FICHA TÉCNICA NO ENTRE DOURO E MINHO, PASSADO, PRESENTE E. Profissional Agrária

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FICHA TÉCNICA NO ENTRE DOURO E MINHO, PASSADO, PRESENTE E. Profissional Agrária"

Transcrição

1 3

2 FICHA TÉCNICA - FORMAFUTURO A FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGRÁRIA NO ENTRE DOURO E MINHO, PASSADO, PRESENTE E Título FUTURO: - ACÇÃO N.º 1 BD-Base de Dados da FPA Formação Profissional Agrária Autoria Coordenação Geral Coordenação Científica Equipa Técnica Parceria Capa DRAPN Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte. Rua da República, MIRANDELA Telefone: , Fax: Adelino Portela e António Ramalho Oliveira Baptista Alda Brás, António Afonso, Carlos Torres, Carlota Carqueja, Clara Gonçalves, Daniel Gomes, David Santos, Fernanda Machado, Filipe Batista, Graça Tavares, Isabel Rodrigo, João Castro Caldas, João Oliveira, José Fernandes, José Mota, Luís Maia, Maria Emília Oliveira, Maria João Canadas, Paulo Castro, Paulo Eça, Paulo Sousa, Pedro Peixoto, Rosa Bernardino e Rui Martins. DRAPN, ADISA, IDARN E CAN Jorge Coutinho. 4

3 FORMAFUTURO A Formação Profissional Agrária no Entre Douro e Minho, Passado Presente e Futuro ACÇÃO N.º 1 BD-BASE DE DADOS DA FPA FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGRÁRIA OBJECTIVO 1 Reconversão e actualização tecnológica da BDFPA 5

4 ÍNDICE GERAL I OBJECTIVO I - Reconversão e actualização tecnológica da BDFPA PÁG. 1 - Reestruturação da BDFPA O levantamento da situação antiga da BD A identificação de novas necessidades de tratamento da BD antiga O desenho da nova BD Georeferenicação da BDFPA Os mecanismos de georeferenciação da informação, a inserir na nova BDFPA Os mecanismos de actualização face à georeferenciação definida Acessibilidade à BDFPA A identificação do público-alvo de acesso à nova BDFPA A identificação dos vários procedimentos de acesso à BDFPA A análise do sistema de informação Migração de dados da aplicação antiga O desenvolvimento da aplicação informática A formação dos utilizadores A implementação do sistema 14 Anexos 15 6

5 FORMAFUTURO A Formação Profissional Agrária no Entre Douro e Minho, Passado Presente e Futuro ACÇÃO N.º 1 BD-BASE DE DADOS DA FPA FORMAÇÃO PROFISSIONAL AGRÁRIA OBJECTIVO 1 Reconversão e actualização tecnológica da BDFPA 7

6 I OBJECTIVO I Reconversão e actualização tecnológica da BDFPA 1 - Reestruturação da BDFPA 1.1-O levantamento da situação da antiga BD A Base de Dados da Formação Profissional na DRAEDM, cujos trabalhos de desenvolvimento tiveram início em 1992, tornou-se um instrumento fundamental para o acompanhamento das várias acções de formação, realizadas na região, permitindo ainda efectuar análises e apuramentos detalhados da informação registada. Com o passar do tempo e, com a incrível evolução das tecnologias da informação e comunicação, a informação tratada e, principalmente, os procedimentos de recolha e actualização tornaram-se obsoletos. Actualmente é impensável que uma ferramenta informática não se apresente num ambiente gráfico e amigável para o utilizador, sendo permitido o seu acesso global, ainda que com a devida segurança, em qualquer local em que exista uma pessoa interessada em a utilizar. 1.2-A identificação de novas necessidades de tratamento da BD antiga Assim, criamos um novo sistema de informação que incorpora as novas tendências tecnológicas e que assenta nos seguintes pilares estratégicos: a. A nova estrutura da BDFPA comporta a informação relevante da componente histórica, e também responde às novas necessidades de gestão das entidades envolvidas neste processo b. Toda a informação está devidamente georeferenciada, permitindo assim interligá-la com o Sistema de Informação Geográfica. O resultado constitui um repositório valioso para estudos de impacto da FPA, definição de políticas, etc. c. A informação está acessível via Internet, aos parceiros envolvidos na FPA, desde o processo de recolha, 8

7 acompanhamento do processo e obtenção de diversos indicadores de realização. 1.3-O desenho da nova BD No Anexo 1 - DER, encontra-se detalhado o Diagrama de Entidades e Relacionamentos formado por Entidades, Atributos e Relacionamentos, desenvolvido através da ferramenta Oracle Designer. 2 - Georeferenciação da BDFPA 2.1-Os mecanismos de georeferenciação da informação, a inserir na nova BDFPA Através da informação registada nas várias entidades de informação, (Entidades Formadoras, Formandos, Formadores e Acções de Formação), é possível a qualquer momento, criar automaticamente vistas da BD que podem actuar como features de uma Geodatabase. Incluindo estas features num software de Sistemas de Informação Geográfica, poder-se-á sobrepor a informação obtida com outras layers, como por exemplo a Divisão Administrativa. Assim, é possível construir cartografia temática que espelhe, por exemplo, onde se realizaram Acções de Formação de determinado Tema do Curso, tendo como base o Concelho de realização; a distribuição concelhia das Entidades Promotoras e/ou Entidades Formadoras das acções; a caracterização dos formandos que frequentaram as acções de formação, tendo como base a freguesia do concelho de residência dos formandos, etc., (ver Anexo 2 Exemplos de Georeferenciação). 2.2-Os mecanismos de actualização face à georeferenciação definida O desenho adoptado para a georeferenciação da informação, separando as componentes alfanuméricas da obtenção automática das features 9

8 geográficas, dispensa a existência de qualquer mecanismo autónomo de actualização, isto é, quando se faz a manutenção normal de qualquer entidade informacional identificada no ponto anterior (Entidades Formadoras, Formandos, Formadores e Acções de Formação), a Base de Dados encarregase de automaticamente actualizar as vistas criadas e, como tal, toda a Geodatabase se mantém actualizada. 3 - Acessibilidade à BDFPA 3.1-A identificação do público-alvo de acesso à nova BDFPA Formam previstos 4 tipos de Perfis de Utilizadores: Público Site Web Utilizadores registados Funcionamento normal da aplicação Utilizador Gestão Financeira Apenas pode emitir 3 Listagens Utilizador administração Executar algumas funcionalidades específicas como criar Módulos, Temas e associar Módulos a Temas Excepto o Tipo Público, todos os outros utilizadores só poderão aceder à aplicação através de um nome de utilizador e uma palavra-chave. Estão garantidas as funcionalidades de manutenção de utilizadores. 3.2-A identificação dos vários procedimentos de acesso à BDFPA A descrição dos Processos de Negócio, num total de 17, está inventariada no Anexo 3 - Identificação dos Processos. Destes, 14 dizem respeito a funcionalidades de registo e operação de dados na aplicação, 1 contempla a descriminação das vinte e oito listagens, definidas pelos utilizadores e, por último, 2 processos que correspondem à publicação na Internet de alguns conteúdos e procedimentos, bem como de 6 quadros de apuramento de indicadores anuais. Estão identificados os seguintes processos: P1. Criação/Alteração de Candidatura P2. Calendarização de Cursos 10

9 P3. Inscrição de Formandos P4. Avaliação de Formandos nos Módulos do Curso P5. Avaliação de Formandos nos Cursos P6. Emissão da Declaração de Formandos Aprovados P7. Registo de Visitas Técnico-pedagógicas P8. Registo de Visitas Contabilístico-Financeira P9. Registo de Cobranças P10. Criação e Homologação de Formadores P11. Registo de Entidades Promotoras e Formadoras P12. Registo de Temas de Cursos P13. Registo de Áreas Temáticas P14. Registo de Módulos P15. Emissão de Consultas/Listagens do SIIFPA P16. Indicadores Anuais da Avaliação da FPA P17. Consultas Externas a publicar na Web A descriminação das listagens que o Sistema de Informação vai disponibilizar encontra-se detalhada no Anexo 4 Consultas e Listagens. Nele se descriminam o layout de cada uma das listagens, os parâmetros associados e respectiva obrigatoriedade, condições where para restrição do universo de registos e critérios de ordenação. Está dividido em dois grupos: A Emissão de Consultas/Listagens de utilização geral do SIIFPA; B Indicadores Anuais da Avaliação da FPA no EDM; Todos os mapas geram um PDF, podendo o utilizador imprimir se assim o desejar. A Emissão de Consultas/Listagens do SIIFPA P18. Acções de Formação Aprovadas por Região P19. Acções de Formação Calendarizadas por Região P20. Cursos por Região P21. Cursos por Região e por Área Temática 11

10 P22. Cursos por Concelho P23. Cursos por Entidade P24. Cursos por Formando P25. Declaração da Informação Relativa aos Módulos Ministrados pelo Formador P26. Declaração de Homologação Técnica do Formador P27. Resultados da Visita Técnica Pedagógica P28. Quantidade de Acções de Formação Avaliadas, segundo os Parâmetros descritos e Respectiva Cotação P29. Número de Entidades, Número de Acções e de Formandos por Área Temática P30. Número de Entidades, Número de Acções e de Formandos por Tema do Curso P31. Mapa Resumo de Cursos Informação Geral P32. Mapa Resumo Anual de Cursos por Área Temática P33. Mapa Resumo Anual relativo aos Formandos e por Área Temática P34. Relatório Periódico de Visitas de Estudo por Área Temática P35. Número de Acções de Formação e de Formandos segundo a Oportunidade, por Área Temática e por Tema do Curso P36. Tipos de Entidades Promotoras, Número de Acções de Formação e de Formandos segundo a Oportunidade P37. Tipos de Entidades Promotoras, Número de Acções de Formação e de Formandos por Área Temática P38. Concelhos de Realização das Acções, Número de Acções e de Formandos, segundo a oportunidade P39. Montantes da FPA na Região do EDM P40. Declaração de Frequência do Formando P41. Mapa de Ocupação de Técnicos em Monitoragem/Coordenação de Acções de Formação P42. Mapa de Ocupação de Técnicos em Monitoragem/Exame de Cursos P43. Mapa de Cobrança à Entidade Promotora de Aluguer de Equipamentos e Serviços P44. Pauta de Avaliação dos Formandos Inscritos no Curso 12

11 P45. Declaração de Habilitação para a Condução de Veículos Agrícolas B Indicadores Anuais da Avaliação Q1. Quadro 1 Número Total de Acções de Formação e de Formandos, segundo a Oportunidade que a Conclusão da Acção confere ao Formando e por Área Temática no Ano de Q2. Quadro 2 Número Total de Acções de Formação e de Formandos, segundo a Oportunidade que a conclusão da Acção confere ao Formando e por Área Temática e Tema do Curso no Ano de Q3. Quadro 3 Entidades Promotoras, Número de Acções de Formação e de Formandos, segundo a Oportunidade que a conclusão da Acção confere ao Formando no Ano de Q4. Quadro 4 Entidades Promotoras, Número de Acções de Formação e de Formandos, por Área Temática no Ano de Q5. Quadro 5 Concelhos de Realização dos Cursos, Números de Acções de Formação e de Formandos, segundo a oportunidade que a conclusão da Acção confere ao formando no Ano de Q6. Quadro 6 Concelhos de Realização dos Cursos, Número de Acções de Formação e de Formandos, por Área Temática no Ano de 3.3-A análise do sistema de informação A Plataforma tecnológica, pertinente para este Plano de Desenvolvimento, existente na DRAEDM, é constituída pelos seguintes componentes: Base de Dados ORACLE Enterprise 9i, release Servidor de Aplicações ORACLE, release Servidor Microsoft. NET, versão 2.0 Firewall Netwall, versão 5.2e A Base de Dados utilizada é ORACLE, e existe partilha de tabelas estáticas com outras aplicações existentes, como por exemplo, Concelhos, Freguesias, 13

12 Códigos Postais, etc. As regras de integridade referencial estão implementadas directamente na base de dados. O Servidor de Aplicações, é o Servidor ORACLE, utilizando a aplicação de Gestão de Perfis em funcionamento. Os componentes software apresentados fazem parte da rede interna de comunicações da DRAEDM. A publicação na Internet dos conteúdos referidos no ponto anterior e identificados no documento Anexo 5 Sites da Aplicação, foram implementados com base nos seguintes requisitos de software: Servidor IIS 6.0 Oracle9i Client Release 2 ( ) NET Framework Migração de dados da aplicação antiga O Sistema desenvolvido resulta da reconversão de uma aplicação já existente, em funcionamento desde 1993 e, como tal, foi necessário garantir a migração dos dados da Base Antiga. Para isso, foi feito um levantamento dos dados a migrar, relacionamento entre as tabelas/campos de origem e destino, bem como os respectivos scripts de migração. Estão identificadas no Anexo 6 - Converte Histórico, as tabelas existentes na aplicação actual, e os dados a serem migrados. 3.5-O desenvolvimento da aplicação informática Para o desenvolvimento da aplicação foi contratada uma entidade externa. E para garantir a coerência entre os vários ecrãs da aplicação e respectivos relatórios, a equipa da DRAEDM teve como função acompanhar a empresa, analisar e aprovar as diversas propostas, apresentadas durante a fase de desenvolvimento. 14

13 3.6-A formação dos utilizadores da nova BDFPA A instalação e a implementação decorreram em Braga, tendo sido previstas acções de formação para 11 utilizadores e 2 técnicos de Informática. Utilizadores - Dias de formação: 9 Utilizadores normais 5 dias 2 Utilizadores da Gestão Financeira 1 dia 4 Utilizadores Administração da aplicação 1 dia 2 Utilizadores Administração Técnica 4 dias 3.7-A implementação do sistema De forma a garantir a plena compatibilidade entre as especificações predefinidas e a execução da aplicação, a empresa, em conjunto com a equipa interna da DRAEDM, validaram, em ambiente piloto, as funcionalidades acordadas. Este processo demorou 5 dias e resultou num conjunto de pequenos problemas detectados, que foram entretanto resolvidos. No Anexo 7 Ecrãs da Aplicação, apresentam-se exemplos de alguns ecrãs da Aplicação. Após a formação deu-se a aceitação final da Aplicação e a sua entrada em funcionamento real. A partir daí, existe um período de garantia de 3 meses. 15

14 16

15 ANEXOS 3

16 RELAÇÃO DE ANEXOS Anexo I DER-Diagrama de Entidades e Relacionamentos Anexo II Exemplos de georeferenciação Anexo III Identificação dos processos Anexo IV Consultas e listagens Anexo V Sites de aplicação Anexo VI Converte histórico Anexo VII Ecrãs de aplicação 4

17 5

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS

DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PROFISSIONAIS CAPACIDADE PROFISSIONAL PARA A ACTIVIDADE DE TRANSPORTES RODOVIÁRIOS DE MERCADORIAS MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA AS ENTIDADES FORMADORAS ÍNDICE OBJECTIVOS

Leia mais

TERRAMAIS. Serviço on-line de suporte à gestão agro-florestal. Gomes Aires, José Miguel; Dias, Ana Paula; Duarte, Pedro; Coucelo, Carlos RESUMO

TERRAMAIS. Serviço on-line de suporte à gestão agro-florestal. Gomes Aires, José Miguel; Dias, Ana Paula; Duarte, Pedro; Coucelo, Carlos RESUMO TERRAMAIS Serviço on-line de suporte à gestão agro-florestal Gomes Aires, José Miguel; Dias, Ana Paula; Duarte, Pedro; Coucelo, Carlos RESUMO A vantagem na utilização de Sistemas de Informação Geográfica

Leia mais

MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO II UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Identificar um Sistema de Gestão da Formação Online; Analisar as diversas

Leia mais

Título Referencial de Formação na Área da Vitivinicultura. Edição DRAPN Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte.

Título Referencial de Formação na Área da Vitivinicultura. Edição DRAPN Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte. 2 3 Título Referencial de Formação na Área da Vitivinicultura. Edição DRAPN Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte. Rua da República, 133 5370-347 MIRANDELA Telefone: 278 260 900 Fax: 278 260

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências

3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências 3 A plataforma Moodle do Centro de Competência Softciências Dar a cana para ensinar a pescar (adágio popular) 3.1 O Centro de Competência O Centro de Competência Softciências, instituição activa desde

Leia mais

A PLATAFORMA TECNOLÓGICA DE INTEGRAÇÃO DOS MÓDULOS DO SISTEMA DE GESTÃO DE PAVIMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO RODOVIÁRIA PORTUGUESA

A PLATAFORMA TECNOLÓGICA DE INTEGRAÇÃO DOS MÓDULOS DO SISTEMA DE GESTÃO DE PAVIMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO RODOVIÁRIA PORTUGUESA A PLATAFORMA TECNOLÓGICA DE INTEGRAÇÃO DOS MÓDULOS DO SISTEMA DE GESTÃO DE PAVIMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO RODOVIÁRIA PORTUGUESA PEDRO TROCADO 1 RICARDO SOUSA 1 LUÍS SOUSA 1 MARCO VIANA 1 JOÃO MATOS 1 EMANUEL

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ACCESS 2010 Conceitos Básicos Ficha Informativa Professor : Vanda Pereira módulo didáctico Conceitos Básicos Necessidade das base de dados Permite guardar dados

Leia mais

Enterprise 2007. A gama PHC Enterprise é um ERP desenvolvido de forma a satisfazer as exigentes necessidades das médias e grandes empresas.

Enterprise 2007. A gama PHC Enterprise é um ERP desenvolvido de forma a satisfazer as exigentes necessidades das médias e grandes empresas. Enterprise 2007 Descritivo completo A gama PHC Enterprise é um ERP desenvolvido de forma a satisfazer as exigentes necessidades das médias e grandes empresas. Com vista a satisfazer totalmente cada empresa

Leia mais

GeoLoulé: Plataforma SIG da C. M. Loulé. Agenda. Objectivo. Enquadramento. Historial. Equipa. Arquitectura. MuniSIG Web. Casos Práticos.

GeoLoulé: Plataforma SIG da C. M. Loulé. Agenda. Objectivo. Enquadramento. Historial. Equipa. Arquitectura. MuniSIG Web. Casos Práticos. Agenda Objectivo Enquadramento Historial Equipa Arquitectura MuniSIG Web Casos Práticos ArcGIS Mobile Futuro Objectivo Criar uma infra-estrutura de suporte a todas as aplicações de informação geográfica

Leia mais

Auditorias da Qualidade

Auditorias da Qualidade 10 páginas sobre s da Qualidade "Não olhes para longe, despreocupando-se do que tens perto." [ Eurípedes ] VERSÃO: DATA de EMISSÃO: 9-10-2009 AUTOR: José Costa APROVAÇÃO: Maria Merino DESCRIÇÃO: Constitui

Leia mais

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação

Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Formação Documento de apresentação Software de Gestão e Avaliação da Janeiro-2010 Para a boa gestão de pessoas, as empresas devem elevar o RH à posição de poder e primazia na organização e garantir que o pessoal

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info.

FICHA TÉCNICA. Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais. Relatório de Avaliação Final. Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info. FICHA TÉCNICA Título Organização Curso Relatório de Avaliação Final Suzete Lopes suzetelopes@leaderconsulting.info Cooperação, Parcerias e Contratos Internacionais Entidade Leader Consulting, 08 de Dezembro

Leia mais

Aplicações SIG como Instrumento de Ordenamento e Gestão do Território

Aplicações SIG como Instrumento de Ordenamento e Gestão do Território Aplicações SIG como Instrumento de Ordenamento e Gestão do Território Evolução da última década Manuela Sampayo Martins (Eng.ª) Sistemas de Informação Sistemas de Geográfica, Informação Lda. Geográfica,

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE O CONTROLO INTERNO DE CONSUMÍVEIS, MATÉRIAS E PRODUTOS ACABADOS E PROGRAMA DE GESTÃO DE STOCKS

RELATÓRIO SOBRE O CONTROLO INTERNO DE CONSUMÍVEIS, MATÉRIAS E PRODUTOS ACABADOS E PROGRAMA DE GESTÃO DE STOCKS Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte RELATÓRIO SOBRE O CONTROLO INTERNO DE CONSUMÍVEIS, MATÉRIAS E PRODUTOS ACABADOS E PROGRAMA DE GESTÃO DE STOCKS Trabalho efectuado ao abrigo do Plano de

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2009 CATÁLOGO DE FORMAÇÃO INDICE INDICE...2 ÂMBITO...4 1. GESVEN - GESTÃO DE PESSOAL E VENCIMENTOS CGV02 Gestão Base de Cadastro...5 CGV03 Report Writer (Base)...5 CGV04 Processamento

Leia mais

Manual de Utilizador Utentes 2015-01.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Manual de Utilizador Utentes 2015-01.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALIFICAÇÃO Centro Nacional de Qualificação de Formadores Manual de Utilizador Utentes 2015-01.V01 Índice Índice... 2 1. Introdução... 4 1.1.

Leia mais

Sistema Nacional de Exploração e Gestão de Informação Cadastral. José Pedro Neto (jneto@igeo.pt)

Sistema Nacional de Exploração e Gestão de Informação Cadastral. José Pedro Neto (jneto@igeo.pt) Sistema Nacional de Exploração e Gestão de Informação Cadastral José Pedro Neto (jneto@igeo.pt) Cadastro Predial O que é Enquadrameno legal Benefícios Situação actual Processo de execução cadastral actual

Leia mais

Website disponível em: Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt. Palavra-chave: *aluno*

Website disponível em: Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt. Palavra-chave: *aluno* Website disponível em: http://formar.tecminho.uminho.pt/moodle/course/view.php?id=69 Nome de Utilizador: aluno@aluno.pt Palavra-chave: *aluno* Associação Universidade Empresa para o Desenvolvimento Web

Leia mais

Manual de Utilizador Entidades 2015-08.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Manual de Utilizador Entidades 2015-08.V01 DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DIREÇÃO DE SERVIÇOS DE QUALIFICAÇÃO Centro Nacional de Qualificação de Formadores Manual de Utilizador Entidades 2015-08.V01 Índice Índice... 2 1. Introdução... 4

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

Mapas. Visualização de informação geográfica; Consulta e edição (mediante permissões) de informação geográfica;

Mapas. Visualização de informação geográfica; Consulta e edição (mediante permissões) de informação geográfica; Mapas Destinado especialmente aos Utilizadores do GEOPORTAL, nele são descritas e explicadas as diferentes funcionalidades existentes no FrontOffice (GEOPORTAL). O GEOPORTAL é baseado em tecnologia Web,

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade

Introdução. Confiabilidade. Conformidade. Segurança. Optimização e Disponibilidade Introdução Desenvolvido segundo um modelo de bases de dados relacionais, podem ser realizadas personalizações à medida de cada empresa, em conformidade com o Sistema de Informação existente e diversas

Leia mais

SIG municipais partilhados: o caso do Alentejo Central. Teresa Batista CIMAC tbatista@cimac.pt

SIG municipais partilhados: o caso do Alentejo Central. Teresa Batista CIMAC tbatista@cimac.pt SIG municipais partilhados: o caso do Alentejo Central Teresa Batista CIMAC tbatista@cimac.pt A Comunidade Intermunicipal do Alentejo Central (CIMAC) tem vindo ao longo dos últimos 16 anos a apostar na

Leia mais

Ficha de Inscrição. Ação. *Nacionalidade País de Origem: NIF* *Morada *Código Postal - *Telefone Telemóvel Fax. E-mail Nível de Escolaridade.

Ficha de Inscrição. Ação. *Nacionalidade País de Origem: NIF* *Morada *Código Postal - *Telefone Telemóvel Fax. E-mail Nível de Escolaridade. Ficha de Inscrição Ação *Nome completo *Sexo Masculino Feminino *Naturalidade Distrito: Concelho: *Nacionalidade País de Origem: NIF* *BI CC N.º *Data Validade BI / CC / / *Data de Nascimento / / *Morada

Leia mais

HOTELARIA SOLUÇÃO PARA O CONTROLO DA LEGISLAÇÃO. Destinatários. Benefícios

HOTELARIA SOLUÇÃO PARA O CONTROLO DA LEGISLAÇÃO. Destinatários. Benefícios HOTELARIA Destinatários Todas as empresas de Hotelaria e Turismo Empresas certificadas ( ISO 9001 ) Todas as empresas que actuam na fileira do Turismo (Restauração e Bebidas, Habitação Periódica, Animação

Leia mais

PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) Índice. Alterações Não aplicável 1ª Edição

PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) Índice. Alterações Não aplicável 1ª Edição PROCEDIMENTO DE REGISTO DAS ORGANIZAÇÕES NO SISTEMA COMUNITÁRIO DE ECOGESTÃO E AUDITORIA (EMAS) SQ.E.O.01 - Dezembro 2008 Índice Página 1. Objectivo 2 2. Campo de aplicação 2 3. Documentos de referência

Leia mais

Certidão Permanente Código de acesso: 0554-4388-8452

Certidão Permanente Código de acesso: 0554-4388-8452 Certidão Permanente Código de acesso: 0554-4388-8452 A entrega deste código a qualquer entidade pública ou privada dispensa a apresentação de uma certidão em papel.(artº 75º, nº5 do Código do Registo Comercial)

Leia mais

APOIO AO BENEFICIÁRIO - FEDER - MAIS CENTRO GUIA DE PREENCHIMENTO DE REGISTO DE PEDIDOS DE ALTERAÇÃO A PROJECTO APROVADO

APOIO AO BENEFICIÁRIO - FEDER - MAIS CENTRO GUIA DE PREENCHIMENTO DE REGISTO DE PEDIDOS DE ALTERAÇÃO A PROJECTO APROVADO APOIO AO BENEFICIÁRIO - FEDER - MAIS CENTRO GUIA DE PREENCHIMENTO DE REGISTO DE PEDIDOS DE ALTERAÇÃO A PROJECTO APROVADO Introdução Esta informação foi concebida como apoio ao processo de submissão dos

Leia mais

Enunciado de apresentação do projecto

Enunciado de apresentação do projecto Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2 o Semestre de 2009/2010 Enunciado de apresentação do projecto FEARSe Índice 1 Introdução... 2 2 Cenário de Enquadramento... 2 2.1 Requisitos funcionais...

Leia mais

PLANIGEST O - Planeamento de curto prazo e controlo orçamental ACADEMIA AGROGESTÃO. Formação em informática aplicada à agricultura

PLANIGEST O - Planeamento de curto prazo e controlo orçamental ACADEMIA AGROGESTÃO. Formação em informática aplicada à agricultura www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura PLANIGEST O - Planeamento de curto prazo e controlo orçamental 2 www.agrogestao.com 1 Material de apoio Cada um dos

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DO ANO 2008

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DO ANO 2008 RELATÓRIO DE ACTIVIDADES DO ANO 2008 AREA DE FORMAÇÃO - ESTRUTURAÇÃO DA ÁREA Foi possível no decorrer de 2008 encontrar na ÁREA DE FORMAÇÃO uma estabilidade ao nível dos recursos humanos que proporcionou

Leia mais

Cursos de Formação Financiados

Cursos de Formação Financiados Cursos de Financiados Modular - Nível III Pós-Laboral Porto Área 213 - Audiovisuais e Produção dos Média Bem-Vindo/a à FLAG! A FLAG é uma empresa prestadora de serviços de formação profissional, especializada

Leia mais

PQ-01-TM. Procedimento de Controlo dos Documentos e Registos

PQ-01-TM. Procedimento de Controlo dos Documentos e Registos 1. OBJECTIVO Definir a metodologia para controlar os s do Sistema de Gestão da e os registos gerados, incluindo s de origem externa 2. ÂMBITO Este procedimento aplica-se ao controlo de todos os s e registos

Leia mais

Reconhecimento da formação de farmacêuticos. Administração de vacinas e medicamentos injectáveis em farmácia comunitária

Reconhecimento da formação de farmacêuticos. Administração de vacinas e medicamentos injectáveis em farmácia comunitária Reconhecimento da formação de farmacêuticos Administração de vacinas e medicamentos injectáveis em farmácia comunitária 1 Reconhecimento da formação de farmacêuticos Administração de vacinas e medicamentos

Leia mais

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença. Porquê NEXT Vision Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.... Poder de adaptação Porque cabe a si decidir como pretende

Leia mais

ZOOGEST O - Maneio administrativo e técnico de efectivos pecuários ACADEMIA AGROGESTÃO. Formação em informática aplicada à agricultura

ZOOGEST O - Maneio administrativo e técnico de efectivos pecuários ACADEMIA AGROGESTÃO. Formação em informática aplicada à agricultura www.agrogestao.com 1 ACADEMIA AGROGESTÃO Formação em informática aplicada à agricultura ZOOGEST O - Maneio administrativo e técnico de efectivos pecuários 2 www.agrogestao.com 1 Material de apoio Cada

Leia mais

Procedimento de Gestão PG 02 Controlo de Documentos e Registos

Procedimento de Gestão PG 02 Controlo de Documentos e Registos Índice 1.0. Objectivo. 2 2.0. Campo de aplicação 2 3.0. Referências e definições....... 2 4.0. Responsabilidades... 3 5.0. Procedimento... 3 5.1. Generalidades 3 5.2. Controlo de documentos... 4 5.3. Procedimentos

Leia mais

MAPAS E BASES DE DADOS EM SIG. QUANTUM GIS E POSTGRE SQL Operar e programar em tecnologia SIG com software open source

MAPAS E BASES DE DADOS EM SIG. QUANTUM GIS E POSTGRE SQL Operar e programar em tecnologia SIG com software open source MAPAS E BASES DE DADOS EM SIG QUANTUM GIS E POSTGRE SQL Operar e programar em tecnologia SIG com software open source 1 02 DESTINATÁRIOS Todos os que trabalhando ou que virão a trabalhar com tecnologia

Leia mais

GeoMafra SIG Municipal

GeoMafra SIG Municipal GeoMafra SIG Municipal Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar a

Leia mais

DSATAR. Divisão de Formação e Associativismo. Norma orientadora nº11/2012

DSATAR. Divisão de Formação e Associativismo. Norma orientadora nº11/2012 DSATAR Divisão de Formação e Associativismo Norma orientadora nº11/2012 Assunto: Criação dos cursos de Proteção dos animais no momento da occisão e definição das normas de homologação e avaliação. Reconhecimento

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DOS RECENSEAMENTOS

PROGRAMA DE GESTÃO DOS RECENSEAMENTOS PROGRAMA DE GESTÃO DOS RECENSEAMENTOS APLICAÇÃO TRATAIHRU Versão 03.04 INDICE 1. CANDIDATURA...3 a) Tratar... Error! Bookmark not defined. b) Fechar... Error! Bookmark not defined. c) Converter...3 d)

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

GestoFinal Travessa da Barrosa Nº 225 11C 4400-042 Vila Nova de Gaia Tel.. 93 256 45 85 96 264 07 38 www.gestofinal.com info@gestofinal.

GestoFinal Travessa da Barrosa Nº 225 11C 4400-042 Vila Nova de Gaia Tel.. 93 256 45 85 96 264 07 38 www.gestofinal.com info@gestofinal. Projeto de Informatização Gas GestoFinal Travessa da Barrosa Nº 225 11C 4400-042 Vila Nova de Gaia Tel.. 93 256 45 85 96 264 07 38 www.gestofinal.com info@gestofinal.com Versão 4.11 A empresa Criada em

Leia mais

Aplicação Administrativa de Gestão

Aplicação Administrativa de Gestão Aplicação Administrativa de Gestão DIAGNIMAGEM, Sociedade Unipessoal, Lda Clínica de Exames e Diagnósticos de Imagiologia A Empresa é constituída por 4 departamentos: Gerência (1) Administrativo/ Contabilidade

Leia mais

1. CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE. 1.1 Identificação

1. CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE. 1.1 Identificação 1. CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Identificação Espinho é uma cidade situada no distrito de Aveiro, região Norte e subregião do Grande Porto. Segundo os censos de 2001, o concelho tem uma população residente

Leia mais

Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa

Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa Descritivo completo Contabilidade 2008 Execute e controle de uma forma eficaz e profissional todas as tarefas contabilísticas da sua Empresa Benefícios Fácil de utilizar; Totalmente integrada com o restante

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07

2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 MQ-01/02 01/02-2011/07/07 2011/07/07 NOTA: No caso de imprimir este documento, o mesmo passa automaticamente a Cópia Não Controlada ; a sua utilização implica a confirmação prévia de que corresponde à

Leia mais

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL ACORDO PARA A REFORMA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL 14 de Março de 2007 Considerando os Parceiros Sociais e o Governo que: 1. A aposta estratégica na qualificação da população portuguesa é opção central para

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Projecto Final Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Departamento de Sistemas e Informática Projecto Final Computação na Internet Ano Lectivo 2002/2003 Portal de Jogos Executado por:

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE CONCEÇÃO PARA A CRIAÇÃO DE UMA LOGOMARCA SUBORDINADA AO TEMA GONDOMAR É D OURO TERMOS DE REFERÊNCIA

CONCURSO PÚBLICO DE CONCEÇÃO PARA A CRIAÇÃO DE UMA LOGOMARCA SUBORDINADA AO TEMA GONDOMAR É D OURO TERMOS DE REFERÊNCIA CONCURSO PÚBLICO DE CONCEÇÃO PARA A CRIAÇÃO DE UMA LOGOMARCA SUBORDINADA AO TEMA GONDOMAR É D OURO TERMOS DE REFERÊNCIA Artigo 1.º - Objeto e Modalidade do Concurso 1 O presente procedimento tem por objeto

Leia mais

Manual de Administração Intranet BNI

Manual de Administração Intranet BNI Manual de Administração Intranet BNI Fevereiro - 2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Conceitos... 5 3. Funcionamento base da intranet... 7 3.1. Autenticação...8 3.2. Entrada na intranet...8 3.3. O ecrã

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES

RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE FORMAÇÃO E ADAPTAÇÕES TECNOLÓGICAS RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES 2006 ÍNDICE 1. Nota Introdutória...

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

Gestão de Armazéns Gestão de Fabrico Gestão de Bobines Registo de Chegadas Sistema para Agentes

Gestão de Armazéns Gestão de Fabrico Gestão de Bobines Registo de Chegadas Sistema para Agentes Laserdata, Lda. Especificidades Para além dos módulos tradicionais num sistema de gestão (Facturação, Stocks, Contas a Receber e Contas a Pagar, Gestão de Encomendas, Orçamentos, etc.), o Lasernet 2000

Leia mais

BPM no Instituto Geográfico Português. A oportunidade do desafio.

BPM no Instituto Geográfico Português. A oportunidade do desafio. Rosário Gaspar Instituto Geográfico Português 1 Estrutura 1. Enquadramento 2. As Is 3. To Be 4. Conclusões Rosário Gaspar 2 1. Enquadramento IGP / DSIGIG (Direcção de Serviços de Investigação e Gestão

Leia mais

Instrumentos de Avaliação

Instrumentos de Avaliação Instrumentos de Avaliação 7 Questionário de expectativas Atendendo à integração do Curso "Formação de eformadores" no Projecto etrainers, que tem como objectivo a testagem de metodologias e ambientes inovadores

Leia mais

Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho da Administração Pública

Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho da Administração Pública Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho da Administração Pública 21 Junho 2005 Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho da Administração Pública Enquadramento jurídico do sistema Formalização

Leia mais

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE)

Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE) 1. Título alusivo à iniciativa Programa de Apoio à Qualidade nas Escolas (PAQUE). 2. Entidades parceiras Identificação das organizações (Organismo público,

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO-2010

PLANO DE FORMAÇÃO-2010 PLANO DE FORMAÇÃO-2010 - Associação Vicentina- Formação Modular Certificada (Destinatários: Activos com o 9ºano) Inglês- Iniciação e Aperfeiçoamento TIC s (Iniciação e Aperfeiçoamento) Português para Estrangeiros

Leia mais

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida

WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida WorkinProject 8 Manual de Referência Rápida Flagsoft, Lda 2015 Índice 1. Introdução...3 2. Integrador - Interface com o utilizador...4 3. Registo de actividade - Folha de horas...5 4. Agenda e colaboração...7

Leia mais

Fecho de Ano WEuroGest 2000

Fecho de Ano WEuroGest 2000 Fecho de Ano WEuroGest 2000 INTRODUÇÃO Neste documento são descritos os passos a seguir para uma boa execução do fecho de ano e respectiva conversão da empresa em euros. No final é apresentada uma checklist

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE

SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE SISTEMA INTEGRADO DE LICENCIAMENTO DO AMBIENTE SILiAmb Felisbina Quadrado (binaq@apambiente.pt) Manuel Lacerda (manuel.lacerda@apambiente.pt) XIII CONFERENCIA DE DIRECTORES IBEROAMERICANOS DEL AGUA Foz

Leia mais

Secretaria-Geral do MAOT

Secretaria-Geral do MAOT Secretaria-Geral do MAOT Paula Vieira 8 Outubro 2010 SIAP 2010 1 IMPLEMENTAÇÃO DE UMA INTRANET SIAP 2010 2 AGENDA Objectivos do projecto Arranque do projecto Implementação do projecto Resultados: - Conteúdos

Leia mais

Solução de Auto-Venda

Solução de Auto-Venda Solução de Auto-Venda A Problemática Vendedores sem acesso a dados vitais para o seu trabalho Vendedores limitados e condicionados pelo escritório Pouca eficácia na gestão das vendas Solução Competitividade

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS PREÂMBULO Os cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) e as formações modulares destinam-se a suprir os défices de qualificação da população,

Leia mais

geas www.sensocomum.pt

geas www.sensocomum.pt geas Como uma aplicação online pode facilitar a gestão da minha associação + fácil fichas de sócio online + rápido consulta de cotas + controlo histórico de alteração dados Com uma ferramenta disponível

Leia mais

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO

INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA LINHAS BÁSICAS DE ORIENTAÇÃO FUNCIONALIDADES TÉCNICAS INFORMATIZAÇÃO CLÍNICA DOS SERVIÇOS DE URGÊNCIA OBJECTIVO Dispor de um sistema de informação, que articule

Leia mais

Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC

Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC PERGUNTAS VIA WEB CAST: Dado que vamos ter necessariamente durante o período de transição que efectuar lançamentos manuais na contabilidade,

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) -

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) - REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA - Formação Interempresa (formação externa) - CAPÍTULO I ENQUADRAMENTO 1. O presente Regulamento é aplicável às Acções de Formação promovidas pela SIPRP

Leia mais

O WebSig do Município de Guimarães

O WebSig do Município de Guimarães O WebSig do Município de Guimarães Pedro Pereira A Divisão SIG O SIG do Município de Guimarães Gabinete criado em 1998 (no âmbito do PROSIG) Nos 10 anos seguintes, o SIG serviu de apoio aos diversos serviços

Leia mais

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho

Relatório de Estágio. Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Relatório de Estágio Análise dos dados constantes na Base de Dados das Rotas do Vinho Rui Neves Lisboa, 21 de Junho de 2011 Índice Introdução... 3 Caracterização da Base de Dados... 4 Recolha e validação

Leia mais

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2

Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar á ficha modelo ACC 2 CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

COMPETIR CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO. www.competiracores.com. Formação e Serviços, S.A. Design www.craveirodesign.

COMPETIR CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO. www.competiracores.com. Formação e Serviços, S.A. Design www.craveirodesign. Design www.craveirodesign.com COMPETIR Formação e Serviços, S.A. www.competiracores.com CATÁLOGO DE FORMAÇÃO 2010 - PLANO FORMATIVO Quem Somos A Competir-Açores está integrada no Grupo COMPETIR e estamos

Leia mais

DOCUMENTO METODOLÓGICO

DOCUMENTO METODOLÓGICO DOCUMENTO METODOLÓGICO Operação Estatística Estatísticas dos Gabinetes de Consulta Jurídica Código: 485 Versão: 1.0 Abril de 2010 1 INTRODUÇÃO A operação estatística relativa aos Gabinetes de Consulta

Leia mais

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS

REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS REGULAMENTO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOS REVISORES OFICIAIS DE CONTAS N.º 2 do art.º 62.º do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, alterado pelo Decreto-Lei n.º 224/2008, de 20 de Novembro PREÂMBULO

Leia mais

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep

Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep Julho de 2009 Assunto: Proposta de fornecimento do Programa dbgep A aplicação dbgep é constituída pelos seguintes módulos: Aplicação Função Situação comercial dbgep C Contabilidade em comercialização dbgep

Leia mais

MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA DEPARTAMENTO DE CULTURA, TURISMO E ACTIVIDADES ECONÓMICAS

MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA DEPARTAMENTO DE CULTURA, TURISMO E ACTIVIDADES ECONÓMICAS JM MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PARA A CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE UM CATÁLOGO COLECTIVO ON-LINE E DE UM PORTAL DA REDE DE BIBLIOTECAS DO CONCELHO

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE GESTÃO DE BASE DE DADOS

PLANIFICAÇÃO DE GESTÃO DE BASE DE DADOS PLANIFICAÇÃO DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Ano Lectivo 2010/2011 José Júlio Frias R. 1. ENQUADRAMENTO ÁREA DE FORMAÇÃO ITINERÁRIO DE QUALIFICAÇÃO SAIDA(S)PROFISSIONAL(IS) 481. CIÊNCIAS INFORMÁTICAS 48101.

Leia mais

3. Critérios de Selecção dos Participantes (conhecimentos prévios) 1 ano de experiência na utilização do Sifarma2000

3. Critérios de Selecção dos Participantes (conhecimentos prévios) 1 ano de experiência na utilização do Sifarma2000 1. Nome do Curso/actividade Pós-Graduação Sifarma 2000 2. Destinatários Todos os colaboradores da Farmácia. 3. Critérios de Selecção dos Participantes (conhecimentos prévios) 1 ano de experiência na utilização

Leia mais

CR.Doc. Management Platform for Clients and Documents

CR.Doc. Management Platform for Clients and Documents CR.Doc Management Platform for Clients and Documents Agenda Introdução O que é o CR.Doc? Principais funcionalidades Demonstração O que é o CR.Doc? O CR.doc é um novo conceito de Sistema Integrado de CRM

Leia mais

Software GEFISEME Aplicação destinada ao auxílio do serviço de Metrologia. Rua D. Afonso Henriques, 1726 4435-003 Rio Tinto www.worldsolutions.

Software GEFISEME Aplicação destinada ao auxílio do serviço de Metrologia. Rua D. Afonso Henriques, 1726 4435-003 Rio Tinto www.worldsolutions. Software GEFISEME Aplicação destinada ao auxílio do serviço de Metrologia Rua D. Afonso Henriques, 1726 4435-003 Rio Tinto www.worldsolutions.pt Conteúdo Introdução... 2 Gestão de acessos... 3 Ficha de

Leia mais

PLANO TIC. O Coordenador TIC. E g í d i a F e r n a n d e s F e r r a z G a m e i r o 2 0 0 8-2 0 0 9

PLANO TIC. O Coordenador TIC. E g í d i a F e r n a n d e s F e r r a z G a m e i r o 2 0 0 8-2 0 0 9 PLANO TIC 2 0 0 8-2 0 0 9 O Coordenador TIC E g í d i a F e r n a n d e s F e r r a z G a m e i r o [1] ESCOLA EB1/PE Santa Cruz http://escolas.madeira-edu.pt/eb1pescruz eb1pescruz@madeira-edu.pt IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

3. O CASO PARTICULAR DO FÓRUM DYN3W

3. O CASO PARTICULAR DO FÓRUM DYN3W 3. O CASO PARTICULAR DO FÓRUM DYN3W 3.1. DESCRIÇÃO DA FERRAMENTA E SUAS APLICAÇÕES Dyn3W é um fórum desenvolvido especialmente para ser utilizado na educação. O seu desenvolvimento iniciou-se em meados

Leia mais

UNIVERSIDADE DE AVEIRO

UNIVERSIDADE DE AVEIRO UNIVERSIDADE DE AVEIRO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E ENGENHARIA INDUSTRIAL MESTRADO EM GESTÃO DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA: GESTÃO DA INFORMAÇÃO CAPACIDADE DE RESPOSTA A SOLICITAÇÕES DO EXTERIOR - DIÁLOGO

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES AVISO Concurso externo de Ingresso para preenchimento de um posto de trabalho na categoria de Técnico de Informática do Grau 1, Nível 1, da carreira

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

LABWAY ROAD SHOW 2007 - Sessão #3

LABWAY ROAD SHOW 2007 - Sessão #3 Pedro Coutinho Paulo Rego jpcoutinho@ambidata.pt paulorego@ambidata.pt Agenda Porquê um LIMS? Os Nossos Pontos Fortes O Nosso Objectivo Características do LabWay - LIMS O Processo LabWay - LIMS Projectando

Leia mais

Encontro de Utilizadores Esri 2013. ArcGIS for Server 10.2 Administração Orador: João Ferreira Esri Portugal

Encontro de Utilizadores Esri 2013. ArcGIS for Server 10.2 Administração Orador: João Ferreira Esri Portugal Encontro de Utilizadores Esri 2013 ArcGIS for Server 10.2 Administração Orador: João Ferreira Esri Portugal ArcGIS Server Administração e Configuração João Ferreira Agenda Arquitectura Instalação do ArcGIS

Leia mais

Enunciado do Projecto

Enunciado do Projecto C O M P U T A Ç Ã O M Ó V E L 2 0 0 7 / 2 0 0 8 Enunciado do Projecto 17 de Março de 2008 1. Objectivos Desenvolver uma aplicação num domínio aplicacional específico que envolva replicação e sincronização

Leia mais

Regulamento Geral da Formação

Regulamento Geral da Formação Regulamento Geral da Formação Regulamento n.º 32/2006, de 3 de Maio publicado no Diário da República, II Série, n.º 85, de 3 de Maio de 2006 Artigo 1.º Objecto 1 Este regulamento define as regras relativas

Leia mais

Regulamento de Formação Inicial, Especializada, Contínua e Pós-Graduada

Regulamento de Formação Inicial, Especializada, Contínua e Pós-Graduada 1. Missão, Política e Estratégia da Entidade Num mundo em permanente mutação onde a investigação científica e o desenvolvimento das ciências ocupa um lugar determinante, a formação contínua ao longo da

Leia mais

CADASTRO COMÉRCIO E SERVIÇOS

CADASTRO COMÉRCIO E SERVIÇOS TOPONÍMIA CADASTRO COMÉRCIO E SERVIÇOS GEOREFERENCIAÇÃO DE EQUIPAMENTOS COLECTIVOS GEOREFERENCIAÇÃO DE PATRIMÓNIO GEOREFERENCIAÇÃO DE ESPAÇOS VERDES CIRCUITOS RECOLHA SELECTIVA (ECOPONTOS) GEOREFERENCIAÇÃO

Leia mais

INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO

INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO INQUÉRITO AOS PARQUES DE CAMPISMO Código: 426 Versão: 1.1 Agosto 2009 INTRODUÇÃO O Inquérito aos Parques de Campismo existe desde 1983 e tem como objectivo caracterizar os parques de campismo no que diz

Leia mais