ORIGENS DA EDUCAÇÃO PROTESTANTE EM SERGIPE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORIGENS DA EDUCAÇÃO PROTESTANTE EM SERGIPE 1884-1913"

Transcrição

1 ORIGENS DA EDUCAÇÃO PROTESTANTE EM SERGIPE ESTER FRAGA VILAS-BÔAS Professora da Rede Estadual de Ensino e Mestranda em Educação da Universidade Federal de Sergipe As produções referentes à prática educativa protestante na historiografia educacional brasileira ainda são tímidas, algumas vezes carregadas nas tintas do espírito teológico e religioso, privilegiando mais a região sudeste, o que surpreende pelo fato do protestantismo ter estado presente quase simultaneamente em grande parte do território nacional. Autores como Fernando de Azevedo e Jorge Nagle 1, apesar de terem analisado demoradamente a educação brasileira, são tímidos no que se refere à educação protestante. Um estudo mais específico foi desenvolvido por Jether Pereira Ramalho 2, onde tratou em profundidade sobre a temática e sua relação com a ideologia. Dentre outras pesquisas, destacam-se as obras de Peri Mesquida, Osvaldo Henrique Hack e Leda Rejane A. Sellaro 3. A historiografia sergipana, quando trata especificamente da educação no Estado, sequer faz referência a presença de instituições educacionais protestantes, como foi o caso da História da Educação em Sergipe, de autoria da professora Mª Thetis Nunes 4, e do livro do professor José Antonio Nunes Mendonça intitulado A Educação em Sergipe 5. O único que fez alusão à Escola Americana foi o Padre Philadelpho em seus livros História de Laranjeiras e Registros de Fatos Históricos de Laranjeiras 6, levando-me a concluir que ele retirara aquelas informações dos Livros de Tombo da Paróquia Sagrado Coração de Jesus, em Laranjeiras. No entanto, esta característica não é privilégio da historiografia educacional sergipana. A maior parte dos trabalhos sobre educação produzidos no Brasil, a partir da década de 60 deste século, prioriza o período republicano, ignorando quase que completamente a presença protestante no contexto educacional do país. Boa parte das pesquisas desenvolvidas sob a perspectiva da História Nova, principalmente a partir da década de 80, têm revisitado as leituras feitas na História da Educação Brasileira sobretudo com os pioneiros da pedagogia da Escola Nova. Porém, poucos têm levado em consideração a importância da implementação da pedagogia escolanovista nas escolas protestantes. Para Sergipe, o presente trabalho coloca-se como um primeiro debruçar sobre a questão. 1 AZEVEDO, Fernando de. A cultura brasileira. NAGLE, Jorge. A educação na Primeira República In FAUSTO, Boris (Org.). História geral da civilização brasileira, Tomo III, 2º ed., RJ/SP.DIFEL, RAMALHO, Jether P. Prática educativa e sociedade. Rio de Janeiro, ZAHAR, MESQUIDA, Peri. Hegemonia norte-americana e educação protestante no Brasil. Juiz de Fora, EDUFJ, HACK, Osvaldo H. Protestantismo e educação brasileira. São Paulo, Casa Editora Presbiteriana, 1985.SELLARO, Leda Rejane A.Educação e religião. Dissertação de Mestrado, UFPE, NUNES, Mª Thetis. História da educação em Sergipe. Rio de Janeiro: Paz e Terra; Aracaju: Universidade Federal de Sergipe, MENDONÇA, José A. Nunes. A educação em Sergipe. Aracaju, Livraria Regina, OLIVEIRA, Vig. Philadelpho J. de. História de Laranjeiras. Aracaju, Segrase, 2ª ed., Registro de fatos históricos de Laranjeiras. Aracaju, Casa Ávila, 1942.

2 Numa perspectiva historiográfica, analisarei de que maneira o projeto educacional proposto pelos presbiterianos primeira denominação a instalar-se em Sergipe funcionou como elemento modificador da realidade educacional sergipana entre 1884 a 1913 período em que o trabalho protestante foi exclusivamente dessa denominação. Os questionamentos suscitados pelo estudo conduziram-me sobretudo à documentação institucional presbiteriana Livros de Ata da Igreja de Laranjeiras e da Missão Central do Brasil _, uma vez que as fontes oficiais revelaram-se insuficientes. Assim, além da busca de documentos manuscritos e impressos, foi necessário recorrer às fontes iconográficas e orais. Me vali de FEBVRE quando afirma que Onde faltam os monumentos escritos, deve a história demandar às línguas mortas os seus segredos... (...) Onde o homem passou, onde deixou qualquer marca da sua vida e da sua inteligência, aí está a história. (...) A história faz-se com documentos escritos, sem dúvida. Quando estes existem. Mas pode fazer-se sem documentos escritos, quando não existem. Com tudo o que a habilidade do historiador lhe permitir fabricar o seu mel, na falta de flores habituais. Logo, com palavras. Signos. Paisagens e telhas (...). Numa palavra, com tudo o que, pertencendo ao homem, depende do homem, serve do homem, exprime o homem, demonstra a presença, a atividade, os gostos e as maneiras de ser do homem 7. Durante todo o período colonial brasileiro, foi impossível a implantação do protestantismo no Brasil, pois, como acontecia na metrópole, aqui o catolicismo romano _ seguindo o modelo ibérico e expandindo-se nos moldes da Contra-Reforma _ tinha o domínio no setor religioso. Era a religião do homem brasileiro, inserida no seu cotidiano. Aceitar os princípios da crença protestante implicava em mudança de padrões culturais e valores éticos não condizentes com seu sistema valorativo. O protestantismo precisou esperar o surgimento de condições históricas favoráveis para sua definitiva inserção. O século XIX chegaria trazendo consigo as mudanças históricas que estavam ocorrendo no mundo; as lutas e anseios dos séculos precedentes que culminaram com as aspirações postas pela Revolução Francesa. Os avanços da ciência e da tecnologia e, juntamente os ideais liberais, invadiriam o Brasil através do chamado espírito da civilização moderna que exigia a secularização progressiva da sociedade, pois o avanço científico reclamava a separação da Igreja do Estado. Naquele momento, o segmento liberal da sociedade brasileira acreditava que o país precisava entrar no esquema das nações mais avançadas e o caminho era uma educação voltada mais para a ciência e a técnica 8. Ajustar, pois, o Brasil à modernidade capitalista foi tarefa que a intelligentsia nacional pretendeu consolidar, tendo na educação o mecanismo inconteste para elevar o país à condição de nação desenvolvida, disseminando o ensino público no país. Após um primeiro momento da penetração de imigrantes anglo-saxões, a implantação da nova religião só veio se efetivar no Brasil na segunda metade do século XIX com a chegada de imigrantes norte-americanos oriundos de missões das chamadas denominações históricas metodistas, congregacionais, presbiterianos e batistas. Estes 7 FEBVRE, Lucien Apud LE GOFF. Jacques. Documento/Monumento. In Enciclopédia Einaudi. Vol. I, p PAIVA, Vanilda. Educação popular e educação de adultos, p. 74.

3 instalaram-se e organizaram no país igrejas e escolas com o objetivo de por em prática principalmente um projeto de expansão cultural na visão de Weber, um estilo de vida normativo, baseado e revestido de um ética 9 individualista, conversionista e excludente. Naquele período, tensões internas provocadas pela questão da escravidão dividiram a nação norte-americana também no campo da religião. Em 1837, os presbiterianos dividiram-se em Igreja Presbiteriana do Norte dos Estados Unidos (PCUSA) e em Igreja Presbiteriana do Sul dos Estados Unidos (PCUS), estabelecendo posteriormente missões no Brasil. Em 1871, foi formado o primeiro núcleo de missionários presbiterianos no nordeste vinculados à Brazil Mission da Igreja Presbiteriana do Norte dos Estados Unidos, com escritório em Nova Iorque. Em 1897 a Brazil Mission dividiu-se em South Brazil Mission compreendendo os Estados do sul do país, e em Central Brazil Mission, responsável pela ocupação dos campos da Bahia e Sergipe, estabelecendo-se em Salvador. Vinte anos depois dessas missões mandarem seus primeiros representantes para o Brasil, existiam em todos os principais centros do país colégios protestantes e uma rede de escolas paroquiais escolas primárias ao lado da igreja _ não só para sua clientela como para aqueles que professavam outras religiões. Sob a liderança do reverendo William Alfred Waddell, os missionários da Junta de Nova Iorque organizaram mais de quarenta escolas paroquiais e alguns colégios na Bahia e em Sergipe. Na visão dos educadores norte-americanos, o ensino confessional e público naquele momento, com exceção das escolas privadas, caracterizavam-se por uma prática educativa essencialmente memorizadora, pois de acordo com Maria Cecília C. C. de Souza, No ambiente contra-reformista em que o catecismo foi instituído, a repetição mecânica era necessária não se podia aceitar que o catecúmeno reproduzisse com suas próprias palavras e desenvolvesse idéias próprias sobre aquilo que era dogma da fé, sob o risco da heresia. 10 Essa realidade favoreceria a irradiação das escolas protestantes não só nas principais cidades do Império como também na zona rural. Para AZEVEDO, essas instituições 9 WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo, p SOUZA, Maria Cecília C. C. de. Decorar, lembrar e repetir: o significado de práticas escolares na escola brasileira do final do século XIX. In: SOUZA, Cyntia P. (Org.). História da educação: processos, práticas e saberes, p. 83.

4 provocaram um choque em nosso mundo pedagógico por implicarem uma ruptura com a tradição escolar do país. Onde imperava a intolerância religiosa, ergueu-se o princípio de liberdade de consciência: as escolas estariam abertas a todos sem discriminação de crenças e de culto. Em lugar de separação de meninos e meninas por classes, quando não por escolas diferentes, o que se procurou estabelecer, foi o regime da co-educação. Métodos que faziam mais apelo à inteligência do que à memória, tomavam o lugar às práticas habituais de estudo em voz alta e da decoração que convidavam ao sono nas escolas.(...) Em vez de uma organização rígida baseada na autoridade e na disciplina, uma organização fundada no princípio de liberdade, de compreensão mútua e de colaboração 11. As tentativas das ações implementadas na área educacional pelos Presidentes da Província e a ampliação do número de escolas particulares no espaço educacional sergipano facultariam a organização da primeira escola protestante. Acompanhando o sistema semelhante ao de franquia de seus estabelecimentos escolares, dois anos após a Missão organizar a primeira igreja presbiteriana em Sergipe, em 1886 inicialmente instalou a Escola Americana na cidade de Laranjeiras, organizando posteriormente escolas paroquiais em Aracaju, Estância, Simão Dias, Urubutinga e Frei Paulo. Sob a direção do baiano e presbiteriano professor Manoel Nunes da Motta, inicialmente a escola funcionou na andar térreo do Sobrado dos Protestantes 12, e, além de oferecer os cursos Primário e Secundário para ambos os sexos, recebia também alunos não crentes e possuía internatos masculino e feminino. Como as mensalidades eram baixas, as crianças menos favorecidas podiam frequentá-la. As aulas eram ministradas por professoras; das disciplinas oferecidas no Secundário constava Aritmética, Geografia, Inglês, Português, Francês, Prendas e Música (a escola possuía um piano) 13. Na época, os jornais não se reportaram à existência da escola, dando ênfase só aos polêmicos embates travados entre os católicos e os convertidos à nova fé. Este fato reportou-me à música que é construída por símbolos, dentre eles notas e pausas. As primeiras representam os sons que ouvimos e as pausas, os espaços de silêncio, formando assim uma melodia. Não só o som, mas sua ausência também é música. Como na música, é preciso aprender a ler na história o propósito da formação e utilização dos testemunhos escritos, e a ausência deles. O que pode ser lido no silenciamento da imprensa no que se refere à Escola Americana foi que as investidas feitas pelos 11 AZEVEDO, Fernando de. Uma interpretação do Instituto Mackenzie. In: Revista da FLEP (Faculdade de Letras, Educação e Psicologia). Universidade Mackenzie, Ano I, nº 1, novembro de 1997, p Termo como ficou conhecida na cidade a casa alugada pelos missionários. 13 Livro de Matrícula do Ensino Particular 1900, p. 08, Arquivo Público do Estado de Sergipe.

5 missionários na área educacional sergipana provavelmente incomodaram as elites religiosa, cultural e política. Uma carta da sra. Lily Finley, esposa do missionário Woodward Edmund Finley, falava do esforço do padre para desviar os alunos da escola 14. Já o quase silenciamento por parte das instituições oficiais do Estado, talvez tenha se dado pelo fato de que geralmente os estabelecimentos particulares não apresentavam quase nenhuma exposição de suas atividades aos inspetores literários. A partir de alguns casos localizados por esta pesquisa, é possível afirmar que a presença das escolas presbiterianas contribuiu para o aperfeiçoamento da oferta de ensino em Sergipe, com suas práticas pedagógicas escolanovistas e um quadro de professores tecnicamente preparado além de uma infra-estrutura semelhante às escolas presbiterianas de São Paulo. A exemplo do que ocorria em outras escolas sob sua jurisdição, a Missão investiu em dois sergipanos. O primeiro foi Penélope Magalhães (14/08/ ), laranjeirense, futura professora e pianista. Como a Escola Americana oferecia aulas de música, a menina Penélope logo se interessou a aprender piano 15. Em 1898, convidaram-na para estudar na Califórnia onde fez o curso regular pedagógico e o de teologia, retornando em 1910 para ensinar no Instituto Ponte Nova, na Bahia 16. Caso semelhante foi o do reverendo Antônio Almeida ( ). A Missão mandou-o para o Colégio 15 de Novembro, em Garanhuns, e após concluir o curso de Bacharelado em Teologia, em 1920, ingressou no Union Seminary of Richmond, nos Estados Unidos, onde especializou-se em Hebraico 17. Outro exemplo, também fruto do trabalho dos missionários presbiterianos, foi a ex-aluna da Escola Americana em Aracaju Gregória do Prado Dantas (09/05/ /09/1975). Provavelmente, em 1915, abriu uma escola particular para ambos os sexos, oferecendo o Curso Primário. Em 1934, o prefeito de Simão Dias, Marcos Ferreira de Jesus, reuniu 14 FERREIRA, Júlio A. História da igreja presbiteriana do Brasil, vol. I, p Sobre ela a professora Mª Ritta Soares de Andrade escreveu: (...) D. Penélope trouxe para o seu Estado um vasto cabedal, que aqui transfunde altruisticamente a quantos buscam ensinamentos no seu talento e na sua cultura. (...) É um espírito summamente adeantado, e maneja com habilidade o português, o francês, e o inglês idioma em que é a mestra dos mestres. ANDRADE, Mª Ritta S. de. A mulher na literatura, pp No início dos anos 30, em Sergipe, o Jardim de Infância Augusto Maynard Gomes foi o primeiro estabelecimento educacional a ser construído em Aracaju seguindo o modelo de educação infantil mais moderno da época e implantando o método de alfabetização mais atual que existia. A professora Penélope foi designada pelo governador Augusto Maynard Gomes para ir a São Paulo e ao Rio de Janeiro verificar a legislação e currículos que se adequariam ao projeto do Jardim, de acordo com os padrões técnicos do Ministério de Educação, sendo sua fundadora e diretora durante vários anos. 17 Ao regressar ao Brasil um ano depois, Antônio Almeida assumiu a direção da Escola Teológica em Recife e, posteriormente, foi um dos fundadores do Seminário Presbiteriano do Norte. Além de professor foi escritor e músico. FERREIRA, E. L. O presbiterianismo em Lagarto, pp

6 todas as escolas municipais num só local, convidando-a para assumir a direção do Agrupamento Municipal Escolas Reunidas Augusto Maynard 18. Durante os quatorze anos de funcionamento em Laranjeiras, a Escola Americana foi frequentada pelos filhos dos donos de engenho. No entanto, em decorrência da seca que se abatera em Sergipe naquele período muitos deles quebraram, impedindo-os de mandarem seus filhos para a escola. Este fato contribuiu na decisão da Missão em transferi-la para Aracaju, e já em 1900, funcionando na Rua Aurora, nº 7, sob a direção do reverendo Finley, a escola contava com 50 alunos matriculados e dois professores 19, oferecendo internato e externato para ambos os sexos. Foi considerado pelo Diretor da Instrução Pública, juntamente com o Colégio Brasil, os melhores estabelecimentos particulares de ensino na época 20. Naquele ano, o reverendo Finley publicou no jornal a lista dos aprovados e dentre eles estavam seu próprio filho e Jackson de Figueiredo, futuro paladino do pensamento católico, aluno da escola até No ano letivo de 1901, a escola tinha um corpo docente de seis professores (incluindo e uma professora de Prendas e um professor de Música) pronta a dar uma educação segundo os últimos métodos pedagógicos a todos os alunos que forem confiados a seu cuidado 22. Os novos professores eram sergipanos, pois a direção tinha descartado a hipótese de contratar professores do sul do país, para racionalizar as despesas, pois, como a crise financeira também se abatera na Missão Central desde 1900, dois anos depois, pessoas das próprias comunidades foram preparadas pelos missionários para assumirem o ensino de suas escolas paroquiais. Exemplo disso foi a incoporação do reverendo Walter Cameron Donald (06/01/ /03/1967) no quadro educacional da Missão a partir de Ainda em 1903, os missionários foram novamente remanejados. Finley continuou em Aracaju e Cassius Bixler foi transferido 18 Entrevista feita com sua filha, a sra. Olda do Prado Dantas em 18/07/ Minutes of the Meetings of the Central Brazil Mission ( ) 07/07/1900 Reunião em São Félix-BA. 20 As anuidades dos curso Primário, Intermediário e Secundário eram, respectivamente, 80$000 réis, 100$000 réis e 120$000 réis. Já o internato, a pensão e o ensino custavam 500$000 réis, sem a lavagem de roupa e a música instrumental, podendo ser efetuados em quatro prestações. O Estado de Sergipe, ano III, nº 418, 10/01/ Sobre ele sua filha escreveu: Quando voltou a Aracaju vindo de Estância, continuou seus estudos com D. Etelvina Amália Siqueira; depois foi para o Colégio Americano, do pastor protestante W. E. Finley. Ali assimilou e decorou trechos inteiros da Bíblia.. FERNANDES, Cléa A. de F. Jackson de Figueiredo: uma trajetória apaixonada, p O Estado de Sergipe, nº 672, 30/11/1900, p Foi professor nas escolas paroquiais das cidades de Aracaju, Laranjeiras, Riachuelo, Estância e Simão Dias. Na década de 1930, lecionou a disciplina Inglês no Colégio Atheneu Sergipense, onde adotava o livro The English Gymnasial Grammar, Méthod Direct-Expository by Hubert C. Bethel. Como tinha

7 de Laranjeiras para Estância, ficando durante dez anos responsável pela expansão do trabalho no sul do Estado e pela organização de uma escola paroquial naquela cidade 24. Para Nora, com as constantes transformações do mundo moderno, as instituições sociais para escaparem das ameaças do esquecimento geraram a obsessão pelos registros, pelos traços, arquivos, museus, cemitérios, coleções, festas, comemorações, aniversários, tratados, processos verbais, monumentos santuários, associações; processos que dão ilusões de eternidade 25. Entretanto, o que ocorreu com o trabalho educacional presbiteriano em Sergipe foi o inverso. As atas descreveram os choques internos travados entre os missionários sobre o tema educação versus evangelização, que, para uma grande parte deles, a primeira era uma estratégia missionária e não um fim em si. Outra questão foi a avaliação feita pela Missão sobre o empreendimento educacional no Estado, dando a entender que os resultados não justificavam o investimento feito, não explicitando as causas da decadência e do posterior fechamento da escola. A partir de 1904, a Missão começou a retirar seus representantes de Sergipe. Com a saída do reverendo Finley e da professora Elizabeth Williamson os internatos da Escola Americana foram fechados, oferecendo só o Primário. As atas demonstravam o desequilíbrio do trabalho educacional entre Sergipe e Bahia, denotando a decisão da Missão em concentrá-lo neste último Estado. Exemplo disso foi a organização de colégios em Cachoeira, São Félix, Ponte Nova (atual cidade de Wagner) e, posteriormente, uma escola em Salvador. Paulatinamente os anúncios sobre a escola de Aracaju começaram a desaparecer dos jornais e, a partir de 1913, tanto ela como a de Estância deixaram de ser registradas nos orçamentos da Missão Central do Brasil. É possível que o processo de fechamento do colégio foi tão conflituoso que não houve um maior cuidado com sua memória, pois a documentação da instituição presbiteriana a que tive acesso não registrou as causas que levaram a Missão a desistir do projeto educacional em Sergipe. Origens da Educação Protestante em Sergipe busca refletir e provocar debates em torno da trajetória e da contribuição das instituições educacionais protestantes no contexto educacional brasileiro, particularmente em Sergipe. Na reconstituição do dupla nacionalidade também foi convidado para ser Vice-Cônsul em Sergipe na época da Segunda Guerra Mundial. Entrevista realizada com a sra. Ivonete dos Santos Donald em 04/05/ Minutes of the Meetings of the Central Brazil Mission ( ) 19/12/1904 Reunião da Missão Central em Estância-SE. 25 NORA, Pierre. Apud FÉLIX, Loiva Otero. História e memória: a problemática da pesquisa, p. 53.

8 trabalho educacional presbiteriano em terras sergipanas, foi possível dar vida a personagens que dele fizeram parte através dos vestígios deixados no tempo e no espaço e assim, projetando-os na tela da história, fazer o pretérito novamente existir.

9 BIBLIOGRAFIA ANDRADE, Mª Ritta. A mulher na literatura. Tese apresentada ao Atheneu Pedro II para concorrer à livre docência da cadeira de Literatura. Aracaju, Casa Ávila, AZEVEDO, F. de. A cultura brasileira. 6 ª ed., Rio de Janeiro, Ed. UFRJ/ Brasília, Ed. UnB,1996. O Estado de Sergipe, Ano III, Aracaju, Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe. FÉLIX, Loiva Otero. História e memória: a problemática da pesquisa. Passo Fundo, Ediupf, FERNANDES, Cléa Alves de Figueiredo. Jackson de Figueiredo: uma trajetória apaixonada. Rio de Janeiro, Forense Universitária, FERREIRA, E. L. O presbiterianismo em Lagarto. Texto mimeografado, FERREIRA, Júlio A. História da igreja presbiteriana do Brasil. 2ª ed., Vol. I, São Paulo, Casa Editora Presbiteriana, ª ed., Vol. II, São Paulo, Casa Editora Presbiteriana, HACK, Osvaldo H. Protestantismo e educação brasileira: presbiterianismo e seu relacionamento com o sistema pedagógico. São Paulo, Casa Editora Presbiteriana, LE GOFF, Jacques. Documento Monumento. In Enciclopédia Einaudi. Vol. I, Porto, Imprensa Nacional/Casa da Moeda, Livro de Actas da Egreja da Larangeiras Sergipe Arquivo da Igreja Presbiteriana da Mangueira, Salvador-BA. Livro de Matrículas do Ensino Particular Arquivo Público do Estado de Sergipe. Livro Segundo das Actas da Egreja Presbiteriana da Bahia 04/10/1885 a 09/01/1900. Arquivo da Igreja Presbiteriana da Mangueira, Salvador-BA. Livro de Tombo da Cúria de Aracaju, nº 1, Arquidiocese de Aracaju-SE, 03/06/1949. Livro de Tombo da Paróquia Sagrado Coração de Jesus Arquidiocese de Aracaju-SE, 05/11/1968. MENDONÇA, José Nunes. A educação em Sergipe. Aracaju, Livraria Regina, MESQUIDA, Peri, Hegemonia norte-americana e educação protestante no Brasil: um estudo de caso. Juiz de Fora, EDUFJF/S. Bernardo do Campo, EDITEO, Minutes of the Meetings of the Central Brazil Mission Arquivo particular do Dr. James Wrigth, Vitória, ES.

10 Minutes of the Meetings of the Central Brazil Mission Arquivo particular do Dr. James Wright, Vitória, ES. NAGLE, Jorge. A educação na Primeira República. In: FAUSTO, Boris. (Org.). História geral da civilização brasileira. Vol. III, São Paulo, Difel, NUNES, Mª Thetis. História da educação em Sergipe. Rio de Janeiro, Paz e Terra, Ensino secundário e sociedade brasileira. Rio de Janeiro, ISEB, OLIVEIRA, Vig. Philadelpho J. de. História de Laranjeiras. Aracaju, Segrase, 2 ª ed., Registro de fatos históricos de Laranjeiras. Aracaju, Ed. Casa Ávila, PAIVA, Vanilda. Educação popular e educação de adultos. São Paulo, Ed. Loyola, RAMALHO, Jether P. Prática educativa e sociedade: um estudo de sociologia da educação. Rio de Janeiro, Zahar Editora, Revista da Faculdade de Letras, Educação e Psicologia. Universidade Mackenzie, Ano I, nº 1, novembro, SOUZA, Cyntia P. de (Org.). História da educação: processos, práticas e saberes. São Paulo, Escrituras Editora, TEIXEIRA, Mª Geralda. Os batistas na Bahia: um estudo de história social. Salvador, UFBA - Dissertação de Mestrado, VILAS-BÔAS, Ester F. A prática educativa do protestantismo no contexto histórico da educação brasileira sua importância e influência. Aracaju, monografia de conclusão da Disciplina do Mestrado Educação Brasileira, UFS,1997. WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 5 ª Livraria Pioneira Editora, ed., São Paulo,

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

História e Teologia de Missões

História e Teologia de Missões MISSÕES BRASILEIRAS O Gigante começa a despertar Esta é uma área de pesquisa ainda com pouca exploração. Imigrantes forma os principais instrumentos de evangelização. O primeiro grupo veio em 1558, quando

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar.

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar. Curso de Formação de Professores Primários da Escola Normal de Caetité Ba no Período de 1925 a 1940: Análise das Transformações Curriculares do Ensino de Matemática. Márcio Oliveira D Esquivel 1 GD5 História

Leia mais

1. EMERGÊNCIA DE ALGUMAS ESCOLAS CONFESSIONAIS NA PARAÍBA DO NORTE DOS SECULOS XIX e XX.

1. EMERGÊNCIA DE ALGUMAS ESCOLAS CONFESSIONAIS NA PARAÍBA DO NORTE DOS SECULOS XIX e XX. ENTRE PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES: O DIOCESANO PIO X E A EMERGÊNCIA DE ESCOLAS CONFESSIONAIS ENTRE OS SECULOS XIX E XX. Orientador¹ JOSÉ EUDES FERREIRA DA SILVA, UEPB, eudes.story@hotmail.com² ANA PAULA

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

Ao aluno da UAB que pretende ingressar no SALT-IAENE pelo Processo Seletivo de Transferência.

Ao aluno da UAB que pretende ingressar no SALT-IAENE pelo Processo Seletivo de Transferência. Ao aluno da UAB que pretende ingressar no SALT-IAENE pelo Processo Seletivo de Transferência. Este estudo foi feito para lhe dar uma prévia de como funcionará seu ingresso no SALT- IAENE caso seja aprovado

Leia mais

A Influência da Pedagogia Norte-Americana na Educação em Sergipe e na Bahia

A Influência da Pedagogia Norte-Americana na Educação em Sergipe e na Bahia A Influência da Pedagogia Norte-Americana na Educação em Sergipe e na Bahia reflexões iniciais Ester Fraga Vilas-Bôas* O protestantismo conseguiu se estabelecer no Brasil a partir do século XIX, com a

Leia mais

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO GEORGE DE CERQUEIRA LEITE ZARUR Consultor Legislativo da Área XV Educação, Desporto, Bens Culturais,

Leia mais

MISSIONÁRIAS EDUCADORAS PROTESTANTES NORTE- AMERICANAS: MENSAGEIRAS DA FÉ E DA EDUCAÇÃO.

MISSIONÁRIAS EDUCADORAS PROTESTANTES NORTE- AMERICANAS: MENSAGEIRAS DA FÉ E DA EDUCAÇÃO. MISSIONÁRIAS EDUCADORAS PROTESTANTES NORTE- AMERICANAS: MENSAGEIRAS DA FÉ E DA EDUCAÇÃO. Eneida Ramos Figueiredo Doutoranda em Educação, Fac. de Educação da Universidade de São Paulo-USP-bolsista da Fapesp,

Leia mais

Introdução ao Protestantismo no Brasil

Introdução ao Protestantismo no Brasil António Gouvêa /^lendonça Prócoro Velasques Filho fl^^ Introdução ao Protestantismo no Brasil H \0\ \ Ciências da Religião SUMARIO APRESENTAÇÃO 9 I. Evolução histórica e configuração atual do protestantismo

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

Mackenzie garante integridade e segurança de dados com solução arcserve Backup

Mackenzie garante integridade e segurança de dados com solução arcserve Backup CASO DE SUCESSO Julho 2014 Mackenzie garante integridade e segurança de dados com solução arcserve Backup PERFIL DO CLIENTE Indústria: Educação Companhia: Universidade Presbiteriana Mackenzie Alunos: 40

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso Pedagogia Departamento de Educação: Formação Docente, Gestão e Tecnologias. A INCLUSÃO DA CRIANÇA COM SINDROME DE DOWN E SEU PROCESSO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL PREFEITURA MUNICIPAL DE BOA VISTA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA NÚCLEO DE TECNOLOGIA E DIFUSÃO EDUCACIONAL RELATO DE EXPERIENCIA DE PROJETO COLABORATIVO VIA INTERNET ENTRE ESCOLAS MUNICIPAIS

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE.

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE. CARTA DE RECIFE O Fórum Nacional de Conselhos Estaduais de Educação realizou em Recife, no período de 16 a 18 de setembro a Reunião Plenária da Região Nordeste, com a participação dos Conselhos Estaduais

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

Missões para os índios americanos

Missões para os índios americanos Missões para os índios americanos Em busca do Nobre Selvagem A história de missões ameríndias é intrigante: Iniciada pela igreja Católica; Despertou o interesse dos protestantes. Depois de muito zelo e

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

História da Educação. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365

História da Educação. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 História da Educação Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 Aula 2 A Educação na Idade Moderna 1. As ideias renascentistas na Educação 2.

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO

PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO LOCAL DOS ENCONTROS Campinas: POLICAMP Rua: Luiz Otávio, 1281 Parque Santa Cândida Campinas SP Fone: (19) 3756-2300

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE

O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE 689 O ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS: CONTRIBUIÇÕES PARA UM DEBATE Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: Este estudo traz os resultados de uma pesquisa de campo realizada em uma escola pública

Leia mais

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP)

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) RESUMO A língua sofre constantemente uma invasão de novos vocábulos que

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA Ano Letivo de 2007

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA Ano Letivo de 2007 PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA Ano Letivo de 2007 PROFESSOR (ES): LISETTE M. CHAVAUTY VALDES. CONCEPÇÃO DO CURSO O conhecimento do passado é a base da construção do saber histórico. Esse passado dialoga permanentemente

Leia mais

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA

DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA DA TEORIA À PRÁTICA: UMA ANÁLISE DIALÉTICA JURUMENHA, Lindelma Taveira Ribeiro. 1 Universidade Regional do Cariri URCA lindelmafisica@gmail.com FERNANDES, Manuel José Pina 2 Universidade Regional do Cariri

Leia mais

TENSÕES ENTRE A ESCOLARIZAÇÃO E AS INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS EM GUARAPUAVA ENTRE 1930-1960.

TENSÕES ENTRE A ESCOLARIZAÇÃO E AS INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS EM GUARAPUAVA ENTRE 1930-1960. TENSÕES ENTRE A ESCOLARIZAÇÃO E AS INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS EM GUARAPUAVA ENTRE 1930-1960. Jefferson Soares da Silva (acadêmico de pedagogia da Unicentro); Carlos Herold jr. (professor do departamento de

Leia mais

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia Sociologia Organizacional Aula 1 Organização da Disciplina Aula 1 Contexto histórico do aparecimento da sociologia Aula 2 Profa. Me. Anna Klamas A institucionalização da sociologia: August Comte e Emile

Leia mais

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes

O significado do Ensino Médio Público na visão dos estudantes *Pôster: O Significado do Ensino Médio Público na Visão dos Estudantes. Apresentado no XIV Seminário de Pesquisa do CCSA. Realizado no período de 24 a 26 de setembro de 2008, na UFRN. Autores: ; ;. O significado

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Figura 14 Barão de Viana Autor José Antonio da Cunha Couto Óleo sobre tela, 65 x 54 cm Museu de Arte da Bahia

Figura 14 Barão de Viana Autor José Antonio da Cunha Couto Óleo sobre tela, 65 x 54 cm Museu de Arte da Bahia 42 Couto foi possuidor de uma obra pictórica extensa, sendo o retratista que mais produziu em seu tempo, conhecido pelo colorido e pelas expressões fisionômicas dos seus retratos 12. Em Alves (1976, p.59),

Leia mais

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova.

No final desse período, o discurso por uma sociedade moderna leva a elite a simpatizar com os movimentos da escola nova. 12. As concepções de educação infantil Conforme OLIVEIRA, a educação infantil no Brasil, historicamente, foi semelhante a outros países. No Séc. XIX tiveram iniciativas isoladas de proteção à infância

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Análise das diferentes abordagens historiográficas acerca da transição das sociedades medievais européias ao capitalismo. Formação do Antigo Regime e surgimento do paradigma do homem moderno:

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização

O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização O uso de Objetos de Aprendizagem como recurso de apoio às dificuldades na alfabetização Juliana Ferreira Universidade Estadual Paulista UNESP- Araraquara E-mail: juliana.ferreiraae@gmail.com Silvio Henrique

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR.

SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. SEGURANÇA ALIMENTAR, SUSTENTABILIDADE, EDUCAÇÃO AMBIENTAL: REFLEXÕES A CERCA DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR. Jonas da Silva Santos Universidade do Estado da Bahia UNEB DEDC XV jonasnhsilva@hotmail.com jonas.ss@inec.org.br

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

Aula 2: Projeto de pesquisa

Aula 2: Projeto de pesquisa 1 Metodologia da Pesquisa Científica Aula 2: Projeto de pesquisa 1 O projeto de pesquisa O projeto de pesquisa é a base da organização do seu trabalho de pesquisa. Ao elaborar o projeto você organiza suas

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO -

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - INTRODUÇÃO O Colégio Episcopal da Igreja Metodista, no uso de suas atribuições (Cânones, Art. 63, item XVII)

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Historia

Leia mais

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica

UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica UMA TRAJETÓRIA DEMOCRÁTICA: das habilitações à coordenação pedagógica Shirleiscorrea@hotmail.com A escola, vista como uma instituição que historicamente sofreu mudanças é apresentada pelo teórico português

Leia mais

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS

DETERMINAÇÃO SOCIOLINGÜÍSTICA DO CONCEITO DE LEITURA Vilson J. Leffa e Rita de Cássia Campos Lopes,UFRGS REFERÊNCIA: LEFFA, Vilson J. ; LOPES, Rita de Cássia Campos. Determinação sócio-lingüística do conceito de leitura. 46 a Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Vitória, 17 a 22 de

Leia mais

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA A Antropologia é o estudo do homem e seu mundo. Como ciência da humanidade, ela se preocupa em conhecer cientificamente o ser humano em sua totalidade. (MARCONI, Marina

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

Conteúdo. Community College Perguntas e Respostas Página 1

Conteúdo. Community College Perguntas e Respostas Página 1 Conteúdo A educação superior nos Estados Unidos... 2 O que é um Community College?... 2 O que é considerado uma instituição de educação superior?... 2 O que quer dizer ser credenciada regionalmente?...

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i

O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i O legado de AGOSTINHO DA SILVA 15 anos após a sua morte i LUÍS CARLOS SANTOS luis.santos@ese.ips.pt Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal 1- Agostinho da Silva, um adepto da Educação

Leia mais

VISITA PASTORAL NA ARQUIDIOCESE DE MARIANA

VISITA PASTORAL NA ARQUIDIOCESE DE MARIANA VISITA PASTORAL NA ARQUIDIOCESE DE MARIANA A Vista Pastoral constitui-se em momento privilegiado de contato do Arcebispo com o povo santo de Deus, confiado aos seus cuidados de pastor, com a preciosa colaboração

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO Faculdade de Educação PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA INSTITUIÇÕES E INTELECTUAIS DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: HISTÓRIA, IDEIAS E TRAJETÓRIAS Responsável: Prof. Dr. Mauro Castilho Gonçalves O projeto investiga a história de instituições educativas

Leia mais

Diálogo. a diversidade um espaço privilegiado no Ensino Religioso

Diálogo. a diversidade um espaço privilegiado no Ensino Religioso Diálogo inter-religioso a diversidade um espaço privilegiado no Ensino Religioso Arte de calar Calar sobre sua própria pessoa é Humildade... Calar sobre os defeitos dos outros é Caridade... Calar quando

Leia mais

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA

PROJETO ESCOLA E CIDADANIA PROJETO DE AQUISIÇÃO DE KIT ESCOLAR PROJETO ESCOLA E CIDADANIA 1. HISTÓRICO A preocupação com a causa da criança e do adolescente em situação de risco, faz nascer instituições proféticas espalhadas pelo

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO RIO DE JANEIRO NA PRIMEIRA METADE DO SÉCULO XX Bruno Alves Dassie Instituto Superior de Educação do Rio de Janeiro Universidade Estácio de Sá O objetivo desta

Leia mais

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DE FILHOS DE PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICA Rosimeire Reis Silva (FEUSP)

ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DE FILHOS DE PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICA Rosimeire Reis Silva (FEUSP) ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE A ESCOLARIZAÇÃO DE FILHOS DE PROFESSORES DE ESCOLA PÚBLICA Rosimeire Reis Silva (FEUSP) Pretendemos apresentar aqui os dados de um estudo exploratório, que é a primeira fase de

Leia mais

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Não é todo estudante que entende bem a organização do sistema educacional brasileiro e seus níveis de ensino. Nem todos sabem, por exemplo, a diferença

Leia mais

1 REGISTRO, Tânia Cristina. O arranjo de fotografias em unidades de informação: fundamentos teóricos e

1 REGISTRO, Tânia Cristina. O arranjo de fotografias em unidades de informação: fundamentos teóricos e Michelle Cartolano de Castro Ribeiro. Catolicismo e Espiritismo: potenciais de pesquisa a partir do Fundo José Pedro Miranda (Centro Universitário Barão de Mauá pós-graduando) O espaço de estudo usado

Leia mais

O Indivíduo em Sociedade

O Indivíduo em Sociedade O Indivíduo em Sociedade A Sociologia não trata o indivíduo como um dado da natureza isolado, livre e absoluto, mas como produto social. A individualidade é construída historicamente. Os indivíduos são

Leia mais

Nome: Daniela Amaral de Paula Ano: 9º Apresentação do TCC.

Nome: Daniela Amaral de Paula Ano: 9º Apresentação do TCC. Nome: Daniela Amaral de Paula Ano: 9º Apresentação do TCC. É uma religião monoteísta que tem por princípios os ensinamentos de Jesus de Nazaré, tais como são apresentados no Novo Testamento. A fé cristã

Leia mais

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927)

COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) COMBATENDO EFFICAZMENTE A PRAGA DO ANALPHABETISMO : A CRIAÇÃO E INSTALAÇÃO DO GRUPO ESCOLAR DE SÃO MATHEUS-JUIZ DE FORA (1915-1927) Pereira, Tatiana Aparecida Universidade Federal de Juiz de Fora tatianapereira_2009@yahoo.com.br

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010 O Diretor das Faculdades Integradas Campo Grandenses, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão dos Conselhos Superior, de Ensino, Pesquisa, Pós Graduação e Extensão e de Coordenadores, em reunião

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência.

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Nome: Glauco Costa de Souza (Graduando Unesp/Assis). e-mail: glaucojerusalem@hotmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca.

Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao. primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Divisor de águas : uma etnografia sobre as trajetórias de alunos sobreviventes ao primeiro ano do ensino médio em uma escola estadual carioca. Mylena Gomes Curvello mylenagcurvello@hotmail.com 9 período

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO.

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: MIDS/Macaé E-mail:mzosilva@yahoo.com.br. RESUMO Na atualidade, é preciso que se crie novos métodos

Leia mais

1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de

1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de 1 1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de Museologia da Universidade Federal de Sergipe; Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Memória

Leia mais

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO

CRIAÇÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A P r ó - R e i t o r i a d e E n s i n o d e G r a d u a ç ã o Palácio da Reitoria - Rua Augusto Viana s/n - Canela - 40.110-060 - Salvador Bahia E-mails:

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

O ENSINO RELIGIOSO E A LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA NO BRASIL. Ana Carolina Greco Paes 1, Sério Mastellini 2

O ENSINO RELIGIOSO E A LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA NO BRASIL. Ana Carolina Greco Paes 1, Sério Mastellini 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 51 O ENSINO RELIGIOSO E A LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA NO BRASIL Ana Carolina Greco Paes 1, Sério Mastellini 2 1 Discente

Leia mais

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES

INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES P R O POS T A A INSTITUIÇÕES E FUNDAÇÕES SOBRE NÓS Quem Somos A mantenedora do Seu Professor atua há mais de 18 anos no segmento educacional, com escolas de Ensino Fundamental, Médio, cursos técnicos,

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA IMPACTOS DO PIBID/INGLÊS SUSTENTABILIDADE NOS ALUNOS André Henrique Gonçalves (UESC) henriqueios@live.com Laura de Almeida (UESC) prismaxe@gmail.com RESUMO

Leia mais

Mackenzie garante integridade e segurança de dados com solução CA ARCserve Backup

Mackenzie garante integridade e segurança de dados com solução CA ARCserve Backup CUSTOMER SUCCESS STORY Mackenzie garante integridade e segurança de dados com solução CA ARCserve Backup PERFIL DO CLIENTE Indústria: Educação Companhia: Universidade Presbiteriana Mackenzie Alunos: 40

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS

ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS ESCOLA, LEITURA E A INTERPRETAÇÃO TEXTUAL- PIBID: LETRAS - PORTUGUÊS RESUMO Juliana Candido QUEROZ (Bolsista) 1 ; Natália SILVA (Bolsista) 2, Leila BRUNO (Supervisora) 3 ; Sinval Martins S. FILHO (Coordenador)

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014

Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação. Resolução COMEV Nº. 01/2014 Prefeitura Municipal de Vitória Secretaria Municipal de Educação Resolução COMEV Nº. 01/2014 Fixa normas relativas à Organização e Funcionamento do Ciclo Inicial de Aprendizagem do Ensino Fundamental na

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL

ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL Aula ORGANIZAÇÃO DO ENSINO NO BRASIL: PERÍODO COLONIAL META Apresentar as razões da expansão da pedagogia (ensino) jesuítica no Brasil-colônia e, posteriormente, a sua expulsão motivada pela reforma da

Leia mais

Da Escola Americana a Organização do primeiro Sínodo da IPB

Da Escola Americana a Organização do primeiro Sínodo da IPB Casal Chanberlain George Whitehill Chamberlain nasceu a 13 de agosto de 1839 em Waterford, na Pensilvânia. Estudou nos colégios Delaware e Union e veio para o Brasil buscando melhoras de saúde (visão).

Leia mais

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA

CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA CULTURA E HISTÓRIA AFRO-BRASILEIRA NA AULA DE INGLÊS: E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE NACIONAL NA ESCOLA Júlio César Paula Neves Tânia Mayra Lopes de Melo Modalidade: Pôster Sessão Temática 5: Educação e

Leia mais

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH

GTT 1 - A Descaracterização do Trabalho do Professor de Educação Física nas Atuais Políticas Públicas de Educação na RMBH Documento final do "Seminário: O trabalho docente em educação física face às atuais políticas públicas na educação na RMBH: Repercussões nas instituições Formadoras" O presente documento tem por finalidade

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Perguntas mais frequente e respostas do Departamento de Políticas Educacionais. 1. Qual é a nomenclatura adequada para o primeiro ano do ensino fundamental

Leia mais