Memórias do comércio da juta no baixo-amazonas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Memórias do comércio da juta no baixo-amazonas"

Transcrição

1 Memórias do comércio da juta no baixo-amazonas Elber Norton de Souza dos Santos 1 Luciana Gonçalves de Carvalho 2 Resumo: O presente trabalho procura apresentar as memórias de trabalho de antigos produtores de juta da região oeste do Pará relacionados à cadeia produtiva da mesma levando em consideração os agentes que faziam parte desta cadeia a partir do sistema de trabalho conhecido como aviamento sob uma configuração que difere do modo como é conhecida na literatura como um regime de servidão e super exploração do trabalhador do campo. O trabalho atentou para as diferentes modalidades de trabalho relacionados à juta, em sua produção para a extração de sementes e de fibra para a importação e exportação devido à alta demanda do produto durante 1930 e 1980 que influenciou drasticamente no modo de vida das pessoas que estavam ligadas em sua produção, mapeando redes de relações através do comércio, sistema de adiantamento de crédito entre patrão e empregado, e com o governo que incentivava a produção de sementes e fibra através de subsídios bancários e doação de sementes. Assim através do registro oral de trabalhadores se procura constituir uma memória desse trabalho, a partir do ponto de vista se libertando dos moldes que engessam a história sobre tal assunto, com temas relacionados à territorialidade, interações sociais e saberes. Palavras-chave: Memória; Trabalho; Juta; Aviamento. Abstract: This paper seeks to present the former producers of jute working memories of western Pará related to the productive chain of the same taking into account the agents who were part of this chain from the labor system known as dispensing in a setting that differs from how it is known in the literature as a bonded and super exploitation of the field worker. The work looked at the different working arrangements related to jute in production for extraction of seeds and fiber for the import and export due to high demand of the product during 1930 and 1980 that dramatically influenced the way of life of the people who were connected in their production, mapping networks 1 Discente do curso de Antropologia da Universidade Federal do Oeste do Pará, bolsista Pibic do Programa de Extensão Patrimônio Cultural na Amazônia/ICS/Ufopa (PROEXT/MEC). 2 Doutora em Antropologia, professora de Antropologia na Universidade Federal do Oeste do Pará, coordenadora do Programa de Extensão Patrimônio Cultural na Amazônia/ICS/Ufopa (PROEXT/MEC).

2 of relationships through trade, credit payment system between employer and employee, and the government encouraged the production of seeds and fiber through bank subsidies and donation of seeds. So through the oral record of workers looking constitute a memory of this work, from the point of view breaking free from molds that can imprison the story on this subject, with topics related to territoriality, social interactions and knowledge. Keywords: Memory; Work; Juta; Aviamento. Introdução à Cultura da Juta A produção de juta na Amazônia teve grande impacto em diversos setores da sociedade, entre os quais se pode citar o econômico e o social principalmente, influenciando o modo de vida das populações que viviam nas regiões de várzea do Rio Amazonas durante grande parte do século XX. A história da juta no estado brasileiro se inicia paralelamente à história da economia cafeeira na região sudeste do país, onde as fibras oriundas das plantas de juta eram utilizadas para acondicionar a produção do café, visto que esta não interferia no aroma e no sabor dos grãos, sendo substituta das embalagens feitas de algodão, que se apresentavam sob a forma de um tecido grosseiro e confecção rudimentar (SOUZA, 2008). Este item bastante produzido no século XX em diversas regiões da Amazônia ao longo do rio Amazonas foi o ouro 3 da economia nas cidades de Alenquer, Monte Alegre e Santarém no Pará. O início da produção da juta se iniciou no estado do Amazonas, mas abrangeu também alguns municípios do estado do Pará, dentre eles Alenquer, Óbidos, Juruti e Santarém 4, principalmente, influenciando drasticamente o modo de vida das pessoas que trabalhavam em sua cadeia produtiva durante o auge de sua produção e após a queda de sua economia. Havia dois tipos de juta, a juta branca e a juta roxa, a primeira sendo considerada melhor para plantio visando a obtenção da fibra, pois ela crescia bastante e galhava pouco, diferente da juta roxa que crescia pouco e galhava mais. 3 Categoria utilizada pelos antigos produtores referindo-se ao alto valor que a fibra de juta possuía. 4 Houve também plantações no atual município de Curuá, em Monte Alegre e em Prainha.

3 Durante a viagem ao município de Alenquer conheci dona Assunção, cozinheira de alguns barcos que fazem a linha Santarém-Alenquer-Santarém e que também trabalhou durante certo período na extração da fibra de juta, pessoa que me acolheu e se tornou importante interlocutora durante a pesquisa. A mesma me relatou que a juta fora o item mais importante no comércio de sua cidade natal, tendo trabalhado nas terras de seu pai, juntamente com seus familiares, forma de trabalho muito comum nas comunidades ribeirinhas. Assim se deu início à procura de mais trabalhadores que antigamente se situavam na economia de juta, procurando entender como se organizavam as formas de trabalho, os processos produtivos, os agentes da cadeia e principalmente as memórias dos mesmos que estavam na base desta. A fibra de juta que era colhida nas comunidades era armazenada em galpões onde esperavam embarcações para serem transportadas para usinas de beneficiamento, em Santarém, onde a TECEJUTA, se fixava e em Belém 5. Manoel Onício de Souza, antigo trabalhador da região da Costa do Arapiri, município de Alenquer, relata que foi uma das primeiras pessoas a trabalhar com a juta na região, juntamente com seu sogro, senhor Neço Araújo. O mesmo conta que as sementes eram fornecidas pelos japoneses e para ele que trabalhava como aviador, só cabia o trabalho de plantar, colher e vender a safra, ao mesmo tempo em que havia subsídios de alguns órgãos para o comércio, onde é citado o senhor Marcos Pinto da Caixa Econômica, e também a FIBRASA além de outras empresas que não mais existem atualmente. Seu Manoel conta que o último comprador de juta na região foi Mirton Marques, e que com a crise da juta juntamente com o fenômeno das terras caídas por volta do ano de 1988 não se podia ficar mais na região, então o mesmo foi obrigado a se mudar com a família para outro lugar, Santarém no caso. Aviamento, Crédito e Trabalho Em diversas regiões da Amazônia o comércio e o extrativismo foram marcados pelas relações de trabalho baseadas em sistemas de patronagem e obtenção de crédito para o produtor do interior, produtor de itens muitas vezes de cunho extrativista. Com a produção da juta ao longo do rio amazonas não foi tão diferente. As relações de trabalho que se apresentavam no interior de sua cadeia produtiva diferem em alguns aspectos do 5 Ambas as cidades eram local de moradia de patrões, senhores que financiavam produtores em certas comunidades e regatões para a compra da juta em outras.

4 que se apresenta pela literatura do sistema de aviamento na Amazônia, onde segundo McGrath (...) aviar significa fornecer mercadoria a prazo com o entendimento que o pagamento será feito em produtos extrativos dentro de um prazo especificado. (McGrath, 1999). Esse sistema mercantil que obedece às lógicas capitalistas de produção se detém apenas ao controle indireto sobre o produtor, sendo que o extrativista somente fornece sua mercadoria para venda em determinado período da produção, dependendo do produto a ser extraído este tempo varia conforme a natureza, entregando-o ao aviador ou patrão em tempos específicos. Crédito e dívida são palavras fundamentais para conhecer e adentrar no sistema de aviamento. O pequeno produtor que vive interior não tem contato com as redes de comércio que se estabelecem nas grandes cidades, mantém contato somente com o aviador ou patrão que o avia e recebe seus produtos, estando assim na posição mais baixa da cadeia produtiva. Acima do produtor se encontra o aviador ou patrão, dividindo espaço com os regatões ou marreteiros que desempenham o papel de interligar os produtores com as casas de comércio muitas vezes onde o aviador não possui meios para chegar. Mais acima se encontram os comerciantes e donos de casa que estocam os produtos e os distribuem para a exportação e importação, mantendo contato com as casas de crédito e os bancos, estes últimos que muitas vezes incentivavam as redes de comércio a abrir crédito para os produtores e emprestavam dinheiro aos comerciantes. Sobre o adiantamento de crédito e o endividamento, McGrath (1999) assinala que os mesmos servem como um laço através do qual o credor e o endividado asseguram um ao outro o acesso a mercadorias e a produtos florestais. Assim sendo, é mostrada a distância de mundos entre os produtores e seus patrões, atuando em situações e momentos diferentes na cadeia produtiva. A expansão da globalização eminentemente impactou os modos como eram configurados os diversos sistemas econômicos da região, ditando as maneiras de como se devia produzir e os fins de cada produto. Este sistema pôde ser exemplificado na fala de Seu Manoel que era também comerciante na comunidade, comprava mercadorias na cidade (Alenquer e Santarém) e vendia aos trabalhadores esperando ser pago com juta. Este item então assumia a forma moeda, em um contexto onde as relações de produção e venda eram mediadas pela fibra da juta. Pessoas que tinham suas terras para plantarem podiam facilmente obter bens de consumo com a venda da fibra de juta, devido à grande demanda da mesma pelo

5 mercado interno e externo. O contexto da produção se desenhava em uma relação entre o comércio da juta em Alenquer e outros municípios com a venda de produtos e o beneficiamento da fibra na cidade de Santarém, que servia de entreposto para a carga e a descarga de produtos afins com destino final em Belém. Em entrevista com D. Maria de Nazaré, esposa de Seu Manoel Onício, a mesma fala da vida difícil que se tinha com o trabalho da juta, trabalho que demandava horas e horas de corte da planta com um nível de água por volta da cintura, cuidados com a plantação, o processo de descascar a planta e a lavar. Ela conta que começou a trabalhar com este produto quando estava com vinte anos de idade, e a juta tinha a maior produção entre os trabalhadores da região, explanando sobre a divisão do trabalho, onde os homens cortavam a planta e as mulheres ficavam encarregadas da lavagem e do plantio da mesma. Segundo ela, a planta passava pelo seguinte processo até se obter a fibra, com o roçado sendo feito durante os meses de agosto e setembro, a queima da terra em outubro, a semente sendo plantada em novembro e colhida entre os meses de fevereiro e março juntamente com o corte, corte que levava ao processo de afogamento da planta durante quinze dias e secagem da mesma por dois dias para se enfardar a safra para a venda. Dona Maria ainda relata que no tempo do comércio da fibra de juta não havia endividamento por dívidas entre patrões e empregados, que os segundos tinham a liberdade de escolher para quem vender e conseguiam ganhar bastante dinheiro e comprar suas casas, terrenos, comida e outros produtos, e relata também que sente saudades do contato com as pessoas com as quais trabalhava no roçado, das brincadeiras e conversas que se apresentavam no trabalho. Voltando à cidade de Alenquer, a EMATER local teve um papel importante no melhoramento das sementes para a venda aos produtores e também na extração das sementes. Para tratar disso deve-se ter em mente que a juta não apenas era plantada para se extrair a fibra, mas também para se tirar as sementes dela. O trabalho deve ser dividido da seguinte maneira: nas áreas de várzea a semente era plantada para crescer e se tirar a fibra de seu caule, e nas áreas de terra firme a semente era plantada para crescer e se extrair as sementes, que eram vendidas para a EMATER e distribuídas aos produtores, acarretando assim um melhoramento genético nas sementes, escolhendo os melhores tipos para serem entregues e plantadas para a extração da fibra. O trabalho

6 com a juta assim, era dividida em dois momentos, aspecto relatado somente através dos relatos colhidos na sede da EMATER com o senhor Valdomiro e alguns trabalhadores da terra firme no município de Alenquer. Com a visita à sede da EMATER, foi possível delinear um campo mais extenso de produção da fibra, que incluem as comunidades de Surubimiri (baixo e cima), Surubiaçú, Atumã e Salvação, situando também os agentes governamentais que integravam a cadeia produtiva da juta, sendo eles a EMATER, a Secretaria de Agricultura e o Governo Federal, que se uniam para levar assistência técnica e informação aos produtores de sementes e de fibras. Seu Osmar Alves Cabral e Isaac Marreiro, trabalhadores da terra firma na produção de sementes de juta, contam que havia muita burocracia no processo de produção das sementes, e demandava também um longo período de trabalho das pessoas, em um processo diário de reparo da plantação, com a colheita da planta durante o dia e a batida da mesma para colher as sementes durante a madrugada. A planta precisa de um clima úmido e frio para abrir a sua flor que fica localizada no topo, esta flor fecha durante o dia quando o clima está seco e quente e só se abre durante a madrugada, período em que os produtores aproveitam para bater na flor da planta com um tipo de marreta e de lá tirar as sementes da planta. Assim é possível afirmar através dos relatos que a produção de fibra só existia por que havia a produção de sementes, a fibra na várzea e a semente na terra firme. Senhor Ademar da Silva, de Alenquer também, conta que o preço do Kg da semente acompanhava o preço do Kg da carne de boi, e que atualmente não se planta mais juta, sendo a última safra de seu conhecimento tratando de 2008, que era vendida para a cidade de Manaus no estado do Amazonas, relatando também que nunca houve endividamento dos trabalhadores na cadeia produtiva, falando também que se a juta fosse aberta, a economia do município seria melhor. Ainda em Alenquer, conheci Dona Maria Nesina, mãe de Dona Assunção, mulher de produtor de juta da comunidade de Salvação, que relembra com sorriso no rosto do tempo em que a juta era a principal mercadoria da região, contando sobre os tempos fartos de comida e dinheiro que se lucrava com a venda de juta para os patrões, da família inteira trabalhando no roçado afim de sobreviver...a mesma relata sobre as grandes extensões de terra que a juta abrangia, no desenho que se formava na terra, os

7 diálogos que eram feitos no trabalho, com todos praticamente submersos no rio cortando a planta e deixando para secar em varais...da estocagem de comida, farta, obtida com a venda da juta, e da dificuldade de viver quando a crise do comércio de juta caiu sobre seus ombros, de se trabalhar na produção de outros produtos principalmente farinha e tomate e na mudança do local de moradia, da comunidade para a cidade de Alenquer. Reflexões acerca da cadeia produtiva e o sistema de crédito A rede que abrangia as cidades citadas no presente ensaio era interligada e dependente das pessoas que se relacionavam umas com as outras através da compra e da venda da fibra e da semente de juta na região, de Juruti a Belém diversos eram os patrões, produtores e atravessadores que compunham este mapa e integravam a cadeia de produção da planta de juta. Tomando como ponto de análise para dar escopo aos dados recolhidos em campo através dos relatos orais de antigos produtores, patrões e pessoas que estiveram ligadas de alguma forma com o cultivo da planta, é notável uma diferença na configuração deste sistema de aviamento e adiantamento de crédito como fora concebido pela literatura dominante e amplamente difundida de tal tema. Através da fala de Seu Joilson, filho de antigo produtor de juta, pode-se ver independência por parte dos agricultores em relação aos patrões, os primeiros possuíam autonomia sobre sua produção, assim patrões e atravessadores apenas compravam a fibra de juta das pessoas que queriam vender para os mesmos. Nas comunidades de Bom Jardim e Santa Rita, Seu Joilson diz que se recorda que a fibra colhida na safra de seu pai geralmente era vendida para Santarém e Belém por meio dos atravessadores, figura constante na economia extrativista, pesqueira e agrícola da região. Fazendo paralelo com a literatura recorrente à economia amazônica, um contraste é perceptível, no que diz respeito à mobilidade e capacidade de agência do pequeno produtor para com sua produção, tendo que se sujeitar às diversas configurações de comércio do mercado externo, endividamento constante e permanente para com o patrão do mesmo modo como autonomia de venda de seu produto. Em meio aos dados recolhidos pela voz de Seu Joilson, total consciência sobre seu produto e o que fazer com ele, eram características de seu pai, como diz que o próprio escolhia para quem vender, escolhia para quem vendia mais, assim obtendo seu lucro que era usado na

8 construção ou reforma de sua casa, comprando suprimentos para os seus trabalhadores na lavoura, alimento e afins para a família. Algumas vezes era inevitável o endividamento com os patrões, mas ainda assim, esse débito era tomado conscientemente, sendo resultado de uma ação que visava suprir alguma necessidade mais urgente da família. Em relação com o que acontecia no plantio, Seu Joilson relembra das brincadeiras em meio a lavoura da juta junto com irmãos e primos, com o nível da água elevado e a planta alta, era fácil se esconder por entre as plantas na brincadeira, muitas vezes levantando a ira do pai, por estarem em uma área propícia ao ataque de muitos animais peçonhentos e inclusive do puraquê. Com seu Guido Arruda, proprietário de Supermercados em Monte Alegre, foi possível ter uma percepção menos turva sobre o universo da compra e da venda da juta, tendo-se ideia da amplitude da rede de comércio que se estendia, como dito anteriormente, de Juruti a Belém. Seu Guido conta que começou a trabalhar com a fibra de juta no ano de 1960, quando deixou a cidade de Monte Alegre e foi para o município de Prainha atrás de emprego, ajudando um comerciante da região. A comunidade de Cuçari foi seu ponto de partida na carreira da juta, aonde após certo tempo de trabalho viria a ser financiador de pequenos produtores e intermediário de patrões de Belém e Santarém com os agricultores do interior. Além disso, pegava dinheiro com o Banco para ajudar no financiamento, se munindo dos seguros oferecidos pelo governo 6 caso algo ruim viesse a acontecer com a produção. Da mesma forma como tinha sua produção em Cuçari, Seu Guido ajudava alguns agricultores adiantando produtos de um comércio local ao qual era dono, financiando as ferramentas para o trabalho na lavoura, suprindo em alguns momentos certas necessidades urgentes de algumas famílias além de comprar a safra de outros pequenos produtores para vender aos patrões com quem tinha acordos firmados. Desta forma, observa-se que ao mesmo tempo em que Seu Guido pode ser classificado como patrão na cadeia de produção, ele também trabalha para alguém que está acima dele mais próximo do mercado externo e ciente dos acontecimentos gerais na região. 6 Mais conhecidos como ProAgro, programas de seguro realizados pela EMATER dos municípios que levava assistência aos produtores como forma de proteger a produção em caso de infortúnio com a mesma.

9 Após a época da plantação da juta, a malva foi o que continuou a impulsionar a economia local, sendo plantada nas áreas de várzea e de terra firme, ambas com o intuito de se extrair a fibra, no ultimo caso sendo as plantas semeadas nas beiras de igarapés e açudes de forma semelhante à margem do Amazonas. Alguns nomes citados por seu Guido podem ajudar a vislumbrar o universo que era o comércio da juta, tais como Coimbra; Marcos Pinto; Akata; Tuji. Estes eram de pessoas as quais Seu Guido vendia sua safra juntamente com a juta que comprava em algumas comunidades como atravessador ou regatão periódico, e assumia este papel devido aos patrões pedirem para que o mesmo fosse nas comunidades produtoras comprar suas safras, já que Seu Guida possuía certa credibilidade com tais produtores devido, como ele mesmo diz, saber administrar seus negócios e não ser muito ganancioso, respeitando os acordos que estabelecia de forma informal com todos os produtores e patrões. Um ciclo que iniciava nos grandes centros compradores de juta no exterior, seguindo em direção aos bancos financiadores juntamente com as políticas de assistência aos grandes e pequenos produtores, indo para os patrões donos de posses nas cidades e no interior que tinham também áreas de plantação de juta que compravam muitas vezes a safra dos pequenos produtores financiados pelos patrões ou donos de seus próprios negócios se verifica na fala de Seu Guido, que mostra claramente como as relações eram estabelecidas nessa época onde o ouro da região era representado por uma planta. Desta maneira pode-se ver que a literatura referente ao tema não supre completamente à realidade vivida por quem presenciou o sistema de aviamento em seu cotidiano, preenchendo algumas lacunas oriundas deste, e ainda mais, fornecendo novas possibilidades de pesquisa atentando para os produtores, que quebram com a lógica mercantilista acerca da dominação e subjugação dos mesmos pelo mercado, tendo plena consciência do sistema ao qual estão postos e liberdade de compra e venda de seu produto.

10 Referências Bibliográficas: ARAMBURU, Mikel. Aviamento, modernidade e pós-modernidade na Amazônia. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, 1994, nº. 25, ano 9; MCGRATH, David. Parceiros no crime: o regatão e a resistência cabocla na Amazônia Tradicional. Novos Cadernos NAEA, vol. 2, nº 2, dezembro 1999; SOUZA, Narda Margareth Carvalho Gomes. A Trajetória Da Companhia Têxtil De Castanhal: a mais pura fibra da Amazônia. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal do Pará, Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido. Belém, 2008.

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Introdução Nas décadas de 40 e 50 o Estado de São Paulo foi um dos maiores produtores nacional de palmito juçara atingindo praticamente 50% da produção nacional. Atualmente

Leia mais

Século XVIII e XIX / Europa

Século XVIII e XIX / Europa 1 I REVOLUÇÃO AGRÍCOLA Século XVIII e XIX / Europa! O crescimento populacional e a queda da fertilidade dos solos utilizados após anos de sucessivas culturas no continente europeu, causaram, entre outros

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia OS RECURSOS NATURAIS E A SUSTENTABILIDADE: UM ESTUDO DOS MODOS DE VIDA NA COMUNIDADE SÃO FRANCISCO DE ASSIS - BAIXO

Leia mais

ASPECTOS GERAIS DO CULTIVO DE ALGODÃO EM SANTA HELENA DE GOIÁS (1960 1980)

ASPECTOS GERAIS DO CULTIVO DE ALGODÃO EM SANTA HELENA DE GOIÁS (1960 1980) 0 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA PUC-GOIÁS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS PROFª. DRª. RENATA CRISTINA NASCIMENTO RENATA DE FREITAS MATOS ASPECTOS GERAIS DO CULTIVO DE ALGODÃO EM SANTA HELENA DE GOIÁS

Leia mais

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas

Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas Pesquisa da EPAMIG garante produção de azeitonas De origem européia, a oliveira foi trazida ao Brasil por imigrantes há quase dois séculos, mas somente na década de 50 foi introduzida no Sul de Minas Gerais.

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná

Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná Assunto: falta de recursos do governo federal para agricultura do Paraná A FAEP tem solicitado ao governo federal que libere os recursos anunciados de R$ 5,6 bilhões na Política de Garantia de Preços Mínimos

Leia mais

Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução

Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução Índices de perdas do plantio à pré-colheita dos principais grãos cultivados no País 1996-2002 Introdução O presente estudo trata da construção de um modelo de quantificação das perdas de grãos do plantio

Leia mais

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo)

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) 1. (Ufu) Na década de 1960, o geógrafo Aziz Nacib Ab'Saber reuniu as principais características do relevo e do clima das regiões brasileiras para formar, com os demais

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008

BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 BOLETIM ANUAL DO MERCADO DE GRÃOS: MILHO SAFRA 2008 / 2009 Maio de 2008 Mercado Internacional Em 2007, a produção anual de milho atingiu quase 720 milhões de tonelada (Tabela 1), quando os Estados Unidos,

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Q&A Resultados do 4T08 Fertilizantes Heringer (FHER3 BZ) 12 de março de 2009

Transcrição da Teleconferência Q&A Resultados do 4T08 Fertilizantes Heringer (FHER3 BZ) 12 de março de 2009 Alexandre Falcão, Morgan Stanley: Bom dia. Na verdade, tenho duas perguntas. A primeira é sobre os estoques que vocês ainda estão carregando. Qual é o nível de preços desses estoques? E queria entender

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

Região Norte e Amazônia não são sinônimos

Região Norte e Amazônia não são sinônimos REGIÃO NORTE Região Norte e Amazônia não são sinônimos Não existe uma Amazônia, e, sim, várias. Amazônia Internacional: região natural coberta pela floresta Amazônica, que se estende por alguns países

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos,

Para produzir milho, soja, trigo e feijão, ele conta com 26 empregados fixos, colônias de café nas regiões de Araraquara e Ribeirão Preto, SP, enquanto outros se deslocaram para a capital paulista, onde viraram operários na construção civil. Anos depois, João e os filhos mudaramse

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 316

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 316 Página 316 ALGODÃO ORGÂNICO: DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE REMÍGIO PB Luciana Gomes da Silva 1, Perla Joana Souza Gondim 2, Márcia Maria de Souza Gondim 2, Rosemare

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE Vicente de Paula Queiroga 1, Robério Ferreira dos Santos 2 1Embrapa Algodão, queiroga@cnpa.embrapa.br,

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOGRAFIA PRONAF BIODIESEL E O PROCESSO DE PERDA DE CREDIBILIDADE JUNTO AOS PEQUENOS PRODUTORES DE MUNICÍPIOS

Leia mais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais 1 São Paulo, 06 de julho de 2009. NOTA À IMPRENSA Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais Em junho, a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pelo DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL:

O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: O AGRONEGÓCIO DO PALMITO NO BRASIL: UMA ATUALIZAÇÃO Aníbal Rodrigues - anibal@iapar.br Pesquisador - Área de Sócioeconomia Instituto Agronômico do Paraná IAPAR, Curitiba - PR 1 Introdução 2 Metodologia

Leia mais

LEASING. Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras).

LEASING. Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras). LEASING Leasing operacional praticado pelo fabricante do bem, sendo realmente um aluguel. (Telefones, computadores, máquinas e copiadoras). Leasing financeiro mais comum, funciona como um financiamento.

Leia mais

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades

Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades 1 São Paulo, 06 de novembro de 2014. NOTA À IMPRENSA Valor da Cesta Básica aumenta em 12 cidades Em outubro, houve aumento dos preços do conjunto de bens alimentícios essenciais em 12 das 18 cidades onde

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade

Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade De acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, apenas os estados de

Leia mais

Histórico. Os Incentivos Fiscais

Histórico. Os Incentivos Fiscais Histórico Há mais de século eram plantadas no Brasil as primeiras mudas de eucalipto, árvore originária da Austrália. Desde então se originou uma história de sucesso: nascia a silvicultura brasileira.

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

ANDRÉ RODRIGUES CORRÊA GOMES INFLUÊNCIA DA CADEIA DO FRIO NA QUALIDADE DA MAÇÃ GALA EM UMA REDE VAREJISTA EM VIÇOSA-MG

ANDRÉ RODRIGUES CORRÊA GOMES INFLUÊNCIA DA CADEIA DO FRIO NA QUALIDADE DA MAÇÃ GALA EM UMA REDE VAREJISTA EM VIÇOSA-MG ANDRÉ RODRIGUES CORRÊA GOMES INFLUÊNCIA DA CADEIA DO FRIO NA QUALIDADE DA MAÇÃ GALA EM UMA REDE VAREJISTA EM VIÇOSA-MG Trabalho apresentado ao Departamento de Engenharia Elétrica e de Produção da Universidade

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA.

AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA. AS CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DA EMPRESA AGRÍCOLA E SEUS INVESTIMENTOS NA AGRICULTURA. OLIVEIRA, Graciela Aparecida Bueno de. Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG. E-mail : gracielagabo@hotmail.com

Leia mais

Unidade 1.1 Teorias de Comércio Internacional Baseado Livro: Manual de Comércio Exterior (Cap. 2) Causas do Comércio Internacional Os países comerciam por que? São diferentes uns dos outros, isto é apresentam

Leia mais

ED 2180/14. 15 maio 2014 Original: espanhol. Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café

ED 2180/14. 15 maio 2014 Original: espanhol. Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café ED 2180/14 15 maio 2014 Original: espanhol P Pesquisa sobre os custos de transação dos produtores de café 1. O Diretor Executivo apresenta seus cumprimentos e, em nome da Colômbia, encaminha aos Membros

Leia mais

INSTITUIÇÃO EXECUTORA:

INSTITUIÇÃO EXECUTORA: FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NA AGRICULTURA NO ESTADO DE MATO GROSSO 30 ANOS RELATÓRIO DO PROJETO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA CULTURA DO ALGODÃO PARA AGRICULTORES FAMILIARES DE MATO GROSSO Relatório

Leia mais

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R:

a) Cite o nome do estado brasileiro onde aparece a maior parte do domínio das araucárias. R: Data: /08/2014 Bimestre: 2 Nome: 7 ANO A Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Prova / Atividade: 2,0 (DOIS) Nota: GRUPO 3 1-(1,0) A paisagem brasileira está dividida em domínios morfoclimáticos.

Leia mais

DA GOMA DE MANDIOCA A FÉCULA INDUSTRIALIZADA NO MUNICÍPIO DE TEFÉ - AM

DA GOMA DE MANDIOCA A FÉCULA INDUSTRIALIZADA NO MUNICÍPIO DE TEFÉ - AM DA GOMA DE MANDIOCA A FÉCULA INDUSTRIALIZADA NO MUNICÍPIO DE TEFÉ - AM Débora Mota da silva Acadêmica do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Amazonas; e-mail de contato: demotas@gmail.com

Leia mais

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA:

SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: SECRETARIA DE AGRICULTURA, IRRIGAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICA DO AGRONEGÓCIO Salvador, Maio de 2011 NOTA TÉCNICA: INFORMAÇÕES SOBRE A CORÉIA DO SUL Com a rápida recuperação da crise

Leia mais

Reabilitação experimental de lavouras de café abandonadas como pequenas unidades de produção familiar em Angola CFC/ICO/15 (AEP: INCA)

Reabilitação experimental de lavouras de café abandonadas como pequenas unidades de produção familiar em Angola CFC/ICO/15 (AEP: INCA) PJ 29 fevereiro 2012 Original: inglês 29/12 Add. 1 (P) P Comitê de Projetos/ Conselho Internacional do Café 5 8 março 2012 Londres, Reino Unido Resumo dos relatórios de andamento apresentados pelas Agências

Leia mais

PARA ALÉM DO ACESSO: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADOS INSTITUCIONAIS E EMPREENDIMENTOS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA NO MEIO RURAL

PARA ALÉM DO ACESSO: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADOS INSTITUCIONAIS E EMPREENDIMENTOS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA NO MEIO RURAL PARA ALÉM DO ACESSO: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADOS INSTITUCIONAIS E EMPREENDIMENTOS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA NO MEIO RURAL Marcio Gomes da Silva* Sandro Pereira Silva** 1 INTRODUÇÃO Os dados do Mapeamento

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Como crescer soja em Moçambique

Como crescer soja em Moçambique Como crescer soja em Moçambique A soja é uma excelente safra de levantar em sua fazenda A soja é muito nutritivo e é um bom substituto para a carne. Ela pode ser feita em vários tipos diferentes de alimentos,

Leia mais

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo

Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo A UA UL LA MÓDULO 7 Crescimento urbano e industrial dos anos 20 ao Estado Novo Nesta aula O café foi o principal produto de exportação durante a República Velha. Os cafeicultores detinham o controle da

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO

ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO ANTECEDENTES DA GRANDE DEPRESSÃO Indicadores de fragilidade da era da prosperidade nos Estados Unidos da América Endividamento e falência de muitos agricultores. Estes tinham contraído empréstimos para

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Política Agrícola e Comércio Internacional Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Introdução O seguro agrícola é um dos instrumentos da política agrícola mais eficaz utilizado para minimizar

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE TOMATE DE MESA NO ESTADO DE RONDÔNIA

EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE TOMATE DE MESA NO ESTADO DE RONDÔNIA EVOLUÇÃO DA PRODUÇÃO DE TOMATE DE MESA NO ESTADO DE RONDÔNIA ROGÉRIO SIMÃO; TOMÁS DANIEL MENÉNDEZ RODRÍGUEZ; UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA PORTO VELHO - RO - BRASIL tomas@unir.br APRESENTAÇÃO ORAL Evolução

Leia mais

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO

Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento RESUMO Armazenamento de Grãos de Café (coffea arabica L.) em dois tipos de Embalagens e dois tipos de Processamento 87 Felipe Carlos Spneski Sperotto 1, Fernando João Bispo Brandão 1, Magnun Antonio Penariol

Leia mais

COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA

COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA COMPLEXOS REGIONAIS A AMAZÔNIA Ocupa mais de 5 milhões de km ²; Abrange quase toda a região Norte, centro-norte do Mato Grosso e oeste do Maranhão; É marcada pela presença da Floresta Amazônica; A Floresta

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui.

Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui. Do Manual de Crédito Rural, disponível aqui. TÍTULO: CRÉDITO RURAL CAPÍTULO: Operações - 3 SEÇÃO: Créditos de Custeio - 2 1 - O custeio rural classifica-se como: (Res a) agrícola; b) pecuário; c) de beneficiamento

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE

CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE CONSERVAÇÃO DE SEMENTES DE CAFÉ ROBUSTA (Coffea canephora) CULTIVAR APOATÃ IAC 2258 EM FUNÇÃO DO GRAU DE UMIDADE E DO AMBIENTE R. M. Torres Faculdade de Agronomia e Engenharia Floresta - FAEF A. C. S.

Leia mais

Internacional do Café. A

Internacional do Café. A Museu do Café inaugura a exposição Internacional do Café 6 Mostra temporária revela a trajetória da instituição e a importância para o mercado cafeeiro O Museu do Café - instituição da Secretaria de Estado

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

A seqüência correta de vegetação natural indicada pelo perfil A B é:

A seqüência correta de vegetação natural indicada pelo perfil A B é: 16. (Unifesp) Observe o mapa: A seqüência correta de vegetação natural indicada pelo perfil A B é: (A) Floresta Eequatorial, Caatinga, Cerrado e Mangue. (B) Mata Aatlântica, Mata dos Cocais, Caatinga e

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho

Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho Efeito da colhedora, velocidade e ponto de coleta na qualidade física de sementes de milho 1 Delineide Pereira Gomes, 2 Érika S. M. Koshikumo, 3 Leandra Matos Barrozo, 4 Breno Marques S. e Silva e 5 Rouverson

Leia mais

CONCEITOS E PRECONCEITOS SOBRE O BAIRRO DO GUAMÁ: RECONSTRUINDO SIGNIFICADOS E PERCEPÇÕES

CONCEITOS E PRECONCEITOS SOBRE O BAIRRO DO GUAMÁ: RECONSTRUINDO SIGNIFICADOS E PERCEPÇÕES CONCEITOS E PRECONCEITOS SOBRE O BAIRRO DO GUAMÁ: RECONSTRUINDO SIGNIFICADOS E PERCEPÇÕES Glauco Rivelino Ferreira de ARAÚJO 9 (FIBRA) Ruan Carlos Silva de Freitas Este artigo apresenta resultados de um

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=125>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Recuperação de áreas degradadas com tração animal em Rondônia Ricardo Gomes de Araújo

Leia mais

ALTA PRODUTIVIDADE EM CAFEEIROS DA CULTIVAR CONILLON, NA REGIÃO DA BACIA DE FURNAS, NO SUL DE MINAS GERAIS. Celio L. Pereira- Eng Agr Consultor em

ALTA PRODUTIVIDADE EM CAFEEIROS DA CULTIVAR CONILLON, NA REGIÃO DA BACIA DE FURNAS, NO SUL DE MINAS GERAIS. Celio L. Pereira- Eng Agr Consultor em ALTA PRODUTIVIDADE EM CAFEEIROS DA CULTIVAR CONILLON, NA REGIÃO DA BACIA DE FURNAS, NO SUL DE MINAS GERAIS. Celio L. Pereira- Eng Agr Consultor em cafeicultura, J.B. Matiello Eng Agr Fundação Procafé e

Leia mais

RASTREABILIDADE PARA A SUSTENTABILIDADE. um case de sucesso para a batata

RASTREABILIDADE PARA A SUSTENTABILIDADE. um case de sucesso para a batata RASTREABILIDADE PARA A SUSTENTABILIDADE um case de sucesso para a batata A LONGA E COMPLEXA VIAGEM DA BATATA VISÃO GERAL PEPSICO 19 MARCAS + $1B 64 FATURAMENTO LÍQUIDO OUTRAS GLOBAL MARCAS [EXEMPLOS] PEPSICO

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências

Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências COLÉGIO NOSSA SENHORA DA PIEDADE Bloco de Recuperação Paralela DISCIPLINA: Ciências Nome: Ano: 5º Ano 1º Etapa 2014 Colégio Nossa Senhora da Piedade Área do Conhecimento: Ciências da Natureza Disciplina:

Leia mais

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês 1 São Paulo, 04 de agosto de 2010. NOTA À IMPRENSA Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês Desde maio, na maioria das capitais onde é realizada mensalmente a Pesquisa Nacional

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

Equipe de Geografia GEOGRAFIA

Equipe de Geografia GEOGRAFIA Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 7B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA 1. Agricultura no Brasil: Breve histórico - Brasil Colônia: monocultura da cana se destacava como produto principal,

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

"O combate à pobreza é básico e depende da recuperação ambiental e da Agroecologia"

O combate à pobreza é básico e depende da recuperação ambiental e da Agroecologia "O combate à pobreza é básico e depende da recuperação ambiental e da Agroecologia" Brixius, Leandro* Praticar a agricultura ecológica, como vem defendendo durante décadas, e continuar espalhando o conhecimento

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo:

DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I FORTALECENDO SABERES CIÊNCIAS NAT. CIÊNCIAS HUM. CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Conteúdo: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I Conteúdo: - Alguns aspectos que interferem na saúde das pessoas - Saúde como Direito Constitucional dos brasileiros

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO:

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: ATENÇÃO ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: www.poscolheita.com.br juarez@ufv.br CAFEICULTURA DE MONTANHA & CAFÉ COM QUALIDADE Tecnologias

Leia mais

Milho Período: 13 a 17/07/2015

Milho Período: 13 a 17/07/2015 Milho Período: 13 a 17/07/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,1507 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra

Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra Ano 8 Edição 15 - Setembro de 2015 Alta do dólar eleva preços, atrasa aquisições de insumos e reduz poder de compra A forte valorização do dólar frente ao Real no decorrer deste ano apenas no período de

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

Edital 01/2015 Lançado em abril de 2015 Macapá/AP, abril de 2015.

Edital 01/2015 Lançado em abril de 2015 Macapá/AP, abril de 2015. EDITAL DE APOIO A PEQUENOS PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS PARA A AGRICULTURA FAMILIAR DO ESTADO DO AMAPÁ. Edital 01/2015 Lançado em abril de 2015 Macapá/AP, abril de 2015. 1. CONTEXTO DA PROPOSTA O Instituto

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS PROJETO DE PESQUISA Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA Período: Janeiro a Dezembro de 2012 Vitória, dezembro de 2012 Cesta Básica

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 27 de janeiro de 2016.

Clipping de notícias. Recife, 27 de janeiro de 2016. Clipping de notícias Recife, 27 de janeiro de 2016. 26/01/2016 Programas que beneficiarão agricultores serão lançados nesta quinta em Araripina O secretário de Agricultura e Reforma Agrária de Pernambuco,

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

UFRRJ. VII Semana de Extensão. Idosos. Amazônia FEAC. Tratamento de Água. Avaliação de Extensão. Sementes da Reintegração

UFRRJ. VII Semana de Extensão. Idosos. Amazônia FEAC. Tratamento de Água. Avaliação de Extensão. Sementes da Reintegração Wwww.ufrrj.br/portal/revista_ext/revista.html ANO 1 Nº 02 Novembro - Dezembro 2008 EXTENSAO UFRRJ VII Semana de Extensão Mais de 60 projetos ganham espaço Idosos Convivência social e qualidade de vida

Leia mais

CONVIVER - Associação Conviver no Sertão

CONVIVER - Associação Conviver no Sertão CONVIVER - Associação Conviver no Sertão Avenda de produtos à CONAB¹, via PAA: a experiência das mulheres de Mirandiba Mirandiba, localizada no semiárido pernambucano, é um município novo, criado em 1958

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET.

A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET. A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET. Previero, Conceição Aparecida, CEULP/ULBRA, conceicaopreviero@gmail.com, Moraes, Eriel Dantas

Leia mais