A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA. Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves"

Transcrição

1 A INDÚSTRIA CULTURAL E SEU DOMINIO SOBRE A CLASSE TRABALHADORA Aurius Reginaldo de Freitas Gonçalves Estamos vivendo um período extremamente difícil, onde as relações sociais encontram em plena estagnação. As instituições principalmente as educacionais estão deixando de representar efetivamente os interesses de uma determinada classe social classe trabalhadora mostrando um horizonte que acredito estar desvinculado de qualquer compromisso com a construção humanística da sociedade em geral. Por outro lado, nota-se uma profunda preocupação em manter as mentes ocupadas com um mero reproduzir cultural. A teoria crítica precisa estar presente nesse momento, para melhor fundamentar e auxiliar seu desenvolvimento, e ninguém melhor do que Karl Marx para nos auxiliar nesse trabalho. Pensaremos as relações entre cultura, sociedade e trabalho, partindo da análise crítica à essas esferas de pensamento, propondo um construir investigativo sobre a realidade vigente, pois acreditamos ser impossível teorizar a sociedade, sem uma melhor compreensão das formas e processos pelos quais são constituídos culturalmente. Em todas as culturas, o trabalho é a base da economia, sistema esse que conquiste em instituições que ocasionam a produção e distribuição de bens e serviços. Podemos definir como trabalho a execução de tarefas que demandem esforço mental ou físico, que tem como objetivo a produção de bens e serviços para atender as necessidades humanas, sendo esse, remunerado ou não. Uma ocupação ou um emprego é o trabalho realizado em troca de um salário ou pagamento regular. Habitualmente relacionamos o trabalho como o equivalente a ter um emprego remunerando, mas esse e apenas uma idéia simplista, o trabalho não remunerado é uma parte importante da vida de varias pessoas e tem um papel imprescindível na conservação da sociedade. Um aspecto característico da economia capitalista moderna é o desenvolvimento de uma divisão amplamente complexa da diversa do trabalho. Essa divisão do trabalho significa que a tarefa é dividida em diferentes ocupações que exigem especialização, isso gera interdependência econômica, ou seja, agora todos os indivíduos são dependentes uns dos outros para manter modo de vida moderno. Se tomarmos uma visão global da experiência de trabalho, podemos notar grandes diferenças entre o mundo desenvolvido e os países em desenvolvimento. A fundamental diferença é que a agricultura continua

2 sendo a principal fonte de emprego do mundo em desenvolvimento, ao passo que apenas uma proporção mínima de pessoas trabalha na agricultura nos países industrializados. Da mesma forma que podemos notar que os padrões de empregos também são bem diferentes ao redor do mundo, nos países desenvolvidos a economia informal, ou mercado paralelo é relativamente pequena se comparada com o setor de emprego remunerado formal, ainda que existam muitos migrantes trabalhadores recentes que ganham a vida nela. Já nos países em desenvolvimento a maioria da experiência ocupacional das pessoas é no setor informal. Um dos aspectos mais característicos do sistema econômico da sociedade moderna é a existência de uma divisão de trabalho: o trabalho é dividido num número formidável de ocupações distintas, nas quais os indivíduos se especializam. A sociedade moderna assistiu uma alteração no local do trabalho, antes os principais trabalhos eram feitos em casa e após a industrialização com progresso da tecnologia industrial as fabricas privadas assumiram a produção em massa deixando o trabalho artesanal de pequena escala feito no lar em segundo plano. Karl Marx foi um dos primeiros autores a escrever sobre o desenvolvimento da indústria moderna e as consequências dos potenciais da divisão do trabalho; segundo Marx, a divisão de trabalho aliena os indivíduos de sua ocupação. Para o sociólogo, a alienação conceito chave para entender a teoria Marxista se refere a sentimento de hostilidade ou indiferença não apenas em relação ao trabalho, mas igualmente à estrutura geral de produção industrial dentro do modelo capitalista. Vejamos uma definição interessante do conceito de trabalho: Processo de intercâmbio e mediação entre o ser humano e a natureza, inserido nas relações sociais. Quando é livre, Marx o concebe como uma atividade vital humana orientada a produzir bens segundo as leis da beleza. Porém, na sociedade capitalista, não é livre, é forçado, está alienado e estranhado. Converte-se em uma tortura e numa obrigação imposta pela dominação capitalista. O capitalismo de nossos dias obriga uma parte dos trabalhadores a desgastar sua vida trabalhando o dobro, e condena o restante ao desemprego, em lugar de repartir o trabalho entre todos, o que possibilitaria reduzir o trabalho necessário à reprodução da vida e aumentar o tempo livre para o ócio e o prazer. (Kohan, N. 2000, p.15) As principais transformações ocorridas no mundo do trabalho decorrentes da globalização e do neoliberalismo manifestaram-se, no campo econômico, sob a forma da reestruturação produtiva, e no campo social, por meio da flexibilização,

3 desregulamentação e relativização dos direitos dos trabalhadores, tendo como consequência, a precarização das condições e relações de trabalho. Tais medidas compõem um novo regime do capital, readaptado ao mundo globalizado e neoliberal, denominado de acumulação flexível e marcam a passagem do paradigma da sociedade do trabalho para a sociedade neoliberal. Passadas algumas décadas, já é possível concluir que esse conjunto de transformações inviabilizou a manutenção do emprego, consolidou o desemprego crônico ou estrutural e obrigou o trabalhador a se sujeitar às regras impostas pelo mercado, sendo ideologicamente induzido a acreditar que tal reestruturação produtiva era necessária e inevitável como forma de se manter no mercado de trabalho. Tais mudanças acentuaram, ainda, a existência de uma segunda categoria de trabalhadores, denominados como informais, indivíduos que ficaram inteiramente alijados do mercado de trabalho formal e da proteção da tutela do Estado. A indústria cultural pegou carona nessa ideologia dominante, transformando trabalho em mercadoria. Não é a toa que chamamos hoje de mercado de trabalho as novas formas de se relacionar com as mais diversas atividades de subsistência. A alienação é justamente isso: perda de vínculo do homem com aquilo que produz. Se antes havia uma relação entre o homem e o mundo das coisas e, portanto, da natureza, hoje essa relação é intermediada pelo imediatismo e pelo consumismo de bens e produtos. Essa cultura é dominante porque parte de uma ideologia dominante, Os pensamentos da classe dominante, são também, em todas as épocas, os pensamentos dominantes, ou seja, a classe que tem o poder material numa dada sociedade, é também a potencia dominante do pensamento. (MARX, K. ENGELS, F. 1998, p. 55) Podemos observar que, a forma de produção capitalista também produz valores não somente pela exploração dos trabalhadores, mas principalmente pela construção e manutenção de valores culturais. Os produtos consumidos de hoje, como por exemplo, música, divertimentos, entretenimento, roupas, sapatos, comida, todos eles revelam valores culturais específicos, que refletem anseios e desejos de uma sociedade aburguesada. A indústria cultural afeta diretamente as relações de trabalho da sociedade capitalista, produzindo produtos voltados para o desejo imediato, rápido e comprometido apenas com as necessidades oriundas de um consumo diletante e sem vínculos mais profundos com realidade humana. Nossos desejos são orientados pelas

4 regras dessa sociedade capitalista, criando seres mentalmente educados para o consumo de massa. Em Eros e Civilização (1975) o teórico frankfurtiano Herbert Marcuse denuncia o domínio nefasto que a sociedade de consumo impõe ao homem e a sociedade em que ele vive. [...] o progresso intensificado parece estar vinculado a uma igualmente intensificada ausência de liberdade. Por todo mundo da civilização industrial, o domínio do homem pelo homem cresce em âmbito e eficiência. [...] E a mais eficaz subjugação e destruição do homem pelo homem tem lugar no apogeu da civilização, quando as realizações materiais e intelectuais da humanidade parecem permitir a criação de um mundo verdadeiramente livre. (MARCUSE, 1975, pp. 27,28) O pensamento de Herbert Marcuse deriva dos conceitos freudianos a respeito da psicanálise 1, de suas observações frente à dinâmica social moderna (p.104) e dos mecanismos mentais dos indivíduos. Com isso, o autor aproxima sua teoria da negação radical dessa sociedade de consumo, como um esforço de mantermos ainda de pé diante do domínio racional objetivado pelo sistema capitalista. Vale lembrar que, para Marcuse, a perda da negatividade e de um momento que faz oposição, é a contrapartida ideológica do próprio desenvolvimento material da sociedade industrial avançada: o impacto do progresso transforma a razão em submissão aos fatos da vida e à capacidade dinâmica de produzir mais e maiores fatos do mesmo tipo de vida (1982, p. 31). A falsa ideia de que somos então sujeitos da historia já não encontra respaldo nessa sociedade, pois tudo fora absorvido pelo desejo e pela posse do que era particular. A subjetividade agora dera espaço para a construção de um indivíduo, com as mesmas características de um produto, universalizando os desejos, não como desejos individuais mais como algo comum a todos: para as mesmas pessoas, os mesmos desejos. Esse seria o supra - sumus de nossa sociedade atual. Essa sociedade solipsista reforça a teoria de uma sociedade culturalmente repressiva onde o domínio da natureza deva ser amparado pela Razão Instrumental. Marcuse aponta que liberado da pressão dos propósitos e desempenhos penosos, a que a carência necessariamente nos obriga, o homem recuperará a liberdade de ser (1975, p. 168). O Eros (imaginação/impulso lúdico) a que Marcuse se refere, seria a proposta 1 Cf. Marcuse (1975, p. 105). Segundo Freud, a civilização começa com a inibição metódica dos instintos primários. Podem-se distinguir de dois modos principais de organização instintiva: a) a inibição da sexualidade, resultando em duradouras e crescentes relações grupais; e b) a inibição dos instintos destrutivos, conduzindo ao domínio do homem e da natureza, à moralidade individual e social.

5 de saída para os conflitos que o homem encontra na sua singularidade. A violência que antes estava somente no interior do homem agora é exteriorizada na forma de consumo de produtos prontos e acabados. Suprimido da sociedade a força subversiva, ficamos então a mercê de uma civilização acomodada e cética, principalmente em relação ao meio em que vive. Portanto, a sociedade vive agora o predomínio da Razão em detrimento da Natureza; onde a ideia de dominação da natureza pelo homem condiciona a sociedade a pensar numa potencialização das ações humanas racionalizadas através de ações e práticas condicionadas. Nesse sentido, a classe trabalhadora precisa antecipar sua consciência e lutar para que essa realidade possa mudar o mais rápido possível, ou estaremos a todo o vapor rumo ao colapso social. REFERÊNCIAS MARCUSE, H. Contra-revolução e revolta. Rio de Janeiro: Zahar Editores, A Ideologia da Sociedade Industrial: o homem unidimensional. Rio de Janeiro: Zahar, Cultura e Sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, vols. I e II, MARX, K. E ENGELS, F. A Ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, MARX, K. O Capital: crítica da economia política. Livro 3. O processo global de produção capitalista. Tradução de Reginaldo Sant`Anna. Rio de Janeiro: Bertrand, 1981.

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais.

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais. 1 Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano cria as condições para sua sobrevivência. Por esta característica, sempre foi indispensável na vida dos indivíduos.

Leia mais

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica

Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? A Evolução da Técnica Para pensar... Existe diferença entre criar, inventar e descobrir? O que tem isso a ver com a ação do ser humano? Na Grécia Antiga: A Evolução da Técnica Techné quase sinônimo de arte (enquanto habilidade

Leia mais

Exercícios de Revisão - 1

Exercícios de Revisão - 1 Exercícios de Revisão - 1 1. Sobre a relação entre a revolução industrial e o surgimento da sociologia como ciência, assinale o que for incorreto. a) A consolidação do modelo econômico baseado na indústria

Leia mais

Marxismo e Ideologia

Marxismo e Ideologia Rita Vaz Afonso 1 FBAUL, 2010 Marxismo e Ideologia 1 rita.v.afonso@gmail.com. O trabalho responde à disciplina semestral de Cultura Visual I do primeiro ano da Faculdade de Belas Artes da Universidade

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista Fabíola dos Santos Cerqueira O homem tem de viver em dois mundos que se contradizem (...) O espirito afirma o seu direito e a sua dignidade perante a anarquia

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

De resto, para Marx, 3 SOUSA, Maria Carmelita Homem de, "Os Manuscritos de 1844 de Karl Marx", Revista Portuguesa de

De resto, para Marx, 3 SOUSA, Maria Carmelita Homem de, Os Manuscritos de 1844 de Karl Marx, Revista Portuguesa de Karl Heinrich Marx (1818 1883) e Friedrich Engels (1820 1895), foram filósofos, historiadores, economistas e políticos alemães, criadores de uma importante corrente de pensamento que visava a transformação

Leia mais

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer

Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin. A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer Arte como mercadoria: crítica materialista desde Benjamin Francisco Alambert 1 Resumen: A comunicação propõe discutir a idéia de que entre Walter Benjamin e Siegfried Kracauer formulou-se uma chave dialética

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Sartre: razão e dialética

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Sartre: razão e dialética Sartre: razão e dialética Vinícius dos Santos Doutorado UFSCar Bolsista FAPESP Em 1960, Sartre publica o primeiro tomo de sua Crítica da razão dialética. O objetivo destacado da obra era conciliar o marxismo,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Stênio Eduardo de Sousa Alves Universidade Federal de Uberlândia stenioche@yahoo.com.br Resumo Nos marcos de uma sociedade capitalista globalizada em que

Leia mais

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA

INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Prof. Adeildo Oliveira E-mail: ad.historiatotal@gmail.com INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA Ciências Naturais Física Química Biologia Ciências Sociais Economia Antropologia Sociologia 1 Socius

Leia mais

SOCIOLOGIA. Profª Rosana Grespan E-mail: ro.grespan@hotmail.com Facebook: Rosana Pimentel de Castro Grespan

SOCIOLOGIA. Profª Rosana Grespan E-mail: ro.grespan@hotmail.com Facebook: Rosana Pimentel de Castro Grespan SOCIOLOGIA Profª Rosana Grespan E-mail: ro.grespan@hotmail.com Facebook: Rosana Pimentel de Castro Grespan TRABALHO Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano

Leia mais

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Laís Leni Oliveira Lima Universidade Federal de Goiás-Campus Jataí laisleni@yahoo.com.br CONSIDERAÇÕES INTRODUTÓRIAS Este

Leia mais

PSICOPATOLOGIA DO TRABALHO E A PESTE EMOCIONAL

PSICOPATOLOGIA DO TRABALHO E A PESTE EMOCIONAL PSICOPATOLOGIA DO TRABALHO E A PESTE EMOCIONAL (2006) Francisco Tosta Graduado em Administração de Empresas pela PUC/PR, Brasil Acadêmico de Psicologia da Universidade Tuiuti do Paraná, Brasil A frequentar

Leia mais

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO.

SOLIDARIEDADE SOCIAL QUESTÃO. 1. ÉMILE DURKHEIM. Bases empíricas da sociologia: o estudo da vida moral. Objeto e método da sociologia: 1. A sociedade como realidade sui generis Representações coletivas da consciência. 2. Fato Social

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO:

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ª TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Este trabalho contém

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

À Contradição inclusão/exclusão a luz das reivindicações

À Contradição inclusão/exclusão a luz das reivindicações 1 À Contradição inclusão/exclusão a luz das reivindicações Christiane Bellorio Gennari de A. Stevão Maria Aparecida Muccilo Resumo Pautaremos à contradição inclusão/exclusão, considerando a realidade atual

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Cenecista Dr. José Ferreira Objetivo Resolver exercícios de vestibulares sobre os clássicos da sociologia:

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: INFORMÁTICA E SOCIEDADE. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: INFORMÁTICA E SOCIEDADE. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com. FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: INFORMÁTICA E SOCIEDADE Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br A TRANSFORMAÇÃO DO TRABALHO O capítulo 4 do livro de

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

Gráfico 1: Participação de empregadores e trabalhadores por conta própria nos ocupados por gênero - 2008 30% 30% 29% 27% 27% 23% 23% 19%

Gráfico 1: Participação de empregadores e trabalhadores por conta própria nos ocupados por gênero - 2008 30% 30% 29% 27% 27% 23% 23% 19% Empreendedorismo do Rio de Janeiro: Conjuntura e Análise n.6 Empreendedoras Equipe: André Urani (editor responsável) Adriana Fontes Luísa Azevedo A força de trabalho passou por profundas alterações nas

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Gustavo Noronha Silva. Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Clássicos da Sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E CONSELHOS GESTORES DE POLITICAS PUBLICAS. Tutor(a) a Distância:Maria Lucia Pereira Tutor(a) Presencial: Thais c.

SERVIÇO SOCIAL E CONSELHOS GESTORES DE POLITICAS PUBLICAS. Tutor(a) a Distância:Maria Lucia Pereira Tutor(a) Presencial: Thais c. SERVIÇO SOCIAL E CONSELHOS GESTORES DE POLITICAS PUBLICAS Tutor(a) a Distância:Maria Lucia Pereira Tutor(a) Presencial: Thais c. Santos Acadêmicos(A): Registro Acadêmico RA: Maria Angélica dos Santos 3355566667

Leia mais

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil

PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil PARA ONDE VAMOS? Uma reflexão sobre o destino das Ongs na Região Sul do Brasil Introdução Mauri J.V. Cruz O objetivo deste texto é contribuir num processo de reflexão sobre o papel das ONGs na região sul

Leia mais

Liberdade e a Esquerda

Liberdade e a Esquerda Liberdade e a Esquerda Costas Douzinas Uma premissa comum de recentes debates no CIF 1 [ref Porter, Gearty e outros] é que a liberdade e a segurança devem estar equilibradas. Como todos os clichês, a retórica

Leia mais

EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX

EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX EDUCAÇÃO E DOMINAÇÃO EM KARL MARX Maria Catarina Ananias de Araujo Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) Email: mariacatarinaan@gmail.com Prof.Dr. Valmir Pereira Universidade Estadual da Paraíba (UEPB)

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS SOCIOLOGIA DO DIREITO P á g i n a 1 Questão 1. Émile Durkheim demonstrou por meio de seus estudos a relação entre as manifestações de solidariedade existentes na sociedade

Leia mais

X I C O N G R E S S O B R A S I L E I R O D E S O C I O L O G I A G R U P O D E T R A B A L H O : P E N S A M E N T O S O C I A L N O B R A S I L

X I C O N G R E S S O B R A S I L E I R O D E S O C I O L O G I A G R U P O D E T R A B A L H O : P E N S A M E N T O S O C I A L N O B R A S I L X I C O N G R E S S O B R A S I L E I R O D E S O C I O L O G I A 1 A 5 D E S E T E M B R O D E 2 0 0 3, U N I C A M P, C A M P I N A S, S P G R U P O D E T R A B A L H O : P E N S A M E N T O S O C I

Leia mais

Reestruturação: Uma Noção Fundamental para o Estudo das Transformações e Dinâmicas Metropolitanas.

Reestruturação: Uma Noção Fundamental para o Estudo das Transformações e Dinâmicas Metropolitanas. Reestruturação: Uma Noção Fundamental para o Estudo das Transformações e Dinâmicas Metropolitanas. Sandra Lencioni A importância que o termo reestruturação vem assumindo na Geografia requer uma reflexão

Leia mais

A DISCIPLINA TRABALHO-EDUCAÇÃO E SEUS REBATIMENTOS NO CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO DE JANEIRO Ana Paula Santos Guimarães UFRJ

A DISCIPLINA TRABALHO-EDUCAÇÃO E SEUS REBATIMENTOS NO CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO DE JANEIRO Ana Paula Santos Guimarães UFRJ 1 A DISCIPLINA TRABALHO-EDUCAÇÃO E SEUS REBATIMENTOS NO CURSO DE PEDAGOGIA DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS DO RIO DE JANEIRO Ana Paula Santos Guimarães UFRJ Resumo O presente trabalho tem por proposição identificar

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo II: Conselhos dos Direitos no Brasil

Leia mais

APRE(E)NDENDO A PSICOLOGIA: UMA ANÁLISE CURRICULAR A PARTIR DAS RELAÇÕES SABER-PODER E PODER-SABER

APRE(E)NDENDO A PSICOLOGIA: UMA ANÁLISE CURRICULAR A PARTIR DAS RELAÇÕES SABER-PODER E PODER-SABER APRE(E)NDENDO A PSICOLOGIA: UMA ANÁLISE CURRICULAR A PARTIR DAS RELAÇÕES SABER-PODER E PODER-SABER Isaac Alencar Pinto 1 isaacalencar@gmail.com Segundo Foucault (2002), saber é poder. Ambos estão correlacionados

Leia mais

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana

Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia. I Natureza Humana Perguntas e Concepções presentes sobre a natureza do Psicológico e da Psicologia I Natureza Humana * Qual a natureza humana? Ou seja, qual é a ontologia humana? - Uma teoria da natureza humana busca especificar

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS

TEORIA DO CAPITAL HUMANO: CONCEITOS E POSTULADOS CRÍTICAS À TEORIA DO CAPITAL HUMANO: UMA CONTRIBUIÇÃO À ANÁLISE DE POLÍTICAS PÚBLICAS EM EDUCAÇÃO Camila Fernandes da Costa UFRN - fernandes.camila23@yahoo.com.br Emerson Nunes de Almeida UFRN - nunespedagogo@yahoo.com.br

Leia mais

* O presente texto é produto parcial de resultado da pesquisa Mania de cidadania: a democracia e a

* O presente texto é produto parcial de resultado da pesquisa Mania de cidadania: a democracia e a 1 DEMOCRACIA, CIDADANIA E POLÍTICA SOCIAL * Dra. Ednéia Maria Machado ** Resumo: As concepções de cidadania e de democracia têm se apresentado como intrínsecas e complementares uma à outra. No Brasil,

Leia mais

A produção e a vida na era globalizada Junho/2005

A produção e a vida na era globalizada Junho/2005 A produção e a vida na era globalizada Junho/2005 Clécia Rodrigues da Silva* Introdução O século XXI surge com novas formas de circulação de bens e consumo, a mundialização do capital, as novas formas

Leia mais

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX Iara Barbosa de Sousa 1 RESUMO A presente reflexão tem enfoque no debate acerca de um clássico autor nas Ciências Sociais e sua relação

Leia mais

ARTE E REVOLUÇÃO: AS IMAGENS DA LIBERTAÇÃO EM HERBERT MARCUSE

ARTE E REVOLUÇÃO: AS IMAGENS DA LIBERTAÇÃO EM HERBERT MARCUSE Renata Gonçalves (PIIC/UFSJ) Orientadora: Ms. Maria José Netto Andrade (DFIME - UFSJ) Resumo: O artigo tem como objetivo investigar a crítica de Herbert Marcuse (1898-1979) à ortodoxia da estética marxista

Leia mais

O apelo contemporâneo por laços narcísicos

O apelo contemporâneo por laços narcísicos O apelo contemporâneo por laços narcísicos Ângela Buciano do Rosário Psicóloga, Doutoranda em Psicologia PUC-MG. Bolsista da Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Minas Gerais - FAPEMIG. Mestre em

Leia mais

A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA

A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA Que dimensões sociológicas existem numa passeio ao supermercado? A variedade de produtos importados que costumamos ver nos supermercados depende de laços econômicos

Leia mais

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Ano III Número 08 OUT-DEZ ISSN: 2178-2008 A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Gustavo Javier Castro Silva 1 Para Pierre Bourdieu, a sociologia tem uma vocação para criticar todos

Leia mais

Coordenador da Apoio

Coordenador da Apoio Coordenador da Apoio 1 2 Resultados de investigação realizada entre criminosos de alta periculosidade nos EUA, concluiram que seus crimes teriam relação com histórico de abuso familiar e crueldade com

Leia mais

Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal?

Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal? Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal? Introdução: Maria Mello de Malta 1 Em toda parte parece se defender a liberdade e a democracia. Fazem-se passeatas, manifestações políticas e até guerras

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

Jornalismo, o social e o histórico: Um breve diálogo crítico

Jornalismo, o social e o histórico: Um breve diálogo crítico Jornalismo, o social e o histórico: Um breve diálogo crítico Andrei Netto e Vinicius Netto Um diálogo eletrônico em 2006: - Queria fazer perguntas que nunca se pode fazer ao vivo ou ao telefone ou por

Leia mais

A Alienação (Karl Marx)

A Alienação (Karl Marx) A Alienação (Karl Marx) Joana Roberto FBAUL, 2006 Sumário Introdução... 1 Desenvolvimento... 1 1. A alienação do trabalho... 1 2. O Fenómeno da Materialização / Objectivação... 2 3. Uma terceira deterninação

Leia mais

O caráter intervencionista e legitimador das political educacionais quem estabelece as regras do jugo, e como.

O caráter intervencionista e legitimador das political educacionais quem estabelece as regras do jugo, e como. POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO PARA O MEIO RURAL: O PAPEL DO ESTADO E A PRODUÇÃO DO SABER 1 Jacques Therrien Universidade Federal do Ceará A questão da educação escolar no meio rural, hoje tão diagnosticada e denunciada

Leia mais

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA

COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 2013 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA. 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA COLÉGIO MARISTA - PATOS DE MINAS 3º ANO DO ENSINO MÉDIO - 23 Professor (a): ROGÉRIO MANOEL FERREIRA 2ª Recuperação Autônoma Questões de SOCIOLOGIA Questão - Sobre o significado de consciência coletiva

Leia mais

TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda.

TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda. TÍTULO: As Cooperativas de Geração de Emprego e Renda. AUTORA: Sandra Maria Zanello de Aguiar. CREDENCIAIS DO AUTOR: Mestre em Serviço Social-PUC/São Paulo; Professora do Curso de Serviço Social da Universidade

Leia mais

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO Freud explica em seus textos

Leia mais

O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil

O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil CRISTINA FRÓES DE BORJA REIS (*) O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil Esse artigo apresenta as relações entre investimento público e desenvolvimento econômico no Brasil entre

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO

TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO Raquel Monteiro Alberto Moraes - Graduanda do curso de Pedagogia (UERJ) Renata Oliveira de Sousa- Graduanda do curso de Pedagogia (UERJ) A sociedade atual se encontra imersa

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes. Fichamento: Karl Marx

Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes. Fichamento: Karl Marx Gustavo Noronha Silva Higina Madalena da Silva Izabel Cristina Ferreira Nunes Fichamento: Karl Marx Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Gustavo Noronha Silva Higina Madalena

Leia mais

DUNN, James D. G. Jesus em nova perspectiva: o que os estudos sobre o Jesus histórico deixaram para trás. São Paulo: Paulus, 2013.

DUNN, James D. G. Jesus em nova perspectiva: o que os estudos sobre o Jesus histórico deixaram para trás. São Paulo: Paulus, 2013. DUNN, James D. G. Jesus em nova perspectiva: o que os estudos sobre o Jesus histórico deixaram para trás. São Paulo: Paulus, 2013. Resenhado por Bruno Ribeiro Nascimento 1 PPGCOM/UFPB http://lattes.cnpq.br/4210778274129446

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE.

A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. A RELAÇÃO ENTRE INDIVÍDUO, NATUREZA E CULTURA: ELEMENTOS PARA PENSAR A RELAÇÃO INSTRUMENTAL COM O MEIO AMBIENTE. Juliana de Castro Chaves 1 ; Zuzy dos Reis Pereira 2 1 Professora Doutora da UnUCSEH-UEG

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE AS CATEGORIAS TEÓRICAS: IDEOLOGIA, IMAGINÁRIO SOCIAL E MENTALIDADE NA HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO

UM ESTUDO SOBRE AS CATEGORIAS TEÓRICAS: IDEOLOGIA, IMAGINÁRIO SOCIAL E MENTALIDADE NA HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO UM ESTUDO SOBRE AS CATEGORIAS TEÓRICAS: IDEOLOGIA, IMAGINÁRIO SOCIAL E MENTALIDADE NA HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO Angela Maria Souza Martins /UFRJ-UNIRIO Introdução Realizamos essa pesquisa porque percebemos

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 432 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

SOCIOLOGIA QUESTÃO 51 As assertivas a seguir resumem formulações teóricas da Sociologia sobre coesão social e anomia Leia-as e assinale a alternativa que indica as formulações corretas na tradição teórica

Leia mais

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível?

A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? A CATEGORIA MEDIAÇÃO E O PROCESSO DE TRABALHO NO SERVIÇO SOCIAL: uma relação possível? Michelle CAVALLI 1 RESUMO: O presente artigo pretende discutir sobre as reflexões referentes à polêmica que permeia

Leia mais

Faculdade de Direito

Faculdade de Direito GABARITO DA PROVA PADRONIZADA DE SOCIOLOGIA JURÍDICA TURMA: 2º B PROF: ANA CLAUDIA POMPEU TOREZAN ANDREUCI Prova 1 1ª. PARTE TESTES 3)"O estudo sociológico de Émile Durkheim sobre o suicídio foi publicado

Leia mais

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo*

ipea políticas sociais acompanhamento e análise 7 ago. 2003 117 GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* GASTOS SOCIAIS: FOCALIZAR VERSUS UNIVERSALIZAR José Márcio Camargo* Como deve ser estruturada a política social de um país? A resposta a essa pergunta independe do grau de desenvolvimento do país, da porcentagem

Leia mais

CLAUDINEI ZAGUI PARESCHI Núcleo de Estudos e Pesquisas: História e Filosofia da Educação Mestrando Orientador: Prof. Dr. Bruno Pucci I Introdução

CLAUDINEI ZAGUI PARESCHI Núcleo de Estudos e Pesquisas: História e Filosofia da Educação Mestrando Orientador: Prof. Dr. Bruno Pucci I Introdução AS NOVAS TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE FILOSOFIA A DISTÂNCIA NO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DA REDE SÃO PAULO DE FORMAÇÃO DOCENTE (REDEFOR): ANÁLISES. CLAUDINEI ZAGUI PARESCHI Núcleo

Leia mais

O marxismo heterodoxo de João Bernardo

O marxismo heterodoxo de João Bernardo O marxismo heterodoxo de João Bernardo João Alberto da Costa Pinto 1 Meu propósito neste colóquio é o de fazer uma rápida apresentação de alguns aspectos conceituais que considero fundamentais na proposta

Leia mais

SELF, SOCIEDADE & SEXUALIDADE

SELF, SOCIEDADE & SEXUALIDADE SELF, SOCIEDADE & SEXUALIDADE Leila Sharon Nasajon * A sexualidade representa uma questão crucial no desenvolvimento e na preservação da identidade pessoal e social. Para que relações interpessoais satisfatórias

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL OU CRESCIMENTO INSUSTENTÁVEL: UMA DISCUSSÃO SOBRE A VIGENTE FORMA DE SOCIABILIDADE SOB O VIÉS SOCIAL E ECOLÓGICO.

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL OU CRESCIMENTO INSUSTENTÁVEL: UMA DISCUSSÃO SOBRE A VIGENTE FORMA DE SOCIABILIDADE SOB O VIÉS SOCIAL E ECOLÓGICO. Eixo temático: Ciências Sociais DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL OU CRESCIMENTO INSUSTENTÁVEL: UMA DISCUSSÃO SOBRE A VIGENTE FORMA DE SOCIABILIDADE SOB O VIÉS SOCIAL E ECOLÓGICO. Matheus Sousa Ribeiro 1 RESUMO:

Leia mais

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS.

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização A RELAÇÃO TRABALHO/EDUCAÇÃO EM UMA TURMA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. Daiane Ferreira Ferreira* Resumo Este trabalho trata de atividades

Leia mais

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O BINÔMIO ESTADO - FAMÍLIA EM RELAÇÃO À CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA NOS PROGRAMAS TELEVISIVOS

BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O BINÔMIO ESTADO - FAMÍLIA EM RELAÇÃO À CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA NOS PROGRAMAS TELEVISIVOS BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O BINÔMIO ESTADO - FAMÍLIA EM RELAÇÃO À CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA NOS PROGRAMAS TELEVISIVOS Elaborado em 04/07 Vitor Vilela Guglinski Graduado em Direito pela Faculdade de Ciências

Leia mais

Nome do Aluno: nº 2013 Turma: 3 série Ensino Médio Data:

Nome do Aluno: nº 2013 Turma: 3 série Ensino Médio Data: Avaliação Trimestral - Sociologia Nome do Aluno: nº 2013 Turma: 3 série Ensino Médio Data: Disciplina: Sociologia Professor (a): Ricardo Alvarez 1 Trimestre Letivo Nota: Objetivos: Avaliar os conhecimentos

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

REDE DE EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA GLOBAL REFERENCIAL Preâmbulo

REDE DE EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA GLOBAL REFERENCIAL Preâmbulo REDE DE EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA GLOBAL REFERENCIAL Preâmbulo Entendemos a Educação para a Cidadania Global (ECG) como um processo educativo que contribui para a formação de cidadãs e cidadãos responsáveis

Leia mais

IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO.

IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO. 1 IDEOLOGIA E EDUCAÇÃO A EDUCAÇÃO PÚBLICA COMO FORMA DE PROPAGAÇÃO DA ALIENAÇÃO SOCIAL E UM POSSÍVEL CAMINHO DE SUPERAÇÃO. André Talhamento - UFPel Eixo 5: Trabalho-educação e a formação dos trabalhadores

Leia mais

A educação necessária para o século XXI

A educação necessária para o século XXI A educação necessária para o século XXI Eliodete Coelho BEZERRA 1 Resumo: O texto faz uma análise do sistema educacional diante das demandas contemporâneas, apresentando a posição de vários autores acerca

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR E TRABALHO NO CONTEXTO NEOLIBERAL

EDUCAÇÃO ESCOLAR E TRABALHO NO CONTEXTO NEOLIBERAL EDUCAÇÃO ESCOLAR E TRABALHO NO CONTEXTO NEOLIBERAL Débora Baptista da Rocha Segantine 1 Janete Bernardo do Nascimento Marcelino 2 1. INTRODUÇÃO Aproximar nessa discussão educação escolar e trabalho, se

Leia mais

CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE

CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE CAPITAL SOLIDÁRIO? O TRABALHO NO CONTEXTO DAS ORGANIZAÇÕES PRODUTIVAS POPULARES E AS PERSPECTIVAS SOBRE A POLÍTICA DA ECONOMIA SOLIDÁRIA Luara Caiana Sousa e Silva INTRODUÇÃO O processo de reestruturação

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

POLÍTICAS EDUCACIONAIS E EDUCAÇÃO ESPECIAL. Júlio Romero Ferreira UNIMEP SP

POLÍTICAS EDUCACIONAIS E EDUCAÇÃO ESPECIAL. Júlio Romero Ferreira UNIMEP SP POLÍTICAS EDUCACIONAIS E EDUCAÇÃO ESPECIAL Júlio Romero Ferreira UNIMEP SP RESUMO: o trabalho analisa a evolução do atendimento aos alunos com necessidades educativas especiais na realidade brasileira,

Leia mais

Preconceito, cultura e subjetividade: uma análise comparativa de dois posicionamentos teóricos

Preconceito, cultura e subjetividade: uma análise comparativa de dois posicionamentos teóricos Preconceito, cultura e subjetividade: uma análise comparativa de dois posicionamentos teóricos Autora: Sheila Ferreira Miranda (Mestranda em Psicologia Social pela UFMG) sheilaze@gmail.com Resumo Pretende-se

Leia mais

GHI052 Cultura Afro-Brasileira 60 Cultura afro-brasileira e resistência escrava no Brasil escravista. Estudo da historiografia sobre o tema.

GHI052 Cultura Afro-Brasileira 60 Cultura afro-brasileira e resistência escrava no Brasil escravista. Estudo da historiografia sobre o tema. Ementas das Disciplinas Optativas GHI050 A Constituição do Homem Moderno 60 A figura do homem moderno. Humanismo, individualismo, racionalismo e as mudanças no comportamento, na cultura e o processo civilizatório

Leia mais

CTCH Departamento de Educação

CTCH Departamento de Educação CTCH Departamento de Educação Projeto de pesquisa EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA E OS LIMITES DO LIBERALISMO POLÍTICO. PARTE II: DEMOCRACIA, JUSTIÇA, DIREITOS, VIRTUDES E IDENTIDADES. Aluno: Felipe Costa Sampaio

Leia mais

Educação e a educação escolar Neri de Paula Carneiro

Educação e a educação escolar Neri de Paula Carneiro Educação e a educação escolar Neri de Paula Carneiro Resumo: neste artigo são traçadas algumas considerações sobre o sentido da educação e sua abrangência. Afirma-se que ela não acontece no isolamento,

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Perosa Junior, Edson José Como mudar

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

QUESTÕES DE SOCIOLOGIA PARA DECATHLON

QUESTÕES DE SOCIOLOGIA PARA DECATHLON QUESTÕES DE SOCIOLOGIA PARA DECATHLON 1. O sistema de castas da Índia é uma divisão social importante na sociedade Hindu. Define-se casta, como grupo social hereditário, no qual a condição do indivíduo

Leia mais

LIMITES E POSSIBILIDADES HISTÓRICAS À EDUCAÇÃO OMNILATERAL

LIMITES E POSSIBILIDADES HISTÓRICAS À EDUCAÇÃO OMNILATERAL LIMITES E POSSIBILIDADES HISTÓRICAS À EDUCAÇÃO OMNILATERAL Resumo Este artigo analisa os limites e as possibilidades históricas à educação omnilateral. Trata se de um ensaio teóricofilosófico sobre o conceito

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. 1 Prezado(a) candidato(a): Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE CONHECIMENTOS

Leia mais

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES

PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES PROGRAMA DE SAÚDE SEXUAL GOVERNAMENTAL: CONTRIBUIÇÕES, DIFICULDADES E LIMITAÇÕES MARTYRES, Thais Raffaela dos Faculdade de Ensino Superior Dom Bosco Acadêmica do Curso de Farmácia Membro do Grupo de Bolsista

Leia mais

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS

VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS 1 VIII COLÓQUIO INTERNACIONAL DE MARX E ENGELS OS FUNDAMENTOS MARXISTAS E GRAMSCIANOS À LUZ DA PROFISSIONALIZAÇÃO DO ENSINO MÉDIO DO INSTITUTO FEDERAL DE SÃO PAULO Problematização Juliana Gimenes Gianelli

Leia mais

TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira

TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL. Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira Profa. Maria Eunice Damasceno Pereira 1 Qualquer que seja o campo de atuação\intervenção o Profissional deve: Elaborar um Plano de Intervenção (definição dos instrumentos teórico-metodológicos e técnicooperativos);

Leia mais

A introdução da moeda nas transações comerciais foi uma inovação que revolucionou as relações econômicas.

A introdução da moeda nas transações comerciais foi uma inovação que revolucionou as relações econômicas. Módulo 14 O Mercado Monetário 14.1. A Moeda A introdução da moeda nas transações comerciais foi uma inovação que revolucionou as relações econômicas. Moeda é um ativo com o qual as pessoas compram e vendem

Leia mais