VIRTUDES E VÍCIOS EM ARISTÓTELES E TOMÁS DE AQUINO: OPOSIÇÃO E PRUDÊNCIA *

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VIRTUDES E VÍCIOS EM ARISTÓTELES E TOMÁS DE AQUINO: OPOSIÇÃO E PRUDÊNCIA *"

Transcrição

1 VIRTUDES E VÍCIOS EM ARISTÓTELES E TOMÁS DE AQUINO: OPOSIÇÃO E PRUDÊNCIA * Cláudio Henrique da Silva ** Pretendemos, nesta exposição, fazer uma breve reflexão sobre como Aristóteles estabelece o quadro das virtudes e vícios na Ética a Nicômaco 1, à luz do conceito aristotélico de opostos (a contrariedade, em especial) e sobre o papel da prudência na definição das outras virtudes, temas que serão posteriormente retomados por Tomás de Aquino. Não pretendemos aqui tratar exaustivamente desta temática dada a sua extensão e complexiadade, mas dar os primeiros passos no sentido de uma melhor compreensão da posição aristotélica acerca das virtudes e dos vícios, em especial a prudência, e sua relação com a questão dos opostos por ele tratada no Livro Iota da Metafísica 2. * Texto apresentado no IV Colóquio do CPA, Política e Ética na Antigüidade Clássica, em 25/11/98 - IFCH/UNICAMP. ** Graduando em Filosofia, IFCH, UNICAMP e bolsista IC-CNPq/CPA. 1 ARISTÓTELES, Ética a Nicômaco, trad. Leonel Vallandro e Gerd Bornheim, Col Os Pensadores, vol. IV, Ed Abril Cultural, São Paulo, Aristotle s Metaphysics, a revised text with Introduction and Commentary, by W.D.Ross, volume I, Oxford, Clarendon Press, reedição de Boletim do CPA, Campinas, nº 5/6, jan./dez

2 Cláudio Henrique da Silva Toda a filosofia aristotélica é marcada por um forte senso teleológico. No tocante à ética em particular, toda ação humana tende a um fim. O fim é um bem. Todas as ações humanas e todos os fins particulares a que elas correspondem tenderão a um fim último, o bem supremo. Da investigação acerca do bem supremo feita no interior da Ética a Nicômaco conclui-se que homem deve aperfeiçoar-se naquilo que o distingue de todas as outras coisas, isto é, a razão. Ainda que muitos, como aponta Aristóteles 3, julguem que o bem supremo seja o prazer e o gozo, ou a honra, ou juntar riquezas, parece que nenhum deles sozinho o representa completamente. Visar somente o prazer e o gozo nos torna semelhantes aos escravos e aos animais. A honra, por sua vez, depende mais de quem a confere do que daquele que a recebe, não se manifestando como algo que nos seja próprio, mas como algo extrínseco. E, por fim, as riquezas se constituem um meio e não um fim. A partir destas considerações, "a virtude constitui a raiz donde decola a ação conforme o bem, o prazer é o seu acompanhamento natural e a prosperidade a sua condição prévia normal" 4. Aristóteles distingue duas espécies de virtude 5 : a virtude intelectual, que tem como objeto o saber e a contemplação, e a virtude moral, que tem como objeto os atos da vida prática. Enquanto que a virtude intelectual requer experiência e tempo para desenvolver-se, pois vem, via de regra, através do ensino, a virtude moral é adquirida pelo hábito. Diferentemente dos sentidos que já estão presentes em nós desde o início, isto é, os possuímos antes de usá-los, as virtudes são adquiridas pelo exercício. Nos tornamos justos praticando atos justos. 3 Cf. Ética a Nicômaco, I, 5, 1095b 13 a 1096a ROSS, Sir David. Aristóteles. Publicações Dom Quixote, Lisboa, Cf. Ética a Nicômaco, I, 13, 1103a 5 a Boletim do CPA, Campinas, nº 5/6, jan./dez. 1998

3 Virtudes e vícios em Aristóteles e Tomás de Aquino: oposição e prudência Sobre a prática destes atos, Aristóteles indica o caminho da moderação. A falta ou o excesso devem ser evitados. Um sentimento ou uma conduta, sendo deficiente ou excessiva, torna-se um vício. O excesso ou a falta de exercícios levam o corpo à debilidade, assim como o excesso ou a falta de ingestão de alimentos. O mesmo ocorre com as virtudes. No caso da coragem, por exemplo, é covarde aquele que teme a tudo e não faz nada. Isto é um vício por deficiência. Aquele que nada teme e parte de encontro a todos os perigos torna-se temerário. É o vício por excesso 6. Uma pequena lista de virtudes pode ser extraída da Ética a Nicômaco, fornecendo-nos um quadro 7 resumido de vícios por deficiência e por excesso e a virtude correspondente, que está situada entre ambos: Vício por deficiência Virtude Vício por excesso Covardia Coragem Temeridade Insensibilidade Temperança Libertinagem Avareza Liberalidade Esbanjamento Vileza Magnificência Vulgaridade Modéstia Respeito Próprio Vaidade Moleza Prudência Ambição Indiferença Gentileza Irascibilidade Descrédito Próprio Veracidade Orgulho Rusticidade Agudeza de Espírito Zombaria Enfado Amizade Condescendência Desavergonhado Modéstia Timidez Malevolência Justa Indignação Inveja 6 Cf. Ética a Nicômaco, II, 2, 1104a 10 a 1104b 2. 7 ROSS, Sir David. op.citada. p (E.N., 1107a b 10, 1115a b 35). Boletim do CPA, Campinas, nº 5/6, jan./dez

4 Cláudio Henrique da Silva Os sentimentos e paixões tendem ao excesso ou à deficiência. A virtude é a moderação. Está entre dois extremos, entre dois termos opostos. Ambos estão no mesmo gênero. Caso contrário, não haveria passagem, não poderíamos encontrar um termo, a virtude, no meio do caminho dos vícios. Aristóteles nos oferece uma definição mais detalhada sobre este tipo de oposição no Livro Iota da Metafísica. Este livro possui dez capítulos e se estende de 1052a 15 até 1059a 14. Aristóteles, no capítulo primeiro, estuda as significações principais do um. No capítulo segundo estuda a relação complexa entre ser e um. Esta relação aparece como problema filosófico desde o célebre poema de Parmênides e é retomada no diálogo Parmênides de Platão. A partir destes dois capítulos preparatórios a respeito do um e do ser, desenvolve-se a relação do um com a multiplicidade e o conseqüente desdobrar-se de oposições: um e múltiplo, mesmo e outro, semelhante e dissemelhante, contrários, contraditórios, privação, intermediários, perecível e imperecível. Aristóteles apresenta diversos modos de oposição e chama antikéimena (opostos) aos termos relativos um do outro (por ex: dobro e metade), aos termos contrários (enantíon), aos termos contraditórios (antífasis) e aos termos que exprimem a privação (stéresis) e a posse (éxis) de uma mesma característica 8. Em 1055a 4, Aristóteles aponta para uma completa diferença, isto é, a máxima diferença possível: contrariedade. Enquanto as coisas que diferem quanto ao gênero precisam da ponte pela qual se transformam umas em outras 9, os contrários são os extremos a partir dos quais se produz a 8 Cf Metafísica, 1018 a 20-22, e I 1055 a38: Os opostos são: contradição, privação, contrariedade e relação. 9 Cf Metafísica, I, 1054 b23 e ss. 132 Boletim do CPA, Campinas, nº 5/6, jan./dez. 1998

5 Virtudes e vícios em Aristóteles e Tomás de Aquino: oposição e prudência geração entre as coisas que diferem quanto à espécie, e cuja distância entre os extremos é máxima. O máximo em cada gênero é completo 10, de modo que a contrariedade é a máxima, isto é, a diferença completa. Há paralelismo de significado entre contrário e completo: O máximo em cada gênero é perfeito 11. Máximo, diz Aristóteles, é aquele que não pode ser superado e perfeito é aquele que é completo, ou seja, além do qual não se pode conceber mais nada. Uma coisa não pode ter mais que um contrário pois não pode haver algo mais extremo que o extremo. A contrariedade é a diferença entre dois pólos 12. Não é possível forjar uma diferença além do gênero e, além disso, contrárias são as coisas que mais diferem dentro do mesmo gênero. A primeira contrariedade é a posse ou a privação, mas somente a privação completa. Todos os demais contrários são nomeados em conformidade com esta primeira contrariedade; uns porque a possuem, outros porque a produzem ou estão em potência de produzí-la; outros por serem aquisições ou perdas desses ou outros contrários. A contrariedade difere de contradição porque não há um termo médio nesta, mas sim naquela. Sob este aspecto, Aristóteles parece preparar-se neste livro da Metafísica para estabelecer uma relação de contrariedade entre os vícios e, encontrar entre eles, um termo médio, a virtude. A distância entre cada vício, estando ambos no mesmo gênero, é máxima. Um é caracterizado pela privação completa de um sentimento, capacidade ou disposição. É o vício por deficiência. E o outro tem a posse completa. É o vício por excesso. 10 Idem, I, 1055 a Idem, I, 1055 a Idem, I, 1055 a 19. Boletim do CPA, Campinas, nº 5/6, jan./dez

6 Cláudio Henrique da Silva Existe um grau conveniente, um ponto considerado ideal, onde situase a virtude. Não chega a ser exatamente um ponto situado no meio do caminho, surgido de uma divisão aritmética. Se assim o fosse, não nos sentiríamos inclinados a considerar a coragem como sendo o termo contrário da covardia. No entanto, para Aristóteles, a coragem está entre a covardia e a temeridade. É claro que a coragem se encontra mais próxima da temeridade. Ele propõe um justo meio, mesotés 13. A virtude ora está mais próxima do excesso, ora mais próxima da deficiência. Em torno do conceito de mesotés gira toda a moral aristotélica. A questão agora é como chegar a este justo meio. Para isto a prudência parece ter um papel bastante importante. A prudência é uma das quatro virtudes cardeais (prudência ou sabedoria, justiça, coragem e temperança) da Antigüidade e da Idade Média. Não tem hoje o mesmo significado usado por Aristóteles e por São Tomás de Aquino. Ficou reduzida a um aspecto: cautela, cuidado. Quando dizemos que alguém é prudente, pensamos em alguém que age com cuidado e cautela. Mas, em seu significado mais amplo, a prudência é basicamente tomar a decisão certa (risco, cautela) para o momento. Envolve, além do caráter de cuidado, de precaução, uma necessidade de arriscar, de algo que deve ser feito. É também chamada de sabedoria prática. Aristóteles foi o primeiro a distinguir claramente a sabedoria prática (phrónesis) da sabedoria teórica (sophia). A definição de Aristóteles para a prudência (phrónesis) é encontrada no Livro VI, capítulo V da Ética à Nicômaco (1140 a24 até 1140 b31). 13 Cf Ética a Nicômaco, II, 6, 1106a 25 a 1107a Boletim do CPA, Campinas, nº 5/6, jan./dez. 1998

7 Virtudes e vícios em Aristóteles e Tomás de Aquino: oposição e prudência Aristóteles inicia o capítulo V do Livro VI da Ética à Nicômaco, dizendo que se pode fazer uma idéia do que seria a prudência a partir da consideração de quais são os homens que merecem o título de prudentes. Ele aponta para uma marca distintiva do homem prudente (phrónimos): ele é capaz de deliberar e julgar de um modo conveniente sobre as coisas que podem ser boas para ele, não sobre aspectos particulares (como a saúde e o vigor do corpo), mas sobre o que pode contribuir para a sua felicidade, para a vida boa em geral. Para tanto, Aristóteles se utiliza do fato de que chamavam prudente o homem que, em determinado assunto, calculou bem para atingir alguma boa finalidade, sempre com relação à coisas que não dependem da arte 14. A partir disso, Aristóteles apresenta vários argumentos para mostrar que a prudência não pertence à arte nem à ciência. Inicia dizendo que o homem prudente é em geral o que sabe deliberar bem. Acrescenta que ninguém delibera sobre coisas que não mudam e nem sobre coisas que não pode fazer. Ora, temos que a ciência é suscetível de demonstração e que a demonstração não se aplica a coisas que podem mudar. Além disso, não é possível deliberar sobre coisas cuja existência seja necessária. Daí ele conclui que a prudência não é ciência porque aquilo que é objeto da ação pode ser distinto do que ela é, e nem arte porque o gênero a que pertence a produção é diferente daquele a que pertence a ação. Uma vez constatado que a prudência não é arte e nem ciência, Aristóteles passa a indagar se a prudência é uma faculdade que, descobrindo o verdadeiro, age com o auxílio da razão em todas as coisas que são boas ou más para o homem. 14 Aristóteles define arte no capítulo anterior: Logo, como já dissemos, a arte é uma disposição que se ocupa de produzir, envolvendo o reto raciocínio;... (E.N, 1140 a 20). Boletim do CPA, Campinas, nº 5/6, jan./dez

8 Cláudio Henrique da Silva O objeto da produção é sempre diferente da coisa produzida, isto é, o produzir tem uma finalidade diferente de si mesmo. Ao contrário, o objeto da ação é sempre a própria ação, uma vez que o fim a que ela se propõe é unicamente o agir bem. Baseado nisto, Aristóteles toma Péricles e outros homens na mesma condição dele como exemplos de homens prudentes, porque são capazes de ver o que é bom tanto para eles quanto para os homens que eles governam e aponta que esta é a qualidade que se vê nos chefes de família e homens de Estado. Neste ponto Aristóteles comenta que o prazer e a dor não corrompem ou transtornam todas as concepções de nossa inteligência, como por exemplo, se o triângulo tem ou não seus ângulos iguais a dois retos. No entanto, o prazer e a dor podem turbar os princípios a que se referem à ação moral. O princípio da ação moral é sempre a causa final que é visada. O homem atordoado pelo prazer ou pela dor perde de vista essa causa, não sabe mais o que pode ser ou não bom. Aristóteles fala dessa maneira com o intuito de apontar a prudência como necessária a todas as virtudes, uma vez que diz que ela é uma qualidade que, guiada pela verdade e pela razão, determina a nossa conduta sobre as coisas que podem ser boas para o homem. Na arte pode haver graus de virtude ou excelência, mas não na prudência. Aristóteles diz que é preferível que quem erra na arte o faça voluntariamente, o que deve ocorrer de modo contrário em relação à prudência e às virtudes. E isto é claro: quem erra involuntariamente na arte mostra que ainda lhe falta alguma excelência, que falta aprimorar a sua técnica. Então é preferível errar voluntariamente. Mas no caso da prudência ou de qualquer virtude, errar voluntariamente contraria a própria prudência ou virtude. Assim, ele conclui que a prudência é uma virtude e não uma arte. 136 Boletim do CPA, Campinas, nº 5/6, jan./dez. 1998

9 Virtudes e vícios em Aristóteles e Tomás de Aquino: oposição e prudência Como são duas as partes da alma que se guiam pelo raciocínio, a prudência é a virtude da opinião, porque como ela, versa sobre coisas variáveis. Por fim, Aristóteles a considera mais do que uma disposição racional, uma vez que as disposições podem ser esquecidas e a prudência não. Resumindo, deste capítulo da Ética à Nicômaco, que vai de 1140 a24 até 1140 b31, podemos inferir que a prudência para Aristóteles é uma virtude intelectual por estar relacionada à verdade e à razão, sendo uma disposição que determina a nossa conduta sobre as coisas que podem ser boas para o homem, ou seja, permite deliberar corretamente sobre o que é bom ou mau para o homem, não em si (sobre aspectos particulares) e nem em geral, mas em determinada situação. Ela não é ciência pois esta trata do que é necessário ao passo que a prudência cuida do que é contingente. Não se delibera quando não se tem escolha, isto é, se é possível ou suficiente uma demonstração. E não é arte, como foi visto, mas uma virtude. Aristóteles distingue a prudência da sabedoria, isto é, sabedoria prática (phrónesis) de sabedoria teórica (sophia), sendo o primeiro a fazer esta distinção. Para ele a sabedoria teórica é orientada para objetos mais elevados, não bastando agir bem para viver bem. No entanto, a sabedoria teórica necessita da prudência para não se tornar loucura, e de modo semelhante, todas as virtudes também não podem prescindir dela. Assim como no mundo grego, também na tradição monástica da Igreja pós-bíblia até o fim da Idade Média a prudência teve grande importância, ficando conhecida também como discernimento. Em Tomás de Aquino cruzam-se as duas fontes: Aristóteles e a tradição monástica. São Tomás de Aquino define a prudência (prudentia) nos artigos 1-5 da questão 47 da II a II ae da Suma de Teologia. Tomando os aspectos principais desses cinco artigos observamos que Tomás de Aquino caracteriza a Boletim do CPA, Campinas, nº 5/6, jan./dez

10 Cláudio Henrique da Silva prudência de forma genérica (artigos 1-3) e depois de forma específica (artigos 4-5). No artigo 1 temos que a prudência diz respeito à razão. Cícero 15 observava que prudentia vem de prouidere, que significa tanto prever quanto prover. Sendo uma atividade de previsão e envolvendo confronto de dados, normalmente vincula-se a prudência ao conhecimento racional. Para mostrar que a prudência diz respeito ao conhecimento, Tomás de Aquino recorre ao testemunho da etimologia 16 (Santo Isidoro, no livro Etimol.). A prudência reside no domínio da razão prática. É o que se extrai do artigo 2. A razão prática é a que se refere ao que devemos fazer, visando um determinado fim, isto é, à deliberação. Ora, diz-se que prudente é aquele que tem a capacidade de bem deliberar. De fato, a prudência está vinculada à razão prática. No artigo 3 temos que a prudência também diz respeito ao singular por ser uma aplicação dos princípios universais à ação, lembrando que a ação é da ordem do singular. No artigo 4 conclui-se que a prudência é uma virtude, regendo todas as outras, e uma virtude especial (artigo 5), distinta da demais. Tomás de Aquino caracteriza a prudência como recta ratio agibilium ( reto proporcionamento do que é matéria de ação ), como Aristóteles na Ética à Nicômaco VI, 5, 1140 b20 e 1140 b5. De forma similar a arte é a recta ratio factibilium e a ciência, recta ratio speculabilium. Tanto a prudência como a arte e a ciência são recta ratio, isto é, visam a algum tipo de verdade. A prudência visa a verdade da vida; ciência visa a verdade teórica e especulativa e a arte, a verdade da obra. 15 Cícero, Des lois, XXIII. Trad. Appuhn, reed. G.-F., 1965, p Nascimento, Carlos Arthur do. A prudência segundo Santo Tomás de Aquino. Síntese Nova Fase, Belo Horizonte, v. 20, nº 62, Boletim do CPA, Campinas, nº 5/6, jan./dez. 1998

11 Virtudes e vícios em Aristóteles e Tomás de Aquino: oposição e prudência Ele mostra, ainda, que a prudência deve reger as outras três virtudes cardeais. A prudência se põe à serviço de fins que não são dela, ocupandose apenas com a escolha dos meios. A exemplo do sol que influi nos outros corpos. De fato, como agiria o corajoso sem a prudência? Ou o justo? Daqui temos o sentido amplo da palavra prudência a que nos referíamos antes. A prudência pende para a cautela (que é o significado comum hoje) e para o risco. Lembremo-nos do exemplo da coragem, onde colocamos o corajoso em oposição ao covarde. De fato, a coragem está mais próxima de um extremo (a extrema ousadia, temeridade) que de outro (covardia). Mas ela em si não é um extremo, mas regulada pela prudência, ocupará o melhor ponto entre os extremos. Seguindo a argumentação de Tomás de Aquino no artigos apresentados é claro o cruzamento das fontes bíblicas, da tradição monástica com a fonte aristotélica. E mais: Aristóteles e ele, parecem concordar na definição de prudência como uma virtude intelectual, não sendo nem arte, nem ciência, regendo as outras virtudes. Um tipo de sabedoria, mas sabedoria prática, sabedoria da ação, na ação, para a ação 17. A recta ratio agibilium, embora seja um termo de difícil tradução, é o que parece conter todo o significado da phrónesis e da prudentia. Esta proximidade entre Aristóteles e Tomás de Aquino nos remete à questão da posteridade histórica do pensamento antigo. Este foi um dos objetivos deste trabalho ao tratar do papel da prudência em relação às virtudes nestes dois autores. Além disso, outro ponto que nos motivou a esta pesquisa foi verificar a possibilidade de um intercâmbio dos conceitos pos- 17 COMTE-SPONVILLE, André, Pequeno Tratado das Grandes Virtudes, Martins Fontes, São Paulo, 1995, cap. 3, pág. 39. Boletim do CPA, Campinas, nº 5/6, jan./dez

12 Cláudio Henrique da Silva tulados por Aristóteles entre as suas obras, aqui em particular entre a Metafísica e a Ética a Nicômaco. Pareceu-nos muito evidente que a leitura dos livros da Metafísica de Aristóteles se mostram cada vez mais indispensáveis para a compreensão de suas outras obras. Finalizando, gostaríamos de lembrar o caráter introdutório deste trabalho. Esperamos que oportunamente possamos dar continuidade à esta reflexão, dando-lhe mais profundidade e consistência. 140 Boletim do CPA, Campinas, nº 5/6, jan./dez. 1998

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Ética e felicidade Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Introdução: Ética e Felicidade são dois temas que possuem grande relação e comparação ao longo da história da filosofia.

Leia mais

VIRTUDE E FELICIDADE EM ARISTÓTELES

VIRTUDE E FELICIDADE EM ARISTÓTELES VIRTUDE E FELICIDADE EM ARISTÓTELES A ética de Aristóteles estabelece o conteúdo e os meios de alcançar-se a eudaimonia, a plena realização humana. Tratar do conceito de Eudaimonia em Aristóteles, devido

Leia mais

A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO

A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO Ramiro Marques A generosidade é um vocábulo que vem do latim generositate, que significa bondade da raça, boa qualidade. O adjectivo generoso vem do latim

Leia mais

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS: Index. S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS Índice Geral 1. Se existem virtudes teologais.

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO)

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) PERÍODOS DA FILOSOFIA MEDIEVAL 1º Patrística: século II (ou do V) ao VIII (Agostinho de Hipona). 2º Escolástica: século IX ao XV (Tomás

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 A ÉTICA DAS VIRTUDES A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 ETHOS Significado original do termo ETHOS na língua grega usual: morada ou abrigo

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

O MÉTODO ESCOLÁSTICO EM TOMÁS DE AQUINO: UM ESTUDO NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO

O MÉTODO ESCOLÁSTICO EM TOMÁS DE AQUINO: UM ESTUDO NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO O MÉTODO ESCOLÁSTICO EM TOMÁS DE AQUINO: UM ESTUDO NO CAMPO DA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO SANTIN, Rafael Henrique (PIBIC/UEM) OLIVEIRA, Terezinha (UEM) INTRODUÇÃO Neste texto pretendemos analisar o método escolástico

Leia mais

A PRUDÊNCIA EM ARISTÓTELES. Ramiro Marques

A PRUDÊNCIA EM ARISTÓTELES. Ramiro Marques A PRUDÊNCIA EM ARISTÓTELES Ramiro Marques A prudência é uma virtude do pensamento que é uma condição da virtude. Na Antiguidade Clássica e na Idade Média, era considerada uma das quatro virtudes cardinais,

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT

O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT O DEVER MORAL NA PRIMEIRA SEÇÃO DA FUNDAMENTAÇÃO DA METAFÍSICA DOS COSTUMES DE KANT Fernanda Martins de Oliveira Bueno Prof. Dr. Arlei de Espíndola (Coordenador) RESUMO Nesta comunicação ocupar-me-ei do

Leia mais

Os dez mandamentos da ética

Os dez mandamentos da ética Os dez mandamentos da ética Gabriel Chalita Resumo do livro Os Dez Mandamentos da Ética de Gabriel Chalita, Ed. Nova Fronteira, 6ª impressão. A esperança é o sonho do homem acordado Aristóteles, citado

Leia mais

Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral

Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral Caracteres do homem de bem Questão: 918 O homem de bem tira boas coisas do bom tesouro do seu coração e o mau tira as más do mau tesouro do seu coração; porquanto,

Leia mais

O HOMEM VIRTUOSO DE ARISTÓTELES NOS DIAS ATUAIS?

O HOMEM VIRTUOSO DE ARISTÓTELES NOS DIAS ATUAIS? 1 O HOMEM VIRTUOSO DE ARISTÓTELES NOS DIAS ATUAIS? Hélio Cobe da Silva 1 Graduando em Filosofia/UEPB heliocobe@hotmail.com Profª. Drª. Solange Maria Norjosa Gonzaga (UEPB) solangenorjosa@gmail.com Profª.

Leia mais

UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO TOMASIANA DE AMOR NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO: AS QUESTÕES 26, 27 E 28 DA SUMA TEOLÓGICA

UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO TOMASIANA DE AMOR NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO: AS QUESTÕES 26, 27 E 28 DA SUMA TEOLÓGICA UM ESTUDO DA CONCEPÇÃO TOMASIANA DE AMOR NA HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO: AS QUESTÕES 26, 27 E 28 DA SUMA TEOLÓGICA Resumo SANTIN, Rafael H. UEM rafael.h.santin@gmail.com Área temática: História da Educação Agência

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? A grande maioria das pessoas só recorrem à oração quando estão com problemas de ordem material ou por motivo de doença. E sempre aguardando passivamente

Leia mais

A Filosofia A origem da Filosofia 1

A Filosofia A origem da Filosofia 1 A Filosofia A origem da Filosofia 1 A PALAVRA FILOSOFIA A palavra filosofia é grega. É composta por duas outras: philo e sophia. Philo deriva-se de philia, que significa amizade, amor fraterno, respeito

Leia mais

RESENHAS SCHMITT E STRAUSS: UM DIÁLOGO OBLÍQUO

RESENHAS SCHMITT E STRAUSS: UM DIÁLOGO OBLÍQUO RESENHAS SCHMITT E STRAUSS: UM DIÁLOGO OBLÍQUO MEIER, Heinrich. Carl Schmitt & Leo Strauss. The Hidden Dialogue. Including Strauss s Notes on Schmitt s Concept of the Political & Three Letters from Strauss

Leia mais

Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada

Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada 177 Descartes e Hobbes: A questão da subjetividade como ponto de encruzilhada Edgard Vinícius Cacho Zanette * RESUMO Em Descartes, a ligação entre res cogitans e ser sujeito é complexa. A referência a

Leia mais

A Crítica do Discurso Poético na República de Platão

A Crítica do Discurso Poético na República de Platão A Crítica do Discurso Poético na República de Platão Adriana Natrielli * Na República Platão descreve o diálogo no qual Sócrates pesquisa a natureza da justiça e da injustiça. Para isso, transferindo a

Leia mais

Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques

Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques Aristóteles define prazer como "um certo movimento da alma e um regresso total e sensível ao estado natural" (1). A dor é o seu contrário. O que

Leia mais

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF

Pluralidade dos Mundos Habitados. Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Habitados Paulo Roberto de Mattos Pereira Centro Espírita Casa do Caminho - DF Jesus referiu-se em algum momento de suas pregações à existência de outros mundos habitados? Qualquer pessoa que pensa, ao

Leia mais

Ética como questão fundamental para excelência moral: estudo da obra Cartas a Lucílio, de Lúcio Aneu Sêneca

Ética como questão fundamental para excelência moral: estudo da obra Cartas a Lucílio, de Lúcio Aneu Sêneca 822 IV Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Ética como questão fundamental para excelência moral: estudo da obra Cartas a Lucílio, de Lúcio Aneu Sêneca Joel Extramar, Reinholdo Aloysio Ullmann (orientador)

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

Discovery [Descoberta] como um Meio de Prova que se Admite na Arbitragem

Discovery [Descoberta] como um Meio de Prova que se Admite na Arbitragem Discovery [Descoberta] como um Meio de Prova que se Admite na Arbitragem Prof. Me. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos uma breve análise, vantagens, desvantagens e o uso e costume, em relação

Leia mais

Os conceitos de ato e potência, matéria e forma, substância e acidente, são centrais na metafísica do estagirita.

Os conceitos de ato e potência, matéria e forma, substância e acidente, são centrais na metafísica do estagirita. Caro estudante, Este material contém informações básicas sobre os conteúdos e datas das provas e trabalhos do corrente trimestre. Para maiores informações, procure diretamente o professor de filosofia,

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA

FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA COMENTÁRIO DA PROVA DE FILOSOFIA A prova de filosofia se mostrou abrangente em relação aos conteúdos propostos. Destacamos algumas pequenas observações nas questões envolvendo o livro X da República de

Leia mais

SÓCRATES E AS ESTÁTUAS DE DÉDALO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A TECHNÉ MORAL SOCRÁTICA

SÓCRATES E AS ESTÁTUAS DE DÉDALO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A TECHNÉ MORAL SOCRÁTICA desígnio 9 jul.2012 SÓCRATES E AS ESTÁTUAS DE DÉDALO: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A TECHNÉ MORAL SOCRÁTICA Aldo Lopes Dinucci* DINUCCI, A. L. (2012). Sócrates e as estátuas de Dédalo: algumas considerações

Leia mais

Gilles Deleuze, NIETZSCHE E A FILOSOFIA

Gilles Deleuze, NIETZSCHE E A FILOSOFIA (...)O CONCEITO DE VERDADE «A verdade tem sido sempre postulada como essência, como Deus, como instância suprema... Mas a vontade de verdade tem necessidade de uma crítica. - Defina-se assim a nossa tarefa

Leia mais

FILOSOFIA. Platão. OpenRose

FILOSOFIA. Platão. OpenRose FILOSOFIA Platão OpenRose 1 PLATÃO Filósofo grego (427 a.c.?-347 a.c.?). Um dos mais importantes filósofos de todos os tempos. Suas teorias, chamadas de platonismo, concentram-se na distinção de dois mundos:

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

PLATÃO. Consta-se que antes de ter sido discípulo de Sócrates, seguiu as lições de Crátilo.

PLATÃO. Consta-se que antes de ter sido discípulo de Sócrates, seguiu as lições de Crátilo. PLATÃO Platão, jovem aristocrata de Atenas foi familiar de Alcibíades e de Crítias tinha como nome verdadeiro Arístocles. O cognome deverá ter-se ficado a dever à envergadura dos seus ombros ou então à

Leia mais

Estas palavras ainda tocam profundamente almas sensíveis, especialmente aquelas que vivenciam momentos de aflição ou cansaço emocional.

Estas palavras ainda tocam profundamente almas sensíveis, especialmente aquelas que vivenciam momentos de aflição ou cansaço emocional. Vinde a mim, todos vós que estais aflitos e sobrecarregados, que eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei comigo que sou brando e humilde de coração e achareis repouso para vossas almas,

Leia mais

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre.

PLANO DE AULA OBJETIVOS: Refletir sobre a filosofia existencialista e dar ênfase aos conceitos do filósofo francês Jean Paul Sartre. PLANO DE AULA ÁREA: Ética TEMA: Existencialismo HISTÓRIA DA FILOSOFIA: Contemporânea INTERDISCIPLINARIDADE: Psicologia DURAÇÃO: 4 aulas de 50 cada AUTORIA: Angélica Silva Costa OBJETIVOS: Refletir sobre

Leia mais

Karina Ferreira Silveira *

Karina Ferreira Silveira * CONEXÃO DAS VIRTUDES: A POSSIBILIDADE DE A PRUDÊNCIA SER A TOTALIDADE DAS VIRTUDES MORAIS EM ARISTÓTELES Karina Ferreira Silveira * Resumo: O presente trabalho visa discutir alguns aspectos relevantes,

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

Kant Uma Filosofia de Educação Atual?

Kant Uma Filosofia de Educação Atual? juliana_bel@hotmail.com O presente trabalho retoma as principais ideias sobre a pedagogia do filósofo Immanuel Kant dentro de sua Filosofia da Educação, através dos olhos de Robert B. Louden, professor

Leia mais

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO Bernardo Goytacazes de Araújo Professor Docente de Filosofia da Universidade Castelo Branco Especialista em Filosofia Moderna e Contemporânea

Leia mais

A SAGRADA ESCRITURA. Por Marcelo Rodolfo da Costa

A SAGRADA ESCRITURA. Por Marcelo Rodolfo da Costa A SAGRADA ESCRITURA Por Marcelo Rodolfo da Costa A palavra bíblia é de origem grega do termo "biblion" que no plural significa "livros". Logo a bíblia é uma coleção de livros. Ela surge no meio de um oriente,

Leia mais

POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? 01/12/2003 POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? 2 Índice Geral I POR QUE NÃO ORAMOS COM FREQUÊNCIA?... 4 II QUANDO NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS... 5 III

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE ÉTICA E FELICIDADE: UMA PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE ENSINO MÉDIO E A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA

A RELAÇÃO ENTRE ÉTICA E FELICIDADE: UMA PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE ENSINO MÉDIO E A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA A RELAÇÃO ENTRE ÉTICA E FELICIDADE: UMA PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE ENSINO MÉDIO E A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA RODRIGUES, Ederson Dias¹ ALVES, Marcos Alexandre.² ¹Acadêmico bolsista PIBID/CAPES ²Orientador

Leia mais

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES

1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Sem limite para crescer! Resumo das aulas de Filosofia 1ª Série do Ensino Médio/ 2 Trimestre SÓCRATES, PLATÃO E ARISTÓTELES Esses três filósofos foram os inauguradores da filosofia ocidental como a que

Leia mais

União da alma com o corpo Por Michel Bonnamy

União da alma com o corpo Por Michel Bonnamy União da alma com o corpo Por Michel Bonnamy O Espiritismo, como dissemos no capítulo anterior, vem auxiliar aos psicólogos em suas meditações. Ele rejeita a herança das impotentes elucubrações dos séculos

Leia mais

1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial. (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar)

1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial. (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar) INICIAÇÃO À ATIVIDADE FILOSÓFICA 1.1. O que é a Filosofia? Uma resposta inicial (Objetivos: Conceptualizar, Argumentar, Problematizar) As primeiras perguntas de qualquer estudante, ao iniciar o seu estudo

Leia mais

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado.

O que é Ética? Uma pessoa que não segue a ética da sociedade a qual pertence é chamado de antiético, assim como o ato praticado. 1 O que é Ética? Definição de Ética O termo ética, deriva do grego ethos (caráter, modo de ser de uma pessoa). Ética é um conjunto de valores morais e princípios que norteiam a conduta humana na sociedade.

Leia mais

CRISTO E SCHOPENHAUER: DO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO À COMPAIXÃO COMO FUNDAMENTO DA MORAL MODERNA

CRISTO E SCHOPENHAUER: DO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO À COMPAIXÃO COMO FUNDAMENTO DA MORAL MODERNA CRISTO E SCHOPENHAUER: DO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO À COMPAIXÃO COMO FUNDAMENTO DA MORAL MODERNA JÉSSICA LUIZA S. PONTES ZARANZA 1 WELLINGTON ZARANZA ARRUDA 2 1 Mestranda em Filosofia pela Universidade

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 5.2 - Alma e Psique Já em sua tese de doutoramento, Stein oferece uma primeira noção do que ela considera sob os termos alma e psique, e essa

Leia mais

Instituto Superior Técnico

Instituto Superior Técnico Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Unidade Curricular Competências Transversais - I REVISÕES Carlos Rouco Revisões 1. A liderança

Leia mais

DIREITO AO MEIO AMBIENTE SADIO E EQUILIBRADO À LUZ DO PRINCÍPIO DA DIGNIDADE HUMANA 1

DIREITO AO MEIO AMBIENTE SADIO E EQUILIBRADO À LUZ DO PRINCÍPIO DA DIGNIDADE HUMANA 1 DIREITO AO MEIO AMBIENTE SADIO E EQUILIBRADO À LUZ DO PRINCÍPIO DA DIGNIDADE HUMANA 1 Daniela Da Rosa Molinari 2, Aline Antunes Gomes 3, Luana Rambo Assis 4, Luciano Almeida Lima 5. 1 Projeto de pesquisa

Leia mais

Ética e Legislação: Trabalhista e Empresarial

Ética e Legislação: Trabalhista e Empresarial Ética e Legislação: Trabalhista e Empresarial Professora conteudista: Anabel Cruz Dionísio Revisor: Clecius E. A. Salomé Sumário Ética e Legislação: Trabalhista e Empresarial Unidade I 1 ASPECTOS DA ÉTICA...1

Leia mais

Como as instruções maçônicas mudaram minha vida

Como as instruções maçônicas mudaram minha vida 1 TEMA Como as instruções maçônicas mudaram minha vida Paulo Cesar de Freitas Machado - A M CAD. Nº 8064 2 A Glória do Grande Arquiteto do Universo Como as instruções maçônicas mudaram minha vida INTRODUÇÃO:

Leia mais

Educação e Valores em Tempos de Mudança. A Herança Clássica

Educação e Valores em Tempos de Mudança. A Herança Clássica Educação e Valores em Tempos de Mudança A Herança Clássica Duas Perspectivas Axiológicas Absolutismo axiológico Modelo da educação do carácter Relativismo axiológico Modelo da clarificação de valores O

Leia mais

As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia

As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia As formas de vida grega que prepararam o nascimento da filosofia A Arte: (faculdade da imaginação) De modo mítico e fantástico mediante a intuição e a imaginação, tende a alcançar objetivos que também

Leia mais

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento. 1 1. O Conhecimento.. 2 2. A sensação e percepção... 3 3. Kant e o conhecimento como actividade construtiva

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

Anotacões. 1 - ANOTAÇÕES PARA FACILITAR A COMPREENSÃO(a) DOS EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS QUE SE SEGUEM, E PARA AJUDAR TANTO QUEM OS DÁ COMO QUEM OS RECEBE

Anotacões. 1 - ANOTAÇÕES PARA FACILITAR A COMPREENSÃO(a) DOS EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS QUE SE SEGUEM, E PARA AJUDAR TANTO QUEM OS DÁ COMO QUEM OS RECEBE 1 - ANOTAÇÕES PARA FACILITAR A COMPREENSÃO(a) DOS EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS QUE SE SEGUEM, E PARA AJUDAR TANTO QUEM OS DÁ COMO QUEM OS RECEBE 1ª Anotação.(001) Por esta expressão, Exercícios Espirituais,

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Gabarito de respostas para o Estudo de O Livro dos Espíritos FLS 1 de 12

Gabarito de respostas para o Estudo de O Livro dos Espíritos FLS 1 de 12 FLS 1 de 12 Estudo 1: Questão: 1 ( 1 ) ( 2 ) ( 2 ) ( 1 ) a) princípio da vida material e orgânica - a todos os seres vivos b) fluído magnético - fluído nervoso - Resposta livre. Estudo 2: Questão: 1 Os

Leia mais

T O U R O : R E V E L A Ç Ã O D A N O VA L U Z E M E R G E N T E

T O U R O : R E V E L A Ç Ã O D A N O VA L U Z E M E R G E N T E PLENILÚNIO DE TOURO (Lua Cheia 14/5/2014 às 16h16 hora local de Argentina e Brasil) T O U R O : R E V E L A Ç Ã O D A N O VA L U Z E M E R G E N T E Desenvolvimento e revelação ou (se preferirem) uma revelação

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: O Egoísmo. Palestrante: Amália Silveira. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Tema: O Egoísmo. Palestrante: Amália Silveira. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: O Egoísmo Palestrante: Amália Silveira Rio de Janeiro 22/01/1999 Organizadores da palestra: Moderador: Luno (nick: )

Leia mais

ACHEGAS PARA UM PLANO DE FORMAÇÃO DE FREIRES E POSTULANTES DA MSM

ACHEGAS PARA UM PLANO DE FORMAÇÃO DE FREIRES E POSTULANTES DA MSM ACHEGAS PARA UM PLANO DE FORMAÇÃO DE FREIRES E POSTULANTES DA MSM Claustrum sine armario castrum sine armamentario (Godofredo de Breteuil) «Um programa de estudo é-lhes fornecido e devem ( ) testemunhar

Leia mais

por Paulo Faitanin UFF.

por Paulo Faitanin UFF. TOMÁS HOJE: UM COMPANHEIRO DA VERDADE! por Paulo Faitanin UFF. Juan Fernando Sellés é professor da Faculdade de Filosofia da Universidad de Navarra. Doutor desde 1994, publicou mais de 100 títulos entre

Leia mais

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) -

Questão (1) - Questão (2) - A origem da palavra FILOSOFIA é: Questão (3) - EXERCICÍOS DE FILOSOFIA I O QUE É FILOSOFIA, ETIMOLOGIA, ONDE SURGIU, QUANDO, PARA QUE SERVE.( 1º ASSUNTO ) Questão (1) - Analise os itens abaixo e marque a alternativa CORRETA em relação ao significado

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

MÚTUAS IMPLICAÇÕES: PRAZER E INTELECTO NO FILEBO

MÚTUAS IMPLICAÇÕES: PRAZER E INTELECTO NO FILEBO MÚTUAS IMPLICAÇÕES: PRAZER E INTELECTO NO FILEBO Sonia Maria Maciel * 1 Distinções e graus de valor O prazer e o intelecto são dois elementos que perpassam todas as reflexões feitas por Platão no Filebo.

Leia mais

ANEXOS 3º CICLO O OUTRO EM MIRA

ANEXOS 3º CICLO O OUTRO EM MIRA ANEXOS 3º CICLO O OUTRO O VALOR DE MAIS UM Anexo 01 Um pássaro perguntou a uma pomba quanto pesava um floco de neve. A pomba respondeu: Nada. Mesmo nada. Foi então que o pássaro contou esta história à

Leia mais

Revisão geral de conteúdo Avaliação do 1º trimestre Roteiro de Estudos. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Danilo Borges

Revisão geral de conteúdo Avaliação do 1º trimestre Roteiro de Estudos. Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Danilo Borges Revisão geral de conteúdo Avaliação do 1º trimestre Roteiro de Estudos Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Professor Danilo Borges Pensamento Medieval Roteiro de Estudos Na Idade Média, a Filosofia se

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas FILOSOFIA Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o número

Leia mais

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia Filosofia 1) Gabarito Final sem distribuição de pontos - Questão 1 A) De acordo com o pensamento de Jean-Jacques Rousseau, o poder soberano é essencialmente do povo e o governo não é senão depositário

Leia mais

Page 1 of 6. http://www2.unifap.br/borges

Page 1 of 6. http://www2.unifap.br/borges Page 1 of 6 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Educação I Educador: João Nascimento Borges Filho Pequena

Leia mais

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS 11. Já vimos que Jesus Cristo desceu do céu, habitou entre nós, sofreu, morreu, ressuscitou e foi para a presença de Deus. Leia João 17:13 e responda: Onde está Jesus Cristo agora? Lembremo-nos que: Jesus

Leia mais

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto

Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles. Profa. Ms. Luciana Codognoto Filosofia na Antiguidade Clássica Sócrates, Platão e Aristóteles Profa. Ms. Luciana Codognoto Períodos da Filosofia Grega 1- Período pré-socrático: (VII e VI a.c): início do processo de desligamento entre

Leia mais

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo

Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai. Um Paradigma que Cai por Terra. Capítulo Capítulo 1 Um Paradigma que Cai por Terra Se for um bom negócio, faça. Entretanto, se não for, não faça. Essa frase, que aqui utilizo à guisa de epígrafe, foi-me dita por meu pai quando eu ainda era uma

Leia mais

A FILOSOFIA HELENÍSTICA A FILOSOFIA APÓS A CONQUISTA DA GRÉCIA PELA MACEDÔNIA

A FILOSOFIA HELENÍSTICA A FILOSOFIA APÓS A CONQUISTA DA GRÉCIA PELA MACEDÔNIA A FILOSOFIA HELENÍSTICA A FILOSOFIA APÓS A CONQUISTA DA GRÉCIA PELA MACEDÔNIA O IMPÉRIO ALEXANDRINO A FILOSOFIA ESTOICA PARTE DA SEGUINTE PERGUNTA: COMO DEVO AGIR PARA VIVER BEM? COMO POSSO VIVER BEM E,

Leia mais

Não estrague o seu dia

Não estrague o seu dia você é o humor que você tem Não estrague o seu dia Poucas são as mensagens que encontrei e que tratam sobre a problemática do humor, desta forma, não podem ser desperdiçadas neste trabalho. Iniciamos nosso

Leia mais

COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL

COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL Osvaldo Américo de Oliveira Sobrinho Professor Universitário osvaldo.sobrinho@hotmail.com Ida Pereira Bernardo Rondon Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus 5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus Através do estudo dos evangelhos é possível captar elementos importantes da psicologia de Jesus. É possível conjeturar como Jesus se autocompreendia. Especialmente

Leia mais

OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS

OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS O LIVRO DOS ESPÍRITOS CAPÍTULO 10 OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS 558 Os Espíritos fazem outra coisa além de se aperfeiçoar individualmente? Eles concorrem para a harmonia do universo ao executar os

Leia mais

Você quer ser um Discípulo de Jesus?

Você quer ser um Discípulo de Jesus? Você quer ser um Discípulo de Jesus? A História do povo de Israel é a mesma história da humanidade hoje Ezequel 37:1-4 Eu senti a presença poderosa do Senhor, e o seu Espírito me levou e me pôs no meio

Leia mais

DUNN, James D. G. Jesus em nova perspectiva: o que os estudos sobre o Jesus histórico deixaram para trás. São Paulo: Paulus, 2013.

DUNN, James D. G. Jesus em nova perspectiva: o que os estudos sobre o Jesus histórico deixaram para trás. São Paulo: Paulus, 2013. DUNN, James D. G. Jesus em nova perspectiva: o que os estudos sobre o Jesus histórico deixaram para trás. São Paulo: Paulus, 2013. Resenhado por Bruno Ribeiro Nascimento 1 PPGCOM/UFPB http://lattes.cnpq.br/4210778274129446

Leia mais

NÚCLEO PREPARATÓRIO PARA EXAME DE ORDEM. Peça Treino 8

NÚCLEO PREPARATÓRIO PARA EXAME DE ORDEM. Peça Treino 8 Peça Treino 8 Refrigeração Nacional, empresa de pequeno porte, contrata os serviços de um advogado em virtude de uma reclamação trabalhista movida pelo exempregado Sérgio Feres, ajuizada em 12.04.2013

Leia mais

RELAÇÕES HUMANAS. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP - 42883

RELAÇÕES HUMANAS. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP - 42883 Coren/SP - 42883 n Onde houver duas pessoas, com certeza teremos um relacionamento 2 n Não é surpresa para ninguém que as pessoas diferem umas das outras, não havendo dois seres iguais no mundo. n O homem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação

A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação 1 LIÇÃO 1 A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação que Deus tem Se revelado ao homem. Deus revela-se também através da Palavra Escrita, a Bíblia

Leia mais

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte

Através das mudanças políticas e sociais que muda a visão européia que possibilitou esse momento de revolução. Na França as letras juntou-se a arte UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FILOSOFIA CONTEMPORÂNEA ÉTICA E CONTEMPORANEIDADE PROFESSOR ANTÔNIO CÉSAR ACADÊMICA RITA MÁRCIA AMPARO MACEDO Texto sobre o Discurso

Leia mais

PRINCÍPIOS E BOA EDUCAÇÃO: NOTAS SOBRE ÉTICA NICOMAQUÉIA I. 4. 1095A31-B13

PRINCÍPIOS E BOA EDUCAÇÃO: NOTAS SOBRE ÉTICA NICOMAQUÉIA I. 4. 1095A31-B13 PRINCÍPIOS E BOA EDUCAÇÃO: NOTAS SOBRE ÉTICA NICOMAQUÉIA I. 4. 1095A31-B13 Priscilla Tesch Spinelli * RESUMO: Por que Aristóteles afirma que apenas aquele que foi bem educado possui ou pode facilmente

Leia mais

Declaração Americana dos Direitos e Deveres do Homem (1948)

Declaração Americana dos Direitos e Deveres do Homem (1948) Declaração Americana dos Direitos e Deveres do Homem (1948) Resolução XXX, Ata Final, aprovada na IX Conferência Internacional Americana, em Bogotá, em abril de 1948 A IX Conferência Internacional Americana,

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais