Prof. Dr. Luiz G. Porto Pinheiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prof. Dr. Luiz G. Porto Pinheiro"

Transcrição

1

2 Ministério da Saúde Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Maternidade Escola Assis Chateaubriand Diretoria da MEAC Diretor Geral Diretor Clínico Serviço de Mastologia Coordenação Sub-coordenação Staffs dos serviços Oncologia Clínica Cirurgia Plástica Patologia Fisioterapia Psicologia Assistente Social Estagiários Prof. Dr. Manuelito Prof. Dr. Manuel Oliveira Prof. Dr. Luiz G. Porto Pinheiro Dr. Paulo Aguiar Dra. Gelma Peixoto Dr. Alberto Régio Dr. Ércio Ferreira Gomes Dr. Adriano Veras Kelly Cristine Carneiro de Oliveira Prof. Dr. Ronaldo Albuquerque Ribeiro Dr. Jotabê Fortaleza de Araújo Dr. Antonio Agostinho Moura Profa. Dra. Márcia Valéria Pitombeira Dra. Regia Maria do S. do P. Evangelista Dra.Isabel de Sousa Cortes Dias de Oliveira Dra.Milena do Carmo Arausi Dr. Rubem Abitbol de Menezes Junior Dra. Gabrielle Freire Dra. Teresa Cristina Sampaio Cabral Dr. Claudio Karan Miranda Dra. Luciana Bruno 2

3 Introdução Os serviços de mastologia,em todo mundo,tendem a partir de suas práticas produzirem normas de abordagem de tratamento das patologias mamárias. Estas práticas embora seguindo o modelo mundialmente aceito tendem caracterizam-se pelas nuanças advindas das condições técnicas e experiêcias de seus especialistas. O Serviço de Mastologia da MEAC, a partir de sua metodologia de trabalho espera colocar a disposição da Classe médica este Princípios da Mastologia sob a forma de despretencioso manual, dirigido principalmente aos ginecologistas desta casa, que tão generosamente cederam espaço ao crescimento 3

4 Ministério da Educação Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Maternidade Escola Assis Chateaubriand Serviço de Mastologia Manual de condutas em mastologia As neoplasias de mama são hoje a principal causa da morte por câncer entre as mulheres cearenses, superando o câncer de colo uterino que até 1990, era o que acusava o maior índice de mortalidade (Tabela 1). O perfil cultural da mulher cearense, carregado de tabus religiosos e desconhecimento do seu próprio corpo faz com que, em sua maioria, as pacientes quando procuram os serviços de saúde, tenham doença em estádio bastante avançado, dificultando o tratamento e levando a mutilações evitáveis. No Serviço de mastologia da UFC, no período de julho de 2000 a julho de 2001 cerca de 55% dos casos procuraram assistência médica em estágios avançados. Estimativas para o ano 2001 das taxas brutas de incidência e mortalidade por mulheres e do número de casos novos e dos óbitos por câncer, segundo localização primária. Estimativa dos Casos Novos Estimativa de Óbitos Localização Primária Neoplasia maligna Estado Capital Estado Capital Casos Taxa Bruta Casos Taxa Bruta Óbitos Taxa Bruta Óbitos Taxa Bruta Pele não Melanoma , , ,26 5 0,29 Mama Feminina , , , ,91 Traquéia, Brônquios e Pulmão 100 2, , , ,90 Estômago 180 4, , , ,66 Colo do Útero , , , ,66 Cólon e Reto 90 2, , , ,70 Esôfago 40 1, , , ,19 Leucemias 70 1, , , ,32 Boca 80 2, , , ,98 Pele Melanoma 10 0, ,88 5 0,10 5 0,27 Outras Localizações , , , ,43 Total , , , ,75 Tabela 1 4

5 O diagnóstico das patologias da mama se estabelece pela história clínica, pelo exame físico, testes de imagem e achados anátomopatológicos. Na história clinica são valorizados principalmente a presença de tumor palpável, alterações cutâneas, descarga papilar e massas axilares. Consideram-se ainda os fatores de risco de câncer mamário constantes na Tabela 02 18,19,20,21 Fatores de risco para o câncer de Mama História familiar ou pessoal de câncer de mama ou ovário 11 Idade Paridade (nuliparidade) Idade da menarca (menarca precoce, antes dos 15 anos) Idade de nascimento do primeiro filho após 25 anos Idade da menopausa (tardia, após 50 anos) Amamentação (pouco tempo de lactação) Dieta hipercalórica, rica em gordura animal 17 Hormônios exógenos TRH Consumo de álcool Doença mamária benigna proliferativa, principalmente com atipias e biópsias mamárias. Radiação Obesidade Relação cintura/quadril > 0,8 17 (1 e 7) Tabela 2 Os testes de imagem, principalmente a mamografia, que pode detectar lesões pré-clínicas, e a ultra-sonografia são utilizados na seqüência do processo de investigação diagnóstica. A mamografia tem maior acurácia nas mulheres acima de 40 anos, onde o tecido glandular já foi parcialmente substituído por gordura, dando contraste para as lesões neoplásicas. Experiências no Canadá 2, Suécia 3 e nos Estados Unidos 4 demonstram que o rastreamento mamográfico em mulheres assintomáticas, entre 50 e 69 anos, reduz a mortalidade por câncer de mama em cerca de 30% destas. O laudo mamográfico é codificado pelo sistema BI- RADS (Breast Imaging Reporting and Data System) (Tabela 3), normatizado pelo Colégio Americano de Radiologia. 5

6 Indicações de exames por imagem e a classificação BI-RADS serão discutidos em texto subseqüente. Classificação BI-RADS BIRADS 0Necessita de estudos adicionais Birads 1 Negativa Birads 2 Achados benignos Birads 3 Achados provavelmente benignos - sugerido acompanhamento em curtos intervalos Birads 4 Alteração suspeita biópsia deve ser considerada Birads 5 Altamente sugestiva de malignidade conduta apropriada deve ser tomada Tabela 3 A definição diagnóstica se faz pela biópsia, que pode ser feita por punção aspirativa com agulha fina (PAAF), pistola (core biopsy) 24, biópsia incisional a céu aberto e biópsia excisional. A classificação anatomopatológica das lesões é fundamental na definição do tratamento.os principais tipos são: Carcinoma in situ, com sua subclassificação: comedo e não comedo (micropapilar, cribiforme, sólido) e os carcinomas invasivos lobular e ductal, este último subclassificado em cirroso, papilífero, mucoso, entre outros. Em patologia, é importante ainda, a presença ou não de receptores estrogênicos e progestagênicos, a expressão de proteínas como P 53c e oncogenes como o C-erb b-2, acessíveis a testes imuno-histoquímicos. Merece atenção especial, a forma inflamatória que tem abordagem terapêutica específica. Os fatores prognósticos associados ao diagnóstico anátomo-patológico serão comentados em tópico específico. O tratamento das neoplasias mamárias 5, a partir do seu estadiamento sofreu muitas transformações nos últimos 30 anos. A cirurgia exclusiva da era Halstediana foi substituída pela multidisciplinaridade, onde a cirurgia e a radioterapia são usadas para controles locais, e a quimioterapia e a hormonoterapia para controle sistêmico. Esses quatro métodos são empregados de acordo com o estadiamento, os dados anátomo-patológicos e imuno-histoquímicos da doença. As cirurgias mais empregadas são a mastectomia radical modificada (Pattey) e a quadrantectomia, associada à radioterapia e à quimioterapia; A hormonioterapia é utilizada de acordo com a presença ou não dos receptores hormonais do tumor e a função ovariana da mulher, como se verá nos algoritmos subseqüentes. Outro aspecto importante é a 6

7 reconstrução imediata das deformações provocadas pela cirurgia que deve ser realizada sempre que possível. A quimioterapia para o Câncer de Mama baseia-se no emprego de associação de drogas. Citam-se os esquemas: CMF (Ciclofosfamida, Metotrexate e 5-Fluorouracil); AC (Ciclofosfamida e Doxorrubicina); FAC (Ciclofosfamida, Doxorrubicina e 5-fluorouracil), empregados como tratamento de primeira linha sobre a forma de neo-adjuvância (préoperatória) e/ou adjuvância. Os taxoides são empregados isoladamente ou em associação com outras agentes citotóxicos, como segunda linha. É reconhecida a dependência hormonal dos tumores mamários 6. Desde o começo do século BEATSON 9 já preconizava a castração cirúrgica como forma de tratamento paliativo da doença. Posteriormente empregou-se a adrenalectomia e a hipofisectomia com resultados satisfatórios. A descoberta da possibilidade de, mediante drogas, controlar a ação dos hormônios por bloqueios específicos, diminuiu significativamente o emprego das cirurgias extirpativas outrora largamente utilizadas. O Tamoxifeno age eliminando a ação estrogênica por bloqueio competitivo ao nível dos receptores, substituindo a ooforectomia, reconhecendo-se inclusive hoje sua efetividade na profilaxia do câncer de mama 8. Os inibidores da aromatase bloqueiam a conversão dos andrógenos em estrógenos. Os análogos do GnRh e LHRH bloqueiam a liberação do FSH e LH pela hipófise, substituindo as hipofisectomia. A grande vantagem da castração química é reversibilidade na produção dos hormônios endógenos com a retirada da droga.. A Bioterapia através do uso de anticorpos específicos para receptores de fatores de crescimento do câncer de mama, tem trazido novas perspectivas terapêuticas 22. A radioterapia tem papel mais importante na complementação do tratamento local dos pacientes submetidos a cirurgias conservadoras, na prevenção da recidiva dos pacientes operados com doenças localmente avançadas (plastrão, axilas e fossas) e na paliação de doenças avançadas sintomáticas (metástases para SNC e ósseas). O controle do Câncer de Mama, como se pode ver, depende de uma abordagem multidisciplinar, enfatizando-se a necessidade de promover o diagnóstico precoce, que, com certeza, aumentará as possibilidades de conservação da mama, com maiores chances de cura. 7

8 A colheita de dados na consulta deve seguir um roteiro específico, com catalogação das informações através de anamnese cuidadosa, estadiamento clínico das lesões sugestivas de malignidade e orientação sobre o auto-exame. 8

9 Anamnese, Exame Físico Estadiamento e orientação sobre o Auto Exame das Mamas Dr. Luiz Porto A anamnese e o exame físico nas patologias mamárias são muitas vezes a chave para o diagnóstico. É ainda através do exame físico e dos exames complementares de imagem que se faz o estadiamento clínico das neoplasias, passo importante para a programação terapêutica. Só através do estadiamento é possível comparar os resultados entre as terapêuticas empregadas. Seguiremos o roteiro da ficha de anamnese da unidade de mastologia da MEAC, analisando cada item e sua importância no diagnóstico das doenças mamárias. Iniciaremos pela idade. Chama-se a atenção para as faixas etárias e as respectivas patologias. Começando pelos recém nascidos, onde a influência dos hormônios maternos leva ao desenvolvimento de brotos mamários, susceptíveis de desenvolver descarga Láctea (leite de bruxa) às vezes com processos inflamatórios secundários., são também notadas as más formações congênitas, principalmente politelia, bem como agenesia da mama ou de músculos da parede torácica. Até a telarca a mama mantém-se silenciosa. Com o aumento dos hormônios sexuais, o broto mamário volta a se desenvolver podendo-se observar alterações de forma, assimetrias, gigantomastia e, mais raramente, são observadas neoplasias, a maioria formada por tumores benignos, principalmente os fibroadenomas. Da segunda a quarta década as patologias mamárias mais freqüentes são as relacionadas à lactação, as alterações funcionais benignas (antigas displasias) e a alguns tumores, os malignos na maioria das vezes, associados a síndromes neoplásicas familiares (BRCA 1 e BRCA 2) 23. Citem-se ainda os processos inflamatórios específicos (entre nós a tuberculose) e os inespecíficos, mais constantemente associados ao tabagismo. Da quinta década em diante as neoplasias malignas, pelo aumento de freqüência e sua grande morbimortalidade, assumem importância capital entre as doenças do órgão. Outros dados que podem orientar o mastologista sobre os riscos de câncer; são a história gineco-obstétrica que deve conter, idade da primeira da menstruação, tipo do ciclo, último regra, idade da menopausa, dismenorreia, número de gestações, idade da primeira gestação, tempo de lactação, uso de TRH (terapia de reposição hormonal) e anovulatórios. Também deve ser catalogada a história de patologias mamárias prévias: 9

10 cirurgias, nódulos, descarga, linfonodos,mastite, câncer de mama prévio, entre outras. Os antecedentes familiares de neoplasias malignas da mama são também anotados e discutidos em outro item deste trabalho. Tabagismo, etilismo e uso de tintura de cabelos são hábitos que também devem ser registrados. É necessário também pesquisar a realização de exames anteriores que podem ser comparados com os atuais. Passando à consulta propriamente dita, a queixa principal é na maioria das vezes, o que leva a paciente ao consultório. No ambulatório da MEAC, mastalgia se constitui a mais freqüente queixa. Tumor, inflamação, descarga, ulceração, gigantomastia e linfonodos axilares são outras queixas, decrescentemente mais relatadas. A história da doença atual, próximo item de nossa ficha, deve desenvolver as queixas da paciente, caracterizando os sintomas. Se for a dor que predomina, essa deve ser dissecada quanto ao tempo de duração, sua relação com o ciclo menstrual, com o esforço físico, com aspectos emocionais; se for o tumor, suas dimensões, seu tempo de evolução, ritmo de crescimento, se há dor local, alterações da pele circunjacente como, vermelhidão, calor, multiplicidade, todos descritos na seqüência do seu surgimento. Em relação à descarga, é necessário definir, o tempo de evolução, se espontânea ou à expressão, se de um ou múltiplos ductos, se uni ou bilateral, a cor, a densidade, o volume, o ponto da mama que a expressão provoca seu aparecimento. As descargas espontâneas, de ducto isolado, associado a tumor palpável, cristalinas ou sanguinolentas, definem mais freqüentemente as doenças da própria mama, a primeira associada a neoplasias malignas ou pré-malignas e a sanguinolenta mais freqüentemente associada a papilomas. A descarga Láctea não associada ao ciclo gravídico, muitas vezes associa-se a doenças hipofisárias. As ulcerações mamárias podem estar associadas a neoplasias malignas, no entanto podem também surgir de processos inflamatórios específicos ou inespecíficos, para isto o tempo de evolução e a associação a tumor palpado previamente.podem dar a pista para o diagnóstico,que algumas vezes só é definido após biópsia. As alterações do desenvolvimento mamário podem assumir formas bizarras, uni ou bilaterais com mamas gigantescas As massas axilares, são também importante causa de consulta ao mastologista, podendo coresponder os nódulos do prolongamento axilar da mama,mamas axilares, ou mais freqüentemente a linfonodos axilares merecendo avaliação 10

11 cuidadosa, contagem, medição e anotação de suas características palpatórias. No exame físico um item antropométrico importante é a presença de obesidade, definida pela relação peso/altura e principalmente pela relação do diâmetro cintura quadril, reconhecendo-se que a relação maior que 0,8 implica em reconhecimento da obesidade centrípeta, que é fator de risco aumentado para as neoplasias mamárias.os aspectos relacionados à nutrição e ao câncer de mama serão abordados em texto específico. Acredita-se que a atividade física corrija essa distorção, havendo ainda uma relação entre número de horas de atividade física e proteção contra o câncer de mama 10 No item exame físico, pesquisar, simetria, cicatrizes, retração cutânea, abaulamentos, ulcerações, pigmentação anormal, desvio papilar, nódulo único ou múltiplo, com suas características registradas no esquema bidimensional. A partir dos dados coletados é formulada uma hipótese diagnóstica, se há uma neoplasia, esta será estagiada pelos critérios da União Internacional contra o Câncer, baseados no TNM,onde T é o tumor medido em centímetros, N os linfonodos, identificados em número, tamanho e fusão entre si e M referente à presença ou ausência de metástases à distância (esquema anexo). Para a confirmação diagnóstica pode ser realizado punção aspirativa, biópsia incisional com pistola ou a céu aberto, biópsia excisional, bem como solicitados exames de imagens indicados para cada caso como se verá em outra parte desta apostilha. Outro aspecto importante no diagnóstico e controle das neoplasias mamárias é a orientação das pacientes quanto ao conhecimento de suas mamas pelo auto-exame mensal, no quinto dia do ciclo nas mulheres no menacme e em dia fixado pela paciente nas mulheres que não menstruam. A técnica é orientada diante de um espelho com inspeção e palpação cuidadosa da mama e axila como se verá no esquema anexo. Com esta medida simples espera-se diagnosticar mais precocemente as neoplasias, o que com certeza trará melhores resultados no seu tratamento. Terminada a anamnese e o exame físico, aplica-se o Teste de Gail, modelo matemático que avalia idade, menarca, paridade, história familiar, biópsias prévias e raça para cálculo do risco de neoplasia mamária, anotando-se os valores 11. O achado de lesões não detectadas ao exame clínico, e captadas nos exames imaginológicos será abordado em texto subseqüente. 11

12 ESTADIAMENTO DOS TUMORES DA MAMA (UICC) * (CID-O C50) Grupamento por Estádios Estádio 0 Tis N0 M0 Estádio I T1 1 N0 M0 Estádio IIA T0 N1 M0 T1 1 N1 2 M0 T2 N0 M0 Estádio II B T2 N1 M0 T3 N0 M0 Estádio IIIA T0 N2 M0 T1 1 N2 M0 T2 N2 M0 T3 N1,N2 M0 Estádio IIIB T4 Qualquer N M0 Qualquer T N3 M0 Estádio IV Qualquer T Qualquer N M1 Nota: 1. T1 inclui o T1mic. 2. O prognóstico de pacientes com pn1a é similar ao de pacientes com pn0. 12

13 Resumo Esquemático Mama Tis Carcinoma in situ T1 < 2cm T1 mic < 0,1 T1a > 0,1 até 0,5 cm T1b > 0,5 até 1 cm T1c > 1 até 2cm T2 > 2 até 5cm T3 > 5cm T4 Parede torácica / pele T4a Parede torácica T4b Edema / ulceração cutânea, nódulos cutâneos satélites T4c Ambos (T4a e T4b) T4d Carcinoma inflamatório N1 Linf.axilares móveis pn1 N2 Axilares fixos pn2 N3 Mamários internos pn1a Apenas micrometástase, < 0,2 cm pn1b Metástase macroscópica (i) 1-3 linfonodos/>0,2 a < 2cm (ii) > 4 linfonodos/ >2 a < 2cm (iii) através da cápsula / < 2 cm (iv) > 2 cm M Mo M1 Metástases: Ausência de metástases Presença de metástases. 13

14 Nutrição e Câncer Helena Alves de Carvalho Sampaio Conforme afirma Willett (2001), a variação de incidência do câncer de mama em diferentes países e em diferentes grupos populacionais de um mesmo país, aponta mais para um importante papel de fatores ambientais no risco ou proteção contra a doença, do que para uma contribuição de fatores genéticos. No entanto, ao se procurar o tema dieta e câncer de mama ou nutrição e câncer de mama numa base de dados internacional, surgirão, no dia de hoje e referente apenas aos últimos 3 anos, cerca de 384 referências que, quando lidas, evidenciarão a grande controvérsia que cerca o tema, com dados ora apontando determinados componentes da dieta e estado nutricional como causadores da doença ou preventivos da mesma, ora apontando outros ou mesmo negando achados já publicados (Ziegler, 1997, Eng-Hon et al., 1997). Assim, o que se vai aqui preconizar, refere-se mais a consensos globais de prevenção, numa tentativa de, na dúvida, exagerar no cuidado (Potter, 1997). Assim, a nutrição pode estar associada ao desencadeamento/ prevenção da doença tanto considerando o estado nutricional da mulher, quanto à dieta ingerida pela mesma. a) Quanto ao estado nutricional Dois fatores têm sido implicados no risco da doença: o excesso de peso e o acúmulo de gordura abdominal, também conhecido como distribuição central ou andróide de gordura, os quais devem ser verificados no acompanhamento da mulher (Huang et al., 1999; Kumar et al., 2000). A Organização Mundial da Saúde- OMS (WHO, 1995;1997) define limites de peso normal e de gordura periférica ou ginecóide ou ginóide, que confeririam proteção contra a doença. Como conduta prática, o peso normal pode ser definido a partir do Índice de Massa Corporal (IMC), que é a relação peso (Kg)/altura 2 (m 2 ), aceitando-se valor menor que 25Kg/m 2. A gordura abdominal pode ser estimada a partir da relação circunferência da cintura (cm)/circunferência do quadril (cm), aceitando-se valor menor ou igual a 0,8, como indicativo de gordura periférica. Embora alguns autores refiram valores de 0,85 como ponto de corte, sugerimos o valor proposto pela OMS (WHO, 1995). A medida da cintura é obtida no ponto mais estreito do tronco (ou ponto médio entre a crista ilíaca e a última costela) e a medida do quadril é obtida no ponto maior deste, contornando as nádegas. Também tem sido recomendada apenas a circunferência da cintura para definir presença de 14

15 gordura abdominal, embora o termo mais apropriado fosse circunferência abdominal, pois esta medida é obtida logo acima da crista ilíaca. Adotando-se a mesma para diagnóstico, considera-se risco (gordura abdominal) valor acima de 88cm (NHLBI Obesity Education Initiative, 1998) b) Quanto á dieta Duas recomendações básicas tem merecido destaque no que tange a este tópico (Potter, 1997; Philippi et al., 1999; Willett, 2001): A primeira se refere a reduzir a gordura da dieta, principalmente saturada (que é mais presente em produtos de origem animal), considerada fator de risco para a doença. Nesta perspectiva orienta-se não ultrapassar 1 colher de sopa de óleo e 1 de margarina, por exemplo, ao dia, o que significa reduzir frituras e preparações gordurosas; além disso, evitar exagerar na quantidade de carnes em geral, mas principalmente a vermelha, pelo seu maior teor lipídico. A segunda recomendação é a de aumentar o consumo de frutas e hortaliças (verduras, legumes), consideradas fator de proteção contra a doença, por serem veículos de vitaminas e minerais em geral, antioxidantes (vitamina C, vitamina E, vitamina A, carotenóides, zinco, selênio), fibras e fitoquímicos (flavonóides, principalmente). Considera-se que uma quantidade diária que possibilitaria cobertura suficiente dos elementos citados seria a de 5 porções no mínimo, podendo ser apenas frutas, apenas hortaliças ou ambas. Uma porção de fruta é o equivalente a uma unidade média ou 1 copo de suco que tenha pelo menos 2/3 de fruta; já uma porção de hortaliças é o equivalente a um pires de hortaliças cruas ou 1 xícara de hortaliças cozidas picadas. Para atender melhor ao objetivo,orienta-se ainda não esquecer de incluir hortaliças vermelhas, amarelas e verde-escuras, bem como frutas cítricas. 15

16 Auto-exames das mamas Dr. Alberto Régio A realização do auto-exame das mamas (AEM), apesar de não ter evidências de melhora da sobrevida das pacientes que desenvolvem câncer de mama 11, consegue detectar tumores menores e com menor comprometimento axilar 12 comparado com os diagnósticos realizados de forma ocasional. Isto permite, pelo menos, a aplicação de tratamentos cirúrgicos menos multilantes, como tumorectomias ou quadrantectomias. Para que o AEM atinja os objetivos desejados deve seguir uma sistematização. Primeiro, quanto à regularidade, deve ser realizado todo mês. Segundo, quanto ao período adequado, deve ser realizado no sétimo dia após a menstruação para as mulheres na menacme, e, caso não menstrue, deve-se escolher um dia fixo todo mês, a fim de ficar mais fácil de lembrar. Terceiro, quanto à utilização da técnica correta, esta deve compreender as seguintes etapas: inspeção estática, inspeção dinâmica, palpação de toda a mama e axilas em tiras verticalizadas desde a clavícula até o rebordo costal e desde a linha esternal até a linha axilar anterior, finalmente a expressão de toda a mama, e não somente o complexo aréolopalipar 13. Outro aspecto importante é enfatizar para as mulheres que não retardem a procura do serviço de saúde ao detectar qualquer alteração mamária, pois a demora nessa procura pode evitar o diagnóstico mais precoce de um tumor mamário, perdendo-se assim todo o esforço despendido na instrução e realização do AEM. Enfatizar que qualquer novidade que encontre nas mamas deve ser mostrada ao médico e somente ele poderá discernir sobre a natureza do achado. 16

17 Esquema do Auto-exame Em frente ao espelho, com os braços erguidos, procure por depressões, abaulamentos, retrações Com as mãos comprimindo a cintura, procure por depressões, abaulamentos, retrações Deitada, palpe as mamas como mostrado na figura abaixo Após a palpação, procede-se a expressão do mamilo a fim de verificar a presença de secreção No chuveiro, palpe novamente, procurando por nódulos 17

18 Lesões Impalpáveis da Mama Dr. Ércio Gomes O incentivo ao rastreio do Câncer de Mama em mulheres saudáveis tem por objetivo o diagnóstico em estágios precoces. Nesta fase as chances de cura e possibilidades de tratamentos menos radicais são maiores. As mamografias periódicas em pacientes assintomáticas, representam a prevenção secundária e podem diminuir a mortalidade em até 43% 21. No entanto, esta maior difusão da Mamografia associado a uma melhora na qualidade dos equipamentos de imagem (Mamógrafos e Ultra-sons) elevando a sensibilidade dos exames, nos têm mostrado números crescentes de lesões subclínicas, impalpáveis ao exame físico. Como estes achados não são palpáveis, impossibilita-se o uso de critérios clínicos no diagnóstico, sendo o parâmetro radiológico o único a definir a conduta. Felizmente, mais de 80% dos achados radiológicos representam lesões benignas, muitas sem nenhuma importância clínica. O dilema é como conduzir estas lesões, evitando-se, ao máximo, procedimentos invasivos, sem que haja uma diminuição na sensibilidade dos exames. A uniformização dos laudos Mamográficos através do sistema BI- RADS TM do Colégio Americano de Radiologia, vem contribuindo muito nas definições de condutas e estreitou o relacionamento cirurgiãoradiologista. Na prática, apesar destas recomendações, outras variáveis devem ser avaliadas na decisão da conduta, como: pacientes consideradas de alto risco (antecedentes pessoal ou história familiar de Câncer de mama, biópsia prévia com atipias, Índice de Gail >1,66% em 5 anos) 11, na vigência ou em avaliação para TRH, impossibilidade de seguimento adequado, ansiedade da paciente ou do médico.estas situações, em geral, indicam uma maior invasividade e uma confirmação diagnóstica definitiva. Diante da indicação de uma avaliação cito ou histológica de uma lesão mamária impalpável, temos uma ampla variedade de procedimentos que podem ser empregados, dependendo do achado, do arsenal tecnológico do serviço, e da prática do executor com determinado método. No geral, há uma tendência em optar-se por um procedimento menos agressivo e que tenha uma sensibilidade semelhante.achados 18

19 Mamográficos, excetuando-se microcalcificações, identificados também pela Ultra-sonografia (US), no geral são mais comodamente investigados sobre orientação ecográfica. A punção aspirativa com agulha fina (Ex: 25x7), PAAF, orientada por US, pode ser executada em lesões mínimas, é de baixíssimo custo, tem sensibilidade próximo de 90% e quase isenta de complicações.porém só tem valor quando confirma diagnóstico, não diferencia lesões in situ de invasivas e na suspeita de Câncer indica avaliação histológica antes de qualquer conduta. A biópsia de fragmento com agulha grossa (Core-Biopsy) 24 fornece uma avaliação histológica, com uma variedade na qualidade e quantidade de material, pode ser orientada por US ou por equipamento de estereotaxia no Mamógrafo, é pouco invasiva, e permite inclusive biópsia de microcalcificações, podendo ser aplicada em lesões >5mm. Em ambos procedimentos citados, diante de um achado de hiperplasia com atipias ou de Ca in situ, indica-se uma ressecção com uma maior amostragem de tecido. Se não houve diagnóstico conclusivo pelas punções ou se há indicação de exérese da lesão, a marcação pré-operatória faz-se necessária. Também optamos pela praticidade do US, se lesão identificada pelo método. Neste caso, a decisão pela técnica, irá depender tanto do radiologista como do cirurgião. A inserção de fios metálicos como guia no interior da lesão, pode ser orientada tanto por Mamografia como por US, e tem a preferência da maioria dos cirurgiões. Outra opção é a injeção de corante (Violeta de Genciana a 2%) no volume de 0,1ml com uma seringa e agulha convencional pelo US, ou com uma agulha de 9cm (agulha de raquianestesia) pelo Mamógrafo e equipamento de Estereotaxia, por ser de baixo custo, facilmente tolerado pelas pacientes, se difundir pouco pelos tecidos em relação à outros corantes como o azul de Metileno, permanecer no local da injeção pelo menos por 7 dias e não alterar a análise histológica, além de ser de difícil contaminação já que é bactericida e fungicida. Avanços neste campo estão se firmando, como o uso de substância radioativa (Tecnécio) injetado no local da lesão e identificado no transoperatório através de um detector de radiação (Probe), técnica conhecida como ROLL (Radioguided Ocult Lesion Localization), apresentando excelentes resultados, inclusive na exérese de microcalcificações. Outro método que vem ganhando espaço, apresentando ainda um custo elevado em relação aos demais, é a mamotomia, que consiste numa 19

20 cânula acoplada a um equipamento de vácuo, que pode ser introduzida tanto por orientação do US como por Estereotaxia no Mamógrafo. Uma vez no local da lesão, a cânula apresenta um sistema móvel que permite aspirar tecido para o seu interior e cortar em fragmentos a lesão, podendo girar em torno do seu eixo e retirar a quantidade de material que se desejar, inclusive a lesão como um todo. Para que possamos detectar lesões pré-cancerígenas e tumores em estágios iniciais conseguindo reduzir a mortalidade por Câncer de Mama, temos que atingir um equilíbrio entre o número de procedimentos invasivos realizados com a finalidade diagnóstica e o número de intervenções evitáveis. Fatores Prognósticos do Câncer de Mama Dra. Márcia Valéria Pitombeira O câncer de mama tem alta mortalidade e apresenta grande heterogeneidade evolutiva em pacientes dentro do mesmo estadiamento clínico. A capacidade das neoplasias malignas de disseminarem-se para sítios distantes do organismo é, em geral, o que determina a morte dos pacientes. No que se refere ao carcinoma mamário, cerca de 50% das pacientes tem metástase axilar no momento de seu diagnóstico, apresentando um prognóstico sombrio e, em geral, necessitando de terapia adjuvante. Das pacientes sem envolvimento axilar, 70% destes se curam apenas com a cirurgia. Entretanto, 30% apresentarão recidiva ou metástase à distância, sendo indicada para este grupo a quimioterapia e hormonioterapia adjuvante, tanto de forma isolada como associada. A identificação de fatores prognósticos que possam melhor conduzir a terapêutica no sentido de impedir a recrudescência da doença é de extrema importância, principalmente, para as pacientes com axila negativa. Este desafio vem se traduzindo na pesquisa de numerosos fatores prognósticos, alguns comprovadamente úteis e estabelecidos em grandes séries clínicas, destacando-se dentre outros, o envolvimento axilar, tipo e grau histológico, receptores hormonais e o índice proliferativo (mitótico e Mib-I). 20

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo

CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias. Rossano Araújo CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO TRATAMENTO - CURA Novas estratégias Rossano Araújo Papiro do Edwin Smith (Egito, 3.000-2.500 A.C.) Papiro Edwin Smith (Egito, 3000 2500 A.C.) Tumores Protuberantes da Mama Se você

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

vulva 0,9% ovário 5,1%

vulva 0,9% ovário 5,1% endométrio 12,3% ovário 5,1% vulva 0,9% colo uterino 13,3% câncer de mama 68,4% Maior incidência nas mulheres acima de 60 anos ( 75% ) Em 90% das mulheres o primeiro sintoma é o sangramento vaginal pós-menopausa

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

ESTADIAMENTO. 1. Histórico

ESTADIAMENTO. 1. Histórico Curso de Especialização em Atenção Básica em Saúde da Família 68 ESTADIAMENTO O estadiamento tem como objetivo agrupar pacientes segundo a extensão anatômica da doença. Essa normatização tem grande valia

Leia mais

CAPÍTULO 1. COnDUTAS EM MASTOLOGIA PARA O RESIDEnTE

CAPÍTULO 1. COnDUTAS EM MASTOLOGIA PARA O RESIDEnTE CAPÍTULO 1 COnDUTAS EM MASTOLOGIA PARA O RESIDEnTE É boa norma de serviços de mastologia estabelecerem condutas padronizadas para o tratamento das pacientes que os procuram. Estas normas, embora seguindo

Leia mais

4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro

4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro 4 Encontro de Enfermagem Ginecológica do Estado do Rio de Janeiro Afecções Oncológicas nas Mamas Enfª Giselle G. Borges Epidemiologia (BRASIL, 2012) Anatomia da mama (estruturas) Linfonodos Fisiologia

Leia mais

Tumores mamários em cadelas

Tumores mamários em cadelas Novos Exames Estamos colocando a disposição de todos o Teste de Estimulação ao ACTH que é usado para identificar e acompanhar o tratamento do hipoadenocorticismo e hiperadrenocorticismo em cães e gatos.

Leia mais

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952.

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952. 1 SPCC - Hospital São Marcos Clínica de Ginecologia e Mastologia UICC União Internacional Contra o Câncer - TNM 6ª edição ESTADIAMENTO DOS TUMORES DE MAMA HISTÓRIA DO TNM O sistema TNM para a classificação

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Tratamento Conservador do Cancro da Mama Hospital Prof. Doutor Fernando da Fonseca Sessão Clínica Serviço de Ginecologia Diretora de Departamento: Dra. Antónia Nazaré Diretor de Serviço: Dr. Silva Pereira Tratamento Conservador do Cancro da Mama

Leia mais

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia

UNA-SUS Universidade Aberta do SUS SAUDE. da FAMILIA. CASO COMPLEXO 5 Amélia. Fundamentação Teórica: Câncer de mama e mastalgia CASO COMPLEXO 5 Amélia : Maria Cristina Gabrielloni O câncer de mama é o mais frequentemente diagnosticado e a principal causa de morte por câncer em mulheres em todo o mundo: 23% (1.380.000) do total

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 69

PROVA ESPECÍFICA Cargo 69 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 69 QUESTÃO 26 As afirmativas abaixo estão corretas, a) Amastia é ausência congênita da mama. b) Amastiaéaausênciadetecidomamário,mascompreservaçãodocomplexo areolo-papilar. c)

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 23. Em relação aos carcinomas não infiltrantes de mama, podemos afirmar, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 23. Em relação aos carcinomas não infiltrantes de mama, podemos afirmar, EXCETO: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 23 QUESTÃO 17 Em relação aos carcinomas não infiltrantes de mama, podemos afirmar, EXCETO: a) A difusão pagetóide nos ductos interlobulares está muitas vezes presente

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA?

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA? SISMAMA Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil Este informe apresenta os primeiros dados do SISMAMA - Sistema de Informação do Câncer de Mama, implantado nacionalmente

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Programa de controle de CA de Mama

Programa de controle de CA de Mama Programa de controle de CA de Mama Profª: Dayse Amarílio Estima-se incidência anual de mais de 1.000.000 de casos no séc XXI; CA mais incidente no sexo feminino nos países desenvolvidos e Brasil, o que

Leia mais

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA

BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA BREAST IMAGING REPORTING AND DATA SYSTEM NOVO BI-RADS EM MAMOGRAFIA Breast Imaging Reporting and Data System Dr Marconi Luna Doutor em Medicina UFRJ Ex-Presidente da SBM Breast Imaging Reporting and Data

Leia mais

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado

1ª Edição do curso de formação em patologia e cirurgia mamária. Programa detalhado 15.6.2012 MÓDULO 1 - Mama normal; Patologia benigna; Patologia prémaligna; Estratégias de diminuição do risco de Cancro da Mama. 1 1 Introdução ao Programa de Formação 9:00 9:15 1 2 Embriologia, Anatomia

Leia mais

CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO

CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO CASCAVEL 2010 2 DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO

Leia mais

RESUMO. Palavras- chave: Fisioterapia. Câncer de Mama. Câncer de Mama Avaliação. INTRODUÇÃO

RESUMO. Palavras- chave: Fisioterapia. Câncer de Mama. Câncer de Mama Avaliação. INTRODUÇÃO AVALIAÇÃO DE MEMBRO SUPERIOR EM MULHERES MASTECTOMIZADAS Mara Vania Guidastre - m_risaguist@hotmail.com Marcela Da Silva Mussio - marcela_mussio@hotmail.com Ana Cláudia De Souza Costa - anaclaudia@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Anatomia da mama Função biológica

Anatomia da mama Função biológica Dr.Jader Burtet Ginecologia e Obstetrícia Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre Hospital Materno Infantil Presidente Vargas de Porto Alegre Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia

Leia mais

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna

MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos. Prof.ª Esp. Natália Ficagna MAMOGRAFIA: Importância e seus Métodos Prof.ª Esp. Natália Ficagna ANATOMIA DA MAMA Tecido Glandular + Tecido Conjuntivo +Tecido Adiposo Alvéolo Lóbulo Lobo Ducto Lactífero Seio Lactífero - Mamilo As

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

SINTOMAS E SINAIS: DOR, NÓDULOS E SECREÇÕES

SINTOMAS E SINAIS: DOR, NÓDULOS E SECREÇÕES SINTOMAS E SINAIS: DOR, NÓDULOS E SECREÇÕES 22 O sintoma da dor mamária é o mais freqüentemente referido pelas mulheres (mais de 60%), que a associam com uma irreal propensão ao aparecimento de tumor.

Leia mais

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM.

O Novo BI-RADS. Introdução. MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. 1 O Novo BI-RADS MARCONI LUNA Pres. Departamento de Mamografia da SBM. Introdução No Congresso Americano de Radiologia em dezembro de 2003 (RSNA) em Chicago foi divulgado a 4ª edição do BI-RADS (Breast

Leia mais

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS

TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS TOMOSSÍNTESE MAMÁRIA CASOS CLÍNICOS SELMA DI PACE BAUAB Radiologista da Mama Imagem São José do Rio Preto - SP CASO 1 55 anos. Assintomática TOMOSSÍNTESE LESÃO EPITELIAL ESCLEROSANTE (Cicatriz Radial)

Leia mais

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas.

Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Perguntas que pode querer fazer Pode ser difícil para si compreender o seu relatório patológico. Pergunte ao seu médico todas as questões que tenha e esclareça todas as dúvidas. Estas são algumas perguntas

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 209/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 01/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

PELE - MELANOMA PREVENÇÃO

PELE - MELANOMA PREVENÇÃO PREVENÇÃO Use sempre um filtro solar com fator de proteção solar (FPS) igual ou superior a 15, aplicando-o generosamente pelo menos 20 minutos antes de se expor ao sol e sempre reaplicando-o após mergulhar

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva Cartilha_Outubro Rosa_Mitos_26-09-2014.indd 1 08/10/2014 14:24:37 2014 Instituto Nacional

Leia mais

Auditoria. Câncer de mama Dr. Luiz Antonio Carvalho

Auditoria. Câncer de mama Dr. Luiz Antonio Carvalho Auditoria Câncer de mama Dr. Luiz Antonio Carvalho Coordenadoria de Regiões de Saúde Grupo Normativo de Auditoria e Controle de Saúde Auditoria de Assistência em Oncologia MAMA Agosto/2010 OLHAR DO AUDITOR

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Acerca dos possíveis achados ambulatoriais de doenças benignas e malignas da mama, julgue os itens a seguir. 41 A amastia é um processo de má formação caracterizado pela ausência de tecido glandular mamário,

Leia mais

CÂNCER DE COLO UTERINO

CÂNCER DE COLO UTERINO 16 CÂNCER DE COLO UTERINO INTRODUÇÃO As inflamações do colo uterino (cervicite) são muito freqüentes, mas sem maiores conseqüências. No colo uterino também são freqüentes os carcinomas. O câncer de colo

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW

MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW MALE BREAST DISEASE: PICTORIAL REVIEW WITH RADIOLOGIC- PATHOLOGIC CORRELATION 1 CHERI NGUYEN, MD MARK D. KETTLER, MD MICHAEL E. SWIRSKY, MD VIVIAN I. MILLER, MD CALEB SCOTT, MD RHETT KRAUSE, MD JENNIFER

Leia mais

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Patologia Cirúrgica macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Exame Histopatológico Exame anatomopatológico é ATO MÉDICO! lâminas microscopia laudo

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA

TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS CIRURGIA QUIMIOTERAPIA SISTÊMICA TIPOS DE TRATAMENTOS ONCOLÓGICOS Prof a Dra. Nise H. Yamaguchi Prof a Dra Enf a Lucia Marta Giunta da Silva Profª. Dra. Enf a Maria Tereza C. Laganá A abordagem moderna do tratamento oncológico busca mobilizar

Leia mais

Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano

Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano 1 Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano PROPOSTA DE PROTOCOLO E FLUXO ASSISTENCIAL PARA CÂNCER DE PRÓSTATA Autor: Paulo Roberto F. de Oliveira, Rodrigo Alves Tristão e Wilson Alvarenga

Leia mais

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA DAS MAMAS DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA A crescente experiência com a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) vem trazendo dúvidas pertinentes quanto

Leia mais

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA Carcinomas Profª. Dra. Maria do Carmo Assunção Carcinoma tipo basal Grau 3 CK14 & CK5 = Positivo P63 pode ser positivo (mioepitelial) Triplo negativo

Leia mais

Câncer de mama diagnóstico precoce mamografia. Vinicius Milani Budel

Câncer de mama diagnóstico precoce mamografia. Vinicius Milani Budel Câncer de mama diagnóstico precoce mamografia Vinicius Milani Budel câncer de mama Sebastiano del Piombo 1520 Florença O martírio de Santa Agatha INCIDÊNCIA NO BRASIL: 52.680 NOVOS CASOS/ANO MORTALIDADE

Leia mais

É por isso que um exame clínico anual das mamas, através de um médico, é obrigatório.

É por isso que um exame clínico anual das mamas, através de um médico, é obrigatório. OUTUBRO ROSA 25 de outubro Mais detalhes sobre o câncer de mama no Brasil 1. Exames clínicos de mama são tão importantes quanto as mamografias. Mamografias a partir de 40 anos de idade são cruciais (Deve

Leia mais

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu. UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.br CUIDAR DA SUA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. As mamas

Leia mais

Coordenadoria de Regiões de Saúde

Coordenadoria de Regiões de Saúde Coordenadoria de Regiões de Saúde Grupo Normativo de Auditoria e Controle de Saúde Quimioterapia e Hormonioterapia no CÂNCER DE MAMA Fevereiro /2011 Atualidades O Brasil deverá ter 520 mil novos casos

Leia mais

Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção. Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca)

Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção. Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca) Entenda o que é o câncer de mama e os métodos de prevenção Fonte: Instituto Nacional de Câncer (Inca) O que é? É o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM

NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM NOVO CONSENSO BRASILEIRO DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA POR MÉTODOS DE IMAGEM DR. HEVERTON AMORIM Qual é a situação do câncer de mama? Pode ser prevenido? Como prevenir? Qual o papel da mamografia?

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento

Neoplasias 2. Adriano de Carvalho Nascimento Neoplasias 2 Adriano de Carvalho Nascimento Biologia tumoral Carcinogênese História natural do câncer Aspectos clínicos dos tumores Biologia tumoral Carcinogênese (bases moleculares do câncer): Dano genético

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA I - Ações da Unidade Básica: 1) Estímulo ao auto-exame de mamas 2) Exame clínico das mamas como parte integrante e obrigatória das consultas ginecológicas e de pré natal 3) Solicitação

Leia mais

Principais formas de cancro na idade adulta

Principais formas de cancro na idade adulta Rastreio do cancro na idade adulta Principais formas de cancro na idade adulta Cancro do colo do útero Cancro da mama Cancro do cólon Cancro testicular Cancro da próstata SINAIS DE ALERTA O aparecimento

Leia mais

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Tema: Linfonodo sentinela no câncer de mama I Data: 27/09/2007 II Grupo de Estudo: Izabel Cristina Alves Mendonça; Célia Maria da Silva;

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. Breast Cancer I. EXAMES DE AVALIAÇÃO 1. CONFIRMAÇÃO DIAGNÓSTICA

CÂNCER DE MAMA. Breast Cancer I. EXAMES DE AVALIAÇÃO 1. CONFIRMAÇÃO DIAGNÓSTICA CONDUTAS DO INCA/MS / INCA/MS PROCEDURES CÂNCER DE MAMA Breast Cancer O estado atual da Mastologia tem permitido detectar mais freqüentemente lesões neoplásicas iniciais, como o carcinoma ductal in situ.

Leia mais

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS

FÓRUM Câncer de Mama. Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS FÓRUM Câncer de Mama Políticas Públicas: Tratamento e Apoio Dra. Nadiane Lemos SSM-DAS/SES-RS Análise Situacional Marcadores das ações em saúde envolvendo a saúde da mulher na atual gestão: Pré-natal -

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA

PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER DE MAMA PROTOCOLOS DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER2008 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE contra capa interna 1 em branco Prevenção e Controle do Câncer de Mama PROTOCOLOS DE ATENÇÃO

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

Sumário. Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII

Sumário. Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII Sumário Prefácio... XXXI Apresentação...XXXIII Seção 1 Introdução 1 Epidemiologia 3 2 Diretrizes de rastreamento do câncer de mama na população geral e de alto risco 9 3 Mamografia 17 4 BI-RADS ACR (Breast

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo?

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014 O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? AUTORA Dra. Patrícia

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

AUDITORIA AMBULATORIAL - SUS

AUDITORIA AMBULATORIAL - SUS AUDITORIA AMBULATORIAL - SUS Nome do Palestrante: José dos Santos Titulação: Médico Especialista em Saúde Pública Auditor Responsável pelo Componente Municipal de Auditoria em Saúde de São Paulo/SP Auditoria

Leia mais

Marília Ávila Acioly 1 ; Maria do Carmo Carvalho de Abreu e Lima 2

Marília Ávila Acioly 1 ; Maria do Carmo Carvalho de Abreu e Lima 2 ESTUDO CLÍNICO-PATOLÓGICO E IMUNOHISTOQUÍMICO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES JOVENS DIAGNOSTICADAS E TRATADAS NO HOSPITAL DE CÂNCER DE PERNAMBUCO NO PERÍODO DE 1996 A 2006. Marília Ávila Acioly 1 ; Maria

Leia mais

Neoplasias dos epitélios glandulares II

Neoplasias dos epitélios glandulares II Neoplasias dos epitélios glandulares II PATOLOGIA II Aula Prática nº4 MAMA: Correlação estrutura/lesão Cél. Basais/mioepiteliais Cél. Basais/mioepiteliais (actina) Cél. luminais Cél. luminais MAMA: Estrutura

Leia mais

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Toxicidade tardia da terapia adjuvante: o que não posso esquecer Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Cerca de 11.7 milhões de sobreviventes de câncer nos EUA em 2007. Destes 2.6 milhões ou 22% são

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS DOENÇAS DA PRÓSTATA Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho de uma noz, e se localiza abaixo da bexiga, envolvendo a uretra masculina.

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

Prevenção Primária e Secundária do Câncer de MAMA.

Prevenção Primária e Secundária do Câncer de MAMA. 105 3 - AÇÕES DE ENFERMAGEM NA PREVENÇÃO PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA DOS PRINCIPAIS TIPOS DE CÂNCER Prevenção Primária e Secundária do Câncer de MAMA. Caso Clínico Sra. V.M.T.: "Vim aqui por causa desses calores."

Leia mais

OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO REFERENTES AO CÂNCER DE MAMA ENTRE AS PACIENTES SUBMETIDAS À CIRURGIA, NO PERÍODO DE 01 DE

OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO REFERENTES AO CÂNCER DE MAMA ENTRE AS PACIENTES SUBMETIDAS À CIRURGIA, NO PERÍODO DE 01 DE OS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO REFERENTES AO CÂNCER DE MAMA ENTRE AS PACIENTES SUBMETIDAS À CIRURGIA, NO PERÍODO DE 01 DE AGOSTO DE 2002 A 01 DE AGOSTO DE 2003, NO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO DE

Leia mais

EXAMES MÉDICOS / ESPECIAL SAÚDE

EXAMES MÉDICOS / ESPECIAL SAÚDE EXAMES MÉDICOS / ESPECIAL SAÚDE Tomografia Axial Computorizada A Tomografia Axial Computorizada (TAC) define com nitidez os contornos dos órgãos, a sua densidade e a sua vascularização. Permite o diagnóstico

Leia mais

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO Elaine Jacob da Silva Carmo 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3, 4. 1 Curso de Ciências Biológicas, Unidade Universitária de Ciências

Leia mais

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1

Oncologia. Aula 2: Conceitos gerais. Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Oncologia Aula 2: Conceitos gerais Profa. Camila Barbosa de Carvalho 2012/1 Classificação da Quimioterapia Em relação ao número de medicamentos usados; Em relação ao objetivo; Em relação à via de administração;

Leia mais