Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil:*

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil:*"

Transcrição

1 Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil:* Um Levantamento de Perspectivas com o Setor Produtivo *connectedthinking

2 PricewaterhouseCoopers Índice Sumário Executivo 2 Carta do Ministro 5 Carta da Pricewaterhousecoopers 7 Introdução 8 Consulta às Empresas 10 Perfil socioambiental das empresas consultadas 11 As empresas brasileiras e o mercado de carbono 17 Consulta às instituições representativas 24 Perfil socioambiental das instituições consultadas 26 As instituições representativas e o mercado de carbono 30 Consulta às instituições financeiras 34 Perfil socioambiental das instituições financeiras 35 As instituições financeiras e o mercado de carbono 39 Conclusões 42 1

3 Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Um Levantamento de Perspectivas com o Setor Produtivo Sumário Executivo 2

4 PricewaterhouseCoopers No primeiro trimestre de 2006, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e a PricewaterhouseCoopers consultaram empresas e entidades representativas de dez setores produtivos com o objetivo de avaliar as percepções sobre o potencial e a importância estratégica do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) e do mercado de carbono para as organizações brasileiras. O objetivo desta consulta foi colher subsídios para a elaboração de políticas públicas de fomento à realização destes projetos no Brasil. A pesquisa envolveu 163 organizações, entre indústrias, instituições financeiras e associações representativas. Setenta por cento do universo da amostra engloba empresas com faturamento anual superior a R$ 200 milhões, majoritariamente dos setores de agronegócio, energia, saneamento, automobilístico e papel e celulose. As principais tendências identificadas foram: 90% das empresas pesquisadas consideram o impacto das mudanças globais do clima como estratégico ou relevante para as suas operações. 79% das empresas realizam, ou pretendem realizar, projetos de MDL. Os principais fatores limitantes para a realização destes projetos são, nessa ordem: a falta de uma divulgação mais ampla sobre o assunto, a falta de conhecimento técnico especializado e os custos elevados do processo. 67 % realizam, ou pretendem realizar, inventários de emissões. O inventario é utilizado na maioria dos casos para identificação de oportunidades de projeto, seguido por marketing sócio - ambiental e exigências externas, nesta ordem. Em relação às instituições representativas pesquisadas (associações e cooperativas), o mercado de créditos de carbono é visto como um fator que viabiliza o investimento nos projetos e que aumenta a lucratividade e o retorno pretendidos. Entretanto, a demanda das organizações associadas a estas instituições ainda é vista como incipiente com relação ao MDL: apenas 33% já receberam algum pedido de informação sobre o mecanismo, enquanto que somente 14% receberam alguma demanda relacionada à comercialização dos créditos de carbono. Quanto às instituições financeiras abordadas, a maioria considera que seu papel no mercado de carbono é de financiar a elaboração dos projetos, seguida pela comercialização dos créditos. Mesmo assim, a percepção de demanda para estes serviços também é baixa: apenas 19% receberam alguma solicitação de financiamento para os custos de implantação dos projetos. De fato, na opinião das instituições financeiras pesquisadas, a disponibilidade de linhas de crédito para o financiamento de projetos de MDL é inadequada, principalmente na fase de elaboração dos mesmos. Assim, a maioria das organizações (57%) pretende disponibilizar produtos específicos para este mercado em um futuro próximo. 3

5 Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Um Levantamento de Perspectivas com o Setor Produtivo Carta do Ministro O Protocolo de Quioto é um marco tanto no combate a mudança global do clima quanto no estabelecimento de uma nova relação entre desenvolvimento e proteção ao meio ambiente. Esse acordo internacional, além de representar a primeira medida concreta de combate à mudança climática causada pelas emissões antrópicas de gases de efeito estufa, introduz mecanismos de mercado para auxiliar os países desenvolvidos a cumprirem suas metas de redução de emissões. O papel dos instrumentos de mercado introduzidos pelo Protocolo é minimizar os custos da proteção ambiental, permitindo as partes reduzirem emissões de forma economicamente eficiente. O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), em particular, permite a participação dos países emergentes nos esforços comuns de redução de emissões de uma maneira que não compromete seu crescimento econômico. Na verdade, o MDL foi criado com o objetivo de fomentar o desenvolvimento sustentável desses países mediante a transferência de tecnologia e o incentivo a um novo padrão de expansão, baseado na conciliação entre crescimento econômico, inclusão social e respeito ao meio ambiente. Além disso, o MDL criou lucrativas oportunidades de negócio com a venda de serviços ambientais associados à redução de emissões e o seqüestro de carbono. O sucesso do MDL é fundamental para a consolidação dessa nova visão de desenvolvimento. O Brasil tem um papel de destaque nesse novo mercado de créditos de carbono oriundos de projetos de redução de emissões no âmbito do MDL. O primeiro projeto de Desenvolvimento Limpo registrado no mundo foi brasileiro, o projeto NovaGerar, de aproveitamento de biogás de aterro sanitário,. A redução de emissões de gases de efeito estufa em programas brasileiros já validados equivale a um total de 184 milhões de toneladas de CO2 para o primeiro período de compromisso. Essas toneladas que não serão lançadas na atmosfera poderão ser comercializadas, gerando uma receita anual de US$ 133 milhões de dólares para as empresas limpas. 4

6 PricewaterhouseCoopers Exatamente porque os países desenvolvidos têm encontrado dificuldades em implementar medidas domésticas de redução de emissões, o mercado internacional está fortemente comprador. O total de recursos destinados ao investimento em projetos de MDL e a compra de créditos de carbono em fundos internacionais criados pelos governos de países como o Japão, Holanda, Itália, etc excede os US$ 3 bilhões. O Brasil tem sua matriz energética com preponderância na energia hidroelétrica e expressivo uso de biocombustíveis, o que significa um padrão de desenvolvimento industrial relativamente limpo, principalmente em comparação com países como China e Índia. Temos importantes vantagens comparativas para a realização de projetos de MDL de geração de energia elétrica a partir de fontes renováveis, biocombustíveis (como o álcool e o biodiesel), gerenciamento de dejetos na criação de animais, manejo de resíduos sólidos, aproveitamento de biogás de aterros sanitários, melhoria da eficiência energética em diversos setores industriais. Além de outras oportunidades de projeto nos setores da siderurgia, produção de cimento, fertilizantes, químico, petroquímico e agroindustrial. Mas, para que essas oportunidades se transformem em negócios efetivos e na atração de divisas para nossa economia, é necessário o engajamento de todos, tanto do setor público quanto do setor privado. O presente estudo, resultado da parceria entre o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e a PriceWaterHouseCoopers, é uma iniciativa pioneira que visa traçar o perfil dos participantes do mercado de carbono no Brasil, identificar barreiras ao aumento da oferta de projetos e conhecer tendências de investimento. Os subsídios colhidos nessa consulta ao setor produtivo permitirão a elaboração de políticas públicas mais efetivas para o aumento da competitividade brasileira nos mercados internacionais de carbono. Luiz Fernando Furlan Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior 5

7 Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Um Levantamento de Perspectivas com o Setor Produtivo Carta da PricewaterhouseCoopers O Brasil, pelas suas dimensões continentais, clima, diversidade e estágio atual de desenvolvimento sócio-ambiental e econômico, têm oportunidades ímpares de contribuir para a redução dos efeitos climáticos causados pelo desenvolvimento industrial e urbano no último século. Nossa matriz energética limpa, bem como seu potencial de expansão, permite que continuemos nosso desenvolvimento econômico sem prejuízos ambientais e, adicionalmente, possamos auxiliar os países desenvolvidos em seus objetivos de redução programada das emissões de gases de efeito estufa. O protocolo de Quioto permitiu, em termos de mecanismos de desenvolvimento limpo, uma efetiva colaboração e parceria entre os países desenvolvidos e em desenvolvimento, com vistas à melhoria na adoção e utilização de fontes de energia mais eficientes. 6

8 PricewaterhouseCoopers O Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, percebendo a importância desse momento, capitaneou os esforços visando identificar e detalhar as ações e necessidades empresariais sobre o tema, que irão permitir um melhor planejamento das ações a serem tomadas por todos os agentes envolvidos, bem como a otimização dos esforços necessários para atingir os objetivos de redução dos efeitos climáticos que conhecemos. A consulta efetuada entre as maiores empresas e entidades em atuação no país, permitiu mapear as ações que estão sendo planejadas por esses agentes econômicos, sociais e ambientais, permitindo uma visão geral dessas ações, o que constitui a base para que a sociedade possa inserir-se nesse contexto e participar das ações que virão em decorrência desse cenário. Como participantes desse esforço, nos sentimos orgulhosos de poder contribuir para aumentar o conhecimento sobre a realidade brasileira nessa área e, como tal, das bases que irão permitir uma melhor tomada de decisões sobre essas questões relevantes para o nosso país. Fernando Alves Presidente PricewaterhouseCoopers - Brasil 7

9 Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Um Levantamento de Perspectivas com o Setor Produtivo Introdução 8

10 PricewaterhouseCoopers O MDL, instituído no artigo 12 do Protocolo de Quioto, é o único mecanismo de flexibilização, pelo qual países que estão fora do anexo I, como o Brasil, podem participar. Na verdade, o MDL foi criado com o objetivo de fomentar o desenvolvimento sustentável desses países mediante a transferência de tecnologia e o incentivo a um novo padrão de desenvolvimento com base na conciliação entre crescimento econômico, inclusão social e respeito ao meio ambiente. O Brasil tem um papel de destaque nesse novo mercado. Nesse primeiro ano de funcionamento oficial do MDL, o total de reduções de gases de efeito estufa de projetos brasileiros validados equivale a um total de, aproximadamente, 180 milhões de toneladas de CO2 em dez anos. Esse número representa quase 10% de nossas emissões de gases de efeito estufa em Ou seja, enquanto alguns países desenvolvidos queixam-se das dificuldades em reduzir cerca de 5% de suas emissões, de 1990 para o primeiro período de compromisso ( ), o Brasil voluntariamente alcançará o dobro desse percentual de redução. O Protocolo de Quioto, um instrumento dessa Convenção que entrou em vigor em 16 de fevereiro do ano passado, segundo o qual os países industrializados listados no anexo I devem reduzir suas emissões combinadas de gases de efeito estufa em, pelo menos, 5,2 % em relação aos níveis de 1990 no período entre 2008 e Esse compromisso legal promete produzir uma inflexão da tendência histórica de crescimento das emissões iniciadas nesses países há cerca de 150 anos. Para o atendimento dessas metas, os países podem reduzir suas emissões domésticas ou por meio dos mecanismos de flexibilização. 9

11 Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Um Levantamento de Perspectivas com o Setor Produtivo Consulta às empresas 10

12 PricewaterhouseCoopers Foram consultadas empresas dos seguintes setores: Agronegócios, Energia, Cimento, Papel e Celulose, Petroquímico, Siderurgia, Saneamento, Automobilístico, Construção Civil e Metalurgia. Os questionários procuraram identificar o perfil socioambiental das empresas que seriam potenciais protagonistas no mercado de carbono, discernir tendências e conhecer a percepção desses agentes sobre a importância do tema, bem como acerca dos principais fatores limitantes ao desenvolvimento mais vigoroso dos mercados de carbono no Brasil. Figura 1: Distribuição setorial das empresas consultadas 7% Agronegócio Energia 2% 22% Cimento 8% Papel e Celulose Petroquímico 13% Siderúgico 13% Outros 7% Saneamento 4% Automobilístico 7% 14% Construção Civil 3% Metalúrgico Perfil socioambiental das empresas consultadas A consulta foi direcionada a grandes (70%) e médias (28%) empresas 1 não apenas pelo seu potencial para realização de projetos, mas também pela importância de suas percepções sobre os obstáculos para o desenvolvimento do mercado de carbono. As dificuldades experimentadas por essas empresas que dispõem de escala e recursos para investir em projetos MDL são obstáculos ainda mais restritivos para empresas de menor porte. Figura 2: Distribuição das empresas segundo o faturamento 28% Grandes 2% Médias Não Responderam 70% 1 São consideradas grandes empresas com faturamento superior a R$ 200 milhões, enquanto as médias são que faturaram entre R$ 10 e 200 milhões. 11

13 Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Um Levantamento de Perspectivas com o Setor Produtivo Figura 3: Investimentos na área ambiental nos últimos cinco anos 5% 16% 7% Até R$ Entre R$ e R$ 1 milhão As empresas consultadas fizeram investimentos significativos na área ambiental. Nos últimos cinco anos, 72% fizeram investimentos ambientais de mais de R$ 1 milhão, enquanto 16% investiram entre R$ e R$ 1 milhão. Mais de R$ 1 milhão Não Responderam 72% Figura 4: Destinação dos investimentos na área ambiental 33% 5% 9% 24% Treinamento Redução de Emissões Esses investimentos foram destinados principalmente ao controle de efluentes (33%), ao gerenciamento de resíduos (29%) e à redução de emissões (24%). Gerenciamento de Resíduos Controle de efluentes Não responderam 29% 72% das empresas fizeram investimentos ambientais de mais de R$ 1 milhão nos últimos 5 anos 12

14 PricewaterhouseCoopers Com relação às tendências de investimento, 69% das empresas assinalaram a perspectiva de aumento dos investimentos na área ambiental, enquanto 26% tencionam manter o mesmo nível de investimento atual. Figura 5: Perspectiva de investimento na área ambiental 1% 2% 2% 26% Aumentem Permaneçam constantes Diminuam Não sei 69% Não Responderam Como resultado desses investimentos, 92% das empresas consultadas implantaram ou pretendem implantar sistemas de gerenciamento ambiental. Figura 6: Porcentagens de empresas que implantaram sistemas de gestão ambiental 8% SIM NÃO 92% 92% das empresas implantaram ou pretendem implantar sistemas de gerenciamento ambiental 13

15 Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Um Levantamento de Perspectivas com o Setor Produtivo Além disso, 73% das empresas consultadas avaliam periodicamente a eficiência de seu processo, enquanto 76% realizam alguma forma de reaproveitamento de resíduos ou subprodutos de seu processo produtivo, e 59% realizam ou pretendem realizar atividade de florestamento ou reflorestamento além da obrigação legal ou judicial. Figura 7: Porcentagem de respondentes que avaliam a eficiência do processo 27% SIM NÃO 73% Figura 8: Porcentagem de empresas consultadas que reaproveitam resíduos 24% SIM NÃO 76% Figura 9: Porcentagem de empresas que realizam atividade de reflorestamento voluntário 59% das empresas realizam atividade de reflorestamento voluntário 41% 59% SIM NÃO 14

16 PricewaterhouseCoopers A demanda energética da maioria dessas empresas (65%) é suprida pela rede elétrica, mas 31% das respondentes utilizam geração compartilhada e 15% utilizam geração própria. Figura 10: Alternativas de suprimento energético utilizado Rede Elétrica 60 Geração Compartilhada Geração Própria 50 Co-Geração % Não Responderam Em alguns gráficos o somatório ultrapassa 100%, pois foi facultado às organizações responderem mais de uma alternativa. 15

17 Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Um Levantamento de Perspectivas com o Setor Produtivo A responsabilidade social é um tema importante para as empresas consultadas: 60% consideram o tema estratégico, enquanto 36% o consideram relevante. Além disso, 78% das empresas consultadas apresentam programa de responsabilidade social. Esse perfil socioambiental das empresas consultadas contribui para seu interesse no tema da mudança global do clima, para a qualidade de seus projetos MDL e para a sustentabilidade de sua participação no mercado de carbono. Figura 11: Importância da responsabilidade social 70 Estratégico Relevante Pouco relevante % 50 Não sei Não Responderam Figura 12: Porcentagem de empresas que mantêm programa de responsabilidade social 22% SIM NÃO 78% 16

18 PricewaterhouseCoopers As empresas brasileiras e o mercado de carbono A elevada porcentagem de empresas consultadas que conhecem o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (72%) e que realizam ou pretendem realizar projetos de MDL (79%) é, em parte, conseqüência do direcionamento da pesquisa, focada em grandes e médias empresas. Figura 13: Porcentagem de empresas consultadas que conhecem o MDL 28% SIM NÃO 72% Figura 14:Porcentagem de respondentes que realizam ou pretendem realizar projetos de MDL 72% 21% das empresas conhecem o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo SIM NÃO 79% 17

19 Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Um Levantamento de Perspectivas com o Setor Produtivo Figura 15: Porcentagem das empresas consultadas que conhecem o MBRE 37% SIM NÃO 63% A consulta constatou que, apesar de ter sido lançado em setembro de 2005, o Mercado Brasileiro de Redução de Emissões (MBRE) importante passo para a organização do mercado de carbono no Brasil - já tem o reconhecimento de 37% das empresas consultadas. Figura 16: Utilização da receita dos projetos MDL 7% 8% 58% 25% Viabilizar projetos de investimento Lucrar Mitigar riscos Não Responderam Outras Para essas empresas, as principais aplicações da renda advinda dos projetos MDL são a viabilização de projetos de investimento (58%) e a mitigação de riscos (25%). Esse resultado demonstra o amadurecimento das empresas brasileiras ao integrarem seus investimentos em projetos MDL ao contexto mais amplo de sua estratégia competitiva. 2% 18

20 PricewaterhouseCoopers Figura 17: Acesso a estudos internacionais sobre mercado de carbono SIM 54% 46% NÃO Com relação ao conhecimento da experiência internacional, 54% das empresas consultadas afirmaram ter acesso a estudos ou levantamentos internacionais sobre o mercado de carbono e projetos MDL, enquanto cerca de 48% têm conhecimento das iniciativas dos concorrentes internacionais sobre o tema. Figura 18: Conhecimento das iniciativas dos concorrentes externos 52% 48% SIM NÃO 19

21 Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Um Levantamento de Perspectivas com o Setor Produtivo De fato, a disponibilidade de informações sobre o mercado de carbono e os projetos MDL ainda é restrita e, na opinião da maioria das empresas consultadas, constitui o principal fator limitante. 33% das empresas destacam a falta de divulgação de informações sobre o MDL, e 31% assinalam a falta de conhecimento técnico como fator limitante, contra 22% que consideram os custos elevados para elaboração de projetos como principal limite ao desenvolvimento. Figura 19: Fatores limitantes ao desenvolvimento de projetos de MDL 31% 14% 22% 33% Falta de divulgação Custos elevados Falta de conhecimento técnico Outros A consulta procurou identificar a percepção das empresas sobre o impacto da Mudança Global do Clima no seu ramo de atividade e no futuro da empresa, bem como a importância que elas atribuem ao mercado de carbono. Quanto ao impacto da Mudança Global do Clima no seu futuro, 46% das empresas consultadas consideram os impactos relevantes, enquanto 44% consideram o tema estratégico. Figura 20: Impacto da Mudança global do clima sobre as empresas % Estratégico 40 Relevante Pouco relevante 30 Insignificante Não sei 20 Não Responderam

22 PricewaterhouseCoopers Quanto à importância do mercado de carbono para o futuro das empresas consultadas, 75% das empresas consideram o tema relevante ou estratégico. Figura 21: Importância do mercado de carbono para o futuro das empresas % Estratégico 40 Relevante Pouco relevante Não sei Não Responderam A consulta também procurou identificar se as empresas tinham elementos para avaliar seu potencial de realização de projetos MDL. Nesse contexto, os inventários de emissões podem ser uma ferramenta importante para a identificação de oportunidades e o planejamento das empresas para um cenário futuro de restrição de emissões. Assim, apesar de o Brasil não apresentar metas de redução, 67% das empresas consultadas afirmaram realizar ou pretender realizar inventário voluntário de emissões de gases de efeito estufa (GEE). Figura 22: Porcentagem das respondentes que realizam inventário de emissões 33% SIM NÃO 67% 21

23 Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Um Levantamento de Perspectivas com o Setor Produtivo Em sintonia com esse diagnóstico sobre a importância dos inventários como ferramenta de planejamento, a principal motivação destacada pelas empresas consultadas para a realização do inventário de emissões foi a identificação de oportunidades de projetos (47%), seguido de marketing socioambiental (19%) e exigências externas (12%). Figura 23: Motivação para a realização de inventários de emissões Exigência Externa % Marketing Socioambiental Identificação de Oportunidades de Projetos Responsabilidade Ambiental Outras Não Responderam

24 PricewaterhouseCoopers Quanto às fontes geradoras de gases de efeito estufa no seu processo produtivo, 58% destacaram como principal fonte a queima de combustível, seguida da disposição de resíduos (18%). Figura 24: Principais fontes de emissões de GEEs Queima de Combustível Disposição de resíduos (industriais, agrícolas) % Transporte Uso de Solventes Outras Não responderam

25 Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Um Levantamento de Perspectivas com o Setor Produtivo Consulta às instituições representativas (Associações e cooperativas) 24

26 PricewaterhouseCoopers A consulta também procurou identificar como as instituições representativas têm avaliado as questões relativas ao mercado de carbono e respondido às demandas de suas associadas. Essas instituições desempenham um papel importante na coordenação de esforços das empresas associadas para permitir maior participação no mercado de carbono. As instituições representativas podem atuar tanto na prospecção e na divulgação de informações sobre oportunidade de projeto nos seus setores específicos, como também somar recursos das associadas e permitir economias de escala na elaboração de projetos e na comercialização dos créditos de carbono. 25

27 Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Um Levantamento de Perspectivas com o Setor Produtivo Perfil socioambiental das instituições consultadas Responderam a consulta instituições representativas dos setores de Agronegócio, Papel e Celulose, Petroquímico, Químico, Energia, Automobilístico e Construção Civil. As instituições consultadas são de abrangência internacional, nacional, regional, setorial. % Figura 25: Distribuição setorial das instituições representativas consultadas Agronegócio Papel e Celulose Petroquímico Químico Energia Automobilístico Construção Civil Mercado Financeiro e de Capitais Figura 26: Abrangência das instituições consultadas Nacional Internacional Setorial Regional %

28 PricewaterhouseCoopers As questões relativas ao meio ambiente e à responsabilidade social têm um papel destacado nas preocupações das instituições consultadas. As questões ambientais são consideradas estratégicas para 76% delas, enquanto o tema da responsabilidade social é igualmente considerado estratégico por quase 52%. Além disso, 78% das instituições consultadas incentivam suas associadas a implantarem programas de responsabilidade social. Figura 27: Importância das questões ambientais 24% 76% Figura 28: Importância da responsabilidade social Estratégico Relevante 48% 52% Estratégico Relevante Figura 29: Percentual das instituições que incentivam a realização de programas de responsabilidade social 22% 52% das instituições consideram responsabilidade social estratégico 78% Sim Não 27

29 Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Um Levantamento de Perspectivas com o Setor Produtivo Os investimentos ambientais das associadas destinam-se principalmente ao controle de efluentes (53%), ao treinamento ou à conscientização (47%) e ao gerenciamento de resíduos (42%). Figura 30: Destinação dos investimentos ambientais Treinamento/Conscientização Redução de Emissões Gerenciamento de Resíduos Controle de Efluentes Certificação % A principal motivação para os investimentos ambientais, apontada em quase 74% das respostas, foi a adequação a requisitos legais ou normativos, seguida pela necessidade de aumento de competitividade, presente em 47% das respostas. Figura 31: Motivação dos investimentos na área ambiental 80 73, Adequação a requisitos legais/normativos Aumento da competitividade Exigências externas Marketing socioambiental Não responderam %

30 PricewaterhouseCoopers Figura 32: Perspectiva de investimentos na área ambiental 17% Na opinião de 83% das instituições consultadas, a tendência entre suas empresas associadas é de que os investimentos na área ambiental aumentem. 83% Figura 33: Impacto da mudança Global do Clima 38% 57% Aumentem Permaneçam constantes Estratégico Pouco relevante Relevante Segundo 57% das respondentes, o impacto da Mudança Global do Clima é estratégico para o futuro dos setores consultados, mas o mercado de carbono ainda é considerado estratégico para apenas 29% das instituições consultadas. Esse resultado indica a necessidade de divulgar o mercado de carbono como uma ferramenta para a adaptação das empresas aos impactos econômicos da mudança global do clima, como, por exemplo, a necessidade de descarbonização - redução do potencial de emissões - de seus produtos e processos. Nesse contexto, o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo pode facilitar a adaptação, sendo um mecanismo eficaz de transferência de tecnologia limpa para as empresas brasileiras. 5% Figura 34: Importância do mercado de carbono 29% Estratégico Pouco relevante 66% 5% Relevante 29

31 Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Um Levantamento de Perspectivas com o Setor Produtivo As instituições representativas e o mercado de carbono Na opinião das instituições representativas consultadas, o papel do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no futuro do setor é a viabilização do projeto de investimento e a melhoria da performance ambiental das empresas. Essa indicação esteve presente em 58% das respostas, seguido da possibilidade de aumento da lucratividade apontado em 32% dos questionários. Figura 35: Percepção das respondentes sobre o papel do MDL Viabilizar projetos de investimentos Aumentar a lucratividade % Mitigar riscos Transferência de tecnologia 10 0 Melhoria da performance ambiental 30

32 PricewaterhouseCoopers A demanda das associadas, apesar de ainda incipiente, já motiva as instituições a realizar eventos de divulgação e a buscar informações mais qualificadas sobre projetos MDL em seu setor. Entre as instituições consultadas, 33% já receberam pedidos de informação sobre projetos MDL de suas associadas e 14% receberam demandas relacionadas à compra e à venda de créditos de carbono. 48% das instituições consultadas realizaram ou pretendem realizar eventos, como seminários ou workshops, para a divulgação do mercado de crédito de carbono, enquanto mais de 28% já realizaram treinamento específico sobre o tema. Figura 36: Demandas das associadas relativas a projetos de MDL e ao mercado de carbono % Figura 37: Iniciativas de divulgação das instituições consultadas Apoio para realização de projeto Consulta para informações Não Relacionada à compra e venda de créditos de carbono Não respondidos Artigo Eventos (workshop, seminários, etc) Publicação Não Treinamento % 30 28,

33 Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Um Levantamento de Perspectivas com o Setor Produtivo A necessidade de informações específicas tem motivado as instituições a realizar estudos e procurar conhecer as iniciativas de suas congêneres no exterior. 63% das instituições consultadas já realizaram ou pretendem realizar estudo ou levantamento de oportunidades do mercado de crédito de carbono, e 58% conhecem as iniciativas de organizações internacionais relativas ao tema ou têm acesso a estudos e levantamentos sobre mercado de carbono. Figura 38: Realização de estudos ou levantamento de oportunidades 37% Sim Não 63% 63% das instituições já realizaram ou pretendem realizar estudo ou levantamento de oportunidades do mercado de crédito de carbono Figura 39: Conhecimento das iniciativas de instituições congêneres no exterior 42% Sim 58% Não 32

34 PricewaterhouseCoopers Figura 40: Conhecimento do MBRE entre as instituições consultadas 32% Sim Não 68% Figura 41: Fatores limitantes ao desenvolvimento de projetos de MDL Quanto ao MBRE, como na consulta às empresas, o reconhecimento ainda é pequeno: 32% das instituições representativas conhecem o MBRE. Esse resultado sugere a importância de eventos para a divulgação do MBRE voltados especialmente para esse público. O diagnóstico das barreiras referente à realização de projetos também foi semelhante ao obtido na consulta às empresas. O principal fator limitante à realização de projetos MDL destacado pelas instituições representativas foi a falta de divulgação de informações qualificadas e a escassez de conhecimento técnico especializado 24% 38% Custos elevados Falta de conhecimento técnico Falta de divulgação 38% 33

Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Novas Perspectivas do Setor Produtivo.

Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Novas Perspectivas do Setor Produtivo. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil: Novas Perspectivas do Setor Produtivo. Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo

Leia mais

Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil

Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo no Brasil Pesquisa periódica de perspectivas das empresas brasileiras sobre o mercado de créditos de carbono e Projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo

Leia mais

Sumário Executivo. Conclusões

Sumário Executivo. Conclusões Mar çode2011 Sumário Executivo A intensificação no uso do regime de substituição tributária do ICMS pelos governos estaduais nos últimos anos tem causado distorções no ambiente econômico e conseqüentemente

Leia mais

O Mercado Brasileiro de Redução de Emissões. Carlos Alberto Widonsck

O Mercado Brasileiro de Redução de Emissões. Carlos Alberto Widonsck O Mercado Brasileiro de Redução de Emissões Carlos Alberto Widonsck O Protocolo de Quioto (1997) Define diretrizes para estimular a redução de emissões de gases de efeito estufa; Países Desenvolvidos (Anexo

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

*connectedthinking. Processo de obtenção de Certidões Negativas e os impactos na atividade empresarial brasileira*

*connectedthinking. Processo de obtenção de Certidões Negativas e os impactos na atividade empresarial brasileira* *connectedthinking Processo de obtenção de Certidões Negativas e os impactos na atividade empresarial brasileira* Maio de 2006 PricewaterhouseCoopers Índice Da relevância do tema 3 Dos objetivos da sondagem

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Como melhorar o valor dos ativos de geração

Como melhorar o valor dos ativos de geração www.pwc.com.br Como melhorar o valor dos ativos de geração Modelo de Margem de Contribuição de Geração da PwC Como medir o desempenho de operações de geração de energia e gestão de carteiras para melhorar

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Private Equity e Venture Capital no Brasil*

Private Equity e Venture Capital no Brasil* Corporate Finance Private Equity e Venture Capital no Brasil* Abril de 2008 *connectedthinking Introdução O cenário brasileiro para os investimentos de Private Equity continua positivo. Em meio ao turbulento

Leia mais

Um panorama da gestão de capital humano no Brasil

Um panorama da gestão de capital humano no Brasil Um panorama da gestão de capital humano no Brasil Destaques do Benchmarking de Capital Humano 2014 PwC Saratoga www.pwc.com.br Apresentação As práticas de gestão de pessoas desempenham, cada vez mais,

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

RETROSPECTIVA DAS AÇÕES DA REDE CLIMA DA CNI EM 2013

RETROSPECTIVA DAS AÇÕES DA REDE CLIMA DA CNI EM 2013 RETROSPECTIVA DAS AÇÕES DA REDE CLIMA DA CNI EM 2013 Cenário Nacional e Internacional De acordo com os termos do protocolo Kyoto, as nações industrializadas se comprometeriam a reduzir em 5,2% as emissões

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das de Gases de Efeito Estufa SADIA S/A 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 01/04/2010 Preparador

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil. Maisa de Souza Ribeiro

Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil. Maisa de Souza Ribeiro Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil Maisa de Souza Ribeiro Objetivos do Protocolo de Quioto Desenvolvimento Social, Ambiental e Econômico Países Poluidores PROTOCOLO

Leia mais

Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados. Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br

Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados. Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br Mercado de Carbono Somente projetos estruturados com base nos mecanismos de flexibilização

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações WORKSHOP ASPECTOS RELEVANTES DA PRÁTICA EMPRESARIAL EM GESTÃO AMBIENTAL CAMPINAS, 17 DE ABRIL 2010 As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações Profa. Josilene T.V.Ferrer Estado de São

Leia mais

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL BRITCHAM SP 18/08/06 São Paulo samuel barbosa 3 DET NORSKE VERITAS Introdução FUNDAÇÃO - Fundação independente estabelecida na Noruega em 1864. OBJETIVO

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

Nossa atuação no setor financeiro

Nossa atuação no setor financeiro Nossa atuação no setor financeiro No mundo No Brasil O porte da equipe de Global Financial Services Industry (GFSI) da Deloitte A força da equipe do GFSI da Deloitte no Brasil 9.300 profissionais;.850

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões

Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzinifreire.com.br Mercado de Carbono no Brasil

Leia mais

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo 1º Período de compromisso do Protocolo de Quioto (2008-2012) (Data final de coleta de dados: 12/02/2014) O

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Protocolo de Quioto à Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Assunto: Diminuição da emissão de gases de efeito estufa

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com

Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte. João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Inventário Municipal de Emissões de GEE Belo Horizonte João Marcelo Mendes jmendes@waycarbon.com Sobre a WayCarbon 7 anos no mercado sul-americano de consultoria em mudanças climáticas Portifólio de projetos

Leia mais

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono

Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Inventário de Emissões de GEE: Ferramenta Estratégica para uma Economia de Baixo Carbono Temas abordados 1. Quem somos 2. Efeito estufa e aquecimento global 3. Marco regulatório 4. O inventário de emissões

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

Articles about fuel switch portfolio Brazil

Articles about fuel switch portfolio Brazil Articles about fuel switch portfolio Brazil DIÁRIO DE CUIABÁ : Empresa holandesa vai financiar projetos de energia alternativa. O financiamento se dará com a venda de créditos de carbono a partir do aproveitamento

Leia mais

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Nelson Pereira dos Reis Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Fiesp Vice presidente Departamento de

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 1. A Presidenta da República Federativa do Brasil, Dilma Rousseff, e a Chanceler da República Federal da Alemanha,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões

NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS. Inventários de Emissões NECESSIDADE DE CONHECIMENTO DAS EMISSÕES NOS PROCESSOS PRODUTIVOS Inventários de Emissões O QUE É UM INVENTÁRIO? Um inventário corporativo de emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa é a

Leia mais

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos

Gestão. Curso Superior de Tecnologia em Gestão da Qualidade. Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da Qualidade Gestão O tecnólogo em Gestão da Qualidade é o profissional que desenvolve avaliação sistemática dos procedimentos, práticas e rotinas internas e externas de uma entidade, conhecendo e aplicando

Leia mais

Mercado de Carbono Atividade de Suporte ao MDL

Mercado de Carbono Atividade de Suporte ao MDL Mercado de Carbono Atividade de Suporte ao MDL Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A Setembro 2008 Índice O Protocolo de Quioto e as emissões dos GEE Os Mecanismos O ciclo e a estrutura de aprovação do

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas Seminário FIESP Política Estadual de Mudanças Climáticas Coordenadoria de Planejamento Ambiental SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Casemiro Tércio Carvalho São Paulo, 4 de maio de 2010 Novo Paradigma Princípios,

Leia mais

DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS. Produção Sustentável

DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS. Produção Sustentável Destaques Estratégicos: projetos e iniciativas DESTAQUES ESTRATÉGICOS: PROJETOS E INICIATIVAS Produção Sustentável 1 Produção Sustentável Situação atual - Pressão de consumidores e barreiras comerciais

Leia mais

DECRETO Nº 27.343 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013

DECRETO Nº 27.343 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013 DECRETO Nº 27.343 DE 06 DE SETEMBRO DE 2013 Ementa: Institui o Comitê de Sustentabilidade e Mudanças Climáticas do Recife - COMCLIMA e o Grupo de Sustentabilidade e Mudanças Climáticas - GECLIMA e dá outras

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO

FUNDAMENTOS DA GESTÃO A Ultrapar realizou em 2011 um programa de comunicação e disseminação do tema sustentabilidade entre seus colaboradores, com uma série de iniciativas voltadas para o engajamento e treinamento das pessoas.

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Brasil: Cenário Atual

Brasil: Cenário Atual Encontro ILSI Brasil São Paulo, 10 de Dezembro de 2012 Brasil: Cenário Atual 8 milhões de quilômetros quadrados 194 milhões de habitantes 84% em cidades com crescimento desordenado 6ª maior economia mundial,

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios

Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Desenvolvimento da agenda sustentabilidade & negócios Em 2013, a Duratex lançou sua Plataforma 2016, marco zero do planejamento estratégico de sustentabilidade da Companhia. A estratégia baseia-se em três

Leia mais

SEMANA FIESP CIESP DE MEIO AMBIENTE. A Política de Desenvolvimento Produtivo e a Produção Sustentável. São Paulo, 04 de junho de 2008

SEMANA FIESP CIESP DE MEIO AMBIENTE. A Política de Desenvolvimento Produtivo e a Produção Sustentável. São Paulo, 04 de junho de 2008 SEMANA FIESP CIESP DE MEIO AMBIENTE A Política de Desenvolvimento Produtivo e a Produção Sustentável São Paulo, 04 de junho de 2008 SUSTENTABILIDADE X DEMANDAS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO 2 Matriz Energética

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Ford Nome fantasia: Ford - CNPJ: 03.470.727/0001-20 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

REFLORESTAMENTO NO MATO GROSSO- UM NOVO E RENTÁVEL

REFLORESTAMENTO NO MATO GROSSO- UM NOVO E RENTÁVEL REFLORESTAMENTO NO MATO GROSSO- UM NOVO E RENTÁVEL NEGÓCIO? Joésio D. P. Siqueira joesio@stcp.com.br Preparado para BIENAL DOS NEGÓCIOS DA AGRICULTURA MATO GROSSO FAMATO 23 de Agosto 2007 CUIABÁ MT/Brasil

Leia mais

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados

Sistema Indústria. 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57 milhões de alunos capacitados Sistema Indústria CNI 27 Federações de Indústrias 1.136 Sindicatos Associados 622.874 Indústrias SENAI SESI IEL 28 Áreas de atuação 730 Unidades de Operação 4 Milhões de matrícula/ano (2014), mais de 57

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015

CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 ATENÇÃO: ANTES DE ASSINAR ESTA CARTA, LEIA O CONTEÚDO ATÉ O FINAL E CLIQUE NO LINK. FÓRUM DE AÇÃO EMPRESARIAL PELO CLIMA CARTA ABERTA AO BRASIL SOBRE MUDANÇA DO CLIMA 2015 O desafio da mudança do clima

Leia mais

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Estado de São Paulo Fonte: SSE SP Potencial de redução: 7,9% energia elétrica Potencial de redução: 6,6% petróleo & gás Estado de São Paulo

Leia mais

Critérios de Sustentabilidade para Projetos de MDL no Brasil

Critérios de Sustentabilidade para Projetos de MDL no Brasil Critérios de Sustentabilidade para Projetos de MDL no Brasil Adaptado de Paper escrito por Silvia Llosa para o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) e o Observatório do Clima I - Objetivos

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 JBS Nome fantasia: JBS S/A - CNPJ: 02.916.265/0001-60 Tipo da empresa: Holding Setor econômico: C. Indústrias de

Leia mais

Nº I. Utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo: procedimentos para implementação e análise da evolução dos projetos

Nº I. Utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo: procedimentos para implementação e análise da evolução dos projetos Nº I Utilização do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo: procedimentos para implementação e análise da evolução dos projetos Comunicado Técnico GEMUC/DPED/FEAM Os Comunicados Técnicos da Gerência de Energia

Leia mais

IV Fórum da Terra. " Mudança Climática o Desafio do Século XXI

IV Fórum da Terra.  Mudança Climática o Desafio do Século XXI IV Fórum da Terra " Mudança Climática o Desafio do Século XXI Mariana Luz CEBRI Centro Brasileiro de Relações Internacionais Rio de Janeiro, 25 de Outubro de 2011 Economia verde como desafio global Economia

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015 Ministério das Relações Exteriores Assessoria de Imprensa do Gabinete Nota nº 259 30 de junho de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Leia mais

6 Análise dos resultados

6 Análise dos resultados 6 Análise dos resultados A seguir, apresenta-se a análise dos resultados obtidos por meio da coleta de dados no campo, a partir de cada uma das questões intermediárias indicadas no Capítulo 1. A análise

Leia mais

Apresentação Grupo Solví

Apresentação Grupo Solví Apresentação Grupo Solví Mesa redonda Mercado de Metano Experiência Brasileira do Grupo Solvi com Gás G s Metano O Grupo Solví Resíduos Valorização Energética Saneamento O Grupo Solví Grupo Solví Valorização

Leia mais

IFRS no Brasil - Seguradoras. Implicações para a Indústria

IFRS no Brasil - Seguradoras. Implicações para a Indústria IFRS no Brasil - Seguradoras Implicações para a Indústria PricewaterhouseCoopers Processo de diagnóstico contábil e treinamento sobre IFRS 4 As regras contábeis de avaliação e divulgação de contratos de

Leia mais

Mecanismo de Desenvolvimento Limpo

Mecanismo de Desenvolvimento Limpo Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL): percepção de um segmento de empresas brasileiras Alexandre Gellert Paris Mestre Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares e consultor da PricewaterhouseCoopers.

Leia mais

S O C I O A M B I E N TA L

S O C I O A M B I E N TA L Apresentação Todas as ações desenvolvidas pelo Banrisul estão comprometidas em preservar o meio ambiente, seja no momento de realizar um contrato de financiamento agrícola, investimento em projeto, seja

Leia mais

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS Novas Tendências de Certificação de Sustentabilidade Vanda Nunes - SGS A HISTÓRIA DA SGS Maior empresa do mundo na área de testes, auditorias, inspeções e certificações. Fundada em 1878, na cidade de Rouen,

Leia mais

V FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA CARBONO PARA ESTIMULAR SUSTENTÁVEL NO ESTADO DO

V FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA CARBONO PARA ESTIMULAR SUSTENTÁVEL NO ESTADO DO Universidade Federal do Amazonas Centro de Desenvolvimento Energético Amazônico V FEIRA INTERNACIONAL DA AMAZÔNIA MERCADO VOLUNTÁRIO DE CARBONO PARA ESTIMULAR PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Seminário Internacional - Oportunidades e Desafios do Mercado de Carbono Pós COP-15

Seminário Internacional - Oportunidades e Desafios do Mercado de Carbono Pós COP-15 Seminário Internacional - Oportunidades e Desafios do Mercado de Carbono Pós COP-15 São Paulo, 24/02/2010 Mudanças Climáticas: redução de emissões de GEE pelo setor sucro-alcooleiro Isaias C. Macedo NIPE,

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima HISTÓRICO UNFCCC IPCC Comunicação Nacional do Brasil Política Nacional sobre

Leia mais

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta 2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2008. Declaração Conjunta Sumário Os empresários europeus e brasileiros apóiam com entusiasmo a Parceria Estratégica Brasil-

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo

Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Em 20 anos, Brasil poderá gerar 280 MW de energia do lixo Fabíola Ortiz - 28/02/13 Potencial de produção de energia vinda dos aterros pode dobrar em 20 anos, se a lei de resíduos sólidos for cumprida.

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios

O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios O Setor Elétrico Brasileiro e a Sustentabilidade no Século 21 Oportunidades e Desafios Português Resumo Executivo Esta é a segunda edição revista e ampliada da publicação: O Setor Elétrico Brasileiro e

Leia mais

Economia de Floresta em Pé

Economia de Floresta em Pé Seminário Perspectivas Florestais para Conservação da Amazônia Economia de Floresta em Pé 12/Julho/2011 Porto Velho, Rondônia AGENDA MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO CARBONO DE FLORESTA REDD NA PRÁTICA

Leia mais

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental

Dimensão Ambiental. Critério I - Responsabilidade e Compromisso. Indicador 1 - Abrangência. Indicador 2 - Responsabilidade Ambiental Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Ambiental Critério I - Responsabilidade e Compromisso Indicador 1 - Abrangência 1. A empresa possui uma política ambiental? Caso "" para a pergunta

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2020 PLANO DE NEGÓCIOS 2009-13

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2020 PLANO DE NEGÓCIOS 2009-13 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2020 PLANO DE NEGÓCIOS 2009-13 PETROBRAS BIOCOMBUSTÍVEL S/A COMISSÃO ESPECIAL DE ENERGIAS RENOVÁVEIS ABRIL DE 2009 1 Agenda Planejamento Estratégico da Petrobras Biocombustível

Leia mais

Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio Guerra

Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio Guerra Identificação de estruturas de alta, média e baixa qualificação profissional, trabalhando algumas hipóteses qualitativas, a partir dos cenários SENAI/BNDES Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio

Leia mais

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO III SISCA 21 e 22 de agosto de 2013 Felipe Jané Bottini Green Domus Desenvolvimento Sustentável felipe@greendomus.com.br +55 (11) 5093 4854 http://storymaps.esri.com//globalfootprint/

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL:

MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL: III ENCONTRO LATINO AMERICANO E CARIBENHO SOBRE MUDANÇAS AS CLIMÁTICAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO BRASIL: Participação dos Estados Eugênio Cunha São Paulo 14 de março de 2008 SUMÁRIO PARTE I NÍVEL INSTITUCIONAL

Leia mais

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Carlos Rittl Secretário Executivo São Paulo, 10 de agosto de 2015 SBDIMA Sociedade Brasileira de Direito Internacional do Meio Ambiente Eventos climáticos extremos Desastres

Leia mais

Estratégias Empresariais de Adaptação

Estratégias Empresariais de Adaptação Estratégias Empresariais de Adaptação Seminário: Cenários Corporativos de Riscos Climáticos no Brasil e a Inovação Regulatória da Administração Barack Obama 29 de setembro, 2015 MISSÃO Expandir continuamente

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Negócios Socioambientais

Desenvolvimento de Novos Negócios Socioambientais Desenvolvimento de Novos Negócios Socioambientais Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A Punta del Este / Novembro 2010 Índice O Protocolo de Quioto e as emissões dos GEE Mecanismo de Desenvolvimento Limpo

Leia mais

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental Roberto Kishinami Consultor Independente para DESK GREEN ECONOMY Projeto Desenvolvimento Sustentável Bilateral Câmara Ítalo Brasileira

Leia mais

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs:

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs: Institucional A Unidade de Recuperação Energética (URE) Barueri é um empreendimento da Foxx Haztec, empresa líder em serviços ambientais no Brasil com atuação nas áreas de resíduos sólidos, consultoria

Leia mais

amazonas a força tarefa Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas Histórico e contexto de criação

amazonas a força tarefa Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas Histórico e contexto de criação a força tarefa amazonas Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas Histórico e contexto de criação A Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas GCF é uma plataforma colaborativa

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Confederação Nacional da Indústria Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Edição revisada Brasília, 2008 Nota técnica Os gráficos desta cartilha foram elaborados a partir

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Construção Civil e Sustentabilidade

Construção Civil e Sustentabilidade CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 07 maio de 2014 Organização:

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

Nossas soluções para o setor sucroenergético

Nossas soluções para o setor sucroenergético www.pwc.com.br Nossas soluções para o setor sucroenergético Centro PwC de Serviços em Agribusiness Outubro de 2013 Agrícola Gestão de fornecedores de cana Revisão da estrutura de relacionamento entre usina

Leia mais