MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo."

Transcrição

1 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Abril / 2014

2 Metodologia 2

3 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa, com abordagem telefônica dos entrevistados. As entrevistas foram realizadas mediante a aplicação de questionário estruturado com cerca de 10 minutos de duração. Os entrevistados foram sorteados a partir de listagem fornecida pelo SIMPI. Universo Responsáveis por micro e pequenas indústrias do Estado de São Paulo. Abrangência Estado de São Paulo. Coleta de dados A coleta de dados ocorreu entre os dias 07 a 24 de abril de 2014.

4 Metodologia 4 Amostra Foram realizadas 311 entrevistas distribuídas da seguinte forma: Micro empresas (de 0 a 9 funcionários) = 199 entrevistas Pequenas empresas(de 10 a 50 funcionários) = 112 entrevistas Região metropolitana = 155 entrevistas Interior = 156 entrevistas Margem de erro A margem de erro máxima para o total da amostra é de 6 pontos percentuais para mais ou para menos considerando um intervalo de confiança de 95%.

5 Metodologia 5 Ponderação dos resultados Os resultados foram ponderados de acordo com a proporção de micro e pequenas indústrias no Estado de São Paulo, a natureza do município (região metropolitana e interior) e o setor de atividade segundo dados da Rais ano base Período de referência As perguntas de avaliação são remetidas a MARÇO, mês anterior à coleta de dados, e as de expectativa referem-se a MAIO, mês posterior.

6 Perfil da empresa 6

7 Perfil das empresas - Porte (resposta espontânea e única, em %) 7 Pequena (de 10 a 50 funcionários) Micro (de 0 a 9 funcionários) P.F2 Excluindo sócios e proprietários, quantos funcionários registrados trabalham na sua empresa atualmente?

8 Perfil das empresas - faturamento (resposta espontânea e única, em %) Recusa P.32 Em média, qual o faturamento mensal de sua empresa?

9 Perfil das empresas possui produção própria? 9 Fonte: P.1c Sua empresa possui produção própria, contrata o serviço de produção de outras empresas ou não está ligada à produção e atua na prestação de serviços?

10 Perfil das empresas possui produção própria? 10 Micro Pequena Fonte: P.1c Sua empresa possui produção própria, contrata o serviço de produção de outras empresas ou não está ligada à produção e atua na prestação de serviços?

11 Perfil dos entrevistados 11

12 Perfil dos entrevistados 12 sexo idade natureza do município

13 Desempenho da empresa 13

14 Avaliação da situação da empresa hoje 14 Avaliação geral do negócio fica estável Fonte: P.2 De forma geral, como você avalia a situação de sua empresa hoje: ótima, boa, regular, ruim ou péssima?

15 Avaliação da situação da empresa hoje 15 Micro Pequena Fonte: P.2 De forma geral, como você avalia a situação de sua empresa hoje: ótima, boa, regular, ruim ou péssima?

16 Faturamento no mês anterior 16 Faturamento foi positivo para 38%; aumento de sete pontos em relação a março Fonte: P.4 Você diria que, no mês passado, o/a (cite cada um dos itens abaixo) de sua empresa foi ótimo, bom, regular, ruim ou péssimo?

17 Faturamento no mês anterior 17 Micro Pequena Fonte: P.4 Você diria que, no mês passado, o/a (cite cada um dos itens abaixo) de sua empresa foi ótimo, bom, regular, ruim ou péssimo?

18 Margem de lucro no mês anterior 18 Margem de lucro foi positiva para 38% Fonte: P.4 Você diria que, no mês passado, o/a (cite cada um dos itens abaixo) de sua empresa foi ótimo, bom, regular, ruim ou péssimo?

19 Margem de lucro no mês anterior 19 Micro Pequena Fonte: P.4 Você diria que, no mês passado, o/a (cite cada um dos itens abaixo) de sua empresa foi ótimo, bom, regular, ruim ou péssimo?

20 Índice de Satisfação das MPI s do Estado de São Paulo* 20 *Para se chegar a este índice, elaborado pela primeira vez nesta rodada, foram considerados os resultados das questões referentes à situação geral, faturamento e margem de lucro. Para cada uma destas questões, subtraiu-se a taxa de menção positiva da taxa de menção negativa, somando-se 100 (para evitar números negativos).

21 Expectativa da situação da empresa para o próximo mês 21 43% têm expectativa positiva para o próximo mês Fonte: P.3 E você acredita que a situação de sua empresa irá melhorar, piorar ou ficará como está no próximo mês? Muito ou um pouco?

22 Expectativa da situação da empresa para o próximo mês 22 Micro Pequena Fonte: P.3 E você acredita que a situação de sua empresa irá melhorar, piorar ou ficará como está no próximo mês? Muito ou um pouco?

23 Expectativa de faturamento 23 Para 59%, faturamento ficará no mesmo nível no próximo mês; 28% apostam em crescimento Fonte: P.11 E você prevê que o faturamento de sua empresa terá crescimento, queda ou ficará no mesmo nível atual no próximo mês? Forte ou moderado?

24 Expectativa de faturamento 24 Micro Pequena Fonte: P.11 E você prevê que o faturamento de sua empresa terá crescimento, queda ou ficará no mesmo nível atual no próximo mês? Forte ou moderado?

25 Expectativa de margem de lucro 25 Maioria prevê margem de lucro no mesmo nível Fonte: P.12 No próximo mês, você prevê que a margem de lucro de sua empresa terá crescimento, queda ou ficará no mesmo nível atual? Forte ou moderado?

26 Expectativa de margem de lucro 26 Micro Pequena Fonte: P.12 No próximo mês, você prevê que a margem de lucro de sua empresa terá crescimento, queda ou ficará no mesmo nível atual? Forte ou moderado?

27 Índice de Expectativa das MPI s do Estado de São Paulo 27 *Para se chegar a este índice, também apresentado pela primeira vez nesta rodada, foram considerados os resultados das questões referentes à expectativa geral, expectativa com faturamento e expectativa com margem de lucro. Para cada uma destas questões, subtraiu-se a taxa de menção positiva da taxa de menção negativa, somando-se 100 (para evitar números negativos)

28 Investimentos 28

29 Investimentos em máquinas e equipamentos, reforma ou ampliação do espaço físico no mês passado Taxa de investimentos tem variação positiva P.5A Sua empresa utiliza máquinas e equipamentos para fabricar produtos ou prestar algum tipo de serviço? P.5 No mês passado, sua empresa fez investimentos na compra de máquinas ou equipamentos? P.6A O trabalho de sua empresa é feito em local específico, como um barracão, ou é feito no local onde estão os clientes? P.6 No mês passado, sua empresa fez investimentos em reforma ou ampliação do espaço físico onde funciona?

30 Investimentos em máquinas e equipamentos, reforma ou ampliação do espaço físico no mês passado 30 Micro Pequena P.5A Sua empresa utiliza máquinas e equipamentos para fabricar produtos ou prestar algum tipo de serviço? P.5 No mês passado, sua empresa fez investimentos na compra de máquinas ou equipamentos? P.6A O trabalho de sua empresa é feito em local específico, como um barracão, ou é feito no local onde estão os clientes? P.6 No mês passado, sua empresa fez investimentos em reforma ou ampliação do espaço físico onde funciona?

31 Investimentos em máquinas e equipamentos, reforma ou ampliação do espaço físico no próximo mês Expectativa de investimentos fica estável P.9 Agora falando no próximo mês, sua empresa pretende fazer investimentos na compra de máquinas ou equipamentos? P10. No próximo mês, a empresa pretende fazer investimentos em reforma ou ampliação do espaço físico onde funciona?

32 Investimentos em máquinas e equipamentos, reforma ou ampliação do espaço físico no próximo mês 32 Micro Pequena P.9 Agora falando no próximo mês, sua empresa pretende fazer investimentos na compra de máquinas ou equipamentos? P10. No próximo mês, a empresa pretende fazer investimentos em reforma ou ampliação do espaço físico onde funciona?

33 Realização de investimentos para melhora da produtividade no próximo mês 33 P.41 Pensando em investimento como recurso utilizado para compra de máquinas e equipamentos, reformas e outras benfeitorias que melhorem a produtividade dos negócios, você diria que sua empresa pretende realizar investimentos no próximo mês, sim ou não?

34 Realização de investimentos para melhora da produtividade no próximo mês 34 Micro Pequena P.41 Pensando em investimento como recurso utilizado para compra de máquinas e equipamentos, reformas e outras benfeitorias que melhorem a produtividade dos negócios, você diria que sua empresa pretende realizar investimentos no próximo mês, sim ou não?

35 Avaliação dos impostos no desempenho da empresa 35 Metade acredita que os impostos dificultam muito o desempenho da empresa Fonte: P.36A Pensando em uma escala de 1 a 5 em que 5 significa DIFICULTA MUITO e 1 significa NÃO DIFICULTA EM NADA, o quanto os impostos cobrados de sua empresa dificultam o desempenho de seu negócio:

36 Avaliação dos impostos no desempenho da empresa 36 Micro Pequena Fonte: P.36A Pensando em uma escala de 1 a 5 em que 5 significa DIFICULTA MUITO e 1 significa NÃO DIFICULTA EM NADA, o quanto os impostos cobrados de sua empresa dificultam o desempenho de seu negócio:

37 Avaliação da dificuldade para obter empréstimo 37 46% consideram difícil obter empréstimos Outubro Novembro Dezembro Janeiro Fevereiro Março P.37 Quando você precisa obter empréstimo para seu negócio em um banco ou financeira, você diria que isso é fácil ou difícil? Muito ou um pouco?

38 Avaliação da dificuldade para obter empréstimo 38 Micro Pequena P.37 Quando você precisa obter empréstimo para seu negócio em um banco ou financeira, você diria que isso é fácil ou difícil? Muito ou um pouco?

39 Endividamento das empresas no mês passado 39 Pagamento do empréstimo representa no faturamento da empresa... Base: Entrevistados que declararam que tomaram empréstimos P.38A No mês passado, sua empresa: / P.38A De 0 a 100%, quanto o pagamento desse(s) empréstimo(s) deve(m) representar no faturamento da sua empresa no próximo mês?

40 Nível de inadimplência no mês passado 40 Nível de calote fica estável Base: Entrevistados que declararam que sofreram calote P.39A E no mês passado, sua empresa deixou de receber algum pagamento, ou seja, tomou calote de clientes? De 0 a 100%, quanto o que a empresa deixou de receber representa do faturamento do mês passado? / P.40 O nível de inadimplência ou calote que sua empresa sofreu no mês passado foi maior, menor ou igual aos meses anteriores? Muito ou um pouco?

41 Contratações no mês anterior 41 Nível de contratações permanece estável Não Sim média 2,0 2,9 2,5 2,2 2,3 2,2 1,9 1,9 2,7 2,2 2,8 2,2 2,2 2,9 Fonte: P.7a No mês passado, houve abertura de novas vagas de trabalho em sua empresa? (SE SIM) Quantas vagas foram abertas?

42 Contratações no mês anterior 42 Micro média 2,0 2,4 1,5 1,7 1,8 1,6 1,5 1,8 2,5 1,7 3,0 1,5 2,1 2,1 Pequena Média 3,7 3,4 2,9 2,6 2,8 2,6 2,6 2,1 3,0 3,0 2,6 3,3 2,4 3,4 Fonte: P.7a No mês passado, houve abertura de novas vagas de trabalho em sua empresa? (SE SIM) Quantas vagas foram abertas?

43 Demissões no mês anterior 43 Demissões têm pequena variação Não Sim Média 2,2 2,0 3,7 2,1 2,3 2,2 1,8 2,0 2,4 2,3 2,8 2,4 2,4 2,8 Fonte: P.8a No mês passado, houve fechamento de vagas de trabalho em sua empresa? (SE SIM) Quantas vagas foram fechadas?

44 Demissões no mês anterior 44 Micro Média 1,6 1,3 4,3 1,5 2,1 2,1 1,7 1,7 2,2 2,1 3,1 2,5 2,9 Pequena média 3,2 2,6 2,5 2,6 2,8 2,2 2,1 2,5 3,1 2,6 5,2 2,2 2,7 Fonte: P.8a No mês passado, houve fechamento de vagas de trabalho em sua empresa? (SE SIM) Quantas vagas foram fechadas?

45 Contratações no próximo mês 45 Previsão de contratações fica estável Não Sim Média 3,1 4,1 3,3 3,2 3,8 2,8 3,2 2,6 3,1 3,1 3,2 2,6 2,9 3,6 Fonte: P.14 Para o próximo mês, há previsão de abertura de novas vagas em sua empresa? Quantas vagas deverão ser abertas?

46 Contratações no próximo mês 46 Micro Média 2,5 2,8 2,4 3,0 2,6 2,2 2,9 2,3 3,0 3,1 3,1 2,5 3,0 3,7 Pequena média 4,6 7,6 5,3 4,4 6,4 4,4 4,7 3,9 3,4 3,4 4,2 2,8 2,9 3,4 Fonte: P.14 Para o próximo mês, há previsão de abertura de novas vagas em sua empresa? Quantas vagas deverão ser abertas?

47 Demissões no próximo mês 47 Demissões devem ficar no mesmo nível Não Sim Média 2,4 2,2 2,0 2,1 3,8 2,3 2,7 2,2 3,2 1,9 2,4 2,3 2,5 2,2 Fonte: P.15a No próximo mês, há previsão de fechamento de vagas em sua empresa? (SE SIM) Quantas vagas deverão ser fechadas?

48 Demissões no próximo mês 48 Micro Média 1,4 1,5 1,8 1,8 2,6 1,8 2,4 1,8 3,0 1,4 1,6 1,3 2,7 1,8 Pequena Média 5,1 3,1 2,4 2,3 4,8 2,7 3,2 3,4 3,4 3,2 3,5 3,4 1,9 3,1 Fonte: P.15a No próximo mês, há previsão de fechamento de vagas em sua empresa? (SE SIM) Quantas vagas deverão ser fechadas?

49 Avaliação do ambiente de negócios 49

50 Avaliação do capital de giro do mês passado 50 47% têm capital de giro no montante exato que precisam Fonte: P.42 No mês passado, o capital de giro da sua empresa foi:

51 Avaliação do capital de giro do mês passado 51 Micro Pequena Fonte: P.42 No mês passado, o capital de giro da sua empresa foi:

52 Linhas de crédito que utiliza 37% recorrem à linha de crédito para pessoa jurídica 52 Linha de crédito para pessoa jurídica Empréstimo pessoal no banco Parentes e amigos Fonte: P.34 Quando precisa ter acesso a mais capital de giro, a qual dessas fontes você costuma recorrer com mais frequência?

53 Linhas de crédito que utiliza 53 Empresas que fornecem empréstimos Cheque especial Nenhum Fonte: P.34 Quando precisa ter acesso a mais capital de giro, a qual dessas fontes você costuma recorrer com mais frequência?

54 Dívidas 54 43% têm dívidas; 10% consideram endividamento alto Fonte: P.16 Sua empresa tem dívidas atualmente? (SE SIM) E você classificaria o nível de endividamento de sua empresa como alto, moderado ou baixo?

55 Dívidas 55 Micro Pequena Fonte: P.16 Sua empresa tem dívidas atualmente? (SE SIM) E você classificaria o nível de endividamento de sua empresa como alto, moderado ou baixo?

56 Empréstimos 56 7% pretendem tomar empréstimos em maio Fonte: P.17 No próximo mês, a empresa pretende tomar algum empréstimo? (SE SIM) Esse dinheiro será usado para investimentos ou para outros fins como pagamentos de fornecedores e funcionários?

57 Empréstimos 57 Micro Pequena Fonte: P.17 No próximo mês, a empresa pretende tomar algum empréstimo? (SE SIM) Esse dinheiro será usado para investimentos ou para outros fins como pagamentos de fornecedores e funcionários?

58 Custos de produção no mês anterior 58 Índice dos que tiveram aumento no custo de produção caiu de 49% para 36% Onde tiveram aumentos significativos... Fonte: P.20 No mês passado, os custos de sua produção tiveram aumento significativo? (SE SIM) E qual dos itens que eu vou citar teve maior impacto nos custos de sua produção: mão de obra e salários, matéria-prima e insumos ou transporte e logística?

59 Custos de produção no mês anterior 59 Micro Pequena Fonte: P.20 No mês passado, os custos de sua produção tiveram aumento significativo? (SE SIM) E qual dos itens que eu vou citar teve maior impacto nos custos de sua produção: mão de obra e salários, matéria-prima e insumos ou transporte e logística?

60 Custos de produção no próximo mês Maioria não espera aumento nos custos de produção Onde esperam aumentos significativos... Fonte: P.21 No mês que vem, você espera algum tipo de aumento significativo nos custos de sua produção? (SE SIM) E qual desses itens, na sua opinião, terá maior impacto nos custos de sua produção: mão de obra e salários, matéria-prima e insumos ou transporte e logística?

61 Custos de produção no próximo mês 61 Micro Pequena Fonte: P.21 No mês que vem, você espera algum tipo de aumento significativo nos custos de sua produção? (SE SIM) E qual desses itens, na sua opinião, terá maior impacto nos custos de sua produção: mão de obra e salários, matéria-prima e insumos ou transporte e logística?

62 Concorre com produtos importados? 62 22% concorrem com produtos importados Fonte: P.22 Os produtos de sua empresa concorrem diretamente com produtos importados?

63 Concorre com produtos importados? 63 Micro Pequena Fonte: P.22 Os produtos de sua empresa concorrem diretamente com produtos importados?

64 Avaliação da concorrência 64 Para maioria, importados têm vantagens Fonte: P.23 Você diria que essa concorrência acontece: Base: Entrevistados cujos produtos concorrem com produtos importados

65 Avaliação da concorrência 65 Micro Pequena Fonte: P.23 Você diria que essa concorrência acontece: Base: Entrevistados cujos produtos concorrem com produtos importados

66 Conjuntura econômica 66

67 Situação econômica do país, estado e setor *Dado bimestral a partir de setembro 67 Fonte: P.27 Como você avalia a situação econômica do setor em que sua empresa atua no Brasil: ótima, boa, regular, ruim ou péssima? E a situação econômica do Estado de São Paulo? E a situação econômica do setor em que sua empresa atua?

68 Situação econômica do país *Dado bimestral a partir de setembro 68 Micro Pequena Fonte: P.27 Como você avalia a situação econômica do setor em que sua empresa atua no Brasil: ótima, boa, regular, ruim ou péssima? E a situação econômica do Estado de São Paulo? E a situação econômica do setor em que sua empresa atua?

69 Situação econômica do estado *Dado bimestral a partir de setembro 69 Micro Pequena Fonte: P.27 Como você avalia a situação econômica do setor em que sua empresa atua no Brasil: ótima, boa, regular, ruim ou péssima? E a situação econômica do Estado de São Paulo? E a situação econômica do setor em que sua empresa atua?

70 Situação econômica do setor *Dado bimestral a partir de setembro 70 Micro Pequena Fonte: P.27 Como você avalia a situação econômica do setor em que sua empresa atua no Brasil: ótima, boa, regular, ruim ou péssima? E a situação econômica do Estado de São Paulo? E a situação econômica do setor em que sua empresa atua?

71 Expectativa da situação econômica do setor 71 Expectativa da situação do setor fica estável Fonte:P.28c E a situação econômica do setor em que sua empresa atua, irá melhorar, piorar ou ficar como está? Muito ou pouco?

72 Índice de Satisfação Econômica das MPI s do Estado de São Paulo 72 *Dado bimestral a partir de setembro Para se chegar a este índice bimestral, apresentado pela primeira vez nesta rodada, foram considerados os resultados das questões referentes à satisfação com a economia brasileira, satisfação com a economia do Estado de São Paulo e satisfação com o próprio setor de atuação

73 Expectativa da situação econômica do setor 73 Micro Pequena Fonte:P.28c E a situação econômica do setor em que sua empresa atua, irá melhorar, piorar ou ficar como está? Muito ou pouco?

74 Racionamento 74

75 Problemas com abastecimento de água 75 Nos últimos 30 dias, teve problemas com abastecimento de água? Teve problemas Total Região Metropolitana (Capital + Outros da RM) Capital Outros municípios da Região Metropolitana Interior P.57 Nos últimos 30 dias, sua empresa teve problemas com o abastecimento de água?

76 Problemas com abastecimento de energia 76 Nos últimos 30 dias, teve problemas com abastecimento de energia? Teve problemas Total Região Metropolitana (Capital + Outros da RM) Capital Outros municípios da Região Metropolitana Interior P.58 Nos últimos 30 dias, sua empresa teve problemas com o abastecimento de energia?

77 Impactos causados por problemas de abastecimento (resposta espontânea e múltipla, em %) 77 TOTAL MICRO PEQUENA PRODUÇÃO Queda na produção/ máquinas ficam paradas/ não produz sem energia elétrica Atraso na produção devido à despensa de funcionários ENTREGA Atraso na entrega de mercadorias/ não consegue cumprir com a data prevista ao cliente MAQUINÁRIO/ EQUIPAMENTO Queima de aparelhos/ equipamento devido à queda de energia JORNADA DE TRABALHO Tem de fazer hora extra/ funcionários precisam trabalhar mais para suprir falta de luz OUTRAS 1-6 NÃO TEM CAUSADO NENHUM IMPACTO P.59 Quais impactos esses problemas têm causado para os negócios de sua empresa? Base: Entrevistados que tiveram problemas com fornecimento de energia elétrica e/ou abastecimento de água = 67 entrevistas

78 Indicadores 78

79 Atividade empresarial 79 Para esse indicador foram consideradas perguntas de avaliação da situação econômica da empresa e expectativa. Na construção do indicador foi utilizada uma escala de cinco pontos, na qual cinco (5) define a situação mais otimista e um (1) a mais pessimista Expectativa da Situação da Empresa Faturamento /Margem de lucro Situação Atual da Empresa 5 Melhorará muito Forte crescimento Ótima * Melhorará um pouco Crescimento moderado Boa * Ficará como está Mesmo nível atual Regular * Piorará um pouco Queda moderada Ruim 1 Piorará muito Forte queda Péssima

80 Indicador de Atividade Empresarial 80 MÉDIA TOTAL 56,7 Micro Empresa 56,1 Pequena Empresa 56,8

81 Atividade econômica 81 Para esse indicador foi considerada a pergunta de expectativa para a atividade econômica. Na construção do indicador foi utilizada uma escala de cinco pontos, na qual cinco (5) define a situação mais otimista e um (1) a mais pessimista Expectativa da categoria econômica 5 Vai melhorar muito * Vai melhorar um pouco * Vai ficar como está * Vai piorar um pouco 1 Vai piorar muito

82 Indicador de Atividade Econômica 82 MÉDIA Empresa 57,1 Micro Empresa 57,6 Pequena Empresa 55,0

83 Investimentos 83 Para esse indicador foram consideradas as perguntas de investimentos em máquinas e equipamentos e espaço físico no mês anterior e a expectativa para o mês seguinte. Na construção do indicador foi utilizada uma escala de cinco pontos, na qual cinco (5) define a situação mais otimista e um (1) a mais pessimista Investimento 4 Investiu no mês passado e irá investir no próximo mês * Não investiu e irá investir * Investiu e não irá investir 1 Não investiu e não irá investir

84 Indicador de Investimentos 84 MÉDIA Empresa 22,3 Micro Empresa 20,4 Pequena Empresa 26,3

85 Custos 85 Para esse indicador foram consideradas as perguntas sobre aumento nos custos de produção no mês anterior e expectativas para o mês seguinte. Na construção do indicador foi utilizada uma escala de três pontos, na qual (3) define a situação mais otimista e um (1) a mais pessimista Custos 3 Teve aumento de custos e não há expectativa de aumento * Não teve aumento de custos e não há expectativa de aumento * Não teve aumento de custos e há expectativa de aumento 1 Teve aumento de custos e há expectativa de aumento

86 Indicador de Custos 86 MÉDIA Empresa 54,0 Micro Empresa 54,7 Pequena Empresa 53,6

87 Emprego 87 Para esse indicador foram consideradas as perguntas sobre abertura e fechamento de vagas no mês anterior e expectativa de abertura e fechamento de vagas para o mês seguinte. Na construção do indicador foi utilizada uma escala de cinco pontos, na qual cinco (5) define a situação mais otimista e um (1) a mais pessimista Emprego 1 Houve fechamento de vagas e haverá fechamento 2 Houve fechamento e o quadro será mantido 3 Houve abertura de vagas mas haverá fechamento 3 Não houve fechamento ou abertura de vagas e não haverá 3 Houve fechamento de vagas mas haverá abertura 4 Houve abertura de vagas e o quadro será mantido 5 Houve abertura de vagas e haverá abertura

88 Indicador de Emprego 88 MÉDIA Empresa 50,5 Micro Empresa 49,9 Pequena Empresa 53,7

89 Indicadores Resumo 89 Atividade empresarial Média: 56,7 Investimentos Média: 22,3 Atividade econômica Média: 57,1 Custos Média: 54,0 Emprego Média: 50,5

90 Relatório 90

91 91 INDICADOR DE ATIVIDADE DA MICRO E PEQUENA INDÚSTRIA DE SÃO PAULO ABRIL DE 2014 PESSIMISMO ECONÔMICO BRECA EXPECTATIVA DE MELHORIA NOS NEGÓCIOS DA MICRO E PEQUENA INDÚSTRIA DE SÃO PAULO 18% dos negócios da categoria foram atingidos por problemas de falta de água ou luz no último mês Os dirigentes de micros e pequenas indústrias encerraram o mês de abril mais satisfeitos com seu negócio, e isso se deve, principalmente, aos resultados obtidos com o faturamento e a margem de lucro no mês anterior. O cenário futuro, porém, é de cautela, com o nível de otimismo com os negócios estável, mas a satisfação com a conjuntura econômica tanto do Brasil quanto do Estado de São Paulo em queda. E há outros problemas, como falta de água e energia, que atingiram 18% dos negócios da categoria nos 30 dias anteriores à pesquisa e causaram paralisia na produção e atraso nas entregas, segundo seus dirigentes. Esses e outros resultados estão na 14ª rodada do Indicador de Atividade da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo, levantamento mensal realizado Instituto Datafolha a pedido do Simpi-SP (Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo) Para esta rodada foram elaborados três novos índices, que têm como objetivo facilitar a leitura de alguns resultados da pesquisa. O primeiro, que mede a satisfação dos empresários com os resultados obtidos no mês anterior e com o momento atual da empresa, é o Índice de Satisfação das MPI s do Estado de São Paulo. Com ele será possível visualizar a síntese dos resultados registrados nas questões relacionadas à satisfação geral, faturamento e lucro. Complementar a ele, o Índice de Expectativa das MPI s do Estado de São Paulo abrange as expectativas para os mesmos itens (situação geral, faturamento e lucro). E para mensurar a percepção dos efeitos externos da economia nos negócios da categoria, foi elaborado ainda o Índice Bimestral de Satisfação Econômica das MPI s do Estado de São Paulo, que congrega os resultados da satisfação dos dirigentes de micros e pequenas indústrias com a economia brasileira, da economia paulista e da economia do setor de atuação. A 14ª rodada do Indicador de Atividade da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo foi realizada entre os dias 07 a 24 de abril, junto a 311 dirigentes de micros e pequenas indústrias em todo o Estado. Como parte das questões aos dirigentes de indústrias se referia ao mês anterior ou posterior da data da pesquisa, as respostas destas irão indicar resultados para fevereiro e abril. Foram consideradas micro indústrias aquelas que empregam até 9 funcionários, e pequenas, as que empregam de 10 a 50 trabalhadores registrados. A margem de erro para o total da amostra, ou seja, para o conjunto de entrevistados, é de 6 pontos para mais ou para menos.

92 PANORAMA DA INDÚSTRIA 92 Em abril, 49% dos dirigentes de micros e pequenas indústrias atribuíram um desempenho ótimo ou bom à situação de sua empresa, índice igual ao do mês anterior e acima do registrado em abril de 2013 (38%). A taxa de insatisfeitos (16%), que avaliam a situação de seu negócio como ruim ou péssima, também ficou estável na comparação com março deste ano (16%) e em relação a abril de 2013 (20%), considerando a margem de erro do levantamento. Na fatia das pequenas indústrias, a taxa dos que avaliam a situação geral como ótima ou boa registrou alta de 59% para 73%. Entre as micros esse índice ficou estável. Após registrar queda em três meses consecutivos, a avaliação positiva do faturamento voltou a subir. Em abril, 39% das empresas da categoria registraram faturamento ótimo ou bom no mês anterior ao levantamento, alta de 8 pontos percentuais na comparação com o verificado em março (31%). No mesmo período, a fatia de micros e pequenas indústrias com faturamento ruim ou péssimo caiu de 31% para 22%. A comparação com abril de 2013 mostra que, neste ano, os empresários estão mais satisfeitos com seu faturamento: à época, 21% consideravam ótimo ou bom o faturamento de seu negócio. A margem de lucro teve movimento semelhante, com alta na satisfação após avaliações em queda desde dezembro. Em abril, 38% avaliaram como ótimo ou bom a lucratividade do negócio no mês anterior, alta de 6 pontos percentuais em relação a março de 2014 (32%) e de 19 pontos percentuais na comparação com o mesmo mês de 2013 (quando 19% tiveram uma margem de lucro ótima ou boa). No universo das pequenas, o índice dos que avaliaram como ótimo ou bom o lucro obtido saltou de 31% para 46%. Entre as micros, o mesmo índice teve variação positiva de 32% para 37%. Esses resultados levaram o Índice de Satisfação das MPI s do Estado de São Paulo em abril (122 pontos) a se recuperar após sofrer queda entre fevereiro e março (de 119 pontos para 122 pontos). Para a obtenção deste índice, elaborado pela primeira vez nesta rodada, foram considerados os resultados das questões referentes à situação geral, faturamento e margem de lucro das empresas. Para cada uma destas questões, subtraiu-se a taxa de menção positiva da taxa de menção negativa, somando-se 100 (para evitar números negativos). Foram então elaborados índices de pontos que variam de 0 a 200 para cada item, além de uma média geral, que congrega o resultado de todos eles. Quanto mais próximo de 200, melhor o resultado do conjunto de micros e pequenas indústrias. Os resultados positivos colhidos pelas micros e pequenas indústrias no mês passado, conforme mostram os índices de satisfação em alta para faturamento e lucro, não se refletiram em maior otimismo para o futuro. Para o próximo mês, 43% acreditam que a situação geral da empresa irá melhorar muito ou um pouco, índice estável na comparação com o obtido no levantamento anterior (46%). Em relação ao faturamento, 28% avaliam que irá melhorar muito ou um pouco, e 59%, que ficará como está. Na pesquisa de março, esses índices eram de 32% e 52%, respectivamente. A perspectiva de lucro segue tendência semelhante: 18% acreditam que terá crescimento, e 66%, que irá ficar estável. Em março, esses índices eram de 20% e 66%, respectivamente. Tanto a expectativa de faturamento quanto a expectativa de margem de lucro verificadas em abril deste ano seguem em linha com os resultados registrados em abril de 2013, considerando os mesmos aspectos do negócio. Esses resultados levaram o Índice de Expectativa das MPI s do Estado de São Paulo em abril (118 pontos) a ter leve queda na comparação com março (122), após ter atingido 128 pontos em fevereiro. Para se chegar a este índice, também apresentado pela primeira vez nesta rodada, foram considerados os resultados das questões referentes à expectativa geral, expectativa com faturamento e expectativa com margem de lucro. Para cada uma destas questões, subtraiu-se a taxa de menção positiva da taxa de menção negativa, somando-se 100 (para evitar números negativos). Foram então elaborados índices de pontos que variam de 0 a 200 para cada item, além de uma média geral, que congrega o resultado de todos eles. Quanto mais próximo de 200, maior a expectativa positiva da categoria.

93 INVESTIMENTOS 93 No mês anterior ao levantamento de abril, 25% das micros e pequenas indústrias fizeram investimentos em seus espaço físico ou em máquinas e equipamentos. A comparação com o índice de investimento registrado em fevereiro mostra oscilação positiva (era de 21%). A variação positiva foi puxada pelas pequenas indústrias, cuja taxa de investimento passou de 29% para 42% entre março e abril. No universo das micros, o índice oscilou de 20% para 22%. A taxa de previsão de investimentos em espaço físico ou máquinas e equipamentos nos meses posteriores à pesquisa ficou estável entre março (27%) e abril (26%). Entre as pequenas, o índice passou de 25% para 33%, mas oscilou negativamente de 27% para 24% entre as micros. Dentro de uma escala de 1 a 5, onde 1 indica que os impostos não trazem nenhuma dificuldade para os negócios e 5 que trazem muita dificuldade, metade (49%) dos dirigentes da categoria indicou o mais alto grau de dificuldade em março, 17% indicaram nota 4, o segundo grau em dificuldade, e 18% indicaram nota 3, o grau intermediário. Entre as pequenas, a fatia dos que indicam que os impostos trazem muita dificuldade alcança 68%, ante 45% entre as micros. Entre março e abril, a taxa de dificuldade enfrentada por micros e pequenas indústrias para obter empréstimos cresceu de 39% para 46%. Isso fez com que a taxa dos que avaliam ser fácil ou um pouco fácil obter empréstimos em banco ou financeira recuasse de 38% para 30%. O levantamento de abril de 2014 mostra também que 23% das empresas deixaram de honrar com pagamentos no mês anterior, sendo que 17% deixaram de pagar algum imposto, 13% deixaram de pagar despesas, 11% deixaram de pagar empréstimos para bancos ou financeiras, e 8% deixaram de pagar fornecedores. No mesmo período, 17% pegaram empréstimos, sendo que 11% para capital de giro, 9% para renegociar dívidas, 7%, para pagar despesas, 3%, para pagar fornecedores, e 5% para investir em benfeitorias para os negócios. Entre os que tomaram empréstimos, um terço (33%) avalia que o montante emprestado represente até 15% do faturamento mensal do seu negócio. Outros 30% avaliam que essa dívida represente de 15% a 30% do faturamento, 20% avaliam que represente de 30% a 50%, e 9% estão com dívidas mais altas, que representam mais de 50% do faturamento. Em media, os empréstimos representam 29% do faturamento das indústrias dessa categoria econômica. A taxa de empresas que sofreram com inadimplência ficou estável entre março (37%) e abril (34%). Neste último mês, 18% sofreram calotes que representaram até 15% de seu faturamento, 10% sofreram calotes que representaram de 15% a 30% do faturamento, e outras 6% sofreram calotes que ultrapassaram 30% do faturamento. Somente entre aqueles que sofreram calotes, 40% avaliam que o nível de inadimplência foi igual aos meses anteriores, 25% avaliam que foi um pouco maior, e outros 23%, que foi muito maior. O nível de contratações ficou estável em abril (13% contrataram) na comparação com o mês anterior. Em média, foram criadas 2,9 vagas pelas empresas que geraram novos postos de trabalho. No universo das micros, 7% fizeram contratações, índice que sobe para 47% entre as pequenas indústrias. O nível de cortes de vaga oscilou de 12% para 16% entre março e abril. A previsão de contratações para os meses posteriores oscilou de 16% em março para 15% em abril, apontando para uma expectativa de estabilidade na geração de empregos da categoria econômica. Esse índice está no mesmo patamar registrado em abril do ano passado (16%). O mesmo ocorre com a previsão de demissões, compartilhada por 8% em abril, índice igual ao registrado no mês anterior.

94 AMBIENTE DE NEGÓCIOS 94 A avaliação do capital de giro pelos dirigentes da categoria registrou estabilidade entre março e abril: nesse período, a taxa de micros ou pequenas indústrias com capital de giro na medida exata de suas necessidades oscilou de 45% para 47%, enquanto a taxa dos que avaliam que o capital de giro é muito pouco, o que acarreta muitas dificuldades, passou de 23% para 22%. Há ainda 21% que avaliam que o capital de giro é insuficiente, e às vezes falta (ante 24% em março), e 10% que possuem montante de capital de giro maior do que o necessário (ante 8% em março). Na fatia das pequenas, subiu de 47% para 55% a taxa de empresas com capital de giro na medida exata de suas necessidades, e também cresceu (de 4% para 20%) a taxa das que tem mais capital de giro do que o suficiente. Entre as micros, o cenário é de estabilidade. Em abril, as fontes de crédito mais usadas para a composição do capital de giro foram as linhas voltadas a pessoas jurídicas (37% utilizam), cheque especial (15%, ante 9% em março), parentes e amigos (10%, ante 16% em março), empréstimo pessoal no banco (10%), e pessoas e empresas que fornecem empréstimos (5%), entre outras menos citadas. No mesmo mês, 43% das empresas tinham dívidas, em patamar estável com o registrado em março (42%). Entre os que tinham dívidas em abril, 19% estavam endividados em nível moderado, 14%, em nível baixo, e somente 10% estavam altamente endividados. A parcela de micros e pequenas indústrias que sofreram com alta significativa nos custos de produção caiu de 45% para 36% entre março e abril. Esse índice é similar ao registrado em abril do ano passado (39%). Em abril, as matérias-primas e insumos foram os itens que impactaram o maior número de empresas (24%). Em seguida aparecem mão de obra e salários (9%) e transportes e logística (2%). Entre as pequenas, 52% foram atingidas por alta significativa nos custos de produção (32% por matéria-prima e insumos), índice que ficou em 33% na fatia das micros (23% por matéria prima e insumos). Para o mês posterior, 35% esperam por novos aumentos nos custos de produção, principalmente nos itens relacionados a insumos e matéria-prima (16%) e mão de obra e salários (16%). Em março, a expectativa de alta significativa nos custos era compartilhada por 38%, sendo que 22% esperavam por alta no custo de matérias-primas e insumos. Na parcela das pequenas indústrias, o índice de expectativa de aumento vai a 44%, e fica em 33% entre as micro empresas da categoria. Uma fatia de 22% das micros e pequenas indústrias concorre com produtos importados. Destes, a maioria (68%) avalia que essa concorrência é favorável aos importados, 17% avaliam que ocorre em condições iguais, e 6%, que é favorável aos produtos que fabricam. Os dirigentes das micros e pequenas indústrias de São Paulo estão mais insatisfeitos com a situação econômica do Brasil e do Estado de São Paulo. Entre fevereiro e abril, subiu de 44% para 56% a parcela dos que veem a economia brasileira em situação ruim ou péssima, e caiu de 16% para 9% a dos que avaliam que essa situação é ótima ou boa. Há ainda 33% que veem a economia do Brasil em situação regular (ante 39% em fevereiro). Em relação à economia estadual, cresceu de 26% para 37% o índice dos que avaliam a situação como ruim ou péssima, e caiu de 30% para 19% o índice dos que avaliam que situação é ótima ou boa. Para 43%, a economia do Estado de São Paulo está em situação regular (em fevereiro, 42% tinham a mesma opinião). A avaliação do próprio setor em abril mostra que 31% avaliam a situação como ótima ou boa (ante 38% em fevereiro), 40% como regular (ante 36% em fevereiro), e 27% como ruim ou péssima (em fevereiro, 24%).

95 95 Esses resultados levaram o Índice Bimestral de Satisfação Econômica das MPI s do Estado de São Paulo em abril (80 pontos) a uma queda na comparação com março (97), após ter atingido 102 pontos em fevereiro. Para se chegar a este índice bimestral, apresentado pela primeira vez nesta rodada, foram considerados os resultados das questões referentes à satisfação com a economia brasileira, satisfação com a economia do Estado de São Paulo e satisfação com o próprio setor de atuação. Para cada uma destas questões, subtraiu-se a taxa de menção positiva da taxa de menção negativa, somando-se 100 (para evitar números negativos). Foram então elaborados índices de pontos que variam de 0 a 200 para cada item, além de uma média geral, que congrega o resultado de todos eles. A expectativa em relação ao próprio setor registrou oscilações dentro da margem de erro. Entre fevereiro e abril, passou de 29% para 34% a parcela de dirigentes de micros e pequenas indústrias que avaliam que a situação irá melhorar nos próximos meses, e de 20% para 15%, a de dirigentes que avaliam que a situação irá piorar. Para 49%, a situação ficará estável. FALTA DE ÁGUA E ENERGIA Uma fatia de 6% das micros e pequenas indústrias do Estado de São Paulo sofreram, nos 30 dias anteriores à pesquisa, com problemas de abastecimento de água. Uma parcela ainda maior, de 14%, sofreu com problemas de abastecimento de energia durante o mesmo período. Considerando empresas que tiveram problemas com falta de água ou energia, o universo de atingidas é de 18%. De acordo com os dirigentes destas empresas, os problemas de abastecimento de água ou energia, eles afetam, principalmente, a produção, por impedirem o funcionamento de máquinas e equipamentos. Para 21%, as principais consequências negativas dos problemas de abastecimento estão ligados ao atraso na entrega de produtos. Uma fatia similar (20%) avalia que esses problemas não causam impactos no funcionamento da empresa.

96 INDICADORES DA MICRO E PEQUENA INDÚSTRIA 96 Metodologia: Para determinação dos indicadores foram utilizadas técnicas estatísticas que possibilitam determinar a associação das variáveis (perguntas) do estudo. Por meio desse processo, foram identificadas novas dimensões que deram base aos indicadores, que foram estruturados da seguinte forma: Atividade Empresarial Atividade Econômica Investimento Custos Empregos Compreende a expectativa do empresariado sobre seu negócio: faturamento, margem e situação geral do negócio Expectativa da categoria econômica através da avaliação feita pelo empresariado deste universo. Associação das relações de investimentos efetuadas e as futuras a serem efetuadas Associação das relações de aumento de custos detectados no mês anterior e as suas expectativas futuras Associação das relações de contratação e fechamento de vagas no mês anterior e as suas expectativas futuras Com base nas informações coletadas procurou-se, para cada uma das dimensões encontradas, estabelecer um gradiente, pontuando com o maior escore a situação mais positiva e com o menor escore a situação mais negativa. Uma vez definido tal gradiente calculou-se o escore médio de cada variáveis concebidas nas dimensões. Para que todos os indicadores fossem trabalhados na mesma escala optou-se em transforma-las em valores no intervalo de 0 a 100 (alteração de escala). Resultados: Em abril, o Indicador de Atividade Empresarial registrou 55 pontos, recuperando-se da baixa registrada em março, quando chegou a 51,3 pontos. Em fevereiro, o mesmo indicador registrou 54,5 pontos, e vinha em trajetória de baixa desde atingir seu ápice em setembro de 2013 (59,4 pontos). Na fatia das micro indústrias, o indicador passou de 50,5 pontos para 53,6 pontos. Entre as pequenas, houve alta mais intensa, e o indicador passou de 55,3 pontos para 63,0 pontos. O Indicador de Atividade Econômica registrou movimento semelhante, com pequena recuperação em abril (55,2 pontos) após queda em entre fevereiro (59,9 pontos) e março (52,8 pontos). A recuperação entre março e abril foi mais acentuada entre as pequenas (de 50,1 pontos para 57 pontos). Entre as micros, oscilou de 53,4 pontos para 54,9 pontos.

97 O Indicador de Investimentos apresentou estabilidade em abril na comparação com março, oscilando de 25 pontos para 25,4 pontos no período. Após querda expressiva, o indicador de investimento das pequenas indústrias registrou alta (de 26,5 pontos em março para 35,8 pontos em abril), voltando para o patamar registrado em fevereiro (35,7 pontos). 97 O Indicador de Custos passou de 52,8 pontos para 51,1 pontos entre março e abril, o que mostra estabilidade nas condições de custo enfrentadas pelas empresas da categoria. Quanto mais alta a pontuação, menor é a expectativa dos empresários com o aumento de custos na produção (logística, mão de obra e insumos). O Indicador de Emprego registrou tendência similar e passou 50,6 pontos para 51,3 pontos no mesmo período.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

PESQUISADORES. Pesquisadores

PESQUISADORES. Pesquisadores Pesquisadores Objetivos 2 Conhecer a opinião dos pesquisadores apoiados pela FAPESP sobre o tema Ciência e Tecnologia. 3 Principais resultados Principais resultados 4 Melhores recursos financeiros e credibilidade

Leia mais

Mais da metade dos brasileiros pagam compras com o cartão de crédito, principalmente roupas, calçados e eletrodomésticos

Mais da metade dos brasileiros pagam compras com o cartão de crédito, principalmente roupas, calçados e eletrodomésticos USO DO CARTÃO DE CRÉDITO Mais da metade dos brasileiros pagam compras com o cartão de crédito, principalmente roupas, calçados e eletrodomésticos Mais da metade dos brasileiros (53%) faz uso do cartão

Leia mais

Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde. Apresentação em Agosto de 2012

Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde. Apresentação em Agosto de 2012 1 Relacionamento dos médicos associados à SOGESP com os Planos de saúde Apresentação em Agosto de 2012 Índice 2 Objetivo Metodologia Perfil do médico associado Avaliação das operadoras de planos de saúde

Leia mais

Sumário. 1 A pirâmide social brasileira: 3 As aspirações e os desejos. 4 Um povo cada vez mais otimista...26. 5 As diferenças regionais:

Sumário. 1 A pirâmide social brasileira: 3 As aspirações e os desejos. 4 Um povo cada vez mais otimista...26. 5 As diferenças regionais: Sumário 1 A pirâmide social brasileira: uma mudança à vista?...4 Renda familiar e renda disponível: as classes DE chegam ao ponto de equilíbrio...10 3 As aspirações e os desejos de consumo do brasileiro...18

Leia mais

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões

PERÍODO AMOSTRA ABRANGÊNCIA MARGEM DE ERRO METODOLOGIA. População adulta: 148,9 milhões OBJETIVOS CONSULTAR A OPINIÃO DOS BRASILEIROS SOBRE A SAÚDE NO PAÍS, INVESTIGANDO A SATISFAÇÃO COM SERVIÇOS PÚBLICO E PRIVADO, ASSIM COMO HÁBITOS DE SAÚDE PESSOAL E DE CONSUMO DE MEDICAMENTOS METODOLOGIA

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Abril/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Março/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Abril/2015. O mês de março mostrou mais uma queda no faturamento dos

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas

Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas SERVIÇO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DE SÃO PAULO SEBRAE-SP PESQUISAS ECONÔMICAS Estudo da Mortalidade das Empresas Paulistas Relatório final Realização: Dezembro - 1999 Estudo da Mortalidade

Leia mais

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA

PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA PROJETO RUMOS DA INDÚSTRIA PAULISTA AVALIAÇÃO DO 1º SEMESTRE E PERSPECTIVAS PARA O 2º SEMESTRE DE 2014 Agosto/2014 Esta pesquisa tem como objetivo avaliar o desempenho do primeiro semestre de 2014, as

Leia mais

Resultados e Análises Rodada de. Referente ao 2º Trimestre de 2015

Resultados e Análises Rodada de. Referente ao 2º Trimestre de 2015 Resultados e Análises Rodada de Maio de 2015 Referente ao 2º Trimestre de 2015 Ano 5, n 20, Maio de 2015 Ribeirão Preto Índice de Confiança dos Fornecedores do Setor Sucroenergético (ICFSS) Reed Exhibitions

Leia mais

Avaliação governo Dilma Rousseff. Expectativas econômicas. 03 a 05/06/2014. www.datafolha.com.br

Avaliação governo Dilma Rousseff. Expectativas econômicas. 03 a 05/06/2014. www.datafolha.com.br Intenção de voto presidente Avaliação governo Dilma Rousseff Opinião sobre os protestos Expectativas econômicas PO813747 03 a 05/06/2014 INTENÇÃO DE VOTO PARA PRESIDENTE JUNHO DE 2014 DILMA CAI, MAS ADVERSÁRIOS

Leia mais

O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente Junho/2015

O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente Junho/2015 O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente Junho/2015 1. INTRODUÇÃO 84% dos consumidores que não possuem conta corrente fazem compras parceladas O fato de não possuir conta em banco

Leia mais

10 Anos de Monitoramento da Sobrevivência e Mortalidade de Empresas. 13/Outubro/2008

10 Anos de Monitoramento da Sobrevivência e Mortalidade de Empresas. 13/Outubro/2008 10 Anos de Monitoramento da Sobrevivência e Mortalidade de Empresas 13/Outubro/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar (atualizar) a taxa de mortalidade das empresas; Identificar os principais

Leia mais

O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente

O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente O uso do Crédito por consumidores que não possuem conta corrente Maio de 2015 Slide 1 OBJETIVOS DO ESTUDO Mapear atitudes e comportamentos das pessoas que não possuem conta corrente em banco com relação

Leia mais

Análise do Comério Varejista Janeiro-2016

Análise do Comério Varejista Janeiro-2016 Análise do Comério Varejista Janeiro-2016 A Análise do Comércio Varejista é uma avaliação bimestral que visa mostrar o desempenho dos negócios do comércio no mês de Dezembro/2015 e identifica a percepção

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indicadores CNI SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Indústria da construção aprofunda deterioração A indústria da construção continua a se deteriorar. O índice de nível de atividade e o número de empregados

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Quarto Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário Índice

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Mercado de meios de pagamento eletrônico. ANO II Outubro/2009

Mercado de meios de pagamento eletrônico. ANO II Outubro/2009 Mercado de meios de pagamento eletrônico ANO II Outubro/2009 Objetivo Estudar a utilização dos meios eletrônicos de pagamento e os níveis de satisfação dos consumidores e estabelecimentos comerciais, em

Leia mais

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi

Cenário positivo. Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37. Texto: Lucas Rizzi Cenário positivo Construção e Negócios - São Paulo/SP - REVISTA - 03/05/2012-19:49:37 Texto: Lucas Rizzi Crescimento econômico, redução da pobreza, renda em expansão e dois grandes eventos esportivos vindo

Leia mais

Confiança do comércio paranaense volta a subir

Confiança do comércio paranaense volta a subir Pesquisa de Opinião do Empresário do www.fecomerciopr.com.br www.sebraepr.com.br COMÉRCIO Nº 25 ANO 11 MÊS JANEIRO / JUNHO 2014 Confiança do comércio paranaense volta a subir Apresentação 1º 2014 Confiança

Leia mais

O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL

O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL O FINANCIAMENTO DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL Abril/2014 2014 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados Curso Online 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam o Fluxo de Caixa (Internos e Externos) _Desequilíbrio Financeiro

Leia mais

Financiamento de Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Estado de São Paulo

Financiamento de Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Estado de São Paulo Financiamento de Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Estado de São Paulo SONDAGEM DE OPINIÃO Outubro de 2006 1 Características da Pesquisa Objetivos: Identificar as principais formas utilizadas pelas empresas

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013

AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO 2013 1 AVALIAÇÃO DOS PLANOS DE SAÚDE PELOS USUÁRIOS ANO II SÃO PAULO Temas 2 Objetivo e metodologia Utilização dos serviços do plano de saúde e ocorrência de problemas Reclamação ou recurso contra o plano de

Leia mais

Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina. Síntese dos resultados Meses Situação da família

Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina. Síntese dos resultados Meses Situação da família Núcleo de Pesquisas Pelo segundo mês consecutivo cai o endividamento e a inadimplência em Santa Catarina Os dados levantados pela Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores (PEIC) de Santa

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 86 outubro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 86 outubro de 2014. Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 86 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Análise de indicadores bancários e financeiros em 2014 1 A concentração bancária brasileira em

Leia mais

MAIS DA METADE DOS CAPIXABAS NÃO POSSUI PLANO DE SAÚDE

MAIS DA METADE DOS CAPIXABAS NÃO POSSUI PLANO DE SAÚDE MAIS DA METADE DOS CAPIABAS NÃO POSSUI PLANO DE SAÚDE Emmanuelle Serrano Queiroz Em alguns países, as despesas com saúde já correspondem a mais de 10% do PIB. E, um fator que será determinante para o aumento

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009.

FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009. FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009 Aluno(a): Turma: Data: 14/12/2009 Avaliação Contabilidade Avançada II 1ª Questão

Leia mais

LIMITAÇÃO DA TAXA DE JUROS DO CARTÃO DE CRÉDITO

LIMITAÇÃO DA TAXA DE JUROS DO CARTÃO DE CRÉDITO LIMITAÇÃO DA TAXA DE JUROS DO CARTÃO DE CRÉDITO 1. EMENTA O objetivo do trabalho é analisar o PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 140, de 2015, que limita a taxa de juros a ser cobrada nos financiamentos concedidos

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

PRODUTIVIDADE E A PESQUISA ANUAL DE SERVIÇOS NA HOTELARIA E GASTRONOMIA BRASILEIRA

PRODUTIVIDADE E A PESQUISA ANUAL DE SERVIÇOS NA HOTELARIA E GASTRONOMIA BRASILEIRA PRODUTIVIDADE E A PESQUISA ANUAL DE SERVIÇOS NA HOTELARIA E GASTRONOMIA BRASILEIRA SUBSÍDIOS ESPECIAIS PARA FERTHORESP / FERTHOTEL FEVEREIRO 2012 - ALOISIO LEÃO DA COSTA...o IBGE realiza anualmente a Pesquisa

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE

SONDAGEM INDUSTRIAL PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2004 RESULTADOS DE RIO BRANCO - ACRE O QUE É A SONDAGEM INDUSTRIAL A Sondagem é uma pesquisa qualitativa realizada trimestralmente pela CNI e pelas Federações das s de 19 estados do país (AC, AL, AM, BA, CE, ES, GO, MG, MS, MT, PA, PB, PE,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO GOVERNO DESEMPENHO PESSOAL DA PRESIDENTE

AVALIAÇÃO DO GOVERNO DESEMPENHO PESSOAL DA PRESIDENTE Resultados da 127ª Pesquisa CNT/MDA Brasília, 23/03/2015 A 127ª Pesquisa CNT/MDA, realizada de 16 a 19 de março de 2015 e divulgada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), mostra a avaliação dos

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

PLANO DE SAÚDE SETEMBRO DE 2011 1

PLANO DE SAÚDE SETEMBRO DE 2011 1 PLANO DE SAÚDE SETEMBRO DE 2011 1 CRESCEU O NÚMERO DE USUÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE Emmanuelle Serrano Queiroz Segundo reportagem publicada pela revista Exame, o crescimento dos gastos com saúde é tendência

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Pesquisa de Satisfação da Qualidade de Atendimento dos serviços oferecidos aos prestadores da operadora

Pesquisa de Satisfação da Qualidade de Atendimento dos serviços oferecidos aos prestadores da operadora Pesquisa de Satisfação da Qualidade de Atendimento dos serviços oferecidos aos prestadores da operadora Julho de 2011 OBJETIVO Avaliar a satisfação da qualidade do atendimento dos serviços oferecidos aos

Leia mais

Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real

Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real Veículo: Bahia Negócios Data: 28/05/14 Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real Em 1994, quando foi instituído o Plano Real, o salário mínimo custava R$ 64,79. Passados

Leia mais

O brasileiro e sua relação com o dinheiro III. Módulo 1 - População

O brasileiro e sua relação com o dinheiro III. Módulo 1 - População O brasileiro e sua relação com o dinheiro III Módulo - 200 Metodologia 2 Técnica Pesquisa quantitativa, com abordagem pessoal e domiciliar, nas capitais brasileiras e em cidades do interior e região metropolitana

Leia mais

A Percepção dos Serviços de Saúde Suplementar no Brasil Uma visão crítica MARLENE TREUK GERENTE PESQUISA DE MERCADO INSTITUTO DE PESQUISA DATAFOLHA

A Percepção dos Serviços de Saúde Suplementar no Brasil Uma visão crítica MARLENE TREUK GERENTE PESQUISA DE MERCADO INSTITUTO DE PESQUISA DATAFOLHA A Percepção dos Serviços de Saúde Suplementar no Brasil Uma visão crítica MARLENE TREUK GERENTE PESQUISA DE MERCADO INSTITUTO DE PESQUISA DATAFOLHA Satisfação do consumidor SATISFAÇÃO é o sentimento de

Leia mais

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a Gestão Financeira Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Março 2013

Relatório de Pesquisa. Março 2013 Relatório de Pesquisa SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Março 2013 SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram ouvidos em todo o país 615 varejistas.

Leia mais

METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais.

METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais. METODOLOGIA METODOLOGIA AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO 2.085 pessoas foram entrevistadas, a partir de 16 anos, de todos os níveis econômicos em todas as regiões do país. As entrevistas foram

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Sobrevivência e Mortalidade das Empresas Paulistas de 1 a 5 anos. Outubro de 2005

Sobrevivência e Mortalidade das Empresas Paulistas de 1 a 5 anos. Outubro de 2005 Sobrevivência e Mortalidade das Empresas Paulistas de 1 a 5 anos Outubro de 2005 1 Objetivos: Características da pesquisa Identificar (atualizar) a taxa de mortalidade das empresas de 1 a 5 anos. Identificar

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE O USO DA ÁGUA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE O USO DA ÁGUA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE O USO DA ÁGUA FEVEREIRO DE 2011 JOB087 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL O projeto tem por objetivo geral mapear as percepções, opiniões e atitudes da

Leia mais

Intenção de voto para presidente da República PO813749. www.datafolha.com.br

Intenção de voto para presidente da República PO813749. www.datafolha.com.br Intenção de voto para presidente da República PO813749 01 e 02/07/2014 INTENÇÃO DE VOTO PARA PRESIDENTE JULHO DE 2014 EM MÊS MARCADO POR COPA, DILMA RECUPERA PREFERÊNCIA DE ELEITORES Queda nos votos em

Leia mais

Meios de pagamento aceitos pelas micro e pequenas empresas brasileiras Agosto/15

Meios de pagamento aceitos pelas micro e pequenas empresas brasileiras Agosto/15 Meios de pagamento aceitos pelas micro e pequenas empresas brasileiras Agosto/15 Conceder desconto no pagamento à vista é estratégia adotada por grande parte dos empresários. Cartões ganham cada vez mais

Leia mais

O Financiamento dos Pequenos Negócios no Brasil em 2014

O Financiamento dos Pequenos Negócios no Brasil em 2014 O Financiamento dos Pequenos Negócios no Brasil em 2014 Novembro 2014 1 Introdução Objetivos: - Avaliar as principais características do universo dos Pequenos Negócios no Brasil, quanto à questão do seu

Leia mais

Indicador inédito da Serasa Experian aponta que qualidade do crédito do consumidor se recupera e atinge patamar pré-crise

Indicador inédito da Serasa Experian aponta que qualidade do crédito do consumidor se recupera e atinge patamar pré-crise LANÇAMENTO INDICADOR SERASA EXPERIAN DE QUALIDADE DO CRÉDITO MAIO 2009 Indicador inédito da Serasa Experian aponta que qualidade do crédito do consumidor se recupera e atinge patamar pré-crise A Serasa

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho Outubro de 2009 Julho de 2012 Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho O Índice de Confiança da Indústria de Transformação de Pernambuco (ICI-PE) volta a recuar em julho

Leia mais

BOLETIM MENSAL Julho/2011

BOLETIM MENSAL Julho/2011 Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho BOLETIM MENSAL Julho/2011 DADOS: CAGED (MTE) Mês/Ano RAIS (MTE) 2010 Este número do Boletim do Observatório do Emprego e do Trabalho da Secretaria do Emprego

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL DEZEMBRO 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL DEZEMBRO 2015 No ano de 2015, Sondagem mostra que a indústria de Campinas paralisa investimentos; estagnação da lucratividade, leve redução da produção e aumento de custos podem explicar a resistência para investir

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Março/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Fevereiro/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Março/2015. Neste mês, 20,8% dos empresários conseguiram aumentar

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI ISSN 27-702 Ano 5 Número 24 Agosto de 205 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Crise econômica I - Mercado de trabalho 24 Crise econômica muda relação de brasileiros com o mercado de trabalho

Leia mais

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL

SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL SIMCO 5.0 SIMULAÇÃO COMERCIAL MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Janeiro de 2008. Todos os direitos são reservados. Nenhuma

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

Construção encerra o ano em ritmo fraco

Construção encerra o ano em ritmo fraco SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 4 Número 12 Dezembro de 2013 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Dificuldade no acesso ao crédito

Leia mais

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000)

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000) Blumenau SC, 27 de julho de 2007 A Cremer S.A. (Bovespa: CREM3), distribuidora de produtos para a saúde e também líder na fabricação de produtos têxteis e adesivos cirúrgicos, anuncia hoje seus resultados

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013

SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013 SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL S I N A P I RESULTADOS DE MAIO/2013 COMENTÁRIOS Índice Nacional da Construção Civil varia -5,12% em Maio O Índice Nacional da Construção

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº58 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Índice de Vendas acumula queda de -1,02% até outubro Vendas do setor

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE. Leandro de Souza Lino

PLANOS DE SAÚDE. Leandro de Souza Lino 1 PLANOS DE SAÚDE Leandro de Souza Lino Na atualidade, as pessoas estão cada vez mais preocupadas com a qualidade de vida e, por sua vez, com a saúde. Assim, a necessidade de ter planos de saúde se faz

Leia mais

Indicador de Recuperação de Crédito SPC CDL/BH ABRIL/2016

Indicador de Recuperação de Crédito SPC CDL/BH ABRIL/2016 Indicador de Recuperação de Crédito SPC CDL/BH ABRIL/2016 Elaborado: Economia - Pesquisa & Mercado Equipe Técnica: Economista Ana Paula Bastos Estatística Sarah Ribeiro Analista de economia André Correia

Leia mais

Núcleo de Pesquisa. Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina

Núcleo de Pesquisa. Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina Federação do Comércio do Estado de Santa Catarina Pesquisa de Endividamento e Inadimplência dos Consumidores de outubro de 2014 Endividamento das famílias catarinenses mantém-se praticamente estável em

Leia mais

Intenção de voto para presidente 2014 PO813734. www.datafolha.com.br

Intenção de voto para presidente 2014 PO813734. www.datafolha.com.br Intenção de voto para presidente 2014 PO813734 19 e 20/02/2014 INTENÇÃO DE VOTO PARA PRESIDENTE FEVEREIRO DE 2014 MESMO COM DESEJO DE MUDANÇA, DILMA MANTÉM LIDERANÇA NA CORRIDA ELEITORAL 67% preferem ações

Leia mais

Metodologia e Amostra

Metodologia e Amostra Metodologia e Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. Objetivo Geral Levantar o nível de satisfação dos estudantes com relação às FATECs

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1

PAINEL. US$ Bilhões. nov-05 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 68 1 a 15 de fevereiro de 211 ANÚNCIOS DE INVESTIMENTOS De

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Metodologia AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais.

Metodologia AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO. A margem de erro máxima para o total da amostra é 2,0 pontos percentuais. Junho / 2014 Metodologia Metodologia AMOSTRA ABRANGÊNCIA PERÍODO MARGEM DE ERRO 2.126 pessoas foram entrevistadas, a partir de 16 anos, de todos os níveis econômicos em todas as regiões do país. As entrevistas

Leia mais

Perspectivas para novas contratações no Brasil voltam a cair para o próximo trimestre

Perspectivas para novas contratações no Brasil voltam a cair para o próximo trimestre EMBARGADO ATÉ 8 DE MARÇO DE 2016 Perspectivas para novas contratações no Brasil voltam a cair para o próximo trimestre As mais fracas intenções para contratações estão no estado do Rio de Janeiro e no

Leia mais

Indústria indica recuperação gradual impelida pelo investimento, mas com trajetória irregular

Indústria indica recuperação gradual impelida pelo investimento, mas com trajetória irregular Indústria indica recuperação gradual impelida pelo investimento, mas com trajetória irregular O importante a conferir é a tendência da retomada e a resposta das medidas acionadas para alçar a produção

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio

1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio. 1.2. Sondagem do comércio Nº 45- Maio/2015 1. COMÉRCIO 1.1. Pesquisa Mensal de Comércio O volume de vendas do comércio varejista restrito do estado do Rio de Janeiro registrou, em fevereiro de 2015, alta de 0,8% em relação ao mesmo

Leia mais

Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico

Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico introdução A Armadilha do Crédito Fundiário do Banco Mundial Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico abrangente sobre os programas do Banco Mundial para o campo no Brasil. O estudo foi realizado pela

Leia mais

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro.

Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Relação entre Capital de Giro e Necessidade de Capital de Giro. Tendo em vista que o capital de giro representa o saldo correspondente à diferença entre os saldos das contas do ativo e passivo circulantes,

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Março de 2013

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Março de 2013 Relatório de Estabilidade Financeira Banco Central do Brasil Março de 2013 Pontos abordados para o Sistema Bancário* Base: 2º semestre/12 Risco de liquidez Captações Risco de crédito Portabilidade Crédito

Leia mais

Perfil de endividamento das famílias por faixas de renda para São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte

Perfil de endividamento das famílias por faixas de renda para São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte Perfil de endividamento das famílias por faixas de renda para São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte Em agosto de 2014, as famílias com renda entre cinco e dez salários mínimos apresentaram a maior

Leia mais

TV VITÓRIA/FLEXCONSULT

TV VITÓRIA/FLEXCONSULT CERTIFICADA PELA ABEP/ESOMAR* PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA ESTADUAL TV VITÓRIA/FLEXCONSULT AVALIAÇÃO DO GOVERNO DO ESTADO E DO GOVERNO FEDERAL Março-Abril de 2012 * O Certificado de Qualidade da ABEP/ESOMAR

Leia mais

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Essa publicação apresenta as projeções de custos de produção

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº59 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 22 de Dezembro de 2015 Supermercados mostram queda de -1,61% até novembro Desemprego e renda

Leia mais

Resumo de Notícias. Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Telecomunicações e Operadoras de Mesas Telefônicas no Estado do Espírito Santo

Resumo de Notícias. Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Telecomunicações e Operadoras de Mesas Telefônicas no Estado do Espírito Santo 27/11/2014 - Teletime Rezende alerta que se escolherem ir à Justiça, teles saem perdendo O presidente da Anatel, conselheiro João Rezende, afirmou nesta quinta, 27, que a agência não concorda com a tese

Leia mais

Pesquisa IBOPE Ambiental. Setembro de 2011

Pesquisa IBOPE Ambiental. Setembro de 2011 Pesquisa IBOPE Ambiental Setembro de 2011 Com quem falamos? Metodologia & Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas telefônicas. Objetivo geral Identificar

Leia mais

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das

As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das Comentários dos resultados As avaliações sobre a evolução e o comportamento dos valores das despesas das famílias e da distribuição dessas despesas, segundo os diversos itens adquiridos ou pagos, possibilitam

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Panorama da micro e pequena indústria de São Paulo. 1º semestre de 2014

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Panorama da micro e pequena indústria de São Paulo. 1º semestre de 2014 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Panorama da micro e pequena indústria de São Paulo 1º semestre de 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

Construção intensifica insatisfação com a situação financeira

Construção intensifica insatisfação com a situação financeira SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 3 Março de 2014 www.cni.org.br ISSN 2317-7322 Destaques ANÁLISE ECONÔMICA Piora na situação financeira é

Leia mais

1. Metodologia. Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa Regular Bimestral 2009/01

1. Metodologia. Sumário Executivo. Pesquisa Quantitativa Regular Bimestral 2009/01 2 Sumário Executivo Pesquisa Quantitativa Regular Bimestral 2009/01 No período entre 17 a 24 de junho de 2009 foi realizado o levantamento de dados da Pesquisa Quantitativa Regular Bimestral 01. O objetivo

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL

INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL INDICADORES INDUSTRIAIS RIO GRANDE DO SUL OUTUBRO DE 2014 Outubro de 2014 www.fiergs.org.br Indústria cresce pelo quarto mês seguido O IDI/RS, Índice de Desempenho Industrial do Rio Grande do Sul, apontou

Leia mais

O investimento vem a reboque

O investimento vem a reboque O investimento vem a reboque IstoÉ Dinheiro - São Paulo/SP - ECONOMIA - 07/06/2012-20:00:00 Luís Artur NOGUEIRA e Guilherme QUEIROZ O aumento do consumo é essencial para que os empresários voltem a investir,

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados

Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Motivos de transferência do negócio por parte dos franqueados Por Maria Teresa Somma Com o intuito de entender os motivos que levam franqueados a transferir o seu negócio, foi realizada uma pesquisa exploratória

Leia mais

renda fixa? seu dinheiro É hora de apostar na #92 Tudo indica que os juros deverão voltar a subir para controlar a inflação

renda fixa? seu dinheiro É hora de apostar na #92 Tudo indica que os juros deverão voltar a subir para controlar a inflação #92 É hora de apostar na renda fixa? Tudo indica que os juros deverão voltar a subir para controlar a inflação seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Para quê moeda? Brasileiros utilizam cada

Leia mais

Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010. Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010

Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010. Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010 Pesquisa de Avaliação da Feira do Empreendedor 2010 Visitantes e Expositores SEBRAE/SE SETEMBRO/2010 Sumário Introdução 3 Objetivos Estratégicos 4 Metodologia 5 Resultados Estratégicos 9 Resultados Reação

Leia mais