1. CHECKLIST DE INSPEÇÕES DE EFETIVIDADE. Cia. Distribuidora: Raízen Combustíveis Ltda. Local: Ribeirão Preto Avaliador: Eraldo da Rocha Vieira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. CHECKLIST DE INSPEÇÕES DE EFETIVIDADE. Cia. Distribuidora: Raízen Combustíveis Ltda. Local: Ribeirão Preto Avaliador: Eraldo da Rocha Vieira"

Transcrição

1 1. CHECKLIST DE INSPEÇÕES Cia. Distribuidora: Raízen Combustíveis Ltda. Local: Ribeirão Preto Avaliador: Eraldo da Rocha Vieira Assinatura: Data: a INSTRUÇÕES GERAIS O Checklist apresentado no Item 1.8 deve ser realizado por equipe experiente, que inclua os representantes das Cias. Distribuidoras que participam do Pool inspecionado. A duração estimada da mesma é de 2 a 3 dias, para que todos os itens, incluindo a documentação aplicável, sejam conferidos em tempo hábil. Após a realização da Inspeção o Avaliador deve seguir as Instruções descritas no Item INSTRUÇÕES PARA O AVALIADOR 1) Discussão com o Local ao término da Inspeção 2) Envio do original com todas as páginas para o Representante da respectiva Cia. Distribuidora na Diretoria de SSMA do SINDICOM. 3) Apresentação à Diretoria de SSMA do SINDICOM, o qual analisará as recomendações, funcionando como feedback para o sistema. QUALQUER DÚVIDA SOBRE AS QUESTÕES DO CHECKLIST, CONTATE O REPRESENTANTE DA RESPECTIVA CIA. DISTRIBUIDORA NA DIRETORIA DE SSMA DO SINDICOM. Revisão 03 Setembro 2009 Página 1

2 1.3. INFORMAÇÕES GERAIS DO POOL Administradora e Co-proprietárias Raízen (Administradora) BR, IPP e Raízen (Co-proprietárias) Operações realizadas Recebimento por oleoduto, carregamento e descarga de autos-tanque e vagões-tanque Tancagem m Produtos manuseados Diesel (S50, S1800, Gasolina A, Gasolina C, Álcool (Anidro e Hidratado), Biodiesel e aditivos Volume movimentado m 3 /m (média/mês); 12 vagões tanque/dia; 330 autos-tanque/dia; Estatística local de SSMA dias sem acidentes com afastamento de funcionários e de contratados (records) e 845 dias sem derrame no carregamento de VTs e ATs. Há mais de 18 anos em conformidade nos parâmetros de emissão de efluentes em suas 2 caixas separadoras OBSERVAÇÕES DE CAMPO Estado de conservação Excelente, tanto em instalações prediais quanto em estruturas metálicas, plataformas, equipamentos, jardins, limpeza e housekeeping, Sinalização: Completa e adequada em todas as áreas operacionais. Superfícies metálicas: Bem conservadas apesar da ação agressiva da emissão atmosférica da indústria alcooleira da região. Arruamentos: Bem conservados, atendendo integralmente as necessidades operacionais e de segurança Caixas separadoras de água e óleo Duas caixas API cobertas de acordo com o padrão da CETESB, cobrindo toda a contribuição de águas oleosas. Estado de limpeza e conservação: Caixas limpas dentro dos prazos (última limpeza em Outubro de 2012), sem sinais de óleo nas paredes Sinais de gotejamento nas áreas operacionais Não há sinais de óleo em toda a área operacional. Há forte preocupação com este estado de zero vazamentos Comunidade vizinha Área industrial cercada por rodovia, rio e comunidade de baixo poder aquisitivo. Pontos observados: Revisão 03 Setembro 2009 Página 2

3 Elevado envolvimento da gerencia em visitas - Evidência de registros, atas, fotografias comprovando a alta preocupação e atenção da gerência de acordo com o Sistema 1 do SIGO e Elemento 1 do SGGI-SSMA do Sindicom. Grande motivação e comprometimento da equipe da Instalação com SSMA. Condições da manutenção das facilidades. Housekeeping atendendo os padrões de limpeza, organização e segurança. Intenso programa de treinamento de funcionários e contratados; Áreas verdes bem conservadas. A Instalação abriga aves silvestres da região como o quero-quero, corujas, garças, canários da terra, anum, etc.. Faixa de preservação permanente onde foram plantadas 386 mudas de 36 espécies diferentes de árvores de mata ciliar da região, em FOTO AÉREA Revisão 03 Setembro 2009 Página 3

4 Revisão 03 Setembro 2009 Página 4

5 Revisão 03 Setembro 2009 Página 5

6 Revisão 03 Setembro 2009 Página 6

7 1.6. RECOMENDAÇÕES Elemento Recomendação Responsável Data Limite 5A Alterar redação da pergunta 3, substituindo o termo "perigos" por "fatores de risco" para atender a NBR (Sistema de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho - Requisitos), ficando a nova redação como a seguir: "Os procedimentos existentes incluem os fatores de risco em SSMA, precauções, medidas preventivas e EPI requerido?" Sindicom 28/02/13 9 Observar a frequência semestral para realização dos Simulados do Plano de Emergência, conforme política da administradora. 11 Propor que as inspeções de SGI-SSMA sejam realizadas não pelas Áreas Individuais mas que sejam continuadas pelo Sindicom numa frequência variável em função do índice de efetividade de cada Pool. Douglas 24/04/13 Sindicom 28/02/ EFETIVIDADE DOS ELEMENTOS Elemento Nº Respostas Sim (A) Nº Respostas Aplicáveis (B) Efetividade dos Elementos (%) [(A/B) x 100] A B Total 98 Revisão 03 Setembro 2009 Página 7

8 1.8. TABULAÇÃO DOS RESULTADOS ITEM SIM NÃO N/A OBSERVAÇÕES Elemento 1: Liderança, Comprometimento e Responsabilidade da Gerência 1) Existem evidências da participação da Gerência nos assuntos de SSMA da Instalação? (Verifique atas de reuniões de SSMA, fotos de eventos, etc.) 2) As políticas de SSMA e quanto ao uso de Álcool estão comunicadas e atualizadas? Sim. Há evidência de registros com fotos e atas na pasta do Sistema 1 e no Livro de Registro de Visitantes evidenciando a maciça presença do nível gerencial na condução dos assuntos de SSMA, bem como nas verificações de OPIs (as maiores frequências são do Paulo Ferri, Gobbo, Karin e Sara RH). Divulgadas através de DSS e entregue uma cópia para cada participante, com assinatura em ata. 3) As atribuições, responsabilidades e autoridades do SGI-SSMA estão claramente definidas e são do conhecimento de todos os funcionários e contratados, bem como os resultados são comunicados? 4) As inspeções anuais estão sendo realizadas e os dados estão sendo compilados, revisados e transformados em ações? As responsabilidades são definidas e contempladas no Plano de treinamento de SSMA e no Manual de SSMA. A lista de autoridades está afixada no mural. Anualmente são realizadas inspeções da área de SSMA e controles (TAMS). A última realizada em Julho de 2012 cobriu a IO (Inspeção Operacional), a VADM (Verificação Administrativa), a VIE (Verificação Independente de Estoque) e SIGO pelo Eder Fabris e equipe. Houve também a Auditoria de Parceria Responsável conduzida pela Petrobrás e a Auditoria Periódica de Certificação na OSHA Revisão 03 Setembro 2009 Página 8

9 ITEM SIM NÃO N/A OBSERVAÇÕES Elemento 2: Avaliação e Gerenciamento de Riscos 1) A Instalação foi inspecionada no intervalo estabelecido? A Matriz de Risco é usada? A última Avaliação de Risco (Risk Assesment) foi realizada em 12/08/2010 por equipe multidisciplinar. (Intervalos de 5 anos para o grau de risco local). A Matriz de Risco é utilizada não só para os Risk Assessments, mas também como suporte de análise de risco, no gerenciamento de mudanças, no gerenciamento de projetos e nas PS quando for identificado um risco. 2) O Gerente/Superintendente e seus assistentes foram treinados em técnicas de avaliação de riscos? (Verifique.) 3) As mudanças de procedimentos e facilidades são formalmente avaliadas quanto aos riscos? 4) As recomendações e cenários de risco são submetidos à aprovação da gerência? 5) A Instalação possui Plano de Ação para realizar as recomendações sob a sua responsabilidade? O Superintendente (Douglas), Assistente de Operações (André e Murilo), Assist. de Manutenção (Xisto) possuem treinamento de emissor de permissão, de Gerenciamento de Mudanças e Gerenciamento de Riscos. O controle de vencimentos é feito no Treinar e monitorado pela GSO (Gerencia de Suporte Operacional). As avaliações de risco são feitas em todos os gerenciamentos de mudança, sejam de instalações, sejam de procedimentos ou pessoas. Os cenários identificados para mapeamento e controle de risco têm a aprovação do Superintendente do Pool e da Gerência de SSMA. As medidas preventivas e mitigadoras são transformadas em recomendações de mudanças e eventualmente no PE. Todas as Não Conformidades evidenciadas na Unidade são contempladas no Plano de Ação do Pool, disponível no TAMS. Revisão 03 Setembro 2009 Página 9

10 6) As recomendações estão sendo acompanhadas? ITEM SIM NÃO N/A OBSERVAÇÕES Elemento 3: Atendimento à Legislação, Informação e Documentação Através do TAMS, monitorada pelo Superintendente do Pool. Há um followup periódico registrando os progressos e acompanhada em Comitês e junto à Gerencia de Operações Sul (Paulo Ferri). 1) Alterações em relação à legislação, regulamentos, padrões ou códigos na área de Operações são acompanhadas? 2) Caso haja alguma situação de não conformidade com legislação, tal desvio foi devidamente tratado ou solucionado? 3) Existem fichas de informações de segurança (FISPQs) para todos os produtos e materiais perigosos manuseados na Instalação? As instruções são transmitidas ao campo através dos setores competentes da Cia. (GSO, SSMA) via alteração de procedimento que são executadas pelo Pool. As alterações são disponibilizadas no sistema da Raízen, via Intranet. Houve uma reclamação trabalhista da antiga contratada de portaria em 2010 e foram seguidos os procedimentos atuais em vigor na Raízen, conforme abaixo. Procedimento é encaminhar qualquer notificação fiscal/legal recebida pelo Pool para o Setor Jurídico da Cia. através do padrão que direciona-a para as áreas jurídicas específicas (trabalho, ambiental etc.). Verificada a existência das FISPQs dos produtos comercializados pela Raízen, e de tintas, vernizes, óleos, material de limpeza e demais produtos químicos utilizados. 4) Os funcionários que manuseiam produtos conhecem as fichas de segurança e estão informados sobre os riscos à saúde pelo seu manuseio? Todos os trabalhadores que acessam a área operacional do Pool têm acesso às FISPQs e Fichas de Emergência dos produtos manuseados. Existe uma pasta com as FISPQs e as pessoas que irão trabalhar com aquele produto recebem treinamento e uma cópia da FISPQ. Há também fichas resumidas em setores operacionais. Os treinamentos estão registrados em atas com assinatura dos participantes, arquivados na Pasta de Treinamento de Revisão 03 Setembro 2009 Página 10

11 MSDS. 5) Operadores e prestadores de serviço são treinados para minimizar a exposição a substâncias agressivas nas operações? 6) Existe programa regular de monitoramento da exposição a riscos? Foi apresentado aos funcionários e contratados em uma reunião de Segurança? 7) Os limites ambientais estão identificados e monitorados no local? (ex: limites de efluentes de caixa separadora; emissões atmosféricas de caldeira, sanitários etc.). Treinamentos de Curso de Operação de Pool, Indução dos Contratados, Reuniões do Comitê de SSMA e CIPA. No Manual de Operações constam procedimentos para minimizar exposição e também nas ASTs. Há um cronograma de treinamento de motoristas e os demais contratados fazem treinamento de indução na chegada ao Terminal. A última revisão do PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais) ocorreu em Setembro de O PPRA é divulgado a todos os funcionários e contratados durante as reuniões mensais da CIPA e do Comitê Mensal de SSMA. Foi comentado na CIPA que o PPRA passou por revisão e que se aguardava os resultados, quando será apresentado. Preliminarmente não há pendências. São monitorados mensalmente todos os parâmetros definidos. Quando não há efluentes, é feita a ficha de ausência de efluentes. Apresentada a pasta com as análises mensais dos efluentes feitos pela empresa AW2. Conferidos os parâmetros realizados versus os definidos no Manual de SGI-SSMA. 8) Estando algum parâmetro fora dos limites, as providências corretivas estão sendo tomadas? 9) A Instalação mantém registros de quantidades, tipos e destinos dos resíduos eliminados (ex. borra da caixa separadora, resíduos de limpeza de tanque, produtos sem condições de aproveitamento (slop))? 10) As empresas contratadas para remoção de resíduos são licenciadas pelas Não há parâmetros fora do padrão. Caso ocorram doravante, serão seguidos os procedimentos do Manual. Foi verificada a conformidade do último processo de descarte de resíduos ocorrido em Dezembro de Novo descarte deverá ser feito em dezembro de Condição para as empresas serem contratadas para realizar o descarte. Revisão 03 Setembro 2009 Página 11

12 autoridades ambientais? Será utilizado o serviço de coleta, transporte e descarte dos resíduos gerados conforme descrito na pergunta acima. ITEM SIM NÃO N/A OBSERVAÇÕES 11) O local ou o processo de destinação é aceito e, se for o caso, licenciado pelo órgão ambiental? 12) Existe a lista da documentação crítica da Instalação? 13) Todos os desenhos e documentos da Instalação estão arquivados e disponíveis? Estão atualizados? Elemento 4: Pessoal e Treinamento Condição para ser contratada para realizar o descarte. Os últimos resíduos foram descartados em 2010 e as licenças, autorizações e certificado de descarte do resíduo estão devidamente guardados em pasta separada e dentro das validades. Há uma planilha / lista no sistema, relacionando e controlando os vencimentos dos documentos críticos. Foi-me apresentada esta planilha que é monitorada pela equipe de SSMA do Luiz Gustavo no Comitê de SSMA de Operações. Verificada a planilha de controle de vencimentos "Checklist dos Documentos Críticos dos Terminais de LD&T" do Pool de Ribeirão Preto, evidenciando estarem todas as licenças e certificados em dia. Os originais dos documentos são mantidos em pastas próprias no arquivo do Pool. Os desenhos críticos estão arquivados em pastas de desenhos e plantas. Todas as plantas estão arquivadas em forma digital na Guterres e podem ser solicitadas/acessadas pela Engenharia. As novas alterações realizadas (bottom loading, revamp, S50, B20 etc.) encontram-se em aprovação / execução. 1) Há uma lista de posições chave em SSMA específica para a instalação? Há uma lista formal de posições chave em SSMA específica para a Instalação arquivada na Pasta do Sistema 5A do SIGO. ITEM SIM NÃO N/A OBSERVAÇÕES Revisão 03 Setembro 2009 Página 12

13 2) Os requisitos de capacitação estão definidos para as posições chaves? 3) A instalação possui um programa de treinamento incluindo treinamento inicial, contínuo e de reciclagem periódica? Sim, definidas para as posições chave (Superintendente do Pool, Assistente de Operações e Operadores) nos Job Descriptions de cada funcionário, arquivados na pasta Treinamentos e na Pasta do Sistema 5A. Verificada a pasta com planilha. O monitoramento do treinamento é realizado pela equipe do GSO. 4) Os critérios de experiência individual / coletiva e treinamento prévio são usados na elaboração do programa de capacitação? 5) O programa de treinamento por funcionário é avaliado anualmente? Elemento 5A: Operações e Manutenção 1) Os Manuais incluem os procedimentos operacionais e de manutenção de todas as operações, equipamentos e facilidades existentes nas Instalações? 2) Existem Procedimentos Operacionais Locais atualizados detalhando, quando necessário, as diversas operações existentes na Instalação? Os critérios são efetivamente usados para preenchimento de posições chaves sendo avaliados previamente os conhecimentos do recurso que irá ocupar a posição. A Experiência Individual e Coletiva são conceitos muito fortes na Raízen. Programa de Treinamento realizado em Março de Os treinamentos on-line são planejados e monitorados localmente pelo Pool através do Treinar e os treinamentos presenciais (Brigada de Incêndio e Permissão de Serviço) são gerados, planejados, ministrados e monitorados pelo GSO. O Pool de Ribeirão Preto já implantou o Manual de Práticas Operacionais da Raízen. Os manuais do SIGO ficam dispostos nas Salas de Treinamento e de Operações em local de fácil acesso aos trabalhadores e também disponibilizados na Intranet. O Pool tem procedimentos locais adicionais aos existentes no Manual de Operações. São inseridos na divisória específica, após validação de SSMA (quando aplicável) e do GSO. 3) Os procedimentos existentes incluem os perigos em SSMA, precauções, medidas preventivas e EPI requerido? Tais procedimentos constam do Manual e contém tais informações. Além disso, constam nas ASTs os fatores de risco e aspectos ambientais existentes para Revisão 03 Setembro 2009 Página 13

14 cada tarefa analisada. São transmitidos aos executores através das Permissões de Serviço e das ASTs. 4) O Manual de Operações do SINDICOM está devidamente atualizado, possuindo as últimas revisões? A atualização disponível no local é a mais atual, editada em Outubro de ) O Manual de Recebimento de Produtos do SINDICOM está atualizado, possuindo as últimas alterações? O Manual de Recebimento de Produtos foi desativado e os procedimentos foram incorporados ao Manual de Operações e encontram-se nas Seções de Recebimento por duto, por caminhãotanque, por Vagão-tanque e por naviotanque. ITEM SIM NÃO N/A OBSERVAÇÕES 6) Existem procedimentos de desativação parcial de Instalação e Facilidades Operacionais, considerando aspectos de Segurança, Saúde Ocupacional e Meio Ambiente? 7) Qualquer alteração em parâmetros operacionais gera uma alteração ou inclusão de procedimentos em Manuais? 8) A Instalação possui um Plano de Inspeção e Manutenção Preventiva atualizado e utilizado como referência? 9) Os funcionários da manutenção estão devidamente instruídos e treinados no uso e manutenção dos equipamentos? Os procedimentos de desativação parcial de instalações estão disponíveis na Seção 7 do MFO (Manual de Facilidades Operacionais) do SIGO. Todas as desativações parciais estão formalmente registradas e aprovadas em formulário padrão arquivados na pasta do Sistema 6D (Manutenção de Equipamentos Críticos). Qualquer alteração de instalações ou de procedimentos é precedida e gerenciada formalmente por um gerenciamento de mudanças. Os procedimentos adicionais sofrem validação prévia do GSO. Sim, controlado pelo Módulo MP2 do CITRIX. A gestão desse sistema é feita pelo GSO. O Pool gera as OS e executa as manutenções de acordo com a periodicidade estabelecida no MP2 pelo GSO. Posteriormente é feito o input de retorno com fechamento das OS. A manutenção mecânica básica é executada por um funcionário. As demais manutenções são executadas por empresas especializadas gerenciadas pelo Sistema Contratar. Revisão 03 Setembro 2009 Página 14

15 10) Os desvios são revisados e aprovados pela autoridade designada? 11) Existe uma lista com o inventário de todos os equipamentos e sistemas críticos da Instalação? 12) Existem procedimentos específicos para a manutenção destes equipamentos? 13) Os procedimentos de manutenção são revisados e atualizados periodicamente? 14) Os níveis de delegação estão estabelecidos e obedecidos nas desativações temporárias de alarmes e equipamentos críticos? Os desvios são identificados pelo próprio MP2 que solicita aprovação de um ou mais níveis superiores. A lista de equipamentos críticos está disponibilizada no MP2 e uma cópia na pasta do Sistema 6D (Manutenção de Equipamentos). Sim, no MP2 e nas OS constam os procedimentos de manutenção de cada equipamento crítico ou não. Sim, sempre que há mudanças ou introdução de novos equipamentos ou tecnologias. Os níveis de delegação para desativação temporária de Equipamentos Críticos estão estabelecidos na Seção 7.1 do MFO (Manual de Facilidades Operacionais). Todas as desativações parciais estão formalmente registradas e aprovadas em formulário padrão, arquivadas na pasta do Sistema 6D (Manutenção de Equipamentos Críticos). Elemento 5B: Procedimentos de Controle do Trabalho 1) Existe Manual de Procedimentos de Controle do Trabalho? Sim. Os procedimentos de controle do trabalho estão descritos no Manual de Permissão de Serviço. 2) O Manual define as condições que requerem permissões de serviço/trabalho? Sim. Definidas no MPS 01 (Seção 01 do Manual de Permissão de Serviço). 3) Existe uma relação com os nomes de todas as autoridades para emissão e aprovação das PS? Está atualizada? Há uma relação dos funcionários previamente autorizados para o PCT (Procedimentos de Controle de Trabalho). Relação aprovada pelo Gerente de Operações Sul (Paulo Ferri). ITEM SIM NÃO N/A OBSERVAÇÕES Revisão 03 Setembro 2009 Página 15

16 4) A relação de autoridades está postada em um local apropriado? A relação está postada no mural da Sala de Operações. 5) A documentação define claramente a tarefa? 6) Os riscos foram corretamente identificados? Sim. Verifiquei a pasta de PS e constatei que as mesmas definiam claramente as tarefas, os fatores de risco, as medidas preventivas e mitigatórias, os certificados de escavação, liberação etc. É um processo bastante completo, que inclui a AST (Análise de Segurança da Tarefa). Sim na AST. Verificada a pasta de PS (vide comentário acima). Visitada a obra da interligação do esgoto do Pool com a rede do DAERP e a documentação correspondente. Os riscos são contemplados na Matriz inicial de riscos no caso de mudanças e obras. 7) Todas as precauções e equipamentos adicionais de segurança foram especificados? Constam claramente nas PSs e nas ASTs os equipamentos adicionais que devem ser utilizados para a atividade. 8) Toda a documentação foi autorizada ou endossada corretamente? 09) As autoridades estão formalmente treinadas nos procedimentos de controle do trabalho? Todas as PSs são aprovadas e verificadas pelo Emissor de PS e não requerem endosso. Há um programa de treinamento restrito aos profissionais com qualificação necessária para liberar áreas de trabalho e certificação de espaços confinados de acordo com a NR33. O programa é monitorado pelo GSO. Os níveis de liderança (Superintendente e Assistentes) foram treinados em emissor de PS. 10) As pessoas envolvidas na tarefa conhecem as restrições impostas pela documentação de controle do trabalho e executam a tarefa usando o método definido pela documentação? Sim. Transmitidas na emissão da PS / Validação da PS. Revisão 03 Setembro 2009 Página 16

17 11) Gerente/Superintendente/Supervisores da instalação inspeciona periodicamente a aplicação do processo (mínimo 10%)? Elemento 6: Gerenciamento de Mudanças 1) A metodologia de Gerenciamento de Mudanças está sendo efetivamente aplicada e documentada? 2) Existe uma lista atualizada com as autoridades do Elemento de Gerenciamento de Mudanças? O Douglas verifica a aplicação do processo periodicamente (carimbo com data e rubrica). Verificadas 92 emissões diárias de PS (Certificados de Liberação, PS de escavação, a frio e a quente etc.) e foram realizadas 10 verificações pelo Superintendente do Pool. Sistema 7 do SIGO implementado e efetivado. Examinado o Gerenciamento de Mudança da Interligação do esgoto do Pool e de pessoas, procedimentos (percentual de anidro) etc.. Há uma lista das autoridades do GM e postada no mural, devidamente aprovada pelo Gerente de Operações Sul (Paulo Ferri). 3) Todos os funcionários do local que constam do documento de delegação foram treinados sobre Gerenciamento de Mudanças? 4) As Solicitações de Mudanças contêm as avaliações dos aspectos técnicos de SSMA? 5) Caso existam solicitações de mudanças temporárias ou de urgência em vigor, os procedimentos específicos para estas mudanças estão sendo seguidos? O treinamento de GM está incluído no escopo do treinamento de Emissor de Permissão e no Treinar. Sim, utilizadas Matrizes de Risco dentro do SSMA. Sim, temporárias. Uma delas de mudança de retirada de transformador para manutenção emitida pelo Diego e validado pelo Superintendente do Pool. Elemento 7: Serviços de Terceiros ITEM SIM NÃO N/A OBSERVAÇÕES 1) Os procedimentos para avaliação e seleção de serviços de terceiros estão sendo corretamente aplicados, incluindo: programa de treinamento de SSMA atendimento aos regulamentos uma política de álcool O Sistema de Gerenciamento de Contratados envolve a aplicação de todos os pontos. Há um treinamento inicial no Programa de Indução de Contratadas abordando principalmente os requisitos básicos de SSMA, as Políticas de Álcool e Substâncias Abusivas, procedimentos dentro das Revisão 03 Setembro 2009 Página 17

18 sistema de permissão de serviço 2) O Gerente/Superintendente e assistentes foram treinados em contratação de serviços de terceiros? (verifique) instalações do Pool e Instruções de Trabalho. Ainda dentro do Sistema 8 através da ferramenta Contratar. Será migrado para o Elemento 6 (Gerenciamento de Contratados). Este treinamento faz parte do escopo do treinamento do Treinar (Módulo Segurança para Empreiteiros). O Superintendente e os Assistentes foram treinados em Serviço de Terceiros (Gerenciamento de Contratados). As últimas reciclagens do Wilson ocorreram em 14/02/11 e 27/02/12. A última reciclagem do Douglas ocorreu em 10/12/11. 3) As exigências de desempenho estão sendo comunicadas normalmente às empresas contratadas, incluindo: treinamento pessoal qualificado e habilitado sistema próprio de auto-monitoramento e avaliação 4) As interfaces estão formalmente identificadas e avaliadas e as responsabilidades de coordenação foram claramente definidas? 5) Os prestadores de serviços recebem informações sobre os procedimentos de emergência da instalação? Inicialmente é feita a qualificação prévia das contratadas envolvendo conformidade legal e gestão pelo responsável pela contratação. A avaliação de desempenho é feita pelo gestor local. Dependendo da avaliação a empreiteira pode permanecer realizando serviços para a Raízen ou ser desclassificada para futuras concorrências. Todas as medidas de segurança são contempladas na AST que compõem o Sistema de Permissão para o trabalho. Eventualmente pode ser utilizada a Análise de Risco baseado na Matriz de Risco. Constam também das RIO (Reuniões de Início de Obra). Essas informações são transmitidas através do Treinamento de Indução de Contratados, DDS, Alerta!, Reuniões de Segurança, RIOs etc. 6) Após a realização de um serviço é elaborada a Avaliação de desempenho, entregue ao Contatado e registrado internamente? (verifique) Verificados vários registros de desempenho assinados pelos contratados, evidenciando a comunicação de desempenho às contratadas após a conclusão de seus serviços. Revisão 03 Setembro 2009 Página 18

19 Elemento 8: Investigação e Análise de Incidentes 1) Existe procedimento formalizado para reporte e investigação de incidentes e quase-incidentes? 2) Os prazos de reporte são obedecidos? Os novos procedimentos estabelecidos no Elemento 7 do SIGO no Manual de Comunicação e Análise de Acidentes e no Manual do Alerta! As comunicações devem ser feitas imediatamente por telefone da C.A.E. (Central de Atendimento a Emergências) que faz a divulgação aos responsáveis. Os prazos variam em função da severidade. ITEM SIM NÃO N/A OBSERVAÇÕES 3) O Gerente/Superintendente e seus assistentes (veja no Elemento 4 quais assistentes devem ter este treinamento) foram formalmente treinados em técnicas de investigação e análise de incidentes? 4) Os incidentes ocorridos na Instalação são investigados conforme estabelecido pelos procedimentos em relação aos prazos, qualidade e análise das causas básicas? 5) Existe um programa para incentivar o reporte dos quase-incidentes ocorrido na Instalação? O treinamento de Investigação e Análise de Incidentes faz parte do treinamento do Alerta!. Apresentada lista de presença de treinamento de todos os funcionários e contratados fixos. Está sendo ora estendido aos contratados de obras gerenciadas pela engenharia. Examinado o processo do Alerta! do último quase acidente ocorrido em 02/10/2012 (quase derrame baia 01 bottom) e sofreu investigação de uma equipe formada pelo Wilson, Alexandre (operador), Flávio (motorista envolvido) e Douglas, com identificação das causas básicas, lições aprendidas e plano de ação. Foi divulgado na CIPA de Outubro e em folheto comunicado aos motoristas de bottom. Programa Alerta!. Excelente campanha Se não for Seguro não faça com a primeira etapa Você já fez a sua AAS hoje?. Em duas semanas foram feitas 2022 AAS no Pool de Ribeirão Preto, contribuindo para alcançar a meta de AAS no Brasil (atingido com AAS até o momento). Revisão 03 Setembro 2009 Página 19

20 Há vários cartazes com frases motivando a equipe na participação na campanha. 6) São discutidos nas reuniões de segurança (CIPA, café da manhã, diálogos de segurança) os incidentes e quase-incidentes e respectivas lições aprendidas? 7) Existe evidência na Instalação de que as recomendações geradas nas análises dos incidentes e quase-incidentes foram executadas? Em todos esses eventos são discutidos os reportes de acidentes e quase acidentes com maior potencial de gravidade e as Lições Aprendidas. É um item que faz parte do Comitê Mensal de SSMA dos Terminais. Nas próprias OPIs e nas IAs e IQAs já constam as ações e as confirmações dos fechamentos das mesmas. Um sistema em Access da gerencia de SSMA que faz o controle dessas ações, consolidando todos os reportes mensalmente no Comitê de SSMA e no Comitê de SSMA de Operações. Elemento 9: Conscientização da Comunidade e Resposta à Emergência 1) É realizado um programa de aproximação com a comunidade nesta Instalação? (registre como) 2) A aproximação com a comunidade, mídia, autoridades, etc. segue os procedimentos estabelecidos? A vizinhança é composta comunidade de média renda na lateral direita e nos fundos, rodovia SP328 em frente e rio Ribeirão na lateral esquerda. Existe um plano de auxílio mútuo denominado PAME e bom relacionamento com o Corpo de Bombeiros, Polícia Rodoviária Estadual e SAMU que participam de simulados e reuniões periódicas. Durante a SIPAT há um programa de aproximação com a escola da comunidade vizinha onde alunos, professores e familiares fazem uma visita ao Terminal, participam de um concurso com premio, de um café da manhã, hasteamento da bandeira etc. Sim, através dos treinamentos do PAME, Simulados. As autoridades (Corpo de Bombeiro, Defesa Civil, Polícia Rodoviária Estadual) participam dos treinamentos. São feitas doações para o Corpo de Bombeiros, campanha de arrecadação Revisão 03 Setembro 2009 Página 20

1. CHECKLIST DE INSPEÇÕES DE EFETIVIDADE. Cia. Distribuidora: Raízen Combustíveis Ltda. Avaliador: Eraldo da Rocha Vieira

1. CHECKLIST DE INSPEÇÕES DE EFETIVIDADE. Cia. Distribuidora: Raízen Combustíveis Ltda. Avaliador: Eraldo da Rocha Vieira 1. CHECKLIST DE INSPEÇÕES Cia. Distribuidora: Raízen Combustíveis Ltda. Local: Madre de Deus Avaliador: Eraldo da Rocha Vieira Assinatura: Data: 18-09 a 19-09-12 1.1. INSTRUÇÕES GERAIS O Checklist apresentado

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando

Comando do Corpo de Bombeiros. Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio. Maj. QOBM Fernando Comando do Corpo de Bombeiros Mód 5 Plano de Emergência Contra Incêndio e Brigada de Incêndio Maj. QOBM Fernando Plano de Emergência Requisitos para Elaboração e Aspectos a serem Observados; Implementação

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina:

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: 1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: OCA OCS OCF 2- Considerando a sistemática de uma certificação de sistemas enumere de 1 à 6 a seqüência correta das etapas

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO 3 ACIDENTE DO TRABALHO 4 SITUAÇÕES ANORMAIS NO INTERIOR DA UO 1 - Conceito de Perigo, Risco É a fonte ou

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA LIANE DILDA GERENTE DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO HISTÓRICO Privatização - 28.07.1999 (DEI-EUA) EUA) Geração e Comercialização de

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora: PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Vigência: OUTUBRO/ 2015 à OUTUBRO/2016 Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL Equipe Técnica Executora: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho

Leia mais

Anexo contratual: Health and Safety (HAS)

Anexo contratual: Health and Safety (HAS) Com a premissa fundamental de perpetuar a visão preventiva e o controle eficaz dos riscos operacionais, este anexo contratual determina os princípios legais e gerenciais para a manutenção da integridade

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança?

P 2: Quais os limites entre aspectos relativos ao meio ambiente e à segurança? INTERPRETAÇÃO NBR ISO 14001 (1996), JULHO 2001 CB-38/SC-01/GRUPO DE INTERPRETAÇÃO INTRODUÇÃO O CB-38, Comitê Brasileiro de Gestão Ambiental, da ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas, decidiu criar

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes DO OBJETIVO A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes NR-5 Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 Atribuições iniciais Criada em 1934 e regulamentada somente em 1978 juntamente com outras

Leia mais

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013.

SMAMA LICENÇA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LO N : 0019/2013. LO N : 0019/2013. A Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente, criada pela Lei Municipal n 368 de 20/05/77, no uso das atribuições que lhe confere a Lei n 6.938, de 31/08/81, que dispõe sobre

Leia mais

Guia de Mobilização - Vale

Guia de Mobilização - Vale Guia de Mobilização - Vale 2ª Edição Nov/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. MACRO FLUXO DO PROCESSO DE MOBILIZAÇÃO... 3 3.1. CERTIFICAÇÃO... 3 3.2. CONTRATAÇÃO... 4 3.3. MOBILIZAÇÃO...

Leia mais

A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas

A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas A NR-20 e o armazenamento de líquidos inflamáveis e combustíveis em instalações administrativas Autora Patrícia Lins de Paula A NR-20, Norma Regulamentadora 20 do Ministério do Trabalho e Emprego, trata

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação:

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação: ANEXO Nº I Item: SERVIÇO Unidade Requisitante: Código Cadastro: Empresa Contratada Especificações de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho para realização de integração na contratante. 1) Itens obrigatórios

Leia mais

Quem somos DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE

Quem somos DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE Quem somos QUALIDADE SEGURANÇA- MEIO AMBIENTE - SAÚDE TRANSPOR TE DE PASSAGEIROS E CARGAS DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Quem somos O mercado está cada dia mais competitivo e dentro deste cenário, nasce a

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um Sistema de Gestão da Qualidade e de Energia, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. Outrossim, a responsabilidade

Leia mais

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E

Atualizada.: 19/04/2012 ANEXO 1 E COORDENADORIA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA E AMBIENTAL MEDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 E Ótica; Creches; Instituições de longa permanência para idosos; Instituições que prestem serviços de atenção a pessoas com

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

Programa de Segurança e Saúde do Trabalho "Segurança o Tempo Todo"

Programa de Segurança e Saúde do Trabalho Segurança o Tempo Todo Página: 1/14 1. OBJETIVO Descrever as principais rotinas gerenciais de segurança e saúde do trabalho à serem desenvolvidas pela equipe da ENDICON, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais,

Leia mais

Controle e uso de EPI s e Uniformes NIK 026

Controle e uso de EPI s e Uniformes NIK 026 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. ESCOPO... 2 3. DEFINIÇÕES... 2 3.1. EPI S... 2 3.2 UNIFORMES... 2 3.3 FICHA DE CONTROLE DE EPI S E UNIFORMES... 2 3.4 GESTORES... 2 3.5 ASSOCIADOS... 2 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 2.a SEP PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Cortesia: Antônio Henriques & Isegnet Projeto de Inserção: 3RFollowGoGreener Aplicação: MPEM Rede Petro/SEBRAE Contato: www.isegnet.com.br

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

Avenida Presidente Wilson, 231 11 andar 20030-905 Rio de Janeiro- RJ ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL MARÇO, 2015 ÍNDICE OBJETIVO 3 ESCOPO 3 DEFINIÇÕES Risco Inerente 4 DEFINIÇÕES Risco Operacional 4 DEFINIÇÕES Evento de Risco Operacional 4 FUNÇÕES E RESPONSABILIDADES

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008. A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite:

ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008. A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite: 01/07/2008 ERRATA Nº. 01 CONVITE 18/2008 A Comissão Permanente de Licitação informa alteração no referente Convite: A data de abertura foi transferida para o dia 18/07/2008, às 14 horas; o prazo para realização

Leia mais

Relatório de Avaliação de Fornecedores

Relatório de Avaliação de Fornecedores Relatório de Avaliação de Fornecedores 1. Dados da organização Razão Social: Techfive Comércio e Gestão de Equipamentos de Telec LTDA CNPJ nº 09203925/0001 04 Endereço Rua Wilton Reis Costa, 165 - Condomínio

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1 OBJETIVO...

Leia mais

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A

Fire Prevention STANDARD. LME-12:001905 Upt Rev A STANDARD LME-12:001905 Upt Rev A Índice 1 Introdução... 3 2 Requisitos... 3 3 Normas de Operação Segura... 4 3.1 Procedimentos de Evacuação em Incêndio... 4 3.2 Caminhos de Escape Designados... 4 3.3 Pontos

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06 Extintores de Incêndio Portáteis. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras atendam as exigências para utilização dos extintores de incêndio portáteis de acordo com

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES Pág.: 1/10 1. OBJETIVO Definir os procedimentos operacionais relativos às normas gerais de produção e envase de produtos formulados na TERRA NOSSA, desde a emissão da ordem de produção até a entrega do

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Adequação Ambiental na Indústria Naval. Estaleiro Mauá. Daniel Meniuk Raphael Goffeto Schulz

Adequação Ambiental na Indústria Naval. Estaleiro Mauá. Daniel Meniuk Raphael Goffeto Schulz Adequação Ambiental na Indústria Naval Estaleiro Mauá Daniel Meniuk Raphael Goffeto Schulz Objetivos Descrever o ambiente para o surgimento e permanência da gestão ambiental no Estaleiro Mauá Apresentar

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento Pág. 1/10 II.7.7 - Programa Específico de A PETROBRAS

Leia mais

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional Gerenciamento do Risco Operacional Controle do documento Data Autor Versão Outubro/2010 Compliance 001 Dezembro/2011 Compliance 002 Dezembro/2012 Compliance 003 Agosto/2014 Compliance 004 Revisão do documento

Leia mais

SISTEMA AMBIENTE. Prevenção Gestão Documental RISCOS. Saúde, Segurança e Meio Ambiente. Redução Eliminação. Ações a serem feitas.

SISTEMA AMBIENTE. Prevenção Gestão Documental RISCOS. Saúde, Segurança e Meio Ambiente. Redução Eliminação. Ações a serem feitas. Saúde, Segurança e Meio Ambiente Um software que transforma os dados em um documento dinâmico, atualizado em tempo real Um sistema de gestão adequado para a prevenção e parar OHSAS 18001 e ISO 14001 O

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS

COMPANHIA DOCAS DO ESTADO DE SÃO PAULO - CODESP AUTORIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS RESOLUÇÃO DP Nº. 116.2013, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE LAVAGEM DE PORÕES DE NAVIOS GRANELEIROS NAS ÁREAS DO PORTO ORGANIZADO DE SANTOS O DIRETOR-PRESIDENTE DA

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

Certificação de Proteção ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança para Fornecedores

Certificação de Proteção ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança para Fornecedores Certificação de Proteção ao Meio Ambiente, Saúde e Segurança para Fornecedores A Cisco Systems, Inc. (Cisco) tomará todas as medidas práticas e razoáveis para garantir a segurança do local de trabalho

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título)

Impresso em 26/08/2015 10:52:49 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Cintia Kikuchi/BRA/VERITAS em 08/01/2015 Verificado por Neidiane Silva em 09/01/2015 Aprovado por Americo Venturini/BRA/VERITAS em 12/01/2015 ÁREA QHSE Tipo Procedimento Regional

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI)

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA INTEGRIDADE ESTRUTURAL DAS INSTALAÇÕES TERRESTRES DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL (RTSGI) ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Introdução...

Leia mais

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

PSQ 290.0300 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ - (4.2.3 - Controle de Documentos) (820.40 Document Control) APROVAÇÃO MARCOS FERNANDES NUNES Gerente da QA/RA Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO GISELA CRISTINA LUÇOLLI NASS Assistente Administrativo APARECIDA

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente Superintendência Estadual do Meio Ambiente SEMACE 1. OBJETIVO: Este Termo de Referência têm como objetivo estabelecer diretrizes para elaboração do Plano de Emergência para Transporte de Produtos Perigosos. O plano deverá garantir de imediato, no ato

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PO.GRH.01 01 1/9 1. OBJETIVO Descrever e fornecer informações quanto às atribuições, responsabilidades e pré-requisitos que constituem as funções da organização, e o levantamento da necessidade e realização

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

Planilha para Análise do histórico do Indicador de Coleta e Tratabilidade de Esgoto da População Urbana do Município ICTEM no sextênio 2008 a 2013

Planilha para Análise do histórico do Indicador de Coleta e Tratabilidade de Esgoto da População Urbana do Município ICTEM no sextênio 2008 a 2013 ORIENTAÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DAS PLANILHAS 2013 Orientações gerais: As planilhas disponibilizadas para o preenchimento devem ser encaminhadas ao Programa Município VerdeAzul junto aos demais documentos

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação

Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação Checklist aplicável ao Fornecedor ou Subcontratado e Pontuação Segue abaixo checklist que será utilizado na auditoria no fornecedor ou subcontratado das empresas signatárias.. Formalização da Empresa Peso.

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Cronograma de Atividades CIPA GESTÃO 2012-2013

Cronograma de Atividades CIPA GESTÃO 2012-2013 Julho/2012 Cronograma de Atividades CIPA GESTÃO 2012-2013 Slogan: Segurança se faz com Educação MÊS Atividades * Reunião Ordinária e Posse da CIPA: 06/07/2012 * Implantação da Urna de Sugestões da CIPA.

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais