ORIGENS DA EDUCAÇÃO PROTESTANTE EM SERGIPE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORIGENS DA EDUCAÇÃO PROTESTANTE EM SERGIPE 1884-1913"

Transcrição

1 ORIGENS DA EDUCAÇÃO PROTESTANTE EM SERGIPE ESTER FRAGA VILAS-BÔAS Professora da Rede Estadual de Ensino e Mestranda em Educação da Universidade Federal de Sergipe As produções referentes à prática educativa protestante na historiografia educacional brasileira ainda são tímidas, algumas vezes carregadas nas tintas do espírito teológico e religioso, privilegiando mais a região sudeste, o que surpreende pelo fato do protestantismo ter estado presente quase simultaneamente em grande parte do território nacional. Autores como Fernando de Azevedo e Jorge Nagle 1, apesar de terem analisado demoradamente a educação brasileira, são tímidos no que se refere à educação protestante. Um estudo mais específico foi desenvolvido por Jether Pereira Ramalho 2, onde tratou em profundidade sobre a temática e sua relação com a ideologia. Dentre outras pesquisas, destacam-se as obras de Peri Mesquida, Osvaldo Henrique Hack e Leda Rejane A. Sellaro 3. A historiografia sergipana, quando trata especificamente da educação no Estado, sequer faz referência a presença de instituições educacionais protestantes, como foi o caso da História da Educação em Sergipe, de autoria da professora Mª Thetis Nunes 4, e do livro do professor José Antonio Nunes Mendonça intitulado A Educação em Sergipe 5. O único que fez alusão à Escola Americana foi o Padre Philadelpho em seus livros História de Laranjeiras e Registros de Fatos Históricos de Laranjeiras 6, levando-me a concluir que ele retirara aquelas informações dos Livros de Tombo da Paróquia Sagrado Coração de Jesus, em Laranjeiras. No entanto, esta característica não é privilégio da historiografia educacional sergipana. A maior parte dos trabalhos sobre educação produzidos no Brasil, a partir da década de 60 deste século, prioriza o período republicano, ignorando quase que completamente a presença protestante no contexto educacional do país. Boa parte das pesquisas desenvolvidas sob a perspectiva da História Nova, principalmente a partir da década de 80, têm revisitado as leituras feitas na História da Educação Brasileira sobretudo com os pioneiros da pedagogia da Escola Nova. Porém, poucos têm levado em consideração a importância da implementação da pedagogia escolanovista nas escolas protestantes. Para Sergipe, o presente trabalho coloca-se como um primeiro debruçar sobre a questão. 1 AZEVEDO, Fernando de. A cultura brasileira. NAGLE, Jorge. A educação na Primeira República In FAUSTO, Boris (Org.). História geral da civilização brasileira, Tomo III, 2º ed., RJ/SP.DIFEL, RAMALHO, Jether P. Prática educativa e sociedade. Rio de Janeiro, ZAHAR, MESQUIDA, Peri. Hegemonia norte-americana e educação protestante no Brasil. Juiz de Fora, EDUFJ, HACK, Osvaldo H. Protestantismo e educação brasileira. São Paulo, Casa Editora Presbiteriana, 1985.SELLARO, Leda Rejane A.Educação e religião. Dissertação de Mestrado, UFPE, NUNES, Mª Thetis. História da educação em Sergipe. Rio de Janeiro: Paz e Terra; Aracaju: Universidade Federal de Sergipe, MENDONÇA, José A. Nunes. A educação em Sergipe. Aracaju, Livraria Regina, OLIVEIRA, Vig. Philadelpho J. de. História de Laranjeiras. Aracaju, Segrase, 2ª ed., Registro de fatos históricos de Laranjeiras. Aracaju, Casa Ávila, 1942.

2 Numa perspectiva historiográfica, analisarei de que maneira o projeto educacional proposto pelos presbiterianos primeira denominação a instalar-se em Sergipe funcionou como elemento modificador da realidade educacional sergipana entre 1884 a 1913 período em que o trabalho protestante foi exclusivamente dessa denominação. Os questionamentos suscitados pelo estudo conduziram-me sobretudo à documentação institucional presbiteriana Livros de Ata da Igreja de Laranjeiras e da Missão Central do Brasil _, uma vez que as fontes oficiais revelaram-se insuficientes. Assim, além da busca de documentos manuscritos e impressos, foi necessário recorrer às fontes iconográficas e orais. Me vali de FEBVRE quando afirma que Onde faltam os monumentos escritos, deve a história demandar às línguas mortas os seus segredos... (...) Onde o homem passou, onde deixou qualquer marca da sua vida e da sua inteligência, aí está a história. (...) A história faz-se com documentos escritos, sem dúvida. Quando estes existem. Mas pode fazer-se sem documentos escritos, quando não existem. Com tudo o que a habilidade do historiador lhe permitir fabricar o seu mel, na falta de flores habituais. Logo, com palavras. Signos. Paisagens e telhas (...). Numa palavra, com tudo o que, pertencendo ao homem, depende do homem, serve do homem, exprime o homem, demonstra a presença, a atividade, os gostos e as maneiras de ser do homem 7. Durante todo o período colonial brasileiro, foi impossível a implantação do protestantismo no Brasil, pois, como acontecia na metrópole, aqui o catolicismo romano _ seguindo o modelo ibérico e expandindo-se nos moldes da Contra-Reforma _ tinha o domínio no setor religioso. Era a religião do homem brasileiro, inserida no seu cotidiano. Aceitar os princípios da crença protestante implicava em mudança de padrões culturais e valores éticos não condizentes com seu sistema valorativo. O protestantismo precisou esperar o surgimento de condições históricas favoráveis para sua definitiva inserção. O século XIX chegaria trazendo consigo as mudanças históricas que estavam ocorrendo no mundo; as lutas e anseios dos séculos precedentes que culminaram com as aspirações postas pela Revolução Francesa. Os avanços da ciência e da tecnologia e, juntamente os ideais liberais, invadiriam o Brasil através do chamado espírito da civilização moderna que exigia a secularização progressiva da sociedade, pois o avanço científico reclamava a separação da Igreja do Estado. Naquele momento, o segmento liberal da sociedade brasileira acreditava que o país precisava entrar no esquema das nações mais avançadas e o caminho era uma educação voltada mais para a ciência e a técnica 8. Ajustar, pois, o Brasil à modernidade capitalista foi tarefa que a intelligentsia nacional pretendeu consolidar, tendo na educação o mecanismo inconteste para elevar o país à condição de nação desenvolvida, disseminando o ensino público no país. Após um primeiro momento da penetração de imigrantes anglo-saxões, a implantação da nova religião só veio se efetivar no Brasil na segunda metade do século XIX com a chegada de imigrantes norte-americanos oriundos de missões das chamadas denominações históricas metodistas, congregacionais, presbiterianos e batistas. Estes 7 FEBVRE, Lucien Apud LE GOFF. Jacques. Documento/Monumento. In Enciclopédia Einaudi. Vol. I, p PAIVA, Vanilda. Educação popular e educação de adultos, p. 74.

3 instalaram-se e organizaram no país igrejas e escolas com o objetivo de por em prática principalmente um projeto de expansão cultural na visão de Weber, um estilo de vida normativo, baseado e revestido de um ética 9 individualista, conversionista e excludente. Naquele período, tensões internas provocadas pela questão da escravidão dividiram a nação norte-americana também no campo da religião. Em 1837, os presbiterianos dividiram-se em Igreja Presbiteriana do Norte dos Estados Unidos (PCUSA) e em Igreja Presbiteriana do Sul dos Estados Unidos (PCUS), estabelecendo posteriormente missões no Brasil. Em 1871, foi formado o primeiro núcleo de missionários presbiterianos no nordeste vinculados à Brazil Mission da Igreja Presbiteriana do Norte dos Estados Unidos, com escritório em Nova Iorque. Em 1897 a Brazil Mission dividiu-se em South Brazil Mission compreendendo os Estados do sul do país, e em Central Brazil Mission, responsável pela ocupação dos campos da Bahia e Sergipe, estabelecendo-se em Salvador. Vinte anos depois dessas missões mandarem seus primeiros representantes para o Brasil, existiam em todos os principais centros do país colégios protestantes e uma rede de escolas paroquiais escolas primárias ao lado da igreja _ não só para sua clientela como para aqueles que professavam outras religiões. Sob a liderança do reverendo William Alfred Waddell, os missionários da Junta de Nova Iorque organizaram mais de quarenta escolas paroquiais e alguns colégios na Bahia e em Sergipe. Na visão dos educadores norte-americanos, o ensino confessional e público naquele momento, com exceção das escolas privadas, caracterizavam-se por uma prática educativa essencialmente memorizadora, pois de acordo com Maria Cecília C. C. de Souza, No ambiente contra-reformista em que o catecismo foi instituído, a repetição mecânica era necessária não se podia aceitar que o catecúmeno reproduzisse com suas próprias palavras e desenvolvesse idéias próprias sobre aquilo que era dogma da fé, sob o risco da heresia. 10 Essa realidade favoreceria a irradiação das escolas protestantes não só nas principais cidades do Império como também na zona rural. Para AZEVEDO, essas instituições 9 WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo, p SOUZA, Maria Cecília C. C. de. Decorar, lembrar e repetir: o significado de práticas escolares na escola brasileira do final do século XIX. In: SOUZA, Cyntia P. (Org.). História da educação: processos, práticas e saberes, p. 83.

4 provocaram um choque em nosso mundo pedagógico por implicarem uma ruptura com a tradição escolar do país. Onde imperava a intolerância religiosa, ergueu-se o princípio de liberdade de consciência: as escolas estariam abertas a todos sem discriminação de crenças e de culto. Em lugar de separação de meninos e meninas por classes, quando não por escolas diferentes, o que se procurou estabelecer, foi o regime da co-educação. Métodos que faziam mais apelo à inteligência do que à memória, tomavam o lugar às práticas habituais de estudo em voz alta e da decoração que convidavam ao sono nas escolas.(...) Em vez de uma organização rígida baseada na autoridade e na disciplina, uma organização fundada no princípio de liberdade, de compreensão mútua e de colaboração 11. As tentativas das ações implementadas na área educacional pelos Presidentes da Província e a ampliação do número de escolas particulares no espaço educacional sergipano facultariam a organização da primeira escola protestante. Acompanhando o sistema semelhante ao de franquia de seus estabelecimentos escolares, dois anos após a Missão organizar a primeira igreja presbiteriana em Sergipe, em 1886 inicialmente instalou a Escola Americana na cidade de Laranjeiras, organizando posteriormente escolas paroquiais em Aracaju, Estância, Simão Dias, Urubutinga e Frei Paulo. Sob a direção do baiano e presbiteriano professor Manoel Nunes da Motta, inicialmente a escola funcionou na andar térreo do Sobrado dos Protestantes 12, e, além de oferecer os cursos Primário e Secundário para ambos os sexos, recebia também alunos não crentes e possuía internatos masculino e feminino. Como as mensalidades eram baixas, as crianças menos favorecidas podiam frequentá-la. As aulas eram ministradas por professoras; das disciplinas oferecidas no Secundário constava Aritmética, Geografia, Inglês, Português, Francês, Prendas e Música (a escola possuía um piano) 13. Na época, os jornais não se reportaram à existência da escola, dando ênfase só aos polêmicos embates travados entre os católicos e os convertidos à nova fé. Este fato reportou-me à música que é construída por símbolos, dentre eles notas e pausas. As primeiras representam os sons que ouvimos e as pausas, os espaços de silêncio, formando assim uma melodia. Não só o som, mas sua ausência também é música. Como na música, é preciso aprender a ler na história o propósito da formação e utilização dos testemunhos escritos, e a ausência deles. O que pode ser lido no silenciamento da imprensa no que se refere à Escola Americana foi que as investidas feitas pelos 11 AZEVEDO, Fernando de. Uma interpretação do Instituto Mackenzie. In: Revista da FLEP (Faculdade de Letras, Educação e Psicologia). Universidade Mackenzie, Ano I, nº 1, novembro de 1997, p Termo como ficou conhecida na cidade a casa alugada pelos missionários. 13 Livro de Matrícula do Ensino Particular 1900, p. 08, Arquivo Público do Estado de Sergipe.

5 missionários na área educacional sergipana provavelmente incomodaram as elites religiosa, cultural e política. Uma carta da sra. Lily Finley, esposa do missionário Woodward Edmund Finley, falava do esforço do padre para desviar os alunos da escola 14. Já o quase silenciamento por parte das instituições oficiais do Estado, talvez tenha se dado pelo fato de que geralmente os estabelecimentos particulares não apresentavam quase nenhuma exposição de suas atividades aos inspetores literários. A partir de alguns casos localizados por esta pesquisa, é possível afirmar que a presença das escolas presbiterianas contribuiu para o aperfeiçoamento da oferta de ensino em Sergipe, com suas práticas pedagógicas escolanovistas e um quadro de professores tecnicamente preparado além de uma infra-estrutura semelhante às escolas presbiterianas de São Paulo. A exemplo do que ocorria em outras escolas sob sua jurisdição, a Missão investiu em dois sergipanos. O primeiro foi Penélope Magalhães (14/08/ ), laranjeirense, futura professora e pianista. Como a Escola Americana oferecia aulas de música, a menina Penélope logo se interessou a aprender piano 15. Em 1898, convidaram-na para estudar na Califórnia onde fez o curso regular pedagógico e o de teologia, retornando em 1910 para ensinar no Instituto Ponte Nova, na Bahia 16. Caso semelhante foi o do reverendo Antônio Almeida ( ). A Missão mandou-o para o Colégio 15 de Novembro, em Garanhuns, e após concluir o curso de Bacharelado em Teologia, em 1920, ingressou no Union Seminary of Richmond, nos Estados Unidos, onde especializou-se em Hebraico 17. Outro exemplo, também fruto do trabalho dos missionários presbiterianos, foi a ex-aluna da Escola Americana em Aracaju Gregória do Prado Dantas (09/05/ /09/1975). Provavelmente, em 1915, abriu uma escola particular para ambos os sexos, oferecendo o Curso Primário. Em 1934, o prefeito de Simão Dias, Marcos Ferreira de Jesus, reuniu 14 FERREIRA, Júlio A. História da igreja presbiteriana do Brasil, vol. I, p Sobre ela a professora Mª Ritta Soares de Andrade escreveu: (...) D. Penélope trouxe para o seu Estado um vasto cabedal, que aqui transfunde altruisticamente a quantos buscam ensinamentos no seu talento e na sua cultura. (...) É um espírito summamente adeantado, e maneja com habilidade o português, o francês, e o inglês idioma em que é a mestra dos mestres. ANDRADE, Mª Ritta S. de. A mulher na literatura, pp No início dos anos 30, em Sergipe, o Jardim de Infância Augusto Maynard Gomes foi o primeiro estabelecimento educacional a ser construído em Aracaju seguindo o modelo de educação infantil mais moderno da época e implantando o método de alfabetização mais atual que existia. A professora Penélope foi designada pelo governador Augusto Maynard Gomes para ir a São Paulo e ao Rio de Janeiro verificar a legislação e currículos que se adequariam ao projeto do Jardim, de acordo com os padrões técnicos do Ministério de Educação, sendo sua fundadora e diretora durante vários anos. 17 Ao regressar ao Brasil um ano depois, Antônio Almeida assumiu a direção da Escola Teológica em Recife e, posteriormente, foi um dos fundadores do Seminário Presbiteriano do Norte. Além de professor foi escritor e músico. FERREIRA, E. L. O presbiterianismo em Lagarto, pp

6 todas as escolas municipais num só local, convidando-a para assumir a direção do Agrupamento Municipal Escolas Reunidas Augusto Maynard 18. Durante os quatorze anos de funcionamento em Laranjeiras, a Escola Americana foi frequentada pelos filhos dos donos de engenho. No entanto, em decorrência da seca que se abatera em Sergipe naquele período muitos deles quebraram, impedindo-os de mandarem seus filhos para a escola. Este fato contribuiu na decisão da Missão em transferi-la para Aracaju, e já em 1900, funcionando na Rua Aurora, nº 7, sob a direção do reverendo Finley, a escola contava com 50 alunos matriculados e dois professores 19, oferecendo internato e externato para ambos os sexos. Foi considerado pelo Diretor da Instrução Pública, juntamente com o Colégio Brasil, os melhores estabelecimentos particulares de ensino na época 20. Naquele ano, o reverendo Finley publicou no jornal a lista dos aprovados e dentre eles estavam seu próprio filho e Jackson de Figueiredo, futuro paladino do pensamento católico, aluno da escola até No ano letivo de 1901, a escola tinha um corpo docente de seis professores (incluindo e uma professora de Prendas e um professor de Música) pronta a dar uma educação segundo os últimos métodos pedagógicos a todos os alunos que forem confiados a seu cuidado 22. Os novos professores eram sergipanos, pois a direção tinha descartado a hipótese de contratar professores do sul do país, para racionalizar as despesas, pois, como a crise financeira também se abatera na Missão Central desde 1900, dois anos depois, pessoas das próprias comunidades foram preparadas pelos missionários para assumirem o ensino de suas escolas paroquiais. Exemplo disso foi a incoporação do reverendo Walter Cameron Donald (06/01/ /03/1967) no quadro educacional da Missão a partir de Ainda em 1903, os missionários foram novamente remanejados. Finley continuou em Aracaju e Cassius Bixler foi transferido 18 Entrevista feita com sua filha, a sra. Olda do Prado Dantas em 18/07/ Minutes of the Meetings of the Central Brazil Mission ( ) 07/07/1900 Reunião em São Félix-BA. 20 As anuidades dos curso Primário, Intermediário e Secundário eram, respectivamente, 80$000 réis, 100$000 réis e 120$000 réis. Já o internato, a pensão e o ensino custavam 500$000 réis, sem a lavagem de roupa e a música instrumental, podendo ser efetuados em quatro prestações. O Estado de Sergipe, ano III, nº 418, 10/01/ Sobre ele sua filha escreveu: Quando voltou a Aracaju vindo de Estância, continuou seus estudos com D. Etelvina Amália Siqueira; depois foi para o Colégio Americano, do pastor protestante W. E. Finley. Ali assimilou e decorou trechos inteiros da Bíblia.. FERNANDES, Cléa A. de F. Jackson de Figueiredo: uma trajetória apaixonada, p O Estado de Sergipe, nº 672, 30/11/1900, p Foi professor nas escolas paroquiais das cidades de Aracaju, Laranjeiras, Riachuelo, Estância e Simão Dias. Na década de 1930, lecionou a disciplina Inglês no Colégio Atheneu Sergipense, onde adotava o livro The English Gymnasial Grammar, Méthod Direct-Expository by Hubert C. Bethel. Como tinha

7 de Laranjeiras para Estância, ficando durante dez anos responsável pela expansão do trabalho no sul do Estado e pela organização de uma escola paroquial naquela cidade 24. Para Nora, com as constantes transformações do mundo moderno, as instituições sociais para escaparem das ameaças do esquecimento geraram a obsessão pelos registros, pelos traços, arquivos, museus, cemitérios, coleções, festas, comemorações, aniversários, tratados, processos verbais, monumentos santuários, associações; processos que dão ilusões de eternidade 25. Entretanto, o que ocorreu com o trabalho educacional presbiteriano em Sergipe foi o inverso. As atas descreveram os choques internos travados entre os missionários sobre o tema educação versus evangelização, que, para uma grande parte deles, a primeira era uma estratégia missionária e não um fim em si. Outra questão foi a avaliação feita pela Missão sobre o empreendimento educacional no Estado, dando a entender que os resultados não justificavam o investimento feito, não explicitando as causas da decadência e do posterior fechamento da escola. A partir de 1904, a Missão começou a retirar seus representantes de Sergipe. Com a saída do reverendo Finley e da professora Elizabeth Williamson os internatos da Escola Americana foram fechados, oferecendo só o Primário. As atas demonstravam o desequilíbrio do trabalho educacional entre Sergipe e Bahia, denotando a decisão da Missão em concentrá-lo neste último Estado. Exemplo disso foi a organização de colégios em Cachoeira, São Félix, Ponte Nova (atual cidade de Wagner) e, posteriormente, uma escola em Salvador. Paulatinamente os anúncios sobre a escola de Aracaju começaram a desaparecer dos jornais e, a partir de 1913, tanto ela como a de Estância deixaram de ser registradas nos orçamentos da Missão Central do Brasil. É possível que o processo de fechamento do colégio foi tão conflituoso que não houve um maior cuidado com sua memória, pois a documentação da instituição presbiteriana a que tive acesso não registrou as causas que levaram a Missão a desistir do projeto educacional em Sergipe. Origens da Educação Protestante em Sergipe busca refletir e provocar debates em torno da trajetória e da contribuição das instituições educacionais protestantes no contexto educacional brasileiro, particularmente em Sergipe. Na reconstituição do dupla nacionalidade também foi convidado para ser Vice-Cônsul em Sergipe na época da Segunda Guerra Mundial. Entrevista realizada com a sra. Ivonete dos Santos Donald em 04/05/ Minutes of the Meetings of the Central Brazil Mission ( ) 19/12/1904 Reunião da Missão Central em Estância-SE. 25 NORA, Pierre. Apud FÉLIX, Loiva Otero. História e memória: a problemática da pesquisa, p. 53.

8 trabalho educacional presbiteriano em terras sergipanas, foi possível dar vida a personagens que dele fizeram parte através dos vestígios deixados no tempo e no espaço e assim, projetando-os na tela da história, fazer o pretérito novamente existir.

9 BIBLIOGRAFIA ANDRADE, Mª Ritta. A mulher na literatura. Tese apresentada ao Atheneu Pedro II para concorrer à livre docência da cadeira de Literatura. Aracaju, Casa Ávila, AZEVEDO, F. de. A cultura brasileira. 6 ª ed., Rio de Janeiro, Ed. UFRJ/ Brasília, Ed. UnB,1996. O Estado de Sergipe, Ano III, Aracaju, Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe. FÉLIX, Loiva Otero. História e memória: a problemática da pesquisa. Passo Fundo, Ediupf, FERNANDES, Cléa Alves de Figueiredo. Jackson de Figueiredo: uma trajetória apaixonada. Rio de Janeiro, Forense Universitária, FERREIRA, E. L. O presbiterianismo em Lagarto. Texto mimeografado, FERREIRA, Júlio A. História da igreja presbiteriana do Brasil. 2ª ed., Vol. I, São Paulo, Casa Editora Presbiteriana, ª ed., Vol. II, São Paulo, Casa Editora Presbiteriana, HACK, Osvaldo H. Protestantismo e educação brasileira: presbiterianismo e seu relacionamento com o sistema pedagógico. São Paulo, Casa Editora Presbiteriana, LE GOFF, Jacques. Documento Monumento. In Enciclopédia Einaudi. Vol. I, Porto, Imprensa Nacional/Casa da Moeda, Livro de Actas da Egreja da Larangeiras Sergipe Arquivo da Igreja Presbiteriana da Mangueira, Salvador-BA. Livro de Matrículas do Ensino Particular Arquivo Público do Estado de Sergipe. Livro Segundo das Actas da Egreja Presbiteriana da Bahia 04/10/1885 a 09/01/1900. Arquivo da Igreja Presbiteriana da Mangueira, Salvador-BA. Livro de Tombo da Cúria de Aracaju, nº 1, Arquidiocese de Aracaju-SE, 03/06/1949. Livro de Tombo da Paróquia Sagrado Coração de Jesus Arquidiocese de Aracaju-SE, 05/11/1968. MENDONÇA, José Nunes. A educação em Sergipe. Aracaju, Livraria Regina, MESQUIDA, Peri, Hegemonia norte-americana e educação protestante no Brasil: um estudo de caso. Juiz de Fora, EDUFJF/S. Bernardo do Campo, EDITEO, Minutes of the Meetings of the Central Brazil Mission Arquivo particular do Dr. James Wrigth, Vitória, ES.

10 Minutes of the Meetings of the Central Brazil Mission Arquivo particular do Dr. James Wright, Vitória, ES. NAGLE, Jorge. A educação na Primeira República. In: FAUSTO, Boris. (Org.). História geral da civilização brasileira. Vol. III, São Paulo, Difel, NUNES, Mª Thetis. História da educação em Sergipe. Rio de Janeiro, Paz e Terra, Ensino secundário e sociedade brasileira. Rio de Janeiro, ISEB, OLIVEIRA, Vig. Philadelpho J. de. História de Laranjeiras. Aracaju, Segrase, 2 ª ed., Registro de fatos históricos de Laranjeiras. Aracaju, Ed. Casa Ávila, PAIVA, Vanilda. Educação popular e educação de adultos. São Paulo, Ed. Loyola, RAMALHO, Jether P. Prática educativa e sociedade: um estudo de sociologia da educação. Rio de Janeiro, Zahar Editora, Revista da Faculdade de Letras, Educação e Psicologia. Universidade Mackenzie, Ano I, nº 1, novembro, SOUZA, Cyntia P. de (Org.). História da educação: processos, práticas e saberes. São Paulo, Escrituras Editora, TEIXEIRA, Mª Geralda. Os batistas na Bahia: um estudo de história social. Salvador, UFBA - Dissertação de Mestrado, VILAS-BÔAS, Ester F. A prática educativa do protestantismo no contexto histórico da educação brasileira sua importância e influência. Aracaju, monografia de conclusão da Disciplina do Mestrado Educação Brasileira, UFS,1997. WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 5 ª Livraria Pioneira Editora, ed., São Paulo,

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA

BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA BRASIL: O ENSINO SUPERIOR ÀS PRIMEIRAS UNIVERSIDADES COLÔNIA IMPÉRIO PRIMEIRA REPÚBLICA Tânia Regina Broeitti Mendonça 1 INTRODUÇÃO: Os espanhóis fundaram universidades em seus territórios na América desde

Leia mais

MISSIONÁRIAS EDUCADORAS PROTESTANTES NORTE- AMERICANAS: MENSAGEIRAS DA FÉ E DA EDUCAÇÃO.

MISSIONÁRIAS EDUCADORAS PROTESTANTES NORTE- AMERICANAS: MENSAGEIRAS DA FÉ E DA EDUCAÇÃO. MISSIONÁRIAS EDUCADORAS PROTESTANTES NORTE- AMERICANAS: MENSAGEIRAS DA FÉ E DA EDUCAÇÃO. Eneida Ramos Figueiredo Doutoranda em Educação, Fac. de Educação da Universidade de São Paulo-USP-bolsista da Fapesp,

Leia mais

A Influência da Pedagogia Norte-Americana na Educação em Sergipe e na Bahia

A Influência da Pedagogia Norte-Americana na Educação em Sergipe e na Bahia A Influência da Pedagogia Norte-Americana na Educação em Sergipe e na Bahia reflexões iniciais Ester Fraga Vilas-Bôas* O protestantismo conseguiu se estabelecer no Brasil a partir do século XIX, com a

Leia mais

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro

A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro CONSIDERAÇÕES FINAIS A se acreditar no testemunho de seus contemporâneos, Maria Guilhermina Loureiro de Andrade foi uma mulher bastante conhecida na sociedade brasileira, pelo menos entre a imprensa e

Leia mais

TENSÕES ENTRE A ESCOLARIZAÇÃO E AS INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS EM GUARAPUAVA ENTRE 1930-1960.

TENSÕES ENTRE A ESCOLARIZAÇÃO E AS INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS EM GUARAPUAVA ENTRE 1930-1960. TENSÕES ENTRE A ESCOLARIZAÇÃO E AS INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS EM GUARAPUAVA ENTRE 1930-1960. Jefferson Soares da Silva (acadêmico de pedagogia da Unicentro); Carlos Herold jr. (professor do departamento de

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

1 REGISTRO, Tânia Cristina. O arranjo de fotografias em unidades de informação: fundamentos teóricos e

1 REGISTRO, Tânia Cristina. O arranjo de fotografias em unidades de informação: fundamentos teóricos e Michelle Cartolano de Castro Ribeiro. Catolicismo e Espiritismo: potenciais de pesquisa a partir do Fundo José Pedro Miranda (Centro Universitário Barão de Mauá pós-graduando) O espaço de estudo usado

Leia mais

Nome: Daniela Amaral de Paula Ano: 9º Apresentação do TCC.

Nome: Daniela Amaral de Paula Ano: 9º Apresentação do TCC. Nome: Daniela Amaral de Paula Ano: 9º Apresentação do TCC. É uma religião monoteísta que tem por princípios os ensinamentos de Jesus de Nazaré, tais como são apresentados no Novo Testamento. A fé cristã

Leia mais

História e Teologia de Missões

História e Teologia de Missões MISSÕES BRASILEIRAS O Gigante começa a despertar Esta é uma área de pesquisa ainda com pouca exploração. Imigrantes forma os principais instrumentos de evangelização. O primeiro grupo veio em 1558, quando

Leia mais

1. EMERGÊNCIA DE ALGUMAS ESCOLAS CONFESSIONAIS NA PARAÍBA DO NORTE DOS SECULOS XIX e XX.

1. EMERGÊNCIA DE ALGUMAS ESCOLAS CONFESSIONAIS NA PARAÍBA DO NORTE DOS SECULOS XIX e XX. ENTRE PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES: O DIOCESANO PIO X E A EMERGÊNCIA DE ESCOLAS CONFESSIONAIS ENTRE OS SECULOS XIX E XX. Orientador¹ JOSÉ EUDES FERREIRA DA SILVA, UEPB, eudes.story@hotmail.com² ANA PAULA

Leia mais

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência.

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Nome: Glauco Costa de Souza (Graduando Unesp/Assis). e-mail: glaucojerusalem@hotmail.com

Leia mais

Introdução ao Protestantismo no Brasil

Introdução ao Protestantismo no Brasil António Gouvêa /^lendonça Prócoro Velasques Filho fl^^ Introdução ao Protestantismo no Brasil H \0\ \ Ciências da Religião SUMARIO APRESENTAÇÃO 9 I. Evolução histórica e configuração atual do protestantismo

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO

CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO CONTRIBUIÇÕES DE OLGA METTIG À EDUCAÇÃO BAIANA: ENSINANDO A COMPREENSÃO Liane Soares, Ms. Faculdade de Tecnologias e Ciências FTC/BA Olga sempre considerou a educação como um sistema, um produto de evolução

Leia mais

Da Escola Americana a Organização do primeiro Sínodo da IPB

Da Escola Americana a Organização do primeiro Sínodo da IPB Casal Chanberlain George Whitehill Chamberlain nasceu a 13 de agosto de 1839 em Waterford, na Pensilvânia. Estudou nos colégios Delaware e Union e veio para o Brasil buscando melhoras de saúde (visão).

Leia mais

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar.

GD5 História da matemática e Cultura. Palavras-chave: Ensino de Matemática. Escola Normal. Cultura Escolar. Curso de Formação de Professores Primários da Escola Normal de Caetité Ba no Período de 1925 a 1940: Análise das Transformações Curriculares do Ensino de Matemática. Márcio Oliveira D Esquivel 1 GD5 História

Leia mais

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX

Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Analise histórica comparativa do relato de uma professora alagoana sobre sua formação docente e o ensino de matemática no primário durante o século XX Miriam Correia da Silva¹ Mercedes Carvalho² RESUMO

Leia mais

ESCOLAS EVANGÉLICAS NO BRASIL

ESCOLAS EVANGÉLICAS NO BRASIL ESCOLAS EVANGÉLICAS NO BRASIL Léa Rocha Lima e Marcondes Temática: Formação de Educadores Resumo O contexto escolar brasileiro conta com a influência de escolas denominacionais evangélicas desde o século

Leia mais

CAMINHOS E DESCAMINHOS DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO BRASIL

CAMINHOS E DESCAMINHOS DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO BRASIL ISSN: 1981-3031 CAMINHOS E DESCAMINHOS DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO BRASIL Vagna Brito de Lima 1 Paula Rejane Lisboa da Rocha 2 Inalda Maria dos Santos 3 RESUMO O presente artigo discorre sobre a problemática

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO General Carneiro 2010 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO. O Ensino Religioso existiu num primeiro

Leia mais

Fernando Novais: Braudel e a " missão francesa"

Fernando Novais: Braudel e a  missão francesa Fernando Novais: Braudel e a " missão francesa" Estudos Avançados Qual a contribuição dos historiadores franceses e dos cientistas da França para a evolução da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga

A história da Igreja e sua problemática A história da Igreja na Idade Antiga SUMÁRIO Introdução... 11 A história da Igreja e sua problemática... 17 A. Alguns pressupostos e indicações básicos antes de começar o caminho... 17 Trata-se de um ramo da ciência histórica ou da ciência

Leia mais

Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra)

Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra) Guia de exploração pedagógico-didático dos PowerPoint (amostra) Apresentamos um conjunto de 8 PowerPoint que abordam todos os conteúdos programáticos e das Metas Curriculares do 8.º ano. Estes obedecem

Leia mais

1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de

1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de 1 1 Doutora em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Professora Adjunta I do Núcleo de Museologia da Universidade Federal de Sergipe; Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas em Memória

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A lei de 15 de outubro de 1827 Vicente Martins O Decreto Federal nº 52.682, em 1963, criou, oficialmente, o Dia do Professor. O dia 15 de outubro não foi escolhido à toa. A data

Leia mais

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte

A Bandeira Brasileira e Augusto Comte A Bandeira Brasileira e Augusto Comte Resumo Este documentário tem como ponto de partida um problema curioso: por que a frase Ordem e Progresso, de autoria de um filósofo francês, foi escolhida para constar

Leia mais

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE.

A temática Sistema Nacional de Educação foi dissertada pela Profa. Flávia Maria Barros Nogueira Diretora da SASE. CARTA DE RECIFE O Fórum Nacional de Conselhos Estaduais de Educação realizou em Recife, no período de 16 a 18 de setembro a Reunião Plenária da Região Nordeste, com a participação dos Conselhos Estaduais

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

EIXOS TEMÁTICOS REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS EIXOS TEMÁTICOS 1. Cultura, saberes e práticas escolares e pedagógicas na educação profissional e tecnológica: arquivos escolares, bibliotecas e centros de documentação. Para este eixo temático espera

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

OS PROJETOS DE REFORMA DA ESCOLA PÚBLICA PROPOSTOS NO BRASIL ENTRE 1870 E 1880.

OS PROJETOS DE REFORMA DA ESCOLA PÚBLICA PROPOSTOS NO BRASIL ENTRE 1870 E 1880. OS PROJETOS DE REFORMA DA ESCOLA PÚBLICA PROPOSTOS NO BRASIL ENTRE 1870 E 1880. Introdução Maria Cristina Gomes Machado i Universidade Estadual de Maringá - UEM Josie Agatha Parrilha Silva ii Centro Universitário

Leia mais

Projeto Educativo 02 02-V R 01-P D O M

Projeto Educativo 02 02-V R 01-P D O M Projeto Educativo Colégio do Sagrado Coração de Maria - Lisboa Projeto Educativo V02 i ÍNDICE I. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA...1 1. O meio envolvente...1 2. O Colégio...2 3. Organização Estrutural...2 3.1. Órgãos

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma Ano Lectivo 2010/2011 HISTÓRIA Agrupamento de Escolas de Fronteira Escola Básica Integrada Frei Manuel Cardoso 8º Ano Apresentação nº 10 Renascimento e Reforma Reformas Religiosas: Reforma e Contra-Reforma

Leia mais

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA

INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA INTRODUÇÃO A ANTROPOLOGIA RELIGIOSA A Antropologia é o estudo do homem e seu mundo. Como ciência da humanidade, ela se preocupa em conhecer cientificamente o ser humano em sua totalidade. (MARCONI, Marina

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

Prefácio. Antonietta d Aguiar Nunes

Prefácio. Antonietta d Aguiar Nunes Prefácio Antonietta d Aguiar Nunes SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros NUNES, AA. Prefácio. In BOAVENTURA, EM. A construção da universidade baiana: objetivos, missões e afrodescendência [online].

Leia mais

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio

BIÊNIO 2012-2013. Tema Geral da Igreja Metodista IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA. Tema para o Biênio 1 IGREJA METODISTA PASTORAL IMED PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E PLANO DE AÇÃO BIÊNIO 2012-2013 Tema Geral da Igreja Metodista "IGREJA: COMUNIDADE MISSIONÁRIA A SERVIÇO DO POVO ESPALHANDO A SANTIDADE BÍBLICA

Leia mais

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos.

3 a 5. 6 a 10. 11 a 14. Faixa Etária Prevista. Etapa de Ensino. Duração. Educação Infantil. anos. Ensino Fundamental: Anos Iniciais. 5 anos. Etapa de Ensino Faixa Etária Prevista Duração Educação Infantil 3 a 5 anos Ensino Fundamental: Anos Iniciais 6 a 10 anos 5 anos Ensino Fundamental: Anos Finais 11 a 14 anos 4 anos EDUCAÇÃO INFANTIL EDUCAÇÃO

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade

Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós-Graduação em Teologia Linha Teologia e Sociedade PROJETO ESPAÇO SAGRADO: UMA PROPOSTA DE TURISMO EDUCACIONAL E UMA ESTRATÉGIA PARA CONHECER E

Leia mais

BREVE HISTÓRICO DA PARÓQUIA SÃO JOÃO BATISTA - TAUAPE

BREVE HISTÓRICO DA PARÓQUIA SÃO JOÃO BATISTA - TAUAPE BREVE HISTÓRICO DA PARÓQUIA SÃO JOÃO BATISTA - TAUAPE A Paróquia de São João Batista do Tauape foi criada por sua Excia. Revma. Dom Antônio, de Almeida Lustosa, na época Arcebispo de Fortaleza, pelo decreto

Leia mais

Sobre a Tradição Escolar Luterana

Sobre a Tradição Escolar Luterana Sobre a Tradição Escolar Luterana Por Vanderlei Defreyn * Resumo: O presente artigo nasceu de minha dissertação de mestrado que problematiza e relativiza a tradição inventada a respeito do caráter popular

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional

Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Seminário Internacional do Museu Histórico Nacional Ponta do Calabouço e adjacências: história, memória e patrimônio nos 450 anos da cidade do Rio de Janeiro CHAMADA PÚBLICA DE TRABALHOS A faixa de terra

Leia mais

Projeto e Metas para 2014

Projeto e Metas para 2014 Igreja Evangélica Assembleia de Deus-Imperatriz-MA Pastor Raul Cavalcante Pastor Wilson Filho Coord. Tribo da Área Tribo de Aser Pastor Presidente da IEADI ÁREA TRIBO DE ASER Projeto e Metas para 2014

Leia mais

CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS MISSIONÁRIAS DA IMACULADA CONCEIÇÃO COLÉGIO SANTA CLARA PROJETO: AFRICANIDADE BRASILEIRA

CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS MISSIONÁRIAS DA IMACULADA CONCEIÇÃO COLÉGIO SANTA CLARA PROJETO: AFRICANIDADE BRASILEIRA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS MISSIONÁRIAS DA IMACULADA CONCEIÇÃO COLÉGIO SANTA CLARA PROJETO: AFRICANIDADE BRASILEIRA SANTARÉM 2010 I- IDENTIFICAÇÃO: COLÉGIO SANTA CLARA DIRETORA: Irmã Gizele Maria Pereira Marinho

Leia mais

O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka.

O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka. 1175 O VERDADEIRO MUNDO DA CRECHE: EDUCAR OU PRESTAR ASSISTÊNCIA? Drielly Adrean Batista, Rita Melissa Lepre, Rodrigo Cesar Costa, Aline kadooka. Programa de pós-graduação em psicologia da Universidade

Leia mais

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2.1 ASPECTOS FUNDAMENTAIS ATÉ A PRIMEIRA METADE DO SÉCULO 20 Os analistas da educação brasileira afirmam que somente no final do Império e começo da República

Leia mais

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO.

CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. CRIANÇAS E ADULTOS EM DIFERENTES CONTEXTOS: A INFÂNCIA, A CULTURA CONTEMPORÂNEA E A EDUCAÇÃO. Relatório Final O projeto "Crianças e adultos em diferentes contextos: a infância, a cultura contemporânea

Leia mais

O ENSINO RELIGIOSO E A LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA NO BRASIL. Ana Carolina Greco Paes 1, Sério Mastellini 2

O ENSINO RELIGIOSO E A LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA NO BRASIL. Ana Carolina Greco Paes 1, Sério Mastellini 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 51 O ENSINO RELIGIOSO E A LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA NO BRASIL Ana Carolina Greco Paes 1, Sério Mastellini 2 1 Discente

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

Como Católica, radica toda a sua missão e visão na mensagem de Jesus Cristo que. ilumina o Ser e o Saber humano.

Como Católica, radica toda a sua missão e visão na mensagem de Jesus Cristo que. ilumina o Ser e o Saber humano. O Colégio de Santa Clara é uma Escola Católica Franciscana Hospitaleira. Como Escola, é para a pessoa e da pessoa. Como Católica, radica toda a sua missão e visão na mensagem de Jesus Cristo que ilumina

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ALUNOS DA LICENCIATURA QUE NÃO QUEREM SER PROFESSORES TRAÇOS DO PERFIL DOS ESTUDANTES DO CURSO DE MATEMÁTICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI Marcilia Bruna dos Reis Teixeira Universidade Federal

Leia mais

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30

Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Lançamento de Livros e Sessão de Autógrafos 12 de Julho - 19h30 Ana Isabel Madeira (Apresentação pela autora - sala 1) Referência da Obra: Madeira, A. (2012). A Construção do Saber Comparado em Educação:

Leia mais

Angelo Adriano Faria de Assis/ Universidade Federal de Viçosa

Angelo Adriano Faria de Assis/ Universidade Federal de Viçosa Anpuh Rio de Janeiro Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro APERJ Praia de Botafogo, 480 2º andar - Rio de Janeiro RJ CEP 22250-040 Tel.: (21) 9317-5380 O curso de História da Universidade Federal

Leia mais

O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná. Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG

O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná. Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG 1 O uso de cartilha paranaense nas Escolas do Estado do Paraná Solange Apª de O. Collares/UEPG Drª Profª Maria Isabel Moura Nascimento/UEPG O presente trabalho apresenta resultados preliminares de uma

Leia mais

ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR

ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR ABRINDO ESPAÇOS PARA A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS NUMA ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR Autora: Lívia Costa de ANDRADE- liviacandrade@uol.com.br Orientadora: Sandra de Fátima OLIVEIRA sanfaoli@gmail.com.br

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA Ano Letivo de 2007

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA Ano Letivo de 2007 PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA Ano Letivo de 2007 PROFESSOR (ES): LISETTE M. CHAVAUTY VALDES. CONCEPÇÃO DO CURSO O conhecimento do passado é a base da construção do saber histórico. Esse passado dialoga permanentemente

Leia mais

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO?

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? A palavra Concílio significa assembleia reunida por convocação e, na Igreja, um concílio sempre teve como objetivo discutir, definir e deliberar sobre questões de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS DE ANÁPOLIS 1. EMENTA Análise das diferentes abordagens historiográficas acerca da transição das sociedades medievais européias ao capitalismo. Formação do Antigo Regime e surgimento do paradigma do homem moderno:

Leia mais

O PROCESSO DE FORMAÇÃO DOS PINTORES SERGIPANOS NO SÉCULO XIX: O CASO DE OSÉAS ALVES DOS SANTOS

O PROCESSO DE FORMAÇÃO DOS PINTORES SERGIPANOS NO SÉCULO XIX: O CASO DE OSÉAS ALVES DOS SANTOS O PROCESSO DE FORMAÇÃO DOS PINTORES SERGIPANOS NO SÉCULO XIX: O CASO DE OSÉAS ALVES DOS SANTOS Danielle Virginie Santos Guimarães Universidade Federal de Sergipe danielle.virginie@yahoo.com.br Palavras

Leia mais

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NA COLÔNIA ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL REFLEXÃO AULA 01: TIPOS DE EDUCAÇÃO. HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA

A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NA COLÔNIA ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL REFLEXÃO AULA 01: TIPOS DE EDUCAÇÃO. HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA ESTRUTURA, POLÍTICA E GESTÃO EDUCACIONAL AULA 01: TIPOS DE EDUCAÇÃO. HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO BRASILEIRA TÓPICO 02: A EDUCAÇÃO BRASILEIRA NA COLÔNIA A Educação formal desenvolvida em qualquer tempo e espaço

Leia mais

REV. FLÁVIO COSME MARTINS. 37 anos, brasileiro, casado Fone: Celular: (74)99817471; Contato: (74)36971005 (sogra Hagar). EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

REV. FLÁVIO COSME MARTINS. 37 anos, brasileiro, casado Fone: Celular: (74)99817471; Contato: (74)36971005 (sogra Hagar). EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL REV. FLÁVIO COSME MARTINS 37 anos, brasileiro, casado Fone: Celular: (74)99817471; Contato: (74)36971005 (sogra Hagar). Rua Alípio Nunes Dourado, Povoado de Conquista João Dourado CEP 44.920.000 EXPERIÊNCIA

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA O ESTUDO DA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA: CASO DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO SÉC. XIX.

PROCEDIMENTOS PARA O ESTUDO DA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA: CASO DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO SÉC. XIX. PROCEDIMENTOS PARA O ESTUDO DA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA: CASO DA PROVÍNCIA DE SÃO PAULO SÉC. XIX. Daniel Mendes Gomes Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PEPG em Educação: História, Política,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil

CONSELHO DE CLASSE. A visão dos professores sobre educação no Brasil CONSELHO DE CLASSE A visão dos professores sobre educação no Brasil INTRODUÇÃO Especificações Técnicas Data do Campo 19/06 a 14/10 de 2014 Metodologia Técnica de coleta de dados Abrangência geográfica

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PRIMEIRO JARDIM DE INFÂNCIA EM SERGIPE: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO SOBRE A EDUCAÇÃO INFANTIL

IMPLANTAÇÃO DO PRIMEIRO JARDIM DE INFÂNCIA EM SERGIPE: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO SOBRE A EDUCAÇÃO INFANTIL IMPLANTAÇÃO DO PRIMEIRO JARDIM DE INFÂNCIA EM SERGIPE: CONTRIBUIÇÃO AO ESTUDO SOBRE A EDUCAÇÃO INFANTIL Rita de Cássia Dias Leal/ UFS APRESENTAÇÃO Os aspectos abordados neste trabalho fazem parte de um

Leia mais

O Sr. Dimas Ramalho (PPS-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

O Sr. Dimas Ramalho (PPS-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Discurso Proferido pelo Deputado Federal Dimas Ramalho PPS/SP na Tribuna da Câmara dos Deputados. O Sr. Dimas Ramalho (PPS-SP) pronuncia o seguinte discurso: Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados,

Leia mais

Ao aluno da UAB que pretende ingressar no SALT-IAENE pelo Processo Seletivo de Transferência.

Ao aluno da UAB que pretende ingressar no SALT-IAENE pelo Processo Seletivo de Transferência. Ao aluno da UAB que pretende ingressar no SALT-IAENE pelo Processo Seletivo de Transferência. Este estudo foi feito para lhe dar uma prévia de como funcionará seu ingresso no SALT- IAENE caso seja aprovado

Leia mais

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro

Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Entendendo a organização do sistema acadêmico brasileiro Não é todo estudante que entende bem a organização do sistema educacional brasileiro e seus níveis de ensino. Nem todos sabem, por exemplo, a diferença

Leia mais

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO -

REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - REGULAMENTO DAS PASTORAIS ESCOLARES E UNIVERSITÁRIAS - ESTRUTURA, COMPETÊNCIA E FUNCIONAMENTO - INTRODUÇÃO O Colégio Episcopal da Igreja Metodista, no uso de suas atribuições (Cânones, Art. 63, item XVII)

Leia mais

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL

A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL A CIÊNCIA AGRONÔMICA NA ESCOLA RURAL CARLOS ALBERTO TAVARES Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, Recife, Pernambuco. A história da educação agrícola no meio rural tem sido analisada por diversos

Leia mais

O ACERVO DO GEEMPA COMO FONTE PARA A ESCRITA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTO ALEGRE, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA

O ACERVO DO GEEMPA COMO FONTE PARA A ESCRITA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTO ALEGRE, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA O ACERVO DO GEEMPA COMO FONTE PARA A ESCRITA DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA EM PORTO ALEGRE, AO TEMPO DA MATEMÁTICA MODERNA Maria Cecilia Bueno Fischer 1 Fabiane Carpes 2 Resumo A pesquisa que apresentamos,

Leia mais

3º EIXO Dízimo TOTAL DIOCESE 943 579 61,3%

3º EIXO Dízimo TOTAL DIOCESE 943 579 61,3% 3º EIXO Dízimo Paróquia/Questionários Distribuídos Devolvidos % Devolv. Miguel Calmon 67 27 40 Piritiba 45 06 13 Tapiramutá 30 19 63 Mundo Novo 20 12 60 Jequitibá 14 10 71 Totais zonal 2 176 74 42% Andaraí

Leia mais

CURSO: HISTÓRIA PRIMEIRO PERÍODO. Área de Ciências Humanas Sociais e Aplicadas. DISCIPLINA: Metodologia Científica (on-line)

CURSO: HISTÓRIA PRIMEIRO PERÍODO. Área de Ciências Humanas Sociais e Aplicadas. DISCIPLINA: Metodologia Científica (on-line) CURSO: HISTÓRIA PRIMEIRO PERÍODO DISCIPLINA: Metodologia Científica (on-line) (Modalidade a Distância NEAD) 104032 04 01 80h O Conhecimento Científico e os Métodos Científicos. Epistemologia. Métodos Científicos:

Leia mais

O que são e quais os objetivos dos PCNs

O que são e quais os objetivos dos PCNs Arte e Música Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais Hugo Ribeiro O que são e quais os objetivos dos PCNs Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) encontram-se entre os documentos oficiais elaborados

Leia mais

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos*

Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos* Magda Soares Doutora e livre-docente em Educação e professora titular emérita da Universidade Federal de Minas Gerais. Um olhar histórico sobre a alfabetização

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CASA DA CRIANÇA DE SANTOS NA PRIMEIRA REPÚBLICA: CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA VIEIRA,

ASSOCIAÇÃO CASA DA CRIANÇA DE SANTOS NA PRIMEIRA REPÚBLICA: CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA VIEIRA, ASSOCIAÇÃO CASA DA CRIANÇA DE SANTOS NA PRIMEIRA REPÚBLICA: CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA VIEIRA, Marina Tucunduva B. Porto UNISANTOS GT: História da Educação / n.02 Agência Financiadora: Não contou com financiamento

Leia mais

O ENSINO RELIGIOSO COMO VIA PARA A CIDADANIA E CULTURA DE PAZ

O ENSINO RELIGIOSO COMO VIA PARA A CIDADANIA E CULTURA DE PAZ Revista Eletrônica de Educação de Alagoas Volume 01. Nº 01. 1º Semestre de 2013 O ENSINO RELIGIOSO COMO VIA PARA A CIDADANIA E CULTURA DE PAZ Andréa Cristhina Brandão TEIXEIRA 1 Resumo Sendo obrigatória

Leia mais

Escola, trabalho e cidadania: um estudo longitudinal com jovens egressos e não-ingressantes de um programa de inclusão de jovens UFBA UFMA UFMG

Escola, trabalho e cidadania: um estudo longitudinal com jovens egressos e não-ingressantes de um programa de inclusão de jovens UFBA UFMA UFMG Escola, trabalho e cidadania: um estudo longitudinal com jovens egressos e não-ingressantes de um programa de inclusão de jovens UFBA UFMA UFMG Instituição líder e Coordenação geral - Universidade Federal

Leia mais

Formação Profissional em Comunicação Social nas Regiões Norte e Nordeste

Formação Profissional em Comunicação Social nas Regiões Norte e Nordeste Formação Profissional em Comunicação Social nas Regiões Norte e Nordeste Maria Luiza Nóbrega de Morais 1 O Núcleo de Pesquisa do Mercado de Trabalho de Comunicações e Artes (ECA- USP) coordenou recentemente

Leia mais

PASTORAL DIGITAL. na ótica do Diretório de Comunicação

PASTORAL DIGITAL. na ótica do Diretório de Comunicação PASTORAL DIGITAL na ótica do Diretório de Comunicação Para a Igreja, o novo mundo do espaço cibernético é uma exortação à grande aventura do uso do seu potencial para proclamar a mensagem evangélica. Mensagem

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

PROJETO FRANÇA PROJETO DE REVITALIZAÇÃO E PLANTAÇÃO DE IGREJA NO SUL DA FRANÇA

PROJETO FRANÇA PROJETO DE REVITALIZAÇÃO E PLANTAÇÃO DE IGREJA NO SUL DA FRANÇA .1 PROJETO DE REVITALIZAÇÃO E PLANTAÇÃO DE IGREJA NO SUL DA AMBIENTAÇÃO Cumprir a grande missão de Deus dada à sua Igreja e a cada um de seus servos é uma atitude de obediência, amor a Ele na pessoa de

Leia mais

O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas

O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas A transposição didática nas salas de aula: O ensino de História Antiga e as inovações metodológicas DANIEL FRANCISCO DA SILVA 1 DEIZE CAMILA DIAS SALUSTIANO 2 Resumo: Um dos maiores desafios enfrentados

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

A Modernização do Ensino da Matemática no Colégio Taylor Egídio (1950-1969)

A Modernização do Ensino da Matemática no Colégio Taylor Egídio (1950-1969) A Modernização do Ensino da Matemática no Colégio Taylor Egídio (1950-1969) Malú Rosa Brito Gomes 1 Claudinei de Camargo Sant Ana 2 RESUMO A investigação em questão trata de uma pesquisa de Mestrado em

Leia mais

Ministério de Mulheres que oram, Heroínas da Fé

Ministério de Mulheres que oram, Heroínas da Fé Ministério de Mulheres que oram, Heroínas da Fé Pr. Presidente : Raul C. Batista e Miss. Ruthe Ribeiro Ministra do MMO: Lourdes Ramalho Assembléia de Deus de Imperatriz- MA Liderança Pr. Raul C. Batista

Leia mais

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES

Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo ENSINO RELIGIOSO CONTEÚDO E HABILIDADES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 5.1 Conteúdo: As grandes Religiões de matriz ocidental Judaísmo Cristianismo Islamismo 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares

Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares Arquivo CÂNDIDO DE MELLO NETO: organização e disponibilização dos acervos sobre Anarquismo, Integralismo e Documentos Particulares Professora Elizabeth Johansen ( UEPG) Jessica Monteiro Stocco (UEPG) Tatiane

Leia mais

Samara de Souza Freitas

Samara de Souza Freitas Samara de Souza Freitas Endereço para acessar este CV: http://lattes.cnpq.br/7414385383900832 Última atualização do currículo em 17/12/2012 Graduanda pela Universidade do Estado da Bahia (2012) na área

Leia mais

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL

O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL O ENSINO DA ADMINISTRAÇÃO NO BRASIL Historicamente, o ensino da administração no Brasil passou por dois momentos marcados pelos currículos mínimos aprovados em 1966 e 1993, culminando com a apresentação

Leia mais

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo.

PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO. Palavras-chave: Memória Urbana. Geografia Urbana. Geografia Histórica. Realengo. PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO A PARTIR DA MEMÓRIA: O CASO REALENGO MENDES, Andréa Ribeiro (Orientador) 1 SILVA, Fábio Ferreira da (Co-orientador) 2 SILVA, Luciana Conceição da 3 Palavras-chave: Memória Urbana.

Leia mais

História da Educação. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365

História da Educação. Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 História da Educação Fernando Santiago dos Santos fernandoss@cefetsp.br www.fernandosantiago.com.br (13) 9141-2155 8822-5365 Aula 2 A Educação na Idade Moderna 1. As ideias renascentistas na Educação 2.

Leia mais