O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo"

Transcrição

1 1 O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA Cassio Donizete Marques 1 Resumo Hegel é considerado um dos pensadores mais complexos de toda a história da filosofia. Seu pensamento estabelece, senão uma ruptura total com toda a filosofia anterior, um novo marco para a filosofia que viria pós Hegel. Muitos temas são tratados por ele, mas pode-se afirmar que todos eles estão ligados a dois pontos centrais de seu pensamento: a construção de um sistema e a sua dialética. Este sucinto artigo busca apontar as principais características do sistema e da dialética hegeliana sem, no entanto, ter a pretensão de esgotar o assunto que vem sendo objeto de pesquisa nas últimas décadas, por parte de um grande número de estudiosos do pensamento hegeliano. Palavras-chave: sistema - dialética - história 1. A construção de um sistema Georg Wilhelm Friedrich Hegel nasceu em Stuttgart, a 27 de agosto de 1770 e faleceu em 1831 em Berlim, acometido de cólera. Pode-se afirmar que Hegel é o pensador que conseguiu fechar toda uma tradição de pensamento que se inicia na Idade Moderna, bem como servir de marco para uma nova caminhada e método de reflexão filosófica. Hegel foi influenciado por alguns pensadores que o antecederam, mas pode-se dizer que quase todos os pensadores que o sucederam, de forma direta ou indireta, sofreram a influência de seu pensamento. Ele se tornou um dos filósofos mais polêmicos, debatido e muitas vezes um dos menos compreendido em toda história da filosofia. 1 Graduado e mestre em Filosofia pela PUC Campinas e doutor em Filosofia da Educação pela Unicamp. Professor do Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio CEUNSP de Itu e Salto e do Colégio Sagrada Família de Salto.

2 2 É difícil falar de Hegel sem falar de um acontecimento que mudou o rumo de praticamente toda história da humanidade e, o qual, não poderia ter deixado de influenciá-lo. A revolução francesa (1789) e seus ideais estão presentes de forma marcante na vida dos jovens da época e Hegel os vivenciou profundamente. Os ideais de liberdade, igualdade e fraternidade proclamados pela revolução francesa. Hegel lia apaixonadamente os jornais franceses. Para ele a revolução é a realização do modelo da liberdade humana que começava a iluminar a realidade alemã, ainda marcada pelo feudalismo, despedaçada politicamente e religiosamente. A revolução se torna antítese dessa realidade. O mundo propriamente humano, obra da razão, se está a criar (GARAUDY, 1971). Os intelectuais alemães, idealistas, devem buscar oferecer uma resposta que supere a diferença entre os ideais da revolução e a realidade alemã. Hegel realiza um movimento filosófico que busca libertar o homem, tornando-o sujeito autônomo e capaz de dirigir seu próprio desenvolvimento. A influência marcante da revolução francesa em sua vida faz com que Hegel coloque a história como mediação privilegiada na construção de seu sistema. Todo pensamento de Hegel é perpassado pela história, ela é a exaltação da liberdade. Não há mais uma separação entre história e ciência e assim é possível reconciliar o homem consigo mesmo. Hegel vai buscar reconhecer nas instituições e nas coisas a marca do homem, a obra do espírito, a alma que arrasta a realidade no seu movimento. É o fim de um mundo e o nascimento de outro (GARAUDY, 1971, p. 8). É o drama do mundo onde as contradições exigem uma solução. É a infelicidade presente como momento negativo de sua dialética. É a luta entre a vontade geral e os interesses privados que levam Hegel a buscar na história explicações para os conflitos. Após a sucinta colocação acima sobre a importância da história para o pensamento hegeliano, faz-se oportuno apresentar as duas correntes filosóficas que, influenciaram profundamente todo pensamento moderno e não poderia deixar de influenciar o pensamento de Hegel. Hegel tem diante de si duas fortes correntes filosóficas. De um lado o empirismo inglês, que tem sua expressão máxima em Hume, defendendo a supremacia da experiência sobre a razão e do fato como critério último da

3 3 verdade. Hegel verifica que este empirismo limita o homem à ordem das coisas, segundo ele, a ênfase deve ser dada à razão, pois esta não limita o homem, mas sim o liberta. De outro lado o kantismo que defende a impossibilidade de conhecer a coisa-em-si (noumeno) o que para Hegel limitaria a capacidade da razão, passando a existir uma divisão do mundo em duas partes, subjetivo e objetivo, pensamento e existência. O homem deve trazer esses dois momentos para a razão, para que sejam unificados (ANDERY, 1988) É importante mencionar também a influência de Descartes. Hegel o considera herói da filosofia moderna ao buscar na razão a fonte de todas as coisas, onde a realidade objetiva está contida. Porém, em Descartes ainda não existe a adequação total entre real e racional e seu pensamento, segundo Hegel, é abstrato e não consegue adquirir um conteúdo concreto sem recorrer à experiência. A realidade e o verdadeiro não são substâncias, mas sim sujeito, pensamento, espírito. O mundo é também espírito. O finito e o determinado são absolutamente nada, não tem realidade ontológica. Pode-se encontrar no pensamento hegeliano uma aproximação com o pensamento de Platão, porém para Hegel, diferentemente de Platão, o mundo não é nem sombra. A única realidade é o espírito. Este espírito se constrói a partir da participação/mediação no negativo (nada), este assume um sentido de potência, de energia do pensamento. A realidade se torna atividade, processo, onde o espírito se autogera numa superação constante, é a unidade que se faz através do múltiplo. (REALE e ANTISERI, 1990) Todo pensamento de Hegel se move dentro do espírito absoluto. O que existe é o todo, não existe a parte. A parte só existe quando se integra ao todo algo fora do todo se torna negação do todo, momento antitético por contradição. Como diz Hegel o verdadeiro é o todo. Mas o todo é somente a essência que atinge a completude por meio do seu desenvolvimento. Deve-se dizer do absoluto que ele é essencialmente resultado e que é o que na verdade é, apenas no fim...de vir-de-si mesmo. (1988, p.17)

4 4 Todo este conhecimento do real passa por três momentos: o do imediato ou universal abstrato; o da sua negação que é reflexão e mediação, e o da totalidade concreta que supera e ao mesmo tempo contém/conserva. Esse desenvolvimento se dá não de forma linear, mas dentro de uma circularidade Esse círculo do absoluto é marcado por três momentos: o em-si (ideia), o forade-si (natureza) e o retorno-a-si (espírito). Isso torna compreensível a tríplice distinção da filosofia hegeliana: Lógica, Filosofia da Natureza e Filosofia do Espírito. Hegel assume uma posição panlogista, onde o Espírito domina o único ser é igual ao pensamento/espírito. Nesse sentido, Deus é o Espírito infinito. A única realidade é Deus, mas ele precisa do calvário da história para que possa se descobrir, passando pelos três momentos: negação/alienação no finito que se apresenta como ideia; exteriorização na natureza e volta a sim próprio como Espírito. A evolução do espírito absoluto coincide assim com a história do espírito humano, ambos possuem em comum o que é, em si e para si. Abbagnano (1970) afirma que o sistema hegeliano se encerra na existência de uma autoconsciência absoluta que será chamada, pelos partidários de Hegel, também Espíritos, Conceito puro, Consciência absoluta, Superalma. Enfim, a construção do sistema hegeliano se dá num movimento dialético constante, entendido aqui como síntese dos opostos. O todo já está presente desde o início e acompanha todo processo de desdobramento do espírito ao longo da história até a retomada da razão absoluta. 2. A dialética Na Grécia antiga, a palavra dialética aparece como substantivo, significando palavra, discurso, razão, ou melhor, arte da palavra, arte da discussão, que convence e leva à compreensão. Tem como característica a organização de um sistema coerente, com fundamento lógico, a distinção entre o verdadeiro e o falso nas afirmações dos outros. Ela vem ao longo dos tempos assumindo diversos sentidos e mantém o princípio de não-contradição até Hegel (FOULQUIÉ, 1978). Nicola Abbagnano em seu dicionário de filosofia assim afirma

5 5 Esse termo, que deriva o seu nome do diálogo, não foi empregado, na história da filosofia com um significado unívoco, que possa determinar-se e esclarecer-se uma vez por todas; mas recebeu significados diferentes, diferentemente aparentados entre si e não redutíveis uns aos outros ou a um significado comum (1970, p. 252,) Hegel busca em Heráclito de Éfeso a dialética como estrutura da realidade e do pensamento, contradição. Em Aristóteles ele verifica a preocupação com o movimento das coisas e que estas estão num constante vir-a-ser, entendido como passagem de potência para ato. A dialética assume em Hegel o ponto central de seu pensamento e está presente, influenciando, de forma diversa, a nossa posição frente à realidade, uma vez que este método foi incorporado no pensamento de diversos outros pensadores e correntes filosóficas, entre elas o marxismo e o existencialismo. De certa forma toda filosofia de Hegel é dialética uma vez que sua filosofia é uma filosofia do devir e essencialmente racionalista todo racional é real e todo real é racional. Na Fenomenologia do Espírito Hegel diferencia a sua dialética da de Platão ao afirmar que o espírito só conquista a sua verdade encontrando-se a si próprio na dilaceração absoluta. Penso ser esta colocação a base da dialética hegeliana. Todo sistema filosófico de Hegel é construído de tal forma onde a dialética expressa o movimento constante e complexo a que está submetida toda realidade que assume em seu sistema uma posição negativa. Essa negatividade vem da natureza, do mundo objetivo e é a matriz do processo de transformação contínua de toda a realidade. A concepção do real é estritamente monista, uma vez que não há distinção entre o pensamento absoluto e o ser absoluto. O ser é negado no pensamento, tornando-se nada. Souza (1986, p. 11) afirma que a intermediação do negativo em termos de contradição cuja superação constantemente se impõe garante, portanto, o dinamismo do processo dialético A morte do Espírito é o processo que o mesmo deve passar para voltar a si mesmo, processo de contradição. A identidade é a simples determinação do imediato do ser. A contradição é necessária, pois esta é a raiz de todo movimento, é ela que dá a impulsão e a atividade.

6 6 Na dialética, a razão se reconhece na realidade que surge a ela como estranha, e ao mesmo tempo esta realidade se concilia consigo mesma, superando as diferenças, as divisões. Nesse sentido ela passa a ser a conciliação dos contrários, a síntese dos opostos. Toda dialética hegeliana se desenvolve dentro do grande movimento triático. O primeiro momento desse movimento é a tese, o ser é, momento de afirmação, essa identidade inicial do ser manifesta algo de vazio, de negatividade, de não idêntico. O segundo momento é a negação ou antítese, o ser não é, é o momento de exteriorização do ser na natureza, nas coisas físicas/orgânicas. É neste momento que se começa a apreender aquilo que a coisa é. A contradição está implícita na tese, e a antítese a explicita. O terceiro momento é o da síntese, Espírito, que se apresenta como reinteriorização do mundo exterior pelo ser. Todos os momentos ser, natureza e Espírito tem em-si sua negação e superação (FOULQUIÉ, 1978) Tem-se na dialética hegeliana um esforço constante de totalização que não se apresenta sob a mera forma de acumulação ou de somatória, mas é um todo vivo, um todo em desenvolvimento que abraça o histórico num movimento constante de devir, uma totalização em curso, ela é o superior movimento racional. Movimento não só gnosiológico ou epistemológico, mas também ontológico, pois visa apreender a própria estrutura da realidade. (MOURA, 1977). Considerações finais Este sucinto trabalho apresentou alguns dos aspectos centrais do pensamento de Hegel. Pensador que se apresenta como construtor do grande e último sistema. Apesar de muitos estudos sobre o seu pensamento, longe se está de esgotar toda riqueza nele contido. A construção de seu sistema, concretizado no Espírito Absoluto, expressa o ponto mais alto de seu pensamento. Cabe procurar, a partir do estudo de seus textos, interpretar o seu pensamento e assim ter em mãos uma fonte rica de reflexão que muito nos ajuda a compreender a própria filosofia e a interpretá-la no nosso presente, tendo sempre em vista as suas limitações e a própria dificuldade de adequação de seu sistema fora do todo de seu pensamento.

7 7 Referências ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. Trad. Alfredo Bosi. SP: Mestre Jou, 1970 ANDERY, Maria Amália (org.) Para compreender a ciência. RJ: Espaço e Tempo e EDUC, 1988 FOULQUIÉ, Paul. A dialética. Trad. Luis A. Caeiro. 3. ed. Publicações Europa- América (coleção saber) GARAUDY, Roger. O pensamento de Hegel. Trad. Maria Tacke Lisboa. Moraes Editores, 1971 HEGEL, Georg W Friedrich. Os pensadores. Trad. Henrique Claudio de L. Vaz e Antonio Pinto de Carvalho. 4 ed. SP: Nova Cultural, 1988 HEGEL, Georg W. Friedrich. Fenomenologia do espírito. trad. Paulo Meneses. Petrópolis, RJ: Vozes, HEGEL, Georg W. Friedrich. Princípio de filosofia do direito. Trad. Orlando Vitorino. Lisboa: Guimarães Editores, 1990 MOURA, José Barata. Totalidade e contradição: acerca da dialética. Lisboa, Livros Horizonte, 1977 (coleção Razão e Diálogo) REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. História da filosofia. SP: Paulinas, v. III (Coleção filosofia). SOUZA, Francisco de Paula. Dialética a grande mistificação. In Revista Reflexão. Instituto de Filosofia Puccamp. Ano XI nº 36

SUMÁRIO PARA UMA INTRODUÇÃO AO CAMINHAR COM HEGEL

SUMÁRIO PARA UMA INTRODUÇÃO AO CAMINHAR COM HEGEL SUMÁRIO PREFÁCIO Prof. Dr. Alfredo de Oliveira Moraes......11 APRESENTAÇÃO 15 PARA UMA INTRODUÇÃO AO CAMINHAR COM HEGEL A DIALÉTICA HEGELIANA Marcelo Maciel Ramos 21 1 Apresentação 21 2 Lógica e Ontologia

Leia mais

REMEMORAÇÃO E DIALÉTICA (INFLUÊNCIA HEGELIANA NO PENSAMENTO DE LIMA VAZ)

REMEMORAÇÃO E DIALÉTICA (INFLUÊNCIA HEGELIANA NO PENSAMENTO DE LIMA VAZ) REMEMORAÇÃO E DIALÉTICA (INFLUÊNCIA HEGELIANA NO PENSAMENTO DE LIMA VAZ) *Profa. Ms. Maria Celeste de Sousa Resumo: A filosofia de Lima Vaz é profundamente influenciada por Hegel e os dois conceitos que

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO:

DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: FILOSOFIA PROFESSOR: ENRIQUE MARCATTO DATA: 18/12/2015 VALOR: 20,0 NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ª TURMA: Nº: I N S T R U Ç Õ E S 1. Este trabalho contém

Leia mais

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Laís Leni Oliveira Lima Universidade Federal de Goiás-Campus Jataí laisleni@yahoo.com.br CONSIDERAÇÕES INTRODUTÓRIAS Este

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

A crítica à razão especulativa

A crítica à razão especulativa O PENSAMENTO DE MARX A crítica à razão especulativa Crítica a todas as formas de idealismo Filósofo, economista, homem de ação, foi o criador do socialismo científico e o inspirador da ideologia comunista,

Leia mais

GEOGRAFIA DA RELIGIÃO: RECONSTRUÇÕES TEÓRICAS SOB O

GEOGRAFIA DA RELIGIÃO: RECONSTRUÇÕES TEÓRICAS SOB O GEOGRAFIA DA RELIGIÃO: RECONSTRUÇÕES TEÓRICAS SOB O IDEALISMO CRÍTICO. Sylvio Fausto GIL FILHO 1 I - SOBRE A GEOGRAFIA DA RELIGIÃO O presente ensaio visa apresentar possibilidades analíticas para uma Geografia

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009.

RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. caderno ufs - filosofia RESENHA: PAULA, MARCIO GIMENES DE. INDIVÍDUO E COMUNIDADE NA FILOSOFIA DE KIERKEGAARD. PAULUS/MACKENZIE, SÃO PAULO, 2009. Jadson Teles Silva Graduando em Filosofia UFS Indivíduo

Leia mais

A superação da relação externa entre o pensamento. e seu conteúdo na Lógica da Essência

A superação da relação externa entre o pensamento. e seu conteúdo na Lógica da Essência A superação da relação externa entre o pensamento e seu conteúdo na Lógica da Essência Prof. Dr. Christian Klotz, UFG, GT Hegel, ANPOF 2012. Palavras-chave: Essência, Reflexão, Externalidade, Hegel, McDowell.

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

DIALÉTICA DE HEGEL A MARX

DIALÉTICA DE HEGEL A MARX Gregório Henrique Silva Duarte Graduando em Ciências Sociais - UFCG Resumo: O objetivo do presente trabalho, é abordar as mais abrangentes perspectivas filosóficas que se propõe a utilizar o método dialético,

Leia mais

Antropologia, História e Filosofia

Antropologia, História e Filosofia Antropologia, História e Filosofia Breve história do pensamento acerca do homem Um voo panorâmico na história ocidental Cosmológicos 1. Embora o objeto não seja propriamente o homem já encontramos indícios

Leia mais

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência.

A) o dualismo ontológico é uma impossibilidade, enquanto o mundo sensível traz em si a causa da sua própria existência. QUESTÃO 01 Em Platão, as questões metafísicas mais importantes e a possibilidade de serem solucionadas estão vinculadas aos grandes problemas da geração, da corrupção e do ser das coisas. Para Platão,

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

De resto, para Marx, 3 SOUSA, Maria Carmelita Homem de, "Os Manuscritos de 1844 de Karl Marx", Revista Portuguesa de

De resto, para Marx, 3 SOUSA, Maria Carmelita Homem de, Os Manuscritos de 1844 de Karl Marx, Revista Portuguesa de Karl Heinrich Marx (1818 1883) e Friedrich Engels (1820 1895), foram filósofos, historiadores, economistas e políticos alemães, criadores de uma importante corrente de pensamento que visava a transformação

Leia mais

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política ////////////////////////// Ficha de Leitura * ////////////////////////// MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política Introdução [À Crítica da Economia Política] Prefácio [Para a Crítica da Economia

Leia mais

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO

TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX RESUMO TEORIA SOCIAL CLÁSSICA E MODERNIDADE: REFLEXÃO À LUZ DE KARL MARX Iara Barbosa de Sousa 1 RESUMO A presente reflexão tem enfoque no debate acerca de um clássico autor nas Ciências Sociais e sua relação

Leia mais

ILUMINISMO/ LIBERALISMO. Regimes Absolutistas. Revolução Francesa. História da Educação. Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa

ILUMINISMO/ LIBERALISMO. Regimes Absolutistas. Revolução Francesa. História da Educação. Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa ILUMINISMO/ LIBERALISMO Regimes Absolutistas Revolução Francesa Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa A palavra Iluminismo vem de luz e se refere à capacidade que a razão tem de tudo iluminar. A razão,

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI

PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI PALAVRAS-CHAVE: GRAMSCI; SOCIEDADE CIVIL; HEGEMONIA A SOCIEDADE CIVIL EM GRAMSCI Introdução O pensamento político moderno, de Hobbes a Hegel, caracteriza-se pela tendência a considerar o Estado ou sociedade

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira

Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira Dança, Samba e Performance Denise Mancebo Zenicola Universidade Estácio de Sá Palavras-chave: Performance, Dança, Samba de Gafieira A performance abrange a idéia de prática corporal como transmissão de

Leia mais

A dialética em Marx. Data de recepção: 28/03/2014 Data de aprovação: 15/05/2014

A dialética em Marx. Data de recepção: 28/03/2014 Data de aprovação: 15/05/2014 A dialética em Marx Francisco Antonio de Vasconcelos EU-Piauí Doutor em Educação Universidad de la Empresa (reconhecido pela Universidade Federal de Uberlândia). E-mail: franciscoantonio_vasconcelos@yahoo.com.br

Leia mais

SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO a sociedade e o indivíduo 1 Suemy Yukizaki

SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO a sociedade e o indivíduo 1 Suemy Yukizaki SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO a sociedade e o indivíduo 1 Suemy Yukizaki A concepção de sujeito com todas as implicações que decorrem dela e das quais somos herdeiros seguindo a tradição filosófica do Ocidente

Leia mais

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre.

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre. PLANO DE AULA ÁREA: Ética TEMA: Existencialismo HISTÓRIA DA FILOSOFIA: Contemporânea INTERDISCIPLINARIDADE: Psicologia DURAÇÃO: 4 aulas de 50 cada AUTORIA: Angélica Silva Costa OBJETIVOS: Refletir sobre

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI Resumo AREND, Catia Alire Rodrigues UTP catiarend@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da

Leia mais

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels

A ideologia alemã. Karl Marx e Friedrich Engels A ideologia alemã Karl Marx e Friedrich Engels Percurso Karl Marx (1817-1883) Filho de advogado iluminista Formou-se em Direito, Filosofia e História pela Universidade de Berlim; não seguiu carreira acadêmica

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

GOULART *, Nelson PUCPR nelsongoulart@hotmail.com

GOULART *, Nelson PUCPR nelsongoulart@hotmail.com O EDUCADOR FILÓSOFO: DE COMO SAVIANI E MORAN DEMONSTRAM QUE A FILOSOFIA É A LIGAÇÃO NECESSÁRIA ENTRE AS DIVERSAS DISCIPLINAS, HUMANIZANDO E SENDO PONTE ENTRE O DENTRO E O FORA, ENTRE O SINGULAR E O COMPLEXO

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

O FILOSOFAR DENTRO DA SALA DE AULA: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

O FILOSOFAR DENTRO DA SALA DE AULA: CAMINHOS E POSSIBILIDADES Rodrigo Barboza dos Santos O FILOSOFAR DENTRO DA SALA DE AULA: CAMINHOS E POSSIBILIDADES Introdução Quando se fala em Filosofia, algumas reações são imediatamente notadas. Alguns acreditam ser algo difícil

Leia mais

Quando vemos o mundo de forma diferente, nosso mundo fica diferente.

Quando vemos o mundo de forma diferente, nosso mundo fica diferente. BOLETIM TÉCNICO JULHO 2015 Quando vemos o mundo de forma diferente, nosso mundo fica diferente. Segundo a Psicologia atual ajudada pela compreensão do mundo real que nos trouxe a Física moderna, nós, seres

Leia mais

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 1º Ano do Ensino Médio

As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 1º Ano do Ensino Médio As provas da existência de Deus: Tomás de Aquino e o estabelecimento racional da fé. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira 1º Ano do Ensino Médio Tomás de Aquino (1221-1274) Tomás de Aquino - Tommaso d Aquino

Leia mais

A Filosofia Da Práxis Enquanto Perspectiva Filosófica Para O Ensino Médio.

A Filosofia Da Práxis Enquanto Perspectiva Filosófica Para O Ensino Médio. A Filosofia Da Práxis Enquanto Perspectiva Filosófica Para O Ensino Médio. Barbara White 1 Resumo O texto tem como proposta apresentar a influência de Marx no pensamento de Antonio Gramsci a partir da

Leia mais

O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO.

O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO. O ESTATUTO ONTOLÓGICO EM LUKÁCS: A CENTRALIDADE DA CATEGORIA TRABALHO. Marcelo Lira Silva Tentarei neste breve ensaio levantar alguns aspectos da construção gnósioontológico de um dos pensadores marxistas

Leia mais

Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal?

Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal? Liberdade e democracia: agenda socialista ou liberal? Introdução: Maria Mello de Malta 1 Em toda parte parece se defender a liberdade e a democracia. Fazem-se passeatas, manifestações políticas e até guerras

Leia mais

CRISTO E SCHOPENHAUER: DO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO À COMPAIXÃO COMO FUNDAMENTO DA MORAL MODERNA

CRISTO E SCHOPENHAUER: DO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO À COMPAIXÃO COMO FUNDAMENTO DA MORAL MODERNA CRISTO E SCHOPENHAUER: DO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO À COMPAIXÃO COMO FUNDAMENTO DA MORAL MODERNA JÉSSICA LUIZA S. PONTES ZARANZA 1 WELLINGTON ZARANZA ARRUDA 2 1 Mestranda em Filosofia pela Universidade

Leia mais

Reflexões acerca do contrato social e da fundação da modernidade

Reflexões acerca do contrato social e da fundação da modernidade Reflexões acerca do contrato social e da fundação da modernidade Paulo Jorge dos Santos Fleury * A consolidação da hegemonia do sistema liberal-democrático, sob a égide de um modelo de regulação/acumulação

Leia mais

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão

Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Trabalho Produtivo e Improdutivo: o cerne da questão Gustavo Henrique Lopes Machado Vimos nos dois artigos iniciais desta série o conceito preciso de mercadoria, assim como dos ditos serviços. Sendo que,

Leia mais

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é

cultural e identitária específica que tem sido atribuída à Comunidade Surda. Também é OS SURDOS : SUJEITOS DE UMA CULTURA PRÓPRIA NUM ESPAÇO MULTICULTURAL? Valéria Simplício 1 (Faculdade São Luís de França) RESUMO O presente trabalho procura fazer uma reflexão acerca da relação entre a

Leia mais

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Filosofia

CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Filosofia CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 3.355 de 05/12/02 DOU de 06/12/02 Componente Curricular: Filosofia Código: DIR-112 Pré-requisito: Filosofia Geral Período Letivo: 2013.2 Professor: Ana Paula

Leia mais

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO Hélio de Moraes e Marques 1 Resumo: O ensino da filosofia possui características muito peculiares quanto ao seu método. Refiro-me à exposição pelo professor

Leia mais

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia

O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia O papel da dúvida na filosofia cartesiana: a interpretação hegeliana sobre Descartes nas Lições sobre História da Filosofia Carlos Gustavo Monteiro Cherri Mestrando em Filosofia pela UFSCar gucherri@yahoo.com.br

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 3 - A ANTROPOLOGIA COMO FUNDAMENTO DA PEDAGOGIA. Para Edith Stein existe uma profunda relação entre os termos metafísica, antropologia e pedagogia

Leia mais

Democracia ou Socialismo? Resumo

Democracia ou Socialismo? Resumo 1 Democracia ou Socialismo? Estudantes de graduação do 6 o. período do curso de História da UFV 1 Gustavo Bianch, Paulo Santana, Bolívar Dias Jr., Carlos Henrique de Oliveira, Luiz Fernando Lopes, João

Leia mais

IX SEMANA ACADÊMICA DE

IX SEMANA ACADÊMICA DE PROBLEMAS FILOSÓF ICOS DA CONTEMPORANEIDADE Filosofia e cinema: Metodologia de prática pedagógica em Filosofia na Educação Superior Dennis Donato Piasecki - UNICENTRO O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Revista HISTEDBR On-line

Revista HISTEDBR On-line do livro: PAIVA, Angela Randolfho. Católico, Protestante, Cidadão: uma comparação entre Brasil e Estados Unidos. Belo Horizonte: UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ, 2003. 286 p. por Cézar Alencar Arnaud de Toledo

Leia mais

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883)

Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) Karl Marx e o materialismo histórico e dialético (1818-1883) O pensamento de Marx: Proposta: entender o sistema capitalista e modificá-lo [...] (COSTA, 2008, p.100). Obra sobre o capitalismo: O capital.

Leia mais

A Alienação (Karl Marx)

A Alienação (Karl Marx) A Alienação (Karl Marx) Joana Roberto FBAUL, 2006 Sumário Introdução... 1 Desenvolvimento... 1 1. A alienação do trabalho... 1 2. O Fenómeno da Materialização / Objectivação... 2 3. Uma terceira deterninação

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE E A FORMAÇÃO HUMANA NO CONTEXTO DA SALA DE AULA

O TRABALHO DOCENTE E A FORMAÇÃO HUMANA NO CONTEXTO DA SALA DE AULA O TRABALHO DOCENTE E A FORMAÇÃO HUMANA NO CONTEXTO DA SALA DE AULA Resumo BELADELLI, Ediana Maria Noatto 1 - CTESOP ORO, Maria Consoladora Parisotto 2 - CTESOP BASTOS, Carmem Célia Barradas Correia 3 -

Leia mais

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu

A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Ano III Número 08 OUT-DEZ ISSN: 2178-2008 A Necessidade da Vigilância Epistemológica em Pierre Bordieu Gustavo Javier Castro Silva 1 Para Pierre Bourdieu, a sociologia tem uma vocação para criticar todos

Leia mais

FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E METODOLOGIA DE ENSINO EM COMENIUS

FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E METODOLOGIA DE ENSINO EM COMENIUS FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E METODOLOGIA DE ENSINO EM COMENIUS Ursula Rosa da Silva 1 Resumo: Este trabalho vai ao encontro da proposta de temática deste seminário de pensar novas alternativas provenientes da

Leia mais

Oratória LUIZ ANTONIO MANGIAVACCHI 1 MIRIAN VICENTE 2 CENTRO UNIVERSITÁRIO NOSSA SENHORA DO PATROCÍNIO

Oratória LUIZ ANTONIO MANGIAVACCHI 1 MIRIAN VICENTE 2 CENTRO UNIVERSITÁRIO NOSSA SENHORA DO PATROCÍNIO Oratória LUIZ ANTONIO MANGIAVACCHI 1 MIRIAN VICENTE 2 CENTRO UNIVERSITÁRIO NOSSA SENHORA DO PATROCÍNIO RESUMO: O objetivo deste trabalho é conscientizar o estudante de Direto da importância de se iniciar

Leia mais

A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NO PROCESSO DE FORMAÇÃO INICIAL: NA PRÁTICA, A TEORIA É OUTRA?

A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NO PROCESSO DE FORMAÇÃO INICIAL: NA PRÁTICA, A TEORIA É OUTRA? A PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR NO PROCESSO DE FORMAÇÃO INICIAL: NA PRÁTICA, A TEORIA É OUTRA? Alessandro Tomaz Barbosa (Bolsista PROLICEN/PRG/UFPB Programa de Pós-Graduação em Educação Científica

Leia mais

A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte

A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte A Teoria Educacional de Paulo Freire: suas influências e seu horizonte pereiradirlei@gmail.com Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. Paulo Freire (2000, p.

Leia mais

Considerando esse documento, a política da educação deve alcançar dois objetivos. São eles:

Considerando esse documento, a política da educação deve alcançar dois objetivos. São eles: 8 PROVADECONHECIMENTOSPEDAGÓGICOS Cargos89a99 QUESTÃO 11 O relatório Delors considera que a educação é um bem coletivo que deve ser acessível a todos e não pode ser objeto de uma simples regulação do mercado.

Leia mais

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS

I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS I OS GRANDES SISTEMAS METAFÍSICOS A principal preocupação de Descartes, diante de uma tradição escolástica em que as espécies eram concebidas como entidades semimateriais, semi-espirituais, é separar com

Leia mais

ENTReVISTA COM ENRIQUe DUSSeL

ENTReVISTA COM ENRIQUe DUSSeL ENTReVISTA COM ENRIQUe DUSSeL Bruno Cortinove* Por conta do I Congresso Brasileiro de Filosofia da Libertação juntamente com o I Simpósio de Professores de Filosofia e Filósofos do Estado de São Paulo

Leia mais

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista

O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista O Filme Matrix, Segundo a Teoria Marxista Fabíola dos Santos Cerqueira O homem tem de viver em dois mundos que se contradizem (...) O espirito afirma o seu direito e a sua dignidade perante a anarquia

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

O MÉTODO ESCOLÁSTICO EM TOMÁS DE AQUINO: UM ESTUDO NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

O MÉTODO ESCOLÁSTICO EM TOMÁS DE AQUINO: UM ESTUDO NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO O MÉTODO ESCOLÁSTICO EM TOMÁS DE AQUINO: UM ESTUDO NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO SANTIN, Rafael Henrique (PIBIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO Neste texto pretendemos analisar o método escolástico

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

A TEORIA DA CORRESPONDÊNCIA COMO MEIO DE SE CHEGAR À VERDADE (2012) 1

A TEORIA DA CORRESPONDÊNCIA COMO MEIO DE SE CHEGAR À VERDADE (2012) 1 A TEORIA DA CORRESPONDÊNCIA COMO MEIO DE SE CHEGAR À VERDADE (2012) 1 SIQUEIRA, Grégori Lopes 2 ; SILVA, Mitieli Seixas da 3 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA. 2 Acadêmico do Curso de Filosofia do Centro

Leia mais

Trabalho, logo existo!

Trabalho, logo existo! Trabalho, logo existo! Maurício Santos da Luz Graduando em filosofia pela Unioeste Introdução A filosofia se debateu durante muitos séculos, e ainda se debate, para responder a seguinte questão: de onde

Leia mais

Título: A estrutura psicológica do espírito segundo Hegel

Título: A estrutura psicológica do espírito segundo Hegel Título: A estrutura psicológica do espírito segundo Hegel Versão parcial primeira versão Marly Carvalho Soares Resumo: A escolha da análise da estrutura psicológica do espírito se deu a partir da curiosidade

Leia mais

Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia

Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia Construção, desconstrução e reconstrução do ídolo: discurso, imaginário e mídia Hulda Gomides OLIVEIRA. Elza Kioko Nakayama Nenoki do COUTO. Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Letras. huldinha_net@hotmail.com

Leia mais

Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br

Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br Oficinas para Atividades com Grupos Informações pelo e-mail: erich.franco@ibecscomunidadeetica.org.br I - OBJETO DO TRABALHO: 1. Analisar as principais questões metodológicas dos processos grupais, a partir

Leia mais

Três Teses sobre a Docência

Três Teses sobre a Docência Três Teses sobre a Docência Wilson Correia * Introdução O fazer e o sofrer a educação formal, em todos seus níveis, parecem colocar para professor e aluno o desafio que é o de entenderem as facetas ética,

Leia mais

Revista Linguasagem 15 Edição / www.letras.ufscar.br/linguasagem

Revista Linguasagem 15 Edição / www.letras.ufscar.br/linguasagem Revista Linguasagem 15 Edição / www.letras.ufscar.br/linguasagem A FRAGMENTAÇÃO E O REDUCIONISMO DO SABER: A DESESTRUTURAÇÃO DO CIENTISTA CRÍTICO E REFLEXIVO Lafity dos Santos Silva 1 Como definirmos o

Leia mais

PARECER DOS RECURSOS

PARECER DOS RECURSOS Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual EDITAL Nº 21/2012/SED PARECER DOS RECURSOS CARGO: Professor de Filosofia 11) Sobre a

Leia mais

O EDUCADOR DE JOVENS E ADULTOS COMO AGENTE DO DESENVOLVIMENTO HUMANO

O EDUCADOR DE JOVENS E ADULTOS COMO AGENTE DO DESENVOLVIMENTO HUMANO O EDUCADOR DE JOVENS E ADULTOS COMO AGENTE DO DESENVOLVIMENTO HUMANO Maria Angélica Batista Universidade de Mogi das Cruzes De um modo geral, as pesquisas atuais na área da formação de professores apontam

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO 9. A constituição do Centro de Cultura e Arte Negra 17 O Coral Crioulo, o grupo teatral e o Cecan 22

Sumário INTRODUÇÃO 9. A constituição do Centro de Cultura e Arte Negra 17 O Coral Crioulo, o grupo teatral e o Cecan 22 Sumário INTRODUÇÃO 9 1. A PRIMEIRA FASE DO CECAN (1971-1974) O TEATRO FALANDO POR NÓS 17 A constituição do Centro de Cultura e Arte Negra 17 O Coral Crioulo, o grupo teatral e o Cecan 22 2. A SEGUNDA FASE

Leia mais

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL

ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ARTE E LINGUAGEM UNIVERSAL ANGELO JOSÉ SANGIOVANNI - Professor da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)/CAMPUS II FAP) Email: ajsangiovanni@yahoo.com.br Resumo: A partir da análise da tragédia antiga,

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. AULA: 2.1 Conteúdo: Dogmatismo Ceticismo

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. AULA: 2.1 Conteúdo: Dogmatismo Ceticismo : 2.1 Conteúdo: Dogmatismo Ceticismo : 2.1 Habilidade: Problematizar quais as possibilidades do conhecimento verdadeiro. REVISÃO Conhecimento = Relação SUJEITO e OBJETO Fontes do conhecimento Racionalismo

Leia mais

A natureza no Cárcere: o conceito de natureza na obra de Gramsci

A natureza no Cárcere: o conceito de natureza na obra de Gramsci A natureza no Cárcere: o conceito de natureza na obra de Gramsci Alexandre Reinaldo Protásio * O conceito de Natureza ao longo dos Cadernos do Cárcere (os especiais e miscelâneos) sofreu variações de conteúdo.

Leia mais

AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA

AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA AGOSTINHO, TEMPO E MEMÓRIA Fábio de Araújo Aluno do Curso de Filosofia Universidade Mackenzie Introdução No decorrer da história da filosofia, muitos pensadores falaram e escreveram há cerca do tempo,

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR DIREITOS FUNDAMENTAIS BRUNO PRISINZANO PEREIRA CREADO: Advogado trabalhista e Membro do Conselho Nacional de Pesquisa e Pós- Graduação em Direito. Mestre em direitos sociais e trabalhistas. Graduado em

Leia mais

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

RESENHA. 1. Indentidade da Obra JUNG,C. G. Psicologia e religião oriental. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 1991. RESENHA AGOSTINHO, Márcio Roberto Mestre em Ciências da Religião MACKENZIE SÃO PAULO/SP BRASIL Coordenador do Curso de Psicologia - FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: casteloagostinho@yahoo.com.br 1. Indentidade

Leia mais

MÉSZAROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boi Tempo Editorial, 2006 (Mundo do Trabalho).

MÉSZAROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boi Tempo Editorial, 2006 (Mundo do Trabalho). REVISTA ELETRÔNICA ARMA DA CRÍTICA NÚMERO 4/ DEZEMBRO 2012 ISSN 1984-4735 RESENHA: A EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAPITAL MÉSZAROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boi Tempo Editorial, 2006

Leia mais

"Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida

Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola. Alciane Basílio de Almeida "Sombra e luzes a partir da prática dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loyola". Alciane Basílio de Almeida (Mestre em Psicologia - UCP 2014) Este trabalho tem por objetivo mostrar a relação

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE AS CATEGORIAS TEÓRICAS: IDEOLOGIA, IMAGINÁRIO SOCIAL E MENTALIDADE NA HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO

UM ESTUDO SOBRE AS CATEGORIAS TEÓRICAS: IDEOLOGIA, IMAGINÁRIO SOCIAL E MENTALIDADE NA HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO UM ESTUDO SOBRE AS CATEGORIAS TEÓRICAS: IDEOLOGIA, IMAGINÁRIO SOCIAL E MENTALIDADE NA HISTORIOGRAFIA DA EDUCAÇÃO Angela Maria Souza Martins /UFRJ-UNIRIO Introdução Realizamos essa pesquisa porque percebemos

Leia mais

QUADRO DE EQUIVALENTES, CONTIDAS E SUBSTITUTAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO

QUADRO DE EQUIVALENTES, CONTIDAS E SUBSTITUTAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO 28380 Antropologia Teológica A 1 34 28380 Antropologia Teológica A 1 34 A partir de conceitos teológicos, estimula o aluno a problematizar e analisar, criticamente, Equivalente Estuda a cultura humana,

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

TRÊS CATEGORIAS DE VALORES EM VIKTOR FRANKL

TRÊS CATEGORIAS DE VALORES EM VIKTOR FRANKL TRÊS CATEGORIAS DE VALORES EM VIKTOR FRANKL Eloisa Marques Miguez FEUSP 2º semestre / 2013 Seminários de Estudos em Epistemologia e Didática Coordenação: Nílson José Machado 1 Eu não encontrei uma resposta

Leia mais

O PROBLEMA DA UNIDADE DA APERCEPÇÃO NO IDEALISMO ALEMÃO PÓS-KANTIANO

O PROBLEMA DA UNIDADE DA APERCEPÇÃO NO IDEALISMO ALEMÃO PÓS-KANTIANO O PROBLEMA DA UNIDADE DA APERCEPÇÃO NO IDEALISMO ALEMÃO PÓS-KANTIANO The Problem of Unity of Apperception in German Post-Kantian Idealism Adelar Conceição 1 1 Mestre em Filosofia e doutorando do Programa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE HISTÓRIA NAS ESCOLAS E SUAS IMPLICAÇÕES NA VIDA SOCIAL Alex Silva Costa 1 Resumo O artigo procura analisar o desenvolvimento do ensino da disciplina de História na educação brasileira,

Leia mais

Capítulo 5 Involução e Ignorância. Evolução de matéria vida mente: só seria possível se estes princípios já estivessem involuídos

Capítulo 5 Involução e Ignorância. Evolução de matéria vida mente: só seria possível se estes princípios já estivessem involuídos Uma Introdução à Filosofia de Sri Aurobindo Joan Price 1 Capítulo 5 Involução e Ignorância Evolução de matéria vida mente: só seria possível se estes princípios já estivessem involuídos Ponto de partida

Leia mais

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem...

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem... Sumário Prefácio... 11 Introdução... 13 PARTE I: REALIDADES FABRICADAS... 19 1. Cultura, identidade e surdez... 21 SURDO: DIFERENTE OU DEFICIENTE?... 23 A BUSCA DA IDENTIDADE... 41 REFLEXÕES ACERCA DA

Leia mais

Por Uma Questão de Igualdade

Por Uma Questão de Igualdade Por Uma Questão de Igualdade Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhoras e Senhores membros do Governo Nos últimos 5 anos a Juventude Socialista tem vindo a discutir o direito ao Casamento

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PÓS GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO: CURRÍCULO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PÓS GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO: CURRÍCULO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PÓS GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO: CURRÍCULO ESPIRITUALIDADE E CURRÍCULO, UMA CONEXÃO NA EDUCAÇÃO DO SER MARIA DAS GRAÇAS FERREIRA DE OLIVEIA RESUMO: Esta pesquisa nasce

Leia mais

Principais Sociólogos

Principais Sociólogos Principais Sociólogos 1. (Uncisal 2012) O modo de vestir determina a identidade de grupos sociais, simboliza o poder e comunica o status dos indivíduos. Seu caráter institucional assume grande importância

Leia mais

Educação e Desenvolvimento Social

Educação e Desenvolvimento Social Educação e Desenvolvimento Social Luiz Antonio Cunha Os Princípios Gerais do Liberalismo O liberalismo é um sistema de crenças e convicções, isto é, uma ideologia. Todo sistema de convicções tem como base

Leia mais

DILMA MARIA DE ANDRADE. Título: A Família, seus valores e Counseling

DILMA MARIA DE ANDRADE. Título: A Família, seus valores e Counseling DILMA MARIA DE ANDRADE Título: A Família, seus valores e Counseling Projeto de pesquisa apresentado como Requisito Para obtenção de nota parcial no módulo de Metodologia científica do Curso Cousenling.

Leia mais