A CONCEPÇÃO MARXISTA DE HISTÓRIA: ASPECTOS DA CONTRIBUIÇÃO DE MARX PARA A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A CONCEPÇÃO MARXISTA DE HISTÓRIA: ASPECTOS DA CONTRIBUIÇÃO DE MARX PARA A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO"

Transcrição

1 A CONCEPÇÃO MARXISTA DE HISTÓRIA: ASPECTOS DA CONTRIBUIÇÃO DE MARX PARA A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO TRIGO, Thiago Alves SOUZA, Rodrigo Augusto de UEM Eixo Temático: História da Educação Agência Financiadora: Não contou com financiamento Resumo Este trabalho procura apresentar a concepção marxista de história e identificar a sua contribuição para a história da educação. O pensamento de Karl Marx ( ) é de importância fundamental para a compreensão da sociedade contemporânea. Não obstante sua importância, sua obra possui notável complexidade, abrangendo estudos de: economia, filosofia, sociologia, história e religião, entre outros. Nossa intenção é aprofundar a concepção marxista de história. Para isso, vamos mostrar a caracterização da sociedade capitalista burguesa, alvo da crítica de Marx. Realizaremos uma breve incursão no pensamento de Hegel, a fim de permitir uma melhor compreensão do pensamento marxista e de seu método histórico-dialético. Por fim, mostraremos como o pensamento de Marx contribuiu à educação, influenciando a pedagogia histórico-crítica. Palavras-chave: Filosofia da História; História da Educação; Karl Marx. Introdução O pensamento de Karl Marx ( ) denota uma considerável complexidade. Não é nossa intenção uma análise profunda do pensamento marxista. Isso demandaria um estudo mais detalhado. No entanto, buscamos com este trabalho apresentar uma compreensão da concepção marxista de história. Segundo nosso entendimento, uma das mais significativas

2 6937 contribuições de Marx ao pensamento contemporâneo se deu na sua forma de compreender a história. Ao lado da crítica à sociedade capitalista, industrial ou burguesa, está a noção de história em Marx a iluminar a produção do conhecimento na contemporaneidade. Não podemos deixar de nos referir ao conceito de ideologia em Marx. Trata-se de uma contribuição original e inédita. Através dessa nova formulação da noção de ideologia, Marx realiza sua crítica à burguesia e ao capitalismo. A ideologia, segundo os pressupostos marxistas, nos remete à idéia de consciência, isto é, uma espécie de concepção de pensamento e da racionalidade. Essas idéias de Marx ofereceram uma contribuição extraordinária para a filosofia e a educação. Para Pucci (1995), em termos filosóficos elas inspiraram os pensadores da Escola de Frankfurt, como Marcuse, Adorno, Horkheimer, Benjamin e Habermas. Esses filósofos buscaram interpretar Marx no século XX. Ofereceram novos critérios à análise do pensamento marxista, tais como: a indústria cultural, a sociedade de massa, a teoria crítica, entre outros. Apesar da inspiração marxista da Escola de Frankfurt, esse movimento filosófico também é criticado por alguns leitores de Marx. Para tais críticos, os filósofos frankfurtianos teriam esvaziado o conteúdo político e revolucionário do pensamento de Marx, se concentrando apenas nos estudos culturais e antropológicos. Para além da Alemanha, Marx exerceu uma influência mais direta na Itália do século XX, especificamente no pensamento de Antonio Gramsci ( ). Um dos fundadores do partido comunista italiano, Gramsci se tornou o principal contestador do fascismo, movimento reacionário de direita. O pensamento gramsciano procurou afastar o pensamento de Marx das experiências do chamado socialismo ou comunismo vulgar, da antiga União Soviética e de outras experiências totalitárias de comunismo. Gramsci prefigurou um comunismo à italiana, diferente das outras feições políticas do comunismo real. Sendo assim, Gramsci manteve vivo o ideal revolucionário de Marx, com novas caracterizações. Não separando o pensamento de Marx da luta política revolucionária. A Sociedade Burguesa A caracterização da sociedade burguesa será tomada como ponto de partida para a compreensão do pensamento de Marx e de sua concepção de história. Antes de chegarmos ao

3 6938 pensamento marxista, é preciso entender o capitalismo industrial e perceber a organização da sociedade burguesa. Esses dois elementos são fundamentais para se entender o espírito da obra de Marx. Sua crítica ao capitalismo e à burguesia revela ainda a atualidade de suas idéias, uma vez que o modo de produção capitalista permanece em nossos dias. Marx é um pensador que ultrapassa o seu tempo histórico, apesar de datado ao século XIX, suas idéias, sem nenhum tipo de idealismo à moda de Hegel, se projetam para o século XX e permanecem como uma crítica contundente ao capitalismo. Considera Marx, na Crítica do Programa de Ghota : O modo capitalista de produção repousa no fato de que as condições materiais de produção são entregues aos que não trabalham sob a forma de propriedade do capital e propriedade do solo, enquanto a massa é proprietária apenas da condição pessoal de produção, a força de trabalho. Distribuídos deste modo os elementos de produção, a atual distribuição dos meios de consumo é uma conseqüência natural. Se as condições materiais de produção fosse propriedade coletiva dos próprios operários, isto determinaria, por si só, uma distribuição dos meios de consumo diferente da atual. (MARX e ENGELS, s./d., vol. 2, p. 215). De acordo com Hobsbawm (2001), o palco da sociedade burguesa é a modernidade. Essa, por sua vez, pode ser caracterizada a partir das revoluções que lhe são próprias. A opção de Hobsbawm é entender a modernidade considerando as revoluções que marcaram a sua constituição. Assim, para entender o pensamento de Marx, é preciso uma incursão nas três grandes revoluções da modernidade: a revolução científica do século XVI, protagonizada pela ciência moderna de Bacon, Locke e Hobbes; a revolução francesa ou burguesa, marco político da ascensão da burguesia ao poder e a revolução industrial, como implantação radical do modo de produção capitalista. Desse modo teríamos a modernidade definida a partir dos seus aspectos: científicos, políticos e econômicos. A revolução científica tem sua matriz teórica no empirismo inglês. Serviu de suporte à industrialização ocorrida principalmente nos séculos XVIII e XIX, na Europa. A marca do empirismo também influenciou a filosofia de Marx. O materialismo dialético e histórico, de Marx e Engels, tem pretensões cientificistas. O historiador da filosofia, François Châtelet, afirma que nenhuma filosofia do XIX escapa ao cientificismo e ao historicismo. São as duas grandes ideologias que influenciaram a produção filosófica desse período. Marx defende o socialismo científico, o que mostra como ele se adequa à filosofia do século XIX.

4 6939 No plano político, Marx percebe com grande visão a consolidação dos ideais burgueses da revolução francesa. A pseudo-democracia moderna, advinda da afirmação do liberalismo político. A sociedade divida em classes é o sintoma crítico do modo de produção capitalista. A filosofia marxista é uma grande crítica da burguesia e da sociedade dividida em classes: os burgueses, donos do modo de produção capitalista e os trabalhadores, massa explorada pelos detentores do capital. Considera Marx, na obra O Dezoito de Brumário de Luiz Bonaparte : A revolução social do século dezenove não pode tirar sua poesia do passado, e sim do futuro. Não pode iniciar sua tarefa enquanto não se despojar de toda veneração supersticiosa do passado. As revoluções anteriores tiveram que lançar mão de recordações da história antiga para se iludirem quanto ao próprio conteúdo. A fim de alcançar seu próprio conteúdo a revolução do século dezenove deve deixar que os mortos enterrem seus mortos. Antes a frase ia além do conteúdo; agora é o conteúdo que vai além da frase. (MARX e ENGELS, s./d., vol. 1, p. 205). A revolução industrial é a expressão mais nítida do processo histórico da modernidade. Marx vê o homem alienado, produto da revolução industrial, contaminado pela ideologia burguesa. O homem não é sujeito de si mesmo, está despersonalizado. Seu trabalho é alienado. O trabalho que deveria realizar a natureza humana, é um modo de subserviência ao capital. Com maestria, Marx analisa o impacto do capitalismo sobre a vida humana, produzindo um homem monstruoso, cada vez mais distante da sua própria humanidade. A Crítica ao Idealismo de Hegel Se por um lado a compreensão da sociedade burguesa é importante para o entendimento do pensamento de Marx, por outro, não se pode negar a influência de Hegel ( ) sobre o pensamento marxista. São filosofias distintas: o idealismo de Hegel e o materialismo de Marx. No entanto, elas se aproximam em duas características comuns: o historicismo e a dialética. Marx recebe essa influência do idealismo hegeliano. Podemos dizer que é uma influência muito mais metodológica do que teórica. Há diferenças entre a dialética marxista e a hegeliana, mas ambos recorrem à dialética. Vamos apresentar o pensamento de Hegel a partir das obras: Fenomenologia do Espírito e Filosofia do Direito. Segundo Châtelet (1982), podemos compreender o conceito de dialética em Hegel como a vida do espírito absoluto. Sendo a dialética o ultrapassar imanente, a superação

5 6940 constante em uma relação de identidade de contrários, constitui um movimento triádico de superação progressiva da realidade, onde ser e nada são a mesma coisa em uma relação de alteridade. Por ser um movimento de constante progresso na superação da realidade, a dialética é a vida do espírito absoluto em Hegel. O espírito absoluto é uma totalidade inteligível que engloba a cultura como conjunto sistemático do que é e foi dito e pensado, no espírito se abriga a identidade da coisa que não é repetida. Ela se reconstitui continuamente, pois também é o Absoluto, enquanto totalidade que vale para o real e cada uma das partes, por isso se afirma: o verdadeiro é o todo, é o Espírito, é a relação de alteridade nas identidades. Não se concebe uma parte dissociada do todo. Aqui é possível notar mais uma semelhança entre Hegel e Marx. A visão de totalidade do real e do conhecimento. O movimento do real, segundo o pensamento hegeliano, está na totalidade e é lá também que se distingue a realidade pela identidade de contrários. O verdadeiro é aquilo que se determina, pela dialética de superação, na realidade e por sua vez o real é racional e o racional é real. Por sua fundamentação, meu método dialético não só difere do hegeliano, mas é também sua antítese direta. Para Hegel o movimento que ele personifica no nome da idéia é o demiurgo da realidade, a qual é apenas a forma fenomenal da idéia. Para mim, pelo contrário, o movimento do pensamento é apenas a reflexão do movimento real, transportado e transposto no cérebro do homem. (MARX, 1975, p. 73). Na medida em que se apreende racionalmente o movimento progressivo dialético, superando e determinando a própria realidade, se pode afirmar com segurança que o real é racional e o racional é real, por entender a determinação da coisa ou realidade pelo movimento histórico-dialético que é devidamente inteligível. A dialética de Hegel supõe o par dialético ser e pensamento. Ele reúne em sua análise dois elementos que até então eram desvinculados, pois eram entendidos separadamente em uma lógica predicativa, universal onde ambos se determinam separadamente e em nada se relacionam no que compete à identidade. Hegel inova quando rejeita a lógica predicativa e insere em seu lugar o par dialético do ser e pensamento colocando assim em uma mesma relação que pode estabelecer a identidade, o que supõe a diferença. Ser e pensamento, para Hegel, não podem ser diferentes em uma perspectiva predicativa e universal, mas devem ser dialéticos, por conter uma tensão de contrários, que não é uma confusão de identidades, mas por estarem reunidos, sendo assim uma determinação da diferença de identidades.

6 6941 Merece destaque o pensamento político e moral de Hegel. É importante estabelecer a relação entre estado e sociedade no pensamento hegeliano. Há o estabelecimento da distinção entre estado e sociedade civil, mas o estado é o fundamento. Nesse sentido, é o estado que funda o povo e não o povo que funda o estado. Assim, o estado absorve a sociedade civil, na forma da filosofia do direito. Afirma Marx (1975): Ainda que Hegel desfigure a dialética com o misticismo, não deixa de ser ele quem pela primeira vez expõe o seu movimento de conjunto. No seu caso, a dialética apóia-se sobre a cabeça; basta repô-la sobre seus pés para lhe dar uma fisionomia racional. Na forma racional ela é um escândalo e uma abominação para as classes dirigentes e seus ideólogos doutrinários, porque captando o próprio movimento, no qual qualquer forma realizada é apenas uma configuração transitória, não se deixa subjugar por nada: porque ela é essencialmente crítica e revolucionária. (p. 74). Hegel defende o estado ético, ou seja, o estado deve ser compreendido como ele é, e não como deveria ser. Apesar desse ideal, nós sabemos que o estado liberal burguês não é ético. Buscando em Platão, o grande mentor do idealismo na filosofia, a idéia de estado, em especial, as idéias de liberdade e propriedade, Hegel se põe a defendê-las. Para Hegel, o estado é personificado no monarca. A crítica de Marx à teoria política hegeliana está no fato de termos a constituição do monarca e não o monarca da constituição. Marx desmascara o estado burguês, ao afirmar que ele é a ditadura da minoria. Apesar a visão histórica de Hegel, baseada da dialética: tese, antítese e síntese, o pensamento hegeliano traduz a Alemanha do seu tempo, diante da Revolução Francesa. A Concepção Marxista de História Marx entende a história pela perspectiva da produção material de bens. A análise empreendida por Marx se volta para a produção material dos bens e dos elementos que lhes envolvem ou correspondem. A análise marxista se volta para os modos de produção, a realização do trabalho e as relações econômicas que o envolvem, resgatando tais relações em perspectiva histórica. A história evolui dialeticamente para Marx. Nessa característica ele é semelhante a Hegel. A dialética marxista é substancialmente diferente, pelo seu materialismo. A expressão mais plena da dialética marxista é a luta de classes, que é o motor da história. O conflito das classes leva ao progresso da história, ao seu desenvolvimento. Concebe ainda a história como

7 6942 multifacetada e não unilinear. Para Marx, a história é entendida de muitas formas, aqui está presente a idéia de classes, que formam a sociedade, e não segue um curso unilinear e evolutivo. Argumenta Marx sobre sua concepção de história em O Dezoito de Brumário de Luiz Bonaparte : Os homens fazem sua própria história, mas não a fazem como querem; não a fazem sob circunstãncias de sua escolha e sim sob aquelas com que se defrontam diretamente, ligadas e transmitidas pelo passado. A tradição de todas as gerações mortas oprime como um pesadelo o cérebro dos vivos. E justamente quando parecem empenhados em revolucionar-se a si e às coisas, em criar algo que jamais existiu, precisamente nesses períodos de crise revolucionária, os homens conjuram ansiosamente em seu auxílio os espíritos do passado, tomando-lhes emprestado os nomes, os gritos de guerra, as roupagens, a fim de apresentar a nova cena da história do mundo nesse disfarce tradicional e nessa linguagem emprestada. (MARX e ENGELS, s./d., vol. 1, p.. 203). Segundo Marx, a sociedade política deveria ser a expressão da sociedade civil, isto é, das relações de produção que nela se instalam. Assim critica os traços fundamentais da filosofia do direito de Hegel. Marx (2007), em sua obra A Ideologia Alemã, desconstrói toda a filosofia da consciência anterior ao seu tempo, principalmente a hegeliana. Mostra o estado como uma superestrutura, parte essencial da estrutura econômica. Dessa maneira, o estado escravista garante a dominação sobre os escravos. O estado feudal garante o predomínio das corporações. O estado capitalista garante o predomínio das relações de produção capitalistas, e, inclusive, protege-as. Para Marx, a luta de classes determina, no capitalismo, a necessidade do estado. A classe que detém a propriedade dos meios de produção deve institucionalizar sua dominação econômica, através de organismo de dominação política, jurídica, forças repressivas, de convencimento, entre outra. O estado em Marx nasce da luta de classes como um poder concentrado, burocrático. Não existe uma teoria política marxista do estado. A finalidade de Marx e Engels era acabar com o estado. Existe sim, uma teoria crítica do estado capitalista. Para Marx, em A Luta de Classes na França de 1848 a 1850 :

8 6943 O desenvolvimento do proletariado industrial tem por condição geral o desenvolvimento da burguesia industrial, sob cujo domínio adquire ele existência nacional que lhe permite elevar sua revolução à categoria de revolução nacional, criando meios modernos de produção, que hão de transformar-se em outros tantos meios para a sua emancipação revolucionária. Somente o domínio da burguesia industrial extirpa as raízes materiais da sociedade feudal e prepara o único terreno em que é possível uma revolução proletária. (MARX e ENGELS, s./d., vol. 1, p.119). O pensamento de Marx dá muita importância à observação da realidade histórica identificando as relações de contradição. Essas relações são conflitantes. Assim, a filosofia marxista considera: as relações sociais, a luta de classes, a práxis e a mudança como condição fundamental para superação das desigualdades provocadas pelo capital. A luta de classes é marcada pelo embate entre a classe trabalhadora e a burguesia. Marx defende uma história em movimento, a transformação da realidade e profundas mudanças sociais. Para que a superação do modo de produção capitalista aconteça é preciso desmascarar e superar a ideologia burguesa. Ao conferir um valor significativo à história, o pensamento de Marx entende a experiência a partir da descrição e classificação da realidade concreta do fenômeno. Há um resgate da estrutura sócio-econômica. O princípio da realidade é a matéria. A consciência, por sua vez, não é vista longe do homem histórico e concreto, por isso, ela deve ser crítica e reflexiva. Aspectos da Contribuição de Marx à História da Educação O legado marxista para a história da educação não é fácil de ser examinado. Há uma vasta produção nesse sentido. Marx foi e ainda é uma influência decisiva para a história da educação. Apresentaremos o método crítico-dialético como expressão da contribuição de Marx para a educação. Essa influência marxista pode ser notada nos mais variados campos da educação: didática, teorias da educação, história, políticas, gestão, avaliação, entre outros. Do ponto de vista das teorias da educação, se destaca Demerval Saviani, com sua pedagogia histórico-crítica. Em sua obra Pedagogia Histórico-Crítica:Primeiras Aproximações, Saviani expõe sua aplicação do pensamento de Marx à educação, em

9 6944 especial, tendo como foco, a educação brasileira. Sua influência não ficou restrita ao âmbito das teorias da educação ou da história, logo se espalhou para a didática. Inspirando obras como O Método Dialético na Didática, de Lílian Wachowicz ou Didática e as Contradições da Prática, de Pura Martins, e muitas outras. No prefácio da edição brasileira do livro Marx e a Pedagogia Moderna, afirma Saviani: A vitalidade do marxismo se expressa não apenas pela persistência dos problemas por ele formulados, mas também por sua capacidade de exercer a crítica tanto externamente, isto é, em relação sua à sociedade burguesa à qual se contrapõe, quanto internamente, quer dizer, em relação às diferentes apropriações de Marx e do marxismo efetuadas por aqueles que se definem como marxistas. (SAVIANI, 1991, p. X). Ainda na educação brasileira encontramos a figura de Paulo Freire. Com a peculiaridade que lhe é própria, Freire também faz uso do pensamento de Marx. É claro que Marx não é a única influência do pensamento freireano. No entanto, ela parece ser decisiva para a elaboração da pedagogia da libertação de Paulo Freire. É bom considerar que a releitura da obra de Marx na educação brasileira inspirará a abordagem progressista na educação. O pensamento de Marx teve uma boa repercussão na Itália. Autores como Antonio Gramsci e Mario Manacorda tomam a filosofia marxista como um referência para os seus trabalhos. Eles procuram separar Marx e o marxismo. Denominam assim o pensamento de Marx de marxiano e não mais marxista, para afastar sua interpretação das experiências do materialismo vulgar ou do comunismo real. No livro de Manacorda Marx e a Pedagogia Moderna, existe um precioso exame da influência de Marx na educação contemporânea. Manacorda toma em análise as principais teorias pedagógicas contemporâneas e mostra como elas se aproximam ou se distanciam do pensamento de Marx. Manacorda apresenta também a pedagogia marxiana. Vamos situar no desenvolvimento do pensamento de Marx e Engels essas teses pedagógicas e suas motivações, isto é, a necessidade de eliminar a propriedade privada, a divisão do trabalho, a exploração e a unilateralidade do homem, para atingir um pleno desenvolvimento das forças produtivas e a recuperação da onilateralidade. (MANACORDA, 1991, p. 22).

10 6945 Podemos afimar que o tema da educação não é fundamental no pensamento de Marx, isto é, ele não ocupa o lugar central na obra marxista. A educação não está no mesmo plano que o trabalho, a ideologia, a consciência, o homem ou a dialética. Os temas da educação e da escola aparecem em um segundo plano. A escola existe para preparar o proletariado para a revolução, isto é, para a sua própria emancipação. Essa parece ser a visão defendida por Marx na Crítica ao Programa de Gotha. A escola seria um instrumento de emancipação do proletariado. Contudo, vale ressaltar que a revolução, a transformação profunda da sociedade pelos trabalhadores, não é conseguida pelos acadêmicos. É pela luta dos trabalhadores que o socialismo será implantado.nisso tudo a escola tem um lugar fundamental, como instrumento a serviço da implantação do socialismo. Educação popular igual? Que se enten de por isto? Acredita-se que na sociedade atual a educação pode ser igual para todas as classes? O que se exige é que também as classes altas sejam obrigadas pela força a conformar-se com a modesta educação dada pela escola pública, a única compatível com a situação econômica, não só assalariado, mas também do camponês? [...]. O fato de que em alguns países sejam gratuitos alguns centros de ensino superior, significa tão somente, na realidade, que ali as classes altas pagam suas despesas de educação às custas do fundo de impostos gerais. (MARX e ENGELS, s./d., vol. 2, p. 223). Outra discussão que podemos fazer é sobre o modelo comunista ou socialista de educação. Marx não explicita um modelo especificado de educação. Seu pensamento oferece como que diretrizes para efetivação de uma escola em perspectiva socialista. Ainda seguindo a reflexão de Marx na Crítica ao Programa de Gotha, há a distinção entre: escola estatal e escola pública. Para Marx, a escola deve se ver livre da influência burguesa. Desse modo, ela não pode mais reproduzir a ideologia burguesa, mas buscar os ideais proletários. É preciso dissolver a escola burguesa e dar lugar a um novo modelo de educação, na perspectiva dos trabalhadores. Uma coisa é determinar, por meio de uma lei geral, os recursos para as escolas públicas, as condições de capacitação do pessoal docente, as matérias de ensino, etc, e velar pelo cumprimento destas prescrições legais mediante inspetores do Estado [...], e outra coisa completamente diferente é designar o Estado como educador do

11 6946 povo! Longe disto, o que deve ser feito é subtrair a escola de toda a influência por parte do governo e da Igreja. (ibid.). Retomando a discussão sobre escola estatal e escola pública. Marx defendia o fim da escola burguesa. Igualmente rejeitava a apropriação feita pelo estado da escola pública. Marx queria a escola pública livre da manipulação do estado e também da religião. A escola deveria ser independente da ideologia burguesa e de todos aqueles que a representam. Seguindo a lógica do pensamento marxista, o estado está a serviço da burguesia. Assim, a manipulação ideológica da escola pública realizada pelo estado é nociva e deve ter um fim. Um novo modelo de escola e educação deve surgir, na perspectiva do proletariado e em vista da emancipação e da revolução. Considerações Finais Marx com sua filosofia produziu uma excelente resposta ao contexto histórico do seu tempo. Enquadrando-se a características do pensamento filosófico do século XIX. Recebe influência de Hegel, pensa dialeticamente, tem mentalidade historicista, dá grande importância à história, é visivelmente empirista e também cientificista. O pensamento de Marx produziu uma louvável proposta filosófica para as necessidades do seu tempo, influenciado pelo contexto histórico em que vivia. De forma magistral, Marx expôs a articulação de um sistema de exploração e dominação que expropria o homem de si mesmo. Apontou para o desmantelamento de uma propriedade tão fundamental à existência do indivíduo como o seu trabalho, observando a descaracterização humana da atividade laboral. A usurpação do trabalho pelo capitalismo transformou o homem em uma monstruosidade, sobretudo no contexto de Marx, desprovido de qualquer expectativa existencial. A atualidade de Marx permanece em nossos dias, mesmo sendo um pensador do século XIX. O modo de produção capitalista ainda predomina entre nós. A crítica de Marx é implacável ao capitalismo e, nesse sentido, ainda não superada. Sua dialética materialista da história é uma grande contribuição à ciência e ao conhecimento. Retirar a história e o conhecimento da abstração, do mundo das idéias, e colocá-los no concreto da vida é uma mudança radical.

12 6947 A escola burguesa ainda carece ser desmontada. Ela está plena de vigor em nossos dias. Uma educação que leve à emancipação e à transformação da sociedade em que vivemos ainda é um ideal a ser perseguido, principalmente no Brasil. Nosso contexto hoje é diferente em relação ao tempo de Marx, no entanto, a ideologia burguesa mudou apenas a camuflagem de sua estratégia de dominação. Precisamos de uma escola e de uma educação que ajudem na superação do modo de produção capitalista dos nossos dias. E não, de uma educação vendida aos interesses do capital. A filosofia marxista mostrou como o capitalismo tem um projeto bem construído de roubo desmascarado das propriedades humanas em favor de um sistema que privilegia a humanidade de poucos e a morte de muitos. REFERÊNCIAS CHÂTELET, François (org.). História da Filosofia: Idéias, Doutrinas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Zahar, FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 18ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, HOBSBAWN, Eric. Era das Revoluções. Rio de Janeiro: Paz e Terra, MANACORDA, Mario Alighiero. Marx e a Pedagogia Moderna. São Paulo/Campinas: Cortez/Autores Associados, MARTINS, Pura Lúcia. Didática e as Contradições da Prática. Campinas: Papirus, MARX, Karl. Crítica do Programa de Gotha. In: ; ENGELS, Friedrich. Obras Escolhidas. Volume 2. São Paulo: Alfa-Omega, s. d. p MARX, Karl. A Guerra Civil na França. In: ; ENGELS, Friedrich. Obras Escolhidas. Volume 2. São Paulo: Alfa-Omega, s. d. p MARX, Karl. A Luta de Classes na França de 1848 a In: ; ENGELS, Friedrich. Obras Escolhidas. Volume 1. São Paulo: Alfa-Omega, s. d. p

13 6948 MARX, Karl; ENGELS, Friedrich Feuerbach. In:. A Ideologia Alemã: Crítica da novíssima filosofia alemã em seus representantes. Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, MARX, Karl. O Dezoito de Brumário de Luiz Bonaparte. In: ; ENGELS, Friedrich. Obras Escolhidas. Volume 1. São Paulo: Alfa-Omega, s. d. p MARX, Karl. O Método Dialético. In: ; ENGELS, Friedrich. Ludwig Feurerbach e o Fim da Filosofia Clássica Alemã e outros Textos Filosóficos. Lisboa: Editorial Estampa, MÉSZAROS, István. Educação para Além do Capital. São Paulo: Boitempo, PUCCI, Bruno. Teoria Crítica e Educação. Petrópolis/São Carlos: Vozes/EDUSFCAR, SAVIANI, Demerval. Pedagogia Histórico-Crítica: Primeiras Aproximações. São Paulo: Cortez, TRIVIÑOS, Augusto N. S. A Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais: A Pesquisa Qualitativa em Educação. São Paulo: Atlas, WACHOWICZ, Lílian Anna. O Método Dialético na Didática. Campinas: Papirus, 1991.

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

Relato de pesquisa: a construção da ontologia do oprimido (estudo do pensamento filosófico em Paulo Freire)

Relato de pesquisa: a construção da ontologia do oprimido (estudo do pensamento filosófico em Paulo Freire) Relato de pesquisa: a construção da ontologia do oprimido (estudo do pensamento filosófico em Paulo Freire) Diego Chabalgoity 1 Resumo A pesquisa de doutorado aqui relatada apresentou como objetivo a realização

Leia mais

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009.

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. caderno ufs - filosofia RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. Jadson Teles Silva Graduando em Filosofia UFS Indivíduo

Leia mais

De resto, para Marx, 3 SOUSA, Maria Carmelita Homem de, "Os Manuscritos de 1844 de Karl Marx", Revista Portuguesa de

De resto, para Marx, 3 SOUSA, Maria Carmelita Homem de, Os Manuscritos de 1844 de Karl Marx, Revista Portuguesa de Karl Heinrich Marx (1818 1883) e Friedrich Engels (1820 1895), foram filósofos, historiadores, economistas e políticos alemães, criadores de uma importante corrente de pensamento que visava a transformação

Leia mais

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política ////////////////////////// Ficha de Leitura * ////////////////////////// MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política Introdução [À Crítica da Economia Política] Prefácio [Para a Crítica da Economia

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira Objetivo Resolver exercícios de vestibulares sobre os clássicos da sociologia:

Leia mais

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX Iara Barbosa de Sousa 1 RESUMO A presente reflexão tem enfoque no debate acerca de um clássico autor nas Ciências Sociais e sua relação

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

A DISCIPLINA TRABALHO-EDUCAÇÃO E SEUS REBATIMENTOS NO CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO DE JANEIRO Ana Paula Santos Guimarães UFRJ

A DISCIPLINA TRABALHO-EDUCAÇÃO E SEUS REBATIMENTOS NO CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO DE JANEIRO Ana Paula Santos Guimarães UFRJ 1 A DISCIPLINA TRABALHO-EDUCAÇÃO E SEUS REBATIMENTOS NO CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO DE JANEIRO Ana Paula Santos Guimarães UFRJ Resumo O presente trabalho tem por proposição identificar

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS 1 VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS OS FUNDAMENTOS MARXISTAS E GRAMSCIANOS À LUZ DA PROFISSIONALIZAÇÃO DO ENSINO MÉDIO DO INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO Problematização Juliana Gimenes Gianelli

Leia mais

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Laís Leni Oliveira Lima Universidade Federal de Goiás-Campus Jataí laisleni@yahoo.com.br CONSIDERAÇÕES INTRODUTÓRIAS Este

Leia mais

ILUMINISMO/ LIBERALISMO. Regimes Absolutistas. Revolução Francesa. História da Educação. Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa

ILUMINISMO/ LIBERALISMO. Regimes Absolutistas. Revolução Francesa. História da Educação. Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa ILUMINISMO/ LIBERALISMO Regimes Absolutistas Revolução Francesa Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa A palavra Iluminismo vem de luz e se refere à capacidade que a razão tem de tudo iluminar. A razão,

Leia mais

Marxismo e Ideologia

Marxismo e Ideologia Rita Vaz Afonso 1 FBAUL, 2010 Marxismo e Ideologia 1 rita.v.afonso@gmail.com. O trabalho responde à disciplina semestral de Cultura Visual I do primeiro ano da Faculdade de Belas Artes da Universidade

Leia mais

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels A ideologia alemã Karl Marx e Friedrich Engels Percurso Karl Marx (1817-1883) Filho de advogado iluminista Formou-se em Direito, Filosofia e História pela Universidade de Berlim; não seguiu carreira acadêmica

Leia mais

Antropologia, História e Filosofia

Antropologia, História e Filosofia Antropologia, História e Filosofia Breve história do pensamento acerca do homem Um voo panorâmico na história ocidental Cosmológicos 1. Embora o objeto não seja propriamente o homem já encontramos indícios

Leia mais

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI Resumo AREND, Catia Alire Rodrigues UTP catiarend@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da

Leia mais

A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte

A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte pereiradirlei@gmail.com Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. Paulo Freire (2000, p.

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO

DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO Autora: Ludmila Carla Campello Jorge 1 Coautores: Aniele Soares Alves 2 Mônica Ferreira dos Santos 3 Letícia Costa Barros 4 Annielly da Silva

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 58 ANARQUISMO E CATOLICISMO SOCIAL

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 58 ANARQUISMO E CATOLICISMO SOCIAL HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 58 ANARQUISMO E CATOLICISMO SOCIAL Fixação 1) Leia com atenção as proposições abaixo: I) A história de qualquer sociedade até aos nossos dias foi apenas a história da luta

Leia mais

Palavras-chave: Marx; Ernst Bloch; Teses sobre Feuerbach. Financiamento: Fundação Araucária.

Palavras-chave: Marx; Ernst Bloch; Teses sobre Feuerbach. Financiamento: Fundação Araucária. AS TESES DE MARX SOBRE FEUERBACH: UMA REFLEXÃO A PARTIR DE ERNST BLOCH Larissa Klosowski de Paula Prof. Dr. Roberto Leme Batista (Orientador) Universidade Estadual do Paraná UNESPAR Campus de Paranavaí

Leia mais

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin Francisco Alambert 1 Resumen: A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer formulou-se uma chave dialética

Leia mais

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO

COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO GABARITO 3ª ETAPA INGLÊS COLÉGIO MONS. JOVINIANO BARRETO 52 ANOS DE HISTÓRIA ENSINO E DISCIPLINA Rua Frei Vidal, 1621 São João do Tauape/Fone/Fax: 3272-1295 www.jovinianobarreto.com.br 1º ANO Nº TURNO:

Leia mais

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo 1 O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA Cassio Donizete Marques 1 Resumo Hegel é considerado um dos pensadores mais complexos de toda a história da filosofia. Seu pensamento estabelece, senão

Leia mais

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Gustavo Henrique Lopes Machado Vimos nos dois artigos iniciais desta série o conceito preciso de mercadoria, assim como dos ditos serviços. Sendo que,

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Perosa Junior, Edson José Como mudar

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

RESENHAS SCHMITT E STRAUSS: UM DIÁLOGO OBLÍQUO

RESENHAS SCHMITT E STRAUSS: UM DIÁLOGO OBLÍQUO RESENHAS SCHMITT E STRAUSS: UM DIÁLOGO OBLÍQUO MEIER, Heinrich. Carl Schmitt & Leo Strauss. The Hidden Dialogue. Including Strauss s Notes on Schmitt s Concept of the Political & Three Letters from Strauss

Leia mais

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Prof. Adeildo Oliveira E-mail: ad.historiatotal@gmail.com INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Ciências Naturais Física Química Biologia Ciências Sociais Economia Antropologia Sociologia 1 Socius

Leia mais

EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX

EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX Maria Catarina Ananias de Araujo Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Email: mariacatarinaan@gmail.com Prof.Dr. Valmir Pereira Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

A Filosofia Da Práxis Enquanto Perspectiva Filosófica Para O Ensino Médio.

A Filosofia Da Práxis Enquanto Perspectiva Filosófica Para O Ensino Médio. A Filosofia Da Práxis Enquanto Perspectiva Filosófica Para O Ensino Médio. Barbara White 1 Resumo O texto tem como proposta apresentar a influência de Marx no pensamento de Antonio Gramsci a partir da

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE AS CATEGORIAS TEÓRICAS: IDEOLOGIA, IMAGINÁRIO SOCIAL E MENTALIDADE NA HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO

UM ESTUDO SOBRE AS CATEGORIAS TEÓRICAS: IDEOLOGIA, IMAGINÁRIO SOCIAL E MENTALIDADE NA HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO UM ESTUDO SOBRE AS CATEGORIAS TEÓRICAS: IDEOLOGIA, IMAGINÁRIO SOCIAL E MENTALIDADE NA HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO Angela Maria Souza Martins /UFRJ-UNIRIO Introdução Realizamos essa pesquisa porque percebemos

Leia mais

IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO.

IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO. 1 IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO. André Talhamento - UFPel Eixo 5: Trabalho-educação e a formação dos trabalhadores

Leia mais

Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal?

Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal? Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal? Introdução: Maria Mello de Malta 1 Em toda parte parece se defender a liberdade e a democracia. Fazem-se passeatas, manifestações políticas e até guerras

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano

LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano LISTA DE EXERCÍCIOS RECUPERAÇÃO FINAL 3 ano 1. Apresente as ideias de Tese, antítese e síntese idealizados por Hegel. 2. Uma das faculdades mais importantes do ser humano é pensar. Nenhum homem conseguiria

Leia mais

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista

Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista As bases do pensamento de Marx Filosofia alemã Socialismo utópico francês Economia política clássica inglesa 1 A interpretação dialética Analisa a história

Leia mais

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS Maria Teresa Buonomo de Pinho * O objetivo deste artigo é examinar o caráter de ideologia da práxis educativa e o papel relativo que

Leia mais

DIALÉTICA DE HEGEL A MARX

DIALÉTICA DE HEGEL A MARX Gregório Henrique Silva Duarte Graduando em Ciências Sociais - UFCG Resumo: O objetivo do presente trabalho, é abordar as mais abrangentes perspectivas filosóficas que se propõe a utilizar o método dialético,

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO:

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ª TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Este trabalho contém

Leia mais

Vigotski e os fundamentos de uma psicologia marxista

Vigotski e os fundamentos de uma psicologia marxista Vigotski e os fundamentos de uma psicologia marxista Autor: Paulo C. Duarte Paes Doutorando em Educação - UFSCar Em toda a extensão da obra de Vigotski o materialismo histórico e dialético aparece como

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. Período: 2014.1. Carga Horária: 60 h

PLANO DE DISCIPLINA. Período: 2014.1. Carga Horária: 60 h PLANO DE DISCIPLINA Curso: SERVIÇO SOCIAL Coordenação: Naiara C. Magalhães Professor (a): Robert Wagner Disciplina: Teoria Política Período: 2014.1 Carga Horária: 60 h 1. UNIDADE TEMÁTICA: 1.1 Ementa:

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista Fabíola dos Santos Cerqueira O homem tem de viver em dois mundos que se contradizem (...) O espirito afirma o seu direito e a sua dignidade perante a anarquia

Leia mais

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? Na Grécia Antiga: A Evolução da Técnica Techné quase sinônimo de arte (enquanto habilidade

Leia mais

Fundamentos do Direito a Educação Profa. Janete Flor de Maio Fonseca

Fundamentos do Direito a Educação Profa. Janete Flor de Maio Fonseca Fundamentos do Direito a Educação Profa. Janete Flor de Maio Fonseca Grupo de Pesquisa TÉCHNE Educação e Mediação Tecnológica Linha: Educação e Mídias o Como a gestão democrática da escola pode contribuir

Leia mais

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves

A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves Estamos vivendo um período extremamente difícil, onde as relações sociais encontram em plena estagnação.

Leia mais

A dialética em Marx. Data de recepção: 28/03/2014 Data de aprovação: 15/05/2014

A dialética em Marx. Data de recepção: 28/03/2014 Data de aprovação: 15/05/2014 A dialética em Marx Francisco Antonio de Vasconcelos EU-Piauí Doutor em Educação Universidad de la Empresa (reconhecido pela Universidade Federal de Uberlândia). E-mail: franciscoantonio_vasconcelos@yahoo.com.br

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo II: Conselhos dos Direitos no Brasil

Leia mais

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia Sociologia Organizacional Aula 1 Organização da Disciplina Aula 1 Contexto histórico do aparecimento da sociologia Aula 2 Profa. Me. Anna Klamas A institucionalização da sociologia: August Comte e Emile

Leia mais

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS.

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Daiane Ferreira Ferreira* Resumo Este trabalho trata de atividades

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E OS DESAFIOS PARA UMA PEDAGOGIA CRÍTICA DA SUSTENTABILIDADE

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E OS DESAFIOS PARA UMA PEDAGOGIA CRÍTICA DA SUSTENTABILIDADE O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL E OS DESAFIOS PARA UMA PEDAGOGIA CRÍTICA DA SUSTENTABILIDADE INTRODUÇÃO BATISTA, Erika IFSP_Campinas/Unesp erikkabatista@gmail.com DE BLASI, Jacqueline

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

Educação e Desenvolvimento Social

Educação e Desenvolvimento Social Educação e Desenvolvimento Social Luiz Antonio Cunha Os Princípios Gerais do Liberalismo O liberalismo é um sistema de crenças e convicções, isto é, uma ideologia. Todo sistema de convicções tem como base

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS EM SERVIÇO SOCIAL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS EM SERVIÇO SOCIAL PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS EM SERVIÇO SOCIAL EMENTÁRIO 1º SEMESTRE DE 2015 SUMÁRIO ATIVIDADE / DISCIPLINA PÁG. ASSISTÊNCIA SOCIAL E GESTÃO II... 04

Leia mais

A HORA ATIVIDADE COMO PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA. O processo de degradação do trabalho na sociedade capitalista.

A HORA ATIVIDADE COMO PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA. O processo de degradação do trabalho na sociedade capitalista. A HORA ATIVIDADE COMO PROCESSO DE FORMAÇÃO CONTINUADA Cristhyane Ramos Haddad - UTP Daniel Vieira da Silva UTP Resumo: O presente artigo pretende mostrar que o trabalho no sistema capitalista assume a

Leia mais

AS QUESTÕES SOCIAIS, ECONÔMICAS E AMBIENTAIS NA FORMAÇÃO ESCOLAR

AS QUESTÕES SOCIAIS, ECONÔMICAS E AMBIENTAIS NA FORMAÇÃO ESCOLAR AS QUESTÕES SOCIAIS, ECONÔMICAS E AMBIENTAIS NA FORMAÇÃO ESCOLAR Luis Carlos de Menezes Físico e Educador da Universidade de São Paulo A sociedade contemporânea alcançou tal domínio sobre as forças da

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE PROFESSORES SOBRE O TRABALHO DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR PRIVADO AMORIM, Ivonete Barreto de FVC GT-09: Trabalho e Educação

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE PROFESSORES SOBRE O TRABALHO DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR PRIVADO AMORIM, Ivonete Barreto de FVC GT-09: Trabalho e Educação 1 REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE PROFESSORES SOBRE O TRABALHO DOCENTE DO ENSINO SUPERIOR PRIVADO AMORIM, Ivonete Barreto de FVC GT-09: Trabalho e Educação Considerações Iniciais Este artigo encontra-se diretamente

Leia mais

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção.

COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO. Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. COLÉGIO O BOM PASTOR PROF. RAFAEL CARLOS SOCIOLOGIA 3º ANO Material Complementar Módulos 01 a 05: Os modos de produção. Modos de Produção O modo de produção é a maneira pela qual a sociedade produz seus

Leia mais

QUADRO DE EQUIVALENTES, CONTIDAS E SUBSTITUTAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO

QUADRO DE EQUIVALENTES, CONTIDAS E SUBSTITUTAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO 28380 Antropologia Teológica A 1 34 28380 Antropologia Teológica A 1 34 A partir de conceitos teológicos, estimula o aluno a problematizar e analisar, criticamente, Equivalente Estuda a cultura humana,

Leia mais

Resenha. Mestrando em Política Científica e Tecnológica no Instituto de Geociências da UNICAMP. E-mail: renandoliveira@yahoo.com.br.

Resenha. Mestrando em Política Científica e Tecnológica no Instituto de Geociências da UNICAMP. E-mail: renandoliveira@yahoo.com.br. Resenha NOVAES, Henrique Tahan (Org.). O Retorno do Caracol à Sua Concha: alienação e desalienação em associações de trabalhadores. São Paulo: Expressão Popular, 2011. Renan Dias Oliveira O livro de Henrique

Leia mais

Curso Política e Cidadania - Básico SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF. Básico volume

Curso Política e Cidadania - Básico SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF. Básico volume Curso Política e Cidadania - Básico 61 SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF Básico volume Gabinete do Senador Rodrigo Rollemberg 2 Curso Política e Cidadania - Básico CURSO POLÍTICA E CIDADANIA VOL.6 CIÊNCIA

Leia mais

O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO.

O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO. O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO. Marcelo Lira Silva Tentarei neste breve ensaio levantar alguns aspectos da construção gnósioontológico de um dos pensadores marxistas

Leia mais

ARTE-EDUCADORES E EDUCAÇÃO MUSICAL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MÚSICA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA (PR)

ARTE-EDUCADORES E EDUCAÇÃO MUSICAL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MÚSICA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA (PR) ARTE-EDUCADORES E EDUCAÇÃO MUSICAL: ANÁLISE DA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MÚSICA NA REGIÃO DE GUARAPUAVA (PR) Resumo GOMES, Érica Dias 1 - UNICENTRO Grupo de Trabalho Formação de professores e profissionalização

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

A natureza no Cárcere: o conceito de natureza na obra de Gramsci

A natureza no Cárcere: o conceito de natureza na obra de Gramsci A natureza no Cárcere: o conceito de natureza na obra de Gramsci Alexandre Reinaldo Protásio * O conceito de Natureza ao longo dos Cadernos do Cárcere (os especiais e miscelâneos) sofreu variações de conteúdo.

Leia mais

Democracia ou Socialismo? Resumo

Democracia ou Socialismo? Resumo 1 Democracia ou Socialismo? Estudantes de graduação do 6 o. período do curso de História da UFV 1 Gustavo Bianch, Paulo Santana, Bolívar Dias Jr., Carlos Henrique de Oliveira, Luiz Fernando Lopes, João

Leia mais

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL

PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL PORTFÓLIO: UMA ABORDAGEM DE REGISTRO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. UEPB E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br Aldeci Luiz de Oliveira Profa. Dra. PMCG E-mail:

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

FIOCRUZ Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Curso de Mestrado em Educação Profissional em Saúde

FIOCRUZ Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Curso de Mestrado em Educação Profissional em Saúde FIOCRUZ Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Curso de Mestrado em Educação Profissional em Saúde Epistemologia Carla Martins / Marco Antonio C. Santos / Virgínia Fontes 1º semestre 2015 3ªs feiras

Leia mais

A PERSPECTIVA FREIREANA NA ARTICULAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS SINOP

A PERSPECTIVA FREIREANA NA ARTICULAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS SINOP A PERSPECTIVA FREIREANA NA ARTICULAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS SINOP José Luiz Müller 1 RESUMO Marion Machado Cunha 2 Exte texto tem como objetivo central

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: ABORDAGENS TEÓRICAS PARA A COMPREENSÃO DA RELAÇÃO ESTADO/SOCIEDADE CIVIL NA PERSPECTIVA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: ABORDAGENS TEÓRICAS PARA A COMPREENSÃO DA RELAÇÃO ESTADO/SOCIEDADE CIVIL NA PERSPECTIVA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: ABORDAGENS TEÓRICAS PARA A COMPREENSÃO DA RELAÇÃO ESTADO/SOCIEDADE CIVIL NA PERSPECTIVA DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Vera Lúcia Martins 1 Resumo: O trabalho apresenta, sinteticamente,

Leia mais

Educação e a educação escolar Neri de Paula Carneiro

Educação e a educação escolar Neri de Paula Carneiro Educação e a educação escolar Neri de Paula Carneiro Resumo: neste artigo são traçadas algumas considerações sobre o sentido da educação e sua abrangência. Afirma-se que ela não acontece no isolamento,

Leia mais

CTCH Departamento de Educação

CTCH Departamento de Educação CTCH Departamento de Educação Projeto de pesquisa EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA E OS LIMITES DO LIBERALISMO POLÍTICO. PARTE II: DEMOCRACIA, JUSTIÇA, DIREITOS, VIRTUDES E IDENTIDADES. Aluno: Felipe Costa Sampaio

Leia mais

O princípio pedagógico fundamental de Marx

O princípio pedagógico fundamental de Marx O princípio pedagógico fundamental de Marx Este artigo pretende discutir o lugar e a importância do princípio da união trabalho e ensino dentro da perspectiva marxiana da educação. Como se sabe, este princípio

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB,

ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, ZENUN, Katsue Hamada e; MARKUNAS, Mônica. Tudo que é sólido se desmancha no ar. In:. Cadernos de Sociologia 1: trabalho. Brasília: Cisbrasil-CIB, 2009. p. 24-29. CAPITALISMO Sistema econômico e social

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA/IRATI - EAD (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA/IRATI - EAD (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA/IRATI - EAD (Currículo iniciado em 2010) COMUNICAÇÃO, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA C/H 68 (D0031/I) Informação e conhecimento no processo educativo. Recursos de

Leia mais

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri

Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Marx, Durkheim e Weber Colégio Ser! Sorocaba Sociologia Ensino Médio Profª. Marilia Coltri Problemas sociais no século XIX Problemas sociais injustiças do capitalismo; O capitalismo nasceu da decadência

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Nilson Duarte Rocha 1 Lúcio Jorge Hammes 2 Resumo Este artigo apresenta a epistemológica para a efetivação de uma educação ambiental transformadora do sujeito-aluno

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO RÁDIO NO MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO DE BASE EM MATO GROSSO Débora Roberta Borges IE/UFMT. 1.0 Utilização do rádio no processo educativo

A UTILIZAÇÃO DO RÁDIO NO MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO DE BASE EM MATO GROSSO Débora Roberta Borges IE/UFMT. 1.0 Utilização do rádio no processo educativo A UTILIZAÇÃO DO RÁDIO NO MOVIMENTO DE EDUCAÇÃO DE BASE EM MATO GROSSO Débora Roberta Borges IE/UFMT 1.0 Utilização do rádio no processo educativo Na década de 1950, a população brasileira era predominantemente

Leia mais

PEDAGOGIA SOCIAL DE RUA

PEDAGOGIA SOCIAL DE RUA PEDAGOGIA SOCIAL DE RUA Thainá Albertassi Eliane Fátima G. de Oliveira INTRODUÇÃO Dentro do contexto social encontrado hoje, a educação vem se propagando de variadas formas para atingir os grupos de indivíduos

Leia mais

A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999)

A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999) A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999) Ioná Vieira Guimarães Venturi * Décio Gatti Júnior RESUMO O presente

Leia mais

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS

CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS CULTURA ESCOLAR E FEMINALIDADE NO SÉCULO XX: O GÊNERO IMPRESSO NOS MANUAIS DIDÁTICOS Wilson Camerino dos Santos Junior Instituto Federal do Espírito Santo/ caducamerino@yahoo.com.br RESUMO A pesquisa apresenta

Leia mais

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 )

Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS FELIPE ( 1824 1830 ) Europa no Século XIX FRANÇA RESTAURAÇÃO DA DINASTIA BOURBON -Após a derrota de Napoleão Bonaparte, restaurou-se a Dinastia Bourbon subiu ao trono o rei Luís XVIII DINASTIA BOURBON LUÍS XVIII CARLOS X LUÍS

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

A PERSPECTIVA HISTÓRICO-CRÍTICA NA PESQUISA SOCIAL 1. Maisa Miralva da Silva 2 maisasilva@uol.com.br

A PERSPECTIVA HISTÓRICO-CRÍTICA NA PESQUISA SOCIAL 1. Maisa Miralva da Silva 2 maisasilva@uol.com.br Boletín Electrónico Surá # 170, Setiembre 2010 Escuela de Trabajo Social - Universidad de Costa Rica www.ts.ucr.ac.cr Derechos Reservados a favor del autor del artículo A PERSPECTIVA HISTÓRICO-CRÍTICA

Leia mais