O Papel do Sensemaking nos Processos de Mudança nas Organizações

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Papel do Sensemaking nos Processos de Mudança nas Organizações"

Transcrição

1 O Papel do Sensemaking nos Processos de Mudança nas Organizações Autoria: Marcos Vinícius Pereira Correa, Natália Rese, Josué Alexandre Sander, Jane Mendes Ferreira Resumo A mudança organizacional é entendida como uma ruptura no fluxo organizacional e como tal exige que os sujeitos envolvidos neste processo resignifiquem suas atividades a fim de reestabelecer a rotina organizacional. O sensemaking, explica que é através da interação social que os sujeitos buscam atribuir sentido às novas informações visando reduzir o grau de ambiguidade, possibilitando assim a análise de elementos do cotidiano organizacional do nível micro. O presente trabalho se caracteriza como estudo teórico, e tem por objetivo descrever a construção de sentido (sensemaking) de processos de mudança, a partir da construção de uma racionalidade narrativa 1

2 1. Introdução Com o advento das organizações modernas, as interações entre as organizações e o ambiente se tornaram mais dinâmicas e complexas (CHANDLER, 1962). Com isso, os estudos no campo das organizações objetivam através de um arcabouço teórico diverso, apresentar elementos que possibilitem analisar a complexidade dos fenômenos organizacionais, mediantes lentes de análise que busquem desvelar não necessariamente o todo, mas ao menos parte da realidade das organizações (MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, 2007). Um dos fenômenos analisados pela teoria organizacional são as mudanças organizacionais, que interrompem práticas estabelecidas nas organizações (MAITLIS; SONENSHEIN, 2010). Uma das teorias organizacionais que auxilia a compreensão dos processos de mudança é o trabalho de Weick acerca do fenômeno da construção de sentido nas organizações (sensemaking). Como destacam Montenegro e Casali (2008, pg. 12): Weick oferece uma perspectiva bastante inovadora e interessante para se analisar as organizações. Apesar de seu caráter abstrato, o modelo de Weick estimula a reflexão sobre aspectos pouco observados nas práticas organizacionais cotidianas e enfatizam a relação entre a ação e a comunicação na constituição da realidade organizacional. Os aspectos pouco abordados são as regras, ciclos de comportamento e padrões de comunicação, que são constituintes da realidade organizacional. Sendo assim, esse aporte teórico proposto por Weick (1995) possibilita analisar a realidade organizacional não como estática e pré-definida, mas como um processo que se constrói mediante a dinamicidade das interações sociais, de forma a buscar um sentido no fluxo de informações que advém do contexto organizacional. Desse modo, o conceito de sensemaking destaca-se como uma possível base analítica para se compreender diferentes fenômenos organizacionais. Devido à dinâmica organizacional e pressões ambientais, a construção de significados no cotidiano das organizações, pode vir a passar por estados de ruptura devido aos processos de mudança. Essa ruptura de significados ocorre não em sua totalidade, mas através elementos pontuais, de modo que os sujeitos pertencentes a uma organização, ao passarem por processos de mudança, sejam eles ocasionados por questões macro como, por exemplo: crises econômicas, nova estrutura hierárquica, downsizing, fusões, bem como por questões de nível micro como a implementação de uma nova tecnologia, mudança nos espaços físicos de trabalho, entre outros podem vir a estabelecer um novo arranjo de significados compartilhados entre os sujeitos. O processo de sensemaking, conforme descrito por Weick (1995) busca tornar o desconhecido em conhecido, mediante um framework de significados compartilhados pelos sujeitos nas organizações. Para o autor, essa construção de sentido envolve aspectos cognitivos e de ação em dado contexto organizacional, resultando em significados e definição dos propósitos da organização. A construção de sentido é o processo de criar, manter e dissolver a coletividade social, a organização (WHITTINGTON; MELIN, 2003). Nesse contexto, é através dos processos de socialização que a construção de sentido se dá no campo social (BERGER; LUCKMAN, 1985). A construção de sentido nas organizações é permeada por elementos próprios como linguagem, crenças, signos, símbolos e, o sensemaking busca compreender o como, o porquê e os desdobramentos da construção de sentido. Nesse contexto, a construção de sentido é tida como algo contínuo, em construção (ongoing), de modo que o sensemaking nunca começa, é sempre uma constante, uma atividade contínua presente nas rotinas organizacionais (WEICK, 1995). 2

3 Os processos de mudança organizacional podem fazer com que ocorram rupturas no cotidiano e conseqüentemente na constelação de significados compartilhados. A partir das rupturas os sujeitos passam a resignificar e a construir novos significados que, na relação social, passam a ser compartilhados e a dar sentido a uma nova configuração que emerge deste processo. Desse modo, a construção de sentido nos processos de mudança nas organizações pode se constituir através das narrativas compartilhadas entre os sujeitos, pois o sensemaking estabelece uma relação intrínseca e dinâmica entre a ação e os atos de fala, já que é nessa interação que os sujeitos buscam estabelecer sentido à realidade organizacional. Assim, o presente artigo tem como objetivo descrever como a compreensão do processo de construção de sentido (sensemaking) pode levar à compreensão aprofundada do processo de mudança (cujos estímulos podem ser internos ou externos à organização). 2. Sensemaking nas organizações As organizações modernas podem ser analisadas enquanto sistemas de construção de sentido, que mediante o fluxo dinâmico de informações seja nas rotinas organizacionais ou nos processos de mudança identificam os eventos que a circunscrevem para que dessa maneira possa estabilizar e tornar seus ambientes mais previsíveis (WEICK, 1995). Partindo-se do caráter dinâmico das organizações, Montenegro e Casali (2008) afirmam que Weick opta em utilizar o termo organizing ao invés de organization, pois a opção por um verbo no gerúndio e não por um substantivo visa demonstrar que a organização está em um processo contínuo de mudança. Nesse sentido, a temática central tanto do organizing e do sensemaking se fundamenta nos modos pelos quais os sujeitos se organizam para fazer sentido das informações recebidas (inputs), ordenando as informações novamente no contexto, constituindo um mundo mais ordenado. Dessa forma, os sujeitos interagem entre si para atribuir significado no fluxo de informações da organização (WEICK; SUTCLIFFE; OBSTFELD, 2005). Colville, Brown e Pye (2012) argumentam que o organizing refere-se aos processos pelos quais as pessoas fazem sentido do seu mundo, visando reduzir a ambiguidade, já que a organização está inserida em mundos ambíguos. Desse modo, para os autores, o organizing faz mais sentido do que a própria organização, pois capta o processual, a dimensão temporal mediante o uso de advérbios e gerúndios em oposição ao substantivo organização. Cunliffe e Coupland (2012), ao discutirem a natureza narrativa do sensemaking, complementam argumentando que as organizações são espaços de múltiplas narrativas e histórias e que a construção do sentido se dá nas interações cotidianas e não somente em momentos formais da atividade de organizar. É nesta interação cotidiana, neste movimento contínuo da vida organizacional que se constrói algo que pode ser chamado de racionalidade narrativa: O sensemaking narrativo nas organizações refere-se também a reconhecer e responder a múltiplas narrações: um processo usualmente mais de contestação do que de consenso [ ]. Sentido e organizing emergem quando uma história começa a completar-se, identidades começam a fazer sentido, identidades e ações passam a dar sentido a racionalidade narrativa e nós podemos conectar trama e personagem. No entanto, devemos estar conscientes sobre histórias dominantes apresentadas sob uma visão unívoca, se por um tempo estas histórias podem inspirar ordem, elas podem limitar outras formas de construção de sentido e ação. (CUNLIFFE; COUPLAND, 2012, p. 81). A narrativa desempenha um papel preponderante para tornar o organizing possível, pois é através dessa relação entre a ação e a narrativa que a realidade se estrutura e se organiza, possibilitando organizar os eventos em dado espaço de tempo (CZARNIAWSKA; 3

4 GAGLIARDI, 2003). Essa narrativa situa-se na dimensão cronológica em que os fatos acontecem e são interpretados, de modo que ela, não se dá de maneira estanque, mas a partir de um contínuo delineado tanto por eventos passados como por eventos que estão ocorrendo (ongoing). Diante disso, a narrativa nos estudos organizacionais possibilita dar voz aos atores de uma organização, de modo a desvelar as interpretações acerca da realidade organizacional (SODERBERG, 2003). Para se desenvolver um conhecimento profundo sobre o fenômeno organizacional, se faz necessário considerar os sentidos e significados estabelecidos e compartilhados entre os sujeitos e grupos inseridos no contexto organizacional. De modo que as organizações só podem ser investigadas, sob esta perspectiva, tendo como base de análise os sujeitos em ação, que criam, sustentam e são capazes de modificar a interpretação da realidade objetiva (BULGACOV; BULGACOV, 2007). O estudo empírico desenvolvido por Gioia e Chitipeddi (1991) em uma universidade pública americana, possibilitou afirmar que sensemaking pode ser definido como a construção e a desconstrução de significados das partes envolvidas, estabelecendo um quadro de significados (framework de conhecimento) para entender a natureza da mudança estratégica de uma universidade, de modo que evidencia o caráter social da construção de sentido em uma organização. O estudo de Silva e Vergara (2010), destaca a necessidade das empresas públicas lidarem com a questão da mudança, de modo que se faz necessário um processo de estabelecer novos significados através da comunicação entre os membros da organização. Weick (1995) afirma que o sensemaking se diferencia da interpretação, pois se pauta no modo como as pessoas geram o que elas interpretam, sendo considerado um processo ou uma atividade. Em contrapartida, a interpretação pode ser considerada um processo que apenas descreve um objeto ou fenômeno que se estabelece em determinado contexto, aguardando apenas para ser descoberto. Diante disso, o sensemaking parte do pressuposto que o conjunto de significados se dá mediante a interação dos sujeitos em dado contexto social e através da ação que se constitui o significado, pautando-se mais na invenção do que na descoberta, na compreensão concreta e não metafórica. Para tanto, Weick (1995) define sete propriedades do sensemaking, sendo: baseado na construção da identidade; retrospectiva; criado em ambiente sensatos; social; dinâmico; foco na e em pistas extraídas; guiado pela plausibilidade ao invés da precisão. Assim, Montenegro e Bulgacov (2009) sintetizam de forma clara as sete propriedades do sensensemaking apresentadas por Weick (1995), sendo elas: (1) baseado na construção da identidade um sensemaker constrói não sua identidade através da interação com os demais sujeitos, mas resulta também em uma identidade coletiva; (2) retrospectiva o significado é criado mediante a retomada de um processo do que já ocorreu em dado ponto específico no tempo, ou seja, um processo de lembrar fatos experiências passadas; (3) criado em ambientes sensatos as pessoas constroem seu próprio ambiente, logo, não há um ambiente fixo, monolítico, separado da interação social; (4) social o sensemaking é inerentemente um processo coletivo, oriundo das interações sociais, ou seja, nunca é solitário; (5) dinâmico o sensemaking não tem um ponto de início, pois é compreendido como um processo em que as pessoas estão sempre no meio das coisas mediante um fluxo contínuo; (6) foca na e por pistas extraídas dicas extraídas são tidas como estruturas familiares e simples, em que, as pessoas acabam por desenvolver um sentido de caráter amplo com relação ao que está ocorrendo; (7) guiado pela plausibilidade ao invés da precisão o sensemaking constrói-se não sobre a busca por uma verdade, mas sobre uma reformulação contínua e dinâmica sobre uma estória emergente, tornando-a mais compreensiva. Com relação à construção de significado nas organizações, Bulgacov e Bulgacov (2007) consideram que as organizações são uma rede de significados estruturados 4

5 historicamente e negociados a partir dos sentidos da associação humana envolvida, ou seja, as organizações constituem uma rede de significados criados e sustentados pelos sujeitos. Sendo assim, Bulgacov e Bulgacov (2007, p. 83) afirmam que a mudança organizacional depende das pessoas envolvidas e das culturas organizacionais subjacentes que constituem seu sujeito e são governadas por significados e valores compartilhados. Logo, para os autores, o significado é reforçado culturalmente através dos aspectos conceituais armazenados pela organização e pelas condições interpretativas de cada participante, seu mito, sua tipologia de compromissos humanos, mas também de maneiras usuais de se definir e estabelecer interpretações dos fenômenos e condições divergentes. As organizações permanecem amarradas por significados de controle em forma de incentivos e mensurações, da mesma forma que, as organizações também têm sua própria linguagem e símbolos com importantes efeitos no sensemaking (WEICK, 1995). Este por sua vez pode ser compreendido como uma sequencia de eventos que acontece ao longo do tempo, interagindo informações, atribuindo significados e ações. Para Weick (2005), a ação e a fala são tratadas como ciclos ao invés de uma sequencia linear, constituindo o sensemaking, pois relaciona-se não só ao ato da fala e narrativas, mas também ao aspecto da ação. Logo, essa relação se estabelece de maneira conjunta já que a comunicação é um elemento constituinte tanto do sensemaking como do organizing. No que se refere ao aspecto da ambiguidade, Weick (1973) define que os atores organizacionais realizam sua atividade através da interação, por conseguinte, essa atividade coletiva reduz a ambiguidade do fluxo constante de informações, pois são esses atores que interligam diferentes conjuntos de comportamentos. Conforme Montenegro e Bulgacov (2009), quando os sujeitos na organização buscam construir um sentido compartilhado sobre questões ou processos estabelecidos, esses mesmos sujeitos estarão preparados para confrontar situações de ambiguidade que possam surgir em dado contexto organizacional. Com isso, as autoras afirmam que mesmo em uma determinada situação ambígua, o indivíduo irá estabelecer um sentido de forma contínua ao processo de sensemaking, ao passo que, no processo denominado de organizing, que ocorre na organização, o indivíduo de maneira dinâmica irá agir, definir escolhas e conservar informações importantes para ações futuras, reduzindo a ambiguidade social. Montenegro e Casali (2008) afirmam que Weick analisa o aspecto dinâmico das organizações e as caracteriza predominantemente por um processo e menos como elemento objetivo, monolítico, estático. De certo modo, as autoras complementam afirmando que Weick não busca definir exatamente o que é uma organização, pois para o autor, as organizações e seus ambientes estão em constante movimento, alterando-se de maneira contínua. Montenegro e Casali (2008) afirmam que Weick não se atém em definir a organização, já que em um momento futuro ela poderá ser diferente. Assim, para as autoras é possível estabelecer uma aproximação da ideia de organização para Weick, em que se analisam os processos que criam, conservam e dissolvem as coletividades sociais e são esses processos que compõem as organizações. Por conseguinte, pode-se sintetizar a noção de sensemaking através da frase apresentada por Weick (1973) How can I know what I think until I see what I say?, ou seja, "Como posso saber o que eu penso, até eu ver o que eu posso dizer?, pois esta colocação demonstra a ação na fala, uma construção de sentido pautada na relação do sujeito com o contexto em que está inserido, sendo uma realidade que se constrói na fala e que desvela significados (Enactment). Weick (2012) afirma que essa reflexão apresenta fortes laços entre o organizing e sensemaking. O autor demonstra que se fosse apresentada como uma receita de bolo, o organizing seria tido como algo que ocorre de forma inesperada, em seguida há uma mudança do ambiente (ecologial change), pessoas atribuem sentido a algo (enact), 5

6 selecionam (select) partes desse sentido e retém (retain) algum significado do que foi atribuído sentido. Como consequência disso, para o autor, as pessoas aplicam ou alteram o que eles mantêm nos próximos enactments e seleções. Weick (2012) complementa afirmando que o sensemaking se dá quando as pessoas estão em vivenciando uma experiência social contínua (ongoing) em uma interrupção, elas atribuem sentido a algo (enact), retrospectivamente (retrospect) percebem sinais significativos do que anteriormente foi atribuído sentido (enacted), interpretam e retém versões significativas do que os sinais significam para o indivíduo e para a identidade coletiva (identity) e aplicam ou alteram significados plausíveis (plausible) na construção de sentido subsequente (enactement) e da retrospectiva percebida. 3. Mudança organizacional e Sensemaking A mudança organizacional se dá tanto no curto como no longo prazo, de modo que as rápidas mudanças de curto prazo, podem ser necessárias para a sobrevivência a longo prazo (LUSCHER; LEWIS, 2008). Diante disso, a mudança organizacional pauta-se na tentativa de modificar a forma atual de pensar e de agir dos membros da organização. Na medida em que a mudança estratégica envolve mudanças nos modos de cognição e ação, permitem que organização tenha uma sustentação para agir com relação às oportunidades e ameaças oriundas de dado contexto ambiental (GIOIA; CITTIPEDDI, 1991). Assim, o ambiente é compreendido a partir das informações que a organização dispõe, ou seja, a organização procura resolver a ambiguidades das informações significativas recebidas (WEICK, 1973). Logo, o autor sustenta que para que ocorra a ação, é necessário reduzir as diferentes interpretações e mensagens duvidosas, tornando-as unívocas. Araújo (1982) compreende que a mudança organizacional envolve uma transformação significativa partindo-se de um planejamento formalizado e direcionado pela alta gerência, envolvendo os agentes internos e externos de uma organização, ao passo que visa alterar os aspectos comportamentais, estruturais, tecnológicos e estratégicos. Lima e Bressan (2003) definem que a mudança organizacional: É qualquer alteração, planejada ou não, nos componentes organizacionais pessoas, trabalho, estrutura formal, cultura ou nas relações entre a organização e seu ambiente, que possam ter conseqüências relevantes, de natureza positiva ou negativa, para a eficiência, eficácia e/ou sustentabilidade organizacional (LIMA, BRESSAN, 2003, p. 25) Pelos excertos apresentados acima percebe-se que a mudança é compreendida pela literatura tradicional sobre organizações como um processo funcional à existência e sobrevivência organizacional. No entanto, é preciso ressaltar que, sob a perspectiva deste artigo, a mudança é compreendida em um sentido dialético, a qual faz parte do cotidiano da atividade organizativa. Assim, ao mesmo tempo em que os sujeitos, em interação e desempenho de suas atividades cotidianas, reproduzem os padrões significativos vigentes, também podem modificá-los de forma incremental, resignificando e dando espaço para a ocorrência da mudança que emerge do próprio organizing. Ao abordar a mudança no âmbito da estratégia, o que de certa maneira também pode vir a afetar a mudança organizacional, o estudo empírico desenvolvido por Gioia e Cittipedi (1991) apresentam o conceito de sensegiving, contribuindo para se analisar a maneira como a construção de sentido se dá na organização, pois o termo delineia a possibilidade de um indivíduo inserido na organização, mais especificamente a figura do CEO, alterar através de suas ações e comportamentos, a visão da organização e de seus membros. Os autores 6

7 estabelecem uma relação recíproca entre o sensemaking e o sensegiving, de modo a evidenciar a relação dinâmica que se estabelece ao longo dos níveis organizacionais, nesse caso há o envolvimento dos membros da organização (CEO, membros do time da alta gerência, grupos de membros da organização, outros constituintes e stakeholders organizacionais). Diante disso, a proposta de Gioia e Cittipedi (1991), possibilita ampliar a compreensão envolvendo a construção de sentido nas organizações, pois não só destaca seu caráter social, relacional e integrativo entre os membros de uma organização, mas destaca que um indivíduo, nesse caso o CEO, ao mesmo tempo em que está integrado nesse dinâmica, pode estabelecer um novo arranjo de significados através de suas decisões, afetando a maneira como os sujeitos apreendem e interpretam a realidade organizacional. É nesse contexto que o CEO destaca-se como importante figura no processo de construção de sentido, pois é o sujeito que toma as decisões e diretrizes a partir das informações coletadas e interpretadas pela organização. Todo esse processo de interação social visa reduzir o grau de ambiguidade das informações, tornando a realidade organizacional coerente e estável, possibilitando se antecipar a possíveis eventos partindo-se de experiências vivenciadas no passado pela organização. A relação recíproca entre o sensemaking e sensegiving estabelecida por Gioia e Cittipeddi (1991) corroboram com a concepção dinâmica da construção de sentido nas organizações apresentadas por Weick (1995), pois a construção de sentido ocorre tanto bottom-up como top-down e não há um ponto de partida, mas um processo contínuo que ocorre a partir dos ciclos de cognição e ação das partes envolvidas. De modo que a figura do CEO pode ser vista como um facilitador da mudança organizacional (sensegiving). Para Weick (1973) há três processos que separadamente compõe os ciclos comportamentais e que podem reduzir o grau de ambiguidade das organizações. Segundo o autor, o processo de criação gera a informação pela qual o sistema se adapta, reduzindo uma fração da ambiguidade. Já o processo de seleção reduz uma parcela maior da ambiguidade das informações, pautando-se nos critérios estabelecidos através da experiência passada, sendo que, separa as informações que satisfazem, ordenando também as informações ambíguas. Assim, o processo final é a retenção, que consiste em um processo de armazenamento e que também reduz parte da ambiguidade, já que integra novos itens que foram conservados anteriormente. Weick (1973, p. 92) complementa afirmando que qualquer informação que passe pelo processo de seleção tem potencial para contradizer ou reafirmar conteúdo existente, ao passo que esses três processos estão inter-relacionados e formam um sistema. Diante dessa perspectiva, Kanter et al. (1992 apud Soderberg, 2003) discute que é possível que a mudança organizacional ocorra mediante a participação de três agentes: aqueles que tomam as decisões para a mudança (diretores), em seguida aqueles que implementam a partir da visão da organização, e aqueles que interpretam as mudanças induzidas a eles. Outro exemplo da atuação de diversos agentes na mudança organizacional é a implementação de políticas públicas. Inicialmente os legisladores definem um programa público que é institucionalizado pela criação de uma legislação própria. Após aprovada, a lei é interpretada pelos burocratas públicos que precisam converter o texto da lei em ações para implantação da política pública. Este processo pode gerar ambiguidades fazendo com que a ação implantada pelo poder público seja distinta da ação proposta inicialmente pelos legisladores. Tendo em vista a dinâmica da mudança organizacional, Weick (1973) argumenta que a flexibilidade e a estabilidade são elementos mutuamente excludentes. Para o autor, a flexibilidade se faz necessária para alterar práticas atuais que possibilitem a organização se adaptar as mudanças significativas do ambiente. Contudo, a flexibilidade impossibilita a organização preservar certo grau de sentido de identidade e continuidade. De certa forma, para Weick (1973) a estabilidade permite a organização responder às novas pressões por 7

8 mudança, mediante regularidades pautadas em padrões do passado (memória) e capacidades de repetição. É através dessa contradição discutida por Weick (1973), que é possível evidenciar que as organizações não ressignificam a todo momento, apesar de serem consideradas como sistemas abertos e, que por sua vez, mesmo inserida em um ambiente turbulento e de constantes mudanças, se faz necessário permanecer certo grau de ancoragem dessa estrutura de significados compartilhados, preservando assim, o grau de identidade e continuidade. Ainda com relação ao aspecto da mudança, Weick (1998) destaca a questão da crise, já que o sensemaking se torna mais difícil, pois ao invés de possibilitar compreender dada situação, pode em muitos casos intensificá-la. Além disso, para o autor, as crises podem ser caracterizadas por uma baixa ou alta probabilidade de ocorrer eventos que gerem consequências e ameacem os objetivos de uma organização, ou seja, apresentando baixa probabilidade, esses eventos podem vir a desafiar interpretações e impor severas exigências sobre sensemaking. Assim, quanto menos adequado for o processo de sensemaking direcionado à crise, mais a crise pode vir a ficar fora do controle. Logo, para o autor esses elementos estabelecem um dilema, pois para resolver uma crise que se desenrola muitas vezes, é requerido uma ação que gera de forma simultânea a matéria-prima que é usada para sensemaking e influencia a própria crise que se constitui. Os sujeitos ao tomar alguma ação, transformam uma tarefa mais complexa em uma tarefa mais simples, pois a ação desvenda o que de fato um problema pode ser, ou seja, uma ação em específico pode gerar diversas sugestões e opções irrelevantes, ao passo que, a ação consolida um novo ordenamento, ou até mesmo desordem, dos conjuntos dos elementos ambientais (Weick, 1998). Esse elemento da ação em tempos de mudança contínua e até mesmo de mudança descontínua segundo Colville, Brown e Pye (2012), podem vir a representar um obstáculo para o organizing e para a organização, pois o fluxo de acontecimentos passados já não pode ser utilizado como guia confiável para compreender o que está acontecendo. Entretanto, a mudança contínua também é uma mudança descontínua, pois dificulta a maneira de atuar em um mundo que não é apenas equivocado, mas que apresenta equívocos imprevisíveis. 4. Narrativas organizacionais Para Colville, Brown e Pye (2012), uma organização não consegue se ater a tudo o que acontece em seu ambiente. Desse modo a organização seleciona quais partes e aspectos do ambiente vai desenvolver atividades e ações, pautando-se para isso, em comportamentos e experiências passadas, bem como na narrativa (storytelling) para atribuir sentido a dada situação. Diversas vezes a nova narrativa é construída com a utilização de um novo vocabulário. Nigam e Ocasio (2010) identificaram na pesquisa empírica que a mudança de vocabulário é um mecanismo crítico pelo qual o processo de teorização emerge. As narrativas organizacionais possibilitam que os sujeitos explorem o significado de maneira coletiva, de modo a reduzir a ambigüidade das informações nas atividades cotidianas, bem como estabelecer novos objetivos e até mesmo maneiras de realizar as atividades. (LA VILLE, 2003). Nesse sentido, as narrativas possibilitam organizar e atribuir sentido à seqüência de eventos que ocorrem na organização como um todo, de modo a evidenciar tanto as narrativas em sua especificidade como em um nível macro (ELLIOT, 2005). O significado atribuído a seqüência de eventos pauta-se em um enredo circunscrito e estabelecido pelo autor, ou seja, o sujeito ao narrar determinado evento, o situa mediante um relato, de um ato de fala que se baseia em relações causais e que posteriormente será interpretado pelo indivíduo ouvinte (VAARA, 2002). 8

9 O ato de organizar os eventos através das narrativas, possibilita aos sujeitos atribuírem sentido não só aos eventos, mas também às ações e rotinas organizacionais. Logo, os eventos ligados aos processos de mudança podem ser compreendidos na dinâmica envolvendo sensemaking, a ação e narrativas, já que é através dos atos de fala que os sujeitos relatam suas experiências no campo social e que atribuem sentido à realidade. É através dessa abordagem pautada em Jean-François Lyotard - que compreende um mundo como um texto (world-as-text) que Czarniawska (1997) discute a realidade social, como constituída a partir da narrativa dos eventos compartilhados entre os sujeitos, de modo a organizar a vida em sociedade. Czarniawska (1998) afirma que as narrativas visam organizar os eventos no contexto organizacional, de modo que estão vinculada à ação, institucionalizando e reconhecendo determinadas práticas organizacionais. Desse modo, as narrativas organizam a realidade mediante um processo de comunicação que visa integrar os diversos fragmentos de significação que atravessam a organização enquanto sistema de significados compartilhados e com isso formam os quadros vivos pelos quais a organização se apóia para significar e ressignificar a si mesmo, tanto nas rotinas quanto nos processos de mudança. É relevante destacar ainda que a análise de narrativas apoia-se em cinco pontos fundamentais correspondentes à estrutura da narrativa: (1) a sequência temporal, (aspecto em que muitas análises detêm-se, sem extrapolar para os demais, perdendo a riqueza de análise da narrativa), que significa dizer que a narrativa tem um começo, um meio e um fim que lhe confere uma sequência temporal específica e a localiza em um tempo e espaço; (2) os atores focais ou o ator focal, relacionado ao fato de que a narrativa é sempre sobre alguém ou sobre algo, e nesse caso podem ser identificados protagonistas (e antagonistas) na sequência da história; (3) a voz narrativa é identificável, o que significa dizer que em uma narrativa aquele que narra está o fazendo de seu lugar, de seu ponto de vista, e a sua fala personifica o indivíduo que é; (4) padrões de referência para avaliação, que significa dizer que as narrativas carregam valores culturais e significados que conferem certo padrão para as avaliações, ou seja, toda a narrativa carrega uma moral, ou expressões do que pode ser julgado como certo ou errado; (5) outros indicadores de conteúdo e contexto, que extrapolam um conjunto de eventos e possuem uma série de instrumentos capazes de indicar tempo, lugar, atributos dos atores, atributos do contexto etc., os quais são fundamentais para a interpretação dos eventos (PENTLAND, 1999; RESE, 2012). Partindo de todo o delineado até aqui, entende-se que ao compreender a realidade como um produto da construção social (BERGER; LUCKMANN, 1985) sem desprezar a historicidade neste processo que confere o caráter situado de toda e qualquer ação entendese que o sujeito tem papel central na constituição da realidade organizacional. Dada esta centralidade, longe de uma análise atomística, é preciso ressaltar que o papel do sujeito é sempre analisado na relação (sempre social). Neste ponto, o sensemaking, enquanto uma abordagem que permite a compreensão do processo de construção de sentidos pelos sujeitos, sempre nesta relação social, torna-se a abordagem coerente para a compreensão de processos de mudança organizacional. No entanto, a abstração comentada a respeito do construto do sensemaking, bem como seu caráter de racionalização e objetivação (CUNLIFFE; COUPLAND, 2012), neste estudo, são superados a partir da proposição de que para o desenvolvimento desta análise é necessária a observação dos sujeitos no desempenho ativo de suas atividades e papéis cotidianos, de onde nasce a preocupação com a natureza narrativa deste processo. Assim, partindo da perspectiva de Michel de Certeau (1994), analisa-se o processo de consumo dos sujeitos em suas práticas cotidianas daquilo que lhes é imposto pelos produtores neste caso o consumo que se faz da nova configuração imposta pela mudança. Como em um processo de escrita e leitura, os discursos dominantes que veiculam 9

10 os pontos de mudança, são lidos e consumidos pelos sujeitos da organização, reinterpretados e reescritos em narrativas organizacionais, que possuem elementos tanto de aquiescência quanto de resistência analogamente ao que La Ville e Mounoud (2006) propõem para o processo estratégico (muitas vezes atrelado ao processo de mudança organizacional): Pautando-se em suas [Michel de Certeau] definições não usuais de tática e estratégia que enfatizam a anti-disciplina e a resistência à dominação, nós podemos considerar melhor a lógica subjacente de dominação que é escondida pelos discursos da grande estratégia [ ]. Além disso, Michel de Certeau constantemente reflete a relação de escrita e leitura para a relação de produção e consumo. Diante disso, ele sugere que discursos, assim como bens em um mercado, são produzidos por produtores e impostos aos consumidores, assim, impondo fortemente seu consumo. Construindo a partir desta metáfora, a estratégia [e os processos de mudança organizacional] pode ser concebida como um processo criativo contínuo envolvendo não somente o que os estrategistas produzem ou escrevem (orçamentos, planos, estratégias) mas também os meios pelos quais os membros da organização consomem ou lêem suas produções. [ ] Seguindo esta linha de raciocínio, nós sugerimos que a mudança de foco do discurso da grande estratégia para a minúcia das práticas cotidianas necessariamente conduzem à escrutinização das diferenças entre discursos e narrativas. (LA VILLE; MOUNOUD, 2003, p. 97). Em todo este processo é fundamental o resgate de outro ponto que permite casar o sensemaking enquanto concepção de que os sujeitos, diante de rupturas na trajetória cotidiana do desempenho de suas atividades, precisam construir sentido diante do fluxo de informações estranhas àquelas previamente existentes com os eventos de mudança organizacional (sejam eles relativos à estratégia e aos elementos formais da organização, ou advindos de aspectos que fogem ao controle dos próprios gestores da organização): a dimensão temporal, que significa dizer que a narrativa tem um começo, um meio e um fim que lhe confere uma sequência temporal específica e a localiza em um tempo e espaço (PENTLAND, 1999). O reconhecimento desta dimensão temporal, característica da narrativa, permite o resgate do tempo, do espaço, da historicidade, que não podem ser perdidas, arriscando-se à uma análise atomizada do sujeito. Ao casar, assim, sensemaking e narrativas é possível aprofundar o entendimento sobre a mudança organizacional, dados os seguintes pontos: (1) descortinando o papel ativo e criativo dos sujeitos no processo de mudança; (2) realizando o entendimento da mudança organizacional como um processo de construção organizacional, oposto ao entendimento gerencialista deste aspecto, dando espaço à agência e às consequências não intencionais da ação; (3) reconhecendo que a mudança organizacional não pode ser compreendida, de acordo como um visão positivo-funcional, como um aspecto completamente dentro do controle gerencial, dado que no uso, no processo de produçãoconsumo os sujeitos são ativos, não são neutros, portanto, neste processo criativo podem tanto aquiescer quanto resistir ao grande discurso da mudança; (4) situando a mudança no tempo e no espaço, possibilitando o entendimento dela não como um evento, mas como parte do fluxo do cotidiano organizacional (ongoing e organizing), parte do contexto sócio histórico; (5) consequentemente, o estudo e a análise da mudança organizacional precisa ser pautado na investigação das práticas e atividades organizacionais, do processo em uso, de produção e consumo, exigindo que metodologias qualitativas que analisem a realidade organizacional em profundidade sejam utilizadas (DE CERTEAU, 1994). Por fim, entende-se que reconhecendo a importância da dimensão narrativa na constituição da realidade organizacional, é possível desvelar dimensões que fogem à aparência primeira que o fenômeno apresenta e permite-se o aprofundamento da compreensão, da análise e consequentemente da prática dos sujeitos em ação nas organizações, dado o entendimento recursivo entre teoria e prática. 10

11 5. Considerações finais Tendo em vista os elementos apresentados, nesse estudo teórico buscou-se contribuir para a o entendimento da construção de sentido (sensemaking) a respeito de processos de mudança, a partir da construção de uma racionalidade narrativa. De certa maneira, bem como salienta Weick (1995; 1998; 2005), as organizações são vistas como um processo, uma ação constante (ongoing) de atribuir significados a partir do fluxo de informações, o que de certa forma, se contrapõe ao modelo cartesiano de uma racionalidade pautada no método e exatidão dos fatos, pois está embasada em uma perspectiva interpretativista. Sendo assim, Weick contribui para o campo dos estudos organizacionais ao trazer perspectiva sensemaking para os estudos organizacionais, oferecendo novas possibilidades para os fenômenos organizacionais. Entende-se, portanto, que o processo de mudança é inerentemente guiado pelo sensemaking, já que, conforme afirmam Montenegro e Bulgacov (2009), a organização é vista como um sistema aberto e que ao se deparar com as pressões ambientais, os sujeitos na organização mediante ao fluxo de informações, utilizam o organizing para reduzir o grau de ambiguidade, com isso, quanto maior e melhor os sujeitos interagem na ação do cotidiano com as informações, menor é ambiguidade organizacional. Essa ambiguidade pode ser reduzida através do processo de comunicação, em que os sujeitos utilizam-se das narrativas para relatar suas experiências com os demais membros. Nesse sentido, através da interação social os sujeitos se utilizam dos processos de comunicação para estabelecer coerência e reduzir o grau de ambigüidade desse conjunto de informações, constituindo um mundo mais ordenado. As regras, os ciclos de comportamento e comunicação se destacam para compreender o modo como a realidade organizacional se constitui, já que se parte da compreensão de que ela não é estática, pré-definida, mas que se constitui na dinamicidade das interações sociais. A construção de sentido nesse processo, enquanto contínuo (ongoing) pode tanto criar, manter ou dissolver a coletividade social (WEICK; 1995, WHITTINGTON; MELIN, 2003). É nesse sentido que a compreensão acerca do sensemaking amplia a analítica acerca da mudança organizacional, pois contrasta com a noção clássica de mudança, em que se é situada como objeto passível de planejamento, que possibilita mensurar suas variáveis constituintes e a organização se antecipar aos eventos, ou seja, mudança aqui é vista não como uma função da organização, mas como algo intrínseco ao processo de organizing. O sensemaking então, evidencia que as organizações podem passar por processos de mudança não planejados, e que fazem com que os significados compartilhados passem por uma ruptura, seja oriundo de estímulos internos ou externos à organização. É nesse sentido que os processos de comunicação se destacam, já que o sensemaking estabelece uma relação entre a ação e fala dos sujeitos. Essa relação é permeada por narrativas que buscam relatar os sentidos ocultos e evidenciar as experiências dos sujeitos, de modo a dar voz para que possam organizar a maneira como apreendem e interpretam os eventos organizacionais (SODERBERG, 2003). Assim, as histórias relatadas conectam os enredos organizacionais e seus atores, de modo a dar sentido à racionalidade narrativa (narrative rationality) partindo-se do processo de organizing (CUNLIFFE; COUPLAND, 2012). Por sua vez, nos processos de mudança, os enredos são organizados de maneira cronológica, trazendo novas percepções acerca das experiências passadas da organização para com os novos eventos da organização (CZARNIAWSKA, 1997; 1998). A partir desses elementos, pode-se evidenciar o processo dialético da mudança nas organizações, pois os sujeitos organizacionais buscam atribuir novos sentidos aos eventos, criando e legitimando uma nova estrutura de significação. 11

12 As propriedades do sensemaking propostas por Weick (1995), proporcionam aprofundar a compreensão acerca da mudança, em que os sujeitos atribui sentido à mudança partindo-se de uma noção de identidade (baseado na construção de identidade) constituída na relação consigo e com os demais sujeitos, e que busca nas experiências passadas (retrospectiva) e construir e apreender o ambiente o ambiente organizacional (ambientes sensatos) na interação com o outro. Logo, o caráter social da mudança se evidencia nesse processo, principalmente no seu caráter dinâmico (ongoing) e através estruturas de significado familiares (foco na e por pistas extraídas) que guiam não o estabelecimento de uma realidade organizacional fixa e de verdades incontestáveis, mas uma realidade que se reformula a partir das experiências relatadas dos sujeitos. Dessa forma, os significados compartilhados na organização estão intrinsecamente ligado aos quadros de referência que os sujeitos se baseiam para lidar com as informações dos eventos que os circunscrevem e podem advir tanto do sensegiving como do sensemaking, seja da visão e valores dos líderes da organização, ou dos demais membros. Durante processo de mudança o gestor pode vir a atuar na construção de um discurso com elementos que apóiem a mudança a ser implementada. Este discurso precisa construir pontes com os quadros de referência atuais dos atores sociais organizacionais para que seja compreendido por estes. Pautando-se no arcabouço teórico apresentado, principalmente na noção de ongoing em que a construção de sentido se dá de maneira constante, percebe-se possibilidades de estudos empíricos no campo das organizações. Todavia, Montenegro e Bulgacov (2009) afirmam que é necessário realizar um recorte temporal e especificar o processo estudado para se analisar o sensemaking. Além disso, pode-se refletir com relação às bases epistemológicas pelas quais o sensemaking está sendo utilizado nos estudos empíricos, pois mesmo com o objetivo de desvelar elementos constituintes da realidade organizacional, essa perspectiva pode ofuscar elementos de análise quando utilizada de modo generalista, relativizando o aspecto interpretativo das relações sociais. Por fim, tendo em vista o objetivo do artigo, e a discussão da aproximação do construto do sensemaking com os processos de mudança organizacional, a partir da racionalidade narrativa, podem ser sugeridos alguns caminhos para pesquisas futuras: (1) empreender pesquisas em contextos de mudança organizacional, a partir dos construtos do sensemaking, observando o fluxo cotidiano da ação organizacional; (2) reconstruir processos de mudanças organizacionais ocorridos a partir da narrativa dos sujeitos envolvidos; (3) delinear os grandes discursos organizacionais que conduzem o processo de mudança e as narrativas construídas para significa-los e orientar a ação; (4) desvelar a dimensão criativa do processo de mudança, a partir de uma análise no nível micro, em que, por meio da análise das narrativas dos sujeitos, seja possível compreender os componentes de aquiescência e resistência que conduziram aos resultados (intencionais ou não) alcançados pela organização. 6. Referências ARAÚJO, L. G. C. Mudança organizacional na administração pública federal brasileira. São Paulo, Eaesp/FGV, 1982 (tese). BERGER, P. I.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Rio de Janeiro: Vozes, BULGACOV, S.; BULGACOV, Y. L. M. B. A construção de sentido nas organizações. Revista Faces, Belo horizonte, v. 6, n.3, p.81-89, set/dez, CZARNIAWSKA, B; GAGLIARDI. Narratives we organize by. Amsterdam; Philadelphia, PA: JohnBenjamins,

13 CZARNIAWSKA, B. A narrative approach to organization studies. Thousand Oaks: SAGE Publications Inc, CZARNIAWSKA, B. Narrating the organization: Dramas of Institucional Identity. Chicago: The University Chicago Press, CHANDLER, A. Strategy and Structure: chapters in the History of the American Industrial Enterprise. Cambridge: The MIT Press, COLVILLE, I; BROWN, A. D.; PYE, A. Simplexity: Sensemaking, organizing and storytelling for our time. Human Relations, Sage, CUNLIFFE, A.; COUPLAND, C. From hero to villain to hero: Making experience sensible through embodied narrative sensemaking. Human Relations, Sage, DE CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, ELLIOT, J. Using Narrative in Social Research: Quanlitative and quantitative Aproaches, London: SAGE Publications, GIOIA, D. A.; CHITTIPEDDI, K. Sensemaking and Sensegiving in Strategic Change Initiation. Strategic Management Journal, v. 12, LA VILLE. V.; MOUNOUD, E,. Between discourse and narration : How can Strategy be a Practice? In: Narratives we organize by, edited by B.CZARNIAWSKA & P.GAGLIARDI, JOHN BENJAMINS PUBLISHING COMPANY, LIMA, S. M.V.; BRESSAN, C. L. Mudança organizacional: uma introdução. In: LIMA, S. M. V. Mudança organizacional: teoria e gestão. São Paulo: FGV editora, LUSCHER, L. S.; LEWIS, M. W. Organizational Change and Managerial sensemaking: working through paradox. Academy of Management Journal, v. 51, n. 2, MAITLIS, S.; SONENSHEIN, S. Sensemaking in crisis and change: Inspiration and Insights from Weick (1988). Journal of Management Studies, v. 47, n. 3, MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safári de estratégia. Porto alegre: Bookman, MONTENEGRO, L. M.; BULGACOV, Y. L. M. B. Construção de Sentidos e Práticas de um Processo Estratégico: Um Estudo Comparativo em Duas IES do Estado do Paraná. REBRAE, Curitiba, MONTENEGRO, L. M.; CASALI, A. M. O Modelo de Organizing de Karl Weick e sua Ênfase na Comunicação. In: Encontro de Estudos Organizacionais da ANPAD, n. 5, 2008, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte, 2008, p NIGAM, A.; OCASIO, W. Event Attention, Environmental Sensemaking, and Change in Institutional Logics: An Inductive Analysis of the Effects of Public Attention to Clinton s Health Care Reform Initiative. Organization Science, v. 21, n. 4, p , doi: /orsc , PENTLAND, B. T. Building process theory from narrative: from description to explanation. Academy of Management Review. v. 24, n. 4, RESE, N. Configurando Resultados: a Pós-Graduação Stricto Senso em Administração no Brasil sob um Olhar da Prática f. Tese (Doutorado em Estratégia e Análise Organizacional) Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, SILVA, J. R. G. da; VERGARA, S. C. Sentimentos, subjetividade e supostas resistências à mudança organizacional. Revista de Administração de Empresas, v. 43, n. 3, p , SODERBERG, A. M. Sensegiving and sensemaking in na integration process: A narrative approach to the study of na international acquisition In: CZARNIAWSKA, B; GAGLIARDI. Narratives we organize by. Amsterdam; Philadelphia, PA: JohnBenjamins, 2008, p

14 VAARA, E. On the discursive construction of sucess/failure in narratives of post-merger integration. Organizational Studies, v. 23, n. 3, p , WEICK, K. E. A psicologia social da organização. São Paulo: Edgard Blicher, WEICK, K. E. Sensemaking in organizations. London Sage, UK WEICK, K. E. Enacted sensemaking in crisis situations. Journal of Management Studies, University of Michigan, July, WEICK, K. E. Making Sense of the Organization. UK: Blackwell Publishing, University of Michigan, WEICK, K.; SUTCLIFFE, K.M.; OBSTFELD, D. Organizing and the process of sensemaking. Organization Science, n.16, v.4, p , WHITTINGTON, R. MELIN, L. The Challenge of organizing/strategizing. In: PETTIGREW, A. M.; WHITTINGTON, R.; MELIN, L.; SÁNCHEZ-RUNDE, C.; BOSH, F. A. J. V.; RUIGROK, W; NUMAGAMI, T. Innovative forms of organizing. London: Sage Publications,

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

5. Análise conjunta dos casos

5. Análise conjunta dos casos 5. Análise conjunta dos casos Após analisar como tem ocorrido o processo de institucionalização da responsabilidade social corporativa nas empresas farmacêuticas estudadas concluiu-se que nas quatro empresas

Leia mais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais

Liderando Projetos com Gestão de Mudanças Organizacionais Jorge Bassalo Strategy Consulting Sócio-Diretor Resumo O artigo destaca a atuação da em um Projeto de Implementação de um sistema ERP, e o papel das diversas lideranças envolvidas no processo de transição

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA

PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I I PESQUISA QUANTITATIVA e QUALITATIVA BIBLIOGRAFIA: MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento;

o planejamento, como instrumento de ação permanente; a organização do trabalho, como produto efetivo do planejamento; FRANCISCO BITTENCOURT Consultor Sênior do MVC VISÃO, AÇÃO, RESULTADOS Visão sem ação é um sonho, sonho sem visão é um passatempo. Fred Polak INTRODUÇÃO No conhecido diálogo entre Alice e o gato Ceeshire,

Leia mais

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos

Carreira: definição de papéis e comparação de modelos 1 Carreira: definição de papéis e comparação de modelos Renato Beschizza Economista e especialista em estruturas organizacionais e carreiras Consultor da AB Consultores Associados Ltda. renato@abconsultores.com.br

Leia mais

Perfil e Competências do Coach

Perfil e Competências do Coach Perfil e Competências do Coach CÉLULA DE TRABALHO Adriana Levy Isabel Cristina de Aquino Folli José Pascoal Muniz - Líder da Célula Marcia Madureira Ricardino Wilson Gonzales Gambirazi 1. Formação Acadêmica

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS

GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE. Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS GESTÃO, SINERGIA E ATUAÇÃO EM REDE Prof. Peter Bent Hansen PPGAd / PUCRS Agenda da Conferência O que são redes? O que são redes interorganizacionais? Breve histórico das redes interorganizacionais Tipos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS

INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS CURSO PÓS-GRADUAP GRADUAÇÃO EM GESTÃO SOCIAL DE POLÍTICAS PÚBLICASP DISCIPLINA: Monitoramento, informação e avaliação de políticas sociais INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO: PLANOS, PROGRAMAS E PROJETOS Janice

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Gestão da Informação e do Conhecimento

Gestão da Informação e do Conhecimento Gestão da Informação e do Conhecimento Aula 06 A administração da ambiguidade: as organizações como comunidades criadoras de significado Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Universidade

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO 1 REDES SOCIAIS CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DE REDES SOCIAIS PARA GESTÃO DA INFORMAÇÃO Eixo temático: Gestão e Políticas da Informação Modalidade: Apresentação Oral Eduardo Alves Silva Dalton Lopes Martins

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C

Mídias sociais como apoio aos negócios B2C Mídias sociais como apoio aos negócios B2C A tecnologia e a informação caminham paralelas à globalização. No mercado atual é simples interagir, aproximar pessoas, expandir e aperfeiçoar os negócios dentro

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http:// Teoria de Sistemas A Teoria Geral dos Sistemas tem por finalidade identificar as propriedades, princípios e leis

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 5 CONCEITOS DO PLANEJAMENTO OPERACIONAL Índice 1. Conceitos do planejamento...3 1.1. Planejamento... 5 1.2. Conceituação de planejamento... 5 1.3.

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Comissão Nacional de Energia Nuclear Instituto de Engenharia Nuclear Ministério da Ciência e Tecnologia Responsável: Isaac José Obadia - Coordenador-Geral

Leia mais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais

Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Percursos Teóricos-metodológicos em Ciências Humanas e Sociais Daniela Riva Knauth Departamento de Medicina Social PPG Antropologia e Epidemiologia UFRGS Pesquisa qualitativa Crítica ao Positivismo Todo

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

PESSOAS ORGANIZACIONAL

PESSOAS ORGANIZACIONAL #7 #8 CULTURA GESTÃO DE PESSOAS ORGANIZACIONAL ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição de cultura 3. A cultura organizacional 4. Níveis da cultura organizacional 5. Elementos da cultura organizacional 6. Dicas

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário

Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Departamento de Letras Estudo de um Sistema de Gêneros em um Curso Universitário Aluna: Esther Ruth Oliveira da Silva Orientadora: Profª. Bárbara Jane Wilcox Hemais Introdução O presente projeto se insere

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em

Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em Titulo do Trabalho: Fundamentação da metodologia de pesquisa teórica em psicanálise Autor: Érico Campos RESUMO Este trabalho discute questões gerais envolvidas na leitura de textos e discursos nas ciências

Leia mais

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP

CULTURA ORGANIZACIONAL. Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP CULTURA ORGANIZACIONAL Prof. Gilberto Shinyashiki FEA-RP USP Cultura é uma característica única de qualquer organização Apesar de difícil definição, compreende-la pode ajudar a: Predizer como a organização

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento

Sumário executivo. From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento From: Aplicação da avaliação ambiental estratégica Guia de boas práticas na cooperação para o desenvolvimento Access the complete publication at: http://dx.doi.org/10.1787/9789264175877-pt Sumário executivo

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

O gerenciamento da Comunicação Organizacional

O gerenciamento da Comunicação Organizacional O gerenciamento da Comunicação Organizacional Hilbert Reis Comunicação Social Jornalismo UFOP Pesquisador PIP/UFOP Índice 1 Otimização da comunicação integrada 1 2 Estratégias, planejamentos e a gestão

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking.

Fase I - Contexto e Pesquisa - Alinhamento dos conceitos de Branding, análise do contexto atual e introdução ao Design Thinking. Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas.

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. GT 18 - Psicología Social Del Trabajo en América Latina: Identidades y procesos de subjetivación,

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Apresentação. Cultura, Poder e Decisão na Empresa Familiar no Brasil

Apresentação. Cultura, Poder e Decisão na Empresa Familiar no Brasil Apresentação Cultura, Poder e Decisão na Empresa Familiar no Brasil 2 No Brasil, no final da década de 1990, as questões colocadas pela globalização, tais como o desemprego, a falta de qualificação de

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Liderança Estratégica

Liderança Estratégica Liderança Estratégica A título de preparação individual e antecipada para a palestra sobre o tema de Liderança Estratégica, sugere-se a leitura dos textos indicados a seguir. O PAPEL DE COACHING NA AUTO-RENOVAÇÃO

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação. Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013.

Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação. Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013. Conceitos básicos em Monitoramento e Avaliação Professor: Marconi Fernandes de Sousa Período: Julho de 2013. Sistemas de Monitoramento e Avaliação Pode ser entendido, em sentido lato, como o conjunto de

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

A comunicação empresarial e a gestão da mudança

A comunicação empresarial e a gestão da mudança Renato Dias Baptista Índice 1 As mudanças organizacionais 1 1.1 Comunicação e mudança organizacional............. 2 2 Considerações Finais 4 3 Referências Bibliográficas 4 1 As mudanças organizacionais

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

NOSSO OLHAR QUEM SOMOS NOSSA ATUAÇÃO RESULTADOS OBTIDOS NOSSA ABORDAGEM APRESENTAÇÃO CLIENTES E PARCEIROS

NOSSO OLHAR QUEM SOMOS NOSSA ATUAÇÃO RESULTADOS OBTIDOS NOSSA ABORDAGEM APRESENTAÇÃO CLIENTES E PARCEIROS QUEM SOMOS NOSSO OLHAR NOSSA ATUAÇÃO NOSSA ABORDAGEM RESULTADOS OBTIDOS CLIENTES E PARCEIROS APRESENTAÇÃO QUEM SOMOS O trabalho daassssssso consiste em atuar no desenvolvimento de grupos e indivíduos,

Leia mais

Política de Gestão de Riscos

Política de Gestão de Riscos Política de Gestão de Riscos 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014

Fulano de Tal. Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 FINXS 09.12.2014 Relatório Combinado Extended DISC : Análise Comportamental x Feedback 360 Este relatório baseia-se nas respostas apresentadas no Inventário de Análise Pessoal comportamentos observados através questionário

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

Poder, Cultura e Mudanças nas Organizações. Prof.ª Dr.ª Rosa Maria Fischer Prof.ª Titular FEA/USP

Poder, Cultura e Mudanças nas Organizações. Prof.ª Dr.ª Rosa Maria Fischer Prof.ª Titular FEA/USP Poder, Cultura e Mudanças nas Organizações Prof.ª Dr.ª Rosa Maria Fischer Prof.ª Titular FEA/USP Conceito de Cultura Conjunto de pressupostos básicos que um grupo inventou descobriu ou desenvolveu ao aprender

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo.

Como resultado da preparação desse I Workshop foram formalizadas orientações básicas para formatação de um projeto cultural que seguem abaixo. ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO CULTURAIS A Fundação Cultural do Estado da Bahia tem como missão fomentar o desenvolvimento das Artes Visuais, Dança, Música, Teatro, Circo, Audiovisual, Culturas

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS.

AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS. AS REPRESENTAÇÕES DE PROFESSORES SOBRE A DOCENCIA COMO PROFISSÃO: UMA QUESTÃO A SE PENSAR NOS PROJETOS FORMATIVOS. Prof. Dr. Isauro Beltrán Nuñez Prof. Dr. Betania Leite Ramalho INTRODUÇÃO A pesquisa que

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais