Manual de Treinamento Simulador. SOP Standard Operating Procedure CESSNA Rev. 01

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Treinamento Simulador. SOP Standard Operating Procedure CESSNA - 172 Rev. 01"

Transcrição

1 Manual de Treinamento Simulador SOP Standard Operating Procedure CESSNA Rev. 01

2 Índice 1 Apresentação 3 2 Preparação para o Vôo Meteorologia Navegação NOTAM S Plano de Vôo 4 3 NORMAL PROCEDURES SPECIFIC CALLOUTS CESSNA 172 SAFETY CHECK FLIGHT DECK PREPARATION ENGINE START PROCEDURES TAXIING PROCEDURES PRE-TAKEOFF PROCEDURES TAKE OFF PROCEDURES CLIMB PROCEDURES CRUISE PROCEDURES DESCENT/APPROACH PROCEDURES LANDING PROCEDURES GO AROUND PROCEDURES TAXI IN PROCEDURES SHUTDOWN PROCEDURES 17 4 EMERGENCY PROCEDURES CESSNA STANDARD CALLOUTS (CHAMADA PADRÃO) 20 6 CHECK LIST CESSNA 172 C172 NORMAL CHECKLIST CESSNA 172 C-172 NON - NORMAL CHECKLIST 25 7 FICHAS DE INSTRUÇÃO Erro! Indicador não definido. 8 PROGRAMA DE TREINAMENTO 27 9 FLIGHT PATTERNS 56

3 1 Apresentação O Standard Operating Procedures (SOP) tem por objetivo padronizar a instrução e a rotina operacional. O mesmo deverá ser usado como referência pelos professores e alunos de todos os programas de treinamento. O objetivo final do SOP é preparar o aluno para uma rotina operacional padrão. Dessa maneira, todas as fases do treinamento enfatizam simulando ações e diálogos conceitos utilizados na aviação comercial. O SOP encontra-se divido em 7 Capítulos. Capítulo 2 Preparação para o Vôo é um texto explicativo visando abreviar o tempo de briefing da segunda lição que já inclui uma rotina completa de Cockpit Preparation, partida/táxi, decolagem, subida, cruzeiro e descida. Capítulo 3 C-172 Rotina operacional. Nesse capítulo, estão descritos todos os procedimentos que deverão ser seguidos rigorosamente durante a operação normal do CESSNA 172. Capítulo 4 Emergency procedure Nesse capítulo, estão descritos todos os procedimentos que deverão ser seguidos rigorosamente durante a operação monomotor da aeronave CESSNA Capítulo 4 Standard Callouts utilizados na aeronave em questão. Capítulo 6 Check Lists Normal Check List e Non Normal Check List Capítulo 7 Flight Patterns Visual e IFR

4 2 Preparação para o Vôo Aviação como qualquer outra atividade, exige planejamento e preparação. As conseqüências da falha nesta importante fase podem ser desastrosas. A preparação consiste, basicamente, na coleta de todas as informações essenciais e pertinentes ao vôo tais como informações Meteorológicas e NOTAM s e a elaboração da navegação, do Plano de Vôo, do cálculo de combustível e até, conforme o caso, a confecção do Manifesto de Peso e Balanceamento. 2.1 Meteorologia METAR s do aeroporto de origem, destino, alternativa (S) e de quaisquer outros aeroportos de interesse na rota (ex.: Vôo Piracicaba Rio Preto com alternativa de Ribeirão Preto: METAR: Araraquara (SBAQ sobrevôo caso tenha de ser usado em uma situação de contingências.) TAF s (Terminal/Aerodrome Forecast) previsão meteorológica para aeroportos de interesse para aquele vôo, dentro do mesmo critério acima para METAR. SIGMET se houver Carta Sinótica SIGWX Apresentação gráfica (símbolos e dados numéricos) com um resumo da situação meteorológica geral da área de interesse. 2.2 Navegação A navegação deverá ser elaborada e apresentada para o instrutor com 30 minutos de antecedências. O aeroclube possui uma sala de navegação e estudos para os alunos com todos os materiais necessários para a confecção e planejamento de vôo. 2.3 NOTAM S Apresentação dos NOTAM s selecionados de interesse para aquele vôo (Incluindo destino, alternativa, rota e aeroportos intermediários, quando for o caso). 2.4 Plano de Vôo Quando pertinente o plano de vôo, deve ser apresentado devidamente preenchido e assinado e que poderá, a critério do instrutor, ter itens alterados conforme sua conveniência.

5 3 NORMAL PROCEDURES SPECIFIC CALLOUTS 3.1 CESSNA 172 SAFETY CHECK Ao entrar na aeronave, verificar os seguintes itens: SAFETY CHECK CIRCUIT BREAKERS ELECT. EQUIPAMENTS (RADIOS AND TRANSPONDER) MASTER LIGHTS FUEL RÁDIO MASTER FIRE EXTINGUISHER MAGNETOS MIXTURE ALL IN OFF ON ON, CHECKED CHECKED CHECKED, ON/OFF OFF CHECKED OFF CUT OFF 3.2 FLIGHT DECK PREPARATION MAINTENANCE STATUS Check Conferir no diário de bordo. Caso haja itens pendentes: Confirmar de que forma possíveis restrições afetariam o vôo. Confirmar como será a operação da aeronave com itens pendentes WEATHER CONDITIONS Check Obter condições meteorológicas (ATC GND, TWR) / ATIS. Em caso de vôo local essa etapa pode ser feita apenas checando a meteorologia visualmente. CLEARENCE ( AUTORIZAÇAO DE TRÁFEGO ) Obtained Em vôo local em SDPW, se tratando de um aeródromo não controlado, a autorização de trafego não é necessária, porém, o aluno deve coordenar todas suas ações na freqüência 123,45. Solicitar quando pertinente autorização de tráfego (ATC CLR/GRD/TWR) informar destino, nível solicitado e código da informação ATIS.. Selecionar cartas: SID, IAL, diagrama do AD, área e rota.

6 TAKE OFF BRIEFING Para efetuar o take-off briefing é necessário antes configurar o painel de acordo com a saída autorizada. Sintonizar as freqüências e identifica-las (VOR e ADF) Ajustar o Course Selector (OBS) para a radial de saída Selecionar o código trasnponder indicado pelo ATC Ajustar o altímetro para o ajuste QNH do ATIS ou de outra fonte e conferir a sua indicação com a altitude do aeroporto, dentro das tolerâncias previstas. zerar a carta (girar até o rumo norte) do instrumento ADF, uma vez que não se trata de um RMI. E, em seguida, efetuar o Take off briefing. Para o briefing, prestar especial atenção aos dados do ATIS que contém informações meteorologia bem como itens de NOTAM que possam afetar a segurança da decolagem, Exemplo: Vento com componente de cauda ou excessiva componente de través, rajadas na decolagem, pista contaminada, impraticabilidade de algum trecho de cabeceira, etc., etc. O Briefing deve incluir, basicamente, o seguinte: 1 Maintenence Status Condições de anormalidade que possam afetar a segurança ou a operacionalidade da aeronave. 2 Um breve resumo das condições meteorológicas (Vento, rajadas e chuva) reinantes por ocasião da decolagem que requeiram especial atenção do piloto. 3- A menção se pertinente da inoperância de algum auxilio a navegação divulgado pelo ATIS ou por outro meio, que afete a navegação da fase de subida. 4 Um breve resumo de alguns dados da técnica de decolagem (Take Off Power, Vr (65 MPH), Velocidade de subida inicial (80 MPH)... 5 Um breve resumo da técnica de interrupção ou prosseguimento da decolagem em situação de emergência ou de anormalidade. 6 Dados da Subida IFR prevista Mencionar proa, radial QDR e QDM da carta, restrições porventura existentes (Altitude e/ou velocidade), fixos críticos da saída e sua determinação alternativa em casa de conhecimento da inoperância do auxilio a navegação básico vinculado á sua obtenção (Exemplo: DME inoperante, exigindo a obtenção do fixo por cruzamento de radiais ou radial e QDM/QDR, altitude de transição, obstáculos (Se houver) e MSA). Itens essenciais de uma da CARTA de Saída. Qual o procedimento, aeroporto, pista a ser utilizada. Freqüências de comunicações e navegações.

7 Todas as radiais, QDR ou QDM a serem seguidos e ressaltar os lados a serem efetuadas as curvas e as restrições de altitudes máximas e mínimas em cada ponto Altitude de transição (QNH para QNE) Ler e ressaltar todos os RMKs relativos à saída selecionada na Carta. Razão de subida mínima requerida (gradiente de subida). Como regra básica, multiplica-se a porcentagem da razão requerida pela velocidade, arredondandose o valor para cima. Exemplo: razão mínima 3,3%, velocidade de subida 100 kt = razão mínima de 330 pés por minuto. Exemplo de Briefing: A aeronave está OK, sem nenhuma pane pendente (ou descriminar a pane e no que ela pode afetar). As condições do tempo são, vento: / teto:, visibilidade, etc... e sem observações de NOTAM. Faremos uma decolagem normal, iremos dar Full Power, checando se os instrumentos do motor estão na faixa verde, iniciaremos a corrida observando o descolamento do velocímetro. Rodaremos com 65MPH e subiremos com 80MPH. Se houver pane durante a subida, abaixo de 500ft de altura, pousar em frente e se necessário curvar no máximo 45 p/ um dos lados para livrar obstáculos. Pane acima de 500t avaliar o retorno e tentar voltar para a pista. Em caso de pane real XXXXXX ( definir quem assume ) Brienfing da carta SID, nossa saída será a:, etc.... Este exemplo de briefing, obviamente, poder sofrer alterações necessárias em função das particularidades de cada decolagem. OBS: É de suma importância para que os pilotos entendam que os auxílios rádio à navegação (NDB, VOR, DME ou ILS) só são considerados operacionais e confiáveis se devidamente identificados. Portando, toda vez que for sintonizar um desses auxílios, o piloto deve obrigatoriamente ouvir todas as letras da transmissão para a positiva e inequívoca identificação do mesmo. Efetuar Before Start Check List BEFORE START CHECK LIST COCKPIT PREPARATION PARKING BRAKES SEATS SEAT BELTS ELECT. EQUIPAMENTS (RADIOS AND TRANSPONDER) COMPLETED SET LOCKED FASTENED OFF

8 FUEL SELECTOR MASTER BEACON NAV LIGHTS MIXTURE THROTTLE PROPELLER AREA BRIENFING BOTH ON ON ON RICH OPEN, ½ POL CLEAR COMPLETED Finalizar: Before start Checklist Completed 3.3 ENGINE START PROCEDURES ENGINE START CLEARENCE (Autorização para o acionamento) Obtained Em caso de aeroportos controlados e de suma importância que seja informado a posição da aeronave no estacionamento. Em aeroportos não controlados o acionamento fica a cargo do piloto em comando, o mesmo deve fazer um cheque de área certificando que não há pessoas, veículos, aeronaves ou outro fator que possa comprometer a segurança do vôo. Efetuar o Starting Check List MIXTURE THROTTLE PROPELLER AREA MAGNETOS OIL PRESSURE THROTTLE STARTING CHECKLIST RICH OPEN, ½ POL CLEAR START RISING 1000 RPM Finalizar: Starting Check List Completed Após a conclusão do acionamento efetuar o: After Start Check List AFTER START CHECKLIST ENGINE INSTRUMENTS CHECKED ALTERNATOR ON AMPERIMETER CHECKED, POSITIVE IND. RADIOS AND TRANSPONDER ON, STD BY ALTIMETER ADJUST TRIM ADJUST PARKING BRAKES OFF Finalizar: After Start Check List Completed

9 Lembrete: Ao ligar o radio o comandante deve certificar-se de que o mesmo está funcionando e com o volume devidamente setado. 3.4 TAXIING PROCEDURES TAXI CLEARENCE (Autorização para o taxi) Obtained Antes de iniciar o taxi, apesar da autorização obtida pelo ATC, é importante certificarse que a área está livre, fazendo uma varredura visual de 180 graus para frente da aeronave e ligando o farol de táxi (Se a aeronave possuir) ou o de pouso. Lembrete: mesmo que a aeronave tenha sido autorizada pelo ATC ou esteja sendo orientada para o táxi por um fiscal de pista, recai sobre os ombros do Comandante também a responsabilidade por colisão/abalroamento no solo. Durante o táxi (ou no ponto de espera) efetuar o cheque dos instrumentos de vôo e de motor, configurar a aeronave, fazer alguma mudança de freqüência de rádiocomunicação ou de navegação (e correspondente seleção de radial, quando for o caso), devido a modificações de última hora. Efetuar: Táxi Check List LANDING LIGHTS (IF NIGHT) BRAKES FLIGHT CONTROL FLAPS FLIGHT INSTRUMENTS TAXI CHECKLIST ON CHECKED FREE AND FUN TRAVEL CHECKED, SET CHECKED Finalizar: Taxi Check List Completed

10 * Flight instruments: Bússola magnética: conferir com uma proa conhecida Velocímetro: Zerado (se houver vendo forte de proa poderá haver alguma indicação) Horizonte artificial: Nivelado, miniatura ajustada. Altímetro: Ajustado Turn Coordinator: Bola no centro ou, e se em curva, para o lado contrário à curva e pau inclinado. Giro direcional: coincidindo com a proa magnética da bússola VSI (Vertical Speed Indicator): indicando zero * Engine instrument: Indicações normais, ponteiros nas faixas verdes. 3.5 PRE-TAKEOFF PROCEDURES Efetuar o: Before takeoff Check List Lembrete: O before takeoff checklist, deve ser realizado no ponto de esperar antes da obtenção da autorização para decolagem, o comandante apenas reportará pronto para decolagem após a conclusão do mesmo. BEFORE TAKE OFF CHECKLIST FUEL SELECTOR BOTH THROTTLE 1700 RPM MIXTURE CHECKED MAGNETOS CHECKED, THEN ON CARBURETOR HEAT CHECKED, THEN CLOSED AMPERIMETER CHECKED GYRO SUCTION CHECKED (4.8 & 5.1) THROTTLE IDLE, 600 / 800 RPM ENGINE INSTRUMENTS CHECKED PARKING BRAKES OFF Finalizar: Before Take Off Check List Completed Solicitar autorização para a decolagem (TWR) TAKE OFF CLEARENCE (AUTORIZAÇÃO DA DECOLAGEM) --- Obtained

11 Efetuar o: Cleared for takeoff Check List CLEARED FOR TAKEOFF CHECKLIST LANDING LIGHTS ON TRANSPONDER ALT DOORS AND WINDOWS LOCKED AND CLOSED GYRO ADJUST Finalizar: Cleared for Take-Off Check List Completed 3.6 TAKE OFF PROCEDURES Quando alinhado o piloto deve efetuar o CALLOUT dizendo a cabeceira em que está e a proa indicada no giro, caso a mesma não coincida com a cabeceira em uso, atualizar a carta do giro. Aeronave alinhada na cabeceira: Efetuar CALLOUT: CABECEIRA:, PROA:. Ajustar potência de decolagem (Full Power) Checar parâmetros do motor Parâmetros atingidos, CALLOUT: TAKE OFF POWER SET Parâmetros minimos: MIN DE 2200 RPM Observar o descolamento do velocímetro durante a corrida, quando o mesmo descolar, efetuar o CALLOUT: AIRSPEED ALIVE MPH CALLOUT: ROTATE Ajustar potência de subida para 2500 RPM, quando ajustada e efetuar o CALLOUT: CLIMB POWER SET. Procedimentos após decolagem 500` AGL: Itens de memória: FLAPS LIGHTS CLIMB POWER UP OFF 2500 RPM Lembrete: A redução de potência, luzes e mudança de configuração recolhimento dos flaps quando for o caso, são, na realidade, itens de memória.

12 Quando as condições permitirem executar o: After Takeoff Check List THROTTLE ENGINE INSTRUMENT FLAPS LANDING LIGHTS ALTIMETER AFTER TAKEOFF (TO THE LINE) CLIMB POWER CHECKED UP OFF AFTER TAKEOFF CHECKLIST ( BELOW THE LINE ) SET Finalizar: After Take-off Check List Completed QUANDO EXECUTAR O AFTER TAKE-OFF CHECKLIST? Em vôo visual: Após abandonar o circuito de tráfego em subida já na proa correta para o destino ou para área de manobras. Em vôo por instrumento: Se a altitude de transição for muito acima da altitude do aeroporto de decolagem, efetuar o Check List quando a aeronave estiver estabilizada na subida, com potência e configuração de subida, na velocidade correta, com o QDM/QDR ou radial de saída já interceptados. Isto evita acúmulo de tarefas em situações criticas ou muito dinâmicas, típicas da fase inicial de decolagem, o que pode distrair a atenção do piloto. Nos casos em que a altitude de transição for relativamente baixa em relação ao aeroporto de decolagem, o Check List poderá ser postergado até à passagem pela transição. Quando a leitura do Check List for feita antes da passagem pela altitude de transição, será feitada seguinte forma: After take off Check List to the line, aguardando a passagem pela altitude de transição para, em seguida, concluir o item After take-off checklist Below the Line e mencionar o After takeoff checklist Completed.

13 3.7 CLIMB PROCEDURES CLIMB POWER ADJUST CLIMB AIRSPEED ADJUST POTENCIA ATÉ 500FT POTENCIA DE SUBIDA FULL 2500 RPM 3.8 CRUISE PROCEDURES CRUISE POWER SET Após alinhar a aeronave, ajustar potencia de cruzeiro 2300 RPM. Afetuar o CALLOUT: CRUISE POWER SET Efetuar o: Cruise Check List THROTTLE MIXTURE (ABOVE 5000 ft ) PITOR HEAT CRUISE SET FOR CRUISE ADJUST AS REQUIRED Finalizar: Cruise Check List Completed AJUSTE DE MISTURA: O ajuste de mistura deverá ser feito para recuperar a potência do motor para o máximo disponível em função das condições ambientais e economizar combustível. O procedimento envolve o seguinte: Após ajustar RPM/MAP, o piloto deve reduzir gradativamente a manete de mistura observando os seguintes parâmetros: Fuel Flow, CHT ( Cylinder Head Temperature ) e, principalmente, o EGT ( Exhaust Gas Temperature ). O que o piloto ira observar é: uma diminuição gradual do Fuel Flow juntamente com um aumento gradual do EGT. A manete de mistura continua sendo reduzida até que o EGT atinja um pico e comece a decrescer. Neste momento, o piloto avança ligeiramente a manete de mistura para retornar a agulha do EGT ao valor de pico e o procedimento está completo.

14 3.9 DESCENT/APPROACH PROCEDURES Independente da regra de vôo saber as condições, assim como, restrições do local de pouso são fundamentais para o planejamento e a segurança do vôo. Logo, o Descent Preparation deverá ser executado pelos alunos que estiverem navegando VFR ou em treinamento IFR. Apenas os vôos de instruções que serão realizados na área de manobra (Setor ECHO do aeródromo) estão isentos desse planejamento. WEATHER CONDITIONS / NOTAM S ( Destino e Alternativa ) CHECK Antes do inicio da descida obter as condições meteorológicas dos aeródromos de destino e alternativa ( controle/atis etc. ) bem como fazer a verificação dos NOTAM S de destino e alternativa ( Manuel de NOTAM S / folha atualizada de NOTAM S ). Juntamente com as condições o controle ou ATIS informa o procedimento em uso no AD de destino, caso não seja informado, o piloto em comando terá que solicitar para fazer o Approach Preparation. APPROACH PREPARATION PERFORM Selecionar as cartas STAR, IAL, diagrama do AD e efetuar a sintonia dos rádios e configuração dos instrumentos de navegação para o procedimento de aproximação (STAR/IAL) em uso. Lembrar-se da positiva identificação dos auxílios. DESCENT/APPROACH BRIEFING REVIEWED Efetuar Descent/Approach Briefing: estudo das cartas de aproximação com todos os detalhes pertinentes (rumos, altitudes, restrições, tempos, radiais, QDM s, QDR s etc.) incluindo os detalhes da arremetida e os itens de NOTAM pertinentes. DESCENT CLEARANCE OBTAINED Solicitar autorização (APP/ACC) para descida. Efetuar Descent/Approach Check List até a linha pontilhada. Efetuar: Descent/Approach Check List DESCENT APPROACH CHECKLIST (TO THE LINE) APPROACH PREPARATION SEATS AND SEAT BELTS MIXTURE FUEL SELECTOR BRIEFING ALTIMETER COMPLETED LOCKED AND FASTENED FULL RICH BOTH REVIEWD DESCENT APPROACH CHECKLIST (BELOW THE LINE) SET Finalizar: Descent/Approach Check List Completed

15 3.10 LANDING PROCEDURES Observações Gerais: A técnica de aproximação e pouso internacionalmente reconhecida como a mais segura prevê um segmento de vôo estabilizado que, para o nosso caso, deve ser no mínimo de 1000 AGL até o toque. Durante este segmento não deve haver mudanças de configuração e a velocidade deve estar estabilizada na VREF. Para que isso seja conseguido, o piloto deverá iniciar a aproximação com a aeronave na velocidade adequada para os flaps em 10 graus ( 80 MPH ). Itens de memória: TIME ATC START REPORT IFR: Ao aproximar-se do FAF ou do marcador externo ou outro ponto qualquer que identifique o início da aproximação final ( + ou - 10 antes ) : VFR: Na perna base do circuito de tráfego. Itens de memória: MIXTURE FLAP CARBURETOR HEAT LANDING LIGHTS BRAKES FORWARD AS REQUIRED CLOSED ON CHECKED LANDING CLEARENCE OBTAINED Efetuar: Landing Check List LANDING LIGHTS MIXTURE FLAPS CARBURETOR HEAT BRAKES LANDING CHECKLIST ON FULL RICH SET CLOSED CHECKED Finalizar: Landing Check List Completed Lembrete: Os itens do CheckList são lidos para apenas confirmar que as ações necessárias já foram tomadas. Estas devem ser executadas de memória, antes da leitura do CheckList, na seqüência recomendada (padronizada) para a aeronave em questão.

16 3.11 GO AROUND PROCEDURES TAKE OF POWER rodar a aeronave e subir mantendo 80 MPH. FLAPS UP. Se o a aproximação foi realizada com FLAP 10, deve-se recolher para UP. Se foi realizada com FLAP 25, deve-se recolher para FLAP 10. Esperar passar por 500 acima da MDA ou DA e então, recolher o FLAP. Reduzir a potência (Climb Power) e, em seguida, executar os procedimentos relativos a After Take-off, com a leitura do Check List, de acordo com o que está estipulado para a decolagem ( Após estabilizado na subida inicial prevista para o procedimento de arremetida, reajustar o altímetro para QNE caso seja orientado para subir acima da altitude de transição etc. ); caso suba só até o limite da altitude de transição, manter QNH TAXI IN PROCEDURES RUNWAY IN USE CLEAR TAXI CLEARENCE OBTAINED Efetuar: Táxi-in Check List TAXI IN CHECKLIST TRANSPONDER 2000, STD BY LANDING LIGHTS (IF NIGHT) ON FLAPS UP ELEVATOR TRIM ADJUST, "0" Finalizar: Táxi-in Check List Completed

17 3.13 SHUTDOWN PROCEDURES Após estacionamento da aeronave. Efetuar: Shutdown Check List ELECTRIC EQUIPAMENTS MIXTURE MAGNETOS LIGHTS (BEACON AND NAV) MASTER AND ALTERNATOR SHUTDOWN CHECKLIST OFF CUT OFF OFF OFF OFF Finalizar: Shutdown Check List Completed Após o corte dos motores o piloto deve executar o check de abandono. Itens de memória: CALÇOS PARKING BRAKES CAPAS DE PITOT PORTA E BAGAGEIROS HÉLICES COLOCADOS OFF COLOCADAS FECHADAS NA VERTICAL

18 4 EMERGENCY PROCEDURES CESSNA 172 AMPERÍMETRO FUSÍVEIS FALHA NO ALTERNADOR VERIFICADO VERIFIQUE ESQUIPAMENTOS ELÉTRICOS UTILIZAR SOMENTE O NECESSÁRIO POUSAR ASSIM QUE POSSÍVEL DURANTE A NOITE USE OS FARÓIS SÓ PARA POUSO FALHA DO MOTOR EM VÔO MANTENHA 80 MPH E TENTE REACIONAMENTO CASO NÃO REACIONE POUSO FORÇADO FOGO DURANTE A PARTIDA PARTIDA POTÊNCIA MISTURA SELETORA BATERIA ALTERNADOR MAGNETOS CONT. ACIONANDO A FRENTE CORTADA FECHADA DESLIGADA DESLIGADO DESLIGADOS SE O FOGO PERSISTIR, USE O EXTINTOR FOGO NO SISTEMA ELÉTRICO MASTER VENTILAÇÃO DESLIGADO ABERTA NÃO REACIONE OS FUSÍVEIS GELO NO CARBURADOR POTÊNCIA AR QUENTE TODA A FRENTE ABERTO DESÇA PARA ALTITUDES MENORES

19 PRESSÃO BAIXA DE ÓLEO VERIFIQUE A TEMPERATURA DO ÓLEO TEMPERATURA NORMAL ERRO NO INDICADOR TEMPERATURA ALTA REDUZA POTÊNCIA POUSE O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL POUSO FORÇADO MISTURA MAGNETOS SELETORA EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS MASTER CORTADA DESLIGADOS FECHADA DESLIGADOS ON AJUSTAR VELOCIDADE E FLAP MASTER OFF PORTAS E JANELAS ABRA VELOCIDADE 70 A 80 MPH - FLAPS UP VELOCIDADE 65 A 75 - FLAPS DOWN REACIONAMENTO EM VÔO SOMENTE SE HOUVER ALTURA SELETORA MISTURA MAGNETOS AR QUENTE MASTER ALTERNADOR PARTIDA AMBOS RICA LIGADOS FECHADO LIGADO DESLIGADOS ACIONAR

20 5 STANDARD CALLOUTS (CHAMADA PADRÃO) Os standard callouts deverão ser mencionados por alunos de todos os programas. Normas Gerais Seleção das freqüências de comunicação: VHF 1 Órgãos de controle de tráfego VHF 2 Emergência/ATIS Luzes externas: NAV LIGHTS do pôr do sol ao nascer do sol LDG LIGHTS do início do táxi até o After Take Off Check List. Do Landing Check List até o Shutdown Durante a Decolagem: Aeronave alinhada na cabeceira: Efetuar CALLOUT: CABECEIRA:, PROA:. Ajustar potência de decolagem (Full Power) Checar parâmetros do motor: MIN 2200 RPM Parâmetros atingidos, CALLOUT: TAKE OFF POWER SET Observar o descolamento do velocímetro durante a corrida, quando o mesmo descolar, efetuar o CALLOUT: AIRSPEED ALIVE MPH CALLOUT: ROTATE Durante subidas e Descidas: Aproximando: Altitude de transição / flight level: TRANSITION, ALTIMETERS RESET 1000 ft acima / abaixo da altitude desejada / flight level: 1000 TO LEVEL OFF 1000 ft acima do inicio do procedimento: 1000 ABOVE INITIAL

21 Durante aproximações: ILS: Indicação positiva do LOCALIZER iniciando o movimento: LOCALIZER ALIVE Indicação positiva do movimento do GLIDE SLOPE: GLIDE SLOPE ALIVE Final fix in-bound: Conforme o tipo de procedimento sendo executado, mencionar o Call Out segundo os seguintes exemplos: OUTER MARKER, FEET, ALTIMETER xxxx hpa SET Procedimentos de não precisão: Passando o FAF: PASSING FAF/VOR/NDB, TIME AND INSTRUMENTS CROSSCHECK Acima da elevação do campo: 1000 ABOVE THE FIELD 500 acima da DA/MDA: 500 TO MINIMUMS 400 acima da DA/MDA: 400 TO MINIMUMS 300 acima da DA/MDA: 300 TO MINIMUMS 200 acima da DA/MDA: 200 TO MINIMUMS 100 acima da DA/MDA: 100 TO MINIMUMS DA/MDA: MINUMUMS Pista avistada: RUNWAY IN-SIGHT, LANDING Pista não avistada: RUNWAY NOT IN-SIGHT, GO AROUND Leitura de Check List: O nome do Check List a ser lido deverá ser obrigatoriamente mencionado por ambos os pilotos. Após a conferencia de todos os itens, o piloto efetuando o check deverá mencionar o término da leitura com o nome do Check List e a palavra Completed. Quando o Check List contiver uma linha tracejada separando itens a título de pausa (Ex: altimeters na transição ou uma parada para completar a configuração de pouso como no caso do ajuste de flap de pouso numa aproximação monomotor ) lê-lo até o item antes da linha inclusive e mencionar: After Take off Check List to the line.

22 6 CHECK LIST 6.1 CESSNA 172 C172 NORMAL CHECKLIST CHECKLIST C172 SKYHAWK PT-JJD CIRCUIT BREAKERS ELECT. EQUIPAMENTS (RADIOS AND TRANSPONDER) MASTER LIGHTS FUEL RÁDIO MASTER FIRE EXTINGUISHER MAGNETOS MIXTURE SAFETY CHECK ALL IN OFF ON ON, CHECKED CHECKED CHECKED, ON/OFF OFF CHECKED OFF CUT OFF COCKPIT PREPARATION PARKING BRAKES SEATS SEAT BELTS ELECT. EQUIPAMENTS (RADIOS AND TRANSPONDER) FUEL SELECTOR MASTER BEACON NAV LIGHTS BRIENFING BEFORE START CHECK LIST COMPLETED SET LOCKED FASTENED OFF BOTH ON ON ON REVIEWD MIXTURE THROTTLE PROPELLER AREA MAGNETOS OIL PRESSURE THROTTLE ENGINE INSTRUMENTS ALTERNATOR AMPERIMETER RADIOS AND TRANSPONDER ALTIMETER TRIM PARKING BRAKES LANDING LIGHTS (IF NIGHT) STARTING CHECKLIST RICH OPEN, ½ POL CLEAR START RISING 1000 RPM AFTER START CHECKLIST CHECKED ON CHECKED, POSITIVE IND. ON, STD BY ADJUST ADJUST OFF TAXI CHECKLIST ON

23 BRAKES FLIGHT CONTROL FLAPS FLIGHT INSTRUMENTS CHECKED FREE AND FUN TRAVEL CHECKED, SET CHECKED BEFORE TAKE OFF CHECKLIST FUEL SELECTOR BOTH THROTTLE 1700 RPM MIXTURE CHECKED MAGNETOS CHECKED, THEN ON CARBURETOR HEAT CHECKED, THEN CLOSED AMPERIMETER CHECKED GYRO SUCTION CHECKED (4.8 & 5.1) THROTTLE IDLE, 600 / 800 RPM ENGINE INSTRUMENTS CHECKED PARKING BRAKES OFF LANDING LIGHTS TRANSPONDER DOORS AND WINDOWS GYRO THROTTLE ENGINE INSTRUMENT FLAPS LANDING LIGHTS CLEARED FOR TAKEOFF CHECKLIST ON ALT LOCKED AND CLOSED ADJUST AFTER TAKEOFF (TO THE LINE) CLIMB POWER CHECKED UP OFF ALTIMETER AFTER TAKEOFF CHECKLIST ( BELOW THE LINE ) SET THROTTLE MIXTURE (ABOVE 5000 ft ) PITOR HEAT CRUISE CRUISE POWER ADJUST AS REQUIRED DESCENT APPROACH CHECKLIST (TO THE LINE) APPROACH PREPARATION COMPLETED SEATS AND SEAT BELTS LOCKED AND FASTENED MIXTURE FULL RICH FUEL SELECTOR BOTH BRIEFING REVIEWD ALTIMETER LANDING LIGHTS MIXTURE FLAPS CARBURETOR HEAT BRAKES DESCENT APPROACH CHECKLIST (BELOW THE LINE) SET LANDING CHECKLIST ON FULL RICH SET CLOSED CHECKED

24 TAXI IN CHECKLIST TRANSPONDER 2000, STD BY LANDING LIGHTS (IF NIGHT) ON FLAPS UP ELEVATOR TRIM ADJUST, "0" THROTTLE ELECTRIC EQUIPAMENTS MIXTURE MAGNETOS LIGHTS (BEACON AND NAV) MASTER AND ALTERNATOR SHUTDOWN CHECKLIST 1000 RPM OFF CUT OFF OFF OFF OFF

25 6.2 CESSNA 172 C-172 NON - NORMAL CHECKLIST CHECKLIST EMERGÊNCIA C-172 PT-JJD FALHA NO ALTERNADOR AMPERÍMETRO VERIFICADO FUSÍVEIS VERIFIQUE ESQUIPAMENTOS ELÉTRICOS UTILIZAR SOMENTE O NECESSÁRIO POUSAR ASSIM QUE POSSÍVEL DURANTE A NOITE USE OS FARÓIS SÓ PARA POUSO FALHA DO MOTOR EM VÔO MANTENHA 80 MPH E TENTE REACIONAMENTO CASO NÃO REACIONE POUSO FORÇADO FOGO DURANTE A PARTIDA PARTIDA CONT. ACIONANDO POTÊNCIA A FRENTE MISTURA CORTADA SELETORA FECHADA BATERIA DESLIGADA ALTERNADOR DESLIGADO MAGNETOS DESLIGADOS SE O FOGO PERSISTIR, USE O EXTINTOR FOGO NO SISTEMA ELÉTRICO MASTER DESLIGADO VENTILAÇÃO ABERTA NÃO REACIONE OS FUSÍVEIS GELO NO CARBURADOR POTÊNCIA TODA A FRENTE AR QUENTE ABERTO DESÇA PARA ALTITUDES MENORES PRESSÃO BAIXA DE ÓLEO VERIFIQUE A TEMPERATURA DO ÓLEO TEMPERATURA NORMAL ERRO NO INDICADOR TEMPERATURA ALTA REDUZA POTÊNCIA POUSE O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL POUSO FORÇADO

26 MISTURA MAGNETOS SELETORA EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS MASTER CORTADA DESLIGADOS FECHADA DESLIGADOS ON AJUSTAR VELOCIDADE E FLAP MASTER OFF PORTAS E JANELAS ABRA VELOCIDADE 70 A 80 MPH - FLAPS UP VELOCIDADE 65 A 75 - FLAPS DOWN REACIONAMENTO EM VÔO SOMENTE SE HOUVER ALTURA SELETORA AMBOS MISTURA RICA MAGNETOS LIGADOS AR QUENTE FECHADO MASTER LIGADO ALTERNADOR DESLIGADOS PARTIDA ACIONAR

27 7 PROGRAMA DE TREINAMENTO Objetivos: PROGRAMA BÁSICO Vôo 1 - Intrudução Introdução ao programa básico Apresentação da rotina operacional Briefing de vôo Cheque externo e Cockpit Safety Check o Familiarização com o painel o Adaptação aos controles e comandos diversos o Uso do Check List o Utilização dos intrumentos o Rotina operacional: Normal Procedures, SOP Manobras: Completion Standards Ao termino do vôo o aluno deverá: Demonstrar ter compreendido o briefing de apresentação do programa.

28 PROGRAMA BÁSICO Vôo 2 - ADAPTAÇÃO Objetivos: Continuação da rotina operacional. Manobras: Subida com velocidade: o Subir com velocidade constante (100kt) em curva padrão, com mudança de proa de 180, até atingir a altitude autorizada. Nivelamento: o Manter vôo reto nivelado manter altitude Curvas: o Efetuar curva de grande inclinação (45 ) com 360 de giro. Controle de altitude e velocidade; nivelado o Manter altitude constante variando configuração (gear and Flaps). Descida com velocidade / razão constante: o Descida com 120kt. IAS em curva padrão com mudança de proa de 180, manete toda reduzida, fpm. Completion Standards: Ao termino do vôo o aluno deverá: o Desmontrar bom conhecimento da rotina operacional relacionada ao Sêneca I - Normal Procedures/Specific Callouts. o Utilizar fraseologia padrão o Utilizar Standard Callouts o Durante toda as manobras apresentar variações inferiores a: Proa +/- 20, altitude +/- 250 ft, velocidade +/ - 15kt, razão +/- 300 fpm.

Manual de Padronização. Simulador AATD

Manual de Padronização. Simulador AATD Manual de Padronização Simulador AATD 1ª Edição ÍNDICE SOP Standard Operational Procedures AATD ÍNDICE 1. Introdução 03 2. Níveis de Padronização e Proficiência 04 3. Rotinas Operacionais 05 3.1 Preparação

Leia mais

SOP EMB712. Standard Operating Procedures. Tupi

SOP EMB712. Standard Operating Procedures. Tupi SOP EMB712 Standard Operating Procedures Tupi FOLHA DE ATUALIZAÇÃO Folhas Atualizadas Data Atualizado por: Adicionado página i e 20, e alterada páginas 15 a 19 15/03/2007 F.Muller Alterada as páginas 11

Leia mais

SOP VOO NOTURNO. Standard Operational Procedures. Tupi e Arrow

SOP VOO NOTURNO. Standard Operational Procedures. Tupi e Arrow SOP VOO NOTURNO Standard Operational Procedures Tupi e Arrow Versão 1.0 FOLHA DE ATUALIZAÇÃO FOLHA DE ATUALIZAÇÃO Folhas Atualizadas Data Atualizado por: Criação 05/05/2010 GOERL 1ª Edição i ÍNDICE SOP

Leia mais

10-7 INFORMAÇÕES GERAIS

10-7 INFORMAÇÕES GERAIS 10-7 INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÃO EXCLUSIVA DO COMANDANTE Em caso de incapacidade do Comandante em vôo com destino ao SBRJ, este deverá ser desviado para SBGL ou outro alternado disponível. A operação no

Leia mais

STANDARD OPERATING PROCEDURES SENECA III PCATD

STANDARD OPERATING PROCEDURES SENECA III PCATD STANDARD OPERATING PROCEDURES SENECA III PCATD Folha de Revisões N.º Revisão Autor Data Assinatura Original Lucas Bertelli Fogaça Guilherme Amaral Silveira Mar/2007 Éder Henriqson REV-1 André Luís Boff

Leia mais

MANUAL AVANÇADO DE PILOTO COMERCIAL

MANUAL AVANÇADO DE PILOTO COMERCIAL Maio/2010 MANUAL AVANÇADO DE PILOTO COMERCIAL Vôo noturno / IFR / Multimotor / Aeronaves Complexas 2ª Edição 2 INTRODUÇÃO Este manual avançado de piloto comercial tem o propósito de integrar em um único

Leia mais

1 03 Ra R dio i n o a n vegação Prof. Diego Pablo

1 03 Ra R dio i n o a n vegação Prof. Diego Pablo 1 03 Prof. Diego Pablo 2 NDB: Radiofarol Não-Direcional (Non-Directional Beacon) Antena NDB ADF (Automatic Direction Finder) NDB numa carta aeronáutica 3 NDB: Radiofarol Não-Direcional (Non-Directional

Leia mais

SOP PA28R-201. Standard Operational Procedures ARROW III

SOP PA28R-201. Standard Operational Procedures ARROW III SOP PA28R-201 Standard Operational Procedures ARROW III 1ª Edição ATUALIZAÇÕES SOP Standard Operational Procedures PA28R Arrow III CONTROLE DE ATUALIZAÇÕES Nº Emenda Revisão Data Efetivação Original Dall

Leia mais

CHECK LIST CHECK LIST CESSNA 172G CESSNA 172G JANEIRO/2013 VERSÃO 2.0 VERSÃO 2.0

CHECK LIST CHECK LIST CESSNA 172G CESSNA 172G JANEIRO/2013 VERSÃO 2.0 VERSÃO 2.0 -- CHECK LIST CHECK LIST CESSNA 172G CESSNA 172G JANEIRO/2013 VERSÃO 2.0 JANEIRO/2013 VERSÃO 2.0 ÍNDICE I PROCEDIMENTOS NORMAIS ÍNDICE I PROCEDIMENTOS NORMAIS 1. INSPEÇÃO PRELIMINAR pág 04 2. INSPEÇÃO

Leia mais

Standard Operating Procedures

Standard Operating Procedures Standard Operating Procedures DATA CARDS APPENDICE 2 Setembro 2010 TAKEOFF DATA CARD ACFT TYP LANDING DATA CARD Appendice 2 set/2010 2 TAKEOFF DATA CARD INFOS DATE data; FLT. NO. número do vôo; AIRPORT

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DIVISÃO BRASILEIRA Manual para Vôo VFR Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APRESENTAÇÃO... 4 3. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS... 4 3.1. CHECKLIST:... 4 3.2. CHEQUE PRÉ-DECOLAGEM:... 4

Leia mais

Aeroclube de Blumenau 70 Anos de Excelência em Aviação

Aeroclube de Blumenau 70 Anos de Excelência em Aviação Aeroclube de Blumenau 70 Anos de Excelência em Aviação Manual de Padronização de Voo 2 Controle de Revisões Revisão Data Nome Assinatura Original Agosto/2010 Rolf Bauke Revisão Julho/2012 Responsável:

Leia mais

Minuta IS IFR Prático (Avião)

Minuta IS IFR Prático (Avião) Minuta IS IFR Prático (Avião) Ronaldo Wajnberg Gamermann Especialista em Regulação de Aviação Civil Gerência Geral de Ação Fiscal GGAF / NURAC POA Gerência Técnica de Organizações de Formação GTOF Gerência

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Junho 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Junho 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO IVAO Brasil Academy Versão 01 / Junho 2013 Radionavegação por VOR Autor: Andre Oscar Schneider Padronizado por:

Leia mais

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O V Ô O P O R I N S T R U M E N T O S PLÍNIO JR. 1 D I S T Â N C

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 NDB Radio Farol Não Direcional Autor: Desconhecido Padronizado por: Cmte. João Gabriel Faria

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO BRASIL AIC N DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO DIVISÃO DE GERENCIAMENTO DE NAVEGAÇÃO AÉREA 07/09 AV GENERAL JUSTO, 160 2º AND. - CASTELO 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ 12 MAR 2009 TEL: 021 3814-8237

Leia mais

Ponte Aérea nos Simuladores de Vôo

Ponte Aérea nos Simuladores de Vôo Ponte Aérea nos Simuladores de Vôo Paulo Marcelo Soares TAM Fokker-100 First Officer http://www.flyvba.com.br Pag. 1 Ponte Aérea nos Simuladores de Vôo PREFÁCIO: Para aqueles que não me conhecem, meu nome

Leia mais

Aeroclube de Piracicaba www.aeroclubedepiracicaba.com.br

Aeroclube de Piracicaba www.aeroclubedepiracicaba.com.br 2 SUMÁRIO Página SEÇÃO 1 GENERALIDADES 02 SEÇÃO 2 LIMITAÇÕES 04 SEÇÃO 3 PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA 08 SEÇÃO 4 PROCEDIMENTOS NORMAIS 11 SEÇÃO 5 DESEMPENHO 17 SEÇÃO 6 PESO E BALANCEAMENTO 21 SEÇÃO 7 DESCRIÇÃO

Leia mais

MÓDULO 15 - TRÁFEGO AÉREO Alexandre L. D. Bastos e Derick M. Baum

MÓDULO 15 - TRÁFEGO AÉREO Alexandre L. D. Bastos e Derick M. Baum MÓDULO 15 - TRÁFEGO AÉREO Alexandre L. D. Bastos e Derick M. Baum (versão: 17/05/2009) 1. INTRODUÇÃO A idéia que o céu é infinito e que existe liberdade ao se voar pode ter seu romantismo, porém, e cada

Leia mais

Aeroclube de Sorocaba Aeroclube de Sorocaba MANUAL DE OPERAÇÕES C-150

Aeroclube de Sorocaba Aeroclube de Sorocaba MANUAL DE OPERAÇÕES C-150 Aeroclube de Sorocaba MANUAL DE OPERAÇÕES C-150 MANUAL DE OPERAÇÕES C-150 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 1 OBJETIVO... 1 O AVIÃO... 1 Painel de instrumentos... 2 Especificações principais... 3 CHECK-LIST DE OPERAÇÃO

Leia mais

Departamento de Treinamento

Departamento de Treinamento Departamento de Treinamento Manual de Interpretação de Cartas SID ERC STAR - VAC Departamento de Treinamento - IVAOBR 1 Sumário SID 4 APRESENTAÇÃO 4 BRIEFING 5 CABEÇALHO 6 FREQÜÊNCIAS 6 PROCEDIMENTO 7

Leia mais

Conteúdo. SOP AEROCLUBE DE PIRACICABA REV. 01 Janeiro / 2014 P á g i n a 1

Conteúdo. SOP AEROCLUBE DE PIRACICABA REV. 01 Janeiro / 2014 P á g i n a 1 Conteúdo 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Controle do Manual... 4 1.2 Composição... 4 1.3 Atualização... 4 1.4 Revisão... 5 1.5 Controle De Revisões... 5 2 PROCEDIMENTOS GERAIS... 5 2.1 Conceito Operacional... 5

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Designação de Aerovias ROTAS CONTINENTAIS: São aerovias traçadas sobre o continente ligando pontos e/ou auxílios de

Leia mais

Manual de Fraseologia - Gold Virtual Airlines. Tutorial. Manual de Fraseologia

Manual de Fraseologia - Gold Virtual Airlines. Tutorial. Manual de Fraseologia Manual de Fraseologia 1 Neste tutorial você aprenderá a realizar comunicação com os órgãos de controle de tráfego aéreo. Introdução Após ter realizado seu planejamento de voo e envio do mesmo seguirá com

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

Curso de Vôo Por Instrumentos Nos Simuladores

Curso de Vôo Por Instrumentos Nos Simuladores Curso de Vôo Por Instrumentos Nos Simuladores Paulo Marcelo Soares Curso de Vôo por Instrumentos nos Simuladores Flight-Simuleteiros de todo o mundo UNI-VOS!! Olá a todos! Meu nome é Paulo Marcelo Soares,

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento TD-002/09 CÁLCULOS DE NAVEGAÇÃO 2009 Página: 002/017 1 INTRODUÇÃO Este documento tem o objetivo de explanar sobre os cálculos que envolvem o planejamento

Leia mais

Flight Simulator Portugal

Flight Simulator Portugal Flight Simulator Portugal Tutorial FSPAcars V1.0.3.3 Requesitos: -.NET Framework 4.0 - FSUIPC para FS9/FSX/P3D (actualizado) - Simuladores FS9, FSX (Acceleration ou SP2) ou P3D V1/V2 Restrições: - Não

Leia mais

MANUAL DE PADRONIZAÇÃO DE MANOBRAS

MANUAL DE PADRONIZAÇÃO DE MANOBRAS Aeroclube de Brasília MANUAL DE PADRONIZAÇÃO DE MANOBRAS Cessna C172 Modelo 172F 2013 Revisão 01 PREFÁCIO Este Manual, baseado no Manual do Fabricante da Aeronave Cessna 172 Skyhawk, destina-se ao detalhamento

Leia mais

STRATOMASTER FLIGHT CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES

STRATOMASTER FLIGHT CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES CARACTERÍSTICAS E FUNÇÕES DIMENSÕES: 224 x 64 mm. Profundidade no painel 65 mm (incluindo conectores e cabeamento). Corte no painel 204x54 mm. Peso 450 g. ALTÍMETRO: 0-40.000ft (12.195 mts.) com 7,5 ft

Leia mais

Boing 737-600, 700 e 800 - IFly. Tutorial. Boing 737-600,700 e 800 ifly

Boing 737-600, 700 e 800 - IFly. Tutorial. Boing 737-600,700 e 800 ifly Boing 77-600,700 e 800 ifly Neste tutorial aprenderá a navegar operar o Boing 77-800 desde o processo de inicial de acionamento até o pouso no destino. Então vamos lá... Introdução Após a instalação da

Leia mais

Arco DME. Arco DME. Departamento de Treinamento TAMv - 2009 -

Arco DME. Arco DME. Departamento de Treinamento TAMv - 2009 - Arco DME 1 Índice Objetivo 3 Introdução 4 Interpretação do Procedimento 5 Etapas do Procedimento 5 Como calcular os Lead Points 6 Como manter o perfil do Arco DME 6 Exemplo Prático 8 Briefing da lição:

Leia mais

P2 VATSIM rating. Portugal vacc

P2 VATSIM rating. Portugal vacc P2 VATSIM rating Portugal vacc Maio 2012 Índice Objectivo... 3 Exame P2... 3 Definições... 4 Instrumentos e medidas... 4 Forças... 4 Dispositivos... 5 Movimentos... 5 Planeamento... 6 Considerações...

Leia mais

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA PILOTO PRIVADO PROGRAMA D INSTRUÇÃO PRÁTICA 1 ste é um manual de apoio ao programa de instrução adotado pelo Aeroclube de Piracicaba, para qualquer dúvida além desse manual consultar o MMA 58-3 através

Leia mais

Aeroclube de Blumenau

Aeroclube de Blumenau Aeroclube de Blumenau 70 anos de excelência em aviação MANUAL DE SEGURANÇA RELAÇÃO DE PROCEDIMENTOS E PRÁTICAS I. PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS COM AS AERONAVES DENTRO E FORA DO AERÓDROMO DE INSTRUÇÃO 1. Posicionamento

Leia mais

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL?

DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? DEFINIÇÃO DE ALVO COMO REDUZIR OS ÍNDICES DE ACIDENTES AERONÁUTICOS NO BRASIL? - - - - - - - - - - Anais do 5º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2012) Direitos Reservados - Página 215 de 1112 - - - - -

Leia mais

Manual de manobras e padronização

Manual de manobras e padronização Aeroclube de Eldorado do Centro de Ensino Aeronáutico Manual de manobras e padronização Pág.: 1 www.aeroeldorado.com.br ÍNDICE FINALIDADE... 4 APRESENTAÇÃO... 5 SEÇÃO 1 - INSTRUMENTOS BÁSICOS DAS AERONAVES...

Leia mais

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil Manual de Voo VFR Virtual Varig Brasil Setembro 2010 REGRAS DE VÔO Regras de vôo visual(vfr) -Visual Flight Rules(VFR). -São regras que evitam a colisão de aeronaves com obstáculos ou com outras aeronaves

Leia mais

Infinity singles. MGL Avionics - Infinity Singles

Infinity singles. MGL Avionics - Infinity Singles Infinity singles Estes equipamentos foram desenvolvidos com funções integradas em pequenas unidades 2¼, para que possam ser utilizadas como complemento em aeronaves que já possuam instrumentos instalados

Leia mais

Flight Planning Manual

Flight Planning Manual APRESENTAÇÃO Flight Planning Manual PVPUCRS Formulário para Monitoramento de Navegação Aérea Fevereiro/2013 D4700PVPUCRSAN.B REV-1 1 Folha de Revisões N.º Revisão Autor Data Assinatura Original Giovane

Leia mais

BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar

BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar AIC N 24/13 20021-130 RIO DE JANEIRO RJ 12 DEZ 2013 http://ais.decea.gov.br/ dpln1@decea.gov.br

Leia mais

VERSÃO PARA IMPRESSÃO

VERSÃO PARA IMPRESSÃO VERSÃO PARA IMPRESSÃO file:///c /Cartas%20de%20Aproximação/index_impressão.html (1 of 23) [22/5/2003 14:26:28] A: CABEÇALHO B: COMUNICAÇÕES C: INFORMAÇÕES PRÉ-APROXIMAÇÃO C.1: MSA (ALTITUDE MÍNIMA OU SETORES

Leia mais

WIND SHEAR. Não -Convectivos

WIND SHEAR. Não -Convectivos WIND SHEAR Windshear ou Tesoura de Vento, como também e' conhecido no Brasil, é um fenômeno meteorológico que sempre existiu na natureza, mas que só recentemente vem atraindo a atenção do homem. Isto porque,

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Regulamentos de Tráfego aéreo de helicópteros Padronizador: Cmte. João Gabriel Faria - VID

Leia mais

ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO

ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO ROTAER 2-1 2-1 Utilização de Aeródromos CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO a. Nesta publicação encontram-se relacionados somente aeródromos brasileiros abertos ao tráfego aéreo, de acordo com a IMA 58-10, de

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Prodedimento RNAV (GNSS) Autor: TCel Av SERGIO KOCH Padronizado por: Cmte. João Gabriel

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL

INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. C I R C U L A R D E I N F O R M A Ç Ã O A E R O N Á U T I C A PORTUGAL INFORMAÇÃO AERONÁUTICA Aeroporto da Portela / 1749-034 Lisboa Telefone: 218423502 / Fax:

Leia mais

TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO

TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO 2009 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-37 SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-37 SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-37 SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO 2013 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO TRÁFEGO AÉREO ICA

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-23

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-23 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-23 CARTA DE ACORDO OPERACIONAL REFERENTE AOS PROCEDIMENTOS DE TRÁFEGO AÉREO NA TMA FOZ, CTR CATARATAS, CTR FOZ, CTR GUARANI E ATZ ITAIPU

Leia mais

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO IMA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO 30 JUN 1999 MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DIRETORIA DE ELETRÔNICA E PROTEÇÃO AO VÔO TRÁFEGO AÉREO IMA 100-12 REGRAS

Leia mais

Guia de relatórios de pernas dos tours da IVAO-BR

Guia de relatórios de pernas dos tours da IVAO-BR International Virtual Aviation Organization Divisão Brasil da IVAO Departamento de Eventos Guia de relatórios de pernas dos tours da IVAO-BR (para pilotos) BR-EAC Brasil, 02 de maio de 2014. - 1 - Índice

Leia mais

CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO

CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO 2-1 Utilização de Aeródromos a. Nenhum aeródromo civil poderá ser utilizado por aeronaves civis se não estiver devidamente registrado ou homologado e, ainda, divulgado

Leia mais

SOP PA34-200. Standard Operating Procedures. Seneca I

SOP PA34-200. Standard Operating Procedures. Seneca I SOP PA34-200 Standard Operating Procedures Seneca I CONTROLE DE ATUALIZAÇÕES Nº Emenda Revisão Data Efetivação Original 30/04/2007 001 Treteski 04/01/2008 002 Geral Rodrigo Tippa / Dall Agnol 18/05/2010

Leia mais

Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral

Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral Objetivo da Nossa Aliança: Criar um Programa exclusivamente dedicado à Aviação Geral, em especial aos Proprietários e Pilotos

Leia mais

MANUAL DE FRASEOLOGIA (Jet's Go)

MANUAL DE FRASEOLOGIA (Jet's Go) MANUAL DE FRASEOLOGIA (Jet's Go) NORMAL OPERATIONS Este manual destina-se UNICAMENTE aos pilotos da Jet's Go. Não é permitida a divulgação deste manual a alguém que não os pilotos desta VA. Índice RADIO

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS N o 119-003 Aprovação: Assunto: Portaria n o 1270/SSO, de 16 de maio de 2013, publicada no Diário Oficial da União nº 94, S/1, pág. 70, de 17 de maio de 2013. Procedimentos

Leia mais

Aeroclube de Sorocaba - 2011 Manual da aeronave C172N PRTLB

Aeroclube de Sorocaba - 2011 Manual da aeronave C172N PRTLB Aeroclube de Sorocaba - 2011 Manual da aeronave C172N PRTLB 1 INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. HISTÓRICO 3. ESTRUTURA 4. MOTOR 5. HÉLICE 6. TREM DE POUSO 7. FREIOS 8. SISTEMAS 9. PILOTANDO 2 INTRODUÇÃO MANUAL DO

Leia mais

Possíveis tecnologias aplicadas com a finalidade de deter as aeronaves em risco de acidentes nos aeroportos de pista curta.

Possíveis tecnologias aplicadas com a finalidade de deter as aeronaves em risco de acidentes nos aeroportos de pista curta. Possíveis tecnologias aplicadas com a finalidade de deter as aeronaves em risco de acidentes nos aeroportos de pista curta. Ten Cel Av Curcio Piloto de Provas Objetivo Conhecer aspectos importantes sobre

Leia mais

Classe de espaço aéreo

Classe de espaço aéreo Curso n 7 Classe de espaço aéreo As classes de espaço aéreo são uma normalização dos serviços prestados nos espaços aéreos. Uma classe de espaço define os serviços que são prestados de acordo com o regime

Leia mais

7. Referências Bibliográficas

7. Referências Bibliográficas 103 7. Referências Bibliográficas AERO MAGAZINE, Revista (2006). Carga Aérea em Alta no Brasil. Spring Editora., Ano 13, N 151., Revista (2008). Dívidas Ameaçam VarigLog. Spring Editora., Ano 14, N 166.,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A - Nº 011/CENIPA/2012

RELATÓRIO FINAL A - Nº 011/CENIPA/2012 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 011/CENIPA/2012 OCORRÊNCIA: AERONAVE: ACIDENTE PT-WEH MODELO: C-402 DATA: 26 NOV 2007 ADVERTÊNCIA

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 173/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-ANF C-170A 22SET2012 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Manual de Usuário - TWSACARS

Manual de Usuário - TWSACARS Manual de Usuário - TWSACARS Marcelo Pires TrueWings Virtual Airlines 01/01/2013 Conteúdo 1 - Como instalar... 3 2 - Como configurar... 5 3 - Como utilizar o TWSACARS... 6 3.1 - Guia PIREP... 6 3.1.1 -

Leia mais

Transição para o CNS/ATM

Transição para o CNS/ATM Transição para o CNS/ATM por Daniel Torelli Em nosso dia-a-dia é cada vez mais comum falarmos de CNS/ATM mesmo muitas vezes não sabendo o significado e como pode influenciar no cotidiano da aviação. A

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CARTA DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE O CONTROLE DE APROXIMAÇÃO DE BELO HORIZONTE (APP-BH), TORRE DE CONTROLE DE AERÓDROMO DE BELO HORIZONTE (TWR-BH),

Leia mais

tls transponder l anding system

tls transponder l anding system tls transponder l anding system O Transponder Landing System (tls) é um avanço tecnológico com uma capacidade sem precedentes de melhorar a segurança e a acessibilidade de um aeroporto. [ apresentando

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS nº 00-002 REVISÃO A

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS nº 00-002 REVISÃO A INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS nº 00-002 Aprovação: Portaria n o 2.177/SSO, 9 de novembro de 2011, republicada no Diário Oficial da União, N o 231, Seção 1, página 2, de 2 de dezembro de 2011. Assunto:

Leia mais

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014)

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) 1 - INTRODUÇÃO De 1970 a 2010 observou-se um aumento de 7% ao ano no movimento de passageiros e prevê-se, para o período

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO 2006 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO TRÁFEGO

Leia mais

ASAS DO SUL ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL LTDA

ASAS DO SUL ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL LTDA 1 ASAS DO SUL ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL LTDA REGIMENTO INTERNO E REGULAMENTO DO CURSO PARA OBTENÇÃO DE CPD & CPR Elaborado por Juares Riva Vanz CANAC 160761 Setembro/2012 Rua Capitão Eleutério, 610 Sala

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Instituto Nacional de Aviação Civil INAVIC Normativo Técnico 14 Qualificações do Pessoal Aeronáutico Página 1/29 Índice Parte A: Generalidades..4 14.001 Aplicabilidade 4 14.003

Leia mais

Standard Operating Procedures

Standard Operating Procedures Standard Operating Procedures Virtual Varig Brasil Setembro 2010 INDICE I INTRODUÇÃO 3 II REGULAMENTO GERAL 4 III INFORMAÇÕES GERAIS a) VAFS Download b) Instalação FSUIPC c) Opções VAFS 5 5 5 6 IV VAFS

Leia mais

- - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 170 de 843 - - - -

- - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 170 de 843 - - - - - - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página 170 de 843 - - - - - - - - Anais do 7º Simpósio de Segurança de Voo (SSV 2014) - Direitos Reservados - Página

Leia mais

Mecânico de Manutenção Aeronáutica AVIÔNICOS I INSTITUTO DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUMENTOS E SISTEMAS ELÉTRICOS. 1ª Edição 23 de Outubro de 2002

Mecânico de Manutenção Aeronáutica AVIÔNICOS I INSTITUTO DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUMENTOS E SISTEMAS ELÉTRICOS. 1ª Edição 23 de Outubro de 2002 Mecânico de Manutenção Aeronáutica AVIÔNICOS I INSTRUMENTOS E SISTEMAS ELÉTRICOS 1ª Edição 23 de Outubro de 2002 INSTITUTO DE AVIAÇÃO CIVIL DIVISÃO DE INSTRUÇÃO PROFISSIONAL PREFÁCIO Este volume, Instrumentos

Leia mais

Controles operacionais diversificados, com teclas de funções e botões rotativos configuráveis pelo próprio usuário.

Controles operacionais diversificados, com teclas de funções e botões rotativos configuráveis pelo próprio usuário. Sistema EFIS: Odyssey Tela TFT de alta qualidade com 10.4 polegadas (transversal) e textura anti-reflexiva, que permite a visualização mesmo em situações com incidência de luz solar direta, e que pode

Leia mais

CONTROLE DE REVISÃO CAPÍTULOS AFETADOS DATA DE INSERÇÃO RESPONSÁVEL

CONTROLE DE REVISÃO CAPÍTULOS AFETADOS DATA DE INSERÇÃO RESPONSÁVEL Conteúdo CONTROLE DE REVISÃO... 3 CONCEITUAÇÃO... 4 GENERALIDADES... 4 PROCEDIMENTOS RADIOTELEFÔNICOS... 4 IDIOMAS... 8 ALFABETO FONÉTICO... 9 ALGARISMOS... 10 NÚMEROS INTEIROS... 11 NÚMEROS DECIMAIS...

Leia mais

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C

P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C DESPACHANTE OPERACIONAL DE VOO E P I L O T O D E L I N H A A É R E A P E R F O R M A N C E D E A V I Õ E S A J A T O P E S O & B A L A N C E A M E N T

Leia mais

Cap. 06 - Instrumentos de Bordo e Proteção contra Fogo

Cap. 06 - Instrumentos de Bordo e Proteção contra Fogo Cap. 06 - Instrumentos de Bordo e Proteção contra Fogo INSTRUMENTOS Os instrumentos servem para controlar o vôo, o funcionamento do motor e demais sistemas da aeronave. Eles são classificados em 4 grupos

Leia mais

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno)

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno) CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA, 4 19/02 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA INSTRUTOR DE VOO PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA Este é um manual de apoio ao programa de instrução adotado pelo Aeroclube de Piracicaba, para qualquer dúvida além desse manual consultar o MMA 58-16 através

Leia mais

CONSCIÊNCIA SITUACIONAL

CONSCIÊNCIA SITUACIONAL GRUPO DE TRANSPORTE ESPECIAL CONSCIÊNCIA SITUACIONAL CONSCIÊNCIA SITUACIONAL Objetivo Reconhecer a importância da manutenção da Consciência Situacional elevada como aspecto básico de CRM entendendo sua

Leia mais

8teste de voo. vulcanair p68c

8teste de voo. vulcanair p68c 8teste de voo TESTE DE VOO 76 A v iã o R ev u e IDEAL PARA QUALQUER Com dois motores de 200 hp supereconômicos, o P68C surge como uma opção de bimotor que se adapta a qualquer tarefa por Décio Corrêa fotos

Leia mais

Para estabelecer o padrão de comunicação na UNICOM, foram adotadas algumas diretrizes, as quais detalhamos:

Para estabelecer o padrão de comunicação na UNICOM, foram adotadas algumas diretrizes, as quais detalhamos: Pag-1 1. Introdução A presente publicação tem por finalidade estabelecer um padrão de comunicação entre os pilotos virtuais que conduzem seus voos na VATSIM sem a presença de órgãos virtuais ATS (Air Traffic

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 071/CENIPA/2009

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 071/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 071/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE PT-EJI EMB 810C DATA 15 OUT 2002 RF A- 071/CENIPA/2009

Leia mais

Qualificações do Pessoal Aeronáutico

Qualificações do Pessoal Aeronáutico Normativo Técnico 14 Qualificações do Pessoal Aeronáutico PARTE A: GENERALIDADES... 4 14.001 APLICABILIDADE... 4 14.003 DEFINIÇÕES... 4 14.005 SIGLAS/ACRÓNIMOS... 4 PARTE B: QUALIFICAÇÕES DO PESSOAL AERONÁUTICO...

Leia mais

Técnico em Regulação. Especialista em Regulação. Analista Administrativo R$ 5.419,20 R$ 2.383,20 - - - - R$ 4.663,20 R$ 2.158,40

Técnico em Regulação. Especialista em Regulação. Analista Administrativo R$ 5.419,20 R$ 2.383,20 - - - - R$ 4.663,20 R$ 2.158,40 AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL (ANAC) CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E DE NÍVEL INTERMEDIÁRIO EDITAL Nº 2 ANAC, DE 17 DE SETEMBRO DE 2012 O DIRETOR-PRESIDENTE

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS nº 00-002 REVISÃO B

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS nº 00-002 REVISÃO B INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS nº 00-002 Aprovação: Portaria n o 1085/SSO, 31 de maio de 2012, publicada no Diário Oficial da União, N o 106, Seção 1, página 8, de 1º de junho de 2012, e republicada no

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR MPR-142-001/SSO Revisão 02 Assunto: Aprovado por: PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO DO CERTIFICADO E DAS ESPECIFICAÇÕES DE TREINAMENTO DE CENTRO DE TREINAMENTO ESTRANGEIRO Portaria

Leia mais

MANUAL DE VOO PIPER P28R

MANUAL DE VOO PIPER P28R MANUAL DE VOO PIPER P28R SUMÁRIO Página SEÇÃO 1 INTRODUÇÃO 02 SEÇÃO 2 LIMITAÇÕES 04 SEÇÃO 3 PROCEDIMENTOS NORMAIS 07 SEÇÃO 4 PERFORMANCE 10 SEÇÃO 5 AERONAVE E SEUS SISTEMAS 13 SEÇÃO 6 PROCEDIMENTOS NORMAIS

Leia mais

Aeroclube de Eldorado do Sul SOP PAULISTINHA

Aeroclube de Eldorado do Sul SOP PAULISTINHA Junho/2013 /Manual da aeronave NE56C Standard Operational Procedures / Manual da Aeronave Paulistinha 1ª Edição - Beta 2 PREFÁCIO Este manual de procedimentos tem como objetivo a padronização de todas

Leia mais

MANUAIS DE OPERAÇÕES E PADRONIZAÇÃO (S.O.P.) DO CESSNA C152 (CESSNINHA) MANUAL DE MANOBRAS DO CESSNA C152 (CESSNINHA)

MANUAIS DE OPERAÇÕES E PADRONIZAÇÃO (S.O.P.) DO CESSNA C152 (CESSNINHA) MANUAL DE MANOBRAS DO CESSNA C152 (CESSNINHA) MANUAIS DE OPERAÇÕES E PADRONIZAÇÃO (S.O.P.) DO CESSNA C152 (CESSNINHA) E MANUAL DE MANOBRAS DO CESSNA C152 (CESSNINHA) EDIÇÃO 01 11/2014 Manual C152 Página 1 Índice MANUAL C 152 SOBRE O MANUAL... 6 BREVE

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-4 REGRAS E PROCEDIMENTOS ESPECIAIS DE TRÁFEGO AÉREO PARA HELICÓPTEROS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-4 REGRAS E PROCEDIMENTOS ESPECIAIS DE TRÁFEGO AÉREO PARA HELICÓPTEROS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-4 REGRAS E PROCEDIMENTOS ESPECIAIS DE TRÁFEGO AÉREO PARA HELICÓPTEROS 2014 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

PROGRAMA INSTRUÇÃO. PPA 35hrs

PROGRAMA INSTRUÇÃO. PPA 35hrs PROGR D INSTRUÇÃO PP 35hrs ste anual tem por finalidade estabelecer o programa de instrução do eroclube de Brasília no curso prático de Piloto Privado de vião, baseado nas normas do anual de urso de Piloto

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A-Nº007/CENIPA/2009

RELATÓRIO FINAL A-Nº007/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A-Nº007/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE AERONÁUTICO PT

Leia mais

SERVIÇO DE INFORMAÇÃO DE VOO DE AERÓDROMO (ICA 100-12)

SERVIÇO DE INFORMAÇÃO DE VOO DE AERÓDROMO (ICA 100-12) NORMAS DO DECEA SERVIÇO DE INFORMAÇÃO DE VOO DE AERÓDROMO (ICA 100-12) O AFIS tem por finalidade proporcionar informações que assegurem a condução eficiente do tráfego aéreo nos aeródromos homologados

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito da teoria e aerodinâmica de voo, julgue os itens a seguir. 51 Em um avião a hélice, o alcance máximo é obtido na velocidade correspondente ao ângulo de ataque quando

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL AERONAVE: PP-CJN MODELO: BOEING 737-200 DATA: 16 SET 2001 RF010/CENIPA/2004

Leia mais

MANUAL TERMINAL RIO TMA Rio (SBWJ)

MANUAL TERMINAL RIO TMA Rio (SBWJ) MANUAL TERMINAL RIO TMA Rio (SBWJ) ESPAÇO AÉREO SOB RESPONSABILIDADE DO ÓRGÃO APP TMA Rio de Janeiro (SBWJ) ESPACO AÉREO SOB RESPONSABILIDADE DO ÓRGÃO ATC ÁREA CLASSIFICAÇÃO LIMITE VERTICAL TMA Setor 1

Leia mais