Sociedade Mineira de Pediatria

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sociedade Mineira de Pediatria"

Transcrição

1 Sociedade Mineira de Pediatria Ética, Profissionalismo e Judicialização da Saúde José Carvalhido Gaspar Pediatra do Hospital Márcio Cunha Ipatinga Membro do Comitê de Ética e Bioética da SMP Conselheiro do CRMMG

2 Conflito de interesses Declaro não haver conflito de interesses nesta apresentação, pois minha presença neste evento foi patrocinada pela Sociedade Mineira de Pediatria, Associação Médica de Minas Gerais, sem prejuízo para a minha fala.

3 Ética Estudo dos atos voluntários da pessoa, praticados no uso de sua razão, com total liberdade, após suficiente conhecimento, análise e escolha, suscetível de qualificação do ponto de vista do bem ou do mal, do que é bom e correto, ou não. Função do ego (sujeito). Origina-se do grego ethos, que significa modo de ser.

4 Ética Avaliação ética da conduta da pessoa requer: Que a conduta seja livremente assumida, diante de uma determinada situação (conflitos, etc.), em função dos valores que ela carrega dentro de si e pelos quais acha que valeu a pena assumir. Ética não se impõe; cada pessoa escolhe seus valores e ideiase é responsável por suas ações.

5 Ética O Três pré-requisitos para o agir ético: 1. Percepçãodas opções possíveis diante de uma determinada situação, um conflito (uso da razão;) 2. Autonomia: liberdade de escolha; 3. Coerênciaentre a escolha e a conduta livremente adotada.

6 Ética Ética é a ação que se todos praticarem, nada de mal acontece. I. Kant No exercício da Medicina, agir com ética é indispensável em toda ação.

7 Ética A Ética baseia-se em uma filosofia de valores compatíveis com a natureza e o fim de todo ser humano; por isso, o agir da pessoa humana está condicionado a duas premissas consideradas básicas pela Ética: o que é o homem? e para que vive? Prof. Motta J.A.

8 Ética Toda capacitação científica ou técnica precisa estar em conexão com os princípios essenciais da Ética. Prof. Motta J.A.

9 Eticidade Aptidão ou condição própria que cada pessoa possui e desenvolve, possibilitando-lhe posicionar de forma livre e coerente face aos conflitos, de acordo com sua escala de valores. Aptidão e possibilidade de exercer a função ética.

10 João Guimarães Rosa

11 Eticidade Mire, veja: o mais importante e bonito do mundo é isto: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas -mas que elas vão sempre mudando, afinam ou desafinam. Verdade maior. É isto que a vida me ensinou. Isto me alegra, montão. João Guimarães Rosa, 1984

12 Requer Profissionalismo médico Postura ética: cumprir as normas do CEM Humanização das ações Qualificação do médico: competência científica (domínio do conhecimento) + desempenho técnico (medicina = ciência + arte) Excelente relação médico/paciente/família Prudência e zelo na realização de procedimentos

13 Profissionalismo médico e Postura ética Normatiza o exercício ético da profissão médica 13

14 Profissionalismomédico Código de Ética Médica (CEM), Capítulo I Princípios Fundamentais (PF) I -A Medicina é uma profissão a serviço da saúde do ser humano e da coletividade e será exercida sem discriminação de nenhuma natureza.

15 Profissionalismomédico CEM, Capítulo I, Princípios Fundamentais II O alvo de toda a atenção do médico é a saúde do ser humano, em benefício da qual deverá agir com o máximo de zelo e o melhor de sua capacidade profissional

16 Profissionalismomédico CEM, Capítulo I, Princípios Fundamentais V Compete ao médico aprimorar continuamente seus conhecimentos e usar o melhor do progresso científico em benefício do paciente.

17 Profissionalismomédico CEM, Capítulo I, Princípios Fundamentais VIII O médico não pode, em nenhuma circunstância ou sob nenhum pretexto, renunciar à sua liberdade profissional, nem permitir quaisquer restrições ou imposições que possam prejudicar a eficiência e a correção de seu trabalho.

18 Profissionalismomédico CEM, capítulo I, Princípios Fundamentais XIX O médico se responsabilizará, em caráter pessoal e nunca presumido, pelos seus atos profissionais, resultantes de relação particular de confiança e executados com diligência, competência e prudência.

19 Profissionalismomédicoe RelaçãoMédico-paciente CEM, capítulo I, Princípios Fundamentais XI No processo de tomada de decisões profissionais, de acordo com seus ditames de consciência e as previsões legais, o médico aceitará as escolhas de seus pacientes, relativas aos procedimentos diagnósticos e terapêuticos por eles expressos, desde que adequadas ao caso e cientificamente reconhecidas.

20 Consentimento livre e esclarecido É a aceitação racional de uma intervenção médica ou a escolha de tratamento entre alternativas possíveis para determinada situação clínica. E para assumir esse consentimento, o paciente deve reunir condições como: 20

21 Consentimento informado... dispor de informações suficientes; compreender as informações adequadamente; encontrar-se livre para decidir de acordo com seus próprios valores; ter capacidade plena para decidir sobre a questão. Prof. Diego Gracia 21

22 Profissionalismo:Ética na formação médica Toda escola superior deveria oferecer aulas de filosofia e história. Assim fugiríamos da figura do especialista e ganharíamos profissionais capacitados a conversar sobre a vida. Oscar Niemeyer RevistaBioética CFM (2), p.246.

23 Profissionalismo médico e Humanização O médico precisa ser especialista em gente, em pessoas, compreender como as pessoas são diferentes e o quanto sua atenção a elas é fundamental num tratamento. Prof. Adib Jatene 23

24 Profissionalismo médico e Humanização Toda pessoa quando adoece fica vulnerável, frágil, com medo, tanto quanto sua família; todos precisam ter fé naquele profissional a quem ela se entregou e, antes de tudo, naquela pessoa humana que o está tratando. Prof.Adib Jatene 24

25 Profissionalismo médico e Humanização O médico deve aperfeiçoar a comunicação com seus pacientes para conquistar o respeito e a confiança, sem o que o tratamento ou não é cumprido ou não tem o resultado esperado. Prof. Adib Jatene 25

26 Profissionalismo médico e Relação Médico-paciente Cada palavra dita por um médico a seu paciente é um veredicto. Assim como o escritor, ele deve avaliar cada palavra e saber usá-la com extremo rigor. Dr. Moacir Scliar Médico sanitarista e escritor 26

27 Relação médico/paciente/família Catástrofe relacional 27

28 Como superar a catástrofe relacional Buscar o consenso possível, através do diálogo respeitoso. Autonomia do paciente Autonomia do médico Manifestação livre de vontade racional do paciente Tomada pelo médico de decisões clínicas razoáveis, prudentes, com amparo em evidências científicas. Consentimento livre e esclarecido (TCLE) 28

29 Relação médico-paciente-família É uma equação moral marcada pela reciprocidade com direitos e obrigações tanto do lado do paciente quanto do médico. Deve ser equilibrada de forma que ambos busquem o bem um do outro e se respeitem em suas autonomias. Edmund Pellegrino 29

30 Prudência/zelo Deve acompanhar toda ato e toda decisão do médico. 30

31

32 Judicialização da Saúde Determinação judicial (ordem), no sentido de atender a demanda de um paciente, solicitada através de seu advogado, concedida pelo juiz.

33 Judicialização da Saúde A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução doriscodedoençaedeoutrosagravoseaoacessouniversal e igualitário às ações e serviços para a promoção, proteção e recuperação. Constituição Federal/1988, artigo 196 Lei 8080 (dever do Estado -SUS)

34 Judicialização da Saúde I Ações sobre alocação/gestão dos recursos para a saúde (medicamentos, exames, procedimentos, internações, UTIs, etc.)

35 Judicialização da Saúde II Ações relacionadas à assistência profissional, com encaminhamento de denúncias ao CRMMG para apuração de responsabilidade ética.

36 Judicialização da Saúde III -Ações visando propiciar aos usuários a assistência prevista nos contratos, nas normas estabelecidas e na legislação sanitária vigente (gestores públicos e operadoras de planos de saúde).

37 Judicialização da Saúde: causas a) Direito Constitucional - Art.198 C.F e Lei 8080/90 b) Divulgação pela mídia de avanços científicos e/ou tecnológicos, suscitando esperanças c) Expectativa do paciente e da família d) Alto custo dos avanços e) Dificuldades em atualizações dos códigos dos procedimentos e tabela de remuneração

38 Judicialização da Saúde: causas f) Relatórios médicos, protocolos, aquisição de novos conhecimentos, novas drogas, novas técnicas g) Pressão da indústria farmacêutica -ganhos financeiros h) Juiz acionado defesa dos direitos do cidadão.

39 Judicialização da Saúde: impacto Demandas Atendimentos Internações Tratamento (medicamentos) Outras Fornecimento de cópias de prontuário Esclarecimentos Transferências

40 SUS é alvo de 50 mil ações judiciais, afirma Secretário Existem hoje no País cerca de 50 mil ações na Justiça cobrando tratamentos ou medicamentos não oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Esse fenômeno, que pode prejudicar a gestão do SUS, tem como uma das causas a falta de regulamentação das competências do Poder Público (União, estados e municípios) e da saúde complementar no atendimento à população. Câmara dos Deputados, Jornal Agência Câmara de Notícias, 12/05/2010

41 Judicialização da Saúde Paciente Constituição Federal Médico assistente agir com ética e responsabilidade social, usando seu conhecimento científico e tecnológico em favor do paciente, respeitando as leis vigentes e as melhores evidências científicas.

42 Juiz x Médico Juiz protege o cidadão cumpre a lei Médico busca a cura do paciente; prescreve utilizando o conhecimento e sua arte

43 Judicialização da Saúde Paciente-não tem conhecimento técnico; quer a cura, tem esperanças Médico - solicita o procedimento Plano de Saúde nega Juiz - autoriza Quem paga?

44 Reflexos da Judicialização da Saúde Medicamento de marca Medicamento sem registro Medicamento para tratamento não previsto (off label) Medicamento experimental Falta de protocolo Indústria Farmacêutica Nacional 2008: Faturamento R$29,48 bilhões

45 Hoje em Dia - Belo Horizonte. Caderno: Horizontes - Página: 18a19 Publicado:

46 Hoje em Dia - Belo Horizonte. Caderno: Horizontes - Página: 18a19 Publicado:

47 Hoje em Dia - Belo Horizonte. Caderno: Horizontes - Página: 18a19 Publicado:

48 Hoje em Dia - Belo Horizonte. Caderno: Horizontes - Página: 18a19 Publicado:

49 OBRIGADO!

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social

Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Novo Código de Ética Médico e Saúde do Trabalhador Tema: Perícia Médica do Instituto Nacional do Seguro Social Realização: DIESAT Apoio: Fundacentro São Paulo, 22 jun 2010 Os dilemas, os sensos, os consensos,

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 07/2014 14/03/2014

PARECER CREMEC N.º 07/2014 14/03/2014 PARECER CREMEC N.º 07/2014 14/03/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC Nº 8569/08 ASSUNTO: REALIZAÇÃO DE EXAME SOLICITADO PELO PACIENTE E AUDITORIA MÉDICA PARECERISTA: CÂMARA TÉCNICA DE AUDITORIA EMENTA:

Leia mais

CONSULTA FUNDAMENTAÇÃO. Quanto às obrigações do médico plantonista ou médico de guarda, o nosso Código de Ética Médica orienta que é vedado ao médico:

CONSULTA FUNDAMENTAÇÃO. Quanto às obrigações do médico plantonista ou médico de guarda, o nosso Código de Ética Médica orienta que é vedado ao médico: PARECER CREMEB Nº 33/12 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/10/2012) EXPEDIENTE CONSULTA Nº. 214.608/11 ASSUNTO: Implicações éticas da conduta profissional de médico, único plantonista da unidade, quanto

Leia mais

Conflitos na Urgência e Emergência. José Abelardo Garcia de Meneses PRESIDENTE

Conflitos na Urgência e Emergência. José Abelardo Garcia de Meneses PRESIDENTE José Abelardo Garcia de Meneses PRESIDENTE REQUISITOS Medicina Interna Cirurgia Tirocínio Capacidade de improvisação Larga experiência Dedicação ininterrupta Solidariedade Embasamento ético Capítulo I

Leia mais

Diagnóstico e prescrição feitos por enfermeiro(a) em Unidades Básicas de Saúde. Cons. Rosylane Nascimento das Mercês Rocha

Diagnóstico e prescrição feitos por enfermeiro(a) em Unidades Básicas de Saúde. Cons. Rosylane Nascimento das Mercês Rocha PARECER CFM nº 27/15 INTERESSADO: Sras. T.B.R.B. e M.C.R.S. ASSUNTO: RELATOR: Diagnóstico e prescrição feitos por enfermeiro(a) em Unidades Básicas de Saúde Cons. Rosylane Nascimento das Mercês Rocha EMENTA:

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 32/10 (Aprovado em Sessão da 3ª Câmara de 13/05/2010)

PARECER CREMEB Nº 32/10 (Aprovado em Sessão da 3ª Câmara de 13/05/2010) PARECER CREMEB Nº 32/10 (Aprovado em Sessão da 3ª Câmara de 13/05/2010) EXPEDIENTE CONSULTA N.º 169.266/09 ASSUNTO: Tratamento endovascular do aneurisma da aorta abdominal justarenal. RELATOR: Cons. Luiz

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 32/12 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/10/2012)

PARECER CREMEB Nº 32/12 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/10/2012) PARECER CREMEB Nº 32/12 (Aprovado em Sessão Plenária de 05/10/2012) EXPEDIENTE CONSULTA Nº 188.383/10 ASSUNTOS: 1. A quem pertence o paciente, à clínica ou ao médico, desde quando ao se afastar da clínica

Leia mais

SERVIÇO DE PROTEÇÃO E ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF)

SERVIÇO DE PROTEÇÃO E ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF) SERVIÇO DE PROTEÇÃO E ATENDIMENTO INTEGRAL À FAMÍLIA (PAIF) TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NA ASSISTÊNCIA SOCIAL NA PERSPECTIVA DA SUPERAÇÃO DO CLIENTELISMO/ASSISTENCIALISMO O Serviço de Proteção e Atendimento

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC

CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC CÓDIGO DE CONDUTA 1. MENSAGEM IESC De origem grega, o termo ethos significa costumes e deve ser entendido com um conjunto de princípios básicos que visam disciplinar e regular, a moral e a conduta das

Leia mais

PRÓTESES PIP E RÓFIL DIREITO MÉDICO

PRÓTESES PIP E RÓFIL DIREITO MÉDICO O caso das PRÓTESES PIP E RÓFIL O Ingracio Advogados Associados vem por meio desta apresentar breves considerações acerca do tema esperando contribuir com o esclarecimento da classe médica. 1. A ANVISA,

Leia mais

PROCESSO-CONSULTA CFM 28/13 PARECER CFM 13/13 INTERESSADO:

PROCESSO-CONSULTA CFM 28/13 PARECER CFM 13/13 INTERESSADO: PROCESSO-CONSULTA CFM nº 28/13 PARECER CFM nº 13/13 INTERESSADO: Ministério Público do Estado de Minas Gerais ASSUNTO: Prescrição médica de Olanzapina RELATOR: Cons. Emmanuel Fortes S. Cavalcanti EMENTA:

Leia mais

Papo com a Especialista

Papo com a Especialista Papo com a Especialista Silvie Cristina (Facebook) - Que expectativas posso ter com relação à inclusão da minha filha portadora da Síndrome de Down na Educação Infantil em escola pública? Quando colocamos

Leia mais

ética Programa de Integridade Última atualização em: Circular Bancoob 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Página: 1/15

ética Programa de Integridade Última atualização em: Circular Bancoob 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Página: 1/15 ética Programa de Integridade 1ª Edição em: Circular Bancoob 2.377 Última atualização em: Circular Bancoob Página: 1/15 Índice Título 1: Apresentação... 3 Título 2: Risco da prática de atos lesivos contra

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 22/2012 03/08/2012

PARECER CREMEC N.º 22/2012 03/08/2012 PARECER CREMEC N.º 22/2012 03/08/2012 Parecer Consulta n.º 6137/2012 de 11/07/12. Interessado: Francisco Floriano Delgado Perdigão CREMEC 4953. Assunto: Acompanhante na sala de cirurgia em parto cesariano

Leia mais

COBERTURA - TAXA DE DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA

COBERTURA - TAXA DE DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA COBERTURA - TAXA DE DISPONIBILIDADE OBSTÉTRICA Primeiramente, ressaltamos a relevância do tema e reafirmamos nossa atuação com o intuito de regular o mercado de planos privados de assistência à saúde.

Leia mais

Qd. 702 Sul, Conj. 01, Lt. 01 Centro Fone: PABX (63) 2111-8100 Fax: 2111-8108 Informática (63) 2111-8111

Qd. 702 Sul, Conj. 01, Lt. 01 Centro Fone: PABX (63) 2111-8100 Fax: 2111-8108 Informática (63) 2111-8111 PARECER CRM-TO nº 08 / 2015 INTERESSADO: Auditoria Médica XX XXXXX XXXXX - XX ASSUNTO: Consulta sobre solicitação de exames complementares para SCREENING sem embasamento na literatura médica científica

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Estrutura do Código de Ética e Conduta 1. Introdução pág. 03 2. Mensagem da Diretoria pág. 04 3. Relações no Ambiente de Trabalho pág. 05 4. Relacionamento Externo pág. 07 5.

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Regimento Interno do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade do Norte Pioneiro CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º O Núcleo de Prática

Leia mais

Ética no exercício da Profissão

Ética no exercício da Profissão Titulo: Ética no exercício da Profissão Caros Colegas, minhas Senhoras e meus Senhores, Dr. António Marques Dias ROC nº 562 A nossa Ordem tem como lema: Integridade. Independência. Competência. Embora

Leia mais

MT/002-14 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA ARGUS 12/2014 - VINHEDO, SP

MT/002-14 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA ARGUS 12/2014 - VINHEDO, SP MT/002-14 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA ARGUS 12/2014 - VINHEDO, SP 1 Código de Ética e Conduta da Argus MENSAGEM DO PRESIDENTE Este Código de Ética e Conduta foi elaborado com a finalidade de explicitar

Leia mais

16/04/2014. Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho:

16/04/2014. Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho: Ética e medicina do trabalho: Dispositivos legais que disciplinam a atuação dos profissionais e médicos do trabalho em conformidade com os princípios éticos. 1) OIT - Serviços

Leia mais

RESOLUÇÃO CRCMG Nº 357, DE 18 DE JULHO DE 2014.

RESOLUÇÃO CRCMG Nº 357, DE 18 DE JULHO DE 2014. RESOLUÇÃO CRCMG Nº 357, DE 18 DE JULHO DE 2014. Alterada pela Resolução CRCMG nº 363/2014. Altera o Regulamento Geral das Delegacias Seccionais do CRCMG. O CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE MINAS GERAIS,

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FILOSOFIA 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém cinco questões, abrangendo um total de

Leia mais

O que são Direitos Humanos?

O que são Direitos Humanos? O que são Direitos Humanos? Técnico comercial 4 (1º ano) Direitos Humanos são os direitos e liberdades básicas de todos os seres humanos. O principal objetivo dos Direitos Humanos é tratar cada indivíduo

Leia mais

I. DO OBJETIVO II. DOS FATOS

I. DO OBJETIVO II. DOS FATOS Nota Técnica nº 001/2009 CNS Em 02 de setembro de 2009. Assunto: A Natureza Deliberativa e a Executoriedade das Decisões do Conselho Nacional de Saúde. I. DO OBJETIVO Trata a presente nota jurídica de

Leia mais

Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL

Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL Preencha o GABARITO: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Observação: Nesta atividade há 10 (dez) questões de múltipla escolha. Para

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR MÃES

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR MÃES PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR MÃES P. O QUE É A PATERNIDADE? R. Paternidade significa ser um pai. A determinação da paternidade significa que uma pessoa foi determinada

Leia mais

Código de Ética e Conduta. Elaborado por: Lilian Scaraviello e Carlos Espanholeto

Código de Ética e Conduta. Elaborado por: Lilian Scaraviello e Carlos Espanholeto Código de Ética e Conduta Elaborado por: Lilian Scaraviello e Carlos Espanholeto Introdução As açoes de todos os colaboradores pela integridade, respeito e transparência buscando o fortalecimento das relações

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA ISA CAPITAL DO BRASIL S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA ISA CAPITAL DO BRASIL S.A. CÓDIGO DE ÉTICA ISA CAPITAL DO BRASIL S.A. 1 INTRODUÇÃO O Grupo ISA e suas empresas avançam para metas a cada vez mais exigentes e ambiciosas, desenvolvendo suas práticas em contextos diversos e inovadores

Leia mais

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA

FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA FABIANA PRADO DOS SANTOS NOGUEIRA CONSELHEIRA CRMMG DELEGADA REGIONAL UBERABA Conjunto de normas que definem os aspectos da

Leia mais

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

MANUAL DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL MANUAL DE RESPONSABILIDADE Definição: A responsabilidade socioambiental é a responsabilidade que uma empresa ou organização tem com a sociedade e com o meio ambiente além das obrigações legais e econômicas.

Leia mais

Atualização Sobre Legislação a Respeito de Testagem de Álcool e Outras Drogas

Atualização Sobre Legislação a Respeito de Testagem de Álcool e Outras Drogas Atualização Sobre Legislação a Respeito de Testagem de Álcool e Outras Drogas Marcos Legais LEI Nº 11.343, DE 23 DE AGOSTO DE 2006. Institui o Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas Art. 18.

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

Guia de Procedimentos

Guia de Procedimentos Guia de Procedimentos Interdição e Inabilitação Versão Leitura Fácil e Pictogramas Índice 1. Introdução O que se pretende com este Guia 2. Linhas de Orientação De que é que trata o Guia de Procedimentos

Leia mais

Código de Conduta e Ética

Código de Conduta e Ética CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA BC CONSULT Página 1 de 9 1. INTRODUÇÃO... 3 2. PRINCÍPIOS... 4 INTEGRIDADE... 4 DISCRIMINAÇÃO... 4 CONFLITO DE INTERESSE... 4 CONFIDENCIALIDADE DE INFORMAÇÕES... 5 PROTEÇÃO AO

Leia mais

Imposição, por parte das cooperativas de trabalho médico e planos de saúde, do local onde o médico assistente deverá tratar seu paciente RELATOR:

Imposição, por parte das cooperativas de trabalho médico e planos de saúde, do local onde o médico assistente deverá tratar seu paciente RELATOR: PROCESSO-CONSULTA CFM nº 15/14 PARECER CFM nº 8/14 INTERESSADO: Cooperativa dos Médicos Retinólogos de Minas Gerais Retcoop e Associação Zona da Mata de Oftalmologia Azmo ASSUNTO: Imposição, por parte

Leia mais

PROCESSO CONSULTA Nº 04/2014 PARECER CONSULTA Nº 19/2014

PROCESSO CONSULTA Nº 04/2014 PARECER CONSULTA Nº 19/2014 PROCESSO CONSULTA Nº 04/2014 PARECER CONSULTA Nº 19/2014 Solicitante: DRA. F. F. D. G. CRM/GO XXXXX Conselheiro Parecerista: DR. WASHINGTON LUIZ FERREIRA RIOS Assunto: PAGAMENTO DOS HONORÁRIOS MÉDICOS

Leia mais

2006-02-17 - PGT-CCR-67-2006

2006-02-17 - PGT-CCR-67-2006 Processo-PGT-CCR - 67/2006 Interessado 1: Ofícios de Uberlândia e Juiz de Fora(PRT 3ª Região) Interessado 2: PRT 3ª Região Assunto: Conflitos de atribuições entre Ofício e Sede (3ª Região) VOTO I - RELATÓRIO

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA SUMÁRIO 1 ÉTICA...03 2 APRESENTAÇÃO...04 3 APLICAÇÃO...05 4 FINALIDADES...06 5 DEFINIÇÕES...07 6 CULTURA ORGANIZACIONAL...08 6.1 MISSÃO...08 6.2 VISÃO...08 6.3 VALORES...08 6.4

Leia mais

ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério Vasconcellos

ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério Vasconcellos EXPEDIENTE CONSULTA N.º 209.644/11 PARECER CREMEB Nº 21/13 (Aprovado em Sessão Plenária de 21/05/2013) ASSUNTO: Peculiaridades do transporte de pacientes pelo SAMU 192. RELATOR: Cons. Luiz Augusto Rogério

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014

PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PARECER CREMEC N.º 06/2014 14/03/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC Nº 6566/08 ASSUNTO: RESPONSABILIDADE MÉDICA PARECERISTA: CÂMARA TÉCNICA DE AUDITORIA DO CREMEC EMENTA O ato médico é responsabilidade

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 29 de agosto

Leia mais

PROGRAMA: GRAVIDEZ SAUDÁVEL, PARTO HUMANIZADO

PROGRAMA: GRAVIDEZ SAUDÁVEL, PARTO HUMANIZADO PROGRAMA: GRAVIDEZ SAUDÁVEL, PARTO HUMANIZADO BOM PROGRESSO- RS 2009 PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM PROGRESSO Administração: Armindo Heinle CNPJ. 94726353/0001-17 End. Av. Castelo Branco, n 658 Centro CEP:

Leia mais

Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1

Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1 Código de Ética CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 1 CÓDIGO DE ÉTICA GRUPO BONSUCESSO 2 Sumário 1. Introdução...3 2. Postura pessoal e profissional...4 3. Relacionamento com público interno...6 4. Relacionamento

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.124 DE 2005. (Apensados: PL nº 5.448/01 e PL nº 2.276/07)

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.124 DE 2005. (Apensados: PL nº 5.448/01 e PL nº 2.276/07) COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 6.124 DE 2005 (Apensados: PL nº 5.448/01 e PL nº 2.276/07) Define o crime de discriminação dos portadores do vírus da imunodeficiência

Leia mais

O COLÉGIO BRASILEIRO DE RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM (CBR) formula consulta sobre reavaliação de exames radiológicos.

O COLÉGIO BRASILEIRO DE RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM (CBR) formula consulta sobre reavaliação de exames radiológicos. PARECER CFM nº 27/14 INTERESSADO: Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR) ASSUNTO: Reavaliação de exames radiológicos 2ª opinião médica RELATOR: Cons. José Albertino Souza EMENTA: Quando solicitado pelo

Leia mais

PROCESSO CONSULTA Nº 31/2013 PARECER CONSULTA Nº 7/2014

PROCESSO CONSULTA Nº 31/2013 PARECER CONSULTA Nº 7/2014 PROCESSO CONSULTA Nº 31/2013 PARECER CONSULTA Nº 7/2014 Solicitante: DR. R. C. M. R. CRM/GO XXXX Conselheiro Parecerista: DR. JOÃO ANASTÁCIO DIAS Assunto: Competência Técnica e Legal de Servidor não médico

Leia mais

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS

REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS REPERCUSSÕES NO ENSINO DA ENFERMAGEM: A VISÃO DOS PROFISSIONAIS À LUZ DAS SUAS EXPERIÊNCIAS CRIZÓSTOMO, Cilene Delgado MILANEZ, Maria Rosa de Morais SOUSA, Rejane Lúcia Rodrigues Veloso ALBUQUERQUE, Judith

Leia mais

desafia, não te transforma Semestre 2015.2

desafia, não te transforma Semestre 2015.2 O que não te 1 desafia, não te transforma Semestre 2015.2 1 Nossos encontros www.admvital.com 2 2 Nossos encontros www.admvital.com 3 AULÃO 3 4 Materiais da aula www.admvital.com/aulas 4 5 Critérios AV

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

O CÓDIGO DE ÉTICA DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA

O CÓDIGO DE ÉTICA DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA O CÓDIGO DE ÉTICA DO PROFISSIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA Resumo FABIANI, Marli Terezinha PUCPR marlifabiani@yahoo.com.br Área Temática: Formação de Professores Agência Financiadora: Não contou com financiamento

Leia mais

Para uma análise correta da presente Consulta, devemos considerar algumas Normas Legislativas específicas da medicina.

Para uma análise correta da presente Consulta, devemos considerar algumas Normas Legislativas específicas da medicina. PARECER CRM/MS 14/2014 PROCESSO CONSULTA N 13/2014 INTERESSADO: COOPUR - Cooperativa dos Urologistas do Mato Grosso do Sul ASSUNTO: Certificado de Habilitação/Área de Atuação/Convênio/Ato Médico PARECERISTA:

Leia mais

Pesquisa de Satisfação da Qualidade de Atendimento dos serviços oferecidos aos prestadores da operadora

Pesquisa de Satisfação da Qualidade de Atendimento dos serviços oferecidos aos prestadores da operadora Pesquisa de Satisfação da Qualidade de Atendimento dos serviços oferecidos aos prestadores da operadora Julho de 2011 OBJETIVO Avaliar a satisfação da qualidade do atendimento dos serviços oferecidos aos

Leia mais

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Histórico. 4.1.3 - Objetivos Específicos

4 - Seu Curso. 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso. 4.1.1 - Histórico. 4.1.3 - Objetivos Específicos 4 - Seu Curso 4.1 - Informações Específicas sobre o Curso 4.1.1 - Histórico A Universidade Federal de Uberlândia, num esforço coletivo liderado pela atual gestão vem trabalhando na excelência de ensino,

Leia mais

CONTRATO CURSOS EAD PRONTITEC ENGENHARIA E INSTALAÇÕES ELETRICAS LTDA - ME OBJETO: NOSSA REFERÊNCIA: ADMINISTRATIVO CONTRATO CURSOS EAD

CONTRATO CURSOS EAD PRONTITEC ENGENHARIA E INSTALAÇÕES ELETRICAS LTDA - ME OBJETO: NOSSA REFERÊNCIA: ADMINISTRATIVO CONTRATO CURSOS EAD PRONTITEC ENGENHARIA E INSTALAÇÕES ELETRICAS LTDA - ME 2016 CONTRATO CURSOS EAD OBJETO: CONTRATO CURSOS EAD NOSSA REFERÊNCIA: INISTRATIVO PRONTITEC ENGENHARIA Março/2016 Índice 1. DO OBJETO... 2 2. DA

Leia mais

Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1

Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1 Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1 Vídeo Aula 1 2 O Direito da Criança e do Adolescente Vamos tratar do direito da criança e do adolescente. Uma primeira observação: quando se afirma a

Leia mais

ORGULHO DE DEFENDER A POPULAÇÃO

ORGULHO DE DEFENDER A POPULAÇÃO Página 1 de 6 Página inicial ORGULHO DE DEFENDER A POPULAÇÃO ORGULHO DE DEFENDER A POPULAÇÃO 26/11/2013 18:32 O direito público é uma área almejada, especialmente pela estabilidade de cargos concursados,

Leia mais

Faz os seguintes questionamentos:

Faz os seguintes questionamentos: PARECER CFM nº 9/16 INTERESSADO: 1ª Vara da Fazenda da Comarca de Joinville/SC ASSUNTO: Dúvidas quanto à necessidade de especialidade médica para realização de exame pericial e determinação de capacidade

Leia mais

CONSULTA Nº 3.188/2011

CONSULTA Nº 3.188/2011 1 CONSULTA Nº 3.188/2011 Assunto: Sobre internações compulsórias. Relator: Conselheiro Mauro Gomes Aranha de Lima. Ementa: Não se pretende esgotar todos os procedimentos previstos em lei para a internação

Leia mais

Osvaldo Albuquerque Sousa Filho Presidente do Coren-CE

Osvaldo Albuquerque Sousa Filho Presidente do Coren-CE Osvaldo Albuquerque Sousa Filho Presidente do Coren-CE História / Relação: (Antiguidade) (Início séc. XX) (Atualmente) Relação religiosa/ mágico/ desígnios de Deus. Relação de amigo/ confiança conselheiro

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA RESOLUÇÃO Nº 02/2004

CÓDIGO DE ÉTICA RESOLUÇÃO Nº 02/2004 CÓDIGO DE ÉTICA RESOLUÇÃO Nº 02/2004 O Conselho Diretor Nacional (CDN) do IBEF, no uso de suas atribuições estatutárias, leva ao conhecimento dos quadros sociais das seccionais membros do IBEF Nacional

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA EMENTA: A LEI Nº 6.839/80 CARACTERIZA A OBRIGAÇÃO DE REGISTRO NO CONSELHO RESPECTIVO EM RAZÃO DA ATIVIDADE PREPONDERANTE PRESTADA PELA EMPRESA. AS INSTITUIÇÕES MÉDICAS REGISTRADAS

Leia mais

Código de Ética da CBWKC

Código de Ética da CBWKC Código de Ética da CBWKC Capítulo I Dos Fundamentos Éticos Art. 1º O Código de Ética da Confederação Brasileira de Wushu e Kuoshu Chinês define os princípios de conduta que devem pautar as atividades e

Leia mais

Valorizamos as relações respeitosas, responsáveis e confiáveis com os diferentes públicos, interno e externo, em que não há espaço para:

Valorizamos as relações respeitosas, responsáveis e confiáveis com os diferentes públicos, interno e externo, em que não há espaço para: Introdução A BRMALLS é uma empresa que atua em diversos estados e para manter unida nossa companhia, nossos funcionários devem agir com base em valores e objetivos comuns. Isso se reflete nas atitudes

Leia mais

Como escolher a pós-graduação que vai turbinar a sua carreira

Como escolher a pós-graduação que vai turbinar a sua carreira Como escolher a pós-graduação que vai turbinar a sua carreira Dicas fundamentais para você decidir pelo curso ideal para a sua qualificação profissional 2 ÍNDICE >> Introdução... 3 >> A importância da

Leia mais

CONSULTA DE ENFERMAGEM E SEUS ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS. Prof. Ms. Naldiana Cerqueira

CONSULTA DE ENFERMAGEM E SEUS ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS. Prof. Ms. Naldiana Cerqueira CONSULTA DE ENFERMAGEM E SEUS ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS Prof. Ms. Naldiana Cerqueira CONSULTA DE ENFERMAGEM " É uma atividade utilizada por profissionais capacitados para fornecer parecer, instrução ou

Leia mais

Aquisição da Propriedade Ilícita pela Usucapião

Aquisição da Propriedade Ilícita pela Usucapião Aquisição da Propriedade Ilícita pela Usucapião 2013 Álvaro Borges de Oliveira; Fabiano Oldoni Direitos desta edição adquiridos pela Paco Editorial. Nenhuma parte desta obra pode ser apropriada e estocada

Leia mais

AS PROFISSÕES DE CONTADOR, ECONOMISTA E ADMINISTRADOR: O QUE FAZEM E ONDE TRABALHAM

AS PROFISSÕES DE CONTADOR, ECONOMISTA E ADMINISTRADOR: O QUE FAZEM E ONDE TRABALHAM 1 AS PROFISSÕES DE CONTADOR, ECONOMISTA E ADMINISTRADOR: O QUE FAZEM E ONDE TRABALHAM De acordo com uma pesquisa realizada em Brasília, conforme consta em reportagem publicada pelo jornalista Luis Bissigo,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 200 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº.

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Código de Ética e de Conduta Empresarial

Código de Ética e de Conduta Empresarial O da Irmãos Parasmo S/A leva em consideração os elementos essenciais existentes nas suas relações com os seus diferentes públicos acionistas, clientes, colaboradores, fornecedores, prestadores de serviços,

Leia mais

RELATÓRIO MESA DEVOLVER DESIGN (EXTENSÃO) Falta aplicação teórica (isso pode favorecer o aprendizado já que o aluno não tem a coisa pronta)

RELATÓRIO MESA DEVOLVER DESIGN (EXTENSÃO) Falta aplicação teórica (isso pode favorecer o aprendizado já que o aluno não tem a coisa pronta) 1ª RODADA RELAÇÃO PRÁTICA E TEORIA Pouca teoria, muitas oficinas Matérias não suprem as necessidades de um designer Falta aplicação teórica (isso pode favorecer o aprendizado já que o aluno não tem a coisa

Leia mais

c. Promover o comportamento ético no ambiente em que atuamos.

c. Promover o comportamento ético no ambiente em que atuamos. Introdução O Código de Ética e Conduta foi aprovado em reunião do Conselho de Administração em 03/08/2015. É um documento que resume as principais políticas e diretrizes que definem as regras orientadoras

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 02. Abrangência 03. Objetivos 03. Princípios Gerais 04 Integridade profissional e pessoal

ÍNDICE. Introdução 02. Abrangência 03. Objetivos 03. Princípios Gerais 04 Integridade profissional e pessoal ÍNDICE Introdução 02 Abrangência 03 Objetivos 03 Princípios Gerais 04 Integridade profissional e pessoal 05 Relações com clientes, parceiros e no ambiente de trabalho 06 Condutas não aceitáveis 06 Gestão

Leia mais

Prevenção ao uso de drogas na escola: o que você pode fazer?

Prevenção ao uso de drogas na escola: o que você pode fazer? Prevenção ao uso de drogas na escola: o que você pode fazer? O educador pode contribuir para prevenir o abuso de drogas entre adolescentes de duas formas básicas: incentivando a reflexão e a adoção de

Leia mais

NOTA TÉCNICA N.º 01 /DMSC/DSST/SIT Brasília, 14 de janeiro de 2005.

NOTA TÉCNICA N.º 01 /DMSC/DSST/SIT Brasília, 14 de janeiro de 2005. NOTA TÉCNICA N.º 01 /DMSC/DSST/SIT Brasília, 14 de janeiro de 2005. ASSUNTO: Médico do Trabalho. Definição. INTERESSADO: Associação Nacional de Medicina do Trabalho - ANAMT EMENTA: Médico do Trabalho.

Leia mais

COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL

COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL Osvaldo Américo de Oliveira Sobrinho Professor Universitário osvaldo.sobrinho@hotmail.com Ida Pereira Bernardo Rondon Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

A Ciência e a Arte de Ser Dirigente. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua

A Ciência e a Arte de Ser Dirigente. Autor: Ader Fernando Alves de Pádua A Ciência e a Arte de Ser Dirigente Autor: Ader Fernando Alves de Pádua 1 INTRODUÇÃO Este tema traz a tona uma grande questão que vamos tentar responder nestas poucas paginas, ser um dirigente requer grande

Leia mais

A Defesa dos Direitos das Pessoas com Transtorno Mental e o Ministério Público

A Defesa dos Direitos das Pessoas com Transtorno Mental e o Ministério Público A Defesa dos Direitos das Pessoas com Transtorno Mental e o Ministério Público Bruno Alexander Vieira Soares Promotor de Justiça de Defesa da Saúde/BH Coordenador da Coordenadoria de Defesa das Pessoas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PARA PATINAÇÃO ARTÍSTICA

CÓDIGO DE ÉTICA PARA PATINAÇÃO ARTÍSTICA CÓDIGO DE ÉTICA PARA PATINAÇÃO ARTÍSTICA CÓDIGO DE ÉTICA PARA PATINAÇÃO ARTÍSTICA Dos Fundamentos Éticos ARTIGO 1º - O Código de Ética da Confederação Brasileira de Hóquei e Patinação define os princípios

Leia mais

Avaliação de IHC - Introdução

Avaliação de IHC - Introdução 1 Avaliação de IHC - Introdução Aula 5 20/03/2013 2 Roteiro da Aula Preâmbulo Avaliação: aspectos subjetivos e objetivos Avaliação de IHC O que é Avaliação Profissional Exercício Entregar respostas até

Leia mais

CONSULTA Nº 6.452/2012

CONSULTA Nº 6.452/2012 CONSULTA Nº 6.452/2012 Assunto: Se o médico (profissional autônomo) também precisa seguir a normatização da NR-32, já que é uma determinação apenas do Ministério do Trabalho. Relator: Conselheiro Renato

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO

CÓDIGO DE ÉTICA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO CÓDIGO DE ÉTICA DA AGÊNCIA DE FOMENTO DE GOIÁS S/A GOIÁSFOMENTO 0 ÍNDICE 1 - INTRODUÇÃO... 2 2 - ABRANGÊNCIA... 2 3 - PRINCÍPIOS GERAIS... 2 4 - INTEGRIDADE PROFISSIONAL E PESSOAL... 3 5 - RELAÇÕES COM

Leia mais

Porto Alegre, 13 de abril de 2004. À COSMAM COM. SAÚDE E MEIO AMBIENTE DE PORTO ALEGRE At. VEREADOR SEBASTIÃO MELLO PRESIDENTE. Senhor Presidente.

Porto Alegre, 13 de abril de 2004. À COSMAM COM. SAÚDE E MEIO AMBIENTE DE PORTO ALEGRE At. VEREADOR SEBASTIÃO MELLO PRESIDENTE. Senhor Presidente. 1 Porto Alegre, 13 de abril de 2004 À COSMAM COM. SAÚDE E MEIO AMBIENTE DE PORTO ALEGRE At. VEREADOR SEBASTIÃO MELLO PRESIDENTE. Senhor Presidente. A ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DAS ADJACÊNCIAS DO LIXÃO DE

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 PARECER CONSULTA CRM-MT Nº 33/2011 INTERESSADA: Dra V. da C. R. F. Perita Médica Precidenciária/SST/MOB

Leia mais

-------------------------------------------------------------------------------- RESOLUÇÃO CFM Nº 1772/2005

-------------------------------------------------------------------------------- RESOLUÇÃO CFM Nº 1772/2005 Normas para certificado de atualização profissional O Conselho Federal de Medicina aprovou, em sessão plenária encerrada no dia 12 de agosto, a Resolução 1772/2005, que institui o certificado de atualização

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul CARTA DE PORTO ALEGRE A crise nas Emergências agrava-se a cada ano e hoje constitui um dos grandes problemas de saúde no Estado. Os enfermos que acorrem às Emergências aumentam progressivamente; em contrapartida,

Leia mais

JUDICIALIZAÇÃO - REGULAMENTAÇÃO DO PRODUTO DE ATENÇÃO DOMICILAR

JUDICIALIZAÇÃO - REGULAMENTAÇÃO DO PRODUTO DE ATENÇÃO DOMICILAR JUDICIALIZAÇÃO - REGULAMENTAÇÃO DO PRODUTO DE ATENÇÃO DOMICILAR 1 A S S I S T Ê N C I A M É D I C O - H O S P I T A L A R : D E S A F I O S, C E N Á R I O S E O P O R T U N I D A D E S B R A S I L 2 0

Leia mais

DESPACHO SEJUR N.º 513/2015

DESPACHO SEJUR N.º 513/2015 DESPACHO SEJUR N.º 513/2015 (Aprovado em Reunião de Diretoria em 14/10/2015) Interessado: Dr. M. F. C. N Expedientes n.º 8771/2015 Assunto: Análise jurídica. Perícia médico-legal em vítimas de violência

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

O QUE É MEDIAÇÃO? Exemplos práticos: Conflitos de vizinhança, separação, divórcio, conflitos trabalhistas, etc...

O QUE É MEDIAÇÃO? Exemplos práticos: Conflitos de vizinhança, separação, divórcio, conflitos trabalhistas, etc... O QUE É MEDIAÇÃO? A Mediação é uma forma de tentativa de resolução de conflitos através de um terceiro, estranho ao conflito, que atuará como uma espécie de "facilitador", sem entretanto interferir na

Leia mais

Programa de Formação para Profissionais

Programa de Formação para Profissionais Programa de Formação para Profissionais 1 O ACESSO À INFORMAÇÃO DE SAÚDE DIREITOS, PROCEDIMENTOS E GARANTIAS Sérgio Pratas smpratas@gmail.com Maio e Junho 2015 2 Programa: 1. O acesso à informação de saúde

Leia mais

EXEMPLO. Ensaio CHIPS. (Control of Hypertension In Pregnancy Study/Estudo do Controle da Hipertensão na Gravidez)

EXEMPLO. Ensaio CHIPS. (Control of Hypertension In Pregnancy Study/Estudo do Controle da Hipertensão na Gravidez) {Colocar no Cabeçalho do Hospital} Ensaio CHIPS (Control of Hypertension In Pregnancy Study/Estudo do Controle da Hipertensão na Gravidez) Introdução (CHECK LIST) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

Leia mais

Disciplina: Rotinas de Departamento Pessoal. Prof. Robson Soares

Disciplina: Rotinas de Departamento Pessoal. Prof. Robson Soares Disciplina: Rotinas de Departamento Pessoal Prof. Robson Soares Capítulo 4 Aplicando Pessoas Na gestão de pessoas estudamos seis processos de administração de recursos humanos; processos de agregar pessoas,

Leia mais

PARECER COREN-SP 063/2013 CT PRCI n 102.713 Ticket 302.326

PARECER COREN-SP 063/2013 CT PRCI n 102.713 Ticket 302.326 PARECER COREN-SP 063/2013 CT PRCI n 102.713 Ticket 302.326 Ementa: Uso de contenção mecânica pela equipe de enfermagem, ante a recusa do paciente em receber tratamento. 1. Do fato Enfermeiro informa o

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação.

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 53850.000656/2015-72 Assunto: Restrição de acesso: Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação. Não há

Leia mais

a convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência 2007 e o decreto n o 6.949, de 25 de agosto de 2009. 1

a convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência 2007 e o decreto n o 6.949, de 25 de agosto de 2009. 1 a convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência 2007 e o decreto n o 6.949, de 25 de agosto de 2009. 1 Depois de concluídas todas as etapas, podemos inferir que a Convenção sobre os Direitos

Leia mais