Brasília, 15 de agosto de 2014 às 14h46 Seleção de Notícias. CNI NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS Clipping Nacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Brasília, 15 de agosto de 2014 às 14h46 Seleção de Notícias. CNI NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS Clipping Nacional"

Transcrição

1 Brasília, 15 de agosto de 2014 às 14h46 Seleção de Notícias CNI NEGOCIAÇÕES INTERNACIONAIS Clipping Nacional

2 Valor Econômico BR Temas de Interesse Colunas e Editoriais Marina Silva retorna ao centro da cena eleitoral OPINIÃO Temas de Interesse Colunas e Editoriais Os perigos do consenso econômico OPINIÃO Cresce o interesse por ativos no exterior ESPECIAL PRIVATE BANKING Asiáticos têm maior crescimento ESPECIAL PRIVATE BANKING Indefinição do quadro eleitoral deve manter volatilidade intensa na bolsa FINANÇAS Temas de Interesse Comércio Internacional Barreiras inibem avanço do comércio ESPECIAL BRASIL-JAPÃO Temas de Interesse Comércio Internacional Aumentam cortes de taxa de importação por falta de produto BRASIL Temas de Interesse Infraestrutura Para economistas, baixa poupança é obstáculo ao crescimento BRASIL Temas de Interesse Infraestrutura Uma África sempre meio oculta EU & FIM DE SEMANA Temas de Interesse Competitividade "Logística do PAC não tem sido um sucesso" BRASIL O Estado de S. Paulo BR Temas de Interesse Colunas e Editoriais Depois de Eduardo NOTAS & INFORMAÇÕES

3 Recessão volta a ameaçar a zona do euro ECONOMIA FGV projeta recuo de 0,8% no PIB do segundo trimestre ECONOMIA Barreira à carne bovina será levada à OMC ECONOMIA Juros futuros e dólar têm ajustes de baixa após impacto eleitoral ECONOMIA Folha de S. Paulo BR Temas de Interesse Colunas e Editoriais Descobrir o Simples é complexo TENDÊNCIAS/DEBATES PIB europeu fraco eleva pressão por mais estímulos MERCADO O Globo BR Varejo tem pior resultado em dois anos ECONOMIA Rússia libera compra de carne de 89 fábricas ECONOMIA Temas de Interesse Indústria Indústria e burocracia OPINIÃO Temas de Interesse Infraestrutura Aprofundar as desonerações tributárias OPINIÃO Brasil Econômico BR CNI Consumo de importados alcança patamar recorde BRASIL Temas de Interesse Comércio Internacional 'A Argentina já estava em default antes' MUNDO Temas de Interesse Infraestrutura Gasoduto de Putin é sonho mais distante MUNDO

4 Temas de Interesse Colunas e Editoriais Valor Econômico Marina Silva retorna ao centro da cena eleitoral Marina Silva volta ao centro da cena eleitoral após a trágica morte de Eduardo Campos, que encabeçava a chapa do Partido Socialista Brasileiro. Antes da morte, o pleito caminhava para uma reedição dos anteriores, entre PT e PSDB, com alguma chance de sucesso para os tucanos com a queda de popularidade da presidente Dilma, e com Campos avançando para consolidar suas posições para Agora, o jogo eleitoral é outro, bem diferente. Todos os principais atores da campanha terão de rever seus planos, a partir da definição primordial que o PSBtomará em relação a seu candidato. A decisão de seguir em frente com Marina não é algo tão simples. Quadro jovem e renovador na política, Campos construiu a chance de se livrar da polarização entre tucanos e petistas apoiando-se em linhas de forças de ambos. Pragmático, cresceu fazendo a velha política, sem a qual não colocaria de pé, com sucesso, seu partido, e as alianças que o permitiram disputar um pleito nacional. Ex-ministro de Lula, dava como favas contadas a importância de primeiro plano das políticas sociais, algo que os tucanos são acusados de desdenhar até hoje. Por outro lado, usou métodos de gestão privada no governo de Pernambuco e liberou o terreno do desenvolvimento ao setor privado, algo pelo qual a gestão de Dilma é muito criticada. Isso mudou quando Marina, em outubro de 2013, bateu às portas de Campos e reforçou o esboço da "terceira via" que ele começara a pôr em prática. Projeção nacional e 20 milhões de votos em 2010 deram ao ex-governador de Pernambuco novos horizontes. Marina, por outro lado, trazia consigo princípios que se chocavam com os do PSB, em especial o de mudar a forma de fazer política, o que até hoje parece confuso, mas certamente não incluía aceitação de alianças sem princípios com legendas dedireita, vistassemproblemas por velhas enovas raposas da legenda. OPINIÃO Campos e Marina tentavam um complexo consenso político possível, cercado por dificuldades. Parte do PSB via e ainda vê vantagens em seguir à sombra do governo petista. Alguns líderes do partido não veem nada de errado em alianças para ganhar eleições. Daí as rixas públicas durante a montagem dos palanques estaduais nos principais colégios eleitorais do país. Marina não seguiu Campos em várias escolhas. Campos era o fiador do acordo com Marina e seu tato e experiência filtravam as propostas que poderiam ser encampadas pelo PSB. Sem ele, a situação é outra. Adesistas ao PT ainda estão lá, as alianças que Marina rejeitava estão de pé, e há líderes que discordam dela e outros que mal a conhecem. O destino colocou o PSB diante da insólita situação de colocar à sua frente, com chances, uma candidata à Presidência sem, na verdade, ou apenas formalmente, ter feito parte dele. Marina ainda é uma estranha no ninho pessebista. Por outro lado, como cacife eleitoral, Marina eleva a força dos votos na legenda a outro patamar, bem acima dos 10% que Campos nunca conseguiu permanecer nas poucas vezes que alcançou. A morte de Campos, porém, torna quase impossível a legenda voltar atrás na candidatura própria, restando-lhe colocar políticos experientes do partido na vice-presidência. Marina, pelas razões acima ou outras - não tem partido nem quadros organizados suficientes, afinidades restritas com o PSB -, pode desistir de concorrer, uma hipótese que não é despropositada. O panorama para os tucanos mudou para pior. Quando Marina Silva frequentava as pesquisas, arrebatava mais intenções de votos que Aécio Neves (27% ante 16% em abril), atraindo simpatia em faixas tucanas (instruídos com boa renda) e também de Dilma. O PSDB precisava levar a disputa para segundo turno de qualquer maneira. Com Marina no pg.4

5 Temas de Interesse Colunas e Editoriais Valor Econômico Continuação: Marina Silva retorna ao centro da cena eleitoral páreo, isso já époucomenosqueuma certeza, mas,se acontecer, o risco é Aécio não estar mais na cédula. Para Aécio, o PSB claramente não era um problema e sua artilharia estava toda voltada contra a presidente Dilma. A estratégia terá de ser repensada. Marina nadisputa também nãoéboanotícia para Dilma Rousseff. O segundo turno tornou-se perspectiva real e problemática, especialmente se Marina catalisar os votos da "oposição de junho", que nem Aécio nem Campos estavam conseguindo fazer. Marina não é um alvo fixo, como os tucanos, cujas bandeiras são atacadas pelo PT há muito. Marina, se concorrer, carrega a bandeira da renovação política, de enorme apelo em tempos de insatisfação. pg.5

6 Temas de Interesse Colunas e Editoriais Valor Econômico Os perigos do consenso econômico OPINIÃO New York Times". O debate público virulento sobre a validade de estímulos fiscais, reclamou, havia perdido qualquer conexão com o que os especialistas conhecem e concordam. Consensos entre economistas podem surgir por bons e maus motivos. Algumas vezes, são bastante inócuos, como quando se ouve economistas argumentarem que quem ignora o papel dos incentivos o faz por sua conta e risco. Quem pode discordar disso? É melhor expor o público a incertezas do que dar-lhe falsa sensação de segurança. Por Dani Rodrik A Iniciativa sobre Mercados Globais (IGM, na sigla em inglês) da Universidade de Chicago pesquisa periodicamente um grupo de importantes economistas acadêmicos de várias tendências políticas sobre assuntos da atualidade. Em sua mais recente pesquisa, perguntou se o plano de estímulos econômicos do presidente americano, Barack Obama, havia ajudado a reduzir o desemprego nos EUA. O plano, conhecido oficialmente como Lei de Reinvestimento e Recuperação Americana de 2009, contemplou gastos governamentais superiores a US$ 800 bilhões em infraestrutura, educação, saúde, energia, incentivos tributários e vários programas sociais. Foi uma resposta clássica keynesiana, adotada em meio a uma crise econômica. Os economistas foram praticamente unânimes. Dos 37 grandes economistas que responderam a pesquisa, 36 disseram que o plano havia sido bem-sucedido em seu objetivo declarado de reduzir o desemprego. O economista Justin Wolfers, da Universidade de Michigan, celebrou o consenso em seu blog no "The De fato, economistas concordam sobre muitos assuntos, vários deles politicamente controversos. O economista Greg Mankiw, de Harvard, listou alguns deles em As seguintes proposições arregimentaram apoio de pelos menos 90% dos economistas: cotas e tarifas de importação reduzem o bem-estar econômico geral; controles sobre o aluguel reduzem a oferta de moradias; taxas de câmbio livres proporcionam um sistema monetário internacional eficaz; os EUA não deveriam impedir empregadores de terceirizar mão de obra em países estrangeiros; e políticas fiscais estimulam a economia quando não há pleno emprego. Esse consenso sobre questões tão importantes contrasta amplamente com a percepção geral de que economistas raramente concordam sobre algo. "Se todos os economistas fossem postos lado a lado", ironizou celebremente George Bernard Shaw, "nunca chegariam a uma conclusão". Comenta-se que o ex-presidente americano Dwight Eisenhower, frustrado diante de conselhos conflitantes e evasivos, certa vez teria pedido por um economista que não falasse "por outro lado...". Sem dúvida, há muitas questões de políticas públicas que economistas debatem acirradamente. Qual deve ser o teto do imposto de renda? O salário mínimo deve ser elevado? O déficit fiscal deve ser reduzido por pg.6

7 Temas de Interesse Colunas e Editoriais Valor Econômico Continuação: Os perigos do consenso econômico meio de elevação de impostos ou corte de gastos? As patentes estimulam ou impedem a inovação? Nesses e muitos outros assuntos, os economistas tendem a se destacar por ver os dois lados da questão e tenho suspeitas de que uma pesquisa a respeito revelaria pouco consenso. Consensos entre economistas podem surgir por bons e maus motivos. Algumas vezes, são bastante inócuos, como quando se ouve economistas argumentarem que quem ignora o papel dos incentivos o faz por sua conta e risco. Quem pode realmente discordar disso? Outras vezes, restringem-se a algum episódio específico e são baseados em evidências amealhadas após o fato: sim, o sistema econômico soviético era de profunda ineficiência; sim, os estímulos fiscais de Obama em 2009 reduziram de fato o desemprego. Mas quando se forma um consenso em torno à aplicabilidade universal de algum determinado modelo, cujas suposições cruciais podem ser infringidas em muitos contextos, temos um problema. Vejamos algumas das áreas de concordância generalizada que listei acima. A proposição de que as restrições ao comércio exterior reduzem o bem-estar econômico certamente nem sempre é válida, sendo violada quando há certas condições presentes - como quando há externalidades ou economias de escala. Além disso, exige que economistas façam juízos de valor sobre efeitos distributivos, algo que é melhor deixar em mãos do próprio eleitorado. Da mesma forma, a proposição de que controles sobre o aluguel reduzem a oferta de moradias não se cumpre em condições de concorrência imperfeita. E a proposição de que taxas de câmbio flutuantes são um sistema eficaz depende de suposições sobre o funcionamento do sistema monetário e financeiro que já se mostraram problemáticas; suspeito que uma pesquisa hoje sobre o assunto mostraria apoio bem menos significativo. Talvez economistas se inclinem a concordar que certas suposições são mais válidas no mundo real. Ou achem que um conjunto de modelos funciona melhor "em média" do que o outro. Ainda assim, sendo cientistas, não deveriam ao menos adornar seus consentimentos com as advertências apropriadas? Não deveriam temer que afirmações categóricas como as listadas acima possam se mostrar enganosaspelo menos em alguns contextos? O problema é que economistas muitas vezes confundem "um" modelo com "o" modelo. Quando isso acontece, a existência de consensos certamente não é algo a ser comemorado. Dois tipos de males podem se seguir. Primeiro, estão os erros por omissão - os casos em que pontos cegos no consenso impendem economistas de ver problemas mais à frente. Um exemplo recente foi o fato de economistas não terem conseguido compreender a perigosa confluência de circunstâncias que produziram a crise financeira mundial. O descuido não se deu por falta de modelos sobre bolhas, informações assimétricas, incentivos distorcidos ou corridas a bancos. Deu-se pelo fato de que esses modelos foram negligenciados em favor de outros que ressaltavam a eficiência dos mercados. Depois estão os erros por comissão - casoem queafixação dos economistas por um determinado modelo de mundo os torna cúmplices na administração de políticas cujas falhas poderiam ter sido previstas antecipadamente. A defesa de políticas neoliberais do "Consenso de Washington" e da globalização financeira por economistas cai nessa categoria. O que aconteceu em ambos os casos é que economistas negligenciaram sérias complicações relativas à teoria do segundo melhor, como externalidades de aprendizagem e fragilidade institucional, que atrapalharam as reformas e, em alguns casos, as levaram a sair pela culatra. Divergências entre economistas são saudáveis. Ref- pg.7

8 Temas de Interesse Colunas e Editoriais Valor Econômico Continuação: Os perigos do consenso econômico letem o fato de que sua disciplina engloba uma coleção diversa de modelos e de que casar a realidade com modelos é uma ciência imperfeita, com grande margem de erro. É melhor expor o público a essas incertezas do que tranquilizá-lo com uma falsa sensação de segurança com base na aparência de conhecimento. (Tradução de Sabino Ahumada) Dani Rodrik é professor de ciências sociais no Institute for Advanced Studies, em Princeton, e autor de "The Globalization Paradox: Democracy and the Future of the World Economy". Copyright: Project Syndicate, pg.8

9 Valor Econômico Cresce o interesse por ativos no exterior ESPECIAL PRIVATE BANKING A Instrução 465, editada pela Comissão de Valores Mobiliários em 2008, prevê a inclusão em fundos de investimento de ativos financeiros negociados no exterior de mesma natureza econômica dos negociados no mercado brasileiro. Porém, de acordo com a especificação do fundo há um limite para a inclusão desses papéis na carteira. Portfólio Instituições financeiras estão apostando em uma interação maior entre equipes internacionais Por Suzana Liskauskas Para o Valor, do Rio Quando o assunto é investimento em ativos no exterior, o cliente do segmento private banking tende a manter a parcela mais relevante de suas carteiras no mercado de origem. Esse comportamento é comum entre os brasileiros. Porém, nos últimos três anos, os gestores observam uma demanda crescente por opções em ativos estrangeiros. Essa mudança de comportamento é um sinal de amadurecimento do mercado brasileiro, segundo os especialistas. É comum, em outros mercados emergentes, como Chile, Colômbia, Turquia e África do Sul, um grande interesse dos investidores do private em montar um portfólio diversificado com ativos de outros países. Atentos a esse cenário, os gestores também refinaram suas estratégias para oferecer aos clientes brasileiros as melhores oportunidades por meio de instrumentos locais, como fundos de investimento que permitem a alocação de até 100% dos ativos no exterior. Para ganhar mercado e a confiança do cliente, não basta conhecer bem os produtos permitidos pelos reguladores brasileiros. As instituições financeiras estão apostando em uma interação maior entre equipes internacionais. A meta é ter acesso em tempo real a análises detalhadas de mercados na Europa, Ásia e Oceania. "Há um tempo, o investidor brasileiro tinha interesse em entender a conjuntura global, preocupado com os reflexos nos ativos brasileiros, principalmente, nos de renda variável. Sempre será fundamental estar atento à política monetária dos EUA, ao crescimento global e às demandas por commodities nos grandes mercados emergentes. Mas hoje essas informações são imprescindíveis para diversificar carteiras no segmento private, uma demanda do investidor brasileiro, mais interessado em ativos do exterior", diz Sylvio Castro, responsável pela gestão dos fundos restritos e estruturados do private banking do Credit Suisse Hedging-Griffo (CSHG). Castro é o gestor responsável pela análise dos mercados da América Latina em um grupo global do CS- HG, que inclui especialistas em mercados de renda fixa e renda variável em todo o mundo. Ele explica que esse grupo se reúne constantemente para troca de informações, o que é fundamental para configurar estratégias locais. "No Brasil, trabalhamos com uma equipe de gestores totalmente dedicados ao segmento private banking. E os especialistas em renda fixa estão em linha com pg.9

10 Valor Econômico Continuação: Cresce o interesse por ativos no exterior os gestores de renda fixa de diversos países. Com base nessas discussões globais, surgem ideias táticas, para curto prazo, e estratégicas, relacionadas a períodos mais longos, de três a cinco anos. Os portfólios finais resultam da sobreposição de táticas e estratégicas", diz Castro. Enio Shinohara, sócio e head de portfólios internacionais do BTG Pactual, diz que o BTG também tem equipes em diversos mercados do mundo, trabalhando em sintonia para selecionar ativos com o objetivo de garantir retornos acima dos índices de referência. Eventualmente, identificando oportunidades em nichos mais específicos. O gestorconta queafilosofia émostrar aos clientes as apostas dos sócios do banco ao investirem o próprio capital no mercado externo. Ele lembra que, em 2009, os sócios apostaram em um fundo que investia em títulos de hipotecas do mercado dos EUA. "Durante a crise de 2008 não tínhamos nada na carteira, mas achamos que os títulos se recuperariam. Durante quatro anos, a rentabilidade média anual deste fundo ficou em torno de 25%. Ano passado, avaliamos que era o momento de encerrar o fundo", diz. A capacidade de reunir especialistas nos principais mercados do mundo para montar estratégias de seleção de ativos no exterior também é a aposta do HS- BC. Alexandre Gartner, head of private bank investment group do HSBC, diz que, globalmente, a gestão de ativos do segmento private do banco chega a US$ 382 bilhões. "Conseguimos mostrar com muita clareza ao cliente que montamos nossa estratégia de forma estrutural. Como temos uma presença global, optamos pelas melhores oportunidades, como ativos com mais liquidez por estarem em mercados maiores", diz Gartner. Pedro Marcelo Luzardo, sócio do Modal, explica que a meta é bater o CDI e preservar o patrimônio dos clientes do segmento private em investimentos de longo prazo. "Primeiro fazemos uma análise da demanda do cliente depois ajustamos às nossas estratégias, mas procuramos prioritariamente ativos que garantam liquidez ou ativos de bolsa que não estão disponíveis no Brasil", explica. Na BBDTVM, os fundos que apresentam ativos no exterior começaram a despertar ainda mais atenção dos investidores a partir de Carlos Massaru Takahashi, presidente da BBDTVM, conta que os fundos BB Multimercado Global e BB Multimercado Global Acqua LP Private, ambos criados em 2011, que começaram respectivamente com patrimônio de aproximadamente R$ 100 milhões e R$ 40 milhões, hoje apresentam, juntos, patrimônio total de cerca de R$ 1,3 bilhão. Takahashi conta que a estratégia com relação aos ativos no exterior é a diversificação. "Em termos de renda variável, direcionamos para ativos relacionados a mercados sem correspondentes no Brasil de forma tão delimitada, como health care, varejo e tecnologia", completa. Eduardo Herszkowicz, sócio do Souza, Cescon, Barrieu & Flesch Advogados, ressalta que, do ponto de vista do investidor, é muito importante acompanhar a evolução dos ativos alocados no mercado externo que fazem parte do fundo em que investem. "O principal, no meu ponto de vista, é a transparência para o pg.10

11 Valor Econômico Continuação: Cresce o interesse por ativos no exterior investidor sobre a precificação do ativo e os riscos reais." Além dos fundos de investimento, a inclusão de ativos do exterior é prevista na composição dos Certificados de Operações Estruturadas (COEs), instrumento de captação bancária lançado em 6 de janeiro, cujo valor em estoque gerenciado pela Cetip está, hoje, próximo a R$ 3 bilhões. Fábio Zenaro, gerente executivo de produtos e negócios da Cetip, diz que 4% do estoque estão referenciados em ativos internacionais, como ações e índices de ações. pg.11

12 Valor Econômico Asiáticos têm maior crescimento ESPECIAL PRIVATE BANKING "os clientes entraram em choque com as perdas" - e houve maciça migração para renda fixa e moedas. Para reativar a economia, os Bancos Centrais do mundo todo reduziram as taxas de juros, o que gerou uma forte compressão da receita dos private banks. Mundo Relatório aponta também enriquecimento no Leste Europeu Por Márcia Pinheiro Para o Valor, de São Paulo A indústria de administração de riqueza, também conhecida como private banking, apresentou algumas surpresas em 2013, de acordo com o relatório "Riqueza Global 2014: Surfando uma Onda de Crescimento", do Boston Consulting Group (BCG). Crescimento forte nem sempre se traduz em lucros maiores. As economias maduras do Velho Mundo e os países em rápido desenvolvimento do Novo Mundo continuaram a se mover a velocidades diferentes, mas algumas economias desenvolvidas tiveram desempenho extremamente bom, alterando o xadrez do setor. "A rentabilidade [da indústria] hoje é 50% menor do que em 2007 [ano anterior à crise internacional]", diz André Xavier, sócio do BCG. De acordo com ele, a desconfiança generalizada dos investidores foi agravada pela descoberta da fraude de Bernard Madoff, que geria um fundo "hedge" e aplicou o golpe da pirâmide, lesando centenas de investidores. Os ativos que mais sofreram à época foram as ações - Entre 2012 e 2013, explica Xavier, "o céu começou a se abrir um pouco". Escaldados, os bancos passaram a lidar melhor com os custos e houve crescimento da captação de novos ativos. A indústria cresceu 14,6%, somando US$ 152 trilhões, ante aumento de 8,7% no ano anterior. Os principais fatores para este desempenho foram a melhor performance das bolsas de valores e a criação de nova riqueza nos países em rápido desenvolvimento econômico. No entanto, diz o executivo, os patamares históricos de crescimento nãomais serãoatingidos. Éo queos economistaschamam de "o novo normal" pós-crise. Picos de aceleração e preços são coisas do passado. A região asiática (excluído o Japão) apresentou a maior taxa de crescimento do mundo, com 30,5%. Mas aumentos de dois dígitos substanciais também foram percebidos em economias tradicionais, particularmente na América do Norte (15,6%). Também houve crescimento expressivo no Leste Europeu (17,2%), Oriente Médio e África (11,6%) e América Latina (11,1%). A Europa Ocidental (5,2%) e o Japão (4,8%) ficaram para trás. A América do Norte (US$ 50,3 trilhões) e a Europa Ocidental (US$ 37,9 trilhões) mantiveram a dianteira na lista das regiões mais ricas do mundo. A seguir, veio Ásia, sem Japão, (US$ 37,0 trilhões). Segundo Xavier, estudos indicamqueem cinco anos aregião asiática (sempre exceto Japão) vai superar a América do Norte como o maior centro de riqueza global. Em quase todos os países, diz o relatório do BCG, o crescimento da riqueza privada foi gerado pela forte recuperação dos mercados acionários, que teve início no segundo semestre de Todos os principais ín- pg.12

13 Valor Econômico Continuação: Asiáticos têm maior crescimento dices das bolsas subiram em 2013, particularmente o S&P 500 (17,9%), o Nikkei 225 (56,7%) e o Euro Stoxx 50 (14,7%). Esta performance foi propiciada pela relativa estabilidade econômica na Europa e na América do Norte e houve sinais de recuperação em algunspaíseseuropeus,como Irlanda, Espanha eportugal. Um fator adicional foi a política monetária generosa praticada pelos Bancos Centrais. O BCG nota ainda que mais e mais pessoas estão se tornando muito ricas em dólar. O número totaldemilionários atingiu 16,3 milhões em 2012, acima dos 13,7 milhões do ano anterior. Os Estados Unidos têm o maior número (7,1 milhões), além de ser também a terra com o maior contingente de novos milionários (1,1 milhão). O crescimento robusto na China fez com queo número desuper-ricoscrescesse de1,5 milhão para 2,4 milhões, entre um ano e outro, ultrapassando o Japão. Neste último país asiático, o totalcaiu de1,5 milhãopara 1,2 milhão,em função da queda de 15% do iene ante o dólar. A maior densidade de milionários do mundo está no Qatar (175 de cada mil habitantes), seguido da Suíça (127) e Cingapura (100). Os Estados Unidos têm o maior número de bilionários, mas a maior densidade está em Hong Kong (15,3 por milhão) e Suíça (8,5). Esta mudança fez o BCG sugerir aos gestores de private banking que desenvolvam diferentes estratégias para ganhar novos clientes, de culturas e necessidades próprias. Em síntese, afirma Xavier, 2013 caracterizou-se pelo retorno do apetite ao risco, forte crescimento da indústria na China e maior seletividade dos clientes. Antes, eram tolerados indivíduos com recursos abaixo do clássico benchmark de US$ 1 milhão. Hoje, tornou-se oneroso para o gestor atender também a este segmento. Os investimentos offshore do private banking atingiram US$ 8,9 trilhões em 2013, com um aumento de 10,4% ante o ano anterior. Foi, no entanto, uma taxa inferior ao total da indústria (14,6%). Em consequência, a participação deste investimento além-fronteiras caiu de 6,1% para 5,9%. A Suíça manteve-se como o maior centro de investimentos offshore, com ativos de US$ 2,3 trilhões, o que representa 26% da riqueza mundial. pg.13

14 Valor Econômico Indefinição do quadro eleitoral deve manter volatilidade intensa na bolsa Por Téo Takar e Aline Cury Zampieri De São Paulo A Bovespa voltou a apresentar volatilidade ontem, ainda refletindo a indefinição do quadro eleitoral após a morte de Eduardo Campos. Porém, as oscilações foram mais discretas do que na quarta-feira quando os investidores estavam sob o impacto da tragédia envolvendo o candidato do PSB à Presidência da República. "O volume caiu um pouco e a volatilidade diminuiu, mas o mercado deve continuar instável nos próximos dias, à espera de uma definição da disputa presidencial", comentou o analista técnico da Clear Corretora, Raphael Figueredo. "Há muitas dúvidas no ar. Não sabemos ainda se Marina Silva vai realmente assumir a candidatura no lugar de Campos. O fato é que o mercado ficará ainda mais sensível às próximas pesquisas." Para o economista-chefe da Órama Investimentos, Álvaro Bandeira, "a morte trágica de Campos embaralha tudo". Ele avalia que, em linhas gerais, uma candidatura de Marina Silva poderia ser ruim para o mercado financeiro. "Quem sai perdendo é o Aécio Neves", afirmou. Bandeira acredita que Marina tem mais chances de seguir para o segundo turnocontra Dilma Rousseff edevencer a atual presidente. Mas o economista questiona as preferências do mercado em relação à suposta nova candidata. FINANÇAS O Banco Mizuhoafirmou em relatório queamorte de Campos é certamente um fator de mudança nas eleições presidenciais. "Em nossa visão, o acidente trágico com Campos traz um fator emocional às eleições presidenciais que pode tornar a candidatura de Marina Silva ainda mais competitiva, o que, se de um lado eleva as chances de segundo turno, por outro aumenta a probabilidade de Dilma Rousseff ser reeleita", afirma o banco. O cenário externo colaborou ontem para evitar um maior nervosismo por aqui. As bolsas europeias fecharam em alta e Wall Street também operou no azul. "Dados macro recentes sugerem que algumas das mais importantes economias no mundo não estão tão fortes assim", apontou a Guide Investimentos em relatório. "As bolsas sobem impulsionadas pela expectativa - cada vez mais forte - de políticas monetárias ainda mais frouxas mundo afora." O Ibovespafechou em altade0,36%, aos pontos, com volume de R$ 6,462 bilhões. Conforme Figueredo, da Clear, apesar das turbulências desta semana, o Ibovespa respeitou até agora o importante suporte gráfico dos pontos, cuja perda poderia representar o início de uma reversão da tendência de alta observada nos últimos meses. "O mercado teve toda chance de 'derramar sangue' na quarta-feira, mas não o fez", lembra o analista técnico. Mantido o cenário, o índice pode se recuperar em direção aos 57 mil pontos, tendo os 63 mil pontos como horizonte de médio prazo. Por outro lado, se o clima pg.14

15 Valor Econômico Continuação: Indefinição do quadro eleitoral deve manter volatilidade intensa na bolsa azedar, a primeira parada do mercado será nos 54 mil pontos e, na sequência, os , calcula Figueredo. Entre os carros-chefes do Ibovespa, Vale PNA (-2,15%, a R$ 27,26) e Petrobras PN (-0,48%, a R$ 18,60) concentraram as perdas. Já os bancos subiram - Bradesco PN (2,97%, a R$ 35,65) e Itaú PN (1,67%, a R$ 35,23) - na esteira do resultado de Banco do Brasil ON (3,65%, a R$ 28,66). A instituição anunciou lucro líquido ajustado de R$ 3,002 bilhões no segundo trimestre, um aumento de 1,4% ante o mesmo período do ano passado e superior às estimativas do mercado, de R$ 2,829 bilhões. pg.15

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Novembro 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30

Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 1 Entrevistado: Almir Barbassa Entrevistador: - Data:11/08/2009 Tempo do Áudio: 23 30 Entrevistador- Como o senhor vê a economia mundial e qual o posicionamento do Brasil, após quase um ano da quebra do

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros

A Lição de Lynch. O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros A Lição de Lynch O mago dos investimentos conta como ganhar nas bolsas depois de Buffet e Soros Por Laura Somoggi, de Marblehead (EUA) É muito provável que o nome Peter Lynch não lhe seja familiar. Ele

Leia mais

PANORAMA NOVEMBRO / 2014

PANORAMA NOVEMBRO / 2014 PANORAMA NOVEMBRO / 2014 O mês de novembro foi pautado pelas expectativas em torno da formação da equipe econômica do governo central brasileiro. Muito se especulou em torno dos nomes que ocuparão as principais

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

AINDA DÁ PARA SALVAR O ANO? E O QUE ESPERAR DE 2015?

AINDA DÁ PARA SALVAR O ANO? E O QUE ESPERAR DE 2015? AINDA DÁ PARA SALVAR O ANO? E O QUE ESPERAR DE 2015? Luís Artur Nogueira Jornalista e economista Editor de Economia da IstoÉ DINHEIRO Comentarista econômico da Rádio Bandeirantes Atibaia 17/05/2014 Qual

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito

Leia mais

PESQUISA CNI-IBOPE. Dilma e Marina empatadas em um provável segundo turno. Popularidade da presidente Dilma cresce na comparação com junho

PESQUISA CNI-IBOPE. Dilma e Marina empatadas em um provável segundo turno. Popularidade da presidente Dilma cresce na comparação com junho Indicadores CNI PESQUISA CNI-IBOPE Avaliação do governo e pesquisa eleitoral Dilma e Marina empatadas em um provável segundo turno Na pesquisa estimulada, com a apresentação do disco com os nomes dos candidatos,

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural

Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural Maxi Indicadores de Desempenho da Indústria de Produtos Plásticos do Estado de Santa Catarina Relatório do 4º Trimestre 2011 Análise Conjuntural O ano de 2011 foi marcado pela alternância entre crescimento,

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

A nova classe média vai às compras

A nova classe média vai às compras A nova classe média vai às compras 18 KPMG Business Magazine Cenário é positivo para o varejo, mas empresas precisam entender o perfil do novo consumidor Nos últimos anos o mercado consumidor brasileiro

Leia mais

PPS CENÁRIOS E DESAFIOS PARA O SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 EVERALDO GUEDES DE AZEVEDO FRANÇA PORTFOLIO PERFORMANCE

PPS CENÁRIOS E DESAFIOS PARA O SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 EVERALDO GUEDES DE AZEVEDO FRANÇA PORTFOLIO PERFORMANCE CENÁRIOS E DESAFIOS PARA O SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 EVERALDO GUEDES DE AZEVEDO FRANÇA QUAL É O CENÁRIO? ONDE ESTAMOS? Continuamos não sendo a bola da vez. Percepção do investidor estrangeiro acerca do

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional

Carta ao Cotista Abril 2015. Ambiente Macroeconômico. Internacional Carta ao Cotista Abril 2015 Ambiente Macroeconômico Internacional O fraco resultado dos indicadores econômicos chineses mostrou que a segunda maior economia mundial continua em desaceleração. Os dados

Leia mais

E-book de Fundos de Investimento

E-book de Fundos de Investimento E-book de Fundos de Investimento O QUE SÃO FUNDOS DE INVESTIMENTO? Fundo de investimento é uma aplicação financeira que funciona como se fosse um condomínio, onde as pessoas somam recursos para investir

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 89 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Crise não afeta lucratividade dos principais bancos no Brasil 1 Lucro dos maiores bancos privados

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge

'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge 'Década perdida foi a da alta das commodities', diz economista de Cambridge José Gabriel Palma Veja, 16.1.2016, entrevista a Luís Lima Gabriel Palma, professor da universidade britânica, afirma que latino-

Leia mais

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim.

98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% 3º trimestre/2014. das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 3º trimestre/2014 das empresas avaliaram o sistema 80,7% tributário brasileiro qualitativamente como ruim ou muito ruim. 98,3% 90,3% 64,2% 38% 63,3% das indústrias gaúchas avaliam que o número de tributos

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Abril 2012 O RISCO DOS DISTRATOS O impacto dos distratos no atual panorama do mercado imobiliário José Eduardo Rodrigues Varandas Júnior

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

Análise de Conjuntura

Análise de Conjuntura Análise de Conjuntura Boletim periódico da da Câmara dos Deputados Os textos são da exclusiva responsabilidade de seus autores. O boletim destina-se a promover discussões sobre temas de conjuntura e não

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking

Especialista questiona ascensão de bancos brasileiros em ranking Veículo: Valor Online Data: 13/04/09 Especialista questiona "ascensão" de bancos brasileiros em ranking A crise global colocou os bancos brasileiros em destaque nos rankings internacionais de lucro, rentabilidade

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

Relatório Mensal - Setembro de 2013

Relatório Mensal - Setembro de 2013 Relatório Mensal - Relatório Mensal Carta do Gestor O Ibovespa emplacou o terceiro mês de alta consecutiva e fechou setembro com valorização de 4,65%. Apesar dos indicadores econômicos domésticos ainda

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC

Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Marcus Manduca, sócio da PwC Perspectivas do Mercado de Crédito Cenário econômico Cenário econômico Contexto Macro-econômico e Regulamentação Redução de spreads Incremento

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO JANEIRO 2008

RELATÓRIO DE GESTÃO JANEIRO 2008 RELATÓRIO DE GESTÃO JANEIRO 2008 Este material tem o único propósito de divulgar informações e dar transparência à gestão executada pela Edge Investimentos, não deve ser considerado como oferta de venda

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Carga tributária sobe mais forte em 2014

Carga tributária sobe mais forte em 2014 Carga tributária sobe mais forte em 2014 Com fim de desonerações para carros e linha branca, peso dos tributos ante o PIB deve crescer até 0,5 ponto percentual Após arrecadação recorde da Receita Federal

Leia mais

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13

Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Relatório Econômico Mensal JANEIRO/13 Índice INDICADORES FINANCEIROS 3 PROJEÇÕES 4 CENÁRIO EXTERNO 5 CENÁRIO DOMÉSTICO 7 RENDA FIXA 8 RENDA VARIÁVEL 9 Indicadores Financeiros Projeções Economia Global

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp)

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) Objetivo Qual padrão de especialização comercial brasileiro? Ainda fortemente

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento

Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Global Development Finance: uma perspectiva mais positiva para os países em desenvolvimento Os países em desenvolvimento estão se recuperando da crise recente mais rapidamente do que se esperava, mas o

Leia mais

Perfis de Investimento PrevMais

Perfis de Investimento PrevMais Cartilha Perfis de Investimento PrevMais [1] Objetivo Geral O regulamento do PREVMAIS prevê exclusivamente para o Benefício de Renda Programada a possibilidade de os participantes optarem por perfis de

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional

Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco. Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do. Congresso Nacional Brasília, 18 de setembro de 2013. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, na Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional Exmas. Sras. Senadoras e Deputadas

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV

Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV INVESTIMENTOS Esclarecimentos sobre rentabilidade das cotas do Plano SEBRAEPREV Uma questão de suma importância para a consolidação e perenidade de um Fundo de Pensão é a sua saúde financeira, que garante

Leia mais

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo.

MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V. Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo. 1 MERCADO DE MEIOS ELETRÔNICOS DE PAGAMENTO POPULAÇÃO E COMÉRCIO - ANO V Indicador de atividade da micro e pequena indústria de São Paulo Maio/ 2014 Metodologia 2 Metodologia 3 Técnica Pesquisa quantitativa,

Leia mais

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012 Opportunity Equity Hedge FIC FIM Agosto de 2012 Resultado Ao longo do segundo trimestre de 2012, o Opportunity Equity Hedge alcançou uma rentabilidade de 5% depois de taxas, o que representa 239,6% do

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08

Brasil não pode emperrar pré-sal, diz presidente do World Petroleum Council Qua, 19 de Setembro de 2012 08:08 Dirigindo uma das principais entidades de petróleo do mundo, o World Petroleum Council, mas também presidente da brasileira Barra Energia, Renato Bertani acha que o Brasil não pode se dar ao luxo, como

Leia mais

O desafio da competitividade. Maio 2012

O desafio da competitividade. Maio 2012 O desafio da competitividade Maio 2012 ECONOMY RESEARCH Roberto Padovani Economista-Chefe (55 11) 5171.5623 roberto.padovani@votorantimcorretora.com.br Rafael Espinoso Estrategista CNPI-T (55 11) 5171.5723

Leia mais

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL

CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Julio Hegedus Assunto: Balanço Semanal InterBolsa BALANÇO SEMANAL 24 DE SETEMBRO DE 2010 BALANÇO SEMANAL 20 A 24/09 CAPITALIZAÇÃO DA PETROBRAS E DÚVIDAS SOBRE A ECONOMIA GLOBAL Capitalização da Petrobras

Leia mais

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países Para o Boletim Econômico Edição nº 45 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países 1 Ainda que não haja receita

Leia mais

Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar

Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar Os fundos de previdência privada, sejam fechados ou abertos, têm características próprias e vantagens tributárias em relação aos investimentos

Leia mais

Alguns preferem papéis federais mais curtos, de menor risco, mas há os que sugerem títulos um pouco mais longos corrigidos pela inflação.

Alguns preferem papéis federais mais curtos, de menor risco, mas há os que sugerem títulos um pouco mais longos corrigidos pela inflação. Empírica Investimentos na mídia EXAME Janeiro 23/12/2014 Com juro alto, renda fixa é mais atrativa e Petrobras, opção A alta dos juros na semana passada por conta da instabilidade externa tornou mais atrativos

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

Jornalista: O senhor se arrepende de ter dito que crise chegaria ao Brasil como uma marolinha?

Jornalista: O senhor se arrepende de ter dito que crise chegaria ao Brasil como uma marolinha? Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao jornal Gazeta do Povo, do Paraná Publicada em 08 de fevereiro de 2009 Jornalista: O Brasil ainda tem

Leia mais

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012

INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 INFORME MINERAL DNPM JULHO DE 2012 A mineração nacional sentiu de forma mais contundente no primeiro semestre de 2012 os efeitos danosos da crise mundial. Diminuição do consumo chinês, estagnação do consumo

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento

Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento Volume 11, Number 4 Fourth Quarter 2009 Conjuntura Global Dá uma Guinada Rumo ao Desenvolvimento As economias pelo mundo estão emergindo da recessão, embora em diferentes velocidades. As economias em desenvolvimento

Leia mais

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República

30/09/2008. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, em conjunto com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, com perguntas respondidas pelo presidente Lula Manaus-AM,

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff Homero de Oliveira Costa Revista Jurídica Consulex, Ano XV n. 335, 01/Janeiro/2011 Brasília DF A reforma política, entendida como o conjunto

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil

Recessão e infraestrutura estagnada afetam setor da construção civil CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 21 dezembro de 2014

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Mercados nervosos, investidores tensos. O que pensar?

Mercados nervosos, investidores tensos. O que pensar? 16/07/2008 Mercados nervosos, investidores tensos. O que pensar? Paulo Ângelo Carvalho de Souza Presidente Bolsas em queda; juros em alta; rentabilidade em queda; inflação em alta; preço do petróleo fora

Leia mais

Kevin Anselmo (Duke) +1-919-660-7722 kevin.anselmo@duke.edu. CFOs: Queda no Otimismo Preocupação com Câmbio e Política Econômica

Kevin Anselmo (Duke) +1-919-660-7722 kevin.anselmo@duke.edu. CFOs: Queda no Otimismo Preocupação com Câmbio e Política Econômica CFO Panorama Global dos Negócios Queda acentuada do otimismo no Brasil, preocupação com câmbio e alta da taxa de juros estão entre os principais resultados da pesquisa. -------------------------------------------

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade

A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade outubro 2014 A economia brasileira em transição: política macroeconômica, trabalho e desigualdade Por Mark Weisbrot, Jake Johnston e Stephan Lefebvre* Center for Economic and Policy Research 1611 Connecticut

Leia mais

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda

A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda A estratégia para enfrentar o aprofundamento da crise mundial Guido Mantega Ministro da Fazenda Câmara dos Deputados Brasília, 23 de novembro de 2011 1 Economia mundial deteriorou-se nos últimos meses

Leia mais

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico Boletim Econômico Edição nº 87 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico 1 O papel dos bancos

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

Relatório Mensal Agosto/2015

Relatório Mensal Agosto/2015 1. Cenário Econômico Relatório Mensal GLOBAL: A ata da reunião de julho do FOMC (Federal Open Market Committee) trouxe um tom mais conciliador. Embora a avaliação em relação à atividade econômica tenha

Leia mais

O outro lado da dívida

O outro lado da dívida O outro lado da dívida 18 KPMG Business Magazine A crise de endividamento na Europa abalou a economia global como a segunda grande onda de choque após a ruptura da bolha imobiliária nos Estados Unidos,

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

RELATÓRIO TESE CENTRAL

RELATÓRIO TESE CENTRAL RELATÓRIO Da audiência pública conjunta das Comissões de Assuntos Econômicos, de Assuntos Sociais, de Acompanhamento da Crise Financeira e Empregabilidade e de Serviços de Infraestrutura, realizada no

Leia mais