PSP: Personal Software Process. PSP- Personal Software Process. PSP: Personal Software Process. PSP: Personal Software Process

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PSP: Personal Software Process. PSP- Personal Software Process. PSP: Personal Software Process. PSP: Personal Software Process"

Transcrição

1 PSP- Personal Software Process Maria Cláudia F. P. Emer PSP: Personal Software Process z Já foram vistas ISO/IEC 9126 foco no produto ISO 9001 e CMM foco no processo de desenvolvimento z Critica a essas abordagens Difícil aplicação em pequenas empresas ou no nível individual PSP: Personal Software Process z Surgimento do PSP z SEI (Software Engineering Institute), por Watts Humphrey z Objetivo Æ ajudar as pessoas a serem melhores engenheiros de software PSP: Personal Software Process z Visa melhorar, no nível pessoal: Capacidade de planejamento Acompanhamento Qualidade dos resultados z Benefícios Melhoria de produtividade Melhoria do perfil de qualidade dos produtos Os quatro níveis do PSP PSP0: Processo referencial (Baseline process) z Estabelecimento de práticas de medidas z Formatos de relatórios base para melhoria contínua pessoal 1

2 PSP0: Processo referencial (Baseline process) z PSP0.1: Padrões de programação Práticas de medida de tamanho de produto de trabalho Proposta de melhoria de processo (PIP Process Improvement Proposal) registro de problemas nos processos, experiências e propostas de melhoria PSP1: Processo de planejamento pessoal z Práticas de planejamento z Relatório de teste z Práticas de estimativa de tamano e recurso PSP1: Processo de planejamento pessoal z PSP1.1: Planejamento de tarefas Elaboração de cronogramas O planejamento no nível pessoal permite: z Melhor compreensão do tamanho do programa e tempo gasto no seu desenvolvimento z Assumir compromissos com certeza de seu cumprimento z Organizar o trabalho z Acompanhar melhor o status do desenvolvimento PSP2: Processo de gestão pessoal de qualidade z Gerenciamento dos próprios erros z Técnicas de inspeção e revisão para detecção de defeitos Coleta e análise de dados de defeitos de compilação e teste detectados em programas anteriores Avaliação da evolução do nível de qualidade do programador PSP2: Processo de gestão pessoal de qualidade z PSP2.1: Processo de design Auxilia no estabelecimento de critérios de completitude e de técnicas de verificação e consistência PSP3: Processo pessoal cíclico z Subdividir o programa em módulos z Desenvolvimento incremental z Cada módulo é um ciclo completo de design, codificação e teste (PSP2) z Controle de qualidade de cada módulo z Uso de relatórios z Testes de regressão 2

3 Utilização do PSP z Benefícios concretos para os desenvolvedores [Humphrey 95]: Melhor entendimento do trabalho, através da definição, medição e acompanhamento Uso de uma estrutura de processos definida e critérios mensuráveis Æ avaliação de experiências anteriores Possibilidade de selecionar métodos e técnicas que melhor se adaptem ao trabalho Maior produtividade e eficácia nas equipes de desenvolvimento Utilização do PSP z Princípios que influenciam a produtividade e qualidade do processo de desenvolvimento Um processo bem definido e estruturado pode melhorar a eficiência no trabalho O processo pessoal deve ser ajustado ao conhecimento e preferência de cada um O desenvolvedor se sente à vontade com o processo se participar de sua definição Na medida que o conhecimento e habilidade de um profissional evoluem, o processo utilizado deve evoluir A melhoria contínua fica facilitada com um processo de realimentação permanente PSP e CMM z PSP foi criado a partir do CMM z A idéia é trazer ao nível de programador os conceitos de processo tratados pelo CMM SPICE ISO/IEC Maria Cláudia F. P. Emer SPICE ISO/IEC z SPICE Software Process Improvement and Capability determination z Nome dado ao projeto de elaboração da futura norma ISO/IEC z Surgiu pela necessidade de uma norma de avaliação de processo de software SPICE ISO/IEC z Objetivo: Ser mais geral e abrangente que modelos existentes Ser mais específica que a ISO 9001 z É dividida em duas dimensões: Processo Capacidade de processo 3

4 Documentos que formam o SPICE Uso da ISO/IEC z Pode ser usada para avaliação quanto a: Melhoria de processo Gerar um perfil dos processos que serão usados em um plano de melhorias O perfil deve conter objetivos e contexto para avaliação, modelo e método para avaliação e objetivos de melhoria Uso da ISO/IEC z Melhoria de processo Uso da ISO/IEC z Pode ser usada para avaliação quanto a: Determinação da capacidade dos processo de uma organização Avaliar um possível fornecedor Perfil de capacidade objetivos e métodos de avaliação, modelos e métodos de avaliação e requisitos esperados O perfil de capacidade permite estimar o risco associado a contratação do fornecedor Uso da ISO/IEC z Determinação da capacidade Estrutura do Modelo de Referência z Dimensão de processo Processos de desenvolvimento são vistos conforme a norma ISO/IEC (ciclo de vida de software) z Dimensão de capacidade Modelo de medição com base na identificação de um conjunto de atributos que permite determinar a capacidade de um processo para atingir seus propósitos 4

5 Dimensão de processos z Três agrupamentos básicos : categorias de engenharia de software e de ralação cliente-fornecedor : categoria de processos de apoio : categorias de processos de gestão e processos organizacionais Dimensão de processos z Cinco categorias de processos CUS: cliente-fornecedor (customer-supplier) ENG: engenharia de software (engineering) SUP: apoio (support) MAN: gestão (management) ORG: organizacionais (organization) primários z Categoria CUS z CUS: processos que afetam diretamente o cliente CUS.1Æ processo de aquisição: obtenção de um produto que satisfaça as necessidades expressas pelo cliente z Preparação para aquisição z Seleção do fornecedor z Monitoramento do fornecedor z aceitação z Categoria CUS CUS.2Æ processo de fornecimento: fornecimento do software para o cliente, satisfazendo suas necessidades z Preparação de um contrato z Entrega z Instalação do produto z Categoria CUS CUS.3Æ elicitação de requisitos: indica coletar, processar, controlar e acompanhar os requisitos do cliente z Mecanismos de comunicação com o cliente z Mecanismos de contro de mudanças de requisitos 5

6 z Categoria CUS CUS.4Æ processo de operação: fazer operar o software no ambiente de software e hardware para o qual ele foi desenvolvido e fornecer suporte ao cliente z Processo de uso operacional z Processo de suporte ao usuário z Categoria ENG z ENG: processos relacionados à construção e manutenção do produto de software ENG.1Æ processo de desenvolvimento: objetivo de transformar os requisitos em um produto de software z Processo de análise de requisitos do sistema z Processo de análise de requisitos de software z Categoria ENG ENG.1Æ continuação z Processo de projeto de software z Processo de construção de software z Processo de integração de software z Processo de teste de software z Processo de integração e teste de sistema z Categoria ENG ENG.2Æ processo de manutenção de software e de sistema: gerenciar modificações, migrações e desativações de software e sistema, a pedido do usuário Processos apoio z SUP: processos relacionados ao apoio ou suporte SUP.1Æ processo de documentação: desenvolver e manter documentos que registrem informações produzidas por outro processo ou atividade z Elaboração, controle, manutenção, revisão, aprovação e publicação de documentos e seu acesso 6

7 SUP.2Æ gestão de configuração: estabelecer e manter a integridade de todos os produtos de trabalho de algum processo ou do projeto z Estratégia de gestão da configuração z Identificação de itens de configuração z Controle de acesso e de mudanças de itens z Registro da situação de todos os itens z Controle do armazenamento e manuseio desse registro SUP.3Æ garantia da qualidade: assegurar que os produtos de trabalho e atividades de um processo ou projeto estão de acordo com os requisitos especificados e satisfazem aos palnos e regras estabelecidos z Estabelecimento de procedimentos para o tratamento de desvios encontrados em relação as regras, procedimentos e padrões z Pode fazer uso de resultados de processos de verificação, validação, revisão conjunta, auditoria e resolução de problemas z Os envolvidos com a garantia de qualidade devem ter autonomia na execução de suas tarefas SUP.4Æ processo de verificação: examinar se cada produto de trabalho ou serviços obtidos de um processo reflete as especificações de entrada do processo z Definição de uma estratégia de verificação z Definição de critérios de verificação z A verificação deve assegurar que os defeitos encontrados serão removidos e que os resultados serão disponibilizados para elementos relevantes z Processo relacionado com os processos ENG1.6 e ENG1.7 SUP.5Æ processo de validação: examinar se estão satisfeitos os requisitos para o uso pretendido de cada produto de trabalho ou serviço, resultado de um processo z Definição de uma estratégia de validação z Definição de critérios de validação z A verificação deve assegurar que os defeitos encontrados serão removidos, que os resultados serão disponibilizados para elementos relevantes e que os produtos são adequados para o uso pretendido z Processo relacionado ao processo ENG1.7 SUP.6Æ processo de revisão conjunta: permitir ao cliente a visibilidade do andamento do desenvolvimento quando comparado ao especificado no contrato z Aspectos técnicos e administrativos z Realização de revisões periódicas da situação de produtos e atividades por todas as partes interessadas em datas preestabelecidas z Solução de todas as pendências, problemas e desvios detectados SUP.7Æ processo de auditoria: determinar a conformidade de produtos identificados e atividades com planos, requisitos e com o contrato z Definição da estratégia de programação da auditoria z Especificação dos itens que serão auditados e por quais regras z O pessoal que conduz a auditoria deve ser independente àquele que executa o desenvolvimento z Os problemas detectados devem ser comunicados aos responsáveis para sua correção 7

8 SUP.8Æ processo de resolução de problemas: assegurar que todos os problemas encontrados sejam analisados, resolvidos e que tendências sejam observadas, para planejamento e execução de ações corretivas z Categoria MAN z MAN: processos que contêm práticas de natureza geral MAN.1Æ processo de gestão: organizar, monitorar e controlar a execução de qualquer processo ou função dentro da organização para garantir a satisfação de seus objetivos e dos objetivos de negócio da organização z Planejamento das atividades e dos recursos necessários z Análise da viabilidade de se atingir os objetivos associando às restrições técnicas, de custo e de prazo z Categoria MAN MAN.2Æ processo de gestão de projeto: identificar, estabelecer, coordenar e monitorar atividades, tarefas e recursos necessários para que um projeto produza serviços ou produtos de acordo com requisitos especificados z Definição do contexto de trabalho z Realização de análise de viabilidade z Produção de estimativas de recursos e esforço necessário para realização das tarefas z Categoria MAN MAN.3Æ processo de gestão da qualidade: monitorar a qualidade dos produtos e serviços do projeto e garantir a satisfação do cliente z Estabelecimento de metas conforme necessidades explícitas e implícitas dos clientes z Definição de pontos intermediários de verificação z Estabelecimento de uma estratégia contendo práticas de verificação e de garantia de qualidade, monitorando os resultados, comparando-os com as metas estabelecidas e coordenando as correçãoes necessárias z Categoria MAN MAN.4Æ processo de gestão de risco: identificar, analisar, priorizar e monitorar riscos continuamente, desenvolvendo planos de contingência para os mais críticos z Níveis organizacionais e de projeto z Definição de uma estratégia de gestão de riscos z Monitoramento contínuo dos riscos z Análise e priorização dos riscos z definição de métricas quantitativas de risco (evolução e variação) z Planejamento e execução de planos de contingência para prevenção de problemas 8

9 z Categoria ORG z ORG: processos associados às atividades gerais da organização, desde os objetivos do negócio até a gestão de recursos humanos ORG.1Æ processo de alinhamento gerencial: assegurar que os indivíduos na organização conheçam e entendam o seu papel e trabalhem para alcançar os objetivos de negócio da empresa, e também, compreendam a visão da empresa e sua missão z Categoria ORG ORG.2Æ processo de melhoria: estabelecer, medir, controlar e aperfeiçoar os processos do ciclo de vida de software z Processo para o estabelecimento de processos z Processo para a avaliação de processos z Processo de melhoria de processos z Categoria ORG ORG.3Æ processo de gestão de recursos humanos: prover para organização indivíduos capacitados para exercer os seus papéis, como indivíduos e em grupo z Avaliação periódica da necessidade de treinamento z Verificação da necessidade de recrutamento e contratação z Apoio à interação produtiva e hamônica entre grupos z Avaliação do desempenho dos profissionais da organização z Categoria ORG ORG.4Æ processo de infra-estrutura: manter de forma estável e confiável a infra-estrutura necessária para apoiar a execução de outros processos z A infra-estrutura inclui: hardware, software, métodos, ferramentas, técnicas, padrões e facilidade para o o desenvolvimento, operação e manutenção z Categoria ORG ORG.5Æ processo de medida: coletar e analisar dados relacionados aos produtos desenvolvidos e processos implementados na organização, apoiar a sua gestão e demonstrar de forma objetiva a qualidade dos produtos z Categoria ORG ORG.6Æ processo de reuso: promover e facilitar o reuso de produtos de trabalho de software novos ou existentes z Desenvolvimento de estratégia de reuso z Identificação de atividades relacionadas z Estabelecimento de infra-estrutura de apoio (rede de computadores, repositórios e gestão de configuração) 9

10 processo processo descrição dos atributos de processo z Estabelece uma escala de capacidade de processo z Seis níveis crescentes z Roteiro claro para orientar a melhoria de um processo z Medida de capacidade atributos de processo z Nível 0: processo incompleto Processo não implementado Processo não gera os produtos esperados Não há atributos de processo z Nível 1: processo executado Processo consegue alcançar os objetivos de alguma forma Processo gera os produtos esperados Atributo: z PA 1.1 Æ atributo de execução de processo: transformação de produtos de entrada em produtos de saída e os resultados esperados do processo são alcançados z Nível 2: processo gerenciado Processo executado de modo planejado, controlado, acompanhado, verificado e corrigido z PA 2.1 Æ atributo de execução de processo: mede até que ponto o processo é gerenciado para produzir os produtos que satisfazem ao seu objetivo Características: objetivos do processo em termos de qualidade, prazo e uso de recursos identificados, atribuição de responsabilidade pelo produto de trabalho feita, execução do processo é gerenciada z Nível 2: processo gerenciado z PA 2.2 Æ atributo de gestão dos produtos de trabalho: mede até que ponto os produtos de trabalho são documentados, controlados e verificados Características: requisitos dos produtos de trabalho documentados, requisitos para documentação e controle de produtos de trabalho definidos, dependências entre produtos de trabalho estão definidas, os produtos de trabalho têm suas mudanças controladas e são distribuídos em baselines, os produtos são verificados 10

11 z Nível 3: processo estabelecido Processo executado e gerenciado, é definido com base em princípios de engenharia de software z PA 3.1 Æ atributo de definição de processo: mede até que ponto o processo é definido com base em um processo padronizado Características: existe um processo padronizado na empresa, no qual as adaptações podem ser feitas; o processo é executado conforme um processo padronizado ou adaptado de acordo com orientações para adaptações; dados históricos do processo são coletados para auxiliar na compreensão do comportamento estatístico do processo; a experiência acumulada é usada para refinar o processo z Nível 3: processo estabelecido z PA 3.2 Æ atributo de recursos de processo: mede até que ponto o processo faz uso de recursos humanos e materiais para ser executado com sucesso Características: os papéis, responsabilidades e competências necessárias para execução do processo são identificados e documentados; a infra-estrutura necessária para a execução do processo é identificada e documentada; os recursos necessários são alocados e utilizados na execução do processo z Nível 4: processo previsível Processo executado, gerenciado e definido, é executado dentro de limites quantitativos bem definidos z PA 4.1 Æ atributo de medida: mede até que ponto métricas e objetivos de processo/produto são usados para assegurar que a execução do processo é efetiva, alcançando os objetivos de negócio da empresa Características:métricas são identificadas e coletas; as tendências observadas são analisadas; a capacidade de processo é medida z Nível 4: processo previsível z PA 4.2 Æ atributo de controle de processo: mede até que ponto o processo é controlado por intermédio da coleta, análise e uso de medidas para servir de base para ações corretivas, quando necessário Características: técnicas de medida são estabelecidas; características de produto e processo são medidas e usadas como insumo para permitir o controle de processo dentro de limites de variabilidade; o processo é gerenciado de forma quantitativa z Nível 5: processo em otimização Processo executado, gerenciado, definido e executado dentro de limites quantitativos, pode ser mudado e evoluído de maneira dinâmica e sob controle z PA 5.1 Æ atributo de mudança de processo: mede até que ponto mudanças na definição, gerência e execução do processo são controladas Características: impacto de mudança versus objetivos do processo e de seus produtos é avaliado; mudanças realizadas de forma controlada e prevenida; eficácia das mudanças é medida em relação ao planejado z Nível 5: processo em otimização z PA 5.2 Æ atributo de melhoria contínua: mede até que ponto as mudanças de processo contribuem para melhoria contínua Características: metas de melhoria de processo são estabelecidas conforme objetivos de negócio; possíveis fontes de risco e de problemas são identificadas; estratégia de melhoria contínua é estabelecida 11

12 Mecanismos de Pontuação z Baseia-se na verificação do grau de satisfação dos atributos de processo z Escala ordenada de quatro valores: N (not achieved) ou não atendido: 0% a 15% P (partially achieved) ou parcialmente atendido: 16% a 50% L (largely achieved) ou largamente atendido: 51% a 85% F (fully achieved) ou totalmente atendido: 86% a 100% Nível de capacidade z Processo pontuado em determinado nível se todos os atributos de processo dos níveis inferiores estiverem totalmente atendidos e que os atributos de processo desse nível sejam pelo menos largamente atendidos Nível de capacidade Perfil de nível de capacidade por projeto z Exemplo: PA 1.1 F PA 3.2 P PA 2.1 F PA 4.1 L PA 2.2 L PA 4.2 L PA 3.1 F PA 5.1 N Qual o nível desse processo? Perfil de nível de capacidade por projeto z Situação dos processos ENG1.1, ENG 1.2, ENG 1.3 e ENG 1.4 em vários projetos de uma organização 40% dos projetos têm o processo em ENG 1.3 no nível 2 20% dos projetos têm o processo em ENG 1.4 no nível 1, 70% no nível 2 e 10% no nível 3 Evoluções recentes z Foram detectados alguns problemas no TR (Technical Report) z Nova estrutura Prevê a redução do número de partes de nove para cinco z Parte 1: conceitos e vocabulário z Parte 2: realização de uma avaliação z Parte 3: guia para a realização de uma avaliação z Parte 4 guia para a utilização dos resultados de uma avaliaçao z Parte 5 um modelo-exemplo para avaliação Remoção da dimensão de processos 12

PSP Personal Software Process. Maria Cláudia F. P. Emer

PSP Personal Software Process. Maria Cláudia F. P. Emer PSP Personal Software Process Maria Cláudia F. P. Emer PSP: Personal Software Process Já foram vistas ISO/IEC 9126 foco no produto ISO 9001 e CMM foco no processo de desenvolvimento Critica a essas abordagens

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

Introdução. O Modelo CMM/SEI. Roteiro da Apresentação. Conceitos básicos de qualidade. Conceitos básicos de qualidade de software

Introdução. O Modelo CMM/SEI. Roteiro da Apresentação. Conceitos básicos de qualidade. Conceitos básicos de qualidade de software O Modelo CMM/SEI Francisco Rapchan Engenheiro de Computação Prof. do Depto de Informática - UFES / UNESC Mestrando em Informática Área de estudo: Engenharia de Software www.inf.ufes.br/~.br/~rapchanrapchan

Leia mais

Formação Técnica em Administração. Modulo de Padronização e Qualidade

Formação Técnica em Administração. Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Competências a serem trabalhadas ENTENDER OS REQUISITOS DA NORMA ISO 9001:2008 E OS SEUS PROCEDIMENTOS OBRIGATÓRIOS SISTEMA DE GESTÃO

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade O Comitê - ISO A Organização Internacional de Normalização (ISO) tem sede em Genebra na Suíça, com o propósito

Leia mais

Qualidade de Software Normatização

Qualidade de Software Normatização Qualidade de Software Normatização Norma ISO/IEC 12207 processo do ciclo de vida de software Norma criada em 1995 com o objetivo de fornecer uma estrutura comum para adquirente, fornecedor, desenvolvedor,

Leia mais

Avaliação de Processos de Software Utilizando a Norma ISO/IEC Autor : Anisio Iahn Orientador : Everaldo Artur Grahl

Avaliação de Processos de Software Utilizando a Norma ISO/IEC Autor : Anisio Iahn Orientador : Everaldo Artur Grahl Avaliação de Processos de Software Utilizando a Norma ISO/IEC 15504 Autor : Anisio Iahn Orientador : Everaldo Artur Grahl 1 Roteiro Introdução Objetivo Qualidade Processos Outros Modelos ISO/IEC 15504

Leia mais

ISO 9000, ISO 12207 e ISO 15504. Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista )

ISO 9000, ISO 12207 e ISO 15504. Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista ) Qualidade de Software Aula 5 (Versão 2012-01) 01) ISO 9000, ISO 12207 e ISO 15504 Professor Gabriel Baptista ( gabriel.baptista@uninove.br ) ( http://sites.google.com/site/professorgabrielbaptista ) Revisando...

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE SSC-546 Avaliação de Sistemas Computacionais Profa. Rosana Braga (material profas Rosely Sanches e Ellen F. Barbosa) Agenda Visão Geral de Qualidade Qualidade Aplicada ao Software

Leia mais

Gerenciamento da Integração de Projetos. Parte 03. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE-301. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento da Integração de Projetos. Parte 03. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE-301. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento da Integração de Projetos Parte 03 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE-301 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral. SSC 121-Engenharia de Software 1 Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa

Qualidade de Software: Visão Geral. SSC 121-Engenharia de Software 1 Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa Qualidade de : Visão Geral SSC 121-Engenharia de 1 Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2012 Qualidade de Qualidade é um termo que pode ter diferentes interpretações Existem muitas definições

Leia mais

Introdução ao CMM SM Capability Maturity Model

Introdução ao CMM SM Capability Maturity Model Introdução ao CMM SM Capability Maturity Model I Workshop de Qualidade em Produção de Software UEM - Universidade Estadual de Maringá Maringá - PR - 21 de novembro de 2001 Eduardo Paulo de Souza Eduardo.Souza@iti.gov.br

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I 2015.2 Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade de Software

Leia mais

Visão Geral da Norma ISO/IEC 12207

Visão Geral da Norma ISO/IEC 12207 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Visão Geral da Norma ISO/IEC 12207 Engenharia de Software 2o. Semestre

Leia mais

Manutenção de Software. Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2015

Manutenção de Software. Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2015 Manutenção de Software Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2015 Processos de Ciclo de Vida de Software Processos Fundamentais Aquisição Processos de Apoio Documentação

Leia mais

ISO/IEC Processo de ciclo de vida

ISO/IEC Processo de ciclo de vida ISO/IEC 12207 Processo de ciclo de vida O que é...? ISO/IEC 12207 (introdução) - O que é ISO/IEC 12207? - Qual a finalidade da ISO/IEC 12207? Diferença entre ISO/IEC 12207 e CMMI 2 Emendas ISO/IEC 12207

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Visão Geral Profa.Paulo C. Masiero masiero@icmc.usp.br ICMC/USP Algumas Dúvidas... Como são desenvolvidos os softwares? Estamos sendo bem sucedidos nos softwares que construímos?

Leia mais

AULA 02 Qualidade em TI

AULA 02 Qualidade em TI Bacharelado em Sistema de Informação Qualidade em TI Prof. Aderson Castro, Me. AULA 02 Qualidade em TI Prof. Adm. Aderson Castro, Me. Contatos: adersoneto@yahoo.com.br 1 Qualidade de Processo A Série ISO

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Versão 1.4 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 11/10/2012 1.0 Revisão das políticas EPG 26/11/2012 1.1 Revisão do Item de customização EPG 24/10/2013 1.2 Revisão

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Prof. Sam da Silva Devincenzi sam.devincenzi@gmail.com Qualidade de Software Demanda da vida moderna - os computadores passam a integrar a rotina diária; Produção de software vem

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE DEFINIÇÕES / RESUMO. Apostilas de NORMAS, disponíveis no site do professor. Prof. Celso Candido ADS / REDES / ENGENHARIA

QUALIDADE DE SOFTWARE DEFINIÇÕES / RESUMO. Apostilas de NORMAS, disponíveis no site do professor. Prof. Celso Candido ADS / REDES / ENGENHARIA DEFINIÇÕES / RESUMO Apostilas de NORMAS, disponíveis no site do professor. 1 NORMAS VISÃO GERAL Qualidade é estar em conformidade com os requisitos dos clientes; Qualidade é antecipar e satisfazer os desejos

Leia mais

CHECKLIST DE AUDITORIA INTERNA ISO 9001:2008

CHECKLIST DE AUDITORIA INTERNA ISO 9001:2008 4 Sistema de gestão da qualidade 4.1 Requisitos gerais A CICON CONSTRUTORA E INCORPORADORA: Determina, documenta, implementa e mantêm um sistema de gestão da qualidade para melhorar continuamente a sua

Leia mais

Nomenclatura usada pela série ISO Série ISO 9000

Nomenclatura usada pela série ISO Série ISO 9000 Slide 1 Nomenclatura usada pela série ISO 9000 (ES-23, aula 03) Slide 2 Série ISO 9000 ISO 9000 (NBR ISO 9000, versão brasileira da ABNT): Normas de gestão da qualidade e garantia da qualidade. Diretrizes

Leia mais

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 19011:2012 PROF. NELSON CANABARRO

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 19011:2012 PROF. NELSON CANABARRO FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DA QUALIDADE ISO 19011:2012 PROF. NELSON CANABARRO PRINCÍPIOS ISO 9001:2015 1. Foco no cliente 2. Liderança 3. Engajamento das pessoas 4. Abordagem de processo 5. Melhoria

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) De acordo com o PMBok 5ª ed., o escopo é a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto. Sendo ele referindo-se a: Escopo

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Novembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Finalizar o conteúdo da Disciplina Governança de

Leia mais

Qualidade de Processo de Software CMM / CMMI

Qualidade de Processo de Software CMM / CMMI Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software CMM / CMMI Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto de Ciências Exatas

Leia mais

Prof. Dejair Priebe Ferreira da Silva

Prof. Dejair Priebe Ferreira da Silva Visão Geral Alguns dos desenvolvedores de software continuam a acreditar que qualidade de software é algo com que você começa a se preocupar depois que o código foi gerado. Este é um erro que custa caro.

Leia mais

Processos de Validação e Verificação do MPS-Br

Processos de Validação e Verificação do MPS-Br Processos de Validação e Verificação do MPS-Br O Processo Validação "O propósito do processo Validação é confirmar que um produto ou componente do produto atenderá a seu uso pretendido quando colocado

Leia mais

Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto. Introdução. Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco.

Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto. Introdução. Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco. Capítulo 5 Gerenciamento do Escopo do projeto 1 Introdução Antes de iniciarmos vamos pensar um pouco. 2 Introdução 3 Introdução 4 Introdução 5 Introdução O projeto se inicia com a definição de quais objetivos

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Agosto de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Continuação do Domínio de Processos PO (PO4, PO5

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock

Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock Introdução à Gestão de Projetos; Gestão de Escopo; Gestão de Prazos; Gestão de Custos; Gestão de Pessoas; Gestão de Comunicação; Gestão

Leia mais

Por Constantino W. Nassel

Por Constantino W. Nassel NORMA ISO 9000 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 REQUISITOS E LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA IMPLEMENTAÇÃO Por Constantino W. Nassel CONTEÚDOS O que é a ISO? O que é a ISO 9000? Histórico Normas

Leia mais

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR

APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR APOSTILAS: NORMAS; ABNT NBR ISO; MPS BR Fonte: http://www.softex.br/mpsbr/_home/default.asp Apostilas disponíveis no site 1 NORMAS: NBR ISO NBR ISO/IEC CMM SPICE Continuação... 2 NORMAS VISÃO GERAL NBR

Leia mais

QUALIDADE Grau até o qual um conjunto de características satisfaz as necessidades! Cumprimento dos requisitos pré determinados no Escopo do projeto;

QUALIDADE Grau até o qual um conjunto de características satisfaz as necessidades! Cumprimento dos requisitos pré determinados no Escopo do projeto; SETOR DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL Prof.ª: MSc.: Heloisa Fuganti Campos 2 COMPETITIVIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL INTRODUÇÃO SATISFAÇÃO DOS CLIENTES! INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

Fábrica de Software Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás. Plano de Medição

Fábrica de Software Instituto de Informática Universidade Federal de Goiás. Plano de Medição Plano de Medição Sumário 1. Introdução 2. Objetivos 3. Objetivos Organizacionais 4. Armazenamento 4. Questões e Indicadores 5. Métricas 1. Introdução Este documento descreve o plano para a execução da

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO ISO 9001 ISO /03/2015 QUALIDADE! GERENCIAMENTO DE PROJETOS GESTÃO DE QUALIDADE

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO ISO 9001 ISO /03/2015 QUALIDADE! GERENCIAMENTO DE PROJETOS GESTÃO DE QUALIDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE CONSTRUÇÃO CIVIL INTRODUÇÃO 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS Prof.: Heloisa Campos COMPETITIVIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL SATISFAÇÃO DOS CLIENTES! INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

Melhoria de processos Qualidade. Engenharia de software Profª Karine Sato da Silva

Melhoria de processos Qualidade. Engenharia de software Profª Karine Sato da Silva Melhoria de processos Qualidade Engenharia de software Profª Karine Sato da Silva Problemática Hoje o grande desafio é desenvolver software de qualidade, dentro do prazo e custo estipulados, sem necessitar

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Seiji Isotani, Rafaela V. Rocha sisotani@icmc.usp.br rafaela.vilela@gmail.com PAE: Armando M. Toda armando.toda@gmail.com Garantia de Qualidade n n Qualidade do Produto (aula anterior)

Leia mais

Métricas de Software Importância e Aplicação

Métricas de Software Importância e Aplicação Métricas de Software Importância e Aplicação Mauricio Aguiar PSM Qualified Instructor Presidente da ti MÉTRICAS IFPUG Past President USC Visiting Associate www.metricas.com.br 1 Agenda Definindo e Alcançando

Leia mais

Exercícios 2ª Avaliação

Exercícios 2ª Avaliação Exercícios 2ª Avaliação Resposta dos exercícios realizados em sala 1 O gerenciamento moderno da qualidade e o gerenciamento moderno de projetos estão alinhados em relação a: A. Satisfação do cliente B.

Leia mais

Atuar no planejamento e execução das Auditorias da Qualidade. Estabelecer lista de verificação para auditoria;

Atuar no planejamento e execução das Auditorias da Qualidade. Estabelecer lista de verificação para auditoria; Página 1 de 9 AUDITORIAS DA QUALIDADE ETAPA 1. Objetivo geral: Atuar no planejamento e execução das Auditorias da Qualidade. Desempenho esperado: Estabelecer programa anual de auditorias; Elaborar agenda

Leia mais

Garantia da Qualidade, Medição e Melhoria. Leonardo Gresta Paulino Murta

Garantia da Qualidade, Medição e Melhoria. Leonardo Gresta Paulino Murta Garantia da Qualidade, Medição e Melhoria Leonardo Gresta Paulino Murta leomurta@ic.uff.br Exercício motivacional Leonardo Murta Garantia da Qualidade, Medição e Melhoria 2 Qualidade depende da perspectiva...

Leia mais

Gerência e Planejamento de Projeto. Engenharia de Software I Profa. Elisa Yumi Nakagawa 1 o semestre de 2015

Gerência e Planejamento de Projeto. Engenharia de Software I Profa. Elisa Yumi Nakagawa 1 o semestre de 2015 Gerência e Planejamento de Projeto Engenharia de Software I Profa. Elisa Yumi Nakagawa 1 o semestre de 2015 Conteúdo: Parte 1: Gerenciamento & Qualidade Plano de Projeto - aspectos gerais Parte 2: Plano

Leia mais

ABORDAGEM INICIAL DA INTER-RELAÇÃO DE ITENS DAS NORMAS ISO 9001:2008 e 14001:2004

ABORDAGEM INICIAL DA INTER-RELAÇÃO DE ITENS DAS NORMAS ISO 9001:2008 e 14001:2004 ABORDAGEM INICIAL DA INTER-RELAÇÃO DE ITENS DAS NORMAS ISO 9001:2008 e 14001:2004 JOSÉ EDUARDO DO COUTO BARBOSA 1 ALAN FERNANDO TORRES 2 RESUMO A utilização de sistemas integrados se torna, cada vez mais,

Leia mais

Ministério das Cidades

Ministério das Cidades Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat - PBQP-H ANEXO III Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras

Leia mais

Manutenção de Software. Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2016

Manutenção de Software. Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2016 Manutenção de Software Engenharia de Software Profa. Dra. Elisa Yumi Nakagawa 1º semestre de 2016 Processos de Ciclo de Vida de Software Processos Fundamentais Aquisição Processos de Apoio Documentação

Leia mais

ISO 9000 e ISO 14.000

ISO 9000 e ISO 14.000 DISCIPLINA: QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFESSORA: ALEXSANDRA GOMES PERÍODO: 3º PERÍODO CARGA HORÁRIA: 60 HORAS ISO 9000 e ISO 14.000 ISO 9000 A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas

Leia mais

Plan (Planejamento) Do (Execução) Check (Verificação) Act (Ação)

Plan (Planejamento) Do (Execução) Check (Verificação) Act (Ação) MODELO PDCA O ciclo PDCA tem por princípio tornar mais claros e ágeis os processos envolvidos na execução da gestão da qualidade, dividindo-a em 4 passos: Plan (Planejamento) Do (Execução) Check (Verificação)

Leia mais

Engenharia de Software. Gerenciamento de Pessoal. Professor Joerllys Sérgio

Engenharia de Software. Gerenciamento de Pessoal. Professor Joerllys Sérgio Engenharia de Software Gerenciamento de Pessoal Professor Joerllys Sérgio Pessoas no Processo Pessoas constituem o bem mais valioso de uma organização. Atividades de um gerente são fortemente orientadas

Leia mais

Gerenciamento de integração de projeto

Gerenciamento de integração de projeto Gerenciamento de integração de Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Interação dos processos de gerenciamento de s Interação dos processos de gerenciamento de s Mapeamento grupos de

Leia mais

Áreas de Conhecimento, Técnicas de Análise de Negócio e Conceitos-Chave

Áreas de Conhecimento, Técnicas de Análise de Negócio e Conceitos-Chave Primeiro Módulo: Parte 3 Áreas de Conhecimento, Técnicas de Análise de Negócio e Conceitos-Chave AN V 3.0 [60] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com

Leia mais

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima Gerência de Projetos e Qualidade de Software Prof. Walter Gima 1 OBJETIVOS O que é Qualidade Entender o ciclo PDCA Apresentar técnicas para garantir a qualidade de software Apresentar ferramentas para

Leia mais

GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DO PROJETO

GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DO PROJETO GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DO PROJETO Planejar a Qualidade O gerenciamento da qualidade do projeto inclui os processos e as atividades da organização executora que determinam as políticas de qualidade,

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Introdução Engenharia de Software O principal objetivo da Engenharia de Software (ES) é ajudar a produzir software de qualidade; QUALIDADE DE SOFTWARE Empresas que desenvolvem software de qualidade são

Leia mais

Business Case (Caso de Negócio)

Business Case (Caso de Negócio) Terceiro Módulo: Parte 5 Business Case (Caso de Negócio) AN V 3.0 [54] Rildo F Santos (@rildosan) rildo.santos@etecnologia.com.br www.etecnologia.com.br http://etecnologia.ning.com 1 Business Case: Duas

Leia mais

Elementos Fundamentais para a Melhoria da Qualidade de Software nas Organizações de TI

Elementos Fundamentais para a Melhoria da Qualidade de Software nas Organizações de TI Elementos Fundamentais para a Melhoria da Qualidade de Software nas Organizações de TI Ana Cervigni Guerra Eduardo Paulo de Souza Projeto Reconhecido na Categoria Serviços Tecnológicos Brasília, 31 de

Leia mais

Introdução a Gerencia de Projetos

Introdução a Gerencia de Projetos MBA EM GERENCIA DE PROJETOS Introdução a Gerencia de Projetos Rogério Santos Gonçalves 1 Agenda 1. Introdução ao Curso de Gerencia de Projetos 2. Conceitos Básicos sobre Gerenciamento de Projetos. 1. O

Leia mais

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA

Auditoria de Meio Ambiente da SAE/DS sobre CCSA 1 / 8 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Meio Ambiente por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Diretoria de Sustentabilidade DS, sobre as obras executadas no

Leia mais

Implantando Pontos de Função com PSM

Implantando Pontos de Função com PSM Implantando Pontos de Função com PSM Diana Baklizky & Cecília Techy diana@metricas.com.br cecilia@metricas.com.br ti MÉTRICAS R. Domingos de Morais, 2243/36 São Paulo, SP Brasil www.metricas.com.br 1 Agenda

Leia mais

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS... 3 CONCEITOS...

Leia mais

AULA 3 ETAPAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

AULA 3 ETAPAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS AULA 3 ETAPAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Projeto de longo prazo Tem variados objetivos, focos e etapas; Depende de muitas pessoas, organizações, decisões em outras instâncias, grande captação de recursos

Leia mais

Agenda. Projeto Projeto Manhattan. Considerado o 1º projeto com gerenciamento estruturado.

Agenda. Projeto Projeto Manhattan. Considerado o 1º projeto com gerenciamento estruturado. Agenda CONCEITOS DE GESTÃO DE PROJETOS - PMBOK 1 2 Objetivo Projeto OBJETIVO DA APRESENTAÇÃO o Introduzir os conceitos de gestão de projetos, baseando-se na metodologia do PMBOK (Project Management Body

Leia mais

Planejamento e Desempenho de Custos. Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida

Planejamento e Desempenho de Custos. Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida Planejamento e Desempenho de Custos Disciplina: Gerenciamento de Projetos Docente: Cristina Almeida O que é um orçamento? É o planejamento financeiro para um determinado projeto. Objetivo da aula: apresentar

Leia mais

Por Carolina de Moura 1

Por Carolina de Moura 1 O desenvolvimento sistemático para a gestão de risco na empresa envolve um processo evolutivo. Nos últimos anos tenho testemunhado um forte interesse entre organizações, e as suas partes interessadas,

Leia mais

SÉRIE ISO SÉRIE ISO SÉRIE ISO GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

SÉRIE ISO SÉRIE ISO SÉRIE ISO GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini   / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Aula N : 11 Tema:

Leia mais

AULA 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS

AULA 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AULA 2 GERENCIAMENTO DE PROJETOS Gestão de Projetos O que é um Projeto? O que é Gerência de Projeto? O que é um Projeto? Um empreendimento único e não-repetitivo, de duração determinada, formalmente organizado

Leia mais

Administração de Projetos

Administração de Projetos Administração de Projetos gerenciamento do escopo Prof. Robson Almeida Gerenciamento do Escopo Sendo o primeiro passo do Planejamento do Projeto, esta fase identifica e documenta o trabalho que produzirá

Leia mais

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARTE 1

FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARTE 1 FORMAÇÃO DE AUDITORES INTERNOS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARTE 1 Curso realizado de 23 a 26 de agosto /2010 OBJETIVO PARTE 1: Capacitar os participantes para: Ter habilidade para avaliar os requisitos da

Leia mais

2.6 Conceito de controle de processo...47 2.6.1 Manutenção de equipamentos e processo gerencial...48 2.7 GQT e atividades de manutenção de

2.6 Conceito de controle de processo...47 2.6.1 Manutenção de equipamentos e processo gerencial...48 2.7 GQT e atividades de manutenção de Sumário Prefácio à 2ª edição...11 Prefácio...13 1 Visão geral da manutenção de equipamentos...17 1.1 Introdução...19 1.2 Conceito de manutenção...19 1.3 Abrangência das atividades de manutenção...21 1.4

Leia mais

Utilizando um modelo de maturidade para implementar um programa de métricas. Márcio Silveira EDS - - Electronic Data Systems do do Brasil Ltda.

Utilizando um modelo de maturidade para implementar um programa de métricas. Márcio Silveira EDS - - Electronic Data Systems do do Brasil Ltda. Utilizando um modelo de maturidade para implementar um programa de métricas Márcio Silveira EDS - - Electronic Data Systems do do Brasil Ltda. Objetivos da Apresentação Estabelecer compreensão sobre o

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE Qualidade de Software Qualidade do produto e do processo Padrões de software Revisões Medições e métricas de software Kele Teixeira Belloze kelebelloze@gmail.com CONCEITO DE QUALIDADE

Leia mais

Ação Preventiva Ação para eliminar a causa de um potencial não-conformidade ou outra situação potencialmente indesejável.

Ação Preventiva Ação para eliminar a causa de um potencial não-conformidade ou outra situação potencialmente indesejável. A Ação Corretiva Ação para eliminar a causa de uma não-conformidade identificada ou outra situação indesejável. Ação Preventiva Ação para eliminar a causa de um potencial não-conformidade ou outra situação

Leia mais

CONTPATRI Plano de Garantia de Qualidade. Versão 1.1

CONTPATRI Plano de Garantia de Qualidade. Versão 1.1 CONTPATRI Plano de Garantia de Qualidade Versão 1.1 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 04/05/2013 1.0 Verificação do documento Emerson José Porfírio 21/04/2013 1.0 Elaboração do documento

Leia mais

(baseado nas sugestões do IATF)

(baseado nas sugestões do IATF) Polvo e Tartarugas Método de mapeamento de processos (identificação e determinação da seqüência e interação dos processos) (baseado nas sugestões do IATF) Princípios de Gestão da Qualidade Um dos oito

Leia mais

Verificação e Validação. Ewelton Yoshio Fabrício Araújo

Verificação e Validação. Ewelton Yoshio Fabrício Araújo Verificação e Validação Ewelton Yoshio Fabrício Araújo Qual a diferença entre Verificação e Validação? Diferenças Verificação se preocupa em avaliar se o produto está sendo desenvolvido corretamente, enquanto

Leia mais

1º SEMINÁRIO: Gestão Estratégica para Departamentos Jurídicos e Escritórios de Advocacia. LOCAL: Recife-PE 22/11/2013

1º SEMINÁRIO: Gestão Estratégica para Departamentos Jurídicos e Escritórios de Advocacia. LOCAL: Recife-PE 22/11/2013 DIVISÃO DE CONSULTORIA 1º SEMINÁRIO: Gestão Estratégica para Departamentos Jurídicos e Escritórios de Advocacia LOCAL: Recife-PE 22/11/2013 TEMA DA PALESTRA: Gestão de Fluxos de Trabalho e Indicadores

Leia mais

Crise do Software. Crise de tecnologia - hardware caminha mais rápido que o software

Crise do Software. Crise de tecnologia - hardware caminha mais rápido que o software Crise do Software Crise de tecnologia - hardware caminha mais rápido que o software Crise de oferta - demanda é maior que a capacidade de desenvolvimento Crise de manutenção - projeto mal feito e recursos

Leia mais

Simulado "1.Introdução"

Simulado 1.Introdução Pá gina 1 de 7 Simulado "1.Introdução" Simulado do PMI por Antônio Augusto 17 de March de 2012 Pá gina 2 de 7 Disciplinas e temas deste simulado 01 - Introdução ao gerenciamento de projetos (3 questões)

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Gerenciamento do Escopo Projeto - Ciclo de Vida Fases 3 EXECUÇÃO / CONTROLE 4 FECHAMENTO NÍVEL DE ATIVIDADE 1 CONCEPÇÃO / INICIAÇÃO 2 PLANEJAMENTO TEMPO Objetivos Apresentar os processos, ferramentas e

Leia mais

Administração de Projetos

Administração de Projetos Administração de Projetos gerenciamento do escopo Prof. Robson Almeida Gerenciamento do Escopo Sendo o primeiro passo do Planejamento do Projeto, esta fase identifica e documenta o trabalho que produzirá

Leia mais

Escopo: PROCESSOS FUNDAMENTAIS

Escopo: PROCESSOS FUNDAMENTAIS Escopo: PROCESSOS FUNDAMENTAIS Etapa:Desenvolvimento de software Disciplina: Auditoria & Qualidade em Sistemas de Informação Professor: Lucas Topofalo Integrantes: Joel Soares de Jesus Luiz R. Bandeira

Leia mais

Política Organizacional para Desenvolvimento e Manutenção de Software e Serviços

Política Organizacional para Desenvolvimento e Manutenção de Software e Serviços A Coordenadoria de Sistemas de Informação (CSI) do Centro de Tecnologia de Informação e Comunicação (CTIC) da UFPA define neste documento sua Política Organizacional para Desenvolvimento de Software. 1

Leia mais

GERENCIAMENTO DO TEMPO DO PROJETO

GERENCIAMENTO DO TEMPO DO PROJETO DO PROJETO Gestão de Projetos de Infraestrutura Luciano Rodrigues de Souza GESTÃO DO TEMPO Começar um trabalho sem planejá-lo primeiro, ou seja, partir para o AGIR antes do PENSAR em como agir. Fazer atividades

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE. Aula 7 ISO 9.000

GESTÃO DA QUALIDADE. Aula 7 ISO 9.000 GESTÃO DA QUALIDADE Aula 7 ISO 9.000 ISO International Organization for Standardization CONCEITO A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini   / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: GESTÃO DE PROJETOS Aula N : 02 Tema: Gerenciamento

Leia mais

Questões sobre a IS014001

Questões sobre a IS014001 Professor: Carlos William Curso/ Disciplina/Período: Administração/ Gestão Ambiental/ 2º ano Aluno: Lázaro Santos da Silva Questões sobre a IS014001 1. A NBR ISO 14001:2004 foi concebida para estabelecer

Leia mais

DESCRITORES (TÍTULOS E TERMOS)

DESCRITORES (TÍTULOS E TERMOS) SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE FAMÍLIA NBR ISO 9000 INDEXAÇÃO TEMÁTICA Abordagem de processo [VT: Princípios de Gestão da Qualidade] 0.2 / 2.4 0.2 / 4.3 0.2 Abordagem de sistemas de gestão da qualidade

Leia mais

Código: MINV-P-003 Versão: 03 Vigência: 03/2011 Última Atualização: 02/2016

Código: MINV-P-003 Versão: 03 Vigência: 03/2011 Última Atualização: 02/2016 POLÍTICA DE RISCO OPERACIONAL Gerência de Riscos e Compliance Página 1 Índice 1. Objetivo... 3 2. Abrangência... 3 3. Vigência... 3 4. Conceito... 3 5. Etapas da Gestão de Risco Operacional... 4 6. Estrutura

Leia mais

Engenharia de Software Aula 2.3 Processos da Engenharia de Requisitos. Prof. Bruno Moreno

Engenharia de Software Aula 2.3 Processos da Engenharia de Requisitos. Prof. Bruno Moreno Engenharia de Software Aula 2.3 Processos da Engenharia de Requisitos Prof. Bruno Moreno bruno.moreno@ifrn.edu.br Engenharia de Requisitos O objetivo do processo de Engenharia de Requisitos é criar e manter

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini   / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: GESTÃO DE PROJETOS Aula N : 05 Tema: Gerenciamento

Leia mais

Garantia de qualidade do software. Aula 8

Garantia de qualidade do software. Aula 8 Garantia de qualidade do software Aula 8 Sumário Introdução O quê é? Quem faz? Porquê é importante? Qual é o produto? Como saber se está bem feita? Conceitos Revisões Garantia da qualidade Fiabilidade

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II [Qualidade] Adriano J. Holanda 7/8/2017 Qualidade Definição: Do latim qualitas, qualidade é um atributo ou propriedade. Em negócios, engenharia e manufatura, qualidade tem o significado

Leia mais

PROJETO INTEGRADO AULA 4 INTEGRAÇÃO E ESCOPO

PROJETO INTEGRADO AULA 4 INTEGRAÇÃO E ESCOPO PROJETO INTEGRADO AULA 4 INTEGRAÇÃO E ESCOPO PROF.: KAIO DUTRA Gerenciamento da Integração do Projeto O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar,

Leia mais

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima

Gerência de Projetos e Qualidade de Software. Prof. Walter Gima Gerência de Projetos e Qualidade de Software Prof. Walter Gima 1 OBJETIVOS Compreender os princípios de processo de software e por que ela vale a pena Compreender como os fatores do processo de software

Leia mais

Plano de Manejo Parque Natural Municipal Doutor Tancredo de Almeida Neves. Encarte 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO. IVB-2012 Página 1

Plano de Manejo Parque Natural Municipal Doutor Tancredo de Almeida Neves. Encarte 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO. IVB-2012 Página 1 Encarte 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO IVB-2012 Página 1 CONTEÚDO 6 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO 6.1 Monitoramento e avaliação anual da implementação do Plano 6.2 Monitoramento e avaliação da efetividade do

Leia mais