P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O"

Transcrição

1 P R E P A R A Ç Ã O P A R A B A N C A D A A N A C P I L O T O D E L I N H A A É R E A R E G U L A M E N T O S D E T R Á F E G O A É R E O V Ô O P O R I N S T R U M E N T O S PLÍNIO JR. 1

2 D I S T Â N C I A S D E C L A R A D A S TORA: (Take-Off Run Available) : É o comprimento físico do pavimento da pista para decolagem. ASDA: ( Accelerate Stop Distance Available): É comprimento físico com a zona de parada. TODA: (Take-Off Distance Available): É o comprimento físico para decolagem mais a área desimpedida. LDA: ( Landing Distance Available): É o comprimento físico para o pouso. H O M O L O G A Ç Ã O D E P I S T A D E T Á X I Serão utilizadas e autorizadas para operação de pouso e decolagem somente quando a suspensão for causada por impraticabilidade e a duração prevista da causa seja superior a 30 minutos. Somente poderão ser realizadas operações VFR e IFR (MDA) no período diurno. A operação IFR será convencional, de não precisão (MDA), quando forem usados os auxílios disponíveis. A pintura dos números das cabeceiras e das áreas de toque somente ocorrerá quando a interdição for superior a 30 dias 2

3 R E G R A S D E V Ô O I F R NÍVEIS MÍNIMOS Proibido vôos sobre terrenos elevados ou áreas montanhosas, em níveis não inferiores a pés. Áreas não citadas acima, em nível não inferior a pés. EMISSÃO DE AUTORIZAÇÕES As aeronaves partindo receberão autorizações na seguinte ordem: 1. Tráfego 2. Solo 3. Torre 4. Controle 5. Centro 6. Rádio V Ô O I F R N A F I R NOTIFICAÇÃO DE POSIÇÃO O vôo IFR que opere na FIR notificará sua posição: 1. Sobre pontos de notificação compulsório. 2. Nas rotas não definidas por pontos de notificação compulsório, após os primeiros 30 minutos de vôo e depois a intervalos de 1 hora. 3. Por solicitação do ATS 4. No cruzamento de limites de CTA e FIR 5. Quando for necessário um AIREP ESPECIAL. A U T O N O M I A IFR a jato = A + B + 10% do tempo de A/B + C + 30 minutos a pés. IFR turbohélice = A + B + C + 45 minutos 3

4 S E R V I Ç O S D E T R Á F E G O A É R E O Divisão do ATS: 1. ACC (CTA/UTA) 2. APP (TMA/CTR) 3. TWR (ATZ) E S P A Ç O A É R E O B R A S I L E I R O O espaço aéreo brasileiro está dividido em: AEROVIA SUPERIOR 1. Vertical Superior Ilimitado Inferior FL 245 Exclusive AEROVIA INFERIOR 2. Vertical Superior FL 245 Inclusive Inferior Solo ou água CLASSIFICAÇÃO Classe A: Permitidos somente vôos IFR (RNAV) Classe B: Permitidos vôos IFR e VFR, recebem controle de aproximação Classe C: Permitidos vôos IFR e VFR, os vôos VFR não são separados entre si Classe D: Permitidos vôos IFR e VFR Classe E: Permitidos vôos IFR e VFR, apenas IFR recebem o ATC Classe F: Permitidos vôos IFR e VFR, apenas os vôos IFR recebem assessoramento Classe G: Permitidos vôos IFR e VFR, recebendo somente informação de vôo (FIS) CONDICIONADOS (P): Espaço aéreo onde o vôo é proibido (R): O vôo só poderá ser realizado sob condições predeterminadas (D): Espaço aéreo onde existem riscos potenciais 4

5 DIMENSÕES DAS AEROVIAS AEROVIA SUPERIOR - RNAV As aerovias superiores entre dois auxílios, distantes entre si 108 NM terão a largura de 21.5NM Vertical Superior: Ilimitado Inferior: FL 245 Exclusive Lateral: 43 NM de largura até 226 NM antes de um auxílio-rádio, onde se estreita até atingir sobre este auxílio a largura de 21.5 NM. AEROVIA INFERIOR As aerovias inferiores entre dois auxílios, distantes entre si 54 NM terão a largura de 11NM Vertical Superior: FL 245 Inclusive Inferior: 500 pés abaixo do FL mínimo Lateral: 16 NM de largura até 226 NM antes de um auxílio-rádio, onde se estreita até atingir sobre este auxílio a largura de 8 NM. O nível mínimo das aerovias é o estabelecido pelo DECEA e indicado nas cartas ERC. Nos aeródromos homologados ou autorizados para operação IFR, onde não se presta ATC, deverá ser prestado o serviço de informação de vôo de aeródromo. Ex: SBSR ÁREA DE MANOBRAS Área de um AD destinada ao pouso, decolagem e taxi de aeronaves, excluídos os pátios. ÁREA DE MOVIMENTO Área de um AD destinada ao pouso, decolagem e taxi de aeronaves, incluídos os pátios. ÁREA DE POUSO Área de um AD destinada às operações de pousos e decolagens. 5

6 C E N T R O D E C O N T R O L E D E Á R E A - A C C Um ACC terá jurisdição dentro da FIR, nas CTA/UTA e nas rotas de assessoramento contidas nessa FIR. A separação vertical mínima será de pés abaixo do FL 290 e pés acima do FL 290. Em AWY de sentido único, poderão ser usados todos os níveis, independente do sentido do vôo. A separação em rota entre aeronaves que utilizem o mesmo auxílio será: 1. VOR 15º 2. NDB 30º 3. FIXO 45º A separação através do tempo será: 1. Aeronaves que seguem a mesma rota 15 minutos 2. Se os auxílio permitirem determinar continuamente as posições e as velocidades, e se seguirem a mesma rota 10 minutos 3. Quando a aeronave precedente mantiver uma TAS que excede em 20 nós ou mais a velocidade que segue 5 minutos. SEPARAÇÃO NO CRUZAMENTO DE AEROVIAS No espaço aéreo inferior a aeronave sobe a critério do piloto para 500 pés acima do nível de cruzeiro, 20 NM antes, até 20 NM após o ponto de cruzamento. No espaço aéreo superior a aeronave sobe a critério do piloto para 500 pés acima do nível de cruzeiro quando abaixo do FL 290, ou pés quando acima do FL 290, desde 40 NM, até 40 NM após o ponto de cruzamento. 6

7 P R O C E D I M E N T O S D E S A Í D A E D E A P R O X I M A Ç Ã O I F R Qualquer trajetória com referência visual será representada por uma linha tracejada. A porcentagem mínima do gradiente de subida será de 3,3%. Os segmentos da aproximação por instrumentos são: 1. Chegada 2. Inicial 3. Intermediário 4. Final 5. Aproximação Circular O gradiente de descida máximo previsto para o segmento de aproximação inicial será de 8%. O gradiente será nulo no segmento intermediário, porém se for necessário utilizá-lo considera-se um máximo de 5%. No segmento final um gradiente ideal será de 5%. Procedimentos de não precisão: NDB / VOR / DME / VHF-DF / ASR Procedimentos de precisão: ILS / MSL / PAR Nos aeródromos situados no litoral, as subidas por instrumento deverão ser efetuadas para o lado do mar, em rumo formando 45º com o eixo da aerovia. 7

8 C O N T R O L E D E A P R O X I M A Ç Ã O APP Cabe aos APP S a atribuição de emitir autorizações de tráfego às aeronaves que estejam voando ou que se proponham a voar dentro de uma TMA. Nenhuma aeronave voando com plano IFR poderá entrar em uma TMA ou CTR sem autorização do respectivo APP. As aeronaves com plano de vôo VFR não poderão entrar em uma TMA ou CTR classes B, C ou D, sem a devida autorização do APP. Será assegurada pelo APP a separação vertical ou horizontal entre os seguintes vôos: Todos os vôos nas classes A e B IFR nas classes C, D e E IFR e VFR nas classes C IFR e vôos VFR Especiais VFR Especiais VFR noturnos As CTR e TMA pertencerão à classe A acima do FL 145 e abaixo do FL 145 serão normalmente classificadas como D ou E, onde sua separação será de pés. As aeronaves em vôo IFR poderão ser autorizadas pelo APP a efetuarem aproximações visuais, sempre que os pilotos tenham o aeródromo à vista e informem que possam manter a referência visual com o solo e: 1. Se o teto notificado não for inferior à altitude de inicio do procedimento IFR 2. O piloto notificar, na altitude de inicio ou em qualquer momento durante o procedimento IFR que a VIS permite efetuar uma aproximação visual e que pode efetuar o pouso. Serão proporcionadas as separações verticais mínimas entre aeronaves que estiverem realizando espera em vôo e as em rota, enquanto as que estejam em rota se encontrarem a 5 minutos de vôo, ou menos, da área de espera, a não ser que exista separação lateral. Os procedimentos de entrada em espera são: PA RALELA - SETOR 1 DE SLOCADA - SETOR 2 DI RETA - SETOR 3 ZONA DE FLEXIBILIDADE: 5º P/ CADA LADO 8

9 Os tempos deverão ser de 1 minuto até o FL 140 inclusive e 1 minuto e 30 segundos acima do FL 140. Os tempos deverão ser medidos a partir do través do ponto de referência na perna de afastamento. Nos circuitos de espera, as mudanças de nível de vôo ou de altitude deverão ser executadas com uma razão de subida ou de descida entre 500 e pés/min. A pressão para o ajuste de altímetro QNH será arredondada para o hpa inteiro inferior mais próximo ao passarem o nível de transição. O altímetro será ajustado em 1013,2 hpa (QNE) durante a subida, ao passar pela altitude de transição. P R O C E D I M E N T O S D E E S P E R A As aeronaves deverão entrar e voar nos circuitos de espera, em velocidades indicadas iguais às especificadas a seguir: NÍVEIS CONDIÇÕES NORMAIS CONDIÇÕES DE TURBULÊNCIA Até pés, inclusive Acima de pés, até pés, inclusive Acima de pés, até pés, inclusive 230kt (425 km/h) 170kt (315 km/h**) 240kt (445 km/h) 265kt (490 km/h) 280kt (520 km/h) 170kt (315 km/h**) 280kt (520 km/h) ou 0.8 Mach o que for menor Acima de pés 0,83 Mach 0,83 Mach (**) Para esperas limitadas às aeronaves de categoria A e B 9

10 S E R V I Ç O D E C O N T R O L E D E A E R Ó D R O M O - TWR Uma das funções da torre é avisar ao APP e ao ACC a respeito das aeronaves que deixarem de pousar dentro de 5 minutos após a hora prevista. Quando forem informados mínimos meteorológicos inferiores aos estabelecidos na carta de aproximação, o piloto em comando poderá, a seu critério, executar o procedimento, após notificar o órgão de sua decisão. Contudo, a descida no procedimento estará limitada a altitude da MDA ou DA, podendo prosseguir somente, caso estabeleça contato visual com a pista. Sempre que as condições de decolagem IFR forem suspensas, a TWR deverá tomar as seguintes providências: 1. Sustar as decolagens, exceto das aeronaves em Operação Militar. 2. Notificar ao ACC e ao APP as medidas tomadas. 3. Notificar a sala AIS, administração do aeroporto e exploradores. Ordem para autorização do plano de vôo: 1. Tráfego. 2. Solo. 3. Torre. O acionamento dos motores deverá ocorrer dentro de, no máximo, 5 minutos após a hora do recebimento da autorização do plano. O inicio do taxi deverá ocorrer dentro de, no máximo, 5 minutos após a hora do recebimento da autorização para acionar. Os mínimos de separação de esteira de turbulência são: AERONAVE POUSANDO Leve ou média pousando atrás de uma pesada: 3 minutos AERONAVE DECOLANDO Leve ou média decolando após uma pesada: 2 minutos 10

11 S E R V I Ç O D E I N F O R M A Ç Ã O D E V Ô O F I S Quando o ATS prestar, ao mesmo tempo, o FIS e o ATC, a prestação do ATC terá precedência sobre a de Informação de Vôo. A transferência de responsabilidade quanto à prestação do FIS será no ponto de cruzamento do limite comum das referidas regiões. A transmissão de informação SIGMET às aeronaves deverá cobrir uma parte da rota em até 1 hora de vôo a frente da posição da aeronave. O ATIS será proporcionado nos AD onde seja necessário reduzir o volume de comunicações dos canais. U T I L I Z A Ç Ã O D O R A D A R As aeronaves que disponham de equipamento transponder, deverão selecionar seus equipamentos no modo 3/A da seguinte forma: : antes de receber instrução : interferência ilícita : falhas de comunicação : emergência Os códigos SSR só deverão ser alocados quando as aeronaves estiverem equipadas com transponder capazes de responder no modo 3/A. O controle poderá solicitar à aeronave que o transponder fique em modo STAND BY quando ela se encontrar a menos de 15NM de seu destino. A verificação do transponder deverá ser executada pelo piloto, selecionando-o para a posição STAND BY, retornando para NORMAL e pressionando a tecla IDENT. O piloto deverá desligar o seu transponder imediatamente após o pouso, independente da solicitação do controlador. Para uma aeronave em aproximação não será necessário informar o término do serviço radar, quando: 1. A aeronave efetuar uma aproximação visual 11

12 2. A aeronave for vetorada para o rumo de aproximação final Os tipos de serviço radar são: 1. Vigilância radar A responsabilidade da navegação é do piloto em comando. 2. Vetoração radar A responsabilidade da navegação é do controlador. Separação radar: 1. Na terminal: 5NM exceto em casos de partidas e chagadas quando será de 3NM 2. Em rota: Entre 5NM e 10NM. Se somente este radar estiver em operação, a separação será de 10NM. Somente pequenos ajustes de velocidade, de não mais que 20 nós deverão ser solicitados a uma aeronave na aproximação intermediária ou final e quando esta estiver a 4NM ou menos da cabeceira, não deverão ser aplicados ajustes de velocidade. Uma aeronave, sob vetoração ou vigilância radar, fica dispensada de reportar posição: 1. Nos pontos de notificação obrigatório 2. Ao atingir ou abandonar um fixo de espera 3. Ao entrar em nova fase de um procedimento de saída A vetoração de uma aeronave para executar um procedimento ILS ou MLS termina no momento em que esta interceptar o LOC e GS. Caso a aproximação seja convencional (NDB ou VOR), terminará quando esta bloquear o auxílio e no FL mínimo de espera. Se a aproximação for visual, esta termina quando a aproximação for completada em VMC. 12

13 AERONAVES OPERANDO No FL 100 ao FL kt Turbojato abaixo do FL kt Turbojato dentro de 20NM do AD de destino 170kt Hélice e turbohélice abaixo do FL kt Hélice e turbohélice dentro de 20NM do aeródromo de destino 150kt AERONAVES PARTINDO Turbojato 230kt Hélice e turbohélice 150kt E M E R G Ê N C I A S Alerta branco: Possibilidades remotas Alerta amarelo: Possibilidades iminentes Alerta vermelho: Acidente inevitável ou consumado Em caso de emergência a aeronave deverá pousar, se possível, dentro dos 30 minutos subseqüentes à ETA. Caso ela não estabeleça comunicação, entrará na fase de incerteza. P L A N O D E V Ô O O plano de vôo deve ser apresentado pelo menos 45 minutos antes da hora estimada de calços fora (EOBT). O plano de vôo apresentado é valido por 45 minutos a partir da hora EOBT. Se apresentado em vôo (AFIL), o plano deve ser entregue 10 minutos antes da hora em que a aeronave estime chegar. Os vôos VFR realizados dentro da ATZ, CTR ou TMA e aqueles que não distanciarem além de 27NM, estarão isentos da apresentação do plano de vôo, sendo necessária a apresentação de uma notificação de vôo. Para o vôo com escala cuja permanência no solo seja previsível e inferior a 30 minutos, o piloto, deverá submeter o próximo plano de vôo. 13

14 É dispensada a apresentação do plano de vôo: 1. Aeronave em missão SAR, caso o RCC esteja em condições de fornecer os dados necessários aos órgãos ATS 2. Para planos de vôo repetitivo 3. Para o vôo em rota cuja decolagem seja realizada de aeródromo desprovido de órgão ATS 4. Para o vôo em rota, de aeronave que não disponha de equipamento radio. Tipo de vôo: S transporte aéreo regular N transporte aéreo não regular G aviação geral M aeronaves militares X categoria distintas das indicadas Informações suplementares: Pessoas a bordo: TBN será preenchido no plano de vôo se naquele momento o piloto não tenha certeza do número de pessoas a bordo, ou seja, será informado posteriormente já dentro da aeronave. M E N S A G E M D E P O S I Ç Ã O São exigidas as mensagens de posição: 1. Sobre os pontos de notificação compulsório ou após passá-los; 2. Em rotas não definidas as aeronaves transmitirão após os primeiros 30 minutos de vôo, e depois a intervalos de uma hora; 3. No cruzamento de limites laterais de CTA, UTA ou FIR; 4. Quando houver condições que exijam AIREP ESPECIAL; 5. Se a última hora reportada ao ATS, estimada para a posição seguinte, estiver errada em 3 minutos ou mais, um novo estimado (ETO) será comunicado ao ATS. 14

15 Se o último ponto de notificação estiver nos limites laterais, a notificação será transmitida aos dois ATS responsável pelos espaços aéreos. São elementos da mensagem de posição: 1. Identificação da aeronave; 2. Posição; 3. Hora; 4. Nível de vôo ou altitude (*); 5. Próxima posição e hora de sobrevôo. OBS: (*) Se a aeronave estiver utilizando transponder modo C, o item nível de vôo poderá ser omitido. C O R R E Ç Ã O Q N E O nível mínimo de cruzeiro é obtido da seguinte forma: 1. Procura-se a altitude do ponto mais elevado dentro de uma faixa de 16NM para cada lado do eixo da rota; 2. Soma-se pés como gabarito. Se o valor encontrado não corresponder a um nível de vôo, arredonda-se para o nível de vôo IFR imediatamente acima; 3. Sobre regiões montanhosas, o gabarito é de pés. Ex: Elevação de uma região montanhosa pés Correção QNE ao longo da rota 725 pés Gabarito da região pés Total = pés = FL060 15

16 S E G U R A N Ç A D E V Ô O E P R E V E N Ç Ã O D E A C I D E N T E S DIPAA está ligada a ANAC e realiza investigação dos acidentes aeronáuticos ocorridos com aeronaves civis SIPAA está ligada as Gerências Regionais e realiza investigação de acidentes ocorridos com a aviação geral Tanto o OSV quanto o ASV fazem parte do SIPAER OSV: Oficial de Segurança de Vôo - Militar ASV: Agente de Segurança de Vôo - Civil CIAA: Comissão de Investigação de Acidentes Aeronáuticos Relatório final: Relatório de Investigação de Acidente Aeronáutico (REL-IAA). Este relatório final de acidente, tem, a princípio, caráter ostensivo. A suspensão das operações em aeródromo, em virtude de condições meteorológicas, interdição e impraticabilidade de área de manobra através dos órgãos ATS é da competência do diretor do DECEA. A solução de uma investigação de acidente aeronáutico é de responsabilidade do CENIPA. Acidente com aeronave civil: Transporte aéreo regular e regional: comando investigador será a ANAC Aviação geral: comando investigador será o COMAR, com participação da Gerência Regional. 16

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Estrutura do Espaço Aéreo Brasileiro Autor: Renan Rodrigues - VID378006 Padronizado por:

Leia mais

MÓDULO 15 - TRÁFEGO AÉREO Alexandre L. D. Bastos e Derick M. Baum

MÓDULO 15 - TRÁFEGO AÉREO Alexandre L. D. Bastos e Derick M. Baum MÓDULO 15 - TRÁFEGO AÉREO Alexandre L. D. Bastos e Derick M. Baum (versão: 17/05/2009) 1. INTRODUÇÃO A idéia que o céu é infinito e que existe liberdade ao se voar pode ter seu romantismo, porém, e cada

Leia mais

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução

Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Aeroportos e sistemas aeroportuários: introdução Definições e Conceitos AERÓDROMO: Área definida sobre a terra ou água destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves; AERÓDROMO CONTROLADO: Aeródromo

Leia mais

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO

MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO IMA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO 30 JUN 1999 MINISTÉRIO DA AERONÁUTICA DIRETORIA DE ELETRÔNICA E PROTEÇÃO AO VÔO TRÁFEGO AÉREO IMA 100-12 REGRAS

Leia mais

CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO

CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO 2-1 Utilização de Aeródromos a. Nenhum aeródromo civil poderá ser utilizado por aeronaves civis se não estiver devidamente registrado ou homologado e, ainda, divulgado

Leia mais

ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO

ROTAER 2-1 CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO ROTAER 2-1 2-1 Utilização de Aeródromos CAPÍTULO II EXTRATO NORMATIVO a. Nesta publicação encontram-se relacionados somente aeródromos brasileiros abertos ao tráfego aéreo, de acordo com a IMA 58-10, de

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CARTA DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE O CONTROLE DE APROXIMAÇÃO DE BELO HORIZONTE (APP-BH), TORRE DE CONTROLE DE AERÓDROMO DE BELO HORIZONTE (TWR-BH),

Leia mais

Regulamento de Tráfego Aéreo

Regulamento de Tráfego Aéreo Regulamento de Tráfego Aéreo ICAO/OACI Órgão regulamentador da aviação civil internacional. A ele compete promover, incentivar e estabelecer padrões para a aviação civil internacional. Idealizado na convenção

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Regulamentos de Tráfego aéreo de helicópteros Padronizador: Cmte. João Gabriel Faria - VID

Leia mais

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação

Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Gestão de operações aeroportuárias: Controle do espaço aéreo e auxílios à navegação Designação de Aerovias ROTAS CONTINENTAIS: São aerovias traçadas sobre o continente ligando pontos e/ou auxílios de

Leia mais

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno)

Regras de voo visual nocturno (VFR Nocturno) CIRCULAR DE INFORMAÇÃO AERONÁUTICA PORTUGAL INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL TELEFONE 218423502 INFORMAÇÃO AERONÁUTICA AFTN - LPPTYAYI AEROPORTO DA PORTELA, 4 19/02 TELEX 12120 - AERCIV P 1749-034 LISBOA

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-11

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-11 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-11 CARTA DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE O BRASIL E A BOLÍVIA REFERENTE À OPERAÇÃO NOS AERÓDROMOS DE CORUMBÁ E PUERTO SUÁREZ 2010 MINISTÉRIO

Leia mais

TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO

TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO 2009 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO 2006 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO TRÁFEGO

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-37 SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-37 SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-37 SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO 2013 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO TRÁFEGO AÉREO ICA

Leia mais

ROTAS ESPECIAIS DE AERONAVES EM VOO VISUAL NA ÁREA TERMINAL DE SÃO LUÍS

ROTAS ESPECIAIS DE AERONAVES EM VOO VISUAL NA ÁREA TERMINAL DE SÃO LUÍS BRASIL DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO AIC N DIVISÃO DE INFORMAÇÕES AERONÁUTICAS 21/12 AV GENERAL JUSTO, 160 2º AND. - CASTELO 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ 13 DEZ 2012 TEL: 021 3814-8237 AFTN:

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR E SERVIÇOS DE TRÁFEGO AÉREO 2006 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO TRÁFEGO

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CARTA DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE O CONTROLE DE APROXIMAÇÃO DE BELO HORIZONTE (APP-BH), TORRE DE CONTROLE DE AERÓDROMO DE BELO HORIZONTE (TWR-BH),

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-9 PROCEDIMENTOS ESPECIAIS PARA AERONAVE PRESIDENCIAL 2014 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO

Leia mais

Classe de espaço aéreo

Classe de espaço aéreo Curso n 7 Classe de espaço aéreo As classes de espaço aéreo são uma normalização dos serviços prestados nos espaços aéreos. Uma classe de espaço define os serviços que são prestados de acordo com o regime

Leia mais

BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar

BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar AIC N 24/13 20021-130 RIO DE JANEIRO RJ 12 DEZ 2013 http://ais.decea.gov.br/ dpln1@decea.gov.br

Leia mais

OBJETIVO IDENTIFICAR OS CONCEITOS DE GERENCIAMENTO DE FLUXO DE TRÁFEGO AÉREO PUBLICADOS NO AIP-BRASIL

OBJETIVO IDENTIFICAR OS CONCEITOS DE GERENCIAMENTO DE FLUXO DE TRÁFEGO AÉREO PUBLICADOS NO AIP-BRASIL CGNA AIP-BRASIL OBJETIVO IDENTIFICAR OS CONCEITOS DE GERENCIAMENTO DE FLUXO DE TRÁFEGO AÉREO PUBLICADOS NO AIP-BRASIL 2 ROTEIRO O AIP BRASIL CONCEITOS REGRAS GERAIS REGRAS ESPECÍFICAS 3 Documento básico

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-23

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-23 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-23 CARTA DE ACORDO OPERACIONAL REFERENTE AOS PROCEDIMENTOS DE TRÁFEGO AÉREO NA TMA FOZ, CTR CATARATAS, CTR FOZ, CTR GUARANI E ATZ ITAIPU

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE SEGURANÇA E EFICÁCIA DE HELIPONTOS. Visão geral sobre a operação de helicópteros no espaço aéreo brasileiro

SEMINÁRIO SOBRE SEGURANÇA E EFICÁCIA DE HELIPONTOS. Visão geral sobre a operação de helicópteros no espaço aéreo brasileiro SEMINÁRIO SOBRE SEGURANÇA E EFICÁCIA DE HELIPONTOS Visão geral sobre a operação de helicópteros no espaço aéreo brasileiro ROTEIRO Operação em Plataformas Petrolíferas Corredores de Helicópteros Procedimentos

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO BRASIL AIC N DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO DIVISÃO DE GERENCIAMENTO DE NAVEGAÇÃO AÉREA 05/11 AV GENERAL JUSTO, 160 2º AND. - CASTELO 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ 13 JAN 2011 TEL: 021 3814-8237

Leia mais

Departamento de Treinamento

Departamento de Treinamento Departamento de Treinamento Manual de Interpretação de Cartas SID ERC STAR - VAC Departamento de Treinamento - IVAOBR 1 Sumário SID 4 APRESENTAÇÃO 4 BRIEFING 5 CABEÇALHO 6 FREQÜÊNCIAS 6 PROCEDIMENTO 7

Leia mais

MANUAL TERMINAL RIO TMA Rio (SBWJ)

MANUAL TERMINAL RIO TMA Rio (SBWJ) MANUAL TERMINAL RIO TMA Rio (SBWJ) ESPAÇO AÉREO SOB RESPONSABILIDADE DO ÓRGÃO APP TMA Rio de Janeiro (SBWJ) ESPACO AÉREO SOB RESPONSABILIDADE DO ÓRGÃO ATC ÁREA CLASSIFICAÇÃO LIMITE VERTICAL TMA Setor 1

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-4 REGRAS E PROCEDIMENTOS ESPECIAIS DE TRÁFEGO AÉREO PARA HELICÓPTEROS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-4 REGRAS E PROCEDIMENTOS ESPECIAIS DE TRÁFEGO AÉREO PARA HELICÓPTEROS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-4 REGRAS E PROCEDIMENTOS ESPECIAIS DE TRÁFEGO AÉREO PARA HELICÓPTEROS 2014 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO BRASIL AIC N DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO DIVISÃO DE GERENCIAMENTO DE NAVEGAÇÃO AÉREA 07/09 AV GENERAL JUSTO, 160 2º AND. - CASTELO 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ 12 MAR 2009 TEL: 021 3814-8237

Leia mais

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil

Manual de Voo VFR. Virtual Varig Brasil Manual de Voo VFR Virtual Varig Brasil Setembro 2010 REGRAS DE VÔO Regras de vôo visual(vfr) -Visual Flight Rules(VFR). -São regras que evitam a colisão de aeronaves com obstáculos ou com outras aeronaves

Leia mais

TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC FAX: (21) 21016198 VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS

TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC FAX: (21) 21016198 VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS BRASIL DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV GENERAL JUSTO, 160 2º AND. - CASTELO 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ AIC N 21/10 23 SEP 2010 TEL: (5521) 21016320 AFTN: SBRJYGYC

Leia mais

MAIORES INFORMAÇÕES NOS SITES: www.decea.gov.br www.cgna.gov.br www.anac.gov.br

MAIORES INFORMAÇÕES NOS SITES: www.decea.gov.br www.cgna.gov.br www.anac.gov.br Guiia prráttiico de consulltta sobrre as alltterrações do espaço aérreo parra a Riio+20.. Deparrttamentto de Conttrrolle do Espaço Aérreo ESTE GUIA TEM APENAS A FUNÇÃO DE ILUSTRAR E APRESENTAR, RESUMIDAMENTE,

Leia mais

Manual de Fraseologia - Gold Virtual Airlines. Tutorial. Manual de Fraseologia

Manual de Fraseologia - Gold Virtual Airlines. Tutorial. Manual de Fraseologia Manual de Fraseologia 1 Neste tutorial você aprenderá a realizar comunicação com os órgãos de controle de tráfego aéreo. Introdução Após ter realizado seu planejamento de voo e envio do mesmo seguirá com

Leia mais

QUESTIONÁRIO GERAL DE IFR

QUESTIONÁRIO GERAL DE IFR QUESTIONÁRIO GERAL DE IFR 01) O QUE SIGNIFICA A SIGLA SBP 641: A) ÁREA PROIBIDA Nº 64, I COMAR, BRASIL, AMÉRICA DO SUL B) ÁREA PERIGOSA Nº 64, I COMAR, BRASIL, AMÉRICA DO SUL C) ÁREA PROIBIDA Nº 41, VI

Leia mais

CGNA CURSO ATFM ICAO 24/11/2014

CGNA CURSO ATFM ICAO 24/11/2014 CGNA CURSO ATFM ICAO 24/11/2014 Objetivo Apresentar a ICA 100-22 (Serviço de Gerenciamento de Fluxo de Tráfego Aéreo) aos alunos do Curso Internacional de Gerenciamento de Fluxo de Tráfego Aéreo

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO FCA 100-69

COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO FCA 100-69 COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO FCA 100-69 CARTA DE ACORDO OPERACIONAL EN- TRE ARGENTINA BRASIL E PARAGUAI REFERENTE AOS PROCEDIMENTOS DE TRÁFEGO AÉREO NA TMA FOZ, CTR CATARATAS, CTR FOZ E CTR GUARANI

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO BRASIL AIC N DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO DIVISÃO DE GERENCIAMENTO DE NAVEGAÇÃO AÉREA 30/08 AV GENERAL JUSTO, 160 2º AND. - CASTELO 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ 18 DEZ 2008 TEL: 021 3814-8237

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR 2013 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS

Leia mais

MARINHA DO BRASIL BASE AÉREA NAVAL DE SÃO PEDRO DA ALDEIA DIVISÃO DE CONTROLE DE TRÁFEGO AÉREO SEÇÃO DE INSTRUÇÃO E ATUALIZAÇÃO TÉCNICA OPERACIONAL

MARINHA DO BRASIL BASE AÉREA NAVAL DE SÃO PEDRO DA ALDEIA DIVISÃO DE CONTROLE DE TRÁFEGO AÉREO SEÇÃO DE INSTRUÇÃO E ATUALIZAÇÃO TÉCNICA OPERACIONAL MARINHA DO BRASIL BASE AÉREA NAVAL DE SÃO PEDRO DA ALDEIA DIVISÃO DE CONTROLE DE TRÁFEGO AÉREO SEÇÃO DE INSTRUÇÃO E ATUALIZAÇÃO TÉCNICA OPERACIONAL PROGRAMA DE HABILITAÇÃO OPERACIONAL TWR-ES APOSTILA 8

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION. DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento DIVISÃO BRASILEIRA Departamento de Treinamento TD-002/09 CÁLCULOS DE NAVEGAÇÃO 2009 Página: 002/017 1 INTRODUÇÃO Este documento tem o objetivo de explanar sobre os cálculos que envolvem o planejamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS DO AR 2013 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO TRÁFEGO AÉREO ICA 100-12 REGRAS

Leia mais

Navegação Aérea. velocímetro, considerando-se a direção e a distância voada a partir de um ponto de referência conhecido.

Navegação Aérea. velocímetro, considerando-se a direção e a distância voada a partir de um ponto de referência conhecido. Navegação Aérea Navegaçao aerea é a maneira de conduzir um veículo voador de um lugar a outro em segurança, pode ser um balão, um dirigível ou qualquer artefato próprio para voar. A Navegação aérea requer

Leia mais

10-7 INFORMAÇÕES GERAIS

10-7 INFORMAÇÕES GERAIS 10-7 INFORMAÇÕES GERAIS OPERAÇÃO EXCLUSIVA DO COMANDANTE Em caso de incapacidade do Comandante em vôo com destino ao SBRJ, este deverá ser desviado para SBGL ou outro alternado disponível. A operação no

Leia mais

Guia de relatórios de pernas dos tours da IVAO-BR

Guia de relatórios de pernas dos tours da IVAO-BR International Virtual Aviation Organization Divisão Brasil da IVAO Departamento de Eventos Guia de relatórios de pernas dos tours da IVAO-BR (para pilotos) BR-EAC Brasil, 02 de maio de 2014. - 1 - Índice

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 105 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: SALTOS DE PARAQUEDAS Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. Origem: SSO/GPNO SUMÁRIO SUBPARTE A - GERAL 105.1

Leia mais

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO

DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO PLANO DE VÔO Esse manual foi adaptado a partir da versão original dos manuais da IVAO e manuais de Aviação Real. http://www.ivao.aero/training http://www.ivaobr.com/home/treino

Leia mais

Manual Operacional Terminal Macapá

Manual Operacional Terminal Macapá FIR Amazônica alguma na aviação real ou em outras redes virtuais. Documento Manual Operacional TMA Macapá Versão 1.0 10 de Dezembro de 2014 Página 1 Manual Operacional Terminal Macapá TMA Macapá (SBXK)

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 Prodedimento RNAV (GNSS) Autor: TCel Av SERGIO KOCH Padronizado por: Cmte. João Gabriel

Leia mais

Guia Prático de Consulta sobre as alterações do Espaço Aéreo para a Copa das Confederações 2013

Guia Prático de Consulta sobre as alterações do Espaço Aéreo para a Copa das Confederações 2013 Guia Prático de Consulta sobre as alterações do Espaço Aéreo para a Copa das Confederações 2013 2 Este guia tem apenas a função de ilustrar e apresentar, resumidamente, as implicações e restrições operacionais

Leia mais

FORUM SEGURANÇA APAU 2015 11 ABRIL 2015 BASE AÉREA Nº6 MONTIJO

FORUM SEGURANÇA APAU 2015 11 ABRIL 2015 BASE AÉREA Nº6 MONTIJO FORUM SEGURANÇA APAU 2015 11 ABRIL 2015 BASE AÉREA Nº6 MONTIJO Este manual de instruções é composto de duas partes: Participação com chegada por via aérea Participação com chegada por via terrestre 1 Atenção:

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA. Apronto Operacional Copa das Confederações FIFA Brasil 2013

COMANDO DA AERONÁUTICA. Apronto Operacional Copa das Confederações FIFA Brasil 2013 Apronto Operacional Copa das Confederações FIFA Brasil 2013 OBJETIVO Padronizar os procedimentos das aeronaves envolvidas nas atividades aéreas relativas ao Controle do Espaço Aéreo na TMA-RJ, por ocasião

Leia mais

II - REGRAS DO AR OBJETIVO

II - REGRAS DO AR OBJETIVO II - REGRAS DO AR OBJETIVO Capítulo II Compreender por que foram criadas as Regras Ar, conhecer seus objetivos, a fim de que se possa aplica-las de maneira eficiente. II - REGRAS DO AR ROTEIRO 1- REGRAS

Leia mais

AIS Serviço de Informação Aeronáutica

AIS Serviço de Informação Aeronáutica AIS Serviço de Informação Aeronáutica ATFM 2S SAI JADER Visão Geral dos Componentes do SIGMA e o projeto de centralização do Plano de Voo PLN_C (Centralizador) PLN_R (Repetitivo - RPL) PLN_A (Terminal

Leia mais

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO]

SUMÁRIO SUBPARTE B [RESERVADO] SUBPARTE C [RESERVADO] SUBPARTE D [RESERVADO] REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 121 EMENDA nº 03 Título: REQUISITOS OPERACIONAIS: OPERAÇÕES DOMÉSTICAS, DE BANDEIRA E SUPLEMENTARES Aprovação: Resolução nº 146, de 17 de março de 2010.

Leia mais

10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA

10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA 57 10. ESTABILIDADE E INSTABILIDADE ATMOSFÉRICA ESTABILIDADE ATMOSFÉRICA Ocorre quando há ausência de movimentos convectivos ascendentes. Pode produzir nuvens do tipo estratiformes e também gerar névoas

Leia mais

AIC DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO N DIVISÃO DE INFORMAÇÕES AERONÁUTICAS 05/08 AV GENERAL JUSTO, 160 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ 14 FEV 2008

AIC DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO N DIVISÃO DE INFORMAÇÕES AERONÁUTICAS 05/08 AV GENERAL JUSTO, 160 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ 14 FEV 2008 BRASIL AIC DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO N DIVISÃO DE INFORMAÇÕES AERONÁUTICAS 05/08 AV GENERAL JUSTO, 160 20021-130-RIO DE JANEIRO RJ 14 FEV 2008 TEL: (21) 3814-8237 AFTN: SBRJYGYI ADM PAME

Leia mais

OBJETIVO. Esperas no Solo Intervenção do ATCo Congestionamento na Frequência

OBJETIVO. Esperas no Solo Intervenção do ATCo Congestionamento na Frequência NOVAS REA TMA SBWH OBJETIVO MENOS MENOS MENOS MAIS MAIS MAIS Esperas no Solo Intervenção do ATCo Congestionamento na Frequência Aeronaves no Setor Visual Autonomia aos Pilotos Sucesso no Planejamento de

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PROTEÇÃO AO VOO ICA 63-19 CRITÉRIOS DE ANÁLISE TÉCNICA DA ÁREA DE AERÓDROMOS (AGA) 2015 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE

Leia mais

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013

INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO. IVAO Brasil Academy. Versão 01 / Maio 2013 INTERNATIONAL VIRTUAL AVIATION ORGANISATION DIVISÃO BRASILEIRA DEPARTAMENTO DE TREINAMENTO Versão 01 / Maio 2013 NDB Radio Farol Não Direcional Autor: Desconhecido Padronizado por: Cmte. João Gabriel Faria

Leia mais

AEROPORTO DE SALVADOR. Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem

AEROPORTO DE SALVADOR. Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem Caracterização do Empreendimento da 2ª 2 Pista de Pouso e Decolagem Gerência de Planos Diretores - Sede Abril/2010 Documento de Planejamento Plano Diretor Aeroportuário rio Objetivo Definição Objetivos

Leia mais

Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto

Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto Plano Diretor e Geral do Aeroporto e Requisitos para Aprovação do Projeto Definições: Acostamento: faixa lateral nas pistas ou pátios com revestimento tal que evite a ingestão pelas turbinas de materiais

Leia mais

Manual Operacional Terminal Manaus

Manual Operacional Terminal Manaus FIR Amazônica alguma na aviação real ou em outras redes virtuais. Documento Manual operacional TMA Manaus Versão 1.0 2 de Dezembro de 2014 Página 1 Manual Operacional Terminal Manaus TMA Manaus (SBWN)

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA

COMANDO DA AERONÁUTICA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO DE VÔO 15 JAN 2000 COMANDO DA AERONÁUTICA DIRETORIA DE ELETRÔNICA E PROTEÇÃO AO VÔO TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO DE VÔO 15 JAN 2000 Portaria DEPV

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Aeroportos e Transporte Aéreo CONTROLE DE TRÁFEGO AÉREO

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Aeroportos e Transporte Aéreo CONTROLE DE TRÁFEGO AÉREO CONTROLE DE TRÁFEGO AÉREO Controle de tráfego aéreo (CTA) em aeroportos como o CTA afeta a capacidade de pista(s) de um aeroporto apenas análise de aspectos de CTA que afetam a capacidade de pistas introdução

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO CIRCEA 100-18 CARTA DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE A V FAE, APP-RJ E TWR-AF 2011 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE

Leia mais

1 03 Ra R dio i n o a n vegação Prof. Diego Pablo

1 03 Ra R dio i n o a n vegação Prof. Diego Pablo 1 03 Prof. Diego Pablo 2 NDB: Radiofarol Não-Direcional (Non-Directional Beacon) Antena NDB ADF (Automatic Direction Finder) NDB numa carta aeronáutica 3 NDB: Radiofarol Não-Direcional (Non-Directional

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO DE VOO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO DE VOO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO DE VOO 2012 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO

Leia mais

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil

INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil INFORMES SETORIAL Aeronáutica fala sobre a segurança nos céus do Brasil A reportagem exibida na semana passada mostrava algumas falhas na comunicação entre o avião monomotor em que estava o nosso repórter

Leia mais

MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL

MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL Este manual tem como objetivo guiar os operadores dos aeródromos participantes do projeto piloto de indicadores

Leia mais

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014)

MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) MÓDULO 6 - CAPACIDADE DO LADO AÉREO Cláudio Jorge Pinto Alves (versão: 14/05/2014) 1 - INTRODUÇÃO De 1970 a 2010 observou-se um aumento de 7% ao ano no movimento de passageiros e prevê-se, para o período

Leia mais

BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar

BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar BRASIL DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES AV. GENERAL JUSTO, 160 2º Andar AIC N 27/13 20021-130 RIO DE JANEIRO RJ 12 DEZ 2013 http://ais.decea.gov.br/ dpln1@decea.gov.br

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 133 EMENDA nº 00 Título: OPERAÇÃO DE AERONAVES DE ASAS ROTATIVAS COM CARGAS EXTERNAS Aprovação: Resolução ANAC nº 174, de 9 de novembro de 2010, publicada

Leia mais

REGULAMENTO OPERATIVO AERODROMO E. MATTEI PISTICCI (MT)

REGULAMENTO OPERATIVO AERODROMO E. MATTEI PISTICCI (MT) REGULAMENTO OPERATIVO AERODROMO E. MATTEI PISTICCI (MT) 1 PREFÁCIO O presente Regulamento Operativo constitui uma pequena coleta de disposições, normas e critérios operativos, que devem ser adotados por

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO DE VÔO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO DE VÔO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO DE VÔO 2008 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO TRÁFEGO AÉREO ICA 100-11 PLANO

Leia mais

Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea

Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea CGNA CGNA Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea ICA 100-22 SERVIÇO DE GERENCIAMENTO DE FLUXO SERVIÇO DE GERENCIAMENTO DE FLUXO DE TRÁFEGO AÉREO ICA 100-22 SERVIÇO DE GERENCIAMENTO DE FLUXO DE TRÁFEGO

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PROTEÇÃO AO VOO ICA 63-30 INVESTIGAÇÃO DE OCORRÊNCIAS DE TRÁFEGO AÉREO 2014 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DO CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

Leia mais

NORMA DA INFRAERO PINTURA DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL NAS ÁREAS DE MOVIMENTO DE AERONAVES PARA CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO

NORMA DA INFRAERO PINTURA DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL NAS ÁREAS DE MOVIMENTO DE AERONAVES PARA CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO NORMA DA INFRAERO ASSUNTO PINTURA DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL NAS ÁREAS DE MOVIMENTO DE PARA CONDIÇÕES NORMAIS DE OPERAÇÃO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE OPERAÇÕES (DO) SUPERINTENDÊNCIA DE GESTÃO OPERACIONAL (DOGP)

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO Nº 236, DE 5 DE JUNHO DE 2012. Estabelece requisitos de aderência para pistas de pouso e decolagem. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício da competência que lhe

Leia mais

Email: @decea.gov.br AFS: SBRJYGYO TEL.: (21) 2101-6277 ASSINATURA: 21 2117-7294

Email: @decea.gov.br AFS: SBRJYGYO TEL.: (21) 2101-6277 ASSINATURA: 21 2117-7294 BRASIL AIC DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO N SUBDEPARTAMENTO DE OPERAÇÕES DIVISÃO DE GERENCIAMENTO DA NAVEGAÇÃO AÉREA 20/12 AV. GENERAL JUSTO, 160 2º ANDAR 20021-130 RIO DE JANEIRO-RJ 13 DEZ 2012

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca dos fenômenos meteorológicos e da climatologia do espaço aéreo, julgue os itens que se seguem. 51 O fenômeno de halo ocorre exclusivamente em nuvens altostratus, que consistem

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO COMANDANTE DA AERONÁUTICA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO COMANDANTE DA AERONÁUTICA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO COMANDANTE DA AERONÁUTICA COMANDO DA AERONÁUTICA PORTARIA N o 306/GC5, DE 25 DE MARÇO DE 2003. Aprova a Instrução sobre a cobrança das Tarifas Aeroportuárias de Embarque,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito da teoria e aerodinâmica de voo, julgue os itens a seguir. 51 Em um avião a hélice, o alcance máximo é obtido na velocidade correspondente ao ângulo de ataque quando

Leia mais

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA

PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA INSTRUTOR DE VOO PROGRAMA DE INSTRUÇÃO PRÁTICA Este é um manual de apoio ao programa de instrução adotado pelo Aeroclube de Piracicaba, para qualquer dúvida além desse manual consultar o MMA 58-16 através

Leia mais

PORTARIA Nº 1.141/GM5, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987

PORTARIA Nº 1.141/GM5, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987 PORTARIA Nº 1.141/GM5, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987 Dispõe sobre Zonas de Proteção e Aprova o Plano Básico de Zona de Proteção de Aeródromos, o Plano Básico de Zoneamento de Ruído, o Plano Básico de Zona de

Leia mais

DESFRUTE O LUXO QUE LEVA VOCÊ MAIS LONGE. VAI MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO. DADOS DE DESEMPENHO

DESFRUTE O LUXO QUE LEVA VOCÊ MAIS LONGE. VAI MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO. DADOS DE DESEMPENHO PR-JAJ VAI MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO. Quando se fala em desempenho, o Phenom 100 é o líder em sua classe. Com motores Pratt and Whitney, sua capacidade de alcance de voo de quase 1.200 nm e de decolagem

Leia mais

Para estabelecer o padrão de comunicação na UNICOM, foram adotadas algumas diretrizes, as quais detalhamos:

Para estabelecer o padrão de comunicação na UNICOM, foram adotadas algumas diretrizes, as quais detalhamos: Pag-1 1. Introdução A presente publicação tem por finalidade estabelecer um padrão de comunicação entre os pilotos virtuais que conduzem seus voos na VATSIM sem a presença de órgãos virtuais ATS (Air Traffic

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC n 154 EMENDA n 01 Título: Aprovação: PROJETO DE AERÓDROMOS Resolução nº 238, de 12 de junho de 2012, publicada no Diário Oficial da União N 122, S/1, p. 20,

Leia mais

Transição para o CNS/ATM

Transição para o CNS/ATM Transição para o CNS/ATM por Daniel Torelli Em nosso dia-a-dia é cada vez mais comum falarmos de CNS/ATM mesmo muitas vezes não sabendo o significado e como pode influenciar no cotidiano da aviação. A

Leia mais

MINISTÉRIO DA AERONÁÚTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO SÍMBOLO DATA CATEGORIA DISTRIBUIÇÃO EFETIVAÇÃO 09.11.

MINISTÉRIO DA AERONÁÚTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO SÍMBOLO DATA CATEGORIA DISTRIBUIÇÃO EFETIVAÇÃO 09.11. MINISTÉRIO DA AERONÁÚTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO TÉCNICO SÍMBOLO DATA CATEGORIA DISTRIBUIÇÃO IAC -3135-137-1095 EXPEDIÇÃO 20.10.95 09.11.95 NOSER D-HC-GV-SE-SR-IN-X TITULO: VÔO AGRÍCOLA

Leia mais

O estado da arte do uso do GNSS na aviação civil e os desafios futuros

O estado da arte do uso do GNSS na aviação civil e os desafios futuros O estado da arte do uso do GNSS na aviação civil e os desafios futuros Cap Eng Leonardo Marini Pereira INSTITUTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO marinilmp@icea.gov.br Objetivo Expor a demanda atual de pesquisa

Leia mais

Minuta IS IFR Prático (Avião)

Minuta IS IFR Prático (Avião) Minuta IS IFR Prático (Avião) Ronaldo Wajnberg Gamermann Especialista em Regulação de Aviação Civil Gerência Geral de Ação Fiscal GGAF / NURAC POA Gerência Técnica de Organizações de Formação GTOF Gerência

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL MARCAS DE IDENTIFICAÇÃO, DE NACIONALIDADE E DE MATRÍCULA. Aprovação: Resolução ANAC nº 220, de 20 de março de 2012, publicada no Diário Oficial da União

Leia mais

CONFORTO INIGUALÁVEL. DESEMPENHO DE SUCESSO. DADOS DE DESEMPENHO

CONFORTO INIGUALÁVEL. DESEMPENHO DE SUCESSO. DADOS DE DESEMPENHO PT-SBC DESEMPENHO DE SUCESSO. Por qualquer perspectiva que você o examine, o Phenom 300 o impressionará por seu excepcional desempenho. Com motores Pratt & Whitney Canada, ele pode ser facilmente operado

Leia mais

OBJETIVO. Apresentar o papel da Unidade de Gerenciamento do Espaço Aéreo (ASMU) na atividade de gerenciamento de fluxo

OBJETIVO. Apresentar o papel da Unidade de Gerenciamento do Espaço Aéreo (ASMU) na atividade de gerenciamento de fluxo CGNA OBJETIVO Apresentar o papel da Unidade de Gerenciamento do Espaço Aéreo (ASMU) na atividade de gerenciamento de fluxo ROTEIRO A EVOLUÇÃO DO ASM ANÁLISE DO ESPAÇO AÉREO UNIDADE DE GERENCIAMENTO DO

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O FLUXO DE TRÁFEGO E A OCORRÊNCIA DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

RELAÇÃO ENTRE O FLUXO DE TRÁFEGO E A OCORRÊNCIA DE ACIDENTES AERONÁUTICOS ISSN 1984-9354 RELAÇÃO ENTRE O FLUXO DE TRÁFEGO E A OCORRÊNCIA DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Área temática: Logística Cleibson Aparecido Almeida contato@cleibsonalmeida.blog.br Cesar Eduardo Leite cesarl@ucb.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PROTEÇÃO AO VOO ICA 63-30 INVESTIGAÇÃO DE OCORRÊNCIAS DE TRÁFEGO AÉREO 2012 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

Leia mais

Jor nal Oficial L 281. da União Europeia. Legislação. Atos não legislativos. 55. o ano 13 de outubro de 2012. Edição em língua portuguesa.

Jor nal Oficial L 281. da União Europeia. Legislação. Atos não legislativos. 55. o ano 13 de outubro de 2012. Edição em língua portuguesa. Jor nal Oficial da União Europeia ISSN 1977-0774 L 281 Edição em língua portuguesa Legislação 55. o ano 13 de outubro de 2012 Índice II Atos não legislativos REGULAMENTOS Regulamento de Execução (UE) n.

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - 032/CENIPA/2013 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-OID 310R 26FEV2010 ADVERTÊNCIA Conforme

Leia mais