plano de Serviço de TV é aplicável a autorizatária Claro S/A (Sucessora por incorporação da Net Serviços de Comunicação S/A),

Leia mais

FEDERAÇÃO E ÚNICA DOS PET ROLEIROS R O Filiada à

FEDERAÇÃO E ÚNICA DOS PET ROLEIROS R O Filiada à PAUTA DO SISTEMA PETROBRÁS TERMO ADITIVO AO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013-2014, REAJUSTANDO CLÁUSULAS E CONDIÇÕES PARA VIGÊNCIA A PARTIR DE 1º DE SETEMBRO DE 2014. CLÁUSULA 1ª - REAJUSTE SALARIAL Em

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS DE INVESTIMENTO NO VAREJO

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS DE INVESTIMENTO NO VAREJO CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS DE INVESTIMENTO NO VAREJO DIRETRIZES PARA ENVIO DE INFORMAÇÕES À BASE DE DADOS DATA VIGÊNCIA: 17/12/2014 CAPÍTULO I -

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO PA nº 276 Longa Distância Brasil II

PLANO ALTERNATIVO PA nº 276 Longa Distância Brasil II A. Empresa: Telefônica Brasil S.A. PLANO ALTERNATIVO PA nº 276 Longa Distância Brasil II B. Nome do Plano: Técnico: Longa Distância Brasil II Comercial: a definir C. Identificação para a Anatel: Plano

Leia mais

Saúde Ocupacional e Regulamentação dos Planos de Saúde

Saúde Ocupacional e Regulamentação dos Planos de Saúde Saúde Ocupacional e Regulamentação dos Planos de Saúde Regulamentação dos planos Resolução CONSU 10 Art. 2º, 2º Nos contratos de planos coletivos, não é obrigatória a cobertura para os procedimentos relacionados

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 239, de 22 de dezembro de 2003(*)

CIRCULAR SUSEP N o 239, de 22 de dezembro de 2003(*) CIRCULAR SUSEP N o 239, de 22 de dezembro de 2003(*) Altera e consolida as normas que dispõem sobre o pagamento de prêmios relativos a contratos de seguros de danos. O SUPERINTENDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BENEFÍCIOS CLUBE FECOMÉRCIO PR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BENEFÍCIOS CLUBE FECOMÉRCIO PR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BENEFÍCIOS CLUBE FECOMÉRCIO PR Com base no presente regulamento fica instituído o programa de benefícios CLUBE FECOMÉRCIO PR, cuja finalidade é conceder descontos e vantagens

Leia mais

CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO/GALEÃO

CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO/GALEÃO CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO ANEXO 6 DO CONTRATO DE CONCESSÃO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO ANTÔNIO CARLOS JOBIM MODELOS E CONDIÇÕES MÍNIMAS PARA

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 340

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 340 ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 340 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Margens de Distribuição, atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte e sobre o repasse das variações

Leia mais

Termo de Acordo Gratuito Conceito:. (

Termo de Acordo Gratuito Conceito:. ( Aliança Termo de Acordo Gratuito: Conceito: Acordo cuja execução não envolve transferência de recursos entre os partícipes. (Portaria Interministerial MP/MF/CGU nº 127, de 29 de maio de 2008, com fundamento

Leia mais

Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil. ArcelorMittal Brasil

Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil. ArcelorMittal Brasil Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil ArcelorMittal Brasil 1 Porque ter um Plano de Previdência Complementar? 2 O Novo Programa de Previdência Complementar ArcelorMittal Brasil Conheça

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012

NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 NOTA TÉCNICA Nº 0011/2012 Brasília, 26 de junho de 2012. ÁREA: TÍTULO: Contabilidade Pública Restos a Pagar Considerando que, de acordo com o art. 42 da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é vedado ao

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE AJ USTE DE CONDUTA Nº 001/2003

TERMO DE COMPROMISSO DE AJ USTE DE CONDUTA Nº 001/2003 TERMO DE COMPROMISSO DE AJ USTE DE CONDUTA Nº 001/2003 Pelo presente instrumento, por um lado a Agência Nacional de Saúde Suplementar, pessoa jurídica de direito público, autarquia especial vinculada ao

Leia mais

Regime de Tributação de Imposto de Renda

Regime de Tributação de Imposto de Renda Apresentação O INFRAPREV elaborou esta cartilha com o objetivo de orientar o participante na escolha do regime de tributação quando do ingresso no seu Plano de Contribuição Variável. Com a publicação da

Leia mais

Disciplina o pagamento do Abono Salarial referente ao exercício de 2016/2017.

Disciplina o pagamento do Abono Salarial referente ao exercício de 2016/2017. Resolução CODEFAT nº 748, de 29.06.2016 - DOU de 01.07.2016 Disciplina o pagamento do Abono Salarial referente ao exercício de 2016/2017. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador - CODEFAT,

Leia mais

1ª Reunião da CT sobre Monitoramento do Relacionamento entre OPS e Prestadores. Rio de Janeiro, 10/09/2013

1ª Reunião da CT sobre Monitoramento do Relacionamento entre OPS e Prestadores. Rio de Janeiro, 10/09/2013 1ª Reunião da CT sobre Monitoramento do Relacionamento entre OPS e Prestadores Rio de Janeiro, 10/09/2013 Agenda Organização e Escopo da CT Conceitos Novo Monitoramento Encaminhamentos 2 Organização: Organização

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.975/2011 (Publicada no D.O.U. de 29 de julho de 2011, Seção I, p. 336-337) Revogada pela Resolução CFM nº 1979/2011 Fixa os valores das anuidades e taxas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3211. 1º As contas de depósitos de que trata este artigo:

RESOLUÇÃO Nº 3211. 1º As contas de depósitos de que trata este artigo: RESOLUÇÃO Nº 3211 Altera e consolida as normas que dispõem sobre a abertura, manutenção e movimentação de contas especiais de depósitos à vista e de depósitos de poupança. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço

Confira a autenticidade no endereço CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000143/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/02/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR084428/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46271.000069/2016-10 DATA

Leia mais

Pagamento de complemento de salário-maternidade, considerando que este valor deve ser deduzido da guia de INSS, pois é pago pelo INSS.

Pagamento de complemento de salário-maternidade, considerando que este valor deve ser deduzido da guia de INSS, pois é pago pelo INSS. Complemento Salarial Licença Maternidade Abaixo estão descritas as regras do sistema para cálculo do complemento de salário-maternidade, no complemento salarial e na rescisão complementar por Acordo/Convenção/Dissídio:

Leia mais

Referências econômico-financeiras. Orientações sobre garantias financeiras e ativos garantidores

Referências econômico-financeiras. Orientações sobre garantias financeiras e ativos garantidores Referências econômico-financeiras Orientações sobre garantias financeiras e ativos garantidores 1 Índice: I. Objetivos 3 II. Lastro e Vinculação 4 III. Saldo de Ativos Garantidores para Provisão de Risco

Leia mais

TERMO ADITIVO ao Contrato Particular de Plano de Saúde (nome do plano) Reg. ANS nº (nº produto).

TERMO ADITIVO ao Contrato Particular de Plano de Saúde (nome do plano) Reg. ANS nº (nº produto). TERMO ADITIVO ao Contrato Particular de Plano de Saúde (nome do plano) Reg. ANS nº (nº produto). CONTRATADA: UNIMED MURIAÉ COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO LTDA., inscrita no CNPJ/MF nº 25.971.433/0001-15,

Leia mais

Salário e Remuneração

Salário e Remuneração 1 1 - Salário e Remuneração 1.1 Salário 1.2 Remuneração 1.3 Gorjetas 1.4 - Formas de pagamento 1.4.1 - Salário por tempo 1.4.2 - Salário por produção 1.4.3 - Salário por tarefa 1.5 - Dia do pagamento 1.6

Leia mais

OUROCAP ESTILO PRÊMIO SITE NA INTERNET : CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL GLOSSÁRIO

OUROCAP ESTILO PRÊMIO SITE NA INTERNET :  CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL GLOSSÁRIO OUROCAP ESTILO PRÊMIO SITE NA INTERNET : www.brasilcap.com CONDIÇÕES GERAIS MODALIDADE TRADICIONAL GLOSSÁRIO Subscritor - é a pessoa que subscreve a proposta de aquisição do Título, assumindo o compromisso

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 421

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 421 ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 421 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Margens de Distribuição, atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte e sobre o repasse das variações

Leia mais

PAUTA DO ACORDO COLETIVO 2016/2017 DA CONCESSIONÁRIA INFRAMÉRICA S.G. DO AMARANTE.

PAUTA DO ACORDO COLETIVO 2016/2017 DA CONCESSIONÁRIA INFRAMÉRICA S.G. DO AMARANTE. PAUTA DO ACORDO COLETIVO 2016/2017 DA CONCESSIONÁRIA INFRAMÉRICA S.G. DO AMARANTE. Considerando, suas funções institucionais, e a constante luta pela melhoria das condições gerais de trabalho, o Sindicato

Leia mais

GUIA DE DÚVIDAS E RESPOSTAS

GUIA DE DÚVIDAS E RESPOSTAS GUIA DE DÚVIDAS E RESPOSTAS 1) Qual o procedimento para aderir ao Débito Automático, para operações novas? A concessionária deverá acessar o Portal e seguir os passos abaixo: 1º) Cadastrar uma operação

Leia mais

REGULAMENTO TIM LIBERTY WEB

REGULAMENTO TIM LIBERTY WEB REGULAMENTO TIM LIBERTY WEB O plano TIM Liberty Web é composto por seis pacotes para utilização em computadores, notebooks ou tablets com as seguintes características. Pacote de dados Volume de Valor do

Leia mais

Relatório pós Consulta Pública nº 41 Regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei 9.656/98.

Relatório pós Consulta Pública nº 41 Regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei 9.656/98. Relatório pós Consulta Pública nº 41 Regulamentação dos artigos 30 e 31 da Lei 9.656/98. Encerrou-se no dia 02 de junho a Consulta Pública nº 41, criada pela Agência Nacional de Saúde Suplementar, para

Leia mais

CAMPANHA CELSO LISBOA JORNAL EXTRA REGULAMENTO

CAMPANHA CELSO LISBOA JORNAL EXTRA REGULAMENTO CAMPANHA CELSO LISBOA JORNAL EXTRA REGULAMENTO 1. Esta campanha é uma promoção realizada em parceria pela INFOGLOBO COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A. (Infoglobo), empresa sediada na capital do estado do

Leia mais

FORMULÁRIO DE COMENTÁRIOS E SUGESTÕES CONSULTA PÚBLICA N 18/2011

FORMULÁRIO DE COMENTÁRIOS E SUGESTÕES CONSULTA PÚBLICA N 18/2011 FORMULÁRIO DE COMENTÁRIOS E SUGESTÕES CONSULTA PÚBLICA N 18/2011 NOME: MPX ENERGIA S.A. ( ) representante órgão de classe ou associação ( ) representante de instituição governamental ( ) representante

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CARTA - CIRCULAR Nº 35/2006 Rio de Janeiro, 25 de agosto de 2006

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CARTA - CIRCULAR Nº 35/2006 Rio de Janeiro, 25 de agosto de 2006 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CARTA - CIRCULAR Nº 35/2006 Rio de Janeiro, 25 de agosto de 2006 Ref.: Linha de Financiamento BNDES-exim Pré-embarque Automóveis. Ass.: Alteração

Leia mais

COMUNICADO. Resolução Normativa 309/2012 ANS

COMUNICADO. Resolução Normativa 309/2012 ANS COMUNICADO Resolução Normativa 309/2012 ANS Divulgação do Reajuste Único Apurado para o Agrupamento dos Contratos Coletivos com até 29 beneficiários. A INTERMEDICI vem comunicar que por força da RN nº

Leia mais

Município de Carapicuiba Estado de São Paulo

Município de Carapicuiba Estado de São Paulo DECRETO Nº 4.323, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2.013. Institui o calendário de recolhimento dos tributos do Município de Carapicuíba (CATRIM), fixa o índice de atualização monetária dos créditos tributários municipais

Leia mais

PROMOÇÃO VIVO CONTROLE MÓVEL COM CARTÃO DE CRÉDITO

PROMOÇÃO VIVO CONTROLE MÓVEL COM CARTÃO DE CRÉDITO PROMOÇÃO VIVO CONTROLE MÓVEL COM CARTÃO DE CRÉDITO DISPOSIÇÕES GERAIS DA PROMOÇÃO 1.1. A promoção Vivo Controle Móvel no Cartão de Crédito é realizada pela Telefônica Brasil S/A, que oferece os benefícios

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR MAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CAP FIADOR MAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR MAIS. SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CAP FIADOR MAIS CONDIÇÕES GERAIS DO CAP FIADOR MAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Brasilcap Capitalização S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 CAP FIADOR MAIS MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900427/2013-48

Leia mais

Resposta: O item 7.1.2 do Termo de Referência prevê o seguinte:

Resposta: O item 7.1.2 do Termo de Referência prevê o seguinte: Pedido de Esclarecimento 2 Edital de Reabertura do Credenciamento nº 01/2015 1. O item 5.1 do Edital estabelece que os interessados no credenciamento deverão entregar toda a documentação de habilitação,

Leia mais

Resolução Normativa nº279. Aposentados e Demitidos

Resolução Normativa nº279. Aposentados e Demitidos Resolução Normativa nº279 Aposentados e Demitidos Retrospectiva Lei nº 9656/98 Demitidos Art. 30 - Ao consumidor que contribuir para produtos de Planos Privados de Assistência à Saúde, em decorrência de

Leia mais

Seleção: Dinâmica de Grupo com as Diretorias acontecerá no dia 16 de abril 2016, de 09h ás 12h. Local: FS- Faculdade de Ciências da Saúde.

Seleção: Dinâmica de Grupo com as Diretorias acontecerá no dia 16 de abril 2016, de 09h ás 12h. Local: FS- Faculdade de Ciências da Saúde. PROCESSO SELETIVO 1/2016 PARA PROGRAMA TRAINEE TERAPEUTICA JR. A Terapêutica Empresa Júnior de Farmácia da Universidade de Brasília faz saber que estão abertas as inscrições para candidatos ao Processo

Leia mais

Coordenação de Recursos Humanos

Coordenação de Recursos Humanos Coordenação de Recursos Humanos NORMA INTERNA DE MOVIMENTAÇÃO DE PESSOAL 2ª versão A Norma Interna de Movimentação de Pessoal da Associação Saúde da Família ASF estabelece critérios e procedimentos para

Leia mais

Para iniciantes os primeiros 90 dias:

Para iniciantes os primeiros 90 dias: CIRCULAR CONJUNTA CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DATA BASE - NOVEMBRO DE 2013 O SINDICATO DA INDÚSTRIA DE PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA DE RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO, celebrou com os SINDICATOS DOS TRABALHADORES

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES

MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES MANUAL DE APOSENTADORIA DEFINIÇÕES / INFORMAÇÕES A PREVIDÊNCIA SOCIAL É uma forma de seguro coletivo de caráter contributivo em que todos contribuem com uma parcela de seu salário e de filiação obrigatória.

Leia mais

Considerando a Lei nº. 14.653, de 22 de dezembro de 2011, que instituiu o regime de Previdência Complementar do Estado de São Paulo;

Considerando a Lei nº. 14.653, de 22 de dezembro de 2011, que instituiu o regime de Previdência Complementar do Estado de São Paulo; Instrução SP-PREVCOM / TJ nº 04/2013. Considerando a Lei nº. 14.653, de 22 de dezembro de 2011, que instituiu o regime de Previdência Complementar do Estado de São Paulo; A Fundação de Previdência Complementar

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 422

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 422 DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 422 Dispõe sobre o reajuste dos valores das Margens de Distribuição, atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte, sobre o repasse das variações dos preços do Gás e

Leia mais

MPS. Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde ANEXO I SÃO PAULO ANS N 31004-2 PLANOS ODONTOLÓGICOS

MPS. Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde ANEXO I SÃO PAULO ANS N 31004-2 PLANOS ODONTOLÓGICOS MPS ANEXO I Manual de Orientação para Contratação de Planos de Saúde ANS N 31004-2 SÃO PAULO PLANOS ODONTOLÓGICOS 1 ANEXO I UNIODONTO DE SÃO PAULO SÃO PAULO PLANOS ODONTOLÓGICOS CNPJ: 51.701.878/0001-95

Leia mais

REGIMENTO INTERNO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DA PESQUISA DO CNM

REGIMENTO INTERNO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DA PESQUISA DO CNM 1 REGIMENTO INTERNO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DA PESQUISA DO CNM DISPÕE SOBRE A PROPOSIÇÃO, ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE PESQUISA NO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

REGULAMENTO Promoção Banda Larga + Internet Vivo

REGULAMENTO Promoção Banda Larga + Internet Vivo REGULAMENTO Promoção Banda Larga + Internet Vivo TELEFÔNICA BRASIL S/A, com sede na Rua Martiniano de Carvalho, nº 851, São Paulo/SP, e inscrita no CNPJ/MF sob o nº 02.558.157/0001-62, doravante denominada

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO. Versão 1.0 Dezembro 2015

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO. Versão 1.0 Dezembro 2015 PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO Versão 1.0 Dezembro 2015 Índice 1. Objetivo... 2 2. Campo de aplicação... 2 3. Documentos de referência... 2 4. Qualificação de verificadores

Leia mais

Contrato de Swap Cambial com Ajuste Periódico Baseado em Operações Compromissadas de Um Dia

Contrato de Swap Cambial com Ajuste Periódico Baseado em Operações Compromissadas de Um Dia Contrato de Swap Cambial com Ajuste Periódico Baseado em Operações Compromissadas de Um Dia Especificações 1. Definições Contrato (especificações): Contrato negociado: Posição Atualizada do Dia: Ponta

Leia mais

Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União

Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União Perguntas e respostas sobre a instituição do Regime de Previdência Complementar para os servidores públicos da União 1) O que é o Regime de Previdência Complementar? É um dos regimes que integram o Sistema

Leia mais

(iii) Ofereçam opção de resgate nos próximos 30 dias; que a não permissão de resgate acarreta riscos reputacionais à instituição;

(iii) Ofereçam opção de resgate nos próximos 30 dias; que a não permissão de resgate acarreta riscos reputacionais à instituição; ANEXO 1 GLOSSÁRIO: CONCEITOS E DEFINIÇÕES Resolução 4.090/12 Captações de atacado não colateralizadas são os depósitos, as emissões próprias de instrumentos financeiros e as operações compromissadas lastreadas

Leia mais

Perdas salariais da categoria desde novembro de 1990. Docentes das Universidades Estaduais da Bahia

Perdas salariais da categoria desde novembro de 1990. Docentes das Universidades Estaduais da Bahia Perdas salariais da categoria desde novembro de 1990 Docentes das Universidades Estaduais da Bahia Itapetinga, 10 de Abril de 2012 Sobre o estudo de perdas O estudo feito pelo DIEESE teve como objetivo

Leia mais

REGULAMENTO OFERTA OI ROAMING INTERNACIONAL

REGULAMENTO OFERTA OI ROAMING INTERNACIONAL REGULAMENTO OFERTA OI ROAMING INTERNACIONAL Oi Móvel S/A, com sede no Setor Comercial Norte, Quadra 03, Bloco A, Edifício Estação Telefônica, Térreo, Parte 2, em Brasília, no Distrito Federal, inscrita

Leia mais

QUESTÕES RELACIONADAS À DECLARAÇÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS EM MOEDA ESTRANGEIRA DECORRENTES DO RECEBIMENTO DE EXPORTAÇÕES (DEREX) (IN-SRF

QUESTÕES RELACIONADAS À DECLARAÇÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS EM MOEDA ESTRANGEIRA DECORRENTES DO RECEBIMENTO DE EXPORTAÇÕES (DEREX) (IN-SRF Coordenação-Geral de Fiscalização QUESTÕES RELACIONADAS À DECLARAÇÃO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS EM MOEDA ESTRANGEIRA DECORRENTES DO RECEBIMENTO DE EXPORTAÇÕES (DEREX) (IN-SRF nº 726/2007) 1. Quem está

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001846/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/08/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR046841/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.013602/2014-96 DATA DO

Leia mais

Financiamento de até 100% da mensalidade do curso escolhido. Taxa de juros de 3,4% ao ano. Parcelas do financiamento são mensais e com valores fixos

Financiamento de até 100% da mensalidade do curso escolhido. Taxa de juros de 3,4% ao ano. Parcelas do financiamento são mensais e com valores fixos O que é o FIES O Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES) é um programa do Ministério da Educação destinado a financiar os alunos de graduação do ensino superior em instituições não

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL RESOLUÇÃO CONJUNTA N. 006/2014/GAB/SEFIN/CRE Porto Velho, 09 de julho de 2014 Publicada no DOE nº 2533,

Leia mais

Regulamento OFERTA VELOX 3G DESCONTO OI

Regulamento OFERTA VELOX 3G DESCONTO OI Regulamento OFERTA VELOX 3G DESCONTO OI TNL PCS S.A., sociedade anônima, autorizatária para a exploração do Serviço Móvel Pessoal (SMP), com sede na Cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS IMPOSTOS MAIS IMPORTANTES - PARTE I

QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS IMPOSTOS MAIS IMPORTANTES - PARTE I QUAIS AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DOS - PARTE I! Imposto de Renda! Lucro Presumido! Lucro Arbitrado! Lucro Real por apuração mensal! COFINS Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002952/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 23/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR047032/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.011168/2015-41 DATA DO PROTOCOLO: 23/07/2015 ACORDO COLETIVO

Leia mais

Mínimo de abertura: Não aplicável. Não aplicável (conta não remunerada)

Mínimo de abertura: Não aplicável. Não aplicável (conta não remunerada) Designação Conta Ordenado Condições de Acesso Clientes Particulares, que efetuem a domiciliação do seu ordenado, através de transferência bancária codificada como ordenado. Modalidade Depósito à Ordem

Leia mais

REGULAMENTO Promoção Banda Larga + Internet 3G Vivo

REGULAMENTO Promoção Banda Larga + Internet 3G Vivo REGULAMENTO Promoção Banda Larga + Internet 3G Vivo TELEFÔNICA BRASIL S/A, com sede na Rua Martiniano de Carvalho, nº 851, São Paulo/SP, e inscrita no CNPJ/MF sob o nº 02.558.157/0001-62, doravante denominada

Leia mais

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 623

ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 623 ESTADO DE SÃO PAULO DELIBERAÇÃO ARSESP Nº 623 Dispõe sobre a atualização do Custo Médio Ponderado do gás e do transporte fixado nas tarifas da Deliberação ARSESP 577, de 7 de maio de 2015, e as Tabelas

Leia mais

COMENTÁRIOS ÀS QUESTÕES PROPOSTAS

COMENTÁRIOS ÀS QUESTÕES PROPOSTAS COMENTÁRIOS ÀS QUESTÕES PROPOSTAS 1- Assinale a opção correta: O fato gerador do Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas ocorre na data de encerramento do período-base, a) exceto para aquelas que apuram

Leia mais

Sumário 1 ACESSANDO O PORTAL RH... 1 2 DADOS PESSOAIS... 3 3 ACESSO RÁPIDO... 4 3.1 Lista de Aniversário... 4 3.2 Meu Currículo... 4 3.

Sumário 1 ACESSANDO O PORTAL RH... 1 2 DADOS PESSOAIS... 3 3 ACESSO RÁPIDO... 4 3.1 Lista de Aniversário... 4 3.2 Meu Currículo... 4 3. Sumário 1 ACESSANDO O PORTAL RH... 1 2 DADOS PESSOAIS... 3 3 ACESSO RÁPIDO... 4 3.1 Lista de Aniversário... 4 3.2 Meu Currículo... 4 3.3 Meus Dependentes... 5 3.4 Cursos Realizados... 5 3.5 Atualização

Leia mais

Contrato de Opção de Venda sobre Índice da Taxa Média de Operações Compromissadas de Um Dia (ITC) com Lastro em Títulos Públicos Federais

Contrato de Opção de Venda sobre Índice da Taxa Média de Operações Compromissadas de Um Dia (ITC) com Lastro em Títulos Públicos Federais Contrato de Opção de Venda sobre Índice da Taxa Média de Operações Compromissadas de Um Dia (ITC) com Lastro em Títulos Públicos Federais Especificações 1. Definições Contrato (especificações): Contrato

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA - CIDADÃO 1. PORTAL DA SALA DE ATENDIMENTO AO CIDADÃO

MANUAL DO SISTEMA - CIDADÃO 1. PORTAL DA SALA DE ATENDIMENTO AO CIDADÃO 1. PORTAL DA SALA DE ATENDIMENTO AO CIDADÃO O portal da Sala de Atendimento ao Cidadão está disponível no endereço: www.cidadao.mpf.mp.br. Nesse ambiente é possível registrar uma manifestação, consultar

Leia mais

EVOLUÇÃO DO VENCIMENTO E REMUNERAÇÃO DOS DOCENTES DAS UEBA S EM 2014

EVOLUÇÃO DO VENCIMENTO E REMUNERAÇÃO DOS DOCENTES DAS UEBA S EM 2014 Escritório Regional da Bahia Rua do Cabral 15 Nazaré CEP 40.055.010 Salvador Bahia Telefone: (71) 3242-7880 Fax: (71) 3326-9840 e-mail: erba@dieese.org.br Salvador, 01 de Setembro de 2014 EVOLUÇÃO DO VENCIMENTO

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO. O TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, e

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO. O TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, e TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO RESOLUÇÃO Nº 730 /10 Dispõe sobre a requisição e a cessão de servidores e empregados públicos para auxiliarem os trabalhos de preparação e realização das Eleições

Leia mais

CONCURSO CULTURAL MONTEIRO LOBATO REGULAMENTO

CONCURSO CULTURAL MONTEIRO LOBATO REGULAMENTO CONCURSO CULTURAL MONTEIRO LOBATO REGULAMENTO 1 Realização/Objetivo O 1º Prêmio Monteiro Lobato é uma iniciativa cultural do Taubaté Shopping que tem como objetivo incentivar a produção literária e sua

Leia mais

PROMOÇÃO VIVO CONTROLE MÓVEL COM CARTÃO DE CRÉDITO

PROMOÇÃO VIVO CONTROLE MÓVEL COM CARTÃO DE CRÉDITO PROMOÇÃO VIVO CONTROLE MÓVEL COM CARTÃO DE CRÉDITO DISPOSIÇÕES GERAIS DA PROMOÇÃO 1.1. A promoção Vivo Controle Móvel no Cartão de Crédito é realizada pela Telefônica Brasil S/A, doravante denominada VIVO,

Leia mais