RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009."

Transcrição

1 caderno ufs - filosofia RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, Jadson Teles Silva Graduando em Filosofia UFS Indivíduo e comunidade na filosofia de Kierkegaard nos apresenta um itinerário filosófico do autor dinamarquês que tem como ponto culminante os seus últimos escritos, a saber: os artigos de A Pátria, os fascículos do O Instante e o discurso A imutabilidade de Deus. A dialética entre indivíduo e comunidade proposta por Kierkegaard é profundamente analisada e explicitada pelo texto do professor Marcio Gimenes de Paula. Todavia, esta obra inicia seus apontamentos contextualizando a filosofia do dinamarquês e o diálogo entre ele e os filósofos de sua época. Nas considerações introdutórias, Gimenes de Paula avalia a propositura de Karl Löwith que afirma que a filosofia de Kierkegaard está enraizada junto à filosofia alemã. Para nosso autor, é na filosofia da religião pós-hegeliana, especificamente, que Kierkegaard se situa juntamente como outros pensadores do período histórico que vai de Hegel a Nietzsche. Tais autores, cada um ao seu modo, empreenderam uma crítica ao sistema filosófico hegeliano, que pretendia a conciliação entre filosofia e cristianismo. Para Gimenes de Paula, David Strauss, pensador que se destaca entre os neo-hegelianos de esquerda, se põe contrariamente a Hegel. Já que compreende a filosofia com a função de ampliar o conteúdo da fé, pois esta tende sempre a ultrapassar a explicação racional. Já Ludwig Feuerbach, um dos mais celebres pensador da esquerda hegeliana, reduz a essência da religião cristã à essência natural do homem, ou seja, quando o homem confere atributos a Deus na verdade está conferindo a si próprio. Para Feuerbach, o protestantismo vai engendrar o desaparecimento da religião, pois, representa um progresso da consciência do homem que visa se libertar, já que a doutrina protestante se configura como a relação entre o homem e Deus, ou seja, entre o homem e ele mesmo. Ainda na introdução, nosso autor destaca que Feuerbach critica Hegel, uma vez que este construiu a sua filosofia a partir da 151

2 152 teologia que é na verdade uma patologia na mente humana. Outro pensador polêmico e herdeiro da filosofia de Hegel elencado no texto é Bruno Bauer. Duramente criticado por outros pensadores de sua época, ele tenta demonstrar que a filosofia da religião hegeliana negava a possibilidade de uma teologia, assim como demonstrar o que tornou o cristianismo algo anti-humano. Karl Marx, outro pensador herdeiro, crítico de Hegel e da filosofia alemã afirmou que a religião é alienação e que era preciso entender seu funcionamento para livrar o homem de sua alienação. Para ele a religião é produto do homem, mas a religião também funciona criando idéias no homem. Na concepção de Gimenes de Paula, Kierkegaard é o autor que aparece deslocado entre os pensadores deste período, primeiro por não ser alemão; e segundo, porque a tradição filosófica não o definiu como um pós-hegeliano, mas como um autor híbrido, pois não definiu se o que produzia era filosofia, literatura ou teologia. Contudo é através dos temas dos seus escritos que podemos apontá-lo como um pós-hegeliano. Em Kierkegaard o absoluto se encontra num totalmente outro e não na história como pensava Hegel. É o individuo que precisa decidir, ao voltar-se para sua subjetividade, se escolhe a fé ou o desespero da descrença. A subjetividade é o fator decisivo no tornar-se cristão. Ele crítica Hegel, pois este via na religião algo objetivo e o cristianismo como um relato histórico, mas na concepção kierkegaardiana o cristianismo é uma possibilidade para cada indivíduo. Friedrich Nietzsche também se encontra no conjunto dos pensadores que fizeram a crítica da filosofia da religião hegeliana. Segundo nosso autor, Nietzsche via no cristianismo uma doutrina que negava a vida e por isso tal doutrina precisava ser rejeitada. Ele ainda criticou com veemência Hegel e os pós-hegelianos, pois estes na verdade buscavam unir a filosofia à religião. A primeira obra kierkegaardiana analisada no itinerário escolhido pelo autor aqui do é o Post-scriptum não-cientifico conclusivo às migalhas filosóficas. Tal obra vai tratar de vários temas, entre eles a questão histórica do cristianismo, fazendo uma abordagem histórica dos problemas já apresentados na obra Migalhas filosóficas. O Post-scriptum é assinado por um pseudônimo de Kierkegaard, Johannes Clímacus, e está dividida em duas partes. A primeira investiga o problema objetivo do cristianismo e a segunda o problema subjetivo. Para Kierkegaard, o cristianismo passa pelo cerne da decisão subjetiva, ele não é um documento histórico. Por isso, precisa-se sempre levar em consideração o indivíduo diante da história do cristianismo. Desta forma, não basta ter nascido numa pátria dita cristã para ser cristão, é preciso escolher para se tornar cristão. Para Gimenes de Paula, Clímacus apresenta o cristianismo como uma doutrina que exige paixão e não objetividade. Ela se difere da especulação, pois a fé do cristianismo se baseia no absurdo, ou seja, a razão não é capaz de compreender a totalidade das coisas, o absurdo é algo que não pode ser compreendido logicamente. Clímacus afirma no Post-scriptum que a ironia é uma opção de existência e está presente na fronteira entre o estádio estético e o ético, assim como o humor presente entre o estádio ético e o religioso, deste modo, o cristianismo não é algo

3 dado como afirma a concepção histórico-objetiva, mas está sempre em processo, em devir. O Livro sobre Adler é o segundo no itinerário. É um texto publicado postumamente e, que segundo Marcio Gimenes de Paula, é uma obra necessária para se entender a arquitetônica do corpus kierkegaardiano. O livro fala do caso do pastor dinamarquês Adler ( ), que era um estudioso de Hegel. Ao publicar um livro de sermões, Adler foi destituído de suas funções. Tais sermões teriam sido ditados pessoalmente por Cristo em forma de revelação. Para Kierkegaard, aponta nosso autor, Adler era confuso, não mais entendia a autoridade religiosa e estava ligado a um subjetivismo, mas não a uma concepção subjetiva. Neste livro, Kierkegaard procura entender os conceitos de autoridade e de revelação, desenvolvendo uma dialética entre o universal, o individual e o indivíduo especial. Esta dialética está ligada a categorias de quantidade: o universal, o particular e o singular. Para o dinamarquês, o pastor Adler estava em crise, não era um indivíduo singular, era um hegeliano arrependido, e simbolizava a confusão de uma época tomada pela cristandade. Adler não entendeu que a autoridade divina é qualitativamente decisiva e se constitui numa categoria, ela é uma possibilidade de escândalo, não podendo ser entendida pela especulação filosófica. Gimenes de Paula afirma que Adler passou da objetividade hegeliana para um subjetivismo doentio e que ele não compreendeu que a religião é da esfera subjetiva, afastando-se do verdadeiro cristianismo. Sua formação hegeliana impediu de ser efetivamente um verdadeiro pastor cristão. Na concepção de Gimenes de Paula, o cristianismo estabelecido na época de Adler era mais preocupado com a sua publicização, tinha preocupações estéticas com a sua aparência. Adler era pastor, professor de filosofia e teólogo refletia, assim, o sistema em que ser cristão significava apenas ter nascido num país cristão. O esforço exegético de Gimenes de Paula se encontra com Os dois pequenos tratados éticos-religiosos e o discurso As preocupações dos pagãos. A primeira publicação refere-se a dois discursos: Um homem tem direito de se deixar condenar à morte pela verdade? e Sobre a diferença entre um gênio e um apóstolo. Ambos problematizam o conceito da autoridade. O primeiro aborda o martírio cristão; o segundo os diferentes objetivos visados pelo gênio e pelo apóstolo. No primeiro, a questão participa da esfera do direito, da ética, é ou não possível realizar tal ato? Nosso autor assevera que o herói é aquele que sempre volta para repousar em sua comunidade depois do ato de coragem ou se basta em seu egoísmo como Sócrates, porém, o homem de fé não é compreendido e sua missão é sempre silenciosa e voltada para o transcendente. Já o herói encontra seu objetivo no imanente. É só no cristianismo que a figura do mártir se constitui, pois o homem não pode morrer por aquilo que considera verdadeiro, todavia cai no erro quando se julga na verdade. Um homem não possui o direito de condenar-se à morte pela verdade. A verdade plena está sempre no âmbito do eterno, do divino. Contudo, na cristandade, afirma Kierkegaard, o martírio e a imitação de Cristo foram substituídos pela racionalização da fé. No discurso Sobre a diferença entre um gênio e um 153

4 154 apóstolo, Kierkegaard tem como preocupação central a fé paradoxal. O gênio busca sempre o imanente, já o apóstolo possui a sua teleologia paradoxal absoluta, ou seja, está voltada para o transcendente. Gimenes de Paula lembra, à luz da tese kierkegaardiana, que a autoridade apostólica provém de Deus que é um fator qualitativo decisivo, enquanto que a genialidade se caracteriza pelo quantitativo. E ainda que a autoridade sob o ponto de vista humano é transitória e passageira, sua finalidade está restrita a si próprio. No discurso As preocupações do pagãos, Kierkegaard vai examinar a oposição entre cristãos e pagãos, tendo como base a interpretação da imagem bíblica de Mateus 6, A figura dos lírios e dos pássaros tem como objetivo demonstrar a essência do cristianismo e do paganismo. Aqueles que vivem como os pássaros e os lírios vivem como cristãos, pois não esperam nada do futuro, já os pagãos sempre têm em vista preocupações com o futuro. Segundo Gimenes de Paula, Kierkegaard afirma que dentre outras coisas, que o cristão não possui preocupação com a abundância, não possui desejo de posse assim como o pássaro que ignora sua condição. O pagão, ao contrário, não ignora o mundo e nunca se satisfaz. Enfim, no último capítulo do texto aqui do, o professor Marcio Gimenes de Paula, apresenta a luta de Kierkegaard contra a cristandade, analisando os artigos escritos em A Pátria, os fascículos de O Instante e o discurso A imutabilidade de Deus. Primeiro, segundo nosso autor, é preciso entender o contexto histórico, pois é fundamental para compreender a polêmica que se deu no ataque de Kierkegaard à Igreja Dinamarquesa. Na Dinamarca, a Igreja luterana foi estabelecida e oficializada pelo Estado desde a Reforma luterana. A Igreja tornou-se responsável legal do casamento e do batismo. Os pastores eram funcionários pagos pelo Estado e representavam simbolicamente e legalmente o Estado, assim como propagavam a idéia de uma religião como uma obrigação legal. A faculdade de Teologia de Copenhague exercia grande influência no meio intelectual da época. A filosofia hegeliana no século XIX era extremamente debatida pelos intelectuais e teólogos da Dinamarca. Segundo Marcio Gimenes de Paula, Kierkegaard prepara, desde o Post-Scriptum, seu ataque à cristandade. Tal ataque surge de modo retórico, irônico e teatral, é, pois, uma estratégia para falar ao homem comum, seu intuito é revelar e dissipar a ilusão da cristandade. Kierkegaard quer demonstrar a diferença entre o que se vive e o que se prega pelos pastores na Igreja oficial dinamarquesa. Para ele, há uma diferença radical entre o real cristianismo e a cristandade oficial, a cristandade deseja tanto o mundo quanto Deus. Kierkegaard afirma que o cristianismo do Novo Testamento não é mais praticado no Estado dinamarquês, pois a Igreja oficial se comporta de maneira promíscua e propaga a ilusão de que todos são cristãos, porém o autêntico cristianismo é opção. Não se imita mais Cristo e é este o maior pecado da cristandade. O cristianismo e o Estado são de esferas opostas. O cristianismo só pode se firmar como oposição ao mundo, porém, a cristandade se aliou ao Estado e seus pastores se saciam em banquetes. Gimenes de Paula analisa todos os fascículos de O Instante, des-

5 tacando as diferenças que Kierkegaard aponta entre o verdadeiro cristianismo e o falso cristianismo propagado pela cristandade, demonstrando que a cristandade não pratica o cristianismo do Novo Testamento e que, desta forma, o dinamarquês, tenta resgatar o cristianismo do homem do povo, pois este foi afastado pelos pastores mercenários. No discurso A imutabilidade de Deus, Gimenes de Paula assevera que o intuito de Kierkegaard é abordar o sentido e o significado da imutabilidade da essência divina. Deus pode mudar todas as coisas do mundo e mesmo nesta era de grandes mudanças e movimentos revolucionários sua imutabilidade persiste. A mutabilidade das coisas é sempre referente ao mundo sensível, ou seja, ao mundo dos homens. Nas considerações finais o autor reafirma o seu intuito foi investigar a temática do individuo e da comunidade presente na crítica kierkegaardiana à cristandade. Com efeito, sua análise abrange a filosofia da religião feita por Kierkegaard e a sua crítica ao modelo hegeliano e pós-hegeliano. 155

Antropologia, História e Filosofia

Antropologia, História e Filosofia Antropologia, História e Filosofia Breve história do pensamento acerca do homem Um voo panorâmico na história ocidental Cosmológicos 1. Embora o objeto não seja propriamente o homem já encontramos indícios

Leia mais

DUNN, James D. G. Jesus em nova perspectiva: o que os estudos sobre o Jesus histórico deixaram para trás. São Paulo: Paulus, 2013.

DUNN, James D. G. Jesus em nova perspectiva: o que os estudos sobre o Jesus histórico deixaram para trás. São Paulo: Paulus, 2013. DUNN, James D. G. Jesus em nova perspectiva: o que os estudos sobre o Jesus histórico deixaram para trás. São Paulo: Paulus, 2013. Resenhado por Bruno Ribeiro Nascimento 1 PPGCOM/UFPB http://lattes.cnpq.br/4210778274129446

Leia mais

Crítica kierkegaardiana da multidão: a importância do retorno à categoria do indivíduo Resumo expandido

Crítica kierkegaardiana da multidão: a importância do retorno à categoria do indivíduo Resumo expandido Crítica kierkegaardiana da multidão: a importância do retorno à categoria do indivíduo Thiago de Paula Cruz Universidade Metodista de São Paulo tpc_psico@yahoo.com.br Resumo expandido: Sören Aabye Kierkegaard

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. RESENHA AGOSTINHO, Márcio Roberto Mestre em Ciências da Religião MACKENZIE SÃO PAULO/SP BRASIL Coordenador do Curso de Psicologia - FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: casteloagostinho@yahoo.com.br 1. Indentidade

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

FILOSOFIA. Platão. OpenRose

FILOSOFIA. Platão. OpenRose FILOSOFIA Platão OpenRose 1 PLATÃO Filósofo grego (427 a.c.?-347 a.c.?). Um dos mais importantes filósofos de todos os tempos. Suas teorias, chamadas de platonismo, concentram-se na distinção de dois mundos:

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti

SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS. ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti SEÇÃO RESENHAS / RESUMOS ResenhaAcadêmica, por *Afonso de Sousa Cavalcanti WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 4. ed. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1985. Maximilian Carl

Leia mais

A SUBJETIVIDADE É A VERDADE

A SUBJETIVIDADE É A VERDADE A SUBJETIVIDADE É A VERDADE Éder Junior Moraes 1 Fabio Junior Batistella 2 Leossandro Carlos Adamiski 3 Resumo: A verdade sempre foi objeto de muitas discussões. Assim, neste artigo, pretende-se apresentar

Leia mais

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo 1 O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA Cassio Donizete Marques 1 Resumo Hegel é considerado um dos pensadores mais complexos de toda a história da filosofia. Seu pensamento estabelece, senão

Leia mais

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política ////////////////////////// Ficha de Leitura * ////////////////////////// MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política Introdução [À Crítica da Economia Política] Prefácio [Para a Crítica da Economia

Leia mais

Filosofia O que é? Para que serve?

Filosofia O que é? Para que serve? Filosofia O que é? Para que serve? Prof. Wagner Amarildo Definição de Filosofia A Filosofia é um ramo do conhecimento. Caracteriza-se de três modos: pelos conteúdos ou temas tratados pela função que exerce

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ECLESIOLÓGICAS PRÉ-CONCÍLIO VATICANO II. Bruno Cesar Siqueira. Pe. Paulo Fernando Cunha de Melo

CONSIDERAÇÕES ECLESIOLÓGICAS PRÉ-CONCÍLIO VATICANO II. Bruno Cesar Siqueira. Pe. Paulo Fernando Cunha de Melo CONSIDERAÇÕES ECLESIOLÓGICAS PRÉ-CONCÍLIO VATICANO II Bruno Cesar Siqueira Pe. Paulo Fernando Cunha de Melo Faculdade Católica de Filosofia e Teologia de Ribeirão Preto. Introdução Tendo em vista a proposta

Leia mais

O NOVO NASCIMENTO. Texto base: Jo 3: 1 a 21

O NOVO NASCIMENTO. Texto base: Jo 3: 1 a 21 O NOVO NASCIMENTO Texto base: Jo 3: 1 a 21 I. INTRODUÇÃO II. QUEM ERA NICODEMOS? Povo de Deus JUDEU MEMBRO DO SINÉDRIO FARISEU COM POSSES Instruído na Lei de Deus e Tradição Oral. Conhecido por ser puro,

Leia mais

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista Fabíola dos Santos Cerqueira O homem tem de viver em dois mundos que se contradizem (...) O espirito afirma o seu direito e a sua dignidade perante a anarquia

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO:

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ª TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Este trabalho contém

Leia mais

O NASCIMENTO DO SALVADOR

O NASCIMENTO DO SALVADOR Mensagem pregada pelo Pr Luciano R. Peterlevitz no culto de natal na Igreja Batista Novo Coração, em 20 de dezembro de 2015. Evangelho de Lucas 2.8-20: 8 Havia pastores que estavam nos campos próximos

Leia mais

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Sem limite para crescer! Resumo das aulas de Filosofia 1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Esses três filósofos foram os inauguradores da filosofia ocidental como a que

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 3 - A ANTROPOLOGIA COMO FUNDAMENTO DA PEDAGOGIA. Para Edith Stein existe uma profunda relação entre os termos metafísica, antropologia e pedagogia

Leia mais

O SER DE DEUS E A TRINDADE

O SER DE DEUS E A TRINDADE O SER DE DEUS E A TRINDADE INTRODUÇÃO 1. O que é a disciplina? É o estudo sobre a Pessoa de Deus como é revelada na Bíblia e na Revelação Geral. 2. Importância: - Conhecer quem é Deus é fundamental para

Leia mais

Resenha do livro BOSCH, David J. Missão Transformadora. São Leopoldo, RS: Sinodal, 2002.

Resenha do livro BOSCH, David J. Missão Transformadora. São Leopoldo, RS: Sinodal, 2002. Resenha do livro BOSCH, David J. Missão Transformadora. São Leopoldo, RS: Sinodal, 2002. Tiago Abdalla Teixeira Neto David Bosch introduz o livro mostrando a abrangência do termo missão na história da

Leia mais

La cage d acier. Max Weber et le marxisme wébérien. Max Weber et les paradoxes de la modernité

La cage d acier. Max Weber et le marxisme wébérien. Max Weber et les paradoxes de la modernité La cage d acier. Max Weber et le marxisme wébérien De: Michael Lowy La cage d acier. Max Weber et le marxisme wébérien Paris: Éditions Stock. 2013 Max Weber et les paradoxes de la modernité Michael Lowy

Leia mais

2. Fé Cristã e Filosofias: enfocando a necessidade da apologia cristã no ambiente escolar e Universitário

2. Fé Cristã e Filosofias: enfocando a necessidade da apologia cristã no ambiente escolar e Universitário 2. Fé Cristã e Filosofias: enfocando a necessidade da apologia cristã no ambiente escolar e Universitário Apresentação dos participantes (nome; Escola, faculdade ou Univerdidade) Quem é o seu Deus? E qual

Leia mais

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros

REFORMA E CONTRARREFORMA. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros REFORMA E CONTRARREFORMA Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista de Montes Claros INTRODUÇÃO A Reforma Religiosa e o Renascimento ocorreram na mesma época e expressam a grande renovação de ideias

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

PERGUNTAS & RESPOSTAS - FONTE ESTUDOS BÍBLICOS 2015

PERGUNTAS & RESPOSTAS - FONTE ESTUDOS BÍBLICOS 2015 PERGUNTAS & RESPOSTAS - FONTE ESTUDOS BÍBLICOS 2015 1) A Cruz era um instrumento de execução. Para os romanos, que tipo de pessoa era executado na cruz? E para os judeus? Resposta: Os romanos a usavam

Leia mais

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012

ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 ASSEMBLEIA DO RENOVAMENTO CARISMÁTICO DA DIOCESE DO PORTO 21 de Abril de 2012 Mantendo-vos, portanto, firmes, tendo cingido os vossos rins com a verdade, vestindo a couraça da justiça e calçando os pés

Leia mais

OBJETIVOS. FEB EADE Livro I - Módulo II Roteiro 25 A reforma protestante

OBJETIVOS. FEB EADE Livro I - Módulo II Roteiro 25 A reforma protestante OBJETIVOS Elaborar uma linha histórica que retrate os marcos significativos da Reforma Protestante. Citar dados biográficos dos principais reformadores. Explicar a importância da Reforma Protestante no

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

A Bíblia. J. Gresham Machen

A Bíblia. J. Gresham Machen 1 A Bíblia J. Gresham Machen Já observamos que o liberalismo moderno perdeu de vista os dois grandes pressupostos da mensagem cristã o Deus vivo e o fato do pecado. Tanto a doutrina liberal de Deus quanto

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

APONTAMENTOS DA TEOLOGIA DOS SACRAMENTOS

APONTAMENTOS DA TEOLOGIA DOS SACRAMENTOS APONTAMENTOS DA TEOLOGIA DOS SACRAMENTOS Profa. Ivenise Teresinha Gonzaga Santinon Introdução Com o Concílio Vaticano II e a sua Constituição Sacrossanctum Concilium, os sacramentos se viram revalorizados.

Leia mais

Texto base Jo 8: 12 a 59

Texto base Jo 8: 12 a 59 Texto base Jo 8: 12 a 59 EU SOU Eternidade, Imutabilidade e Fidelidade pactual a. A busca equivocada Após a multiplicação dos pães e peixes, Jesus deixou a multidão (Jo 6: 1 a 15) A multidão resolveu procurá-lo

Leia mais

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé.

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé. 1 Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9 Introdução: Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja

Leia mais

Estes capítulos introduzem a última série de visões de Ezequiel, nas quais ele vê

Estes capítulos introduzem a última série de visões de Ezequiel, nas quais ele vê Lição 14 Ezequiel Mede o Templo Restaurado (Ezequiel 40:1-42:20) Estes capítulos introduzem a última série de visões de Ezequiel, nas quais ele vê o templo restaurado. Nesta lição, vamos considerar alguns

Leia mais

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX Iara Barbosa de Sousa 1 RESUMO A presente reflexão tem enfoque no debate acerca de um clássico autor nas Ciências Sociais e sua relação

Leia mais

BATISMO E SANTA CEIA

BATISMO E SANTA CEIA BATISMO E SANTA CEIA INTRODUÇÃO (Seria interessante que neste dia houvesse a celebração de uma cerimônia batismal, ou então uma santa ceia...) O cristianismo é uma religião de poder! E o apóstolo S. Paulo

Leia mais

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA

IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA IGREJA DE CRISTO INTERNACIONAL DE BRASÍLIA ESCOLA BÍBLICA MÓDULO I - O NOVO TESTAMENTO Aula IV - Introdução ao Novo Testamento e o caráter Literário dos evangelhos A ORIGEM DO NOME A expressão traduzida

Leia mais

Centralidade da obra de Jesus Cristo

Centralidade da obra de Jesus Cristo Centralidade da obra de Jesus Cristo MÓDULO 3 3ª AULA AULA 3 MÓDULO 3 SALVAÇÃO EM CRISTO Jesus no Centro Por que deve ficar claro isso? Dá para evangelizar sem falar de Jesus? É possível partir de outro

Leia mais

Jesus declarou: Digo-lhe a verdade: Ninguém pode ver o Reino de Deus, se não nascer de novo. (João 3:3).

Jesus declarou: Digo-lhe a verdade: Ninguém pode ver o Reino de Deus, se não nascer de novo. (João 3:3). Jesus declarou: Digo-lhe a verdade: Ninguém pode ver o Reino de Deus, se não nascer de novo. (João 3:3). O capítulo três do Evangelho de João conta uma história muito interessante, dizendo que certa noite

Leia mais

LIÇÃO 2 Jesus, o Messias Prometido

LIÇÃO 2 Jesus, o Messias Prometido Nesta Lição Estudará... A Natureza da Profecia Bíblica A Importância das Profecias O Desenvolvimento da Profecia Messiânica O Ritual Profético As Profecias Sobre o Messias Humano e Divino Sacrifício e

Leia mais

Lição 10. Como entender a realidade da morte? Texto Bíblico: 1Coríntios 15.20-28; 43-58

Lição 10. Como entender a realidade da morte? Texto Bíblico: 1Coríntios 15.20-28; 43-58 Lição 10 Como entender a realidade da morte? Texto Bíblico: 1Coríntios 15.20-28; 43-58 Introdução: O Apóstolo Paulo estava trabalhando algumas discrepâncias doutrinárias na Igreja de Corinto e, especificamente,

Leia mais

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS 11. Já vimos que Jesus Cristo desceu do céu, habitou entre nós, sofreu, morreu, ressuscitou e foi para a presença de Deus. Leia João 17:13 e responda: Onde está Jesus Cristo agora? Lembremo-nos que: Jesus

Leia mais

MISSIoNários acorrentados

MISSIoNários acorrentados NOTA DE CONVOCAÇÃO MISSIoNários acorrentados yuri ravem foco na pessoa 40 Por Pr. Yuri Ravem Desde que me tornei um pastor, há treze anos, tenho percebido pessoas com grandes talentos nas mais diversas

Leia mais

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado.

Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. 1 Mosaicos #2 Um Novo e superior Testamento Hb 1:1-3 Introdução: Se desejamos compreender o hoje, muitas vezes precisaremos percorrer o passado. Neste sentido a Carta aos Hebreus é uma releitura da lei,

Leia mais

Educação e Desenvolvimento Social

Educação e Desenvolvimento Social Educação e Desenvolvimento Social Luiz Antonio Cunha Os Princípios Gerais do Liberalismo O liberalismo é um sistema de crenças e convicções, isto é, uma ideologia. Todo sistema de convicções tem como base

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO MAX WEBER é a ÉTICA PROTESTANTE Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2013 A Importância da teoria sociológica de Max Weber A obra do sociólogo alemão Max Weber para análise

Leia mais

Provas Bíblicas da Existência de Espíritos

Provas Bíblicas da Existência de Espíritos 1 Bruno Chaves Provas Bíblicas da Existência de Espíritos 2 Bibliotecária Maria José Costa Amorim. CRB 13/707 C512p Chaves, Bruno. Provas bíblicas da existência de espíritos. / Bruno Chaves. Imperatriz-MA:

Leia mais

Este episódio acontece logo após a humanidade descobrir suas novas potencialidades e capacidade existencial e criativa.

Este episódio acontece logo após a humanidade descobrir suas novas potencialidades e capacidade existencial e criativa. A atualidade da Torre de Babel Gênesis 11.1-9 Pr. Fernando Fernandes PIB em Penápolis, 07/02/2010 Este episódio acontece logo após a humanidade descobrir suas novas potencialidades e capacidade existencial

Leia mais

CNBB Doc. 47: Educação, Igreja e Sociedade parágrafos 54 a 98 1 (índice remissivo e chave de leitura)

CNBB Doc. 47: Educação, Igreja e Sociedade parágrafos 54 a 98 1 (índice remissivo e chave de leitura) PBCM COLÉGIO SÃO VICENTE DE PAULO RIO DE JANEIRO RJ CNBB Doc. 47: Educação, Igreja e Sociedade parágrafos 54 a 98 1 (índice remissivo e chave de leitura) II PARTE: VISÃO CRISTÃ DA EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

RESENHAS SCHMITT E STRAUSS: UM DIÁLOGO OBLÍQUO

RESENHAS SCHMITT E STRAUSS: UM DIÁLOGO OBLÍQUO RESENHAS SCHMITT E STRAUSS: UM DIÁLOGO OBLÍQUO MEIER, Heinrich. Carl Schmitt & Leo Strauss. The Hidden Dialogue. Including Strauss s Notes on Schmitt s Concept of the Political & Three Letters from Strauss

Leia mais

COMO E ONDE OS DONS DE PODER SE MANIFESTAM

COMO E ONDE OS DONS DE PODER SE MANIFESTAM DONS DE PODER Lição 4-27 de Abril de 2014 Texto Áureo: I Coríntios 2.4 A minha palavra, e a minha pregação, não consistiram em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito

Leia mais

A palavra do Senhor descarta a ideia de triteísmo (três Deuses) e de unicismo (Religião,Prática de

A palavra do Senhor descarta a ideia de triteísmo (três Deuses) e de unicismo (Religião,Prática de Aula 1 19/11/2014 A palavra do Senhor descarta a ideia de triteísmo (três Deuses) e de unicismo (Religião,Prática de adoração a um só Deus; Negam a existência da santa trindade.) A Trindade pode ser definida

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA

SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA SIMULADO 4 JORNAL EXTRA ESCOLAS TÉCNICAS HISTÓRIA QUESTÃO 01 De uma forma inteiramente inédita, os humanistas, entre os séculos XV e XVI, criaram uma nova forma de entender a realidade. Magia e ciência,

Leia mais

Sócrates Oliveira de Souza (organizador)

Sócrates Oliveira de Souza (organizador) Sócrates Oliveira de Souza (organizador) EXAME E CONSAGRAÇÃO AO MINISTÉRIO PASTORAL Sócrates Oliveira de Souza (organizador) EXAME E CONSAGRAÇÃO AO MINISTÉRIO PASTORAL 2011 Rio de Janeiro 2ª edição Todos

Leia mais

A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA

A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA A BENDITA ESPERANÇA DA IGREJA Ap 21.9-11 - E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças cheias das sete últimas pragas, e falou comigo, dizendo: Vem, mostrar-te-ei a noiva, a esposa do Cordeiro.10

Leia mais

Terceira viagem Missionária de Paulo ITQ-Vila Ema Prof.Baroni

Terceira viagem Missionária de Paulo ITQ-Vila Ema Prof.Baroni Terceira viagem Missionária de Paulo ITQ-Vila Ema Prof.Baroni Éfeso foi uma das grandes cidades dos jônicos na Ásia Menor, situada no local onde o rio Cayster desagua no Egeu. Foi fundada por colonos provenientes

Leia mais

Classe Adultos. Esperança e Glória para os Salvos

Classe Adultos. Esperança e Glória para os Salvos Classe Adultos Esperança e Glória para os Salvos OBJETIVOS OBJETIVO GERAL Explicar o real significado da Escatologia Bíblica. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Após esta aula, o aluno deverá estar apto a: I. Definir

Leia mais

DEFINIÇÃO DA QUESTÃO. Prefácio

DEFINIÇÃO DA QUESTÃO. Prefácio 7 Prefácio QUANDO OUVIMOS FALAR DE TEOLOGIA BÍBLICA nem sempre fica claro a que exatamente essa expressão se refere. Alguns entendem que a expressão diz respeito à teologia de acordo com a Bíblia, em oposição

Leia mais

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS.

IGREJA CRISTÃ MARANATA PRESBITÉRIO ESPÍRITO SANTENSE EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL 21-jun-2015 - TEMA: A FÉ Assunto: INTERFERÊNCIAS NO PROCESSO DA SALVAÇÃO Texto fundamental: JOÃO CAP. 9 EM EFÉSIOS 2.8 PAULO VINCULA A SALVAÇÃO À FÉ QUE VEM DE DEUS. COMENTAR OS

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49

LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 Reinos Vindouros LIÇÃO 3 S DANIEL 2:1-49 II. Daniel Interpreta o Sonho de Nabucodonosor sobre os Reinos Vindouros, 2:1-49 A. O sonho e o decreto de Nabucodonosor, 2:1-16 1. Nabucodonosor pede aos sábios

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos.

Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos. Filosofia dos Direitos Humanos. Introdução ao pensamento de Hannah Arendt sobre direitos humanos. Rafael Augusto De Conti 1. SUMÁRIO: 1. Introdução; 2. Minorias Grau Avançado de desproteção jurídica; 3.

Leia mais

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO)

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) PERÍODOS DA FILOSOFIA MEDIEVAL 1º Patrística: século II (ou do V) ao VIII (Agostinho de Hipona). 2º Escolástica: século IX ao XV (Tomás

Leia mais

I. A decadência espiritual da sociedade - O Sal Se tor vers. 1-5

I. A decadência espiritual da sociedade - O Sal Se tor vers. 1-5 ESTUDO 09-6:1-13 A MANIFESTAÇÃO DA IRA E DA GRAÇA DE DEUS : Existem aspectos no Evangelho de Cristo que são extremamente duros, e ao mesmo tempo consoladores. Quando pensamos na seriedade do pecado diante

Leia mais

Assunto: Estudo das várias leis que estavam em operação no tempo de Cristo. 1) Lei Romana = Lei que os cidadãos obedeciam

Assunto: Estudo das várias leis que estavam em operação no tempo de Cristo. 1) Lei Romana = Lei que os cidadãos obedeciam Lição 1 Leis no tempo de Cristo Assunto: Estudo das várias leis que estavam em operação no tempo de Cristo 1) Lei Romana = Lei que os cidadãos obedeciam 2) Lei Civil do A.T. = Tinha a ver com os costumes

Leia mais

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia Carlos Gustavo Monteiro Cherri Mestrando em Filosofia pela UFSCar gucherri@yahoo.com.br

Leia mais

Processo de Pesquisa Científica

Processo de Pesquisa Científica Processo de Pesquisa Científica Planejamento Execução Divulgação Projeto de Pesquisa Relatório de Pesquisa Exposição Oral Plano de Pesquisa Pontos de referência Conhecimento Científico É a tentativa de

Leia mais

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa:

Neoclassicismo. Segundo a leitura acima analise os itens e marque uma ÚNICA alternativa: Neoclassicismo Questão 01 De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse não as formas da natureza, mas as que os artistas clássicos gregos

Leia mais

Constituição e desdobramentos da noção de subjetividade na Modernidade

Constituição e desdobramentos da noção de subjetividade na Modernidade 24 PSICOLOGIA PRECONDIÇÔES SOCIOCULTURAIS... 2S geral, a pôr em risco nossos valores. Como se verá a seguir, em alguns aspectos importantes essa imagem é completamente ilusória, e uma das tarefas da psicologia

Leia mais

REACENDENDO A ESPERANÇA CRISTÃ

REACENDENDO A ESPERANÇA CRISTÃ HENRIQUE PAULO JULIANO CORMANICH REACENDENDO A ESPERANÇA CRISTÃ Trabalho apresentado à coordenação do curso de Teologia EAD para participação do Concurso de trabalhos Acadêmicos EAD Destaque do Ano da

Leia mais

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data:

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: REVISÃO FINAL PARA O SIMULADO 1ª Avaliação: Imperialismo na Ásia e na África 01. Podemos sempre

Leia mais

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão:

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão: SESSÃO 3 'Eis a tua mãe' Ambiente Em uma mesa pequena, coloque uma Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria e uma vela

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas FILOSOFIA Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o número

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Perosa Junior, Edson José Como mudar

Leia mais

COMO PREPARAR E COMUNICAR SEU TESTEMUNHO PESSOAL

COMO PREPARAR E COMUNICAR SEU TESTEMUNHO PESSOAL COMO PREPARAR E COMUNICAR SEU TESTEMUNHO PESSOAL O objetivo desta mensagem é motivar e equipar você a preparar e usar seu testemunho ao compartilhar sua fé com outros. Esta lição ajudará você a: 1. Conhecer

Leia mais

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO

PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO PSICANÁLISE E A QUESTÃO RELIGIOSA: A INSIGNIFICÂNCIA DO TRIUNFO 2014 Matheus Henrique de Souza Silva Psicólogo pela Faculdade Pitágoras de Ipatinga-MG. Especializando em Clínica Psicanalítica na atualidade:

Leia mais

Carta de Paulo aos romanos:

Carta de Paulo aos romanos: Carta de Paulo aos romanos: Paulo está se preparando para fazer uma visita à comunidade dos cristãos de Roma. Ele ainda não conhece essa comunidade, mas sabe que dentro dela existe uma grande tensão. A

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

EXISTE O INFERNO? Introdução

EXISTE O INFERNO? Introdução EVANGELISMO PESSOAL EXISTE O INFERNO 1 EXISTE O INFERNO? Introdução A. Um dos temas religiosos mais carregados de emoção é o tema do Inferno. Que sucede depois da morte física? Há algo mais além do túmulo

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS.

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. CLáudia Mônica dos Santos RESUMO: Esse estudo tem por objetivo conhecer como a prática profissional vem

Leia mais

Revista Linguasagem 15 Edição / www.letras.ufscar.br/linguasagem

Revista Linguasagem 15 Edição / www.letras.ufscar.br/linguasagem Revista Linguasagem 15 Edição / www.letras.ufscar.br/linguasagem A FRAGMENTAÇÃO E O REDUCIONISMO DO SABER: A DESESTRUTURAÇÃO DO CIENTISTA CRÍTICO E REFLEXIVO Lafity dos Santos Silva 1 Como definirmos o

Leia mais

A n é s i o R o d r i g u e s

A n é s i o R o d r i g u e s A n é s i o R o d r i g u e s 1 Pedro 2:9-17 Os Judaizantes de Hoje Eu me recuso a rejeitar a graça de Deus. Pois, se é por meio da lei que as pessoas são aceitas por Deus, então a morte de Cristo não

Leia mais

Humilhação e exaltação de Jesus Cristo

Humilhação e exaltação de Jesus Cristo Igreja Nova Apostólica Internacional Humilhação e exaltação de Jesus Cristo No início das explanações relacionadas com a humilhação e exaltação de Jesus Cristo, é tratada a verdadeira encarnação de Deus

Leia mais

RACIONALIDADE E ESPIRITUALIDADE: TENSÕES

RACIONALIDADE E ESPIRITUALIDADE: TENSÕES RACIONALIDADE E ESPIRITUALIDADE: TENSÕES SOLOMON, Robert C. Espiritualidade para céticos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. Anaxsuell Fernando da Silva 1 1 É doutorando em Ciências Sociais

Leia mais

DIALÉTICA DE HEGEL A MARX

DIALÉTICA DE HEGEL A MARX Gregório Henrique Silva Duarte Graduando em Ciências Sociais - UFCG Resumo: O objetivo do presente trabalho, é abordar as mais abrangentes perspectivas filosóficas que se propõe a utilizar o método dialético,

Leia mais

Cinco ensinamentos da Páscoa para nossa vida pessoal

Cinco ensinamentos da Páscoa para nossa vida pessoal Cinco ensinamentos da Páscoa para nossa vida pessoal Contribuição de Pr. Oswaldo F Gomes 12 de abril de 2009 igrejabatistaagape.org.br Cinco ensinamentos da Páscoa para nossa vida pessoal. A celebração

Leia mais

Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até mesmo aqueles que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém.

Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até mesmo aqueles que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém. Eis que vem com as nuvens, e todo olho o verá, até mesmo aqueles que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém. (Apocalipse 1:7) A Bíblia inteira focaliza o futuro.

Leia mais

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer.

Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. CAPITULO 3 Ele não é o Homem que eu pensei que era. Ele é como é. Não se julga um Homem pela sua aparência.. Tudo tem um tempo. Uma hora para nascer e uma hora para morrer. Eu costumava saber como encontrar

Leia mais

FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36

FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36 FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36 Tendo, pois, Davi servido ao propósito de Deus em sua geração, adormeceu, foi sepultado com os seus antepassados e seu corpo se decompôs. Não são todos que têm o privilégio

Leia mais

1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial. (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar)

1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial. (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar) INICIAÇÃO À ATIVIDADE FILOSÓFICA 1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar) As primeiras perguntas de qualquer estudante, ao iniciar o seu estudo

Leia mais

José Carlos Piacente Júnior * FIDES REFORMATA XV, Nº 1 (2010): 129-133

José Carlos Piacente Júnior * FIDES REFORMATA XV, Nº 1 (2010): 129-133 FIDES REFORMATA XV, Nº 1 (2010): 129-133 Resenha José Carlos Piacente Júnior * DOOYEWEERD, Herman. No crepúsculo do pensamento ocidental: estudos sobre a pretensa autonomia do pensamento filosófico. Trad.

Leia mais