A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO"

Transcrição

1 A GENEROSIDADE: REFLEXÃO EM TORNO DO CONCEITO Ramiro Marques A generosidade é um vocábulo que vem do latim generositate, que significa bondade da raça, boa qualidade. O adjectivo generoso vem do latim generosu, que significa de boa extracção, de boa raça e nobre. A magnificência vem do latim magnificentia, que significa nobreza e grandeza de alma. A generosidade é uma virtude que diz respeito à riqueza e, sobretudo, no dar partes da riqueza a quem precisa e na quantidade apropriada, tendo em conta a propriedade da pessoa que dá e as necessidades de quem recebe. Aristóteles limita a riqueza, objecto da generosidade, a tudo aquilo que pode ser medido pelo dinheiro. Não estamos, por isso, a falar de riqueza espiritual, de honra ou de glória, mas apenas do que pode ser transaccionado com dinheiro. A generosidade é uma virtude da dádiva. Distingue-se da justiça pelo facto de não se limitar a dar ao outro aquilo que é dele ou lhe pertence, mas sim aquilo que, sendo nosso, faz falta ao outro. A justiça não é necessária nem essencial à generosidade. Enquanto a justiça é uma virtude que depende, sobretudo, da reflexão, a generosidade depende, ainda mais, do coração e do temperamento. Comte-Sponville (1) distingue, assim, a generosidade da justiça: "é certo que a justiça e a generosidade têm ambas que ver com as nossas relações com os outros; mas a generosidade é mais subjectiva, mais singular, mais afectiva, mais espontânea, ao passo que a justiça, mesmo aplicada, conserva algo de objectivo, de mais universal, de mais intelectual ou mais reflectido". A pessoa generosa está num estado de equilíbrio e de meio termo entre a pessoa esbanjadora ( o vulgar perdulário) e a pessoa avara. O meio termo (generosidade) é uma virtude e a deficiência e o excesso são vícios, embora a falta de generosidade seja mais viciosa do que o esbanjamento. Seguindo a teoria aristotélica da virtude como um estado de meio termo, podemos dizer que a pessoa avara está mais afastada da virtude do que a pessoa esbanjadora. A pessoa avara caracteriza-se por gostar muito de receber e muito pouco de dar. À medida que a pessoa envelhece e se habitua a receber muito e a dar pouco ou nada, vai transformando essa condição num vício incurável. A pessoa esbanjadora, à medida que vai empobrecendo, vai aproximando-se mais do meio termo. Com um pouco de habituação e uma boa orientação, a pessoa esbanjadora pode tornar-se generosa, mas a

2 pessoa avara tem a tendência para se afastar, cada vez mais, da média. A pessoa generosa sente mais prazer em dar às pessoas certas, nas quantidades adequadas e da forma correcta do que em receber, ainda que seja das fontes certas. A pessoa avara é a que leva a riqueza mais a sério do que aquilo que convém. A pessoa esbanjadora é a que é intemperada no gastar. A virtude da generosidade é muito apreciada porque é mais elogiado e digno de apreço quem dá do que quem recebe, porque não receber é mais fácil do que dar. Enquanto o generoso sente prazer no dar, o avaro goza com o guardar e, por vezes, chega ao ponto de apreciar a obtenção da riqueza a partir de fontes erradas. A generosidade é uma virtude porque procura finalidades rectas, isto é, dar às pessoas certas, nas quantidades adequadas, no momento certo e da forma correcta. A avareza é uma vício porque visa finalidades baixas, ou seja, guardar para si o máximo de riqueza, revelando deficiência no dar e excesso no receber. Como é mais fácil receber do que dar, não admira que seja mais comum a avareza do que a generosidade. A pessoa generosa sente prazer a dar. Aquele que dá por obrigação não pode ser considerado generoso. Tão pouco o que sofre com o dar. O que dá às pessoas erradas, ou não dá com objectivos rectos, também não pode ser considerado generoso. Há algumas condições inerentes aos acto generoso. Não depende da quantidade que se dá, mas do estado do doador. O que se dá tem de provir de fontes correctas. Dá-se apenas porque se gosta de dar, sem quaisquer outras finalidades ou razões. O generoso é o que dá de acordo com as suas posses e em função de finalidades rectas. Aquele que dá mais do que pode, não é generoso mas perdulário. A generosidade é uma média relacionada com o dar e receber riqueza e a pessoa generosa dá e gasta a quantidade certa e fá-lo com prazer. O generoso é mais pronto a dar benefícios do que a receber. A pessoa avara é deficiente no dar e excessiva no receber, embora não se apodere, forçosamente, dos bens dos outros de forma ilegítima. Isso acontece porque, embora o avaro ame em demasia a aquisição de bens, possui uma certa forma de decência que o leva a envergonhar-se de tomar para si os bens dos outros. Há, no entanto, algumas pessoas que levam o seu amor excessivo à aquisição de bens até ao ponto de se apoderarem dos bens dos outros, de qualquer forma. Estão, neste caso, todos os que exercem profissões degradantes ou os usurários que emprestam dinheiro a juros elevados. Mais reprováveis, ainda, são os que levam a sua paixão pela aquisição de bens ao ponto de roubarem, mostrando estar numa completa dependência dos apetites sensíveis. O que caracteriza a pessoa generosa? "o generoso não é prisioneiro dos seus afectos, nem de si próprio: pelo contrário, é

3 senhor de si, e por isso sem desculpas e sem as buscar. Basta-lhe a vontade. Basta-lhe a virtude" (2). Aristóteles considera que há vícios mais afastados do meio termo e, portanto, da virtude, do que outros. A avareza é um vício mais afastado da generosidade do que o esbanjamento. Enquanto a avareza é um vício incurável que se acentua com a idade, o esbanjamento pode ser corrigido, com habituação e orientação espiritual, porque o esbanjador possui o traço e a motivação desejável do generoso. A pessoa esbanjadora, além do mais, não parece ser má, se atendermos à noção aristotélica de benefício ou prejuízo feito a outros pelos vícios. É pacífica a ideia de que a pessoa esbanjadora não age com a intenção de fazer mal aos outros. Quando muito, pode acabar por fazer mal a si própria. Contudo, quando o esbanjamento chega ao ponto de fazer mal, também, aos que dependem da fortuna do esbanjador, então já poderemos estar perante um vício com dolo, revelador de uma certa insensibilidade para com quem nos ama e depende nós. Aquele que gosta de esbanjar e aquele que é avaro têm em comum a partilha do egoísmo. E o que é o egoísmo? Aristóteles dedica o capítulo XIII do livro II da Magna Moralia à análise do egoísmo. Começa por referir que o homem de bem pode ter amizade por si próprio, mas isso não significa que seja egoísta. O egoísta é aquele que, em tudo o que seja útil, procura apenas o seu interesse próprio, ignorando os interesses e os direitos dos outros. A pessoa vil é sempre egoísta, pois essa pessoa age sempre na defesa do seu interesse próprio e nunca em defesa dos outros. O homem de bem é o contrário: age em defesa dos outros e é, por isso, que o homem de bem nunca pode ser egoísta. Claro está que todas as pessoas têm um impulso e uma inclinação para adquirirem bens e quase todas as pessoas acreditam que são merecedoras de bens, sobretudo de bens associados à riqueza e ao poder. Mas, o homem de bem sabe reconhecer aquilo que lhe pertence por mérito e por direito e aquilo que pertence aos outros. O homem de bem só fica com aquilo que lhe cabe e, em caso de dúvida, prefere ficar com menos do que aquilo que lhe cabe, porque, como foi sabiamente referido por Sócrates, é preferível ser vítima de injustiça do que cometer injustiça. O homem egoísta considera que lhe cabe tudo aquilo que lhe for possível adquirir e nunca crê que pode fazer mau uso dos bens. É, por isso, que os egoístas quando obtêm muito poder tendem a abusar do poder, pois revelam uma grande ignorância em relação às suas limitações e aos seus defeitos. O que caracteriza o homem de bem é precisamente a capacidade para renunciar, em favor dos seus amigos, aos bens úteis e a ser capaz de amar os seus amigos tanto como se ama a si. Por isso, o homem de bem não é egoísta em relação aos bens úteis, mas é, de uma certa forma, egoísta, em relação aos bens da alma. Ou seja, do ponto de vista do útil, o homem de bem prefere o seu amigo, mas do ponto de vista do belo e do bem, é ele próprio que ele

4 prefere, pois reserva para si os melhores tesouros, aqueles que dizem respeito ao belo e ao bem, os tesouros da alma, da sabedoria e da verdade. Vejamos, agora, a magnificência. Enquanto a generosidade está ao alcance de qualquer pessoa virtuosa, a magnificência diz respeito apenas ao dar em larga escala, grandes quantidades de riqueza, para propósitos de grande dimensão, em troca de honra e glória. Aristóteles (3) define larga escala como algo de grandes dimensões, inacessível às pessoas vulgares, e que é próprio e adequado à riqueza de quem dá e às circunstâncias e finalidade. A pessoa magnificente é a que gasta uma grande quantidade de riqueza, num empreendimento digno, de maneira apropriada, numa realização valiosa. Embora a magnificência implique generosidade, distingue-as o seu objecto e a escala. Em comum, o facto de, tanto o generoso como o magnificente, gastarem o que está certo, de forma apropriada, em coisas valiosas. A magnificência de uma realização não é apenas proporcional à riqueza nela investida. Quanto mais valioso e excelente for o empreendimento, maior a sua magnificência. Aristóteles distingue dois tipos de magnificência: a que diz respeito à esfera pública e a da esfera privada. Como exemplos da primeira, os templos erguidos em honra dos deuses ou a oferta de grandes festas e eventos culturais, por ocasião de acontecimentos ou datas marcantes para a comunidade. Quando um pai oferece um casamento magnificente à sua filha, sem exceder ou ficar aquém das suas possibilidades, está a praticar um acto de magnificência da esfera privada. A mesma coisa, quando alguém oferece um presente de casamento ou de aniversário magnificente a um amigo. Tal como com a generosidade, também a magnificência tem o seu excesso e a sua deficiência. O excesso é a vulgaridade. A deficiência é a baixeza ou mesquinhez. Quando a pessoa se excede nos gastos, gastando mais do que está certos para as suas posses, e ainda por cima num empreendimento pouco valioso ou de mau gosto, dizemos que essa pessoa caiu na vulgaridade e no fausto. À pessoa vulgar falta-lhe a noção da medida e da proporção: gasta pouco quando se justifica gastar muito e gasta muito quando é correcto gastar pouco. A pessoa baixa e mesquinha é deficiente em tudo, não apenas na escolha dos fins rectos, mas também dos meios e quantidades apropriadas: em tudo aquilo que faz, procura gastar o menos possível, pensando sempre que está a gastar mais do que aquilo que devia. Na Magna Moralia, Aristóteles dedica um pequeno capítulo à magnificência, afirmando: "a magnificência é o meio termo entre o fausto e a mesquinhez. Diz respeito às despesas que é necessário fazer segundo as conveniências. Todo o homem que gasta quando não é necessário, é faustoso: por exemplo, todo o homem que

5 oferece um jantar aos membros da sua associação como trataria os convivas de um casamento, é um faustoso...o mesquinho é o seu oposto, aquele que não faz uma grande despesa numa circunstância que o exige, ou que se a fizer (por exemplo, no casamento), o faz de uma maneira indigna e insuficiente" (4). Embora a vulgaridade e a baixeza sejam vícios, porque se afastam da proporção, da medida e do meio termo, não poderemos considerá-los vis, em si mesmas, visto que não visam fazer mal aos outros. São mais deficiências de carácter do que deformações de carácter. Notas 1) Comte-Sponville, A (1995). Pequeno Tratado das Grandes Virtudes. Lisboa: Editorial Presença, p. 95 2) idem, p ) Aristóteles (1985). Nichomachean Ethics. (Introdução, tradução e notas de Terence Irwin). Indianapolis: Kackett, p. 93 3) idem 4) Aristóteles (1995). Les Grands Livres d`éthique (Magna Moralia). Évreux: Arléa, 1192 a, 5, p. 102

Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques

Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques Cap. 3 - O PRAZER E A DOR EM ARISTÓTELES Ramiro Marques Aristóteles define prazer como "um certo movimento da alma e um regresso total e sensível ao estado natural" (1). A dor é o seu contrário. O que

Leia mais

A PRUDÊNCIA EM ARISTÓTELES. Ramiro Marques

A PRUDÊNCIA EM ARISTÓTELES. Ramiro Marques A PRUDÊNCIA EM ARISTÓTELES Ramiro Marques A prudência é uma virtude do pensamento que é uma condição da virtude. Na Antiguidade Clássica e na Idade Média, era considerada uma das quatro virtudes cardinais,

Leia mais

Educação e Valores em Tempos de Mudança. A Herança Clássica

Educação e Valores em Tempos de Mudança. A Herança Clássica Educação e Valores em Tempos de Mudança A Herança Clássica Duas Perspectivas Axiológicas Absolutismo axiológico Modelo da educação do carácter Relativismo axiológico Modelo da clarificação de valores O

Leia mais

Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral

Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral Caracteres do homem de bem Questão: 918 O homem de bem tira boas coisas do bom tesouro do seu coração e o mau tira as más do mau tesouro do seu coração; porquanto,

Leia mais

Gilles Deleuze, NIETZSCHE E A FILOSOFIA

Gilles Deleuze, NIETZSCHE E A FILOSOFIA (...)O CONCEITO DE VERDADE «A verdade tem sido sempre postulada como essência, como Deus, como instância suprema... Mas a vontade de verdade tem necessidade de uma crítica. - Defina-se assim a nossa tarefa

Leia mais

VIRTUDE E FELICIDADE EM ARISTÓTELES

VIRTUDE E FELICIDADE EM ARISTÓTELES VIRTUDE E FELICIDADE EM ARISTÓTELES A ética de Aristóteles estabelece o conteúdo e os meios de alcançar-se a eudaimonia, a plena realização humana. Tratar do conceito de Eudaimonia em Aristóteles, devido

Leia mais

Os dez mandamentos da ética

Os dez mandamentos da ética Os dez mandamentos da ética Gabriel Chalita Resumo do livro Os Dez Mandamentos da Ética de Gabriel Chalita, Ed. Nova Fronteira, 6ª impressão. A esperança é o sonho do homem acordado Aristóteles, citado

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

FILOSOFIA. Platão. OpenRose

FILOSOFIA. Platão. OpenRose FILOSOFIA Platão OpenRose 1 PLATÃO Filósofo grego (427 a.c.?-347 a.c.?). Um dos mais importantes filósofos de todos os tempos. Suas teorias, chamadas de platonismo, concentram-se na distinção de dois mundos:

Leia mais

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Ética e felicidade Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Introdução: Ética e Felicidade são dois temas que possuem grande relação e comparação ao longo da história da filosofia.

Leia mais

O que a Bíblia diz sobre o dinheiro

O que a Bíblia diz sobre o dinheiro Seção 2 O que a Bíblia diz sobre o A questão do e das posses é mencionada muitas vezes na Bíblia. Esta seção examina o que a Bíblia nos ensina sobre a nossa atitude para com o. Ela vai nos ajudar a considerar

Leia mais

SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12

SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12 SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12 A SALVAÇÃO É A PRÓPRIA PESSOA DE JESUS CRISTO! VOCÊ SABE QUAL É O ENDEREÇO DE JESUS! MAS ISSO É SUFICIENTE? Conhecer o endereço de Jesus, não lhe garantirá

Leia mais

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS

S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS: Index. S. Tomás de Aquino QUESTÕES SOBRE A EXISTÊNCIA E A INTERLIGAÇÃO DAS VIRTUDES INFUSAS Índice Geral 1. Se existem virtudes teologais.

Leia mais

AS EMOÇÕES EM ARISTÓTELES. Ramiro Marques

AS EMOÇÕES EM ARISTÓTELES. Ramiro Marques AS EMOÇÕES EM ARISTÓTELES Ramiro Marques Aristóteles (1) procede a uma análise das emoções (ira, calma, amizade, inimizade, temor, vingança, vergonha, desvergonha, amabilidade, piedade, indignação, inveja

Leia mais

LIÇÃO 7 Necessidades Básicas Supridas

LIÇÃO 7 Necessidades Básicas Supridas LIÇÃO 7 Necessidades Básicas Supridas O pão nosso de cada dia nos dá hoje ( Mateus 6: 11). Nos dá. Isto agora já soa mais como as orações que geralmente fazemos. Dá-me comida! Dá-me uma casa! Dá-me um

Leia mais

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO)

AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) AGOSTINHO DE HIPONA E TOMÁS DE AQUINO (3ª SÉRIE, REVISÃO TESTÃO) PERÍODOS DA FILOSOFIA MEDIEVAL 1º Patrística: século II (ou do V) ao VIII (Agostinho de Hipona). 2º Escolástica: século IX ao XV (Tomás

Leia mais

7. O DEUS DINHEIRO. Introdução CURSO: PROBLEMAS EMOCIONAIS

7. O DEUS DINHEIRO. Introdução CURSO: PROBLEMAS EMOCIONAIS CURSO: PROBLEMAS EMOCIONAIS 7. O DEUS DINHEIRO 1. Você diria que o dinheiro é a raiz de todos os males? (Ver I Tm 6.10). 2. Desejar dinheiro e trabalhar por ele é pecado? 3. Ser rico é pecado? Introdução

Leia mais

Enfrentando a Tentação

Enfrentando a Tentação Livro 1 página 36 Lição Cinco Enfrentando a Tentação Perguntas Básicas Leia cada pergunta e resposta em baixo, e medite nelas até que as compreenda bem. Examine as referências bíblicas indicadas que apoiam

Leia mais

O AMOR AO DINHEIRO O AMOR AO DINHEIRO PRINCÍPIOS BÍBLICOS NA GESTÃO FINANCEIRA O AMOR AO DINHEIRO O AMOR AO DINHEIRO. O Dinheiro em Perspectiva

O AMOR AO DINHEIRO O AMOR AO DINHEIRO PRINCÍPIOS BÍBLICOS NA GESTÃO FINANCEIRA O AMOR AO DINHEIRO O AMOR AO DINHEIRO. O Dinheiro em Perspectiva A insensatez mundana ao alcance dos cistãos Vlademir Hernandes 1 2 Entendimento do Problema Diagnóstico do Problema Uma Proposta de Solução para o Problema Entendimento do Problema Diagnóstico do Problema

Leia mais

ÉTICA APLICADA Ética e Moral

ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA é o ramo da filosofia dedicado aos assuntos morais, é ciência que se ocupa do estudo do comportamento humano e investiga o sentido que o homem confere às suas ações.

Leia mais

Mensagens de Santa Paula Frassinetti (Extraídas do livro: PALAVRA VIDA) Esteja alegre e, quanto possível, contribua também para a alegria dos outros.

Mensagens de Santa Paula Frassinetti (Extraídas do livro: PALAVRA VIDA) Esteja alegre e, quanto possível, contribua também para a alegria dos outros. Mensagens de Santa Paula Frassinetti (Extraídas do livro: PALAVRA VIDA) Abri o coração às maiores esperanças para o futuro. Esteja alegre e, quanto possível, contribua também para a alegria dos outros.

Leia mais

A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR?

A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR? A OFERTA DE UM REI (I Crônicas 29:1-9). 5 - Quem, pois, está disposto a encher a sua mão, para oferecer hoje voluntariamente ao SENHOR? Esse texto é um dos mais preciosos sobre Davi. Ao fim de sua vida,

Leia mais

Décima Primeira Lição

Décima Primeira Lição 70 Décima Primeira Lição AUTORIDADE NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS A EDUCAÇÃO DOS FILHOS NO LAR A) O lar tem suma importância na vida humana, pois é o berço de costumes, hábitos, caráter, crenças e morais de cada

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI

2015 O ANO DE COLHER JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI JANEIRO - 1 COLHER ONDE PLANTEI Texto: Sal. 126:6 Durante o ano de 2014 falamos sobre a importância de semear, preparando para a colheita que viria neste novo ano de 2015. Muitos criaram grandes expectativas,

Leia mais

Cap. 2 - O BEM E A FELICIDADE. Ramiro Marques

Cap. 2 - O BEM E A FELICIDADE. Ramiro Marques Cap. 2 - O BEM E A FELICIDADE Ramiro Marques A maior parte das pessoas identificam o bem com a felicidade, mas têm opiniões diferentes sobre o que é a felicidade. Será que viver bem e fazer o bem é a mesma

Leia mais

5º. Dia 3 de Março. Enxergando a vida do ponto de vista dedeus. Que é a sua vida? Tiago 4.14b; nvi

5º. Dia 3 de Março. Enxergando a vida do ponto de vista dedeus. Que é a sua vida? Tiago 4.14b; nvi 5º. Dia 3 de Março Enxergando a vida do ponto de vista dedeus Que é a sua vida? Tiago 4.14b; nvi Nós não vemos as coisas como são, mas como nós somos.anaïs Nin O modo de você enxergar sua vida molda sua

Leia mais

Curso Bíblico. Lição 5. Restituição & Perdão

Curso Bíblico. Lição 5. Restituição & Perdão Curso Bíblico Lição 5 Curso Bíblico Para Novos Discípulos de Jesus Cristo Devemos a ndar de tal forma que sejamos dignos de ser chamados discípulos de Jesus. Restituição & Perdão No Antigo Testamento,

Leia mais

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 9 O Valor Económico do Meio Ambiente O porquê da Valorização Ambiental Como vimos em tudo o que para trás

Leia mais

A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS

A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS Quinta-feira, 25 de Março de 2010 (Vídeo) P. Santo Padre, o jovem

Leia mais

Amor que transforma Rm 8:35 a 39

Amor que transforma Rm 8:35 a 39 1 Amor que transforma Rm 8:35 a 39 31 Que diremos, pois, diante dessas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? 32 Aquele que não poupou a seu próprio Filho, mas o entregou por todos nós, como

Leia mais

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas

LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas LIÇÃO 8 Necessidades Sociais Satisfeitas E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores (Mateus 6:12). Esta é uma lição importante. Fixamos as condições para o nosso próprio

Leia mais

Os Quatro Tipos de Solos - Coração

Os Quatro Tipos de Solos - Coração Os Quatro Tipos de Solos - Coração Craig Hill Marcos 4:2-8 Jesus usava parábolas para ensinar muitas coisas. Ele dizia: 3 Escutem! Certo homem saiu para semear. 4 E, quando estava espalhando as sementes,

Leia mais

Caracterização Cronológica

Caracterização Cronológica Caracterização Cronológica Filosofia Medieval Século V ao XV Ano 0 (zero) Nascimento do Cristo Plotino (204-270) Neoplatônicos Patrística: Os grandes padres da igreja Santo Agostinho ( 354-430) Escolástica:

Leia mais

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador.

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. Algumas quedas servem para que nos levantemos mais felizes. A gratidão é o único tesouro dos humildes. A beleza atrai os

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Vida em Sociedade Palestrante: Regina de Agostini Rio de Janeiro 05/02/1999 Organizadores da palestra: Moderador: "Brab" (nick: [Moderador])

Leia mais

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS

ESTUDO 1 - ESTE É JESUS 11. Já vimos que Jesus Cristo desceu do céu, habitou entre nós, sofreu, morreu, ressuscitou e foi para a presença de Deus. Leia João 17:13 e responda: Onde está Jesus Cristo agora? Lembremo-nos que: Jesus

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

A Alienação (Karl Marx)

A Alienação (Karl Marx) A Alienação (Karl Marx) Joana Roberto FBAUL, 2006 Sumário Introdução... 1 Desenvolvimento... 1 1. A alienação do trabalho... 1 2. O Fenómeno da Materialização / Objectivação... 2 3. Uma terceira deterninação

Leia mais

VIRTUDES E VÍCIOS EM ARISTÓTELES E TOMÁS DE AQUINO: OPOSIÇÃO E PRUDÊNCIA *

VIRTUDES E VÍCIOS EM ARISTÓTELES E TOMÁS DE AQUINO: OPOSIÇÃO E PRUDÊNCIA * VIRTUDES E VÍCIOS EM ARISTÓTELES E TOMÁS DE AQUINO: OPOSIÇÃO E PRUDÊNCIA * Cláudio Henrique da Silva ** Pretendemos, nesta exposição, fazer uma breve reflexão sobre como Aristóteles estabelece o quadro

Leia mais

Confiança, esperança e solidariedade

Confiança, esperança e solidariedade Confiança, esperança e solidariedade Comummente, vivemos em mentira. Não é possível, epistemológica e eticamente, tratar do tema que titula esta reflexão aceitando tal condição, pela evidente razão relacional

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro I Curso Planejamento e Educação Financeira Uma parceria Órama e Dinheirama. Planejamento Financeiro Por Sandra Blanco Consultora de Investimentos da Órama, mais de anos de mercado,

Leia mais

Amor em Perspectiva Cultural - Artur da Távola & Érico Veríssimo

Amor em Perspectiva Cultural - Artur da Távola & Érico Veríssimo Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Cultura Educador: João Nascimento Borges Filho Amor em Perspectiva

Leia mais

Cadernos BC Série Educativa. O que são os bancos?

Cadernos BC Série Educativa. O que são os bancos? Cadernos BC Série Educativa O que são os bancos? Cadernos BC Série Educativa O que são os bancos? Banco Central do Brasil Editada em dezembro de 2002. Com certeza, você já foi alguma vez a um banco e

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

LIÇÃO 1 Deus Tem Dons para Nós

LIÇÃO 1 Deus Tem Dons para Nós LIÇÃO 1 Deus Tem Dons para Nós Esta é a primeira de duas lições que lhe darão um bom fundamento para tudo quanto estudar neste curso. Nesta primeira lição, estudará a sua importância no corpo de Cristo.

Leia mais

Vogal de Caridade Cadernos de Serviços

Vogal de Caridade Cadernos de Serviços Vogal de Caridade Cadernos de Serviços Nome: Conselho Local / Regional / Nacional Centro Local: Vicente de Paulo foi um homem aberto a Deus e aos homens, daí ser chamado o santo da caridade. Homem humano,

Leia mais

«Anti-Cristo» Pedro Filipe Adão Universidade Nova de Lisboa

«Anti-Cristo» Pedro Filipe Adão Universidade Nova de Lisboa «Anti-Cristo» Pedro Filipe Adão Universidade Nova de Lisboa Nietzsche é uma das mais controversas personagens do seu tempo. O seu estilo, a forma radical como pôs os valores vigentes em causa e a maneira

Leia mais

"Ajuntai tesouros no céu" - 1

Ajuntai tesouros no céu - 1 "Ajuntai tesouros no céu" - 1 Mt 6:19-21 "Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a

Leia mais

Nº34B 28º Domingo do Tempo Comum-11.10.2015 Partilhar o que temos

Nº34B 28º Domingo do Tempo Comum-11.10.2015 Partilhar o que temos Nº34B 28º Domingo do Tempo Comum-11.10.2015 Partilhar o que temos Ouvimos hoje, no Evangelho, Jesus dizer É mais fácil passar um camelo por um buraco de uma agulha, que um rico entrar no Reino dos Céus.

Leia mais

VI. Características do verdadeiro amor!

VI. Características do verdadeiro amor! CLASSE DE CASAIS CURSO: CONSTRUINDO UM CASAMENTO COM AMOR VI. Características do verdadeiro amor! Agora existem estas três coisas: a fé, a esperança e o amor. Porém a maior delas é o amor (I Co 13.13)

Leia mais

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental

ESAPL IPVC. Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais. Economia Ambiental ESAPL IPVC Licenciatura em Engenharia do Ambiente e dos Recursos Rurais Economia Ambiental Tema 2 O MERCADO O Mercado Os Economistas estudam e analisam o funcionamento de uma série de instituições, no

Leia mais

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural

CONHECIMENTO DA LEI NATURAL. Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural CONHECIMENTO DA LEI NATURAL Livro dos Espíritos Livro Terceiro As Leis Morais Cap. 1 A Lei Divina ou Natural O que é a Lei Natural? Conceito de Lei Natural A Lei Natural informa a doutrina espírita é a

Leia mais

Workshop (short draft) Religar os valores

Workshop (short draft) Religar os valores Workshop (short draft) Religar os valores O espírito da nova empresa Paulo Galvão Homens de Schoenstatt Lisboa - Praça de Damão, 7, 1400-085 Lisboa, www.homensdeschoenstatt.com OBJECTIVO GERAL Estar consciente

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 3 - A ANTROPOLOGIA COMO FUNDAMENTO DA PEDAGOGIA. Para Edith Stein existe uma profunda relação entre os termos metafísica, antropologia e pedagogia

Leia mais

O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias. O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III

O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias. O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III O Dinheiro ou a Circulação das Mercadorias O Capital Crítica da Economia Política Capítulo III 1 Funções como Dinheiro Funções básicas: a) medida de valores; b) meio de circulação. Funções próprias: a)

Leia mais

GOVERNO UTILIZA EMPRESAS PUBLICAS PARA REDUZIR O DÉFICE ORÇAMENTAL, ENDIVIDANDO-AS E ARRASTANDO-AS PARA A SITUAÇÃO DE FALENCIA TÉCNICA

GOVERNO UTILIZA EMPRESAS PUBLICAS PARA REDUZIR O DÉFICE ORÇAMENTAL, ENDIVIDANDO-AS E ARRASTANDO-AS PARA A SITUAÇÃO DE FALENCIA TÉCNICA GOVERNO UTILIZA EMPRESAS PUBLICAS PARA REDUZIR O DÉFICE ORÇAMENTAL, ENDIVIDANDO-AS E ARRASTANDO-AS PARA A SITUAÇÃO DE FALENCIA TÉCNICA RESUMO DESTE ESTUDO Os principais jornais diários portugueses divulgaram

Leia mais

A. Das hipóteses apresentadas (A, B, C e D), assinala a correcta.

A. Das hipóteses apresentadas (A, B, C e D), assinala a correcta. Língua Portuguesa 8º ano EBI da Charneca de Caparica FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA ESCOLA BÁSICA INTEGRADA Nome: N.º: Turma: Data: / / Enc. Educação: Apreciação: Professor: Lê atentamente as questões que

Leia mais

HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo!

HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo! HOMILIA: A CARIDADE PASTORAL A SERVIÇO DO POVO DE DEUS (1 Pd 5,1-4; Sl 22; Mc 10, 41-45) Amados irmãos e irmãs na graça do Batismo! A vida e o ministério do padre é um serviço. Configurado a Jesus, que

Leia mais

Comprar de forma compulsiva (falta de controle sobre si)

Comprar de forma compulsiva (falta de controle sobre si) 20 Meu filho, escute o que lhe digo; preste atenção às minhas palavras. 21 Nunca as perca de vista; guarde- as no fundo do coração, 22 pois são vida para quem as encontra e saúde para todo o seu ser. 23

Leia mais

Regulamento Interno do Voluntariado. Aprovado em 20 de Maio de 2002

Regulamento Interno do Voluntariado. Aprovado em 20 de Maio de 2002 Aprovado em 20 de Maio de 2002 www.faad.online.pt 1/1 CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E DEFINIÇÃO ARTIGO 1º 1. A Fundação de Aurélio Amaro Diniz é uma Instituição Particular de Solidariedade Social registada

Leia mais

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA

Palestrante: José Nazareno Nogueira Lima Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A ÉTICA NA POLÍTICA Palestrante: Advogado, Diretor -Tesoureiro da OAB/PA, Consultor da ALEPA A origem da palavra ÉTICA Ética vem do grego ethos, que quer dizer o modo de ser, o caráter. Os romanos traduziram

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Mediunidade (Consciência, Desenvolvimento e Educação) Palestrante: Vania de Sá Earp Rio de Janeiro 16/06/2000 Organizadores da palestra:

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

Mensagem do. 1º de Dezembro de 2003. Por S.A.R. O Duque de Bragança

Mensagem do. 1º de Dezembro de 2003. Por S.A.R. O Duque de Bragança Mensagem do 1º de Dezembro de 2003 Por S.A.R. O Duque de Bragança 1 Neste mosteiro de Santa Cruz de Coimbra, finalmente elevado a Panteão Nacional, é para mim uma responsabilidade e uma honra falar junto

Leia mais

Cristina Fernandes. Manual. de Protocolo. Empresarial

Cristina Fernandes. Manual. de Protocolo. Empresarial Cristina Fernandes Manual de Protocolo Empresarial Lisboa Universidade Católica Editora 2014 Índice Prefácio de Catarina Zagalo 13 Parte I O enquadramento do protocolo 1 O protocolo 16 1.1. Definição de

Leia mais

ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE!

ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE! ESTUDO 5 A ORIGEM DO BEM A PALAVRA DA VERDADE! Texto: Tiago 1: 16-27 Introdução: Todo o bem vem da parte de Deus; e todo o mal vem da depravação humana. Tiago enfatiza a prática da palavra de Deus. I Como

Leia mais

Dez Mandamentos. Índice. Moisés com as Tábuas da Lei, por Rembrandt

Dez Mandamentos. Índice. Moisés com as Tábuas da Lei, por Rembrandt Dez Mandamentos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. (Redirecionado de Os dez mandamentos) Ir para: navegação, pesquisa Nota: Para outros significados, veja Dez Mandamentos (desambiguação). Moisés

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

Verónica Santos & Ricardo Ascenso

Verónica Santos & Ricardo Ascenso "Amar é encontrar na felicidade de outrem a própria felicidade." - Gottfried Leibnitz "Por Por mais longe que o espírito alcance, não vai tão longe quanto o coração." - Anónimo "Amar nada mais é do que

Leia mais

TIPOS DE EMPRESAS. Se a opção for a de Empresário Individual, o patrimônio particular se confunde com o da empresa.

TIPOS DE EMPRESAS. Se a opção for a de Empresário Individual, o patrimônio particular se confunde com o da empresa. 1 TIPOS DE EMPRESAS A atividade econômica organizada produtiva pode ser exercida individualmente ou de forma coletiva, objetivando a partilha do resultado. Se a opção for a de Empresário Individual, o

Leia mais

Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo.

Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo. 1 Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo. Amados Irmãos no nosso Senhor Jesus Cristo: É devido à atuação intima do Espírito

Leia mais

Os Talentos. Roteiro 3

Os Talentos. Roteiro 3 Os Talentos Roteiro 3 FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Estudo Aprofundado da Doutrina Espírita Livro III - Ensinos e Parábolas de Jesus Parte II Módulo III Ensinos por Parábolas Objetivos Explicar, à Luz

Leia mais

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC

Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC Organização e Gestão de Cooperativas ESAPL / IPVC O Código Cooperativo Lei n.º 51/96 de 7 de Setembro Algumas notas sobre o Capítulo I Disposições Gerais Artigo 2º Noção 1. As cooperativas são pessoas

Leia mais

E.I.E. Caminhos da Tradição - Todos os direitos reservados.

E.I.E. Caminhos da Tradição - Todos os direitos reservados. Análise da Mandala Pessoal Pessoa Exemplo 19/06/2006 Cara XXX, A sua Mandala é uma Mandala Mista, isto quer dizer que ela contém vários itens que são característicos de diversas Mandalas chamadas por nós

Leia mais

Ética no exercício da Profissão

Ética no exercício da Profissão Titulo: Ética no exercício da Profissão Caros Colegas, minhas Senhoras e meus Senhores, Dr. António Marques Dias ROC nº 562 A nossa Ordem tem como lema: Integridade. Independência. Competência. Embora

Leia mais

Educação e Desenvolvimento Social

Educação e Desenvolvimento Social Educação e Desenvolvimento Social Luiz Antonio Cunha Os Princípios Gerais do Liberalismo O liberalismo é um sistema de crenças e convicções, isto é, uma ideologia. Todo sistema de convicções tem como base

Leia mais

PLATÃO. Consta-se que antes de ter sido discípulo de Sócrates, seguiu as lições de Crátilo.

PLATÃO. Consta-se que antes de ter sido discípulo de Sócrates, seguiu as lições de Crátilo. PLATÃO Platão, jovem aristocrata de Atenas foi familiar de Alcibíades e de Crítias tinha como nome verdadeiro Arístocles. O cognome deverá ter-se ficado a dever à envergadura dos seus ombros ou então à

Leia mais

(Actos legislativos) DIRECTIVAS

(Actos legislativos) DIRECTIVAS 26.10.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 280/1 I (Actos legislativos) DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/64/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Outubro de 2010 relativa ao direito à interpretação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação

A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação 1 LIÇÃO 1 A IMPORTÂNCIA DAS ESCRITURAS Conforme registra, por exemplo, o salmo 19.1-6, é através da Criação que Deus tem Se revelado ao homem. Deus revela-se também através da Palavra Escrita, a Bíblia

Leia mais

Utilizar na comunicação 4 ouvidos

Utilizar na comunicação 4 ouvidos Utilizar na comunicação 4 ouvidos Desafio para a relação catequética Estimado catequista, imagine que se encontra com o Luís sorriso no pátio do centro paroquial. O Luís Sorriso vai cumprimentá-lo de forma

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA ATA Nº 8/2013 - ABRIL --- DATA DA REUNIÃO: Nove de Abril de dois mil e treze. ---------------------------------- ---- LOCAL DA REUNIÃO:

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: O Perdão das Ofensas. Palestrante: Bárbara Alves. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: O Perdão das Ofensas. Palestrante: Bárbara Alves. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: O Perdão das Ofensas Palestrante: Bárbara Alves Rio de Janeiro 18/04/2003 Organizadores da Palestra: Moderador: "Brab"

Leia mais

3ª LIÇÃO - AS 4 LEIS ESPIRITUAIS

3ª LIÇÃO - AS 4 LEIS ESPIRITUAIS 0 3ª LIÇÃO - AS 4 LEIS ESPIRITUAIS Este material tem sido usado em quase todo mundo e traduzido em diversas línguas por ter sido comprovado por sua eficácia por todos que o usam. Muitos são os seus benefícios,

Leia mais

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos

Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Escolas Europeias Bureau du Secrétaire général du Conseil Supérieur Unité pédagogique Referência: 1998-D-12-2 Orig.: FR Versão: PT Programa de Filosofia nos 6 e 7 anos Aprovado pelo Conselho Superior de

Leia mais

O Poder do Pensamento e da Palavra Ter, 02 de Dezembro de 2008 09:04

O Poder do Pensamento e da Palavra Ter, 02 de Dezembro de 2008 09:04 Antes de pronunciar, devemos medir a palavra. O bom ou mau emprego que os homens fazem das palavras e pensamentos é a causa da maioria das misérias ou das felicidades por que passam. Na verdade, o mundo

Leia mais

Direito à reserva sobre a intimidade da vida privada

Direito à reserva sobre a intimidade da vida privada Direito à reserva sobre a intimidade da vida privada 1) Fundamentos Jurídicos O direito à reserva sobre a intimidade da vida privada está consagrado no elenco de direitos, liberdades e garantias da nossa

Leia mais

1º LUGAR TIAGO NORONHA

1º LUGAR TIAGO NORONHA 1º LUGAR TIAGO NORONHA Vejo um edifício gigante completamente debilitado, a necessitar urgentemente de uma arquiteta. À minha volta tenho "Diversão" o teatro politeama, "Cultura" no Coliseu e "Concertos

Leia mais

UNIDADE 1: PRECISA DE SABEDORIA? A BÍBLIA É A AUTORIDADE FINAL

UNIDADE 1: PRECISA DE SABEDORIA? A BÍBLIA É A AUTORIDADE FINAL Frutos-1 Impact0 LIÇÃO 1 VIVENDO A VIDA COM DEUS 9-11 Anos UNIDADE 1: PRECISA DE SABEDORIA? A BÍBLIA É A AUTORIDADE FINAL CONCEITO CHAVE A BÍBLIA ORIGINOU- SE COM DEUS E NÓS PODEMOS OLHAR PARA ELA COMO

Leia mais

RELAÇÕES HUMANAS. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP - 42883

RELAÇÕES HUMANAS. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira Coren/SP - 42883 Coren/SP - 42883 n Onde houver duas pessoas, com certeza teremos um relacionamento 2 n Não é surpresa para ninguém que as pessoas diferem umas das outras, não havendo dois seres iguais no mundo. n O homem

Leia mais

Monoteísmo Noaico. por Sha ul Bensiyon

Monoteísmo Noaico. por Sha ul Bensiyon Monoteísmo Noaico por Sha ul Bensiyon Aula 16 Moderação N ã o s e j a s d e m a s i a d a m e n t e j u s t o, n e m demasiadamente sábio; por que te destruirias a ti mesmo? (Ec. 7:17) O caminho do meio

Leia mais

A Ética e sua relação com o sucesso profissional do administrador e do contador

A Ética e sua relação com o sucesso profissional do administrador e do contador A Ética e sua relação com o sucesso profissional do administrador e do contador www.ricardoalmeida.adm.br ricardoalmeida@ricardoalmeida.adm.br Realização: 08/02/2007 Apoio: Boa Noite! Gostaria de desejar

Leia mais

TROVAS DO CORAÇÃO FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER CORNÉLIO PIRES

TROVAS DO CORAÇÃO FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER CORNÉLIO PIRES TROVAS DO CORAÇÃO FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER CORNÉLIO PIRES ÍNDICE 2 Afirmativa, Alegria, Beneficência, Candeia Viva, Caso Triste, Criação... 03 Desengano, Deserção, Despedida, Destaque, Disciplina, Divino

Leia mais

Orações da noite junto a um recém-nascido

Orações da noite junto a um recém-nascido Jean-Yves Garneau Orações da noite junto a um recém-nascido EDITORA AVE-MARIA As preces deste livro foram elaboradas para uma mãe ou um pai que a cada noite deseja rezar pelo seu filho recém-nascido na

Leia mais

Semeadores de Esperança

Semeadores de Esperança Yvonne T Semeadores de Esperança Crônicas de um Convite à Vida Volume 11 Crônicas de um Convite à Vida Livre d IVI Convidados a Viver PREFÁCIO Estou comovida por escrever este prefácio : tudo o que se

Leia mais

Dia 4. Criado para ser eterno

Dia 4. Criado para ser eterno Dia 4 Criado para ser eterno Deus tem [...] plantado a eternidade no coração humano. Eclesiastes 3.11; NLT Deus certamente não teria criado um ser como o homem para existir somente por um dia! Não, não...

Leia mais

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé.

Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9. I A primeira ideia do texto é o apelo à firmeza da fé. 1 Mosaicos #7 Escolhendo o caminho a seguir Hb 13:8-9 Introdução: Jesus Cristo é o mesmo, ontem, hoje e para sempre. Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Geração João Batista. Mc 1:1-8

Geração João Batista. Mc 1:1-8 Geração João Batista Mc 1:1-8 Conforme acabamos de ler, a Bíblia diz que João Batista veio ao mundo com o objetivo de "preparar o caminho do Senhor" - V3. Ele cumpriu a sua missão, preparou tudo para que

Leia mais