Festschrift em homenagem a Anna Stegh Camati

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Festschrift em homenagem a Anna Stegh Camati"

Transcrição

1 Festschrift em homenagem a Anna Stegh Camati Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

2 SCRIPTA UNIANDRADE Volume 10 Número 2 Jul. - Dez ISSN Publicação Semestral da Pós-Graduação em Letras UNIANDRADE Reitor: Prof. José Campos de Andrade Vice-Reitora: Prof. Maria Campos de Andrade Pró-Reitora Financeira: Prof. Lázara Campos de Andrade Pró-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão: Prof. M.Sc. José Campos de Andrade Filho Pró-Reitora de Planejamento: Prof. Alice Campos de Andrade Lima Pró-Reitora de Graduação: Prof. M.Sc. Mari Elen Campos de Andrade Pró-Reitor Administrativo: Prof. M.Sc. Anderson José Campos de Andrade Editoras: Brunilda T. Reichmann e Anna Stegh Camati CORPO EDITORIAL Anna Stegh Camati, Brunilda T. Reichmann Sigrid Renaux, Mail Marques de Azevedo CONSELHO CONSULTIVO Prof. Dra. Maria Sílvia Betti (USP), Prof. Dra. Anelise Corseuil (UFSC), Prof. Dr. Carlos Dahglian (UNESP), Prof. Dra. Laura Izarra (USP), Prof. Dra. Clarissa Menezes Jordão (UFPR), Prof. Dra. Munira Mutran (USP), Prof. Dr. Miguel Sanches Neto (UEPG), Prof. Dra. Thaïs Flores Nogueira Diniz (UFMG), Prof. Dra. Beatriz Kopschitz Xavier (USP), Prof. Dr. Graham Huggan (Leeds University), Prof. Dra. Solange Ribeiro de Oliveira (UFMG), Prof. Dr. Hans Ulrich Gumbrecht (Stanford University), Prof. Dra. Aimara da Cunha Resende (UFMG), Prof. Dra. Célia Arns de Miranda (UFPR), Prof. Dra. Simone Regina Dias (UNIVALI), Prof. Dr. Claus Clüver (Indiana University), Prof. Dra. Helena Bonito Couto Pereira (Universidade Presbiteriana Mackenzie). Projeto gráfico, capa e diagramação eletrônica: Brunilda T. Reichmann Revisão: Anna S. Camati e Brunilda T. Reichmann Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

3 Scripta Uniandrade / Brunilda T. Reichmann / Anna Stegh Camati v n. 2 jul.-dez Curitiba: UNIANDRADE, 2012 Publicação semestral ISSN Linguística, Letras e Artes Periódicos I. Centro Universitário Campos de Andrade UNIANDRADE Programa de Pós-Graduação em Letras Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

4 Festschrift em homenagem a Anna Stegh Camati Esta edição da revista Scripta Uniandrade é dedicada à professora e renomada crítica literária Anna Stegh Camati, por sua contribuição intelectual e cultural no campo das Letras, especialmente na crítica shakespeariana. Parabéns, querida amiga e colega! Você é e continuará sendo uma inspiração. Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

5 Este número da Scripta Uniandrade é uma celebração em homenagem à Professora Doutora Anna Stegh Camati que, por mais de 30 anos, nos sensibiliza com sua presença e nos estimula com seu trabalho. Possui Mestrado em Literaturas de Língua Inglesa pela Universidade Federal do Paraná (1978), Doutorado em Língua Inglesa e Literaturas Inglesa e Norte-Americana pela Universidade de São Paulo (1987) e Pós-Doutorado pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Crítica shakespeariana renomada, professora dedicada e orientadora incansável, Anna é um exemplo para as professoras dos cursos de Mestrado e Doutorado do país. Nada mais apropriado que dedicar este número da revista a ela, pois o dossiê desta edição inclui Escrituras femininas de expressão inglesa. Anna não é uma escritora de expressão inglesa no sentido literário, mas o é no sentido da crítica literária. Dentre sua produção crítica, destacam-se: Shakespeare sob múltiplos olhares. Curitiba: Editora e Livraria Solar do Rosário, 2009, organizado juntamente com a Prof. Dra. Célia Arns de Miranda; Non-verbal languages: the opening scenes in Luiz Fernando Carvalho s film Lavoura Arcaica. Brasil (Porto Alegre), v. 38, p , 2008; Rereading Shakespeare s Ophelia: Marcelo Marchioro s Performance Aesthetics. In: Kawachi, Yoshiko; Courtney, Krystyna Kujawinska (Org.). Multicultural Shakespeare: Translation, Appropriation and Performance. Lódz: Lódz University Press, 2006, v. 03, p ; Textual Appropriation: Totalitarian Violence in Shakespeare s Macbeth and Tom Stoppard s Cahoot s Macbeth. Ilha do Desterro (UFSC), v. 49, p , 2005; e Hamletrash: a Brazilian Hamlet Made of Scraps. In: Aimara da Cunha Resende (Org.). Foreign Accents: Brazilian Readings of Shakespeare. Newark e Londres: University of Delaware Press, 2002, p É Regional Editor for Brazil da Global Shakespeares Digital Archive (MIT/ Boston); membro da ABRAPUI, ANPOLL, ABRACE, CESh e ISA. A Professora Anna Stegh Camati lecionou no Curso de Letras da Universidade Federal do Paraná até 1996 e atualmente leciona no Mestrado em Teoria Literária da Uniandrade. Continua pesquisando na área de Dramaturgia e Teatro, principalmente nos seguintes temas: apropriações/adaptações de Shakespeare, linguagens cênicas e fílmicas, dramaturgias contemporâneas e teatro pós-dramático. É também coeditora da revista Scripta Uniandrade. A você, nosso carinho e admiração. Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

6 SUMÁRIO Apresentação 08 DOSSIÊ TEMÁTICO: ESCRITURAS FEMININAS DE EXPRESSÃO INGLESA A mulher artista: o talento múltiplo de Julie Taymor e A tempestade de Shakespeare 11 Solange Ribeiro de Oliveira The Tempest as Intertext in Novels by Women 37 Maria Clara Versiani Galery Who s Afraid of Female Sexuality?: Paula Vogel s Desdemona, A Play About a Handkerchief 52 Anna Stegh Camati Why Jane, Why Now? A presença de Jane Austen no século XXI 70 Mail Marques de Azevedo Priscila Maria Menna Gonçalves Kinoshita O encontro, de Anne Enright: em busca da memória perdida 83 Patrícia B. Talhari Brunilda T. Reichmann O Brasil sob o olhar de P. K. Page: a viagem como experiência social, cultural e estética 99 Sigrid Renaux Alegorias contemporâneas: (auto)retratos por Anna Banti, Susan Vreenland e Artemísia Gentileschi 118 Miriam de Paiva Vieira Curiosidade e transgressão femininas sob nova perspectiva: releitura de O Barba Azul em The Bloody Chamber, de Angela Carter 133 Maria Cristina Martins De flores e retalhos: as artistas afro-americanas e a tradição feminina 147 Eliana Lourenço de Lima Reis Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

7 Looking for a Neutral Space: A Poetics of Dislocation in the Diasporic Fiction of Edwidge Danticat 174 Leila Assumpção Harris O cozinheiro, o ladrão, o juiz e sua neta: memória e poder em O legado da perda de Kiran Desai 192 Gracia Regina Gonçalves A releitura do poema One Art em Um porto para Elizabeth Bishop 204 Sílvia Maria Guerra Anastácio Raquel Borges Dias Processo de criação do vídeo-poema Bishop in Art 216 Sílvia Maria Guerra Anastácio Sandra Corrêa Sirlene Ribeiro Góes One Art de Elizabeth Bishop ganha versão em quadrinhos 228 Sílvia Maria Guerra Anastácio Chantal Herskovic Dossiês temáticos das próximas edições 239 Normas para apresentação de trabalhos 240 Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

8 Apresentação A revista Scripta Uniandrade v. 10, n. 2, 2012, dossiê temático Escrituras femininas de expressão inglesa, reúne escritos em torno do tema em sentido amplo, ou seja, artigos que versam sobre (re)escrituras de autoria feminina e expressão inglesa em uma diversidade de gêneros (ficção, dramaturgia, poesia) e mídias (literatura, romances gráficos, escrituras fílmicas, artes plásticas, etc.), sob abordagens e óticas variadas, com contribuições de pesquisadores que vêm liderando as investigações nesse campo de estudo. O ensaio de abertura, de Solange Ribeiro de Oliveira, discute a obra de Julie Taymor, principalmente o filme A tempestade (2010), uma adaptação para o cinema do texto homônimo de Shakespeare, no qual a artista estadunidense introduz a manipulação de gênero como traço distintivo de recriações anteriores (que também são examinadas criticamente na análise da pesquisadora), dentre elas A tempestade (1979), de Derek Jarman, e Prospero s Books (1991), de Peter Greenaway. Maria Clara Versiani Galery elege como objeto de pesquisa diversos romances contemporâneos de autoria feminina que podem ser consideradas apropriações de A tempestade de Shakespeare sob uma perspectiva pós-colonialista. Mostra como as personagens femininas, praticamente silenciadas nessa peça, são reimaginadas e reempossadas de voz por Marina Warner, em Indigo, Or Mapping the Waters (1992), Nancy Huston, em Plainsong (1993), e Michelle Cliff, em No Telephone to Heaven (1987). O último artigo desse bloco, de Anna Stegh Camati, examina a reescritura feminista Desdemona, A Play About a Handkerchief (1979), de Paula Vogel, na qual a história da tragédia shakespeariana Othello ( ) é contada do ponto de vista das personagens femininas. A autora mostra como, por meio de recursos de distanciamento próprios da paródia, a dramaturga estadunidense desconstrói ideologias sexistas. Seguem dois artigos que versam sobre a influência de Jane Austen e a narrativa de Anne Enright, ambas no século XXI. Os motivos da continuidade da presença marcante de Jane Austen nos dias de hoje, tanto em reedições como em adaptações de sua obra em diferentes mídias, são focalizados por Mail Marques de Azevedo e Priscila Maria Menna Gonçalves Kinoshita que, com base em cartas da própria autora, material biográfico de familiares e escritos de diversos pesquisadores, atribuem a sobrevida da obra de Austen ao olhar crítico e ironia sutil presentes em seus romances. Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

9 Acreditam que as duas posições antagônicas apontadas pela crítica especializada coexistem na obra da autora que, por um lado, parece ser ideologicamente conservadora e, por outro, ligada ao feminismo iluminista. O artigo sobre O encontro, de Anne Enright, de Patrícia B. Talhari e Brunilda T. Reichmann, utiliza os conceitos de memória voluntária e involuntária apresentados por Samuel Beckett em Proust (2003) e os escritos psicanalíticos de Jacques Lacan para interpretar a densidade ficcional da escritora irlandesa contemporânea. As autoras demonstram como, ao construir seu texto ficcional, a romancista desafia o leitor a perfazer o mesmo nebuloso e tortuoso caminho da narradora no desvendamento do complexo contexto de abuso sofrido por seu irmão quando criança. Tomando como ponto de partida a nova edição do Brazilian Journal (2011), da escritora, poeta e artista P. K. Page, que morou no Rio de Janeiro de 1957 a 1959 como esposa do embaixador canadense Arthur Irwin, Sigrid Renaux faz uma leitura de trechos do diário que retratam o olhar estrangeiro de Page em relação à natureza exuberante, ao mundo diplomático e político, e a aspectos culturais brasileiros como favelas, futebol, macumba e balagandãs. Dois romances, Artemísia (1953), de Anna Banti, e A paixão de Artemísia (2001), da escritora estadunidense Susan Vreeland, que ressignificam fragmentos da vida e obra da pintora Artemísia Gentileschi, praticamente ignorada pelos críticos da história da arte barroca, são revisitados por Miriam de Paiva Vieira. A autora argumenta que esses retratos da artista podem ser lidos como alegorias contemporâneas: são escrituras que mesclam realidade e ficção, cujas fronteiras entrelaçadas não permitem distinguir o verídico do ficcional. Em The Bloody Chamber, Angela Carter subverte noções distorcidas de gênero e sexualidade que encontra no conto O Barba Azul, de Charles Perrault. Maria Cristina Martins descreve a confrontação da protagonista com a realidade material dos crimes do marido quando adentra o quarto secreto que, na releitura revisionista de Carter, ganha implicações diferentes: a curiosidade e a desobediência femininas são positivamente apreendidas e o gesto transgressor é visto como mola propulsora da libertação da mulher. A valorização das artes femininas, utilizadas como estratégias de sobrevivência emocional e espiritual entre mulheres duplamente marcadas por preconceitos de gênero e origem étnica, caracteriza as obras de Alice Walker e Faith Ringgold. O artigo de Eliana Lourenço de Lima Reis enfoca Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

10 a prática de confeccionar quilts na tradição feminina afro-americana que, por um lado, pode ser interpretada como signo de resistência à escravidão e à marginalização social e, por outro, como técnica para a criação de obras que aliam a narrativa às artes visuais. Seguem dois artigos que remetem às vozes femininas oriundas das ex-colonias britânicas. Leila Assumpção Harris analisa a relação entre história, memória e literatura na ficção de Edwige Danticat, escritora nascida no Haiti e radicada nos EUA, para, na sequencia, tecer considerações críticas sobre consciência diaspórica e representação literária. Gracia Regina Gonçalves estuda os confrontos e interações entre as personagens do romance O legado da perda (2006), de Kiran Desai, ambientado na época dos conflitos indo-nepaleses de Sob o viés da culinária, flagra as ironias sub-reptícias do romance que têm por objetivo inverter hierarquias e liberar o riso subversivo dos leitores. Os três últimos trabalhos giram em torno de novas criações midiáticas inspiradas no poema One Art, da escritora estadunidense Elizabeth Bishop. O primeiro, desenvolvido por Sílvia Maria Guerra Anastácio e Raquel Borges Dias, apresenta uma releitura de One Art à luz do diálogo estabelecido entre dois escritos que revelam a gênese da composição artística: um deles mostra as referências utilizadas por Bishop na criação do poema mencionado, e o outro elucida parte do processo de reconfiguração do poema de Bishop na composição da peça Um porto para Elizabeth Bishop (2001), por Martha Góes. O segundo ensaio discute o processo de criação do vídeo-poema Bishop in Art (2012), baseado em mecanismos de combinação e fusão de mídias, realizado por Sílvia Anastácio, Sandra Corrêa e Sirlene Góes, cujo texto-fonte principal é, novamente, o poema One Art, suplementado por elementos que remetem à gênese do poema e pela biografia da autora. E, o terceiro artigo, escrito por Sílvia Anastácio e Chantal Herskovic, reflete sobre a transcodificação do poema One Art em uma história em quadrinhos, intitulada A arte de perder não é difícil de administrar, de Herskovic. No presente volume, objetivamos aprofundar a reflexão teórica sobre a questão da autoria feminina de expressão inglesa e situá-la na história da arte, literatura e cultura por meio de uma pluralidade de textos femininos que não se limita à palavra escrita nem a obras canônicas. As editoras Voltar para o Sumário Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

11 A MULHER ARTISTA: O TALENTO MÚLTIPLO DE JULIE TAYMOR E A TEMPESTADE DE SHAKESPEARE Solange Ribeiro de Oliveira Resumo: O texto discute a obra da artista norte-americana Julie Taymor, especialmente sua produção como cineasta, diretora de versões fílmicas das peças shakespearianas Titus Andronicus (1999) e A tempestade (2010). O último filme é objeto de discussão mais detalhada, tendo em vista a inevitável comparação com as adaptações anteriores de A tempestade por Derek Jarman (1979) e por Peter Greenaway (1991). Por outro lado, a nova criação de Taymor apresenta o traço inovador da manipulação de gênero que resulta na transformação do mago Próspero na bruxa Próspera. Em função dessa metamorfose, o filme convida à análise sob o ponto de vista da crítica feminista. Abstract: The text discusses the ouvre of the North-American artist Julie Taymor, especially her work as a filmmaker, the director of adaptations of the Shakespearean plays Titus Andronicus( 1999) and The Tempest (2010). The latter is the object of a more detailed analysis, first of all owing to the inevitable comparison with the earlier adaptations of The Tempest by Derek Jarman (1979) and by Peter Greenaway (1991). Secondly, Taymor s creation displays the innovating trait of gender manipulation, as Prospero, the magician, turns into Prospera, the witch. The film thus invites analysis from the viewpoint of feminist criticism. Palavras chave: Julie Taymor. Derek Jarman. Peter Greenaway. Crítica feminista. Keywords: Julie Taymor. Derek Jarman. Peter Greenaway. Feminist criticism. Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

12 Dificilmente encontra-se no mundo contemporâneo exemplo mais completo de talento múltiplo que o da artista norte-americana Julie Taymor (1952- ), cuja atuação nas artes performáticas contempla a direção de peças teatrais, de musicais, óperas e filmes. Seu livro, Julie Taymor: playing with fire (2007) é um verdadeiro catálogo de sua obra, testemunho de ampla erudição e gênio imaginativo. Como escritora, Taymor publicou comentários e roteiros para algumas de suas produções, incluindo The Lion King: Pride Rock on Broadway (1998), Titus: The Illustrated Screenplay (2000), Frida: Bringing Frida Kahlo s Life and Art to Film (2009), The Tempest (adaptação da peça shakespeariana, 2010) e Spider-Man, Turn Off the Dark (2011). O interesse da artista por várias formas de performance teatral manifestou-se precocemente. Aos sete anos, fazia a irmã representar com ela historietas para os pais. Aos nove, já se envolvia com o Boston Children s Theatre. Aos 11, encantou-se de tal forma com o Theatre Workshop de Julie Portman que, após terminar o curso secundário, matriculou-se na École Internationale de Théâtre Jacques Lecoq em Paris, onde estudou pantomima e o uso de máscaras no palco. De volta aos EUA, ampliou sua formação teatral no Joseph Chaikin s Open Theatre e outras companhias. Em 1973 frequentou um curso de verão oferecido em Seattle pela American Society for Eastern Arts, com aulas de dança dramática, espetáculos com fantoches e projeção de sombras algo que influenciaria profundamente seu futuro profissional. Em 1974, ao graduar-se em Mitologia e Folclore pelo Oberlin College de Ohio, foi contemplada com uma bolsa que lhe permitiu viajar pelo Japão e pela Indonésia e fundar uma companhia ambulante de dança com máscaras, envolvendo atores, músicos, dançarinos e titereiros de diversas origens Japão, Bali, Sudão. França, Alemanha e EUA. Taymor dirigiu várias óperas: Oedipus Rex, de Stravinsky (1992), premiada com o Emmy, em 1994, e com o International Classical Music Award. Dirigiu também The Flying Dutchman de Wagner, e, de Richard Strauss, Salome, bem como The Magic Flute, de Mozart (1993), além de Grendel, apresentada na Opera de Los Angeles e no Lincoln Center de Nova York (2006). Em 2008, sua produção Across the Universe recebeu uma indicação para o Globo de Ouro como a melhor comédia musical de Sozinha ou em trabalho conjunto, a artista mostrou-se igualmente produtiva como diretora teatral. Levou ao palco as peças shakespearianas Titus Andronicus, The Tempest, The Taming of the Shrew, bem como textos de outros autores, incluindo The Transposed Heads, baseada na novela de Thomas Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

13 Mann, The Green Bird, de Carlo Gozzi s (2000), e os musicais Liberty s Taken e The Lion King, adaptação do filme homônimo, que estreou na Broadway em 1997 e continua em cartaz em mais de sessenta e três cidades e doze países. Com essa produção, Taymor tornou-se a primeira mulher a receber o Tony Award pelo melhor guarda-roupa e direção teatral. Em versão francesa, Le Roi Lion recebeu em 2008 o Moliére Awards, como o melhor musical, e pelo melhor guarda-roupa e iluminação. Em 2011, estreou Spider- Man, Turn Off the Dark. Sua atuação nesse musical da Broadway constituiu um acontecimento histórico, infelizmente interrompido por questões empresariais. O talento de Taymor vem, desde o início de sua trajetória, alcançando amplo reconhecimento. Sua criação músico-teatral, Juan Darién: A Carnival Mass (1996), recebeu cinco indicações para o Tony Award. Por sua contribuição inovadora para o teatro, recebeu prestigiosass bolsas (a MacArthur e a da Fundação Guggenheim) e, entre outros, dois prêmios Obie. Em 1999, em comemoração pelos 25 anos de carreira, o Werner Center for the Arts inaugurou uma retrospectiva de sua obra. A exposição foi levada ao National Museum of Women in the Arts, em Washington D.C. e ao Field Museum of Natural History de Chicago, tendo o guardaroupa criado pela artista para o musical The Lion King sido incorporado aos acervos do Smithsonian National Museum of American History e do Victoria and Albert Museum de Londres. O talento de Julie Taymor estendeu-se também ao cinema, com a estréia na TV, em 1992, do curta metragem Fool s Fire, adaptação do conto de Edgar Allan Poe, premiado no International Electronic Cinema Festival de Tokyo. Seguiram-se os longa metragens Titus ( 1999), baseado em Titus Andronicus, de Shakespeare, e, em 2001, Frida, biografia de Frida Kahlo, a icônica artista mexicana. Os dois filmes alcançaram boa recepção crítica, especialmente Frida, indicado para o Oscar em seis categorias, das quais conquistou duas. Em 2010, Taymor lançou The Tempest, versão fílmica da peça homônima de Shakespeare. Como em Titus, o script foi assinado pela própria cineasta, chamando a atenção pela transformação do protagonista Próspero na mulher Próspera, encarnada pela celebrada atriz Helen Mirren. Neste texto, interessa-me particularmente a análise da recriação dessa peça. No meu entender, o filme está longe de fazer justiça à carreira da cineasta, sobretudo por não oferecer suficiente justificativa para a mudança de gênero que substitui por uma bruxa o mago de A tempestade. Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

14 Ademais, tanto do ponto de vista da apresentação formal quanto da concepção global, incluindo leitura ideológica e tratamento das personagens, A tempestade de Taymor não chega a competir com duas outras recriações fílmicas da peça shakespeariana, com as quais convida a uma inevitável comparação: The Tempest, de Derek Jarman (1979), e Prospero s Books, de Peter Greenaway (1991). Não há como questionar o valor da adaptação de Jarman. Embora muito pessoal, sua Tempestade preserva a teia de drama, mágica e poesia da peça-fonte. Descarta, ou rearranja, boa parte do texto, mas deixa-o claramente reconhecível, sem por isso renunciar a uma interpretação contemporânea. Jarman não situa a peça no período elisabetano, nem nos tempos modernos, o que sugere a atmosfera fantástica e a atemporalidade da visão shakespeariana. A história de Próspero, soberano espoliado, que, por sua vez, usurpa a ilha pertencente à bruxa Sycorax e seu filho Caliban, desenrola-se num passado multi-temporal, insinuado por uma fusão de estilos. O guarda-roupa inclui desde trajes medievais até uniformes de marinheiro. A ampla paleta estilística incorpora imagens sugestivas da pintura barroca de George la Tour ( ), do melodrama gótico e até do estilo camp, com seu exagero e artificialidade, sem, contudo, sacrificar a inteligibilidade e a beleza do conjunto. Para a construção dessa atmosfera, Jarman escolheu, nas cenas externas, o castelo de Bamburgh, com seu esplendor secular junto às areias do mar de Northumberland. As cenas internas foram filmadas na Abadia de Toneleigh, perto de Coventry, Inglaterra. Trata-se de uma mansão no estilo italiano de Andrea Palladio, perfeita para a concepção do filme, com corredores que parecem prolongar-se ao infinito e aposentos que se abrem uns para os outros, como uma caixa de segredos chinesa. A propósito do cenário, explica Jarman (2011): nunca imaginei A tempestade em uma ilha exótica [...] Para mim, a peça existe em seu próprio isolamento. O cenário é atemporal uma crepuscular terra do nunca 1. A leitura de Jarman ostenta uma originalidade radical, superando Planeta proibido (1956), seu clássico de ficção científica. Sua Tempestade oferece como eixo condutor a metáfora da vida como sonho. O grande tema barroco preside a todo o filme: ele termina com a imagem de Próspero despertando de um sono, enquanto se ouvem os versos de sua fala em 4.1, transpostos para a cena final: We are such stuff/as dreams are made on, and our little life/is rounded with a sleep. Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

15 Esse exemplo da manipulação do texto, cuja ordem é subvertida de forma a pontuar a ação em momentos decisivos, resume a leitura do cineasta, sugerindo que toda a história narrada no filme não passa de um sonho do protagonista. Outra mudança significativa é a elocução adotada. Fugindo da tradição recitativa e altissonante de grandes intérpretes como John Gielgud, os personagens, segundo o próprio Jarman (2011), falam, não gritam ou entoam o texto. Comunicam-se usando a linguagem de Shakespeare, como se fosse a de hoje viva e palpitante. Mais um aspecto inovador é a releitura dos protagonistas, sobretudo o tratamento dado a Miranda, cujo casamento com Ferdinando, herdeiro do usurpador, é a chave para a solução dos problemas dinásticos. Em vez da donzela pudica e submissa das apresentações tradicionais, a filha de Próspero aparece como uma jovem sensual, apaixonada, determinada a conquistar seu príncipe. Derek Jarman, A tempestade. Miranda e Ferdinando. Fonte: Outra caracterização subversiva é a de Caliban, cuja revolta projetase de modo grotesco, como um homossexual desafiador. Sua imagem, como adulto absurdamente grudado às tetas da mãe, é um exemplo do estilo camp, que Susan Sontag (em Notes on Camp, de 1964, citado por Umberto Eco) associa à redenção do mau gosto do passado em função de traços anti-naturais, exagerados, marginais, até certo ponto vulgares, com marcas Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

16 pessoais e sexuais exacerbadas. Para Sontag, os homosexuais constituem a vanguarda do camp 2. Derek Jarman,.A tempestade. Fonte: O filme de Jarman distingue-se também pela tematização de questões das minorias. As mudanças relativas ao gênero projetam-se na sensualidade de Miranda e na homosexualidade de Caliban, a qual aparece explicitamente na cena em que ele se retira para um encontro íntimo com o conspirador Trínculo. Insinua-se, também, na profusão de belos nus masculinos, e na apresentação camp, misógina, da nudez feminina de Sycorax. O resgate racial emerge no destaque à cantora afro-americana Elizabeth Welch ( ), lendária estrela de musicais. Na apoteótica penúltima cena, pontilhada de cores exuberantes e nuvens de confetes, ela representa uma das deusas que abençoam o casamento de Miranda e Ferdinando a própria exaltação do Black is beautiful, slogan dos anos que antecederam ao lançamento do filme. Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

17 Derek Jarman, A tempestade, Elisabeth Welch canta Stormy Weather. Fonte: Dançando, Welch avança entre alas de marinheiros, interpretando a canção Stormy Weather, sua marca registrada, e, no caso, alusiva à tempestade, título da peça e do filme. Uma década após a leitura radical de Derek Jarman, Peter Greenaway lança Prospero s Books (1991), outra recriação de A tempestade, objeto de incontáveis textos críticos, incluindo a inevitável comparação com o filme anterior. Douglas Lanier (1996, p. 195) chama a atenção para suas semelhanças. Claramente filmes de autor, as criações de Jarman e de Greenaway exploram uma estética anti-realista, interesse por imagens de um hermetismo renascentista e por estilos reminiscentes da masque seiscentista. Aproximam-se também pela ênfase na teatralidade essencial de The Tempest. Valorizam mais a mise-en-scène que estratégias especificamente cinemáticas como edição, posicionamento da câmera e efeitos especiais. Tanto quanto as semelhanças, são inegáveis as diferenças entre os dois filmes. Segundo Lanier, Jarman critica a política tradicional das produções shakespearianas. Através de uma mistura irreverente de referências populares e eruditas, desconstrói o status da peça como ícone cultural, além de enfatizar sexualidades transgressoras. Greenaway, pelo contrário, fixa sua atenção na mídia shakespeariana, sem questionar seu conteúdo Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

18 heterossexual e registro cultural. Ademais, Prospero s Books oferece um vasto campo de reflexão para os discursos semiótico, estruturalista, pósestruturalista e pós-moderno; integra um palimpsesto de referências à fortuna crítica de A tempestade: o diálogo sobre a Arte e a Natureza, o adeus de Shakespeare ao palco, a celebração do poder do dramaturgo, o discurso sobre o colonialismo O filme identifica Próspero não apenas com Shakespeare, mas também com o próprio Greenaway e com o ator que representa o mágico, Sir John Gielgud, cuja longa vida ( ) coincidiu com boa parte da história do cinema. A presença do famoso ator shakespeariano constitui uma espécie de garantia de autenticidade textual, com sua inigualável leitura de falas da peça, recitadas em sua quase totalidade. Entretanto, Greenaway complica a questão, ora sobrepondo outra voz à do ator, ora distorcendo-a através de manipulação eletrônica, o que obscurece sua musicalidade e ressonância. Ademais, as linhas recitadas apresentam ligeiras diferenças com a peça-fonte. Gielgud/Próspero, por exemplo, diz winds em vez de airs, e depois se corrige. A impressão é do surgimento gradativo de um texto que está sendo criado pelo personagem. No conjunto, Greenaway coloca as linearidades da escrita literária e dos personagens a serviço da imagem e da palavra falada, sobrepondo e recombinando imagens, numa exuberante celebração de tecnologia cinemática e digitalizada. Converte a narrativa shakespeariana numa nãonarrativa. Chama todo o tempo a atenção para os corpos dos atores, em espetáculos de mímica, acrobacia, dança abstrata, quadros vivos, desfiles semelhantes à masque dos séculos XVI e XVII, um verdadeiro inventário das artes performáticas. O nu masculino torna-se um elemento formal, que confere à imagem cinemática o imediatismo físico do teatro ao vivo, como que transcendendo a bidimensionalidade da tela. As contorções obsessivas de Caliban, interpretado pelo dançarino vanguardista Michael Clark, com um gigantesco falo vermelho indicando a natureza carnal do personagem, enfatizam a relação subversiva com o mundo conservador do Royal Ballet, onde Clark se formou. O guarda-roupa hiper-teatral, os trajes absurdos do cortejo de Alonso, que inibem os movimentos, ressaltam a excessiva artificialidade em contraste com a natureza. Greenaway radicaliza sua técnica usando, para efeitos expressivos, até excreções corporais: Caliban defeca, urina e vomita sobre livros. Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

19 O filme inteiro pode ser lido como uma projeção da mente de Próspero. O espectador sente-se ora dentro, ora fora dessa mente, repleta de imagens baseadas na história da arte ocidental, especialmente na pintura de Rubens, Veronese, Ticiano, Tintoreto, David, Gericault, na arquitetura de Piranesi e Michelangelo, no desenho de John Drawing. As contínuas referências às artes visuais não são gratuitas. Associam-se à temática e à caracterização dos personagens, como nas várias alusões picturais a São Jerônimo 3. Greenaway modelou a representação da cela de Próspero (artifício narrativo e visual recorrente no filme) na pintura de Antonello da Messina, São Jerônimo em seu estúdio (1418), de tal forma que a figura absorta no processo da escrita, repetidas vezes evocada no filme, remete tanto a Próspero/Shakespeare/Greenaway produzindo A tempestade quanto ao santo traduzindo a Vulgata apresentada ao Papa Dâmaso no início do século V. Veja-se, no filme, Peter Greenaway, Prospero s Books. Próspero/Shakespeare escrevendo A tempestade. Fonte: Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

20 A semelhança com a tela de Messina é inequívoca: Antonelo da Messina, São Jerônimo em seu studio (c.1475). Fonte: National Gallery Collection, Londres/Corbis/Latinstock. Outra alusão a pinturas representando São Jerônimo encontra-se na cena em que Ariel apropria-se da pena de Próspero/Shakespeare, sugerindo a inspiração angélica do santo, como na tela de Van Dyck, A inspiração de São Jerônimo (c. 1620), na qual um querubim toma da pena de Jerônimo para guiá-lo. Scripta Uniandrade, v. 10, n. 2, jul.- dez

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Testemunha 4. Sinopse. Apresentação. Rio de Janeiro, Brasil 2011 documentário 70 min HD cor

Testemunha 4. Sinopse. Apresentação. Rio de Janeiro, Brasil 2011 documentário 70 min HD cor Testemunha 4 Rio de Janeiro, Brasil 2011 documentário 70 min HD cor Sinopse Uma personagem, uma atriz e o passar das horas em um interrogatório do Holocausto. Apresentação O documentário acompanha a trajetória

Leia mais

o desenho do corpo o corpo que desenha [ 1 ]

o desenho do corpo o corpo que desenha [ 1 ] Nádia da Cruz Senna Artista plástica, pesquisadora e professora adjunta da Universidade Federal de Pelotas, atuando junto as disciplinas de Desenho, Design e História em Quadrinhos. alecrins@uol.com.br

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

IDENTIDADE E AUTORRETRATO

IDENTIDADE E AUTORRETRATO IDENTIDADE E AUTORRETRATO Greice Silveira Monica Neves Rodrigues Justificativa O desenho é de grande importância na construção da identidade da criança, colocando-a presente no mundo, criando relações

Leia mais

A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS

A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS A CENA SE FEZ OVO E HABITOU ENTRE NÓS Ismael Scheffler Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Processo de criação, dramaturgia, pesquisa sonora e corporal. Introdução Em março de 2006, estreou

Leia mais

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual.

apaixonados um pelo outro. Fábio é homossexual e tem em torno de 45 anos. Madalena também tem mais ou menos a mesma idade, e é heterossexual. Apresentação Este projeto é simples e pretende levar para o público algo de elevado conteúdo artístico. O orçamento da pré-produção e da produção é pequeno, já que a peça será encenada por dois atores

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Processos Criativos em Dança: O Barroco Mineiro e a pesquisa de campo, traduções em movimento

Processos Criativos em Dança: O Barroco Mineiro e a pesquisa de campo, traduções em movimento Processos Criativos em Dança: O Barroco Mineiro e a pesquisa de campo, traduções em movimento Carolina Romano de Andrade Prof.Coord. Pós Graduação Dança- Educação Faculdades Integradas de Bauru Prof.Universidade

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

A FORÇA DO MACHO, A GRAÇA DA FÊMEA ENTRE A

A FORÇA DO MACHO, A GRAÇA DA FÊMEA ENTRE A A FORÇA DO MACHO, A GRAÇA DA FÊMEA ENTRE A RIGIDEZ CÊNICA E O ALBARDE: JOGOS AMBIGUOUS PRESENTES NAS PERFORMANCES DO GRUPO DZI CROQUETTES (1972-1979) Talitta Tatiane Martins Freitas * Os Dzi Croquettes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR PRÓREITORIA DE GRADUAÇÃO Curso: 50 CINEMA Documentação: jetivo: Titulação: Diplomado em: criado pela Resolução n 008/CEG/2003, de 18 de dezembro de 2003 Resolução nº 020/CEG/2008, de 26/11/2008 Reconhecido

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de aulas de História Autora: Professora Vanessa Maria Rodrigues Viacava

Leia mais

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart

Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Dalcídio Jurandir inspira projeto teatral Por Luciana Medeiros, colaboradora do Guiart Ponta de Pedras, ilha do Marajó, Pará, 10 de janeiro de 1909. Nasce ali e naquela data uma das maiores expressões

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação I - Proposta de Redação INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Orientações para a Redação A proposta de redação do vestibular do ITA pode ser composta de textos verbais, não verbais (foto ou ilustração,

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE

Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE Home Page : www.barralink.com.br/teatro e-mail : teatro@barralink.com.br ÍNDICE TEATRO ESPÍRITA... 2 A VISÃO GERAL... 2 EXERCÍCIOS TEATRAIS DRAMATICIDADE COM ESPIRITUALIDADE... 2 DIREÇÃO TEATRAL... 3 O

Leia mais

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA

YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA YUME : NARRATIVAS MÍTICAS DE KUROSAWA CAVALHEIRO, Kaline (UNIOESTE G/Pibic - CNPq) DIAS, Acir (UNIOESTE Orientador) RESUMO: O presente trabalho tem como objeto o estudo da cultura, mitos e imagens presentes

Leia mais

TODOS OS ESPETÁCULOS SÃO GRATUITOS.

TODOS OS ESPETÁCULOS SÃO GRATUITOS. CIRCUITO GANDARELA DE MINAS - AGENDA AGOSTO TODOS OS ESPETÁCULOS SÃO GRATUITOS. É necessário chegar com uma hora de antecedência para garantir os ingressos. 03 E 04 DE AGOSTO - SÁBADO E DOMINGO O CONTO

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Design 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Design 2011-1 DESENVOLVENDO A IDENTIDADE VISUAL DE UMA POUSADA EM CONSERVATÓRIA Alunos: OLIVEIRA,

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Este livro é uma homenagem a Marlene Soares dos Santos por sua dedicação

Este livro é uma homenagem a Marlene Soares dos Santos por sua dedicação Este livro é uma homenagem a Marlene Soares dos Santos por sua dedicação ao campo de estudos literários no Brasil, especificamente na área de estudos shakespearianos. Foi organizado por três de seus muitos

Leia mais

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira*

A partir das coisas. ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. Alda Mirian Augusto de Oliveira* ZUMTHOR, Peter. Pensar a arquitetura. Barcelona: Gustavo Gili, 2005. 66p. A partir das coisas Alda Mirian Augusto de Oliveira* Pensar a arquitetura reúne seis conferências de Peter Zumthor, proferidas

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS 1 ano

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS 1 ano EDUCAÇÃO INFANTIL Maceió, 02 de outubro de 2015. GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS 1 ano Senhores pais ou responsáveis Seguem abaixo os temas, objetivos, atividades e evento de culminância dos projetos a serem

Leia mais

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia fotografia GLOBAL ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o

Leia mais

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual

Palavras-chave: gêneros textuais, resenha crítica, ensino, leitura e produção textual RESENHA CRÍTICA NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: PRÁTICAS DE ANÁLISE E PRODUÇÃO DE TEXTOS Valdisnei Martins de CAMPOS Letras - CAC/UFG; valdis_martins@hotmail.com Erislane Rodrigues RIBEIRO Letras - CAC/UFG;

Leia mais

CONCEITOS A EXPLORAR. Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. O teatro elisabetano. A Inglaterra de Shakespeare

CONCEITOS A EXPLORAR. Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. O teatro elisabetano. A Inglaterra de Shakespeare CONCEITOS A EXPLORAR L íngua Portuguesa Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. Signos lingüísticos verbais e não-verbais. A rte O teatro elisabetano. Dramaturgia (conflito dramático

Leia mais

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção

fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção fotografia ESSENCIAL curso de fotografia sobre criação, poesia e percepção Por que tenho saudade de você, no retrato ainda que o mais recente? E por que um simples retrato, mais que você, me comove, se

Leia mais

Os Diálogos entre o Regime Nazista e o cinema de Leni Riefensthal Resumo: . Palavras-chave: Cinema, nazismo, história Introdução

Os Diálogos entre o Regime Nazista e o cinema de Leni Riefensthal Resumo: . Palavras-chave: Cinema, nazismo, história Introdução Os Diálogos entre o Regime Nazista e o cinema de Leni Riefensthal Krystila Andressa Costa da Silva Resumo: O presente artigo tem como objetivo refletir sobre o papel do cinema em um dos momentos históricos

Leia mais

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes,

ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, ALVES, Giovanni. MACEDO, Felipe. Cineclube, Cinema e Educação etrópolis: Vozes, 2009. Editora Práxis, 2010. Autêntica 2003. 11 Selma Tavares Rebello 1 O livro Cineclube, Cinema e Educação se apresenta

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DOCE CNPJ: 18.316.265/0001-69 CEP: 35442-000 ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO DOCE CNPJ: 18.316.265/0001-69 CEP: 35442-000 ESTADO DE MINAS GERAIS I FEIRA GASTRO-CULTURAL DE RIO DOCE MG De 24/09 à 01/10/2011, o município de Rio Doce abrigará a I Feira Gastro-Cultural que movimentará a cultura, a arte e a culinária no interior na zona da mata mineira.

Leia mais

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br

QUEM É ALICE CAYMMI? >> www.alicecaymmi.com.br QUEM É ALICE CAYMMI? A cantora e compositora carioca Alice Caymmi nasceu no dia 17 de março de 1990, na cidade do Rio de Janeiro. Neta de Dorival Caymmi, a musicista compõe desde os dez anos e começou

Leia mais

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS

LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS LITERATURA E AUTORIA FEMININA: REFLEXÕES SOBRE O CÂNONE LITERÁRIO E MARTHA MEDEIROS Mestranda Kézia Dantas Félix 1, UEPB 1 Resumo: Neste artigo estudo o debate estabelecido em torno do cânone literário,

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ

A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ A PROFUSÃO DE IMAGENS EM AS MENINAS DE DIEGO VELÁSQUEZ JOÃO MARIA CLAUDINO UFRN O mundo se faz de imagens. Imagens de representação, imagens além da representação, além da referência e além da estética.

Leia mais

João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas

João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas João Canijo e a Tragédia Grega: adaptação da trilogia Oresteia ao cinema português contemporâneo 1 Daniel Ribas Nas entrevistas que se sucederam à estreia nacional de Noite Escura, em 2004, João Canijo

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

SHAKESPEARE REALIZA O IDEAL DO ANALISTA

SHAKESPEARE REALIZA O IDEAL DO ANALISTA SHAKESPEARE REALIZA O IDEAL DO ANALISTA Luiz Carlos Bresser-Pereira Valor, 2.6.2000. Apresentado originalmente como comentário ao filme (de Mazursky) e à peça (de Shakespeare) A Tempestade, em debate promovido

Leia mais

V de Viagem (do Abecedário Deleuze) 77

V de Viagem (do Abecedário Deleuze) 77 LUGAR COMUM Nº23-24, pp.129-134 V de Viagem (do Abecedário Deleuze) 77 Gerardo Silva Havia uma terrível sintonia entre o sonho e a realidade, os dois mundos misturando-se numa tigela de luz, e nós, os

Leia mais

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker.

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. Resumo expandido CONPEEX 2011 TÍTULO A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. NOMES DOS AUTORES, UNIDADE ACADÊMICA E ENDEREÇO ELETRÔNICO Luciana Miranda

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

Cabra macho e cidadão do mundo

Cabra macho e cidadão do mundo Cabra macho e cidadão do mundo Uma poesia antilírica, dirigida ao intelecto, mais presa à realidade objetiva do poema enquanto criação; Cronologicamente pertence à geração de 45, mas dela se afasta pela

Leia mais

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL

A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL A DRAMATURGIA NO ATO TEATRAL Calixto de Inhamuns A palavra dramaturgia, usando a pesquisa do mestre Alexandre Mate, nasce de drama (sentido conotativo de) ação e tourgia (sentido de trabalho, de tecimento),

Leia mais

Fig. 247 Storyboard 2

Fig. 247 Storyboard 2 173 Fig. 247 Storyboard 2 174 Fig. 248 Storyboard 2 Fig. 249 Storyboard 2 175 176 3.2.5 Edição visual e sonora Foram realizadas algumas etapas: análise, seleção e edição da imagem (correção de cor, luz,

Leia mais

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO?

ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? ESCOLA E SONHO E VAN GOGH E VIDA... OU, POR QUE AINDA VALE A PENA SONHAR COM A EDUCAÇÃO? Carlos Eduardo Ferraço Marco Antonio Oliva Gomes DIALOGANDO COM UM SONHO DE KUROSAWA Escolhemos o sonho Corvos de

Leia mais

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa

A Cobronça, a Princesa e a Surpresa elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO A Cobronça, a Princesa e a Surpresa escrito por & ilustrado por Celso Linck Fê Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Veja São Paulo. Guia da Folha

Veja São Paulo. Guia da Folha Veja São Paulo Guia da Folha A companhia Solas de Vento estréia seu primeiro espetáculo para o publico infantil com direção de Carla Candiotto, uma adaptação livre do famoso romance de Julio Verne. Release:

Leia mais

Veio Gente. Símbolo Veio Gente Detalhamento. - Concepção.

Veio Gente. Símbolo Veio Gente Detalhamento. - Concepção. Símbolo Veio Gente Detalhamento - Concepção. A concepção do símbolo do projeto Veio Gente nasceu das explicações da idéia e do conceito do evento durante conversas que tive com a Cris, principalmente a

Leia mais

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca

Entre 1940 a 1960, uma coleção de romances intitulada Biblioteca I M A G E M N O B R A S I L COM A PALAVRA, AS IMAGENS! representações do feminino nas capas dos romances da Biblioteca das Moças (1940-1960) Maria Teresa Santos Cunha Entre 1940 a 1960, uma coleção de

Leia mais

LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. RESENHA LEÃO, Andréa Borges. Norbert Elias & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. Écio Antônio Portes* Letícia Pereira de Sousa** Andréa Borges Leão é professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma

A Dança é a arte de mexer o corpo, através de uma cadência de movimentos e ritmos, criando uma harmonia própria. Não é somente através do som de uma Dança Desde 1982, no dia 29 de abril, comemora-se o dia internacional da dança, instituído pela UNESCO em homenagem ao criador do balé moderno, Jean- Georges Noverre. A Dança é a arte de mexer o corpo,

Leia mais

A Terceira Batalha. Angela Ancora da Luz. Em 1503, Leonardo Da Vinci aceitou pintar um grande afresco sobre

A Terceira Batalha. Angela Ancora da Luz. Em 1503, Leonardo Da Vinci aceitou pintar um grande afresco sobre A Terceira Batalha Angela Ancora da Luz Em 1503, Leonardo Da Vinci aceitou pintar um grande afresco sobre a Batalha de Anghiari, travada entre florentinos e milaneses, com a vitória dos primeiros. A convite

Leia mais

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Marly de Menezes Gonçalves, Doutoranda em Arquitetura pela FAU/USP FASM - Faculdade Santa Marcelina professora do

Leia mais

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL

A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL A ARTE DE PRODUZIR ARTE Professora: Márcia Roseli Ceretta Flôres professora de artes marciacerettaflores@yahoo.com.br ESCOLA MUNICIPAL FUNDAMENTAL JOÃO GOULART INTRODUÇÃO A arte apresenta uma forma de

Leia mais

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES Vanilde Gonçalves dos Santos LEITE; Rogério SANTANA F L - UFG vanildegsl@hotmail.com Palavras-chave: Regionalismo Evolução

Leia mais

ARTES VISUAIS E LITERATURA

ARTES VISUAIS E LITERATURA Vestibular 2009 1ª Fase ARTES VISUAIS E LITERATURA Instruções Gerais: No dia de hoje (09/11), você deverá responder às questões de Geografia, História, Artes Visuais e Literatura e de Raciocínio Lógico-Matemático.

Leia mais

As esferas acústicas da cena e o cinema

As esferas acústicas da cena e o cinema As esferas acústicas da cena e o cinema César Lignelli Programa de Pós-Graduação em Educação UnB Doutorando Educação e Comunicação Or. Profa. Dra. Laura Coutinho Professor Assistente do Departamento de

Leia mais

Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1

Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1 Releitura Fotográfica Jornalística das Obras de Vincent van Gogh 1 Gustavo KRELLING 2 Maria Zaclis Veiga FERREIRA 3 Universidade Positivo, Curitiba, PR RESUMO O produto artístico é uma releitura fotográfica

Leia mais

Filme : Quase Deuses Noiriel Ignácio Santos Leal

Filme : Quase Deuses Noiriel Ignácio Santos Leal Filme : Quase Deuses Noiriel Ignácio Santos Leal METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA MODALIDADE EAD CURSOS DE GRADUAÇÃO Pró-Reitoria de Ensino ORGANIZADORAS: Aparecida Cristina Cardoso Cristina Herold Constantino

Leia mais

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão.

COLEÇÃO IMAGÉTICA: FOTOGRAFIA, EXTENSÃO, ENSINO E PESQUISA NO PROJETO FOCA FOTO. PALAVRAS-CHAVE Fotografia. Coleção fotográfica. Lapa. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS

ROMANTISMO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS LITERÁRIAS ROMANTISMO O Romantismo foi uma estética artística surgida no início do século XVIII, que provocou uma verdadeira revolução na produção literária da época. Retratando a força dos sentimentos, ela propôs

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS

O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS O QUE ALUNOS DO CICLO INICIAL INVENTAM AO NOMEAR OS PERSONAGENS DE SUAS HISTÓRIAS INVENTADAS Roberta da Silva Freitas roberta_sfreitas@hotmail.com Universidade Federal de Alagoas (UFAL-PPGE/ET&C-CAPES)

Leia mais

A RUPTURA COM O ACADEMICISMO E A FORMAÇÃO DA PROFISSÃO DO FIGURINISTA DE DANÇA

A RUPTURA COM O ACADEMICISMO E A FORMAÇÃO DA PROFISSÃO DO FIGURINISTA DE DANÇA A RUPTURA COM O ACADEMICISMO E A FORMAÇÃO DA PROFISSÃO DO FIGURINISTA DE DANÇA The Break with Academicism and the Formation of the Profession of Dance Costume Designer Marcela Sales de Alencar, Bacharelado

Leia mais

Série: A última guerra do Prata

Série: A última guerra do Prata TÍTULO DO PROGRAMA Série: A última guerra do Prata SINOPSE DO PROGRAMA O documentário é parte de uma série produzida pela TV Escola que apresenta as análises e pesquisas mais recentes a respeito da Guerra

Leia mais

Resenha O primeiro Hamlet

Resenha O primeiro Hamlet Resenhas Resenha O primeiro Hamlet Roberto Rocha Com o lançamento do volume O primeiro Hamlet in quarto de 1603, organizado e traduzido por José Roberto O Shea, um novo patamar de qualidade é alcançado

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade?

TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade? Maria de Fátima da Cunha. UEL/Londrina. Docente TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade? Para Tomaz Tadeu da Silva, as narrativas dos currículos podem, explícita ou implicitamente,

Leia mais

1. CONTEXTO 2. O PROBLEMA ATUAL. Produção de DANÇA de Autoria Brasileira

1. CONTEXTO 2. O PROBLEMA ATUAL. Produção de DANÇA de Autoria Brasileira Produção de DANÇA de Autoria Brasileira 1. CONTEXTO A Dança Brasileira vive hoje um novo contexto. Estão ocorrendo mudanças significativas no modo como artistas arquitetam suas criações e essas transformações

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL

INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL INTERTEXTUALIDADE E PROTAGONISMO FEMININO: EXEMPLOS NA LITERATURA INFANTIL Caroline Cassiana Silva dos SANTOS 1 Renata Junqueira de SOUZA 2 Resumo: O artigo ora proposto discorre sobre as personagens femininas

Leia mais

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA

UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA UMA CÂMERA OU CELULAR NA MÃO E UMA IDEIA NA CABEÇA: TRABALHANDO O GÊNERO DOCUMENTÁRIO EM SALA DE AULA Wanda Patrícia de Sousa Gaudêncio (UFPB/PROFLETRAS) wandapatricia@evl.com.br Sandra Regina Pereira

Leia mais

IV Jornada de Estudos Irlandeses. Literaturas em contato: temas, tendências e transações. 17 e 18 de junho/2015

IV Jornada de Estudos Irlandeses. Literaturas em contato: temas, tendências e transações. 17 e 18 de junho/2015 IV Jornada de Estudos Irlandeses Literaturas em contato: temas, tendências e transações 17 e 18 de junho/2015 Centro Universitário Campos de Andrade UNIANDRADE As Jornadas de Estudos Irlandeses, promovidas

Leia mais

Projeto: O cinema vai à escola Do enredo à trilha sonora: os desafios da linguagem cinematográfica

Projeto: O cinema vai à escola Do enredo à trilha sonora: os desafios da linguagem cinematográfica Projeto: O cinema vai à escola Do enredo à trilha sonora: os desafios da linguagem cinematográfica Profª Mariana Villaça SESC-SP, 23/5/2013 Elementos da linguagem cinematográfica: identificando o enredo

Leia mais

Considerações sobre sonho e lembrança em A dança da realidade

Considerações sobre sonho e lembrança em A dança da realidade Considerações sobre sonho e lembrança em A dança da realidade Ana Carolina Ribeiro 1 RESUMO Com base nos conceitos imagem-sonho e imagem-lembrança apresentados na teoria de Gilles Deleuze sobre o cinema,

Leia mais

UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA

UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA UNIDADE 10 PARA UMA EDUCAÇAO ANTIRRACISTA Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 10 - Para uma educação antirracista Objetivos: Analisar o conceito de multiculturalismo;

Leia mais

Videogames por uma poética da interatividade Entrevista com Marie-Laure Ryan

Videogames por uma poética da interatividade Entrevista com Marie-Laure Ryan Videogames por uma poética da interatividade Entrevista com Marie-Laure Ryan Júlia Pessôa 1 No atual contexto das investigações acadêmicas dos jogos eletrônicos, a pesquisadora suíça Marie-Laure Ryan,

Leia mais

SURREALISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012)

SURREALISMO. História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) SURREALISMO História da Arte Profº Geder 1ª Série Ensino Médio (2012) SURREALISMO Dadaísmo: - fundado durante a 1ª Guerra Mundial. Surgiu na Europa (Zurique) no ano de 1916. Características: - Objetos

Leia mais

GUARDAS DE BELO HORIZONTE USAM TAPA-OUVIDOS

GUARDAS DE BELO HORIZONTE USAM TAPA-OUVIDOS CLUBE EDUCACIONAL GESTAR NA ESCOLA TRAJETÓRIA II Atividades da I Unidade 7º ano / 6ª série António Manuel Couto Viana (poeta português). Versos de palmo e meio (1994). (Fragmento). Questão 1 - A expressão

Leia mais

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA 1 DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA Mariana Muniz 1 Sanchis Sinisterra é um ícone da dramaturgia espanhola contemporânea. Sua peça de maior repercusão foi Ay

Leia mais

Press Release 21 de junho de 2013

Press Release 21 de junho de 2013 Press Release 21 de junho de 2013 O Instituto Sacatar tem a satisfação de anunciar a chegada de um novo grupo de seis artistas premiados, cada um, com um período de residência de oito semanas de duração

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 17032441 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Evolução das Artes Visuais II ETAPA 2ª Período

Leia mais

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo

Século XIX na Europa as inovações na arte. Predomínio do neoclassicismo ou academicismo Século XIX na Europa as inovações na arte { Predomínio do neoclassicismo ou academicismo ANTIGUIDADE CLÁSSICA IDADE MÉDIA NEOCLASSICISMO OU ACADEMICISMO ROMANTISMO RENASCIMENTO BARROCO ROCOCÓ NEOCLÁSSICO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais